SlideShare uma empresa Scribd logo
Dengue Mosquito Dengue: doença fingida Desenvolvimento da doença Febre Hemorrágica A Dengue e o Tempo Sintomas Imunidade By: Sinara Duarte
Mosquito Esse mal é transmitido pelo vírus  Flaviviridae . Doença tem altas chances de cura, mas pode matar. Já é considerada, no Brasil, uma epidemia.  A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é fêmea, pois o macho apenas se alimenta de seivas de plantas. A fêmea precisa de uma substância do sangue (a albumina) para completar o processo de amadurecimento de seus ovos. O mosquito apenas transmite a doença, mas não sofre seus efeitos.  Retornar
Distribuição da dengue 2005 Figura 2 –
Distribuição dengue Brasil
Distribuição da dengue Fortaleza
Dengue: doença fingida Por não ter sintomas específicos, a doença pode ser confundida com várias outras, como leptospirose, sarampo, rubéola. São doenças que provocam febre, prostração, dor de cabeça e dores musculares generalizadas. Um médico consegue, por exames em laboratório, definir a doença e tratá-la corretamente. Retornar
Desenvolvimento da Doença (1). O mosquito infectado pica o homem.  (2). O vírus se dissemina pelo sangue.  (3). Um dos locais preferidos do vírus para se instalar no corpo humano é o tecido que envolve os vasos sangüíneos, chamado retículo-endotelial.  (4). A multiplicação do vírus sobre o tecido que provoca a inflamação dos vasos. O sangue, com isso, circula mais lentamente.  Retornar
Desenvolvimento da doença 5). Como a circulação fica mais lenta, é comum que os líquidos do sangue extravasem dos vasos. O sangue torna-se mais espesso.  (6). O sangue, mais espesso, pode coagular dentro dos vasos provocando trombos (entupimentos). Além disso, a circulação lenta prejudica a oxigenação e nutrição ideal dos órgãos.  (7). Com o tempo, se não houver tratamento específico, pode haver um choque circulatório. O sangue deixa de circular, os órgãos ficam prejudicados e podem parar de funcionar. Isso leva à morte.
Sinais de alerta na dengue Dor abdominal intensa e contínua vômitos persistentes hepatomegalia dolorosa derrames cavitários hipotensão arterial Cianose (pele azulada) Diminuição da pressão diferencia1 hipotensão postural agitação/letargia extremidades frias pulso rápido e fraco diminuição brusca da temperatura e sudorese
Sintomas 99% dos infectados têm febre, que dura cerca de sete dias. Pode ser branda ou muito alta, dependendo do indivíduo e da força do vírus, da virulência. 25% apresentam manchas vermelhas em todo o corpo, as chamadas  exantemas . Como o vírus se instala também próximo aos vasos, é comum estes inflamarem e ficarem evidentes na pele. 50% têm prostração, indisposição. 60% têm dor de cabeça. 50% têm dor atrás do olho. Retornar
Dengue Hemorrágica Em função da inflamação dos vasos (por causa da instalação dos vírus no tecido que os envolve), há um consumo exagerado de plaquetas, pequenos soldados que trabalham contra as doenças. A falta de plaquetas interfere na homeostase do corpo - capacidade de controlar espontaneamente o fluxo de sangue. O organismo passa a apresentar uma forte tendência a ter hemorragias.  Retornar Criança chinesa Vítima da dengue hemorrágica
Cuidados  1 - Se a pessoa tem dengue pela segunda vez (outro tipo de vírus), pode contrair a hemorrágica.  2 - Há quatro sorotipos diferentes de dengue. Um deles, o den2, é o mais intenso. Este tipo pode evoluir para a dengue hemorrágica.  3 - Combinação da seqüência de doença, da força do vírus e da suscetibilidade da pessoa. Se for alguém com Aids, por exemplo, a doença oferece mais riscos.  Conselhos:  Para controlar a febre hemorrágica, aconselha-se tomar muito líquido e evitar medicamentos a base se ácido acetilsalicílico, como Aspirina ou Melhoral.
A Dengue e o Tempo O vírus da dengue precisa de tempo para se manifestar no homem ou mesmo para infectar o mosquito transmissor. A idade ideal do mosquito para transmitir a doença é a partir do 30º dia de vida. O  Aedes  tem um ciclo total de 45 dias.  Uma vez contaminado, o homem demora entre 2 e 15 dias para sentir os sintomas da doença.  Há um período para que o mosquito se contamine ao picar um homem. Vai desde o dia anterior à febre até seis dias depois desta. Fora desse tempo, o mosquito pica e não se contamina.  Depois de picar o homem, só depois de oito dias o  Aedes  consegue contaminar outro homem.  Retornar
Tratamento  Não há tratamento específico, devendo ser administrados sintomáticos, e tratadas as complicações. Nas formas menos graves, o paciente deve permanecer em repouso, em sua residência. A febre e a mialgia devem ser tratadas com paracetamol, ou dipirona. Salicilatos não devem ser usados devido ao risco de acidose e sangramento. A medida mais importante é a hidratação do paciente, por via oral.
Tratamento  Nas formas graves, o paciente deve ser hospitalizado e hidratado por via intravenosa, se necessário levado à Terapia Intensiva para vigilância da evolução e tratamento adequado das complicações.
Imunidade O homem só desenvolve imunidade permanente para o tipo de vírus que contraiu. A doença pode reincidir com outro sorotipo. Essa repetição é a que oferece perigo para a hemorrágica.  Retornar
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dengue simplificado
Dengue simplificadoDengue simplificado
Dengue simplificado
Juracir Bezerra
 
Dengue - Precauções
Dengue - PrecauçõesDengue - Precauções
Dengue - Precauções
Nayara Camila
 
Denguechikungunya luiza marcon
Denguechikungunya luiza marconDenguechikungunya luiza marcon
Denguechikungunya luiza marcon
teresakashino
 
Slide dengue
Slide dengueSlide dengue
Slide dengue
wobetoiara
 
Trabalho da dengue michelle
Trabalho da dengue michelleTrabalho da dengue michelle
Trabalho da dengue michelle
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Bárbara Bezerra
 
O que-é-dengue
O que-é-dengueO que-é-dengue
O que-é-dengue
Caah Pires
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
Néli Freire
 
Trabalho sobre a dengue marcos
Trabalho sobre a dengue marcosTrabalho sobre a dengue marcos
Trabalho sobre a dengue marcos
teresakashino
 
O que é dengue?
O que é dengue?O que é dengue?
O que é dengue?
Mob Dengue Bahia
 
Dengue
DengueDengue
Slides sobre a dengue
Slides sobre a dengueSlides sobre a dengue
Slides sobre a dengue
profsilvanavidal
 
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti MoraisAbordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Professor Robson
 
Dengue controle de aedes na construção civil (apresentação)
Dengue   controle de aedes na construção civil (apresentação)Dengue   controle de aedes na construção civil (apresentação)
Dengue controle de aedes na construção civil (apresentação)
sergiopcr
 
Aula sobre Dengue e sua profilaxia
Aula sobre Dengue e sua profilaxiaAula sobre Dengue e sua profilaxia
Aula sobre Dengue e sua profilaxia
repolicarpo
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
J. C.
 
Slaide sobre dengue e saneamento básico
Slaide sobre dengue  e saneamento básicoSlaide sobre dengue  e saneamento básico
Slaide sobre dengue e saneamento básico
Jully Santos
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
Natália Maciel
 
Dengue
DengueDengue

Mais procurados (19)

Dengue simplificado
Dengue simplificadoDengue simplificado
Dengue simplificado
 
Dengue - Precauções
Dengue - PrecauçõesDengue - Precauções
Dengue - Precauções
 
Denguechikungunya luiza marcon
Denguechikungunya luiza marconDenguechikungunya luiza marcon
Denguechikungunya luiza marcon
 
Slide dengue
Slide dengueSlide dengue
Slide dengue
 
Trabalho da dengue michelle
Trabalho da dengue michelleTrabalho da dengue michelle
Trabalho da dengue michelle
 
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
Dengue "Instituto butantan testará vacina contra dengue em humanos"
 
O que-é-dengue
O que-é-dengueO que-é-dengue
O que-é-dengue
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Trabalho sobre a dengue marcos
Trabalho sobre a dengue marcosTrabalho sobre a dengue marcos
Trabalho sobre a dengue marcos
 
O que é dengue?
O que é dengue?O que é dengue?
O que é dengue?
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Slides sobre a dengue
Slides sobre a dengueSlides sobre a dengue
Slides sobre a dengue
 
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti MoraisAbordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
 
Dengue controle de aedes na construção civil (apresentação)
Dengue   controle de aedes na construção civil (apresentação)Dengue   controle de aedes na construção civil (apresentação)
Dengue controle de aedes na construção civil (apresentação)
 
Aula sobre Dengue e sua profilaxia
Aula sobre Dengue e sua profilaxiaAula sobre Dengue e sua profilaxia
Aula sobre Dengue e sua profilaxia
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
 
Slaide sobre dengue e saneamento básico
Slaide sobre dengue  e saneamento básicoSlaide sobre dengue  e saneamento básico
Slaide sobre dengue e saneamento básico
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 

Destaque

Dengue e Chikungunya
Dengue e ChikungunyaDengue e Chikungunya
Dengue e Chikungunya
Palácio do Planalto
 
Diretrizes para prevenção e controle da dengue
Diretrizes para prevenção e controle da dengueDiretrizes para prevenção e controle da dengue
Diretrizes para prevenção e controle da dengue
adrianomedico
 
Dengue (Ecología y Salud)
Dengue (Ecología y Salud)Dengue (Ecología y Salud)
Dengue (Ecología y Salud)
joshua delgado
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
marioaugusto
 
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 20081227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
Pierre Wagner Santos Silva
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
J. C.
 
Apresentacao Dengue
Apresentacao DengueApresentacao Dengue
Apresentacao Dengue
Claudia Dutra
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
Pianist
 
Cartilha dengue
Cartilha dengueCartilha dengue
Cartilha dengue
Ricardo Valério
 
Dengue Curso Internacional Bh
Dengue   Curso Internacional BhDengue   Curso Internacional Bh
Dengue Curso Internacional Bh
Professor Robson
 
Dengue fique por dentro
Dengue fique por dentroDengue fique por dentro
Dengue fique por dentro
Vera Mln Silva
 
Apresentação dengue
Apresentação dengueApresentação dengue
Apresentação dengue
Zuleica costa
 
Projeto dengue
Projeto dengueProjeto dengue
Projeto dengue
silviassist
 
Palestra de 10 minutos sobre a Dengue
Palestra de 10 minutos sobre a DenguePalestra de 10 minutos sobre a Dengue
Palestra de 10 minutos sobre a Dengue
🎯Renatho Sinuma MBA™®🎓
 
Dengue
DengueDengue
6° ano
6° ano6° ano
1 lista 1 bim 6ano
1 lista 1 bim 6ano1 lista 1 bim 6ano
1 lista 1 bim 6ano
Adriano Capilupe
 
Lista de exercício - Numeral
Lista de exercício - NumeralLista de exercício - Numeral
Lista de exercício - Numeral
Prof Palmito Rocha
 
Slides dengue pdf
Slides dengue pdfSlides dengue pdf
Slides dengue pdf
Michelle Cirilo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
TAS2214
 

Destaque (20)

Dengue e Chikungunya
Dengue e ChikungunyaDengue e Chikungunya
Dengue e Chikungunya
 
Diretrizes para prevenção e controle da dengue
Diretrizes para prevenção e controle da dengueDiretrizes para prevenção e controle da dengue
Diretrizes para prevenção e controle da dengue
 
Dengue (Ecología y Salud)
Dengue (Ecología y Salud)Dengue (Ecología y Salud)
Dengue (Ecología y Salud)
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
 
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 20081227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
1227028202277 dengue capacitação enfermagem novembro 2008
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
 
Apresentacao Dengue
Apresentacao DengueApresentacao Dengue
Apresentacao Dengue
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Cartilha dengue
Cartilha dengueCartilha dengue
Cartilha dengue
 
Dengue Curso Internacional Bh
Dengue   Curso Internacional BhDengue   Curso Internacional Bh
Dengue Curso Internacional Bh
 
Dengue fique por dentro
Dengue fique por dentroDengue fique por dentro
Dengue fique por dentro
 
Apresentação dengue
Apresentação dengueApresentação dengue
Apresentação dengue
 
Projeto dengue
Projeto dengueProjeto dengue
Projeto dengue
 
Palestra de 10 minutos sobre a Dengue
Palestra de 10 minutos sobre a DenguePalestra de 10 minutos sobre a Dengue
Palestra de 10 minutos sobre a Dengue
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
6° ano
6° ano6° ano
6° ano
 
1 lista 1 bim 6ano
1 lista 1 bim 6ano1 lista 1 bim 6ano
1 lista 1 bim 6ano
 
Lista de exercício - Numeral
Lista de exercício - NumeralLista de exercício - Numeral
Lista de exercício - Numeral
 
Slides dengue pdf
Slides dengue pdfSlides dengue pdf
Slides dengue pdf
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 

Semelhante a Projeto Dengue: O LIE em ação

Dengue1
Dengue1Dengue1
O que é a dengue?
O que é a dengue?O que é a dengue?
O que é a dengue?
Wesley Germano Otávio
 
Trabalho dengue (1)
Trabalho dengue (1)Trabalho dengue (1)
Trabalho dengue (1)
lyzandra de camargo
 
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Caderno Especial Dengue - 16/12/2015
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Caderno Especial Dengue - 16/12/2015Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Caderno Especial Dengue - 16/12/2015
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Caderno Especial Dengue - 16/12/2015
Jornal Cidade
 
Aedes Aegypti
Aedes AegyptiAedes Aegypti
Aedes Aegypti
Noraldino Lima
 
Tudo que você precisa saber sobre a dengue
Tudo que você precisa saber sobre a dengueTudo que você precisa saber sobre a dengue
Tudo que você precisa saber sobre a dengue
adrianomedico
 
Tudo sobre dengue
Tudo sobre dengueTudo sobre dengue
Tudo sobre dengue
adrianomedico
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
Adrianne Mendonça
 
6B - Vinnycius
6B - Vinnycius6B - Vinnycius
6B - Vinnycius
viannota
 
6B - Paulo walifer e kaio
6B - Paulo walifer e kaio6B - Paulo walifer e kaio
6B - Paulo walifer e kaio
viannota
 
A dengue.pdf
A dengue.pdfA dengue.pdf
A dengue.pdf
Carlos Ney
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
Rafael Serafim
 
6B - Susana e fernanda1
6B - Susana e fernanda16B - Susana e fernanda1
6B - Susana e fernanda1
viannota
 
Sintomas da dengue
Sintomas da dengueSintomas da dengue
Sintomas da dengue
adrianomedico
 
Virus da dengue
Virus da dengue Virus da dengue
Virus da dengue
Vinicius Sousa
 
Apresentacao dengue
Apresentacao dengueApresentacao dengue
Apresentacao dengue
lucialuziamarly
 
O que é dengue
O que é dengueO que é dengue
O que é dengue
Kamilla Souza
 
Dengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaDengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael Costa
Ismael Costa
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
LauraMarques72
 
Mpdf
MpdfMpdf
Mpdf
catagerio
 

Semelhante a Projeto Dengue: O LIE em ação (20)

Dengue1
Dengue1Dengue1
Dengue1
 
O que é a dengue?
O que é a dengue?O que é a dengue?
O que é a dengue?
 
Trabalho dengue (1)
Trabalho dengue (1)Trabalho dengue (1)
Trabalho dengue (1)
 
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Caderno Especial Dengue - 16/12/2015
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Caderno Especial Dengue - 16/12/2015Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Caderno Especial Dengue - 16/12/2015
Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Caderno Especial Dengue - 16/12/2015
 
Aedes Aegypti
Aedes AegyptiAedes Aegypti
Aedes Aegypti
 
Tudo que você precisa saber sobre a dengue
Tudo que você precisa saber sobre a dengueTudo que você precisa saber sobre a dengue
Tudo que você precisa saber sobre a dengue
 
Tudo sobre dengue
Tudo sobre dengueTudo sobre dengue
Tudo sobre dengue
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
 
6B - Vinnycius
6B - Vinnycius6B - Vinnycius
6B - Vinnycius
 
6B - Paulo walifer e kaio
6B - Paulo walifer e kaio6B - Paulo walifer e kaio
6B - Paulo walifer e kaio
 
A dengue.pdf
A dengue.pdfA dengue.pdf
A dengue.pdf
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
 
6B - Susana e fernanda1
6B - Susana e fernanda16B - Susana e fernanda1
6B - Susana e fernanda1
 
Sintomas da dengue
Sintomas da dengueSintomas da dengue
Sintomas da dengue
 
Virus da dengue
Virus da dengue Virus da dengue
Virus da dengue
 
Apresentacao dengue
Apresentacao dengueApresentacao dengue
Apresentacao dengue
 
O que é dengue
O que é dengueO que é dengue
O que é dengue
 
Dengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael CostaDengue - by Ismael Costa
Dengue - by Ismael Costa
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
 
Mpdf
MpdfMpdf
Mpdf
 

Mais de Sinara Duarte

SLIDES defesa de tcc memorial uece pedagogia
SLIDES  defesa de tcc memorial uece pedagogiaSLIDES  defesa de tcc memorial uece pedagogia
SLIDES defesa de tcc memorial uece pedagogia
Sinara Duarte
 
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptxMetodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Sinara Duarte
 
aula introdução a EaD uece.pptx
aula introdução a EaD uece.pptxaula introdução a EaD uece.pptx
aula introdução a EaD uece.pptx
Sinara Duarte
 
pei.pdf
pei.pdfpei.pdf
pei.pdf
Sinara Duarte
 
Psicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infânciaPsicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infância
Sinara Duarte
 
Anamnese Psicopedagogica
Anamnese Psicopedagogica Anamnese Psicopedagogica
Anamnese Psicopedagogica
Sinara Duarte
 
Diagnostico psicopedagogico
Diagnostico psicopedagogicoDiagnostico psicopedagogico
Diagnostico psicopedagogico
Sinara Duarte
 
Aula 1 Historico da informática
Aula 1   Historico da informáticaAula 1   Historico da informática
Aula 1 Historico da informática
Sinara Duarte
 
Plano De Formação De Professores Do Mec
Plano De Formação De Professores Do MecPlano De Formação De Professores Do Mec
Plano De Formação De Professores Do Mec
Sinara Duarte
 
Quadrinhos Livres
Quadrinhos LivresQuadrinhos Livres
Quadrinhos Livres
Sinara Duarte
 
Experiência de escrita colaborativa e autoria discente na web
Experiência de escrita colaborativa  e autoria discente na webExperiência de escrita colaborativa  e autoria discente na web
Experiência de escrita colaborativa e autoria discente na web
Sinara Duarte
 
Informática Educativa e Aplicações do software livre na educação
Informática Educativa e Aplicações do software livre na educaçãoInformática Educativa e Aplicações do software livre na educação
Informática Educativa e Aplicações do software livre na educação
Sinara Duarte
 
Tutorial Smie 2008
Tutorial Smie 2008Tutorial Smie 2008
Tutorial Smie 2008
Sinara Duarte
 
Apresentacao Cesol Sinara 2008
Apresentacao Cesol Sinara 2008Apresentacao Cesol Sinara 2008
Apresentacao Cesol Sinara 2008
Sinara Duarte
 
Tutorial do Sbie 2008 - JEMS
Tutorial do Sbie 2008 - JEMSTutorial do Sbie 2008 - JEMS
Tutorial do Sbie 2008 - JEMS
Sinara Duarte
 

Mais de Sinara Duarte (15)

SLIDES defesa de tcc memorial uece pedagogia
SLIDES  defesa de tcc memorial uece pedagogiaSLIDES  defesa de tcc memorial uece pedagogia
SLIDES defesa de tcc memorial uece pedagogia
 
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptxMetodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
 
aula introdução a EaD uece.pptx
aula introdução a EaD uece.pptxaula introdução a EaD uece.pptx
aula introdução a EaD uece.pptx
 
pei.pdf
pei.pdfpei.pdf
pei.pdf
 
Psicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infânciaPsicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infância
 
Anamnese Psicopedagogica
Anamnese Psicopedagogica Anamnese Psicopedagogica
Anamnese Psicopedagogica
 
Diagnostico psicopedagogico
Diagnostico psicopedagogicoDiagnostico psicopedagogico
Diagnostico psicopedagogico
 
Aula 1 Historico da informática
Aula 1   Historico da informáticaAula 1   Historico da informática
Aula 1 Historico da informática
 
Plano De Formação De Professores Do Mec
Plano De Formação De Professores Do MecPlano De Formação De Professores Do Mec
Plano De Formação De Professores Do Mec
 
Quadrinhos Livres
Quadrinhos LivresQuadrinhos Livres
Quadrinhos Livres
 
Experiência de escrita colaborativa e autoria discente na web
Experiência de escrita colaborativa  e autoria discente na webExperiência de escrita colaborativa  e autoria discente na web
Experiência de escrita colaborativa e autoria discente na web
 
Informática Educativa e Aplicações do software livre na educação
Informática Educativa e Aplicações do software livre na educaçãoInformática Educativa e Aplicações do software livre na educação
Informática Educativa e Aplicações do software livre na educação
 
Tutorial Smie 2008
Tutorial Smie 2008Tutorial Smie 2008
Tutorial Smie 2008
 
Apresentacao Cesol Sinara 2008
Apresentacao Cesol Sinara 2008Apresentacao Cesol Sinara 2008
Apresentacao Cesol Sinara 2008
 
Tutorial do Sbie 2008 - JEMS
Tutorial do Sbie 2008 - JEMSTutorial do Sbie 2008 - JEMS
Tutorial do Sbie 2008 - JEMS
 

Último

RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
João de Paula Ribeiro Neto
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 

Último (6)

RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 

Projeto Dengue: O LIE em ação

  • 1. Dengue Mosquito Dengue: doença fingida Desenvolvimento da doença Febre Hemorrágica A Dengue e o Tempo Sintomas Imunidade By: Sinara Duarte
  • 2. Mosquito Esse mal é transmitido pelo vírus Flaviviridae . Doença tem altas chances de cura, mas pode matar. Já é considerada, no Brasil, uma epidemia. A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é fêmea, pois o macho apenas se alimenta de seivas de plantas. A fêmea precisa de uma substância do sangue (a albumina) para completar o processo de amadurecimento de seus ovos. O mosquito apenas transmite a doença, mas não sofre seus efeitos. Retornar
  • 3. Distribuição da dengue 2005 Figura 2 –
  • 6. Dengue: doença fingida Por não ter sintomas específicos, a doença pode ser confundida com várias outras, como leptospirose, sarampo, rubéola. São doenças que provocam febre, prostração, dor de cabeça e dores musculares generalizadas. Um médico consegue, por exames em laboratório, definir a doença e tratá-la corretamente. Retornar
  • 7. Desenvolvimento da Doença (1). O mosquito infectado pica o homem. (2). O vírus se dissemina pelo sangue. (3). Um dos locais preferidos do vírus para se instalar no corpo humano é o tecido que envolve os vasos sangüíneos, chamado retículo-endotelial. (4). A multiplicação do vírus sobre o tecido que provoca a inflamação dos vasos. O sangue, com isso, circula mais lentamente. Retornar
  • 8. Desenvolvimento da doença 5). Como a circulação fica mais lenta, é comum que os líquidos do sangue extravasem dos vasos. O sangue torna-se mais espesso. (6). O sangue, mais espesso, pode coagular dentro dos vasos provocando trombos (entupimentos). Além disso, a circulação lenta prejudica a oxigenação e nutrição ideal dos órgãos. (7). Com o tempo, se não houver tratamento específico, pode haver um choque circulatório. O sangue deixa de circular, os órgãos ficam prejudicados e podem parar de funcionar. Isso leva à morte.
  • 9. Sinais de alerta na dengue Dor abdominal intensa e contínua vômitos persistentes hepatomegalia dolorosa derrames cavitários hipotensão arterial Cianose (pele azulada) Diminuição da pressão diferencia1 hipotensão postural agitação/letargia extremidades frias pulso rápido e fraco diminuição brusca da temperatura e sudorese
  • 10. Sintomas 99% dos infectados têm febre, que dura cerca de sete dias. Pode ser branda ou muito alta, dependendo do indivíduo e da força do vírus, da virulência. 25% apresentam manchas vermelhas em todo o corpo, as chamadas exantemas . Como o vírus se instala também próximo aos vasos, é comum estes inflamarem e ficarem evidentes na pele. 50% têm prostração, indisposição. 60% têm dor de cabeça. 50% têm dor atrás do olho. Retornar
  • 11. Dengue Hemorrágica Em função da inflamação dos vasos (por causa da instalação dos vírus no tecido que os envolve), há um consumo exagerado de plaquetas, pequenos soldados que trabalham contra as doenças. A falta de plaquetas interfere na homeostase do corpo - capacidade de controlar espontaneamente o fluxo de sangue. O organismo passa a apresentar uma forte tendência a ter hemorragias. Retornar Criança chinesa Vítima da dengue hemorrágica
  • 12. Cuidados 1 - Se a pessoa tem dengue pela segunda vez (outro tipo de vírus), pode contrair a hemorrágica. 2 - Há quatro sorotipos diferentes de dengue. Um deles, o den2, é o mais intenso. Este tipo pode evoluir para a dengue hemorrágica. 3 - Combinação da seqüência de doença, da força do vírus e da suscetibilidade da pessoa. Se for alguém com Aids, por exemplo, a doença oferece mais riscos. Conselhos: Para controlar a febre hemorrágica, aconselha-se tomar muito líquido e evitar medicamentos a base se ácido acetilsalicílico, como Aspirina ou Melhoral.
  • 13. A Dengue e o Tempo O vírus da dengue precisa de tempo para se manifestar no homem ou mesmo para infectar o mosquito transmissor. A idade ideal do mosquito para transmitir a doença é a partir do 30º dia de vida. O Aedes tem um ciclo total de 45 dias. Uma vez contaminado, o homem demora entre 2 e 15 dias para sentir os sintomas da doença. Há um período para que o mosquito se contamine ao picar um homem. Vai desde o dia anterior à febre até seis dias depois desta. Fora desse tempo, o mosquito pica e não se contamina. Depois de picar o homem, só depois de oito dias o Aedes consegue contaminar outro homem. Retornar
  • 14. Tratamento Não há tratamento específico, devendo ser administrados sintomáticos, e tratadas as complicações. Nas formas menos graves, o paciente deve permanecer em repouso, em sua residência. A febre e a mialgia devem ser tratadas com paracetamol, ou dipirona. Salicilatos não devem ser usados devido ao risco de acidose e sangramento. A medida mais importante é a hidratação do paciente, por via oral.
  • 15. Tratamento Nas formas graves, o paciente deve ser hospitalizado e hidratado por via intravenosa, se necessário levado à Terapia Intensiva para vigilância da evolução e tratamento adequado das complicações.
  • 16. Imunidade O homem só desenvolve imunidade permanente para o tipo de vírus que contraiu. A doença pode reincidir com outro sorotipo. Essa repetição é a que oferece perigo para a hemorrágica. Retornar
  • 17.