SlideShare uma empresa Scribd logo
FAUSTO
Johann Wolfgang von Goethe
O ENREDO
• A ação começa ainda no Prólogo com uma aposta, entre
Mefistófeles e o Senhor sobre a posse da alma de Fausto que
há muito lutava por obter conhecimento; o Senhor diz que
Fausto serve o seu plano, uma vez que será levado em
direção à luz, mas dá liberdade de ação a Mefistófeles para o
desviar.
“De forma estranha ele vos serve, Mestre!
Não é do louco, a nutrição terrestre.
Fermento o impele ao infinito,
Semiconsciente é de seu vão conceito;
Do céu exige o âmbito irrestrito
Como da terra o gozo mais perfeito,
E o que lhe é perto, bem como o infinito, Fausto assina com o seu sangue o pacto
Não lhe contenta o tumultuoso peito.” (pág. 29)
Primeira Parte
• Desgostoso de verificar que toda a sua vida de estudo a nada conduzira, Fausto invoca
o Espírito da Terra mas não obtém qualquer ajuda da sua parte. Assim, quando
Mefistófeles vem ter consigo, não hesita em negociar um pacto, que assina com o seu
sangue, segundo o qual aquele dar-lhe-á tudo quanto quiser em troca da sua alma.
• O seu primeiro desejo é recuperar a juventude, o que lhe é prontamente concedido na
cozinha da bruxa, após o que abandona tudo para partir em busca de aventuras,
sempre acompanhado por Mefistófeles. É nesta ânsia de viver uma vida perdida em
vãos estudos que encontra Margarida, uma jovem bela, pura e inocente por quem se
apaixona. Os sortilégios de Mefistófeles levaram a jovem a apaixonar-se e a deixar-se
seduzir. Porém, satisfeita a sua luxúria, Fausto abandona-a, apesar de ter ficado
grávida. Profundamente arrependida, triste e envergonhada, Margarida chora a morte
da mãe, vítima de um soporífero que Mefistófeles lhe ministrara para que a filha
pudesse receber o amante na tranqüilidade da sua alcova; chora, também, a morte do
irmão, um soldado que viera para a vingar mas que não conseguiu evitar uma
estocada fatal de Fausto, guiada por Mefistófeles; e sofre com o desprezo a que a
comunidade a votara. Desesperada, a jovem afoga o seu próprio filho recém nascido,
mas é descoberta, presa e condenada à morte.
• Durante o sabath, Fausto teve uma visão, a de Margarida no fundo do cárcere;
atormentado pelos remorsos, parte para a tirar da prisão, mas a jovem, embora feliz
por voltar a ver o seu amado, prefere assumir as suas responsabilidades e aceitar,
resignadamente, o justo castigo, limitando-se a pedir a Deus que a aceite. E uma voz
vinda de cima, responde: “Está salva!”.
Contexto Histórico
• O Fausto I é publicado durante o permanente revolucionamento
político na Europa, que inicia com a Revolução Francesa e o apogeu
de Napoleão na Europa.
“O tal burgomestre novo não me cheira.
A nomeação fê-lo soberbo co’ o povo:
vara na mão do vilão.
Que bem tem feito à cidade?
O que eu vejo a cada dia
é crescerem sem piedade
Vexames e tiranias.” (pág. 52)
•
•
•
•
• A Liberdade guiando o povo, quadro de Delacroix
•
OS PERSONAGENS
• FAUSTO: Médico, e renomado cientista de sua época, que
encontra-se desiludido com a ciência de seu tempo.
“No princípio era o Verbo. É esta a letra expressa;
• aqui está... No sentido é que a razão tropeça.
• Como hei-de progredir? Há ‘i quem tal me aclare?
• O Verbo!! Mas o Verbo é coisa inacessível.
• (...)
• Ponho isto: No princípio era o Senso... (...)
• É melhor No princípio era a potência... Nada!
• (...)
• ...Agora é que recordei: No princípio era a ação.”
(pág. (pág. 64)
• me
• MEFISTÓFELES: Um demônio, sedutor erudito, amargo,
sarcástico.
“ Que berreiro, Senhor! Às suas ordens.”
“ Quem sou eu? Parte da força,
que, empenhada no mal, o bem promove.”
(pág. 67)
• MARGARIDA: Jovem camponesa de vida simples, dedicada
à família e aos afazeres domésticos.
• “Ó Deus clemente!
• Esclarece os meus temores!
• Não há nada que ele ignore;
• nada escapa ao seu engenho.
• O enleio que ante ele eu tenho
• faz que eu de mim própria core.
• Digo-lhe a tudo que sim.
• Pareço uma criancinha.
• Sou mais dele do que minha.
• Mas que acharia ele de mim? (pág. 158)
“ Sou tua, Pai no eterno trono!
Salva-me! Anjos, vós hoste sublime,
Baixai ao meu redor, cobri-me! ”
(pág. 227)
• MARTA: A vizinha de Margarida.
• “Morreu! Bem mo dizia o coração.
Morreu
• o meu homem! Jesus, que
desamparo o meu!
• Vou ter um faniquito.
• Marta em resposta a
Mefisto (pág. 142)
• VALENTIM: Irmão de Margarida
• “A quem vai o canto, alma danada?
• Leva-te a breca a guitarra, e a ti com ela.”
• (Furioso arranca a guitarra e quebra, passa a
lutar com Fausto, pág. 187)
Margarida se
desespera com
a morte de
Valentim.
Valentim.
TEMPO e ESPAÇO
• As várias versões do Fausto acompanham as transições de
estilo que se dão ao longo da carreira do autor. Na época de
Fausto Zero, Goethe estava ligado ao movimento Sturm und
Drang (Tempestade e ímpeto), que negava os valores
racionalistas do Renascimento e pregava a subjetividade e a
livre expressão dos sentimentos na literatura. Esse sentimento
pré-romântico domina toda a primeira parte de Fausto.
• De forma geral, a obra é caracterizada tanto pela falta de
unidade de ação, tempo e espaço quanto por um contraste
intenso entre o sublime e o grotesco. De simples peça
dramática, o poema se converte em epopéia.
O NARRADOR
• Através de poemas. Primeira pessoa. O narrador não
identificado a princípio, conta a história como
testemunha presente na vida do protagonista Fausto.
“Bem te pressinto, Espírito invocado!
Aparece! Todo eu já sou tumulto.
Transforma-se o meu ser: anseio, anelo
por novas sensações. A ti me entrego.
Obedece! Mando eu. Sai! Sai! Não tremo;
custe-me embora a vida.
(Pega o livro, e profere em baixa voz a fórmula da evocação do
Espírito. Acende-se uma chama avermelhada e trêmula. Aparece nela o
Espírito.)” (pág. 36)
O TEMA CENTRAL
• O tema central é a vida do médico e cientista
Fausto, cuja vida foi envolvida em um manto
de fantasias tecido pelas proezas mágicas que
lhe foram atribuídas, o que torna muito difícil
separar o real do imaginário.
“A primeira parte é quase inteiramente subjetiva. Tudo
adveio ai de um indivíduo mais perturbado e
apaixonado, num estado de semi-obscuridade que
até pode fazer bem aos homens.”
Goethe em carta a Eckermann de 17/02/1831
DISCENTE: Quilvia Morais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As críticas de Karl Popper
As críticas de Karl PopperAs críticas de Karl Popper
As críticas de Karl Popper
FPS Faculdade Pernambucana de Saúde
 
Madame Bovary
Madame BovaryMadame Bovary
Madame Bovary
martinsramon
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Alexandre R
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ketlin Stringhini
 
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando PessoaPoemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
vestibular
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
Inês Filipa
 
Ao gas
Ao gasAo gas
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
Pedro Guilherme
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
Michele Pó
 
Análise de laços de família, clarice lispector
Análise de laços de família, clarice lispectorAnálise de laços de família, clarice lispector
Análise de laços de família, clarice lispector
ma.no.el.ne.ves
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ana Isabel
 
Marcel Proust
Marcel Proust Marcel Proust
Marcel Proust
Renata Haratani
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
Cláudia Heloísa
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
Marcio Duarte
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
heleira02
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Ana Paula Brisolar
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
Daniel Gonçalves
 

Mais procurados (20)

As críticas de Karl Popper
As críticas de Karl PopperAs críticas de Karl Popper
As críticas de Karl Popper
 
Madame Bovary
Madame BovaryMadame Bovary
Madame Bovary
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando PessoaPoemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Ao gas
Ao gasAo gas
Ao gas
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Análise de laços de família, clarice lispector
Análise de laços de família, clarice lispectorAnálise de laços de família, clarice lispector
Análise de laços de família, clarice lispector
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Marcel Proust
Marcel Proust Marcel Proust
Marcel Proust
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
 

Destaque

Fausto
FaustoFausto
Fausto
Pere
 
Johan Wolfgang Goethe -Fausto
Johan Wolfgang Goethe -FaustoJohan Wolfgang Goethe -Fausto
Johan Wolfgang Goethe -Fausto
Nelly Rosas Rioja
 
Johann W Goethe
Johann W GoetheJohann W Goethe
Johann W Goethe
Addy Molina
 
Goethe
GoetheGoethe
Tartufo
TartufoTartufo
Fausto diapositivas
Fausto diapositivasFausto diapositivas
Fausto diapositivas
sdneirf1234
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
"Fausto"
"Fausto""Fausto"
El fausto
El faustoEl fausto
Inflamación
InflamaciónInflamación
Úselo y Tírelo, de Galeano
Úselo y Tírelo, de GaleanoÚselo y Tírelo, de Galeano
Úselo y Tírelo, de Galeano
Paula Saldivia
 
úselo y tírelo, de eduardo galeano
úselo y tírelo, de eduardo galeanoúselo y tírelo, de eduardo galeano
úselo y tírelo, de eduardo galeano
Paula Saldivia
 
Johann wolfgang von goethe (1)
Johann wolfgang von goethe (1)Johann wolfgang von goethe (1)
Johann wolfgang von goethe (1)
Yorlieth
 
OTELO
OTELOOTELO
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correcto
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correctoFicha de anlisis narrativo werther.doc correcto
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correcto
Gladiz Lavinia Hernández
 
Otelo de Shakespeare
Otelo de ShakespeareOtelo de Shakespeare
Otelo de Shakespeare
Natu Riedl
 
Otelo
OteloOtelo
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
Antonio Viveros
 
Filosofia do século xix
Filosofia do século xixFilosofia do século xix
Filosofia do século xix
Alexandre Misturini
 
El avaro
El avaroEl avaro
El avaro
daiananieva9393
 

Destaque (20)

Fausto
FaustoFausto
Fausto
 
Johan Wolfgang Goethe -Fausto
Johan Wolfgang Goethe -FaustoJohan Wolfgang Goethe -Fausto
Johan Wolfgang Goethe -Fausto
 
Johann W Goethe
Johann W GoetheJohann W Goethe
Johann W Goethe
 
Goethe
GoetheGoethe
Goethe
 
Tartufo
TartufoTartufo
Tartufo
 
Fausto diapositivas
Fausto diapositivasFausto diapositivas
Fausto diapositivas
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
"Fausto"
"Fausto""Fausto"
"Fausto"
 
El fausto
El faustoEl fausto
El fausto
 
Inflamación
InflamaciónInflamación
Inflamación
 
Úselo y Tírelo, de Galeano
Úselo y Tírelo, de GaleanoÚselo y Tírelo, de Galeano
Úselo y Tírelo, de Galeano
 
úselo y tírelo, de eduardo galeano
úselo y tírelo, de eduardo galeanoúselo y tírelo, de eduardo galeano
úselo y tírelo, de eduardo galeano
 
Johann wolfgang von goethe (1)
Johann wolfgang von goethe (1)Johann wolfgang von goethe (1)
Johann wolfgang von goethe (1)
 
OTELO
OTELOOTELO
OTELO
 
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correcto
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correctoFicha de anlisis narrativo werther.doc correcto
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correcto
 
Otelo de Shakespeare
Otelo de ShakespeareOtelo de Shakespeare
Otelo de Shakespeare
 
Otelo
OteloOtelo
Otelo
 
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
 
Filosofia do século xix
Filosofia do século xixFilosofia do século xix
Filosofia do século xix
 
El avaro
El avaroEl avaro
El avaro
 

Semelhante a Fausto - Goethe

Huberto Rohden - De Alma Para Alma
Huberto Rohden - De Alma Para AlmaHuberto Rohden - De Alma Para Alma
Huberto Rohden - De Alma Para Alma
Universalismo Cultura
 
Poemas de álvaro de campos
Poemas de álvaro de camposPoemas de álvaro de campos
Poemas de álvaro de campos
Edir Alonso
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
siaromjo
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdfMulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
MarceliEduardaGambat
 
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesLivro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Patricia Farias
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Edir Alonso
 
Resenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispectorResenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispector
Vitor Morais
 
No país das sombras - Elisabeth D’Espérance
No país das sombras - Elisabeth D’EspéranceNo país das sombras - Elisabeth D’Espérance
No país das sombras - Elisabeth D’Espérance
efelopes
 
Jésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesiasJésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesias
Dalila Melo
 
FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
 FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE   FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
DaviSantos207090
 
Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014
Gustavo Cuin
 
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklliteratura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
LuisFernando652236
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Maria da Paz
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Maria Costa
 
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Modernismo  2ª fase (Poesia)Modernismo  2ª fase (Poesia)
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Cynthia Funchal
 
Cartas de uma morta
Cartas de uma mortaCartas de uma morta
Cartas de uma morta
Ponte de Luz ASEC
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
Colégio Santa Luzia
 
Huberto rohden escalando o himalaia
Huberto rohden   escalando o himalaiaHuberto rohden   escalando o himalaia
Huberto rohden escalando o himalaia
Universalismo Cultura
 

Semelhante a Fausto - Goethe (20)

Huberto Rohden - De Alma Para Alma
Huberto Rohden - De Alma Para AlmaHuberto Rohden - De Alma Para Alma
Huberto Rohden - De Alma Para Alma
 
Poemas de álvaro de campos
Poemas de álvaro de camposPoemas de álvaro de campos
Poemas de álvaro de campos
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdfMulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
 
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesLivro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
 
Resenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispectorResenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispector
 
No país das sombras - Elisabeth D’Espérance
No país das sombras - Elisabeth D’EspéranceNo país das sombras - Elisabeth D’Espérance
No país das sombras - Elisabeth D’Espérance
 
Jésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesiasJésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesias
 
FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
 FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE   FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
 
Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014
 
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklliteratura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
 
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Modernismo  2ª fase (Poesia)Modernismo  2ª fase (Poesia)
Modernismo 2ª fase (Poesia)
 
Cartas de uma morta
Cartas de uma mortaCartas de uma morta
Cartas de uma morta
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
 
Huberto rohden escalando o himalaia
Huberto rohden   escalando o himalaiaHuberto rohden   escalando o himalaia
Huberto rohden escalando o himalaia
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 

Fausto - Goethe

  • 2. O ENREDO • A ação começa ainda no Prólogo com uma aposta, entre Mefistófeles e o Senhor sobre a posse da alma de Fausto que há muito lutava por obter conhecimento; o Senhor diz que Fausto serve o seu plano, uma vez que será levado em direção à luz, mas dá liberdade de ação a Mefistófeles para o desviar. “De forma estranha ele vos serve, Mestre! Não é do louco, a nutrição terrestre. Fermento o impele ao infinito, Semiconsciente é de seu vão conceito; Do céu exige o âmbito irrestrito Como da terra o gozo mais perfeito, E o que lhe é perto, bem como o infinito, Fausto assina com o seu sangue o pacto Não lhe contenta o tumultuoso peito.” (pág. 29)
  • 3. Primeira Parte • Desgostoso de verificar que toda a sua vida de estudo a nada conduzira, Fausto invoca o Espírito da Terra mas não obtém qualquer ajuda da sua parte. Assim, quando Mefistófeles vem ter consigo, não hesita em negociar um pacto, que assina com o seu sangue, segundo o qual aquele dar-lhe-á tudo quanto quiser em troca da sua alma. • O seu primeiro desejo é recuperar a juventude, o que lhe é prontamente concedido na cozinha da bruxa, após o que abandona tudo para partir em busca de aventuras, sempre acompanhado por Mefistófeles. É nesta ânsia de viver uma vida perdida em vãos estudos que encontra Margarida, uma jovem bela, pura e inocente por quem se apaixona. Os sortilégios de Mefistófeles levaram a jovem a apaixonar-se e a deixar-se seduzir. Porém, satisfeita a sua luxúria, Fausto abandona-a, apesar de ter ficado grávida. Profundamente arrependida, triste e envergonhada, Margarida chora a morte da mãe, vítima de um soporífero que Mefistófeles lhe ministrara para que a filha pudesse receber o amante na tranqüilidade da sua alcova; chora, também, a morte do irmão, um soldado que viera para a vingar mas que não conseguiu evitar uma estocada fatal de Fausto, guiada por Mefistófeles; e sofre com o desprezo a que a comunidade a votara. Desesperada, a jovem afoga o seu próprio filho recém nascido, mas é descoberta, presa e condenada à morte. • Durante o sabath, Fausto teve uma visão, a de Margarida no fundo do cárcere; atormentado pelos remorsos, parte para a tirar da prisão, mas a jovem, embora feliz por voltar a ver o seu amado, prefere assumir as suas responsabilidades e aceitar, resignadamente, o justo castigo, limitando-se a pedir a Deus que a aceite. E uma voz vinda de cima, responde: “Está salva!”.
  • 4. Contexto Histórico • O Fausto I é publicado durante o permanente revolucionamento político na Europa, que inicia com a Revolução Francesa e o apogeu de Napoleão na Europa. “O tal burgomestre novo não me cheira. A nomeação fê-lo soberbo co’ o povo: vara na mão do vilão. Que bem tem feito à cidade? O que eu vejo a cada dia é crescerem sem piedade Vexames e tiranias.” (pág. 52) • • • • • A Liberdade guiando o povo, quadro de Delacroix •
  • 5. OS PERSONAGENS • FAUSTO: Médico, e renomado cientista de sua época, que encontra-se desiludido com a ciência de seu tempo. “No princípio era o Verbo. É esta a letra expressa; • aqui está... No sentido é que a razão tropeça. • Como hei-de progredir? Há ‘i quem tal me aclare? • O Verbo!! Mas o Verbo é coisa inacessível. • (...) • Ponho isto: No princípio era o Senso... (...) • É melhor No princípio era a potência... Nada! • (...) • ...Agora é que recordei: No princípio era a ação.” (pág. (pág. 64) • me
  • 6. • MEFISTÓFELES: Um demônio, sedutor erudito, amargo, sarcástico. “ Que berreiro, Senhor! Às suas ordens.” “ Quem sou eu? Parte da força, que, empenhada no mal, o bem promove.” (pág. 67)
  • 7. • MARGARIDA: Jovem camponesa de vida simples, dedicada à família e aos afazeres domésticos. • “Ó Deus clemente! • Esclarece os meus temores! • Não há nada que ele ignore; • nada escapa ao seu engenho. • O enleio que ante ele eu tenho • faz que eu de mim própria core. • Digo-lhe a tudo que sim. • Pareço uma criancinha. • Sou mais dele do que minha. • Mas que acharia ele de mim? (pág. 158)
  • 8. “ Sou tua, Pai no eterno trono! Salva-me! Anjos, vós hoste sublime, Baixai ao meu redor, cobri-me! ” (pág. 227)
  • 9. • MARTA: A vizinha de Margarida. • “Morreu! Bem mo dizia o coração. Morreu • o meu homem! Jesus, que desamparo o meu! • Vou ter um faniquito. • Marta em resposta a Mefisto (pág. 142)
  • 10. • VALENTIM: Irmão de Margarida • “A quem vai o canto, alma danada? • Leva-te a breca a guitarra, e a ti com ela.” • (Furioso arranca a guitarra e quebra, passa a lutar com Fausto, pág. 187) Margarida se desespera com a morte de Valentim. Valentim.
  • 11. TEMPO e ESPAÇO • As várias versões do Fausto acompanham as transições de estilo que se dão ao longo da carreira do autor. Na época de Fausto Zero, Goethe estava ligado ao movimento Sturm und Drang (Tempestade e ímpeto), que negava os valores racionalistas do Renascimento e pregava a subjetividade e a livre expressão dos sentimentos na literatura. Esse sentimento pré-romântico domina toda a primeira parte de Fausto. • De forma geral, a obra é caracterizada tanto pela falta de unidade de ação, tempo e espaço quanto por um contraste intenso entre o sublime e o grotesco. De simples peça dramática, o poema se converte em epopéia.
  • 12. O NARRADOR • Através de poemas. Primeira pessoa. O narrador não identificado a princípio, conta a história como testemunha presente na vida do protagonista Fausto. “Bem te pressinto, Espírito invocado! Aparece! Todo eu já sou tumulto. Transforma-se o meu ser: anseio, anelo por novas sensações. A ti me entrego. Obedece! Mando eu. Sai! Sai! Não tremo; custe-me embora a vida. (Pega o livro, e profere em baixa voz a fórmula da evocação do Espírito. Acende-se uma chama avermelhada e trêmula. Aparece nela o Espírito.)” (pág. 36)
  • 13. O TEMA CENTRAL • O tema central é a vida do médico e cientista Fausto, cuja vida foi envolvida em um manto de fantasias tecido pelas proezas mágicas que lhe foram atribuídas, o que torna muito difícil separar o real do imaginário.
  • 14. “A primeira parte é quase inteiramente subjetiva. Tudo adveio ai de um indivíduo mais perturbado e apaixonado, num estado de semi-obscuridade que até pode fazer bem aos homens.” Goethe em carta a Eckermann de 17/02/1831