SlideShare uma empresa Scribd logo
Desafios da atualidade
 Lição 3 - O cristão e a pobreza




                    TEXTO BASE
                        Isaías 61

            www.ipb706sul.com.br
Introdução
                        Um dos problemas mais
                         cruéis ao longo da história
                         da humanidade: a fome
                         De 7 bilhões de seres
                         humanos, 2,6 bilhões
                         (mais de 40%) carecem de
                         saneamento básico
   800 milhões de pessoas vão se deitar todas as
noites com fome, entre elas, 300 milhões de
crianças
   6 milhões de crianças morrem todos os anos
por má nutrição antes dos 5 anos
No Brasil, de 1995 a 2008:
                              A taxa nacional de pobreza
                              absoluta caiu de 43,4%
                              para 28,8%
                              A taxa de pobreza extrema
                              caiu de 20,9% para 10,5%
                              Fonte: Ipea

MPI (Índice de Pobreza Multidimensional): 8,5% da
 população brasileira pode ser considerada pobre
 Leva em consideração 10 itens relacionados à saúde, à
 educação e ao padrão de vida
O índice do Banco Mundial é
menor: 5% dos brasileiros vivem
abaixo de uma linha de pobreza
absoluta (renda inferior a US$
1,25 por dia)
1. A pobreza é fruto da injustiça
                     Há 3 tipos básicos de pobreza:

                     a. A voluntária (motivação
                        religiosa)
                     b. Ligada à preguiça
                     c. Decorrente da injustiça

                     A ênfase aqui é no 3º tipo
No Brasil, não faltam recursos; somos um país rico,
porém, com péssima distribuição de renda:

   Muito nas mãos de poucos
“O Brasil não é um país
pobre, é um país injusto”
        Fernando Henrique Cardoso
        Ex-presidente do Brasil
Nos últimos anos, a desigualdade entre ricos e pobres,
no Brasil, tem diminuído, mesmo assim:

   Enquanto 22,5 milhões de pessoas estão no topo da
   pirâmide social, 24,6 milhões estão na classe E (renda
   familiar de até R$ 751)
Desde que o pecado
entrou no mundo, o
homem tornou-se
inclinado a explorar o
seu semelhante

   Promovendo assim a
   injustiça
E o cenário descrito por Isaías é de
pobreza e miséria, como decorrência
da injustiça:

“De que me serve a mim a multidão de
vossos sacrifícios? — diz o SENHOR. Estou
farto dos holocaustos de carneiros e da
gordura de animais cevados e não me
agrado do sangue de novilhos, nem de
cordeiros, nem de bodes. (...) Lavai-vos,
purificai-vos, tirai a maldade de vossos
atos de diante dos meus olhos; cessai de
fazer o mal. Aprendei a fazer o bem;
atendei à justiça, repreendei ao opressor;
defendei o direito do órfão, pleiteai a
causa das viúvas”. (Is 1:11;16-17)
O capítulo 61 de Isaías, apesar de
                     descrever outra época, apresenta
                     os mesmos sintomas da pobreza
                     resultante da injustiça:

                        Isaías profetizou numa época
                        de relativa prosperidade,
                        principalmente no Reino do
                        Norte, mas constatou a
                        existência de muita injustiça

Uma forte opressão era exercida contra os menos
favorecidos
A injustiça continua promovendo a
pobreza e a morte em muitas
partes do mundo; os números são
estarrecedores:

   Uma mulher da África
   subsaariana tem 1 possibilidade
   em 16 de morrer durante a
   gravidez ou o parto
   Na América do Norte, o risco é
   de 1 em cada 3.700 casos
2. A pobreza deve ser questionada

             A Bíblia constata a
             realidade da pobreza, mas
             não a endossa:

                Desde as leis no
                Pentatêuco (Ex 22:25-
                27; Lv 25; Dt 15:1-11)

             O propósito de Deus era
             claro: “Para que entre ti não
             haja pobre”. (Dt 15:4)
Quando Jesus definiu sua
missão, conforme Lc 4:16-
30, ele fez menção ao “ano
aceitável do Senhor”

É uma referência ao ano do
jubileu, que era um tempo
de libertação para os
pobres e oprimidos,
ordenado pelo Senhor no
AT (Lv 25)
Com base nessas passagens,
podemos perceber que o ideal
de Deus é:

  Que haja equilíbrio social

  Assim, devemos questionar
  os sistemas de opressão
  que geram desigualdades e
  miséria
Os profetas foram implacáveis
na condenação da injustiça
social:

“O SENHOR entra em juízo
contra os anciãos do seu
povo e contra os seus
príncipes. Vós sois os que
consumistes esta vinha; o
que roubastes do pobre está
em vossa casa”. (Is 3:14)
Diante disso, não podemos ser
coniventes com os sistemas de
injustiça presentes na
sociedade:

  A opressão do homem pelo
  seu semelhante é
  incompatível com os
  princípios da fé cristã!
3. A pobreza requer ação cristã
                             A Igreja não tem condições de
                             resolver todas as questões
                             sociais do mundo

                               Nem é sua missão
                               prioritária
                               Mas pode dar uma
                               significativa contribuição
A vinda do reino de Deus       para que a vontade de
está vinculada à missão da     Deus seja feita na terra,
Igreja                         como é feita no céu
A Igreja deve ter a
                          preocupação de preparar os
                          crentes para que eles sejam
                          sal da terra

                              A ética cristã é um fator de
                              transformação do mundo e
                              de promoção da vida
                              Cada cristão pode fazer
                              diferença onde está
A igreja pode apoiar ou desenvolver ações voltadas para a
assistência a pessoas necessitadas, visando a promoção de
sua dignidade
A fé cristã autêntica se
expressa por boas obras e tem
como fator de motivação o
amor

  O discípulo de Jesus
  preocupa-se com a miséria
  à sua volta e se apresenta
  como instrumento de Deus
  para a transformação social
A fé cristã autêntica se
expressa por boas obras e tem
como fator de motivação o
amor

  O discípulo de Jesus
  preocupa-se com a miséria
  à sua volta e se apresenta
  como instrumento de Deus
  para a transformação social
Para Pensar
   “Vós, ricos, o que tendes quando não tendes a Deus...
   e vós, pobres, o que não tendes quando tendes a
   Deus?” (Agostinho)
                 1. A sua igreja tem sido instrumento de
                    Deus para promover a vida entre os
                    excluídos da sociedade?

                 2. Você acha que na evangelização a
                    igreja deve fazer uma opção
                    preferencial pelos pobres?
3. No âmbito da sua comunidade, o que a igreja pode
fazer para reduzir os efeitos da pobreza?

             www.ipb706sul.com.br
Site da Igreja
www.ipb706sul.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat
Carlos Santos
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
Carson Souza
 
Religião e sociedade na América Portuguesa
Religião e sociedade na América PortuguesaReligião e sociedade na América Portuguesa
Religião e sociedade na América Portuguesa
Viviane Dilkin Endler
 
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesaSociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Edenilson Morais
 
Modulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da populaçãoModulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da população
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º maAspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
ProfMario De Mori
 
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na ColoniaTrabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
bvaguinho
 
Cf2015 ver Primeiro momento – VER Relação: Igreja e Sociedade
Cf2015 ver Primeiro momento – VER Relação: Igreja e Sociedade Cf2015 ver Primeiro momento – VER Relação: Igreja e Sociedade
Cf2015 ver Primeiro momento – VER Relação: Igreja e Sociedade
Bernadetecebs .
 
Carnaval, futebol e religião como armas políticas
Carnaval, futebol e religião como armas políticasCarnaval, futebol e religião como armas políticas
Carnaval, futebol e religião como armas políticas
Fernando Alcoforado
 
Homo Serviens - Sou feliz, sirvo à vida! Prof. Jaci Rocha Gonçalves
Homo Serviens - Sou feliz, sirvo à vida! Prof. Jaci Rocha GonçalvesHomo Serviens - Sou feliz, sirvo à vida! Prof. Jaci Rocha Gonçalves
Homo Serviens - Sou feliz, sirvo à vida! Prof. Jaci Rocha Gonçalves
Luan Silva Gonçalves
 
A Igreja católica e as mulheres no contexto de romanização da Igreja no Rio G...
A Igreja católica e as mulheres no contexto de romanização da Igreja no Rio G...A Igreja católica e as mulheres no contexto de romanização da Igreja no Rio G...
A Igreja católica e as mulheres no contexto de romanização da Igreja no Rio G...
Vanildo Zugno
 
Aula 01 geografia da população - aspectos gerais da evolução demográfica mu...
Aula 01   geografia da população - aspectos gerais da evolução demográfica mu...Aula 01   geografia da população - aspectos gerais da evolução demográfica mu...
Aula 01 geografia da população - aspectos gerais da evolução demográfica mu...
izaque m. mendonça
 
Sociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na América PortuguesaSociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Edenilson Morais
 
PopulaçãO Mundial
PopulaçãO MundialPopulaçãO Mundial
PopulaçãO Mundial
frankfranklyn
 
O crescimento da população brasileira
O crescimento da população brasileiraO crescimento da população brasileira
O crescimento da população brasileira
dantasrdl
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Jessica Amaral
 
Novo Microsoft Office Word Document
Novo Microsoft Office Word DocumentNovo Microsoft Office Word Document
Novo Microsoft Office Word Document
dcosta8
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
profleofonseca
 
FEMINILIDADE.pptx
FEMINILIDADE.pptxFEMINILIDADE.pptx
FEMINILIDADE.pptx
osmanmoreira1
 
DinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO MundialDinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO Mundial
Ivonete Leguisaman
 

Mais procurados (20)

2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
 
Religião e sociedade na América Portuguesa
Religião e sociedade na América PortuguesaReligião e sociedade na América Portuguesa
Religião e sociedade na América Portuguesa
 
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesaSociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
 
Modulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da populaçãoModulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da população
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º maAspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
 
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na ColoniaTrabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
 
Cf2015 ver Primeiro momento – VER Relação: Igreja e Sociedade
Cf2015 ver Primeiro momento – VER Relação: Igreja e Sociedade Cf2015 ver Primeiro momento – VER Relação: Igreja e Sociedade
Cf2015 ver Primeiro momento – VER Relação: Igreja e Sociedade
 
Carnaval, futebol e religião como armas políticas
Carnaval, futebol e religião como armas políticasCarnaval, futebol e religião como armas políticas
Carnaval, futebol e religião como armas políticas
 
Homo Serviens - Sou feliz, sirvo à vida! Prof. Jaci Rocha Gonçalves
Homo Serviens - Sou feliz, sirvo à vida! Prof. Jaci Rocha GonçalvesHomo Serviens - Sou feliz, sirvo à vida! Prof. Jaci Rocha Gonçalves
Homo Serviens - Sou feliz, sirvo à vida! Prof. Jaci Rocha Gonçalves
 
A Igreja católica e as mulheres no contexto de romanização da Igreja no Rio G...
A Igreja católica e as mulheres no contexto de romanização da Igreja no Rio G...A Igreja católica e as mulheres no contexto de romanização da Igreja no Rio G...
A Igreja católica e as mulheres no contexto de romanização da Igreja no Rio G...
 
Aula 01 geografia da população - aspectos gerais da evolução demográfica mu...
Aula 01   geografia da população - aspectos gerais da evolução demográfica mu...Aula 01   geografia da população - aspectos gerais da evolução demográfica mu...
Aula 01 geografia da população - aspectos gerais da evolução demográfica mu...
 
Sociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na América PortuguesaSociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
 
PopulaçãO Mundial
PopulaçãO MundialPopulaçãO Mundial
PopulaçãO Mundial
 
O crescimento da população brasileira
O crescimento da população brasileiraO crescimento da população brasileira
O crescimento da população brasileira
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
 
Novo Microsoft Office Word Document
Novo Microsoft Office Word DocumentNovo Microsoft Office Word Document
Novo Microsoft Office Word Document
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
FEMINILIDADE.pptx
FEMINILIDADE.pptxFEMINILIDADE.pptx
FEMINILIDADE.pptx
 
DinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO MundialDinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO Mundial
 

Semelhante a O cristão e a pobreza

A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e olivaA missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
Éder Granado Raffa
 
A paternidade de deus
A paternidade de deusA paternidade de deus
A paternidade de deus
Daniel nogueira
 
Biblia gente2 2013
Biblia gente2 2013Biblia gente2 2013
Biblia gente2 2013
RICARDO MENESES
 
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade socialLição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Erberson Pinheiro
 
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptxJustica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
SouzaRoberto
 
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptxJustica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Francisco Almoxarifado
 
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADECF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
catequistasemformacao
 
Campanha da Fraternidade 2015
Campanha da Fraternidade 2015Campanha da Fraternidade 2015
Campanha da Fraternidade 2015
José Vieira Dos Santos
 
Lição Bíblica n.o 10 - 3.o Trimestre 2011
Lição Bíblica n.o 10 - 3.o Trimestre 2011Lição Bíblica n.o 10 - 3.o Trimestre 2011
Lição Bíblica n.o 10 - 3.o Trimestre 2011
EBD
 
Lição 04 – superando os traumas da violência social
Lição 04  –  superando os traumas da violência socialLição 04  –  superando os traumas da violência social
Lição 04 – superando os traumas da violência social
cledsondrumms
 
Revista Boa Vontade, edição 234
Revista Boa Vontade, edição 234Revista Boa Vontade, edição 234
Revista Boa Vontade, edição 234
Boa Vontade
 
Racismo
RacismoRacismo
Encontro Fe e Politica Dimensões éticas da fé cristã
Encontro Fe e Politica Dimensões éticas da fé cristãEncontro Fe e Politica Dimensões éticas da fé cristã
Encontro Fe e Politica Dimensões éticas da fé cristã
UFMT Rondonópolis
 
Cfe2010
Cfe2010Cfe2010
Cfe2010
Canal Fuegos
 
Campanha da Fraternidade 2010
Campanha da Fraternidade 2010Campanha da Fraternidade 2010
Campanha da Fraternidade 2010
Eugenio Hansen, OFS
 
ROTEIRO março 2023 trabalhado (1).pdf
ROTEIRO março 2023 trabalhado  (1).pdfROTEIRO março 2023 trabalhado  (1).pdf
ROTEIRO março 2023 trabalhado (1).pdf
Denilson Mariano
 
Co 2009 Ir Isabel
Co 2009   Ir  IsabelCo 2009   Ir  Isabel
Co 2009 Ir Isabel
Jumas Brasil
 
Edicao junho 2021 via web digital
Edicao junho 2021  via web digitalEdicao junho 2021  via web digital
Edicao junho 2021 via web digital
Pastor Marcello Rocha
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
Adenísio dos Reis
 
Quem são os clientes do direito penal brasileiro
Quem são os clientes do direito penal brasileiroQuem são os clientes do direito penal brasileiro
Quem são os clientes do direito penal brasileiro
Professor Carlos Aguiar
 

Semelhante a O cristão e a pobreza (20)

A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e olivaA missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
 
A paternidade de deus
A paternidade de deusA paternidade de deus
A paternidade de deus
 
Biblia gente2 2013
Biblia gente2 2013Biblia gente2 2013
Biblia gente2 2013
 
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade socialLição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
 
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptxJustica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
 
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptxJustica-Social-Resp.do Criatão.pptx
Justica-Social-Resp.do Criatão.pptx
 
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADECF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
 
Campanha da Fraternidade 2015
Campanha da Fraternidade 2015Campanha da Fraternidade 2015
Campanha da Fraternidade 2015
 
Lição Bíblica n.o 10 - 3.o Trimestre 2011
Lição Bíblica n.o 10 - 3.o Trimestre 2011Lição Bíblica n.o 10 - 3.o Trimestre 2011
Lição Bíblica n.o 10 - 3.o Trimestre 2011
 
Lição 04 – superando os traumas da violência social
Lição 04  –  superando os traumas da violência socialLição 04  –  superando os traumas da violência social
Lição 04 – superando os traumas da violência social
 
Revista Boa Vontade, edição 234
Revista Boa Vontade, edição 234Revista Boa Vontade, edição 234
Revista Boa Vontade, edição 234
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
 
Encontro Fe e Politica Dimensões éticas da fé cristã
Encontro Fe e Politica Dimensões éticas da fé cristãEncontro Fe e Politica Dimensões éticas da fé cristã
Encontro Fe e Politica Dimensões éticas da fé cristã
 
Cfe2010
Cfe2010Cfe2010
Cfe2010
 
Campanha da Fraternidade 2010
Campanha da Fraternidade 2010Campanha da Fraternidade 2010
Campanha da Fraternidade 2010
 
ROTEIRO março 2023 trabalhado (1).pdf
ROTEIRO março 2023 trabalhado  (1).pdfROTEIRO março 2023 trabalhado  (1).pdf
ROTEIRO março 2023 trabalhado (1).pdf
 
Co 2009 Ir Isabel
Co 2009   Ir  IsabelCo 2009   Ir  Isabel
Co 2009 Ir Isabel
 
Edicao junho 2021 via web digital
Edicao junho 2021  via web digitalEdicao junho 2021  via web digital
Edicao junho 2021 via web digital
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
 
Quem são os clientes do direito penal brasileiro
Quem são os clientes do direito penal brasileiroQuem são os clientes do direito penal brasileiro
Quem são os clientes do direito penal brasileiro
 

Mais de IPB706Sul

Divórcio
DivórcioDivórcio
Divórcio
IPB706Sul
 
O cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiroO cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiro
IPB706Sul
 
O cristão e a moda
O cristão e a modaO cristão e a moda
O cristão e a moda
IPB706Sul
 
Licao 1 o cristao e a natureza
Licao 1   o cristao e a naturezaLicao 1   o cristao e a natureza
Licao 1 o cristao e a natureza
IPB706Sul
 
Licao 1 o cristao e a natureza
Licao 1   o cristao e a naturezaLicao 1   o cristao e a natureza
Licao 1 o cristao e a natureza
IPB706Sul
 
Licao 2 o cristao e o trabalho
Licao 2   o cristao e o trabalhoLicao 2   o cristao e o trabalho
Licao 2 o cristao e o trabalho
IPB706Sul
 
Características e consequências do Secularismo na Igreja
Características e consequências do Secularismo na IgrejaCaracterísticas e consequências do Secularismo na Igreja
Características e consequências do Secularismo na Igreja
IPB706Sul
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igreja
IPB706Sul
 

Mais de IPB706Sul (8)

Divórcio
DivórcioDivórcio
Divórcio
 
O cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiroO cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiro
 
O cristão e a moda
O cristão e a modaO cristão e a moda
O cristão e a moda
 
Licao 1 o cristao e a natureza
Licao 1   o cristao e a naturezaLicao 1   o cristao e a natureza
Licao 1 o cristao e a natureza
 
Licao 1 o cristao e a natureza
Licao 1   o cristao e a naturezaLicao 1   o cristao e a natureza
Licao 1 o cristao e a natureza
 
Licao 2 o cristao e o trabalho
Licao 2   o cristao e o trabalhoLicao 2   o cristao e o trabalho
Licao 2 o cristao e o trabalho
 
Características e consequências do Secularismo na Igreja
Características e consequências do Secularismo na IgrejaCaracterísticas e consequências do Secularismo na Igreja
Características e consequências do Secularismo na Igreja
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igreja
 

Último

1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (18)

1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

O cristão e a pobreza

  • 1.
  • 2. Desafios da atualidade Lição 3 - O cristão e a pobreza TEXTO BASE Isaías 61 www.ipb706sul.com.br
  • 3. Introdução Um dos problemas mais cruéis ao longo da história da humanidade: a fome De 7 bilhões de seres humanos, 2,6 bilhões (mais de 40%) carecem de saneamento básico 800 milhões de pessoas vão se deitar todas as noites com fome, entre elas, 300 milhões de crianças 6 milhões de crianças morrem todos os anos por má nutrição antes dos 5 anos
  • 4. No Brasil, de 1995 a 2008: A taxa nacional de pobreza absoluta caiu de 43,4% para 28,8% A taxa de pobreza extrema caiu de 20,9% para 10,5% Fonte: Ipea MPI (Índice de Pobreza Multidimensional): 8,5% da população brasileira pode ser considerada pobre Leva em consideração 10 itens relacionados à saúde, à educação e ao padrão de vida
  • 5. O índice do Banco Mundial é menor: 5% dos brasileiros vivem abaixo de uma linha de pobreza absoluta (renda inferior a US$ 1,25 por dia)
  • 6. 1. A pobreza é fruto da injustiça Há 3 tipos básicos de pobreza: a. A voluntária (motivação religiosa) b. Ligada à preguiça c. Decorrente da injustiça A ênfase aqui é no 3º tipo No Brasil, não faltam recursos; somos um país rico, porém, com péssima distribuição de renda: Muito nas mãos de poucos
  • 7. “O Brasil não é um país pobre, é um país injusto” Fernando Henrique Cardoso Ex-presidente do Brasil
  • 8. Nos últimos anos, a desigualdade entre ricos e pobres, no Brasil, tem diminuído, mesmo assim: Enquanto 22,5 milhões de pessoas estão no topo da pirâmide social, 24,6 milhões estão na classe E (renda familiar de até R$ 751)
  • 9. Desde que o pecado entrou no mundo, o homem tornou-se inclinado a explorar o seu semelhante Promovendo assim a injustiça
  • 10. E o cenário descrito por Isaías é de pobreza e miséria, como decorrência da injustiça: “De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios? — diz o SENHOR. Estou farto dos holocaustos de carneiros e da gordura de animais cevados e não me agrado do sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de bodes. (...) Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer o mal. Aprendei a fazer o bem; atendei à justiça, repreendei ao opressor; defendei o direito do órfão, pleiteai a causa das viúvas”. (Is 1:11;16-17)
  • 11. O capítulo 61 de Isaías, apesar de descrever outra época, apresenta os mesmos sintomas da pobreza resultante da injustiça: Isaías profetizou numa época de relativa prosperidade, principalmente no Reino do Norte, mas constatou a existência de muita injustiça Uma forte opressão era exercida contra os menos favorecidos
  • 12. A injustiça continua promovendo a pobreza e a morte em muitas partes do mundo; os números são estarrecedores: Uma mulher da África subsaariana tem 1 possibilidade em 16 de morrer durante a gravidez ou o parto Na América do Norte, o risco é de 1 em cada 3.700 casos
  • 13. 2. A pobreza deve ser questionada A Bíblia constata a realidade da pobreza, mas não a endossa: Desde as leis no Pentatêuco (Ex 22:25- 27; Lv 25; Dt 15:1-11) O propósito de Deus era claro: “Para que entre ti não haja pobre”. (Dt 15:4)
  • 14. Quando Jesus definiu sua missão, conforme Lc 4:16- 30, ele fez menção ao “ano aceitável do Senhor” É uma referência ao ano do jubileu, que era um tempo de libertação para os pobres e oprimidos, ordenado pelo Senhor no AT (Lv 25)
  • 15. Com base nessas passagens, podemos perceber que o ideal de Deus é: Que haja equilíbrio social Assim, devemos questionar os sistemas de opressão que geram desigualdades e miséria
  • 16. Os profetas foram implacáveis na condenação da injustiça social: “O SENHOR entra em juízo contra os anciãos do seu povo e contra os seus príncipes. Vós sois os que consumistes esta vinha; o que roubastes do pobre está em vossa casa”. (Is 3:14)
  • 17. Diante disso, não podemos ser coniventes com os sistemas de injustiça presentes na sociedade: A opressão do homem pelo seu semelhante é incompatível com os princípios da fé cristã!
  • 18. 3. A pobreza requer ação cristã A Igreja não tem condições de resolver todas as questões sociais do mundo Nem é sua missão prioritária Mas pode dar uma significativa contribuição A vinda do reino de Deus para que a vontade de está vinculada à missão da Deus seja feita na terra, Igreja como é feita no céu
  • 19. A Igreja deve ter a preocupação de preparar os crentes para que eles sejam sal da terra A ética cristã é um fator de transformação do mundo e de promoção da vida Cada cristão pode fazer diferença onde está A igreja pode apoiar ou desenvolver ações voltadas para a assistência a pessoas necessitadas, visando a promoção de sua dignidade
  • 20. A fé cristã autêntica se expressa por boas obras e tem como fator de motivação o amor O discípulo de Jesus preocupa-se com a miséria à sua volta e se apresenta como instrumento de Deus para a transformação social
  • 21. A fé cristã autêntica se expressa por boas obras e tem como fator de motivação o amor O discípulo de Jesus preocupa-se com a miséria à sua volta e se apresenta como instrumento de Deus para a transformação social
  • 22. Para Pensar “Vós, ricos, o que tendes quando não tendes a Deus... e vós, pobres, o que não tendes quando tendes a Deus?” (Agostinho) 1. A sua igreja tem sido instrumento de Deus para promover a vida entre os excluídos da sociedade? 2. Você acha que na evangelização a igreja deve fazer uma opção preferencial pelos pobres? 3. No âmbito da sua comunidade, o que a igreja pode fazer para reduzir os efeitos da pobreza? www.ipb706sul.com.br