SlideShare uma empresa Scribd logo
A FORMAÇÃO DE CATEQUISTAS
1. A importância da formação dos catequistas nasce da convicção de que
qualquer actividade pastoral, se não for realizada com pessoas bem formadas e
preparadas, põe em risco o seu sucesso. Mais: os instrumentos de trabalho colocados à
disposição da pastoral catequética, se não forem utilizados por catequistas bem
formados, não são verdadeiramente eficazes, pelo que “uma adequada formação dos
catequistas não pode ser descuidada em proveito da actualização dos textos e de uma
melhor organização da catequese”(DGC 234).
Ao catequista deve proporcionar-se uma formação que, partindo da profissão de
fé baptismal, ofereça uma exposição orgânica e sistemática dos conteúdos fundamentais
da fé e da vida cristã. Deve colocar-se ao seu alcance uma formação teológica que o
ajude a consolidar a fé recebida, lhe proporcione certezas básicas dessa fé e o prepare
para ser testemunha e transmissor da mesma. A tarefa de comunicar a fé recebida é
realizada nas comunidades concretas de cada catequista, onde, preferencialmente, se
deve realizar também a sua formação. Isto, sem esquecer que cada catequista é membro
da Igreja universal, pelo que a formação deve ser realizada na unidade da fé da Igreja de
modo que o ajude a crescer na comunidade eclesial.
Esta formação tem como objectivo dar a capacitação adequada aos catequistas
“para transmitirem o Evangelho àqueles que desejam entregar-se a Jesus Cristo.
Portanto, a finalidade da formação requer que o catequista se torne o mais idóneo
possível, para realizar um acto de comunicação: ‘o objectivo essencial da formação
catequética é tornar o catequista apto para a comunicação da mensagem cristã”(DGC
235).
2. A Igreja necessita, hoje, de uns catequistas concretos, em função do quadro
cultural que vivemos, onde se torna evidente a necessidade de uma nova evangelização.
São precisos catequistas que saibam situar-se no marco cultural e religioso da
evangelização dos já baptizados, mas afastados da fé, e daqueles que não conhecem
Jesus Cristo, mas estão numa atitude de busca. Deve ter em conta as necessidades
evangelizadoras dos dias de hoje, com os seus valores, sombras e desafios. Para
responder a este desafio são necessários catequistas com uma fé profunda, com uma
clara identidade cristã e eclesial, com preocupação missionária e com profunda
sensibilidade social(cf DGC 237).
Assim, ao longo da formação, o catequista deve ver favorecida a sua vida de fé,
a sua comunhão com Jesus Cristo, para saber, depois, ser companheiro de caminho
daqueles que a Igreja lhe confiar, num itinerário catequético. A “unidade e harmonia do
catequista deve ler-se desde esta perspectiva cristocêntrica e há-de construir-se à base de
uma ‘familiaridade profunda com Cristo e com o Pai’, no Espírito. Nunca se insistirá
bastante neste ponto, se se quer renovar a figura do catequista, neste momento decisivo
para a missão da Igreja”(GCM 20). O catequista há-de ser capaz de dar testemunho da
sua fé e de responder aos anseios mais profundos do coração humano, que é a sede de
absoluto.
3. Os catequistas que a Igreja de hoje precisa, para além de uma fé profunda,
devem manter com firmeza a sua identidade cristã e eclesial. Num mundo marcado pelo
pluralismo de formas de pensar e de viver, onde a uniformidade já não existe, a Igreja
precisa de catequistas firmes nas suas convicções cristãs e que sejam capazes de
transmitir essas convicções, para que os catequizandos sejam capazes de confessar a sua
fé e dar razões da sua esperança, que está fundamentada em convicções sérias
provenientes dos valores evangélicos. Deste modo, o “facto de a formação procurar
tornar o catequista apto para transmitir o Evangelho em nome da Igreja confere uma
dimensão eclesial a toda a formação”(DGC 236). Ao longo da sua formação, o
catequista há-de ser ajudado a inserir-se na consciência viva e actual que a Igreja tem do
Evangelho, tornando-se assim apto para transmitir essa Boa Nova, em nome da Igreja,
participando do desejo que esta tem de anunciar a todas as gerações o tesouro que ela
guarda e transmite íntegra e totalmente: a fé. O catequista deve também possuir uma
profunda sensibilidade social, amando cada catequizando a partir de Jesus Cristo. É esse
amor por cada ser humano que faz com que se apresente Cristo, o Mistério esclarecedor
do mistério humano, e n’Ele se descubra a vocação sublime de cada ser humano(cf GS
22).
4. A formação do catequista também deve ter presente o conceito de catequese
que a Igreja apresenta. Então, “trata-se de formar catequistas, para que sejam capazes de
transmitir, não apenas um ensino, mas também uma formação cristã integral,
desenvolvendo ‘tarefas de iniciação, de educação e de ensino’.(...) São necessários
catequistas que sejam, ao mesmo tempo, mestres, educadores e testemunhas”(DGC
237).
A catequese que o catequista é chamado a realizar é a de uma autêntica
iniciação ordenada e sistemática à revelação divina, que Deus realizou com o homem,
em Jesus Cristo, e conservada na Igreja através da Sagrada Escritura e da Tradição. Esta
revelação é anunciada de geração em geração através de uma traditio viva, da qual o
catequista é parte integrante(cf DGC 66). A catequese de iniciação, dentro do processo
evangelizador, é o momento em que se estrutura a conversão a Jesus Cristo, num
esforço de fundamentação dessa primeira adesão(DGC 63). Claro que, no contexto em
que hoje vivemos, o catequista terá também que suscitar a conversão à fé inicial
daqueles que se aproximam da catequese e de alimentar a fé daqueles que já concluíram
a iniciação cristã.
5. Vejamos, agora, as áreas em torno das quais se deve conjugar a formação dos
catequistas, que são a qualificação espiritual, qualificação doutrinal, qualificação nas
ciências humanas e qualificação pedagógica. O Directório reúne estas características em
torno do ser, saber e saber fazer do catequista(cf DGC 238-245). Mas é a própria
vocação profética a que exige ao catequista uma sólida espiritualidade eclesial, uma
preparação doutrinal e metodológica séria, uma comunhão constante com o Magistério e
um profundo amor a Deus e ao próximo.
6. A formação do catequista deve ter presente o objectivo de alimentar e
robustecer a sua fé, ajudando-o a crescer como crente, ou seja, a sua qualificação
espiritual. Deste modo, “a verdadeira formação alimenta, sobretudo, a espiritualidade
do próprio catequista, de maneira que a sua acção nasça, na verdade, do testemunho da
sua própria vida”(DGC 239). O facto de o catequista ser um educador na fé implica-o
numa intensa vida espiritual, sendo este o aspecto culminante e mais valioso da sua
personalidade e, portanto, a dimensão preferencial da sua formação: “O verdadeiro
catequista é o santo”(João Paulo II).
O crescimento espiritual do catequista há-de ser conseguido através de uma
comunhão de vida e de amor com o Senhor Jesus, que chama e envia cada catequista.
“É somente em profunda comunhão com Ele que os catequistas encontrarão luz e força
para uma desejável renovação autêntica da catequese”(CT 9). A formação espiritual
desenvolve-se num processo de fidelidade Àquele que é o princípio inspirador da obra
catequética e àqueles que a realizam: o Espírito do Pai e do Filho, o Espírito Santo.
O modo como este crescimento espiritual se há-de alcançar é sobretudo através
de uma intensa vida sacramental e de oração, pessoal e comunitária. Este objectivo geral
concretiza-se, depois, numa participação regular na Eucaristia, se possível também nos
dias feriais, por uma atenção ao sacramento da Penitência que há-de purificar
interiormente e robustecer com o ânimo do Espírito.
Além da vida litúrgica, a vida de oração será uma preocupação diária, quer pela
meditação diária e pela oração pessoal, quer pela recitação do rosário e demais devoções
marianas, pois Maria é o catecismo vivo, mãe e modelo dos catequistas(cf CT 73).
Sempre que possível, também se devem proporcionar retiros espirituais, pois “só
alimentando a vida interior com uma oração abundante e bem feita, o catequista pode
conseguir o grau de maturidade espiritual que a sua missão exige. Como a adesão à
mensagem cristã, que em última instância é fruto da graça e da liberdade, e que não
depende da habilidade do catequista, é necessário que a sua actividade esteja
acompanhada pela oração”(GCM 22).
O facto de a formação dos catequistas se realizar normalmente em grupos não
pode ser motivo para se descuidar uma atenção particular a cada um, um
acompanhamento personalizado. Também se deve ter em conta a direcção espiritual. Na
medida do possível, cada catequista deve procurar um sacerdote que lhe seja próximo e
com o qual possa ser seguido no seu crescimento espiritual.
7. O catequista é uma testemunha da fé, mas é também um mestre, um educador
que ensina a fé. Por isso, a qualificação doutrinal ou bíblico-teológica, há-de oferecer-
lhe uma conhecimento orgânico da mensagem cristã. Esta articula-se em torno do
mistério central da fé, que é Jesus Cristo(cf DGC 240).
O conteúdo dessa formação está organizado em dois grandes núcleos: a história
da salvação e a mensagem cristã. A história da salvação compreende três momentos: o
Antigo Testamento, a vida de Jesus Cristo e a história da Igreja, quer a nível global,
quer do próprio país ou da Igreja local. Os grandes núcleos da mensagem cristã estão
divididos nos quatro pilares da catequese: o Símbolo, a liturgia, a vida moral e a oração.
O Catecismo da Igreja Católica há-de ser o ponto de referência fundamental para uma
formação doutrinal capaz de dar a conhecer a fundo o conteúdo essencial da doutrina
cristã, para que seja “comunicado de modo claro e vital, sem lacunas ou desvios”(GCM
23). Este Catecismo é um “instrumento válido e legítimo ao serviço da comunhão
eclesial, e uma regra segura para o ensino da fé”(FD 4). Uma vez que estamos vivendo
num contexto cultural adverso e exigente, é preciso ter consciência que não é suficiente
dar uma resposta vaga e imprecisa a quem pergunta pelas razões da nossa fé, antes urge
uma resposta lúcida e verdadeira, centrada no essencial e com uma linguagem acessível
à mentalidade hodierna.
A Sagrada Escritura deverá ser a matéria principal de ensino e constituir a alma
de todo o ensino doutrinal(cf DV 24). É em torno da Sagrada Escritura que se devem
articular todas as disciplinas do saber teológico, de forma que o catequista seja formado
numa pastoral bíblica.
Esta formação doutrinal deve, pois, ser sintética, corresponder ao anúncio a
transmitir; e, nela, os diferentes elementos da fé cristã devem aparecer bem estruturados
e harmonizados entre si, numa visão orgânica que respeite a hierarquia das verdades,
ajudando o catequista a amadurecer na sua fé e, ao mesmo tempo, a tornar-se capaz de
dar razão da esperança em tempo de missão. Esta formação deve ser dada em estilo
catequético, num ambiente o mais próximo possível da realidade em que os catequistas
vão trabalhar(cf DGC 241).
8. Em ordem ao exercício da sua missão, o catequista deve conhecer a pessoa a
quem se dirige e a realidade em que esta vive e deve possuir uma qualificação nas
ciências humanas, tal como ensina o Concílio Ecuménico Vaticano II: “Na actividade
pastoral, conheçam-se e apliquem-se suficientemente, não apenas os princípios
teológicos, mas também os dados das ciências profanas, principalmente da psicologia e
sociologia, para que assim os fiéis sejam conduzidos a uma vida de fé mais adulta”(GS
62). Na formação dos catequistas deve, pois, procurar-se o conhecimento de alguns
elementos fundamentais da psicologia: “os dinamismos psicológicos que movem a
pessoa; a estrutura da personalidade; as necessidades e as aspirações mais profundas do
coração humano; a psicologia evolutiva e as etapas do ciclo vital humano; a psicologia
religiosa e as experiências que abrem a pessoa ao mistério do sagrado”(DGC 242).
Deve também ter-se presente que a cultura envolvente influencia muito a pessoa,
pelo que é necessário conhecê-la. Este conhecimento vem através das ciências sociais,
pelo que também estas devem ser contempladas num processo formativo. O objectivo
desta formação é que o catequista seja capaz de programar a sua actividade, a sua
intervenção educativa. O catequista deve ser capaz de levá-la a cabo com os próprios
destinatários, pondo estes em situação de captarem a presença e a acção de Deus dentro
da sua vida e da história da humanidade, assim como ajudando-os a responderem
positivamente às Suas chamadas. Este tipo de conhecimentos favorecerá o catequista a
ponto de lhe permitir não só responder às buscas do homem, no campo religioso, mas
também dar um testemunho mais vivo e qualificado, capaz de dizer Deus na sua
totalidade, sem lacunas, mesmo quando o catecúmeno não realiza a pergunta
explicitamente, tendo latente a sua capacidade de escuta. Trata-se, em suma, de respeitar
o ritmo do ser humano, no anúncio da Boa Nova. Mais, este respeito obriga a que não se
fique por meras teorias, mas sim que se veja cada catecúmeno na sua circunstância.
Para terminar, referimos que o objectivo da formação de catequistas não é fazer
‘técnicos de catequese’, pelo contrário, tudo deve tender para a experiência concreta,
para fazer amadurecer no catequista a arte de fazer catequese, uma arte que é a síntese
das capacidades para o apostolado, do conhecimento da fé e dos homens destinatários
do anúncio.
9. A qualificação pedagógica do catequista deve ter bem presente que este se
prepara para facilitar o crescimento de uma experiência de fé, da qual ele não é dono,
antes colaborante na acção de Deus, que depositou a semente da fé no coração de cada
catecúmeno. Por isso, “o catequista é um educador que deve acompanhar o
amadurecimento da fé, que o catecúmeno ou catequizando realiza com a ajuda do
Espírito Santo”(DGC 244), pelo que o dever do catequista é unir a dimensão intelectual
e espiritual. “Existe um único Mestre, o catequista deve estar consciente de que apenas
o Senhor Jesus ensina, enquanto que ele o faz ‘na medida em que é seu porta-voz,
permitindo que Cristo ensine pela sua boca’”(GCM 23).
Por isso, para além das ciências humanas que oferecem um precioso contributo à
catequese, “há também uma pedagogia da fé; e nunca será demais tudo o que se disser
sobre o que essa pedagogia pode contribuir para a catequese. É normal que se adaptem à
educação da fé as técnicas aperfeiçoadas e comprovadas da educação em geral. No
entanto, importa ter em conta, em cada momento, a originalidade própria da fé. Na
pedagogia da fé, não se trata simplesmente de transmitir um saber humano, por mais
elevado que se considere; trata-se de comunicar na sua integridade a Revelação de
Deus”(CT 58). O próprio Deus, ao longo da história da salvação, usou e deu a conhecer
a sua própria pedagogia, que deve ser o modelo para a pedagogia da fé. Assim, um
catequista bem preparado é aquele que possui um estilo próprio de fazer catequese, com
metodologias e didácticas de que se serve para comunicar uma mensagem de que é
testemunha, sem centrar a sua formação no conhecimento e domínio de uma só
metodologia. A variedade e complementaridade de técnicas, instrumentos e métodos
constitui uma riqueza cujo valor é incalculável para os fins da catequese.
A formação catequética ajudará, pois, o catequista a “amadurecer a sua
capacidade educativa, o que implica: a faculdade de ter atenção para com as pessoas, a
habilidade para interpretar e responder à pergunta educativa, a iniciativa para pôr em
acção processos de aprendizagem e a arte de conduzir um grupo humano até à
maturidade”(DGC 244).
10. Isto tem implicações no modo como se deve realizar a formação pedagógica
dos catequistas. Esta deve ter presente que eles devem ser protagonistas da sua própria
aprendizagem, para que a formação seja criativa e não o mero assimilar de regras
externas. Assim, a formação deve ser muito próxima da prática: é preciso partir desta
para chegar àquela, reflectindo sobre ela. Esta formação será tanto mais rica quanto
mais se nutrir com a experiência, enriquecendo-se com confrontações, programadas e
guiadas, com as situações eclesiais, culturais e sociais locais. Deve também ser integral
e dialogal, ou seja, que procure o desenvolvimento da pessoa em todos os seus aspectos
e valores, numa profunda inter-relação entre a pessoa e Deus e do formando com o
formador e a comunidade(cf GCM 28).
11. Este modo de transmitir a fé inspira-se, pois, em Jesus Cristo, o que leva o
catequista a transmitir a fé a partir da sua própria experiência religiosa, através do seu
testemunho. Pelo testemunho, o catecúmeno há-de receber do catequista e perceber nele
aquilo que o faz viver, que o anima: a fé. O anúncio do catequista está apoiado pelo
testemunho teologal da sua própria vida(cf EN 46).
O catequista, porque animado pela sua fé que não pode calar, tem uma constante
preocupação missionária, que o leva a anunciar Cristo, dando razões da sua fé,
convidando quem o escuta a definir-se, a optar e a comprometer-se com Aquele que é
anunciado.
Luís Miguel FIGUEIREDO RODRIGUES
luis@diocese-braga.pt
Bibliografia
COMISSÃO EPISCOPAL DE EDUCAÇÃO CRISTÃ, Formação de
Catequistas. Plano de Acção, ed. SNEC, Lisboa 1997.
CONFERÊNCIA EPISCOPAL PORTUGUESA, O Catecismo da Igreja
Católica e a sua utilização pastoral. Instrução Pastoral, Edição do Secretariado Geral
do Episcopado, Lisboa 1994.
CAÑIZARES, A.; CAMPO, M., Evangelización, Catequesis, Catequistas, ed.
EDICE, Madrid 1999.
FAYOL-FRICOUT, A.; PASQUIER, A.; SARDA, O., L'initition Chretienne.
Demarche catéchumènal. Cahiers de l'ISPC, Paris 1991.
ABREU, E. H.; ALBEROLA, C., Catequistas de la Iglesia, ed. Siquem,
Valencia 1999. Catequistas Siglo XXI, 1.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diretório Nacinal de Catequese
Diretório Nacinal de CatequeseDiretório Nacinal de Catequese
Diretório Nacinal de Catequese
Uéliton Duque
 
Rica amostra
Rica amostraRica amostra
Rica amostra
Sergio Cabral
 
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Catequese   iniciacao a vida cristã iiCatequese   iniciacao a vida cristã ii
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Henrique Fernandes de Souza
 
Catequese e Liturgia na Iniciação Cristã
Catequese e Liturgia na Iniciação CristãCatequese e Liturgia na Iniciação Cristã
Catequese e Liturgia na Iniciação Cristã
Sergio Cabral
 
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãItinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
lomes
 
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de CatequeseCNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
Luís Miguel Rodrigues
 
CNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaCNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação prática
IRINEU FILHO
 
Formação para catequistas
Formação para catequistasFormação para catequistas
Formação para catequistas
Alexandre Alves Rocha
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequista Josivaldo
 
Catequese com adultos doc 80 +
Catequese com adultos doc 80 +Catequese com adultos doc 80 +
Catequese com adultos doc 80 +
Catequista Josivaldo
 
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Jossadan Ventura
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
Documento 19 - CNBB
Documento 19 - CNBBDocumento 19 - CNBB
Documento 19 - CNBB
Flávia Valéria Duarte Silva
 
DGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberDGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleber
Kleber Silva
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Celebração catequistas ago 2010 formato livro
Celebração catequistas ago 2010 formato livroCelebração catequistas ago 2010 formato livro
Celebração catequistas ago 2010 formato livro
Bernadetecebs .
 
Revista Sou catequista -revista digital
Revista Sou catequista -revista digitalRevista Sou catequista -revista digital
Revista Sou catequista -revista digital
Bernadetecebs .
 
Catecumenato
CatecumenatoCatecumenato
Catecumenato
paroquiasaojose
 
A iniciação à vida cristã os passos a serem dados
A iniciação à vida cristã   os passos a serem dadosA iniciação à vida cristã   os passos a serem dados
A iniciação à vida cristã os passos a serem dados
Liana Plentz
 
PARÓQUIA E INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL
PARÓQUIA E INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE INSPIRAÇÃO CATECUMENALPARÓQUIA E INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL
PARÓQUIA E INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL
Liana Plentz
 

Mais procurados (20)

Diretório Nacinal de Catequese
Diretório Nacinal de CatequeseDiretório Nacinal de Catequese
Diretório Nacinal de Catequese
 
Rica amostra
Rica amostraRica amostra
Rica amostra
 
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Catequese   iniciacao a vida cristã iiCatequese   iniciacao a vida cristã ii
Catequese iniciacao a vida cristã ii
 
Catequese e Liturgia na Iniciação Cristã
Catequese e Liturgia na Iniciação CristãCatequese e Liturgia na Iniciação Cristã
Catequese e Liturgia na Iniciação Cristã
 
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãItinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
 
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de CatequeseCNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
 
CNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaCNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação prática
 
Formação para catequistas
Formação para catequistasFormação para catequistas
Formação para catequistas
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
 
Catequese com adultos doc 80 +
Catequese com adultos doc 80 +Catequese com adultos doc 80 +
Catequese com adultos doc 80 +
 
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
 
Documento 19 - CNBB
Documento 19 - CNBBDocumento 19 - CNBB
Documento 19 - CNBB
 
DGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberDGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleber
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
 
Celebração catequistas ago 2010 formato livro
Celebração catequistas ago 2010 formato livroCelebração catequistas ago 2010 formato livro
Celebração catequistas ago 2010 formato livro
 
Revista Sou catequista -revista digital
Revista Sou catequista -revista digitalRevista Sou catequista -revista digital
Revista Sou catequista -revista digital
 
Catecumenato
CatecumenatoCatecumenato
Catecumenato
 
A iniciação à vida cristã os passos a serem dados
A iniciação à vida cristã   os passos a serem dadosA iniciação à vida cristã   os passos a serem dados
A iniciação à vida cristã os passos a serem dados
 
PARÓQUIA E INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL
PARÓQUIA E INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE INSPIRAÇÃO CATECUMENALPARÓQUIA E INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL
PARÓQUIA E INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL
 

Destaque

Formação bíblica para catequistas
Formação bíblica para catequistasFormação bíblica para catequistas
Formação bíblica para catequistas
Catequese Anjos dos Céus
 
Mistérios luminosos
Mistérios luminososMistérios luminosos
Mistérios luminosos
Catequese Anjos dos Céus
 
Apostila do crisma
Apostila do crismaApostila do crisma
Apostila do crisma
sheillyssehodasilva
 
14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA
Catequese Anjos dos Céus
 
Curso de crisma
Curso de crismaCurso de crisma
Curso de crisma
Suely SS
 
2º encontro catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º encontro  catequese -  Igreja-Missa-Biblia2º encontro  catequese -  Igreja-Missa-Biblia
2º encontro catequese - Igreja-Missa-Biblia
Catequese Anjos dos Céus
 
Apostila crisma-2015
Apostila crisma-2015Apostila crisma-2015
Apostila crisma-2015
Catequese Anjos dos Céus
 
2015 apostila catequese primeira eucaristia
2015 apostila catequese primeira eucaristia2015 apostila catequese primeira eucaristia
2015 apostila catequese primeira eucaristia
Catequese Anjos dos Céus
 

Destaque (8)

Formação bíblica para catequistas
Formação bíblica para catequistasFormação bíblica para catequistas
Formação bíblica para catequistas
 
Mistérios luminosos
Mistérios luminososMistérios luminosos
Mistérios luminosos
 
Apostila do crisma
Apostila do crismaApostila do crisma
Apostila do crisma
 
14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA14º Encontro da Crisma - MARIA
14º Encontro da Crisma - MARIA
 
Curso de crisma
Curso de crismaCurso de crisma
Curso de crisma
 
2º encontro catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º encontro  catequese -  Igreja-Missa-Biblia2º encontro  catequese -  Igreja-Missa-Biblia
2º encontro catequese - Igreja-Missa-Biblia
 
Apostila crisma-2015
Apostila crisma-2015Apostila crisma-2015
Apostila crisma-2015
 
2015 apostila catequese primeira eucaristia
2015 apostila catequese primeira eucaristia2015 apostila catequese primeira eucaristia
2015 apostila catequese primeira eucaristia
 

Semelhante a Formação de catequistas

Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
BlogMaterialdeCatequ
 
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham VidaPara Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Luís Miguel Rodrigues
 
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptxComo formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Nuno Melo
 
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdfA-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
SouzaRoberto
 
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdfPalestra 1 - Pe Léo.pdf
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
Luís Miguel Rodrigues
 
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao TanqueFormação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
IvaneideRodrigues6
 
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
Ramon Gimenez
 
A pessoa do catequista
A pessoa do catequistaA pessoa do catequista
A pessoa do catequista
Francisco Rodrigues
 
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptxINICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
Julio Cesar
 
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdfDIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
MaricleusaSilva1
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
Graça e Arte de Presidir (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)
Graça e Arte de Presidir (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)Graça e Arte de Presidir (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)
Graça e Arte de Presidir (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)
Ian Farias
 
introdutores.pptx
introdutores.pptxintrodutores.pptx
introdutores.pptx
Eisenhower Souza
 
O que é catequese
O que é catequeseO que é catequese
O que é catequese
Francisco Rodrigues
 
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de AdultosRitual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
João Pereira
 
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconatoCATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
Lucio Souza
 
Guimarães e Vizela - 2010
Guimarães e Vizela - 2010Guimarães e Vizela - 2010
Guimarães e Vizela - 2010
Luís Miguel Rodrigues
 
Ensino 02 o ministério de formação
Ensino 02   o ministério de formaçãoEnsino 02   o ministério de formação
Ensino 02 o ministério de formação
Ministério Paraná
 

Semelhante a Formação de catequistas (20)

Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
 
Para Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham VidaPara Que Acreditem E Tenham Vida
Para Que Acreditem E Tenham Vida
 
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptxComo formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
 
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdfA-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
A-catequese-e-a-missão-evangelizadora-da-Igreja.pdf
 
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdfPalestra 1 - Pe Léo.pdf
Palestra 1 - Pe Léo.pdf
 
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
 
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao TanqueFormação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
 
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃPARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
PARÓQUIA SÃO GERALDO - INICIAÇÃO CRISTÃ
 
A pessoa do catequista
A pessoa do catequistaA pessoa do catequista
A pessoa do catequista
 
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptxINICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
INICIACAO-A-VIDA-CRISTA-CAP.-III-ILUMINAR.pptx
 
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdfDIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
Graça e Arte de Presidir (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)
Graça e Arte de Presidir (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)Graça e Arte de Presidir (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)
Graça e Arte de Presidir (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)
 
introdutores.pptx
introdutores.pptxintrodutores.pptx
introdutores.pptx
 
O que é catequese
O que é catequeseO que é catequese
O que é catequese
 
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de AdultosRitual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
 
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconatoCATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
CATEQUESE EVANGELIZADORA PSRA ESTUDO de candidatos ao diaconato
 
Guimarães e Vizela - 2010
Guimarães e Vizela - 2010Guimarães e Vizela - 2010
Guimarães e Vizela - 2010
 
Ensino 02 o ministério de formação
Ensino 02   o ministério de formaçãoEnsino 02   o ministério de formação
Ensino 02 o ministério de formação
 

Mais de Catequese Anjos dos Céus

2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
Catequese Anjos dos Céus
 
Quaresma e Semana Santa 2016
Quaresma e Semana Santa 2016Quaresma e Semana Santa 2016
Quaresma e Semana Santa 2016
Catequese Anjos dos Céus
 
Programação da Semana Santa de 2016
Programação da Semana Santa de 2016Programação da Semana Santa de 2016
Programação da Semana Santa de 2016
Catequese Anjos dos Céus
 
1º Encontro - catequese- primeira comunhão 2016
1º Encontro - catequese- primeira comunhão 20161º Encontro - catequese- primeira comunhão 2016
1º Encontro - catequese- primeira comunhão 2016
Catequese Anjos dos Céus
 
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Ser cristão   objetivo primeiro da catequeseSer cristão   objetivo primeiro da catequese
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
A Modestia
A ModestiaA Modestia
23º Encontro - Sacramento da Confissão
23º Encontro - Sacramento da Confissão23º Encontro - Sacramento da Confissão
23º Encontro - Sacramento da Confissão
Catequese Anjos dos Céus
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
Catequese Anjos dos Céus
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
Catequese Anjos dos Céus
 
20º Encontro Santíssima Trindade
20º Encontro   Santíssima Trindade20º Encontro   Santíssima Trindade
20º Encontro Santíssima Trindade
Catequese Anjos dos Céus
 
19º Encontro - A ressurreição de Jesus
19º Encontro - A ressurreição de Jesus19º Encontro - A ressurreição de Jesus
19º Encontro - A ressurreição de Jesus
Catequese Anjos dos Céus
 
18º Encontro Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
18º Encontro  Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus18º Encontro  Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
18º Encontro Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
Catequese Anjos dos Céus
 
17º. Jesus nos fala por meio de histórias
17º. Jesus nos fala por meio de histórias17º. Jesus nos fala por meio de histórias
17º. Jesus nos fala por meio de histórias
Catequese Anjos dos Céus
 
17 encontro A Santa Ceia
17 encontro  A Santa Ceia17 encontro  A Santa Ceia
17 encontro A Santa Ceia
Catequese Anjos dos Céus
 
15º Encontro os Milagres de Jesus
15º Encontro os Milagres de Jesus15º Encontro os Milagres de Jesus
15º Encontro os Milagres de Jesus
Catequese Anjos dos Céus
 
15º Encontro de Crisma - Nascimento e Batismo de Jesus
15º Encontro de Crisma -  Nascimento e Batismo de Jesus15º Encontro de Crisma -  Nascimento e Batismo de Jesus
15º Encontro de Crisma - Nascimento e Batismo de Jesus
Catequese Anjos dos Céus
 
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
Catequese Anjos dos Céus
 
13º Encontro Batismo de Jesus e sua missão
13º Encontro Batismo de Jesus e sua missão13º Encontro Batismo de Jesus e sua missão
13º Encontro Batismo de Jesus e sua missão
Catequese Anjos dos Céus
 
13º Encontro Batismo de Jesus e sua Missão
13º Encontro Batismo de Jesus e sua Missão13º Encontro Batismo de Jesus e sua Missão
13º Encontro Batismo de Jesus e sua Missão
Catequese Anjos dos Céus
 
12º encontro joao batista
12º encontro   joao batista12º encontro   joao batista
12º encontro joao batista
Catequese Anjos dos Céus
 

Mais de Catequese Anjos dos Céus (20)

2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
2º Encontro Catequese - Igreja-Missa-Biblia
 
Quaresma e Semana Santa 2016
Quaresma e Semana Santa 2016Quaresma e Semana Santa 2016
Quaresma e Semana Santa 2016
 
Programação da Semana Santa de 2016
Programação da Semana Santa de 2016Programação da Semana Santa de 2016
Programação da Semana Santa de 2016
 
1º Encontro - catequese- primeira comunhão 2016
1º Encontro - catequese- primeira comunhão 20161º Encontro - catequese- primeira comunhão 2016
1º Encontro - catequese- primeira comunhão 2016
 
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Ser cristão   objetivo primeiro da catequeseSer cristão   objetivo primeiro da catequese
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
 
A Modestia
A ModestiaA Modestia
A Modestia
 
23º Encontro - Sacramento da Confissão
23º Encontro - Sacramento da Confissão23º Encontro - Sacramento da Confissão
23º Encontro - Sacramento da Confissão
 
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
22º Encontro - Sacramentos de Cura e Serviços
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
 
20º Encontro Santíssima Trindade
20º Encontro   Santíssima Trindade20º Encontro   Santíssima Trindade
20º Encontro Santíssima Trindade
 
19º Encontro - A ressurreição de Jesus
19º Encontro - A ressurreição de Jesus19º Encontro - A ressurreição de Jesus
19º Encontro - A ressurreição de Jesus
 
18º Encontro Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
18º Encontro  Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus18º Encontro  Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
18º Encontro Paixao-morte-ressurreição e ascensão de Jesus
 
17º. Jesus nos fala por meio de histórias
17º. Jesus nos fala por meio de histórias17º. Jesus nos fala por meio de histórias
17º. Jesus nos fala por meio de histórias
 
17 encontro A Santa Ceia
17 encontro  A Santa Ceia17 encontro  A Santa Ceia
17 encontro A Santa Ceia
 
15º Encontro os Milagres de Jesus
15º Encontro os Milagres de Jesus15º Encontro os Milagres de Jesus
15º Encontro os Milagres de Jesus
 
15º Encontro de Crisma - Nascimento e Batismo de Jesus
15º Encontro de Crisma -  Nascimento e Batismo de Jesus15º Encontro de Crisma -  Nascimento e Batismo de Jesus
15º Encontro de Crisma - Nascimento e Batismo de Jesus
 
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
 
13º Encontro Batismo de Jesus e sua missão
13º Encontro Batismo de Jesus e sua missão13º Encontro Batismo de Jesus e sua missão
13º Encontro Batismo de Jesus e sua missão
 
13º Encontro Batismo de Jesus e sua Missão
13º Encontro Batismo de Jesus e sua Missão13º Encontro Batismo de Jesus e sua Missão
13º Encontro Batismo de Jesus e sua Missão
 
12º encontro joao batista
12º encontro   joao batista12º encontro   joao batista
12º encontro joao batista
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 

Formação de catequistas

  • 1. A FORMAÇÃO DE CATEQUISTAS 1. A importância da formação dos catequistas nasce da convicção de que qualquer actividade pastoral, se não for realizada com pessoas bem formadas e preparadas, põe em risco o seu sucesso. Mais: os instrumentos de trabalho colocados à disposição da pastoral catequética, se não forem utilizados por catequistas bem formados, não são verdadeiramente eficazes, pelo que “uma adequada formação dos catequistas não pode ser descuidada em proveito da actualização dos textos e de uma melhor organização da catequese”(DGC 234). Ao catequista deve proporcionar-se uma formação que, partindo da profissão de fé baptismal, ofereça uma exposição orgânica e sistemática dos conteúdos fundamentais da fé e da vida cristã. Deve colocar-se ao seu alcance uma formação teológica que o ajude a consolidar a fé recebida, lhe proporcione certezas básicas dessa fé e o prepare para ser testemunha e transmissor da mesma. A tarefa de comunicar a fé recebida é realizada nas comunidades concretas de cada catequista, onde, preferencialmente, se deve realizar também a sua formação. Isto, sem esquecer que cada catequista é membro da Igreja universal, pelo que a formação deve ser realizada na unidade da fé da Igreja de modo que o ajude a crescer na comunidade eclesial. Esta formação tem como objectivo dar a capacitação adequada aos catequistas “para transmitirem o Evangelho àqueles que desejam entregar-se a Jesus Cristo. Portanto, a finalidade da formação requer que o catequista se torne o mais idóneo possível, para realizar um acto de comunicação: ‘o objectivo essencial da formação catequética é tornar o catequista apto para a comunicação da mensagem cristã”(DGC 235). 2. A Igreja necessita, hoje, de uns catequistas concretos, em função do quadro cultural que vivemos, onde se torna evidente a necessidade de uma nova evangelização. São precisos catequistas que saibam situar-se no marco cultural e religioso da evangelização dos já baptizados, mas afastados da fé, e daqueles que não conhecem Jesus Cristo, mas estão numa atitude de busca. Deve ter em conta as necessidades evangelizadoras dos dias de hoje, com os seus valores, sombras e desafios. Para responder a este desafio são necessários catequistas com uma fé profunda, com uma clara identidade cristã e eclesial, com preocupação missionária e com profunda sensibilidade social(cf DGC 237). Assim, ao longo da formação, o catequista deve ver favorecida a sua vida de fé, a sua comunhão com Jesus Cristo, para saber, depois, ser companheiro de caminho daqueles que a Igreja lhe confiar, num itinerário catequético. A “unidade e harmonia do catequista deve ler-se desde esta perspectiva cristocêntrica e há-de construir-se à base de uma ‘familiaridade profunda com Cristo e com o Pai’, no Espírito. Nunca se insistirá bastante neste ponto, se se quer renovar a figura do catequista, neste momento decisivo para a missão da Igreja”(GCM 20). O catequista há-de ser capaz de dar testemunho da sua fé e de responder aos anseios mais profundos do coração humano, que é a sede de absoluto.
  • 2. 3. Os catequistas que a Igreja de hoje precisa, para além de uma fé profunda, devem manter com firmeza a sua identidade cristã e eclesial. Num mundo marcado pelo pluralismo de formas de pensar e de viver, onde a uniformidade já não existe, a Igreja precisa de catequistas firmes nas suas convicções cristãs e que sejam capazes de transmitir essas convicções, para que os catequizandos sejam capazes de confessar a sua fé e dar razões da sua esperança, que está fundamentada em convicções sérias provenientes dos valores evangélicos. Deste modo, o “facto de a formação procurar tornar o catequista apto para transmitir o Evangelho em nome da Igreja confere uma dimensão eclesial a toda a formação”(DGC 236). Ao longo da sua formação, o catequista há-de ser ajudado a inserir-se na consciência viva e actual que a Igreja tem do Evangelho, tornando-se assim apto para transmitir essa Boa Nova, em nome da Igreja, participando do desejo que esta tem de anunciar a todas as gerações o tesouro que ela guarda e transmite íntegra e totalmente: a fé. O catequista deve também possuir uma profunda sensibilidade social, amando cada catequizando a partir de Jesus Cristo. É esse amor por cada ser humano que faz com que se apresente Cristo, o Mistério esclarecedor do mistério humano, e n’Ele se descubra a vocação sublime de cada ser humano(cf GS 22). 4. A formação do catequista também deve ter presente o conceito de catequese que a Igreja apresenta. Então, “trata-se de formar catequistas, para que sejam capazes de transmitir, não apenas um ensino, mas também uma formação cristã integral, desenvolvendo ‘tarefas de iniciação, de educação e de ensino’.(...) São necessários catequistas que sejam, ao mesmo tempo, mestres, educadores e testemunhas”(DGC 237). A catequese que o catequista é chamado a realizar é a de uma autêntica iniciação ordenada e sistemática à revelação divina, que Deus realizou com o homem, em Jesus Cristo, e conservada na Igreja através da Sagrada Escritura e da Tradição. Esta revelação é anunciada de geração em geração através de uma traditio viva, da qual o catequista é parte integrante(cf DGC 66). A catequese de iniciação, dentro do processo evangelizador, é o momento em que se estrutura a conversão a Jesus Cristo, num esforço de fundamentação dessa primeira adesão(DGC 63). Claro que, no contexto em que hoje vivemos, o catequista terá também que suscitar a conversão à fé inicial daqueles que se aproximam da catequese e de alimentar a fé daqueles que já concluíram a iniciação cristã. 5. Vejamos, agora, as áreas em torno das quais se deve conjugar a formação dos catequistas, que são a qualificação espiritual, qualificação doutrinal, qualificação nas ciências humanas e qualificação pedagógica. O Directório reúne estas características em torno do ser, saber e saber fazer do catequista(cf DGC 238-245). Mas é a própria vocação profética a que exige ao catequista uma sólida espiritualidade eclesial, uma preparação doutrinal e metodológica séria, uma comunhão constante com o Magistério e um profundo amor a Deus e ao próximo. 6. A formação do catequista deve ter presente o objectivo de alimentar e robustecer a sua fé, ajudando-o a crescer como crente, ou seja, a sua qualificação espiritual. Deste modo, “a verdadeira formação alimenta, sobretudo, a espiritualidade do próprio catequista, de maneira que a sua acção nasça, na verdade, do testemunho da sua própria vida”(DGC 239). O facto de o catequista ser um educador na fé implica-o numa intensa vida espiritual, sendo este o aspecto culminante e mais valioso da sua
  • 3. personalidade e, portanto, a dimensão preferencial da sua formação: “O verdadeiro catequista é o santo”(João Paulo II). O crescimento espiritual do catequista há-de ser conseguido através de uma comunhão de vida e de amor com o Senhor Jesus, que chama e envia cada catequista. “É somente em profunda comunhão com Ele que os catequistas encontrarão luz e força para uma desejável renovação autêntica da catequese”(CT 9). A formação espiritual desenvolve-se num processo de fidelidade Àquele que é o princípio inspirador da obra catequética e àqueles que a realizam: o Espírito do Pai e do Filho, o Espírito Santo. O modo como este crescimento espiritual se há-de alcançar é sobretudo através de uma intensa vida sacramental e de oração, pessoal e comunitária. Este objectivo geral concretiza-se, depois, numa participação regular na Eucaristia, se possível também nos dias feriais, por uma atenção ao sacramento da Penitência que há-de purificar interiormente e robustecer com o ânimo do Espírito. Além da vida litúrgica, a vida de oração será uma preocupação diária, quer pela meditação diária e pela oração pessoal, quer pela recitação do rosário e demais devoções marianas, pois Maria é o catecismo vivo, mãe e modelo dos catequistas(cf CT 73). Sempre que possível, também se devem proporcionar retiros espirituais, pois “só alimentando a vida interior com uma oração abundante e bem feita, o catequista pode conseguir o grau de maturidade espiritual que a sua missão exige. Como a adesão à mensagem cristã, que em última instância é fruto da graça e da liberdade, e que não depende da habilidade do catequista, é necessário que a sua actividade esteja acompanhada pela oração”(GCM 22). O facto de a formação dos catequistas se realizar normalmente em grupos não pode ser motivo para se descuidar uma atenção particular a cada um, um acompanhamento personalizado. Também se deve ter em conta a direcção espiritual. Na medida do possível, cada catequista deve procurar um sacerdote que lhe seja próximo e com o qual possa ser seguido no seu crescimento espiritual. 7. O catequista é uma testemunha da fé, mas é também um mestre, um educador que ensina a fé. Por isso, a qualificação doutrinal ou bíblico-teológica, há-de oferecer- lhe uma conhecimento orgânico da mensagem cristã. Esta articula-se em torno do mistério central da fé, que é Jesus Cristo(cf DGC 240). O conteúdo dessa formação está organizado em dois grandes núcleos: a história da salvação e a mensagem cristã. A história da salvação compreende três momentos: o Antigo Testamento, a vida de Jesus Cristo e a história da Igreja, quer a nível global, quer do próprio país ou da Igreja local. Os grandes núcleos da mensagem cristã estão divididos nos quatro pilares da catequese: o Símbolo, a liturgia, a vida moral e a oração. O Catecismo da Igreja Católica há-de ser o ponto de referência fundamental para uma formação doutrinal capaz de dar a conhecer a fundo o conteúdo essencial da doutrina cristã, para que seja “comunicado de modo claro e vital, sem lacunas ou desvios”(GCM 23). Este Catecismo é um “instrumento válido e legítimo ao serviço da comunhão eclesial, e uma regra segura para o ensino da fé”(FD 4). Uma vez que estamos vivendo num contexto cultural adverso e exigente, é preciso ter consciência que não é suficiente dar uma resposta vaga e imprecisa a quem pergunta pelas razões da nossa fé, antes urge
  • 4. uma resposta lúcida e verdadeira, centrada no essencial e com uma linguagem acessível à mentalidade hodierna. A Sagrada Escritura deverá ser a matéria principal de ensino e constituir a alma de todo o ensino doutrinal(cf DV 24). É em torno da Sagrada Escritura que se devem articular todas as disciplinas do saber teológico, de forma que o catequista seja formado numa pastoral bíblica. Esta formação doutrinal deve, pois, ser sintética, corresponder ao anúncio a transmitir; e, nela, os diferentes elementos da fé cristã devem aparecer bem estruturados e harmonizados entre si, numa visão orgânica que respeite a hierarquia das verdades, ajudando o catequista a amadurecer na sua fé e, ao mesmo tempo, a tornar-se capaz de dar razão da esperança em tempo de missão. Esta formação deve ser dada em estilo catequético, num ambiente o mais próximo possível da realidade em que os catequistas vão trabalhar(cf DGC 241). 8. Em ordem ao exercício da sua missão, o catequista deve conhecer a pessoa a quem se dirige e a realidade em que esta vive e deve possuir uma qualificação nas ciências humanas, tal como ensina o Concílio Ecuménico Vaticano II: “Na actividade pastoral, conheçam-se e apliquem-se suficientemente, não apenas os princípios teológicos, mas também os dados das ciências profanas, principalmente da psicologia e sociologia, para que assim os fiéis sejam conduzidos a uma vida de fé mais adulta”(GS 62). Na formação dos catequistas deve, pois, procurar-se o conhecimento de alguns elementos fundamentais da psicologia: “os dinamismos psicológicos que movem a pessoa; a estrutura da personalidade; as necessidades e as aspirações mais profundas do coração humano; a psicologia evolutiva e as etapas do ciclo vital humano; a psicologia religiosa e as experiências que abrem a pessoa ao mistério do sagrado”(DGC 242). Deve também ter-se presente que a cultura envolvente influencia muito a pessoa, pelo que é necessário conhecê-la. Este conhecimento vem através das ciências sociais, pelo que também estas devem ser contempladas num processo formativo. O objectivo desta formação é que o catequista seja capaz de programar a sua actividade, a sua intervenção educativa. O catequista deve ser capaz de levá-la a cabo com os próprios destinatários, pondo estes em situação de captarem a presença e a acção de Deus dentro da sua vida e da história da humanidade, assim como ajudando-os a responderem positivamente às Suas chamadas. Este tipo de conhecimentos favorecerá o catequista a ponto de lhe permitir não só responder às buscas do homem, no campo religioso, mas também dar um testemunho mais vivo e qualificado, capaz de dizer Deus na sua totalidade, sem lacunas, mesmo quando o catecúmeno não realiza a pergunta explicitamente, tendo latente a sua capacidade de escuta. Trata-se, em suma, de respeitar o ritmo do ser humano, no anúncio da Boa Nova. Mais, este respeito obriga a que não se fique por meras teorias, mas sim que se veja cada catecúmeno na sua circunstância. Para terminar, referimos que o objectivo da formação de catequistas não é fazer ‘técnicos de catequese’, pelo contrário, tudo deve tender para a experiência concreta, para fazer amadurecer no catequista a arte de fazer catequese, uma arte que é a síntese das capacidades para o apostolado, do conhecimento da fé e dos homens destinatários do anúncio.
  • 5. 9. A qualificação pedagógica do catequista deve ter bem presente que este se prepara para facilitar o crescimento de uma experiência de fé, da qual ele não é dono, antes colaborante na acção de Deus, que depositou a semente da fé no coração de cada catecúmeno. Por isso, “o catequista é um educador que deve acompanhar o amadurecimento da fé, que o catecúmeno ou catequizando realiza com a ajuda do Espírito Santo”(DGC 244), pelo que o dever do catequista é unir a dimensão intelectual e espiritual. “Existe um único Mestre, o catequista deve estar consciente de que apenas o Senhor Jesus ensina, enquanto que ele o faz ‘na medida em que é seu porta-voz, permitindo que Cristo ensine pela sua boca’”(GCM 23). Por isso, para além das ciências humanas que oferecem um precioso contributo à catequese, “há também uma pedagogia da fé; e nunca será demais tudo o que se disser sobre o que essa pedagogia pode contribuir para a catequese. É normal que se adaptem à educação da fé as técnicas aperfeiçoadas e comprovadas da educação em geral. No entanto, importa ter em conta, em cada momento, a originalidade própria da fé. Na pedagogia da fé, não se trata simplesmente de transmitir um saber humano, por mais elevado que se considere; trata-se de comunicar na sua integridade a Revelação de Deus”(CT 58). O próprio Deus, ao longo da história da salvação, usou e deu a conhecer a sua própria pedagogia, que deve ser o modelo para a pedagogia da fé. Assim, um catequista bem preparado é aquele que possui um estilo próprio de fazer catequese, com metodologias e didácticas de que se serve para comunicar uma mensagem de que é testemunha, sem centrar a sua formação no conhecimento e domínio de uma só metodologia. A variedade e complementaridade de técnicas, instrumentos e métodos constitui uma riqueza cujo valor é incalculável para os fins da catequese. A formação catequética ajudará, pois, o catequista a “amadurecer a sua capacidade educativa, o que implica: a faculdade de ter atenção para com as pessoas, a habilidade para interpretar e responder à pergunta educativa, a iniciativa para pôr em acção processos de aprendizagem e a arte de conduzir um grupo humano até à maturidade”(DGC 244). 10. Isto tem implicações no modo como se deve realizar a formação pedagógica dos catequistas. Esta deve ter presente que eles devem ser protagonistas da sua própria aprendizagem, para que a formação seja criativa e não o mero assimilar de regras externas. Assim, a formação deve ser muito próxima da prática: é preciso partir desta para chegar àquela, reflectindo sobre ela. Esta formação será tanto mais rica quanto mais se nutrir com a experiência, enriquecendo-se com confrontações, programadas e guiadas, com as situações eclesiais, culturais e sociais locais. Deve também ser integral e dialogal, ou seja, que procure o desenvolvimento da pessoa em todos os seus aspectos e valores, numa profunda inter-relação entre a pessoa e Deus e do formando com o formador e a comunidade(cf GCM 28). 11. Este modo de transmitir a fé inspira-se, pois, em Jesus Cristo, o que leva o catequista a transmitir a fé a partir da sua própria experiência religiosa, através do seu testemunho. Pelo testemunho, o catecúmeno há-de receber do catequista e perceber nele aquilo que o faz viver, que o anima: a fé. O anúncio do catequista está apoiado pelo testemunho teologal da sua própria vida(cf EN 46). O catequista, porque animado pela sua fé que não pode calar, tem uma constante preocupação missionária, que o leva a anunciar Cristo, dando razões da sua fé,
  • 6. convidando quem o escuta a definir-se, a optar e a comprometer-se com Aquele que é anunciado. Luís Miguel FIGUEIREDO RODRIGUES luis@diocese-braga.pt Bibliografia COMISSÃO EPISCOPAL DE EDUCAÇÃO CRISTÃ, Formação de Catequistas. Plano de Acção, ed. SNEC, Lisboa 1997. CONFERÊNCIA EPISCOPAL PORTUGUESA, O Catecismo da Igreja Católica e a sua utilização pastoral. Instrução Pastoral, Edição do Secretariado Geral do Episcopado, Lisboa 1994. CAÑIZARES, A.; CAMPO, M., Evangelización, Catequesis, Catequistas, ed. EDICE, Madrid 1999. FAYOL-FRICOUT, A.; PASQUIER, A.; SARDA, O., L'initition Chretienne. Demarche catéchumènal. Cahiers de l'ISPC, Paris 1991. ABREU, E. H.; ALBEROLA, C., Catequistas de la Iglesia, ed. Siquem, Valencia 1999. Catequistas Siglo XXI, 1.