SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA
SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – SEMAS
      DIRETORIA DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA




PROJOVEM ADOLESCENTE – SERVIÇO SÓCIOEDUCATIVO
                       (Alexandra Machado Costa – CRESS 1517)




                       2010
Introdução
        Sucessivas deliberações em reuniões, conferências e planos da Assistência
Social em Goiânia e em âmbito nacional, indicam a necessidade de criação de um
sistema oficial de informações que facilite a mensuração da eficiência e da eficácia das
ações da Assistência Social, a transparência, o acompanhamento, a avaliação do sistema
e a realização de estudos, pesquisas e diagnósticos que contribuam com a formulação
desta política nas três esferas de governo, favorecendo a participação, o controle social e
a gestão otimizada da política, diretrizes e princípios estabelecidos na LOAS e que são o
vieses da Política Nacional de Assistência Social.
        Os sistemas de informação são componentes estruturais fundamentais à
Assistência Social, que se propõe uma política descentralizada e participativa, e
aparecem nos documentos normativos básicos diante do reconhecimento da dificuldade
de informações precisas sobre situações a serem atendidas por essa Política Pública.
        A organização, a publicização e o monitoramento de informações e dados do
cotidiano profissional, através de um banco de dados, oferecem indicadores de
avaliação que apontam e (re) direcionam projetos e prioridades.
        Segundo o PNAS “é importante que estes sistemas sirvam para a construção de
redes de informação interligando os diversos serviços e que estes tenham conhecimento
dos mecanismos de funcionamento do sistema, permitindo níveis de acesso para
consultas, informações, controle e participação. Somente com este grau de
envolvimento poderemos dizer que a informatização poderá contribuir para o avanço da
política de assistência social...”.
        O Professor Vicente Faleiros, assistente social graduado em Direito e pós-
doutorado em Ciências Sociais, enfatiza a tecnologia como um instrumento de
modernização e, ao mesmo tempo, de organização de redes comunitárias e de grupos de
fortalecimento do poder da população (FALEIROS,1996, p.32).
        Segundo o professor, doutor em Ciências Econômicas, Ladislau Dowbor, o
acesso à informação é um direito e deve ser assegurado gratuitamente como outros
serviços públicos, sendo “condição chave na construção de processos democráticos de
tomada de decisão”.
        “A Política Nacional de Assistência Social na perspectiva do Sistema Único de
Assistência Social ressalta o campo da informação, monitoramento e avaliação,
salientando que as novas tecnologias da informação e a ampliação das possibilidades de
comunicação contemporânea têm um significado, um sentido técnico e político,
podendo e devendo ser consideradas como veios estratégicos para uma melhor atuação
no tocante às políticas sociais e a nova concepção do uso da informação, do
monitoramento e da avaliação no campo da política de assistência social”.
        A PNAS avalia que a informatização da Assistência Social “precisa favorecer
um nível maior de precisão, tanto no que tange ao conhecimento dos componentes que a
geram, e que precisam ser conhecidos abundantemente, como aos dados e as
conseqüências que a política produz. Isto vai incidir em outras condições para a sua
ação, no estabelecimento de escopos ampliados, e contribuir para uma outra mensagem
de seus resultados, visando o aprimoramento e a sintonia da política com o direito
social. Trata-se de pensar políticas de monitoramento e avaliação como táticas de
ampliação e de fortificação do campo assistencial”.
        Ainda segundo a PNAS, o SUAS preconiza a Informação, o Monitoramento e a
Avaliação, enquanto “elementos essenciais e imprescindíveis à execução da política de
assistência social possibilitando a normatização dos padrões nos serviços, qualidade no
atendimento, indicadores de avaliação e resultado, nomenclatura dos serviços e da rede
socioassistencial”.
Desenvolvimento
        Considerando as peculiaridades do Projovem Adolescente, programa que é parte
da Política Nacional de Assistência Social e visa complementar a proteção social básica
à família, percebe-se sua interdependência com relação aos demais programas e ações
da Assistência Social e a necessidade de articulação permanente deste, com a sociedade
civil e com órgãos de defesa como o CMDCA, o Conselho Tutelar, a Defensoria
Pública, o Ministério Público e Poder Judiciário, para o alcance dos resultados a que se
propõe este programa, lembrando que o PJA atende jovens pertencentes às famílias do
Programa Bolsa Família - PBF, egressos de medida socioeducativa de internação ou em
cumprimento de outras medidas socioeducativas em meio aberto, em cumprimento ou
egressos de medida de proteção, egressos do Programa de Erradicação do Trabalho
Infantil – PETI e egressos ou vinculados a programas de combate à violência, ao abuso
e à exploração sexual.
        De acordo com a Portaria nº 171/2009, do MDS, que dispõe sobre o Projovem
Adolescente, cabe ao Comitê Gestor do Projovem Adolescente - Serviço
Socioeducativo, órgão colegiado de caráter deliberativo, coordenado pela Secretaria
Nacional de Assistência Social – SNAS, contribuir com a articulação intersetorial entre
a assistência social e as demais políticas públicas da ação municipal (principalmente de
educação, saúde, cultura, esporte e lazer, meio ambiente, trabalho e renda), e ainda,
definir os ajustes que se fizerem necessários para o alcance dos resultados do Projovem
Adolescente - Serviço Socioeducativo.
        Diante do exposto, encaminhamos a esta Diretoria de Proteção Social Básica,
uma proposta para a informatização da Assistência Social em Goiânia e solicitamos que
seja avaliada a possibilidade de investimento do saldo remanescente do PJA dos anos de
2008 e 2009, em um projeto que realmente seja estratégico no desenvolvimento desta
política, de acordo com as determinações da CF/88, da LOAS, do SUAS, da NOB e da
SNAS e segundo as deliberações das conferências de assistência social.
         A informatização da Assistência Social nos municípios é hoje condição
necessária à operação do PBF e demais programas do MDS. Toda a gestão do PBF e do
CadÚnico é realizada com o apoio de ferramentas informatizadas.
        O Projovem Adolescente se depara também, com estas ferramentas e com a
necessidade de acesso a informações sistematizadas, para o cumprimento de suas
expectativas.
        Registra-se aqui, relatório da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania –
SENARC que diz, sobre o sistema informatizado, que “Se o acesso é precário, o
acompanhamento das informações no sistema e os ajustes necessários podem ser
severamente prejudicados, incidindo no nível da gestão, mas também na ponta, podendo
afetar as famílias cadastradas”.
        Esta informatização significa um enorme volume de informações a serem
absorvidas (Leis, Portarias e Regulamentações, etc.), em uma lógica de “eficiência
técnica” e de quantificação de dados e atividades, redefinindo o tempo e
redimensionando as divisões político-administrativas das gestões municipais
responsáveis pelo oferecimento dos serviços ligados às condicionalidades do Programa
(educação, saúde, assistência social), em uma construção que demanda grande
divulgação e discussão de modo descentralizado e participativo, com os diversos setores
envolvidos: Conselho Municipal da Assistência Social, sociedade civil organizada,
técnicos e comunidade, de acordo com o artigo 6º da LOAS.
        No âmbito da atuação do município e em consonância com os princípios e
diretrizes estabelecidos na Política Nacional de Assistência Social, pode-se afirmar que
é premente a necessidade de melhor monitoramento e avaliação das ações do município,
voltadas para a Juventude, bem como a sistematização de informações em um banco de
dados para diagnósticos e estudos técnicos com o objetivo de alcançar resultados
integrados e promover impacto positivo nas condições de vida desta juventude e
concomitantemente de suas famílias e comunidades.
Conclusão
        O que se propõe aqui, é a implantação de uma política articulada de informação
e monitoramento da assistência social em Goiânia, para além da retórica, com vistas a
promoção de novos patamares de desenvolvimento desta política, de acordo com as
determinações do SUAS, maximizando a efetividade, a eficiência e a eficácia no
planejamento e nas ações, com um sistema de acompanhamento da rede
socioassistencial, para alocação de recursos, favorecendo a participação e o controle
social, garantindo a divulgação dos benefícios, serviços, programas e projetos da área e
identificando indicadores, implicações e resultados para avaliação do impacto das ações
da Assistência Social.
        Tal política pode ser capaz de alcançar indivíduos dispersos e desorganizados,
na perspectiva do fomento ao protagonismo desses atores sociais, “enquanto sujeitos
não mais sub-representados”, cidadãos com direitos publicizados e controlados
socialmente, vindo a ser canal de participação que informa e promove mecanismos de
participação de profissionais e usuários da Assistência Social em conselhos, fóruns,
eventos temáticos e ouvidoria, por exemplo.
        Embora existam leis específicas que tratem dos subsídios financeiros do
Projovem Adolescente e estas tenham sido observadas para a construção deste
documento, solicitamos que seja feito, junto às instâncias de competência – jurídicas,
administrativas e representativas, estudo mais preciso sobre a possibilidade de utilização
do saldo remanescente do PJA nos anos de 2008 e 2009 na viabilização do projeto que
segue em anexo, para a informatização da Assistência Social em Goiânia, o que
resignificaria em muito a resolutividade das ações e a qualidade dos serviços e dos
processos de trabalho na área da assistência social, da gestão e do controle social.
        O PJA de Goiânia acredita na Política Nacional de Assistência Social e entende
que neste momento, é crucial, tanto à gestão quanto à operação das políticas
assistenciais, este salto de modernização rumo à produção de informações e
conhecimento para gestores, conselheiros, usuários, trabalhadores e entidades afins.
        Por entender que o PJA não possui objetivos e fins isolados em si, mas depende
de articulações e do sucesso da Política de Assistência em seu todo.
        Ressalte-se aqui, a Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação (SAGI), do
MDS, que é responsável pela avaliação e pelo monitoramento de políticas, programas,
projetos e serviços implementados pelo Ministério do Desenvolvimento Social e
Combate à Fome (MDS).
        Esta Secretaria possui competência para “elaborar, propor, coordenar e apoiar a
implementação de planos, programas, projetos e ações de desenvolvimento social e
combate à fome, voltados à promoção da capacidade de pensamento e formulação
estratégicos, incluindo-se desenvolvimento de sistemas de identificação de populações e
áreas vulneráveis, acompanhamento, avaliação e divulgação de resultados e do
desempenho organizacional”, dentro de concepções de estruturas organizacionais
eficientes, que promovem a transparência e o controle social, através de sistemas de
informações, aprendizado, competências e conhecimentos necessários a excelência dos
processos organizacionais.
        Por estes fatores aqui elencados, solicitamos desta Secretaria Municipal de
Assistência Social de Goiânia – SEMAS, por intermédio da Diretoria de Proteção Social
Básica, a apreciação do Projeto de Inclusão Social Digitalizada e em seguida, seu
encaminhamento ao Conselho Municipal de Assistência Social-CMASGyn, e ao MDS.
Alexandra Machado Costa – Coordenação PJA Goiânia – 24 de fevereiro, 2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cras que temos_cras_que_queremos-1
Cras que temos_cras_que_queremos-1Cras que temos_cras_que_queremos-1
Cras que temos_cras_que_queremos-1
NandaTome
 
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudosCapacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
opensador
 
Manual de instruções cras
Manual de instruções crasManual de instruções cras
Manual de instruções cras
Rosane Domingues
 
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20socialOficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
NandaTome
 
23. apresentação cras gloria 2
23. apresentação cras gloria 223. apresentação cras gloria 2
23. apresentação cras gloria 2
NandaTome
 
20. apresentação cras 5ª_unidade
20. apresentação cras 5ª_unidade20. apresentação cras 5ª_unidade
20. apresentação cras 5ª_unidade
NandaTome
 
Trabalho gleydson censu suas
Trabalho gleydson censu suasTrabalho gleydson censu suas
Trabalho gleydson censu suas
Felipe Fagundes
 

Mais procurados (20)

ISD SEMAS
ISD SEMASISD SEMAS
ISD SEMAS
 
Cras que temos_cras_que_queremos-1
Cras que temos_cras_que_queremos-1Cras que temos_cras_que_queremos-1
Cras que temos_cras_que_queremos-1
 
Fases do processo socioeducativo
Fases do processo socioeducativoFases do processo socioeducativo
Fases do processo socioeducativo
 
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudosCapacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
 
A atuação-do-assistente-social-na-gestão-municipal-da-política-pública-de-as
A atuação-do-assistente-social-na-gestão-municipal-da-política-pública-de-asA atuação-do-assistente-social-na-gestão-municipal-da-política-pública-de-as
A atuação-do-assistente-social-na-gestão-municipal-da-política-pública-de-as
 
Palestra oficial padrão x CONFEAS
Palestra oficial padrão x CONFEASPalestra oficial padrão x CONFEAS
Palestra oficial padrão x CONFEAS
 
Manual de instruções cras
Manual de instruções crasManual de instruções cras
Manual de instruções cras
 
Oficina de Educação Popular em Saúde para a formação de apoiadores da Polític...
Oficina de Educação Popular em Saúde para a formação de apoiadores da Polític...Oficina de Educação Popular em Saúde para a formação de apoiadores da Polític...
Oficina de Educação Popular em Saúde para a formação de apoiadores da Polític...
 
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20socialOficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
 
Apresentação gestão e planejamento em serviço social 2
Apresentação  gestão e  planejamento em serviço social 2Apresentação  gestão e  planejamento em serviço social 2
Apresentação gestão e planejamento em serviço social 2
 
Projeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIALProjeto UPP SOCIAL
Projeto UPP SOCIAL
 
Balanco_Social_digital
Balanco_Social_digitalBalanco_Social_digital
Balanco_Social_digital
 
Assistência pnas suas giani
Assistência pnas suas gianiAssistência pnas suas giani
Assistência pnas suas giani
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
 
PARÂMETROS PARA ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS E PSICÓLOGOS (AS) NA POLÍTICA ...
PARÂMETROS PARA ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS E PSICÓLOGOS (AS) NA POLÍTICA ...PARÂMETROS PARA ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS E PSICÓLOGOS (AS) NA POLÍTICA ...
PARÂMETROS PARA ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS E PSICÓLOGOS (AS) NA POLÍTICA ...
 
23. apresentação cras gloria 2
23. apresentação cras gloria 223. apresentação cras gloria 2
23. apresentação cras gloria 2
 
Atps de desenvolvimento Local e Territorialização 8º semestre
Atps de desenvolvimento Local e Territorialização  8º semestre Atps de desenvolvimento Local e Territorialização  8º semestre
Atps de desenvolvimento Local e Territorialização 8º semestre
 
Lei atuação do psicólogo no cras
Lei atuação do psicólogo no crasLei atuação do psicólogo no cras
Lei atuação do psicólogo no cras
 
20. apresentação cras 5ª_unidade
20. apresentação cras 5ª_unidade20. apresentação cras 5ª_unidade
20. apresentação cras 5ª_unidade
 
Trabalho gleydson censu suas
Trabalho gleydson censu suasTrabalho gleydson censu suas
Trabalho gleydson censu suas
 

Destaque (9)

Projeto Crescer e Aparecer PJA - Gyn
Projeto Crescer e Aparecer  PJA - GynProjeto Crescer e Aparecer  PJA - Gyn
Projeto Crescer e Aparecer PJA - Gyn
 
Jóquei Clube de Goiás
Jóquei Clube de GoiásJóquei Clube de Goiás
Jóquei Clube de Goiás
 
Carta aberta à Presidente Dilma Roussef
Carta aberta à Presidente Dilma RoussefCarta aberta à Presidente Dilma Roussef
Carta aberta à Presidente Dilma Roussef
 
Agenda ambiental
Agenda ambientalAgenda ambiental
Agenda ambiental
 
Boletim AMSA (Frente)
Boletim AMSA (Frente)Boletim AMSA (Frente)
Boletim AMSA (Frente)
 
PPA PJA - Gyn.
PPA PJA - Gyn.PPA PJA - Gyn.
PPA PJA - Gyn.
 
Horta Pedagógica
Horta PedagógicaHorta Pedagógica
Horta Pedagógica
 
Projeto Ser Um Mano
Projeto Ser Um ManoProjeto Ser Um Mano
Projeto Ser Um Mano
 
Educação, saúde, assistência social e (in)segurança pública em Goiânia
Educação, saúde, assistência social e (in)segurança pública em Goiânia Educação, saúde, assistência social e (in)segurança pública em Goiânia
Educação, saúde, assistência social e (in)segurança pública em Goiânia
 

Semelhante a ISD

TRABALHO_Aluizio Louzada Velloso Junior TCC REVISÃO DEPOIS DA BANCCA
TRABALHO_Aluizio Louzada Velloso Junior TCC REVISÃO DEPOIS DA BANCCATRABALHO_Aluizio Louzada Velloso Junior TCC REVISÃO DEPOIS DA BANCCA
TRABALHO_Aluizio Louzada Velloso Junior TCC REVISÃO DEPOIS DA BANCCA
Aluizio Louzada Velloso Junior
 
1 capacitação para controle social nos municipios
1  capacitação para controle social nos municipios1  capacitação para controle social nos municipios
1 capacitação para controle social nos municipios
Alinebrauna Brauna
 
Caderno suas volume_3_-_planos_de_assistencia_social_diretrizes_para_elaboracao
Caderno suas volume_3_-_planos_de_assistencia_social_diretrizes_para_elaboracaoCaderno suas volume_3_-_planos_de_assistencia_social_diretrizes_para_elaboracao
Caderno suas volume_3_-_planos_de_assistencia_social_diretrizes_para_elaboracao
Onésimo Remígio
 
15 caderno de estudos nº 12 versão completa
15  caderno de estudos nº 12 versão completa15  caderno de estudos nº 12 versão completa
15 caderno de estudos nº 12 versão completa
Alinebrauna Brauna
 
Desenvolvimento local ok pronta pra enviar
Desenvolvimento local  ok pronta pra enviarDesenvolvimento local  ok pronta pra enviar
Desenvolvimento local ok pronta pra enviar
soljeniffer
 

Semelhante a ISD (20)

Caderno 21x29 7-assistencia
Caderno 21x29 7-assistenciaCaderno 21x29 7-assistencia
Caderno 21x29 7-assistencia
 
Curso completo do sus 8
Curso completo do sus 8Curso completo do sus 8
Curso completo do sus 8
 
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
 
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudosCapacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
Capacitacao de conselheiros de assistencia social guia de estudos
 
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL ago 2022.pptx
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL  ago 2022.pptxCAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL  ago 2022.pptx
CAPACITACAO CONSELHOS DA ASSISTENCIA SOCIAL ago 2022.pptx
 
13 suas case vermelho
13  suas case vermelho13  suas case vermelho
13 suas case vermelho
 
Termo de Referência para a criação do Observatório Social de Santa Catarina
Termo de Referência para a criação do Observatório Social de Santa Catarina Termo de Referência para a criação do Observatório Social de Santa Catarina
Termo de Referência para a criação do Observatório Social de Santa Catarina
 
TRABALHO_Aluizio Louzada Velloso Junior TCC REVISÃO DEPOIS DA BANCCA
TRABALHO_Aluizio Louzada Velloso Junior TCC REVISÃO DEPOIS DA BANCCATRABALHO_Aluizio Louzada Velloso Junior TCC REVISÃO DEPOIS DA BANCCA
TRABALHO_Aluizio Louzada Velloso Junior TCC REVISÃO DEPOIS DA BANCCA
 
PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO DIRETA NOS RESULTADOS
PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO DIRETA NOS RESULTADOSPROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO DIRETA NOS RESULTADOS
PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO DIRETA NOS RESULTADOS
 
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em DebateCadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
Cadernos de Estudos nº 16: Desenvolvimento Social em Debate
 
1 capacitação para controle social nos municipios
1  capacitação para controle social nos municipios1  capacitação para controle social nos municipios
1 capacitação para controle social nos municipios
 
Agenda SGDCA Online
Agenda SGDCA OnlineAgenda SGDCA Online
Agenda SGDCA Online
 
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...
Agenda Colaborativa para o Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos ...
 
Caderno suas volume_3_-_planos_de_assistencia_social_diretrizes_para_elaboracao
Caderno suas volume_3_-_planos_de_assistencia_social_diretrizes_para_elaboracaoCaderno suas volume_3_-_planos_de_assistencia_social_diretrizes_para_elaboracao
Caderno suas volume_3_-_planos_de_assistencia_social_diretrizes_para_elaboracao
 
Trabalho cras
Trabalho crasTrabalho cras
Trabalho cras
 
15 caderno de estudos nº 12 versão completa
15  caderno de estudos nº 12 versão completa15  caderno de estudos nº 12 versão completa
15 caderno de estudos nº 12 versão completa
 
Oficina cmds tema 1
Oficina cmds   tema 1Oficina cmds   tema 1
Oficina cmds tema 1
 
Desenvolvimento local ok pronta pra enviar
Desenvolvimento local  ok pronta pra enviarDesenvolvimento local  ok pronta pra enviar
Desenvolvimento local ok pronta pra enviar
 
Dicionário de termos técnicos da assistência social
Dicionário de termos técnicos da assistência socialDicionário de termos técnicos da assistência social
Dicionário de termos técnicos da assistência social
 
Dicionario Assistente Social
Dicionario Assistente SocialDicionario Assistente Social
Dicionario Assistente Social
 

Mais de Alexandra Machado Costa

Mais de Alexandra Machado Costa (9)

Boletim AMSA (Verso)
Boletim AMSA (Verso)Boletim AMSA (Verso)
Boletim AMSA (Verso)
 
Artigo Funcionário Público
Artigo  Funcionário PúblicoArtigo  Funcionário Público
Artigo Funcionário Público
 
Nova versão da famosa parábola da formiga e a cigarra
Nova versão da famosa parábola da formiga e a cigarraNova versão da famosa parábola da formiga e a cigarra
Nova versão da famosa parábola da formiga e a cigarra
 
Relatório de fotos do PJA
Relatório de fotos do PJARelatório de fotos do PJA
Relatório de fotos do PJA
 
Programa de Horta Urbana
Programa de Horta UrbanaPrograma de Horta Urbana
Programa de Horta Urbana
 
VALEC / MDS
VALEC / MDSVALEC / MDS
VALEC / MDS
 
Bairro Novo Paraíso
Bairro Novo ParaísoBairro Novo Paraíso
Bairro Novo Paraíso
 
Ferrovia Norte Sul
Ferrovia Norte Sul Ferrovia Norte Sul
Ferrovia Norte Sul
 
Campanha De Natal Na Valec - Campo Limpo de Goiás/GO
Campanha De Natal Na Valec - Campo Limpo de Goiás/GOCampanha De Natal Na Valec - Campo Limpo de Goiás/GO
Campanha De Natal Na Valec - Campo Limpo de Goiás/GO
 

Último

Último (8)

ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 

ISD

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – SEMAS DIRETORIA DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA PROJOVEM ADOLESCENTE – SERVIÇO SÓCIOEDUCATIVO (Alexandra Machado Costa – CRESS 1517) 2010
  • 2. Introdução Sucessivas deliberações em reuniões, conferências e planos da Assistência Social em Goiânia e em âmbito nacional, indicam a necessidade de criação de um sistema oficial de informações que facilite a mensuração da eficiência e da eficácia das ações da Assistência Social, a transparência, o acompanhamento, a avaliação do sistema e a realização de estudos, pesquisas e diagnósticos que contribuam com a formulação desta política nas três esferas de governo, favorecendo a participação, o controle social e a gestão otimizada da política, diretrizes e princípios estabelecidos na LOAS e que são o vieses da Política Nacional de Assistência Social. Os sistemas de informação são componentes estruturais fundamentais à Assistência Social, que se propõe uma política descentralizada e participativa, e aparecem nos documentos normativos básicos diante do reconhecimento da dificuldade de informações precisas sobre situações a serem atendidas por essa Política Pública. A organização, a publicização e o monitoramento de informações e dados do cotidiano profissional, através de um banco de dados, oferecem indicadores de avaliação que apontam e (re) direcionam projetos e prioridades. Segundo o PNAS “é importante que estes sistemas sirvam para a construção de redes de informação interligando os diversos serviços e que estes tenham conhecimento dos mecanismos de funcionamento do sistema, permitindo níveis de acesso para consultas, informações, controle e participação. Somente com este grau de envolvimento poderemos dizer que a informatização poderá contribuir para o avanço da política de assistência social...”. O Professor Vicente Faleiros, assistente social graduado em Direito e pós- doutorado em Ciências Sociais, enfatiza a tecnologia como um instrumento de modernização e, ao mesmo tempo, de organização de redes comunitárias e de grupos de fortalecimento do poder da população (FALEIROS,1996, p.32). Segundo o professor, doutor em Ciências Econômicas, Ladislau Dowbor, o acesso à informação é um direito e deve ser assegurado gratuitamente como outros serviços públicos, sendo “condição chave na construção de processos democráticos de tomada de decisão”. “A Política Nacional de Assistência Social na perspectiva do Sistema Único de Assistência Social ressalta o campo da informação, monitoramento e avaliação, salientando que as novas tecnologias da informação e a ampliação das possibilidades de comunicação contemporânea têm um significado, um sentido técnico e político, podendo e devendo ser consideradas como veios estratégicos para uma melhor atuação no tocante às políticas sociais e a nova concepção do uso da informação, do monitoramento e da avaliação no campo da política de assistência social”. A PNAS avalia que a informatização da Assistência Social “precisa favorecer um nível maior de precisão, tanto no que tange ao conhecimento dos componentes que a geram, e que precisam ser conhecidos abundantemente, como aos dados e as conseqüências que a política produz. Isto vai incidir em outras condições para a sua ação, no estabelecimento de escopos ampliados, e contribuir para uma outra mensagem de seus resultados, visando o aprimoramento e a sintonia da política com o direito social. Trata-se de pensar políticas de monitoramento e avaliação como táticas de ampliação e de fortificação do campo assistencial”. Ainda segundo a PNAS, o SUAS preconiza a Informação, o Monitoramento e a Avaliação, enquanto “elementos essenciais e imprescindíveis à execução da política de assistência social possibilitando a normatização dos padrões nos serviços, qualidade no
  • 3. atendimento, indicadores de avaliação e resultado, nomenclatura dos serviços e da rede socioassistencial”.
  • 4. Desenvolvimento Considerando as peculiaridades do Projovem Adolescente, programa que é parte da Política Nacional de Assistência Social e visa complementar a proteção social básica à família, percebe-se sua interdependência com relação aos demais programas e ações da Assistência Social e a necessidade de articulação permanente deste, com a sociedade civil e com órgãos de defesa como o CMDCA, o Conselho Tutelar, a Defensoria Pública, o Ministério Público e Poder Judiciário, para o alcance dos resultados a que se propõe este programa, lembrando que o PJA atende jovens pertencentes às famílias do Programa Bolsa Família - PBF, egressos de medida socioeducativa de internação ou em cumprimento de outras medidas socioeducativas em meio aberto, em cumprimento ou egressos de medida de proteção, egressos do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil – PETI e egressos ou vinculados a programas de combate à violência, ao abuso e à exploração sexual. De acordo com a Portaria nº 171/2009, do MDS, que dispõe sobre o Projovem Adolescente, cabe ao Comitê Gestor do Projovem Adolescente - Serviço Socioeducativo, órgão colegiado de caráter deliberativo, coordenado pela Secretaria Nacional de Assistência Social – SNAS, contribuir com a articulação intersetorial entre a assistência social e as demais políticas públicas da ação municipal (principalmente de educação, saúde, cultura, esporte e lazer, meio ambiente, trabalho e renda), e ainda, definir os ajustes que se fizerem necessários para o alcance dos resultados do Projovem Adolescente - Serviço Socioeducativo. Diante do exposto, encaminhamos a esta Diretoria de Proteção Social Básica, uma proposta para a informatização da Assistência Social em Goiânia e solicitamos que seja avaliada a possibilidade de investimento do saldo remanescente do PJA dos anos de 2008 e 2009, em um projeto que realmente seja estratégico no desenvolvimento desta política, de acordo com as determinações da CF/88, da LOAS, do SUAS, da NOB e da SNAS e segundo as deliberações das conferências de assistência social. A informatização da Assistência Social nos municípios é hoje condição necessária à operação do PBF e demais programas do MDS. Toda a gestão do PBF e do CadÚnico é realizada com o apoio de ferramentas informatizadas. O Projovem Adolescente se depara também, com estas ferramentas e com a necessidade de acesso a informações sistematizadas, para o cumprimento de suas expectativas. Registra-se aqui, relatório da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania – SENARC que diz, sobre o sistema informatizado, que “Se o acesso é precário, o acompanhamento das informações no sistema e os ajustes necessários podem ser severamente prejudicados, incidindo no nível da gestão, mas também na ponta, podendo afetar as famílias cadastradas”. Esta informatização significa um enorme volume de informações a serem absorvidas (Leis, Portarias e Regulamentações, etc.), em uma lógica de “eficiência técnica” e de quantificação de dados e atividades, redefinindo o tempo e redimensionando as divisões político-administrativas das gestões municipais responsáveis pelo oferecimento dos serviços ligados às condicionalidades do Programa (educação, saúde, assistência social), em uma construção que demanda grande divulgação e discussão de modo descentralizado e participativo, com os diversos setores envolvidos: Conselho Municipal da Assistência Social, sociedade civil organizada, técnicos e comunidade, de acordo com o artigo 6º da LOAS. No âmbito da atuação do município e em consonância com os princípios e diretrizes estabelecidos na Política Nacional de Assistência Social, pode-se afirmar que
  • 5. é premente a necessidade de melhor monitoramento e avaliação das ações do município, voltadas para a Juventude, bem como a sistematização de informações em um banco de dados para diagnósticos e estudos técnicos com o objetivo de alcançar resultados integrados e promover impacto positivo nas condições de vida desta juventude e concomitantemente de suas famílias e comunidades.
  • 6. Conclusão O que se propõe aqui, é a implantação de uma política articulada de informação e monitoramento da assistência social em Goiânia, para além da retórica, com vistas a promoção de novos patamares de desenvolvimento desta política, de acordo com as determinações do SUAS, maximizando a efetividade, a eficiência e a eficácia no planejamento e nas ações, com um sistema de acompanhamento da rede socioassistencial, para alocação de recursos, favorecendo a participação e o controle social, garantindo a divulgação dos benefícios, serviços, programas e projetos da área e identificando indicadores, implicações e resultados para avaliação do impacto das ações da Assistência Social. Tal política pode ser capaz de alcançar indivíduos dispersos e desorganizados, na perspectiva do fomento ao protagonismo desses atores sociais, “enquanto sujeitos não mais sub-representados”, cidadãos com direitos publicizados e controlados socialmente, vindo a ser canal de participação que informa e promove mecanismos de participação de profissionais e usuários da Assistência Social em conselhos, fóruns, eventos temáticos e ouvidoria, por exemplo. Embora existam leis específicas que tratem dos subsídios financeiros do Projovem Adolescente e estas tenham sido observadas para a construção deste documento, solicitamos que seja feito, junto às instâncias de competência – jurídicas, administrativas e representativas, estudo mais preciso sobre a possibilidade de utilização do saldo remanescente do PJA nos anos de 2008 e 2009 na viabilização do projeto que segue em anexo, para a informatização da Assistência Social em Goiânia, o que resignificaria em muito a resolutividade das ações e a qualidade dos serviços e dos processos de trabalho na área da assistência social, da gestão e do controle social. O PJA de Goiânia acredita na Política Nacional de Assistência Social e entende que neste momento, é crucial, tanto à gestão quanto à operação das políticas assistenciais, este salto de modernização rumo à produção de informações e conhecimento para gestores, conselheiros, usuários, trabalhadores e entidades afins. Por entender que o PJA não possui objetivos e fins isolados em si, mas depende de articulações e do sucesso da Política de Assistência em seu todo. Ressalte-se aqui, a Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação (SAGI), do MDS, que é responsável pela avaliação e pelo monitoramento de políticas, programas, projetos e serviços implementados pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Esta Secretaria possui competência para “elaborar, propor, coordenar e apoiar a implementação de planos, programas, projetos e ações de desenvolvimento social e combate à fome, voltados à promoção da capacidade de pensamento e formulação estratégicos, incluindo-se desenvolvimento de sistemas de identificação de populações e áreas vulneráveis, acompanhamento, avaliação e divulgação de resultados e do desempenho organizacional”, dentro de concepções de estruturas organizacionais eficientes, que promovem a transparência e o controle social, através de sistemas de informações, aprendizado, competências e conhecimentos necessários a excelência dos processos organizacionais. Por estes fatores aqui elencados, solicitamos desta Secretaria Municipal de Assistência Social de Goiânia – SEMAS, por intermédio da Diretoria de Proteção Social Básica, a apreciação do Projeto de Inclusão Social Digitalizada e em seguida, seu encaminhamento ao Conselho Municipal de Assistência Social-CMASGyn, e ao MDS. Alexandra Machado Costa – Coordenação PJA Goiânia – 24 de fevereiro, 2010