SlideShare uma empresa Scribd logo
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO Uma homenagem ao samideano  João Guimarães Rosa
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO “ Vários idiomas, muitos, já dominava na juventude. Quando estudante de Medicina, trabalhou na Estatística, em Belo Horizonte. Seu chefe, Dr. Teixeira de Freitas, precisando de uma pessoa para cuidar da correspondência em esperanto, chamou o jovem funcionário, já poliglota, e sugeriu que aprendesse a língua de Zamenhof. Seria o esperantista de serviço. Joãozito matriculou-se num curso e em vinte e sete dias recebeu o diploma, por já reter sabido e compreendido os conhecimentos todos do novo idioma. Escrevia e falava corretamente”. ( in “Joãozito – Infância de João Guimarães Rosa”, de Vicente Guimarães, José Olimpio Editora, 1972)
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO “ Em 1 de julho de 1929, ocorreu uma reunião do  Montara E-Klubo... ... Leu um conto por ele escrito o Sr. João Guimarães Rosa. Minas Gerais  publicou uma  série de artigos interessantes do Sr. João Guimarães Rosa”.  (in “ Brazila Esperantisto”, julio-dezembro/1929, pág. 12 )
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO “ Ary Theodolindo foi também presidente do  Montara Esperanto-Klubo.  Sob sua gestão, idealista e dinâmica, o M.E.K. atingiu excelente desenvolvimento. Por essa época, fez o Clube publicar no “Minas Gerais” diversos artigos de difusão da língua e da idéia, subscrito por seus sócios. É assim que anotamos os seguintes: A estrutura lógica do Esperanto. Algumas justificações. Um pouco de filosofia comparada,  em 31.7.1929, de autoria de João Guimarães Rosa. (in “Anais do XV Congresso Brasileiro de Esperanto”, pag. 177)
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO No  Estado de Minas,  de 23 de julho de 1929, também dentro   da  Semana do Livro Esperantista,  João Guimarães Rosa, o hoje consagrado autor de  Sagarana  e  Corpo de Baile  publicava  A Estética do Idioma de Zamenhof. (in “Anais do XV Congresso Brasileiro de Esperanto”, pag. 177)
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO “  O Dr. Zamenhof, criador do esperanto, além de poliglota era também um poeta. Não lhe bastava que a nova língua tivesse tronco robusto e raízes bem fixadas – ela ficaria imperfeita sem a coroa de flores a variegar-lhe o verdor das frondes. Por isso, ao lançar as bases do idioma internacional, ele agiu principalmente como artista”. “ E é essa língua, de grande simplicidade e rara beleza, que está naturalmente predestinada a veicular e divulgar as obras literárias no futuro”.  (João Guimarães Rosa,  in “A estética do idioma de Zamenhof”,  “O Estado de Minas”, 23 de julho de 1929)
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO “ Em esperanto, as letras aparecem na proporção de 45%  de vogais para 57%  de consoantes, em média, como acontece nas línguas mais doces e sonoras tais como o português, o espanhol e o italiano. As línguas do grupo germânico exigem muito maior percentagem de consoantes.  No inglês, alemão e francês o E predomina visivelmente, no italiano o I ou o A; no português e no esperanto o mesmo acontece ao A, que se patenteia pelo exame de qualquer trecho escrito nessas línguas. O esperanto é, portanto, como o português, uma língua em A, o que lhe confere agradável sonoridade, pois o A é a articulação primitiva, som normal e básico da voz humana, vogal cheia, clara e musical, predominante aos rumores e ruídos da natureza”. (João Guimarães Rosa  in “A estética do idioma de Zamenhof”)
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO “ Cumpre-nos citar dois argumentos pró-Esperanto: O primeiro é a solução prática do problema da escrita fonética. Na língua de Zamenhof, cada som corresponde a uma só letra e cada letra figura um único som. O segundo é a reconciliação da gramática com a lógica, pois, embora ambas reconheçam a língua apenas como expressão do pensamento, andavam há muito divorciadas nos idiomas da terra. (João Guimarães Rosa  in “A Estrutura Lógica do Esperanto”,  “Minas Gerais”, 31/7/1929)
GUIMARÃES ROSA  E O ESPERANTO Uma homenagem ao samideano  João Guimarães Rosa,  por ocasião das comemorações do centenário de seu nascimento. Rio de Janeiro, janeiro de 2008 Formatação: Aloísio Sartorato (ludoviko44@yahoo.com.br)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]
Sandra Nunes
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
armindaalmeida
 
Oficina de poesia
Oficina de poesiaOficina de poesia
Oficina de poesia
Marcelo Eduardo
 
P.point texto poético
P.point texto poéticoP.point texto poético
P.point texto poético
Carlos Dias
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
guest46bc30
 
Af5 fernanda bandeira-2
Af5 fernanda bandeira-2Af5 fernanda bandeira-2
Af5 fernanda bandeira-2
fernandabandeira2011
 
História em quadrinhos
História em quadrinhosHistória em quadrinhos
História em quadrinhos
Delziene Jesus
 
Af5 fernanda bandeira-1
Af5 fernanda bandeira-1Af5 fernanda bandeira-1
Af5 fernanda bandeira-1
fernandabandeira2011
 
VIII OFICINA - GESTAR II
VIII OFICINA - GESTAR IIVIII OFICINA - GESTAR II
VIII OFICINA - GESTAR II
guestd34122b
 
Oficina de escrita criativa
Oficina de escrita criativaOficina de escrita criativa
Oficina de escrita criativa
ESCOLA SECUNDÁRIA ALVES MARTINS
 
A Poesia Visual
A  Poesia  VisualA  Poesia  Visual
A Poesia Visual
tita
 
Texto poético
Texto poéticoTexto poético
Texto poético
Ana Arminda Moreira
 
Figuras sonoras da linguagem
Figuras sonoras da linguagemFiguras sonoras da linguagem
Figuras sonoras da linguagem
Mariana Barroso
 
Apresetação 7º a
Apresetação 7º aApresetação 7º a
Apresetação 7º a
Nanethebest
 
Autor do mês João Mancelos
Autor do mês  João MancelosAutor do mês  João Mancelos
Autor do mês João Mancelos
Margarida Botelho da Silva
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 23-24
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 23-24Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 23-24
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 23-24
luisprista
 
Figuras de som
Figuras de somFiguras de som
Figuras de som
Aline Castro
 
Comentário Portugal
Comentário PortugalComentário Portugal
Comentário Portugal
Vitor Dalcégio
 

Mais procurados (18)

Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
 
Oficina de poesia
Oficina de poesiaOficina de poesia
Oficina de poesia
 
P.point texto poético
P.point texto poéticoP.point texto poético
P.point texto poético
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Af5 fernanda bandeira-2
Af5 fernanda bandeira-2Af5 fernanda bandeira-2
Af5 fernanda bandeira-2
 
História em quadrinhos
História em quadrinhosHistória em quadrinhos
História em quadrinhos
 
Af5 fernanda bandeira-1
Af5 fernanda bandeira-1Af5 fernanda bandeira-1
Af5 fernanda bandeira-1
 
VIII OFICINA - GESTAR II
VIII OFICINA - GESTAR IIVIII OFICINA - GESTAR II
VIII OFICINA - GESTAR II
 
Oficina de escrita criativa
Oficina de escrita criativaOficina de escrita criativa
Oficina de escrita criativa
 
A Poesia Visual
A  Poesia  VisualA  Poesia  Visual
A Poesia Visual
 
Texto poético
Texto poéticoTexto poético
Texto poético
 
Figuras sonoras da linguagem
Figuras sonoras da linguagemFiguras sonoras da linguagem
Figuras sonoras da linguagem
 
Apresetação 7º a
Apresetação 7º aApresetação 7º a
Apresetação 7º a
 
Autor do mês João Mancelos
Autor do mês  João MancelosAutor do mês  João Mancelos
Autor do mês João Mancelos
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 23-24
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 23-24Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 23-24
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 23-24
 
Figuras de som
Figuras de somFiguras de som
Figuras de som
 
Comentário Portugal
Comentário PortugalComentário Portugal
Comentário Portugal
 

Destaque

João guimarães rosa
João guimarães rosaJoão guimarães rosa
João guimarães rosa
Joana Darc Bezerra da Silva
 
Guimaraes Rosa 3º B
Guimaraes  Rosa 3º BGuimaraes  Rosa 3º B
Guimaraes Rosa 3º B
cvp
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - GUIMARÃES ROSA
SEMINÁRIO DE LITERATURA - GUIMARÃES ROSASEMINÁRIO DE LITERATURA - GUIMARÃES ROSA
SEMINÁRIO DE LITERATURA - GUIMARÃES ROSA
Marcelo Fernandes
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
Colégio Santa Luzia
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
João Vitor Franco
 
Guimarães Rosa 3ª A
Guimarães Rosa 3ª AGuimarães Rosa 3ª A
Guimarães Rosa 3ª A
cvp
 

Destaque (6)

João guimarães rosa
João guimarães rosaJoão guimarães rosa
João guimarães rosa
 
Guimaraes Rosa 3º B
Guimaraes  Rosa 3º BGuimaraes  Rosa 3º B
Guimaraes Rosa 3º B
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - GUIMARÃES ROSA
SEMINÁRIO DE LITERATURA - GUIMARÃES ROSASEMINÁRIO DE LITERATURA - GUIMARÃES ROSA
SEMINÁRIO DE LITERATURA - GUIMARÃES ROSA
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
 
Guimarães Rosa 3ª A
Guimarães Rosa 3ª AGuimarães Rosa 3ª A
Guimarães Rosa 3ª A
 

Semelhante a Guimarães Rosa e o Esperanto

José jorge letria
José jorge letriaJosé jorge letria
José jorge letria
anacaetanosilva
 
HistóRia Dos Estudos LingüíSticos
HistóRia Dos Estudos LingüíSticosHistóRia Dos Estudos LingüíSticos
HistóRia Dos Estudos LingüíSticos
Ufal- Universidade Federal de Alagoas
 
Ludwik lejzer zamenhof
Ludwik lejzer zamenhofLudwik lejzer zamenhof
Ludwik lejzer zamenhof
Paulo Henrique Ribeiro
 
Análise de uma tradução da canção "Ya no sé que hacer conmigo", do grupo urug...
Análise de uma tradução da canção "Ya no sé que hacer conmigo", do grupo urug...Análise de uma tradução da canção "Ya no sé que hacer conmigo", do grupo urug...
Análise de uma tradução da canção "Ya no sé que hacer conmigo", do grupo urug...
Pedro Lima
 
José Jorge Letria 6
José Jorge Letria 6José Jorge Letria 6
José Jorge Letria 6
Carla Nunes
 
Fenomenos
FenomenosFenomenos
Fenomenos
PIEF OEIRAS
 
Literatura_de_Cordel.pptx
Literatura_de_Cordel.pptxLiteratura_de_Cordel.pptx
Literatura_de_Cordel.pptx
ssuser9ba5e9
 
Lusofonía (por Jéssica)
Lusofonía (por Jéssica)Lusofonía (por Jéssica)
Lusofonía (por Jéssica)
Endl Félix Muriel
 
A literatura surda e a língua de sinais
A literatura surda e a língua de sinaisA literatura surda e a língua de sinais
A literatura surda e a língua de sinais
Guida Gava
 
O senso comum sobre a língua
O senso comum sobre a línguaO senso comum sobre a língua
O senso comum sobre a língua
Suellen87
 
Elementos constituintes do cordel verso, estrofe, figuras de linguagem, rima,...
Elementos constituintes do cordel verso, estrofe, figuras de linguagem, rima,...Elementos constituintes do cordel verso, estrofe, figuras de linguagem, rima,...
Elementos constituintes do cordel verso, estrofe, figuras de linguagem, rima,...
Glauber Pinheiro
 
Origem da letra jota (j) e o nome jesus
Origem da letra jota (j) e o nome jesusOrigem da letra jota (j) e o nome jesus
Origem da letra jota (j) e o nome jesus
ASD Remanescentes
 
Pessoa
PessoaPessoa
Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"
Burghard Baltrusch
 
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - PortuguêsANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
João Pedro Costa
 
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonçaInfluencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Daniel Torquato
 
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Isabel Martins
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Lucilia Fonseca
 
cordel - histórico e características.pptx
cordel - histórico e características.pptxcordel - histórico e características.pptx
cordel - histórico e características.pptx
CeaspOliveira
 
Semana literária
Semana literáriaSemana literária
Semana literária
Eeb Martinho De Haro
 

Semelhante a Guimarães Rosa e o Esperanto (20)

José jorge letria
José jorge letriaJosé jorge letria
José jorge letria
 
HistóRia Dos Estudos LingüíSticos
HistóRia Dos Estudos LingüíSticosHistóRia Dos Estudos LingüíSticos
HistóRia Dos Estudos LingüíSticos
 
Ludwik lejzer zamenhof
Ludwik lejzer zamenhofLudwik lejzer zamenhof
Ludwik lejzer zamenhof
 
Análise de uma tradução da canção "Ya no sé que hacer conmigo", do grupo urug...
Análise de uma tradução da canção "Ya no sé que hacer conmigo", do grupo urug...Análise de uma tradução da canção "Ya no sé que hacer conmigo", do grupo urug...
Análise de uma tradução da canção "Ya no sé que hacer conmigo", do grupo urug...
 
José Jorge Letria 6
José Jorge Letria 6José Jorge Letria 6
José Jorge Letria 6
 
Fenomenos
FenomenosFenomenos
Fenomenos
 
Literatura_de_Cordel.pptx
Literatura_de_Cordel.pptxLiteratura_de_Cordel.pptx
Literatura_de_Cordel.pptx
 
Lusofonía (por Jéssica)
Lusofonía (por Jéssica)Lusofonía (por Jéssica)
Lusofonía (por Jéssica)
 
A literatura surda e a língua de sinais
A literatura surda e a língua de sinaisA literatura surda e a língua de sinais
A literatura surda e a língua de sinais
 
O senso comum sobre a língua
O senso comum sobre a línguaO senso comum sobre a língua
O senso comum sobre a língua
 
Elementos constituintes do cordel verso, estrofe, figuras de linguagem, rima,...
Elementos constituintes do cordel verso, estrofe, figuras de linguagem, rima,...Elementos constituintes do cordel verso, estrofe, figuras de linguagem, rima,...
Elementos constituintes do cordel verso, estrofe, figuras de linguagem, rima,...
 
Origem da letra jota (j) e o nome jesus
Origem da letra jota (j) e o nome jesusOrigem da letra jota (j) e o nome jesus
Origem da letra jota (j) e o nome jesus
 
Pessoa
PessoaPessoa
Pessoa
 
Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"
 
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - PortuguêsANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
 
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonçaInfluencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
 
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
cordel - histórico e características.pptx
cordel - histórico e características.pptxcordel - histórico e características.pptx
cordel - histórico e características.pptx
 
Semana literária
Semana literáriaSemana literária
Semana literária
 

Mais de Centro Espírita Humildes com Jesus

O Tijolo
O TijoloO Tijolo
O Pacote de Biscoito
O Pacote de BiscoitoO Pacote de Biscoito
Os Olhos de Quem Vê
Os Olhos de Quem VêOs Olhos de Quem Vê
O Barbeiro
O BarbeiroO Barbeiro
Necessidades
NecessidadesNecessidades
Hospital Divino
Hospital DivinoHospital Divino
Deus
DeusDeus
Aniversario De Jesus
Aniversario De JesusAniversario De Jesus
Acordar
AcordarAcordar
Abraços
AbraçosAbraços
A Entrevista
A EntrevistaA Entrevista
Vocabulario
VocabularioVocabulario
extos de Gabriel Garcia Marques
extos de Gabriel Garcia Marquesextos de Gabriel Garcia Marques
extos de Gabriel Garcia Marques
Centro Espírita Humildes com Jesus
 
As Sete Maravilhas
As Sete MaravilhasAs Sete Maravilhas
Derramando Pétalas
Derramando PétalasDerramando Pétalas
O Preço de um Milagre
O Preço de um MilagreO Preço de um Milagre
O Preço de um Milagre
Centro Espírita Humildes com Jesus
 
Oração Do Amigo
Oração Do AmigoOração Do Amigo
Loja De Deus
Loja De DeusLoja De Deus
A Terra Em Miniatura
A Terra Em MiniaturaA Terra Em Miniatura
Ser Feliz
Ser FelizSer Feliz

Mais de Centro Espírita Humildes com Jesus (20)

O Tijolo
O TijoloO Tijolo
O Tijolo
 
O Pacote de Biscoito
O Pacote de BiscoitoO Pacote de Biscoito
O Pacote de Biscoito
 
Os Olhos de Quem Vê
Os Olhos de Quem VêOs Olhos de Quem Vê
Os Olhos de Quem Vê
 
O Barbeiro
O BarbeiroO Barbeiro
O Barbeiro
 
Necessidades
NecessidadesNecessidades
Necessidades
 
Hospital Divino
Hospital DivinoHospital Divino
Hospital Divino
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
Aniversario De Jesus
Aniversario De JesusAniversario De Jesus
Aniversario De Jesus
 
Acordar
AcordarAcordar
Acordar
 
Abraços
AbraçosAbraços
Abraços
 
A Entrevista
A EntrevistaA Entrevista
A Entrevista
 
Vocabulario
VocabularioVocabulario
Vocabulario
 
extos de Gabriel Garcia Marques
extos de Gabriel Garcia Marquesextos de Gabriel Garcia Marques
extos de Gabriel Garcia Marques
 
As Sete Maravilhas
As Sete MaravilhasAs Sete Maravilhas
As Sete Maravilhas
 
Derramando Pétalas
Derramando PétalasDerramando Pétalas
Derramando Pétalas
 
O Preço de um Milagre
O Preço de um MilagreO Preço de um Milagre
O Preço de um Milagre
 
Oração Do Amigo
Oração Do AmigoOração Do Amigo
Oração Do Amigo
 
Loja De Deus
Loja De DeusLoja De Deus
Loja De Deus
 
A Terra Em Miniatura
A Terra Em MiniaturaA Terra Em Miniatura
A Terra Em Miniatura
 
Ser Feliz
Ser FelizSer Feliz
Ser Feliz
 

Último

Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
mfixa3824
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
LaerciodeSouzaSilva1
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 

Último (20)

Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 

Guimarães Rosa e o Esperanto

  • 1. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO Uma homenagem ao samideano João Guimarães Rosa
  • 2. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO “ Vários idiomas, muitos, já dominava na juventude. Quando estudante de Medicina, trabalhou na Estatística, em Belo Horizonte. Seu chefe, Dr. Teixeira de Freitas, precisando de uma pessoa para cuidar da correspondência em esperanto, chamou o jovem funcionário, já poliglota, e sugeriu que aprendesse a língua de Zamenhof. Seria o esperantista de serviço. Joãozito matriculou-se num curso e em vinte e sete dias recebeu o diploma, por já reter sabido e compreendido os conhecimentos todos do novo idioma. Escrevia e falava corretamente”. ( in “Joãozito – Infância de João Guimarães Rosa”, de Vicente Guimarães, José Olimpio Editora, 1972)
  • 3. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO “ Em 1 de julho de 1929, ocorreu uma reunião do Montara E-Klubo... ... Leu um conto por ele escrito o Sr. João Guimarães Rosa. Minas Gerais publicou uma série de artigos interessantes do Sr. João Guimarães Rosa”. (in “ Brazila Esperantisto”, julio-dezembro/1929, pág. 12 )
  • 4. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO “ Ary Theodolindo foi também presidente do Montara Esperanto-Klubo. Sob sua gestão, idealista e dinâmica, o M.E.K. atingiu excelente desenvolvimento. Por essa época, fez o Clube publicar no “Minas Gerais” diversos artigos de difusão da língua e da idéia, subscrito por seus sócios. É assim que anotamos os seguintes: A estrutura lógica do Esperanto. Algumas justificações. Um pouco de filosofia comparada, em 31.7.1929, de autoria de João Guimarães Rosa. (in “Anais do XV Congresso Brasileiro de Esperanto”, pag. 177)
  • 5. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO No Estado de Minas, de 23 de julho de 1929, também dentro da Semana do Livro Esperantista, João Guimarães Rosa, o hoje consagrado autor de Sagarana e Corpo de Baile publicava A Estética do Idioma de Zamenhof. (in “Anais do XV Congresso Brasileiro de Esperanto”, pag. 177)
  • 6. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO “ O Dr. Zamenhof, criador do esperanto, além de poliglota era também um poeta. Não lhe bastava que a nova língua tivesse tronco robusto e raízes bem fixadas – ela ficaria imperfeita sem a coroa de flores a variegar-lhe o verdor das frondes. Por isso, ao lançar as bases do idioma internacional, ele agiu principalmente como artista”. “ E é essa língua, de grande simplicidade e rara beleza, que está naturalmente predestinada a veicular e divulgar as obras literárias no futuro”. (João Guimarães Rosa, in “A estética do idioma de Zamenhof”, “O Estado de Minas”, 23 de julho de 1929)
  • 7. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO “ Em esperanto, as letras aparecem na proporção de 45% de vogais para 57% de consoantes, em média, como acontece nas línguas mais doces e sonoras tais como o português, o espanhol e o italiano. As línguas do grupo germânico exigem muito maior percentagem de consoantes. No inglês, alemão e francês o E predomina visivelmente, no italiano o I ou o A; no português e no esperanto o mesmo acontece ao A, que se patenteia pelo exame de qualquer trecho escrito nessas línguas. O esperanto é, portanto, como o português, uma língua em A, o que lhe confere agradável sonoridade, pois o A é a articulação primitiva, som normal e básico da voz humana, vogal cheia, clara e musical, predominante aos rumores e ruídos da natureza”. (João Guimarães Rosa in “A estética do idioma de Zamenhof”)
  • 8. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO “ Cumpre-nos citar dois argumentos pró-Esperanto: O primeiro é a solução prática do problema da escrita fonética. Na língua de Zamenhof, cada som corresponde a uma só letra e cada letra figura um único som. O segundo é a reconciliação da gramática com a lógica, pois, embora ambas reconheçam a língua apenas como expressão do pensamento, andavam há muito divorciadas nos idiomas da terra. (João Guimarães Rosa in “A Estrutura Lógica do Esperanto”, “Minas Gerais”, 31/7/1929)
  • 9. GUIMARÃES ROSA E O ESPERANTO Uma homenagem ao samideano João Guimarães Rosa, por ocasião das comemorações do centenário de seu nascimento. Rio de Janeiro, janeiro de 2008 Formatação: Aloísio Sartorato (ludoviko44@yahoo.com.br)