SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
1
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONALE TECNOLÓGICA
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de
Janeiro Campus Duque de Caxias
Disciplina: Inorgânica I
Professor: Éverton Tomaz
Metais alcalinos e alcalino-terrosos
Turma: QIM 231
Alunos: Daniel,Lucas,Matheus
Furtado,Matheus Willian
Duque de Caxias
Fevereiro – 2015
2
Sumário
Introdução------------------------------------------------------------------------------ Pág.03
Resumo--------------------------------------------------------------------------------- Pág.05
Abstract--------------------------------------------------------------------------------- Pág.05
Objetivos-------------------------------------------------------------------------------- Pág.06
Procedimento Experimental---------------------------------------------------------- Pág.07
Resultados e Discussão--------------------------------------------------------------- Pág.10
Conclusão------------------------------------------------------------------------------- Pág.12
Questionário---------------------------------------------------------------------------- Pág.13
Referências----------------------------------------------------------------------------- Pág.14
3
Introdução
O tema da prática em questão foi metais alcalinos e metais alcalinos-terrosos.
Sendo estas duas classificações, também sendo nomeadas com as famílias IA e IIA da
tabela periódica respectivamente. Primeiramente, temos a família IA, os metais
alcalinos. Tais metais recebem esse nome devido a palavra álcali ser derivada de um
antigo termo arábico que tem o signifcado mais ou menos com "cinzas de plantas". O
que tem ligação a alguns fatos curiosos com o Potássio(K) e o Sódio(Na) serem
encontrados nas cinzas de plantas calcinadas, fornecendo assim uma fonte para tal
nomenclatura.
São metais leves, que tem um ponto de fusão baixo como consequência de
suas ligações serem puramente metálicas, e assim sendo não direcionais. Estes metais
também tem como características seus altos raios atômicos, e esse fato acarretando a
explicação de suas densidades serem tão baixas. Mas em contrapartida, sua
condutividade elétrica é extramamente alta, mas que ainda assim não são tão altas
quanto da Prata(Ag).
Metais alcalinos quando postos em reação com a água, formam hidróxido
(substâncias básicas). Conforme mostrado na esquação:
2Li(S) + 2H2O(L) -> 2LiOH(L) + H2(G)
E quando postos em reação com Oxigênio(O) formam um óxido. Mas somente
com o Lítio(Li) que isso ocorre, e altas temperaturas. O Sódio(Na) quando entra em
reação com o Oxigênio(O), e produz uma pequena quantidade Óxido de sódio(Na2O),
mas o produto principal é o peróxido de sódio(Na2O2). Como ilustrado na equação:
2Na(S) + O2(G) -> Na2O2(S)
O Hidrogênio(H) muitas vezes é encontrado na tabela periódica junto dos
metais alcalinos. Algumas vezes é colocado em localizações diferente para que não
houvesse confusões. Mas no geral ele etá quase sempre lá. Mas por que será então que
ele está naquele grupo, se ele não é um metal? Pois esse elemento tem uma
peculiaridade, que é o fato de precisar somente de mais um elétron para que fique
estável, assim como os Halogênios(elemento da família 7A). E com os alcalinos, pode
formar hidretos(MH), de forma que o metal cede um elétron ao Hidrogênio(H), como
se ele realmente fosse um Halogênio. Devido essa curiosa característica desse
elemento, foi decidido não classificá-lo em nenhum grupo.
4
Agora os metais alcalino-terrosos, que são classificados com a familia IIA da
tabela periódica. Esse grupo, assim como os alcalinos, também tem em seu nome um
significado, que é derivado de um termo químico. E o significado vem da palavra
terrosos que se originou de algum termo da alquimia que se referia a qualquer
composto de um metal específico (ou a mistura de ambos os compostos) que não era
muito solúvel em água, mas que era estável a altas temperaturas. Embora haja um
exceção que é o Berílio(Be), todos os elementos desta família, são metais típicos.
Bons condutores de calor e eletricidade, porém são mais duros e densos, tendo ainda o
fato de que se fundem a temperaturas mais altas do que os metais alcalinos.
Os metais alcalino-terrosos são comumente achados espalhados na crosta
terrestre na forma de carbonatos, silicatos, fosfatos e até sulfatos. O magnésio(Mg) e o
cálcio(Ca) são os elementos mais achados, por exemplo em; montanhas inteiras são
constituídas de calcário(CaCO3), e dolomita(CaMg(CO3)2). O magnésio(Mg) é
também encontrado nos oceanos. Porém, temos também casos de raridades como o
berílio(Be), que é relativamente escasso. E o seu mineral mais comum é o
bailo(Be3Al2Si6O18), que algumas vezes é encontrado na forma de gemas, como a
esmeralda. (A cor verde característica é causada pela presença de crômio como
impureza.)
Todos os metais alcalino-terrosos reagem com o Oxigênio(O) sem pressões
extremamente altas dando óxidos, M(Metal)O. Em altas pressões e temperaturas, o
bário forma peróxido:
Ba(S) + O2(G) -> BaO2(S)
5
Resumo
O estudo dos metais alcalinos é importante para poder entender e explicar as
propriedadesde várioscompostosquímicos,jáque estesmetaisestãopresentes na maioria
das substâncias. O procedimento foi relativamente rápido, porém, interessante.
Abstract
The alkaline metal’s study is important to understand and explain the most of
chemical compound’s proprieties, once that metals are found in a lot of the
substances. The proceeding was sort of fast, but interesting.
6
Objetivos
 Observar a solubilidade dos metais alcalinos, e alcalios terrosos, em determinadas
solicoes.
 Realizartestesde chamascom saisdiferentes,analisando os seus comportamentos.
 Demonstrar a reatividade do metal alcalino (Na), em contato com a agua, e do sal
(CaCl2), em contato com o ar atmosférico.
7
Procedimento Experimental
1. Sodio metalico (DEMONSTRATIVO)
1.1 Retirou-se um pequeno fragmento de sodio metalico que estava mergulhado
em querosene num recipiente, e o colocou sobre o papel de filtro
1.2 Com o auxilio de uma espátula, o metal foi seccionado em pedaços menores.
1.3 Esses pedaços menores foram introduzidos num bequer cheio de agua.
2. Hidratacao e deliquescência (DEMONSTRATIVO)
2.1 O professor pegou 2 vidros de relógio.
2.2 Num desses, foi colocado cloreto de cálcio (CaCl2) . No outro, cloreto de sódio
(NaCl).
2.3 Ao final da pratica, observou-se os resultados.
3. Alguns sais de metais alcalinos
3.1 Reacao com carbonato de amônio.
3.1.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de cloreto
de lítio (LiCl), cloreto de sódio (NaCl) e cloreto de potássio (KCL),
respectivamente (0,5 mL, 0,1 M).
3.1.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de carbonato de amônio
((NH4)2 CO3), 0,1M.
3.2 Reacao com Fluoreto de Amonio
3.2.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de cloreto
de lítio (LiCl), cloreto de sódio (NaCl) e cloreto de potássio (KCl),
respectivamente (0,5 mL, 0,1 M).
3.2.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de Fluoreto de Amonio
(NH4F), 0,1M.
8
4 Alguns sais de metais alcalinos terrosos
4.1 Reação com carbonato de amônio
4.1.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de
magnésio (MgCl2), Calcio (CaCl2) e Estroncio(SrCl2), 0,1M., respectivamente
(0,5 mL, 0,1 M).
4.1.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de carbonato de amônio
((NH4)2 CO3), 0,1M.
4.2 Reação com sulfato de amônio
4.2.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de
magnésio (MgCl2), Calcio (CaCl2) e Estroncio(SrCl2), 0,1M., respectivamente
(0,5 mL, 0,1 M).
4.2.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de Sulfato de Amonio
((NH4)2SO4), 0,1M.
4.3 Reação com oxalato de amônio
4.3.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de
magnésio (MgCl2), Calcio (CaCl2) e Estroncio(SrCl2), 0,1M., respectivamente
(0,5 mL, 0,1 M).
4.3.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de oxalato de amonio
(C₂H₈N₂O₄), 0,1M.
4.4 Reação com hidróxido de sódio
4.4.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de
magnésio (MgCl2), Calcio (CaCl2) e Estroncio(SrCl2), 0,1M., respectivamente
(0,5 mL, 0,1 M).
9
4.4.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de hidróxido de sódio
(NaOH), 0,1M.
5 Reatividade do magnésio metálico
5.1 Foi utilizado 5 tubos de ensaio contendo 1 mL de substancias distintas /
Ácido clorídrico 0,1M/ Cloreto de amônio 0,1M/ Água/ Amônia (10%)/
Hidróxido de sódio (10%).
5.2 Em cada tubo adicionou-se um pequeno pedaço de magnésio e observaram-
se os resultados.
10
Resultados e Discussão
1. Sódio Metálico (DEMONSTRATIVO):
O metal entrou em combustão assim que entrou em contato com a água no bécher.
A reação gerou NaOH (Hidróxido de sódio) e H2 (Hididrogênio), pode-se perceber a
mudança de coloração do indicador ácido-base fenolftaleína de incolor para rosa,
indicando assim o pH básico presente no frasco após a formação do hidróxido de
sódio.
2. Hidratacao e deliquescência (DEMONSTRATIVO)
2.1
O CaCl2 presente no vidro de relógio absorveu a humidade do ar e solubilizou-se
na água absorvida. Este sal é utilizado como antimofo, utilizado em salmouras para
refrigeração e componente do cimento graças as suas propriedades, e entre estas, está
seu caráter deliquescente e fácil hidratação, como pode ser visto na aula prática.
2.2
O NaCl presente no vidro de relógio não houve alteração, pois não possui caráter
deliquescente como o cloreto de cálcio. O cloreto de sódio é utilizado em cozinhas
para temperar alimentos, porém com uma leve diferença. O sal utilizado em cozinha é
iodado artificialmente para que as pessoas possam ingerir uma quantidade essencial de
iodo diariamente para sua saúde.
3. Alguns sais de metais alcalinos
3.1
Nos três tubos não observou-se precipitação, logo, a entalpia de rede dos sais
formados (Li2CO3, K2CO3 e Na2CO3) não foi compensada pela emtalpia de hidratação
destes compostos.
4. Alguns sais de metais alcalinos terrosos
4.1 Reação com carbonato de amônio:
Tubo 1. Cloreto de cálcio + carbonato de amônio: Houve formação de precipitado
devido a formação de CaCO3 e NH4Cl2. A formação de precipitado indica que a
entalpia de hidratação do produto gerado não compensou a entalpia de rede
11
Tubo 2. Cloreto de estrôncio + carbonato de amônio: Houve formação de
precipitado e dos produtos SrCO3 e NH4Cl2. A formação de precipitado indica que a
entalpia de hidratação do produto gerado não compensou a entalpia de rede
Tubo 3. Cloreto de magnésio + carbonato de amônio: Não houve formação de
precipitado e houve a produção de MgCO3 e NH4Cl2. A não formação de qualquer
tipo de precipitado indica que a entalpia de hidratação do composto formado
compensou a entalpia de rede e solubilizou-se.
4.2 Reação com sulfato de amônio:
Tubo 1. Cloreto de cálcio + sulfato de amônio: Não formou precipitado, pois a
entalpia de hidratação do sulfato de cálcio é maior que a entalpia de rede.
Tubo 2 . Cloreto de estrôncio + sulfato de amônio: Formou precipitado, logo, a
entalpia de hidratação não compensou a entalpia de rede, ou seja, o sulfato de
estrôncio formado não é solúvel.
Tubo 3. Cloreto de magnésio + sulfato de amônio: Não foi observada a presença
de precipitado, logo é possível concluir que a entalpia de hidratação do sulfato de
magnésio formado compensou a entalpia de rede do mesmo.
4.3 Reação com oxalato de amônio:
Não foi possível realizar esta parte do procedimento por não haver o oxalato de
amônio disponível no laboratório.
5. Reação com magnésio metálico:
Apenas os tubos com hidróxido de sódio e ácido clorídrico apresentaram
modificação na coloração como uma espécie de precipitado demonstrando que são
insolúveis devido ao fato de que a entalpia de hidratação é insuficiente para
solubilizar.
12
Conclusão
De acordo com os resultados, é possível perceber a presença efetiva das
entalpias de rede e de hidratação e ver seus efeitos. É possível também perceber a
solubilidade ou insolubilidade de acordo com o tamanho do raio dos cátions ou ânions
conforme foi apresentado como teoria em sala de aula através de vários tipos de
experimentos diferentes.
13
Questionário
1) No teste de chama, por que cada metal possui colorações diferentes entre si?
Explique o processo.
Cada substância tem seu comprimento de onda definido, e aquela
absorve as cores correspondentes a ela mesma, logo, se por uma luz branca em
cima de tal elemento, este absorve o comprimento de onda correspondente ao
dele, sobrando os outros comprimentos. Quando atacamos o sal no fogo, os
elétrons absorveram energia, pulando para camadas mais externas, quando
voltam, liberam essa energia como forma de fóton, exalando a cor
correspondente ao seu comprimento de onda.
2) Quais fatores influenciam na solubilidade desses compostos?
Entalpia de rede e entalpia de hidratação, para um composto ser
solubilizado, a entalpia de rede tem que ser menor do que a entalpia de
hidratação, caso esta seja compensada por aquela, o composto continuará
sólido.
14
Referências
Acesso em:
 http://www.infoescola.com/compostos-quimicos/cloreto-de-calcio/
Lido em:
 RUSSELL,John B. Química geral V.II. 2º ed. São Paulo: Makron Books,1994.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioCybele Sobrenome
 
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioCybele Sobrenome
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidosLéo Morais
 
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+Gabriela Begalli
 
Geometria de complexos
Geometria de complexosGeometria de complexos
Geometria de complexosRay Sant'Anna
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaFernanda Borges de Souza
 
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios Lucas Valente
 
Hibridização - Orbitais
Hibridização - OrbitaisHibridização - Orbitais
Hibridização - OrbitaisIsabella Silva
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIErica Souza
 
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e CalcogêniosQuímica Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e CalcogêniosLucas Valente
 

Mais procurados (20)

Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
 
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
 
Aula 28042015
Aula 28042015Aula 28042015
Aula 28042015
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
 
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
 
Geometria de complexos
Geometria de complexosGeometria de complexos
Geometria de complexos
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
 
Obtenção de hidrogenio
Obtenção de hidrogenioObtenção de hidrogenio
Obtenção de hidrogenio
 
Determinação de-cloretos
Determinação de-cloretosDeterminação de-cloretos
Determinação de-cloretos
 
Hibridização - Orbitais
Hibridização - OrbitaisHibridização - Orbitais
Hibridização - Orbitais
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
4°aula nitrogênio
4°aula   nitrogênio 4°aula   nitrogênio
4°aula nitrogênio
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e CalcogêniosQuímica Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
 
Aula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redoxAula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redox
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
 

Semelhante a Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos

Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisVitor Peixoto
 
Elementos do bloco p
Elementos do bloco pElementos do bloco p
Elementos do bloco pVanessa Neres
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreLucas Valente
 
Relatório práticas inorgânicas
Relatório práticas inorgânicas Relatório práticas inorgânicas
Relatório práticas inorgânicas Kleber Moreira
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisLucas Valente
 
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.pptAndré Luis Della Volpe
 
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdfUFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdfsilvvaluizz
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Aldo Henrique
 
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICAEXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICAprimaquim
 
Fuvest 1999 - 2º fase - química
Fuvest   1999 - 2º fase - químicaFuvest   1999 - 2º fase - química
Fuvest 1999 - 2º fase - químicaSimone Rocha
 
Fisico quimica-metais alcalinos (grupo 1).
 Fisico quimica-metais alcalinos (grupo 1). Fisico quimica-metais alcalinos (grupo 1).
Fisico quimica-metais alcalinos (grupo 1).Arita155
 
Lista 35 funções inorgânicas - difícil
Lista 35   funções inorgânicas - difícilLista 35   funções inorgânicas - difícil
Lista 35 funções inorgânicas - difícilColegio CMC
 
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 

Semelhante a Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos (20)

íNdice
íNdiceíNdice
íNdice
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
 
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
 
Elementos do bloco p
Elementos do bloco pElementos do bloco p
Elementos do bloco p
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobre
 
Relatório práticas inorgânicas
Relatório práticas inorgânicas Relatório práticas inorgânicas
Relatório práticas inorgânicas
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
 
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
 
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdfUFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
UFSC-EMB5006 - Corrosão Metálica (Parte 01) (1).pdf
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017
 
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICAEXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
 
Fuvest 1999 - 2º fase - química
Fuvest   1999 - 2º fase - químicaFuvest   1999 - 2º fase - química
Fuvest 1999 - 2º fase - química
 
Fisico quimica-metais alcalinos (grupo 1).
 Fisico quimica-metais alcalinos (grupo 1). Fisico quimica-metais alcalinos (grupo 1).
Fisico quimica-metais alcalinos (grupo 1).
 
Apoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabaritoApoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabarito
 
Lista 35 funções inorgânicas - difícil
Lista 35   funções inorgânicas - difícilLista 35   funções inorgânicas - difícil
Lista 35 funções inorgânicas - difícil
 
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
 

Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos

  • 1. 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONALE TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Campus Duque de Caxias Disciplina: Inorgânica I Professor: Éverton Tomaz Metais alcalinos e alcalino-terrosos Turma: QIM 231 Alunos: Daniel,Lucas,Matheus Furtado,Matheus Willian Duque de Caxias Fevereiro – 2015
  • 2. 2 Sumário Introdução------------------------------------------------------------------------------ Pág.03 Resumo--------------------------------------------------------------------------------- Pág.05 Abstract--------------------------------------------------------------------------------- Pág.05 Objetivos-------------------------------------------------------------------------------- Pág.06 Procedimento Experimental---------------------------------------------------------- Pág.07 Resultados e Discussão--------------------------------------------------------------- Pág.10 Conclusão------------------------------------------------------------------------------- Pág.12 Questionário---------------------------------------------------------------------------- Pág.13 Referências----------------------------------------------------------------------------- Pág.14
  • 3. 3 Introdução O tema da prática em questão foi metais alcalinos e metais alcalinos-terrosos. Sendo estas duas classificações, também sendo nomeadas com as famílias IA e IIA da tabela periódica respectivamente. Primeiramente, temos a família IA, os metais alcalinos. Tais metais recebem esse nome devido a palavra álcali ser derivada de um antigo termo arábico que tem o signifcado mais ou menos com "cinzas de plantas". O que tem ligação a alguns fatos curiosos com o Potássio(K) e o Sódio(Na) serem encontrados nas cinzas de plantas calcinadas, fornecendo assim uma fonte para tal nomenclatura. São metais leves, que tem um ponto de fusão baixo como consequência de suas ligações serem puramente metálicas, e assim sendo não direcionais. Estes metais também tem como características seus altos raios atômicos, e esse fato acarretando a explicação de suas densidades serem tão baixas. Mas em contrapartida, sua condutividade elétrica é extramamente alta, mas que ainda assim não são tão altas quanto da Prata(Ag). Metais alcalinos quando postos em reação com a água, formam hidróxido (substâncias básicas). Conforme mostrado na esquação: 2Li(S) + 2H2O(L) -> 2LiOH(L) + H2(G) E quando postos em reação com Oxigênio(O) formam um óxido. Mas somente com o Lítio(Li) que isso ocorre, e altas temperaturas. O Sódio(Na) quando entra em reação com o Oxigênio(O), e produz uma pequena quantidade Óxido de sódio(Na2O), mas o produto principal é o peróxido de sódio(Na2O2). Como ilustrado na equação: 2Na(S) + O2(G) -> Na2O2(S) O Hidrogênio(H) muitas vezes é encontrado na tabela periódica junto dos metais alcalinos. Algumas vezes é colocado em localizações diferente para que não houvesse confusões. Mas no geral ele etá quase sempre lá. Mas por que será então que ele está naquele grupo, se ele não é um metal? Pois esse elemento tem uma peculiaridade, que é o fato de precisar somente de mais um elétron para que fique estável, assim como os Halogênios(elemento da família 7A). E com os alcalinos, pode formar hidretos(MH), de forma que o metal cede um elétron ao Hidrogênio(H), como se ele realmente fosse um Halogênio. Devido essa curiosa característica desse elemento, foi decidido não classificá-lo em nenhum grupo.
  • 4. 4 Agora os metais alcalino-terrosos, que são classificados com a familia IIA da tabela periódica. Esse grupo, assim como os alcalinos, também tem em seu nome um significado, que é derivado de um termo químico. E o significado vem da palavra terrosos que se originou de algum termo da alquimia que se referia a qualquer composto de um metal específico (ou a mistura de ambos os compostos) que não era muito solúvel em água, mas que era estável a altas temperaturas. Embora haja um exceção que é o Berílio(Be), todos os elementos desta família, são metais típicos. Bons condutores de calor e eletricidade, porém são mais duros e densos, tendo ainda o fato de que se fundem a temperaturas mais altas do que os metais alcalinos. Os metais alcalino-terrosos são comumente achados espalhados na crosta terrestre na forma de carbonatos, silicatos, fosfatos e até sulfatos. O magnésio(Mg) e o cálcio(Ca) são os elementos mais achados, por exemplo em; montanhas inteiras são constituídas de calcário(CaCO3), e dolomita(CaMg(CO3)2). O magnésio(Mg) é também encontrado nos oceanos. Porém, temos também casos de raridades como o berílio(Be), que é relativamente escasso. E o seu mineral mais comum é o bailo(Be3Al2Si6O18), que algumas vezes é encontrado na forma de gemas, como a esmeralda. (A cor verde característica é causada pela presença de crômio como impureza.) Todos os metais alcalino-terrosos reagem com o Oxigênio(O) sem pressões extremamente altas dando óxidos, M(Metal)O. Em altas pressões e temperaturas, o bário forma peróxido: Ba(S) + O2(G) -> BaO2(S)
  • 5. 5 Resumo O estudo dos metais alcalinos é importante para poder entender e explicar as propriedadesde várioscompostosquímicos,jáque estesmetaisestãopresentes na maioria das substâncias. O procedimento foi relativamente rápido, porém, interessante. Abstract The alkaline metal’s study is important to understand and explain the most of chemical compound’s proprieties, once that metals are found in a lot of the substances. The proceeding was sort of fast, but interesting.
  • 6. 6 Objetivos  Observar a solubilidade dos metais alcalinos, e alcalios terrosos, em determinadas solicoes.  Realizartestesde chamascom saisdiferentes,analisando os seus comportamentos.  Demonstrar a reatividade do metal alcalino (Na), em contato com a agua, e do sal (CaCl2), em contato com o ar atmosférico.
  • 7. 7 Procedimento Experimental 1. Sodio metalico (DEMONSTRATIVO) 1.1 Retirou-se um pequeno fragmento de sodio metalico que estava mergulhado em querosene num recipiente, e o colocou sobre o papel de filtro 1.2 Com o auxilio de uma espátula, o metal foi seccionado em pedaços menores. 1.3 Esses pedaços menores foram introduzidos num bequer cheio de agua. 2. Hidratacao e deliquescência (DEMONSTRATIVO) 2.1 O professor pegou 2 vidros de relógio. 2.2 Num desses, foi colocado cloreto de cálcio (CaCl2) . No outro, cloreto de sódio (NaCl). 2.3 Ao final da pratica, observou-se os resultados. 3. Alguns sais de metais alcalinos 3.1 Reacao com carbonato de amônio. 3.1.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de cloreto de lítio (LiCl), cloreto de sódio (NaCl) e cloreto de potássio (KCL), respectivamente (0,5 mL, 0,1 M). 3.1.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de carbonato de amônio ((NH4)2 CO3), 0,1M. 3.2 Reacao com Fluoreto de Amonio 3.2.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de cloreto de lítio (LiCl), cloreto de sódio (NaCl) e cloreto de potássio (KCl), respectivamente (0,5 mL, 0,1 M). 3.2.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de Fluoreto de Amonio (NH4F), 0,1M.
  • 8. 8 4 Alguns sais de metais alcalinos terrosos 4.1 Reação com carbonato de amônio 4.1.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de magnésio (MgCl2), Calcio (CaCl2) e Estroncio(SrCl2), 0,1M., respectivamente (0,5 mL, 0,1 M). 4.1.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de carbonato de amônio ((NH4)2 CO3), 0,1M. 4.2 Reação com sulfato de amônio 4.2.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de magnésio (MgCl2), Calcio (CaCl2) e Estroncio(SrCl2), 0,1M., respectivamente (0,5 mL, 0,1 M). 4.2.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de Sulfato de Amonio ((NH4)2SO4), 0,1M. 4.3 Reação com oxalato de amônio 4.3.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de magnésio (MgCl2), Calcio (CaCl2) e Estroncio(SrCl2), 0,1M., respectivamente (0,5 mL, 0,1 M). 4.3.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de oxalato de amonio (C₂H₈N₂O₄), 0,1M. 4.4 Reação com hidróxido de sódio 4.4.1 Em 3 tubos de ensaio diferentes, foram colocadas as soluções de magnésio (MgCl2), Calcio (CaCl2) e Estroncio(SrCl2), 0,1M., respectivamente (0,5 mL, 0,1 M).
  • 9. 9 4.4.2 Em cada tubo, adicionou-se 0,5 mL da solução de hidróxido de sódio (NaOH), 0,1M. 5 Reatividade do magnésio metálico 5.1 Foi utilizado 5 tubos de ensaio contendo 1 mL de substancias distintas / Ácido clorídrico 0,1M/ Cloreto de amônio 0,1M/ Água/ Amônia (10%)/ Hidróxido de sódio (10%). 5.2 Em cada tubo adicionou-se um pequeno pedaço de magnésio e observaram- se os resultados.
  • 10. 10 Resultados e Discussão 1. Sódio Metálico (DEMONSTRATIVO): O metal entrou em combustão assim que entrou em contato com a água no bécher. A reação gerou NaOH (Hidróxido de sódio) e H2 (Hididrogênio), pode-se perceber a mudança de coloração do indicador ácido-base fenolftaleína de incolor para rosa, indicando assim o pH básico presente no frasco após a formação do hidróxido de sódio. 2. Hidratacao e deliquescência (DEMONSTRATIVO) 2.1 O CaCl2 presente no vidro de relógio absorveu a humidade do ar e solubilizou-se na água absorvida. Este sal é utilizado como antimofo, utilizado em salmouras para refrigeração e componente do cimento graças as suas propriedades, e entre estas, está seu caráter deliquescente e fácil hidratação, como pode ser visto na aula prática. 2.2 O NaCl presente no vidro de relógio não houve alteração, pois não possui caráter deliquescente como o cloreto de cálcio. O cloreto de sódio é utilizado em cozinhas para temperar alimentos, porém com uma leve diferença. O sal utilizado em cozinha é iodado artificialmente para que as pessoas possam ingerir uma quantidade essencial de iodo diariamente para sua saúde. 3. Alguns sais de metais alcalinos 3.1 Nos três tubos não observou-se precipitação, logo, a entalpia de rede dos sais formados (Li2CO3, K2CO3 e Na2CO3) não foi compensada pela emtalpia de hidratação destes compostos. 4. Alguns sais de metais alcalinos terrosos 4.1 Reação com carbonato de amônio: Tubo 1. Cloreto de cálcio + carbonato de amônio: Houve formação de precipitado devido a formação de CaCO3 e NH4Cl2. A formação de precipitado indica que a entalpia de hidratação do produto gerado não compensou a entalpia de rede
  • 11. 11 Tubo 2. Cloreto de estrôncio + carbonato de amônio: Houve formação de precipitado e dos produtos SrCO3 e NH4Cl2. A formação de precipitado indica que a entalpia de hidratação do produto gerado não compensou a entalpia de rede Tubo 3. Cloreto de magnésio + carbonato de amônio: Não houve formação de precipitado e houve a produção de MgCO3 e NH4Cl2. A não formação de qualquer tipo de precipitado indica que a entalpia de hidratação do composto formado compensou a entalpia de rede e solubilizou-se. 4.2 Reação com sulfato de amônio: Tubo 1. Cloreto de cálcio + sulfato de amônio: Não formou precipitado, pois a entalpia de hidratação do sulfato de cálcio é maior que a entalpia de rede. Tubo 2 . Cloreto de estrôncio + sulfato de amônio: Formou precipitado, logo, a entalpia de hidratação não compensou a entalpia de rede, ou seja, o sulfato de estrôncio formado não é solúvel. Tubo 3. Cloreto de magnésio + sulfato de amônio: Não foi observada a presença de precipitado, logo é possível concluir que a entalpia de hidratação do sulfato de magnésio formado compensou a entalpia de rede do mesmo. 4.3 Reação com oxalato de amônio: Não foi possível realizar esta parte do procedimento por não haver o oxalato de amônio disponível no laboratório. 5. Reação com magnésio metálico: Apenas os tubos com hidróxido de sódio e ácido clorídrico apresentaram modificação na coloração como uma espécie de precipitado demonstrando que são insolúveis devido ao fato de que a entalpia de hidratação é insuficiente para solubilizar.
  • 12. 12 Conclusão De acordo com os resultados, é possível perceber a presença efetiva das entalpias de rede e de hidratação e ver seus efeitos. É possível também perceber a solubilidade ou insolubilidade de acordo com o tamanho do raio dos cátions ou ânions conforme foi apresentado como teoria em sala de aula através de vários tipos de experimentos diferentes.
  • 13. 13 Questionário 1) No teste de chama, por que cada metal possui colorações diferentes entre si? Explique o processo. Cada substância tem seu comprimento de onda definido, e aquela absorve as cores correspondentes a ela mesma, logo, se por uma luz branca em cima de tal elemento, este absorve o comprimento de onda correspondente ao dele, sobrando os outros comprimentos. Quando atacamos o sal no fogo, os elétrons absorveram energia, pulando para camadas mais externas, quando voltam, liberam essa energia como forma de fóton, exalando a cor correspondente ao seu comprimento de onda. 2) Quais fatores influenciam na solubilidade desses compostos? Entalpia de rede e entalpia de hidratação, para um composto ser solubilizado, a entalpia de rede tem que ser menor do que a entalpia de hidratação, caso esta seja compensada por aquela, o composto continuará sólido.
  • 14. 14 Referências Acesso em:  http://www.infoescola.com/compostos-quimicos/cloreto-de-calcio/ Lido em:  RUSSELL,John B. Química geral V.II. 2º ed. São Paulo: Makron Books,1994.