SlideShare uma empresa Scribd logo
EMEF PROF.ª “RUTH GARRIDO ROQUE” 
EXPOSIÇÃO 
CONHEÇA AS 
MARAVILHAS DO 
NORDESTE 
5º A e B/ 2014
Características e exemplos de 
pratos típicos 
A culinária da Bahia é praticamente composta de pratos de 
origem africana, diferenciados pelo tempo mais forte à base de 
azeite de dendê, leite de coco, gengibre, pimenta de várias 
qualidades e muitos outros que não são utilizados nos demais 
estados do Brasil
As iguarias dessa vertente da culinária, 
estão reservadas pela tradição e hábitos locais. 
O acarajé e o mugunzá são alguns exemplos 
de pratos típicos do estado da Bahia. 
Prato de Acarajé Mungunzá 
Autores: Arthur & Moisés 5º B
Lambreta 
Ingredientes 
 ¼ de xícara de azeite; 
 1 cebola grande picada; 
 2 tomates cortados em pedaços; 
 Suco de 2 limões; 
 ¼ de xícara de coentro picado; 
 4 xícaras de água; 
 3 kg de lambreta (marisco); 
 Sal a gosto.
Como fazer... 
Modo de preparo: 
Em uma panela grande, aqueça o azeite, 
coloque os temperos, exceto o coentro ,e deixe 
refogar por 5 minutos, mexendo sempre. 
Acrescente o coentro, a água e a lambreta. 
Tampe a panela e deixe ferver até que todas as 
conchas da lambreta se abram. 
Retire os mariscos com uma escumadeira e 
sirva com o caldo quente ou frio à parte.
Moqueca de Camarão 
 1 kg de camarão médio sem casca; 
 2 dentes de alho; 
 4 tomates picados; 
 2 cebolas grandes picadas; 
 1 pimentão pequeno picado; 
 12 galhos de coentro picados; 
 Suco de 2 limões; 
 4 xícaras de leite de coco bem grosso; 
 3 colheres de sopa de azeite de dendê; 
 1 colher de sobremesa de sal.
Modo de Preparo: 
Descasque os camarões, limpe bem e lave com água e o 
suco de limão. 
Amasse o alho, junte metade do sal, o coentro e tempere 
os camarões, deixando descansar na geladeira por pelo 
menos meia hora. 
Divida os temperos em duas partes. Com uma parte 
tempere os camarões, coloque-os numa panela funda, junte o 
leite de coco e leve ao fogo. mexendo sem parar até ferver. 
Acrescente o azeite de oliva e o restante do tempero e deixe 
ferver mais. Por último,coloque o dendê e deixe por 2 minutos. 
Autores: Gabriel & Luiz Fernando 5º A
Carne-de-Sol 
É uma base da alimentação do Nordeste, 
insubstituível e indispensável. Onde a mesma 
recebe os nomes de: Carne do Ceará, Carne do 
Sertão, Carne Seca e Carne de Vento, 
dependendo do Estado nordestino e da região. 
Carne de Sol à moda Potiguar
Cocada 
Doce de coco, com açúcar branco ou 
escuro, consistente, cortada a massa em 
forma de quadrinhos ou discos. A cocada é 
uma das gulodices mais antigas e 
difundidas no Brasil. 
Autores: Bruno & Beatriz 5º B
A comida do Maranhão é muito boa e 
saudável. Tem vários pratos típicos, por exemplo: 
Espaguete com molho de 
tomate 
O espaguete com molho é muito bom. O 
molho é feito natural.
Bolinhos de Laranja 
O bolinho de laranja é muito bom. Ele é 
feito com suco de laranja natural. 
Autores: Samuel & Luiz Henrique 5º A
Arroz-de-cuxá: 
uma das delícias do 
Maranhão 
Hoje vamos falar sobre um prato bastante requisitado 
no Maranhão: o arroz-de-cuxá. Este é um prato típico 
maranhense tem como principais ingredientes a vinagreira 
,um tipo de planta de sabor azedo, camarão seco, farinha de 
mandioca seca - que é a base da alimentação do índio – e a 
pimenta de cheiro .
O arroz-de-cuxá sofreu influência de vários 
povos. O cuxá e um prato que reflete hábitos das 
culinárias portuguesa e africana, junto com o 
toque árabe do arroz -de origem asiática mas 
muito difundido pelos árabes - e do gergelim 
torrado.
O cuxá ficou famoso, tanto que foi citado no livro 
História da Alimentação no Brasil , de Câmara Cascudo, 
pelo pesquisador Jacques Raimundo que “afirma ser a 
palavra cuxá originária da Guiné superior''. É descrito com 
detalhes no Dicionário de vocábulos brasileiros, do 
Visconde Beaurepaire Rohan (1889).
O arroz-de-cuxá se tornou tão importante que 
ganhou versos do poeta maranhense Artur de 
Azevedo: 
“(...)Eu tenho muitas saudades/Da minha terra querida.../Onde 
atravessei a vida /O melhor tempo foi lá./Choro os folguedos da 
infância/E os sonhos da adolescência;/Mas...choro com mais 
frequência/O meu arroz-de-cuxá''. 
Artur de Azevedo 
Autores: Emanuelle & Maria Eduarda 5º B
CEARÁ
Culinária Cearense 
A cozinha cearense tem sabores tropicais e exóticos ,com 
temperos peculiares, agradam aos mais exigentes paladares. Em 
geral, seus pratos refletem traços marcantes da cultura popular e da 
influência deixada pelos colonizadores. Os frutos do mar são o carro-chefe 
da nossa culinária, sendo encontrados com variedade em toda a 
extensão do litoral cearense. Caranguejos, siris, camarões, e outras 
compõem o cardápio dos restaurantes, que os servem de formas 
diferentes e apetitosas.
Um dos pratos mais tradicionais é a peixada ao molho com 
legumes, acompanhada de porção de farinha, enquanto a lagosta é o 
mais requintado e preferido pelos visitantes. Nem só de mar vive a 
culinária cearense. Do sertão, vem a carne de sol com paçoca e 
macaxeira, o popular baião-de-dois, o feijão verde, além de comidas 
com forte tempero como sarrabulho, a carneirada e a panelada.
Da cana-de-açúcar se faz a famosa 
cachaça, bebida que ganhou fronteiras. Não se 
pode esquecer dos deliciosos doces e bolos das 
festas juninas, nem deixar de provar saborosos 
sucos e sorvetes feitos com frutas tropicais.
A culinária cearense tem influência direta dos 
costumes alimentares dos primitivos índios que 
habitavam o Estado, enquanto outros pratos são 
originários dos colonizadores europeus. 
Prato de Lagosta 
Autores: Guilherme & Victor 5º B
A cozinha pernambucana foi influenciada diretamente 
pelas culturas portuguesas, africanas e indígenas. 
Diversas receitas originais provenientes de outros 
continentes, foram adaptadas com ingredientes encontrados com 
facilidades na região, resultando em combinações únicas de 
sabores,cores e aromas.
Queijo coalho 
O queijo coalho é um tipo de queijo produzido do fermento 
coagulado, tradicionalmente fabricado, e amplamente 
consumido na região nordeste do Brasil. Os estados do Ceará, 
Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco são considerados 
os maiores produtores.
Sarapatel 
Sarapatel é uma designação comum de diversas 
iguarias preparadas com vísceras de porco, cabrito e 
borrego. Nascido no Alto Alentejo em Portugal, o sarapatel 
foi adaptado no Brasil e na culinária indo-portuguesa de 
Goa, Damão e Diu, outrora pertencentes ao Estado 
português da Índia. 
Autores: Aaron & Vinícius 5º A
Mito que nasceu no Piauí, às margens da 
lagoa Paranaguá. 
É a história de um estranho homem de barba 
ruiva ou branca, que corre atrás das mulheres. 
Autores: André & Daniel 5º B
O Saci Pererê é uma lenda do folclore brasileiro e originou-se 
entre as tribos indígenas do sul do Brasil vive entre as tribos 
indígenas do sul do Brasil. 
Não poderia deixar de começar por 
ela, um clássico em nosso folclore.
É um negrinho de uma perna só, que veste um gorro 
vermelho e um cachimbo entre os beiços. 
Conhecidíssimos por suas travessuras, muito brincalhão, ele se diverte com 
animais e com as pessoas. 
O moleque acaba causando transtornos como: trançar cristas de cavalos 
fazer feijão queimar esconder objetos, jogar os dedais das costureiras em buracos 
e muitas outras travessuras... 
Segundo a lenda, o saci está nos redemoinhos de ventos e pode ser capturado, 
jogando uma peneira sobre os redemoinhos. Após a captura, deve-se retirar o 
gorro da criatura para garantir a sua obediência e prendê-lo em uma garrafa. 
Autores: Alexandre & José 5º A
Artesanato 
NORDESTINO
Um pouco de história ... 
A arte é uma das manifestações 
mais antigas do ser humano, tendo a sua 
origem na era paleolítica (12.000 a.C.), 
quando o homem primitivo vivia em bandos nômades dependendo da 
caça e da coleta de alimentos para sobreviver. O homem de Pequim e o 
de Neamdertal, por exemplo, já sabiam pintar e fabricar instrumentos de 
grutas e cavernas da França e da Espanha (Lascoux, Niaux, Altamira e 
tantas outras), representando a fauna daquela época (cavalos, bisões, 
mamutes e renas). 
*
Com a vida de artistas e artesões portugueses para o Brasil, 
durante o século XVI, a produção artesanal deixa de ser, apenas, 
uma manifestação artística e adquire um status profissionalizante .a 
expressão arte popular, porém, foi usada primeiramente pelo 
pesquisador japonês Soetru Yanagi ,em1926. Ele criou o termo 
mingei (mim = povo; gei = arte), para designar os trabalhos 
elaborados pelos artistas populares desconhecidos, que tinham 
comum a simplicidade e um estado de espírito desengajado da ideia 
de beleza ou feiura.
Hoje, os estudiosos do assunto definem artesanato 
como sendo qualquer objeto comercializável, fruto de um 
trabalho predominante manual, feito com a ajuda de 
ferramentas simples ou máquinas rudimentares, que se 
baseia em temática popular e utiliza a matéria -prima local 
ou regional.
O Brasil, por ser muito extenso e ter sofrido a influência de 
diversos povos, possui uma produção artesanal bastante rica e 
diversificado que faria de região para região, nordeste, em 
particular, é uma das importantes atrações turísticas. Para 
elaborar artesanatos, os nordestinos utilizam vários materiais 
oriundos da flora e da fauna nativa. 
Autores: Daniel, Lucas, Marcos & Pedro 5º A 
Franciele & Lídia 5º B
O artesanato da região nordeste e bastante diversificado 
com a produção de trabalhos decorativos e utilitários 
confeccionados em cerâmicas madeira, conchas, rendas, 
dentre outras madeiras. A arte da renda foi trazida pelos 
portugueses onde a mulher rendeira é uma personagem 
típica da cultura nordestina. 
Autoras: Giovana & Gabrielly 5º B
Arte da região Nordeste 
A região Nordeste é muito rica em termos de arte. As manifestações artísticas da 
região estão presentes no artesanato, nas danças e músicas típicas e também na rotina dos 
nordestinos . 
Autoras: Mayara & Tainara 5º B 
Uma das características mais importantes da 
arte do nordeste é o artesanato. A produção cultural do 
Nordeste está em todos os Estados da região, com 
diversas tradições e produtos de extrema beleza, como 
redes tecidas à mão peças em argilas, palha e madeira, 
itens com rendas, garrafas enfeitadas com areia colorida , 
entre outros objetos. O artesanato é especialmente 
importante para impulsionar o setor turístico. Entre os 
materias típicos do artesanato do nordeste, temos a fibra 
do buriti (palmeira) e o babaçu (palmeira nativa do 
Maranhão). 
Um ícone da arte do nordeste é a famosa carranca, um tipo de escultura com a 
forma humana ou animal, vendida em feiras e lojas de produtos artesanais.
Artesanato na Paraíba 
A Paraíba é a terra da boneca de pano. No município de 
Esperança, encontra-se os mais diversos tipos de bonecas que são 
produzidos com todo cuidado para que cada peça seja única. 
Entre linhas, enfeites e panos, pessoas que variam de 13 a 75 
anos, inclusive homens, trabalham na produção das bonecas. 
A produção de bonecas de pano não se restringe somente ao 
Nordeste Brasileiro. 
Em quase todo país, é possível encontrar a produção destas 
bonecas com características de cada região.
No Brasil, enquanto as crianças da coorte brincavam com bonecas 
“europeias”, a de pano adquiriu forma entre as filhas dos escravos. A boneca 
de pano parece ser um dos poucos brinquedos populares, construídos de 
maneira artesanal, que ainda consegue resistir aos intensos ''GOLPES'' da 
indústria de brinquedos que tem nos meios de comunicação de massa. 
Essas bonecas estiveram presentes em todas as civilizações. Em 
cavernas pré-históricas de diversas partes do mundo,foram encontradas 
pequenas bonecas esculpidas em pedras. 
Autoras: Amanda & Juliana 5º A
CESTAS E TRANÇADOS 
A arte de trançar fibras deixadas pelos índios, inclui esteiras, redes, 
balaios, chapéus, peneiras e outros. Quanto a decoração, os objetos de 
trançados possuem uma imensa variedade, explorada através de formas 
geométricas, espessuras diferentes, corantes e outros materiais. 
Os índios possuem grande 
habilidade para tecelagem, resultado de 
sua prática e conhecimento dos trançados. 
Destacam-se as tribos do alto Amazonas e 
Solimões, influenciados pelos povos 
andinos. 
Autoras: Ana & Melissa 5º A
ARTESANATO EM CERÂMICA 
Estudiosos confirmam ser realmente, a cerâmica a mais 
antiga das indústrias. Ela nasceu no momento em que o homem 
começou a ultilizar-se do barro endurecido pelo fogo. 
As primeiras cerâmicas que se têm notícias são da Pré-história, 
:vasos de barro sem asas, que tinham cor de argila natural 
ou eram enegrecidas por óxidos de ferro.
Quando os populares santeiros, que invadiram 
Portugal no século XVIII, introduziram a moda dos 
presépios, surgiu a multidão de bonecos de barro de 
nossas feiras. Imagens de Cristo, da Virgem, Abades 
de santos e anjos começaram a aparecer. 
No Brasil ,a cerâmica tem seus primórdios na ilha 
de Marajó. 
Autoras: Bárbara & Vitória 5º A
A diferença da Renda e o 
Bordado 
Muita gente confunde renda com bordado, mas 
tem diferença. As técnicas do bordado precisa do 
tecido como suporte, já a renda não. Ela pode ser 
construída apenas a partir de fios.
A Renda 
É presente em roupas, lenços, toalhas e outros 
artigos. Tem um importante papel econômico nas 
regiões norte, nordeste e sul. 
A chamada renda de almofadas ou de bilro é 
desenvolvida pelas mãos das rendeiras que trabalham 
com uma almofada, um papelão cheio de furos, linha e 
bilros.
Tipos de objetos de rendas 
Exemplos: 
• Redes; 
• Caminhos de mesa; 
• Guardanapos; 
• Tapetes; 
• Vestidos; 
• Sapatinhos de bebê.
Bilros 
Instrumento de madeira ou metal, usado 
por rendeiras na confecção de um tipo 
especial de renda.
Bordado 
Bordado é uma forma de oriar a mão ou 
a máquina, desenhos e figuras ornamentais 
em um tecido, utilizado para este fim, 
diversos tipos de ferramentas. 
Autoras: Ingrid & Júlia 5º A 
Elidiane 5º B
Artesanato 
em 
rendas
Em se tratando de rendas - herança 
dos portugueses – o Nordeste produz os 
seguintes tipos: de bilros, labirinto, crochê, 
irlandesa, renascença e filé. Por outro lado, 
os bordados mais comuns são: labirinto, 
ponto-de-cruz, ponto-cheio, rococó, richelieu 
e redendê. Seguindo uma tradição advinda 
dos tempos coloniais, as noivas continuam 
encomendando rendas e peças bordadas 
para os seus enxovais. 
Nos municípios de Marechal Deodoro e 
Pontal da Barra, em Alagoas, as mulheres 
efetuam bordados sobre o linho branco. Em 
Caldas de Cipó e Tucano, é possível 
apreciar a confecção de rendas (de bilros, 
labirintos e filés). 
Autora: Rafaela 5º B
Entalhado 
na madeira
ENTALHE É A ARTE DE CORTAR OU 
ENTALHAR A MADEIRA 
A grande variedade disponível de cores da 
madeira, desde o branco quase tão claro quanto o 
marfim, até o negro acetinado da castanheira e do 
ébano, pode ser explorada com resultados formidáveis.. 
O entalhe é uma arte amplamente conhecida, 
tendo atualmente sua melhor expressão na África e a 
Oceania.na Europa pouco sobrou das obras da 
Antiguidade, mas no final da Idade Média foi grande o 
florescimento dessa arte. 
No interior das igrejas medievais, a habilidade dos entalhadores era 
apresentada nas belíssimas cadeiras de coro, banco, telas, púlpitos e estantes 
para leitura.
ENTALHE EM MADEIRA 
Entalhe em madeira é o trabalho artesanal com o propósito de dar vida a um 
determinado desenho, transformado em alto-relevo. As madeiras mais usadas 
são as madeiras moles, isto é de mais fácil manusear com ferramentas 
cortantes. Usa-se para a confecção do trabalho ferramentas encontradas no 
mercado, mas muitas outras o artesão precisa fabricar conforme sua 
necessidade. Dentre as encontradas no mercado estão os jogos de formões 
compostos por 6 peças, 12 peças, e peças avulsas; são goivas, formões, ferra 
canto e outras peças. Ao contrário da xilogravura onde é feito um entalhe plano, 
isto é, um baixo-relevo, o alto-relevo deve 
ser bem pronunciado, envelhecido com 
betume ou extrato de nogueira para 
formar a pátina, dando assim maior 
plasticidade ao trabalho.
MADEIRAS MAIS MACIAS 
Cedro, jaqueira, piqui, pinus (eucalipto). 
Madeira de Pinho, uma madeira macia
MADEIRAS MAIS DURAS 
Parajú, anjelim pedra, macanaúba , cerejeira, mogno (muito 
rara). 
O mogno e a madeira da imbúia e de algumas árvores 
frutíferas são madeiras boas para principiantes; pode-se também 
utilizar uma prateleira ou pé de um móvel velho, depois de tirado o 
verniz ou polimento. As madeiras macias são difíceis de cortar 
com precisão. 
Mogno brasileiro
O QUE É XILOGRAVURA ? 
Xilogravura significa gravura em madeira. É uma antiga técnica, 
de origem chinesa, em que o artesão utiliza um pedaço da madeira para 
entalhar um desenho, deixando em relevo a parte que pretende fazer a 
reprodução. Em seguida, utiliza tinta para pintar a parte em relevo do 
desenho. Na fase final, é utilizado um tipo de prensa 
para exercer pressão e revelar a imagem no papel 
ou suporte. Um detalhe importante é que o desenho 
sai ao contrário do que foi talhado, o que exige um 
maior trabalho ao artesão.
Existem dois tipos de xilogravura: de fio e a xilogravura 
de topo que se distinguem através da forma como se corta a 
árvore. Na xilogravura de fio (também conhecida como madeira 
à veia ou madeira deitada) a árvore é cortada no sentido do 
crescimento, longitudinal; na xilografia de topo (ou madeira em 
pé) a árvore é cortada no sentido transversal ao tronco.
A xilogravura também tem sido gravada em 
peças de azulejo, reproduzindo desenhos de 
menor dimensão. Esta é uma das técnicas que 
o artesão pernambucano Severino Borges, tem 
utilizado em seus trabalhos. 
Autoras : Izabela & Kaylanne 5º B
ENTALHANDO MADEIRA 
A arte de entalhar madeira é uma manifestação cultural que 
herdamos dos nossos índios que trabalhavam a madeira para utilizá-la na 
construção de armas,utensílios embarcações, Instrumentos musicais, 
máscaras e bonecos. Os artesãos atuais juntaram à técnica indígena as 
demais trazidas pelo negro europeu, ambos formadores do povo brasileiro. 
O Rio Grande do Norte tem uma 
grande variedade de objetos com função 
utilitária, feitos de madeira, com técnica 
rudimentar e tradicional: colheres, conchas, 
bancos, cabides, pilões, produzidos na sua 
Autor:Diego, Guilherme, Luigi & Miguel 5º A 
Leonardo 5º B 
maioria por artesões anônimos.
CLIMA E VEGETAÇÃO 
DO 
NORDESTE
A seca é um dos principais fatores que 
marcam a região Nordeste do Brasil 
A região Nordeste é caracterizada 
pela seca, provocada por diversos fatores, 
dentre eles, a localização geográfica. A 
região está localizada na zona intertropical 
da Terra, portanto, por causa da quantidade 
de luz que incide na superfície do local, a 
temperatura é muito elevada durante o ano 
todo. 
Nessa região, as chuvas não são bem distribuídas no decorrer do ano. São 
identificados três tipos de clima ao longo da região Nordeste: tropical, semiárido e 
equatorial úmido.
Clima Semiárido 
Presente principalmente na região interior do Nordeste (região do 
sertão nordestino). É uma área que apresenta temperaturas elevadas 
quase todo o ano. as chuvas são irregulares e em pouca quantidade 
(de 300 a 500 mm por ano). A umidade também é muito baixa, 
tornando o clima seco. É comum ocorrer a ausência de chuvas por 
vários meses. É a área onde ocorre a conhecida Seca do Nordeste, 
que leva muitos prejuízos, principalmente, para a agricultura e 
pecuária da região do sertão.
Clima Tropical 
Ocorre principalmente no sul da Bahia, centro 
do Maranhão e no litoral de todos os estados da 
região. Esse tipo de clima apresenta duas 
estações bem definidas, sendo uma seca e uma 
chuvosa .
Clima equatorial úmido 
É identificado em uma restrita área da 
região localizada a oeste do Maranhão que 
sofre influência do clima equatorial, com 
temperaturas elevadas e chuvas 
abundantes .
Quanto à cobertura vegetal, a região apresenta várias 
configurações. Ao longo das áreas litorâneas, são encontradas mangues, 
vegetação de dunas etc. 
Em locais que ocorre o 
clima tropical, como no 
centro oeste na região, é 
encontrado o Cerrado. Nas 
regiões onde prevalece o 
clima semiárido encontra-se 
a Caatinga. 
No extremo da região Nordeste, onde o clima é o equatorial, a 
vegetação encontrada é a floresta Amazônica, além da ocorrência de 
Mata dos Cocais.
Curiosidade 
Cabaceiras, localizada no interior da 
Paraíba, é a cidade mais seca do Brasil. O 
índice pluviométrico da cidade fica em torno de 
300 mm anuais. É comum estiagens por até 9 
meses. 
Autoras: Maria Clara, Larissa, Sthepany & Vitória 5 º A 
Manoela & Tainara 5º B
Vegetação da Região Nordeste 
A Região Nordeste do Brasil é a terceira maior região (por 
extensão territorial, cerca de 1.558.196 km2 ) do país, constituída 
por nove estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, 
Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, e Sergipe. 
A capital brasileira foi muito tempo localizada na região de 
Salvador, hoje a capital da Bahia e a quarta cidade mais 
populosa do Brasil.
Vegetação 
A Vegetação é bem diversificada, no litoral encontra-se 
algumas áreas espalhadas de Mata Atlântica (que já dominou 
todo o litoral leste brasileiro no passado) o Cerrado visto no 
centro -oeste da região, indo desde sul do Maranhão até oeste 
da Bahia,é a famosa vegetação, árvores pequenas e retorcidas. 
A Caatinga é encontrada no Sertão, dominando a maior 
parte do nordeste . A Mata dos Cocais fica entre os estados do 
Maranhão, Piauí, é zona de transição da Amazônia. Caatinga e 
mangues estão localizados nas regiões litorâneas e, no extremo 
oeste maranhense, encontramos a Floresta Amazônica .
• Mata Atlântica (em pequenas áreas da região próxima 
ao litoral); 
• Cerrado (oeste da Bahia e sul do Maranhão); 
• Caatinga (no sertão nordestino e interior); 
• Mata dos Cocais (em área do Maranhão, Piauí, Rio 
Grande do Norte e Ceará).
Mata Atlântica 
Também chamada de floresta tropical úmida de encosta, 
a Mata Atlântica estende-se originalmente do Rio Grande do 
Norte até o rio Grande do Sul. 
Grande parte dos desmatamentos da região Nordeste, 
ocorreram em função principalmente, da industria 
açucareira. Foi na Mata Atlântica nordestina que começou o 
processo de extração do pau-brasil.
Mata dos Cocais 
Formação vegetal de transição entre os climas semi-áridos, 
equatorial e tropical. As espécies principais são o babacú e a 
carnaúba. 
Os estados abrangidos por esse tipo de vegetação são: o 
Maranhão, Piauí, parte do Ceará e o Tocantins na região norte, 
menos de 3% da área do Brasil.
Cerrado 
Ocupa 25%do território brasileiro, mas no Nordeste só 
abrange sul do estado do Maranhão e oeste da Bahia. 
Apresenta árvores de baixo parte, no chão é coberto por 
gramíneas, uma espécie de grama, e apresenta um solo de 
alta acidez.
Caatinga 
Vegetação típica do Sertão, suas principais 
espécies são: a pereira, aroera cavelas e 
cactáceas. É uma formação de vegetais xerófitos 
(vegetais de regiões secas), mas é muito rica 
ecologicamente.
Principais espécies vegetais da 
Caatinga 
• Palma; 
• Xique xique; 
• Aroeira; 
• Umbuzeiro; 
• Caróa; 
• Juazeiro; 
• Mandacaru; 
• Cacto.
Vegetação Litorânea e 
Mata Ciliares 
Por último, mas não menos importante. Na categoria da vegetação 
litorânea podemos incluir os mangues. 
É riquíssima no ecossistema local, moradia e reprodução dos 
caranguejos, e importante para a preservação de rios e lagoas. Também 
podemos incluir as restingas e as dunas que são cenários bem 
conhecidos no Nordeste.
Já as Matas Ciliares ou Matas Galerias são 
comuns em regiões de Cerrado, mas também 
podem ser vistas na Zona da Mata. São pequenas 
florestas que acompanham as margens dos rios, 
onde existe maior concentração de materiais 
orgânicos no solo, funcionam como uma proteção 
para os rios e mares. 
Autores: Israel,Victor, Giovana & Isabelly 5º A
EDIÇÃO: 
Informática Educativa – Prof.º Ivan Sacramento 
REALIZAÇÃO: 
Emef Prof.ª “Ruth Garrido Roque” - Secretaria 
Municipal de Educação de Santa Bárbara d’oeste 
AGRADECIMENTOS: 
Aos professores: Lilia, Elvira, Alessandra, Francieli (Ed. Física) 
diretora Márcia, à coordenadora Célia, aos pais e alunos dos 
5ºs anos A e B da Emef Prof.ª “Ruth Garrido Roque”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
quituteira quitutes
 
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova.pb.historia.3ano.manha.1bim
Prova.pb.historia.3ano.manha.1bimProva.pb.historia.3ano.manha.1bim
Prova.pb.historia.3ano.manha.1bim
Cinthia Santos
 
Atividades adaptadas para os autistas - volume 2
Atividades adaptadas para os autistas  - volume 2Atividades adaptadas para os autistas  - volume 2
Atividades adaptadas para os autistas - volume 2
Lucilene Rocha
 
Cultura negra3
Cultura negra3Cultura negra3
Atividades ensino religioso respeito e igualdade racial
Atividades ensino religioso respeito e igualdade racialAtividades ensino religioso respeito e igualdade racial
Atividades ensino religioso respeito e igualdade racial
Atividades Diversas Cláudia
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 1º CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 1º CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 1º CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 1º CICLO - 4º BIMEST...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Projeto feira de cultura
Projeto feira de culturaProjeto feira de cultura
Projeto feira de cultura
Luciene Rosa Gugé
 
Culinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileiraCulinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileira
Mary Alvarenga
 
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdfHistoria Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
marilei4
 
As cores II
As cores IIAs cores II
As cores II
Claudia Ramos
 
Sequência de atividades despertar da cidadania_hino nacional
Sequência de atividades despertar da cidadania_hino nacionalSequência de atividades despertar da cidadania_hino nacional
Sequência de atividades despertar da cidadania_hino nacional
Adriana Melo
 
Consciencia negra
Consciencia negraConsciencia negra
Consciencia negra
Atividades Diversas Cláudia
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA - 5º ANO - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA - 5º ANO - 1º BIMESTREAVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA - 5º ANO - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA - 5º ANO - 1º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Apostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autistaApostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autista
Elisangela Terra
 
Atividades libras
Atividades librasAtividades libras
Atividades libras
Isa ...
 
Folclore das regiões brasileiras
Folclore das regiões brasileirasFolclore das regiões brasileiras
Folclore das regiões brasileiras
Baestevam
 
Desafio de Matemática
Desafio   de Matemática Desafio   de Matemática
Desafio de Matemática
Mary Alvarenga
 
Comidas Tipicas
Comidas Tipicas Comidas Tipicas
Comidas Tipicas
Estéfane Larisse
 

Mais procurados (20)

Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
 
Prova.pb.historia.3ano.manha.1bim
Prova.pb.historia.3ano.manha.1bimProva.pb.historia.3ano.manha.1bim
Prova.pb.historia.3ano.manha.1bim
 
Atividades adaptadas para os autistas - volume 2
Atividades adaptadas para os autistas  - volume 2Atividades adaptadas para os autistas  - volume 2
Atividades adaptadas para os autistas - volume 2
 
Cultura negra3
Cultura negra3Cultura negra3
Cultura negra3
 
Atividades ensino religioso respeito e igualdade racial
Atividades ensino religioso respeito e igualdade racialAtividades ensino religioso respeito e igualdade racial
Atividades ensino religioso respeito e igualdade racial
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 1º CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 1º CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 1º CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - 1º CICLO - 4º BIMEST...
 
Projeto feira de cultura
Projeto feira de culturaProjeto feira de cultura
Projeto feira de cultura
 
Culinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileiraCulinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileira
 
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdfHistoria Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
 
As cores II
As cores IIAs cores II
As cores II
 
Cidade e município
Cidade e municípioCidade e município
Cidade e município
 
Sequência de atividades despertar da cidadania_hino nacional
Sequência de atividades despertar da cidadania_hino nacionalSequência de atividades despertar da cidadania_hino nacional
Sequência de atividades despertar da cidadania_hino nacional
 
Consciencia negra
Consciencia negraConsciencia negra
Consciencia negra
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA - 5º ANO - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA - 5º ANO - 1º BIMESTREAVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA - 5º ANO - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA - 5º ANO - 1º BIMESTRE
 
Apostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autistaApostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autista
 
Atividades libras
Atividades librasAtividades libras
Atividades libras
 
Folclore das regiões brasileiras
Folclore das regiões brasileirasFolclore das regiões brasileiras
Folclore das regiões brasileiras
 
Desafio de Matemática
Desafio   de Matemática Desafio   de Matemática
Desafio de Matemática
 
Comidas Tipicas
Comidas Tipicas Comidas Tipicas
Comidas Tipicas
 

Destaque

Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
Walquiria Dutra
 
Slide nordeste
Slide nordesteSlide nordeste
Slide nordeste
Gustavo Dos S. Nogueira
 
Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
Celia Carraro
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Prof. Francesco Torres
 
Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
Edvaldo S. Júnior
 
A cultura do nordeste
A cultura do nordesteA cultura do nordeste
A cultura do nordeste
Nicole Gouveia
 
Região nordeste slide
Região nordeste slideRegião nordeste slide
Região nordeste slide
Ana Selma Sena Santos
 
Feira de ciências trabalho
Feira de ciências trabalhoFeira de ciências trabalho
Feira de ciências trabalho
Gmsantos23
 
Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
Yan Sobrenome
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Oberlania Alves
 
A industria da seca no brasil
A industria da seca no brasilA industria da seca no brasil
A industria da seca no brasil
Isabel Aguiar
 
Litoral brasileiro
Litoral brasileiroLitoral brasileiro
Litoral brasileiro
Carminha
 
Seca do nordeste
Seca do nordesteSeca do nordeste
Seca do nordeste
leicydefatima
 
Comidas TíPicas Regionais
Comidas TíPicas RegionaisComidas TíPicas Regionais
Comidas TíPicas Regionais
Bombokado Kado
 
Relevo -região norte
Relevo  -região norteRelevo  -região norte
Relevo -região norte
Guilherme Sant'Anna
 
Culinária maranhense
Culinária maranhense Culinária maranhense
Culinária maranhense
Iolete de Fátima Oliveira Martins
 
Danças da região norte
Danças da região norteDanças da região norte
Danças da região norte
lalinhaw
 
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
Secas
SecasSecas
Região nordeste 2009
Região nordeste 2009Região nordeste 2009
Região nordeste 2009
Manuel de Abreu
 

Destaque (20)

Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
 
Slide nordeste
Slide nordesteSlide nordeste
Slide nordeste
 
Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
 
A cultura do nordeste
A cultura do nordesteA cultura do nordeste
A cultura do nordeste
 
Região nordeste slide
Região nordeste slideRegião nordeste slide
Região nordeste slide
 
Feira de ciências trabalho
Feira de ciências trabalhoFeira de ciências trabalho
Feira de ciências trabalho
 
Região nordeste
Região nordesteRegião nordeste
Região nordeste
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
A industria da seca no brasil
A industria da seca no brasilA industria da seca no brasil
A industria da seca no brasil
 
Litoral brasileiro
Litoral brasileiroLitoral brasileiro
Litoral brasileiro
 
Seca do nordeste
Seca do nordesteSeca do nordeste
Seca do nordeste
 
Comidas TíPicas Regionais
Comidas TíPicas RegionaisComidas TíPicas Regionais
Comidas TíPicas Regionais
 
Relevo -região norte
Relevo  -região norteRelevo  -região norte
Relevo -região norte
 
Culinária maranhense
Culinária maranhense Culinária maranhense
Culinária maranhense
 
Danças da região norte
Danças da região norteDanças da região norte
Danças da região norte
 
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A região nordeste
 
Secas
SecasSecas
Secas
 
Região nordeste 2009
Região nordeste 2009Região nordeste 2009
Região nordeste 2009
 

Semelhante a Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste

Receitas da regiao norte Brasil
Receitas da regiao norte BrasilReceitas da regiao norte Brasil
Receitas da regiao norte Brasil
tibisaycotua
 
Culinaria CaiçAra
Culinaria CaiçAraCulinaria CaiçAra
Culinaria CaiçAra
frutadiferente
 
Culinária afro
Culinária afroCulinária afro
Culinária afro
Beth Rodrigues
 
2015 colibri de mesquita
2015   colibri de mesquita2015   colibri de mesquita
2015 colibri de mesquita
LelioGomes
 
Cultura alimentar brasileira dayana climaco e ana valeria 9°a
Cultura alimentar brasileira dayana climaco e ana valeria 9°aCultura alimentar brasileira dayana climaco e ana valeria 9°a
Cultura alimentar brasileira dayana climaco e ana valeria 9°a
Francini Domingues
 
Eletiva CULINARIA.pptx
Eletiva CULINARIA.pptxEletiva CULINARIA.pptx
Eletiva CULINARIA.pptx
maria leir leir
 
HISTÓRIA DE MARANHAO.pptx
HISTÓRIA DE MARANHAO.pptxHISTÓRIA DE MARANHAO.pptx
HISTÓRIA DE MARANHAO.pptx
AdrianaReginaCostaRD
 
Cozinha da colonia
Cozinha da coloniaCozinha da colonia
Cozinha da colonia
quituteira quitutes
 
Aromas e Sabores
Aromas e SaboresAromas e Sabores
Aromas e Sabores
Meio & Mensagem
 
Aromas e Sabores
 Aromas e Sabores Aromas e Sabores
Aromas e Sabores
Meio & Mensagem
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Gastronomia
Jaqueline Leal
 
Pratos típicos regionais
Pratos típicos regionaisPratos típicos regionais
Pratos típicos regionais
Aide Souza da Silva
 
Receitas 6ªB
Receitas   6ªBReceitas   6ªB
Receitas 6ªB
Misa Di
 
Ed18gastro3layout1 101029174723-phpapp01
Ed18gastro3layout1 101029174723-phpapp01Ed18gastro3layout1 101029174723-phpapp01
Ed18gastro3layout1 101029174723-phpapp01
Andre Alves
 
AeB5
AeB5AeB5
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina 3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
Licinio Borges
 
Relatorio final de historia
Relatorio final de historiaRelatorio final de historia
Relatorio final de historia
Miguel Monteiro
 
Culinaria Brasileira HistóRia
Culinaria Brasileira HistóRiaCulinaria Brasileira HistóRia
Culinaria Brasileira HistóRia
Bombokado Kado
 
Gastronomia Piauiense.ppt
Gastronomia Piauiense.pptGastronomia Piauiense.ppt
Gastronomia Piauiense.ppt
zaira vale
 
Tema;cultura alimentar Gerson clei rodrigues de araujo Nicolas Quintiere 9B
Tema;cultura alimentar Gerson clei rodrigues de araujo Nicolas Quintiere  9BTema;cultura alimentar Gerson clei rodrigues de araujo Nicolas Quintiere  9B
Tema;cultura alimentar Gerson clei rodrigues de araujo Nicolas Quintiere 9B
Francini Domingues
 

Semelhante a Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste (20)

Receitas da regiao norte Brasil
Receitas da regiao norte BrasilReceitas da regiao norte Brasil
Receitas da regiao norte Brasil
 
Culinaria CaiçAra
Culinaria CaiçAraCulinaria CaiçAra
Culinaria CaiçAra
 
Culinária afro
Culinária afroCulinária afro
Culinária afro
 
2015 colibri de mesquita
2015   colibri de mesquita2015   colibri de mesquita
2015 colibri de mesquita
 
Cultura alimentar brasileira dayana climaco e ana valeria 9°a
Cultura alimentar brasileira dayana climaco e ana valeria 9°aCultura alimentar brasileira dayana climaco e ana valeria 9°a
Cultura alimentar brasileira dayana climaco e ana valeria 9°a
 
Eletiva CULINARIA.pptx
Eletiva CULINARIA.pptxEletiva CULINARIA.pptx
Eletiva CULINARIA.pptx
 
HISTÓRIA DE MARANHAO.pptx
HISTÓRIA DE MARANHAO.pptxHISTÓRIA DE MARANHAO.pptx
HISTÓRIA DE MARANHAO.pptx
 
Cozinha da colonia
Cozinha da coloniaCozinha da colonia
Cozinha da colonia
 
Aromas e Sabores
Aromas e SaboresAromas e Sabores
Aromas e Sabores
 
Aromas e Sabores
 Aromas e Sabores Aromas e Sabores
Aromas e Sabores
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Gastronomia
 
Pratos típicos regionais
Pratos típicos regionaisPratos típicos regionais
Pratos típicos regionais
 
Receitas 6ªB
Receitas   6ªBReceitas   6ªB
Receitas 6ªB
 
Ed18gastro3layout1 101029174723-phpapp01
Ed18gastro3layout1 101029174723-phpapp01Ed18gastro3layout1 101029174723-phpapp01
Ed18gastro3layout1 101029174723-phpapp01
 
AeB5
AeB5AeB5
AeB5
 
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina 3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
3 Dias... 3 Línguas,prof. Sandrina
 
Relatorio final de historia
Relatorio final de historiaRelatorio final de historia
Relatorio final de historia
 
Culinaria Brasileira HistóRia
Culinaria Brasileira HistóRiaCulinaria Brasileira HistóRia
Culinaria Brasileira HistóRia
 
Gastronomia Piauiense.ppt
Gastronomia Piauiense.pptGastronomia Piauiense.ppt
Gastronomia Piauiense.ppt
 
Tema;cultura alimentar Gerson clei rodrigues de araujo Nicolas Quintiere 9B
Tema;cultura alimentar Gerson clei rodrigues de araujo Nicolas Quintiere  9BTema;cultura alimentar Gerson clei rodrigues de araujo Nicolas Quintiere  9B
Tema;cultura alimentar Gerson clei rodrigues de araujo Nicolas Quintiere 9B
 

Último

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste

  • 1. EMEF PROF.ª “RUTH GARRIDO ROQUE” EXPOSIÇÃO CONHEÇA AS MARAVILHAS DO NORDESTE 5º A e B/ 2014
  • 2.
  • 3.
  • 4. Características e exemplos de pratos típicos A culinária da Bahia é praticamente composta de pratos de origem africana, diferenciados pelo tempo mais forte à base de azeite de dendê, leite de coco, gengibre, pimenta de várias qualidades e muitos outros que não são utilizados nos demais estados do Brasil
  • 5. As iguarias dessa vertente da culinária, estão reservadas pela tradição e hábitos locais. O acarajé e o mugunzá são alguns exemplos de pratos típicos do estado da Bahia. Prato de Acarajé Mungunzá Autores: Arthur & Moisés 5º B
  • 6. Lambreta Ingredientes  ¼ de xícara de azeite;  1 cebola grande picada;  2 tomates cortados em pedaços;  Suco de 2 limões;  ¼ de xícara de coentro picado;  4 xícaras de água;  3 kg de lambreta (marisco);  Sal a gosto.
  • 7. Como fazer... Modo de preparo: Em uma panela grande, aqueça o azeite, coloque os temperos, exceto o coentro ,e deixe refogar por 5 minutos, mexendo sempre. Acrescente o coentro, a água e a lambreta. Tampe a panela e deixe ferver até que todas as conchas da lambreta se abram. Retire os mariscos com uma escumadeira e sirva com o caldo quente ou frio à parte.
  • 8. Moqueca de Camarão  1 kg de camarão médio sem casca;  2 dentes de alho;  4 tomates picados;  2 cebolas grandes picadas;  1 pimentão pequeno picado;  12 galhos de coentro picados;  Suco de 2 limões;  4 xícaras de leite de coco bem grosso;  3 colheres de sopa de azeite de dendê;  1 colher de sobremesa de sal.
  • 9. Modo de Preparo: Descasque os camarões, limpe bem e lave com água e o suco de limão. Amasse o alho, junte metade do sal, o coentro e tempere os camarões, deixando descansar na geladeira por pelo menos meia hora. Divida os temperos em duas partes. Com uma parte tempere os camarões, coloque-os numa panela funda, junte o leite de coco e leve ao fogo. mexendo sem parar até ferver. Acrescente o azeite de oliva e o restante do tempero e deixe ferver mais. Por último,coloque o dendê e deixe por 2 minutos. Autores: Gabriel & Luiz Fernando 5º A
  • 10.
  • 11. Carne-de-Sol É uma base da alimentação do Nordeste, insubstituível e indispensável. Onde a mesma recebe os nomes de: Carne do Ceará, Carne do Sertão, Carne Seca e Carne de Vento, dependendo do Estado nordestino e da região. Carne de Sol à moda Potiguar
  • 12. Cocada Doce de coco, com açúcar branco ou escuro, consistente, cortada a massa em forma de quadrinhos ou discos. A cocada é uma das gulodices mais antigas e difundidas no Brasil. Autores: Bruno & Beatriz 5º B
  • 13.
  • 14. A comida do Maranhão é muito boa e saudável. Tem vários pratos típicos, por exemplo: Espaguete com molho de tomate O espaguete com molho é muito bom. O molho é feito natural.
  • 15. Bolinhos de Laranja O bolinho de laranja é muito bom. Ele é feito com suco de laranja natural. Autores: Samuel & Luiz Henrique 5º A
  • 16. Arroz-de-cuxá: uma das delícias do Maranhão Hoje vamos falar sobre um prato bastante requisitado no Maranhão: o arroz-de-cuxá. Este é um prato típico maranhense tem como principais ingredientes a vinagreira ,um tipo de planta de sabor azedo, camarão seco, farinha de mandioca seca - que é a base da alimentação do índio – e a pimenta de cheiro .
  • 17. O arroz-de-cuxá sofreu influência de vários povos. O cuxá e um prato que reflete hábitos das culinárias portuguesa e africana, junto com o toque árabe do arroz -de origem asiática mas muito difundido pelos árabes - e do gergelim torrado.
  • 18. O cuxá ficou famoso, tanto que foi citado no livro História da Alimentação no Brasil , de Câmara Cascudo, pelo pesquisador Jacques Raimundo que “afirma ser a palavra cuxá originária da Guiné superior''. É descrito com detalhes no Dicionário de vocábulos brasileiros, do Visconde Beaurepaire Rohan (1889).
  • 19. O arroz-de-cuxá se tornou tão importante que ganhou versos do poeta maranhense Artur de Azevedo: “(...)Eu tenho muitas saudades/Da minha terra querida.../Onde atravessei a vida /O melhor tempo foi lá./Choro os folguedos da infância/E os sonhos da adolescência;/Mas...choro com mais frequência/O meu arroz-de-cuxá''. Artur de Azevedo Autores: Emanuelle & Maria Eduarda 5º B
  • 21. Culinária Cearense A cozinha cearense tem sabores tropicais e exóticos ,com temperos peculiares, agradam aos mais exigentes paladares. Em geral, seus pratos refletem traços marcantes da cultura popular e da influência deixada pelos colonizadores. Os frutos do mar são o carro-chefe da nossa culinária, sendo encontrados com variedade em toda a extensão do litoral cearense. Caranguejos, siris, camarões, e outras compõem o cardápio dos restaurantes, que os servem de formas diferentes e apetitosas.
  • 22. Um dos pratos mais tradicionais é a peixada ao molho com legumes, acompanhada de porção de farinha, enquanto a lagosta é o mais requintado e preferido pelos visitantes. Nem só de mar vive a culinária cearense. Do sertão, vem a carne de sol com paçoca e macaxeira, o popular baião-de-dois, o feijão verde, além de comidas com forte tempero como sarrabulho, a carneirada e a panelada.
  • 23. Da cana-de-açúcar se faz a famosa cachaça, bebida que ganhou fronteiras. Não se pode esquecer dos deliciosos doces e bolos das festas juninas, nem deixar de provar saborosos sucos e sorvetes feitos com frutas tropicais.
  • 24. A culinária cearense tem influência direta dos costumes alimentares dos primitivos índios que habitavam o Estado, enquanto outros pratos são originários dos colonizadores europeus. Prato de Lagosta Autores: Guilherme & Victor 5º B
  • 25.
  • 26. A cozinha pernambucana foi influenciada diretamente pelas culturas portuguesas, africanas e indígenas. Diversas receitas originais provenientes de outros continentes, foram adaptadas com ingredientes encontrados com facilidades na região, resultando em combinações únicas de sabores,cores e aromas.
  • 27. Queijo coalho O queijo coalho é um tipo de queijo produzido do fermento coagulado, tradicionalmente fabricado, e amplamente consumido na região nordeste do Brasil. Os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco são considerados os maiores produtores.
  • 28. Sarapatel Sarapatel é uma designação comum de diversas iguarias preparadas com vísceras de porco, cabrito e borrego. Nascido no Alto Alentejo em Portugal, o sarapatel foi adaptado no Brasil e na culinária indo-portuguesa de Goa, Damão e Diu, outrora pertencentes ao Estado português da Índia. Autores: Aaron & Vinícius 5º A
  • 29.
  • 30. Mito que nasceu no Piauí, às margens da lagoa Paranaguá. É a história de um estranho homem de barba ruiva ou branca, que corre atrás das mulheres. Autores: André & Daniel 5º B
  • 31. O Saci Pererê é uma lenda do folclore brasileiro e originou-se entre as tribos indígenas do sul do Brasil vive entre as tribos indígenas do sul do Brasil. Não poderia deixar de começar por ela, um clássico em nosso folclore.
  • 32. É um negrinho de uma perna só, que veste um gorro vermelho e um cachimbo entre os beiços. Conhecidíssimos por suas travessuras, muito brincalhão, ele se diverte com animais e com as pessoas. O moleque acaba causando transtornos como: trançar cristas de cavalos fazer feijão queimar esconder objetos, jogar os dedais das costureiras em buracos e muitas outras travessuras... Segundo a lenda, o saci está nos redemoinhos de ventos e pode ser capturado, jogando uma peneira sobre os redemoinhos. Após a captura, deve-se retirar o gorro da criatura para garantir a sua obediência e prendê-lo em uma garrafa. Autores: Alexandre & José 5º A
  • 34. Um pouco de história ... A arte é uma das manifestações mais antigas do ser humano, tendo a sua origem na era paleolítica (12.000 a.C.), quando o homem primitivo vivia em bandos nômades dependendo da caça e da coleta de alimentos para sobreviver. O homem de Pequim e o de Neamdertal, por exemplo, já sabiam pintar e fabricar instrumentos de grutas e cavernas da França e da Espanha (Lascoux, Niaux, Altamira e tantas outras), representando a fauna daquela época (cavalos, bisões, mamutes e renas). *
  • 35. Com a vida de artistas e artesões portugueses para o Brasil, durante o século XVI, a produção artesanal deixa de ser, apenas, uma manifestação artística e adquire um status profissionalizante .a expressão arte popular, porém, foi usada primeiramente pelo pesquisador japonês Soetru Yanagi ,em1926. Ele criou o termo mingei (mim = povo; gei = arte), para designar os trabalhos elaborados pelos artistas populares desconhecidos, que tinham comum a simplicidade e um estado de espírito desengajado da ideia de beleza ou feiura.
  • 36. Hoje, os estudiosos do assunto definem artesanato como sendo qualquer objeto comercializável, fruto de um trabalho predominante manual, feito com a ajuda de ferramentas simples ou máquinas rudimentares, que se baseia em temática popular e utiliza a matéria -prima local ou regional.
  • 37. O Brasil, por ser muito extenso e ter sofrido a influência de diversos povos, possui uma produção artesanal bastante rica e diversificado que faria de região para região, nordeste, em particular, é uma das importantes atrações turísticas. Para elaborar artesanatos, os nordestinos utilizam vários materiais oriundos da flora e da fauna nativa. Autores: Daniel, Lucas, Marcos & Pedro 5º A Franciele & Lídia 5º B
  • 38. O artesanato da região nordeste e bastante diversificado com a produção de trabalhos decorativos e utilitários confeccionados em cerâmicas madeira, conchas, rendas, dentre outras madeiras. A arte da renda foi trazida pelos portugueses onde a mulher rendeira é uma personagem típica da cultura nordestina. Autoras: Giovana & Gabrielly 5º B
  • 39. Arte da região Nordeste A região Nordeste é muito rica em termos de arte. As manifestações artísticas da região estão presentes no artesanato, nas danças e músicas típicas e também na rotina dos nordestinos . Autoras: Mayara & Tainara 5º B Uma das características mais importantes da arte do nordeste é o artesanato. A produção cultural do Nordeste está em todos os Estados da região, com diversas tradições e produtos de extrema beleza, como redes tecidas à mão peças em argilas, palha e madeira, itens com rendas, garrafas enfeitadas com areia colorida , entre outros objetos. O artesanato é especialmente importante para impulsionar o setor turístico. Entre os materias típicos do artesanato do nordeste, temos a fibra do buriti (palmeira) e o babaçu (palmeira nativa do Maranhão). Um ícone da arte do nordeste é a famosa carranca, um tipo de escultura com a forma humana ou animal, vendida em feiras e lojas de produtos artesanais.
  • 40. Artesanato na Paraíba A Paraíba é a terra da boneca de pano. No município de Esperança, encontra-se os mais diversos tipos de bonecas que são produzidos com todo cuidado para que cada peça seja única. Entre linhas, enfeites e panos, pessoas que variam de 13 a 75 anos, inclusive homens, trabalham na produção das bonecas. A produção de bonecas de pano não se restringe somente ao Nordeste Brasileiro. Em quase todo país, é possível encontrar a produção destas bonecas com características de cada região.
  • 41. No Brasil, enquanto as crianças da coorte brincavam com bonecas “europeias”, a de pano adquiriu forma entre as filhas dos escravos. A boneca de pano parece ser um dos poucos brinquedos populares, construídos de maneira artesanal, que ainda consegue resistir aos intensos ''GOLPES'' da indústria de brinquedos que tem nos meios de comunicação de massa. Essas bonecas estiveram presentes em todas as civilizações. Em cavernas pré-históricas de diversas partes do mundo,foram encontradas pequenas bonecas esculpidas em pedras. Autoras: Amanda & Juliana 5º A
  • 42. CESTAS E TRANÇADOS A arte de trançar fibras deixadas pelos índios, inclui esteiras, redes, balaios, chapéus, peneiras e outros. Quanto a decoração, os objetos de trançados possuem uma imensa variedade, explorada através de formas geométricas, espessuras diferentes, corantes e outros materiais. Os índios possuem grande habilidade para tecelagem, resultado de sua prática e conhecimento dos trançados. Destacam-se as tribos do alto Amazonas e Solimões, influenciados pelos povos andinos. Autoras: Ana & Melissa 5º A
  • 43. ARTESANATO EM CERÂMICA Estudiosos confirmam ser realmente, a cerâmica a mais antiga das indústrias. Ela nasceu no momento em que o homem começou a ultilizar-se do barro endurecido pelo fogo. As primeiras cerâmicas que se têm notícias são da Pré-história, :vasos de barro sem asas, que tinham cor de argila natural ou eram enegrecidas por óxidos de ferro.
  • 44. Quando os populares santeiros, que invadiram Portugal no século XVIII, introduziram a moda dos presépios, surgiu a multidão de bonecos de barro de nossas feiras. Imagens de Cristo, da Virgem, Abades de santos e anjos começaram a aparecer. No Brasil ,a cerâmica tem seus primórdios na ilha de Marajó. Autoras: Bárbara & Vitória 5º A
  • 45. A diferença da Renda e o Bordado Muita gente confunde renda com bordado, mas tem diferença. As técnicas do bordado precisa do tecido como suporte, já a renda não. Ela pode ser construída apenas a partir de fios.
  • 46. A Renda É presente em roupas, lenços, toalhas e outros artigos. Tem um importante papel econômico nas regiões norte, nordeste e sul. A chamada renda de almofadas ou de bilro é desenvolvida pelas mãos das rendeiras que trabalham com uma almofada, um papelão cheio de furos, linha e bilros.
  • 47. Tipos de objetos de rendas Exemplos: • Redes; • Caminhos de mesa; • Guardanapos; • Tapetes; • Vestidos; • Sapatinhos de bebê.
  • 48. Bilros Instrumento de madeira ou metal, usado por rendeiras na confecção de um tipo especial de renda.
  • 49. Bordado Bordado é uma forma de oriar a mão ou a máquina, desenhos e figuras ornamentais em um tecido, utilizado para este fim, diversos tipos de ferramentas. Autoras: Ingrid & Júlia 5º A Elidiane 5º B
  • 51. Em se tratando de rendas - herança dos portugueses – o Nordeste produz os seguintes tipos: de bilros, labirinto, crochê, irlandesa, renascença e filé. Por outro lado, os bordados mais comuns são: labirinto, ponto-de-cruz, ponto-cheio, rococó, richelieu e redendê. Seguindo uma tradição advinda dos tempos coloniais, as noivas continuam encomendando rendas e peças bordadas para os seus enxovais. Nos municípios de Marechal Deodoro e Pontal da Barra, em Alagoas, as mulheres efetuam bordados sobre o linho branco. Em Caldas de Cipó e Tucano, é possível apreciar a confecção de rendas (de bilros, labirintos e filés). Autora: Rafaela 5º B
  • 53. ENTALHE É A ARTE DE CORTAR OU ENTALHAR A MADEIRA A grande variedade disponível de cores da madeira, desde o branco quase tão claro quanto o marfim, até o negro acetinado da castanheira e do ébano, pode ser explorada com resultados formidáveis.. O entalhe é uma arte amplamente conhecida, tendo atualmente sua melhor expressão na África e a Oceania.na Europa pouco sobrou das obras da Antiguidade, mas no final da Idade Média foi grande o florescimento dessa arte. No interior das igrejas medievais, a habilidade dos entalhadores era apresentada nas belíssimas cadeiras de coro, banco, telas, púlpitos e estantes para leitura.
  • 54. ENTALHE EM MADEIRA Entalhe em madeira é o trabalho artesanal com o propósito de dar vida a um determinado desenho, transformado em alto-relevo. As madeiras mais usadas são as madeiras moles, isto é de mais fácil manusear com ferramentas cortantes. Usa-se para a confecção do trabalho ferramentas encontradas no mercado, mas muitas outras o artesão precisa fabricar conforme sua necessidade. Dentre as encontradas no mercado estão os jogos de formões compostos por 6 peças, 12 peças, e peças avulsas; são goivas, formões, ferra canto e outras peças. Ao contrário da xilogravura onde é feito um entalhe plano, isto é, um baixo-relevo, o alto-relevo deve ser bem pronunciado, envelhecido com betume ou extrato de nogueira para formar a pátina, dando assim maior plasticidade ao trabalho.
  • 55. MADEIRAS MAIS MACIAS Cedro, jaqueira, piqui, pinus (eucalipto). Madeira de Pinho, uma madeira macia
  • 56. MADEIRAS MAIS DURAS Parajú, anjelim pedra, macanaúba , cerejeira, mogno (muito rara). O mogno e a madeira da imbúia e de algumas árvores frutíferas são madeiras boas para principiantes; pode-se também utilizar uma prateleira ou pé de um móvel velho, depois de tirado o verniz ou polimento. As madeiras macias são difíceis de cortar com precisão. Mogno brasileiro
  • 57. O QUE É XILOGRAVURA ? Xilogravura significa gravura em madeira. É uma antiga técnica, de origem chinesa, em que o artesão utiliza um pedaço da madeira para entalhar um desenho, deixando em relevo a parte que pretende fazer a reprodução. Em seguida, utiliza tinta para pintar a parte em relevo do desenho. Na fase final, é utilizado um tipo de prensa para exercer pressão e revelar a imagem no papel ou suporte. Um detalhe importante é que o desenho sai ao contrário do que foi talhado, o que exige um maior trabalho ao artesão.
  • 58. Existem dois tipos de xilogravura: de fio e a xilogravura de topo que se distinguem através da forma como se corta a árvore. Na xilogravura de fio (também conhecida como madeira à veia ou madeira deitada) a árvore é cortada no sentido do crescimento, longitudinal; na xilografia de topo (ou madeira em pé) a árvore é cortada no sentido transversal ao tronco.
  • 59. A xilogravura também tem sido gravada em peças de azulejo, reproduzindo desenhos de menor dimensão. Esta é uma das técnicas que o artesão pernambucano Severino Borges, tem utilizado em seus trabalhos. Autoras : Izabela & Kaylanne 5º B
  • 60. ENTALHANDO MADEIRA A arte de entalhar madeira é uma manifestação cultural que herdamos dos nossos índios que trabalhavam a madeira para utilizá-la na construção de armas,utensílios embarcações, Instrumentos musicais, máscaras e bonecos. Os artesãos atuais juntaram à técnica indígena as demais trazidas pelo negro europeu, ambos formadores do povo brasileiro. O Rio Grande do Norte tem uma grande variedade de objetos com função utilitária, feitos de madeira, com técnica rudimentar e tradicional: colheres, conchas, bancos, cabides, pilões, produzidos na sua Autor:Diego, Guilherme, Luigi & Miguel 5º A Leonardo 5º B maioria por artesões anônimos.
  • 61. CLIMA E VEGETAÇÃO DO NORDESTE
  • 62. A seca é um dos principais fatores que marcam a região Nordeste do Brasil A região Nordeste é caracterizada pela seca, provocada por diversos fatores, dentre eles, a localização geográfica. A região está localizada na zona intertropical da Terra, portanto, por causa da quantidade de luz que incide na superfície do local, a temperatura é muito elevada durante o ano todo. Nessa região, as chuvas não são bem distribuídas no decorrer do ano. São identificados três tipos de clima ao longo da região Nordeste: tropical, semiárido e equatorial úmido.
  • 63. Clima Semiárido Presente principalmente na região interior do Nordeste (região do sertão nordestino). É uma área que apresenta temperaturas elevadas quase todo o ano. as chuvas são irregulares e em pouca quantidade (de 300 a 500 mm por ano). A umidade também é muito baixa, tornando o clima seco. É comum ocorrer a ausência de chuvas por vários meses. É a área onde ocorre a conhecida Seca do Nordeste, que leva muitos prejuízos, principalmente, para a agricultura e pecuária da região do sertão.
  • 64. Clima Tropical Ocorre principalmente no sul da Bahia, centro do Maranhão e no litoral de todos os estados da região. Esse tipo de clima apresenta duas estações bem definidas, sendo uma seca e uma chuvosa .
  • 65. Clima equatorial úmido É identificado em uma restrita área da região localizada a oeste do Maranhão que sofre influência do clima equatorial, com temperaturas elevadas e chuvas abundantes .
  • 66. Quanto à cobertura vegetal, a região apresenta várias configurações. Ao longo das áreas litorâneas, são encontradas mangues, vegetação de dunas etc. Em locais que ocorre o clima tropical, como no centro oeste na região, é encontrado o Cerrado. Nas regiões onde prevalece o clima semiárido encontra-se a Caatinga. No extremo da região Nordeste, onde o clima é o equatorial, a vegetação encontrada é a floresta Amazônica, além da ocorrência de Mata dos Cocais.
  • 67. Curiosidade Cabaceiras, localizada no interior da Paraíba, é a cidade mais seca do Brasil. O índice pluviométrico da cidade fica em torno de 300 mm anuais. É comum estiagens por até 9 meses. Autoras: Maria Clara, Larissa, Sthepany & Vitória 5 º A Manoela & Tainara 5º B
  • 68. Vegetação da Região Nordeste A Região Nordeste do Brasil é a terceira maior região (por extensão territorial, cerca de 1.558.196 km2 ) do país, constituída por nove estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, e Sergipe. A capital brasileira foi muito tempo localizada na região de Salvador, hoje a capital da Bahia e a quarta cidade mais populosa do Brasil.
  • 69. Vegetação A Vegetação é bem diversificada, no litoral encontra-se algumas áreas espalhadas de Mata Atlântica (que já dominou todo o litoral leste brasileiro no passado) o Cerrado visto no centro -oeste da região, indo desde sul do Maranhão até oeste da Bahia,é a famosa vegetação, árvores pequenas e retorcidas. A Caatinga é encontrada no Sertão, dominando a maior parte do nordeste . A Mata dos Cocais fica entre os estados do Maranhão, Piauí, é zona de transição da Amazônia. Caatinga e mangues estão localizados nas regiões litorâneas e, no extremo oeste maranhense, encontramos a Floresta Amazônica .
  • 70. • Mata Atlântica (em pequenas áreas da região próxima ao litoral); • Cerrado (oeste da Bahia e sul do Maranhão); • Caatinga (no sertão nordestino e interior); • Mata dos Cocais (em área do Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte e Ceará).
  • 71. Mata Atlântica Também chamada de floresta tropical úmida de encosta, a Mata Atlântica estende-se originalmente do Rio Grande do Norte até o rio Grande do Sul. Grande parte dos desmatamentos da região Nordeste, ocorreram em função principalmente, da industria açucareira. Foi na Mata Atlântica nordestina que começou o processo de extração do pau-brasil.
  • 72. Mata dos Cocais Formação vegetal de transição entre os climas semi-áridos, equatorial e tropical. As espécies principais são o babacú e a carnaúba. Os estados abrangidos por esse tipo de vegetação são: o Maranhão, Piauí, parte do Ceará e o Tocantins na região norte, menos de 3% da área do Brasil.
  • 73. Cerrado Ocupa 25%do território brasileiro, mas no Nordeste só abrange sul do estado do Maranhão e oeste da Bahia. Apresenta árvores de baixo parte, no chão é coberto por gramíneas, uma espécie de grama, e apresenta um solo de alta acidez.
  • 74. Caatinga Vegetação típica do Sertão, suas principais espécies são: a pereira, aroera cavelas e cactáceas. É uma formação de vegetais xerófitos (vegetais de regiões secas), mas é muito rica ecologicamente.
  • 75. Principais espécies vegetais da Caatinga • Palma; • Xique xique; • Aroeira; • Umbuzeiro; • Caróa; • Juazeiro; • Mandacaru; • Cacto.
  • 76. Vegetação Litorânea e Mata Ciliares Por último, mas não menos importante. Na categoria da vegetação litorânea podemos incluir os mangues. É riquíssima no ecossistema local, moradia e reprodução dos caranguejos, e importante para a preservação de rios e lagoas. Também podemos incluir as restingas e as dunas que são cenários bem conhecidos no Nordeste.
  • 77. Já as Matas Ciliares ou Matas Galerias são comuns em regiões de Cerrado, mas também podem ser vistas na Zona da Mata. São pequenas florestas que acompanham as margens dos rios, onde existe maior concentração de materiais orgânicos no solo, funcionam como uma proteção para os rios e mares. Autores: Israel,Victor, Giovana & Isabelly 5º A
  • 78. EDIÇÃO: Informática Educativa – Prof.º Ivan Sacramento REALIZAÇÃO: Emef Prof.ª “Ruth Garrido Roque” - Secretaria Municipal de Educação de Santa Bárbara d’oeste AGRADECIMENTOS: Aos professores: Lilia, Elvira, Alessandra, Francieli (Ed. Física) diretora Márcia, à coordenadora Célia, aos pais e alunos dos 5ºs anos A e B da Emef Prof.ª “Ruth Garrido Roque”.