SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Em cada hemisfério verifica-se a existência de baixas pressões junto ao equador e nas médias e altas latitudes (próximo dos pólos).<br />Assim temos :<br />Baixas pressões equatoriais;<br />Baixas pressões subpolares.<br />As baixas pressões equatoriais tem uma origem termodinâmica( apesar de predominar a dinâmica) devido:<br />Á convergência dos ventos alísios vindos dos anticiclones subtropicais (origem dinâmica) .<br />Ás elevadas temperaturas que provocam a dilatação do ar que o tornam mais leve (origem térmica).<br />As baixas pressões subpolares <br />Tem origem na convergência  do ar quente dos anticiclones subtropicais e do ar frio das altas pressões polares.<br />As faixas de alta pressão correspondem à cintura de altas pressões subtropicais e à cintura das altas pressões polares.<br />As altas pressões subtropicais <br />Tem uma origem dinâmica- resultam da subsidência do ar em altitude .<br />Altas pressões polares<br />Tem uma origem térmica – resultam do intenso arrefecimento do ar em contacto com o solo gelado.<br />Esquema do movimento do ar e dos centros barométricos à superfície e em latitude:<br />Na circulação geral da atmosfera os movimentos de ar à superfície são compensados por movimentos contrários em altitude e às baixas pressões à superfície correspondem altas pressões em altitude e vice-versa.<br />Região intertropical:<br />O ar divergente a partir dos anticiclones subtropicais vai convergir nas faixas de baixas pressões equatoriais.<br />Surgem os ventos alísios quentes e secos com direcção constante (NE-SO Hemisfério Norte e SE-NO hemisfério Sul.).<br />A convergência dos alísios à superfície dá origem a uma superfície de descontinuidade (convergência intertropical – CIT) .<br />Quando os alísios dos dois hemisférios enfraquecem (sobretudo no verão) não chegam a entrar em contacto – surgindo entre eles uma zona de calma atmosférica – as calmas  equatoriais ou doldruns.<br />As convergências dos alísios:<br />Reforçada pelas elevadas temperaturas provoca divergência do ar em altitude originando uma corrente contrária- os contra-alísios que acabam por subsidir formando à superfície os anticiclone subtropicais.<br />Provocam em cada hemisfério o surgimento dos ventos de oeste ( dominantes em Portugal) que se deslocam para a região das baixas pressões subpolares. Em altitude estes ventos são dominados de jet-stream (correntes de jacto).<br />Das altas pressões polares para as baixas pressões subpolares deslocam-se os ventos de este essencialmente frios e secos.<br />As massas de ar :<br />Massa de ar é uma grande proporção de ar da troposfera que tem as mesmas propriedades físicas (temperatura, densidade,humidade e pressão).<br />As massas de ar tem características das regiões de origem, assim temos:<br />As massas de ar equatoriais;<br />As massas de ar tropical;<br />As massas de ar polares.<br />Ao longo do seu percurso as massas de ar passam por regiões com determinadas características.<br />Se a massa de ar é formada sobre a superfície oceânica onde a evaporação é muito elevada a massa de ar vai ser muito húmida- massa de ar marítima.<br />Se a massa de ar é formada sobre o continente é relativamente seca – massa de ar continental.<br />Do mesmo modo a massa de ar pode ser quente ou fria.<br />As características de uma massa de ar não são constantes.<br />Assim:<br />Uma massa de ar fria ao passar por uma superfície mais quente aquece;<br />Uma massa de ar quente ao passar por uma superfície mais fria , arrefece.<br />Uma massa de ar marítimo ao permanecer vários dias sobre o continente acaba por perder humidade tornando-se mais seca;<br />Uma massa de ar continental ao passar pelo oceano adquire humidade.<br />Da conjugação dos dois elementos do clima (temperatura e humidade) resultam quatro tipos de massas de ar:<br />Massa de ar tropical marítimo (TM);<br />Massa de ar tropical continental ( TC);<br />Massa de ar polar marítimo (PM);<br />Massa de ar polar continental (PC);<br />Devido à sua latitude Portugal sofre a influência mais directa das seguintes massas de ar :<br />A massa de ar frio polar – que se forma nas altas latitudes junto aos pólos e nas regiões subpolares;<br />A massa de ar quente tropical – que se forma junto ao equador ou nas regiões subtropicais e tropicais.<br />
Em cada hemisfério verifica
Em cada hemisfério verifica
Em cada hemisfério verifica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsIlda Bicacro
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferakarolpoa
 
Perturbação frontal final (1)
Perturbação frontal final (1)Perturbação frontal final (1)
Perturbação frontal final (1)Carlos Ferreira
 
O CLIMA - Meio Natural 9º
O CLIMA - Meio Natural 9ºO CLIMA - Meio Natural 9º
O CLIMA - Meio Natural 9ºVictor Veiga
 
Atmosfera e-a-radiacao-solar
Atmosfera e-a-radiacao-solarAtmosfera e-a-radiacao-solar
Atmosfera e-a-radiacao-solarze almeida
 
A temperatura e a sua variação
A temperatura e a sua variaçãoA temperatura e a sua variação
A temperatura e a sua variaçãocolegiomb
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestresmargaridabt
 
Balanço de Energia na Terra
Balanço de Energia na TerraBalanço de Energia na Terra
Balanço de Energia na TerraPibid Física
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografiacesanto
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climasGoreti Carvalho
 
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoMassas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoelsaki72
 
2 recursos do-subsolo-aguaspptx
2 recursos do-subsolo-aguaspptx2 recursos do-subsolo-aguaspptx
2 recursos do-subsolo-aguaspptxIlda Bicacro
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsIlda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarRaffaella Ergün
 
Superfícies frontais
Superfícies frontaisSuperfícies frontais
Superfícies frontaisacbaptista
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosTânia Baptista
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricoselsaki72
 
Variação diurna da temperatura
Variação diurna da temperaturaVariação diurna da temperatura
Variação diurna da temperaturarmmpr
 

Mais procurados (20)

Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Perturbação frontal final (1)
Perturbação frontal final (1)Perturbação frontal final (1)
Perturbação frontal final (1)
 
O CLIMA - Meio Natural 9º
O CLIMA - Meio Natural 9ºO CLIMA - Meio Natural 9º
O CLIMA - Meio Natural 9º
 
Atmosfera e-a-radiacao-solar
Atmosfera e-a-radiacao-solarAtmosfera e-a-radiacao-solar
Atmosfera e-a-radiacao-solar
 
A temperatura e a sua variação
A temperatura e a sua variaçãoA temperatura e a sua variação
A temperatura e a sua variação
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
 
Balanço de Energia na Terra
Balanço de Energia na TerraBalanço de Energia na Terra
Balanço de Energia na Terra
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climas
 
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoMassas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
 
2 recursos do-subsolo-aguaspptx
2 recursos do-subsolo-aguaspptx2 recursos do-subsolo-aguaspptx
2 recursos do-subsolo-aguaspptx
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
Superfícies frontais
Superfícies frontaisSuperfícies frontais
Superfícies frontais
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricos
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
Temperatura
TemperaturaTemperatura
Temperatura
 
Variação diurna da temperatura
Variação diurna da temperaturaVariação diurna da temperatura
Variação diurna da temperatura
 

Semelhante a Em cada hemisfério verifica

recursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docrecursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docAida Cunha
 
Geografia a 10ºano
Geografia a   10ºanoGeografia a   10ºano
Geografia a 10ºanoMissManson
 
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricosLiliana Silva
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Google
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosProfessor
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptAntonioCarlos151949
 
ppt geografia 2010 - clima
ppt geografia 2010 - climappt geografia 2010 - clima
ppt geografia 2010 - climaGustavo Tannus
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilCarson Souza
 
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.Conceição Fontolan
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosETEC de Barueri
 
3.Factores Climáticos
3.Factores Climáticos3.Factores Climáticos
3.Factores ClimáticosMayjö .
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7marciotecsoma
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarcaduisolada
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosRaffaella Ergün
 

Semelhante a Em cada hemisfério verifica (20)

recursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docrecursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).doc
 
Geografia a 10ºano
Geografia a   10ºanoGeografia a   10ºano
Geografia a 10ºano
 
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
Estado de tempo
Estado de tempoEstado de tempo
Estado de tempo
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
 
ppt geografia 2010 - clima
ppt geografia 2010 - climappt geografia 2010 - clima
ppt geografia 2010 - clima
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
CLIMA : FATORES E OS ELEMENTOS CLIMÁTICOS.
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
3.Factores Climáticos
3.Factores Climáticos3.Factores Climáticos
3.Factores Climáticos
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7
 
Climatologia 2008
Climatologia 2008Climatologia 2008
Climatologia 2008
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 

Mais de Thepatriciamartins12 (19)

Arte e conhecimento - filosofia
Arte e  conhecimento - filosofiaArte e  conhecimento - filosofia
Arte e conhecimento - filosofia
 
Irs
IrsIrs
Irs
 
impostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continentalimpostos aplicados em portugal continental
impostos aplicados em portugal continental
 
Mini trampolim (este sim está correcto o outro estava incompleto)
Mini trampolim (este sim está correcto o outro estava incompleto)Mini trampolim (este sim está correcto o outro estava incompleto)
Mini trampolim (este sim está correcto o outro estava incompleto)
 
Renascimento - História
Renascimento - HistóriaRenascimento - História
Renascimento - História
 
Glossário da Pesca
Glossário da PescaGlossário da Pesca
Glossário da Pesca
 
A actividade piscatória
A actividade piscatóriaA actividade piscatória
A actividade piscatória
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
 
Resumo geografia (2)
Resumo geografia (2)Resumo geografia (2)
Resumo geografia (2)
 
Factores explicativos
Factores explicativosFactores explicativos
Factores explicativos
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Milagrário pessoal
Milagrário pessoalMilagrário pessoal
Milagrário pessoal
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Recursos hídricos patrícia , rute & susana
Recursos hídricos   patrícia , rute & susanaRecursos hídricos   patrícia , rute & susana
Recursos hídricos patrícia , rute & susana
 
GESTÃO DA ÁGUA
 GESTÃO DA ÁGUA GESTÃO DA ÁGUA
GESTÃO DA ÁGUA
 
Disponibilidades hdricas patrcia e roberto
Disponibilidades hdricas  patrcia e robertoDisponibilidades hdricas  patrcia e roberto
Disponibilidades hdricas patrcia e roberto
 
RECURSOS DO SUBSOLO
RECURSOS DO SUBSOLORECURSOS DO SUBSOLO
RECURSOS DO SUBSOLO
 
Freguesia de troviscoso
Freguesia de troviscosoFreguesia de troviscoso
Freguesia de troviscoso
 
Biografía DE MELENDI
Biografía DE MELENDIBiografía DE MELENDI
Biografía DE MELENDI
 

Em cada hemisfério verifica

  • 1. Em cada hemisfério verifica-se a existência de baixas pressões junto ao equador e nas médias e altas latitudes (próximo dos pólos).<br />Assim temos :<br />Baixas pressões equatoriais;<br />Baixas pressões subpolares.<br />As baixas pressões equatoriais tem uma origem termodinâmica( apesar de predominar a dinâmica) devido:<br />Á convergência dos ventos alísios vindos dos anticiclones subtropicais (origem dinâmica) .<br />Ás elevadas temperaturas que provocam a dilatação do ar que o tornam mais leve (origem térmica).<br />As baixas pressões subpolares <br />Tem origem na convergência do ar quente dos anticiclones subtropicais e do ar frio das altas pressões polares.<br />As faixas de alta pressão correspondem à cintura de altas pressões subtropicais e à cintura das altas pressões polares.<br />As altas pressões subtropicais <br />Tem uma origem dinâmica- resultam da subsidência do ar em altitude .<br />Altas pressões polares<br />Tem uma origem térmica – resultam do intenso arrefecimento do ar em contacto com o solo gelado.<br />Esquema do movimento do ar e dos centros barométricos à superfície e em latitude:<br />Na circulação geral da atmosfera os movimentos de ar à superfície são compensados por movimentos contrários em altitude e às baixas pressões à superfície correspondem altas pressões em altitude e vice-versa.<br />Região intertropical:<br />O ar divergente a partir dos anticiclones subtropicais vai convergir nas faixas de baixas pressões equatoriais.<br />Surgem os ventos alísios quentes e secos com direcção constante (NE-SO Hemisfério Norte e SE-NO hemisfério Sul.).<br />A convergência dos alísios à superfície dá origem a uma superfície de descontinuidade (convergência intertropical – CIT) .<br />Quando os alísios dos dois hemisférios enfraquecem (sobretudo no verão) não chegam a entrar em contacto – surgindo entre eles uma zona de calma atmosférica – as calmas equatoriais ou doldruns.<br />As convergências dos alísios:<br />Reforçada pelas elevadas temperaturas provoca divergência do ar em altitude originando uma corrente contrária- os contra-alísios que acabam por subsidir formando à superfície os anticiclone subtropicais.<br />Provocam em cada hemisfério o surgimento dos ventos de oeste ( dominantes em Portugal) que se deslocam para a região das baixas pressões subpolares. Em altitude estes ventos são dominados de jet-stream (correntes de jacto).<br />Das altas pressões polares para as baixas pressões subpolares deslocam-se os ventos de este essencialmente frios e secos.<br />As massas de ar :<br />Massa de ar é uma grande proporção de ar da troposfera que tem as mesmas propriedades físicas (temperatura, densidade,humidade e pressão).<br />As massas de ar tem características das regiões de origem, assim temos:<br />As massas de ar equatoriais;<br />As massas de ar tropical;<br />As massas de ar polares.<br />Ao longo do seu percurso as massas de ar passam por regiões com determinadas características.<br />Se a massa de ar é formada sobre a superfície oceânica onde a evaporação é muito elevada a massa de ar vai ser muito húmida- massa de ar marítima.<br />Se a massa de ar é formada sobre o continente é relativamente seca – massa de ar continental.<br />Do mesmo modo a massa de ar pode ser quente ou fria.<br />As características de uma massa de ar não são constantes.<br />Assim:<br />Uma massa de ar fria ao passar por uma superfície mais quente aquece;<br />Uma massa de ar quente ao passar por uma superfície mais fria , arrefece.<br />Uma massa de ar marítimo ao permanecer vários dias sobre o continente acaba por perder humidade tornando-se mais seca;<br />Uma massa de ar continental ao passar pelo oceano adquire humidade.<br />Da conjugação dos dois elementos do clima (temperatura e humidade) resultam quatro tipos de massas de ar:<br />Massa de ar tropical marítimo (TM);<br />Massa de ar tropical continental ( TC);<br />Massa de ar polar marítimo (PM);<br />Massa de ar polar continental (PC);<br />Devido à sua latitude Portugal sofre a influência mais directa das seguintes massas de ar :<br />A massa de ar frio polar – que se forma nas altas latitudes junto aos pólos e nas regiões subpolares;<br />A massa de ar quente tropical – que se forma junto ao equador ou nas regiões subtropicais e tropicais.<br />