SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
MODELOS DOS
ÁTOMOS DE
RUTHERFORD
QUEM FOI RUTHERFORD
O químico e físico, Ernest
Rutherford, começou sua
carreira conceituando a
meia-vida radioativa, ele
pesquisou o campo da
radioatividade e descobriu
as partículas, Alfa e Beta.
EXPERIMENTO REALIZADO POR RUTHERFORD
• O experimento realizado por Rutherford possuía a seguinte
aparelhagem e organização:
• Componente a - uma amostra de polônio (emissor de radiação alfa)
colocada em um bloco de chumbo. Nesse bloco havia um pequeno
orifício por meio do qual ocorria a passagem da radiação;
• Componente b: lâmina finíssima de ouro posicionada à frente da caixa
de chumbo;
• Componente c: Placa metálica recoberta com material fluorescente
(sulfeto de zinco) posicionada atrás, ao lado e um pouco à frente da
lâmina de ouro.
• Região 1: área que recebeu grande parte da radiação alfa emitida pelo
polônio, o que evidenciou que essas radiações atravessaram a lâmina
de ouro sem sofrer desvios consideráveis;
• Região 2: áreas diversas, localizadas atrás da lâmina de ouro, que
receberam uma pequena quantidade de radiação alfa, mas que não
estavam na direção do orifício de saída da radiação na caixa de
chumbo, o que evidenciou que essas radiações sofreram um grande
desvio após a travessia da lâmina de ouro;
• Região 3: áreas localizadas à frente da lâmina de ouro que receberam
uma quantidade extremamente pequena de radiação alfa, o que
evidenciou que parte da radiação alfa chocou-se com a lâmina e foi
rebatida.
INTERPRETAÇÕES DOS RESULTADOS DO
EXPERIMENTO DE RUTHERFORD
• Interpretação sobre a região 1: Como grande parte da radiação alfa
atravessou a lâmina de ouro sem nenhum empecilho, isso quer dizer
que os átomos apresentavam grandes espaços vazios (eletrosfera), ou
seja, regiões que não possuíam nada capaz de influenciar a radiação
alfa;
• Interpretação sobre a região 2: A quantidade pequena de radiação alfa
que sofreu desvios passou próximo de uma região positiva (núcleo) do
átomo, provavelmente de tamanho pequeno, o que promoveu o desvio.
• Interpretação sobre a região 3: Como uma quantidade
extremamente pequena de radiação alfa foi rebatida, isso quer
dizer que elas se chocaram com uma região do átomo
extremamente pequena que apresentava característica
positiva
RUTHERFORD CONCLUIU QUE
• - o átomo é um enorme vazio;
- o átomo tem um núcleo muito pequeno;
- o átomo tem núcleo positivo (+), já que partículas
alfa desviavam algumas vezes;
- os elétrons estão ao redor do núcleo (na eletrosfera)
para equilibrar as cargas positivas.
FALHAS DE RUTHERFORD
O átomo de Rutherford tem algumas falhas. Se o núcleo atômico é
formado por partículas positivas, por que essas partículas não se
repelem e o núcleo não desmorona? Se as partículas são de cargas
opostas, por que elas não se atraem? Os elétrons iriam perder energia
gradualmente percorrendo uma espiral em direção ao núcleo, e à
medida que isso acontecesse, emitiriam energia na forma de luz. Mas
como os elétrons ficam em movimento ao redor do núcleo sem que os
átomos entrem em colapso?
PARTÍCULA MASSA CARGA
ELÉTRICA
p 1 +1
n 1 0
é 1/1836 -1
ESTADOS DE ENERGIA
• O estado de menor energia em que um elétron se encontra é
denominado estado fundamental. Esse elétron só poderá passar para
um estado de maior energia, ou seja, para uma órbita mais externa ao
núcleo, se ele receber a quantidade necessária de energia. Se isso
ocorrer, ele estará no seu estado excitado, que é muito mais instável.
• Quando esse elétron retorna ao estado de energia mais estável, que é o
fundamental, ele emite certa quantidade de energia radiante, que pode
ser vista na forma de luz.
Essas órbitas permitidas
para os elétrons foram
denominadas órbitas, níveis
ou camadas energéticas ou
eletrônicas. E foram
definidas como sendo no
máximo sete, que podem
também ser representadas,
respectivamente, do mais
interno para o mais externo,
pelas letras: K, L, M, N, O, P
e Q.
MODELO DO ÁTOMO DE RUTHERFORD

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução CientíficaRui Neto
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
Ciência em portugal após o 25 de abril
Ciência em portugal após o 25 de abril Ciência em portugal após o 25 de abril
Ciência em portugal após o 25 de abril nanasimao
 
Evolução do Modelo Atómico
Evolução do Modelo AtómicoEvolução do Modelo Atómico
Evolução do Modelo Atómico713773
 
A Desigualdade de Género no Desporto
A Desigualdade de Género no DesportoA Desigualdade de Género no Desporto
A Desigualdade de Género no DesportoProfCidadania1
 
Formação das cidades estado
Formação das cidades estadoFormação das cidades estado
Formação das cidades estadoCarla Teixeira
 
6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da culturaVítor Santos
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaCarla Teixeira
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogueVítor Santos
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsFilazambuja
 
A filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumoA filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumoEscoladocs
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismoguestbdb4ab6
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizadaNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20franciscaf
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesaHistoria2000
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoJoaquim Melro
 

Mais procurados (20)

A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Ciência em portugal após o 25 de abril
Ciência em portugal após o 25 de abril Ciência em portugal após o 25 de abril
Ciência em portugal após o 25 de abril
 
Evolução do Modelo Atómico
Evolução do Modelo AtómicoEvolução do Modelo Atómico
Evolução do Modelo Atómico
 
A Desigualdade de Género no Desporto
A Desigualdade de Género no DesportoA Desigualdade de Género no Desporto
A Desigualdade de Género no Desporto
 
Formação das cidades estado
Formação das cidades estadoFormação das cidades estado
Formação das cidades estado
 
6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
Surgimento de roma
Surgimento de romaSurgimento de roma
Surgimento de roma
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
 
A filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumoA filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumo
 
Hegemonia Europeia
Hegemonia EuropeiaHegemonia Europeia
Hegemonia Europeia
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismo
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Cosmologia
CosmologiaCosmologia
Cosmologia
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
 

Semelhante a modelos dos átomos de rutherford

Semelhante a modelos dos átomos de rutherford (20)

A Descoberta Do átomo
A Descoberta Do átomoA Descoberta Do átomo
A Descoberta Do átomo
 
TRABALHO DE CIÊNCIAS(QUÍMICA).pptx
TRABALHO DE CIÊNCIAS(QUÍMICA).pptxTRABALHO DE CIÊNCIAS(QUÍMICA).pptx
TRABALHO DE CIÊNCIAS(QUÍMICA).pptx
 
Modelos atómicos
Modelos atómicosModelos atómicos
Modelos atómicos
 
Quimica geral e organica
Quimica geral e organicaQuimica geral e organica
Quimica geral e organica
 
Modelos atomicos.ppt
Modelos atomicos.pptModelos atomicos.ppt
Modelos atomicos.ppt
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Modelo Atômico (química)
Modelo Atômico (química)Modelo Atômico (química)
Modelo Atômico (química)
 
Aula 3: Concepções Científicas do Átomo II
Aula 3: Concepções Científicas do Átomo IIAula 3: Concepções Científicas do Átomo II
Aula 3: Concepções Científicas do Átomo II
 
AtomíStica
AtomíSticaAtomíStica
AtomíStica
 
Energia nuclear 2012
Energia nuclear 2012Energia nuclear 2012
Energia nuclear 2012
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Modelos atomicos
Modelos atomicos Modelos atomicos
Modelos atomicos
 
Ruhtherford e o modelo atomico.pptx
Ruhtherford e o modelo atomico.pptxRuhtherford e o modelo atomico.pptx
Ruhtherford e o modelo atomico.pptx
 
Modelos atômicos - Parte 2
Modelos atômicos - Parte 2Modelos atômicos - Parte 2
Modelos atômicos - Parte 2
 
Super Modelo Atomico
Super Modelo AtomicoSuper Modelo Atomico
Super Modelo Atomico
 
Seminário Radionucídeos
Seminário RadionucídeosSeminário Radionucídeos
Seminário Radionucídeos
 
Física Nuclear
Física NuclearFísica Nuclear
Física Nuclear
 
Slide Modelos Atômicos.pptx
Slide Modelos Atômicos.pptxSlide Modelos Atômicos.pptx
Slide Modelos Atômicos.pptx
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 

Último

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

modelos dos átomos de rutherford

  • 2. QUEM FOI RUTHERFORD O químico e físico, Ernest Rutherford, começou sua carreira conceituando a meia-vida radioativa, ele pesquisou o campo da radioatividade e descobriu as partículas, Alfa e Beta.
  • 3. EXPERIMENTO REALIZADO POR RUTHERFORD • O experimento realizado por Rutherford possuía a seguinte aparelhagem e organização: • Componente a - uma amostra de polônio (emissor de radiação alfa) colocada em um bloco de chumbo. Nesse bloco havia um pequeno orifício por meio do qual ocorria a passagem da radiação; • Componente b: lâmina finíssima de ouro posicionada à frente da caixa de chumbo; • Componente c: Placa metálica recoberta com material fluorescente (sulfeto de zinco) posicionada atrás, ao lado e um pouco à frente da lâmina de ouro.
  • 4.
  • 5. • Região 1: área que recebeu grande parte da radiação alfa emitida pelo polônio, o que evidenciou que essas radiações atravessaram a lâmina de ouro sem sofrer desvios consideráveis; • Região 2: áreas diversas, localizadas atrás da lâmina de ouro, que receberam uma pequena quantidade de radiação alfa, mas que não estavam na direção do orifício de saída da radiação na caixa de chumbo, o que evidenciou que essas radiações sofreram um grande desvio após a travessia da lâmina de ouro; • Região 3: áreas localizadas à frente da lâmina de ouro que receberam uma quantidade extremamente pequena de radiação alfa, o que evidenciou que parte da radiação alfa chocou-se com a lâmina e foi rebatida.
  • 6.
  • 7. INTERPRETAÇÕES DOS RESULTADOS DO EXPERIMENTO DE RUTHERFORD • Interpretação sobre a região 1: Como grande parte da radiação alfa atravessou a lâmina de ouro sem nenhum empecilho, isso quer dizer que os átomos apresentavam grandes espaços vazios (eletrosfera), ou seja, regiões que não possuíam nada capaz de influenciar a radiação alfa; • Interpretação sobre a região 2: A quantidade pequena de radiação alfa que sofreu desvios passou próximo de uma região positiva (núcleo) do átomo, provavelmente de tamanho pequeno, o que promoveu o desvio.
  • 8. • Interpretação sobre a região 3: Como uma quantidade extremamente pequena de radiação alfa foi rebatida, isso quer dizer que elas se chocaram com uma região do átomo extremamente pequena que apresentava característica positiva
  • 9. RUTHERFORD CONCLUIU QUE • - o átomo é um enorme vazio; - o átomo tem um núcleo muito pequeno; - o átomo tem núcleo positivo (+), já que partículas alfa desviavam algumas vezes; - os elétrons estão ao redor do núcleo (na eletrosfera) para equilibrar as cargas positivas.
  • 10. FALHAS DE RUTHERFORD O átomo de Rutherford tem algumas falhas. Se o núcleo atômico é formado por partículas positivas, por que essas partículas não se repelem e o núcleo não desmorona? Se as partículas são de cargas opostas, por que elas não se atraem? Os elétrons iriam perder energia gradualmente percorrendo uma espiral em direção ao núcleo, e à medida que isso acontecesse, emitiriam energia na forma de luz. Mas como os elétrons ficam em movimento ao redor do núcleo sem que os átomos entrem em colapso?
  • 11. PARTÍCULA MASSA CARGA ELÉTRICA p 1 +1 n 1 0 é 1/1836 -1
  • 12. ESTADOS DE ENERGIA • O estado de menor energia em que um elétron se encontra é denominado estado fundamental. Esse elétron só poderá passar para um estado de maior energia, ou seja, para uma órbita mais externa ao núcleo, se ele receber a quantidade necessária de energia. Se isso ocorrer, ele estará no seu estado excitado, que é muito mais instável. • Quando esse elétron retorna ao estado de energia mais estável, que é o fundamental, ele emite certa quantidade de energia radiante, que pode ser vista na forma de luz.
  • 13. Essas órbitas permitidas para os elétrons foram denominadas órbitas, níveis ou camadas energéticas ou eletrônicas. E foram definidas como sendo no máximo sete, que podem também ser representadas, respectivamente, do mais interno para o mais externo, pelas letras: K, L, M, N, O, P e Q.
  • 14. MODELO DO ÁTOMO DE RUTHERFORD