SlideShare uma empresa Scribd logo
O que significa religião?
                    RE – LIGARE!




Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)   Estágio pedagógico
Sumário                                         Objetivos
                                          .
                                              - Definir religião;
Actividade religiosa.                         - Caracterizar religião;
                                              - Identificar os fatores
- Origem etimológica:
- a religião e o
                                              que condicionaram o
sentido da existência;                        aparecimento da
-A experiência da                             religião;
finitude a abertura à                         - Distinguir experiência
transcendência                                religiosa de fenómeno
                                              religioso.
               Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
Primeira experiência


.
                              Nossa primeira experiência
                              é o nascimento. Sua marca
                              é profunda.

                              O choque pelo rompimento
                              da harmonia intra-uterina,
                              marcará nosso processo de
                              humanização para toda
                              nossa vida.

     Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
A busca

.                         Desde então o homem está
                           em busca de si. Este
                           processo     pode      nos
                           conduzir à maturidade.

                           Será ela atingida?
                           Não há certezas. A busca
                           da re-ligação, nos da o
                           equilíbrio essencial.


     Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
Primórdios
 As primeiras formas de religião tinham por bases o
 medo, a incapacidade e a consciência dos nossos limites .

 Os homens primitivos recorriam aos desuses para tentar
 explicar os fenómenos naturais e pedir a intervenção das
 divindades.

 Eram religiões politeístas (adoravam vários deuses), e
 existia uma hierarquia de deuses antropomórficos diante
 dos quais os humanos realizavam ritos e cerimónias para
 que eles tornassem propícios.
               Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
 O ser humano passou a construir o seu mundo de
  acordo com os seus projetos. Mas confronta-se com o
  negativo :
 Finitude    (mortal);     dependente,     limitado;
  incapazes, insuficiente... Perante o universo...
 O homem está entre dois abismos, “o infinitamente grande” e o
  “infinitamente pequeno”. Pascal
 Além disso a fome, a doença, a ameaça, a insatisfação,
  a fragilidade, a angústia e o medo o homem sente a sua
  pequenez e a sua insignificância.

 É na transcendência divina que ele encontra a salvação


                  Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
 O caráter finito, frágil e limitado do ser humano
  fazem-no sentir dependente de um ser superior –
  um Deus superior omnipotente e omnipresente .
 Essa abertura (transcendência) confere ao
  homem o verdadeiro significado da sua existência:

   Considera a vida como uma dádiva o que lhe confere um
    verdadeiro significado;
   Deus confere direção aos atos humanos individuais;
   Deus é a esperança que assegura uma finalidade para a
    existência criado por Ele.


              Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
Religião

relegere:                 que                       É um conjunto de
significa      “respeitar                           crenças     sobre      as
prestar culto.                                      causas,    natureza     e
Religare: religar, unir                             finalidade da vida e
novamente, voltar a unir                            do              universo,
o homem a Deus.                                     especialmente quando
Reeleger: eleger de                                 considerada como a
novo “Deus” depois do                               criação      de       um
afastamento provocado                               agente sobrenatural.
pelo pecado original.


               Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
.
                          Religião

.
Mas, esse re-ligar-se
não é apenas uma                           TRANSCENDÊNCIA.
volta, a uma condição                      É     um     conjunto     de
de equilíbrio pré-                         capacidades      que     nos
existente.                                 permite ir além de nosso
                                           ser, ao encontro do outro.

Ela também possui                          Isso significa que nossa
um outro aspecto                           realização pessoal, não se
denominado                                 faz pela via do isolamento,
TRANSCENDÊNCIA.                            mas em contato com o
                                           Outro e os outros.
              Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
.                 Quando é que se pode
                   falar de uma religião?



                                                       A religião é antes de
    Só quando aparece                                 tudo uma atitude do
    uma organização                                   ser humano perante o
    complexa,espiritual e                             mundo e Deus, que
                                                      compromete o homem
    social, com base                                  em todas as suas
    numa revelação de                                 dimensões e toda a
    Deus.                                             sua vida



                 Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
.
                            O que é a religião?
 É um conjunto de sistemas e práticas relativas as coisas
  sagradas que une numa mesma comunidade moral (igreja) todos
  aqueles que a ela aderem , assumindo um caráter coletivo.
 Foi como o ser humano achou para responder a experiência da:

        Angústia da                                    Busca do sentido
         finitude                                      da sua existência.
           (morte)



   O ser humano deposita todas as esperanças.
   Encontra em Deus o princípio e o fim do universo. É
   a manifestação da realidade humana que
   corresponde as necessidades invisíveis, mas que
   são essencias “nem só do pão vive o homem”.
                  Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
A experiência da finitude e a
                abertura à transcendência

.
Falar da experiência religiosa exige uma distinção entre o:


      Fenómeno                                      Experiência
       religioso                                     religiosa




               Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
O Fenômeno Religioso

                   Verifica-se em todas as épocas e
                      lugares. As pessoas necessitam de um
                      ser superior, para servir-lhes de
                      consolo diante dos problemas. Caráter
                      objetivo da religião.

                   A religião   solidifica nossa crença,
                      amadurece nossa relação com Deus,
                      Ajuda-nos a compreender a nossa
                      realidade física e humanamente
                      limitada.

                   Nossos      valores   serão      sempre
                      renovados com o contato religioso,



Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
A experiência religiosa


                        É uma experiência mística,
                           subjetiva    em     que    um
                           indivíduo diz ter tido um
                           encontro com uma entidade
                           divina. Caráter subjetivo.

                        Muitas tradições religiosas e
                           místicas vêem a experiência
                           religiosa como um encontro
                           direto com Deus.


Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
Procura do sentido da
                    vida
 O sentimento de medo da morte, o sofrimento e o
 fascínio pelo mistério leva o homem a procurar o
 sentido da vida:

   Os mais céticos afirmam que a vida não tem
    sentido;
   Outros afirmam que a vida tem sentido quando
    vivida intensamente na dimensão terrena da
    existência;
   As religiões dizem que a vida deve ser procurado
    para além da morte.

             Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
Resumo
 As primeiras religiões eram politeístas, e tiveram como
    bases o medo (primórdios) e na insuficiência humana;
   A palavras “religião” deriva do latim RELIGARE, voltar a
    ligar;
   Só se pode falar da religião quando existe uma organização
    espiritual e social organizada com base na revelação de
    Deus;
   Religião é um conjuntos de sistema e práticas sagradas
    unida e mediada pela igreja;
   A religião surge como uma necessidade de satisfação das
    necessidades espirituais (nem só do pão vive o homem).
   A religião é um fenómeno universal e atemporal ;
   O fenómeno religioso é a manifestação objetiva da religião
    e a experiência religiosas tem o caráter subjetivo.

                  Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
 O caráter insuficiente, limitado, finito, frágil leva o
  homem a procura da religião como meio de superação
  através da transcendência – procura de Deus.
 É na transcendência que o homem encontra a salvação
  e o sentido da sua existência.
 As religiões pregam que a vida deve ser procurado para
  além da morte.
 Deus é a presença que assegura uma finalidade para a
  existência, e o ser humano sente que o que faz é em
  função de Deus.




                Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
 QUESTÕES:
1.   Qual é a origem etimológica da palavra religião?

2. Que fatores condicionaram o aparecimento da
     religião nos primórdios da existência humana?

3. Comente a frese “nem só do pão vive o homem”.

4. “O sentido da nossa existência está além da morte”
     concordas com a frases? Justifique criticamente.




                Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
Obrigada!
  Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
terceirao-zepires
 
Diversidade etnica
Diversidade etnicaDiversidade etnica
Diversidade etnica
Cristina de Souza
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
Portal do Vestibulando
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
luciano
 
Preconceito e intolerência
Preconceito e intolerênciaPreconceito e intolerência
Preconceito e intolerência
Victor Claudio
 
Patrimônio histórico
Patrimônio histórico Patrimônio histórico
Patrimônio histórico
Rodolfo Santana
 
Uma História de Múltiplas Tradições Religiosas
Uma História de Múltiplas Tradições ReligiosasUma História de Múltiplas Tradições Religiosas
Uma História de Múltiplas Tradições Religiosas
psicologiaisecensa
 
Religiao e religiosidade
Religiao e religiosidadeReligiao e religiosidade
Religiao e religiosidade
Manoel Gamas
 
Valores
ValoresValores
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Identidade, diferença e cultura
Identidade, diferença e culturaIdentidade, diferença e cultura
Identidade, diferença e cultura
Comunidados
 
Diversidade cultural e etnocentrismo
Diversidade cultural e etnocentrismoDiversidade cultural e etnocentrismo
Diversidade cultural e etnocentrismo
Wander Junior
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
Paula Meyer Piagentini
 
História, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeHistória, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
Jonathas Morato da Costa
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
Prof. Noe Assunção
 
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOAULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
elianecamera
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
ProfMario De Mori
 

Mais procurados (20)

Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
 
Diversidade etnica
Diversidade etnicaDiversidade etnica
Diversidade etnica
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
 
Preconceito e intolerência
Preconceito e intolerênciaPreconceito e intolerência
Preconceito e intolerência
 
Patrimônio histórico
Patrimônio histórico Patrimônio histórico
Patrimônio histórico
 
Uma História de Múltiplas Tradições Religiosas
Uma História de Múltiplas Tradições ReligiosasUma História de Múltiplas Tradições Religiosas
Uma História de Múltiplas Tradições Religiosas
 
Religiao e religiosidade
Religiao e religiosidadeReligiao e religiosidade
Religiao e religiosidade
 
Valores
ValoresValores
Valores
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Identidade, diferença e cultura
Identidade, diferença e culturaIdentidade, diferença e cultura
Identidade, diferença e cultura
 
Diversidade cultural e etnocentrismo
Diversidade cultural e etnocentrismoDiversidade cultural e etnocentrismo
Diversidade cultural e etnocentrismo
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
 
História, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeHistória, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidade
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
 
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOAULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 

Destaque

RELIGIÃO 2ª AULA
RELIGIÃO 2ª AULA RELIGIÃO 2ª AULA
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação ReligiosaApostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
elias pereira
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
ioseph
 
Aula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
Aula de Ensino Religioso - Resgatando ValoresAula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
Aula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
hartmanneli
 
Apostila ensinoreligioso
Apostila ensinoreligiosoApostila ensinoreligioso
Apostila ensinoreligioso
Ronaldo Russou
 
Ensino religioso vida de jesus
Ensino religioso vida de jesusEnsino religioso vida de jesus
Ensino religioso vida de jesus
Atividades Diversas Cláudia
 
O Pote
O PoteO Pote
O Pote
FABIO CILLI
 
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
Eae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didaticoEae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didatico
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
Norberto Scavone Augusto
 
Ética na religião
Ética na religiãoÉtica na religião
Ética na religião
Thais_Sccp
 
Ensino religioso
Ensino religiosoEnsino religioso
Ensino religioso
Maria Bethania Borges Costa
 
Religião egípcia
Religião egípciaReligião egípcia
Religião egípcia
Maria Gomes
 
Ensino religioso 1º ano ensino médio
Ensino religioso   1º ano ensino médioEnsino religioso   1º ano ensino médio
Ensino religioso 1º ano ensino médio
Rafael Noronha
 
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIAESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
Comunidade Católica Oásis
 
Sinceridade ou Hipocrisia - Tema 18/03/2012
Sinceridade ou Hipocrisia - Tema 18/03/2012Sinceridade ou Hipocrisia - Tema 18/03/2012
Sinceridade ou Hipocrisia - Tema 18/03/2012
EBJ IPBCP
 
Dinâmica da Sinceridade
Dinâmica da  SinceridadeDinâmica da  Sinceridade
Dinâmica da Sinceridade
Milton Panetto Junior
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
Adeilsa Ferreira
 
Parabola do marceneiro
Parabola do marceneiroParabola do marceneiro
Parabola do marceneiro
Maria Dias
 
Hipocrisia ou sinceridade
Hipocrisia ou sinceridadeHipocrisia ou sinceridade
Hipocrisia ou sinceridade
EBJ IPBCP
 
Valorização Profissional
Valorização Profissional Valorização Profissional
Valorização Profissional
Erlandia Pimentel
 
Cidadão
CidadãoCidadão

Destaque (20)

RELIGIÃO 2ª AULA
RELIGIÃO 2ª AULA RELIGIÃO 2ª AULA
RELIGIÃO 2ª AULA
 
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação ReligiosaApostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
Apostila Para as 40 aulas de Educação Religiosa
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
 
Aula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
Aula de Ensino Religioso - Resgatando ValoresAula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
Aula de Ensino Religioso - Resgatando Valores
 
Apostila ensinoreligioso
Apostila ensinoreligiosoApostila ensinoreligioso
Apostila ensinoreligioso
 
Ensino religioso vida de jesus
Ensino religioso vida de jesusEnsino religioso vida de jesus
Ensino religioso vida de jesus
 
O Pote
O PoteO Pote
O Pote
 
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
Eae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didaticoEae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didatico
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
 
Ética na religião
Ética na religiãoÉtica na religião
Ética na religião
 
Ensino religioso
Ensino religiosoEnsino religioso
Ensino religioso
 
Religião egípcia
Religião egípciaReligião egípcia
Religião egípcia
 
Ensino religioso 1º ano ensino médio
Ensino religioso   1º ano ensino médioEnsino religioso   1º ano ensino médio
Ensino religioso 1º ano ensino médio
 
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIAESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
ESCOLHA, PAIXÕES E CONSCIÊNCIA
 
Sinceridade ou Hipocrisia - Tema 18/03/2012
Sinceridade ou Hipocrisia - Tema 18/03/2012Sinceridade ou Hipocrisia - Tema 18/03/2012
Sinceridade ou Hipocrisia - Tema 18/03/2012
 
Dinâmica da Sinceridade
Dinâmica da  SinceridadeDinâmica da  Sinceridade
Dinâmica da Sinceridade
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
 
Parabola do marceneiro
Parabola do marceneiroParabola do marceneiro
Parabola do marceneiro
 
Hipocrisia ou sinceridade
Hipocrisia ou sinceridadeHipocrisia ou sinceridade
Hipocrisia ou sinceridade
 
Valorização Profissional
Valorização Profissional Valorização Profissional
Valorização Profissional
 
Cidadão
CidadãoCidadão
Cidadão
 

Semelhante a RELIGIÃO 1ª AULA

Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Claudio Macedo
 
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptxensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
FrancimaraCerqueira
 
Introducaoaofenomenoreligiosos
IntroducaoaofenomenoreligiososIntroducaoaofenomenoreligiosos
Introducaoaofenomenoreligiosos
Fernanda Picao
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
Antônio Diomário de Queiroz
 
Aula 2 o que é o espiritismo
Aula 2   o que é o espiritismoAula 2   o que é o espiritismo
Aula 2 o que é o espiritismo
ssusereccc9c
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
Teologia sistemática
Teologia sistemáticaTeologia sistemática
Teologia sistemática
Denis Pereira Raymundo
 
Ministério Educacional na Lógica do Espírito
Ministério Educacional na Lógica do EspíritoMinistério Educacional na Lógica do Espírito
Ministério Educacional na Lógica do Espírito
mlrehbein
 
Projeto 1° bimestre Ensino Religioso
Projeto 1° bimestre Ensino ReligiosoProjeto 1° bimestre Ensino Religioso
Projeto 1° bimestre Ensino Religioso
Lucimar Das Graças Soares
 
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo EspiritualEspiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
floresnoar
 
Estudo das Religiões
Estudo das ReligiõesEstudo das Religiões
Estudo das Religiões
César Augusto Fernandes
 
Fenômeno Amoroso e Religioso
Fenômeno Amoroso e ReligiosoFenômeno Amoroso e Religioso
Fenômeno Amoroso e Religioso
psicologiaisecensa
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
Antonio Filho
 
Introdução: Fenômeno Religioso
Introdução: Fenômeno ReligiosoIntrodução: Fenômeno Religioso
Introdução: Fenômeno Religioso
ValderiVini
 
Fennomeno busca pela verdade
Fennomeno busca pela verdadeFennomeno busca pela verdade
Fennomeno busca pela verdade
Sérgio Ira
 
Espiritualidade 1
Espiritualidade  1Espiritualidade  1
Espiritualidade 1
Luiz Januario
 
Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemáticaIntrodução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática
Aniel Wagner Cruz
 
O Que Religião.pptx
O Que Religião.pptxO Que Religião.pptx
O Que Religião.pptx
RafaelAssis52
 
Plano de habilidades e competências, ensino religioso
Plano de habilidades e competências, ensino religiosoPlano de habilidades e competências, ensino religioso
Plano de habilidades e competências, ensino religioso
pibiduergsmontenegro
 

Semelhante a RELIGIÃO 1ª AULA (20)

Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
 
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptxensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
 
Introducaoaofenomenoreligiosos
IntroducaoaofenomenoreligiososIntroducaoaofenomenoreligiosos
Introducaoaofenomenoreligiosos
 
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015Espiritualidade e  valores cristãos para a saúde nonoai2015
Espiritualidade e valores cristãos para a saúde nonoai2015
 
Aula 2 o que é o espiritismo
Aula 2   o que é o espiritismoAula 2   o que é o espiritismo
Aula 2 o que é o espiritismo
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
 
Teologia sistemática
Teologia sistemáticaTeologia sistemática
Teologia sistemática
 
Ministério Educacional na Lógica do Espírito
Ministério Educacional na Lógica do EspíritoMinistério Educacional na Lógica do Espírito
Ministério Educacional na Lógica do Espírito
 
Projeto 1° bimestre Ensino Religioso
Projeto 1° bimestre Ensino ReligiosoProjeto 1° bimestre Ensino Religioso
Projeto 1° bimestre Ensino Religioso
 
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo EspiritualEspiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
 
Estudo das Religiões
Estudo das ReligiõesEstudo das Religiões
Estudo das Religiões
 
Fenômeno Amoroso e Religioso
Fenômeno Amoroso e ReligiosoFenômeno Amoroso e Religioso
Fenômeno Amoroso e Religioso
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
 
Introdução: Fenômeno Religioso
Introdução: Fenômeno ReligiosoIntrodução: Fenômeno Religioso
Introdução: Fenômeno Religioso
 
Fennomeno busca pela verdade
Fennomeno busca pela verdadeFennomeno busca pela verdade
Fennomeno busca pela verdade
 
Espiritualidade 1
Espiritualidade  1Espiritualidade  1
Espiritualidade 1
 
Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemáticaIntrodução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática
 
O Que Religião.pptx
O Que Religião.pptxO Que Religião.pptx
O Que Religião.pptx
 
Plano de habilidades e competências, ensino religioso
Plano de habilidades e competências, ensino religiosoPlano de habilidades e competências, ensino religioso
Plano de habilidades e competências, ensino religioso
 

Mais de Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"

PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticasAprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLASRELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORAPEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCALA FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-LégerIdas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Os Cinco Pilares do Islã
Os Cinco Pilares do IslãOs Cinco Pilares do Islã
O Rig Veda
O Rig VedaO Rig Veda

Mais de Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica" (20)

PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
 
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
 
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
 
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticasAprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
 
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
 
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLASRELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
 
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORAPEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
 
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
 
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCALA FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
 
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
 
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-LégerIdas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
 
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
 
Os Cinco Pilares do Islã
Os Cinco Pilares do IslãOs Cinco Pilares do Islã
Os Cinco Pilares do Islã
 
O Rig Veda
O Rig VedaO Rig Veda
O Rig Veda
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 

RELIGIÃO 1ª AULA

  • 1. O que significa religião? RE – LIGARE! Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv) Estágio pedagógico
  • 2. Sumário Objetivos . - Definir religião; Actividade religiosa. - Caracterizar religião; - Identificar os fatores - Origem etimológica: - a religião e o que condicionaram o sentido da existência; aparecimento da -A experiência da religião; finitude a abertura à - Distinguir experiência transcendência religiosa de fenómeno religioso. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 3. Primeira experiência . Nossa primeira experiência é o nascimento. Sua marca é profunda. O choque pelo rompimento da harmonia intra-uterina, marcará nosso processo de humanização para toda nossa vida. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 4. A busca . Desde então o homem está em busca de si. Este processo pode nos conduzir à maturidade. Será ela atingida? Não há certezas. A busca da re-ligação, nos da o equilíbrio essencial. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 5. Primórdios  As primeiras formas de religião tinham por bases o medo, a incapacidade e a consciência dos nossos limites .  Os homens primitivos recorriam aos desuses para tentar explicar os fenómenos naturais e pedir a intervenção das divindades.  Eram religiões politeístas (adoravam vários deuses), e existia uma hierarquia de deuses antropomórficos diante dos quais os humanos realizavam ritos e cerimónias para que eles tornassem propícios. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 6.  O ser humano passou a construir o seu mundo de acordo com os seus projetos. Mas confronta-se com o negativo :  Finitude (mortal); dependente, limitado; incapazes, insuficiente... Perante o universo...  O homem está entre dois abismos, “o infinitamente grande” e o “infinitamente pequeno”. Pascal  Além disso a fome, a doença, a ameaça, a insatisfação, a fragilidade, a angústia e o medo o homem sente a sua pequenez e a sua insignificância.  É na transcendência divina que ele encontra a salvação Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 7.  O caráter finito, frágil e limitado do ser humano fazem-no sentir dependente de um ser superior – um Deus superior omnipotente e omnipresente .  Essa abertura (transcendência) confere ao homem o verdadeiro significado da sua existência:  Considera a vida como uma dádiva o que lhe confere um verdadeiro significado;  Deus confere direção aos atos humanos individuais;  Deus é a esperança que assegura uma finalidade para a existência criado por Ele. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 8. Religião relegere: que É um conjunto de significa “respeitar crenças sobre as prestar culto. causas, natureza e Religare: religar, unir finalidade da vida e novamente, voltar a unir do universo, o homem a Deus. especialmente quando Reeleger: eleger de considerada como a novo “Deus” depois do criação de um afastamento provocado agente sobrenatural. pelo pecado original. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 9. . Religião . Mas, esse re-ligar-se não é apenas uma TRANSCENDÊNCIA. volta, a uma condição É um conjunto de de equilíbrio pré- capacidades que nos existente. permite ir além de nosso ser, ao encontro do outro. Ela também possui Isso significa que nossa um outro aspecto realização pessoal, não se denominado faz pela via do isolamento, TRANSCENDÊNCIA. mas em contato com o Outro e os outros. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 10. . Quando é que se pode falar de uma religião? A religião é antes de Só quando aparece tudo uma atitude do uma organização ser humano perante o complexa,espiritual e mundo e Deus, que compromete o homem social, com base em todas as suas numa revelação de dimensões e toda a Deus. sua vida Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 11. . O que é a religião?  É um conjunto de sistemas e práticas relativas as coisas sagradas que une numa mesma comunidade moral (igreja) todos aqueles que a ela aderem , assumindo um caráter coletivo.  Foi como o ser humano achou para responder a experiência da: Angústia da Busca do sentido finitude da sua existência. (morte) O ser humano deposita todas as esperanças. Encontra em Deus o princípio e o fim do universo. É a manifestação da realidade humana que corresponde as necessidades invisíveis, mas que são essencias “nem só do pão vive o homem”. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 12. A experiência da finitude e a abertura à transcendência . Falar da experiência religiosa exige uma distinção entre o: Fenómeno Experiência religioso religiosa Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 13. O Fenômeno Religioso  Verifica-se em todas as épocas e lugares. As pessoas necessitam de um ser superior, para servir-lhes de consolo diante dos problemas. Caráter objetivo da religião.  A religião solidifica nossa crença, amadurece nossa relação com Deus, Ajuda-nos a compreender a nossa realidade física e humanamente limitada.  Nossos valores serão sempre renovados com o contato religioso, Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 14. A experiência religiosa  É uma experiência mística, subjetiva em que um indivíduo diz ter tido um encontro com uma entidade divina. Caráter subjetivo.  Muitas tradições religiosas e místicas vêem a experiência religiosa como um encontro direto com Deus. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 15. Procura do sentido da vida  O sentimento de medo da morte, o sofrimento e o fascínio pelo mistério leva o homem a procurar o sentido da vida:  Os mais céticos afirmam que a vida não tem sentido;  Outros afirmam que a vida tem sentido quando vivida intensamente na dimensão terrena da existência;  As religiões dizem que a vida deve ser procurado para além da morte. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 16. Resumo  As primeiras religiões eram politeístas, e tiveram como bases o medo (primórdios) e na insuficiência humana;  A palavras “religião” deriva do latim RELIGARE, voltar a ligar;  Só se pode falar da religião quando existe uma organização espiritual e social organizada com base na revelação de Deus;  Religião é um conjuntos de sistema e práticas sagradas unida e mediada pela igreja;  A religião surge como uma necessidade de satisfação das necessidades espirituais (nem só do pão vive o homem).  A religião é um fenómeno universal e atemporal ;  O fenómeno religioso é a manifestação objetiva da religião e a experiência religiosas tem o caráter subjetivo. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 17.  O caráter insuficiente, limitado, finito, frágil leva o homem a procura da religião como meio de superação através da transcendência – procura de Deus.  É na transcendência que o homem encontra a salvação e o sentido da sua existência.  As religiões pregam que a vida deve ser procurado para além da morte.  Deus é a presença que assegura uma finalidade para a existência, e o ser humano sente que o que faz é em função de Deus. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 18.  QUESTÕES: 1. Qual é a origem etimológica da palavra religião? 2. Que fatores condicionaram o aparecimento da religião nos primórdios da existência humana? 3. Comente a frese “nem só do pão vive o homem”. 4. “O sentido da nossa existência está além da morte” concordas com a frases? Justifique criticamente. Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)
  • 19. Obrigada! Arlindo Rocha - Estagiário (Unicv)