SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
 
O CASO DA PIRÂMIDE MADDOF POR ALEXSANDRO REBELLO BONATTO
 
Em outubro de 2008 a empresa a empresa administrada por MADDOF, a Bernard L. Maddof Investment Securities   foi a vigésima-terceira entre os formadores de mercado da NASDAK e gerenciou em média cerca de 50 milhões de ações por dia. Recebeu pedidos de intermediários on-line para algumas da maiores empresas americanas, como General Eletric e Citigroup. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 15 de dezembro de 2008. Retrospecto
Até 17 de novembro, a empresa tinha 17 bilhões de dólares em ativos segundo registros da National Association o Securities Dealers (NASD).  Pelo menos metade de seus clientes eram hedge funds e o restante eram bancos e pessoas ricas. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 15 de dezembro de 2008. Retrospecto
Madoff, que foi presidente da Nasdaq, a bolsa das empresas de tecnologia, oferecia retornos estáveis de 10% a 12% ao ano para o capital investido, independentemente dos altos e baixos do mercado.  Nem mesmo a crise econômica havia batido às suas portas: seus investimentos cresceram 5,6% até novembro, enquanto o valor de mercado das empresas nas quais ele supostamente investia tinha encolhido 37,7%.  Fonte: revista Veja de 24 de dezembro de 2008. Retrospecto
Curiosamente, o homem que liderou o extraordinário esquema fraudulento começou sua escalada financeira salvando vidas.  O americano Bernard Madoff acumulou dinheiro no verão de 1960, aos 22 anos, trabalhando como salva-vidas de piscina em um balneário próximo a Nova York. Juntou US$ 5 mil e abriu sua primeira corretora. Ninguém poderia imaginar que, 48 anos mais tarde, ele se tornaria o maior golpista da história.  Ele pagou fiança de US$ 10 milhões e ficará em prisão domiciliar. Se condenado, pode cumprir pena de até 20 anos e receber multa de US$ 5 milhões. Fonte: revista Isto É de 24 de dezembro de 2008. Retrospecto
Madoff operava com uma mecânica semelhante às populares "pirâmides": os que aderem ao esquema por último, a base, remuneram os mais antigos, o topo, num ciclo permanente de lucros.  Todo o esquema desabou quando explodiu a crise financeira mundial e os investidores correram para sacar US$ 7 bilhões.  Mas - surpresa! - não havia dinheiro em caixa. A fraude é conhecida por "esquema Ponzi", uma referência a Charles Ponzi, que na década de 20 do século passado criou o golpe.   Fonte: revista Isto É de 24 de dezembro de 2008. Como era a operação
Fonte: revista Veja de 24 de dezembro de 2008. Como era a operação
O italiano Carlo Ponzi nasceu em Parma, em 1882, e aos 21 anos migrou para os Estados Unidos, onde virou Charles e trabalhou como garçom e lavador de pratos. Aos 35 anos, conseguiu um emprego de escriturário e, dois anos depois, montou uma pequena corretora, que garantia aos clientes ganhos de 50% do capital investido em 90 dias.  Era uma espécie de pirâmide na qual os da base (novatos) garantiam os lucros dos de cima (os investidores mais antigos). Logo havia filas de fregueses. Mas, do mesmo jeito que aconteceu com Bernard Madoff, a bolha estourou. Os investidores perderam muito dinheiro, incluindo Ponzi, que começou aí sua decadência. Passou anos fugindo da polícia até ser preso no Texas e deportado para a Itália. Mussolini o empregou em uma estatal. De 1938 a 1942, representou a empresa no Rio de Janeiro, onde morreu, em 1949, esquecido por todos em um hospital de caridade. Fonte: revista Isto É de 24 de dezembro de 2008. O esquema Ponzi
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 26 de dezembro de 2008. Histórico do golpe no mundo
[object Object],Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 26 de dezembro de 2008. Histórico do golpe no mundo
 
Como uma única pessoa foi capaz de manter por tanto tempo uma fraude desta proporção, produzindo informes mensais, demonstrativos fiscais anuais, confirmações de transações e transferências bancárias? Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 16 de dezembro de 2008. Pergunta ainda sem resposta
Segundo o presidente da Securities Exchange Commission (SEC), Christopher Cox, o órgão deixou de agir por quase uma década com relação à denúncias sobre a atuação de Maddof. Denúncias que remontam de 1999 foram apresentadas à SEC, mas nenhuma investigação foi aberta.  Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 16 e 18 de dezembro de 2008. Pergunta ainda sem resposta
Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 06 de janeiro de 2009. Já conforme o jornal Wall Street Journal, a empresa de Maddof foi examinada oito vezes em 16 anos pela própria SEC e por outros órgãos reguladores. Bernard Maddof foi entrevistado duas vezes pela SEC, sem que nunca o órgão tenha se aproximado da descoberta da fraude.  Pergunta ainda sem resposta
Muitos de seus investidores eram amigos de Maddof ou o conheciam através de clubes de campo e eventos de caridade.  A maior parte, no entanto, tinha confiado seu capital às empresas de consultoria que, por sua vez, repassavam seus fundos à Maddof, com a cobrança de uma taxa pelo serviço. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 16 de dezembro de 2008. De quem era o dinheiro
A pequena e desconhecida Friehling e Associates, com apenas três funcionários no estado de Nova York era responsável pela auditoria dos fundos de Maddof. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 22 de dezembro de 2008. E quem eram os auditores?
Suicidou-se no dia 23 de dezembro, em Nova York, um dos criadores do fundo Access International, que arrecadou dinheiro na Europa investir com Maddof. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 26 de dezembro de 2008. Conseqüência trágica
Fonte: revista Isto É Dinheiro de 24 de dezembro de 2008. De quem era o dinheiro
Fonte: revista Veja de 24 de dezembro de 2008. De quem era o dinheiro
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 16 de dezembro de 2008. Perdas colossais
Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 18 de dezembro de 2008. Perdas colossais
Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 22 de dezembro de 2008. Perdas colossais
Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 22 de dezembro de 2008. Perdas colossais
O principal canal de exposição brasileira os fundos de Maddof eram as aplicações feitas no Fairfield Sentry Fund, fundo da Fairfield Greenwich Group (FGG), que tinha como um dos sócios Walter Noel, casado com a brasileira Mônica, irmã do carioca de origem suíça Alex Haegler. De acordo com o site da Fairfield o fundo tinha como representante no Brasil, Bianca Haegler, filha de Alex. Os fundos sob gestão do FGG até o início de novembro eram de 14 bilhões de dólares, sendo que 7,5 bilhões estavam aplicados em fundos da gestora de Maddof. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 18 de dezembro de 2008. A conexão brasileira
Fonte: revista Veja de 11 de novembro de 2008. E se rir é o único remédio

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O Caso Da Piramide Maddof

Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008
guest55f91d
 
A crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémicaA crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémica
GRAZIA TANTA
 
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
guest2383c5
 
1 a importância do internacional (texto do fred halliday)
1 a importância do internacional (texto do fred halliday)1 a importância do internacional (texto do fred halliday)
1 a importância do internacional (texto do fred halliday)
Rafael Pons
 

Semelhante a O Caso Da Piramide Maddof (19)

Investidor-Bernie Madoff Este ex-investidor criou o maior esquema de pirâmide...
Investidor-Bernie Madoff Este ex-investidor criou o maior esquema de pirâmide...Investidor-Bernie Madoff Este ex-investidor criou o maior esquema de pirâmide...
Investidor-Bernie Madoff Este ex-investidor criou o maior esquema de pirâmide...
 
Economia 2008
Economia 2008Economia 2008
Economia 2008
 
Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008
 
Demetrio brasil privatizações
Demetrio brasil privatizaçõesDemetrio brasil privatizações
Demetrio brasil privatizações
 
Capital vs WikiLeaks
Capital vs WikiLeaksCapital vs WikiLeaks
Capital vs WikiLeaks
 
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica 1
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica  1O capitalismo predatório e a estupidez patriótica  1
O capitalismo predatório e a estupidez patriótica 1
 
A crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémicaA crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémica
 
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
 
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIOCURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
 
Fraudes Corporativas - Estudo de casos III: os maiores escandalos corporativo...
Fraudes Corporativas - Estudo de casos III: os maiores escandalos corporativo...Fraudes Corporativas - Estudo de casos III: os maiores escandalos corporativo...
Fraudes Corporativas - Estudo de casos III: os maiores escandalos corporativo...
 
A guerra financeira como arma da guerra moderna
A guerra financeira como arma da guerra modernaA guerra financeira como arma da guerra moderna
A guerra financeira como arma da guerra moderna
 
Aula sobre a CRISE - 28 Abril 2011
Aula sobre a CRISE - 28 Abril 2011Aula sobre a CRISE - 28 Abril 2011
Aula sobre a CRISE - 28 Abril 2011
 
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. ApocalipseNouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
 
Comércio Exterior- Fausto.pptx
Comércio Exterior- Fausto.pptxComércio Exterior- Fausto.pptx
Comércio Exterior- Fausto.pptx
 
Capitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma lutaCapitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma luta
 
1 a importância do internacional (texto do fred halliday)
1 a importância do internacional (texto do fred halliday)1 a importância do internacional (texto do fred halliday)
1 a importância do internacional (texto do fred halliday)
 
20220909 Sexta de 3.pdf
20220909 Sexta de 3.pdf20220909 Sexta de 3.pdf
20220909 Sexta de 3.pdf
 
Crise 29
Crise 29Crise 29
Crise 29
 

Mais de Alexsandro Rebello Bonatto

Crise do Subprime Atualização Fevereiro II Parte
Crise do Subprime Atualização Fevereiro II ParteCrise do Subprime Atualização Fevereiro II Parte
Crise do Subprime Atualização Fevereiro II Parte
Alexsandro Rebello Bonatto
 

Mais de Alexsandro Rebello Bonatto (20)

Crise do Subprime Atualização Março 2009
Crise do Subprime Atualização Março 2009Crise do Subprime Atualização Março 2009
Crise do Subprime Atualização Março 2009
 
Momento Minsky e a Crise
Momento Minsky e a CriseMomento Minsky e a Crise
Momento Minsky e a Crise
 
Nacionalizacao dos bancos amercianos
Nacionalizacao dos bancos amercianosNacionalizacao dos bancos amercianos
Nacionalizacao dos bancos amercianos
 
O Ocaso da AIG
O Ocaso da AIGO Ocaso da AIG
O Ocaso da AIG
 
Historia Do Pensamento Economico
Historia Do Pensamento EconomicoHistoria Do Pensamento Economico
Historia Do Pensamento Economico
 
Sinais De Otimismo frente a crise
Sinais De Otimismo frente a criseSinais De Otimismo frente a crise
Sinais De Otimismo frente a crise
 
O Caso Stanford 260209
O Caso Stanford 260209O Caso Stanford 260209
O Caso Stanford 260209
 
Crise do Subprime Atualização Fevereiro II Parte
Crise do Subprime Atualização Fevereiro II ParteCrise do Subprime Atualização Fevereiro II Parte
Crise do Subprime Atualização Fevereiro II Parte
 
Aula de introdução à economia
Aula de introdução à economiaAula de introdução à economia
Aula de introdução à economia
 
Desglobalizacao
DesglobalizacaoDesglobalizacao
Desglobalizacao
 
Crise do subprime
Crise do subprimeCrise do subprime
Crise do subprime
 
Treina Hp Intro
Treina Hp IntroTreina Hp Intro
Treina Hp Intro
 
Movimento Bancos
Movimento BancosMovimento Bancos
Movimento Bancos
 
Ciencia Do Credito
Ciencia Do CreditoCiencia Do Credito
Ciencia Do Credito
 
Treinamento Profissional De Cobranca
Treinamento Profissional De CobrancaTreinamento Profissional De Cobranca
Treinamento Profissional De Cobranca
 
Conjuntura Brasileira 201108
Conjuntura Brasileira 201108Conjuntura Brasileira 201108
Conjuntura Brasileira 201108
 
Economia Sem Truqes 141108
Economia Sem Truqes 141108Economia Sem Truqes 141108
Economia Sem Truqes 141108
 
Como Tornar Se Um LíDer
Como Tornar Se Um LíDerComo Tornar Se Um LíDer
Como Tornar Se Um LíDer
 
Como tornar-se um lider
Como tornar-se um liderComo tornar-se um lider
Como tornar-se um lider
 
A importância do feedback
A importância do feedbackA importância do feedback
A importância do feedback
 

O Caso Da Piramide Maddof

  • 1.  
  • 2. O CASO DA PIRÂMIDE MADDOF POR ALEXSANDRO REBELLO BONATTO
  • 3.  
  • 4. Em outubro de 2008 a empresa a empresa administrada por MADDOF, a Bernard L. Maddof Investment Securities foi a vigésima-terceira entre os formadores de mercado da NASDAK e gerenciou em média cerca de 50 milhões de ações por dia. Recebeu pedidos de intermediários on-line para algumas da maiores empresas americanas, como General Eletric e Citigroup. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 15 de dezembro de 2008. Retrospecto
  • 5. Até 17 de novembro, a empresa tinha 17 bilhões de dólares em ativos segundo registros da National Association o Securities Dealers (NASD). Pelo menos metade de seus clientes eram hedge funds e o restante eram bancos e pessoas ricas. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 15 de dezembro de 2008. Retrospecto
  • 6. Madoff, que foi presidente da Nasdaq, a bolsa das empresas de tecnologia, oferecia retornos estáveis de 10% a 12% ao ano para o capital investido, independentemente dos altos e baixos do mercado. Nem mesmo a crise econômica havia batido às suas portas: seus investimentos cresceram 5,6% até novembro, enquanto o valor de mercado das empresas nas quais ele supostamente investia tinha encolhido 37,7%. Fonte: revista Veja de 24 de dezembro de 2008. Retrospecto
  • 7. Curiosamente, o homem que liderou o extraordinário esquema fraudulento começou sua escalada financeira salvando vidas. O americano Bernard Madoff acumulou dinheiro no verão de 1960, aos 22 anos, trabalhando como salva-vidas de piscina em um balneário próximo a Nova York. Juntou US$ 5 mil e abriu sua primeira corretora. Ninguém poderia imaginar que, 48 anos mais tarde, ele se tornaria o maior golpista da história. Ele pagou fiança de US$ 10 milhões e ficará em prisão domiciliar. Se condenado, pode cumprir pena de até 20 anos e receber multa de US$ 5 milhões. Fonte: revista Isto É de 24 de dezembro de 2008. Retrospecto
  • 8. Madoff operava com uma mecânica semelhante às populares "pirâmides": os que aderem ao esquema por último, a base, remuneram os mais antigos, o topo, num ciclo permanente de lucros. Todo o esquema desabou quando explodiu a crise financeira mundial e os investidores correram para sacar US$ 7 bilhões. Mas - surpresa! - não havia dinheiro em caixa. A fraude é conhecida por "esquema Ponzi", uma referência a Charles Ponzi, que na década de 20 do século passado criou o golpe. Fonte: revista Isto É de 24 de dezembro de 2008. Como era a operação
  • 9. Fonte: revista Veja de 24 de dezembro de 2008. Como era a operação
  • 10. O italiano Carlo Ponzi nasceu em Parma, em 1882, e aos 21 anos migrou para os Estados Unidos, onde virou Charles e trabalhou como garçom e lavador de pratos. Aos 35 anos, conseguiu um emprego de escriturário e, dois anos depois, montou uma pequena corretora, que garantia aos clientes ganhos de 50% do capital investido em 90 dias. Era uma espécie de pirâmide na qual os da base (novatos) garantiam os lucros dos de cima (os investidores mais antigos). Logo havia filas de fregueses. Mas, do mesmo jeito que aconteceu com Bernard Madoff, a bolha estourou. Os investidores perderam muito dinheiro, incluindo Ponzi, que começou aí sua decadência. Passou anos fugindo da polícia até ser preso no Texas e deportado para a Itália. Mussolini o empregou em uma estatal. De 1938 a 1942, representou a empresa no Rio de Janeiro, onde morreu, em 1949, esquecido por todos em um hospital de caridade. Fonte: revista Isto É de 24 de dezembro de 2008. O esquema Ponzi
  • 11.
  • 12.
  • 13.  
  • 14. Como uma única pessoa foi capaz de manter por tanto tempo uma fraude desta proporção, produzindo informes mensais, demonstrativos fiscais anuais, confirmações de transações e transferências bancárias? Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 16 de dezembro de 2008. Pergunta ainda sem resposta
  • 15. Segundo o presidente da Securities Exchange Commission (SEC), Christopher Cox, o órgão deixou de agir por quase uma década com relação à denúncias sobre a atuação de Maddof. Denúncias que remontam de 1999 foram apresentadas à SEC, mas nenhuma investigação foi aberta. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 16 e 18 de dezembro de 2008. Pergunta ainda sem resposta
  • 16. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 06 de janeiro de 2009. Já conforme o jornal Wall Street Journal, a empresa de Maddof foi examinada oito vezes em 16 anos pela própria SEC e por outros órgãos reguladores. Bernard Maddof foi entrevistado duas vezes pela SEC, sem que nunca o órgão tenha se aproximado da descoberta da fraude. Pergunta ainda sem resposta
  • 17. Muitos de seus investidores eram amigos de Maddof ou o conheciam através de clubes de campo e eventos de caridade. A maior parte, no entanto, tinha confiado seu capital às empresas de consultoria que, por sua vez, repassavam seus fundos à Maddof, com a cobrança de uma taxa pelo serviço. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 16 de dezembro de 2008. De quem era o dinheiro
  • 18. A pequena e desconhecida Friehling e Associates, com apenas três funcionários no estado de Nova York era responsável pela auditoria dos fundos de Maddof. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 22 de dezembro de 2008. E quem eram os auditores?
  • 19. Suicidou-se no dia 23 de dezembro, em Nova York, um dos criadores do fundo Access International, que arrecadou dinheiro na Europa investir com Maddof. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 26 de dezembro de 2008. Conseqüência trágica
  • 20. Fonte: revista Isto É Dinheiro de 24 de dezembro de 2008. De quem era o dinheiro
  • 21. Fonte: revista Veja de 24 de dezembro de 2008. De quem era o dinheiro
  • 22.
  • 23. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 18 de dezembro de 2008. Perdas colossais
  • 24. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 22 de dezembro de 2008. Perdas colossais
  • 25. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 22 de dezembro de 2008. Perdas colossais
  • 26. O principal canal de exposição brasileira os fundos de Maddof eram as aplicações feitas no Fairfield Sentry Fund, fundo da Fairfield Greenwich Group (FGG), que tinha como um dos sócios Walter Noel, casado com a brasileira Mônica, irmã do carioca de origem suíça Alex Haegler. De acordo com o site da Fairfield o fundo tinha como representante no Brasil, Bianca Haegler, filha de Alex. Os fundos sob gestão do FGG até o início de novembro eram de 14 bilhões de dólares, sendo que 7,5 bilhões estavam aplicados em fundos da gestora de Maddof. Fonte: jornal Gazeta Mercantil de 18 de dezembro de 2008. A conexão brasileira
  • 27. Fonte: revista Veja de 11 de novembro de 2008. E se rir é o único remédio