SlideShare uma empresa Scribd logo
KARL MARX
1818 – 1883
O método dialético
• O movimento é absoluto
• A dialética considera que toda separação
é relativa porque, na realidade, tudo se
relaciona de uma forma ou de outra, tudo
está em interação
O método dialético
• Explica o movimento pela luta dos
contrários
• Não isola os contrários
• Nem os considera sistematicamente
incompatíveis
• Um não pode existir sem o outro
• Todo movimento, toda mudança, toda
transformação são explicáveis pela luta
dos contrários
O método dialético
“Todo ser orgânico, a cada instante, é e
não é o mesmo; a cada instante assimila
matérias estranhas e elimina outras; em
cada instante parecem células de seu
corpo, e outras se constituem; no fim de
um tempo mais ou menos longo, a
substância desse corpo foi totalmente
renovada, foi substituída por outros
átomos de matéria; assim, todo ser
organizado é constantemente o mesmo
e, também, outro”
O termo dialético
• Vem, diretamente do grego dialegein,
que significa discutir
• Expressa a luta de idéias contrárias
As quatro
características da
dialética
1. Tudo se relaciona
2. Tudo se transforma
3. A mudança qualitativa
4. A luta dos contrários
Tudo se relaciona
• Lei da ação recíproca e da conexão
universal
• Um todo unido
• Os objetos e fenômenos são
organicamente ligados entre si
• Dependentes uns dos outros
• Não se pode compreender nenhum
fenômeno da natureza se o encaramos
isoladamente
Tudo se transforma
• Lei da transformação universal do
desenvolvimento incessante
• A natureza como um estado de
movimentos e mudanças perpétuas
• Qualquer coisa nasce e se desenvolve
• Qualquer coisa se desagrega e
desaparece
A mudança qualitativa
• Num desenvolvimento que passa das
mudanças quantitativas para as mudanças
qualitativas
Ex. água destilada é levada ao fogo para
aquecer
A mudança qualitativa
“Os marxistas denominam mudança
quantitativa o mero aumento (ou
diminuição) de quantidade. E
denominam mudança qualitativa a
passagem de uma qualidade para
outra, a passagem de um estado
para outro, como a passagem do
estado líquido para o gasoso”
A luta do contrários
• Os fenômenos da natureza supõem
contradições internas
• Todos têm um lado negativo e um lado
positivo
• Um passado e um futuro
• Elementos que desaparecem e elementos
que se desenvolvem
A luta dos contrários
• A luta entre o velho e o novo
• Entre o que morre e o que nasce
• Entre o que perene e o que evolui
• A luta dos contrários é pois, o motor
de toda a mudança
Materialismo histórico
• Os marxistas explicam o
desenvolvimento histórico como
resultado da luta de classes
• O motor da história e a
contradição
• A luta entre classes exploradoras
e classes exploradas
A sociedade capitalista
• Não há capitalismo sem contradição
Proletariado
Burguesia
capitalista (dona
dos meios de
produção)
Forças produtivas
• O desenvolvimento das forças produtivas
está condicionando pelo desenvolvimento
dos instrumentos de produção
• Constitui a base da “divisão do trabalho”
Relações de produção
• A produção é sempre uma produção social
• Diversos tipos
– Relações de colaboração
– Relações de dominação e submissão
– Relações de transição de uma forma para
outra
Relações de produção
“O indivíduo que não possui os bens
materiais necessários à vida é
materialmente, constrangido a
trabalhar para outrem, ele está preso
às relações de submissão”
As propriedades
dos meios de
produção
• O que determina o caráter das relações
de produção é a propriedade dos
meios de produção
• É óbvio que o indivíduo que está
desprovido dos meios de produção só
pode viver sob a condição de quem os
possui
Relações sociais
“As relações sociais estão intimamente
ligadas às forças produtivas. Ao adquirir
novas forças produtivas, os homens
alteram os modos de produção, a
maneira de ganhar a vida e todas as
relações sociais”
MERCADORIA
• Duplo Ponto de Vista
– Valor de uso
– Valor de troca
A mercadoria
• O valor de uso
– É o seu aspecto de utilidade que
preenche alguma necessidade do
homem
– Resume todas as suas qualidades
A mercadoria
• Valor de troca
– Se apresenta unicamente como uma relação
quantitativa
– Quantidades diferenciadas de trabalho
=
A mercadoria
• Valores de usos diferentes
=
A mercadoria
“Todas as mercadorias são
cristalizações do trabalho gasto para
produzi-las são a materialização do
trabalho social”
Mais valia absoluta
A produção de mais valia absoluta se
realiza com o prolongamento da
jornada de trabalho além do ponto em
que o trabalhador produz apenas um
equivalente ao valor de sua força de
trabalho e com a apropriação pelo
capital desse trabalho excedente”
(Marx, O Capital)
Mais valia absoluta
• Pressupõe que a jornada de
trabalho já esteja dividida em duas
partes:
– Trabalho necessário
– Trabalho excedente
• Gera exclusivamente em torno da
duração da jornada de trabalho
Mais valia absoluta
• É absoluta por exigir a prolongação
absoluta da jornada de trabalho além do
tempo necessário à existência do
trabalhador
Mais valia relativa
• Revoluciona totalmente os processos
técnicos de trabalho e as combinações
sociais
• Pressupõe um modo de produção
especificamente capitalista
• Subordinação formal é substituída pela
sujeição real do trabalho ao capital
Mais valia relativa
• É relativa por exigir um desenvolvimento
da produtividade do trabalho que permite
reduzir o tempo de trabalho necessário a
uma parte da jornada de trabalho
Alienação
• Alienar vem do Latim
Alienare, de alienus, que significa “que
pertence a um outro”
(outro = alius)
Alienação
• Falta de consciência dos problemas
políticos e sociais
• Perde a chave da compreensão da
sociedade em que vive, isto é, dos
mecanismos e fatores que o colocam
numa determinada posição na sociedade
e que produzem, inclusive, a sua
própria percepção dessa posição
Alienação do Trabalho
• Trabalho forçado, em sacrifício,
mortificação
• O operário não se afirma
• Não se desenvolve seu corpo e seu
espírito

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Augusto comte e o positivismo
Augusto comte e o positivismoAugusto comte e o positivismo
Augusto comte e o positivismo
Fatima Freitas
 
Você nasceu pra fazer a diferença!
Você nasceu pra fazer a diferença!Você nasceu pra fazer a diferença!
Você nasceu pra fazer a diferença!
Felipe Faias
 
Heráclito e Parmênides
Heráclito e ParmênidesHeráclito e Parmênides
Heráclito e Parmênides
João Paulo Rodrigues
 
Jean francois lyotard
Jean francois lyotardJean francois lyotard
Jean francois lyotard
André Silva
 
Antropologia filosofica
Antropologia filosoficaAntropologia filosofica
Antropologia filosofica
Agostinhofilho
 
Dialética
DialéticaDialética
Dialética
Lucila Pesce
 
Via da Complexidade
Via da ComplexidadeVia da Complexidade
Via da Complexidade
Lucila Pesce
 
Falácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioFalácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínio
Hélio Consolaro
 
éTica para aristóteles
éTica para aristóteleséTica para aristóteles
éTica para aristóteles
Adilmar Dantas
 
Comte x durkheim 14
Comte x durkheim 14Comte x durkheim 14
Comte x durkheim 14
Mayana Marcolino
 
Divisão Social do Trabalho mapas mentais
Divisão Social do Trabalho mapas mentaisDivisão Social do Trabalho mapas mentais
Divisão Social do Trabalho mapas mentais
FlavioBoneli
 
Ciclo sexual e regulação hormonal - completo
Ciclo sexual e regulação hormonal - completoCiclo sexual e regulação hormonal - completo
Ciclo sexual e regulação hormonal - completo
Ana Castro
 
Filosofia positivismo 33 mp
Filosofia  positivismo 33 mpFilosofia  positivismo 33 mp
Filosofia positivismo 33 mp
Alexandre Misturini
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
António Daniel
 
Texto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal políticoTexto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal político
Célio Alves de Moura
 
Física - Exercícios de Reflexão da Luz
Física - Exercícios de Reflexão da LuzFísica - Exercícios de Reflexão da Luz
Física - Exercícios de Reflexão da Luz
Joana Figueredo
 
Política e Poder.pptx
Política e Poder.pptxPolítica e Poder.pptx
Política e Poder.pptx
CELIMARACORDACO
 
Formas de Conhecimento
Formas de ConhecimentoFormas de Conhecimento
Formas de Conhecimento
Robson Santos
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
Raquel Luna
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
Bruno Carrasco
 

Mais procurados (20)

Augusto comte e o positivismo
Augusto comte e o positivismoAugusto comte e o positivismo
Augusto comte e o positivismo
 
Você nasceu pra fazer a diferença!
Você nasceu pra fazer a diferença!Você nasceu pra fazer a diferença!
Você nasceu pra fazer a diferença!
 
Heráclito e Parmênides
Heráclito e ParmênidesHeráclito e Parmênides
Heráclito e Parmênides
 
Jean francois lyotard
Jean francois lyotardJean francois lyotard
Jean francois lyotard
 
Antropologia filosofica
Antropologia filosoficaAntropologia filosofica
Antropologia filosofica
 
Dialética
DialéticaDialética
Dialética
 
Via da Complexidade
Via da ComplexidadeVia da Complexidade
Via da Complexidade
 
Falácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioFalácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínio
 
éTica para aristóteles
éTica para aristóteleséTica para aristóteles
éTica para aristóteles
 
Comte x durkheim 14
Comte x durkheim 14Comte x durkheim 14
Comte x durkheim 14
 
Divisão Social do Trabalho mapas mentais
Divisão Social do Trabalho mapas mentaisDivisão Social do Trabalho mapas mentais
Divisão Social do Trabalho mapas mentais
 
Ciclo sexual e regulação hormonal - completo
Ciclo sexual e regulação hormonal - completoCiclo sexual e regulação hormonal - completo
Ciclo sexual e regulação hormonal - completo
 
Filosofia positivismo 33 mp
Filosofia  positivismo 33 mpFilosofia  positivismo 33 mp
Filosofia positivismo 33 mp
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
 
Texto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal políticoTexto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal político
 
Física - Exercícios de Reflexão da Luz
Física - Exercícios de Reflexão da LuzFísica - Exercícios de Reflexão da Luz
Física - Exercícios de Reflexão da Luz
 
Política e Poder.pptx
Política e Poder.pptxPolítica e Poder.pptx
Política e Poder.pptx
 
Formas de Conhecimento
Formas de ConhecimentoFormas de Conhecimento
Formas de Conhecimento
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
 

Mais de KenyaZailyMirandaCat

FORO INTRODUCCION NUTRICION Y DIETETICA UNIDAD 2.docx
FORO INTRODUCCION NUTRICION Y DIETETICA UNIDAD 2.docxFORO INTRODUCCION NUTRICION Y DIETETICA UNIDAD 2.docx
FORO INTRODUCCION NUTRICION Y DIETETICA UNIDAD 2.docx
KenyaZailyMirandaCat
 
textos administrativos 2.pptx
textos administrativos 2.pptxtextos administrativos 2.pptx
textos administrativos 2.pptx
KenyaZailyMirandaCat
 
ind-u2-a2-dang-scaskajfimnafje.docx
ind-u2-a2-dang-scaskajfimnafje.docxind-u2-a2-dang-scaskajfimnafje.docx
ind-u2-a2-dang-scaskajfimnafje.docx
KenyaZailyMirandaCat
 
Conceptos fundamentales del_materialismo
Conceptos fundamentales del_materialismoConceptos fundamentales del_materialismo
Conceptos fundamentales del_materialismo
KenyaZailyMirandaCat
 
Rogelio garza g industria 4.0
Rogelio garza g   industria 4.0Rogelio garza g   industria 4.0
Rogelio garza g industria 4.0
KenyaZailyMirandaCat
 
Ciudad evolucion
Ciudad evolucionCiudad evolucion
Ciudad evolucion
KenyaZailyMirandaCat
 
Fdocuments.ec materialismo historico-parte1-4xxxxxxxxxxxxxxxx
Fdocuments.ec materialismo historico-parte1-4xxxxxxxxxxxxxxxxFdocuments.ec materialismo historico-parte1-4xxxxxxxxxxxxxxxx
Fdocuments.ec materialismo historico-parte1-4xxxxxxxxxxxxxxxx
KenyaZailyMirandaCat
 
Exigencia de adopcion en el rol del paciente hospitalizado
Exigencia de adopcion en el rol del paciente hospitalizadoExigencia de adopcion en el rol del paciente hospitalizado
Exigencia de adopcion en el rol del paciente hospitalizado
KenyaZailyMirandaCat
 
Promocion social
Promocion socialPromocion social
Promocion social
KenyaZailyMirandaCat
 
Presentacion i-e-promocion-social-guanacas
Presentacion i-e-promocion-social-guanacasPresentacion i-e-promocion-social-guanacas
Presentacion i-e-promocion-social-guanacas
KenyaZailyMirandaCat
 
Presentacion redes
Presentacion redesPresentacion redes
Presentacion redes
KenyaZailyMirandaCat
 
Lectura la media cobija
Lectura la media cobijaLectura la media cobija
Lectura la media cobija
KenyaZailyMirandaCat
 
Lectura vivir con ilusion
Lectura vivir con ilusionLectura vivir con ilusion
Lectura vivir con ilusion
KenyaZailyMirandaCat
 
Tema1 (1) sociologia texto
Tema1 (1) sociologia textoTema1 (1) sociologia texto
Tema1 (1) sociologia texto
KenyaZailyMirandaCat
 
Plan de alimentación
Plan  de alimentaciónPlan  de alimentación
Plan de alimentación
KenyaZailyMirandaCat
 
Ped
PedPed
Cte intensiva agosto
Cte intensiva agostoCte intensiva agosto
Cte intensiva agosto
KenyaZailyMirandaCat
 
Actividades prevencion
Actividades prevencionActividades prevencion
Actividades prevencion
KenyaZailyMirandaCat
 
Ped
PedPed
Pensamiento y condcuta social
Pensamiento y condcuta socialPensamiento y condcuta social
Pensamiento y condcuta social
KenyaZailyMirandaCat
 

Mais de KenyaZailyMirandaCat (20)

FORO INTRODUCCION NUTRICION Y DIETETICA UNIDAD 2.docx
FORO INTRODUCCION NUTRICION Y DIETETICA UNIDAD 2.docxFORO INTRODUCCION NUTRICION Y DIETETICA UNIDAD 2.docx
FORO INTRODUCCION NUTRICION Y DIETETICA UNIDAD 2.docx
 
textos administrativos 2.pptx
textos administrativos 2.pptxtextos administrativos 2.pptx
textos administrativos 2.pptx
 
ind-u2-a2-dang-scaskajfimnafje.docx
ind-u2-a2-dang-scaskajfimnafje.docxind-u2-a2-dang-scaskajfimnafje.docx
ind-u2-a2-dang-scaskajfimnafje.docx
 
Conceptos fundamentales del_materialismo
Conceptos fundamentales del_materialismoConceptos fundamentales del_materialismo
Conceptos fundamentales del_materialismo
 
Rogelio garza g industria 4.0
Rogelio garza g   industria 4.0Rogelio garza g   industria 4.0
Rogelio garza g industria 4.0
 
Ciudad evolucion
Ciudad evolucionCiudad evolucion
Ciudad evolucion
 
Fdocuments.ec materialismo historico-parte1-4xxxxxxxxxxxxxxxx
Fdocuments.ec materialismo historico-parte1-4xxxxxxxxxxxxxxxxFdocuments.ec materialismo historico-parte1-4xxxxxxxxxxxxxxxx
Fdocuments.ec materialismo historico-parte1-4xxxxxxxxxxxxxxxx
 
Exigencia de adopcion en el rol del paciente hospitalizado
Exigencia de adopcion en el rol del paciente hospitalizadoExigencia de adopcion en el rol del paciente hospitalizado
Exigencia de adopcion en el rol del paciente hospitalizado
 
Promocion social
Promocion socialPromocion social
Promocion social
 
Presentacion i-e-promocion-social-guanacas
Presentacion i-e-promocion-social-guanacasPresentacion i-e-promocion-social-guanacas
Presentacion i-e-promocion-social-guanacas
 
Presentacion redes
Presentacion redesPresentacion redes
Presentacion redes
 
Lectura la media cobija
Lectura la media cobijaLectura la media cobija
Lectura la media cobija
 
Lectura vivir con ilusion
Lectura vivir con ilusionLectura vivir con ilusion
Lectura vivir con ilusion
 
Tema1 (1) sociologia texto
Tema1 (1) sociologia textoTema1 (1) sociologia texto
Tema1 (1) sociologia texto
 
Plan de alimentación
Plan  de alimentaciónPlan  de alimentación
Plan de alimentación
 
Ped
PedPed
Ped
 
Cte intensiva agosto
Cte intensiva agostoCte intensiva agosto
Cte intensiva agosto
 
Actividades prevencion
Actividades prevencionActividades prevencion
Actividades prevencion
 
Ped
PedPed
Ped
 
Pensamiento y condcuta social
Pensamiento y condcuta socialPensamiento y condcuta social
Pensamiento y condcuta social
 

Karl marx

  • 2. O método dialético • O movimento é absoluto • A dialética considera que toda separação é relativa porque, na realidade, tudo se relaciona de uma forma ou de outra, tudo está em interação
  • 3. O método dialético • Explica o movimento pela luta dos contrários • Não isola os contrários • Nem os considera sistematicamente incompatíveis • Um não pode existir sem o outro • Todo movimento, toda mudança, toda transformação são explicáveis pela luta dos contrários
  • 4. O método dialético “Todo ser orgânico, a cada instante, é e não é o mesmo; a cada instante assimila matérias estranhas e elimina outras; em cada instante parecem células de seu corpo, e outras se constituem; no fim de um tempo mais ou menos longo, a substância desse corpo foi totalmente renovada, foi substituída por outros átomos de matéria; assim, todo ser organizado é constantemente o mesmo e, também, outro”
  • 5. O termo dialético • Vem, diretamente do grego dialegein, que significa discutir • Expressa a luta de idéias contrárias
  • 6. As quatro características da dialética 1. Tudo se relaciona 2. Tudo se transforma 3. A mudança qualitativa 4. A luta dos contrários
  • 7. Tudo se relaciona • Lei da ação recíproca e da conexão universal • Um todo unido • Os objetos e fenômenos são organicamente ligados entre si • Dependentes uns dos outros • Não se pode compreender nenhum fenômeno da natureza se o encaramos isoladamente
  • 8. Tudo se transforma • Lei da transformação universal do desenvolvimento incessante • A natureza como um estado de movimentos e mudanças perpétuas • Qualquer coisa nasce e se desenvolve • Qualquer coisa se desagrega e desaparece
  • 9. A mudança qualitativa • Num desenvolvimento que passa das mudanças quantitativas para as mudanças qualitativas Ex. água destilada é levada ao fogo para aquecer
  • 10. A mudança qualitativa “Os marxistas denominam mudança quantitativa o mero aumento (ou diminuição) de quantidade. E denominam mudança qualitativa a passagem de uma qualidade para outra, a passagem de um estado para outro, como a passagem do estado líquido para o gasoso”
  • 11. A luta do contrários • Os fenômenos da natureza supõem contradições internas • Todos têm um lado negativo e um lado positivo • Um passado e um futuro • Elementos que desaparecem e elementos que se desenvolvem
  • 12. A luta dos contrários • A luta entre o velho e o novo • Entre o que morre e o que nasce • Entre o que perene e o que evolui • A luta dos contrários é pois, o motor de toda a mudança
  • 13. Materialismo histórico • Os marxistas explicam o desenvolvimento histórico como resultado da luta de classes • O motor da história e a contradição • A luta entre classes exploradoras e classes exploradas
  • 14. A sociedade capitalista • Não há capitalismo sem contradição Proletariado Burguesia capitalista (dona dos meios de produção)
  • 15. Forças produtivas • O desenvolvimento das forças produtivas está condicionando pelo desenvolvimento dos instrumentos de produção • Constitui a base da “divisão do trabalho”
  • 16. Relações de produção • A produção é sempre uma produção social • Diversos tipos – Relações de colaboração – Relações de dominação e submissão – Relações de transição de uma forma para outra
  • 17. Relações de produção “O indivíduo que não possui os bens materiais necessários à vida é materialmente, constrangido a trabalhar para outrem, ele está preso às relações de submissão”
  • 18. As propriedades dos meios de produção • O que determina o caráter das relações de produção é a propriedade dos meios de produção • É óbvio que o indivíduo que está desprovido dos meios de produção só pode viver sob a condição de quem os possui
  • 19. Relações sociais “As relações sociais estão intimamente ligadas às forças produtivas. Ao adquirir novas forças produtivas, os homens alteram os modos de produção, a maneira de ganhar a vida e todas as relações sociais”
  • 20. MERCADORIA • Duplo Ponto de Vista – Valor de uso – Valor de troca
  • 21. A mercadoria • O valor de uso – É o seu aspecto de utilidade que preenche alguma necessidade do homem – Resume todas as suas qualidades
  • 22. A mercadoria • Valor de troca – Se apresenta unicamente como uma relação quantitativa – Quantidades diferenciadas de trabalho =
  • 23. A mercadoria • Valores de usos diferentes =
  • 24. A mercadoria “Todas as mercadorias são cristalizações do trabalho gasto para produzi-las são a materialização do trabalho social”
  • 25. Mais valia absoluta A produção de mais valia absoluta se realiza com o prolongamento da jornada de trabalho além do ponto em que o trabalhador produz apenas um equivalente ao valor de sua força de trabalho e com a apropriação pelo capital desse trabalho excedente” (Marx, O Capital)
  • 26. Mais valia absoluta • Pressupõe que a jornada de trabalho já esteja dividida em duas partes: – Trabalho necessário – Trabalho excedente • Gera exclusivamente em torno da duração da jornada de trabalho
  • 27. Mais valia absoluta • É absoluta por exigir a prolongação absoluta da jornada de trabalho além do tempo necessário à existência do trabalhador
  • 28. Mais valia relativa • Revoluciona totalmente os processos técnicos de trabalho e as combinações sociais • Pressupõe um modo de produção especificamente capitalista • Subordinação formal é substituída pela sujeição real do trabalho ao capital
  • 29. Mais valia relativa • É relativa por exigir um desenvolvimento da produtividade do trabalho que permite reduzir o tempo de trabalho necessário a uma parte da jornada de trabalho
  • 30. Alienação • Alienar vem do Latim Alienare, de alienus, que significa “que pertence a um outro” (outro = alius)
  • 31. Alienação • Falta de consciência dos problemas políticos e sociais • Perde a chave da compreensão da sociedade em que vive, isto é, dos mecanismos e fatores que o colocam numa determinada posição na sociedade e que produzem, inclusive, a sua própria percepção dessa posição
  • 32. Alienação do Trabalho • Trabalho forçado, em sacrifício, mortificação • O operário não se afirma • Não se desenvolve seu corpo e seu espírito