SlideShare uma empresa Scribd logo
Autor; Wagner Oliveira
(Técnico em Vigilância em Saúde).
I. É uma doença típica de áreas tropicais e subtropicais, causada por vírus,
transmitida pelo Aedes aegypti e Aedes albopictus, geralmente de caráter
epidêmico (que atinge um número muito grande de pessoas em um dado
momento).
II. A dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. Nos
últimos 50 anos, a incidência aumentou 30 vezes, com ampliação da
expansão geográfica para novos países e, na presente década, para pequenas
cidades e áreas rurais. É estimado que 50 milhões de infecções por dengue
ocorram anualmente e que aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas morem
em países onde a dengue é endêmica.
I. O A. aegypti, tem maior preferência de pôr seus ovos em criadouros
artificiais, já que se adaptou muito bem ao ambiente urbano.
II. O A. albopictus escolhe lugares com maior cobertura vegetal para viver
e se reproduzir, como matas.
III. Diferentemente do A. aegypti, o A. albopictus não tem preferência tão
assídua pelo sangue humano e se alimenta com certa frequência em
outros animais vertebrados, como cachorros, gatos e bois.
A. aegypti A. albopictus
• Tórax escuro com duas linhas retas
no centro e duas linhas curvas na
periferia.
• Vive em áreas urbanas com ou sem
vegetação.
• Pica, descansa e põe seus ovos dentro
ou no entorno dos domicílios.
• Alta preferência pelo homem.
• Tórax escuro com uma linha única no
centro.
• Vive em áreas com vegetação.
• É principalmente um mosquito de
jardim.
• Pica tanto o homem como uma série
de animais silvestres.
I. O vírus da dengue, provavelmente, se originou de vírus que circulavam
em primatas não humanos nas proximidades da península da Malásia.
II. O primeiro registro de um provável caso de dengue foi publicado numa
enciclopédia médica chinesa da época da dinastia Jin(265-420).
III. Em 1906, a transmissão por mosquitos do gênero Aedes foi confirmada.
IV. No ano seguinte, em 1907, foi demonstrado que a dengue é causada
por um vírus, tornando-a a segunda doença na história, depois da febre
amarela, de etiologia viral confirmada.
V. Na década de 1970, a forma grave da doença tornou-se uma das
principais causas de mortalidade infantil e apareceu também na região
do Pacífico e na América.
VI. A dengue hemorrágica e a síndrome do choque da dengue foram
observadas pela primeira vez na América do Sul e Central em 1981,
a DENV-2 foi contraída por pessoas que haviam sido previamente
infectadas com o DENV-1 vários anos antes.
I. No Brasil, a circulação dos vírus dengue só foi comprovada
laboratorialmente em 1982, quando foram isolados os sorotipos
DENV-1 e DENV-4, em Boa Vista (RR) ficando o país sem notificação
de casos por quatro anos.
II. Em 1986, foi isolado o DENV-1 no Estado do Rio de Janeiro causando
epidemia e dispersão desse sorotipo para diversas regiões do Brasil.
III. Em seguida, com a introdução do DENV-2, também no Estado do Rio
de Janeiro, confirmou-se o primeiro caso de dengue hemorrágico por
esse sorotipo, com o aparecimento de formas graves também em
outras regiões.
I. O vírus da dengue (DENV) é um vírus RNA da família Flaviviridae;
gênero Flavivirus.
II. Existem quatro cepas do vírus, que são chamadas de serotipos, as quais
são referidas como DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.
I. A transmissão se faz quando um mosquito fêmea pica uma pessoa
com Dengue (no período de 1 dia antes até 5 dias após o aparecimento
dos primeiros sintomas) na fase de viremia (presença do vírus no
sangue) e suga o sangue com vírus.
II. Os vírus vão se localizar e se multiplicar no aparelho digestivo e
glândulas salivares do mosquito fêmea, que após 8 a 12 dias está
para transmiti-lo a todas as pessoas que picar durante a sua vida (6 a
semanas).
III. O ciclo se dá da seguinte forma: homem infectado com vírus da
-Aedes aegypti– homem sadio.
I. No homem: após ter sido picado por um mosquito infectado, a pessoa
apresenta sintomas da doença depois de um período que pode variar de 03 a
15 dias, sendo em média de 05 a 06 dias.
II. Existem pessoas que não apresentam sintomas, tendo portanto, a forma
assintomática de Dengue.
III. No mosquito: ao picar uma pessoa que apresenta vírus da dengue no sangue,
o mosquito se infecta e após um período de aproximadamente 10 dias, está
apto a transmitir a doença para outras pessoas.
I. É o período em que o indivíduo pode passar a doença para o
mosquito.
II. Começa um dia antes do aparecimento dos sintomas e vai até o 6º
dia da doença, período em que o vírus está presente no sangue
(viremia).
I. A susceptibilidade aos quatro sorotipos do vírus da dengue é universal.
II. A imunidade é permanente e duradoura para o sorotipo que causou a
infecção, ou seja, os infectados, por exemplo, pelo sorotipo 1 são
imunes em relação a este para toda a vida, mas podem ser infectados
por qualquer um dos outros três sorotipos, e nesta situação o risco de
dengue hemorrágico aumenta.
 Febre alta (39 a 40º C) de início abrupto, cefaléia (dor de cabeça), mialgia
(dor muscular), artralgia (dor nas articulações), prostração (desânimo),
astenia (fraqueza), dor retro orbital (no fundo dos olhos), náuseas, vômitos,
exantema (manchas vermelhas na pele).
 Podem ocorrer pequenas manifestações hemorrágicas como: petéquias
(pequenos pontos arroxeados), epistaxe (sangramento pelo nariz),
gengivorragia (sangramento na gengiva), sangramento gastrointestinal (no
estômago e intestino), hematúria (sangramento pela urina) e metrorragia
(aumento do sangramento menstrual).
DENGUE COM COMPLICAÇÕES
I. Os sintomas iniciais são os mesmos. Há um agravamento do quadro no
terceiro ou quarto dia da doença, com dor abdominal e manifestações
hemorrágicas em função da saída de plasma dos vasos, causando
insuficiência circulatória.
II. Esses sintomas, agravados, podem levar a um quadro de choque
causando a morte em 12 a 24 horas ou levar à recuperação após
tratamento anti-choque apropriado.
 Apesar dos estudos que estão sendo realizados, ainda não está totalmente
esclarecido o processo pelo qual a FHD ocorre, assim, a hipótese da
multicausalidade (conjunto de várias causas) está sendo a mais aceita, aliando
vários fatores de risco:
I. Capacidade de determinadas cepas (grupos) de vírus de causarem sintomas
mais fortes;
II. Necessidade de 2 infecções causadas por sorotipos diferentes num espaço de
tempo de 3 meses a 5 anos;
III. Fatores individuais: menores de 15 anos, lactentes, adultos do sexo feminino,
raça branca, portadores de doenças crônicas (diabetes, asma brônquica).
Trabalho sobre dengue
I. O diagnóstico é feito através de exame de sangue (sorologia), que deve ser
coletado somente após o 6º dia do início dos primeiros sintomas. Em caso de
óbito, são examinados pequenos pedaços de fígado, baço, pulmão e gânglios
linfáticos.
II. Não existe tratamento específico contra o vírus da dengue, é possível fazer
um tratamento sintomático (sintomas), caso haja dores e febre, pode ser
receitado algum medicamento antitérmico, como o paracetamol e tomar
muito líquido.
OBS: Não usar medicamentos que contenham A. A. S. (ácido acetilsalicílico)na
sua composição, pois pode favorecer o aparecimento de manifestações
hemorrágicas.
Fonte: http://www.saude.ce.gov.br/index.php/boletins
 http://www.ioc.fiocruz.br/dengue/textos/sobreovirus.html
 http://www.dengue.org.br/dengue_sintomas.html
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Dengue
 http://www.dengue.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=5
 http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/cidadao/orientacao/guia_bas
ico_de_dengue_.pdf
 http://www.fiocruz.br/ioc/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=576&sid=32

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dengue
DengueDengue
Dengue
Néli Freire
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
IVORASSWEILER
 
Seminário Dengue
Seminário DengueSeminário Dengue
Seminário Dengue
Nathy Oliveira
 
Dengue
DengueDengue
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºaTrabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
teresakashino
 
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
Guilherme Ferrari
 
Slide dengue
Slide dengueSlide dengue
Slide dengue
wobetoiara
 
Dengue
DengueDengue
Slides sobre dengue para eproinfo atual
Slides sobre dengue para eproinfo atualSlides sobre dengue para eproinfo atual
Slides sobre dengue para eproinfo atual
mariadapazgomes
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Eduarda Medeiros
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
connect2009
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Gripe
GripeGripe
CHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYACHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYA
Gessica Chaves
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
Letícia R. Maia
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
Néli Freire
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
Patricia Nunes
 
Dengue fique por dentro
Dengue fique por dentroDengue fique por dentro
Dengue fique por dentro
Vera Mln Silva
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
Paulo Firmino
 

Mais procurados (20)

Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
Seminário Dengue
Seminário DengueSeminário Dengue
Seminário Dengue
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºaTrabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
Trabalho l.p. dengue paula e giovanni 1ºa
 
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Slide dengue
Slide dengueSlide dengue
Slide dengue
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Slides sobre dengue para eproinfo atual
Slides sobre dengue para eproinfo atualSlides sobre dengue para eproinfo atual
Slides sobre dengue para eproinfo atual
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
CHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYACHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYA
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Dengue fique por dentro
Dengue fique por dentroDengue fique por dentro
Dengue fique por dentro
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
 

Semelhante a Trabalho sobre dengue

Dengue 1 E
Dengue 1 EDengue 1 E
Infecto contagiosas
Infecto contagiosasInfecto contagiosas
Infecto contagiosas
vicenarodriguesdegoi
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
LauraMarques72
 
A dengue.pdf
A dengue.pdfA dengue.pdf
A dengue.pdf
Carlos Ney
 
Doenlas Infecciosas
Doenlas InfecciosasDoenlas Infecciosas
Doenlas Infecciosas
unesp
 
Aula 9 den
Aula 9 denAula 9 den
Dengue Anderson e Lucas
Dengue Anderson e LucasDengue Anderson e Lucas
Dengue Anderson e Lucas
Licurgo Oliveira
 
Epidemia da dengue
Epidemia da dengueEpidemia da dengue
Epidemia da dengue
kleber coutim teodolino
 
6B - Kauany e aline 6 b
6B - Kauany e aline  6    b6B - Kauany e aline  6    b
6B - Kauany e aline 6 b
viannota
 
Dengue 1
Dengue 1Dengue 1
Simp6 dengue
Simp6 dengueSimp6 dengue
Simp6 dengue
NURSETAVARES
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
Maria Tereza Neves
 
Virus da dengue
Virus da dengue Virus da dengue
Virus da dengue
Vinicius Sousa
 
Aedes Aegypti
Aedes AegyptiAedes Aegypti
Aedes Aegypti
Noraldino Lima
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
Guilherme Gehlen
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
ARBOVIROSES E DENGUE ENTRE OUTRAS DOENCAS GERLANE.pptx
ARBOVIROSES E DENGUE ENTRE OUTRAS DOENCAS GERLANE.pptxARBOVIROSES E DENGUE ENTRE OUTRAS DOENCAS GERLANE.pptx
ARBOVIROSES E DENGUE ENTRE OUTRAS DOENCAS GERLANE.pptx
ccursog
 
DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO MOSQUITOENGUE E OUTRAS DOENCAS .pptx
DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO MOSQUITOENGUE E OUTRAS DOENCAS .pptxDOENÇAS TRANSMITIDAS PELO MOSQUITOENGUE E OUTRAS DOENCAS .pptx
DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO MOSQUITOENGUE E OUTRAS DOENCAS .pptx
ccursog
 
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Bruna Medeiros
 

Semelhante a Trabalho sobre dengue (20)

Dengue 1 E
Dengue 1 EDengue 1 E
Dengue 1 E
 
Infecto contagiosas
Infecto contagiosasInfecto contagiosas
Infecto contagiosas
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
 
A dengue.pdf
A dengue.pdfA dengue.pdf
A dengue.pdf
 
Doenlas Infecciosas
Doenlas InfecciosasDoenlas Infecciosas
Doenlas Infecciosas
 
Aula 9 den
Aula 9 denAula 9 den
Aula 9 den
 
Dengue Anderson e Lucas
Dengue Anderson e LucasDengue Anderson e Lucas
Dengue Anderson e Lucas
 
Epidemia da dengue
Epidemia da dengueEpidemia da dengue
Epidemia da dengue
 
6B - Kauany e aline 6 b
6B - Kauany e aline  6    b6B - Kauany e aline  6    b
6B - Kauany e aline 6 b
 
Dengue 1
Dengue 1Dengue 1
Dengue 1
 
Simp6 dengue
Simp6 dengueSimp6 dengue
Simp6 dengue
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
 
Virus da dengue
Virus da dengue Virus da dengue
Virus da dengue
 
Aedes Aegypti
Aedes AegyptiAedes Aegypti
Aedes Aegypti
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
ARBOVIROSES E DENGUE ENTRE OUTRAS DOENCAS GERLANE.pptx
ARBOVIROSES E DENGUE ENTRE OUTRAS DOENCAS GERLANE.pptxARBOVIROSES E DENGUE ENTRE OUTRAS DOENCAS GERLANE.pptx
ARBOVIROSES E DENGUE ENTRE OUTRAS DOENCAS GERLANE.pptx
 
DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO MOSQUITOENGUE E OUTRAS DOENCAS .pptx
DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO MOSQUITOENGUE E OUTRAS DOENCAS .pptxDOENÇAS TRANSMITIDAS PELO MOSQUITOENGUE E OUTRAS DOENCAS .pptx
DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO MOSQUITOENGUE E OUTRAS DOENCAS .pptx
 
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
Gripe, Febre Amarela, AIDS, Dengue.
 

Último

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 

Último (9)

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 

Trabalho sobre dengue

  • 1. Autor; Wagner Oliveira (Técnico em Vigilância em Saúde).
  • 2. I. É uma doença típica de áreas tropicais e subtropicais, causada por vírus, transmitida pelo Aedes aegypti e Aedes albopictus, geralmente de caráter epidêmico (que atinge um número muito grande de pessoas em um dado momento). II. A dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. Nos últimos 50 anos, a incidência aumentou 30 vezes, com ampliação da expansão geográfica para novos países e, na presente década, para pequenas cidades e áreas rurais. É estimado que 50 milhões de infecções por dengue ocorram anualmente e que aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas morem em países onde a dengue é endêmica.
  • 3. I. O A. aegypti, tem maior preferência de pôr seus ovos em criadouros artificiais, já que se adaptou muito bem ao ambiente urbano. II. O A. albopictus escolhe lugares com maior cobertura vegetal para viver e se reproduzir, como matas. III. Diferentemente do A. aegypti, o A. albopictus não tem preferência tão assídua pelo sangue humano e se alimenta com certa frequência em outros animais vertebrados, como cachorros, gatos e bois.
  • 4. A. aegypti A. albopictus • Tórax escuro com duas linhas retas no centro e duas linhas curvas na periferia. • Vive em áreas urbanas com ou sem vegetação. • Pica, descansa e põe seus ovos dentro ou no entorno dos domicílios. • Alta preferência pelo homem. • Tórax escuro com uma linha única no centro. • Vive em áreas com vegetação. • É principalmente um mosquito de jardim. • Pica tanto o homem como uma série de animais silvestres.
  • 5. I. O vírus da dengue, provavelmente, se originou de vírus que circulavam em primatas não humanos nas proximidades da península da Malásia. II. O primeiro registro de um provável caso de dengue foi publicado numa enciclopédia médica chinesa da época da dinastia Jin(265-420). III. Em 1906, a transmissão por mosquitos do gênero Aedes foi confirmada. IV. No ano seguinte, em 1907, foi demonstrado que a dengue é causada por um vírus, tornando-a a segunda doença na história, depois da febre amarela, de etiologia viral confirmada.
  • 6. V. Na década de 1970, a forma grave da doença tornou-se uma das principais causas de mortalidade infantil e apareceu também na região do Pacífico e na América. VI. A dengue hemorrágica e a síndrome do choque da dengue foram observadas pela primeira vez na América do Sul e Central em 1981, a DENV-2 foi contraída por pessoas que haviam sido previamente infectadas com o DENV-1 vários anos antes.
  • 7. I. No Brasil, a circulação dos vírus dengue só foi comprovada laboratorialmente em 1982, quando foram isolados os sorotipos DENV-1 e DENV-4, em Boa Vista (RR) ficando o país sem notificação de casos por quatro anos. II. Em 1986, foi isolado o DENV-1 no Estado do Rio de Janeiro causando epidemia e dispersão desse sorotipo para diversas regiões do Brasil. III. Em seguida, com a introdução do DENV-2, também no Estado do Rio de Janeiro, confirmou-se o primeiro caso de dengue hemorrágico por esse sorotipo, com o aparecimento de formas graves também em outras regiões.
  • 8. I. O vírus da dengue (DENV) é um vírus RNA da família Flaviviridae; gênero Flavivirus. II. Existem quatro cepas do vírus, que são chamadas de serotipos, as quais são referidas como DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.
  • 9. I. A transmissão se faz quando um mosquito fêmea pica uma pessoa com Dengue (no período de 1 dia antes até 5 dias após o aparecimento dos primeiros sintomas) na fase de viremia (presença do vírus no sangue) e suga o sangue com vírus. II. Os vírus vão se localizar e se multiplicar no aparelho digestivo e glândulas salivares do mosquito fêmea, que após 8 a 12 dias está para transmiti-lo a todas as pessoas que picar durante a sua vida (6 a semanas). III. O ciclo se dá da seguinte forma: homem infectado com vírus da -Aedes aegypti– homem sadio.
  • 10. I. No homem: após ter sido picado por um mosquito infectado, a pessoa apresenta sintomas da doença depois de um período que pode variar de 03 a 15 dias, sendo em média de 05 a 06 dias. II. Existem pessoas que não apresentam sintomas, tendo portanto, a forma assintomática de Dengue. III. No mosquito: ao picar uma pessoa que apresenta vírus da dengue no sangue, o mosquito se infecta e após um período de aproximadamente 10 dias, está apto a transmitir a doença para outras pessoas.
  • 11. I. É o período em que o indivíduo pode passar a doença para o mosquito. II. Começa um dia antes do aparecimento dos sintomas e vai até o 6º dia da doença, período em que o vírus está presente no sangue (viremia).
  • 12. I. A susceptibilidade aos quatro sorotipos do vírus da dengue é universal. II. A imunidade é permanente e duradoura para o sorotipo que causou a infecção, ou seja, os infectados, por exemplo, pelo sorotipo 1 são imunes em relação a este para toda a vida, mas podem ser infectados por qualquer um dos outros três sorotipos, e nesta situação o risco de dengue hemorrágico aumenta.
  • 13.  Febre alta (39 a 40º C) de início abrupto, cefaléia (dor de cabeça), mialgia (dor muscular), artralgia (dor nas articulações), prostração (desânimo), astenia (fraqueza), dor retro orbital (no fundo dos olhos), náuseas, vômitos, exantema (manchas vermelhas na pele).  Podem ocorrer pequenas manifestações hemorrágicas como: petéquias (pequenos pontos arroxeados), epistaxe (sangramento pelo nariz), gengivorragia (sangramento na gengiva), sangramento gastrointestinal (no estômago e intestino), hematúria (sangramento pela urina) e metrorragia (aumento do sangramento menstrual).
  • 14. DENGUE COM COMPLICAÇÕES I. Os sintomas iniciais são os mesmos. Há um agravamento do quadro no terceiro ou quarto dia da doença, com dor abdominal e manifestações hemorrágicas em função da saída de plasma dos vasos, causando insuficiência circulatória. II. Esses sintomas, agravados, podem levar a um quadro de choque causando a morte em 12 a 24 horas ou levar à recuperação após tratamento anti-choque apropriado.
  • 15.  Apesar dos estudos que estão sendo realizados, ainda não está totalmente esclarecido o processo pelo qual a FHD ocorre, assim, a hipótese da multicausalidade (conjunto de várias causas) está sendo a mais aceita, aliando vários fatores de risco: I. Capacidade de determinadas cepas (grupos) de vírus de causarem sintomas mais fortes; II. Necessidade de 2 infecções causadas por sorotipos diferentes num espaço de tempo de 3 meses a 5 anos; III. Fatores individuais: menores de 15 anos, lactentes, adultos do sexo feminino, raça branca, portadores de doenças crônicas (diabetes, asma brônquica).
  • 17. I. O diagnóstico é feito através de exame de sangue (sorologia), que deve ser coletado somente após o 6º dia do início dos primeiros sintomas. Em caso de óbito, são examinados pequenos pedaços de fígado, baço, pulmão e gânglios linfáticos. II. Não existe tratamento específico contra o vírus da dengue, é possível fazer um tratamento sintomático (sintomas), caso haja dores e febre, pode ser receitado algum medicamento antitérmico, como o paracetamol e tomar muito líquido. OBS: Não usar medicamentos que contenham A. A. S. (ácido acetilsalicílico)na sua composição, pois pode favorecer o aparecimento de manifestações hemorrágicas.
  • 19.  http://www.ioc.fiocruz.br/dengue/textos/sobreovirus.html  http://www.dengue.org.br/dengue_sintomas.html  https://pt.wikipedia.org/wiki/Dengue  http://www.dengue.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=5  http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/cidadao/orientacao/guia_bas ico_de_dengue_.pdf  http://www.fiocruz.br/ioc/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=576&sid=32