SlideShare uma empresa Scribd logo
9ºENCONTRO
A Confissão
Quais são os atos do penitente?
Os atos próprios do penitente são os seguintes: um diligente
exame de consciência; a contrição (ou arrependimento), que é
perfeita, quando é motivada pelo amor a Deus, e imperfeita, se
fundada sobre outros motivos, e que inclui o propósito de não
mais pecar; a confissão, que consiste na acusação dos pecados
feita diante do sacerdote; a satisfação, ou seja, o cumprimento
de certos atos de penitência, que o confessor impõe ao penitente
para reparar o dano causado pelo pecado
Introdução
Medo, vergonha, falta de sinceridade..., são
perigos a evitar na confissão. Se estamos
conscientes de que é o próprio Jesus Cristo
quem perdoa os pecados por intermédio do
sacerdote, superaremos melhor essas atitudes
que retraem certos cristãos de se confessarem.
Ideias principais
Acusação dos Pecados
A acusação espontânea feita ao sacerdote
constitui uma parte essencial do sacramento da
Penitência. Os penitentes devem, na confissão,
enumerar todos os pecados mortais de que têm
consciência, após se terem seriamente examinados.
Em casos de grave necessidade, pode-se recorrer à celebração
comunitária da reconciliação, com confissão geral e absolvição geral. Tal
necessidade grave pode ocorrer quando há um perigo iminente de morte,
sem que os sacerdotes tenham tempo suficiente para ouvir a confissão de
cada penitente. A necessidade grave pode existir também quando, tendo
em conta o número dos penitentes, não há confessores bastantes para
ouvir devidamente as confissões individuais num tempo razoável, de
modo que os penitentes, sem culpa sua, se vejam privados durante muito
tempo da graça sacramental ou da Sagrada Comunhão. Neste caso, para
a validade da absolvição, os fiéis devem ter o propósito de confessar
individualmente os seus pecados em tempo oportuno. Pertence ao bispo
diocesano julgar se as condições requeridas para a absolvição geral
existem. Uma grande afluência de fiéis, por ocasião de grandes festas ou
de peregrinações, não constitui um caso de grave necessidade.
Quando alguém se esquece de mencionar na
confissão um ou mais pecados mortais que tenha
cometido, e depois se recorda desse pecado, deve
mencioná-lo na próxima confissão, mas não é
necessário que corra imediatamente ao confessor.
Devido à contrição universal do penitente, o pecado
por ele esquecido já foi indiretamente perdoado;
fica apenas a obrigação de mencioná-lo, se o
recorda, na confissão seguinte, para que seja
diretamente perdoado.
Uma só coisa pode viciar a nossa confissão e
torná-la “má” ou sacrílega: omitir consciente
e deliberadamente a manifestação de um
pecado que temos a certeza de ser mortal e
que deveríamos confessar. Proceder assim é
não querer cumprir uma das condições que
Deus nos pede para nos conceder o seu
perdão. Se não nos “abrimos” a Deus, Deus
não abrirá o seu tribunal ao perdão.
Os pecados que dizemos em confissão estão cobertos
pelo mais estrito vínculo de segredo que existe na terra. Este
vínculo de segredo – o sigilo sacramental – proíbe o
sacerdote de revelar por qualquer motivo, sem exceção
alguma, o que lhe foi dito em confissão. O penitente é o
único que pode dispensar o sacerdote desse sigilo. Nem
mesmo ao próprio penitente pode o sacerdote mencionar
fora da confissão as faltas de que tomou conhecimento, a
não ser que o penitente assim o deseje e declare.
Um sacerdote não pode revelar o que lhe disseram na
confissão sacramental nem mesmo para salvar o mundo
inteiro da destruição. Se porventura violasse o sigilo
sacramental, seria condenado com o mais estrito tipo de
excomunhão que a Igreja pode infligir.
Para se poder receber o sacramento da
Penitência, é necessário confessar algum
pecado atual, porque este sacramento foi
instituído para perdoar os pecados cometidos
depois do batismo. A pessoa que não tivesse
cometido absolutamente nenhum pecado não
poderia receber o sacramento da Penitência,
pois não haveria matéria sobre a qual o
sacramento pudesse atuar.
Se não temos pecados mortais a confessar, acusar-nos
de um ou mais pecados veniais – de que estejamos
verdadeiramente arrependidos – dar-nos-á condições
para receber o sacramento da Penitência e as graças
correspondentes. Se não pudermos recordar-nos sequer
de um pecado venial cometido depois da última
confissão, então podemos voltar a confessar algum
pecado da nossa vida passada.
Recomendações relativas à confissão
 Ao enunciarmos os pecados, falar ao confessor clara e
distintamente, mas em voz muito baixa. Pouco poderá
ajudar-nos o sigilo da confissão se dissermos os nossos
pecados com um vozeirão tal que os ouçam todos os que
estão na Igreja. As pessoas que ouvem mal podem pedir
para confessar-se na sacristia. As pessoas que tem um
sério impedimento para falar, podem levar a sua confissão
previamente escrita num papel e entregá-lo ao sacerdote,
que o destruirá depois de o ter lido.
 Nunca mencionaremos os pecados dos outros.
 A não ser que seja necessário para reparar uma confissão
mal feita, não queiramos fazer uma confissão geral (que
abranja toda ou a maior parte de nossa vida) sem
consultar previamente o confessor. Uma confissão geral
rara vez é aconselhável, exceto talvez em ocasiões
decisivas da vida, tais como o casamento, a ordenação ou
a profissão religiosa.
 Escutemos atentamente o sacerdote quando nos impõe a
penitência, bem como os conselhos que nos possa dar. Se
não o ouvimos bem, devemos dizê-lo. Se ficamos com
alguma dúvida ou temos um conselho a pedir, não
hesitemos em dizê-lo.
 Continuemos a escutar atentamente o sacerdote enquanto
pronuncia as palavras da absolvição. Já nos doemos dos
nossos pecados e essa dor permanece na alma. Não é
correto recitar verbalmente um ato de contrição enquanto o
sacerdote pronuncia as palavras de absolvição.
 Finalmente, devemos permanecer alguns minutos na Igreja
depois de nos termos confessado, para agradecer a Deus
as graças que acaba de conceder-nos e cumprir também a
penitência que o confessor nos impôs, se esta consiste em
algumas orações.
Pecado e castigo
O pecado mortal provoca duas espécies de
castigo. Em primeiro lugar, o castigo eterno, a
perda de Deus para sempre, que é a sua sequela
inevitável. Perdoada a culpa do pecado, seja pelo
batismo, seja no sacramento da Penitência, fica
perdoado esse castigo eterno.
Além do castigo eterno, há também um castigo temporal
(quer dizer, por um certo período de tempo), que podemos
dever a Deus mesmo depois de o pecado mortal ter sido
perdoado, e que o pecado venial também merece. Este
castigo temporal é a reparação que devemos oferecer a
Deus (pelos méritos de Cristo) por termos violado a sua
justiça, mesmo depois de perdoado o pecado; é a satisfação
que oferecemos a Deus pelas nossas insuficiências na
intensidade da dor pelos nossos pecados. Pagamos este
débito com os sofrimentos do purgatório, a não ser que o
cancelemos nesta vida mediante adequadas obras de
penitência.
A penitência que o confessor impõe deve ter em conta a
situação pessoal do penitente e procurar o seu bem
espiritual. Deve corresponder, quanto possível, à gravidade e
natureza dos pecados cometidos. Pode consistir na oração,
num donativo, nas obras de misericórdia, no serviço do
próximo, em privações voluntárias, sacrifícios e, sobretudo,
na aceitação paciente da cruz que temos de levar. Tais
penitências ajudam-nos a configurar-nos com Cristo que,
sozinho, expiou os nossos pecados uma vez por todas. Tais
penitências fazem que nos tornemos co-herdeiros de Cristo
Ressuscitado, uma vez que também sofremos com Ele.
A penitência interior do cristão pode ter expressões muito
variadas. A Sagrada Escritura e os Santos Padres insistem
sobretudo em três formas: o jejum, a oração e a esmola,
que exprimem a conversão, em relação a si mesmo, a Deus
e aos outros. A par da purificação radical operada pelo
Batismo ou pelo martírio, citam-se como meios de obter o
perdão dos pecados os esforços realizados para se
reconciliar com o próximo, as lágrimas de penitência.
As indulgências
As indulgências proporcionam-nos um modo acessível e
proveitoso de podermos satisfazer pelo castigo temporal que
ficamos devendo depois de os nossos pecados terem sido
perdoados. Podemos ganhar indulgências todos os dias, e
sempre será bom ter presente que abreviam o nosso
purgatório. O Catecismo da Igreja Católica define-as assim:
“Indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal
devida pelos pecados cuja culpa já foi perdoada, remissão
que o fiel bem disposto obtém em certas e determinadas
condições pela intervenção da Igreja que, como dispensadora
da redenção, distribui e aplica por sua autoridade o tesouro
das satisfações de Cristo e dos santos.” (CIC 1471)
No plano salvífico de Deus, nem uma só oração, nem
uma lágrima de arrependimento, nem uma picada de dor
se perdem: até o menor mérito satisfatório que uma
pessoa possa ganhar e de que não precise para os seus
próprios pecados, junta-se ao tesouro de méritos de que
a Igreja pode dispor para atender às necessidades
espirituais dos seus filhos, intimamente unidos uns aos
outros pelo vínculo da Comunhão dos Santos. Este
grande depósito de satisfação acumulada está a nossa
disposição para pagarmos as penas temporais devidas
pelos nossos pecados. É o chamado tesouro espiritual
da Igreja, que a Igreja conserva e distribui.
A base desse tesouro espiritual da Igreja encontra-se
nos méritos infinitamente satisfatórios do próprio Cristo.
Sendo Deus, tudo o que Ele fez e sofreu tinha um valor
infinito. Com a sua vida e morte, Jesus constituiu um
depósito inesgotável de méritos, suficiente para atender
às necessidades de toda a humanidade até o fim dos
tempos. A esse tesouro somam-se os méritos de Maria,
nossa Santíssima Mãe (que não necessitou desses
méritos para si), os dos santos que fizeram boas obras
muito além das suas necessidades, e as satisfações
excedentes de todos os membros do Corpo Místico de
Cristo.
Qualquer oração ou boa obra a que foram concedidas
indulgências é como um cheque que a Igreja nos põe nas
mãos. Podemos descontá-lo da conta do banco espiritual
das superabundantes satisfações de Cristo e dos santos, e
assim pagar a nossa própria dívida para com Deus. Esta
dívida é paga em maior ou menor grau – no caso das
indulgências parciais – segundo o amor com que fizermos a
obra enriquecida com indulgências.
Às vezes, no entanto, a Igreja dá-nos, por assim dizer, um
cheque em branco contra o seu tesouro espiritual: é o que
chamamos indulgência plenária. Neste caso, é como se a
Igreja nos dissesse: “Cumpra estas condições que estabeleci
– com todas as disposições devidas – e eu, sua Mãe, a Igreja,
tirarei do meu tesouro espiritual toda a satisfação que for
necessária para apagar inteiramente as suas dívidas de pena
temporal.”
Se ganhássemos uma indulgência plenária e morrêssemos
logo após, reunir-nos-íamos a Deus no céu imediatamente,
sem ter que satisfazer pelos nossos pecados no purgatório.
Na prática, é muito difícil ter a certeza de se ter ganho
uma indulgência plenária. Para consegui-la, é necessário
estar absolutamente desprendido de todo o pecado
deliberado, o que exige uma dor sincera de todos os
pecados, tanto veniais como mortais, e o propósito de evitar
daí por diante até o menor pecado. Nem sempre podemos ter
a certeza de que a nossa renúncia ao pecado é tão total
como se exige. A Igreja, no entanto, ao conceder uma
indulgência plenária, concede-se com a ideia de que, se não
estamos devidamente preparados para lucrá-la, ao menos
ganhemos a indulgência parcialmente, segundo a maior ou
menor perfeição das nossas disposições.
Para ganhar cada uma das indulgências plenárias,
além da condição mencionada, são requeridas outras
três: confissão sacramental, comunhão eucarística e
oração pelas intenções do Sumo Pontífice. As três
condições podem ser preenchidas em dias diversos,
antes ou após a realização da obra prescrita; mas
convém que a comunhão e a oração pelas intenções
do Soberano Pontífice se façam no mesmo dia em
que se pratica a obra.
Uma pessoa pode começar a ganhar uma indulgência mesmo
com um pecado mortal na alma, mas deve estar em estado de
graça ao terminar a obra a que se concederam indulgências. Por
exemplo, se se podem ganhar indulgências visitando um santuário,
desde que também nos confessemos e comunguemos, podemos
estar em pecado mortal no momento em que realizamos a visita, e
ainda ganhar a indulgência se recebermos dignamente os
sacramentos da Penitência e da Eucaristia e rezarmos pelas
intenções do Santo Padre. Para este último ponto, é suficiente
rezar um Pai-Nosso e uma Ave-Maria.
Além disso, é necessário ter ao menos a intenção geral de
lucrar a indulgência visto que a Igreja não nos força a aceitá-la.
Para isto, basta a intenção geral. Assim, se cada domingo
formulo esta intenção: “Deus misericordioso, quero ganhar
todas as indulgências que puder nesta semana e sempre”,
então ganharei quaisquer indulgências que tenham sido
concedidas às orações e boas obras que diga ou faça durante
essa semana, mesmo que não me lembre disso no momento
de realizá-las, e mesmo que ignore se tal ação ou oração goza
de indulgências concedidas pela Igreja. Melhor ainda que
expressar essa intenção uma vez por semana, é a prática de
fazê-lo cada dia, como parte das nossas orações da manhã.
As indulgências plenárias são tão numerosas e as obras
prescritas para lucrá-las tão fáceis, que só a mais
irresponsável das preguiças espirituais nos pode levar a
descurá-las ou ignorá-las.
A indulgência plenária só pode ser lucrada uma vez por dia.
Excetua-se apenas a indulgência plenária que a Igreja
concede em perigo de morte, que pode ser ganha mesmo que,
nesse dia, o moribundo já tenha lucrado outra indulgência
plenária. Nisto difere as plenárias das parciais, que podem ser
ganhas tantas vezes quantas se realizem as obras prescritas.
Assim, quando rezo com devoção a Salve-Rainha, ganho uma
indulgência parcial, e, se a disser cem vezes nesse dia,
ganharei cem vezes essa indulgência.
Indulgências plenárias
As indulgências plenárias que ganhamos não
podem ser aplicadas a outras pessoas vivas. Nesta
matéria, cada qual tem que enfrentar o seu próprio
débito. Mas podemos aplicar todas as indulgências
– plenárias ou parciais – às almas do purgatório.
Como a Igreja tem autoridade direta sobre os seus membros
vivos, podemos ter a certeza dos efeitos das indulgências que
ganhamos para nós, sempre que cumpramos as condições
necessárias. Mas a Igreja não tem autoridade direta sobre as
almas do purgatório. As indulgências que oferecemos por elas são
a título de sufrágio, isto é, tem o valor de petição a Deus, para que
as aplique à pessoa por quem se oferece. Se essa indulgência é
realmente aplicada ou não, depende da misericórdia de Deus.
Devemos confiar em que essa alma receberá a indulgência que
ganhamos para ela; mas, como não há maneira de sabê-lo com
certeza, a Igreja permite que ofereçamos mais de uma indulgência
plenária pela alma do mesmo defunto.
As indulgências outorgadas à recitação do terço são tão
numerosas como seria de esperar de uma devoção cujo
centro é Aquela que é o “refúgio dos pecadores”. Ao
recitarmos as cinco dezenas do terço, a Igreja concede uma
indulgência parcial, mesmo que as contas do terço não
estejam bentas. Se essa recitação for feita em família ou
numa Igreja, pode-se ganhar indulgência plenária, desde
que se rezem cinco dezenas sem interrupção, em voz alta e
meditando cada mistério. Também foi concedida indulgência
parcial ao uso devoto de um terço devidamente bento.
A Via-Sacra é outro fácil atalho para o céu. Todas as
vezes que a fazemos diante de estações legitimamente
eregidas, ganhamos indulgência plenária. A Igreja concede
também indulgência plenária aos que – estando impedidos
de ir a uma igreja ou capela para fazer a Via-Sacra –
dedicam pelo menos meia hora à leitura e meditação da
paixão e morte de Cristo.
Para ganhar a indulgência da Via-Sacra, o que se requer
é que vamos de estação em estação – costumam ser
cruzes, quadros ou relevos – meditando nos sofrimentos de
Cristo. Isto quer dizer que devemos considerar o significado
do que Jesus quis sofrer por nós e tirar disso alguma
conclusão prática. Por exemplo, se meditarmos que Jesus
foi despojado da última coisa que lhe restava – as suas
vestes –, sentir-nos-emos envergonhados das nossas
ânsias de possuir sempre mais e da nossa cegueira em
relação às necessidades do próximo.
Podemos fazer a Via-Sacra em poucos minutos
ou numa hora. Desde que percorramos as estações
meditando sobre a Paixão de Nosso Senhor Jesus
Cristo, ganharemos a indulgência. Quando a Via-
Sacra é feita publicamente por um grupo (como na
paróquia, durante a Quaresma), basta que um dos
presentes vá de estação em estação, mas todos têm
que fazer a sua meditação pessoal.
O Enchiridion Indulgentiarum contém uma longa relação de
indulgências, que são manifestação da solicitude maternal da Igreja para
com seus filhos. Todas elas constituem, além disso, um incentivo para
vivermos uma vida cristã mais intensa e para santificarmos os deveres
cotidianos. Assim, por exemplo, estão enriquecidas com indulgência
parcial as seguintes práticas piedosas: fazer o sinal da Cruz, dizendo
“Em nome do Pai ...”, a visita ao Santíssimo Sacramento para adorá-lo
(se se prolonga por meia hora, a indulgência é plenária); dizer uma
comunhão espiritual; fazer oração mental; visitar um cemitério e lá rezar,
pelo menos mentalmente, pelos defuntos (esta indulgência aplica-se às
almas do Purgatório, e é plenária se a visita se faz entre o dia 1º e 8 de
novembro); ler a Bíblia (a indulgência é plenária se a leitura se faz
durante meia hora); ensinar ou aprender a doutrina cristã; participar de
um recolhimento mensal, etc.
E, ao lado dessas práticas espirituais, há três concessões gerais de
indulgências, com as quais a Igreja quer ajudar os fiéis a impregnar de
espírito cristão a vida diária.
 Concede-se indulgência parcial ao fiel cristão que, ao cumprir os seus
deveres e aceitar os sacrifícios da vida, levanta o coração a Deus com
confiança humilde, acrescentando – mesmo que seja só mentalmente
– uma jaculatória.
 Também se concede indulgência parcial ao fiel cristão que, com fé e
espírito de caridade, se dedica – mediante um esforço pessoal ou com
os seus bens materiais a servir os irmãos que padecem necessidade.
 Por último, concede-se indulgência parcial àqueles que, com espírito
de penitência, se abstém espontaneamente de alguma coisa lícita que
lhes seja agradável.
Perguntas
www.conhecendominhafe.blogspot.com.br
1. Quais são os atos do penitente?
2. Que pecados se devem confessar?
3. Quem é o ministro deste sacramento?
4. O que são indulgências?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Rubens Júnior
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
Catequese Anjos dos Céus
 
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Rubens Júnior
 
Os sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vidaOs sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vida
Juliana Cristina M. Muniz
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
Si Leão
 
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
25  Os Setes Sacramentos Da Igreja25  Os Setes Sacramentos Da Igreja
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
p1guarei
 
Unção enfermos
Unção enfermosUnção enfermos
Unção enfermos
António José Fonseca
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Formação catequese
Formação catequeseFormação catequese
Formação catequese
Rafael Maciel
 
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Introdução aos sacramentos   09.04.13Introdução aos sacramentos   09.04.13
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Daiane Costa
 
O sacramento do Crisma
O sacramento do CrismaO sacramento do Crisma
O sacramento do Crisma
António José Fonseca
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
Rafael Maciel
 
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Rubens Júnior
 
Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
Jean
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
Paulo Kuke
 
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Rubens Júnior
 
O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?
Juliana Cristina M. Muniz
 
Esquema da-missa
Esquema da-missaEsquema da-missa
Esquema da-missa
Jadson Costa
 
Os 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos CatólicosOs 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos Católicos
Adalberto Queiroz
 
Sacramentos e batismo
Sacramentos e batismoSacramentos e batismo
Sacramentos e batismo
Eric Araújo
 

Mais procurados (20)

Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
 
Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05Os sacramentos da igreja - Aula 05
Os sacramentos da igreja - Aula 05
 
Os sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vidaOs sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vida
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
 
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
25  Os Setes Sacramentos Da Igreja25  Os Setes Sacramentos Da Igreja
25 Os Setes Sacramentos Da Igreja
 
Unção enfermos
Unção enfermosUnção enfermos
Unção enfermos
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Formação catequese
Formação catequeseFormação catequese
Formação catequese
 
Introdução aos sacramentos 09.04.13
Introdução aos sacramentos   09.04.13Introdução aos sacramentos   09.04.13
Introdução aos sacramentos 09.04.13
 
O sacramento do Crisma
O sacramento do CrismaO sacramento do Crisma
O sacramento do Crisma
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
 
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04
 
Introdução aos sacramentos
Introdução aos sacramentosIntrodução aos sacramentos
Introdução aos sacramentos
 
Sacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveisSacrametos sinais visiveis
Sacrametos sinais visiveis
 
Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02Os sacramentos da igreja - Aula 02
Os sacramentos da igreja - Aula 02
 
O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?O que é a Eucaristia?
O que é a Eucaristia?
 
Esquema da-missa
Esquema da-missaEsquema da-missa
Esquema da-missa
 
Os 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos CatólicosOs 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos Católicos
 
Sacramentos e batismo
Sacramentos e batismoSacramentos e batismo
Sacramentos e batismo
 

Semelhante a Os sacramentos da igreja - Aula 09

15 - ist - a vida cristã - cura
15  - ist - a vida cristã - cura15  - ist - a vida cristã - cura
15 - ist - a vida cristã - cura
Léo Mendonça
 
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdfSLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
LuizEduardo136978
 
Tu e a confissão
Tu e a confissãoTu e a confissão
Tu e a confissão
Servo33
 
O_Catequista_Confissao_dos_Pecados.pdf
O_Catequista_Confissao_dos_Pecados.pdfO_Catequista_Confissao_dos_Pecados.pdf
O_Catequista_Confissao_dos_Pecados.pdf
PeClaudio
 
projeto Amigos de Deus Confissão.pptx
projeto Amigos de Deus Confissão.pptxprojeto Amigos de Deus Confissão.pptx
projeto Amigos de Deus Confissão.pptx
AdrianadeCastro9
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
JNR
 
O batismo nas águas parte 1.
O batismo nas águas   parte 1.O batismo nas águas   parte 1.
O batismo nas águas parte 1.
influenciart
 
Folder Contrição Perfeita: Sacramento da Penitência e Confissão
Folder Contrição Perfeita: Sacramento da Penitência e ConfissãoFolder Contrição Perfeita: Sacramento da Penitência e Confissão
Folder Contrição Perfeita: Sacramento da Penitência e Confissão
Escrava de Jesus
 
Instrucões para a santa missa - João Batista de la Salle
Instrucões para a santa missa - João Batista de la SalleInstrucões para a santa missa - João Batista de la Salle
Instrucões para a santa missa - João Batista de la Salle
Marcos Antonio da Silva
 
Meditações puritanas para a ceia do senhor
Meditações puritanas para a ceia do senhorMeditações puritanas para a ceia do senhor
Meditações puritanas para a ceia do senhor
César Augusto Caetano
 
A santa missa
A santa missaA santa missa
A santa missa
Lucas Barros
 
Slide Licao 8 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 8 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxSlide Licao 8 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 8 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
vinicius252017
 
A oração de confissão 1
A oração de confissão 1A oração de confissão 1
A oração de confissão 1
Erinice Mendes Izaias
 
Exame de consciência para adultos livreto
Exame de consciência para adultos livretoExame de consciência para adultos livreto
Exame de consciência para adultos livreto
Alexandria Católica
 
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
17   ist - a vida cristã - revisão geral ii17   ist - a vida cristã - revisão geral ii
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
Léo Mendonça
 
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John OwenTratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
Silvio Dutra
 
O batismo nas águas parte 2.
O batismo nas águas   parte 2.O batismo nas águas   parte 2.
O batismo nas águas parte 2.
influenciart
 
Orientação-para-as-confissões de jovenss
Orientação-para-as-confissões de jovenssOrientação-para-as-confissões de jovenss
Orientação-para-as-confissões de jovenss
Luciana Coto
 
Deus requer santificação aos cristãos 57
Deus requer santificação aos cristãos 57Deus requer santificação aos cristãos 57
Deus requer santificação aos cristãos 57
Silvio Dutra
 
Disciplina na igreja
Disciplina na igrejaDisciplina na igreja
Disciplina na igreja
Pastor Marcello Rocha
 

Semelhante a Os sacramentos da igreja - Aula 09 (20)

15 - ist - a vida cristã - cura
15  - ist - a vida cristã - cura15  - ist - a vida cristã - cura
15 - ist - a vida cristã - cura
 
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdfSLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
SLIDE DO SACRAMNETO DA RECONCILIAÇÃO.pdf
 
Tu e a confissão
Tu e a confissãoTu e a confissão
Tu e a confissão
 
O_Catequista_Confissao_dos_Pecados.pdf
O_Catequista_Confissao_dos_Pecados.pdfO_Catequista_Confissao_dos_Pecados.pdf
O_Catequista_Confissao_dos_Pecados.pdf
 
projeto Amigos de Deus Confissão.pptx
projeto Amigos de Deus Confissão.pptxprojeto Amigos de Deus Confissão.pptx
projeto Amigos de Deus Confissão.pptx
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
O batismo nas águas parte 1.
O batismo nas águas   parte 1.O batismo nas águas   parte 1.
O batismo nas águas parte 1.
 
Folder Contrição Perfeita: Sacramento da Penitência e Confissão
Folder Contrição Perfeita: Sacramento da Penitência e ConfissãoFolder Contrição Perfeita: Sacramento da Penitência e Confissão
Folder Contrição Perfeita: Sacramento da Penitência e Confissão
 
Instrucões para a santa missa - João Batista de la Salle
Instrucões para a santa missa - João Batista de la SalleInstrucões para a santa missa - João Batista de la Salle
Instrucões para a santa missa - João Batista de la Salle
 
Meditações puritanas para a ceia do senhor
Meditações puritanas para a ceia do senhorMeditações puritanas para a ceia do senhor
Meditações puritanas para a ceia do senhor
 
A santa missa
A santa missaA santa missa
A santa missa
 
Slide Licao 8 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 8 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptxSlide Licao 8 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
Slide Licao 8 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Quadrado.pptx
 
A oração de confissão 1
A oração de confissão 1A oração de confissão 1
A oração de confissão 1
 
Exame de consciência para adultos livreto
Exame de consciência para adultos livretoExame de consciência para adultos livreto
Exame de consciência para adultos livreto
 
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
17   ist - a vida cristã - revisão geral ii17   ist - a vida cristã - revisão geral ii
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
 
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John OwenTratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
 
O batismo nas águas parte 2.
O batismo nas águas   parte 2.O batismo nas águas   parte 2.
O batismo nas águas parte 2.
 
Orientação-para-as-confissões de jovenss
Orientação-para-as-confissões de jovenssOrientação-para-as-confissões de jovenss
Orientação-para-as-confissões de jovenss
 
Deus requer santificação aos cristãos 57
Deus requer santificação aos cristãos 57Deus requer santificação aos cristãos 57
Deus requer santificação aos cristãos 57
 
Disciplina na igreja
Disciplina na igrejaDisciplina na igreja
Disciplina na igreja
 

Último

3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (20)

3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Os sacramentos da igreja - Aula 09

  • 2. Quais são os atos do penitente? Os atos próprios do penitente são os seguintes: um diligente exame de consciência; a contrição (ou arrependimento), que é perfeita, quando é motivada pelo amor a Deus, e imperfeita, se fundada sobre outros motivos, e que inclui o propósito de não mais pecar; a confissão, que consiste na acusação dos pecados feita diante do sacerdote; a satisfação, ou seja, o cumprimento de certos atos de penitência, que o confessor impõe ao penitente para reparar o dano causado pelo pecado
  • 3. Introdução Medo, vergonha, falta de sinceridade..., são perigos a evitar na confissão. Se estamos conscientes de que é o próprio Jesus Cristo quem perdoa os pecados por intermédio do sacerdote, superaremos melhor essas atitudes que retraem certos cristãos de se confessarem.
  • 5. Acusação dos Pecados A acusação espontânea feita ao sacerdote constitui uma parte essencial do sacramento da Penitência. Os penitentes devem, na confissão, enumerar todos os pecados mortais de que têm consciência, após se terem seriamente examinados.
  • 6. Em casos de grave necessidade, pode-se recorrer à celebração comunitária da reconciliação, com confissão geral e absolvição geral. Tal necessidade grave pode ocorrer quando há um perigo iminente de morte, sem que os sacerdotes tenham tempo suficiente para ouvir a confissão de cada penitente. A necessidade grave pode existir também quando, tendo em conta o número dos penitentes, não há confessores bastantes para ouvir devidamente as confissões individuais num tempo razoável, de modo que os penitentes, sem culpa sua, se vejam privados durante muito tempo da graça sacramental ou da Sagrada Comunhão. Neste caso, para a validade da absolvição, os fiéis devem ter o propósito de confessar individualmente os seus pecados em tempo oportuno. Pertence ao bispo diocesano julgar se as condições requeridas para a absolvição geral existem. Uma grande afluência de fiéis, por ocasião de grandes festas ou de peregrinações, não constitui um caso de grave necessidade.
  • 7. Quando alguém se esquece de mencionar na confissão um ou mais pecados mortais que tenha cometido, e depois se recorda desse pecado, deve mencioná-lo na próxima confissão, mas não é necessário que corra imediatamente ao confessor. Devido à contrição universal do penitente, o pecado por ele esquecido já foi indiretamente perdoado; fica apenas a obrigação de mencioná-lo, se o recorda, na confissão seguinte, para que seja diretamente perdoado.
  • 8. Uma só coisa pode viciar a nossa confissão e torná-la “má” ou sacrílega: omitir consciente e deliberadamente a manifestação de um pecado que temos a certeza de ser mortal e que deveríamos confessar. Proceder assim é não querer cumprir uma das condições que Deus nos pede para nos conceder o seu perdão. Se não nos “abrimos” a Deus, Deus não abrirá o seu tribunal ao perdão.
  • 9. Os pecados que dizemos em confissão estão cobertos pelo mais estrito vínculo de segredo que existe na terra. Este vínculo de segredo – o sigilo sacramental – proíbe o sacerdote de revelar por qualquer motivo, sem exceção alguma, o que lhe foi dito em confissão. O penitente é o único que pode dispensar o sacerdote desse sigilo. Nem mesmo ao próprio penitente pode o sacerdote mencionar fora da confissão as faltas de que tomou conhecimento, a não ser que o penitente assim o deseje e declare. Um sacerdote não pode revelar o que lhe disseram na confissão sacramental nem mesmo para salvar o mundo inteiro da destruição. Se porventura violasse o sigilo sacramental, seria condenado com o mais estrito tipo de excomunhão que a Igreja pode infligir.
  • 10. Para se poder receber o sacramento da Penitência, é necessário confessar algum pecado atual, porque este sacramento foi instituído para perdoar os pecados cometidos depois do batismo. A pessoa que não tivesse cometido absolutamente nenhum pecado não poderia receber o sacramento da Penitência, pois não haveria matéria sobre a qual o sacramento pudesse atuar.
  • 11. Se não temos pecados mortais a confessar, acusar-nos de um ou mais pecados veniais – de que estejamos verdadeiramente arrependidos – dar-nos-á condições para receber o sacramento da Penitência e as graças correspondentes. Se não pudermos recordar-nos sequer de um pecado venial cometido depois da última confissão, então podemos voltar a confessar algum pecado da nossa vida passada.
  • 12. Recomendações relativas à confissão  Ao enunciarmos os pecados, falar ao confessor clara e distintamente, mas em voz muito baixa. Pouco poderá ajudar-nos o sigilo da confissão se dissermos os nossos pecados com um vozeirão tal que os ouçam todos os que estão na Igreja. As pessoas que ouvem mal podem pedir para confessar-se na sacristia. As pessoas que tem um sério impedimento para falar, podem levar a sua confissão previamente escrita num papel e entregá-lo ao sacerdote, que o destruirá depois de o ter lido.  Nunca mencionaremos os pecados dos outros.
  • 13.  A não ser que seja necessário para reparar uma confissão mal feita, não queiramos fazer uma confissão geral (que abranja toda ou a maior parte de nossa vida) sem consultar previamente o confessor. Uma confissão geral rara vez é aconselhável, exceto talvez em ocasiões decisivas da vida, tais como o casamento, a ordenação ou a profissão religiosa.  Escutemos atentamente o sacerdote quando nos impõe a penitência, bem como os conselhos que nos possa dar. Se não o ouvimos bem, devemos dizê-lo. Se ficamos com alguma dúvida ou temos um conselho a pedir, não hesitemos em dizê-lo.
  • 14.  Continuemos a escutar atentamente o sacerdote enquanto pronuncia as palavras da absolvição. Já nos doemos dos nossos pecados e essa dor permanece na alma. Não é correto recitar verbalmente um ato de contrição enquanto o sacerdote pronuncia as palavras de absolvição.  Finalmente, devemos permanecer alguns minutos na Igreja depois de nos termos confessado, para agradecer a Deus as graças que acaba de conceder-nos e cumprir também a penitência que o confessor nos impôs, se esta consiste em algumas orações.
  • 15. Pecado e castigo O pecado mortal provoca duas espécies de castigo. Em primeiro lugar, o castigo eterno, a perda de Deus para sempre, que é a sua sequela inevitável. Perdoada a culpa do pecado, seja pelo batismo, seja no sacramento da Penitência, fica perdoado esse castigo eterno.
  • 16. Além do castigo eterno, há também um castigo temporal (quer dizer, por um certo período de tempo), que podemos dever a Deus mesmo depois de o pecado mortal ter sido perdoado, e que o pecado venial também merece. Este castigo temporal é a reparação que devemos oferecer a Deus (pelos méritos de Cristo) por termos violado a sua justiça, mesmo depois de perdoado o pecado; é a satisfação que oferecemos a Deus pelas nossas insuficiências na intensidade da dor pelos nossos pecados. Pagamos este débito com os sofrimentos do purgatório, a não ser que o cancelemos nesta vida mediante adequadas obras de penitência.
  • 17. A penitência que o confessor impõe deve ter em conta a situação pessoal do penitente e procurar o seu bem espiritual. Deve corresponder, quanto possível, à gravidade e natureza dos pecados cometidos. Pode consistir na oração, num donativo, nas obras de misericórdia, no serviço do próximo, em privações voluntárias, sacrifícios e, sobretudo, na aceitação paciente da cruz que temos de levar. Tais penitências ajudam-nos a configurar-nos com Cristo que, sozinho, expiou os nossos pecados uma vez por todas. Tais penitências fazem que nos tornemos co-herdeiros de Cristo Ressuscitado, uma vez que também sofremos com Ele.
  • 18. A penitência interior do cristão pode ter expressões muito variadas. A Sagrada Escritura e os Santos Padres insistem sobretudo em três formas: o jejum, a oração e a esmola, que exprimem a conversão, em relação a si mesmo, a Deus e aos outros. A par da purificação radical operada pelo Batismo ou pelo martírio, citam-se como meios de obter o perdão dos pecados os esforços realizados para se reconciliar com o próximo, as lágrimas de penitência.
  • 19. As indulgências As indulgências proporcionam-nos um modo acessível e proveitoso de podermos satisfazer pelo castigo temporal que ficamos devendo depois de os nossos pecados terem sido perdoados. Podemos ganhar indulgências todos os dias, e sempre será bom ter presente que abreviam o nosso purgatório. O Catecismo da Igreja Católica define-as assim: “Indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados cuja culpa já foi perdoada, remissão que o fiel bem disposto obtém em certas e determinadas condições pela intervenção da Igreja que, como dispensadora da redenção, distribui e aplica por sua autoridade o tesouro das satisfações de Cristo e dos santos.” (CIC 1471)
  • 20. No plano salvífico de Deus, nem uma só oração, nem uma lágrima de arrependimento, nem uma picada de dor se perdem: até o menor mérito satisfatório que uma pessoa possa ganhar e de que não precise para os seus próprios pecados, junta-se ao tesouro de méritos de que a Igreja pode dispor para atender às necessidades espirituais dos seus filhos, intimamente unidos uns aos outros pelo vínculo da Comunhão dos Santos. Este grande depósito de satisfação acumulada está a nossa disposição para pagarmos as penas temporais devidas pelos nossos pecados. É o chamado tesouro espiritual da Igreja, que a Igreja conserva e distribui.
  • 21. A base desse tesouro espiritual da Igreja encontra-se nos méritos infinitamente satisfatórios do próprio Cristo. Sendo Deus, tudo o que Ele fez e sofreu tinha um valor infinito. Com a sua vida e morte, Jesus constituiu um depósito inesgotável de méritos, suficiente para atender às necessidades de toda a humanidade até o fim dos tempos. A esse tesouro somam-se os méritos de Maria, nossa Santíssima Mãe (que não necessitou desses méritos para si), os dos santos que fizeram boas obras muito além das suas necessidades, e as satisfações excedentes de todos os membros do Corpo Místico de Cristo.
  • 22. Qualquer oração ou boa obra a que foram concedidas indulgências é como um cheque que a Igreja nos põe nas mãos. Podemos descontá-lo da conta do banco espiritual das superabundantes satisfações de Cristo e dos santos, e assim pagar a nossa própria dívida para com Deus. Esta dívida é paga em maior ou menor grau – no caso das indulgências parciais – segundo o amor com que fizermos a obra enriquecida com indulgências.
  • 23. Às vezes, no entanto, a Igreja dá-nos, por assim dizer, um cheque em branco contra o seu tesouro espiritual: é o que chamamos indulgência plenária. Neste caso, é como se a Igreja nos dissesse: “Cumpra estas condições que estabeleci – com todas as disposições devidas – e eu, sua Mãe, a Igreja, tirarei do meu tesouro espiritual toda a satisfação que for necessária para apagar inteiramente as suas dívidas de pena temporal.” Se ganhássemos uma indulgência plenária e morrêssemos logo após, reunir-nos-íamos a Deus no céu imediatamente, sem ter que satisfazer pelos nossos pecados no purgatório.
  • 24. Na prática, é muito difícil ter a certeza de se ter ganho uma indulgência plenária. Para consegui-la, é necessário estar absolutamente desprendido de todo o pecado deliberado, o que exige uma dor sincera de todos os pecados, tanto veniais como mortais, e o propósito de evitar daí por diante até o menor pecado. Nem sempre podemos ter a certeza de que a nossa renúncia ao pecado é tão total como se exige. A Igreja, no entanto, ao conceder uma indulgência plenária, concede-se com a ideia de que, se não estamos devidamente preparados para lucrá-la, ao menos ganhemos a indulgência parcialmente, segundo a maior ou menor perfeição das nossas disposições.
  • 25. Para ganhar cada uma das indulgências plenárias, além da condição mencionada, são requeridas outras três: confissão sacramental, comunhão eucarística e oração pelas intenções do Sumo Pontífice. As três condições podem ser preenchidas em dias diversos, antes ou após a realização da obra prescrita; mas convém que a comunhão e a oração pelas intenções do Soberano Pontífice se façam no mesmo dia em que se pratica a obra.
  • 26. Uma pessoa pode começar a ganhar uma indulgência mesmo com um pecado mortal na alma, mas deve estar em estado de graça ao terminar a obra a que se concederam indulgências. Por exemplo, se se podem ganhar indulgências visitando um santuário, desde que também nos confessemos e comunguemos, podemos estar em pecado mortal no momento em que realizamos a visita, e ainda ganhar a indulgência se recebermos dignamente os sacramentos da Penitência e da Eucaristia e rezarmos pelas intenções do Santo Padre. Para este último ponto, é suficiente rezar um Pai-Nosso e uma Ave-Maria.
  • 27. Além disso, é necessário ter ao menos a intenção geral de lucrar a indulgência visto que a Igreja não nos força a aceitá-la. Para isto, basta a intenção geral. Assim, se cada domingo formulo esta intenção: “Deus misericordioso, quero ganhar todas as indulgências que puder nesta semana e sempre”, então ganharei quaisquer indulgências que tenham sido concedidas às orações e boas obras que diga ou faça durante essa semana, mesmo que não me lembre disso no momento de realizá-las, e mesmo que ignore se tal ação ou oração goza de indulgências concedidas pela Igreja. Melhor ainda que expressar essa intenção uma vez por semana, é a prática de fazê-lo cada dia, como parte das nossas orações da manhã.
  • 28. As indulgências plenárias são tão numerosas e as obras prescritas para lucrá-las tão fáceis, que só a mais irresponsável das preguiças espirituais nos pode levar a descurá-las ou ignorá-las. A indulgência plenária só pode ser lucrada uma vez por dia. Excetua-se apenas a indulgência plenária que a Igreja concede em perigo de morte, que pode ser ganha mesmo que, nesse dia, o moribundo já tenha lucrado outra indulgência plenária. Nisto difere as plenárias das parciais, que podem ser ganhas tantas vezes quantas se realizem as obras prescritas. Assim, quando rezo com devoção a Salve-Rainha, ganho uma indulgência parcial, e, se a disser cem vezes nesse dia, ganharei cem vezes essa indulgência. Indulgências plenárias
  • 29. As indulgências plenárias que ganhamos não podem ser aplicadas a outras pessoas vivas. Nesta matéria, cada qual tem que enfrentar o seu próprio débito. Mas podemos aplicar todas as indulgências – plenárias ou parciais – às almas do purgatório.
  • 30. Como a Igreja tem autoridade direta sobre os seus membros vivos, podemos ter a certeza dos efeitos das indulgências que ganhamos para nós, sempre que cumpramos as condições necessárias. Mas a Igreja não tem autoridade direta sobre as almas do purgatório. As indulgências que oferecemos por elas são a título de sufrágio, isto é, tem o valor de petição a Deus, para que as aplique à pessoa por quem se oferece. Se essa indulgência é realmente aplicada ou não, depende da misericórdia de Deus. Devemos confiar em que essa alma receberá a indulgência que ganhamos para ela; mas, como não há maneira de sabê-lo com certeza, a Igreja permite que ofereçamos mais de uma indulgência plenária pela alma do mesmo defunto.
  • 31. As indulgências outorgadas à recitação do terço são tão numerosas como seria de esperar de uma devoção cujo centro é Aquela que é o “refúgio dos pecadores”. Ao recitarmos as cinco dezenas do terço, a Igreja concede uma indulgência parcial, mesmo que as contas do terço não estejam bentas. Se essa recitação for feita em família ou numa Igreja, pode-se ganhar indulgência plenária, desde que se rezem cinco dezenas sem interrupção, em voz alta e meditando cada mistério. Também foi concedida indulgência parcial ao uso devoto de um terço devidamente bento.
  • 32. A Via-Sacra é outro fácil atalho para o céu. Todas as vezes que a fazemos diante de estações legitimamente eregidas, ganhamos indulgência plenária. A Igreja concede também indulgência plenária aos que – estando impedidos de ir a uma igreja ou capela para fazer a Via-Sacra – dedicam pelo menos meia hora à leitura e meditação da paixão e morte de Cristo.
  • 33. Para ganhar a indulgência da Via-Sacra, o que se requer é que vamos de estação em estação – costumam ser cruzes, quadros ou relevos – meditando nos sofrimentos de Cristo. Isto quer dizer que devemos considerar o significado do que Jesus quis sofrer por nós e tirar disso alguma conclusão prática. Por exemplo, se meditarmos que Jesus foi despojado da última coisa que lhe restava – as suas vestes –, sentir-nos-emos envergonhados das nossas ânsias de possuir sempre mais e da nossa cegueira em relação às necessidades do próximo.
  • 34. Podemos fazer a Via-Sacra em poucos minutos ou numa hora. Desde que percorramos as estações meditando sobre a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, ganharemos a indulgência. Quando a Via- Sacra é feita publicamente por um grupo (como na paróquia, durante a Quaresma), basta que um dos presentes vá de estação em estação, mas todos têm que fazer a sua meditação pessoal.
  • 35. O Enchiridion Indulgentiarum contém uma longa relação de indulgências, que são manifestação da solicitude maternal da Igreja para com seus filhos. Todas elas constituem, além disso, um incentivo para vivermos uma vida cristã mais intensa e para santificarmos os deveres cotidianos. Assim, por exemplo, estão enriquecidas com indulgência parcial as seguintes práticas piedosas: fazer o sinal da Cruz, dizendo “Em nome do Pai ...”, a visita ao Santíssimo Sacramento para adorá-lo (se se prolonga por meia hora, a indulgência é plenária); dizer uma comunhão espiritual; fazer oração mental; visitar um cemitério e lá rezar, pelo menos mentalmente, pelos defuntos (esta indulgência aplica-se às almas do Purgatório, e é plenária se a visita se faz entre o dia 1º e 8 de novembro); ler a Bíblia (a indulgência é plenária se a leitura se faz durante meia hora); ensinar ou aprender a doutrina cristã; participar de um recolhimento mensal, etc.
  • 36. E, ao lado dessas práticas espirituais, há três concessões gerais de indulgências, com as quais a Igreja quer ajudar os fiéis a impregnar de espírito cristão a vida diária.  Concede-se indulgência parcial ao fiel cristão que, ao cumprir os seus deveres e aceitar os sacrifícios da vida, levanta o coração a Deus com confiança humilde, acrescentando – mesmo que seja só mentalmente – uma jaculatória.  Também se concede indulgência parcial ao fiel cristão que, com fé e espírito de caridade, se dedica – mediante um esforço pessoal ou com os seus bens materiais a servir os irmãos que padecem necessidade.  Por último, concede-se indulgência parcial àqueles que, com espírito de penitência, se abstém espontaneamente de alguma coisa lícita que lhes seja agradável.
  • 38. www.conhecendominhafe.blogspot.com.br 1. Quais são os atos do penitente? 2. Que pecados se devem confessar? 3. Quem é o ministro deste sacramento? 4. O que são indulgências?