SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Parque das Religiões
Parquedas
Religiões
I G A R A S S U | P E R N A M B U C O | B R A S I L
Recife | 2013
2
Parque das Religiões
Apresentação
Com todo o saber desenvolvido pelas ciências naturais e sociais,
o mistério da vida permanece e desperta sempre uma atitude
mística nas pessoas. Muitas culturas, então, buscam integrar a
sabedoria das tradições espirituais e religiosas sobre o sentido
da existência às descobertas científicas sobre como o mundo se
desenvolve.
Hoje, ciência e tradição dialogam, reconhecendo o dinamismo
do fato religioso e buscando promover o seu potencial huma-
nizante, além de resgatar o costume milenar das peregrinações
através do turismo religioso, que se encontra em ascensão em
todo o mundo.
É nesse contexto que surge na cidade pernambu-
cana de Igarassu o Parque das Religiões, consoli-
dando o turismo cultural e religioso em Pernam-
buco.
Acima
Símbolos do sikhismo,
cristianismo, budismo,
judaísmo, islamismo e
hinduísmo.
Abaixo
Garota muçulmana
reza.
3
Parque das Religiões
O Estado tem referências extremamente propícias ao
maior desenvolvimento do turismo religioso.
Além das tradicionais festas católicas, das históricas igrejas bar-
rocas, dos conventos do Recife e de Olinda e do espetáculo da
Paixão de Cristo em Nova Jerusalém, o Estado contou, desde as
suas origens, com uma forte presença judaica, tendo inclusive
sediado a primeira sinagoga das Américas. Por sua vez, as reli-
giões afro-brasileiras evidenciam, entre nós, a simbiose cultural
dos símbolos de matriz africana com o nosso próprio modo de
ser. Por sua abertura marítima e comercial centralizada no Porto
do Recife, Pernambuco ontem, como hoje, soube alargar seus
horizontes — tanto no plano material e econômico como na
busca da espiritualidade de sua gente.
296000 296300
Parqued
Religiões
4
Parque das Religiões
5
Parque das Religiões
A criação do Parque-Museu das Religiões, um centro cultural
sob o moderno critério de museu dinâmico voltado para as coi-
sas do sagrado, alinha-se não só ao turismo cultural e religioso,
mas à recente compreensão de que o País deve e pode con-
servar suas relações com a transcendência no âmbito
do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial.
Nesse sentido, é importante mencionar que já foram tombados:
a Festa do Divino, em Pirenópolis, Goiás; a procissão do Círio de
Nazaré, em Belém do Pará; a Lagoa Sagrada do Araweté, da re-
gião indígena do Alto Rio Negro; e a Casa Nova do Engenho Ve-
lho, do candomblé baiano.
Inspirado em projetos de modernos parques e museus brasi-
leiros — como o Instituto Inhotim, em Brumadinho, no Estado
de Minas Gerais, e o Solo Sagrado, da Igreja Messiânica Mun-
dial, às margens da represa de Guarapiranga, em São Paulo —,
o Parque-Museu das Religiões, uma vez concluído, espera ser
um centro vivo, ecumênico, multirreligioso, capaz de oferecer,
junto à natureza, um lugar de meditação e recolhimento e, si-
multaneamente, um espaço de estudos de história comparada e
religião, fomentando a reflexão sobre a universalidade do fenô-
meno religioso e o diálogo entre diferentes religiões. Em suma,
um parque-museu educacional e informativo, de índole inter-
-religiosa, e um lugar para reposição de energias psicoafetivas e
espirituais.
O Parque-Museu das Religiões
será um centro cultural sob o
moderno critério de museu dinâmico.
A declaração de fé do
islamismo - Shahadah -
aparece escrita em árabe
na bandeira da Arábia
Saudita.
6
Parque das Religiões
MAPAPernambuco
Itamaracá
Oceano
Atlântico
4
3
55
6
7
9
10
11
13
14
12
8
2
1 15
Parquedas
Religiões
Igarassu
Abreu e Lima
Recife
Olinda
O Parque-Museu das Religi-
ões propõe-se a ser um espa-
ço de convergência em meio
a outros pontos religiosos já
existentes a um raio de pou-
cos quilômetros de sua loca-
lização.
Um espaço de
convergência
TIMBAÚBA
1. Centro de Estudos Budistas Dharmata.
IGARASSU
2. Igreja Santos Cosme e Damião.
3. Convento e Museu de São Francisco.
4. Grande concentração de terreiros de
umbanda e candomblé.
ABREU E LIMA
5. Igrejas Evangélicas.
RECIFE
6. Primeira sinagoga das Américas (Kahal
zur Israel), no Bairro do Recife.
7. Templo e Centro Cultural Hare Krishna
do Recife, no bairro da Boa Vista.
8. Centro Cultural Islâmico do Recife, tam-
bém na Boa Vista.
9.CentrodeMeditaçãodaSelf-Realization
Fellowship, no bairro da Tamarineira.
10. Federação Espírita de Pernambuco, no
bairro do Espinheiro.
OLINDA
11. Templo Budista de Olinda (Fo Guang
Shan), no Bairro Novo.
12. Seminário de Olinda, no Alto da Sé.
13. Representação pernambucana do
Conselho Nacional de Igrejas Cristãs
do Brasil (Conic).
14. Santuário da Virgem Poderosa de
Ouro Preto.
ALHANDRA | PB
15. Santuário da Jurema Sagrada.
7
Parque das Religiões
8
Parque das Religiões
Ganhos Práticos
•	 Novo atrativo na área de turismo cultural e religio-
so, possibilitando a convivência entre seguidores de diver-
sos caminhos espirituais.
•	 Novo polo de turismo ecológico, desenvolvendo rotas
e trilhas de acesso por terra e de barco e explorando o poten-
cial histórico e natural do litoral norte.
•	 Novas oportunidades de emprego e renda diretas e indi-
retas (inclusive por meio da produção de material publicitá-
rio e artesanal do museu).
•	 Movimentação do comércio gerada por um novo ponto tu-
rístico.
•	 Possibilidade de aprendizagem, em local apropriado, da
disciplina Ensino Religioso, que integra o currículo escolar
obrigatório.
Foto:DomenicoSalmaso/CittàNuova.
9
Parque das Religiões
Visão museológica
Nenhuma religião terá uma sala específica, pois a abordagem
temática será preferencialmente transversal, visando valorizar
uma sociedade pluralista, multicultural, miscigenada e demo-
crática. Nessa linha, estão projetados os seguintes espaços per-
manentes:
Salas	
1	Introdução
2	 Tempos e Locais
3	 Personagens Divinos e
	 as Palavras Inspiradas
4	 Espaços, Calendários
e Rituais Sagrados
5	 Vida Antes e Depois
	 e Mediunidade
6	 Política, Sociedade,
	 Vida Comunitária,
	 Organização e Ética
7	 Diálogos e Conflitos,
	 diálogos e sincretismo
	 entre religiões.
8	 Povos e Religiões
Temáticas
Apresentação geral do Museu aos vi-
sitantes.
Linha do tempo de desenvolvimen-
to das religiões e distribuição geo-
gráfica dos fiéis.
Os grandes vultos das religiões e as
palavras inspiradas (tradições orais,
textos sagrados, revelações e inter-
pretações).
Imagens, objetos e lugares sagrados.
Rituais e templos sagrados. Orações,
canções, danças e meditações.
O que dizem as religiões sobre o mis-
tério e a mística da vida agora, antes
e depois.
Interditos religiosos (comida e sexo,
ética e política). Relação entre di-
nheiro e poder nas instituições reli-
giosas.
Conflitos, diálogos e sincretismo en-
tre religiões.
Níveis de participação religiosa (ma-
gias populares e mística dos santos,
saúde e salvação).
10
Parque das Religiões
Projeto do Lugar
A área escolhida pelos idealizadores do projeto se en-
contra localizada no município de Igarassu, a 40 km do
Recife. O local atende a requisitos práticos e simbólicos, como
região montanhosa e de vegetação natural; paisagem atraente;
facilidade de acesso e disponibilidade de infraestrutura; terreno
extenso, com possibilidade de expansão da área construída e
estacionamento; existência de um núcleo populacional nas pro-
ximidades em condições de se integrar ao projeto; além de ser
um sítio naturalmente silencioso e livre de poluição.
O Parque das Religiões nasce em perfeita sintonia com o concei-
to de desenvolvimento sustentável, abrangendo plenamente os
três pontos necessários ao crescimento integral de uma região,
ou seja, as dimensões ambiental, social e econômica.
Observando a questão do meio ambiente, o Parque das Religi-
ões vai propiciar o resgate de um local naturalmente belo, mas
hoje descuidado, em que pese estar integrado a uma área de
preservação ambiental. Nessa linha, o Parque vai não só nor-
malmente obedecer à legislação, mas vai se exceder no cuidado
com o seu espaço próprio e fará o máximo que puder para di-
fundir esse cuidado no seu entorno.
Social Ambiental
Desenvol-
vimento
Sustentável
Econômico
No ritual do Quarup,
indígenas lutam huka-huka.
11
Parque das Religiões
Quanto às dimensões social e econômica, o Parque
das Religiões fará intervenções integradas, até para a
sua própria sobrevivência. Hoje se verifica que o Distrito de Nova
Cruz é um dos mais carentes do município de Igarassu, necessi-
tando muito do desenvolvimento de ações que gerem emprego
e renda e de melhorias no atendimento à saúde, à educação e
à segurança. Atento a esse contexto, o Parque das Religiões vai
desenvolver-se plenamente integrado à comunidade de Nova
Cruz e redondezas, implantando um empreendimento que,
para o seu sucesso, dependerá de melhorias no nível de vida
dos habitantes locais, ao mesmo tempo que propiciará novas
oportunidades de emprego e renda, como na produção de su-
venires, no comércio, nas artes, nos restaurantes e no transporte
dos visitantes em pequenas embarcações através do Canal de
Nova Cruz e do Rio Timbó.
12
Parque das Religiões
8 2Salas Temáticas Salas com
Exposições
Temporárias
Serão:
O projeto urbanístico, arquitetônico e paisagístico
será voltado, sobretudo, à formação de um espaço in-
tegrado aos aspectos naturais, inclusive com recupe-
ração de passivos ambientais. As edificações, além de mo-
duladas e espalhadas por todo o terreno, serão interconectadas
por trilhas, e algumas delas contarão com a técnica de palafitas
para que o solo e a área verde continuem livres.
As áreas mais altas serão valorizadas com mirantes para medi-
tação e contemplação, enquanto as mais baixas, no vale já exis-
tente, explorarão o elemento água, com a criação de pequenos
lagos e cursos, além de promover o aproveitamento de luzes e
de sombras.
Oito salas temáticas contarão com exposições de longa dura-
ção e duas com exposições temporárias. Também haverá áreas
edificadas destinadas a estudos, administração, lojas, praça da
alimentação, auditórios, anfiteatro, biblioteca especializada e
praça de eventos.
13
Parque das Religiões
Investimento
O investimento inicial é estimado em R$ 15 milhões para a cons-
trução civil de uma área de 5.000 m2
; de R$ 5 milhões para a
infraestrutura e o paisagismo; e de R$ 10 milhões para as insta-
lações e os equipamentos; totalizando R$ 30 milhões.
14
Parque das Religiões
Implantação
A proposta é que o Parque-Museu envolva a socieda-
de na sua construção, e quem se interessar possa vir a apoiar
de acordo com as suas possibilidades, seja indiretamente, doan-
do recursos, ou, de modo direto, trabalhando na implantação.
Quanto a fontes institucionais de recursos para a implantação,
espera-se inicialmente, junto ao Ministério da Cultura, obter fi-
nanciamentos através da Lei de Incentivo à Cultura e também
outros recursos institucionais públicos e privados, além de doa-
ções da sociedade.
Para a construção do acesso viário, ações no meio ambiente, in-
tervenções típicas do poder público no entorno do empreendi-
mento, divulgação e apoio institucional, o Grupo Empreende-
dor precisará contar com o Governo do Estado e da Prefeitura
de Igarassu.
Por outro lado, esse é um típico projeto que tem início, mas não
deve ter final: estará sempre em construção.
O objetivo é até maio de 2014 ter o terreno limpo, em movimen-
to para receber as edificações e com a maquete visível no local.
Os recursos para a manutenção serão pro-
venientes da venda de ingressos, patro-
cínios, locação de espaços e licencia-
mento da marca.
15
Parque das Religiões
Ponto de partida
A ideia seminal do Parque das Religiões surgiu no Movimento de Cursilho, ain-
da quando Dom Helder era Arcebispo do Recife e, naquela ocasião, como um
parque voltado para o cristianismo. Mais recentemente, em 2010, a ideia foi re-
tomada por integrantes do Movimento de Cursilho, que resolveram ampliar a
concepção do parque, no espírito do ConcílioVaticano II,  tornando-o um espaço
inter-religioso. Para apoiar o projeto, dando as bases científicas do futuro mu-
seu, foi chamado a participar o Programa de Ciências das Religiões da Unicap.
Visite: http://espareli.blogspot.com
Organização e Gestão
São propostos três órgãos colegiados para a gestão do Museu Parque das Reli-
giões, a saber:
Conselho Gestor | Formado por pessoas de diferentes profissões e credos da so-
ciedade civil.
Conselho Científico | Formado por cientistas, intelectuais, professores, pesqui-
sadores e pessoas dedicadas à extensão e a atividades práticas dos estudos da
religião.
Conselho Consultivo | Formado por lideranças das tradições religiosas e espiri-
tuais que exercem funções em diversas instituições e que praticam diferentes re-
ligiões. Elas atuarão como consultoras na definição das temáticas e instalações
que devem integrar o Museu Parque das Religiões.
Os Conselhos Gestor e Científico ficarão responsáveis pela organização do Mu-
seu Parque. Caberão ao primeiro as ações de administração, operação e proje-
ção do Museu Parque das Religiões, a obtenção de adesões e apoios, a constitui-
ção jurídica e da estrutura operacional, a obtenção de recursos financeiros e dos
licenciamentos exigidos por lei, a representação junto às instituições governa-
mentais e demais ações afins.
Ao Conselho Científico caberá a definição de conteúdos das exposições e progra-
mações, calcados em estudos e pesquisas científicas relacionadas aos carismas
e às práticas das diferentes tradições religiosas. Esse Conselho atuará em con-
junto com o Conselho Consultivo, avaliando e renovando sistematicamente as
mostras das salas temáticas e os eventos sobre as diversas correntes espirituais.
O Conselho Consultivo terá função de ajudar e referendar os discernimentos do
Conselho Científico, fomentando novas ideias sobre o conteúdo do Museu Par-
que.
16
Parque das Religiões
Conselho Gestor Inicial | 2013
Sergio Gonçalves Ferreira	
sergio@guimaraesferreira.com.br
Luiz Alberto Teixeira
teixeira@projetecnet.com.br
Bartolomeu Figueirôa de Medeiros
bartotito333@gmail.com
Pedro Pereira Cavalcante Filho
pedropereira@jbr.eng.br
Gilbraz de Souza Aragão
gil_braz@uol.com.br
Concepção arquitetônica e paisagismo
Roberto Montezuma | montezuma@afmarquitetos.com.br)Luiz Vieira | luiz@luizvieira.com
Engenharia
Projetec | www.projetecnet.com.br
JBR Engenharia | www.jbr.eng.br
Consultoria econômico-financeira
Guimarães Ferreira | www.guimaraesferreria.com.br
Consultoria ambiental e cartografia
GM Grillo Consultoria LTDA | ggteixeira@gmail.com
Texto
Consultexto | www.consultexto.com.br
Logomarca
Martpet | www.martep.com.br
Projeto gráfico
Mariana de Melo | mariana@tgi.com.br
Assessoria Jurídica
ADC Advogados | ivan@adcadvogados.com.br
Assessoria Museológica
Fundação Gilberto Freyre | gfn@fgf.org.br
Assessoria acadêmica
ObservaMUS/ Departamento de Antropologia e Museologia
da UFPE | lpc-ufpe.blogspot.com
Observatório das Religiões no Recife/ Programa de Ciências
da Religião da UNICAP | www.unicap.br/observatorio2
17
Parque das Religiões
Parquedas
Religiões
O Sagrado percebido
com o método das ciências
e a liberdade das artes.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Parque das Religiões

11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra
slides-mci
 
Mestrado Gestão Cultural
Mestrado Gestão CulturalMestrado Gestão Cultural
Mestrado Gestão Cultural
Pedro Nascimento
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Gleibiane Silva
 
Museu do Mar - São Sebastião- SP
Museu do Mar - São Sebastião- SPMuseu do Mar - São Sebastião- SP
Museu do Mar - São Sebastião- SP
Teresa Bock
 
Encontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Encontro dos Museus Salesianos de Dom BoscoEncontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Encontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Dirceu Mauricio van Lonkhuijzen
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Prefeitura de Olinda
 
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural -  Projeto AripuanãPatrimônio cultural -  Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Erika Marion Robrahn-González
 
Iluminados passeios nocturnos
Iluminados passeios nocturnosIluminados passeios nocturnos
Iluminados passeios nocturnos
arqueomike
 
Projecto Educação Patrimonial
Projecto Educação PatrimonialProjecto Educação Patrimonial
Projecto Educação Patrimonial
Dália Silva
 
Projeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru CulturalProjeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru Cultural
fflorion
 
Patrimonios vivos 2010
Patrimonios vivos 2010Patrimonios vivos 2010
Patrimonios vivos 2010
Marta Tavares
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão ProfessorBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Turismo Religioso
Turismo ReligiosoTurismo Religioso
Turismo Religioso
Fábio Ribeiro Silva
 
Patrimonio
PatrimonioPatrimonio
Patrimonio
MARYBACELA
 
O Inepac e a Proteção da Paisagem Cultural: o caso de Tarituba, Paraty
O Inepac e a Proteção da Paisagem Cultural:  o caso de Tarituba, ParatyO Inepac e a Proteção da Paisagem Cultural:  o caso de Tarituba, Paraty
O Inepac e a Proteção da Paisagem Cultural: o caso de Tarituba, Paraty
André Farias Cavaco
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Educação Patrimonial do Projeto Salobo - Parauapebas
Educação Patrimonial do Projeto Salobo  - ParauapebasEducação Patrimonial do Projeto Salobo  - Parauapebas
Educação Patrimonial do Projeto Salobo - Parauapebas
Adilson P Motta Motta
 
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Lilian Oliveira Rosa
 
Art e restauro ba patrocinador rouanet
Art e restauro ba patrocinador   rouanetArt e restauro ba patrocinador   rouanet
Art e restauro ba patrocinador rouanet
Marta Xavier
 

Semelhante a Parque das Religiões (20)

11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra
 
Mestrado Gestão Cultural
Mestrado Gestão CulturalMestrado Gestão Cultural
Mestrado Gestão Cultural
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
 
Museu do Mar - São Sebastião- SP
Museu do Mar - São Sebastião- SPMuseu do Mar - São Sebastião- SP
Museu do Mar - São Sebastião- SP
 
Encontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Encontro dos Museus Salesianos de Dom BoscoEncontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Encontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
 
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural -  Projeto AripuanãPatrimônio cultural -  Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
 
Iluminados passeios nocturnos
Iluminados passeios nocturnosIluminados passeios nocturnos
Iluminados passeios nocturnos
 
Projecto Educação Patrimonial
Projecto Educação PatrimonialProjecto Educação Patrimonial
Projecto Educação Patrimonial
 
Projeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru CulturalProjeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru Cultural
 
Patrimonios vivos 2010
Patrimonios vivos 2010Patrimonios vivos 2010
Patrimonios vivos 2010
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão ProfessorBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
 
Turismo Religioso
Turismo ReligiosoTurismo Religioso
Turismo Religioso
 
Patrimonio
PatrimonioPatrimonio
Patrimonio
 
O Inepac e a Proteção da Paisagem Cultural: o caso de Tarituba, Paraty
O Inepac e a Proteção da Paisagem Cultural:  o caso de Tarituba, ParatyO Inepac e a Proteção da Paisagem Cultural:  o caso de Tarituba, Paraty
O Inepac e a Proteção da Paisagem Cultural: o caso de Tarituba, Paraty
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
 
Educação Patrimonial do Projeto Salobo - Parauapebas
Educação Patrimonial do Projeto Salobo  - ParauapebasEducação Patrimonial do Projeto Salobo  - Parauapebas
Educação Patrimonial do Projeto Salobo - Parauapebas
 
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
 
Art e restauro ba patrocinador rouanet
Art e restauro ba patrocinador   rouanetArt e restauro ba patrocinador   rouanet
Art e restauro ba patrocinador rouanet
 

Mais de Gilbraz Aragão

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
Gilbraz Aragão
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Gilbraz Aragão
 
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsxLIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
Gilbraz Aragão
 
Apresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptxApresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptx
Gilbraz Aragão
 
Apresentação Dissertação .pptx.pdf
Apresentação Dissertação .pptx.pdfApresentação Dissertação .pptx.pdf
Apresentação Dissertação .pptx.pdf
Gilbraz Aragão
 
Observatorio das religioes 2018
Observatorio das religioes 2018Observatorio das religioes 2018
Observatorio das religioes 2018
Gilbraz Aragão
 
Religiões e Ética
Religiões e ÉticaReligiões e Ética
Religiões e Ética
Gilbraz Aragão
 
Viagem ao sertão
Viagem ao sertão Viagem ao sertão
Viagem ao sertão
Gilbraz Aragão
 
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religiosoTransdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Gilbraz Aragão
 
Pernambuco resolução cee 0506
Pernambuco   resolução cee 0506Pernambuco   resolução cee 0506
Pernambuco resolução cee 0506
Gilbraz Aragão
 
A espiritualidade de dom helder comblin
A espiritualidade de dom helder   comblinA espiritualidade de dom helder   comblin
A espiritualidade de dom helder comblin
Gilbraz Aragão
 
Aula inaugural de marcelo barros ciências da religião unicap
Aula inaugural de marcelo barros   ciências da religião unicapAula inaugural de marcelo barros   ciências da religião unicap
Aula inaugural de marcelo barros ciências da religião unicap
Gilbraz Aragão
 
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
Gilbraz Aragão
 
Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz
Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbrazForum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz
Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz
Gilbraz Aragão
 
Fausto e religioes, artigo de gilbraz
Fausto e religioes, artigo de gilbrazFausto e religioes, artigo de gilbraz
Fausto e religioes, artigo de gilbraz
Gilbraz Aragão
 
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivasEnsino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Gilbraz Aragão
 
Movimento encontro de irmãos
Movimento encontro de irmãosMovimento encontro de irmãos
Movimento encontro de irmãos
Gilbraz Aragão
 

Mais de Gilbraz Aragão (18)

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsxLIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
LIBERDADE DE RELIGIÃO E DE CONSCIÊNCIA.ppsx
 
Apresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptxApresentacao_banca final.pptx
Apresentacao_banca final.pptx
 
Apresentação Dissertação .pptx.pdf
Apresentação Dissertação .pptx.pdfApresentação Dissertação .pptx.pdf
Apresentação Dissertação .pptx.pdf
 
Observatorio das religioes 2018
Observatorio das religioes 2018Observatorio das religioes 2018
Observatorio das religioes 2018
 
Religiões e Ética
Religiões e ÉticaReligiões e Ética
Religiões e Ética
 
Viagem ao sertão
Viagem ao sertão Viagem ao sertão
Viagem ao sertão
 
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religiosoTransdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
Transdisciplinaridade, ciências da religião e ensino religioso
 
Pernambuco resolução cee 0506
Pernambuco   resolução cee 0506Pernambuco   resolução cee 0506
Pernambuco resolução cee 0506
 
A espiritualidade de dom helder comblin
A espiritualidade de dom helder   comblinA espiritualidade de dom helder   comblin
A espiritualidade de dom helder comblin
 
Recife
RecifeRecife
Recife
 
Aula inaugural de marcelo barros ciências da religião unicap
Aula inaugural de marcelo barros   ciências da religião unicapAula inaugural de marcelo barros   ciências da religião unicap
Aula inaugural de marcelo barros ciências da religião unicap
 
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
O que e religiao, agora. texto de gilbraz pro congresso religiao e cultura da...
 
Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz
Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbrazForum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz
Forum dialogo na assembleia legislativa, fala de gilbraz
 
Fausto e religioes, artigo de gilbraz
Fausto e religioes, artigo de gilbrazFausto e religioes, artigo de gilbraz
Fausto e religioes, artigo de gilbraz
 
Ensino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivasEnsino religioso, desafios e perspectivas
Ensino religioso, desafios e perspectivas
 
Movimento encontro de irmãos
Movimento encontro de irmãosMovimento encontro de irmãos
Movimento encontro de irmãos
 

Parque das Religiões

  • 1. 1 Parque das Religiões Parquedas Religiões I G A R A S S U | P E R N A M B U C O | B R A S I L Recife | 2013
  • 2. 2 Parque das Religiões Apresentação Com todo o saber desenvolvido pelas ciências naturais e sociais, o mistério da vida permanece e desperta sempre uma atitude mística nas pessoas. Muitas culturas, então, buscam integrar a sabedoria das tradições espirituais e religiosas sobre o sentido da existência às descobertas científicas sobre como o mundo se desenvolve. Hoje, ciência e tradição dialogam, reconhecendo o dinamismo do fato religioso e buscando promover o seu potencial huma- nizante, além de resgatar o costume milenar das peregrinações através do turismo religioso, que se encontra em ascensão em todo o mundo. É nesse contexto que surge na cidade pernambu- cana de Igarassu o Parque das Religiões, consoli- dando o turismo cultural e religioso em Pernam- buco. Acima Símbolos do sikhismo, cristianismo, budismo, judaísmo, islamismo e hinduísmo. Abaixo Garota muçulmana reza.
  • 3. 3 Parque das Religiões O Estado tem referências extremamente propícias ao maior desenvolvimento do turismo religioso. Além das tradicionais festas católicas, das históricas igrejas bar- rocas, dos conventos do Recife e de Olinda e do espetáculo da Paixão de Cristo em Nova Jerusalém, o Estado contou, desde as suas origens, com uma forte presença judaica, tendo inclusive sediado a primeira sinagoga das Américas. Por sua vez, as reli- giões afro-brasileiras evidenciam, entre nós, a simbiose cultural dos símbolos de matriz africana com o nosso próprio modo de ser. Por sua abertura marítima e comercial centralizada no Porto do Recife, Pernambuco ontem, como hoje, soube alargar seus horizontes — tanto no plano material e econômico como na busca da espiritualidade de sua gente. 296000 296300 Parqued Religiões
  • 5. 5 Parque das Religiões A criação do Parque-Museu das Religiões, um centro cultural sob o moderno critério de museu dinâmico voltado para as coi- sas do sagrado, alinha-se não só ao turismo cultural e religioso, mas à recente compreensão de que o País deve e pode con- servar suas relações com a transcendência no âmbito do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial. Nesse sentido, é importante mencionar que já foram tombados: a Festa do Divino, em Pirenópolis, Goiás; a procissão do Círio de Nazaré, em Belém do Pará; a Lagoa Sagrada do Araweté, da re- gião indígena do Alto Rio Negro; e a Casa Nova do Engenho Ve- lho, do candomblé baiano. Inspirado em projetos de modernos parques e museus brasi- leiros — como o Instituto Inhotim, em Brumadinho, no Estado de Minas Gerais, e o Solo Sagrado, da Igreja Messiânica Mun- dial, às margens da represa de Guarapiranga, em São Paulo —, o Parque-Museu das Religiões, uma vez concluído, espera ser um centro vivo, ecumênico, multirreligioso, capaz de oferecer, junto à natureza, um lugar de meditação e recolhimento e, si- multaneamente, um espaço de estudos de história comparada e religião, fomentando a reflexão sobre a universalidade do fenô- meno religioso e o diálogo entre diferentes religiões. Em suma, um parque-museu educacional e informativo, de índole inter- -religiosa, e um lugar para reposição de energias psicoafetivas e espirituais. O Parque-Museu das Religiões será um centro cultural sob o moderno critério de museu dinâmico. A declaração de fé do islamismo - Shahadah - aparece escrita em árabe na bandeira da Arábia Saudita.
  • 6. 6 Parque das Religiões MAPAPernambuco Itamaracá Oceano Atlântico 4 3 55 6 7 9 10 11 13 14 12 8 2 1 15 Parquedas Religiões Igarassu Abreu e Lima Recife Olinda O Parque-Museu das Religi- ões propõe-se a ser um espa- ço de convergência em meio a outros pontos religiosos já existentes a um raio de pou- cos quilômetros de sua loca- lização. Um espaço de convergência TIMBAÚBA 1. Centro de Estudos Budistas Dharmata. IGARASSU 2. Igreja Santos Cosme e Damião. 3. Convento e Museu de São Francisco. 4. Grande concentração de terreiros de umbanda e candomblé. ABREU E LIMA 5. Igrejas Evangélicas. RECIFE 6. Primeira sinagoga das Américas (Kahal zur Israel), no Bairro do Recife. 7. Templo e Centro Cultural Hare Krishna do Recife, no bairro da Boa Vista. 8. Centro Cultural Islâmico do Recife, tam- bém na Boa Vista. 9.CentrodeMeditaçãodaSelf-Realization Fellowship, no bairro da Tamarineira. 10. Federação Espírita de Pernambuco, no bairro do Espinheiro. OLINDA 11. Templo Budista de Olinda (Fo Guang Shan), no Bairro Novo. 12. Seminário de Olinda, no Alto da Sé. 13. Representação pernambucana do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic). 14. Santuário da Virgem Poderosa de Ouro Preto. ALHANDRA | PB 15. Santuário da Jurema Sagrada.
  • 8. 8 Parque das Religiões Ganhos Práticos • Novo atrativo na área de turismo cultural e religio- so, possibilitando a convivência entre seguidores de diver- sos caminhos espirituais. • Novo polo de turismo ecológico, desenvolvendo rotas e trilhas de acesso por terra e de barco e explorando o poten- cial histórico e natural do litoral norte. • Novas oportunidades de emprego e renda diretas e indi- retas (inclusive por meio da produção de material publicitá- rio e artesanal do museu). • Movimentação do comércio gerada por um novo ponto tu- rístico. • Possibilidade de aprendizagem, em local apropriado, da disciplina Ensino Religioso, que integra o currículo escolar obrigatório. Foto:DomenicoSalmaso/CittàNuova.
  • 9. 9 Parque das Religiões Visão museológica Nenhuma religião terá uma sala específica, pois a abordagem temática será preferencialmente transversal, visando valorizar uma sociedade pluralista, multicultural, miscigenada e demo- crática. Nessa linha, estão projetados os seguintes espaços per- manentes: Salas 1 Introdução 2 Tempos e Locais 3 Personagens Divinos e as Palavras Inspiradas 4 Espaços, Calendários e Rituais Sagrados 5 Vida Antes e Depois e Mediunidade 6 Política, Sociedade, Vida Comunitária, Organização e Ética 7 Diálogos e Conflitos, diálogos e sincretismo entre religiões. 8 Povos e Religiões Temáticas Apresentação geral do Museu aos vi- sitantes. Linha do tempo de desenvolvimen- to das religiões e distribuição geo- gráfica dos fiéis. Os grandes vultos das religiões e as palavras inspiradas (tradições orais, textos sagrados, revelações e inter- pretações). Imagens, objetos e lugares sagrados. Rituais e templos sagrados. Orações, canções, danças e meditações. O que dizem as religiões sobre o mis- tério e a mística da vida agora, antes e depois. Interditos religiosos (comida e sexo, ética e política). Relação entre di- nheiro e poder nas instituições reli- giosas. Conflitos, diálogos e sincretismo en- tre religiões. Níveis de participação religiosa (ma- gias populares e mística dos santos, saúde e salvação).
  • 10. 10 Parque das Religiões Projeto do Lugar A área escolhida pelos idealizadores do projeto se en- contra localizada no município de Igarassu, a 40 km do Recife. O local atende a requisitos práticos e simbólicos, como região montanhosa e de vegetação natural; paisagem atraente; facilidade de acesso e disponibilidade de infraestrutura; terreno extenso, com possibilidade de expansão da área construída e estacionamento; existência de um núcleo populacional nas pro- ximidades em condições de se integrar ao projeto; além de ser um sítio naturalmente silencioso e livre de poluição. O Parque das Religiões nasce em perfeita sintonia com o concei- to de desenvolvimento sustentável, abrangendo plenamente os três pontos necessários ao crescimento integral de uma região, ou seja, as dimensões ambiental, social e econômica. Observando a questão do meio ambiente, o Parque das Religi- ões vai propiciar o resgate de um local naturalmente belo, mas hoje descuidado, em que pese estar integrado a uma área de preservação ambiental. Nessa linha, o Parque vai não só nor- malmente obedecer à legislação, mas vai se exceder no cuidado com o seu espaço próprio e fará o máximo que puder para di- fundir esse cuidado no seu entorno. Social Ambiental Desenvol- vimento Sustentável Econômico No ritual do Quarup, indígenas lutam huka-huka.
  • 11. 11 Parque das Religiões Quanto às dimensões social e econômica, o Parque das Religiões fará intervenções integradas, até para a sua própria sobrevivência. Hoje se verifica que o Distrito de Nova Cruz é um dos mais carentes do município de Igarassu, necessi- tando muito do desenvolvimento de ações que gerem emprego e renda e de melhorias no atendimento à saúde, à educação e à segurança. Atento a esse contexto, o Parque das Religiões vai desenvolver-se plenamente integrado à comunidade de Nova Cruz e redondezas, implantando um empreendimento que, para o seu sucesso, dependerá de melhorias no nível de vida dos habitantes locais, ao mesmo tempo que propiciará novas oportunidades de emprego e renda, como na produção de su- venires, no comércio, nas artes, nos restaurantes e no transporte dos visitantes em pequenas embarcações através do Canal de Nova Cruz e do Rio Timbó.
  • 12. 12 Parque das Religiões 8 2Salas Temáticas Salas com Exposições Temporárias Serão: O projeto urbanístico, arquitetônico e paisagístico será voltado, sobretudo, à formação de um espaço in- tegrado aos aspectos naturais, inclusive com recupe- ração de passivos ambientais. As edificações, além de mo- duladas e espalhadas por todo o terreno, serão interconectadas por trilhas, e algumas delas contarão com a técnica de palafitas para que o solo e a área verde continuem livres. As áreas mais altas serão valorizadas com mirantes para medi- tação e contemplação, enquanto as mais baixas, no vale já exis- tente, explorarão o elemento água, com a criação de pequenos lagos e cursos, além de promover o aproveitamento de luzes e de sombras. Oito salas temáticas contarão com exposições de longa dura- ção e duas com exposições temporárias. Também haverá áreas edificadas destinadas a estudos, administração, lojas, praça da alimentação, auditórios, anfiteatro, biblioteca especializada e praça de eventos.
  • 13. 13 Parque das Religiões Investimento O investimento inicial é estimado em R$ 15 milhões para a cons- trução civil de uma área de 5.000 m2 ; de R$ 5 milhões para a infraestrutura e o paisagismo; e de R$ 10 milhões para as insta- lações e os equipamentos; totalizando R$ 30 milhões.
  • 14. 14 Parque das Religiões Implantação A proposta é que o Parque-Museu envolva a socieda- de na sua construção, e quem se interessar possa vir a apoiar de acordo com as suas possibilidades, seja indiretamente, doan- do recursos, ou, de modo direto, trabalhando na implantação. Quanto a fontes institucionais de recursos para a implantação, espera-se inicialmente, junto ao Ministério da Cultura, obter fi- nanciamentos através da Lei de Incentivo à Cultura e também outros recursos institucionais públicos e privados, além de doa- ções da sociedade. Para a construção do acesso viário, ações no meio ambiente, in- tervenções típicas do poder público no entorno do empreendi- mento, divulgação e apoio institucional, o Grupo Empreende- dor precisará contar com o Governo do Estado e da Prefeitura de Igarassu. Por outro lado, esse é um típico projeto que tem início, mas não deve ter final: estará sempre em construção. O objetivo é até maio de 2014 ter o terreno limpo, em movimen- to para receber as edificações e com a maquete visível no local. Os recursos para a manutenção serão pro- venientes da venda de ingressos, patro- cínios, locação de espaços e licencia- mento da marca.
  • 15. 15 Parque das Religiões Ponto de partida A ideia seminal do Parque das Religiões surgiu no Movimento de Cursilho, ain- da quando Dom Helder era Arcebispo do Recife e, naquela ocasião, como um parque voltado para o cristianismo. Mais recentemente, em 2010, a ideia foi re- tomada por integrantes do Movimento de Cursilho, que resolveram ampliar a concepção do parque, no espírito do ConcílioVaticano II, tornando-o um espaço inter-religioso. Para apoiar o projeto, dando as bases científicas do futuro mu- seu, foi chamado a participar o Programa de Ciências das Religiões da Unicap. Visite: http://espareli.blogspot.com Organização e Gestão São propostos três órgãos colegiados para a gestão do Museu Parque das Reli- giões, a saber: Conselho Gestor | Formado por pessoas de diferentes profissões e credos da so- ciedade civil. Conselho Científico | Formado por cientistas, intelectuais, professores, pesqui- sadores e pessoas dedicadas à extensão e a atividades práticas dos estudos da religião. Conselho Consultivo | Formado por lideranças das tradições religiosas e espiri- tuais que exercem funções em diversas instituições e que praticam diferentes re- ligiões. Elas atuarão como consultoras na definição das temáticas e instalações que devem integrar o Museu Parque das Religiões. Os Conselhos Gestor e Científico ficarão responsáveis pela organização do Mu- seu Parque. Caberão ao primeiro as ações de administração, operação e proje- ção do Museu Parque das Religiões, a obtenção de adesões e apoios, a constitui- ção jurídica e da estrutura operacional, a obtenção de recursos financeiros e dos licenciamentos exigidos por lei, a representação junto às instituições governa- mentais e demais ações afins. Ao Conselho Científico caberá a definição de conteúdos das exposições e progra- mações, calcados em estudos e pesquisas científicas relacionadas aos carismas e às práticas das diferentes tradições religiosas. Esse Conselho atuará em con- junto com o Conselho Consultivo, avaliando e renovando sistematicamente as mostras das salas temáticas e os eventos sobre as diversas correntes espirituais. O Conselho Consultivo terá função de ajudar e referendar os discernimentos do Conselho Científico, fomentando novas ideias sobre o conteúdo do Museu Par- que.
  • 16. 16 Parque das Religiões Conselho Gestor Inicial | 2013 Sergio Gonçalves Ferreira sergio@guimaraesferreira.com.br Luiz Alberto Teixeira teixeira@projetecnet.com.br Bartolomeu Figueirôa de Medeiros bartotito333@gmail.com Pedro Pereira Cavalcante Filho pedropereira@jbr.eng.br Gilbraz de Souza Aragão gil_braz@uol.com.br Concepção arquitetônica e paisagismo Roberto Montezuma | montezuma@afmarquitetos.com.br)Luiz Vieira | luiz@luizvieira.com Engenharia Projetec | www.projetecnet.com.br JBR Engenharia | www.jbr.eng.br Consultoria econômico-financeira Guimarães Ferreira | www.guimaraesferreria.com.br Consultoria ambiental e cartografia GM Grillo Consultoria LTDA | ggteixeira@gmail.com Texto Consultexto | www.consultexto.com.br Logomarca Martpet | www.martep.com.br Projeto gráfico Mariana de Melo | mariana@tgi.com.br Assessoria Jurídica ADC Advogados | ivan@adcadvogados.com.br Assessoria Museológica Fundação Gilberto Freyre | gfn@fgf.org.br Assessoria acadêmica ObservaMUS/ Departamento de Antropologia e Museologia da UFPE | lpc-ufpe.blogspot.com Observatório das Religiões no Recife/ Programa de Ciências da Religião da UNICAP | www.unicap.br/observatorio2
  • 17. 17 Parque das Religiões Parquedas Religiões O Sagrado percebido com o método das ciências e a liberdade das artes.