SlideShare uma empresa Scribd logo
CADERNOS AVANÇADOS DE
                          EGIPTOLOGIA ESOTÉRICA


              CADERNO I – INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DAS
                             ESCOLAS HAT-NÉTER

I – INTRODUÇÃO BÁSICA


  De todas as culturas tradicionais da antigüidade, o Egito foi a civilização que por mais
tempo preservou uma Simbologia Esotérica autêntica, acessível aos estudantes do
Conhecimento Iniciático Primordial.
  Desde as culturas neolíticas do Vale do Nilo, a simbologia esteve ligada às Práticas
Magistas Rituais e ao Desenvolvimento da Percepção Hiper-Sensorial das Energias
Invisíveis. Todos os Símbolos Hieráticos criados pelos sacerdotes Hemu-Neteru
descreviam as diversas formas de Percepção e Contrôle da HIKE (“O PODER”), que é a
Força Vital Cósmica da Natureza, a Energia Hiperfísica conhecida Modernamente como
BIOPLASMA AMBIENTAL ou ECOBIOPLASMA (TAMBÉM CONHECIDA COMO:
PRANA (SÂNSCRITO), MANA (POLINÉSIO), C’HI (CHINÊS), AITHER (GREGO), AOR
(HEBREU), NWYR (CÉLTICO), ETC...)
  A HIKE é uma energia sutil, invisível e intangível, existente em todos os Reinos
Ambientais da Natureza (MINERAL, VEGETAL E ANIMAL) e do Cosmo (ESPAÇO
SIDERAL LIVRE, PLANETAS, ESTRÊLAS, ETC...). Os textos esotéricos egípcios
descrevem que a HIKE penetra em todos os objetos materiais e dá origem aos KAS
(CORPOS BIOENERGÉTICOS) de todos os seres vivos.
  O objetivo principal dos Sacerdotes Hemu-Neteru sempre foi a captação, a
transmutação e aplicação prática das Energias HIKE em todas as áreas da atividade:
NOS RITOS REGILIOSOS, NAS ARTES, NA ARQUITETURA, NA MEDICINA E NA
ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA. Dentro da Cosmovisão Metafísica do Egito, não havia
separação entre as atividades materiais e as atividades espirituais: Tudo era sagrado,
tudo era divino, tudo eram apenas manifestações setoriais da grande MAAT Universal.
As Práticas Ritualisticas de Contrôle Paranormal da HIKE denominavam-se de HIKE-
NETERU (“O PODER DOS DEUSES), que constituíam uma ampla e integrativa Disciplina
Magista de Conhecimento, que abrangia ao mesmo tempo a Filosofia, a Arte, a Ciência e
a Religião Egípcia. Nos desenhos abaixo, mostramos alguns dos significados metafísicos
da palavra “HIKE-NETERU” na Linguagem Hioroglífica:




                         HIKE = A “FORÇA”, O “PODER” ⇒ Energia Universal, Cósmica e
                                                             todos os Reinos da Natureza.
                         NETERU = “DEUSES”                 ⇒ inteligências Energéticas de
                                                             Outras    Dimensões,  que
                                                             dirigem as Forças HIKE da
                                                             Natureza.


  A palavra Hike-Neteru possuía o significado de “Ciência Divina da Energia” referindo-se
à todos os conhecimentos hiperfísicos transmitidos pelo Neteru aos seus sacerdotes. A
Hike-Neteru abrangia as mesmas técnicas de estudo e controle da biopsico-energia
humana que o misticismo suppyya dos hititas, o Taoísmo da China Antiga, a Maha-Vidya
da Índia Védica e a Alta Magia Barutu da Suméria.

II – O ENSINO SACERDOTAL NAS ESCOLAS HAT-NÉTER


  Os Magos e Magas-Sacerdotisas aprendiam a Hije-Neteru desde a infância, quando
eram preparados nos KEP (“Casa das Crianças”) para tornarem-se Sensitivos e
Mediunizadores Naturais. Somente aos 15 anos de idade ingressavam nas HAT-NÉTER
(As “Casas dos Deuses” ou NETERHET), onde recebiam as primeiras iniciações do
Treinamento Hemu-Neteru.
  As HAT-NÉTER atuavam como verdadeiras Escolas Esotéricas Iniciáticas, onde os
Jovens Sacerdotes eram Admitidos em belíssimas cerimônias ritualísticas, recebendo os
títulos sagrados de Web (“Puro”) ou Webit (“Pura”), simbolizando a pureza corporal e
espiritual que os novos discípulos deviam manter dentro das “Casas dos Deuses”.
  O Treinamento Sacerdotal Hemu-Neteru baseavam-se num longo e rigoroso sistema
educacional, com ensinamentos sobre Filosofia Metafísica, Cosmologia, Meditação,
Magia Ritual, Arte, Ecologia e Medicina; e que duravam de 10 a 30 anos de
autodesenvolvimento intelectual, moral e místico-devocional.
  As HAT-NÉTER funcionavam como Comunidade Monásticas Autosubsistentes, como
templos, oficinas artesanais, bibliotecas e condomínios residenciais próprios, anexados à
vastas propriedades agrícolas para o plantio de Flores, Arvores Frutíferas, Legumes e
Cereais utilizados na alimentação dos Sacerdotes Web e seus Mestre-Instrutores. Nesse
sentido, as HAT-NÈTER possuíam o mesmo sistema de organização que os E-Gal
sumerianos, Os Ashrams indus e Os Ming-Tang chineses, visto todos possuírem o
mesmo Conhecimento Esotérico Primordial, Transcultural e Atemporal.
  As HAT-NÉTER mais antigas do Egito foram criadas pelas Irmandades Xamânicas de
Sacerdotisas da Grande Deusa-Mãe (Ísis-Neith-Nut) que protegia e propiciava a
fertilidade agrícola das terras banhadas pelo Rio Nilo. As Sacerdotisas da Deusa
realizavam – durante todo o Período Pré-Dinástico – belíssimos Festivais Mágicos
Coletivos de Fertilidade, com Cerimônias Agrícolas, Danças Celebrativas e Ritos Sexuais
Sagrados que visavam a harmonia energética das Populações com as forças elementais
do Nilo.
  Com o surgimento da Realiza Solar dos Faraós, as HAT-NÉTER passaram ao contrôle
dos Príncipes Tini Tas e Menfitas, que difundiram as Escolas por todas as regiões do Alto
e do Baixo Egito, implantando-as solidamente nas cidades-estados de Mênphis,
Heliópolis, Tebas, Hermópolis, Abidos e Edfu; além de expandirem e ampliarem as HAT-
NÉTER originais de Denderah (Tentyris), Kopos, Bubastis, Saís, Bouto e Nekheb.
  Durante a Evolução História das Dinastias Faraônicas, as HAT-NÉTER cresceram e
desenvolveram-se intensamente sob o patrocínio Real, expandindo seus territórios
agrícolas e construindo Templos de grande beleza e magestade arquitetônica. A partir do
Médio Império, as Escolas Sacerdotais foram se especializando na adoração de
determinados NETERU ou grupos combinátorios de 3, 7, 9 ou 12 Divindades, ou de
determinadas Ciências, Artes ou ramos setoriais do conhecimento sacerdotal. Muitas
vezes, durante as épocas de crises políticas, guerras e fases de imperialismo militar, as
HAT-NÉTER entraram em confronto direto com as classes militares egípcias, mas esse
confronto nunca chegou ao nível da violência contra os Sacerdotes nem à destruição dos
Templos e Propriedades das Escolas, que eram extremamente respeitadas e amadas
pela população egípcia.
As HAT-NÉTER só enfrentaram dificuldades verdadeiras a partir das Invasões Núbio-
Sudanesas (de 946 A.C. em diante), e principalmente, em 663 A.C., quando o Império
Assírio invadiu o Egito e destruiu implacavelmente os Templos sagrados de Tebas e
Mênphis, queimando suas bibliotecas, arrasando suas plantações e escravizando em
massas a classe sacerdotal. Os Hemu-Neteru e as Hemet-Néter sobreviventes fugiram
para os Centros Iniciáticos secretos existentes no Mediterrâneo (Grécia, Creta), Pérsia
(Écbatana, Bactriana) e Índia (Vale do Indo, Cachemira), onde preservaram diversos
manuscritos sagrados em segurança, até à época das Invasões Islâmicas (quando os
manuscritos seriam reunidos novamente na biblioteca sagrada de Al •Aziz, no Cairo).
Mesmo depois da destruição de suas principais bibliotecas e Templos sagrados, as HAT-
NÉTER continuaram a transmitir oral e secretamente os Ensinamentos Esotéricos durante
toda à Época Helenística e Romana, transformando a cidade de Alexandria na Nova
“Cidade Mística dos Deuses”. Em Alexandria, os sacerdotes Hemu-Neteru e as
sacerdotisas Hemet-Néter promoveram a fusão entre a milenar Mística Egípcia e a jovem
Filosofia Grego-Romana, fundaram novos Templos para a adoração dos NETERU (O
Serapeion e o Iseu) e planejaram a difusão dos Mistérios Iniciáticos da Grande Mãe Ísis
por todo o mundo helenístico.
  As HAT-NÉTER de Alexandria foram as responsáveis diretas pelos Santuários de Ísis
erigidos na Grécia (Atenas, Delos) e em Roma (Campo de Marte); além de serem as
inspiradoras da Literatura Greco-Egípcia do Corpus Hermeticum e outros textos
Hermetistas dos sec. II e III D.C. (baseados nas SB’YT – “Instruções de Sabedoria”,
utilizadas para a educação dos Web desde o Antigo Império).
  Com o início das violentas e fanáticas perseguições dos Cristãos Coptas à todos os
cultos pagãos em Alexandria, (que culminaram com a destruição da Grande Biblioteca do
Serapeion em 411 D.C.), as Escolas Esotéricas Egípcias transferiram novamente
centenas de manuscritos e textos sagrados para os Centros Iniciáticos da Pérsia e da
Ásia central, pois o Império Romano estava desmoronando diante das invasões bárbaras.
A Idade Antiga chegava ao seu melancólico fim e as trevas aproximavam-se rapidamente,
não apenas para o Egito, mas para toda a Cultura Mediterrânea ocidental.
III – AS ESCOLAS HAT-NÉTER NO EGITO MUÇULMANO


  Foi somente depois da invasão do Egito pelo General Árabe AMR-IBN-AL-ÃS, a partir
de 640 D.C., que as Escolas HAT-NÉTER puderam retornar à sua terra natal, trazendo de
volta centenas de textos sagrados e instrumentos mágicos cerimoniais que estavam
guardados na Pérsia, desde as invasões assírias de 663 A.C. Como o Islamismo era uma
religião extremamente tolerante em relação aos “Povos dos Livros”, as Escolas HAT-
NÉTER “converteram-se” a fé muçulmana e reconquistaram novamente a sua liberdade
de organização e ensino sacerdotal, sob o pagamento dos Impostos Djizya (individual) e
Kharadj (territorial) às autoridades muçulmanas de Fostãt.
  Apesar de “convertidos” oficialmente ao Islamismo, os Sacerdotes Hemu-Neteru e as
Sacerdotistas Hemet-Néter continuaram praticando em segredo os Rituais milenares de
adoração dos deuses Egípcios, sem serem reprimidos pelos invasores muçulmanos.
Logo, as Escolas HAT-NÉTER descobriram que dentro da Religião Islâmica também
existiam inúmeras Sociedades Secretas Árabes que praticavam Rituais Mágicos: As
Ordens Sufistas dos Dervixes e Os Cultos Djinnistas da Arábia do Sul. Entretanto em
contato e fazendo Alianças Políticas com as Ordens Secretas Árabes, as Escolas HAT-
NÉTER conseguiram implantar-se, novamente em todo o território egípcio e reativar os
seus Centros de geoenergia sagrada de Tebas, Mênphis, Heliópolis e Hermópolis, que
tinham sido profanados pelos cristãos Coptas Ortodoxos.
  Em conjunto com os Sufis Árabes, os sábios Hemu-Neteru promoveram a tradução dos
textos sagrados Am-Duat e Per-Em-Hru para a Língua Árabe, além dos principais textos
Gnósticos, Neo-platônicos e Hermetistas dos sec. I, II e III D.C.. Promoveram, também, a
produção de dezenas de textos metafísicos de altíssimo nível conhecidos como “OS
LIVROS SECRETOS DE EL-ZHAT”, que ensinavam diversas técnicas de transformação
da Energética Humana. Nestes textos, os Sufis e os Hemu-Neteru utilizaram pela primeira
vez uma linguagem simbólica para codificar profundos processos de alteração da
Bioenergia Corporal e da Mente Humana, como


     1 – EL-ZHAR ou EL-DHAT – A “Pedra Oculta”, A “Pedra Secreta” –
         (A Essência Espiritual Interna do Homem)
     2 – AMAL – “Trabalho”, “Obra” –
         (Os Processos de Transmutação da Consciência Humana)
3 – KIBRIT – “O Enxofre” –
         (A Energia Vital Corporal)
     4 – MILH – “O Sal” –
         (A Energias Emocionais Humanas)
     5 – ZIBAQ – “O Mercúrio” –
         (A Energia Mental Humana)


  Esses conceitos simbólicos eram na verdade a adaptação das Técnicas Meditativas de
HIKE-NETERU      para   a   cultura   e   a   Língua   Árabe,   que   foram   desenvolvidas
sistematicamente pelos Mestres Sufis JAFAR SADIQ, O VI IMÃ (700-765), JABAR IBN
EL-HAYYAN (721-790), O “ALQUIMISTA”, e principalmente, DHU’L-NUN AL-MISRT
(796-861), o Principal Unificador entre o Sufismo Árabe e o Esoterismo nativo do Egito
DHUL-NUN foi um dos maiores gênios metafísicos da Idade Média e o criador do conceito
de MARIFAT (Gnosis) dentro da Teologia Muçulmana.
  A difusão de manuscritos incompletos e de traduções imprecisas para o Latim e o
Hebraico dos Livros Secretos de EL-ZHAT e das obras de JABIR ocasionou grande
confusão nos Centros de estudos metafísicos da Europa Medieval. A simbologia utilizada
pelas Escolas Egípcias foi totalmente distorcida, levando muito filósofos a interpretarem
os termos KIBRIT, MULH e ZIBAQ, com elementos químicos materiais e o conceito de
AMAL como “Operações Químicas ou Metalúrgicas”. Pior do que isso, porém, foi a
interpretação errônea do conceito de AL-KHYMIA, que estratificou-se na imaginação
européia como “Ciência Mágica da Transmutação Metálica”.
  Na verdade, todos os símbolos e palavras técnicas divulgadas nos Livros Secretos de
EL-ZHAT eram apenas antiquíssimos conceitos da língua camítica nativa traduzidos para
o Árabe, como mostramos abaixo:


     1 - EI-ZHAT = EL-DHAT = DUAT –


  Tradução Árabe da palavra Camítica DUAT, denominação da região do Mundo
Espiritual situada no interior da Terra. Tecnicamente, referia-se às práticas de meditação
contidas no Livro AM-DUAT ou SHAT-AM-DUAT que levavam o Ser à Transcender os
Estados Parapsicológicos do pós-morte. Essas técnicas eram métodos de interiorização
mística para o contato com AMON-RÁ - a luz pura supracelestial do AMENTI.
2 – AMAL = AMEN-ALU = AMEN-AAHLU


     Tradução Árabe de 2 palavras compostas Camíticas:
     A - AMEN - 0 "Oculto"- Título sagrado do Deus AMON-RA.
     B - AAHLU - Os 2 primeiros níveis dos Universos suprafisicos celestiais do AMENTI.
  Essas 2 palavras formavam o conceito de Evolução ou Ascenção Espiritual Cíclica da
Consciência Humana através dos diversos níveis dimensionais do AAHLU, até atingir a
Mente Cósmica de AMON, o "Deus Oculto", a Luz Divina Universal.


     3 - KIBRIT - KAIBIT –


     Tradução Árabe da palavra Carmítica KAIBIT, que significava um dós níveis
Bioenergéticos Vitais do KA - o Corpo Bioplásmico Humano.
     A palavra cação da Energia Corporal dos sacerdotes, atravês de Jejuns especiais,
Massagens e Exercícios Ginásticos Sagrados.


     4 - MILH = MILN = MIN –


     Tradução Árabe da palavra MIN, nome da Divindade Neteru das Cidades de Koptos
e Akhmin. Referia-se às técnicas de Sensibilização das emoções e da Sexualidade,
praticadas pelas Escolas Esotéricas nos ritos de adoração à MIN, o Deus do prazer e da
alegria. Essas técnicas faziam parte da NEK-NÉTER, a Magia Sexual Egípcia, treinada
pelos casais nos festivais sagrados Mineanos e Hathorianos.


     5 - ZIBAQ = ZAB-AK = AB-AKHU –


     Tradução de outra palavra composta, formada por:
     A - AB - Energia do Coração.
     B - AKHU - Inteligência Espiritual, Mente Supraracional.
     É um termo técnico que refere-se às práticas Meditativas de ativação do Centro
Bioenergético do Coração, em harmonia com as Energias Mentais Superiores do Ser,
despertando sentimentos e pensamentos de alta vibração. É um dos níveis mais elevados
da Meditação ABSEKHEM Egípcia, praticada pelos sacerdotes em Retiros Monásticos.


     6 - AL-KHYMIA = KHEMI = TA-KEMET –


     Tradução Árabe da palavra TA-KEMET (a "Terra Negra"), nome nativo camítico do
Egito. Para os Sacerdotes HEMU-NETERU, essa palavra possuía inúmeros significados
Metafisicos e Teológicos.
     TA-KEMET referia-se, antes de tudo, à todas as Energias Ecológicas existentes no
fértil solo negro do Nilo (minerais, vegetais e animais) que eram estudadas por percepção
paranormal pelos sacerdotes. Referia-se também, à toda a Harmonia Energética existente
entre o Homem, a Natureza e o Rio Nilo, harmonia que só os agricultores egípcios que
viviam ali há milênios podiam compreender e preservar.
     TA-KEMET, portanto, era o profundo Amor e União Mística que o Homem egípcio
tinha por sua Terra, o Solo Sagrado dos Deuses, "A Pupila Negra" do Olho de AMON-RA,
o "Corpo ressucitado e imortal* de Osíris.
     Assim, devido à estas interpretações distorcidas das palavras-símbolo divulgadas
pelos Livros Secretos de EL-ZHAT, diversos filósofos e eruditos europeus começaram a
divulgar a notícia de que no Egito Muçulmano viviam magos fabulosos que faziam
experiências químicas com metais e podiam transformar chumbo ou ferro em ouro puro.
Em menos de 1 século, surgiu uma vasta literatura medieval versando sobre teorias e
práticas metalúrgicas de transmutação metálica (escritas tanto por místicos europeus
quanto por intelectuais árabes desatentos) amplamente comercializada pelos livreiros
venezianos e pelo famoso livreiro IBN SURAH do Cairo.
     As Escolas HAT-NÉTER do Egito, surpresas com a repercussão que a AL-KHYMIA
provocou no Mundo Ocidental, começaram a produzir Textos Alquímicos com mensagens
criptográficas, escritas (e distribuídas pela Biblioteca Esotérica de AL-AZIZ do Cairo)
propositadamente para os Círculos Intelectuais Espanhóis, Italianos e Franceses. Essa
Estratégia deu início à uma grande produção e troca de manuscritos alquímicos entre o
Egito e a Europa onde os sacerdotes HEMU-NETERU procuravam explicar os
verdadeiros significados energéticos do ENXOFRE, do SAL e do MERCÚRIO, e as
autênticas técnicas para a Transmutação do PLUMBUS no AURUM SPIRITUALIS interior.
Esses contatos foram intermediados pelas Escolas Sufistas AL-BANNA ( A “ORDEM DOS
DERVIXES CONSTRUTORES”) criada por DHUL-NUN ALMIRST; AHMADIA (criada pelo
mestre SUFI AHMAD-AL-BADAVI no séc. 13 d. c.) e SHARAVIA (criada pelo mestre
SHARANI – 1492 - 1565 que eram os Colégios Filosóficos “Externos" das Escolas
Esotéricas HAT-NÉTER do Cairo.
     Esse intercâmbio filosófico atingiu o seu clímax durante e após à Renascença
Italiana, com a publicação de grandes tratados de ALQUIMIA ESPIRITUAL escritos por
PARACELSUS, MARCILIO FICINO, CORNÉLIO AGRIPA, PICO DELLA MIRANDOLA,
JOHN DEE, FRANCISCO PATRIZI e GIORDANO BRUNO. Além disso, a tradução e a
impressão dos antigos textos Greco-egípcios dos sec. I e II (CORPUS HERMETICUM,
ASCLEPIUS, LIBER SACER HERMETIS e IÇORÉ KOSMOU) provocaram intenso debate
nos meios acadêmicos e Neoplatônicos europeus sobre a Metafisica e a Cultura da antiga
Civilização Egípcia. 0 Simbolismo Esotérico Egípcio influenciou profundamente os
símbolos originais do Rosacrucianismo, da Maçonaria Operativa e do Hermetismo Místico
Francês, sincretizados com antigos símbolos iniciáticos Druídicos e Odinistas das antigas
religiões pré-cristãs da Europa.
     Após esse clímax de entendimento e diálogo mútuo, as relações entre o Egito e a
Europa foram distanciando-se rapidamente, devido aos conflitos crescentes do Islamismo
com a igreja Católica e com o Imperialismo colonial francês e inglês na África do Norte.
Por outro lado, o surgimento das doutrinas filosóficas racionalistas e intelectualistas
européias (a Maçonaria Especulativa, o liuminismo Francês, etc ... ) colocaram uma
barreira ideológica muito forte entre os intuitivos Sacerdotes Egípcios e os Ocultistas
Pragmáticos do Ocidente.
     Apesar disso, diversos Centros de Estudos Metafisicos da Europa continuaram a
manter um intercâmbio filosófico e iniciático com as Escolas HAT-NÉTER do Cairo até os
dias atuais. Entre esses centros, os mais importantes são:
     I - As Lojas Francesas e Italianas da Maçonaria Egípcia fundada pelo Mestre
Giuseppe Balsamo, o Conde de Caglíostro;
     II - 0 Círculo Interno dos Iluminados da Baviera fundado pelo Mestre Adam
Weishaupt, o Rex Iliuminati Aeropagitus Supremmus, que sobreviveu à violentíssima
perseguição inquisitorial do governo Bávaro em 1785;
     III - 0 Círculo Interno da R.R.A.C. – Rosa Rubia et Aurea Crucis – fundado pelos
Mestres Mac Gregor Mathers, W.R. Woodman, A.F.A. Woodford e Winn Wescott, que
sobreviveu à dissolução da Golden Ddawn Inglesa no final do séc. 19;
IV - 0 Círculo Interno da Silver Star ("Estrela de Prata") fundada pelo Mestre
Supremo Aleister Crowley para o Renascimento da Religião Cósmica-Estelar de Hórus;
     V - A Fraternidade Hermética de Luxor, fundada pelos Sumo-Sacerdotes Hemu-Net
os iniciados Hermetistas para preservar a Tradição Hermética Alexandrina.
     Durante mais de 6.000 anos, as Escolas HAT-NÉTER concentraram os seus
ensinamentos iniciáticos no Território Egípcio e nas Regiões vizinhas do Mediterrâneo e
do Oriente Médio, tomando-se as "Centrais Energéticas" propulsoras do Desenvolvimento
Cultural e Espiritual dessas Civilizações Tradicionais.
     As Escolas HAT-NÉTER conseguiram manter a sua independência e o seu Ensino
Sacerdotal dentro da Religião Islâmica desde a chegada dos invasores árabes em 640
D.C., tomando-se os "Centros Invisíveis" de Dinamização Espiritual do Sufismo Sunita e
Fatímida do Cairo.
     A partir do início do século XX, porém, os Mestres HEMU-NETERU perceberam que
a Religião lslâmica Ortodoxa estava entrando numa fase de degeneração filosófica e
radicalismo    político,   criando   diversos   obstáculos   culturais   e   jurídicos   para   o
funcionamento normal das Escolas HAT-NÉTER.
  A partir da Segunda Guerra Mundial, principalmente, os líderes islâmicos; Ortodoxos do
Cairo começaram a proibir as reuniões das Ordens Sufis; AL-BANNA e AHMADIA e
inviabilizar a realização dos rituais iniciáticos NETERU; classificando-os como "Heresias"
e “Blasfêmias" ao Monoteísmo revelado do ALCORÃO. 0 lslãm, que por mais de 13
séculos protegera o misticismo nativo do Egito, agora tornava-se a sua prisão e o seu
Tribunal Inquisitorial.
     Devido a isso, o Supremo Conselho Iniciático (0 UNUYT MYBT) de todas as HAT-
NÉTER do Egito decidiu transferir a organização e o ensinamento tradicional das Escolas
para as grandes cidades do Ocidente, onde havia um Sistema Democrático de Liberdade
Religiosa e Tolerância Filosófica diante do Esoterismo Antigo.
     Assim, a partir de 1945 diversos mestres egípcios viajaram para os E.U.A., as
Américas e a Europa levando consigo documentos, manuais iniciáticos, textos sagrados e
objetos mágicos cerimoniais para fundação das primeiras comunidades sacerdotais
HEMU-NETERU fora do Egito nos últimos 1.000 anos (as últimas haviam sido fundadas
na Espanha Sarracena e em Bagdad, no auge cultural do Império Árabe Muçulmano).
     Os primeiros núcleos de sacerdotes estabeleceram-se nas grandes cidades
européias (Londres, Lisboa, Madrid, Paris, Bonn) e norte-americanas (São Francisco, Los
Angeles, Nova York, Chicago, Miami), atuando como comerciantes de arte egípcia,
Tradutores de Hieróglifos, professores de língua árabe e Mestres Espirituais de Misticismo
Sufi.
        Aos poucos, os Mestres HEMU-NETERU foram adaptando para a Cultura Ocidental
o antiquíssimo sistema de educação oral mestre-discipulo utilizado nas HAT-NETER
Tradicionais do Cairo e de Alexandria.
        Os primeiros Mestres HEMU-NETERU da América do Sul chegaram ao Brasil em
1958, estabelecendo-se entre as Colônias Árabes Muçulmanas de São Paulo e do Rio de
Janeiro.
        Desde a sua chegada, os Mestres perceberam extra-sensorialmente que o Brasil
seda a principal nação destinada a restaurar as "Cidades Sagradas dos Deuses" devido
ao seu vasto território (ainda virgem e inexplorado) e à sua grande miscigenação
étnico-religiosa.
        Brasília, nova capital do país, foi desde a sua fundação profundamente influenciada
pelos Mestres Sufis da Ordem AL-BANNA (Os Dervixes Construtores), que inspiraram as
concepções dos arquitetos, engenheiros e Urbanistas Brasileiros.
        A Arquitetura de Brasília é, sem dúvida, baseada em Idéias Estéticas nitidamente
Egípcias, ou mais especificamente, "Atoníarias” (inspiradas pela arquitetura sagrada da
cidade de Akhetaton, atual Tell-Amama).
        Depois   de   30   anos   de   adaptação   no   Território   Brasileiro,   os   Mestres
HEMU-NETERU planejaram a Criação das Comunidades MAAT, concebidas para serem
Grandes Comunidades Ecológicas Rurais onde o Sistema Educacional Iniciático das
HAT-NÉTER possa ser restaurado em sua pureza original.
        Nessas Universidades Místicas, os Mestres HEMU-NETERU irão inclusive restaurar
a antiga ciência arquitetônica egípcia, baseada na captação das energias HIKE
ambientais e das HIKE-PER-MER ("Energias Piramidais das Formas”).
        Previstas para serem construídas nos grandes polos ecológicos do Brasil, as
Comunidades MAAT deverão ser autênticas Universidades Monásticas Sagradas, onde
Homens e Mulheres possam dedicarem-se (em tempo integral) às técnicas meditativas
egípcias, à arte e à medicina energética Sunu, plantando e cultivando o próprio alimento e
vivendo comunitariamente em harmonia com a natureza (“Nos braços da Grande-Mãe
Isis").
Leonardo de Albuquerque
                      Artista Plástico e Pesquisador
                 das Tradições Xamânicas Neo-Pagãs.


                      A∴ A∴ ASTRUM AURUM –
                  ORDO THEOKOSMICAE MYSTICAE
                            UNIVERSALLIS


                    Ate.ier Leonardo de Albuquerque
Av. Independencia 448 – Bairro Independência – Porto Alegre – RS – Brasil
 Sede Campestre: R Luís Otávio 311 – Belém Velho – Rincão – Poa – RS

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Bolo
BoloBolo
Ah! ... O Amor
Ah! ... O AmorAh! ... O Amor
Ah! ... O Amor
JNR
 
Cpm
CpmCpm
Punta Del Este
Punta Del EstePunta Del Este
Punta Del Este
guestca6c6f
 
Tecnic basicas cuenta-mohos-levaduras-6530
Tecnic basicas cuenta-mohos-levaduras-6530Tecnic basicas cuenta-mohos-levaduras-6530
Tecnic basicas cuenta-mohos-levaduras-6530
Starlin Morillo
 
Caderniño especial do Grupo literario "Leiras Pulepiro" no xornal Mondoñedo
Caderniño especial do Grupo literario "Leiras Pulepiro" no xornal MondoñedoCaderniño especial do Grupo literario "Leiras Pulepiro" no xornal Mondoñedo
Caderniño especial do Grupo literario "Leiras Pulepiro" no xornal Mondoñedo
Fran Bouso
 
21_05_2012
21_05_201221_05_2012
21_05_2012
Ricardo Pastore
 
Carlos Paiva - Coesão Social Atrave‚s do Fortalecimento das Cadeias Produtivas
Carlos Paiva - Coesão Social Atrave‚s do Fortalecimento das Cadeias ProdutivasCarlos Paiva - Coesão Social Atrave‚s do Fortalecimento das Cadeias Produtivas
Carlos Paiva - Coesão Social Atrave‚s do Fortalecimento das Cadeias Produtivas
Fundação de Economia e Estatística
 
Que Importa
Que ImportaQue Importa
Que Importa
JNR
 
Zergatik da horren eraginkorra finlandiako hezkuntza sistema
Zergatik da horren eraginkorra finlandiako hezkuntza sistemaZergatik da horren eraginkorra finlandiako hezkuntza sistema
Zergatik da horren eraginkorra finlandiako hezkuntza sistema
bashirlazahar
 
Ultima InspiraçAo
Ultima InspiraçAoUltima InspiraçAo
Ultima InspiraçAo
JNR
 
Sustentacion Proyecto 2
Sustentacion Proyecto 2Sustentacion Proyecto 2
Sustentacion Proyecto 2
barb4
 
Regime...
Regime...Regime...
Regime...
JNR
 
Reclamacoes
ReclamacoesReclamacoes
Reclamacoes
JNR
 
PYMES_AGUAS
PYMES_AGUASPYMES_AGUAS
PYMES_AGUAS
Alina Carrion
 
Presentación identidades en la si
Presentación identidades en la siPresentación identidades en la si
Presentación identidades en la si
Eduardo Rojas
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
paiping
 
Imágenes
ImágenesImágenes
Imágenes
yseniam
 

Destaque (20)

Bolo
BoloBolo
Bolo
 
Ah! ... O Amor
Ah! ... O AmorAh! ... O Amor
Ah! ... O Amor
 
Cpm
CpmCpm
Cpm
 
Punta Del Este
Punta Del EstePunta Del Este
Punta Del Este
 
Tecnic basicas cuenta-mohos-levaduras-6530
Tecnic basicas cuenta-mohos-levaduras-6530Tecnic basicas cuenta-mohos-levaduras-6530
Tecnic basicas cuenta-mohos-levaduras-6530
 
Caderniño especial do Grupo literario "Leiras Pulepiro" no xornal Mondoñedo
Caderniño especial do Grupo literario "Leiras Pulepiro" no xornal MondoñedoCaderniño especial do Grupo literario "Leiras Pulepiro" no xornal Mondoñedo
Caderniño especial do Grupo literario "Leiras Pulepiro" no xornal Mondoñedo
 
21_05_2012
21_05_201221_05_2012
21_05_2012
 
Carlos Paiva - Coesão Social Atrave‚s do Fortalecimento das Cadeias Produtivas
Carlos Paiva - Coesão Social Atrave‚s do Fortalecimento das Cadeias ProdutivasCarlos Paiva - Coesão Social Atrave‚s do Fortalecimento das Cadeias Produtivas
Carlos Paiva - Coesão Social Atrave‚s do Fortalecimento das Cadeias Produtivas
 
Que Importa
Que ImportaQue Importa
Que Importa
 
Zergatik da horren eraginkorra finlandiako hezkuntza sistema
Zergatik da horren eraginkorra finlandiako hezkuntza sistemaZergatik da horren eraginkorra finlandiako hezkuntza sistema
Zergatik da horren eraginkorra finlandiako hezkuntza sistema
 
Ultima InspiraçAo
Ultima InspiraçAoUltima InspiraçAo
Ultima InspiraçAo
 
Sustentacion Proyecto 2
Sustentacion Proyecto 2Sustentacion Proyecto 2
Sustentacion Proyecto 2
 
Regime...
Regime...Regime...
Regime...
 
J. dimitrov(1920)
J. dimitrov(1920)J. dimitrov(1920)
J. dimitrov(1920)
 
Gatinho
GatinhoGatinho
Gatinho
 
Reclamacoes
ReclamacoesReclamacoes
Reclamacoes
 
PYMES_AGUAS
PYMES_AGUASPYMES_AGUAS
PYMES_AGUAS
 
Presentación identidades en la si
Presentación identidades en la siPresentación identidades en la si
Presentación identidades en la si
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
 
Imágenes
ImágenesImágenes
Imágenes
 

Semelhante a Egiptologia HistóRia Das Escolas Hat NéTer

AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdfAULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
GarantiaCorujonda
 
MAGIA
MAGIAMAGIA
AULA 2_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 2_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdfAULA 2_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 2_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
GarantiaCorujonda
 
Reiki01
Reiki01Reiki01
Reiki01
lilianehenz
 
Arte egípcia: o sonho pela eternidade, deuses e funções. parte 2
Arte egípcia: o sonho pela eternidade, deuses e funções.   parte 2Arte egípcia: o sonho pela eternidade, deuses e funções.   parte 2
Arte egípcia: o sonho pela eternidade, deuses e funções. parte 2
Professor Gilson Nunes
 
Egito Antigo e Sua História
Egito Antigo e Sua HistóriaEgito Antigo e Sua História
Egito Antigo e Sua História
Uninassau
 
História-Darlene-6º6 (11).docx
História-Darlene-6º6 (11).docxHistória-Darlene-6º6 (11).docx
História-Darlene-6º6 (11).docx
DarleneSC1
 
A doutrina secreta
A doutrina secreta A doutrina secreta
A doutrina secreta
Manoel Souza
 
Imaginario simbolico da criação
Imaginario simbolico da criaçãoImaginario simbolico da criação
Imaginario simbolico da criação
INSS
 
Mysteria (Portugues)
Mysteria (Portugues)Mysteria (Portugues)
Mysteria (Portugues)
Joel Ruocco
 
Trabalho de artes - Egito
Trabalho de artes - EgitoTrabalho de artes - Egito
Trabalho de artes - Egito
Iury Bissoli
 
História do antigo Egito
História do antigo EgitoHistória do antigo Egito
História do antigo Egito
Augusto Fiuza
 
As origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipciaAs origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipcia
luciana branca silveira lopes
 
Teoria da mediunidade
Teoria da mediunidadeTeoria da mediunidade
Teoria da mediunidade
Ponte de Luz ASEC
 
A educação na antiguidade - Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
A educação na antiguidade -  Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...A educação na antiguidade -  Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
A educação na antiguidade - Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
Alexandre Salvador
 
A Arte da Invocação
A Arte da InvocaçãoA Arte da Invocação
A Arte da Invocação
RODRIGO ORION
 
02 mediunidade na antiguidade
02  mediunidade na antiguidade02  mediunidade na antiguidade
02 mediunidade na antiguidade
Antonio SSantos
 
A filosofia hermética
A filosofia herméticaA filosofia hermética
A filosofia hermética
Arão Zuconelli
 
Trabalho MòNica 16 09 2009
Trabalho MòNica 16 09 2009Trabalho MòNica 16 09 2009
Trabalho MòNica 16 09 2009
Ricardo
 
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPciaAs Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
JNR
 

Semelhante a Egiptologia HistóRia Das Escolas Hat NéTer (20)

AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdfAULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
 
MAGIA
MAGIAMAGIA
MAGIA
 
AULA 2_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 2_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdfAULA 2_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 2_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
 
Reiki01
Reiki01Reiki01
Reiki01
 
Arte egípcia: o sonho pela eternidade, deuses e funções. parte 2
Arte egípcia: o sonho pela eternidade, deuses e funções.   parte 2Arte egípcia: o sonho pela eternidade, deuses e funções.   parte 2
Arte egípcia: o sonho pela eternidade, deuses e funções. parte 2
 
Egito Antigo e Sua História
Egito Antigo e Sua HistóriaEgito Antigo e Sua História
Egito Antigo e Sua História
 
História-Darlene-6º6 (11).docx
História-Darlene-6º6 (11).docxHistória-Darlene-6º6 (11).docx
História-Darlene-6º6 (11).docx
 
A doutrina secreta
A doutrina secreta A doutrina secreta
A doutrina secreta
 
Imaginario simbolico da criação
Imaginario simbolico da criaçãoImaginario simbolico da criação
Imaginario simbolico da criação
 
Mysteria (Portugues)
Mysteria (Portugues)Mysteria (Portugues)
Mysteria (Portugues)
 
Trabalho de artes - Egito
Trabalho de artes - EgitoTrabalho de artes - Egito
Trabalho de artes - Egito
 
História do antigo Egito
História do antigo EgitoHistória do antigo Egito
História do antigo Egito
 
As origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipciaAs origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipcia
 
Teoria da mediunidade
Teoria da mediunidadeTeoria da mediunidade
Teoria da mediunidade
 
A educação na antiguidade - Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
A educação na antiguidade -  Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...A educação na antiguidade -  Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
A educação na antiguidade - Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
 
A Arte da Invocação
A Arte da InvocaçãoA Arte da Invocação
A Arte da Invocação
 
02 mediunidade na antiguidade
02  mediunidade na antiguidade02  mediunidade na antiguidade
02 mediunidade na antiguidade
 
A filosofia hermética
A filosofia herméticaA filosofia hermética
A filosofia hermética
 
Trabalho MòNica 16 09 2009
Trabalho MòNica 16 09 2009Trabalho MòNica 16 09 2009
Trabalho MòNica 16 09 2009
 
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPciaAs Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
 

Mais de JNR

Ainda tomaremos um cafe juntos
Ainda tomaremos um cafe juntosAinda tomaremos um cafe juntos
Ainda tomaremos um cafe juntos
JNR
 
O voo
O vooO voo
O voo
JNR
 
Compromisso
CompromissoCompromisso
Compromisso
JNR
 
7 encontro propaganda, promoção e rp
7 encontro propaganda, promoção e rp7 encontro propaganda, promoção e rp
7 encontro propaganda, promoção e rp
JNR
 
O voo
O vooO voo
O voo
JNR
 
Tormentas
TormentasTormentas
Tormentas
JNR
 
Sapatos sujos
Sapatos sujosSapatos sujos
Sapatos sujos
JNR
 
O misterio das coisas
O misterio das coisasO misterio das coisas
O misterio das coisas
JNR
 
é Loucura
é Loucuraé Loucura
é Loucura
JNR
 
Amizade jb
Amizade jbAmizade jb
Amizade jb
JNR
 
Caminhos e escolhas
Caminhos e escolhasCaminhos e escolhas
Caminhos e escolhas
JNR
 
Ciclos em nossas vidas
Ciclos em nossas vidasCiclos em nossas vidas
Ciclos em nossas vidas
JNR
 
A felicidade e uma viagem e nao um destino
A felicidade e uma viagem e nao um destinoA felicidade e uma viagem e nao um destino
A felicidade e uma viagem e nao um destino
JNR
 
O amor e o tempo
O amor e o tempoO amor e o tempo
O amor e o tempo
JNR
 
Avos
AvosAvos
Avos
JNR
 
Relacionamentos
RelacionamentosRelacionamentos
Relacionamentos
JNR
 
A coragem e a vontade
A coragem e a vontadeA coragem e a vontade
A coragem e a vontade
JNR
 
O amor e o tempo
O amor e o tempoO amor e o tempo
O amor e o tempo
JNR
 
Caminhos e escolhas
Caminhos e escolhasCaminhos e escolhas
Caminhos e escolhas
JNR
 
Muitas vidas muitos mestres
Muitas vidas muitos mestresMuitas vidas muitos mestres
Muitas vidas muitos mestres
JNR
 

Mais de JNR (20)

Ainda tomaremos um cafe juntos
Ainda tomaremos um cafe juntosAinda tomaremos um cafe juntos
Ainda tomaremos um cafe juntos
 
O voo
O vooO voo
O voo
 
Compromisso
CompromissoCompromisso
Compromisso
 
7 encontro propaganda, promoção e rp
7 encontro propaganda, promoção e rp7 encontro propaganda, promoção e rp
7 encontro propaganda, promoção e rp
 
O voo
O vooO voo
O voo
 
Tormentas
TormentasTormentas
Tormentas
 
Sapatos sujos
Sapatos sujosSapatos sujos
Sapatos sujos
 
O misterio das coisas
O misterio das coisasO misterio das coisas
O misterio das coisas
 
é Loucura
é Loucuraé Loucura
é Loucura
 
Amizade jb
Amizade jbAmizade jb
Amizade jb
 
Caminhos e escolhas
Caminhos e escolhasCaminhos e escolhas
Caminhos e escolhas
 
Ciclos em nossas vidas
Ciclos em nossas vidasCiclos em nossas vidas
Ciclos em nossas vidas
 
A felicidade e uma viagem e nao um destino
A felicidade e uma viagem e nao um destinoA felicidade e uma viagem e nao um destino
A felicidade e uma viagem e nao um destino
 
O amor e o tempo
O amor e o tempoO amor e o tempo
O amor e o tempo
 
Avos
AvosAvos
Avos
 
Relacionamentos
RelacionamentosRelacionamentos
Relacionamentos
 
A coragem e a vontade
A coragem e a vontadeA coragem e a vontade
A coragem e a vontade
 
O amor e o tempo
O amor e o tempoO amor e o tempo
O amor e o tempo
 
Caminhos e escolhas
Caminhos e escolhasCaminhos e escolhas
Caminhos e escolhas
 
Muitas vidas muitos mestres
Muitas vidas muitos mestresMuitas vidas muitos mestres
Muitas vidas muitos mestres
 

Egiptologia HistóRia Das Escolas Hat NéTer

  • 1. CADERNOS AVANÇADOS DE EGIPTOLOGIA ESOTÉRICA CADERNO I – INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DAS ESCOLAS HAT-NÉTER I – INTRODUÇÃO BÁSICA De todas as culturas tradicionais da antigüidade, o Egito foi a civilização que por mais tempo preservou uma Simbologia Esotérica autêntica, acessível aos estudantes do Conhecimento Iniciático Primordial. Desde as culturas neolíticas do Vale do Nilo, a simbologia esteve ligada às Práticas Magistas Rituais e ao Desenvolvimento da Percepção Hiper-Sensorial das Energias Invisíveis. Todos os Símbolos Hieráticos criados pelos sacerdotes Hemu-Neteru descreviam as diversas formas de Percepção e Contrôle da HIKE (“O PODER”), que é a Força Vital Cósmica da Natureza, a Energia Hiperfísica conhecida Modernamente como BIOPLASMA AMBIENTAL ou ECOBIOPLASMA (TAMBÉM CONHECIDA COMO: PRANA (SÂNSCRITO), MANA (POLINÉSIO), C’HI (CHINÊS), AITHER (GREGO), AOR (HEBREU), NWYR (CÉLTICO), ETC...) A HIKE é uma energia sutil, invisível e intangível, existente em todos os Reinos Ambientais da Natureza (MINERAL, VEGETAL E ANIMAL) e do Cosmo (ESPAÇO SIDERAL LIVRE, PLANETAS, ESTRÊLAS, ETC...). Os textos esotéricos egípcios descrevem que a HIKE penetra em todos os objetos materiais e dá origem aos KAS (CORPOS BIOENERGÉTICOS) de todos os seres vivos. O objetivo principal dos Sacerdotes Hemu-Neteru sempre foi a captação, a transmutação e aplicação prática das Energias HIKE em todas as áreas da atividade: NOS RITOS REGILIOSOS, NAS ARTES, NA ARQUITETURA, NA MEDICINA E NA ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA. Dentro da Cosmovisão Metafísica do Egito, não havia separação entre as atividades materiais e as atividades espirituais: Tudo era sagrado, tudo era divino, tudo eram apenas manifestações setoriais da grande MAAT Universal.
  • 2. As Práticas Ritualisticas de Contrôle Paranormal da HIKE denominavam-se de HIKE- NETERU (“O PODER DOS DEUSES), que constituíam uma ampla e integrativa Disciplina Magista de Conhecimento, que abrangia ao mesmo tempo a Filosofia, a Arte, a Ciência e a Religião Egípcia. Nos desenhos abaixo, mostramos alguns dos significados metafísicos da palavra “HIKE-NETERU” na Linguagem Hioroglífica: HIKE = A “FORÇA”, O “PODER” ⇒ Energia Universal, Cósmica e todos os Reinos da Natureza. NETERU = “DEUSES” ⇒ inteligências Energéticas de Outras Dimensões, que dirigem as Forças HIKE da Natureza. A palavra Hike-Neteru possuía o significado de “Ciência Divina da Energia” referindo-se à todos os conhecimentos hiperfísicos transmitidos pelo Neteru aos seus sacerdotes. A Hike-Neteru abrangia as mesmas técnicas de estudo e controle da biopsico-energia humana que o misticismo suppyya dos hititas, o Taoísmo da China Antiga, a Maha-Vidya da Índia Védica e a Alta Magia Barutu da Suméria. II – O ENSINO SACERDOTAL NAS ESCOLAS HAT-NÉTER Os Magos e Magas-Sacerdotisas aprendiam a Hije-Neteru desde a infância, quando eram preparados nos KEP (“Casa das Crianças”) para tornarem-se Sensitivos e Mediunizadores Naturais. Somente aos 15 anos de idade ingressavam nas HAT-NÉTER (As “Casas dos Deuses” ou NETERHET), onde recebiam as primeiras iniciações do Treinamento Hemu-Neteru. As HAT-NÉTER atuavam como verdadeiras Escolas Esotéricas Iniciáticas, onde os Jovens Sacerdotes eram Admitidos em belíssimas cerimônias ritualísticas, recebendo os títulos sagrados de Web (“Puro”) ou Webit (“Pura”), simbolizando a pureza corporal e espiritual que os novos discípulos deviam manter dentro das “Casas dos Deuses”. O Treinamento Sacerdotal Hemu-Neteru baseavam-se num longo e rigoroso sistema educacional, com ensinamentos sobre Filosofia Metafísica, Cosmologia, Meditação,
  • 3. Magia Ritual, Arte, Ecologia e Medicina; e que duravam de 10 a 30 anos de autodesenvolvimento intelectual, moral e místico-devocional. As HAT-NÉTER funcionavam como Comunidade Monásticas Autosubsistentes, como templos, oficinas artesanais, bibliotecas e condomínios residenciais próprios, anexados à vastas propriedades agrícolas para o plantio de Flores, Arvores Frutíferas, Legumes e Cereais utilizados na alimentação dos Sacerdotes Web e seus Mestre-Instrutores. Nesse sentido, as HAT-NÈTER possuíam o mesmo sistema de organização que os E-Gal sumerianos, Os Ashrams indus e Os Ming-Tang chineses, visto todos possuírem o mesmo Conhecimento Esotérico Primordial, Transcultural e Atemporal. As HAT-NÉTER mais antigas do Egito foram criadas pelas Irmandades Xamânicas de Sacerdotisas da Grande Deusa-Mãe (Ísis-Neith-Nut) que protegia e propiciava a fertilidade agrícola das terras banhadas pelo Rio Nilo. As Sacerdotisas da Deusa realizavam – durante todo o Período Pré-Dinástico – belíssimos Festivais Mágicos Coletivos de Fertilidade, com Cerimônias Agrícolas, Danças Celebrativas e Ritos Sexuais Sagrados que visavam a harmonia energética das Populações com as forças elementais do Nilo. Com o surgimento da Realiza Solar dos Faraós, as HAT-NÉTER passaram ao contrôle dos Príncipes Tini Tas e Menfitas, que difundiram as Escolas por todas as regiões do Alto e do Baixo Egito, implantando-as solidamente nas cidades-estados de Mênphis, Heliópolis, Tebas, Hermópolis, Abidos e Edfu; além de expandirem e ampliarem as HAT- NÉTER originais de Denderah (Tentyris), Kopos, Bubastis, Saís, Bouto e Nekheb. Durante a Evolução História das Dinastias Faraônicas, as HAT-NÉTER cresceram e desenvolveram-se intensamente sob o patrocínio Real, expandindo seus territórios agrícolas e construindo Templos de grande beleza e magestade arquitetônica. A partir do Médio Império, as Escolas Sacerdotais foram se especializando na adoração de determinados NETERU ou grupos combinátorios de 3, 7, 9 ou 12 Divindades, ou de determinadas Ciências, Artes ou ramos setoriais do conhecimento sacerdotal. Muitas vezes, durante as épocas de crises políticas, guerras e fases de imperialismo militar, as HAT-NÉTER entraram em confronto direto com as classes militares egípcias, mas esse confronto nunca chegou ao nível da violência contra os Sacerdotes nem à destruição dos Templos e Propriedades das Escolas, que eram extremamente respeitadas e amadas pela população egípcia.
  • 4. As HAT-NÉTER só enfrentaram dificuldades verdadeiras a partir das Invasões Núbio- Sudanesas (de 946 A.C. em diante), e principalmente, em 663 A.C., quando o Império Assírio invadiu o Egito e destruiu implacavelmente os Templos sagrados de Tebas e Mênphis, queimando suas bibliotecas, arrasando suas plantações e escravizando em massas a classe sacerdotal. Os Hemu-Neteru e as Hemet-Néter sobreviventes fugiram para os Centros Iniciáticos secretos existentes no Mediterrâneo (Grécia, Creta), Pérsia (Écbatana, Bactriana) e Índia (Vale do Indo, Cachemira), onde preservaram diversos manuscritos sagrados em segurança, até à época das Invasões Islâmicas (quando os manuscritos seriam reunidos novamente na biblioteca sagrada de Al •Aziz, no Cairo). Mesmo depois da destruição de suas principais bibliotecas e Templos sagrados, as HAT- NÉTER continuaram a transmitir oral e secretamente os Ensinamentos Esotéricos durante toda à Época Helenística e Romana, transformando a cidade de Alexandria na Nova “Cidade Mística dos Deuses”. Em Alexandria, os sacerdotes Hemu-Neteru e as sacerdotisas Hemet-Néter promoveram a fusão entre a milenar Mística Egípcia e a jovem Filosofia Grego-Romana, fundaram novos Templos para a adoração dos NETERU (O Serapeion e o Iseu) e planejaram a difusão dos Mistérios Iniciáticos da Grande Mãe Ísis por todo o mundo helenístico. As HAT-NÉTER de Alexandria foram as responsáveis diretas pelos Santuários de Ísis erigidos na Grécia (Atenas, Delos) e em Roma (Campo de Marte); além de serem as inspiradoras da Literatura Greco-Egípcia do Corpus Hermeticum e outros textos Hermetistas dos sec. II e III D.C. (baseados nas SB’YT – “Instruções de Sabedoria”, utilizadas para a educação dos Web desde o Antigo Império). Com o início das violentas e fanáticas perseguições dos Cristãos Coptas à todos os cultos pagãos em Alexandria, (que culminaram com a destruição da Grande Biblioteca do Serapeion em 411 D.C.), as Escolas Esotéricas Egípcias transferiram novamente centenas de manuscritos e textos sagrados para os Centros Iniciáticos da Pérsia e da Ásia central, pois o Império Romano estava desmoronando diante das invasões bárbaras. A Idade Antiga chegava ao seu melancólico fim e as trevas aproximavam-se rapidamente, não apenas para o Egito, mas para toda a Cultura Mediterrânea ocidental.
  • 5. III – AS ESCOLAS HAT-NÉTER NO EGITO MUÇULMANO Foi somente depois da invasão do Egito pelo General Árabe AMR-IBN-AL-ÃS, a partir de 640 D.C., que as Escolas HAT-NÉTER puderam retornar à sua terra natal, trazendo de volta centenas de textos sagrados e instrumentos mágicos cerimoniais que estavam guardados na Pérsia, desde as invasões assírias de 663 A.C. Como o Islamismo era uma religião extremamente tolerante em relação aos “Povos dos Livros”, as Escolas HAT- NÉTER “converteram-se” a fé muçulmana e reconquistaram novamente a sua liberdade de organização e ensino sacerdotal, sob o pagamento dos Impostos Djizya (individual) e Kharadj (territorial) às autoridades muçulmanas de Fostãt. Apesar de “convertidos” oficialmente ao Islamismo, os Sacerdotes Hemu-Neteru e as Sacerdotistas Hemet-Néter continuaram praticando em segredo os Rituais milenares de adoração dos deuses Egípcios, sem serem reprimidos pelos invasores muçulmanos. Logo, as Escolas HAT-NÉTER descobriram que dentro da Religião Islâmica também existiam inúmeras Sociedades Secretas Árabes que praticavam Rituais Mágicos: As Ordens Sufistas dos Dervixes e Os Cultos Djinnistas da Arábia do Sul. Entretanto em contato e fazendo Alianças Políticas com as Ordens Secretas Árabes, as Escolas HAT- NÉTER conseguiram implantar-se, novamente em todo o território egípcio e reativar os seus Centros de geoenergia sagrada de Tebas, Mênphis, Heliópolis e Hermópolis, que tinham sido profanados pelos cristãos Coptas Ortodoxos. Em conjunto com os Sufis Árabes, os sábios Hemu-Neteru promoveram a tradução dos textos sagrados Am-Duat e Per-Em-Hru para a Língua Árabe, além dos principais textos Gnósticos, Neo-platônicos e Hermetistas dos sec. I, II e III D.C.. Promoveram, também, a produção de dezenas de textos metafísicos de altíssimo nível conhecidos como “OS LIVROS SECRETOS DE EL-ZHAT”, que ensinavam diversas técnicas de transformação da Energética Humana. Nestes textos, os Sufis e os Hemu-Neteru utilizaram pela primeira vez uma linguagem simbólica para codificar profundos processos de alteração da Bioenergia Corporal e da Mente Humana, como 1 – EL-ZHAR ou EL-DHAT – A “Pedra Oculta”, A “Pedra Secreta” – (A Essência Espiritual Interna do Homem) 2 – AMAL – “Trabalho”, “Obra” – (Os Processos de Transmutação da Consciência Humana)
  • 6. 3 – KIBRIT – “O Enxofre” – (A Energia Vital Corporal) 4 – MILH – “O Sal” – (A Energias Emocionais Humanas) 5 – ZIBAQ – “O Mercúrio” – (A Energia Mental Humana) Esses conceitos simbólicos eram na verdade a adaptação das Técnicas Meditativas de HIKE-NETERU para a cultura e a Língua Árabe, que foram desenvolvidas sistematicamente pelos Mestres Sufis JAFAR SADIQ, O VI IMÃ (700-765), JABAR IBN EL-HAYYAN (721-790), O “ALQUIMISTA”, e principalmente, DHU’L-NUN AL-MISRT (796-861), o Principal Unificador entre o Sufismo Árabe e o Esoterismo nativo do Egito DHUL-NUN foi um dos maiores gênios metafísicos da Idade Média e o criador do conceito de MARIFAT (Gnosis) dentro da Teologia Muçulmana. A difusão de manuscritos incompletos e de traduções imprecisas para o Latim e o Hebraico dos Livros Secretos de EL-ZHAT e das obras de JABIR ocasionou grande confusão nos Centros de estudos metafísicos da Europa Medieval. A simbologia utilizada pelas Escolas Egípcias foi totalmente distorcida, levando muito filósofos a interpretarem os termos KIBRIT, MULH e ZIBAQ, com elementos químicos materiais e o conceito de AMAL como “Operações Químicas ou Metalúrgicas”. Pior do que isso, porém, foi a interpretação errônea do conceito de AL-KHYMIA, que estratificou-se na imaginação européia como “Ciência Mágica da Transmutação Metálica”. Na verdade, todos os símbolos e palavras técnicas divulgadas nos Livros Secretos de EL-ZHAT eram apenas antiquíssimos conceitos da língua camítica nativa traduzidos para o Árabe, como mostramos abaixo: 1 - EI-ZHAT = EL-DHAT = DUAT – Tradução Árabe da palavra Camítica DUAT, denominação da região do Mundo Espiritual situada no interior da Terra. Tecnicamente, referia-se às práticas de meditação contidas no Livro AM-DUAT ou SHAT-AM-DUAT que levavam o Ser à Transcender os Estados Parapsicológicos do pós-morte. Essas técnicas eram métodos de interiorização mística para o contato com AMON-RÁ - a luz pura supracelestial do AMENTI.
  • 7. 2 – AMAL = AMEN-ALU = AMEN-AAHLU Tradução Árabe de 2 palavras compostas Camíticas: A - AMEN - 0 "Oculto"- Título sagrado do Deus AMON-RA. B - AAHLU - Os 2 primeiros níveis dos Universos suprafisicos celestiais do AMENTI. Essas 2 palavras formavam o conceito de Evolução ou Ascenção Espiritual Cíclica da Consciência Humana através dos diversos níveis dimensionais do AAHLU, até atingir a Mente Cósmica de AMON, o "Deus Oculto", a Luz Divina Universal. 3 - KIBRIT - KAIBIT – Tradução Árabe da palavra Carmítica KAIBIT, que significava um dós níveis Bioenergéticos Vitais do KA - o Corpo Bioplásmico Humano. A palavra cação da Energia Corporal dos sacerdotes, atravês de Jejuns especiais, Massagens e Exercícios Ginásticos Sagrados. 4 - MILH = MILN = MIN – Tradução Árabe da palavra MIN, nome da Divindade Neteru das Cidades de Koptos e Akhmin. Referia-se às técnicas de Sensibilização das emoções e da Sexualidade, praticadas pelas Escolas Esotéricas nos ritos de adoração à MIN, o Deus do prazer e da alegria. Essas técnicas faziam parte da NEK-NÉTER, a Magia Sexual Egípcia, treinada pelos casais nos festivais sagrados Mineanos e Hathorianos. 5 - ZIBAQ = ZAB-AK = AB-AKHU – Tradução de outra palavra composta, formada por: A - AB - Energia do Coração. B - AKHU - Inteligência Espiritual, Mente Supraracional. É um termo técnico que refere-se às práticas Meditativas de ativação do Centro Bioenergético do Coração, em harmonia com as Energias Mentais Superiores do Ser,
  • 8. despertando sentimentos e pensamentos de alta vibração. É um dos níveis mais elevados da Meditação ABSEKHEM Egípcia, praticada pelos sacerdotes em Retiros Monásticos. 6 - AL-KHYMIA = KHEMI = TA-KEMET – Tradução Árabe da palavra TA-KEMET (a "Terra Negra"), nome nativo camítico do Egito. Para os Sacerdotes HEMU-NETERU, essa palavra possuía inúmeros significados Metafisicos e Teológicos. TA-KEMET referia-se, antes de tudo, à todas as Energias Ecológicas existentes no fértil solo negro do Nilo (minerais, vegetais e animais) que eram estudadas por percepção paranormal pelos sacerdotes. Referia-se também, à toda a Harmonia Energética existente entre o Homem, a Natureza e o Rio Nilo, harmonia que só os agricultores egípcios que viviam ali há milênios podiam compreender e preservar. TA-KEMET, portanto, era o profundo Amor e União Mística que o Homem egípcio tinha por sua Terra, o Solo Sagrado dos Deuses, "A Pupila Negra" do Olho de AMON-RA, o "Corpo ressucitado e imortal* de Osíris. Assim, devido à estas interpretações distorcidas das palavras-símbolo divulgadas pelos Livros Secretos de EL-ZHAT, diversos filósofos e eruditos europeus começaram a divulgar a notícia de que no Egito Muçulmano viviam magos fabulosos que faziam experiências químicas com metais e podiam transformar chumbo ou ferro em ouro puro. Em menos de 1 século, surgiu uma vasta literatura medieval versando sobre teorias e práticas metalúrgicas de transmutação metálica (escritas tanto por místicos europeus quanto por intelectuais árabes desatentos) amplamente comercializada pelos livreiros venezianos e pelo famoso livreiro IBN SURAH do Cairo. As Escolas HAT-NÉTER do Egito, surpresas com a repercussão que a AL-KHYMIA provocou no Mundo Ocidental, começaram a produzir Textos Alquímicos com mensagens criptográficas, escritas (e distribuídas pela Biblioteca Esotérica de AL-AZIZ do Cairo) propositadamente para os Círculos Intelectuais Espanhóis, Italianos e Franceses. Essa Estratégia deu início à uma grande produção e troca de manuscritos alquímicos entre o Egito e a Europa onde os sacerdotes HEMU-NETERU procuravam explicar os verdadeiros significados energéticos do ENXOFRE, do SAL e do MERCÚRIO, e as autênticas técnicas para a Transmutação do PLUMBUS no AURUM SPIRITUALIS interior. Esses contatos foram intermediados pelas Escolas Sufistas AL-BANNA ( A “ORDEM DOS
  • 9. DERVIXES CONSTRUTORES”) criada por DHUL-NUN ALMIRST; AHMADIA (criada pelo mestre SUFI AHMAD-AL-BADAVI no séc. 13 d. c.) e SHARAVIA (criada pelo mestre SHARANI – 1492 - 1565 que eram os Colégios Filosóficos “Externos" das Escolas Esotéricas HAT-NÉTER do Cairo. Esse intercâmbio filosófico atingiu o seu clímax durante e após à Renascença Italiana, com a publicação de grandes tratados de ALQUIMIA ESPIRITUAL escritos por PARACELSUS, MARCILIO FICINO, CORNÉLIO AGRIPA, PICO DELLA MIRANDOLA, JOHN DEE, FRANCISCO PATRIZI e GIORDANO BRUNO. Além disso, a tradução e a impressão dos antigos textos Greco-egípcios dos sec. I e II (CORPUS HERMETICUM, ASCLEPIUS, LIBER SACER HERMETIS e IÇORÉ KOSMOU) provocaram intenso debate nos meios acadêmicos e Neoplatônicos europeus sobre a Metafisica e a Cultura da antiga Civilização Egípcia. 0 Simbolismo Esotérico Egípcio influenciou profundamente os símbolos originais do Rosacrucianismo, da Maçonaria Operativa e do Hermetismo Místico Francês, sincretizados com antigos símbolos iniciáticos Druídicos e Odinistas das antigas religiões pré-cristãs da Europa. Após esse clímax de entendimento e diálogo mútuo, as relações entre o Egito e a Europa foram distanciando-se rapidamente, devido aos conflitos crescentes do Islamismo com a igreja Católica e com o Imperialismo colonial francês e inglês na África do Norte. Por outro lado, o surgimento das doutrinas filosóficas racionalistas e intelectualistas européias (a Maçonaria Especulativa, o liuminismo Francês, etc ... ) colocaram uma barreira ideológica muito forte entre os intuitivos Sacerdotes Egípcios e os Ocultistas Pragmáticos do Ocidente. Apesar disso, diversos Centros de Estudos Metafisicos da Europa continuaram a manter um intercâmbio filosófico e iniciático com as Escolas HAT-NÉTER do Cairo até os dias atuais. Entre esses centros, os mais importantes são: I - As Lojas Francesas e Italianas da Maçonaria Egípcia fundada pelo Mestre Giuseppe Balsamo, o Conde de Caglíostro; II - 0 Círculo Interno dos Iluminados da Baviera fundado pelo Mestre Adam Weishaupt, o Rex Iliuminati Aeropagitus Supremmus, que sobreviveu à violentíssima perseguição inquisitorial do governo Bávaro em 1785; III - 0 Círculo Interno da R.R.A.C. – Rosa Rubia et Aurea Crucis – fundado pelos Mestres Mac Gregor Mathers, W.R. Woodman, A.F.A. Woodford e Winn Wescott, que sobreviveu à dissolução da Golden Ddawn Inglesa no final do séc. 19;
  • 10. IV - 0 Círculo Interno da Silver Star ("Estrela de Prata") fundada pelo Mestre Supremo Aleister Crowley para o Renascimento da Religião Cósmica-Estelar de Hórus; V - A Fraternidade Hermética de Luxor, fundada pelos Sumo-Sacerdotes Hemu-Net os iniciados Hermetistas para preservar a Tradição Hermética Alexandrina. Durante mais de 6.000 anos, as Escolas HAT-NÉTER concentraram os seus ensinamentos iniciáticos no Território Egípcio e nas Regiões vizinhas do Mediterrâneo e do Oriente Médio, tomando-se as "Centrais Energéticas" propulsoras do Desenvolvimento Cultural e Espiritual dessas Civilizações Tradicionais. As Escolas HAT-NÉTER conseguiram manter a sua independência e o seu Ensino Sacerdotal dentro da Religião Islâmica desde a chegada dos invasores árabes em 640 D.C., tomando-se os "Centros Invisíveis" de Dinamização Espiritual do Sufismo Sunita e Fatímida do Cairo. A partir do início do século XX, porém, os Mestres HEMU-NETERU perceberam que a Religião lslâmica Ortodoxa estava entrando numa fase de degeneração filosófica e radicalismo político, criando diversos obstáculos culturais e jurídicos para o funcionamento normal das Escolas HAT-NÉTER. A partir da Segunda Guerra Mundial, principalmente, os líderes islâmicos; Ortodoxos do Cairo começaram a proibir as reuniões das Ordens Sufis; AL-BANNA e AHMADIA e inviabilizar a realização dos rituais iniciáticos NETERU; classificando-os como "Heresias" e “Blasfêmias" ao Monoteísmo revelado do ALCORÃO. 0 lslãm, que por mais de 13 séculos protegera o misticismo nativo do Egito, agora tornava-se a sua prisão e o seu Tribunal Inquisitorial. Devido a isso, o Supremo Conselho Iniciático (0 UNUYT MYBT) de todas as HAT- NÉTER do Egito decidiu transferir a organização e o ensinamento tradicional das Escolas para as grandes cidades do Ocidente, onde havia um Sistema Democrático de Liberdade Religiosa e Tolerância Filosófica diante do Esoterismo Antigo. Assim, a partir de 1945 diversos mestres egípcios viajaram para os E.U.A., as Américas e a Europa levando consigo documentos, manuais iniciáticos, textos sagrados e objetos mágicos cerimoniais para fundação das primeiras comunidades sacerdotais HEMU-NETERU fora do Egito nos últimos 1.000 anos (as últimas haviam sido fundadas na Espanha Sarracena e em Bagdad, no auge cultural do Império Árabe Muçulmano). Os primeiros núcleos de sacerdotes estabeleceram-se nas grandes cidades européias (Londres, Lisboa, Madrid, Paris, Bonn) e norte-americanas (São Francisco, Los
  • 11. Angeles, Nova York, Chicago, Miami), atuando como comerciantes de arte egípcia, Tradutores de Hieróglifos, professores de língua árabe e Mestres Espirituais de Misticismo Sufi. Aos poucos, os Mestres HEMU-NETERU foram adaptando para a Cultura Ocidental o antiquíssimo sistema de educação oral mestre-discipulo utilizado nas HAT-NETER Tradicionais do Cairo e de Alexandria. Os primeiros Mestres HEMU-NETERU da América do Sul chegaram ao Brasil em 1958, estabelecendo-se entre as Colônias Árabes Muçulmanas de São Paulo e do Rio de Janeiro. Desde a sua chegada, os Mestres perceberam extra-sensorialmente que o Brasil seda a principal nação destinada a restaurar as "Cidades Sagradas dos Deuses" devido ao seu vasto território (ainda virgem e inexplorado) e à sua grande miscigenação étnico-religiosa. Brasília, nova capital do país, foi desde a sua fundação profundamente influenciada pelos Mestres Sufis da Ordem AL-BANNA (Os Dervixes Construtores), que inspiraram as concepções dos arquitetos, engenheiros e Urbanistas Brasileiros. A Arquitetura de Brasília é, sem dúvida, baseada em Idéias Estéticas nitidamente Egípcias, ou mais especificamente, "Atoníarias” (inspiradas pela arquitetura sagrada da cidade de Akhetaton, atual Tell-Amama). Depois de 30 anos de adaptação no Território Brasileiro, os Mestres HEMU-NETERU planejaram a Criação das Comunidades MAAT, concebidas para serem Grandes Comunidades Ecológicas Rurais onde o Sistema Educacional Iniciático das HAT-NÉTER possa ser restaurado em sua pureza original. Nessas Universidades Místicas, os Mestres HEMU-NETERU irão inclusive restaurar a antiga ciência arquitetônica egípcia, baseada na captação das energias HIKE ambientais e das HIKE-PER-MER ("Energias Piramidais das Formas”). Previstas para serem construídas nos grandes polos ecológicos do Brasil, as Comunidades MAAT deverão ser autênticas Universidades Monásticas Sagradas, onde Homens e Mulheres possam dedicarem-se (em tempo integral) às técnicas meditativas egípcias, à arte e à medicina energética Sunu, plantando e cultivando o próprio alimento e vivendo comunitariamente em harmonia com a natureza (“Nos braços da Grande-Mãe Isis").
  • 12. Leonardo de Albuquerque Artista Plástico e Pesquisador das Tradições Xamânicas Neo-Pagãs. A∴ A∴ ASTRUM AURUM – ORDO THEOKOSMICAE MYSTICAE UNIVERSALLIS Ate.ier Leonardo de Albuquerque Av. Independencia 448 – Bairro Independência – Porto Alegre – RS – Brasil Sede Campestre: R Luís Otávio 311 – Belém Velho – Rincão – Poa – RS