SlideShare uma empresa Scribd logo
SUTURAS
Sutura
Aproximação de estruturas teciduais
Diretrizes básicas para a sutura
• Manipulação e apresentação de tecidos
 Bordas devem ser apresentadas e elevadas

• Colocação da agulha no porta-agulha
 Agulha presa na parte média (ou um pouco atrás)

• Transfixação das bordas
 Um ou dois tempos

• Extração da agulha
Apontar para cima apenas quando atravessar as duas
bordas
Evitar usar os dedos para a retirada
Boa sutura e efeito estético
• Inserir a agulha com ângulo de 90º
• Adotar um caminho curvilíneo
• Simetria tanto nos lados como na
profundidade
Suturas com pontos separados
• Afrouxamento ou
quebra de um nó não
afeta o restante da
sutura
• Não tão impermeáveis
 drenagem
• Mais trabalhosa e
demorada
Ponto Simples
Ponto Simples
Ponto simples invertido
Ponto de Donatti
em U vertical (Longe-longe-perto-perto)
Suturas contínuas
• Mais rápidas
• Mais hemostáticas
• Mais fio (corpo
estranho)
• Caso uma laçada se
solte, pode
comprometer toda
sutura
Boa síntese
•
•
•
•
•

Assepsia
Bordas regulares
Hemostasia
Material apropriado
Manuseio adequado

• Confrontamento
anatômico
• Técnica perfeita
• Boa vitalidade tecidual
• Boa nutrição e
hidratação do paciente
Retirada dos fios
• O mais breve possível, logo que a cicatriz
adquira resistência
• Incisões pequenas (4cm) = 7º dia
• Excisões mais extensas ou em articulações =
10º dia
FIOS
• Quanto a origem
– Biológicos (naturais)
• Vegetais: algodão, linho
• Animais: categute, colágeno, seda

– Sintéticos
• Nylon, polipropileno, poliglactina (Vicryl)

– Metálicos
• Aço inoxidável
FIOS
• Quanto a sua assimilação pelo organismo
– Absorvíveis
• Catgute simples (7/10 dias), categute cromado (15/20
dias) e Vicryl (50/70 dias)

– Não absorvíveis
• Biodegradáveis: nylon (5 anos)
• Não-biodegradáveis: aço, polipropileno (Prolene)
Diâmetro
HISTÓRICO
• 3500 A.C. : Egito – Fechamento de múmias com
fios de couro
• 400 A.C. : Fios de tendões de animais
• Séc IX: Rhazes - Sutura Abdominal
• Séc X: Linho rompe com infecção
• Séc XVI: Ambroise Paré – Aproximação de feridas
na face com fitas
• Séc XIX: Joseph Lister – Esterelização química dos
fios, introdução do catgut com crômio
• Séc XX: Industrialização dos fios de sutura:
George Merson
FIOS CIRÚRGICOS
• Materiais usados pelo cirurgião na síntese e
reconstrução dos tecidos
• Características dos fios
- Origem
- Força de Tensão
- Capilaridade
- Diâmetro
- Absorção de
- Segurança do nó
fluidos
- Configuração
- Elasticidade
física
- Manipulação
- Cor
- Reatividade tecidual
FIO IDEAL
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Resistente no meio no qual atua
Resistente à tração e torção
Calibre uniforme
Baixo índice de fricção
Não ser cortante
Resistente à esterelização
Boa segurança no nó
Baixa reação tecidual
Não possui ação carcinogênica
Não provoca ou mantém infecções
Manter as bordas das feridas aproximadas até a cicatrização da
ferida
• Baixo custo
• Adequada resistência tênsil
• Fácil manuseio
CLASSIFICAÇÃO DOS FIOS
Quanto a estrutura
• Monofilamentares
Categute simples e cromado
Seda
Aço inoxidável
Polipropileno
Colágeno
Polidioxanone
CLASSIFICAÇÃO DOS FIOS
• Multifilamentares
Algodão
Seda
Nylon
Dacron
Aço inoxidável
Ácido poliglicólico
Poligactina revestido
CLASSIFICAÇÃO DOS FIOS
Quanto á Absorção
• Absorvíveis
 Origem Animal: Categute simples e
cromado
 Origem Sintética: Ácido poliglicólico, ácido
polidioxanona e poliglactina
• Inabsorvíveis
 Algodão
 Nylon
 Polipropileno
 Poliamida
 Poliester
 Fios metálicos
 Linho
CLASSIFICAÇÃO DOS FIOS
Quanto ao Calibre
MAIOR DIÂMETRO

...3- 2-1-02.0-3.0-4.0

5.0-6.0-7.08.0-9.0-10.0...
MENOR DIÂMETRO
ESCOLHA DO FIO
• Pode ser restrita, ou dependente do hábito, da
experiência e do bom senso do cirurgião
• Propriedades do fio
• Interação do fio com tecido
• Questões estéticas
• Questões econômicas
CATGUT
• Simples, cromado e rápida absorção
• Fitas de colágeno da submucosa de
intestino delgado de carneiro ou da
serosa do gado
• Simples: matém a força tensil por 7
dias e absorção em 10 – 14 dias
• Cromado: resistente a enzimas do
corpo, força tensil por 14 dias(máx 21)
e absorção em 90 dias
• Rápida absorção na presença de calor
POLIGLACTINA 910(VICRYL)
• Absorção completa em 60- 90 dias
por hidrólise
• Vicryl rápide: parcialmente
hidrolisado esterelizado com raios
gama. Em 5 dias, 50% da força tênsil .
Absorção em 7- 14 dias
• Vicryl plus : envolvido com uma
camada de triclosan efetivo contra S.
aureus, S. epidermis, MRSA e MRSE
NYLON
•
•
•
•

Polimero de poliamida
Baixa reação tecidual
Alta força tênsil em 2 semanas
Degrada por hidrólise 15-20% ao ano in
vivo
• Boa memória sendo necessário mais do
que três nós para garantia de manutenção
do nó
• “Nurolon” nylon trançado da seda
POLIPROPILENO (PROLENE)
• Esteroisômero isostático e cristalino
de polímero de hidrocarbono linear
que não degrada com ação
enzimática corpórea causando
reação tissular mínima
• Os nós são mais seguros que outros
materiais monofilamentares
sintéticos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdfTempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Lucilenesantos56
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
Fernando de Oliveira Dutra
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
Gilson Betta Sevilha
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
Luh Soares
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
Edilaine Torrecilha
 
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Zeca Ribeiro
 
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Guilherme Terra
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
Luana Santos
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
Prof Silvio Rosa
 
Suturas(1)[1].ppt trabalho
Suturas(1)[1].ppt  trabalhoSuturas(1)[1].ppt  trabalho
Suturas(1)[1].ppt trabalho
pedro
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
Tempos cirúrgicos
Tempos cirúrgicosTempos cirúrgicos
Tempos cirúrgicos
nicole benario
 
Instrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgicaInstrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgica
jaddy xavier
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Aline Bandeira
 
Nós Cirúrgicos
Nós CirúrgicosNós Cirúrgicos
Nós Cirúrgicos
Samuel Abner
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
Nelio Dinis
 
Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
Guilherme Sicuto
 

Mais procurados (20)

Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdfTempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
 
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
Paramentação cirúrgica em Cirurgia BMF 2013
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Suturas(1)[1].ppt trabalho
Suturas(1)[1].ppt  trabalhoSuturas(1)[1].ppt  trabalho
Suturas(1)[1].ppt trabalho
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Tempos cirúrgicos
Tempos cirúrgicosTempos cirúrgicos
Tempos cirúrgicos
 
Instrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgicaInstrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgica
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Nós Cirúrgicos
Nós CirúrgicosNós Cirúrgicos
Nós Cirúrgicos
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
 

Semelhante a Fios e suturas

Fios de Pontos. Tipo de Fios. QUal melhor
Fios de Pontos. Tipo de Fios. QUal melhorFios de Pontos. Tipo de Fios. QUal melhor
Fios de Pontos. Tipo de Fios. QUal melhor
danizinhaBarra
 
Nós e Suturas
Nós e SuturasNós e Suturas
Manobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas OdontoManobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas Odonto
Mirielly Macedo
 
372589790-Aula-10-Fios-de-Sutura.aulafiospptx
372589790-Aula-10-Fios-de-Sutura.aulafiospptx372589790-Aula-10-Fios-de-Sutura.aulafiospptx
372589790-Aula-10-Fios-de-Sutura.aulafiospptx
patrcialibreloto
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Fios e hemostasia 2020.1.pdf
Fios e hemostasia 2020.1.pdfFios e hemostasia 2020.1.pdf
Fios e hemostasia 2020.1.pdf
zairo fonseca
 
Manual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdfManual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdf
SueEllenMendonaFerre
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
Rafaela Liberato
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
Lucivânia Oliveeira
 
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgicafiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
THIALYMARIASILVADACU
 
FIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.pptFIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.ppt
PaulaFernandaLemosVe
 
Fios cirúrgicos.pptx
Fios cirúrgicos.pptxFios cirúrgicos.pptx
Fios cirúrgicos.pptx
ssuser80ae40
 
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Aline Bandeira
 
fios.doc
fios.docfios.doc
Tempo cirurgico e instrumental
Tempo cirurgico e instrumentalTempo cirurgico e instrumental
Tempo cirurgico e instrumental
Caroline Peixoto
 
Disciplina de técnica cirúrgica
Disciplina de técnica cirúrgicaDisciplina de técnica cirúrgica
Disciplina de técnica cirúrgica
Adriano Luiz Barbosa
 

Semelhante a Fios e suturas (16)

Fios de Pontos. Tipo de Fios. QUal melhor
Fios de Pontos. Tipo de Fios. QUal melhorFios de Pontos. Tipo de Fios. QUal melhor
Fios de Pontos. Tipo de Fios. QUal melhor
 
Nós e Suturas
Nós e SuturasNós e Suturas
Nós e Suturas
 
Manobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas OdontoManobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas Odonto
 
372589790-Aula-10-Fios-de-Sutura.aulafiospptx
372589790-Aula-10-Fios-de-Sutura.aulafiospptx372589790-Aula-10-Fios-de-Sutura.aulafiospptx
372589790-Aula-10-Fios-de-Sutura.aulafiospptx
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Fios e hemostasia 2020.1.pdf
Fios e hemostasia 2020.1.pdfFios e hemostasia 2020.1.pdf
Fios e hemostasia 2020.1.pdf
 
Manual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdfManual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdf
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
 
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgicafiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
 
FIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.pptFIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.ppt
 
Fios cirúrgicos.pptx
Fios cirúrgicos.pptxFios cirúrgicos.pptx
Fios cirúrgicos.pptx
 
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
 
fios.doc
fios.docfios.doc
fios.doc
 
Tempo cirurgico e instrumental
Tempo cirurgico e instrumentalTempo cirurgico e instrumental
Tempo cirurgico e instrumental
 
Disciplina de técnica cirúrgica
Disciplina de técnica cirúrgicaDisciplina de técnica cirúrgica
Disciplina de técnica cirúrgica
 

Mais de Danilo Modesto

Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
Danilo Modesto
 
O centro cirúrgico
O centro cirúrgicoO centro cirúrgico
O centro cirúrgico
Danilo Modesto
 
História da cirurgia
História da cirurgiaHistória da cirurgia
História da cirurgia
Danilo Modesto
 
Diérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e sínteseDiérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e síntese
Danilo Modesto
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Danilo Modesto
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
Danilo Modesto
 
Residência médica
Residência médicaResidência médica
Residência médica
Danilo Modesto
 

Mais de Danilo Modesto (7)

Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
 
O centro cirúrgico
O centro cirúrgicoO centro cirúrgico
O centro cirúrgico
 
História da cirurgia
História da cirurgiaHistória da cirurgia
História da cirurgia
 
Diérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e sínteseDiérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e síntese
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Residência médica
Residência médicaResidência médica
Residência médica
 

Fios e suturas

  • 3. Diretrizes básicas para a sutura • Manipulação e apresentação de tecidos  Bordas devem ser apresentadas e elevadas • Colocação da agulha no porta-agulha  Agulha presa na parte média (ou um pouco atrás) • Transfixação das bordas  Um ou dois tempos • Extração da agulha Apontar para cima apenas quando atravessar as duas bordas Evitar usar os dedos para a retirada
  • 4. Boa sutura e efeito estético • Inserir a agulha com ângulo de 90º • Adotar um caminho curvilíneo • Simetria tanto nos lados como na profundidade
  • 5. Suturas com pontos separados • Afrouxamento ou quebra de um nó não afeta o restante da sutura • Não tão impermeáveis  drenagem • Mais trabalhosa e demorada
  • 9. Ponto de Donatti em U vertical (Longe-longe-perto-perto)
  • 10. Suturas contínuas • Mais rápidas • Mais hemostáticas • Mais fio (corpo estranho) • Caso uma laçada se solte, pode comprometer toda sutura
  • 11. Boa síntese • • • • • Assepsia Bordas regulares Hemostasia Material apropriado Manuseio adequado • Confrontamento anatômico • Técnica perfeita • Boa vitalidade tecidual • Boa nutrição e hidratação do paciente
  • 12. Retirada dos fios • O mais breve possível, logo que a cicatriz adquira resistência • Incisões pequenas (4cm) = 7º dia • Excisões mais extensas ou em articulações = 10º dia
  • 13. FIOS • Quanto a origem – Biológicos (naturais) • Vegetais: algodão, linho • Animais: categute, colágeno, seda – Sintéticos • Nylon, polipropileno, poliglactina (Vicryl) – Metálicos • Aço inoxidável
  • 14. FIOS • Quanto a sua assimilação pelo organismo – Absorvíveis • Catgute simples (7/10 dias), categute cromado (15/20 dias) e Vicryl (50/70 dias) – Não absorvíveis • Biodegradáveis: nylon (5 anos) • Não-biodegradáveis: aço, polipropileno (Prolene)
  • 16. HISTÓRICO • 3500 A.C. : Egito – Fechamento de múmias com fios de couro • 400 A.C. : Fios de tendões de animais • Séc IX: Rhazes - Sutura Abdominal • Séc X: Linho rompe com infecção • Séc XVI: Ambroise Paré – Aproximação de feridas na face com fitas • Séc XIX: Joseph Lister – Esterelização química dos fios, introdução do catgut com crômio • Séc XX: Industrialização dos fios de sutura: George Merson
  • 17. FIOS CIRÚRGICOS • Materiais usados pelo cirurgião na síntese e reconstrução dos tecidos • Características dos fios - Origem - Força de Tensão - Capilaridade - Diâmetro - Absorção de - Segurança do nó fluidos - Configuração - Elasticidade física - Manipulação - Cor - Reatividade tecidual
  • 18. FIO IDEAL • • • • • • • • • • • Resistente no meio no qual atua Resistente à tração e torção Calibre uniforme Baixo índice de fricção Não ser cortante Resistente à esterelização Boa segurança no nó Baixa reação tecidual Não possui ação carcinogênica Não provoca ou mantém infecções Manter as bordas das feridas aproximadas até a cicatrização da ferida • Baixo custo • Adequada resistência tênsil • Fácil manuseio
  • 19. CLASSIFICAÇÃO DOS FIOS Quanto a estrutura • Monofilamentares Categute simples e cromado Seda Aço inoxidável Polipropileno Colágeno Polidioxanone
  • 20. CLASSIFICAÇÃO DOS FIOS • Multifilamentares Algodão Seda Nylon Dacron Aço inoxidável Ácido poliglicólico Poligactina revestido
  • 21. CLASSIFICAÇÃO DOS FIOS Quanto á Absorção • Absorvíveis  Origem Animal: Categute simples e cromado  Origem Sintética: Ácido poliglicólico, ácido polidioxanona e poliglactina • Inabsorvíveis  Algodão  Nylon  Polipropileno  Poliamida  Poliester  Fios metálicos  Linho
  • 22. CLASSIFICAÇÃO DOS FIOS Quanto ao Calibre MAIOR DIÂMETRO ...3- 2-1-02.0-3.0-4.0 5.0-6.0-7.08.0-9.0-10.0... MENOR DIÂMETRO
  • 23. ESCOLHA DO FIO • Pode ser restrita, ou dependente do hábito, da experiência e do bom senso do cirurgião • Propriedades do fio • Interação do fio com tecido • Questões estéticas • Questões econômicas
  • 24. CATGUT • Simples, cromado e rápida absorção • Fitas de colágeno da submucosa de intestino delgado de carneiro ou da serosa do gado • Simples: matém a força tensil por 7 dias e absorção em 10 – 14 dias • Cromado: resistente a enzimas do corpo, força tensil por 14 dias(máx 21) e absorção em 90 dias • Rápida absorção na presença de calor
  • 25. POLIGLACTINA 910(VICRYL) • Absorção completa em 60- 90 dias por hidrólise • Vicryl rápide: parcialmente hidrolisado esterelizado com raios gama. Em 5 dias, 50% da força tênsil . Absorção em 7- 14 dias • Vicryl plus : envolvido com uma camada de triclosan efetivo contra S. aureus, S. epidermis, MRSA e MRSE
  • 26. NYLON • • • • Polimero de poliamida Baixa reação tecidual Alta força tênsil em 2 semanas Degrada por hidrólise 15-20% ao ano in vivo • Boa memória sendo necessário mais do que três nós para garantia de manutenção do nó • “Nurolon” nylon trançado da seda
  • 27. POLIPROPILENO (PROLENE) • Esteroisômero isostático e cristalino de polímero de hidrocarbono linear que não degrada com ação enzimática corpórea causando reação tissular mínima • Os nós são mais seguros que outros materiais monofilamentares sintéticos