SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
ROLETA QUIMICA
Área de projecto de Físico-Química
2010
IÕES
Um átomo que perde ou ganhe electrões origina os
iões.
•Quando um átomo perde electrões origina um ião
positivo, designado por catião.
•Quando um átomo ganha electrões origina um ião
negativo, designado por anião.
REGRAS DE ESCRITA DE FÓRMULAS IÓNICAS
E NOMENCLATURA
•Na fórmula química indica-se primeiro o ião positivo;
•Ao dar o nome ao composto, refere-se primeiro o ião negativo;
•A soma das cargas positivas com as cargas negativas deve ser zero,
pois o composto é electricamente neutro. O número de iões de cada
tipo indica-se de lado direito do ião em questão, em índice inferior.
Se se tratar de um ião poliatómico, coloca-se o ião entre parênteses.
•Ao fazer o acerto da carga não se pode alterar a constituição dos
iões, nem em termos de números de átomos que constitui cada ião,
nem em termos da sua carga.
•Na fórmula química não se indica a carga dos iões.
O QUE SÃO SAIS?
Os sais são compostos iónicos que são constituídos por iões positivos e
negativos.
Nos sais , a soma das cargas positivas é igual à soma das cargas negativas.
SOLUBILIDADE
A quantidade máxima de um sal que se consegue dissolver define a
solubilidade do sal. Esta, defende do sal, do solvente e das
condições em que ocorre a dissolução.
É uma solução em que não é possível mais dissolver mais soluto, a uma
dada temperatura e num dado volume de solvente.
SOLUÇÃO SATURADA
Solubilidade de sais em água
Sais Solúvel Pouco solúvel
Carbonatos
Carbonato de Sódio
Carbonato de Potássio
Carbonato de Amónio
Quase todos, excepto os
referidos ao lado.
Cloretos
Quase todos, excepto os referidos
ao lado.
Cloreto de prata
Cloreto de mercúrio
Cloreto de chumbo
Brometos
Quase todos, excepto os referidos
ao lado.
Brometo de prata
Brometo de mercúrio
Brometo de chumbo
Iodetos
Quase todos, excepto os referidos
ao lado.
Iodeto de prata
Iodeto de mercúrio
Iodeto de chumbo
Sulfatos
Quase todos, excepto os referidos
ao lado.
Sulfato de bário
Sulfato de chumbo
Sulfato de mercúrio
Nitratos Quase todos são solúveis.
Sais de amónio Quase todos são solúveis.
Sais de sódio Quase todos são solúveis.
ESTALACTITES E ESTALAGMITES
estalactite
As reacções de precipitação assumem grande relevo na natureza.
São as reacções de precipitação as responsáveis pelo aspecto das grutas
calcárias. As rochas calcárias são formadas por minerais que resultam
de reacções de precipitação.
A água existente nesses locais é rica em hidrogénocarbonato de cálcio;
à medida que a água se evapora a solução vai ficando saturada, o que
leva à precipitação de carbonato de cálcio. Este vai-se depositando,
originando saliências que crescem a partir do tecto – estalactites – ou
do chão – estalagmites.
MAR MORTO
O Mar Morto é um grande lago situado entre Israel e a Jordânia. O seu nome
surgiu devido à grande concentração de sal nas suas águas que não permite o
desenvolvimento de nenhum tipo de vida.
A presença densa de sal justifica a presença de outros minerais.
Este mar tem características terapêuticas. Ele é famoso pelos seus mananciais
térmicos e pela lama negra que se pode aplicar no corpo para limpeza da pele
e melhoria da circulação sanguínea e função respiratória.
A pressão atmosférica, neste lugar, é a mais elevada do planeta e na sua
atmosfera a taxa de oxigénio é de 15% superior à da do nível do mar.
NAICA CRISTAL CAVE
Os maiores cristais naturais da Terra foram descobertos em duas
minas, no México. Eles alcançavam cerca de 15,24 metros, pois são
cristais compostos por selenita, uma forma cristalina de gesso mineral.
O local que abriga os cristais ficou conhecido como a Caverna dos
Cristais Gigantes. A caverna foi descoberta quando os mineiros
estavam a perfurar a falha de Naica.
As águas subterrâneas nestas cavernas, ricas em enxofre começaram a
dissolver-se pelas paredes de pedra calcária, libertando grandes
quantidades de cálcio. Estes dois juntos (cálcio e enxofre) podem
formar cristais numa escala nunca antes vista.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Anorexia- sintomas e tratamento
Anorexia- sintomas e tratamentoAnorexia- sintomas e tratamento
Anorexia- sintomas e tratamento
00199600
 
Que Caminho Seguir?
Que Caminho Seguir?Que Caminho Seguir?
Que Caminho Seguir?
guest161225
 
Anorexia e bulimia
Anorexia e bulimiaAnorexia e bulimia
Anorexia e bulimia
ap3bmachado
 
Biologia a ciência da vida
Biologia a ciência da vidaBiologia a ciência da vida
Biologia a ciência da vida
letyap
 
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
Angélica Manenti
 
Biologia introdução
Biologia introduçãoBiologia introdução
Biologia introdução
Marcos Santos
 
Introdução à biologia 1º ano
Introdução à biologia   1º anoIntrodução à biologia   1º ano
Introdução à biologia 1º ano
Luciana Mendes
 
Aula 2 introdução a biologia - 1º ano
Aula 2 introdução a biologia - 1º anoAula 2 introdução a biologia - 1º ano
Aula 2 introdução a biologia - 1º ano
camaceio
 

Destaque (19)

Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
 
Aula 1. 1º ano
Aula 1. 1º anoAula 1. 1º ano
Aula 1. 1º ano
 
Anorexia e bulimia atualizado
Anorexia e bulimia atualizadoAnorexia e bulimia atualizado
Anorexia e bulimia atualizado
 
Iões
IõesIões
Iões
 
Anorexia- sintomas e tratamento
Anorexia- sintomas e tratamentoAnorexia- sintomas e tratamento
Anorexia- sintomas e tratamento
 
9º ano, e agora
9º ano, e agora9º ano, e agora
9º ano, e agora
 
Que Caminho Seguir?
Que Caminho Seguir?Que Caminho Seguir?
Que Caminho Seguir?
 
Anorexia e bulimia
Anorexia e bulimiaAnorexia e bulimia
Anorexia e bulimia
 
Anorexia
AnorexiaAnorexia
Anorexia
 
Biologia a ciência da vida
Biologia a ciência da vidaBiologia a ciência da vida
Biologia a ciência da vida
 
Período simples e período composto
Período simples e período compostoPeríodo simples e período composto
Período simples e período composto
 
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
 
Caderno De Biologia 1 º ano E.M
Caderno De Biologia 1 º ano E.MCaderno De Biologia 1 º ano E.M
Caderno De Biologia 1 º ano E.M
 
Introdução a biologia
Introdução a biologiaIntrodução a biologia
Introdução a biologia
 
Biologia introdução
Biologia introduçãoBiologia introdução
Biologia introdução
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
 
Introdução à biologia 1º ano
Introdução à biologia   1º anoIntrodução à biologia   1º ano
Introdução à biologia 1º ano
 
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIAParlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
 
Aula 2 introdução a biologia - 1º ano
Aula 2 introdução a biologia - 1º anoAula 2 introdução a biologia - 1º ano
Aula 2 introdução a biologia - 1º ano
 

Semelhante a ioes e solubilidade - fisico quimica 9ºano - Roleta quimica

Aula solubilidade-130514071001-phpapp02
Aula solubilidade-130514071001-phpapp02Aula solubilidade-130514071001-phpapp02
Aula solubilidade-130514071001-phpapp02
maria_aal_costa
 
Reacções de precipitacao
Reacções de precipitacaoReacções de precipitacao
Reacções de precipitacao
Luis Pedro
 
Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções.ppt
Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções.pptCapítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções.ppt
Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções.ppt
Kelline Ladyluna
 
P ropriedades coligativas pc2
P ropriedades coligativas pc2P ropriedades coligativas pc2
P ropriedades coligativas pc2
redtambe
 
Dinâmica Externa da Terra
Dinâmica Externa da TerraDinâmica Externa da Terra
Dinâmica Externa da Terra
catiacsantos
 

Semelhante a ioes e solubilidade - fisico quimica 9ºano - Roleta quimica (20)

Aula solubilidade-130514071001-phpapp02
Aula solubilidade-130514071001-phpapp02Aula solubilidade-130514071001-phpapp02
Aula solubilidade-130514071001-phpapp02
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
O que são reações de precipitação, sua importância e como evitá-las.pptx
O que são reações de precipitação, sua importância e como evitá-las.pptxO que são reações de precipitação, sua importância e como evitá-las.pptx
O que são reações de precipitação, sua importância e como evitá-las.pptx
 
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
Gabarito 1a atividade pontuada-substâncias e misturas-2011-v3
 
APRESENTAÇÃO TRATAMENTO DE AGUA PARA CALDEIRAS.pdf
APRESENTAÇÃO TRATAMENTO DE AGUA PARA CALDEIRAS.pdfAPRESENTAÇÃO TRATAMENTO DE AGUA PARA CALDEIRAS.pdf
APRESENTAÇÃO TRATAMENTO DE AGUA PARA CALDEIRAS.pdf
 
Manual de Fabricação de Ouro Monoatômico Ormes Ormus Pedra Filosofal Mana- P...
 Manual de Fabricação de Ouro Monoatômico Ormes Ormus Pedra Filosofal Mana- P... Manual de Fabricação de Ouro Monoatômico Ormes Ormus Pedra Filosofal Mana- P...
Manual de Fabricação de Ouro Monoatômico Ormes Ormus Pedra Filosofal Mana- P...
 
Reacções de precipitacao
Reacções de precipitacaoReacções de precipitacao
Reacções de precipitacao
 
Sais e óxidos
Sais e óxidosSais e óxidos
Sais e óxidos
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
 
Tipos de reacções quimicas
Tipos de reacções quimicasTipos de reacções quimicas
Tipos de reacções quimicas
 
Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções.ppt
Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções.pptCapítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções.ppt
Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções.ppt
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
 
P ropriedades coligativas pc2
P ropriedades coligativas pc2P ropriedades coligativas pc2
P ropriedades coligativas pc2
 
Aulao udesc
Aulao udescAulao udesc
Aulao udesc
 
Minerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochasMinerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochas
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
 
Hidrólise salina solução-tampão e kps.pdf
Hidrólise salina solução-tampão e kps.pdfHidrólise salina solução-tampão e kps.pdf
Hidrólise salina solução-tampão e kps.pdf
 
Dinâmica Externa da Terra
Dinâmica Externa da TerraDinâmica Externa da Terra
Dinâmica Externa da Terra
 

ioes e solubilidade - fisico quimica 9ºano - Roleta quimica

  • 1. ROLETA QUIMICA Área de projecto de Físico-Química 2010
  • 2. IÕES Um átomo que perde ou ganhe electrões origina os iões. •Quando um átomo perde electrões origina um ião positivo, designado por catião. •Quando um átomo ganha electrões origina um ião negativo, designado por anião.
  • 3. REGRAS DE ESCRITA DE FÓRMULAS IÓNICAS E NOMENCLATURA •Na fórmula química indica-se primeiro o ião positivo; •Ao dar o nome ao composto, refere-se primeiro o ião negativo; •A soma das cargas positivas com as cargas negativas deve ser zero, pois o composto é electricamente neutro. O número de iões de cada tipo indica-se de lado direito do ião em questão, em índice inferior. Se se tratar de um ião poliatómico, coloca-se o ião entre parênteses. •Ao fazer o acerto da carga não se pode alterar a constituição dos iões, nem em termos de números de átomos que constitui cada ião, nem em termos da sua carga. •Na fórmula química não se indica a carga dos iões.
  • 4. O QUE SÃO SAIS? Os sais são compostos iónicos que são constituídos por iões positivos e negativos. Nos sais , a soma das cargas positivas é igual à soma das cargas negativas.
  • 5. SOLUBILIDADE A quantidade máxima de um sal que se consegue dissolver define a solubilidade do sal. Esta, defende do sal, do solvente e das condições em que ocorre a dissolução. É uma solução em que não é possível mais dissolver mais soluto, a uma dada temperatura e num dado volume de solvente. SOLUÇÃO SATURADA
  • 6. Solubilidade de sais em água Sais Solúvel Pouco solúvel Carbonatos Carbonato de Sódio Carbonato de Potássio Carbonato de Amónio Quase todos, excepto os referidos ao lado. Cloretos Quase todos, excepto os referidos ao lado. Cloreto de prata Cloreto de mercúrio Cloreto de chumbo Brometos Quase todos, excepto os referidos ao lado. Brometo de prata Brometo de mercúrio Brometo de chumbo Iodetos Quase todos, excepto os referidos ao lado. Iodeto de prata Iodeto de mercúrio Iodeto de chumbo Sulfatos Quase todos, excepto os referidos ao lado. Sulfato de bário Sulfato de chumbo Sulfato de mercúrio Nitratos Quase todos são solúveis. Sais de amónio Quase todos são solúveis. Sais de sódio Quase todos são solúveis.
  • 7. ESTALACTITES E ESTALAGMITES estalactite As reacções de precipitação assumem grande relevo na natureza. São as reacções de precipitação as responsáveis pelo aspecto das grutas calcárias. As rochas calcárias são formadas por minerais que resultam de reacções de precipitação. A água existente nesses locais é rica em hidrogénocarbonato de cálcio; à medida que a água se evapora a solução vai ficando saturada, o que leva à precipitação de carbonato de cálcio. Este vai-se depositando, originando saliências que crescem a partir do tecto – estalactites – ou do chão – estalagmites.
  • 8. MAR MORTO O Mar Morto é um grande lago situado entre Israel e a Jordânia. O seu nome surgiu devido à grande concentração de sal nas suas águas que não permite o desenvolvimento de nenhum tipo de vida. A presença densa de sal justifica a presença de outros minerais. Este mar tem características terapêuticas. Ele é famoso pelos seus mananciais térmicos e pela lama negra que se pode aplicar no corpo para limpeza da pele e melhoria da circulação sanguínea e função respiratória. A pressão atmosférica, neste lugar, é a mais elevada do planeta e na sua atmosfera a taxa de oxigénio é de 15% superior à da do nível do mar.
  • 9. NAICA CRISTAL CAVE Os maiores cristais naturais da Terra foram descobertos em duas minas, no México. Eles alcançavam cerca de 15,24 metros, pois são cristais compostos por selenita, uma forma cristalina de gesso mineral. O local que abriga os cristais ficou conhecido como a Caverna dos Cristais Gigantes. A caverna foi descoberta quando os mineiros estavam a perfurar a falha de Naica. As águas subterrâneas nestas cavernas, ricas em enxofre começaram a dissolver-se pelas paredes de pedra calcária, libertando grandes quantidades de cálcio. Estes dois juntos (cálcio e enxofre) podem formar cristais numa escala nunca antes vista.
  • 10. FIM