SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Resposta à Presidente Dilma Roussef
Recentemente, a senhora disse que "cabe a todos nós, servidores públicos, responder essas
vozes" que clamam por soluções para as mazelas de nosso país e por qualidade nos serviços
públicos.
Sou servidora pública desde 1990 e há 4 anos sou concursada.Tive a oportunidade de
trabalhar muito com o PT e conheci bem de perto as teorias que me convenceram a acreditar nos
programas do seu partido. Fui militante. Sai por não ver acontecer nada do que era a proposta
inicial. Já no primeiro discurso de posse de Lula, fiquei desapontada e aos poucos percebi que
estava acontecendo com o PT, o que eu previ em 1993. Aqui estamos.
Luto muito para defender o que aprendi quando estive no PT, não desistirei nunca!
Então, peço à V. Excelência, que se atente às mudanças de concepção que se fazem
necessárias nesta era de transformações socioeconômicas.
O Prof. Márcio Pochmann, doutor em Ciência Econômica, já disse que “continuamos
discutindo as condições de trabalho como herdeiros do capitalismo do século XX”, afirmando que
“é preciso considerar que estamos diante de uma nova possibilidade técnica de organização do
trabalho, com jornadas diárias menores e ingresso no mercado de trabalho somente aos 25 anos”,
considerando que “antes, a pessoa deve ser totalmente integrada a uma educação que deve ser
recebida ao longo de toda sua vida, diante da complexidade da sociedade contemporânea”.
Chega de não ver que a juventude serve de mão de obra barata e ocupa vagas que serviriam
para chefes de família e que o baixo poder de compra salarial remete famílias inteiras ao mercado
de trabalho, aumentando o exército de reserva. E que as famílias, quase nunca conseguem garantir
aos seus membros, saúde, educação, lazer, moradia e transporte com dignidade mínima, nos
serviços públicos, embora os tributos fiscais destinados a garantir estes direitos básicos, onerem
mercado e sociedade. O trabalho na juventude é, estatisticamente, motivo de evasão escolar, e esta é
a causa da falta de qualificação profissional no mercado.
Quero aqui, discordar da forma com que é tratada a questão do trabalho. Da idéia purista de
que “o trabalho dignifica o homem”, mas que não pondera que o trabalho não é uma exclusividade
material ou física, considerando que ele também se resulta de atividade afetiva (emocional) e
intelectual (cognitiva).
Na verdade, acredito que se pensarmos bem, não permitiremos a entrada de pessoas em
formação, no mercado de trabalho, pois este é um campo perigoso, pernicioso mesmo, repleto de
maus costumes e de exploração. Além do mais, ao adentrar o mercado, o (a) jovem passa a ser
responsável por si, a ir e vir por conta própria; em contrapartida, tem menos tempo para o convívio
familiar, para os estudos, o lazer; adquire maus hábitos pessoais e sociais.
Também não comungo das maravilhas das creches e escolas integrais. Estas, devem valer
como opção, não condição ou ideal. É a família que deve criar seus filhos, não o Estado. A
prerrogativa das escolas integrais e creches é parte da idéia desenvolvimentista, e deveria ter sido
efetivada nos idos dos anos 70, mas já não servem para este século, quando a desacelaração do
tempo e a convivência familiar e social, além dos hábitos sociais, exigem novos comportamentos;
Quando pensamos em saúde, apenas reclamamos sobre as condições para o tratamento de
doenças, raramente pensando ou interferindo para que a doença não acometa. Bertrand Russel, em
O Elogio ao Ócio, afirma categoricamente, que “a moral do trabalho é uma moral de escravos, e o
mundo moderno não precisa de escravidão”. Russel, nos anos de 1935, já defendia quatro horas
diárias de trabalho e dizia que só assim “haverá felicidade e alegria de viver, em vez de nervos em
frangalhos, fadiga e má digestão”. Neste caso, a previdência social pode contribuir com dados sobre
idades e problemas de saúde que demandam afastamentos remunerados e aposentadorias precoces.
Costumo dizer que o mercado de trabalho estraga e o INSS paga...
O Brasil precisa pensar no lazer de sua população, garantindo por exemplo, o funcionamento
de parques públicos em turno noturno, durante a semana, e 24 horas nos finais de semana, com a
devida segurança e espaços para alimentação saudável e recreação completa (arvorismo, jogos de
vôlei, squash, basquete, tênis de mesa etc. e também concertos, shows de arte, biblioteca, cafenet,
clubes de leitura, do vídeo, videoteca e oficinas permanentes diversas, como: de arte, de produção,
de beleza e saúde, educativas para o meio ambiente, as vocações, as relações, o trabalho voluntário),
para pessoas que cumprem turnos irregulares de trabalho, considerando que o setor privado, investe
em lazer e entretenimento, mas não se preocupa com os efeitos do que oferecem e trabalham 24
horas por dia. São bares, boates, lan houses, festas psicodélicas, postos de conveniência. A escala é
industrial. No setor público, a escala é artesanal, e os resultados, podemos ver: violência nas noites,
toxicomanias, insatisfação pessoal, egocentrismo e perda de vários valores humanos coletivos
essenciais, em uma sociedade fútil, com apego em valores efêmeros e sem preocupação com a
saúde e com a vida.
É fundamental constituirmos um Movimento junto a trabalhadores (as), patroas e patrões,
em uma ação genuinamente voltada para o bem comum, os ideais coletivos e a emancipação do
homem, através do investimento na produção do pensamento coletivo acerca das questões humanas,
associando a prática cotidiana aos ideais teóricos, através de estratégias da administração de
empresa; que de forma inteligente, se destine a contribuir com um mundo de vidas mais felizes,
com significados positivos.
Na pauta deste Movimento, questões como diminuição de jornada de trabalho, direitos e
deveres trabalhistas e patronais, entre outros temas relevantes que afetem diretamente a classe
trabalhadora e a sociedade em geral, requalificando postos de trabalho e refletindo sobre condições
e modernização do trabalho, no sentido de ampliarmos o grau de satisfação de patrões,
trabalhadores e usuários dos serviços e produtos oferecidos, pois não é apenas o setor público que
carece de mudanças e seriedade em sua condução; a realidade econômica mundial nos remete a
obrigação de buscarmos novos rumos para o consumo e a produção de bens e serviços, que
garantam padrão de qualidade e sustentabilidade socioambiental.
A diversidade de opções do mercado exige competitividade. Por outro lado, administradores
modernos indicam a visão de futuro como sendo quesito para qualquer empreendimento de sucesso,
além do investimento no capital humano, com treinamentos e assistência aos funcionários, que
acabam melhorando a produtividade, buscando realmente a inovação de alguns valores, regras e
comportamentos, tanto no mercado quanto na sociedade como um todo. A consolidação dos direitos
humanos só se dará com novas relações que não indiquem explorado e explorador, na superação da
visão mercadológica do arcaico capitalismo selvagem, onde tudo é mercadoria, onde o lucro e a
vantagem são premissas básicas.
É tempo de investirmos em uma discussão fundamental, de acordo com Freud, para a nossa
felicidade, enquanto humanidade: a nossa sexualidade. O aborto, os inúmeros e até os ignorados
estupros que sabemos que existem, em nosso país, a violência doméstica, a iniciação sexual e
gravidez precoce. Ora, se nossa sociedade joga feto/bebê vivo no lixo, ou se mata antes de jogar,
isto não é problema de foro íntimo, apenas. Se nossos homens (moços, até) se comportam como
bestas, como animais rupestres, e estupram, violentam, desacolhem suas crias (mesmo que sejam
frutos de relação “extemporânea”…), isto é uma questão de saúde mental, cultural e de educação e
de segurança… É sim, uma questão de Estado. Ora, se mulher não quer filho, se preserve; existem
vários meios. Não tem que jogar fora – de uma vez por todas, é o que penso. Nossa sociedade
precisa entender a lei da ação e da reação.
Bertrand Russel, em O Elogio ao Ócio, apregoa que “é necessária uma reforma educacional
radical para que o conhecimento, o aprendizado e o saber sejam valorizados em si mesmo e para
que o ócio, a diversão e o lazer substituam o trabalho como atividades dignificantes”.
Nossa sociedade precisa parar de educar e de viver para satisfazer o mercado. Precisa pensar
a vida que vive e a vida que quer, trabalhando neste sentido. O setor público precisa parar de
governar para o mercado. Desenvolver políticas educacionais para além da escola formal,
utilizando-se para isto, da Assistência Social, por exemplo, que deve fazer mais do que oferecer
bolsas de auxílio. Precisa de uma Educação que alcance crianças e jovens e adultos, para uma
sociedade que avance em sentido contrário ao da barbárie que temos visto.
O planejamento familiar, o estímulo aos bons hábitos da alimentação saudável, da prática
diária de atividades físicas e a preocupação com o meio ambiente, retomando as discussões e
atividades da antiga Agenda 21, são premissas básicas para as mudanças que o Brasil enseja.
Precisamos de investimentos em pesquisas nos campos da biologia, da tecnologia e também
da sociologia e demais ciências humanas, nas quais quase nada, ou bem pouco, se investe.
Trabalho com foco nestas questões após estudos, desde 2000. Como já tentei muito
argumentar estas questões nos espaços do PT, do PMDB e até do PSDB, em vão, e por constatar
que a cada dia, são mais pertinentes, solicito a atenção de Vossa Excelência.
Alexandra Machado Costa, assistente social, poetisa, servidora da Prefeitura de Goiânia/SMS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diana sofia coimbra marques
Diana sofia coimbra marquesDiana sofia coimbra marques
Diana sofia coimbra marques
Liliana Matos
 
Cooperativismo na Comunidade
Cooperativismo na ComunidadeCooperativismo na Comunidade
Cooperativismo na Comunidade
sandras_
 
Palestra area da_saude
Palestra area da_saudePalestra area da_saude
Palestra area da_saude
Paulo H Bueno
 
A vida cada vez mais longa
A vida cada vez mais longaA vida cada vez mais longa
A vida cada vez mais longa
vitadenarium
 
Idosos no mercado de trabalho
Idosos no mercado de trabalhoIdosos no mercado de trabalho
Idosos no mercado de trabalho
Vivianny Mundim
 

Mais procurados (20)

Responsabilidade social e as empresas do futuro
Responsabilidade social e as empresas do futuro   Responsabilidade social e as empresas do futuro
Responsabilidade social e as empresas do futuro
 
Idoso no mercado de trabalho
Idoso no mercado de trabalho Idoso no mercado de trabalho
Idoso no mercado de trabalho
 
.
..
.
 
Diana sofia coimbra marques
Diana sofia coimbra marquesDiana sofia coimbra marques
Diana sofia coimbra marques
 
inss-tribu-roberto
inss-tribu-robertoinss-tribu-roberto
inss-tribu-roberto
 
Programa de governo rafael 50 v1
Programa de governo rafael 50 v1Programa de governo rafael 50 v1
Programa de governo rafael 50 v1
 
Cooperativismo na Comunidade
Cooperativismo na ComunidadeCooperativismo na Comunidade
Cooperativismo na Comunidade
 
Palestra area da_saude
Palestra area da_saudePalestra area da_saude
Palestra area da_saude
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
Serviço social a 3° idade uma práxis profissional
Serviço social a 3° idade  uma práxis profissionalServiço social a 3° idade  uma práxis profissional
Serviço social a 3° idade uma práxis profissional
 
A vida cada vez mais longa
A vida cada vez mais longaA vida cada vez mais longa
A vida cada vez mais longa
 
Convergências, pensões e os golpes dos ladrões
Convergências, pensões e os golpes dos ladrõesConvergências, pensões e os golpes dos ladrões
Convergências, pensões e os golpes dos ladrões
 
O Idoso Na Sociedade Atual
O Idoso Na Sociedade AtualO Idoso Na Sociedade Atual
O Idoso Na Sociedade Atual
 
Idosos no mercado de trabalho
Idosos no mercado de trabalhoIdosos no mercado de trabalho
Idosos no mercado de trabalho
 
Cfe2010
Cfe2010Cfe2010
Cfe2010
 
O ENSINO SUPERIOR NO DISTRITO DE SANTARÉM
O ENSINO SUPERIOR NO DISTRITO DE SANTARÉMO ENSINO SUPERIOR NO DISTRITO DE SANTARÉM
O ENSINO SUPERIOR NO DISTRITO DE SANTARÉM
 
Pdf formação tecnica geral
Pdf formação tecnica geralPdf formação tecnica geral
Pdf formação tecnica geral
 
Campanha da Fraternidade 2010
Campanha da Fraternidade 2010Campanha da Fraternidade 2010
Campanha da Fraternidade 2010
 
Carta Aberta aos Professores da Rede Pública do Estado de São Paulo alterad...
Carta Aberta aos Professores da Rede Pública do Estado de São Paulo   alterad...Carta Aberta aos Professores da Rede Pública do Estado de São Paulo   alterad...
Carta Aberta aos Professores da Rede Pública do Estado de São Paulo alterad...
 
Participação Política Jovem – Isenção de Quotas
Participação Política Jovem – Isenção de QuotasParticipação Política Jovem – Isenção de Quotas
Participação Política Jovem – Isenção de Quotas
 

Semelhante a Carta aberta à Presidente Dilma Roussef

A Economia E Os Valores Femininos
A Economia E Os Valores FemininosA Economia E Os Valores Femininos
A Economia E Os Valores Femininos
Gleisi Hoffmann
 
Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio
Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médioConcepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio
Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio
lulopes1986
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
saracfmarques2013
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
saracfmarques2013
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
saracfmarques2013
 

Semelhante a Carta aberta à Presidente Dilma Roussef (20)

Gestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VIGestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VI
 
MESA REDONDA 2019 1ª e 2ª discussão.pptx
MESA REDONDA 2019 1ª e 2ª discussão.pptxMESA REDONDA 2019 1ª e 2ª discussão.pptx
MESA REDONDA 2019 1ª e 2ª discussão.pptx
 
PROJETO SOCIAIS
PROJETO SOCIAISPROJETO SOCIAIS
PROJETO SOCIAIS
 
A Economia E Os Valores Femininos
A Economia E Os Valores FemininosA Economia E Os Valores Femininos
A Economia E Os Valores Femininos
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de SaúdeÉtica e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
 
Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio
Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médioConcepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio
Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio
 
Projeto Sábio Aprendiz
Projeto Sábio AprendizProjeto Sábio Aprendiz
Projeto Sábio Aprendiz
 
Trabalho Infantil
Trabalho InfantilTrabalho Infantil
Trabalho Infantil
 
ASSEDIO_MORAL_1669861679.pdf
ASSEDIO_MORAL_1669861679.pdfASSEDIO_MORAL_1669861679.pdf
ASSEDIO_MORAL_1669861679.pdf
 
Inclusão mercado trabalho
Inclusão mercado trabalhoInclusão mercado trabalho
Inclusão mercado trabalho
 
Inclusão mercado trabalho
Inclusão mercado trabalhoInclusão mercado trabalho
Inclusão mercado trabalho
 
Mercado
MercadoMercado
Mercado
 
* Formação política
* Formação política* Formação política
* Formação política
 
52356417 assistencia-social
52356417 assistencia-social52356417 assistencia-social
52356417 assistencia-social
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 
Sociologia e Indivíduo
Sociologia e IndivíduoSociologia e Indivíduo
Sociologia e Indivíduo
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 
Saúde: Esperar, pagar ou morrer?
Saúde: Esperar, pagar ou morrer?Saúde: Esperar, pagar ou morrer?
Saúde: Esperar, pagar ou morrer?
 

Mais de Alexandra Machado Costa

Mais de Alexandra Machado Costa (19)

Projeto Ser Um Mano
Projeto Ser Um ManoProjeto Ser Um Mano
Projeto Ser Um Mano
 
Jóquei Clube de Goiás
Jóquei Clube de GoiásJóquei Clube de Goiás
Jóquei Clube de Goiás
 
Agenda ambiental
Agenda ambientalAgenda ambiental
Agenda ambiental
 
Educação, saúde, assistência social e (in)segurança pública em Goiânia
Educação, saúde, assistência social e (in)segurança pública em Goiânia Educação, saúde, assistência social e (in)segurança pública em Goiânia
Educação, saúde, assistência social e (in)segurança pública em Goiânia
 
Horta Pedagógica
Horta PedagógicaHorta Pedagógica
Horta Pedagógica
 
ISD
ISDISD
ISD
 
ISD SEMAS
ISD SEMASISD SEMAS
ISD SEMAS
 
Projeto Crescer e Aparecer PJA - Gyn
Projeto Crescer e Aparecer  PJA - GynProjeto Crescer e Aparecer  PJA - Gyn
Projeto Crescer e Aparecer PJA - Gyn
 
PPA PJA - Gyn.
PPA PJA - Gyn.PPA PJA - Gyn.
PPA PJA - Gyn.
 
Boletim AMSA (Frente)
Boletim AMSA (Frente)Boletim AMSA (Frente)
Boletim AMSA (Frente)
 
Boletim AMSA (Verso)
Boletim AMSA (Verso)Boletim AMSA (Verso)
Boletim AMSA (Verso)
 
Artigo Funcionário Público
Artigo  Funcionário PúblicoArtigo  Funcionário Público
Artigo Funcionário Público
 
Nova versão da famosa parábola da formiga e a cigarra
Nova versão da famosa parábola da formiga e a cigarraNova versão da famosa parábola da formiga e a cigarra
Nova versão da famosa parábola da formiga e a cigarra
 
Relatório de fotos do PJA
Relatório de fotos do PJARelatório de fotos do PJA
Relatório de fotos do PJA
 
Programa de Horta Urbana
Programa de Horta UrbanaPrograma de Horta Urbana
Programa de Horta Urbana
 
VALEC / MDS
VALEC / MDSVALEC / MDS
VALEC / MDS
 
Bairro Novo Paraíso
Bairro Novo ParaísoBairro Novo Paraíso
Bairro Novo Paraíso
 
Ferrovia Norte Sul
Ferrovia Norte Sul Ferrovia Norte Sul
Ferrovia Norte Sul
 
Campanha De Natal Na Valec - Campo Limpo de Goiás/GO
Campanha De Natal Na Valec - Campo Limpo de Goiás/GOCampanha De Natal Na Valec - Campo Limpo de Goiás/GO
Campanha De Natal Na Valec - Campo Limpo de Goiás/GO
 

Carta aberta à Presidente Dilma Roussef

  • 1. Resposta à Presidente Dilma Roussef Recentemente, a senhora disse que "cabe a todos nós, servidores públicos, responder essas vozes" que clamam por soluções para as mazelas de nosso país e por qualidade nos serviços públicos. Sou servidora pública desde 1990 e há 4 anos sou concursada.Tive a oportunidade de trabalhar muito com o PT e conheci bem de perto as teorias que me convenceram a acreditar nos programas do seu partido. Fui militante. Sai por não ver acontecer nada do que era a proposta inicial. Já no primeiro discurso de posse de Lula, fiquei desapontada e aos poucos percebi que estava acontecendo com o PT, o que eu previ em 1993. Aqui estamos. Luto muito para defender o que aprendi quando estive no PT, não desistirei nunca! Então, peço à V. Excelência, que se atente às mudanças de concepção que se fazem necessárias nesta era de transformações socioeconômicas. O Prof. Márcio Pochmann, doutor em Ciência Econômica, já disse que “continuamos discutindo as condições de trabalho como herdeiros do capitalismo do século XX”, afirmando que “é preciso considerar que estamos diante de uma nova possibilidade técnica de organização do trabalho, com jornadas diárias menores e ingresso no mercado de trabalho somente aos 25 anos”, considerando que “antes, a pessoa deve ser totalmente integrada a uma educação que deve ser recebida ao longo de toda sua vida, diante da complexidade da sociedade contemporânea”. Chega de não ver que a juventude serve de mão de obra barata e ocupa vagas que serviriam para chefes de família e que o baixo poder de compra salarial remete famílias inteiras ao mercado de trabalho, aumentando o exército de reserva. E que as famílias, quase nunca conseguem garantir aos seus membros, saúde, educação, lazer, moradia e transporte com dignidade mínima, nos serviços públicos, embora os tributos fiscais destinados a garantir estes direitos básicos, onerem mercado e sociedade. O trabalho na juventude é, estatisticamente, motivo de evasão escolar, e esta é a causa da falta de qualificação profissional no mercado. Quero aqui, discordar da forma com que é tratada a questão do trabalho. Da idéia purista de que “o trabalho dignifica o homem”, mas que não pondera que o trabalho não é uma exclusividade material ou física, considerando que ele também se resulta de atividade afetiva (emocional) e intelectual (cognitiva). Na verdade, acredito que se pensarmos bem, não permitiremos a entrada de pessoas em formação, no mercado de trabalho, pois este é um campo perigoso, pernicioso mesmo, repleto de maus costumes e de exploração. Além do mais, ao adentrar o mercado, o (a) jovem passa a ser responsável por si, a ir e vir por conta própria; em contrapartida, tem menos tempo para o convívio familiar, para os estudos, o lazer; adquire maus hábitos pessoais e sociais. Também não comungo das maravilhas das creches e escolas integrais. Estas, devem valer como opção, não condição ou ideal. É a família que deve criar seus filhos, não o Estado. A prerrogativa das escolas integrais e creches é parte da idéia desenvolvimentista, e deveria ter sido efetivada nos idos dos anos 70, mas já não servem para este século, quando a desacelaração do tempo e a convivência familiar e social, além dos hábitos sociais, exigem novos comportamentos; Quando pensamos em saúde, apenas reclamamos sobre as condições para o tratamento de doenças, raramente pensando ou interferindo para que a doença não acometa. Bertrand Russel, em O Elogio ao Ócio, afirma categoricamente, que “a moral do trabalho é uma moral de escravos, e o mundo moderno não precisa de escravidão”. Russel, nos anos de 1935, já defendia quatro horas diárias de trabalho e dizia que só assim “haverá felicidade e alegria de viver, em vez de nervos em frangalhos, fadiga e má digestão”. Neste caso, a previdência social pode contribuir com dados sobre idades e problemas de saúde que demandam afastamentos remunerados e aposentadorias precoces. Costumo dizer que o mercado de trabalho estraga e o INSS paga... O Brasil precisa pensar no lazer de sua população, garantindo por exemplo, o funcionamento de parques públicos em turno noturno, durante a semana, e 24 horas nos finais de semana, com a devida segurança e espaços para alimentação saudável e recreação completa (arvorismo, jogos de
  • 2. vôlei, squash, basquete, tênis de mesa etc. e também concertos, shows de arte, biblioteca, cafenet, clubes de leitura, do vídeo, videoteca e oficinas permanentes diversas, como: de arte, de produção, de beleza e saúde, educativas para o meio ambiente, as vocações, as relações, o trabalho voluntário), para pessoas que cumprem turnos irregulares de trabalho, considerando que o setor privado, investe em lazer e entretenimento, mas não se preocupa com os efeitos do que oferecem e trabalham 24 horas por dia. São bares, boates, lan houses, festas psicodélicas, postos de conveniência. A escala é industrial. No setor público, a escala é artesanal, e os resultados, podemos ver: violência nas noites, toxicomanias, insatisfação pessoal, egocentrismo e perda de vários valores humanos coletivos essenciais, em uma sociedade fútil, com apego em valores efêmeros e sem preocupação com a saúde e com a vida. É fundamental constituirmos um Movimento junto a trabalhadores (as), patroas e patrões, em uma ação genuinamente voltada para o bem comum, os ideais coletivos e a emancipação do homem, através do investimento na produção do pensamento coletivo acerca das questões humanas, associando a prática cotidiana aos ideais teóricos, através de estratégias da administração de empresa; que de forma inteligente, se destine a contribuir com um mundo de vidas mais felizes, com significados positivos. Na pauta deste Movimento, questões como diminuição de jornada de trabalho, direitos e deveres trabalhistas e patronais, entre outros temas relevantes que afetem diretamente a classe trabalhadora e a sociedade em geral, requalificando postos de trabalho e refletindo sobre condições e modernização do trabalho, no sentido de ampliarmos o grau de satisfação de patrões, trabalhadores e usuários dos serviços e produtos oferecidos, pois não é apenas o setor público que carece de mudanças e seriedade em sua condução; a realidade econômica mundial nos remete a obrigação de buscarmos novos rumos para o consumo e a produção de bens e serviços, que garantam padrão de qualidade e sustentabilidade socioambiental. A diversidade de opções do mercado exige competitividade. Por outro lado, administradores modernos indicam a visão de futuro como sendo quesito para qualquer empreendimento de sucesso, além do investimento no capital humano, com treinamentos e assistência aos funcionários, que acabam melhorando a produtividade, buscando realmente a inovação de alguns valores, regras e comportamentos, tanto no mercado quanto na sociedade como um todo. A consolidação dos direitos humanos só se dará com novas relações que não indiquem explorado e explorador, na superação da visão mercadológica do arcaico capitalismo selvagem, onde tudo é mercadoria, onde o lucro e a vantagem são premissas básicas. É tempo de investirmos em uma discussão fundamental, de acordo com Freud, para a nossa felicidade, enquanto humanidade: a nossa sexualidade. O aborto, os inúmeros e até os ignorados estupros que sabemos que existem, em nosso país, a violência doméstica, a iniciação sexual e gravidez precoce. Ora, se nossa sociedade joga feto/bebê vivo no lixo, ou se mata antes de jogar, isto não é problema de foro íntimo, apenas. Se nossos homens (moços, até) se comportam como bestas, como animais rupestres, e estupram, violentam, desacolhem suas crias (mesmo que sejam frutos de relação “extemporânea”…), isto é uma questão de saúde mental, cultural e de educação e de segurança… É sim, uma questão de Estado. Ora, se mulher não quer filho, se preserve; existem vários meios. Não tem que jogar fora – de uma vez por todas, é o que penso. Nossa sociedade precisa entender a lei da ação e da reação. Bertrand Russel, em O Elogio ao Ócio, apregoa que “é necessária uma reforma educacional radical para que o conhecimento, o aprendizado e o saber sejam valorizados em si mesmo e para que o ócio, a diversão e o lazer substituam o trabalho como atividades dignificantes”. Nossa sociedade precisa parar de educar e de viver para satisfazer o mercado. Precisa pensar a vida que vive e a vida que quer, trabalhando neste sentido. O setor público precisa parar de governar para o mercado. Desenvolver políticas educacionais para além da escola formal, utilizando-se para isto, da Assistência Social, por exemplo, que deve fazer mais do que oferecer bolsas de auxílio. Precisa de uma Educação que alcance crianças e jovens e adultos, para uma sociedade que avance em sentido contrário ao da barbárie que temos visto. O planejamento familiar, o estímulo aos bons hábitos da alimentação saudável, da prática
  • 3. diária de atividades físicas e a preocupação com o meio ambiente, retomando as discussões e atividades da antiga Agenda 21, são premissas básicas para as mudanças que o Brasil enseja. Precisamos de investimentos em pesquisas nos campos da biologia, da tecnologia e também da sociologia e demais ciências humanas, nas quais quase nada, ou bem pouco, se investe. Trabalho com foco nestas questões após estudos, desde 2000. Como já tentei muito argumentar estas questões nos espaços do PT, do PMDB e até do PSDB, em vão, e por constatar que a cada dia, são mais pertinentes, solicito a atenção de Vossa Excelência. Alexandra Machado Costa, assistente social, poetisa, servidora da Prefeitura de Goiânia/SMS