SlideShare uma empresa Scribd logo
Dubai, 19-08-2018 Por Patrícia Farias
“Tendo o homem que progredir, os males que se
acha exposto são um estimulante para o exercício
da sua inteligência, de todas as suas faculdades
físicas e morais, incitando-o a procurar os meios de
evitá-lo.”
Gênese cap 3 item5
…
“Tendo o homem que progredir,
os males que se acha exposto
são um estimulante para o
exercício da sua inteligência, de
todas as suas faculdades físicas e
morais,
incitando-o a procurar os meios
de evitá-lo. Se ele nada houvesse
de temer, nenhuma necessidade o
induziria a procurar o melhor; o
espírito se entorpeceria na
inatividade; nada inventaria, nem
descobriria. A dor é o aguilhão
que o impele para frente, na
senda do progresso.”
Gênese cap. 3 item 5
PARTE 3ª - DAS LEIS MORAIS
CAPÍTULO VI / DA LEI DE
DESTRUIÇÃO
Flagelos destruidores
Questões 737 e 741
737. Com que fim fere Deus a Humanidade por
meio de flagelos destruidores?
FLAGELOS DESTRUIDORES
“Para fazê-la progredir mais depressa. Já não dissemos ser a
destruição uma necessidade para a regeneração moral dos
Espíritos, que, em cada nova existência, sobem um degrau na
escala do aperfeiçoamento? Preciso é que se veja o objetivo,
para que os resultados possam ser apreciados. Somente do
vosso ponto de vista pessoal os apreciais; daí vem que os
qualificais de flagelos, por efeito do prejuízo que vos causam.
Essas subversões, porém, são freqüentemente necessárias
para
que mais pronto se dê o advento de uma melhor ordem de
coisas e para que se realize em alguns anos o que teria exigido
muitos séculos.” (744)
738. Para conseguir a melhora da Humanidade,
não podia Deus empregar outros meios que
não os flagelos destruidores?
FLAGELOS DESTRUIDORES
“Pode e os emprega todos os dias, pois que deu a cada um os
meios de progredir pelo conhecimento do bem e do mal. O
homem, porém, não se aproveita desses meios. Necessário,
portanto, se torna que seja castigado no seu orgulho e que se
lhe faça sentir a sua fraqueza.”
a) - Mas, nesses flagelos, tanto sucumbe o homem de
bem como o perverso. Será justo isso?
FLAGELOS DESTRUIDORES
“Durante a vida, o homem tudo refere ao seu corpo; entretanto,
de maneira diversa pensa depois da morte. Ora, conforme temos
dito, a vida do corpo bem pouca coisa é. Um século no vosso
mundo não passa de um relâmpago na eternidade. Logo, nada
são os sofrimentos de alguns dias ou de alguns meses, de que
tanto vos queixais. Representam um ensino que se vos dá e que
vos servirá no futuro. Os Espíritos, que preexistem e sobrevivem
a tudo, formam o mundo real (85). Esses os filhos de Deus e o
objeto de toda a Sua solicitude. Os corpos são meros disfarces
com que eles aparecem no mundo. Por ocasião das grandes
calamidades que dizimam os homens, o espetáculo é
semelhante ao de um exército cujos soldados, durante a guerra,
ficassem com seus uniformes estragados, rotos, ou perdidos. O
general se preocupa mais com seus soldados do que com os
uniformes deles.”
b) - Mas, nem por isso as vítimas desses flagelos
deixam de o ser.
FLAGELOS DESTRUIDORES
“Se considerásseis a vida qual ela é e quão pouca coisa
representa com relação ao infinito, menos importância lhe
daríeis. Em outra vida, essas vítimas acharão ampla
compensação aos seus sofrimentos, se souberem suportá-los
sem murmurar.”
FLAGELOS DESTRUIDORES
Venha por um flagelo a morte, ou por uma
causa comum, ninguém deixa por isso de
morrer, desde que haja soado a hora da
partida.
A única diferença, em caso de flagelo, é
que maior número parte ao mesmo tempo.
Se, pelo pensamento, pudéssemos elevar-
nos de maneira a dominar a Humanidade e
abrangê-la em seu conjunto, esses tão
terríveis flagelos não nos pareceriam mais
do que passageiras tempestades no destino
do mundo.
739. Têm os flagelos destruidores utilidade, do
ponto de vista físico, não obstante
os males que ocasionam?
FLAGELOS DESTRUIDORES
“Têm. Muitas vezes mudam as condições de uma região.
Mas, o bem que deles resulta só as gerações vindouras o
experimentam.”
740. Não serão os flagelos, igualmente, provas
morais para o homem, por porem no a braços com
as mais aflitivas necessidades?
“Os flagelos são provas que dão ao homem ocasião
de exercitar a sua inteligência, de demonstrar sua
paciência e resignação ante a vontade de Deus e que
lhe oferecem ensejo de manifestar seus sentimentos
de abnegação, de desinteresse e de amor ao
próximo, se o não domina o egoísmo.”
741. Dado é ao homem conjurar (atenuar) os
flagelos que o afligem?
FLAGELOS DESTRUIDORES
“Em parte, é; não, porém, como geralmente o entendem.
Muitos flagelos resultam da imprevidência do homem. À
medida que adquire conhecimentos e experiência, ele os vai
podendo conjurar, isto é, prevenir, se lhes sabe pesquisar as
causas. Contudo, entre os males que afligem a Humanidade,
alguns há de caráter geral, que estão nos decretos da
Providência e dos quais cada indivíduo recebe, mais ou
menos, o contragolpe. A esses nada pode o homem opor, a
não ser sua submissão à vontade de Deus. Esses mesmos
males, entretanto, ele muitas vezes os agrava pela sua
negligência.”
FLAGELOS DESTRUIDORES
Na primeira linha dos flagelos destruidores,
naturais e independentes do homem, devem ser
colocados a peste, a fome, as inundações, as
intempéries fatais às produções da
terra. Não tem, porém, o homem encontrado na
Ciência, nas obras de arte, no aperfeiçoamento da
agricultura, nos afolhamentos e nas irrigações, no
estudo das condições
higiênicas, meios de impedir, ou, quando menos,
de atenuar muitos desastres?
Certas regiões, outrora assoladas por terríveis
flagelos, não estão hoje preservadas deles? Que
não fará, portanto, o homem pelo seu bem-estar
material, quando souber aproveitar-se de todos os
recursos da sua inteligência e quando aos
CAPÍTULO IX
BEM-AVENTURADOS OS QUE SÃO
BRANDOS (DOCES) E PACÍFICOS
INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
Item 1 a 5
1. Bem-aventurados os que são brandos, porque possuirão a
Terra. (S.MATEUS, cap. V, v. 4.)
2. Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados
filhos de Deus. (Id., v.9.)
3. Sabeis que foi dito aos antigos: Não matareis e quem quer
que mate merecerá condenação pelo juízo. - Eu, porém, vos
digo que quem quer que se puser em cólera contra seu irmão
merecerá condenado no juízo; que aquele que disser a seu
irmão: Raca, merecerá condenado pelo conselho; e que
aquele que lhe disser: És louco, merecerá condenado ao fogo
do inferno. (Id., vv. 21 e 22.)
INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
4. Por estas máximas, Jesus faz da brandura, da moderação,
da mansuetude, da afabilidade e da paciência, uma lei.
Condena, por conseguinte, a violência, a cólera e até toda
expressão descortês de que alguém possa usar para com
seus semelhantes. (…)
E que toda palavra ofensiva exprime um sentimento contrário
à lei do amor e da caridade que deve presidir às relações entre
os homens e manter entre eles a concórdia e a união; é que
constitui um golpe desferido na benevolência recíproca e na
fraternidade que entretém o ódio e a animosidade; é' enfim,
que, depois da humildade para com Deus, a caridade para
com o próximo é a lei primeira de todo cristão.
INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
5. Mas, que queria Jesus dizer por estas palavras: "Bem-
aventurados os que são brandos, porque possuirão a Terra", tendo
recomendado aos homens que renunciassem aos bens deste
mundo e havendo-lhes prometido os do céu?
Enquanto aguarda os bens do céu, tem o homem necessidade dos
da Terra para viver. Apenas, o que ele lhe recomenda é que não
ligue a estes últimos mais importância do que aos primeiros.
(…)
Promete que justiça lhes será feita, assim na Terra como no céu,
porque serão chamados filhos de Deus. Quando a Humanidade se
submeter à lei de amor e de caridade, deixará de haver egoísmo; o
fraco e o pacífico já não serão explorados, nem esmagados pelo
forte e pelo violento. Tal a condição da Terra, quando, de acordo
com a lei do progresso e a promessa de Jesus, se houver tornado
mundo ditoso, por efeito do afastamento dos maus.
INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
“Seja qual for a ofensa,
pacifica. E percebrás, por fim,
que a paz do mundo é dom de
Deus, começando de ti. ”
Pacifica Sempre – Emmanuel
Livro Palavras de Vida Eterna

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
home
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
Levi Antonio Amancio
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
elanojose
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
Ponte de Luz ASEC
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
Bruno Cechinel Filho
 
O cristo consolador
O cristo consoladorO cristo consolador
O cristo consolador
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososPalestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Divulgador do Espiritismo
 
Caracteres do Verdadeiro Profeta
Caracteres do Verdadeiro ProfetaCaracteres do Verdadeiro Profeta
Caracteres do Verdadeiro Profeta
igmateus
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Ação e reação
Ação e reaçãoAção e reação
Ação e reação
Wilma Badan C.G.
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
Angela Ewerling
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
Jorge Luiz dos Santos
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Divulgador do Espiritismo
 

Mais procurados (20)

Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Leis divinas
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
 
O cristo consolador
O cristo consoladorO cristo consolador
O cristo consolador
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososPalestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
 
Caracteres do Verdadeiro Profeta
Caracteres do Verdadeiro ProfetaCaracteres do Verdadeiro Profeta
Caracteres do Verdadeiro Profeta
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Ação e reação
Ação e reaçãoAção e reação
Ação e reação
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
 

Semelhante a Livro dos Espíritos Q.737 ESE Cap. 9_item1 a 5

FLAGELOS DERTIDORES.pptx
FLAGELOS DERTIDORES.pptxFLAGELOS DERTIDORES.pptx
FLAGELOS DERTIDORES.pptx
fatimadamasceno8
 
3.6 - Lei de Destruição.pptx
3.6 - Lei de Destruição.pptx3.6 - Lei de Destruição.pptx
3.6 - Lei de Destruição.pptx
Marta Gomes
 
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruiçãoSegundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
CeiClarencio
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
Leonardo Pereira
 
A origem do bem e do mal
A origem do bem e do malA origem do bem e do mal
A origem do bem e do mal
Helio Cruz
 
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Destruição
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de DestruiçãoEvangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Destruição
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Destruição
Antonino Silva
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
Helenl01
 
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntasLei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Evangelho cap8 item11
Evangelho cap8 item11Evangelho cap8 item11
Evangelho cap8 item11
Patricia Farias
 
LE Q.786 a 789 e ESE cap10
LE Q.786 a 789 e ESE cap10LE Q.786 a 789 e ESE cap10
LE Q.786 a 789 e ESE cap10
Patricia Farias
 
Palestra espírita sobre Flagelos Destruidores
Palestra espírita sobre Flagelos DestruidoresPalestra espírita sobre Flagelos Destruidores
Palestra espírita sobre Flagelos Destruidores
ThiagoSouza122501
 
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e HumildadeLei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
Antonio Braga
 
Tragédias coletivas
Tragédias coletivasTragédias coletivas
Tragédias coletivas
Márcia Albuquerque
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
Henrique Vieira
 
Cuidar do corpo
Cuidar do corpoCuidar do corpo
Cuidar do corpo
Helio Cruz
 
Lei de destruicao e individuo
Lei de destruicao e individuoLei de destruicao e individuo
Lei de destruicao e individuo
dijfergs
 
090610 da lei de destruição– livro iii, cap-6
090610 da lei de destruição– livro iii, cap-6090610 da lei de destruição– livro iii, cap-6
090610 da lei de destruição– livro iii, cap-6
Carlos Alberto Freire De Souza
 
LE Q.913 ESE cap13_item15
LE Q.913 ESE cap13_item15LE Q.913 ESE cap13_item15
LE Q.913 ESE cap13_item15
Patricia Farias
 
Os tesouros divinos em vasos de barro
Os tesouros divinos em vasos de barroOs tesouros divinos em vasos de barro
Os tesouros divinos em vasos de barro
Clelia Oliveira
 
Aula lei de destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Aula lei de  destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOSAula lei de  destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Aula lei de destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Oribes Teixeira
 

Semelhante a Livro dos Espíritos Q.737 ESE Cap. 9_item1 a 5 (20)

FLAGELOS DERTIDORES.pptx
FLAGELOS DERTIDORES.pptxFLAGELOS DERTIDORES.pptx
FLAGELOS DERTIDORES.pptx
 
3.6 - Lei de Destruição.pptx
3.6 - Lei de Destruição.pptx3.6 - Lei de Destruição.pptx
3.6 - Lei de Destruição.pptx
 
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruiçãoSegundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
 
A origem do bem e do mal
A origem do bem e do malA origem do bem e do mal
A origem do bem e do mal
 
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Destruição
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de DestruiçãoEvangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Destruição
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Destruição
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
 
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntasLei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
 
Evangelho cap8 item11
Evangelho cap8 item11Evangelho cap8 item11
Evangelho cap8 item11
 
LE Q.786 a 789 e ESE cap10
LE Q.786 a 789 e ESE cap10LE Q.786 a 789 e ESE cap10
LE Q.786 a 789 e ESE cap10
 
Palestra espírita sobre Flagelos Destruidores
Palestra espírita sobre Flagelos DestruidoresPalestra espírita sobre Flagelos Destruidores
Palestra espírita sobre Flagelos Destruidores
 
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e HumildadeLei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
 
Tragédias coletivas
Tragédias coletivasTragédias coletivas
Tragédias coletivas
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
 
Cuidar do corpo
Cuidar do corpoCuidar do corpo
Cuidar do corpo
 
Lei de destruicao e individuo
Lei de destruicao e individuoLei de destruicao e individuo
Lei de destruicao e individuo
 
090610 da lei de destruição– livro iii, cap-6
090610 da lei de destruição– livro iii, cap-6090610 da lei de destruição– livro iii, cap-6
090610 da lei de destruição– livro iii, cap-6
 
LE Q.913 ESE cap13_item15
LE Q.913 ESE cap13_item15LE Q.913 ESE cap13_item15
LE Q.913 ESE cap13_item15
 
Os tesouros divinos em vasos de barro
Os tesouros divinos em vasos de barroOs tesouros divinos em vasos de barro
Os tesouros divinos em vasos de barro
 
Aula lei de destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Aula lei de  destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOSAula lei de  destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
Aula lei de destruição e sociedade, LIVRO ESPIRITOS
 

Mais de Patricia Farias

evangelho_cap16_item8.pptx
evangelho_cap16_item8.pptxevangelho_cap16_item8.pptx
evangelho_cap16_item8.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item7.pptx
evangelho_cap16_item7.pptxevangelho_cap16_item7.pptx
evangelho_cap16_item7.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item4_parte3.pptx
evangelho_cap16_item4_parte3.pptxevangelho_cap16_item4_parte3.pptx
evangelho_cap16_item4_parte3.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item4_parte2.pptx
evangelho_cap16_item4_parte2.pptxevangelho_cap16_item4_parte2.pptx
evangelho_cap16_item4_parte2.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item4.pptx
evangelho_cap16_item4.pptxevangelho_cap16_item4.pptx
evangelho_cap16_item4.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item1.pptx
evangelho_cap16_item1.pptxevangelho_cap16_item1.pptx
evangelho_cap16_item1.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap15_item4.pptx
evangelho_cap15_item4.pptxevangelho_cap15_item4.pptx
evangelho_cap15_item4.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap15_item1.pptx
evangelho_cap15_item1.pptxevangelho_cap15_item1.pptx
evangelho_cap15_item1.pptx
Patricia Farias
 
Evangelho cap14 item1
Evangelho cap14 item1Evangelho cap14 item1
Evangelho cap14 item1
Patricia Farias
 
Evangelho cap14 item7
Evangelho cap14 item7Evangelho cap14 item7
Evangelho cap14 item7
Patricia Farias
 
Evangelho Cap14 item9
Evangelho Cap14 item9 Evangelho Cap14 item9
Evangelho Cap14 item9
Patricia Farias
 
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da ViuvaEvangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
Patricia Farias
 
Evangelho cap12 item1
Evangelho cap12 item1Evangelho cap12 item1
Evangelho cap12 item1
Patricia Farias
 
Evangelho cap11 item13
Evangelho cap11 item13Evangelho cap11 item13
Evangelho cap11 item13
Patricia Farias
 
Evangelho cap11 item11
Evangelho cap11 item11Evangelho cap11 item11
Evangelho cap11 item11
Patricia Farias
 

Mais de Patricia Farias (20)

evangelho_cap16_item8.pptx
evangelho_cap16_item8.pptxevangelho_cap16_item8.pptx
evangelho_cap16_item8.pptx
 
evangelho_cap16_item7.pptx
evangelho_cap16_item7.pptxevangelho_cap16_item7.pptx
evangelho_cap16_item7.pptx
 
evangelho_cap16_item4_parte3.pptx
evangelho_cap16_item4_parte3.pptxevangelho_cap16_item4_parte3.pptx
evangelho_cap16_item4_parte3.pptx
 
evangelho_cap16_item4_parte2.pptx
evangelho_cap16_item4_parte2.pptxevangelho_cap16_item4_parte2.pptx
evangelho_cap16_item4_parte2.pptx
 
evangelho_cap16_item4.pptx
evangelho_cap16_item4.pptxevangelho_cap16_item4.pptx
evangelho_cap16_item4.pptx
 
evangelho_cap16_item1.pptx
evangelho_cap16_item1.pptxevangelho_cap16_item1.pptx
evangelho_cap16_item1.pptx
 
evangelho_cap15_item4.pptx
evangelho_cap15_item4.pptxevangelho_cap15_item4.pptx
evangelho_cap15_item4.pptx
 
evangelho_cap15_item1.pptx
evangelho_cap15_item1.pptxevangelho_cap15_item1.pptx
evangelho_cap15_item1.pptx
 
Evangelho cap14 item1
Evangelho cap14 item1Evangelho cap14 item1
Evangelho cap14 item1
 
Evangelho cap14 item7
Evangelho cap14 item7Evangelho cap14 item7
Evangelho cap14 item7
 
Evangelho Cap14 item9
Evangelho Cap14 item9 Evangelho Cap14 item9
Evangelho Cap14 item9
 
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da ViuvaEvangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
 
Evangelho cap12 item1
Evangelho cap12 item1Evangelho cap12 item1
Evangelho cap12 item1
 
Evangelho cap11 item13
Evangelho cap11 item13Evangelho cap11 item13
Evangelho cap11 item13
 
Evangelho cap11 item11
Evangelho cap11 item11Evangelho cap11 item11
Evangelho cap11 item11
 

Último

O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 

Último (12)

O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 

Livro dos Espíritos Q.737 ESE Cap. 9_item1 a 5

  • 1. Dubai, 19-08-2018 Por Patrícia Farias “Tendo o homem que progredir, os males que se acha exposto são um estimulante para o exercício da sua inteligência, de todas as suas faculdades físicas e morais, incitando-o a procurar os meios de evitá-lo.” Gênese cap 3 item5
  • 2. … “Tendo o homem que progredir, os males que se acha exposto são um estimulante para o exercício da sua inteligência, de todas as suas faculdades físicas e morais, incitando-o a procurar os meios de evitá-lo. Se ele nada houvesse de temer, nenhuma necessidade o induziria a procurar o melhor; o espírito se entorpeceria na inatividade; nada inventaria, nem descobriria. A dor é o aguilhão que o impele para frente, na senda do progresso.” Gênese cap. 3 item 5
  • 3. PARTE 3ª - DAS LEIS MORAIS CAPÍTULO VI / DA LEI DE DESTRUIÇÃO Flagelos destruidores Questões 737 e 741
  • 4. 737. Com que fim fere Deus a Humanidade por meio de flagelos destruidores? FLAGELOS DESTRUIDORES “Para fazê-la progredir mais depressa. Já não dissemos ser a destruição uma necessidade para a regeneração moral dos Espíritos, que, em cada nova existência, sobem um degrau na escala do aperfeiçoamento? Preciso é que se veja o objetivo, para que os resultados possam ser apreciados. Somente do vosso ponto de vista pessoal os apreciais; daí vem que os qualificais de flagelos, por efeito do prejuízo que vos causam. Essas subversões, porém, são freqüentemente necessárias para que mais pronto se dê o advento de uma melhor ordem de coisas e para que se realize em alguns anos o que teria exigido muitos séculos.” (744)
  • 5. 738. Para conseguir a melhora da Humanidade, não podia Deus empregar outros meios que não os flagelos destruidores? FLAGELOS DESTRUIDORES “Pode e os emprega todos os dias, pois que deu a cada um os meios de progredir pelo conhecimento do bem e do mal. O homem, porém, não se aproveita desses meios. Necessário, portanto, se torna que seja castigado no seu orgulho e que se lhe faça sentir a sua fraqueza.” a) - Mas, nesses flagelos, tanto sucumbe o homem de bem como o perverso. Será justo isso?
  • 6. FLAGELOS DESTRUIDORES “Durante a vida, o homem tudo refere ao seu corpo; entretanto, de maneira diversa pensa depois da morte. Ora, conforme temos dito, a vida do corpo bem pouca coisa é. Um século no vosso mundo não passa de um relâmpago na eternidade. Logo, nada são os sofrimentos de alguns dias ou de alguns meses, de que tanto vos queixais. Representam um ensino que se vos dá e que vos servirá no futuro. Os Espíritos, que preexistem e sobrevivem a tudo, formam o mundo real (85). Esses os filhos de Deus e o objeto de toda a Sua solicitude. Os corpos são meros disfarces com que eles aparecem no mundo. Por ocasião das grandes calamidades que dizimam os homens, o espetáculo é semelhante ao de um exército cujos soldados, durante a guerra, ficassem com seus uniformes estragados, rotos, ou perdidos. O general se preocupa mais com seus soldados do que com os uniformes deles.”
  • 7. b) - Mas, nem por isso as vítimas desses flagelos deixam de o ser. FLAGELOS DESTRUIDORES “Se considerásseis a vida qual ela é e quão pouca coisa representa com relação ao infinito, menos importância lhe daríeis. Em outra vida, essas vítimas acharão ampla compensação aos seus sofrimentos, se souberem suportá-los sem murmurar.”
  • 8. FLAGELOS DESTRUIDORES Venha por um flagelo a morte, ou por uma causa comum, ninguém deixa por isso de morrer, desde que haja soado a hora da partida. A única diferença, em caso de flagelo, é que maior número parte ao mesmo tempo. Se, pelo pensamento, pudéssemos elevar- nos de maneira a dominar a Humanidade e abrangê-la em seu conjunto, esses tão terríveis flagelos não nos pareceriam mais do que passageiras tempestades no destino do mundo.
  • 9. 739. Têm os flagelos destruidores utilidade, do ponto de vista físico, não obstante os males que ocasionam? FLAGELOS DESTRUIDORES “Têm. Muitas vezes mudam as condições de uma região. Mas, o bem que deles resulta só as gerações vindouras o experimentam.” 740. Não serão os flagelos, igualmente, provas morais para o homem, por porem no a braços com as mais aflitivas necessidades? “Os flagelos são provas que dão ao homem ocasião de exercitar a sua inteligência, de demonstrar sua paciência e resignação ante a vontade de Deus e que lhe oferecem ensejo de manifestar seus sentimentos de abnegação, de desinteresse e de amor ao próximo, se o não domina o egoísmo.”
  • 10. 741. Dado é ao homem conjurar (atenuar) os flagelos que o afligem? FLAGELOS DESTRUIDORES “Em parte, é; não, porém, como geralmente o entendem. Muitos flagelos resultam da imprevidência do homem. À medida que adquire conhecimentos e experiência, ele os vai podendo conjurar, isto é, prevenir, se lhes sabe pesquisar as causas. Contudo, entre os males que afligem a Humanidade, alguns há de caráter geral, que estão nos decretos da Providência e dos quais cada indivíduo recebe, mais ou menos, o contragolpe. A esses nada pode o homem opor, a não ser sua submissão à vontade de Deus. Esses mesmos males, entretanto, ele muitas vezes os agrava pela sua negligência.”
  • 11. FLAGELOS DESTRUIDORES Na primeira linha dos flagelos destruidores, naturais e independentes do homem, devem ser colocados a peste, a fome, as inundações, as intempéries fatais às produções da terra. Não tem, porém, o homem encontrado na Ciência, nas obras de arte, no aperfeiçoamento da agricultura, nos afolhamentos e nas irrigações, no estudo das condições higiênicas, meios de impedir, ou, quando menos, de atenuar muitos desastres? Certas regiões, outrora assoladas por terríveis flagelos, não estão hoje preservadas deles? Que não fará, portanto, o homem pelo seu bem-estar material, quando souber aproveitar-se de todos os recursos da sua inteligência e quando aos
  • 12. CAPÍTULO IX BEM-AVENTURADOS OS QUE SÃO BRANDOS (DOCES) E PACÍFICOS INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS Item 1 a 5
  • 13. 1. Bem-aventurados os que são brandos, porque possuirão a Terra. (S.MATEUS, cap. V, v. 4.) 2. Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus. (Id., v.9.) 3. Sabeis que foi dito aos antigos: Não matareis e quem quer que mate merecerá condenação pelo juízo. - Eu, porém, vos digo que quem quer que se puser em cólera contra seu irmão merecerá condenado no juízo; que aquele que disser a seu irmão: Raca, merecerá condenado pelo conselho; e que aquele que lhe disser: És louco, merecerá condenado ao fogo do inferno. (Id., vv. 21 e 22.) INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
  • 14. 4. Por estas máximas, Jesus faz da brandura, da moderação, da mansuetude, da afabilidade e da paciência, uma lei. Condena, por conseguinte, a violência, a cólera e até toda expressão descortês de que alguém possa usar para com seus semelhantes. (…) E que toda palavra ofensiva exprime um sentimento contrário à lei do amor e da caridade que deve presidir às relações entre os homens e manter entre eles a concórdia e a união; é que constitui um golpe desferido na benevolência recíproca e na fraternidade que entretém o ódio e a animosidade; é' enfim, que, depois da humildade para com Deus, a caridade para com o próximo é a lei primeira de todo cristão. INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
  • 15. 5. Mas, que queria Jesus dizer por estas palavras: "Bem- aventurados os que são brandos, porque possuirão a Terra", tendo recomendado aos homens que renunciassem aos bens deste mundo e havendo-lhes prometido os do céu? Enquanto aguarda os bens do céu, tem o homem necessidade dos da Terra para viver. Apenas, o que ele lhe recomenda é que não ligue a estes últimos mais importância do que aos primeiros. (…) Promete que justiça lhes será feita, assim na Terra como no céu, porque serão chamados filhos de Deus. Quando a Humanidade se submeter à lei de amor e de caridade, deixará de haver egoísmo; o fraco e o pacífico já não serão explorados, nem esmagados pelo forte e pelo violento. Tal a condição da Terra, quando, de acordo com a lei do progresso e a promessa de Jesus, se houver tornado mundo ditoso, por efeito do afastamento dos maus. INJÚRIAS E VIOLÊNCIAS
  • 16. “Seja qual for a ofensa, pacifica. E percebrás, por fim, que a paz do mundo é dom de Deus, começando de ti. ” Pacifica Sempre – Emmanuel Livro Palavras de Vida Eterna