SlideShare uma empresa Scribd logo
207Cadernos de Pesquisa, nº 111, dezembro/2000
é examinado em detalhe, pondo a nu o substrato
pouco democrático dos procedimentos adotados.
No prefácio, Celestino Alves da Silva Jr. re-
sume bem a contribuição do livro de Maria Sylvia:
“confrontar a escuridão, trazer luz ao debate e tra-
zer à luz as forças em debate.” Em tempos de
prevalência de “pensamento único”, que melhor
qualificação para um trabalho científico?
Dagmar Zibas
Fundação Carlos Chagas
O CENÁRIO EDUCACIONAL LATINO-
AMERICANO NO LIMIAR DO SÉCULO XXI:
REFORMAS EM DEBATE
Nora Krawczyk, Maria Malta Campos e
Sérgio Haddad (orgs.)
Campinas:AutoresAssociados,2000,140p.
A coletânea reúne textos preparados para
o ciclo de debates A construção social das políticas
educacionais no Brasil e na América Latina, reali-
zado em 1999 pela Pontifícia Universidade Católi-
ca de São Paulo, em que os autores abordam os
nexos entre as reformas educativas em curso nes-
te final de século e as mudanças socioculturais e
políticas associadas à globalização econômica, à
preeminência das orientações neoliberais nos pro-
cessos de reforma do Estado e de ajuste econômi-
co implementados nos países do continente, bem
como a influência de organismos e bancos inter-
nacionais sobre esses eventos.
“A incomparável virtude do mercado: políti-
cas sociais e padrões de atuação do Estado nos
marcos do neoliberalismo” é o título do artigo em
que o filósofo Reginaldo Carmello Corrêa de
Moraes analisa argumentos com os quais determi-
nadas correntes do pensamento neoliberal pres-
crevem a mudança do papel do Estado na gestão
das políticas sociais e na provisão dos serviços edu-
cacionais. O professor da Universidade Estadual de
Campinas procura demonstrar que a doutrina neo-
liberal recupera antigas teses do liberalismo clássi-
co sobre as supostas vantagens do mercado em
relaçãoaoEstadocomoinstânciareguladoradavida
social, com base nas quais tenta sustentar prescri-
ções conservadoras sobre a necessidade de colo-
car limites ao campo da governabilidade demo-
crática mediante a restrição dos âmbitos de inci-
dência do voto popular.
O autor historia a evolução do pensamento
neoliberal na segunda metade do século XX e
sumariza suas três vertentes principais: a escola
austríaca, liderada por Friedrich von Hayek; a es-
cola de Chicago, conhecida pela obra de Milton
Friedman e pela teoria do capital humano de T. W.
Schultz; e a escola de Virgínia, cujo expoente é o
economista norte-americano James M. Buchanan.
Moraes elege esta última corrente para uma aná-
lise crítica mais aprofundada dos pressupostos e
argumentos elaborados pela chamada teoria da
Public Choice.
No intento de transportar a lógica operativa
do mercado aos bens públicos, as doutrinas neoli-
berais propõem que as políticas sociais compensa-
tórias de alívio da pobreza sejam orientadas pelas
diretrizes de focalização, descentralização e
privatização. Quando as políticas têm por objeto
serviços sociais públicos cuja oferta em nível básico
deva ser universal, como é o caso da educação,
essas teorias propõem que se busque conciliar pro-
visãopúblicaeproduçãoprivada,modeloquepode
contemplar ainda a participação do chamado ter-
ceiro setor. Na interpretação de Moraes, a ênfase
depositada nos processos de reforma educacional
em curso na América Latina e no Brasil para os
sistemas de avaliação das políticas públicas tem por
finalidade simular mecanismos mercantis, como a
lógica fornecedor-cliente.
Em “Espaço público e educação” o profes-
sor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Luiz Eduardo Wanderley volta ao tema da esfera
pública democrática para abordar a construção
social das políticas educacionais no Brasil. Apoiado
em Jürgen Habermas e Norberto Bobbio, o autor
salienta a historicidade do conceito de espaço pú-
blico, construído no jogo de distanciamento e
interpenetração das esferas pública e privada ao
longo da modernidade. O enunciado de um con-
208 Cadernos de Pesquisa, nº 111, dezembro/2000
junto de atributos ou critérios de publicidade (uni-
versalidade, visibilidade, controle social, represen-
tação de interesses coletivos, autonomia dos ato-
res, democratização dos fóruns de deliberação,
cultura pública) serve de baliza à apreciação crítica
do conceito de espaço público não-estatal conexo
ao modelo de administração gerencial proposto
pelo ex-ministro da reforma do Estado Luiz Carlos
Bresser Pereira.
Com o rigor do sociólogo, distingue e
conceitua indivíduo, cidadão, sujeito e ator, antes
de ingressar propriamente na análise de alguns dos
atores sociais que participam do debate e inter-
vêm na reforma educacional brasileira, como o
Banco Mundial, o poder público federal, os meios
de comunicação de massa, as centrais sindicais, os
movimentos sociais (de luta por escola, das esco-
las comunitárias, dos trabalhadores rurais sem ter-
ra) e distintas expressões do chamado terceiro se-
tor (fundações empresariais, organizações não go-
vernamentais, redes pluriinstitucionais e fóruns
intersetoriais).
“Uma introdução ao estudo das organiza-
ções multilaterais no campo educacional”, da pes-
quisadora Fúlvia Rosemberg, constitui o terceiro
capítulo do livro. Embora a autora o defina de
modo despretensioso como um roteiro de aula
que sistematiza informações sobre os organismos
multilaterais, o artigo realiza não só uma revisão
bibliográfica inédita como também ensaia uma in-
cursão pelo terreno da sociologia das instituições
que oferece uma abordagem original ao polêmico
tema da influência dos bancos multilaterais na re-
forma educacional.
O texto faz uma descrição didática seguida
de uma análise dos organismos dos sistemas das
Nações Unidas e do Banco Mundial que não os
caracteriza como organizações monolíticas, mas
assinala sua rigidez institucional e processual, bem
como a simetria entre e a capacidade de financia-
mento dos estados membros e a posição relativa
que eles ocupam na hierarquia interna. Desses
organismos emanam agendas políticas tendencial-
mente homogêneas e conservadoras, mas que
comportam contradições e são relativamente per-
meáveis ao conflito, especialmente naqueles cam-
pos temáticos em que o perfil do pessoal técnico
rompe a uniformidade dominante nos escalões
superiores e comporta maior ecletismo teórico e/
ou político.
A sistematização dos principais achados da
literatura sobre os processos de eleição temática,
produção de consensos e tomada de decisões das
organizações intergovernamentais destaca, sobre-
tudo, as influências dos atores nacionais e das insti-
tuições científicas e intelectuais nos processos de
difusão da agenda de reformas de cunho neolibe-
ral. Esses argumentos corroboram a intenção ex-
plícita da autora de sensibilizar os pesquisadores
da área educacional sobre seu papel nas negocia-
ções relacionadas a programas financiados e/ou
orientados pelas instituições intergovernamentais,
superando as simplificações que freqüentam o dis-
curso de denúncia com relação à subordinação bra-
sileira às imposições dos bancos multilaterais de
desenvolvimento. Neste sentido, Rosemberg ali-
nha-se a outros analistas que reconhecem a co-
responsabilidade dos atores nacionais nas delibe-
rações relativas aos empréstimos contraídos junto
aos bancos multilaterais e à agenda da reforma
educacional, vislumbrando a possibilidade de re-
sistência e influência da sociedade civil pela media-
ção das instituições políticas democráticas e das
organizações não governamentais nacionais e in-
ternacionais.
“Resistência e submissão: a reforma educa-
cional na década de 90” é o título da contribuição
de Lisete Regina Gomes Arelaro, professora da
Universidade de São Paulo, que focaliza, sobretu-
do, os embates políticos em torno dos quais os
diferentes atores sociais incidiram no processo de
reforma da educação brasileira na década de 90,
tendo por pano de fundo os movimentos contra-
ditórios de reorganização da sociedade civil, de-
mocratização política e consolidação jurídica de
direitos sociais, de um lado, e o redimensionamen-
to das funções do Estado sob a égide do pensa-
mento neoliberal e os condicionamentos econô-
micos, de outro.
A autora indica três critérios para apreciar a
209Cadernos de Pesquisa, nº 111, dezembro/2000
efetividade das políticas públicas de educação dos
anos 90 – ampliação do acesso e da permanência
dos educandos no sistema, qualidade do ensino e
democratização da gestão –, e defende a tese de
que este último aspecto desenhou uma linha divi-
sória entre duas etapas distintas na reforma edu-
cativa: até 1994 teria prevalecido um estilo tole-
rante à pluralidade que comportou processos am-
plos de consulta e negociação com as organiza-
ções sociais mediante a participação em conselhos
ou comissões de gestão; na segunda metade da
década, teria-se disseminado um padrão autoritá-
rio de gestão legitimado por argumentos de cor-
reção técnica que paralisou os conselhos e comis-
sões consultivos e excluiu do campo decisório os
organismos civis e correntes políticas que divergiam
dos pressupostos ou resistiam às diretrizes da re-
forma.
O artigo analisa as alterações introduzidas
na legislação a partir de 1996 e contesta o diag-
nóstico de que os problemas de acesso à educa-
ção no Brasil estejam sanados ou que os recursos
investidos sejam suficientes, embora seu emprego
seja ineficiente. Assinala o paradoxo existente en-
tre o discurso e as medidas de descentralização
financeira e administrativa e de alargamento da
autonomia das unidades escolares, e os impulsos
de centralização e controle implícitos no estabele-
cimento de parâmetros curriculares nacionais e na
adoção de sistemas padronizados de avaliação da
aprendizagem. O texto critica também o sentido
instrumental conferido à participação dos pais e da
comunidade na gestão escolar, concluindo em fa-
vor da construção participativa de um Plano Na-
cional de Educação de caráter inclusivo.
“Anos 90: novos eixos de discussão na polí-
tica educacional da América Latina” expõe a tese
da professora da Universidade de La Plata
Guillermina Tiramonti, de que a valorização da
autonomia escolar, as políticas de compensação de
desigualdades, a volta da preocupação com os va-
lores e a busca de estratégias de cooperação polí-
tica e social são medidas que compõem uma ope-
ração de engenharia social que visa administrar as
conseqüências negativas do engajamento subalter-
no dos países latino-americanos na economia
globalizada. Ressalvando que as singularidades his-
tóricas e culturais de cada um dos países conferem
aos respectivos sistemas educativos sentidos bas-
tante distintos, a autora interpreta que a reforma
modernizante em curso na região, organizada em
torno dos critérios de mercado, é incapaz de en-
frentar os problemas da segmentação social cres-
cente e das desigualdades educativas que lhe são
correspondentes.
O texto problematiza o sentido positivo atri-
buído à autonomia escolar, ponderando seus limi-
tes na promoção da qualidade e eqüidade dos sis-
temas de ensino e advertindo para o risco de que,
ao invés de promover a integração, implique au-
mento da segregação, operando uma privatização
das responsabilidades pela educação das novas ge-
rações que amplia as desigualdades de capital so-
cial e cultural ligadas à origem de classe das famílias.
Tiramonti admite que a maior autonomia possa fa-
vorecer a pertinência das escolas para o entorno
social e incorporá-las ao circuito de instituições que
articulam as demandas populares e promovem o
controledocidadãosobreosgovernos.Não poupa
críticas, porém, aos programas focalizados de com-
pensação das desigualdades educativas, por abor-
darem a diferença como carência, propondo as-
sistência a “necessitados”, quando o que está em
jogo são direitos de cidadãos.
A valorização da sociedade civil como co-
gestora das questões públicas é outro eixo do de-
bate enfrentado pelo artigo. Ele recorda que a so-
ciedade civil nunca esteve ausente da prestação e
gestão dos serviços educacionais e que a expansão
e democratização dos sistemas de ensino pela pro-
gressiva inclusão de novos segmentos sociais fo-
ram objeto de luta política, mas assinala que, dian-
te das exigências de integração social, foi a refe-
rência a um Estado nacional que conferiu à escola
um caráter universalista. Tanto a identificação que
as reformas educativas modernizantes promovem
entre sociedade civil e mercado quanto as propos-
tas que delegam às organizações sociais funções
de gestão dos serviços educativos são rejeitadas
pela autora, que opera com a hipótese de que a
210 Cadernos de Pesquisa, nº 111, dezembro/2000
sociedade civil constitua um terreno de articulação
democrática com o Estado, promovendo o reco-
nhecimento da diversidade e a reconstrução de
identidades coletivas, o sentimento de solidarie-
dade, o alargamento do campo de direitos e a in-
clusão social.
Saímos da leitura dessa coletânea mais bem
instrumentalizados e mais convencidos da possibi-
lidade de formulação de um ideário pedagógico
autônomo que, diante das transformações históri-
cas em curso nos países do continente, não conti-
nueabordandoamudançaeducacionalcomoexer-
cício de engenharia social subordinado às exigên-
cias da esfera econômica, mas encare as reformas
educativas como criações culturais permeáveis ao
debate intelectual e à participação societária.
Maria Clara Di Pierro
Ação Educativa – assessoria, pesquisa e
informação
MONTEIRO LOBATO: UM BRASILEIRO SOB
MEDIDA
Marisa Lajolo
São Paulo: Moderna, 2000, 99 p.
Ao longo dos anos, a história da literatura
fixou uma imagem multiforme e um tanto contra-
ditória de Monteiro Lobato. De uma lado, afirma-
se o escritor inventivo, considerado o criador de
nossa literatura infantil; de outro, configura-se o
crítico de pintura que tripudiou sobre os quadros
inovadores da pintora modernista Anita Mafalti; ora
cita-se o fazendeiro que ridicularizou seus agrega-
dos na figura do Jeca Tatu, ora exalta-se o cidadão
progressista defensor do petróleo nacional. O novo
livro de Marisa Lajolo, Monteiro Lobato: um brasi-
leiro sob medida, vai além dessa imagem, mos-
trando que a carreira poliédrica do escritor foi fru-
to de uma visão de mundo arrojada e moderna,
sempre em perfeita sintonia com o seu momento
histórico.
O livro de Marisa começa como uma bio-
grafia sentimental e até convencional. Nos capítu-
los iniciais, a autora confessa as raízes infantis do
seu encanto pelo escritor, acompanha os primei-
ros passos de Lobato nos meios escolares, narra a
quase obrigatória passagem pelas arcadas da facul-
dade de Direito de São Paulo e a atividade de fa-
zendeiro-escritor nas terras herdadas do avô vis-
conde. Mas, aos poucos, vai se desvelando para o
leitor a personalidade rica e vigorosa de Lobato,
que passa de escritor para “escritor-editor de si
mesmo, e finalmente editor de obras alheias”, per-
correndo uma trajetória pontuada de “impasses,
hesitações e remorsos”.
Apesar dos momentos de dúvida, o perfil
do escritor-editor se afirma com todo seu vigor.
Em uma época em que a qualidade gráfica dos li-
vros era considerada fator irrelevante para os edi-
tores brasileiros, Lobato intui que a aparência do
produto era indispensável para atrair a atenção dos
leitores. Contrata artistas plásticos para moderni-
zar as capas e ilustrar os textos, assim imprimindo
uma feição artística na materialidade do livro. Faz
considerações sobre a importância da censura e
do escândalo como desencadeadores de venda de
um livro, ou ainda, discute a diversidade de interes-
ses entre escritor e editor. Essa concepção utilitária
da literatura é ousada para os anos 20, mas, como
diz Marisa Lajolo, está em sintonia com seu tempo,
pois então “o Brasil timidamente se moderniza, e
se moderniza numa direção capitalista”.
Outro tema abordado na biografia, como
não poderia deixar de acontecer, são os livros in-
fantis, considerados pela autora como a mais bela
invenção de Lobato. Aqui, entretanto, a obra
lobatiana é vista sob um ângulo novo, pois Marisa
vai além das apreciações textuais e mostra que a
saga do Sítio do Picapau Amarelo foi um verdadei-
ro “projeto literário e pedagógico sob medida para
o Brasil”. Logo após publicar seu primeiro livro,
Narizinho arrebitado, o autor transfere a experiên-
cia de editor de literatura adulta para a realidade
mercadológica do livro infantil. Conhecedor do
papel fundamental da escola e do Estado na difu-
são da leitura, dá o primeiro impulso a sua obra
infantil distribuindo gratuitamente 500 exempla-
res de Narizinho arrebitado às escolas públicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
Sérgio Braga
 
Tilly para mapear confronto político
Tilly para mapear confronto políticoTilly para mapear confronto político
Tilly para mapear confronto político
University of Campinas
 
A produtividade da escola improdutiv frigoto
A produtividade da escola improdutiv frigotoA produtividade da escola improdutiv frigoto
A produtividade da escola improdutiv frigoto
Karla Cândido
 
Lei
LeiLei
EXPRESSÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NOS ANOS 2000: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-CRÍTICA...
EXPRESSÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NOS ANOS 2000: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-CRÍTICA...EXPRESSÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NOS ANOS 2000: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-CRÍTICA...
EXPRESSÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NOS ANOS 2000: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-CRÍTICA...
Lara Carlette
 
A gestão escolar
A gestão escolarA gestão escolar
A gestão escolar
Soraia Lima
 
A relação do serviço social com os movimentos
A relação do serviço social com os movimentosA relação do serviço social com os movimentos
A relação do serviço social com os movimentos
Rosane Domingues
 
Maria da-glória-gohn-teoria-dos-movimentos-sociais-paradigmas-clássicos-e-con...
Maria da-glória-gohn-teoria-dos-movimentos-sociais-paradigmas-clássicos-e-con...Maria da-glória-gohn-teoria-dos-movimentos-sociais-paradigmas-clássicos-e-con...
Maria da-glória-gohn-teoria-dos-movimentos-sociais-paradigmas-clássicos-e-con...
Rosane Domingues
 
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do EstadoComunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
Lidiane Ferreira Sant' Ana
 
Deliberação mediada: Uma tipologia das funções dos media para a formação do d...
Deliberação mediada: Uma tipologia das funções dos media para a formação do d...Deliberação mediada: Uma tipologia das funções dos media para a formação do d...
Deliberação mediada: Uma tipologia das funções dos media para a formação do d...
Universidade Federal do Paraná
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Simone
 
Relações federativas nas políticas sociais
Relações federativas nas políticas sociaisRelações federativas nas políticas sociais
Relações federativas nas políticas sociais
Petianos
 
Movimentos sociais e serviço social
Movimentos sociais e serviço socialMovimentos sociais e serviço social
Movimentos sociais e serviço social
Rosane Domingues
 
T6 desigualdades de classes 2010
T6 desigualdades de classes 2010T6 desigualdades de classes 2010
T6 desigualdades de classes 2010
Elisio Estanque
 
DEMOCRACIA COSMOPOLITA VERSUS POLÍTICA INTERNACIONAL
DEMOCRACIA COSMOPOLITA VERSUS POLÍTICA INTERNACIONALDEMOCRACIA COSMOPOLITA VERSUS POLÍTICA INTERNACIONAL
DEMOCRACIA COSMOPOLITA VERSUS POLÍTICA INTERNACIONAL
Rafael Pinto
 
Congresso tendencias recentes do Currículo
Congresso tendencias recentes do CurrículoCongresso tendencias recentes do Currículo
Congresso tendencias recentes do Currículo
Santtanna
 
Dissertação shimamoto - cap ii
Dissertação   shimamoto - cap iiDissertação   shimamoto - cap ii
Dissertação shimamoto - cap ii
Mariclei2011
 

Mais procurados (17)

02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
 
Tilly para mapear confronto político
Tilly para mapear confronto políticoTilly para mapear confronto político
Tilly para mapear confronto político
 
A produtividade da escola improdutiv frigoto
A produtividade da escola improdutiv frigotoA produtividade da escola improdutiv frigoto
A produtividade da escola improdutiv frigoto
 
Lei
LeiLei
Lei
 
EXPRESSÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NOS ANOS 2000: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-CRÍTICA...
EXPRESSÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NOS ANOS 2000: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-CRÍTICA...EXPRESSÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NOS ANOS 2000: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-CRÍTICA...
EXPRESSÕES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NOS ANOS 2000: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-CRÍTICA...
 
A gestão escolar
A gestão escolarA gestão escolar
A gestão escolar
 
A relação do serviço social com os movimentos
A relação do serviço social com os movimentosA relação do serviço social com os movimentos
A relação do serviço social com os movimentos
 
Maria da-glória-gohn-teoria-dos-movimentos-sociais-paradigmas-clássicos-e-con...
Maria da-glória-gohn-teoria-dos-movimentos-sociais-paradigmas-clássicos-e-con...Maria da-glória-gohn-teoria-dos-movimentos-sociais-paradigmas-clássicos-e-con...
Maria da-glória-gohn-teoria-dos-movimentos-sociais-paradigmas-clássicos-e-con...
 
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do EstadoComunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
Comunicação Pública: proposta dialógica de legitimação do Estado
 
Deliberação mediada: Uma tipologia das funções dos media para a formação do d...
Deliberação mediada: Uma tipologia das funções dos media para a formação do d...Deliberação mediada: Uma tipologia das funções dos media para a formação do d...
Deliberação mediada: Uma tipologia das funções dos media para a formação do d...
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
 
Relações federativas nas políticas sociais
Relações federativas nas políticas sociaisRelações federativas nas políticas sociais
Relações federativas nas políticas sociais
 
Movimentos sociais e serviço social
Movimentos sociais e serviço socialMovimentos sociais e serviço social
Movimentos sociais e serviço social
 
T6 desigualdades de classes 2010
T6 desigualdades de classes 2010T6 desigualdades de classes 2010
T6 desigualdades de classes 2010
 
DEMOCRACIA COSMOPOLITA VERSUS POLÍTICA INTERNACIONAL
DEMOCRACIA COSMOPOLITA VERSUS POLÍTICA INTERNACIONALDEMOCRACIA COSMOPOLITA VERSUS POLÍTICA INTERNACIONAL
DEMOCRACIA COSMOPOLITA VERSUS POLÍTICA INTERNACIONAL
 
Congresso tendencias recentes do Currículo
Congresso tendencias recentes do CurrículoCongresso tendencias recentes do Currículo
Congresso tendencias recentes do Currículo
 
Dissertação shimamoto - cap ii
Dissertação   shimamoto - cap iiDissertação   shimamoto - cap ii
Dissertação shimamoto - cap ii
 

Destaque

Bhabha, homi k. o local da cultura
Bhabha, homi k. o local da culturaBhabha, homi k. o local da cultura
Bhabha, homi k. o local da cultura
Neuda Larissa Dias Perdigao
 
25 Herramientas para convertir Twitter en un arma de destrucción masiva
25 Herramientas para convertir Twitter en un arma de destrucción masiva25 Herramientas para convertir Twitter en un arma de destrucción masiva
25 Herramientas para convertir Twitter en un arma de destrucción masiva
Socialmood
 
Soal tentang satuan dan besaran''
Soal tentang satuan dan besaran''Soal tentang satuan dan besaran''
Soal tentang satuan dan besaran''
Si Om
 
Laboratorio48 Per L’Africa
Laboratorio48 Per L’AfricaLaboratorio48 Per L’Africa
Laboratorio48 Per L’Africatheblogbusters
 
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
Teniente Fantasma
 
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
Teniente Fantasma
 
Datos de la radio
Datos de la radioDatos de la radio
Datos de la radio
marcosrk756
 
Feria de la ciencia, el arte y el emprendimiento
Feria de la ciencia, el arte y el emprendimientoFeria de la ciencia, el arte y el emprendimiento
Feria de la ciencia, el arte y el emprendimiento
Nathanoj Jovans
 
2008weblogwikitolinto
2008weblogwikitolinto2008weblogwikitolinto
2008weblogwikitolinto
Filip Vervenne
 
Esq 1203 vaga general 29 m
Esq 1203 vaga general 29 mEsq 1203 vaga general 29 m
Esq 1203 vaga general 29 mEnsenyament
 
James P Brennan(Controller)-122716
James P Brennan(Controller)-122716James P Brennan(Controller)-122716
James P Brennan(Controller)-122716
Jim Brennan
 
Measuring-monitoring-national-prevalence-child-maltreatment-practical-handbook
Measuring-monitoring-national-prevalence-child-maltreatment-practical-handbookMeasuring-monitoring-national-prevalence-child-maltreatment-practical-handbook
Measuring-monitoring-national-prevalence-child-maltreatment-practical-handbook
Janina Steinert
 
Foro i
Foro   iForo   i
Foro i
raqueltellez
 
Comercio Electronico para Pymes
Comercio Electronico para PymesComercio Electronico para Pymes
Comercio Electronico para Pymes
Cecilia Nuñez
 
FERNANDO MENDES NOLASCO
FERNANDO MENDES NOLASCOFERNANDO MENDES NOLASCO
FERNANDO MENDES NOLASCO
FERNANDO MENDES NOLASCO
 
Marketing de contenidos en las historias mínimas - Bee! Comunicación
Marketing de contenidos en las historias mínimas - Bee! ComunicaciónMarketing de contenidos en las historias mínimas - Bee! Comunicación
Marketing de contenidos en las historias mínimas - Bee! Comunicación
Cecilia Nuñez
 

Destaque (20)

Bhabha, homi k. o local da cultura
Bhabha, homi k. o local da culturaBhabha, homi k. o local da cultura
Bhabha, homi k. o local da cultura
 
25 Herramientas para convertir Twitter en un arma de destrucción masiva
25 Herramientas para convertir Twitter en un arma de destrucción masiva25 Herramientas para convertir Twitter en un arma de destrucción masiva
25 Herramientas para convertir Twitter en un arma de destrucción masiva
 
Aimii6
Aimii6Aimii6
Aimii6
 
Soal tentang satuan dan besaran''
Soal tentang satuan dan besaran''Soal tentang satuan dan besaran''
Soal tentang satuan dan besaran''
 
Laboratorio48 Per L’Africa
Laboratorio48 Per L’AfricaLaboratorio48 Per L’Africa
Laboratorio48 Per L’Africa
 
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
 
Test
TestTest
Test
 
Aimii5
Aimii5Aimii5
Aimii5
 
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
DEMOGRAFÍA DINÁMICA, VARIABLES DEMOGRÁFICAS, MORTALIDAD, FECUNDIDAD Y MOVIMIE...
 
Datos de la radio
Datos de la radioDatos de la radio
Datos de la radio
 
Feria de la ciencia, el arte y el emprendimiento
Feria de la ciencia, el arte y el emprendimientoFeria de la ciencia, el arte y el emprendimiento
Feria de la ciencia, el arte y el emprendimiento
 
2008weblogwikitolinto
2008weblogwikitolinto2008weblogwikitolinto
2008weblogwikitolinto
 
Eji2_Si has begut o consumit drogues, no agafis la moto
Eji2_Si has begut o consumit drogues, no agafis la motoEji2_Si has begut o consumit drogues, no agafis la moto
Eji2_Si has begut o consumit drogues, no agafis la moto
 
Esq 1203 vaga general 29 m
Esq 1203 vaga general 29 mEsq 1203 vaga general 29 m
Esq 1203 vaga general 29 m
 
James P Brennan(Controller)-122716
James P Brennan(Controller)-122716James P Brennan(Controller)-122716
James P Brennan(Controller)-122716
 
Measuring-monitoring-national-prevalence-child-maltreatment-practical-handbook
Measuring-monitoring-national-prevalence-child-maltreatment-practical-handbookMeasuring-monitoring-national-prevalence-child-maltreatment-practical-handbook
Measuring-monitoring-national-prevalence-child-maltreatment-practical-handbook
 
Foro i
Foro   iForo   i
Foro i
 
Comercio Electronico para Pymes
Comercio Electronico para PymesComercio Electronico para Pymes
Comercio Electronico para Pymes
 
FERNANDO MENDES NOLASCO
FERNANDO MENDES NOLASCOFERNANDO MENDES NOLASCO
FERNANDO MENDES NOLASCO
 
Marketing de contenidos en las historias mínimas - Bee! Comunicación
Marketing de contenidos en las historias mínimas - Bee! ComunicaciónMarketing de contenidos en las historias mínimas - Bee! Comunicación
Marketing de contenidos en las historias mínimas - Bee! Comunicación
 

Semelhante a Nora resumo

Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Paulo Lima
 
a democratização do ensino em portugal.pdf
a democratização do ensino em portugal.pdfa democratização do ensino em portugal.pdf
a democratização do ensino em portugal.pdf
IsabelCristinaAlmeid5
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Simone
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Simone
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Simone
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Simone
 
RELAÇÕES ENTRE O ESTADO E A ESCOLA NO BRASIL, PARTICIPAÇÃO E POLÍTICAS EDUCAC...
RELAÇÕES ENTRE O ESTADO E A ESCOLA NO BRASIL, PARTICIPAÇÃO E POLÍTICAS EDUCAC...RELAÇÕES ENTRE O ESTADO E A ESCOLA NO BRASIL, PARTICIPAÇÃO E POLÍTICAS EDUCAC...
RELAÇÕES ENTRE O ESTADO E A ESCOLA NO BRASIL, PARTICIPAÇÃO E POLÍTICAS EDUCAC...
Paulo Lima
 
Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação
Os movimentos sociais como fonte de transformação na educaçãoOs movimentos sociais como fonte de transformação na educação
Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação
Yvana Hafizza de Carvalho
 
A reforma universitária de 1968 25 anos depois
A reforma universitária de 1968 25 anos depoisA reforma universitária de 1968 25 anos depois
A reforma universitária de 1968 25 anos depois
Paulo César dos Santos
 
Atuacao gestor escolar
Atuacao gestor escolarAtuacao gestor escolar
Atuacao gestor escolar
Jucymar Marques
 
Comunicacao e Complexidade
Comunicacao e ComplexidadeComunicacao e Complexidade
Comunicacao e Complexidade
Rosângela Florczak
 
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Wellington Oliveira
 
A dinâmica dos meios de comunicação de massa
A dinâmica dos meios de comunicação de massaA dinâmica dos meios de comunicação de massa
A dinâmica dos meios de comunicação de massa
marluiz31
 
O PROBLEMA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO MODELO DELIBERATIVO DE DEMOCRACIA
O PROBLEMA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO MODELO DELIBERATIVO DE DEMOCRACIAO PROBLEMA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO MODELO DELIBERATIVO DE DEMOCRACIA
O PROBLEMA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO MODELO DELIBERATIVO DE DEMOCRACIA
Universidade Federal do Paraná
 
Neoinstitucionalismo
NeoinstitucionalismoNeoinstitucionalismo
Neoinstitucionalismo
Petianos
 
Slide curriculos e programas
Slide curriculos e programasSlide curriculos e programas
Slide curriculos e programas
estudosacademicospedag
 
Cidadania e construção da agenda pública
Cidadania e construção da agenda públicaCidadania e construção da agenda pública
Cidadania e construção da agenda pública
Arie Storch
 
Linhares, célia os professores e a reinvencao da escola
Linhares, célia   os professores e a reinvencao da escolaLinhares, célia   os professores e a reinvencao da escola
Linhares, célia os professores e a reinvencao da escola
marcaocampos
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
Phrancisco Domiciano
 
Texto 2 -_macrotend_ncias_pol_tico-pedag_gicas (1)
Texto 2 -_macrotend_ncias_pol_tico-pedag_gicas (1)Texto 2 -_macrotend_ncias_pol_tico-pedag_gicas (1)
Texto 2 -_macrotend_ncias_pol_tico-pedag_gicas (1)
Junior Abs
 

Semelhante a Nora resumo (20)

Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
a democratização do ensino em portugal.pdf
a democratização do ensino em portugal.pdfa democratização do ensino em portugal.pdf
a democratização do ensino em portugal.pdf
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
 
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 DGest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
Gest%C3%A3o Democr%C3%A1tica%5 B1%5 D
 
RELAÇÕES ENTRE O ESTADO E A ESCOLA NO BRASIL, PARTICIPAÇÃO E POLÍTICAS EDUCAC...
RELAÇÕES ENTRE O ESTADO E A ESCOLA NO BRASIL, PARTICIPAÇÃO E POLÍTICAS EDUCAC...RELAÇÕES ENTRE O ESTADO E A ESCOLA NO BRASIL, PARTICIPAÇÃO E POLÍTICAS EDUCAC...
RELAÇÕES ENTRE O ESTADO E A ESCOLA NO BRASIL, PARTICIPAÇÃO E POLÍTICAS EDUCAC...
 
Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação
Os movimentos sociais como fonte de transformação na educaçãoOs movimentos sociais como fonte de transformação na educação
Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação
 
A reforma universitária de 1968 25 anos depois
A reforma universitária de 1968 25 anos depoisA reforma universitária de 1968 25 anos depois
A reforma universitária de 1968 25 anos depois
 
Atuacao gestor escolar
Atuacao gestor escolarAtuacao gestor escolar
Atuacao gestor escolar
 
Comunicacao e Complexidade
Comunicacao e ComplexidadeComunicacao e Complexidade
Comunicacao e Complexidade
 
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
 
A dinâmica dos meios de comunicação de massa
A dinâmica dos meios de comunicação de massaA dinâmica dos meios de comunicação de massa
A dinâmica dos meios de comunicação de massa
 
O PROBLEMA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO MODELO DELIBERATIVO DE DEMOCRACIA
O PROBLEMA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO MODELO DELIBERATIVO DE DEMOCRACIAO PROBLEMA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO MODELO DELIBERATIVO DE DEMOCRACIA
O PROBLEMA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO MODELO DELIBERATIVO DE DEMOCRACIA
 
Neoinstitucionalismo
NeoinstitucionalismoNeoinstitucionalismo
Neoinstitucionalismo
 
Slide curriculos e programas
Slide curriculos e programasSlide curriculos e programas
Slide curriculos e programas
 
Cidadania e construção da agenda pública
Cidadania e construção da agenda públicaCidadania e construção da agenda pública
Cidadania e construção da agenda pública
 
Linhares, célia os professores e a reinvencao da escola
Linhares, célia   os professores e a reinvencao da escolaLinhares, célia   os professores e a reinvencao da escola
Linhares, célia os professores e a reinvencao da escola
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Texto 2 -_macrotend_ncias_pol_tico-pedag_gicas (1)
Texto 2 -_macrotend_ncias_pol_tico-pedag_gicas (1)Texto 2 -_macrotend_ncias_pol_tico-pedag_gicas (1)
Texto 2 -_macrotend_ncias_pol_tico-pedag_gicas (1)
 

Último

Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 

Último (20)

Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 

Nora resumo

  • 1. 207Cadernos de Pesquisa, nº 111, dezembro/2000 é examinado em detalhe, pondo a nu o substrato pouco democrático dos procedimentos adotados. No prefácio, Celestino Alves da Silva Jr. re- sume bem a contribuição do livro de Maria Sylvia: “confrontar a escuridão, trazer luz ao debate e tra- zer à luz as forças em debate.” Em tempos de prevalência de “pensamento único”, que melhor qualificação para um trabalho científico? Dagmar Zibas Fundação Carlos Chagas O CENÁRIO EDUCACIONAL LATINO- AMERICANO NO LIMIAR DO SÉCULO XXI: REFORMAS EM DEBATE Nora Krawczyk, Maria Malta Campos e Sérgio Haddad (orgs.) Campinas:AutoresAssociados,2000,140p. A coletânea reúne textos preparados para o ciclo de debates A construção social das políticas educacionais no Brasil e na América Latina, reali- zado em 1999 pela Pontifícia Universidade Católi- ca de São Paulo, em que os autores abordam os nexos entre as reformas educativas em curso nes- te final de século e as mudanças socioculturais e políticas associadas à globalização econômica, à preeminência das orientações neoliberais nos pro- cessos de reforma do Estado e de ajuste econômi- co implementados nos países do continente, bem como a influência de organismos e bancos inter- nacionais sobre esses eventos. “A incomparável virtude do mercado: políti- cas sociais e padrões de atuação do Estado nos marcos do neoliberalismo” é o título do artigo em que o filósofo Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes analisa argumentos com os quais determi- nadas correntes do pensamento neoliberal pres- crevem a mudança do papel do Estado na gestão das políticas sociais e na provisão dos serviços edu- cacionais. O professor da Universidade Estadual de Campinas procura demonstrar que a doutrina neo- liberal recupera antigas teses do liberalismo clássi- co sobre as supostas vantagens do mercado em relaçãoaoEstadocomoinstânciareguladoradavida social, com base nas quais tenta sustentar prescri- ções conservadoras sobre a necessidade de colo- car limites ao campo da governabilidade demo- crática mediante a restrição dos âmbitos de inci- dência do voto popular. O autor historia a evolução do pensamento neoliberal na segunda metade do século XX e sumariza suas três vertentes principais: a escola austríaca, liderada por Friedrich von Hayek; a es- cola de Chicago, conhecida pela obra de Milton Friedman e pela teoria do capital humano de T. W. Schultz; e a escola de Virgínia, cujo expoente é o economista norte-americano James M. Buchanan. Moraes elege esta última corrente para uma aná- lise crítica mais aprofundada dos pressupostos e argumentos elaborados pela chamada teoria da Public Choice. No intento de transportar a lógica operativa do mercado aos bens públicos, as doutrinas neoli- berais propõem que as políticas sociais compensa- tórias de alívio da pobreza sejam orientadas pelas diretrizes de focalização, descentralização e privatização. Quando as políticas têm por objeto serviços sociais públicos cuja oferta em nível básico deva ser universal, como é o caso da educação, essas teorias propõem que se busque conciliar pro- visãopúblicaeproduçãoprivada,modeloquepode contemplar ainda a participação do chamado ter- ceiro setor. Na interpretação de Moraes, a ênfase depositada nos processos de reforma educacional em curso na América Latina e no Brasil para os sistemas de avaliação das políticas públicas tem por finalidade simular mecanismos mercantis, como a lógica fornecedor-cliente. Em “Espaço público e educação” o profes- sor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Luiz Eduardo Wanderley volta ao tema da esfera pública democrática para abordar a construção social das políticas educacionais no Brasil. Apoiado em Jürgen Habermas e Norberto Bobbio, o autor salienta a historicidade do conceito de espaço pú- blico, construído no jogo de distanciamento e interpenetração das esferas pública e privada ao longo da modernidade. O enunciado de um con-
  • 2. 208 Cadernos de Pesquisa, nº 111, dezembro/2000 junto de atributos ou critérios de publicidade (uni- versalidade, visibilidade, controle social, represen- tação de interesses coletivos, autonomia dos ato- res, democratização dos fóruns de deliberação, cultura pública) serve de baliza à apreciação crítica do conceito de espaço público não-estatal conexo ao modelo de administração gerencial proposto pelo ex-ministro da reforma do Estado Luiz Carlos Bresser Pereira. Com o rigor do sociólogo, distingue e conceitua indivíduo, cidadão, sujeito e ator, antes de ingressar propriamente na análise de alguns dos atores sociais que participam do debate e inter- vêm na reforma educacional brasileira, como o Banco Mundial, o poder público federal, os meios de comunicação de massa, as centrais sindicais, os movimentos sociais (de luta por escola, das esco- las comunitárias, dos trabalhadores rurais sem ter- ra) e distintas expressões do chamado terceiro se- tor (fundações empresariais, organizações não go- vernamentais, redes pluriinstitucionais e fóruns intersetoriais). “Uma introdução ao estudo das organiza- ções multilaterais no campo educacional”, da pes- quisadora Fúlvia Rosemberg, constitui o terceiro capítulo do livro. Embora a autora o defina de modo despretensioso como um roteiro de aula que sistematiza informações sobre os organismos multilaterais, o artigo realiza não só uma revisão bibliográfica inédita como também ensaia uma in- cursão pelo terreno da sociologia das instituições que oferece uma abordagem original ao polêmico tema da influência dos bancos multilaterais na re- forma educacional. O texto faz uma descrição didática seguida de uma análise dos organismos dos sistemas das Nações Unidas e do Banco Mundial que não os caracteriza como organizações monolíticas, mas assinala sua rigidez institucional e processual, bem como a simetria entre e a capacidade de financia- mento dos estados membros e a posição relativa que eles ocupam na hierarquia interna. Desses organismos emanam agendas políticas tendencial- mente homogêneas e conservadoras, mas que comportam contradições e são relativamente per- meáveis ao conflito, especialmente naqueles cam- pos temáticos em que o perfil do pessoal técnico rompe a uniformidade dominante nos escalões superiores e comporta maior ecletismo teórico e/ ou político. A sistematização dos principais achados da literatura sobre os processos de eleição temática, produção de consensos e tomada de decisões das organizações intergovernamentais destaca, sobre- tudo, as influências dos atores nacionais e das insti- tuições científicas e intelectuais nos processos de difusão da agenda de reformas de cunho neolibe- ral. Esses argumentos corroboram a intenção ex- plícita da autora de sensibilizar os pesquisadores da área educacional sobre seu papel nas negocia- ções relacionadas a programas financiados e/ou orientados pelas instituições intergovernamentais, superando as simplificações que freqüentam o dis- curso de denúncia com relação à subordinação bra- sileira às imposições dos bancos multilaterais de desenvolvimento. Neste sentido, Rosemberg ali- nha-se a outros analistas que reconhecem a co- responsabilidade dos atores nacionais nas delibe- rações relativas aos empréstimos contraídos junto aos bancos multilaterais e à agenda da reforma educacional, vislumbrando a possibilidade de re- sistência e influência da sociedade civil pela media- ção das instituições políticas democráticas e das organizações não governamentais nacionais e in- ternacionais. “Resistência e submissão: a reforma educa- cional na década de 90” é o título da contribuição de Lisete Regina Gomes Arelaro, professora da Universidade de São Paulo, que focaliza, sobretu- do, os embates políticos em torno dos quais os diferentes atores sociais incidiram no processo de reforma da educação brasileira na década de 90, tendo por pano de fundo os movimentos contra- ditórios de reorganização da sociedade civil, de- mocratização política e consolidação jurídica de direitos sociais, de um lado, e o redimensionamen- to das funções do Estado sob a égide do pensa- mento neoliberal e os condicionamentos econô- micos, de outro. A autora indica três critérios para apreciar a
  • 3. 209Cadernos de Pesquisa, nº 111, dezembro/2000 efetividade das políticas públicas de educação dos anos 90 – ampliação do acesso e da permanência dos educandos no sistema, qualidade do ensino e democratização da gestão –, e defende a tese de que este último aspecto desenhou uma linha divi- sória entre duas etapas distintas na reforma edu- cativa: até 1994 teria prevalecido um estilo tole- rante à pluralidade que comportou processos am- plos de consulta e negociação com as organiza- ções sociais mediante a participação em conselhos ou comissões de gestão; na segunda metade da década, teria-se disseminado um padrão autoritá- rio de gestão legitimado por argumentos de cor- reção técnica que paralisou os conselhos e comis- sões consultivos e excluiu do campo decisório os organismos civis e correntes políticas que divergiam dos pressupostos ou resistiam às diretrizes da re- forma. O artigo analisa as alterações introduzidas na legislação a partir de 1996 e contesta o diag- nóstico de que os problemas de acesso à educa- ção no Brasil estejam sanados ou que os recursos investidos sejam suficientes, embora seu emprego seja ineficiente. Assinala o paradoxo existente en- tre o discurso e as medidas de descentralização financeira e administrativa e de alargamento da autonomia das unidades escolares, e os impulsos de centralização e controle implícitos no estabele- cimento de parâmetros curriculares nacionais e na adoção de sistemas padronizados de avaliação da aprendizagem. O texto critica também o sentido instrumental conferido à participação dos pais e da comunidade na gestão escolar, concluindo em fa- vor da construção participativa de um Plano Na- cional de Educação de caráter inclusivo. “Anos 90: novos eixos de discussão na polí- tica educacional da América Latina” expõe a tese da professora da Universidade de La Plata Guillermina Tiramonti, de que a valorização da autonomia escolar, as políticas de compensação de desigualdades, a volta da preocupação com os va- lores e a busca de estratégias de cooperação polí- tica e social são medidas que compõem uma ope- ração de engenharia social que visa administrar as conseqüências negativas do engajamento subalter- no dos países latino-americanos na economia globalizada. Ressalvando que as singularidades his- tóricas e culturais de cada um dos países conferem aos respectivos sistemas educativos sentidos bas- tante distintos, a autora interpreta que a reforma modernizante em curso na região, organizada em torno dos critérios de mercado, é incapaz de en- frentar os problemas da segmentação social cres- cente e das desigualdades educativas que lhe são correspondentes. O texto problematiza o sentido positivo atri- buído à autonomia escolar, ponderando seus limi- tes na promoção da qualidade e eqüidade dos sis- temas de ensino e advertindo para o risco de que, ao invés de promover a integração, implique au- mento da segregação, operando uma privatização das responsabilidades pela educação das novas ge- rações que amplia as desigualdades de capital so- cial e cultural ligadas à origem de classe das famílias. Tiramonti admite que a maior autonomia possa fa- vorecer a pertinência das escolas para o entorno social e incorporá-las ao circuito de instituições que articulam as demandas populares e promovem o controledocidadãosobreosgovernos.Não poupa críticas, porém, aos programas focalizados de com- pensação das desigualdades educativas, por abor- darem a diferença como carência, propondo as- sistência a “necessitados”, quando o que está em jogo são direitos de cidadãos. A valorização da sociedade civil como co- gestora das questões públicas é outro eixo do de- bate enfrentado pelo artigo. Ele recorda que a so- ciedade civil nunca esteve ausente da prestação e gestão dos serviços educacionais e que a expansão e democratização dos sistemas de ensino pela pro- gressiva inclusão de novos segmentos sociais fo- ram objeto de luta política, mas assinala que, dian- te das exigências de integração social, foi a refe- rência a um Estado nacional que conferiu à escola um caráter universalista. Tanto a identificação que as reformas educativas modernizantes promovem entre sociedade civil e mercado quanto as propos- tas que delegam às organizações sociais funções de gestão dos serviços educativos são rejeitadas pela autora, que opera com a hipótese de que a
  • 4. 210 Cadernos de Pesquisa, nº 111, dezembro/2000 sociedade civil constitua um terreno de articulação democrática com o Estado, promovendo o reco- nhecimento da diversidade e a reconstrução de identidades coletivas, o sentimento de solidarie- dade, o alargamento do campo de direitos e a in- clusão social. Saímos da leitura dessa coletânea mais bem instrumentalizados e mais convencidos da possibi- lidade de formulação de um ideário pedagógico autônomo que, diante das transformações históri- cas em curso nos países do continente, não conti- nueabordandoamudançaeducacionalcomoexer- cício de engenharia social subordinado às exigên- cias da esfera econômica, mas encare as reformas educativas como criações culturais permeáveis ao debate intelectual e à participação societária. Maria Clara Di Pierro Ação Educativa – assessoria, pesquisa e informação MONTEIRO LOBATO: UM BRASILEIRO SOB MEDIDA Marisa Lajolo São Paulo: Moderna, 2000, 99 p. Ao longo dos anos, a história da literatura fixou uma imagem multiforme e um tanto contra- ditória de Monteiro Lobato. De uma lado, afirma- se o escritor inventivo, considerado o criador de nossa literatura infantil; de outro, configura-se o crítico de pintura que tripudiou sobre os quadros inovadores da pintora modernista Anita Mafalti; ora cita-se o fazendeiro que ridicularizou seus agrega- dos na figura do Jeca Tatu, ora exalta-se o cidadão progressista defensor do petróleo nacional. O novo livro de Marisa Lajolo, Monteiro Lobato: um brasi- leiro sob medida, vai além dessa imagem, mos- trando que a carreira poliédrica do escritor foi fru- to de uma visão de mundo arrojada e moderna, sempre em perfeita sintonia com o seu momento histórico. O livro de Marisa começa como uma bio- grafia sentimental e até convencional. Nos capítu- los iniciais, a autora confessa as raízes infantis do seu encanto pelo escritor, acompanha os primei- ros passos de Lobato nos meios escolares, narra a quase obrigatória passagem pelas arcadas da facul- dade de Direito de São Paulo e a atividade de fa- zendeiro-escritor nas terras herdadas do avô vis- conde. Mas, aos poucos, vai se desvelando para o leitor a personalidade rica e vigorosa de Lobato, que passa de escritor para “escritor-editor de si mesmo, e finalmente editor de obras alheias”, per- correndo uma trajetória pontuada de “impasses, hesitações e remorsos”. Apesar dos momentos de dúvida, o perfil do escritor-editor se afirma com todo seu vigor. Em uma época em que a qualidade gráfica dos li- vros era considerada fator irrelevante para os edi- tores brasileiros, Lobato intui que a aparência do produto era indispensável para atrair a atenção dos leitores. Contrata artistas plásticos para moderni- zar as capas e ilustrar os textos, assim imprimindo uma feição artística na materialidade do livro. Faz considerações sobre a importância da censura e do escândalo como desencadeadores de venda de um livro, ou ainda, discute a diversidade de interes- ses entre escritor e editor. Essa concepção utilitária da literatura é ousada para os anos 20, mas, como diz Marisa Lajolo, está em sintonia com seu tempo, pois então “o Brasil timidamente se moderniza, e se moderniza numa direção capitalista”. Outro tema abordado na biografia, como não poderia deixar de acontecer, são os livros in- fantis, considerados pela autora como a mais bela invenção de Lobato. Aqui, entretanto, a obra lobatiana é vista sob um ângulo novo, pois Marisa vai além das apreciações textuais e mostra que a saga do Sítio do Picapau Amarelo foi um verdadei- ro “projeto literário e pedagógico sob medida para o Brasil”. Logo após publicar seu primeiro livro, Narizinho arrebitado, o autor transfere a experiên- cia de editor de literatura adulta para a realidade mercadológica do livro infantil. Conhecedor do papel fundamental da escola e do Estado na difu- são da leitura, dá o primeiro impulso a sua obra infantil distribuindo gratuitamente 500 exempla- res de Narizinho arrebitado às escolas públicas