SlideShare uma empresa Scribd logo
1. HIV/SIDA, gênero e pobreza;
2. Mulheres, e crianças susceptíveis a
insegurança alimentar; e
Introdução
 A desigualdade entre os sexos também é
identificada como um obstáculo para a
redução da pobreza pelo facto de as mulheres
serem mais susceptíveis e de serem pobres
do que os homens. A disparidade de género
está a prejudicar o que e a segurança
alimentar dos indivíduos. Embora a diferença
de género tenha diminuído nos últimos anos.
Objectivo geral
Conhecer a relação HIV̸SIDA, género, e
pobreza, e influencias na susceptibilidade das
mulheres e crianças a insegurança alimentar
nas zonas rurais e urbanas
Objectivos Específicos
 Descrever a relação entre HIV/SIDA,
Gênero e Pobreza;
 Conhecer os factores que colocam as
mulheres susceptíveis a insegurança
alimentar;
 Identificar as condições das populações
pobres em zonas rurais e urbanas;
Gênero
 Homens e mulheres usufruírem dos direitos
humanos em condições de igualdade é um
princípio consagrado na Declaração
Universal dos Direitos do Humanos(DUDH).
 Eles desempenham diferentes papeis, mais
complementares, nas actividades de
produção, conservação, comercialização,
processamento e consumo, e que são a base
da economia familiar.
 Contudo, a mulher como guardiã da família.
Cont.
 A igualdade do gênero e fundamental na
implementação da SAN.
 Ex: A comercialização
A produção.
 Género e desenvolvimento de género não têm
unicamente haver com os direitos das mulheres e
meninas; pelo contrário, abordam todas as
formas de discriminação ou preconceitos
baseados no sexo das pessoas com que nos
confrontamos na realização dos direitos humanos
ou nos esforços para alcançar desenvolvimento.
Cont.
 Em muitos casos, as mulheres e meninas são
mais frequentemente vítimas de discriminação
de género, embora também possa haver
situações de meninos ou homens serem
discriminados, que deverão merecer igual
consideração
Aspectos de género da pobreza
em Moçambique
 A redução da pobreza em Moçambique entre
1996/97 e 2002/03 não beneficiou todos os
segmentos da população da mesma forma. A
pobreza foi reduzida mais significativamente
nas famílias chefiadas por homens do que
nas famílias chefiadas por mulheres.
Cont.
 Embora as mulheres constituam a maior parte
da população economicamente activa.(sector
agrícola, produção familiar)
 Quando existem oportunidades de geração
de rendimento, os homens tendem a ter uma
maior probabilidade de aceder a estas
oportunidades e a delas beneficiar
HIV e género
 A Declaração de Compromisso de 2001 sobre
o HIV/SIDA reconhece que as mulheres são
desproporcionalmente afectadas pela SIDA
no quadro global, devendo merecer prioridade
nas respostas nacionais e globais.
 A dimensão do gênero do HIV e da SIDA tem
uma componente biológica e uma
componente social.
Cont.
 Em Moçambique, é ensinado às mulheres que o
sexo é uma estratégia de sobrevivência, pelo
que é frequente elas se submeterem às decisões
dos homens, tendo menos capacidade para
negociar sexo seguro, fidelidade ou abstinência.
 Sexo coagido ou forçado e violência sexual
exacerbam as vulnerabilidades biológicas e
sociais das mulheres à infecção.
 As meninas tendem a iniciar relações sexuais
regulares mais cedo do que meninos,
aumentando o risco de transmissão.
HIVSIDA E POBREZA
 A vulnerabilidade de um país aos efeitos de
doenças infecciosas, incluindo HIV e a SIDA,
depende em grande medida do nível de
desenvolvimento humano alcançado pelo
país.
 A presença da SIDA numa casa traduz- se
rapidamente em esgotamento da capacidade
de geração de rendimento do agregado
familiar e das poupanças e bens da família
 As mulheres e as meninas tendem a ser as
mais afectadas, (muito baixo rendimento ou
Pobreza e Desigualdades
Evolução mais rápida
de HIV para SIDA
Mulheres e Crianças e
Insegurança Alimentar.
 As mulheres são as pessoas mas
susceptíveis a insegurança alimentar, porque
tem maior probabilidade de serem pobres.
 Consequentemente as famílias chefiadas por
mulheres com o nível baixo de renda as
crianças sofrem e são mais vulneráveis a
InSAN, porque elas são as produtoras dos
alimentos mas não tem acesso a recursos
produtivos e necessários para a sustentação
económica. [Factores InSAN(disponibilidade)]
Cont.
Factores influenciam a susceptibilidade das
mulheres e crianças a InSAN
O acesso limitado:
A terra,
A educação,
A credito informação,
A tecnologias e
Aos órgãos de tomada de decisão,
Cont.
 As mulheres e crianças são usadas como o
instrumento de trabalho mais a distribuição das
refeições não chegam a ser equitativas dando
prioridades as homens e fragilizando a criança que
precisa da alimentação para o seu bom
desenvolvimento, e também a mulher que precisa
da mesma alimentação em quantidades e
qualidades suficientes para suprir as suas
necessidades nutricionais de acordo com o trabalho
que ela exerce.
 Essa situação é mais visível e preocupante em
mulheres com baixo nível de escolarização.
Cont.
 Nota
 Para garantir que as mulheres tenham posse
e segurança necessária e fundamental que se
aumente o capital humano das mulheres,
melhorar o seu acesso a terra e permitir que
elevem o seu potencial em gerar a segurança
alimentar e nutricional
Populações pobres em zonas
rurais
 Uma parte da população mundial vive em zonas
rurais e sobrevivem com base a agricultura.
 Segundo os dados da ONU anucionado em
Agosto de 2015 estimava que 25% da mulheres
da população mundial vivem em zonas rurais, e
são afectadas de forma desproporcional pela
pobreza e insegurança alimentar e a exclusão
social.
 Elas depende de recursos naturais e da
agricultura para tirar o seu sustento
representando 43% da força do trabalho agrícola
mas muitas mulheres ganham menos que os
Cont.
 O fundo internacional para o desenvolvimento
agrícola, acredita que novas metas para o
desenvolvimento sustentável serão muito
relevantes para as populações pobres das
áreas rurais porque a agenda 2030 prioriza a
inclusão social
A agricultura em zonas rurais.
 A agricultura em zonas rurais é praticada perto
das casas em que moram ou em outras terras
que são próprias e de família, deixada como
herança pelos seus antepassados que já
vinham cultivando as mesmas terras
Características da agricultura
rural
 extensiva e sem o uso de nenhuma
tecnologia,
 a poli cultura
 dependem do clima
 sementes de baixa qualidade
 sem adubos
 defensivos das culturas contra as pragas
 sem credito
 sem orientação
Populações pobres em zonas
urbanas
 Populações pobres nas áreas urbanas, as
mulheres são mais propensas a depender do
sector informal devido aos mais baixos
requisitos de ingresso e ao facto de o acesso
ao emprego formal ser amplamente controlado
pelo capital social (contatos sociais), que
favorece os homens por ainda serem vistos
como o ganha-pão da família.
 As mulheres têm maior probabilidade de
viver em situação de pobreza do que os
homens em Moçambique.
Cont.
 A incidência da pobreza em agregados
familiares chefiados por mulheres é superior à
dos agregados familiares chefiados por
homens.
 As mulheres têm menos acesso ao emprego
formal do que os homens, e tendem a
trabalhar em indústrias de menor
remuneração.
 Há indícios, no entanto, de que a
desigualdade entre os homens e as mulheres
tem diminuído em Moçambique nos últimos
Diferença entre a população
rural e urbana pobre
 Estudos mostram que a situação da saúde
nutricional e de pobreza é pior no campo do
que na cidade e este é o motivo para o tão
grande êxodo rural, entre outros factores (
Opas, 1998) .
Diferença, motivos para essas
diferenças
 Na zona rural, há deficiente acesso as
estradas para o escoamento do produto
agrícola, falta de credito rural, secas que
provocam fome sazonal, falta de acesso a
agua, pouca cobertura de serviço de saúde,
Diferença, motivos para essas
diferenças
 Nas zonas Urbanas a pobreza e determinada
por baixa escolaridade, gravidez na
adolescência, desemprego, violência,
isolamento social, condições de moradia e
saneamento inadequadas, maus hábitos
alimentares influenciados pela propaganda de
indústrias de alimentos
Conclusão
 As mulheres têm maior probabilidade de viver
em situação de pobreza do que os homens
em Moçambique. A incidência da pobreza em
agregados familiares chefiadas por mulheres
é superior à dos agregados familiares
chefados por homens. As mulheres têm
menos acesso ao emprego formal do que os
homens, e tendem a trabalhar em indústrias
de menor remuneração
Referencias Bibliográficas
 Assembleia Geral das Nações Unidas,
Declaração Universal dos Direitos do Homem,
Nações Unidas, Nova Iorque, 1948.
 http//:g1.globo.com
 Instituto Nacional de Estatística , ‘MICS 2008,
Relatório Final,’ Governo de Moçambique,
Maputo, 2010.
 REPUBLICA DE MOCAMBIQUE-SETSAN 2007-
2015
 www.ebc.com.br/cidadania 2015
 www.Scielo.br/Scielo.php/FScript/3
“É mais fácil para um camponês produzir
alimentos para o consumo, do que, trabalhar
para um latifundiário e da renda obtida adquirir
alimentos para o consumo, José Negrão 3
(1956-2005) ”
Fim
Muito Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Combate à fome emrc
Combate à fome   emrcCombate à fome   emrc
Combate à fome emrc
emrcja
 
Contrastes PD - PED1
Contrastes PD - PED1Contrastes PD - PED1
Contrastes PD - PED1
Gina Espenica
 
Coluna do senador Aécio Neves na Folha - O paradoxo feminino
Coluna do senador Aécio Neves na Folha - O paradoxo femininoColuna do senador Aécio Neves na Folha - O paradoxo feminino
Coluna do senador Aécio Neves na Folha - O paradoxo feminino
Maria Aparecida Magalhães
 
Ricos Vs Pobres
Ricos Vs PobresRicos Vs Pobres
Ricos Vs Pobres
Ilda Bicacro
 
Jovens
JovensJovens
Pobreza
PobrezaPobreza
Novo Microsoft Office Word Document
Novo Microsoft Office Word DocumentNovo Microsoft Office Word Document
Novo Microsoft Office Word Document
dcosta8
 
População negra e a agenda 2030
População negra e a agenda 2030População negra e a agenda 2030
População negra e a agenda 2030
Dandara Baçã
 
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNeroRelações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
culturaafro
 
Desigauldes raciais em saude
Desigauldes raciais em saudeDesigauldes raciais em saude
Desigauldes raciais em saude
População Negra e Saúde
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Fome no mundo_ 6º ano
Fome no mundo_ 6º anoFome no mundo_ 6º ano
Fome no mundo_ 6º ano
Sandra Figueiredo
 
Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)
Alcina Barbosa
 
ENVELHECIMENTO POPULACIONAL
ENVELHECIMENTO POPULACIONALENVELHECIMENTO POPULACIONAL
ENVELHECIMENTO POPULACIONAL
Márcio Borges
 
Relações ÈTnico Raciais E De GêNero
Relações ÈTnico Raciais E De GêNeroRelações ÈTnico Raciais E De GêNero
Relações ÈTnico Raciais E De GêNero
culturaafro
 
A pobreza em portugal
A pobreza em portugalA pobreza em portugal
A pobreza em portugal
Luís Reguengo
 
Genero 03
Genero 03Genero 03
Genero 03
Rodrigo Abreu
 
Prostituição infantil
Prostituição infantilProstituição infantil
Prostituição infantil
Antonia Praxedes
 
Problematizando A Vulnerabilidade Social
Problematizando A Vulnerabilidade SocialProblematizando A Vulnerabilidade Social
Problematizando A Vulnerabilidade Social
pastoralaidssul3
 
Apresentação manuela
Apresentação   manuelaApresentação   manuela
Apresentação manuela
Gabriel Reis
 

Mais procurados (20)

Combate à fome emrc
Combate à fome   emrcCombate à fome   emrc
Combate à fome emrc
 
Contrastes PD - PED1
Contrastes PD - PED1Contrastes PD - PED1
Contrastes PD - PED1
 
Coluna do senador Aécio Neves na Folha - O paradoxo feminino
Coluna do senador Aécio Neves na Folha - O paradoxo femininoColuna do senador Aécio Neves na Folha - O paradoxo feminino
Coluna do senador Aécio Neves na Folha - O paradoxo feminino
 
Ricos Vs Pobres
Ricos Vs PobresRicos Vs Pobres
Ricos Vs Pobres
 
Jovens
JovensJovens
Jovens
 
Pobreza
PobrezaPobreza
Pobreza
 
Novo Microsoft Office Word Document
Novo Microsoft Office Word DocumentNovo Microsoft Office Word Document
Novo Microsoft Office Word Document
 
População negra e a agenda 2030
População negra e a agenda 2030População negra e a agenda 2030
População negra e a agenda 2030
 
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNeroRelações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
 
Desigauldes raciais em saude
Desigauldes raciais em saudeDesigauldes raciais em saude
Desigauldes raciais em saude
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
 
Fome no mundo_ 6º ano
Fome no mundo_ 6º anoFome no mundo_ 6º ano
Fome no mundo_ 6º ano
 
Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)Pobreza e exclusão social (2)
Pobreza e exclusão social (2)
 
ENVELHECIMENTO POPULACIONAL
ENVELHECIMENTO POPULACIONALENVELHECIMENTO POPULACIONAL
ENVELHECIMENTO POPULACIONAL
 
Relações ÈTnico Raciais E De GêNero
Relações ÈTnico Raciais E De GêNeroRelações ÈTnico Raciais E De GêNero
Relações ÈTnico Raciais E De GêNero
 
A pobreza em portugal
A pobreza em portugalA pobreza em portugal
A pobreza em portugal
 
Genero 03
Genero 03Genero 03
Genero 03
 
Prostituição infantil
Prostituição infantilProstituição infantil
Prostituição infantil
 
Problematizando A Vulnerabilidade Social
Problematizando A Vulnerabilidade SocialProblematizando A Vulnerabilidade Social
Problematizando A Vulnerabilidade Social
 
Apresentação manuela
Apresentação   manuelaApresentação   manuela
Apresentação manuela
 

Destaque

Ashford university bus 318 homework help
Ashford university bus 318 homework helpAshford university bus 318 homework help
Ashford university bus 318 homework help
Christina Walkar
 
Heroin Opiates and Violence in Our Communities
Heroin Opiates and Violence in Our CommunitiesHeroin Opiates and Violence in Our Communities
Heroin Opiates and Violence in Our Communities
Bethany Anderson, MPH
 
cv dni 15
cv dni 15cv dni 15
cv dni 15
Daniel udau
 
Parkinsons dual task training ppt
Parkinsons dual task training  pptParkinsons dual task training  ppt
Parkinsons dual task training ppt
Signette546
 
DIFICULTADES DE JOVENES
DIFICULTADES DE JOVENESDIFICULTADES DE JOVENES
DIFICULTADES DE JOVENES
Pablo Parrado
 
Como distribuir bien el tiempo bueno
Como distribuir bien el tiempo buenoComo distribuir bien el tiempo bueno
Como distribuir bien el tiempo bueno
Claudia Sánchez Sánchez
 
Economia agricola -aula_3
Economia agricola -aula_3Economia agricola -aula_3
Economia agricola -aula_3
Fernanda M. Mota
 
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagemAplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
suerlilton
 
Yashi dealer meeting settembre 2016 tecnologie xeon intel italia
Yashi dealer meeting settembre 2016 tecnologie xeon intel italiaYashi dealer meeting settembre 2016 tecnologie xeon intel italia
Yashi dealer meeting settembre 2016 tecnologie xeon intel italia
Yashi Italia
 
Large intestine
Large intestineLarge intestine
Large intestine
Sidal hospital
 
Project Outline
Project OutlineProject Outline
Project Outline
Lawrence E. Coffee
 

Destaque (11)

Ashford university bus 318 homework help
Ashford university bus 318 homework helpAshford university bus 318 homework help
Ashford university bus 318 homework help
 
Heroin Opiates and Violence in Our Communities
Heroin Opiates and Violence in Our CommunitiesHeroin Opiates and Violence in Our Communities
Heroin Opiates and Violence in Our Communities
 
cv dni 15
cv dni 15cv dni 15
cv dni 15
 
Parkinsons dual task training ppt
Parkinsons dual task training  pptParkinsons dual task training  ppt
Parkinsons dual task training ppt
 
DIFICULTADES DE JOVENES
DIFICULTADES DE JOVENESDIFICULTADES DE JOVENES
DIFICULTADES DE JOVENES
 
Como distribuir bien el tiempo bueno
Como distribuir bien el tiempo buenoComo distribuir bien el tiempo bueno
Como distribuir bien el tiempo bueno
 
Economia agricola -aula_3
Economia agricola -aula_3Economia agricola -aula_3
Economia agricola -aula_3
 
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagemAplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
 
Yashi dealer meeting settembre 2016 tecnologie xeon intel italia
Yashi dealer meeting settembre 2016 tecnologie xeon intel italiaYashi dealer meeting settembre 2016 tecnologie xeon intel italia
Yashi dealer meeting settembre 2016 tecnologie xeon intel italia
 
Large intestine
Large intestineLarge intestine
Large intestine
 
Project Outline
Project OutlineProject Outline
Project Outline
 

Semelhante a Hivsida, gãªnero e_pobreza[1]

As mulheres na sociedade
As mulheres na sociedadeAs mulheres na sociedade
As mulheres na sociedade
Mensagens Virtuais
 
CONHECENDO A SAÚDE DA MULHER NEGRA E QUILOMBOLA
CONHECENDO A SAÚDE DA MULHER NEGRA E QUILOMBOLACONHECENDO A SAÚDE DA MULHER NEGRA E QUILOMBOLA
CONHECENDO A SAÚDE DA MULHER NEGRA E QUILOMBOLA
pamelascarlatt
 
As desigualdades sociais no brasil grupoooo
As desigualdades sociais no brasil grupooooAs desigualdades sociais no brasil grupoooo
As desigualdades sociais no brasil grupoooo
Rosemary Francini Martins Teixira
 
Problemas sociais no Brasil
Problemas sociais no BrasilProblemas sociais no Brasil
Problemas sociais no Brasil
97636768
 
Contrastes pd ped
Contrastes  pd pedContrastes  pd ped
Contrastes pd ped
Gina Espenica
 
Contrastes pd ped
Contrastes  pd pedContrastes  pd ped
Contrastes pd ped
Gina Espenica
 
Apresentação texto boserup
Apresentação texto boserupApresentação texto boserup
Apresentação texto boserup
Sarita Mercedes Fernandez
 
ObstáCulos Ao Desenvolvimento
ObstáCulos Ao DesenvolvimentoObstáCulos Ao Desenvolvimento
ObstáCulos Ao Desenvolvimento
dulcemarr
 
Urbanização e população
Urbanização e populaçãoUrbanização e população
Urbanização e população
Paulo Victor
 
O que e a fome
O que e a fomeO que e a fome
O que e a fome
Mensagens Virtuais
 
Manifesto enfrentar a FOME com a força das nossas lutas
Manifesto enfrentar a FOME com a força das nossas lutas Manifesto enfrentar a FOME com a força das nossas lutas
Manifesto enfrentar a FOME com a força das nossas lutas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Trabalho de Projeto Vida-1.pdf para ajudar
Trabalho de Projeto Vida-1.pdf para ajudarTrabalho de Projeto Vida-1.pdf para ajudar
Trabalho de Projeto Vida-1.pdf para ajudar
ArthurPureza1
 
Sexo e género
Sexo e géneroSexo e género
Sexo e género
Rui Bernardino
 
resumos - Contrastes de Desenvolvimento1.pdf
resumos - Contrastes de Desenvolvimento1.pdfresumos - Contrastes de Desenvolvimento1.pdf
resumos - Contrastes de Desenvolvimento1.pdf
Carla Silva
 
Contrastes De Desenvolvimento Factores Internos
Contrastes De Desenvolvimento Factores InternosContrastes De Desenvolvimento Factores Internos
Contrastes De Desenvolvimento Factores Internos
Pedui
 
Mulher Rural Angolana o novo desafio do Executivo Angolano
Mulher Rural Angolana o novo desafio do Executivo AngolanoMulher Rural Angolana o novo desafio do Executivo Angolano
Mulher Rural Angolana o novo desafio do Executivo Angolano
Janísio Salomao
 
Determinantes sociais da saúde
Determinantes sociais da saúde Determinantes sociais da saúde
Determinantes sociais da saúde
BrunoSoares338
 
Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mu...
Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mu...Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mu...
Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mu...
Adilson P Motta Motta
 
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNeroRelações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
culturaafro
 
Contrastes Sociais 1
Contrastes Sociais 1Contrastes Sociais 1
Contrastes Sociais 1
Adelaide Jesus
 

Semelhante a Hivsida, gãªnero e_pobreza[1] (20)

As mulheres na sociedade
As mulheres na sociedadeAs mulheres na sociedade
As mulheres na sociedade
 
CONHECENDO A SAÚDE DA MULHER NEGRA E QUILOMBOLA
CONHECENDO A SAÚDE DA MULHER NEGRA E QUILOMBOLACONHECENDO A SAÚDE DA MULHER NEGRA E QUILOMBOLA
CONHECENDO A SAÚDE DA MULHER NEGRA E QUILOMBOLA
 
As desigualdades sociais no brasil grupoooo
As desigualdades sociais no brasil grupooooAs desigualdades sociais no brasil grupoooo
As desigualdades sociais no brasil grupoooo
 
Problemas sociais no Brasil
Problemas sociais no BrasilProblemas sociais no Brasil
Problemas sociais no Brasil
 
Contrastes pd ped
Contrastes  pd pedContrastes  pd ped
Contrastes pd ped
 
Contrastes pd ped
Contrastes  pd pedContrastes  pd ped
Contrastes pd ped
 
Apresentação texto boserup
Apresentação texto boserupApresentação texto boserup
Apresentação texto boserup
 
ObstáCulos Ao Desenvolvimento
ObstáCulos Ao DesenvolvimentoObstáCulos Ao Desenvolvimento
ObstáCulos Ao Desenvolvimento
 
Urbanização e população
Urbanização e populaçãoUrbanização e população
Urbanização e população
 
O que e a fome
O que e a fomeO que e a fome
O que e a fome
 
Manifesto enfrentar a FOME com a força das nossas lutas
Manifesto enfrentar a FOME com a força das nossas lutas Manifesto enfrentar a FOME com a força das nossas lutas
Manifesto enfrentar a FOME com a força das nossas lutas
 
Trabalho de Projeto Vida-1.pdf para ajudar
Trabalho de Projeto Vida-1.pdf para ajudarTrabalho de Projeto Vida-1.pdf para ajudar
Trabalho de Projeto Vida-1.pdf para ajudar
 
Sexo e género
Sexo e géneroSexo e género
Sexo e género
 
resumos - Contrastes de Desenvolvimento1.pdf
resumos - Contrastes de Desenvolvimento1.pdfresumos - Contrastes de Desenvolvimento1.pdf
resumos - Contrastes de Desenvolvimento1.pdf
 
Contrastes De Desenvolvimento Factores Internos
Contrastes De Desenvolvimento Factores InternosContrastes De Desenvolvimento Factores Internos
Contrastes De Desenvolvimento Factores Internos
 
Mulher Rural Angolana o novo desafio do Executivo Angolano
Mulher Rural Angolana o novo desafio do Executivo AngolanoMulher Rural Angolana o novo desafio do Executivo Angolano
Mulher Rural Angolana o novo desafio do Executivo Angolano
 
Determinantes sociais da saúde
Determinantes sociais da saúde Determinantes sociais da saúde
Determinantes sociais da saúde
 
Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mu...
Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mu...Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mu...
Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mu...
 
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNeroRelações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
 
Contrastes Sociais 1
Contrastes Sociais 1Contrastes Sociais 1
Contrastes Sociais 1
 

Último

História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 

Último (9)

História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 

Hivsida, gãªnero e_pobreza[1]

  • 1. 1. HIV/SIDA, gênero e pobreza; 2. Mulheres, e crianças susceptíveis a insegurança alimentar; e
  • 2. Introdução  A desigualdade entre os sexos também é identificada como um obstáculo para a redução da pobreza pelo facto de as mulheres serem mais susceptíveis e de serem pobres do que os homens. A disparidade de género está a prejudicar o que e a segurança alimentar dos indivíduos. Embora a diferença de género tenha diminuído nos últimos anos.
  • 3. Objectivo geral Conhecer a relação HIV̸SIDA, género, e pobreza, e influencias na susceptibilidade das mulheres e crianças a insegurança alimentar nas zonas rurais e urbanas
  • 4. Objectivos Específicos  Descrever a relação entre HIV/SIDA, Gênero e Pobreza;  Conhecer os factores que colocam as mulheres susceptíveis a insegurança alimentar;  Identificar as condições das populações pobres em zonas rurais e urbanas;
  • 5. Gênero  Homens e mulheres usufruírem dos direitos humanos em condições de igualdade é um princípio consagrado na Declaração Universal dos Direitos do Humanos(DUDH).  Eles desempenham diferentes papeis, mais complementares, nas actividades de produção, conservação, comercialização, processamento e consumo, e que são a base da economia familiar.  Contudo, a mulher como guardiã da família.
  • 6. Cont.  A igualdade do gênero e fundamental na implementação da SAN.  Ex: A comercialização A produção.  Género e desenvolvimento de género não têm unicamente haver com os direitos das mulheres e meninas; pelo contrário, abordam todas as formas de discriminação ou preconceitos baseados no sexo das pessoas com que nos confrontamos na realização dos direitos humanos ou nos esforços para alcançar desenvolvimento.
  • 7. Cont.  Em muitos casos, as mulheres e meninas são mais frequentemente vítimas de discriminação de género, embora também possa haver situações de meninos ou homens serem discriminados, que deverão merecer igual consideração
  • 8. Aspectos de género da pobreza em Moçambique  A redução da pobreza em Moçambique entre 1996/97 e 2002/03 não beneficiou todos os segmentos da população da mesma forma. A pobreza foi reduzida mais significativamente nas famílias chefiadas por homens do que nas famílias chefiadas por mulheres.
  • 9. Cont.  Embora as mulheres constituam a maior parte da população economicamente activa.(sector agrícola, produção familiar)  Quando existem oportunidades de geração de rendimento, os homens tendem a ter uma maior probabilidade de aceder a estas oportunidades e a delas beneficiar
  • 10. HIV e género  A Declaração de Compromisso de 2001 sobre o HIV/SIDA reconhece que as mulheres são desproporcionalmente afectadas pela SIDA no quadro global, devendo merecer prioridade nas respostas nacionais e globais.  A dimensão do gênero do HIV e da SIDA tem uma componente biológica e uma componente social.
  • 11. Cont.  Em Moçambique, é ensinado às mulheres que o sexo é uma estratégia de sobrevivência, pelo que é frequente elas se submeterem às decisões dos homens, tendo menos capacidade para negociar sexo seguro, fidelidade ou abstinência.  Sexo coagido ou forçado e violência sexual exacerbam as vulnerabilidades biológicas e sociais das mulheres à infecção.  As meninas tendem a iniciar relações sexuais regulares mais cedo do que meninos, aumentando o risco de transmissão.
  • 12. HIVSIDA E POBREZA  A vulnerabilidade de um país aos efeitos de doenças infecciosas, incluindo HIV e a SIDA, depende em grande medida do nível de desenvolvimento humano alcançado pelo país.  A presença da SIDA numa casa traduz- se rapidamente em esgotamento da capacidade de geração de rendimento do agregado familiar e das poupanças e bens da família  As mulheres e as meninas tendem a ser as mais afectadas, (muito baixo rendimento ou
  • 13. Pobreza e Desigualdades Evolução mais rápida de HIV para SIDA
  • 14. Mulheres e Crianças e Insegurança Alimentar.  As mulheres são as pessoas mas susceptíveis a insegurança alimentar, porque tem maior probabilidade de serem pobres.  Consequentemente as famílias chefiadas por mulheres com o nível baixo de renda as crianças sofrem e são mais vulneráveis a InSAN, porque elas são as produtoras dos alimentos mas não tem acesso a recursos produtivos e necessários para a sustentação económica. [Factores InSAN(disponibilidade)]
  • 15. Cont. Factores influenciam a susceptibilidade das mulheres e crianças a InSAN O acesso limitado: A terra, A educação, A credito informação, A tecnologias e Aos órgãos de tomada de decisão,
  • 16. Cont.  As mulheres e crianças são usadas como o instrumento de trabalho mais a distribuição das refeições não chegam a ser equitativas dando prioridades as homens e fragilizando a criança que precisa da alimentação para o seu bom desenvolvimento, e também a mulher que precisa da mesma alimentação em quantidades e qualidades suficientes para suprir as suas necessidades nutricionais de acordo com o trabalho que ela exerce.  Essa situação é mais visível e preocupante em mulheres com baixo nível de escolarização.
  • 17. Cont.  Nota  Para garantir que as mulheres tenham posse e segurança necessária e fundamental que se aumente o capital humano das mulheres, melhorar o seu acesso a terra e permitir que elevem o seu potencial em gerar a segurança alimentar e nutricional
  • 18. Populações pobres em zonas rurais  Uma parte da população mundial vive em zonas rurais e sobrevivem com base a agricultura.  Segundo os dados da ONU anucionado em Agosto de 2015 estimava que 25% da mulheres da população mundial vivem em zonas rurais, e são afectadas de forma desproporcional pela pobreza e insegurança alimentar e a exclusão social.  Elas depende de recursos naturais e da agricultura para tirar o seu sustento representando 43% da força do trabalho agrícola mas muitas mulheres ganham menos que os
  • 19. Cont.  O fundo internacional para o desenvolvimento agrícola, acredita que novas metas para o desenvolvimento sustentável serão muito relevantes para as populações pobres das áreas rurais porque a agenda 2030 prioriza a inclusão social
  • 20. A agricultura em zonas rurais.  A agricultura em zonas rurais é praticada perto das casas em que moram ou em outras terras que são próprias e de família, deixada como herança pelos seus antepassados que já vinham cultivando as mesmas terras
  • 21. Características da agricultura rural  extensiva e sem o uso de nenhuma tecnologia,  a poli cultura  dependem do clima  sementes de baixa qualidade  sem adubos  defensivos das culturas contra as pragas  sem credito  sem orientação
  • 22. Populações pobres em zonas urbanas  Populações pobres nas áreas urbanas, as mulheres são mais propensas a depender do sector informal devido aos mais baixos requisitos de ingresso e ao facto de o acesso ao emprego formal ser amplamente controlado pelo capital social (contatos sociais), que favorece os homens por ainda serem vistos como o ganha-pão da família.  As mulheres têm maior probabilidade de viver em situação de pobreza do que os homens em Moçambique.
  • 23. Cont.  A incidência da pobreza em agregados familiares chefiados por mulheres é superior à dos agregados familiares chefiados por homens.  As mulheres têm menos acesso ao emprego formal do que os homens, e tendem a trabalhar em indústrias de menor remuneração.  Há indícios, no entanto, de que a desigualdade entre os homens e as mulheres tem diminuído em Moçambique nos últimos
  • 24. Diferença entre a população rural e urbana pobre  Estudos mostram que a situação da saúde nutricional e de pobreza é pior no campo do que na cidade e este é o motivo para o tão grande êxodo rural, entre outros factores ( Opas, 1998) .
  • 25. Diferença, motivos para essas diferenças  Na zona rural, há deficiente acesso as estradas para o escoamento do produto agrícola, falta de credito rural, secas que provocam fome sazonal, falta de acesso a agua, pouca cobertura de serviço de saúde,
  • 26. Diferença, motivos para essas diferenças  Nas zonas Urbanas a pobreza e determinada por baixa escolaridade, gravidez na adolescência, desemprego, violência, isolamento social, condições de moradia e saneamento inadequadas, maus hábitos alimentares influenciados pela propaganda de indústrias de alimentos
  • 27. Conclusão  As mulheres têm maior probabilidade de viver em situação de pobreza do que os homens em Moçambique. A incidência da pobreza em agregados familiares chefiadas por mulheres é superior à dos agregados familiares chefados por homens. As mulheres têm menos acesso ao emprego formal do que os homens, e tendem a trabalhar em indústrias de menor remuneração
  • 28. Referencias Bibliográficas  Assembleia Geral das Nações Unidas, Declaração Universal dos Direitos do Homem, Nações Unidas, Nova Iorque, 1948.  http//:g1.globo.com  Instituto Nacional de Estatística , ‘MICS 2008, Relatório Final,’ Governo de Moçambique, Maputo, 2010.  REPUBLICA DE MOCAMBIQUE-SETSAN 2007- 2015  www.ebc.com.br/cidadania 2015  www.Scielo.br/Scielo.php/FScript/3
  • 29. “É mais fácil para um camponês produzir alimentos para o consumo, do que, trabalhar para um latifundiário e da renda obtida adquirir alimentos para o consumo, José Negrão 3 (1956-2005) ” Fim Muito Obrigado