SlideShare uma empresa Scribd logo
coração
quando Ele nos falava pelo
caminho
e nos explicava as Escrituras?” (Lc
24,32)
4.6. Tarefas da catequese
“Filipe acorreu, ouviu o eunuco ler o profeta Isaías e
perguntou:
‘Tu compreendes o que estás lendo?’
O eunuco respondeu: ‘Como poderia, se ninguém me
orienta’. Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto
dele”
(At 8,30-
31)
Catequista Josivaldo
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese
4.3. Finalidade da catequese
“Não estava ardendo o nosso
coração
quando Ele nos falava pelo
caminho
e nos explicava as Escrituras?” (Lc
24,32)
4.6. Tarefas da catequese
53. d)
A catequese
torna-se estéril e infrutífera
se reduzida
a um simples estudo ou
mera reflexão doutrinal.
b) A catequese deve ser realizada em harmonia com
o ano litúrgico.
Catequista Josivaldo
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese
4.3. Finalidade da catequese
43. A finalidade da catequese é aprofundar o primeiro anúncio do Evangelho:
levar o catequizando a conhecer, acolher, celebrar e vivenciar o mistério de
Deus, manifestado em Jesus Cristo, que nos revela o Pai e nos envia o
Espírito Santo. Conduz à entrega do coração a Deus, à comunhão com a
Igreja, corpo de Cristo (cf. DGC 80-81; Catecismo 426-429), e à
participação em sua missão.
44. A dimensão eclesial é essencial à fé cristã (cf. LG 9):
cada batizado professa individualmente a fé, explicitada no Credo apostólico
chamado “Símbolo”, pois manifesta a identidade de nosso compromisso
cristão. Mas cada um recebe, professa, alimenta e vive essa fé na Igreja e
através dela. “O Creio e o Cremos se implicam mutuamente. Ao fundir a sua
confissão com a confissão da Igreja, o cristão é incorporado à sua missão:
ser sacramento de Salvação para a vida do mundo. Quem proclama a
profissão de fé assume compromissos que, não poucas vezes, atrairão a
perseguição. Na história cristã, os mártires são os anunciadores e as
testemunhas por excelência” (DGC 83).
Catequista Josivaldo
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese
4.3. Finalidade da catequese
90. Os catequistas se esforçam para viver e interpretar a fé cristã, a
partir da realidade e das pessoas com as quais interagem. Os valores
do Evangelho fornecem parâmetros para o discernimento do que é
veiculado e vivido hoje. A fé cristã tem, nas Escrituras Sagradas,
principalmente em Jesus Cristo, um referencial para a pessoa e a
sociedade, e não cessa de propô-lo.
Segundo esse modelo, a catequese busca o equilíbrio entre
razão, sentimento, comportamento, engajamento na comunidade e na
sociedade, tendo como finalidade a formação de fiéis comprometidos
com o Senhor, com sua Igreja e com o Reino. Tal opção exige a
dimensão comunitária e o compromisso na missão. O conhecimento
intelectivo da fé requer a experiência pessoal e comunitária de Deus e
a caridade operativa para a mudança do mundo à luz dos valores do
Reino.
Catequista Josivaldo
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese
4.3. Finalidade da catequese
4.6. Tarefas da catequese
“Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At. 8, 31)
3.1.2. Catequese e evangelização
33. A evangelização é uma realidade rica, complexa e dinâmica, que
compreende momentos essenciais, e diferentes entre si.
(cf. CT 18 e 20; DGC 63):
o primeiro momento é o anúncio de Jesus Cristo (querigma);
a catequese, um desses “momentos essenciais”, é o segundo,
dando-lhe continuidade.
(Texto na íntegra)
Sua finalidade é aprofundar e amadurecer a fé, educando o
convertido para que se incorpore a comunidade cristã.
A catequese sempre supõe a primeira evangelização. Por sua vez, à
catequese segue- se o terceiro momento: a ação pastoral para os
fiéis já iniciados na fé, no seio da comunidade cristã (cf. DGC 49)
Catequista Josivaldo
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese
4.3. Finalidade da catequese
4.6. Tarefas da catequese
“Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At. 8, 31)
3.1.2. Catequese e evangelização
33. A evangelização é uma realidade rica, complexa e dinâmica, que
compreende momentos essenciais, e diferentes entre si.
(cf. CT 18 e 20; DGC 63):
A Dinâmica do Processo de Iniciação à Vida Cristã
(GPP-IVCi - Guia Pedagógico para o
PROCESSO IVC
1º - AÇÃO MISSIONÁRIA E QUERIGMÁTICA COMO PEDAGOGIA DO NASCER.
Que é dirigida aos não crentes e, no nosso caso, batizados ou não;
2º - AÇÃO CATEQUÉTICA COMO PEDAGOGIA DO CRESCER. Ação simultânea e
permanente que no processo vem logo após o querigma, no segundo tempo sucessivo
deste processo e dirige-se àqueles que descobriram a Boa Nova através da ação
missionária.
3º - AÇÃO PASTORAL, CARIDADE SOCIAL E PROFÉTICA COMO PEDAGOGIA DO
CAMINHAR. Que integra já a atividade de todo o batizado que participa na vida da
comunidade e ao que corresponde a vocação de cada um.
4º - AÇÃO MISTAGOGICA COMO PEDAGOGIA DO CELEBRAR. O celebrativo
antecede o discursivo. Hoje é preciso retomar a dimensão mística, celebrativa da
catequese. RICA 37-40. At. 2,42-47 (GPP-IVCi – Diocese de
Tocantinópolis-TO)
Catequista Josivaldo
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese
A Dinâmica do Processo de Iniciação à Vida Cristã
(GPP-IVCi - Guia Pedagógico para o
PROCESSO IVC
ASPECTOS DO PROCESSO
Documento de Aparecida – 278
a) O encontro com Jesus Cristo: aqueles que serão seus discípulos já o
buscam (cf. Jo 1,38), mas é o senhor quem os chama: “segue-me” (Mc 1,14;
Mt 9,9). É necessário propiciar o encontro com cristo que dá origem à
iniciação à Vida cristã.
b) A conversão: é a resposta inicial de quem escutou o senhor com
admiração, acreditou nele e sob a ação do espírito, decide ser seu amigo e ir
após ele, mudando sua forma de pensar e de viver, aceitando a cruz de
cristo, consciente de que morrer para o pecado é alcançar a vida.
c) O discipulado: a pessoa amadurece constantemente no conhecimento,
amor e seguimento de Jesus o Mestre, se aprofunda no mistério de sua
pessoa, de seu exemplo e de sua doutrina.
d) a comunhão: não pode existir vida cristã fora da comunidade.
e) A missão: o discípulo, à medida que conhece e ama o seu senhor,
compartilha com outros a alegria de ser enviado, de ir anunciar Jesus Cristo
Ressuscitado, e tornar realidade o amor e o serviço na pessoa dos mais
necessitados.
Catequista Josivaldo
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese
4.3. Finalidade da catequese
4.6. Tarefas da catequese
“Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At. 8, 31)
53. Em virtude de sua própria dinâmica interna, a fé precisa ser
conhecida, celebrada, vivida e cultivada na oração.
E como ela deve ser vivida em comunidade e anunciada na missão,
precisa ser compartilhada, testemunhada e anunciada.
A catequese tem, portanto, as seguintes tarefas (cf. DGC 85-87):
a) Conhecimento da fé - o discípulo de Jesus o conhece.
b) Iniciação litúrgica - o discípulo de Jesus celebra a fé.
c) Formação moral - o discípulo de Jesus é consciente e livre.
d) Vida de Oração - o discípulo de Jesus é alma orante.
e) Vida comunitária – o discípulo de Jesus vive a fé na comunidade.
f) Testemunho - o discípulo de Jesus vive da fé.
g) Missão – o discípulo de Jesus é missionário.
Catequista Josivaldo
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese
4.3. Finalidade da catequese
4.6. Tarefas da catequese
“Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At. 8, 31)
“Ou educamos na fé, colocando as pessoas realmente em
contato com Jesus Cristo e convidando-as para segui-lo, ou não
cumpriremos nossa missão evangelizadora”.
(Documento de Aparecida nº 287 e Iniciação à Vida Cristã nº 51- CNBB
97)
Deus nos abençoe!
Catequista Josivaldo
Estudante de Teologia na Diocese de Tocantinópolis-TO
Diretório Nacional de
Catequese
Finalidadedacatequese

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãItinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
lomes
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
Alexandre Alves Rocha
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
Alexandre Alves Rocha
 
Liturgia Fundamental - Introdução.pptx
Liturgia Fundamental - Introdução.pptxLiturgia Fundamental - Introdução.pptx
Liturgia Fundamental - Introdução.pptx
Padre Anderson de Lima Alencar
 
Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)
Afonso Murad (FAJE)
 
Missão do Catequista
Missão do CatequistaMissão do Catequista
Missão do Catequista
Jorge Felliphe
 
Uma nova paroquia
Uma nova paroquiaUma nova paroquia
Uma nova paroquia
Pe Gil Medeiros
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
José Luiz Silva Pinto
 
Maria na devoção e na liturgia
Maria na devoção e na liturgiaMaria na devoção e na liturgia
Maria na devoção e na liturgia
Afonso Murad (FAJE)
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
Ano litúrgico paróquia são josé
Ano litúrgico paróquia são joséAno litúrgico paróquia são josé
Ano litúrgico paróquia são josé
malkmam
 
Objetos e paramentos litúrgicos
Objetos e paramentos litúrgicosObjetos e paramentos litúrgicos
Objetos e paramentos litúrgicos
Rafaella Vasconcellos
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
Catequese Anjos dos Céus
 
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenalUma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
IRINEU FILHO
 
Catecumenato
CatecumenatoCatecumenato
Catecumenato
paroquiasaojose
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
Francisco Rodrigues
 
Formação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistasFormação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistas
pascomichu
 
Vamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missaVamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missa
SITEclarissasmarilia
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
eusouaimaculada
 

Mais procurados (20)

Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãItinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Liturgia Fundamental - Introdução.pptx
Liturgia Fundamental - Introdução.pptxLiturgia Fundamental - Introdução.pptx
Liturgia Fundamental - Introdução.pptx
 
Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)Introdução à mariologia (2012)
Introdução à mariologia (2012)
 
Missão do Catequista
Missão do CatequistaMissão do Catequista
Missão do Catequista
 
Uma nova paroquia
Uma nova paroquiaUma nova paroquia
Uma nova paroquia
 
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
 
Maria na devoção e na liturgia
Maria na devoção e na liturgiaMaria na devoção e na liturgia
Maria na devoção e na liturgia
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
 
Ano litúrgico paróquia são josé
Ano litúrgico paróquia são joséAno litúrgico paróquia são josé
Ano litúrgico paróquia são josé
 
Objetos e paramentos litúrgicos
Objetos e paramentos litúrgicosObjetos e paramentos litúrgicos
Objetos e paramentos litúrgicos
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
 
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenalUma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
 
Catecumenato
CatecumenatoCatecumenato
Catecumenato
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
Formação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistasFormação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistas
 
Vamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missaVamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missa
 
Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013Formação de Liturgia - 03/11/2013
Formação de Liturgia - 03/11/2013
 

Semelhante a Finalidade da catequese no DNC cj

Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptxComo formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Nuno Melo
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
fagundes_daniel
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
leandroandrade607647
 
nossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanentenossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanente
freivalentimpesente
 
Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
Fábio Vasconcelos
 
Lição 12 - A Urgência do Discipulado
Lição 12 - A Urgência do DiscipuladoLição 12 - A Urgência do Discipulado
Lição 12 - A Urgência do Discipulado
Éder Tomé
 
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
BlogMaterialdeCatequ
 
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Éder Tomé
 
Introdução a Catequese
Introdução a CatequeseIntrodução a Catequese
Introdução a Catequese
Alexandre
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
Rodrigo Oliveira
 
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptxAula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
rafaelcorrea749
 
Formação de catequistas
Formação de catequistasFormação de catequistas
Formação de catequistas
Catequese Anjos dos Céus
 
METODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.pptMETODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.ppt
ssuser9cb078
 
Julgar I - Assembléia Arquiocesana de Niterói 2014
Julgar I - Assembléia Arquiocesana de Niterói 2014Julgar I - Assembléia Arquiocesana de Niterói 2014
Julgar I - Assembléia Arquiocesana de Niterói 2014
GED Niterói, Movimento de Cursilhos de Cristandade
 
Discípulos missionários hoje
Discípulos missionários hojeDiscípulos missionários hoje
Discípulos missionários hoje
João Melo
 
O que é catequese
O que é catequeseO que é catequese
O que é catequese
Francisco Rodrigues
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Caminho para o encantamento missionário
Caminho para o encantamento missionárioCaminho para o encantamento missionário
Caminho para o encantamento missionário
Paróquia Nossa Senhora das Mercês
 
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
LFKlein
 
As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja  As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja
Oswaldo Michaelano
 

Semelhante a Finalidade da catequese no DNC cj (20)

Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptxComo formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
Como formar Discípulos Missionários para jesus.pptx
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
 
nossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanentenossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanente
 
Mistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistérioMistagogia: caminho para o mistério
Mistagogia: caminho para o mistério
 
Lição 12 - A Urgência do Discipulado
Lição 12 - A Urgência do DiscipuladoLição 12 - A Urgência do Discipulado
Lição 12 - A Urgência do Discipulado
 
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
Detalhes do Novo Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com a...
 
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
Lição 12 - A Urgência do Discipulado (windscreen)
 
Introdução a Catequese
Introdução a CatequeseIntrodução a Catequese
Introdução a Catequese
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
 
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptxAula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
Aula_Catequese na ação evangelizadora.pptx
 
Formação de catequistas
Formação de catequistasFormação de catequistas
Formação de catequistas
 
METODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.pptMETODOLOGIA.ppt
METODOLOGIA.ppt
 
Julgar I - Assembléia Arquiocesana de Niterói 2014
Julgar I - Assembléia Arquiocesana de Niterói 2014Julgar I - Assembléia Arquiocesana de Niterói 2014
Julgar I - Assembléia Arquiocesana de Niterói 2014
 
Discípulos missionários hoje
Discípulos missionários hojeDiscípulos missionários hoje
Discípulos missionários hoje
 
O que é catequese
O que é catequeseO que é catequese
O que é catequese
 
Retiro com catequistas
Retiro com catequistasRetiro com catequistas
Retiro com catequistas
 
Caminho para o encantamento missionário
Caminho para o encantamento missionárioCaminho para o encantamento missionário
Caminho para o encantamento missionário
 
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
 
As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja  As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja
 

Mais de Catequista Josivaldo

Cnbb 2007 documento_de_aparecida
Cnbb 2007 documento_de_aparecidaCnbb 2007 documento_de_aparecida
Cnbb 2007 documento_de_aparecida
Catequista Josivaldo
 
Desafio do amor
Desafio do amorDesafio do amor
Desafio do amor
Catequista Josivaldo
 
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhosA CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
Catequista Josivaldo
 
Músicos em ordem de batalha
Músicos em ordem de batalhaMúsicos em ordem de batalha
Músicos em ordem de batalha
Catequista Josivaldo
 
Nada muda se você não mudar
Nada muda se você não mudarNada muda se você não mudar
Nada muda se você não mudar
Catequista Josivaldo
 
Leitura orante da palavra de deus com a família
Leitura orante da palavra de deus com a famíliaLeitura orante da palavra de deus com a família
Leitura orante da palavra de deus com a família
Catequista Josivaldo
 
APOSTILA DE PRE CATEQUESE
APOSTILA DE PRE CATEQUESEAPOSTILA DE PRE CATEQUESE
APOSTILA DE PRE CATEQUESE
Catequista Josivaldo
 
1º ANO DE EUCARISTIA
1º ANO DE EUCARISTIA1º ANO DE EUCARISTIA
1º ANO DE EUCARISTIA
Catequista Josivaldo
 
2º ANO DE EUCARISTIA
2º ANO DE EUCARISTIA2º ANO DE EUCARISTIA
2º ANO DE EUCARISTIA
Catequista Josivaldo
 
O quinto mandamento e a legítima defesa
O quinto mandamento e a legítima defesaO quinto mandamento e a legítima defesa
O quinto mandamento e a legítima defesa
Catequista Josivaldo
 
A arte de ensinar
A arte de ensinarA arte de ensinar
A arte de ensinar
Catequista Josivaldo
 
O querigma para pais e padrinhos
O querigma para pais e padrinhosO querigma para pais e padrinhos
O querigma para pais e padrinhos
Catequista Josivaldo
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequista Josivaldo
 
Catequese com adultos doc 80 +
Catequese com adultos doc 80 +Catequese com adultos doc 80 +
Catequese com adultos doc 80 +
Catequista Josivaldo
 
Planejamento Semanal da Catequese
Planejamento Semanal da CatequesePlanejamento Semanal da Catequese
Planejamento Semanal da Catequese
Catequista Josivaldo
 

Mais de Catequista Josivaldo (15)

Cnbb 2007 documento_de_aparecida
Cnbb 2007 documento_de_aparecidaCnbb 2007 documento_de_aparecida
Cnbb 2007 documento_de_aparecida
 
Desafio do amor
Desafio do amorDesafio do amor
Desafio do amor
 
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhosA CRISMA Catequese para pais e padrinhos
A CRISMA Catequese para pais e padrinhos
 
Músicos em ordem de batalha
Músicos em ordem de batalhaMúsicos em ordem de batalha
Músicos em ordem de batalha
 
Nada muda se você não mudar
Nada muda se você não mudarNada muda se você não mudar
Nada muda se você não mudar
 
Leitura orante da palavra de deus com a família
Leitura orante da palavra de deus com a famíliaLeitura orante da palavra de deus com a família
Leitura orante da palavra de deus com a família
 
APOSTILA DE PRE CATEQUESE
APOSTILA DE PRE CATEQUESEAPOSTILA DE PRE CATEQUESE
APOSTILA DE PRE CATEQUESE
 
1º ANO DE EUCARISTIA
1º ANO DE EUCARISTIA1º ANO DE EUCARISTIA
1º ANO DE EUCARISTIA
 
2º ANO DE EUCARISTIA
2º ANO DE EUCARISTIA2º ANO DE EUCARISTIA
2º ANO DE EUCARISTIA
 
O quinto mandamento e a legítima defesa
O quinto mandamento e a legítima defesaO quinto mandamento e a legítima defesa
O quinto mandamento e a legítima defesa
 
A arte de ensinar
A arte de ensinarA arte de ensinar
A arte de ensinar
 
O querigma para pais e padrinhos
O querigma para pais e padrinhosO querigma para pais e padrinhos
O querigma para pais e padrinhos
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
 
Catequese com adultos doc 80 +
Catequese com adultos doc 80 +Catequese com adultos doc 80 +
Catequese com adultos doc 80 +
 
Planejamento Semanal da Catequese
Planejamento Semanal da CatequesePlanejamento Semanal da Catequese
Planejamento Semanal da Catequese
 

Último

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 

Último (10)

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 

Finalidade da catequese no DNC cj

  • 1. coração quando Ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” (Lc 24,32) 4.6. Tarefas da catequese “Filipe acorreu, ouviu o eunuco ler o profeta Isaías e perguntou: ‘Tu compreendes o que estás lendo?’ O eunuco respondeu: ‘Como poderia, se ninguém me orienta’. Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At 8,30- 31) Catequista Josivaldo Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese
  • 2. 4.3. Finalidade da catequese “Não estava ardendo o nosso coração quando Ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” (Lc 24,32) 4.6. Tarefas da catequese 53. d) A catequese torna-se estéril e infrutífera se reduzida a um simples estudo ou mera reflexão doutrinal. b) A catequese deve ser realizada em harmonia com o ano litúrgico. Catequista Josivaldo Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese
  • 3. 4.3. Finalidade da catequese 43. A finalidade da catequese é aprofundar o primeiro anúncio do Evangelho: levar o catequizando a conhecer, acolher, celebrar e vivenciar o mistério de Deus, manifestado em Jesus Cristo, que nos revela o Pai e nos envia o Espírito Santo. Conduz à entrega do coração a Deus, à comunhão com a Igreja, corpo de Cristo (cf. DGC 80-81; Catecismo 426-429), e à participação em sua missão. 44. A dimensão eclesial é essencial à fé cristã (cf. LG 9): cada batizado professa individualmente a fé, explicitada no Credo apostólico chamado “Símbolo”, pois manifesta a identidade de nosso compromisso cristão. Mas cada um recebe, professa, alimenta e vive essa fé na Igreja e através dela. “O Creio e o Cremos se implicam mutuamente. Ao fundir a sua confissão com a confissão da Igreja, o cristão é incorporado à sua missão: ser sacramento de Salvação para a vida do mundo. Quem proclama a profissão de fé assume compromissos que, não poucas vezes, atrairão a perseguição. Na história cristã, os mártires são os anunciadores e as testemunhas por excelência” (DGC 83). Catequista Josivaldo Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese
  • 4. 4.3. Finalidade da catequese 90. Os catequistas se esforçam para viver e interpretar a fé cristã, a partir da realidade e das pessoas com as quais interagem. Os valores do Evangelho fornecem parâmetros para o discernimento do que é veiculado e vivido hoje. A fé cristã tem, nas Escrituras Sagradas, principalmente em Jesus Cristo, um referencial para a pessoa e a sociedade, e não cessa de propô-lo. Segundo esse modelo, a catequese busca o equilíbrio entre razão, sentimento, comportamento, engajamento na comunidade e na sociedade, tendo como finalidade a formação de fiéis comprometidos com o Senhor, com sua Igreja e com o Reino. Tal opção exige a dimensão comunitária e o compromisso na missão. O conhecimento intelectivo da fé requer a experiência pessoal e comunitária de Deus e a caridade operativa para a mudança do mundo à luz dos valores do Reino. Catequista Josivaldo Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese
  • 5. 4.3. Finalidade da catequese 4.6. Tarefas da catequese “Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At. 8, 31) 3.1.2. Catequese e evangelização 33. A evangelização é uma realidade rica, complexa e dinâmica, que compreende momentos essenciais, e diferentes entre si. (cf. CT 18 e 20; DGC 63): o primeiro momento é o anúncio de Jesus Cristo (querigma); a catequese, um desses “momentos essenciais”, é o segundo, dando-lhe continuidade. (Texto na íntegra) Sua finalidade é aprofundar e amadurecer a fé, educando o convertido para que se incorpore a comunidade cristã. A catequese sempre supõe a primeira evangelização. Por sua vez, à catequese segue- se o terceiro momento: a ação pastoral para os fiéis já iniciados na fé, no seio da comunidade cristã (cf. DGC 49) Catequista Josivaldo Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese
  • 6. 4.3. Finalidade da catequese 4.6. Tarefas da catequese “Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At. 8, 31) 3.1.2. Catequese e evangelização 33. A evangelização é uma realidade rica, complexa e dinâmica, que compreende momentos essenciais, e diferentes entre si. (cf. CT 18 e 20; DGC 63): A Dinâmica do Processo de Iniciação à Vida Cristã (GPP-IVCi - Guia Pedagógico para o PROCESSO IVC 1º - AÇÃO MISSIONÁRIA E QUERIGMÁTICA COMO PEDAGOGIA DO NASCER. Que é dirigida aos não crentes e, no nosso caso, batizados ou não; 2º - AÇÃO CATEQUÉTICA COMO PEDAGOGIA DO CRESCER. Ação simultânea e permanente que no processo vem logo após o querigma, no segundo tempo sucessivo deste processo e dirige-se àqueles que descobriram a Boa Nova através da ação missionária. 3º - AÇÃO PASTORAL, CARIDADE SOCIAL E PROFÉTICA COMO PEDAGOGIA DO CAMINHAR. Que integra já a atividade de todo o batizado que participa na vida da comunidade e ao que corresponde a vocação de cada um. 4º - AÇÃO MISTAGOGICA COMO PEDAGOGIA DO CELEBRAR. O celebrativo antecede o discursivo. Hoje é preciso retomar a dimensão mística, celebrativa da catequese. RICA 37-40. At. 2,42-47 (GPP-IVCi – Diocese de Tocantinópolis-TO) Catequista Josivaldo Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese
  • 7. A Dinâmica do Processo de Iniciação à Vida Cristã (GPP-IVCi - Guia Pedagógico para o PROCESSO IVC ASPECTOS DO PROCESSO Documento de Aparecida – 278 a) O encontro com Jesus Cristo: aqueles que serão seus discípulos já o buscam (cf. Jo 1,38), mas é o senhor quem os chama: “segue-me” (Mc 1,14; Mt 9,9). É necessário propiciar o encontro com cristo que dá origem à iniciação à Vida cristã. b) A conversão: é a resposta inicial de quem escutou o senhor com admiração, acreditou nele e sob a ação do espírito, decide ser seu amigo e ir após ele, mudando sua forma de pensar e de viver, aceitando a cruz de cristo, consciente de que morrer para o pecado é alcançar a vida. c) O discipulado: a pessoa amadurece constantemente no conhecimento, amor e seguimento de Jesus o Mestre, se aprofunda no mistério de sua pessoa, de seu exemplo e de sua doutrina. d) a comunhão: não pode existir vida cristã fora da comunidade. e) A missão: o discípulo, à medida que conhece e ama o seu senhor, compartilha com outros a alegria de ser enviado, de ir anunciar Jesus Cristo Ressuscitado, e tornar realidade o amor e o serviço na pessoa dos mais necessitados. Catequista Josivaldo Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese
  • 8. 4.3. Finalidade da catequese 4.6. Tarefas da catequese “Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At. 8, 31) 53. Em virtude de sua própria dinâmica interna, a fé precisa ser conhecida, celebrada, vivida e cultivada na oração. E como ela deve ser vivida em comunidade e anunciada na missão, precisa ser compartilhada, testemunhada e anunciada. A catequese tem, portanto, as seguintes tarefas (cf. DGC 85-87): a) Conhecimento da fé - o discípulo de Jesus o conhece. b) Iniciação litúrgica - o discípulo de Jesus celebra a fé. c) Formação moral - o discípulo de Jesus é consciente e livre. d) Vida de Oração - o discípulo de Jesus é alma orante. e) Vida comunitária – o discípulo de Jesus vive a fé na comunidade. f) Testemunho - o discípulo de Jesus vive da fé. g) Missão – o discípulo de Jesus é missionário. Catequista Josivaldo Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese
  • 9. 4.3. Finalidade da catequese 4.6. Tarefas da catequese “Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto dele” (At. 8, 31) “Ou educamos na fé, colocando as pessoas realmente em contato com Jesus Cristo e convidando-as para segui-lo, ou não cumpriremos nossa missão evangelizadora”. (Documento de Aparecida nº 287 e Iniciação à Vida Cristã nº 51- CNBB 97) Deus nos abençoe! Catequista Josivaldo Estudante de Teologia na Diocese de Tocantinópolis-TO Diretório Nacional de Catequese Finalidadedacatequese