SlideShare uma empresa Scribd logo
Gêneros literários
Por Profª Míriam Zelimikaitis
Literatura
A LITERATURA É A ARTE QUE SE
MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA
ELA FALADA OU ESCRITA.
Uma expressão artística que possui
funções recreativas, sociais e críticas.
Assim, não só ocorre a manifestação
de sentimentos e invenção de
histórias por parte do autor, como
também ocorre a crítica à sociedade e
há referências a momentos históricos.
Texto Literário
O texto literário, quer ocorra em verso
ou em prosa, transmite a noção artística
do autor, trabalha com a função
conotativa da linguagem, recorrendo ao
uso de figuras de linguagem e respeita
estruturas no estilo e forma, como a
métrica e a rima.
O autor debruça-se sobre a seleção e
combinação de palavras, para que
transmitam o sentido pretendido,
contribuindo para a concretização da
intenção do autor.
 GÊNERO - Origina-se do latim genus-eris que
significa tempo de nascimento, origem, classe,
espécie, geração, ou seja, é o modo como se veicula
a mensagem literária.
 Ex: Uma novela tem características bem diferentes
de um conto, e um romance não se assemelha a
uma peça de teatro.
 A teoria dos gêneros é usada para auxiliar o
reconhecimento literário e NUNCA dever usada a
valorização e julgamento da obra.
Gêneros literários
Gêneros literários
São divisões feitas de acordo
com características formais
comuns em obras literárias,
agrupando-as segundo critérios
estruturais, contextuais e
semânticos, entre outros.
 As classificações nem sempre correspondem
à realidade, usa-se para colocar certa ordem
nos objetos analisados.
 Na literatura o exercício de classificação é
complicado, pois estamos lidando com objetos
“impuros” e “multiformes”.
 Os textos literários mais interessantes escapam
à classificação: transbordam os limites, são
contaminados pelo outro. Mesmo assim, ou, por
isso mesmo, as divisões e classificações são úteis.
Gêneros literários
 As classificações não devem ser entendidas como
regras às quais os textos deveriam se adequar. Suas
linhas gerais ajudam
– na comparação de textos distintos,
– na percepção da exceção
– na compreensão da relação entre tradição e ruptura.
Gêneros literários
 Uma das primeiras ordenações da literatura
surge na Grécia Antiga:
– com Platão (no 3º livro da República)
– comAristóteles (no 3º capítulo da Poética).
Gêneros literários
A classificação dos gêneros literários foi
proposta, na antiguidade clássica, pelo
filósofo grego Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.),
as quais foram divididas em:
 Gênero Lírico: “palavra cantada”.
 Gênero Épico: “palavra narrada”.
 Gênero Dramático: “palavra
representada”.
Gêneros literários
Esta classificação sofreu algumas
alterações ao longo dos anos e é
entendida, atualmente, como sendo
flexível, sendo possível a mistura de
gêneros e a subdivisão em vários
subgêneros.
Gêneros literários
Presentemente, privilegia-se a
substituição do gênero épico pelo gênero
narrativo, mais abrangente e atual. Os
textos épicos passaram então a ser
encarados como uma subdivisão do
gênero narrativo. Privilegia-se, dessa
forma, a seguinte divisão:
 Gênero lírico;
 Gênero narrativo;
 Gênero dramático.
Gêneros literários
Gênero Épico
 O gênero épico representa a mais antiga das
manifestações literárias.
 Abarca as narrativas histórico-literárias de grandes
acontecimentos, com presença de temas terrenos,
mitológicos e lendários.
 Segundo Aristóteles, é a palavra narrada.
Gênero Épico
 Neste gênero o autor descreve na epopeia, fatos
históricos heroicos realizados pelos seres humanos.
 É sempre um tema grandioso que retrata a vida do
povo.
 Deriva de três obras:
- Ilíada e Odisséia (Homero)
- Eneida (Virgílio)
Gênero Épico
 O termo “épico” vem da palavra “epopeia”, que do grego
(“épos”) simboliza a narrativa em versos de fatos grandiosos
centrados na figura de um herói ou de um povo.
 Assim, Epopeia é um poema longo que conta os feitos de
um herói lendário envolvido em diversas situações.
 Uma narrativa com métrica e ritmo, memorizada e cantada
por poetas de geração em geração.
 O sentido exigido é a audição, que acompanha a história
contada por um narrador.
Gênero Épico
Gênero Épico
Assim foram compostas por
Homero a Ilíada e a Odisséia,
por volta do séculoVIII a.C.
 Ilíada relata em grandes
painéis os acontecimentos da
Guerra deTróia,
 Odisséia conta o retorno de
Ulisses (ou Odisseu) para
casa após o fim da guerra
Elementos essenciais das narrativas épicas:
 Narrador - (quem narra a história), quando o narrador relata
os acontecimentos como participante (narração em 1ª pessoa)
ou como observador (narração em 3ª pessoa ).
 Enredo - sucessão dos acontecimentos, seguindo uma ordem
cronológica (sucessão temporal) ou psicológica (sucessão
segundo lembranças ou evocações).
 Personagens - principais e secundárias - seres reais ou fictícios
criados pelo autor com características físico-psicológicas
determinadas.
Gênero Épico
 Tempo - época/momento em que ocorrem os fatos.
 Espaço - local em que ocorrem as ações.
 Conflito:Toda situação conflituosa entre os personagens da
narrativa.
 Clímax: O ponto máximo da história.
 Desfecho:Os personagens finalmente encontram seu destino,
finalizando a narração.
Gênero Épico
 Era usada uma linguagem elaborada e narrava os
acontecimentos de uma forma extraordinária e
sobrenatural, com a presença de personagens mitológicas
que participavam no desenrolar dos acontecimentos.
 Muitas dessas narrativas foram feitas em verso - os
chamados poemas épicos.
 Com o decorrer do tempo e a evolução das sociedades, os
poemas épicos foram, aos poucos, caindo em desuso, sendo
substituídos por extensas narrativas em prosa - os
romances.
Gênero Épico
Atualmente, os estudiosos referem-se a esse gênero como
“narrativo” em detrimento do termo “épico”. Alguns
exemplos de textos épicos ou narrativos são:
 Epopeia
 Romance
 Novela
 Conto
 Crônica
 Fábula
 Ensaio
Gênero Épico ou Narrativo
ROMANCE
 Narrativa em prosa, extensa e
complexa, sobre personagens
fictícias que vivenciam
acontecimentos imaginários num
determinado espaço e tempo.
 Além de relatar aventuras, os
romances habitualmente traçam
perfis psicológicos de personagens,
caracterizam uma época e criticam
costumes sociais.
Gênero Épico ou Narrativo
NOVELA
 Narrativa em prosa mais breve do que
o romance e mais extensa do que o
conto.
 Normalmente, apresenta o
desenvolvimento sequencial de vários
enredos interligados, sendo uma
narração dinâmica.
Gênero Épico ou Narrativo
CONTO
 um texto narrativo centrado em
um relato referente a um fato ou
determinado acontecimento
que pode ser real ou fictício.
• Se define pela sua pequena extensão: mais curto que a
novela ou o romance.Tem uma estrutura fechada,
desenvolve uma história e tem apenas um clímax. O conto
é conciso
• apresenta uma grande flexibilidade, podendo se aproximar
da poesia e da crônica.
Gênero Épico ou Narrativo
CRÔNICAS: Narrativa em prosa, sucinta e informal, que aborda
temas simples e cotidianos.
• Faz uma crítica a
acontecimentos do dia a dia,
recorrendo ao humor.
• Tem como objetivo analisar e
criticar a realidade social,
política ou cultural.
• Dos textos literários é o que
mais se aproxima do texto
jornalístico
Gênero Épico ou Narrativo
FÁBULA
Narrativa em verso ou em prosa sobre
personagens e fatos fantásticos.
Apresenta duas características
marcantes:
 ser protagonizada principalmente por
animais;
 ter como finalidade transmitir uma
lição de moral, possuindo um cunho
educativo.
Gênero Épico ou Narrativo
ENSAIO
 Narrativa breve e impessoal, em
prosa, cuja finalidade é apresentar
ideias, críticas, reflexões e pontos
de vista sobre um assunto.
 Possui um cunho didático.
Gênero Épico ou Narrativo
Os Lusíadas é uma
obra poética do escritor LuísVaz de
Camões, considerada
a epopeia portuguesa por excelência.
Provavelmente concluída em 1556, foi
publicada pela primeira vez
em 1572 no período literário do
classicismo.
Os Lusíadas
Canto I
As armas e os Barões assinalados
Que daOcidental praia Lusitana
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além daTaprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;
Os Lusíadas
[...]
Cessem do sábio Grego e doTroiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e deTrajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram.
Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Que outro valor mais alto se alevanta
Os Lusíadas
Quadro comparativo
Gênero Dramático
 Do grego, a palavra “drama” significa “ação”.
 Origem: textos antigos de aproximadamente
2.500 anos atrás.
 O drama grego, mais jovem do que a epopéia,
nasce das danças e dos coros, da música.
 No início o ator, um solista, é introduzido para
dialogar com o coro, primeiro cantando e depois
declamando.
Gênero Dramático
 O gênero dramático envolve a literatura
teatral em prosa ou em verso, aquela para
ser apresentada e encenada, conhecemos
popularmente como peças teatrais
 Por esse motivo, o diálogo é um recurso
muito utilizado, de forma que a tríade
essencial dos textos literários dramáticos são:
o autor, o texto e o público.
 Neste tipo de gênero vigora a exaltação do
eu, onde o autor fala de amor, da saudade, da
morte, da solidão, despertando o lado
emocional do leitor.
Gênero Dramático
 A estrutura do texto dramático, independentemente de
ser feitos em verso ou em prosa, atua como facilitadora
da dramatização.
 Um texto do gênero dramático apresenta dois tipos de
conteúdos: o discurso direto das personagens e as
indicações cênicas ou rubricas (elementos auxiliadores
da representação que guiam o ator durante a peça, como
indicações do cenário, da música, da iluminação, do
figurino... ).
 Atualmente, as peças teatrais tentam aproximar os
conflitos vividos pelas personagens dos conflitos vividos
pela audiência, privilegiando-se a liberdade de expressão.
Gênero Dramático
 Os personagens dialogam todo o tempo, sem a presença
de um narrador que conte a história,
 Foram pensados para serem vistos e ouvidos por um
público.
 Algumas modalidades dos textos dramáticos são:
– Tragédia
– Comédia
– Tragicomédia
– Farsa
– Auto
Gênero Dramático
ATRAGÉDIA
 Peça teatral sobre um acontecimento trágico, que retrata
adversidades e sofrimento das personagens, culminando num
final funesto.Visa impressionar a audiência, provocando
terror e compaixão.
 Os temas se repetem, ou seja, as tragédias são feitas com
histórias, lendas e mitos que todos já conhecem. São os
mesmos personagens, os mesmos relatos, os mesmos mitos
da epopeia; mas enquanto o poeta épico cantava as façanhas
do herói, com a tragédia o público vê o herói em cena,
realizando suas façanhas.
 Exemplo: Édipo rei – tragédia do dramaturgo grego Sófocles.
Gênero Dramático
A COMÉDIA
 Peça teatral que visa criticar os defeitos humanos e da
sociedade através da exploração de situações ridículas e
cômicas do cotidiano. As personagens são maioritariamente
estereotipadas.
 Tem origem nas festas e procissões dionisíacas, a partir de 486
a.C.
 A comédia dessa época, que depois fica conhecida como
Comédia Antiga, se caracteriza pela sátira. Essa critica, fala
mal, debocha de instituições, políticos, filósofos, poetas
trágicos, figuras importantes e conhecidas da cidade.
Gênero Dramático
A COMÉDIA
 A linguagem, ao contrário da tragédia, é coloquial e abusa de
expressões baixas e populares.
 Posteriormente adota-se a comédia dos costumes e vida
privada. Muitos títulos de comédias dessa época são nomes
de uma profissão ou estado: o camponês, o soldado, o
bajulador, o parasita, a cortesã...
 Criaram-se tipos como o soldado fanfarrão, a sogra, o
mercador de escravos, o avarento, o adúltero.
 Ex. "As Aves" de Aristófanes; "Meno-Male!" de Juca de Oliveira; "O
Juiz de Paz na Roça" e "O Noviço" de Martins Pena.
Gênero Dramático
ATRAGICOMÉDIA
 Peça teatral que mistura características da comédia e da tragédia.
 São abordados assuntos trágicos e é retratada a desgraça das
personagens com elementos cômicos e toques de humor.
 Uma das primeiras aparições da tragicomédia na literatura ocorre
na obra de Aristóteles, Poética( 335 a.C. e 323 a.C.), onde ocorre
uma aproximação entre a comédia e a tragédia, demonstrando
que os dois gêneros servem-se dos mesmos metros, cantos e
ritmos em sua composição.
 No Renascimento Inglês, a mistura entre comédia e tragédia foi
bastante utilizada no teatro elisabetano. Exemplo “ATempestade”
e o” Rei Lear”, de Shakespeare. Com a utilização da comicidade e
das ironias, os textos ganhavam em riqueza de significados.
Gênero Dramático
A FARSA
 Peça teatral sobre situações
grotescas e ridículas da vida
cotidiana e familiar.
 Apresenta um caráter
exageradamente caricatural
e satírico.
 Visa criticar a sociedade e
provocar o riso da audiência.
Gênero Dramático
Ex. "Farsa de Inês Pereira" de GilVicente.
O AUTO
 Peça teatral sobre temas
religiosos ou profanos com teor
moralizante que, através de
alegorias, visa satirizar e educar.
 As personagens são
frequentemente representadas
de forma abstrata: a bondade, a
fome, a inveja,....
Gênero Dramático
Gênero Lírico
 Do latim, o nome lírico, surgiu de “lira”,
instrumento utilizado para acompanhar
as poesias cantadas..
 Texto literário de caráter emocional,
centrado na subjetividade, onde
predomina a expressão de sentimentos e
emoções do sujeito lírico - o eu lírico (a
voz que fala no poema) .
Gênero Lírico
• São escritos em verso, sendo textos breves por não
apresentarem enredo, mas sim a exteriorização do mundo
interior do eu-lírico.
• Segundo Aristóteles, é a palavra cantada.
 quando uma voz central sente um estado de alma e o
traduz por meio de um discurso mais ou menos rítmico.
 Predominam as palavras e pontuações de 1a. pessoa.
 Recorre à função poética da linguagem, sendo
frequente o uso do sentido conotativo das palavras e de
figuras de linguagem, com o sentido de aumentar a
expressividade da mensagem.
 É importante ressaltar que o “eu-lírico” , pode ser
masculino ou feminino, independente do autor.
Gênero Lírico
 OBSERVE AS MARCAS DE 1ª PESSOA
Quando a noite enfim lhe cansa, você vem feito criança
Pra chorar o meu perdão, qual o quê!
Diz pra eu não ficar sentida, diz que vai mudar de vida
Pra agradar meu coração e na subjetividade.
Gênero Lírico
 Até ao fim da idade média, os poemas eram
cantados, seguindo estruturas formais rígidas
relativamente à métrica, rimas e estrofes.
Assim, o gênero lírico sempre foi caracterizado
por sua musicalidade, sendo de grande
importância o ritmo da poesia.
 Atualmente, contudo, a poesia moderna
abandonou essa estrutura formal, centrando-se
apenas na transmissão de emoções e na
subjetividade.
Gênero Lírico
Alguns exemplos de textos líricos são:
 Soneto
 Odeo
 Hino
 Elegia
 Idílio
 Écloga.
 Epitalâmio
 Sátira
 Haicai
Gênero Lírico
SONETO
 A palavra soneto (do italiano “sonetto”) significa
pequeno som ao referir-se à sonoridade
produzida pelos versos.
 É uma estrutura literária de forma fixa composta
por catorze versos, dos quais dois
são quartetos (conjunto de quatro versos) e dois
tercetos (conjunto de três versos).
 Foi provavelmente criado pelo poeta e humanista
italiano Francesco Petrarca (1304-1374).
Gênero Lírico
Literatura - Gêneros Literários
 Acalanto: canto destinado a embalar o sono;
 Acróstico: as letras iniciais formando o nome de uma pessoa
que compõe o verso;
 Canção:pequeno poema, popular, simples de teor variado;
 Écloga: Poema lírico sobre a vida pastoril e bucólica, que
recorre ao uso de diálogos.
 Elegia: Poema lírico melancólico sobre a morte e a tristeza.
 Epitalâmio: Poema lírico para celebração do casamento, que
homenageia os noivos e o vínculo conjugal.
Gênero Lírico
 Hino: Poema lírico de glorificação, homenagem e louvor a
divindades e à pátria.
 Idílio: Poema lírico sobre a vida pastoril e bucólica.
 Haicai: Poema curto de origem japonesa.
 Ode: Poema lírico de exaltação, entusiasmo e alegria.
 Sátira: Poema lírico cujo objetivo é ridicularizar pessoas e
situações, criticando e ironizando defeitos e vícios.
Gênero Lírico
Quadro comparativo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
INTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURAINTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURA
Miriam Zelmikaitis
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
Professor Rômulo Viana
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
Karen Olivan
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
Cláudia Heloísa
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Elaine Chiullo
 
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
Walace Cestari
 
Generos literarios-2
Generos literarios-2Generos literarios-2
Generos literarios-2
Bernadete Carrijo Oliveira
 
Conectivos
ConectivosConectivos
Conectivos
Andreza Silva
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologiaGêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Adail Sobral
 
O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
Evilane Alves
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
Ivana Mayrink
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica

Mais procurados (20)

Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
INTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURAINTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURA
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
 
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
 
Generos literarios-2
Generos literarios-2Generos literarios-2
Generos literarios-2
 
Conectivos
ConectivosConectivos
Conectivos
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologiaGêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
 
O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 

Semelhante a Literatura - Gêneros Literários

Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
ssuser36fc8b
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
Marisa Paço
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
guesta35ddeb6
 
Ativ 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustinoAtiv 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustino
Rosana Faustino
 
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptxGêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
TainMavys1
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
CAMILADELMONDES3
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
MaiteFerreira4
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
lluiscarlosdassilva
 
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§oRelatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
Raquelzinhadf
 
Gêneros Literários (2023).pptx
Gêneros Literários (2023).pptxGêneros Literários (2023).pptx
Gêneros Literários (2023).pptx
Gustavo Paz
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
estudosacademicospedag
 
Trabalho de literatura ! professora Rosana
Trabalho de literatura ! professora RosanaTrabalho de literatura ! professora Rosana
Trabalho de literatura ! professora Rosana
Rosana Faustino
 
Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
7 de Setembro
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
leliovr
 
Trilha Corpo e Emoção.pptx
Trilha Corpo e Emoção.pptxTrilha Corpo e Emoção.pptx
Trilha Corpo e Emoção.pptx
GENIVALDASILVANASCIM
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Carolina Matuck
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Cida07
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Andriane Cursino
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
Marcos Feliciano
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
José Ricardo Lima
 

Semelhante a Literatura - Gêneros Literários (20)

Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Ativ 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustinoAtiv 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustino
 
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptxGêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
 
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§oRelatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
 
Gêneros Literários (2023).pptx
Gêneros Literários (2023).pptxGêneros Literários (2023).pptx
Gêneros Literários (2023).pptx
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
 
Trabalho de literatura ! professora Rosana
Trabalho de literatura ! professora RosanaTrabalho de literatura ! professora Rosana
Trabalho de literatura ! professora Rosana
 
Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
 
Trilha Corpo e Emoção.pptx
Trilha Corpo e Emoção.pptxTrilha Corpo e Emoção.pptx
Trilha Corpo e Emoção.pptx
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 

Último

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

Literatura - Gêneros Literários

  • 1. Gêneros literários Por Profª Míriam Zelimikaitis
  • 2. Literatura A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA. Uma expressão artística que possui funções recreativas, sociais e críticas. Assim, não só ocorre a manifestação de sentimentos e invenção de histórias por parte do autor, como também ocorre a crítica à sociedade e há referências a momentos históricos.
  • 3. Texto Literário O texto literário, quer ocorra em verso ou em prosa, transmite a noção artística do autor, trabalha com a função conotativa da linguagem, recorrendo ao uso de figuras de linguagem e respeita estruturas no estilo e forma, como a métrica e a rima. O autor debruça-se sobre a seleção e combinação de palavras, para que transmitam o sentido pretendido, contribuindo para a concretização da intenção do autor.
  • 4.  GÊNERO - Origina-se do latim genus-eris que significa tempo de nascimento, origem, classe, espécie, geração, ou seja, é o modo como se veicula a mensagem literária.  Ex: Uma novela tem características bem diferentes de um conto, e um romance não se assemelha a uma peça de teatro.  A teoria dos gêneros é usada para auxiliar o reconhecimento literário e NUNCA dever usada a valorização e julgamento da obra. Gêneros literários
  • 5. Gêneros literários São divisões feitas de acordo com características formais comuns em obras literárias, agrupando-as segundo critérios estruturais, contextuais e semânticos, entre outros.
  • 6.  As classificações nem sempre correspondem à realidade, usa-se para colocar certa ordem nos objetos analisados.  Na literatura o exercício de classificação é complicado, pois estamos lidando com objetos “impuros” e “multiformes”.  Os textos literários mais interessantes escapam à classificação: transbordam os limites, são contaminados pelo outro. Mesmo assim, ou, por isso mesmo, as divisões e classificações são úteis. Gêneros literários
  • 7.  As classificações não devem ser entendidas como regras às quais os textos deveriam se adequar. Suas linhas gerais ajudam – na comparação de textos distintos, – na percepção da exceção – na compreensão da relação entre tradição e ruptura. Gêneros literários
  • 8.  Uma das primeiras ordenações da literatura surge na Grécia Antiga: – com Platão (no 3º livro da República) – comAristóteles (no 3º capítulo da Poética). Gêneros literários
  • 9. A classificação dos gêneros literários foi proposta, na antiguidade clássica, pelo filósofo grego Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.), as quais foram divididas em:  Gênero Lírico: “palavra cantada”.  Gênero Épico: “palavra narrada”.  Gênero Dramático: “palavra representada”. Gêneros literários
  • 10. Esta classificação sofreu algumas alterações ao longo dos anos e é entendida, atualmente, como sendo flexível, sendo possível a mistura de gêneros e a subdivisão em vários subgêneros. Gêneros literários
  • 11. Presentemente, privilegia-se a substituição do gênero épico pelo gênero narrativo, mais abrangente e atual. Os textos épicos passaram então a ser encarados como uma subdivisão do gênero narrativo. Privilegia-se, dessa forma, a seguinte divisão:  Gênero lírico;  Gênero narrativo;  Gênero dramático. Gêneros literários
  • 13.  O gênero épico representa a mais antiga das manifestações literárias.  Abarca as narrativas histórico-literárias de grandes acontecimentos, com presença de temas terrenos, mitológicos e lendários.  Segundo Aristóteles, é a palavra narrada. Gênero Épico
  • 14.  Neste gênero o autor descreve na epopeia, fatos históricos heroicos realizados pelos seres humanos.  É sempre um tema grandioso que retrata a vida do povo.  Deriva de três obras: - Ilíada e Odisséia (Homero) - Eneida (Virgílio) Gênero Épico
  • 15.  O termo “épico” vem da palavra “epopeia”, que do grego (“épos”) simboliza a narrativa em versos de fatos grandiosos centrados na figura de um herói ou de um povo.  Assim, Epopeia é um poema longo que conta os feitos de um herói lendário envolvido em diversas situações.  Uma narrativa com métrica e ritmo, memorizada e cantada por poetas de geração em geração.  O sentido exigido é a audição, que acompanha a história contada por um narrador. Gênero Épico
  • 16. Gênero Épico Assim foram compostas por Homero a Ilíada e a Odisséia, por volta do séculoVIII a.C.  Ilíada relata em grandes painéis os acontecimentos da Guerra deTróia,  Odisséia conta o retorno de Ulisses (ou Odisseu) para casa após o fim da guerra
  • 17. Elementos essenciais das narrativas épicas:  Narrador - (quem narra a história), quando o narrador relata os acontecimentos como participante (narração em 1ª pessoa) ou como observador (narração em 3ª pessoa ).  Enredo - sucessão dos acontecimentos, seguindo uma ordem cronológica (sucessão temporal) ou psicológica (sucessão segundo lembranças ou evocações).  Personagens - principais e secundárias - seres reais ou fictícios criados pelo autor com características físico-psicológicas determinadas. Gênero Épico
  • 18.  Tempo - época/momento em que ocorrem os fatos.  Espaço - local em que ocorrem as ações.  Conflito:Toda situação conflituosa entre os personagens da narrativa.  Clímax: O ponto máximo da história.  Desfecho:Os personagens finalmente encontram seu destino, finalizando a narração. Gênero Épico
  • 19.  Era usada uma linguagem elaborada e narrava os acontecimentos de uma forma extraordinária e sobrenatural, com a presença de personagens mitológicas que participavam no desenrolar dos acontecimentos.  Muitas dessas narrativas foram feitas em verso - os chamados poemas épicos.  Com o decorrer do tempo e a evolução das sociedades, os poemas épicos foram, aos poucos, caindo em desuso, sendo substituídos por extensas narrativas em prosa - os romances. Gênero Épico
  • 20. Atualmente, os estudiosos referem-se a esse gênero como “narrativo” em detrimento do termo “épico”. Alguns exemplos de textos épicos ou narrativos são:  Epopeia  Romance  Novela  Conto  Crônica  Fábula  Ensaio Gênero Épico ou Narrativo
  • 21. ROMANCE  Narrativa em prosa, extensa e complexa, sobre personagens fictícias que vivenciam acontecimentos imaginários num determinado espaço e tempo.  Além de relatar aventuras, os romances habitualmente traçam perfis psicológicos de personagens, caracterizam uma época e criticam costumes sociais. Gênero Épico ou Narrativo
  • 22. NOVELA  Narrativa em prosa mais breve do que o romance e mais extensa do que o conto.  Normalmente, apresenta o desenvolvimento sequencial de vários enredos interligados, sendo uma narração dinâmica. Gênero Épico ou Narrativo
  • 23. CONTO  um texto narrativo centrado em um relato referente a um fato ou determinado acontecimento que pode ser real ou fictício. • Se define pela sua pequena extensão: mais curto que a novela ou o romance.Tem uma estrutura fechada, desenvolve uma história e tem apenas um clímax. O conto é conciso • apresenta uma grande flexibilidade, podendo se aproximar da poesia e da crônica. Gênero Épico ou Narrativo
  • 24. CRÔNICAS: Narrativa em prosa, sucinta e informal, que aborda temas simples e cotidianos. • Faz uma crítica a acontecimentos do dia a dia, recorrendo ao humor. • Tem como objetivo analisar e criticar a realidade social, política ou cultural. • Dos textos literários é o que mais se aproxima do texto jornalístico Gênero Épico ou Narrativo
  • 25. FÁBULA Narrativa em verso ou em prosa sobre personagens e fatos fantásticos. Apresenta duas características marcantes:  ser protagonizada principalmente por animais;  ter como finalidade transmitir uma lição de moral, possuindo um cunho educativo. Gênero Épico ou Narrativo
  • 26. ENSAIO  Narrativa breve e impessoal, em prosa, cuja finalidade é apresentar ideias, críticas, reflexões e pontos de vista sobre um assunto.  Possui um cunho didático. Gênero Épico ou Narrativo
  • 27. Os Lusíadas é uma obra poética do escritor LuísVaz de Camões, considerada a epopeia portuguesa por excelência. Provavelmente concluída em 1556, foi publicada pela primeira vez em 1572 no período literário do classicismo. Os Lusíadas
  • 28. Canto I As armas e os Barões assinalados Que daOcidental praia Lusitana Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda além daTaprobana, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram; Os Lusíadas
  • 29. [...] Cessem do sábio Grego e doTroiano As navegações grandes que fizeram; Cale-se de Alexandro e deTrajano A fama das vitórias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram. Cesse tudo o que a Musa antiga canta, Que outro valor mais alto se alevanta Os Lusíadas
  • 32.  Do grego, a palavra “drama” significa “ação”.  Origem: textos antigos de aproximadamente 2.500 anos atrás.  O drama grego, mais jovem do que a epopéia, nasce das danças e dos coros, da música.  No início o ator, um solista, é introduzido para dialogar com o coro, primeiro cantando e depois declamando. Gênero Dramático
  • 33.  O gênero dramático envolve a literatura teatral em prosa ou em verso, aquela para ser apresentada e encenada, conhecemos popularmente como peças teatrais  Por esse motivo, o diálogo é um recurso muito utilizado, de forma que a tríade essencial dos textos literários dramáticos são: o autor, o texto e o público.  Neste tipo de gênero vigora a exaltação do eu, onde o autor fala de amor, da saudade, da morte, da solidão, despertando o lado emocional do leitor. Gênero Dramático
  • 34.  A estrutura do texto dramático, independentemente de ser feitos em verso ou em prosa, atua como facilitadora da dramatização.  Um texto do gênero dramático apresenta dois tipos de conteúdos: o discurso direto das personagens e as indicações cênicas ou rubricas (elementos auxiliadores da representação que guiam o ator durante a peça, como indicações do cenário, da música, da iluminação, do figurino... ).  Atualmente, as peças teatrais tentam aproximar os conflitos vividos pelas personagens dos conflitos vividos pela audiência, privilegiando-se a liberdade de expressão. Gênero Dramático
  • 35.  Os personagens dialogam todo o tempo, sem a presença de um narrador que conte a história,  Foram pensados para serem vistos e ouvidos por um público.  Algumas modalidades dos textos dramáticos são: – Tragédia – Comédia – Tragicomédia – Farsa – Auto Gênero Dramático
  • 36. ATRAGÉDIA  Peça teatral sobre um acontecimento trágico, que retrata adversidades e sofrimento das personagens, culminando num final funesto.Visa impressionar a audiência, provocando terror e compaixão.  Os temas se repetem, ou seja, as tragédias são feitas com histórias, lendas e mitos que todos já conhecem. São os mesmos personagens, os mesmos relatos, os mesmos mitos da epopeia; mas enquanto o poeta épico cantava as façanhas do herói, com a tragédia o público vê o herói em cena, realizando suas façanhas.  Exemplo: Édipo rei – tragédia do dramaturgo grego Sófocles. Gênero Dramático
  • 37. A COMÉDIA  Peça teatral que visa criticar os defeitos humanos e da sociedade através da exploração de situações ridículas e cômicas do cotidiano. As personagens são maioritariamente estereotipadas.  Tem origem nas festas e procissões dionisíacas, a partir de 486 a.C.  A comédia dessa época, que depois fica conhecida como Comédia Antiga, se caracteriza pela sátira. Essa critica, fala mal, debocha de instituições, políticos, filósofos, poetas trágicos, figuras importantes e conhecidas da cidade. Gênero Dramático
  • 38. A COMÉDIA  A linguagem, ao contrário da tragédia, é coloquial e abusa de expressões baixas e populares.  Posteriormente adota-se a comédia dos costumes e vida privada. Muitos títulos de comédias dessa época são nomes de uma profissão ou estado: o camponês, o soldado, o bajulador, o parasita, a cortesã...  Criaram-se tipos como o soldado fanfarrão, a sogra, o mercador de escravos, o avarento, o adúltero.  Ex. "As Aves" de Aristófanes; "Meno-Male!" de Juca de Oliveira; "O Juiz de Paz na Roça" e "O Noviço" de Martins Pena. Gênero Dramático
  • 39. ATRAGICOMÉDIA  Peça teatral que mistura características da comédia e da tragédia.  São abordados assuntos trágicos e é retratada a desgraça das personagens com elementos cômicos e toques de humor.  Uma das primeiras aparições da tragicomédia na literatura ocorre na obra de Aristóteles, Poética( 335 a.C. e 323 a.C.), onde ocorre uma aproximação entre a comédia e a tragédia, demonstrando que os dois gêneros servem-se dos mesmos metros, cantos e ritmos em sua composição.  No Renascimento Inglês, a mistura entre comédia e tragédia foi bastante utilizada no teatro elisabetano. Exemplo “ATempestade” e o” Rei Lear”, de Shakespeare. Com a utilização da comicidade e das ironias, os textos ganhavam em riqueza de significados. Gênero Dramático
  • 40. A FARSA  Peça teatral sobre situações grotescas e ridículas da vida cotidiana e familiar.  Apresenta um caráter exageradamente caricatural e satírico.  Visa criticar a sociedade e provocar o riso da audiência. Gênero Dramático Ex. "Farsa de Inês Pereira" de GilVicente.
  • 41. O AUTO  Peça teatral sobre temas religiosos ou profanos com teor moralizante que, através de alegorias, visa satirizar e educar.  As personagens são frequentemente representadas de forma abstrata: a bondade, a fome, a inveja,.... Gênero Dramático
  • 43.  Do latim, o nome lírico, surgiu de “lira”, instrumento utilizado para acompanhar as poesias cantadas..  Texto literário de caráter emocional, centrado na subjetividade, onde predomina a expressão de sentimentos e emoções do sujeito lírico - o eu lírico (a voz que fala no poema) . Gênero Lírico • São escritos em verso, sendo textos breves por não apresentarem enredo, mas sim a exteriorização do mundo interior do eu-lírico. • Segundo Aristóteles, é a palavra cantada.
  • 44.  quando uma voz central sente um estado de alma e o traduz por meio de um discurso mais ou menos rítmico.  Predominam as palavras e pontuações de 1a. pessoa.  Recorre à função poética da linguagem, sendo frequente o uso do sentido conotativo das palavras e de figuras de linguagem, com o sentido de aumentar a expressividade da mensagem.  É importante ressaltar que o “eu-lírico” , pode ser masculino ou feminino, independente do autor. Gênero Lírico
  • 45.  OBSERVE AS MARCAS DE 1ª PESSOA Quando a noite enfim lhe cansa, você vem feito criança Pra chorar o meu perdão, qual o quê! Diz pra eu não ficar sentida, diz que vai mudar de vida Pra agradar meu coração e na subjetividade. Gênero Lírico
  • 46.  Até ao fim da idade média, os poemas eram cantados, seguindo estruturas formais rígidas relativamente à métrica, rimas e estrofes. Assim, o gênero lírico sempre foi caracterizado por sua musicalidade, sendo de grande importância o ritmo da poesia.  Atualmente, contudo, a poesia moderna abandonou essa estrutura formal, centrando-se apenas na transmissão de emoções e na subjetividade. Gênero Lírico
  • 47. Alguns exemplos de textos líricos são:  Soneto  Odeo  Hino  Elegia  Idílio  Écloga.  Epitalâmio  Sátira  Haicai Gênero Lírico
  • 48. SONETO  A palavra soneto (do italiano “sonetto”) significa pequeno som ao referir-se à sonoridade produzida pelos versos.  É uma estrutura literária de forma fixa composta por catorze versos, dos quais dois são quartetos (conjunto de quatro versos) e dois tercetos (conjunto de três versos).  Foi provavelmente criado pelo poeta e humanista italiano Francesco Petrarca (1304-1374). Gênero Lírico
  • 50.  Acalanto: canto destinado a embalar o sono;  Acróstico: as letras iniciais formando o nome de uma pessoa que compõe o verso;  Canção:pequeno poema, popular, simples de teor variado;  Écloga: Poema lírico sobre a vida pastoril e bucólica, que recorre ao uso de diálogos.  Elegia: Poema lírico melancólico sobre a morte e a tristeza.  Epitalâmio: Poema lírico para celebração do casamento, que homenageia os noivos e o vínculo conjugal. Gênero Lírico
  • 51.  Hino: Poema lírico de glorificação, homenagem e louvor a divindades e à pátria.  Idílio: Poema lírico sobre a vida pastoril e bucólica.  Haicai: Poema curto de origem japonesa.  Ode: Poema lírico de exaltação, entusiasmo e alegria.  Sátira: Poema lírico cujo objetivo é ridicularizar pessoas e situações, criticando e ironizando defeitos e vícios. Gênero Lírico