SlideShare uma empresa Scribd logo
FAUSTO
Johann Wolfgang von Goethe
O ENREDO
• A ação começa ainda no Prólogo com uma aposta, entre
Mefistófeles e o Senhor sobre a posse da alma de Fausto que
há muito lutava por obter conhecimento; o Senhor diz que
Fausto serve o seu plano, uma vez que será levado em
direção à luz, mas dá liberdade de ação a Mefistófeles para o
desviar.
“De forma estranha ele vos serve, Mestre!
Não é do louco, a nutrição terrestre.
Fermento o impele ao infinito,
Semiconsciente é de seu vão conceito;
Do céu exige o âmbito irrestrito
Como da terra o gozo mais perfeito,
E o que lhe é perto, bem como o infinito, Fausto assina com o seu sangue o pacto
Não lhe contenta o tumultuoso peito.” (pág. 29)
Primeira Parte
• Desgostoso de verificar que toda a sua vida de estudo a nada conduzira, Fausto invoca
o Espírito da Terra mas não obtém qualquer ajuda da sua parte. Assim, quando
Mefistófeles vem ter consigo, não hesita em negociar um pacto, que assina com o seu
sangue, segundo o qual aquele dar-lhe-á tudo quanto quiser em troca da sua alma.
• O seu primeiro desejo é recuperar a juventude, o que lhe é prontamente concedido na
cozinha da bruxa, após o que abandona tudo para partir em busca de aventuras,
sempre acompanhado por Mefistófeles. É nesta ânsia de viver uma vida perdida em
vãos estudos que encontra Margarida, uma jovem bela, pura e inocente por quem se
apaixona. Os sortilégios de Mefistófeles levaram a jovem a apaixonar-se e a deixar-se
seduzir. Porém, satisfeita a sua luxúria, Fausto abandona-a, apesar de ter ficado
grávida. Profundamente arrependida, triste e envergonhada, Margarida chora a morte
da mãe, vítima de um soporífero que Mefistófeles lhe ministrara para que a filha
pudesse receber o amante na tranqüilidade da sua alcova; chora, também, a morte do
irmão, um soldado que viera para a vingar mas que não conseguiu evitar uma
estocada fatal de Fausto, guiada por Mefistófeles; e sofre com o desprezo a que a
comunidade a votara. Desesperada, a jovem afoga o seu próprio filho recém nascido,
mas é descoberta, presa e condenada à morte.
• Durante o sabath, Fausto teve uma visão, a de Margarida no fundo do cárcere;
atormentado pelos remorsos, parte para a tirar da prisão, mas a jovem, embora feliz
por voltar a ver o seu amado, prefere assumir as suas responsabilidades e aceitar,
resignadamente, o justo castigo, limitando-se a pedir a Deus que a aceite. E uma voz
vinda de cima, responde: “Está salva!”.
Contexto Histórico
• O Fausto I é publicado durante o permanente revolucionamento
político na Europa, que inicia com a Revolução Francesa e o apogeu
de Napoleão na Europa.
“O tal burgomestre novo não me cheira.
A nomeação fê-lo soberbo co’ o povo:
vara na mão do vilão.
Que bem tem feito à cidade?
O que eu vejo a cada dia
é crescerem sem piedade
Vexames e tiranias.” (pág. 52)
•
•
•
•
• A Liberdade guiando o povo, quadro de Delacroix
•
OS PERSONAGENS
• FAUSTO: Médico, e renomado cientista de sua época, que
encontra-se desiludido com a ciência de seu tempo.
“No princípio era o Verbo. É esta a letra expressa;
• aqui está... No sentido é que a razão tropeça.
• Como hei-de progredir? Há ‘i quem tal me aclare?
• O Verbo!! Mas o Verbo é coisa inacessível.
• (...)
• Ponho isto: No princípio era o Senso... (...)
• É melhor No princípio era a potência... Nada!
• (...)
• ...Agora é que recordei: No princípio era a ação.”
(pág. (pág. 64)
• me
• MEFISTÓFELES: Um demônio, sedutor erudito, amargo,
sarcástico.
“ Que berreiro, Senhor! Às suas ordens.”
“ Quem sou eu? Parte da força,
que, empenhada no mal, o bem promove.”
(pág. 67)
• MARGARIDA: Jovem camponesa de vida simples, dedicada
à família e aos afazeres domésticos.
• “Ó Deus clemente!
• Esclarece os meus temores!
• Não há nada que ele ignore;
• nada escapa ao seu engenho.
• O enleio que ante ele eu tenho
• faz que eu de mim própria core.
• Digo-lhe a tudo que sim.
• Pareço uma criancinha.
• Sou mais dele do que minha.
• Mas que acharia ele de mim? (pág. 158)
“ Sou tua, Pai no eterno trono!
Salva-me! Anjos, vós hoste sublime,
Baixai ao meu redor, cobri-me! ”
(pág. 227)
• MARTA: A vizinha de Margarida.
• “Morreu! Bem mo dizia o coração.
Morreu
• o meu homem! Jesus, que
desamparo o meu!
• Vou ter um faniquito.
• Marta em resposta a
Mefisto (pág. 142)
• VALENTIM: Irmão de Margarida
• “A quem vai o canto, alma danada?
• Leva-te a breca a guitarra, e a ti com ela.”
• (Furioso arranca a guitarra e quebra, passa a
lutar com Fausto, pág. 187)
Margarida se
desespera com
a morte de
Valentim.
Valentim.
TEMPO e ESPAÇO
• As várias versões do Fausto acompanham as transições de
estilo que se dão ao longo da carreira do autor. Na época de
Fausto Zero, Goethe estava ligado ao movimento Sturm und
Drang (Tempestade e ímpeto), que negava os valores
racionalistas do Renascimento e pregava a subjetividade e a
livre expressão dos sentimentos na literatura. Esse sentimento
pré-romântico domina toda a primeira parte de Fausto.
• De forma geral, a obra é caracterizada tanto pela falta de
unidade de ação, tempo e espaço quanto por um contraste
intenso entre o sublime e o grotesco. De simples peça
dramática, o poema se converte em epopéia.
O NARRADOR
• Através de poemas. Primeira pessoa. O narrador não
identificado a princípio, conta a história como
testemunha presente na vida do protagonista Fausto.
“Bem te pressinto, Espírito invocado!
Aparece! Todo eu já sou tumulto.
Transforma-se o meu ser: anseio, anelo
por novas sensações. A ti me entrego.
Obedece! Mando eu. Sai! Sai! Não tremo;
custe-me embora a vida.
(Pega o livro, e profere em baixa voz a fórmula da evocação do
Espírito. Acende-se uma chama avermelhada e trêmula. Aparece nela o
Espírito.)” (pág. 36)
O TEMA CENTRAL
• O tema central é a vida do médico e cientista
Fausto, cuja vida foi envolvida em um manto
de fantasias tecido pelas proezas mágicas que
lhe foram atribuídas, o que torna muito difícil
separar o real do imaginário.
“A primeira parte é quase inteiramente subjetiva. Tudo
adveio ai de um indivíduo mais perturbado e
apaixonado, num estado de semi-obscuridade que
até pode fazer bem aos homens.”
Goethe em carta a Eckermann de 17/02/1831
DISCENTE: Quilvia Morais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Vincent Van Gogh
Vincent Van GoghVincent Van Gogh
Vincent Van Gogh
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Caracteristicas da Poesia Trovadoresca
Caracteristicas da Poesia TrovadorescaCaracteristicas da Poesia Trovadoresca
Caracteristicas da Poesia Trovadoresca
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Alberto Caeiro
Alberto CaeiroAlberto Caeiro
Alberto Caeiro
 
Ondjaki 3
Ondjaki 3Ondjaki 3
Ondjaki 3
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Natalia Correia
Natalia CorreiaNatalia Correia
Natalia Correia
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Pós-impressionismo
Pós-impressionismoPós-impressionismo
Pós-impressionismo
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 

Destaque (20)

Fausto
FaustoFausto
Fausto
 
Johan Wolfgang Goethe -Fausto
Johan Wolfgang Goethe -FaustoJohan Wolfgang Goethe -Fausto
Johan Wolfgang Goethe -Fausto
 
Johann W Goethe
Johann W GoetheJohann W Goethe
Johann W Goethe
 
Goethe
GoetheGoethe
Goethe
 
Tartufo
TartufoTartufo
Tartufo
 
Fausto diapositivas
Fausto diapositivasFausto diapositivas
Fausto diapositivas
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
"Fausto"
"Fausto""Fausto"
"Fausto"
 
El fausto
El faustoEl fausto
El fausto
 
Inflamación
InflamaciónInflamación
Inflamación
 
Úselo y Tírelo, de Galeano
Úselo y Tírelo, de GaleanoÚselo y Tírelo, de Galeano
Úselo y Tírelo, de Galeano
 
úselo y tírelo, de eduardo galeano
úselo y tírelo, de eduardo galeanoúselo y tírelo, de eduardo galeano
úselo y tírelo, de eduardo galeano
 
Johann wolfgang von goethe (1)
Johann wolfgang von goethe (1)Johann wolfgang von goethe (1)
Johann wolfgang von goethe (1)
 
OTELO
OTELOOTELO
OTELO
 
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correcto
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correctoFicha de anlisis narrativo werther.doc correcto
Ficha de anlisis narrativo werther.doc correcto
 
Otelo de Shakespeare
Otelo de ShakespeareOtelo de Shakespeare
Otelo de Shakespeare
 
Otelo
OteloOtelo
Otelo
 
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
Frases Célebres de Johann Wolfgang von Goethe
 
Filosofia do século xix
Filosofia do século xixFilosofia do século xix
Filosofia do século xix
 
El avaro
El avaroEl avaro
El avaro
 

Semelhante a Fausto - Goethe

Poemas de álvaro de campos
Poemas de álvaro de camposPoemas de álvaro de campos
Poemas de álvaro de camposEdir Alonso
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angolasiaromjo
 
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdfMulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdfMarceliEduardaGambat
 
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesLivro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesPatricia Farias
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsEdir Alonso
 
Resenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispectorResenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispectorVitor Morais
 
No país das sombras - Elisabeth D’Espérance
No país das sombras - Elisabeth D’EspéranceNo país das sombras - Elisabeth D’Espérance
No país das sombras - Elisabeth D’Espéranceefelopes
 
Jésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesiasJésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesiasDalila Melo
 
FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
 FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE   FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE DaviSantos207090
 
Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Gustavo Cuin
 
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklliteratura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklLuisFernando652236
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner AndresenMaria Costa
 
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Modernismo  2ª fase (Poesia)Modernismo  2ª fase (Poesia)
Modernismo 2ª fase (Poesia)Cynthia Funchal
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice LispectorColégio Santa Luzia
 

Semelhante a Fausto - Goethe (20)

Huberto Rohden - De Alma Para Alma
Huberto Rohden - De Alma Para AlmaHuberto Rohden - De Alma Para Alma
Huberto Rohden - De Alma Para Alma
 
Poemas de álvaro de campos
Poemas de álvaro de camposPoemas de álvaro de campos
Poemas de álvaro de campos
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Tambores de angola
Tambores de angolaTambores de angola
Tambores de angola
 
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdfMulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
 
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesLivro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
 
Resenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispectorResenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispector
 
No país das sombras - Elisabeth D’Espérance
No país das sombras - Elisabeth D’EspéranceNo país das sombras - Elisabeth D’Espérance
No país das sombras - Elisabeth D’Espérance
 
Jésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesiasJésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesias
 
FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
 FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE   FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
FILÓSOFO FRIEDRICH NIETZSCHE
 
Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014Trovadorismo ao romantismo 2014
Trovadorismo ao romantismo 2014
 
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshasklliteratura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
literatura completa 123kdhshsgsgajhsgakjshbakjshaskl
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
 
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Modernismo  2ª fase (Poesia)Modernismo  2ª fase (Poesia)
Modernismo 2ª fase (Poesia)
 
Cartas de uma morta
Cartas de uma mortaCartas de uma morta
Cartas de uma morta
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
 
Huberto rohden escalando o himalaia
Huberto rohden   escalando o himalaiaHuberto rohden   escalando o himalaia
Huberto rohden escalando o himalaia
 

Último

Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (20)

Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 

Fausto - Goethe

  • 2. O ENREDO • A ação começa ainda no Prólogo com uma aposta, entre Mefistófeles e o Senhor sobre a posse da alma de Fausto que há muito lutava por obter conhecimento; o Senhor diz que Fausto serve o seu plano, uma vez que será levado em direção à luz, mas dá liberdade de ação a Mefistófeles para o desviar. “De forma estranha ele vos serve, Mestre! Não é do louco, a nutrição terrestre. Fermento o impele ao infinito, Semiconsciente é de seu vão conceito; Do céu exige o âmbito irrestrito Como da terra o gozo mais perfeito, E o que lhe é perto, bem como o infinito, Fausto assina com o seu sangue o pacto Não lhe contenta o tumultuoso peito.” (pág. 29)
  • 3. Primeira Parte • Desgostoso de verificar que toda a sua vida de estudo a nada conduzira, Fausto invoca o Espírito da Terra mas não obtém qualquer ajuda da sua parte. Assim, quando Mefistófeles vem ter consigo, não hesita em negociar um pacto, que assina com o seu sangue, segundo o qual aquele dar-lhe-á tudo quanto quiser em troca da sua alma. • O seu primeiro desejo é recuperar a juventude, o que lhe é prontamente concedido na cozinha da bruxa, após o que abandona tudo para partir em busca de aventuras, sempre acompanhado por Mefistófeles. É nesta ânsia de viver uma vida perdida em vãos estudos que encontra Margarida, uma jovem bela, pura e inocente por quem se apaixona. Os sortilégios de Mefistófeles levaram a jovem a apaixonar-se e a deixar-se seduzir. Porém, satisfeita a sua luxúria, Fausto abandona-a, apesar de ter ficado grávida. Profundamente arrependida, triste e envergonhada, Margarida chora a morte da mãe, vítima de um soporífero que Mefistófeles lhe ministrara para que a filha pudesse receber o amante na tranqüilidade da sua alcova; chora, também, a morte do irmão, um soldado que viera para a vingar mas que não conseguiu evitar uma estocada fatal de Fausto, guiada por Mefistófeles; e sofre com o desprezo a que a comunidade a votara. Desesperada, a jovem afoga o seu próprio filho recém nascido, mas é descoberta, presa e condenada à morte. • Durante o sabath, Fausto teve uma visão, a de Margarida no fundo do cárcere; atormentado pelos remorsos, parte para a tirar da prisão, mas a jovem, embora feliz por voltar a ver o seu amado, prefere assumir as suas responsabilidades e aceitar, resignadamente, o justo castigo, limitando-se a pedir a Deus que a aceite. E uma voz vinda de cima, responde: “Está salva!”.
  • 4. Contexto Histórico • O Fausto I é publicado durante o permanente revolucionamento político na Europa, que inicia com a Revolução Francesa e o apogeu de Napoleão na Europa. “O tal burgomestre novo não me cheira. A nomeação fê-lo soberbo co’ o povo: vara na mão do vilão. Que bem tem feito à cidade? O que eu vejo a cada dia é crescerem sem piedade Vexames e tiranias.” (pág. 52) • • • • • A Liberdade guiando o povo, quadro de Delacroix •
  • 5. OS PERSONAGENS • FAUSTO: Médico, e renomado cientista de sua época, que encontra-se desiludido com a ciência de seu tempo. “No princípio era o Verbo. É esta a letra expressa; • aqui está... No sentido é que a razão tropeça. • Como hei-de progredir? Há ‘i quem tal me aclare? • O Verbo!! Mas o Verbo é coisa inacessível. • (...) • Ponho isto: No princípio era o Senso... (...) • É melhor No princípio era a potência... Nada! • (...) • ...Agora é que recordei: No princípio era a ação.” (pág. (pág. 64) • me
  • 6. • MEFISTÓFELES: Um demônio, sedutor erudito, amargo, sarcástico. “ Que berreiro, Senhor! Às suas ordens.” “ Quem sou eu? Parte da força, que, empenhada no mal, o bem promove.” (pág. 67)
  • 7. • MARGARIDA: Jovem camponesa de vida simples, dedicada à família e aos afazeres domésticos. • “Ó Deus clemente! • Esclarece os meus temores! • Não há nada que ele ignore; • nada escapa ao seu engenho. • O enleio que ante ele eu tenho • faz que eu de mim própria core. • Digo-lhe a tudo que sim. • Pareço uma criancinha. • Sou mais dele do que minha. • Mas que acharia ele de mim? (pág. 158)
  • 8. “ Sou tua, Pai no eterno trono! Salva-me! Anjos, vós hoste sublime, Baixai ao meu redor, cobri-me! ” (pág. 227)
  • 9. • MARTA: A vizinha de Margarida. • “Morreu! Bem mo dizia o coração. Morreu • o meu homem! Jesus, que desamparo o meu! • Vou ter um faniquito. • Marta em resposta a Mefisto (pág. 142)
  • 10. • VALENTIM: Irmão de Margarida • “A quem vai o canto, alma danada? • Leva-te a breca a guitarra, e a ti com ela.” • (Furioso arranca a guitarra e quebra, passa a lutar com Fausto, pág. 187) Margarida se desespera com a morte de Valentim. Valentim.
  • 11. TEMPO e ESPAÇO • As várias versões do Fausto acompanham as transições de estilo que se dão ao longo da carreira do autor. Na época de Fausto Zero, Goethe estava ligado ao movimento Sturm und Drang (Tempestade e ímpeto), que negava os valores racionalistas do Renascimento e pregava a subjetividade e a livre expressão dos sentimentos na literatura. Esse sentimento pré-romântico domina toda a primeira parte de Fausto. • De forma geral, a obra é caracterizada tanto pela falta de unidade de ação, tempo e espaço quanto por um contraste intenso entre o sublime e o grotesco. De simples peça dramática, o poema se converte em epopéia.
  • 12. O NARRADOR • Através de poemas. Primeira pessoa. O narrador não identificado a princípio, conta a história como testemunha presente na vida do protagonista Fausto. “Bem te pressinto, Espírito invocado! Aparece! Todo eu já sou tumulto. Transforma-se o meu ser: anseio, anelo por novas sensações. A ti me entrego. Obedece! Mando eu. Sai! Sai! Não tremo; custe-me embora a vida. (Pega o livro, e profere em baixa voz a fórmula da evocação do Espírito. Acende-se uma chama avermelhada e trêmula. Aparece nela o Espírito.)” (pág. 36)
  • 13. O TEMA CENTRAL • O tema central é a vida do médico e cientista Fausto, cuja vida foi envolvida em um manto de fantasias tecido pelas proezas mágicas que lhe foram atribuídas, o que torna muito difícil separar o real do imaginário.
  • 14. “A primeira parte é quase inteiramente subjetiva. Tudo adveio ai de um indivíduo mais perturbado e apaixonado, num estado de semi-obscuridade que até pode fazer bem aos homens.” Goethe em carta a Eckermann de 17/02/1831