SlideShare uma empresa Scribd logo
A Cidade como Espaço Público de Convivência entre Religiões

                                              Gilbraz Aragão



O crescimento do diálogo inter-religioso, e o lançamento do Fórum Diálogos para a
Diversidade Religiosa em Pernambuco é uma expressão disso, coincide com a idade da
mundialização urbanizada. Talvez estejamos vivendo hoje 1 uma espécie de quarta idade
da humanidade. A primeira teria sido o começo da humanização, há alguns milhões de
anos. A emergência do homo sapiens, com o aparecimento da linguagem e das culturas,
teria sido a segunda. A terceira coincide com o nascimento da história e o aparecimento
das grandes cidades e do Estado. Nós estaríamos já na idade de um quarto nascimento
do homem e seria o começo de uma civilização mundial, de uma comunidade mundial
de nações, de uma rede de grandes cidades. E dentro da imensa família humana e de seu
futuro incerto, os membros das diversas religiões têm consciência cada vez maior de
que os elementos que os unem são mais importantes do que os que os separam, de que a
revelação que uma religião descobriu foi por causa das outras e para as outras, e mesmo
se a maior parte reivindica certa pretensão de absoluto e de universal, eles têm a
consciência muito mais viva de sua relatividade histórica.

No contexto de mundialização e de estreita interdependência de todas as partes do
mundo, as culturas se entrecruzam e os homens interrogam-se com angústia sobre o
futuro da humanidade. Graças às conquistas prodigiosas da ciência e da tecnologia, o
domínio do homem tornou-se praticamente sem limites e pela primeira vez na história
sabemos que a sobrevivência da espécie humana depende da sabedoria e da boa vontade
de todos nós. Assim, em vez de procurar seu interesse próprio e defender a qualquer
custo suas particularidades, as religiões descobrem a responsabilidade histórica de seu
serviço à humanidade e ao meio ambiente. Na idade das cidades mundializadas2,
glolocalizadas, a comunidade humana espera por uma ética planetária ou global que
esteja acima das diversidades culturais e das religiões. Todas as religiões são
convidadas a ouvir a voz da consciência humana universal e colaborar para uma ética
global, que será ocasião para um questionamento recíproco das morais de fundamento

1
    Cf. MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.
2
 Cf. ARAGÃO, G. A Igreja na cidade pós-moderna. REVISTA DE TEOLOGIA E CIÊNCIAS DA RELIGIÃO DA
UNICAP (ISSN 1679-5393), Recife, ano II, número especial (jan. 2003): 181-233.
religioso e das éticas seculares. As religiões não podem ignorar as aspirações legítimas
da consciência humana em matéria do verdadeiramente humano e elas devem estar
prontas a re-interpretar algumas de suas tradições. Mas, ao mesmo tempo, em suas
preocupações de autonomia, as éticas mais racionais equivocar-se-iam ao negligenciar
as lições de sabedoria de que as tradições religiosas foram sempre portadoras.

Estou convencido de que o problema maior do diálogo entre os saberes, entre ciência e
fé, entre uma religião e outra, está nos seus pressupostos filosóficos – e daí a
necessidade de reeducação das religiões na cidade e para a cidade moderna. Mais
precisamente, a questão reside na lógica da identidade, que inviabiliza toda
compreensão alterativa e plural no entendimento da salvação: ou você está na minha
igreja e aceita o meu salvador ou está condenado, por exemplo; ou você reconhece a
verdade científica e descarta os mitos ou está atrasado, por outro lado. A física quântica,
enquanto novo paradigma de ciência, que gerou um modelo emergente em filosofia do
conhecimento, no entanto, mostrou a “coexistência entre pares de contraditórios
mutuamente exclusivos”3. Com base nessa constatação, busca-se compreender mais
amplamente a realidade, superando o princípio de identidade e contradição pelo de
complexidade; demonstrando que, em outros níveis da realidade, verdades contrapostas
podem se explicar ou conviver. O novo paradigma de conhecimento, complexo e
transdisciplinar, gerou a lógica do terceiro incluído que, debruçada por si sobre o
fenômeno das religiões e as contradições que surgem do seu pluralismo, remete à busca
de um outro nível de realidade, àquela “ética do amor”, que pode religar crentes
antagônicos em uma fé que se faz ato e permite o acesso ao “sagrado” – e ao divino que
está “entre e para além” das religiões e cujo espírito pervade todas as coisas. Não é
exatamente sobre a religião que se deve dialogar no diálogo inter-religioso – e nem
mesmo diretamente sobre Deus – mas sobre o projeto divino em vista de fazer deste
mundo um paraíso amoroso. Somente mudando o “nível da realidade”, passando do
nível teórico-doutrinal para o da práxis ética e/ou do silêncio espiritual, é que o diálogo
entre religiões é possível. Somente ultrapassando a própria experiência de Deus e
buscando a ética que se esconde no humano – e nos reúne a todos de maneira sagrada –
é que uma religião pode dialogar com outra.



3
    Cf. NICOLESCU, B. Nous, la particule et le monde. Paris: Éditions du Rocher, 2002.
Ainda encontramos representantes de religiões que rejeitam membros de outras como se
tivessem pouco valor, e que pregam o fanatismo e a intolerância em vez de respeito e
entendimento. Contudo, nas grandes religiões antigas e tradições éticas da humanidade,
encontramos o ensinamento: não mentirás! Ou, em termos positivos: diga a verdade! De
fato, nenhuma mulher ou homem, nenhuma instituição, nenhum Estado, igreja ou
comunidade religiosa, têm o direito de dizer inverdades a outros seres humanos. Isso é
especialmente verdade para os representantes das religiões: quando incitam o
preconceito, o ódio e a inimizade para com aqueles que professam credos diferentes,
não merecem adeptos. Todos os seres humanos têm direito à verdade. Têm direito à
informação necessária e à educação, para que estejam aptos a tomar as decisões sobre o
sentido das suas crenças, ritos e interditos, têm direito a uma fé esclarecida. Sem uma
orientação ética fundamental, dificilmente as novas gerações poderão distinguir o
importante do insignificante, na corrente diária de informações. Nossos filhos precisam
conhecer o núcleo ético-mítico da sua cultura, mas também de outras culturas, para
poderem discernir com maior liberdade. Isso implica na mudança do conceito religioso
de missão: ao invés de converter o mundo e implantar a minha Igreja, ajudar na
disponibilização das mensagens de todas as tradições espirituais, para quem delas
necessite em seu processo de educação (e transcendência) humana e humanizante,
favorecendo assim a compreensão e a paz entre os povos. O que podemos fazer, então,
para educar as religiões e ajudar para que elas eduquem os novos cidadãos?
Compartilho uma história...

Fazemos parte da Universidade Católica de Pernambuco. Somos pesquisadores do
fenômeno religioso, ajudamos as comunidades cristãs na busca das razões para sua fé,
mas seguimos a tradição dos jesuítas de colaborar com tudo o que leva a humanidade
"para frente e para cima". Por isso estamos abertos ao estudo científico das religiões e à
meditação mística sobre os dados das ciências; acolhemos e promovemos o mais amplo
ecumenismo entre as tradições religiosas que defendem a justiça e a caridade, o mais
sincero diálogo com as pessoas que amam a vida e a liberdade. Nós estamos ligados ao
Mestrado em Ciências da Religião da UNICAP, um programa de pós-graduação que já
está formando a sua nona turma, onde estuda de bispo católico a bruxa da wicca, mães-
de-santo e pastores protestantes, padres e professores de religião – todos fascinados pela
experiência do sagrado que se vislumbra entre e para além das tradições religiosas. Com
esses estudantes organizamos o Observatório Transdisciplinar das Religiões no
Recife: um espaço que começa pela internet (www.unicap.br/observatorio2), com o
objetivo de analisar os fatos relacionados aos encontros e desencontros entre as religiões
no Recife e região, procurando promover o diálogo intercultural e inter-religioso.

Nesse Observatório se desenvolvem estudos sobre o diálogo entre as religiões,
analisando eventos e documentos sob um enfoque transdisciplinar e plurimetodológico,
acadêmico e não confessional. Especial destaque é dado à pesquisa dos processos de
educação inter ou trans-religiosa em nossa cultura pluralista, envolvendo também o
ensino religioso: as aulas de religião têm sido oferecidas muito mais como testemunho
das crenças de quem ensina do que como reflexão sobre uma experiência multifacetada
de conhecimento, cujos valores humanos precisam ser conscientizados criticamente nas
escolas (http://crunicap.blogspot.com/2011/09/o-que-diz-lei-sobre-ensino-
religioso.html). Existe praticamente um consenso entre acadêmicos e entidades da
sociedade civil, de que a reflexão sobre a religiosidade humana que é desejável nas
escolas deve assegurar os direitos garantidos pela laicidade do Estado, o que inclui a
não obrigatoriedade de presença às aulas e que o conteúdo não seja o estudo de uma
religião apenas. Afinal, o bom princípio científico – e escola é lugar de educação
científica – ensina que não se conhece com apenas uma amostra: é preciso comparar
criticamente e interpretar os fatos – também religiosos – nos seus contextos históricos.
Assim, religião não se ensina propriamente, mas se pode e deve refletir sobre esse
fenômeno na escola. Até porque os sentidos e sentimentos religiosos sempre
influenciam as nossas relações humanas, sejam de produção, de parentesco e política, de
palavra ou interpretação. Essa é a principal frente de ação que demanda a nossa
unidade: a constituição de um Ensino Religioso em sintonia com o espírito do tempo.

O espaço virtual do nosso Observatório na Universidade Católica vincula-se ainda a
uma rede de iniciativas presenciais, que promovem e multiplicam uma pedagogia
dialogal para toda a comunidade recifense e nordestina: o Grupo de Estudos sobre
Trandisciplinaridade e Diálogo entre Culturas e Religiões, com reuniões semanais nas
quartas às 17h; os Eventos que procuram fomentar o diálogo, dentre os quais o
Simpósio Internacional de Ciências da Religião, que é trienal (o primeiro tratou do
tema “A odisseia continua…” e refletiu sobre os grandes desafios provocados pelo
desenvolvimento das ciências e do fenômeno da globalização para os estudos das
religiões; o segundo Simpósio tematizou o desafio da pluralidade cultural e pluralismo
religioso, convocando para a reflexão sobre “As muitas faces de Deus…”; e o terceiro,
em 2010, versou sobre “Religiosidades populares e multiculturalismo: intolerâncias,
diálogos, interpretações”. Em 2013, de 4 a 6 de setembro, congraçaremos novamente
pesquisadores e interessados, em torno do tema “Para onde vão as religiões no
Brasil?”), e, finalmente, o Fórum Inter-Religioso da UNICAP, que reúne a cada mês
lideranças religiosas da região para uma escuta mística da fé do outro.

Esse Fórum Inter-Religioso, organizado pelo Observatório desde 2007, articula
encontros de animadores das tradições religiosas para conhecimento mútuo e exercício
de tolerância cultural, para a tentativa de uma veneração pluralista do sagrado. O que se
quer é cultivar tempos destinados à escuta e à meditação sobre as vivências da fé
(incluindo as dos grupos pós-religiosos). O Fórum realiza um exercício de comunhão
com os caminhos espirituais alterativos, no silêncio nutrido pela própria religião e
cultura, desejando colaborar para uma atitude trans-religiosa que deve se irradiar entre
os educadores de Pernambuco. Os encontros são normalmente nas segundas segundas-
feiras de cada mês, às 17h, no Auditório do CTCH, primeiro andar do Bloco B da
Universidade. Já estão disponíveis os vídeos que preparamos com entrevistas e
celebrações das religiões que participaram do Fórum: Adventistas, Anglicanos, Batistas,
Budistas, Católicos, Congregacionais, Espíritas, Exército da Salvação, Fé Ba’hai, Hare
Krishnas, Judeus, Jurema, Menonitas, Messiânicos, Metodistas, Mórmons,
Muçulmanos, Ortodoxos, Presbiterianos, Religião do Eterno, Santo Daime, Tenrikyo,
Umbanda, Vale do Amanhecer, Wicca, Xambá, Xangô, Xucuru. Estamos preparando
também, para cada uma, um conjunto de informações: principais crenças e ritos, história
na região e personalidades de referência, endereços físicos (no Recife) e endereços
virtuais. E depois dessa fase de re-conhecimento de quase trinta grupos religiosos mais
presentes em Pernambuco, o Fórum começou a trabalhar questões transversais como
"Religiosidade e educação nas escolas", "Sacrifício e religiões comparadas" e, neste
semestre, estamos desenvolvendo uma série de encontros sobre "Tempos pós-modernos,
espaços pós-religiosos?!".

Por fim, e para além dos muros da UNICAP, temos colaborado também para a
construção do Parque-Museu das Religiões de Pernambuco. Esse espaço das religiões,
iniciativa de um grupo de amigos sonhadores do diálogo, almeja ser um local aberto a
todos, com o propósito de apresentar o fenômeno religioso na atualidade e em nossa
região, mas também através do tempo e espaço afora, com as melhores técnicas
museológicas e os mais avançados estudos em história comparada. Almeja aliar as
religiões, como primeira forma de conhecimento percebida pelo homem, com as
ciências, consagradas como a forma de conhecimento dos tempos modernos.
Apresentando questões comuns e diferenças entre as religiões, educando os visitantes
com a exibição das características de cada tradição religiosa, o espaço poderá oferecer
transparência à identificação de cada pessoa com a sua religião e forma de pensar,
desenvolvendo o diálogo entre os adeptos das diversas manifestações.

Enfim, esperamos somar e multiplicar nessa busca por uma espiritualidade dialogal,
como instrumento de compreensão humana e serviço à humanização. Pois, afinal, todos
os templos apontam para o céu: se ficarmos apenas olhando os templos, perderemos o
céu estrelado e o seu além! Finalizo, desejando vida longa e múltiplos serviços ao
Fórum Diálogos para a Diversidade Religiosa em Pernambuco, que ora estamos
lançando. E passo a palavra a um santo da nossa cidade: “Em hora tão grave para a
humanidade, por que nós, os que carregamos a responsabilidade de crer em Deus, não
nos aliamos? Aliança para que? Aliança, pacto, para pressionar moralmente nossos
amigos, nossos parentes, nossos conhecidos, para que tomem consciência de situações
de injustiça, não se deixem manipular, reajam contra todo e qualquer esmagamento de
seres humanos. E se trocarmos ecumenismos estreitos por um ecumenismo da dimensão
planetária, Deus nos ajudará. Se abrirmos um crédito de confiança a quem amar o ser
humano, amando, sem saber, o Criador e Pai, o Senhor se servirá da nossa pequenez e
do nosso nada, para fazer maravilhas” (Dom Helder ao receber, em Oslo (Noruega) o
Prêmio Popular da Paz, 1974).




Gilbraz Aragão, professor da UNICAP, coordenador do Observatório das Religiões e do
Mestrado em Ciências da Religião, blog: http://crunicap.blogspot.com; e-mail:
gilbraz@unicap.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ateísmo no Brasil (Paula Monteiro/ Eduardo Dullo)
Ateísmo no Brasil (Paula Monteiro/ Eduardo Dullo)Ateísmo no Brasil (Paula Monteiro/ Eduardo Dullo)
Ateísmo no Brasil (Paula Monteiro/ Eduardo Dullo)
Jerbialdo
 
EINSTEIN - Como vejo o mundo
EINSTEIN -  Como vejo o mundoEINSTEIN -  Como vejo o mundo
EINSTEIN - Como vejo o mundo
Carlos Burke
 
Marxismo cultural - A Farsa Ateísta
Marxismo cultural - A Farsa AteístaMarxismo cultural - A Farsa Ateísta
Marxismo cultural - A Farsa Ateísta
Carlos Silva
 
Fé e Saber - Habermas (excerto)
Fé e Saber - Habermas (excerto)Fé e Saber - Habermas (excerto)
Fé e Saber - Habermas (excerto)
Tiago Lacerda
 
Pré-Projeto de Mestrado - 2015
Pré-Projeto de Mestrado - 2015Pré-Projeto de Mestrado - 2015
Pré-Projeto de Mestrado - 2015
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Artigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitualArtigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitual
Israel serique
 
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Jean Francesco
 
Materialismo e Espiritismo
Materialismo e EspiritismoMaterialismo e Espiritismo
Materialismo e Espiritismo
Helio Cruz
 
Novo testamento artigo
Novo testamento artigoNovo testamento artigo
Novo testamento artigo
Israel serique
 
O Fundamentalismo e a Pós-modernidade
O Fundamentalismo e a Pós-modernidadeO Fundamentalismo e a Pós-modernidade
O Fundamentalismo e a Pós-modernidade
Israel serique
 
Artigo evidências históricas da fé cristã
Artigo   evidências históricas da fé cristãArtigo   evidências históricas da fé cristã
Artigo evidências históricas da fé cristã
Israel serique
 
Filosofia - Patristica
Filosofia - PatristicaFilosofia - Patristica
Filosofia - Patristica
André Raqjr
 
2 filosofia e ética panorama histórico
2 filosofia e ética panorama histórico2 filosofia e ética panorama histórico
2 filosofia e ética panorama histórico
Israel serique
 
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Carlos Silva
 
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do InfernoEstudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Ricardo Nakashima
 
Codigo Da Vinci Anjos E Demonios
Codigo Da Vinci Anjos E DemoniosCodigo Da Vinci Anjos E Demonios
Codigo Da Vinci Anjos E Demonios
Flor Martha S. Ferreira
 
Tcc o mito e sua relevância no ensino religioso
Tcc o mito e sua relevância no ensino religiosoTcc o mito e sua relevância no ensino religioso
Tcc o mito e sua relevância no ensino religioso
luciano
 

Mais procurados (18)

Ateísmo no Brasil (Paula Monteiro/ Eduardo Dullo)
Ateísmo no Brasil (Paula Monteiro/ Eduardo Dullo)Ateísmo no Brasil (Paula Monteiro/ Eduardo Dullo)
Ateísmo no Brasil (Paula Monteiro/ Eduardo Dullo)
 
EINSTEIN - Como vejo o mundo
EINSTEIN -  Como vejo o mundoEINSTEIN -  Como vejo o mundo
EINSTEIN - Como vejo o mundo
 
Marxismo cultural - A Farsa Ateísta
Marxismo cultural - A Farsa AteístaMarxismo cultural - A Farsa Ateísta
Marxismo cultural - A Farsa Ateísta
 
Fé e Saber - Habermas (excerto)
Fé e Saber - Habermas (excerto)Fé e Saber - Habermas (excerto)
Fé e Saber - Habermas (excerto)
 
Pré-Projeto de Mestrado - 2015
Pré-Projeto de Mestrado - 2015Pré-Projeto de Mestrado - 2015
Pré-Projeto de Mestrado - 2015
 
Artigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitualArtigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitual
 
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
Edição n. 37 do CH Noticias - Julho/2018
 
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
Dualismo ocidental e seus desafios (Nancy Pearcey)
 
Materialismo e Espiritismo
Materialismo e EspiritismoMaterialismo e Espiritismo
Materialismo e Espiritismo
 
Novo testamento artigo
Novo testamento artigoNovo testamento artigo
Novo testamento artigo
 
O Fundamentalismo e a Pós-modernidade
O Fundamentalismo e a Pós-modernidadeO Fundamentalismo e a Pós-modernidade
O Fundamentalismo e a Pós-modernidade
 
Artigo evidências históricas da fé cristã
Artigo   evidências históricas da fé cristãArtigo   evidências históricas da fé cristã
Artigo evidências históricas da fé cristã
 
Filosofia - Patristica
Filosofia - PatristicaFilosofia - Patristica
Filosofia - Patristica
 
2 filosofia e ética panorama histórico
2 filosofia e ética panorama histórico2 filosofia e ética panorama histórico
2 filosofia e ética panorama histórico
 
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
 
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do InfernoEstudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
 
Codigo Da Vinci Anjos E Demonios
Codigo Da Vinci Anjos E DemoniosCodigo Da Vinci Anjos E Demonios
Codigo Da Vinci Anjos E Demonios
 
Tcc o mito e sua relevância no ensino religioso
Tcc o mito e sua relevância no ensino religiosoTcc o mito e sua relevância no ensino religioso
Tcc o mito e sua relevância no ensino religioso
 

Destaque

A espiritualidade de dom helder comblin
A espiritualidade de dom helder   comblinA espiritualidade de dom helder   comblin
A espiritualidade de dom helder comblin
Gilbraz Aragão
 
simpósio ecumenismo e missão
simpósio ecumenismo e missãosimpósio ecumenismo e missão
simpósio ecumenismo e missão
Gilbraz Aragão
 
Pernambuco resolução cee 0506
Pernambuco   resolução cee 0506Pernambuco   resolução cee 0506
Pernambuco resolução cee 0506
Gilbraz Aragão
 
Fausto e religioes, artigo de gilbraz
Fausto e religioes, artigo de gilbrazFausto e religioes, artigo de gilbraz
Fausto e religioes, artigo de gilbraz
Gilbraz Aragão
 
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
Gilbraz Aragão
 
Parque das Religiões
Parque das ReligiõesParque das Religiões
Parque das Religiões
Gilbraz Aragão
 
Movimento encontro de irmãos
Movimento encontro de irmãosMovimento encontro de irmãos
Movimento encontro de irmãos
Gilbraz Aragão
 
Apresentacao espaco religioes
Apresentacao  espaco religioesApresentacao  espaco religioes
Apresentacao espaco religioes
Gilbraz Aragão
 
Viagem ao sertão
Viagem ao sertão Viagem ao sertão
Viagem ao sertão
Gilbraz Aragão
 
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religiosoTransdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Gilbraz Aragão
 
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivasEnsino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Gilbraz Aragão
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo

Destaque (13)

A espiritualidade de dom helder comblin
A espiritualidade de dom helder   comblinA espiritualidade de dom helder   comblin
A espiritualidade de dom helder comblin
 
simpósio ecumenismo e missão
simpósio ecumenismo e missãosimpósio ecumenismo e missão
simpósio ecumenismo e missão
 
Pernambuco resolução cee 0506
Pernambuco   resolução cee 0506Pernambuco   resolução cee 0506
Pernambuco resolução cee 0506
 
Fausto e religioes, artigo de gilbraz
Fausto e religioes, artigo de gilbrazFausto e religioes, artigo de gilbraz
Fausto e religioes, artigo de gilbraz
 
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
 
Recife
RecifeRecife
Recife
 
Parque das Religiões
Parque das ReligiõesParque das Religiões
Parque das Religiões
 
Movimento encontro de irmãos
Movimento encontro de irmãosMovimento encontro de irmãos
Movimento encontro de irmãos
 
Apresentacao espaco religioes
Apresentacao  espaco religioesApresentacao  espaco religioes
Apresentacao espaco religioes
 
Viagem ao sertão
Viagem ao sertão Viagem ao sertão
Viagem ao sertão
 
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religiosoTransdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
 
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivasEnsino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivas
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
 

Semelhante a Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz

A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
Jorge Miklos
 
Intolerância
IntolerânciaIntolerância
Intolerância
gilbraz
 
Pluralismo
PluralismoPluralismo
Pluralismo
fespiritacrista
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
Gilbraz Aragão
 
Fides et ratio 1
Fides et ratio 1Fides et ratio 1
Fides et ratio 1
Cláudio Souza
 
pcner-int.pdf
pcner-int.pdfpcner-int.pdf
Pré-projeto de Mestrado
Pré-projeto de MestradoPré-projeto de Mestrado
Pré-projeto de Mestrado
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Pluralismo religioso - Teologia - Semestre 2º e 3º.pdf
Pluralismo religioso - Teologia - Semestre 2º e 3º.pdfPluralismo religioso - Teologia - Semestre 2º e 3º.pdf
Pluralismo religioso - Teologia - Semestre 2º e 3º.pdf
HELENO FAVACHO
 
Fides et Ratio
Fides et RatioFides et Ratio
Fides et Ratio
Carlinhos Pregador
 
1 trabalho maquiavel
1 trabalho maquiavel1 trabalho maquiavel
1 trabalho maquiavel
Letícia Borges
 
Fórum Diálogos na Alepe
Fórum Diálogos na AlepeFórum Diálogos na Alepe
Fórum Diálogos na Alepe
gilbraz
 
Ciencia e Fe.pdf
Ciencia e Fe.pdfCiencia e Fe.pdf
Ciencia e Fe.pdf
CultagriLda
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
luciano
 
Diversidade e religião Prof. fernando
Diversidade e religião   Prof. fernandoDiversidade e religião   Prof. fernando
Diversidade e religião Prof. fernando
Fernando Pimentel
 
Religiosidade e cultura popular
Religiosidade e cultura popularReligiosidade e cultura popular
Religiosidade e cultura popular
Aline Sesti Cerutti
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
PAPA FRANCISCO NA MONGÓLIA.pptx
PAPA FRANCISCO NA MONGÓLIA.pptxPAPA FRANCISCO NA MONGÓLIA.pptx
PAPA FRANCISCO NA MONGÓLIA.pptx
Martin M Flynn
 
Antropologia da religião
Antropologia da religiãoAntropologia da religião
Antropologia da religião
Salomao Lucio Dos Santos
 
Hermenêutica dos textos religiosos
Hermenêutica dos textos religiososHermenêutica dos textos religiosos
Hermenêutica dos textos religiosos
João Pereira
 
consciência planetária, sustentabilidade e religião
consciência planetária, sustentabilidade e religiãoconsciência planetária, sustentabilidade e religião
consciência planetária, sustentabilidade e religião
Afonso Murad (FAJE)
 

Semelhante a Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz (20)

A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
 
Intolerância
IntolerânciaIntolerância
Intolerância
 
Pluralismo
PluralismoPluralismo
Pluralismo
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Fides et ratio 1
Fides et ratio 1Fides et ratio 1
Fides et ratio 1
 
pcner-int.pdf
pcner-int.pdfpcner-int.pdf
pcner-int.pdf
 
Pré-projeto de Mestrado
Pré-projeto de MestradoPré-projeto de Mestrado
Pré-projeto de Mestrado
 
Pluralismo religioso - Teologia - Semestre 2º e 3º.pdf
Pluralismo religioso - Teologia - Semestre 2º e 3º.pdfPluralismo religioso - Teologia - Semestre 2º e 3º.pdf
Pluralismo religioso - Teologia - Semestre 2º e 3º.pdf
 
Fides et Ratio
Fides et RatioFides et Ratio
Fides et Ratio
 
1 trabalho maquiavel
1 trabalho maquiavel1 trabalho maquiavel
1 trabalho maquiavel
 
Fórum Diálogos na Alepe
Fórum Diálogos na AlepeFórum Diálogos na Alepe
Fórum Diálogos na Alepe
 
Ciencia e Fe.pdf
Ciencia e Fe.pdfCiencia e Fe.pdf
Ciencia e Fe.pdf
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
 
Diversidade e religião Prof. fernando
Diversidade e religião   Prof. fernandoDiversidade e religião   Prof. fernando
Diversidade e religião Prof. fernando
 
Religiosidade e cultura popular
Religiosidade e cultura popularReligiosidade e cultura popular
Religiosidade e cultura popular
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
PAPA FRANCISCO NA MONGÓLIA.pptx
PAPA FRANCISCO NA MONGÓLIA.pptxPAPA FRANCISCO NA MONGÓLIA.pptx
PAPA FRANCISCO NA MONGÓLIA.pptx
 
Antropologia da religião
Antropologia da religiãoAntropologia da religião
Antropologia da religião
 
Hermenêutica dos textos religiosos
Hermenêutica dos textos religiososHermenêutica dos textos religiosos
Hermenêutica dos textos religiosos
 
consciência planetária, sustentabilidade e religião
consciência planetária, sustentabilidade e religiãoconsciência planetária, sustentabilidade e religião
consciência planetária, sustentabilidade e religião
 

Mais de Gilbraz Aragão

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Gilbraz Aragão
 
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsxLIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
Gilbraz Aragão
 
Apresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptxApresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptx
Gilbraz Aragão
 
Apresentação Dissertação .pptx.pdf
Apresentação Dissertação .pptx.pdfApresentação Dissertação .pptx.pdf
Apresentação Dissertação .pptx.pdf
Gilbraz Aragão
 
Parque das Religiões 2022.ppsx
Parque das Religiões 2022.ppsxParque das Religiões 2022.ppsx
Parque das Religiões 2022.ppsx
Gilbraz Aragão
 
Observatorio das religioes 2018
Observatorio das religioes 2018Observatorio das religioes 2018
Observatorio das religioes 2018
Gilbraz Aragão
 
Religiões e Ética
Religiões e ÉticaReligiões e Ética
Religiões e Ética
Gilbraz Aragão
 

Mais de Gilbraz Aragão (7)

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsxLIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
 
Apresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptxApresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptx
 
Apresentação Dissertação .pptx.pdf
Apresentação Dissertação .pptx.pdfApresentação Dissertação .pptx.pdf
Apresentação Dissertação .pptx.pdf
 
Parque das Religiões 2022.ppsx
Parque das Religiões 2022.ppsxParque das Religiões 2022.ppsx
Parque das Religiões 2022.ppsx
 
Observatorio das religioes 2018
Observatorio das religioes 2018Observatorio das religioes 2018
Observatorio das religioes 2018
 
Religiões e Ética
Religiões e ÉticaReligiões e Ética
Religiões e Ética
 

Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz

  • 1. A Cidade como Espaço Público de Convivência entre Religiões Gilbraz Aragão O crescimento do diálogo inter-religioso, e o lançamento do Fórum Diálogos para a Diversidade Religiosa em Pernambuco é uma expressão disso, coincide com a idade da mundialização urbanizada. Talvez estejamos vivendo hoje 1 uma espécie de quarta idade da humanidade. A primeira teria sido o começo da humanização, há alguns milhões de anos. A emergência do homo sapiens, com o aparecimento da linguagem e das culturas, teria sido a segunda. A terceira coincide com o nascimento da história e o aparecimento das grandes cidades e do Estado. Nós estaríamos já na idade de um quarto nascimento do homem e seria o começo de uma civilização mundial, de uma comunidade mundial de nações, de uma rede de grandes cidades. E dentro da imensa família humana e de seu futuro incerto, os membros das diversas religiões têm consciência cada vez maior de que os elementos que os unem são mais importantes do que os que os separam, de que a revelação que uma religião descobriu foi por causa das outras e para as outras, e mesmo se a maior parte reivindica certa pretensão de absoluto e de universal, eles têm a consciência muito mais viva de sua relatividade histórica. No contexto de mundialização e de estreita interdependência de todas as partes do mundo, as culturas se entrecruzam e os homens interrogam-se com angústia sobre o futuro da humanidade. Graças às conquistas prodigiosas da ciência e da tecnologia, o domínio do homem tornou-se praticamente sem limites e pela primeira vez na história sabemos que a sobrevivência da espécie humana depende da sabedoria e da boa vontade de todos nós. Assim, em vez de procurar seu interesse próprio e defender a qualquer custo suas particularidades, as religiões descobrem a responsabilidade histórica de seu serviço à humanidade e ao meio ambiente. Na idade das cidades mundializadas2, glolocalizadas, a comunidade humana espera por uma ética planetária ou global que esteja acima das diversidades culturais e das religiões. Todas as religiões são convidadas a ouvir a voz da consciência humana universal e colaborar para uma ética global, que será ocasião para um questionamento recíproco das morais de fundamento 1 Cf. MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. 2 Cf. ARAGÃO, G. A Igreja na cidade pós-moderna. REVISTA DE TEOLOGIA E CIÊNCIAS DA RELIGIÃO DA UNICAP (ISSN 1679-5393), Recife, ano II, número especial (jan. 2003): 181-233.
  • 2. religioso e das éticas seculares. As religiões não podem ignorar as aspirações legítimas da consciência humana em matéria do verdadeiramente humano e elas devem estar prontas a re-interpretar algumas de suas tradições. Mas, ao mesmo tempo, em suas preocupações de autonomia, as éticas mais racionais equivocar-se-iam ao negligenciar as lições de sabedoria de que as tradições religiosas foram sempre portadoras. Estou convencido de que o problema maior do diálogo entre os saberes, entre ciência e fé, entre uma religião e outra, está nos seus pressupostos filosóficos – e daí a necessidade de reeducação das religiões na cidade e para a cidade moderna. Mais precisamente, a questão reside na lógica da identidade, que inviabiliza toda compreensão alterativa e plural no entendimento da salvação: ou você está na minha igreja e aceita o meu salvador ou está condenado, por exemplo; ou você reconhece a verdade científica e descarta os mitos ou está atrasado, por outro lado. A física quântica, enquanto novo paradigma de ciência, que gerou um modelo emergente em filosofia do conhecimento, no entanto, mostrou a “coexistência entre pares de contraditórios mutuamente exclusivos”3. Com base nessa constatação, busca-se compreender mais amplamente a realidade, superando o princípio de identidade e contradição pelo de complexidade; demonstrando que, em outros níveis da realidade, verdades contrapostas podem se explicar ou conviver. O novo paradigma de conhecimento, complexo e transdisciplinar, gerou a lógica do terceiro incluído que, debruçada por si sobre o fenômeno das religiões e as contradições que surgem do seu pluralismo, remete à busca de um outro nível de realidade, àquela “ética do amor”, que pode religar crentes antagônicos em uma fé que se faz ato e permite o acesso ao “sagrado” – e ao divino que está “entre e para além” das religiões e cujo espírito pervade todas as coisas. Não é exatamente sobre a religião que se deve dialogar no diálogo inter-religioso – e nem mesmo diretamente sobre Deus – mas sobre o projeto divino em vista de fazer deste mundo um paraíso amoroso. Somente mudando o “nível da realidade”, passando do nível teórico-doutrinal para o da práxis ética e/ou do silêncio espiritual, é que o diálogo entre religiões é possível. Somente ultrapassando a própria experiência de Deus e buscando a ética que se esconde no humano – e nos reúne a todos de maneira sagrada – é que uma religião pode dialogar com outra. 3 Cf. NICOLESCU, B. Nous, la particule et le monde. Paris: Éditions du Rocher, 2002.
  • 3. Ainda encontramos representantes de religiões que rejeitam membros de outras como se tivessem pouco valor, e que pregam o fanatismo e a intolerância em vez de respeito e entendimento. Contudo, nas grandes religiões antigas e tradições éticas da humanidade, encontramos o ensinamento: não mentirás! Ou, em termos positivos: diga a verdade! De fato, nenhuma mulher ou homem, nenhuma instituição, nenhum Estado, igreja ou comunidade religiosa, têm o direito de dizer inverdades a outros seres humanos. Isso é especialmente verdade para os representantes das religiões: quando incitam o preconceito, o ódio e a inimizade para com aqueles que professam credos diferentes, não merecem adeptos. Todos os seres humanos têm direito à verdade. Têm direito à informação necessária e à educação, para que estejam aptos a tomar as decisões sobre o sentido das suas crenças, ritos e interditos, têm direito a uma fé esclarecida. Sem uma orientação ética fundamental, dificilmente as novas gerações poderão distinguir o importante do insignificante, na corrente diária de informações. Nossos filhos precisam conhecer o núcleo ético-mítico da sua cultura, mas também de outras culturas, para poderem discernir com maior liberdade. Isso implica na mudança do conceito religioso de missão: ao invés de converter o mundo e implantar a minha Igreja, ajudar na disponibilização das mensagens de todas as tradições espirituais, para quem delas necessite em seu processo de educação (e transcendência) humana e humanizante, favorecendo assim a compreensão e a paz entre os povos. O que podemos fazer, então, para educar as religiões e ajudar para que elas eduquem os novos cidadãos? Compartilho uma história... Fazemos parte da Universidade Católica de Pernambuco. Somos pesquisadores do fenômeno religioso, ajudamos as comunidades cristãs na busca das razões para sua fé, mas seguimos a tradição dos jesuítas de colaborar com tudo o que leva a humanidade "para frente e para cima". Por isso estamos abertos ao estudo científico das religiões e à meditação mística sobre os dados das ciências; acolhemos e promovemos o mais amplo ecumenismo entre as tradições religiosas que defendem a justiça e a caridade, o mais sincero diálogo com as pessoas que amam a vida e a liberdade. Nós estamos ligados ao Mestrado em Ciências da Religião da UNICAP, um programa de pós-graduação que já está formando a sua nona turma, onde estuda de bispo católico a bruxa da wicca, mães- de-santo e pastores protestantes, padres e professores de religião – todos fascinados pela experiência do sagrado que se vislumbra entre e para além das tradições religiosas. Com esses estudantes organizamos o Observatório Transdisciplinar das Religiões no
  • 4. Recife: um espaço que começa pela internet (www.unicap.br/observatorio2), com o objetivo de analisar os fatos relacionados aos encontros e desencontros entre as religiões no Recife e região, procurando promover o diálogo intercultural e inter-religioso. Nesse Observatório se desenvolvem estudos sobre o diálogo entre as religiões, analisando eventos e documentos sob um enfoque transdisciplinar e plurimetodológico, acadêmico e não confessional. Especial destaque é dado à pesquisa dos processos de educação inter ou trans-religiosa em nossa cultura pluralista, envolvendo também o ensino religioso: as aulas de religião têm sido oferecidas muito mais como testemunho das crenças de quem ensina do que como reflexão sobre uma experiência multifacetada de conhecimento, cujos valores humanos precisam ser conscientizados criticamente nas escolas (http://crunicap.blogspot.com/2011/09/o-que-diz-lei-sobre-ensino- religioso.html). Existe praticamente um consenso entre acadêmicos e entidades da sociedade civil, de que a reflexão sobre a religiosidade humana que é desejável nas escolas deve assegurar os direitos garantidos pela laicidade do Estado, o que inclui a não obrigatoriedade de presença às aulas e que o conteúdo não seja o estudo de uma religião apenas. Afinal, o bom princípio científico – e escola é lugar de educação científica – ensina que não se conhece com apenas uma amostra: é preciso comparar criticamente e interpretar os fatos – também religiosos – nos seus contextos históricos. Assim, religião não se ensina propriamente, mas se pode e deve refletir sobre esse fenômeno na escola. Até porque os sentidos e sentimentos religiosos sempre influenciam as nossas relações humanas, sejam de produção, de parentesco e política, de palavra ou interpretação. Essa é a principal frente de ação que demanda a nossa unidade: a constituição de um Ensino Religioso em sintonia com o espírito do tempo. O espaço virtual do nosso Observatório na Universidade Católica vincula-se ainda a uma rede de iniciativas presenciais, que promovem e multiplicam uma pedagogia dialogal para toda a comunidade recifense e nordestina: o Grupo de Estudos sobre Trandisciplinaridade e Diálogo entre Culturas e Religiões, com reuniões semanais nas quartas às 17h; os Eventos que procuram fomentar o diálogo, dentre os quais o Simpósio Internacional de Ciências da Religião, que é trienal (o primeiro tratou do tema “A odisseia continua…” e refletiu sobre os grandes desafios provocados pelo desenvolvimento das ciências e do fenômeno da globalização para os estudos das religiões; o segundo Simpósio tematizou o desafio da pluralidade cultural e pluralismo religioso, convocando para a reflexão sobre “As muitas faces de Deus…”; e o terceiro,
  • 5. em 2010, versou sobre “Religiosidades populares e multiculturalismo: intolerâncias, diálogos, interpretações”. Em 2013, de 4 a 6 de setembro, congraçaremos novamente pesquisadores e interessados, em torno do tema “Para onde vão as religiões no Brasil?”), e, finalmente, o Fórum Inter-Religioso da UNICAP, que reúne a cada mês lideranças religiosas da região para uma escuta mística da fé do outro. Esse Fórum Inter-Religioso, organizado pelo Observatório desde 2007, articula encontros de animadores das tradições religiosas para conhecimento mútuo e exercício de tolerância cultural, para a tentativa de uma veneração pluralista do sagrado. O que se quer é cultivar tempos destinados à escuta e à meditação sobre as vivências da fé (incluindo as dos grupos pós-religiosos). O Fórum realiza um exercício de comunhão com os caminhos espirituais alterativos, no silêncio nutrido pela própria religião e cultura, desejando colaborar para uma atitude trans-religiosa que deve se irradiar entre os educadores de Pernambuco. Os encontros são normalmente nas segundas segundas- feiras de cada mês, às 17h, no Auditório do CTCH, primeiro andar do Bloco B da Universidade. Já estão disponíveis os vídeos que preparamos com entrevistas e celebrações das religiões que participaram do Fórum: Adventistas, Anglicanos, Batistas, Budistas, Católicos, Congregacionais, Espíritas, Exército da Salvação, Fé Ba’hai, Hare Krishnas, Judeus, Jurema, Menonitas, Messiânicos, Metodistas, Mórmons, Muçulmanos, Ortodoxos, Presbiterianos, Religião do Eterno, Santo Daime, Tenrikyo, Umbanda, Vale do Amanhecer, Wicca, Xambá, Xangô, Xucuru. Estamos preparando também, para cada uma, um conjunto de informações: principais crenças e ritos, história na região e personalidades de referência, endereços físicos (no Recife) e endereços virtuais. E depois dessa fase de re-conhecimento de quase trinta grupos religiosos mais presentes em Pernambuco, o Fórum começou a trabalhar questões transversais como "Religiosidade e educação nas escolas", "Sacrifício e religiões comparadas" e, neste semestre, estamos desenvolvendo uma série de encontros sobre "Tempos pós-modernos, espaços pós-religiosos?!". Por fim, e para além dos muros da UNICAP, temos colaborado também para a construção do Parque-Museu das Religiões de Pernambuco. Esse espaço das religiões, iniciativa de um grupo de amigos sonhadores do diálogo, almeja ser um local aberto a todos, com o propósito de apresentar o fenômeno religioso na atualidade e em nossa região, mas também através do tempo e espaço afora, com as melhores técnicas museológicas e os mais avançados estudos em história comparada. Almeja aliar as
  • 6. religiões, como primeira forma de conhecimento percebida pelo homem, com as ciências, consagradas como a forma de conhecimento dos tempos modernos. Apresentando questões comuns e diferenças entre as religiões, educando os visitantes com a exibição das características de cada tradição religiosa, o espaço poderá oferecer transparência à identificação de cada pessoa com a sua religião e forma de pensar, desenvolvendo o diálogo entre os adeptos das diversas manifestações. Enfim, esperamos somar e multiplicar nessa busca por uma espiritualidade dialogal, como instrumento de compreensão humana e serviço à humanização. Pois, afinal, todos os templos apontam para o céu: se ficarmos apenas olhando os templos, perderemos o céu estrelado e o seu além! Finalizo, desejando vida longa e múltiplos serviços ao Fórum Diálogos para a Diversidade Religiosa em Pernambuco, que ora estamos lançando. E passo a palavra a um santo da nossa cidade: “Em hora tão grave para a humanidade, por que nós, os que carregamos a responsabilidade de crer em Deus, não nos aliamos? Aliança para que? Aliança, pacto, para pressionar moralmente nossos amigos, nossos parentes, nossos conhecidos, para que tomem consciência de situações de injustiça, não se deixem manipular, reajam contra todo e qualquer esmagamento de seres humanos. E se trocarmos ecumenismos estreitos por um ecumenismo da dimensão planetária, Deus nos ajudará. Se abrirmos um crédito de confiança a quem amar o ser humano, amando, sem saber, o Criador e Pai, o Senhor se servirá da nossa pequenez e do nosso nada, para fazer maravilhas” (Dom Helder ao receber, em Oslo (Noruega) o Prêmio Popular da Paz, 1974). Gilbraz Aragão, professor da UNICAP, coordenador do Observatório das Religiões e do Mestrado em Ciências da Religião, blog: http://crunicap.blogspot.com; e-mail: gilbraz@unicap.br