SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Ó cabaça, cabacinha não viste no teu caminho
amarela, redondinha, uma velha mirradinha?
Tremendo, tremendo, tremendo de medo, a velha respondeu:
Não vi velha nem velhinha corre, corre, cabacinha
não vi velha nem velhão corre, corre, cabação.
E lá continuou rolando, rolando, rolando sem parar, por caminhos e
ladeiras, atalhos e clareiras. Mas o lobo não desistia à primeira. Ia a velha já a
atravessar a segunda clareira da floresta quando ele lhe saltou de novo ao
caminho, dizendo:
Lembro-me agora que a velha não viste velha anafada
devia vir mais gordinha: ó cabaça, cabacinha?
Tremendo, tremendo, tremendo de medo, a velha respondeu:
Não vi velha nem velhinha corre, corre, cabacinha
não vi velha nem velhão corre, corre, cabação.
Nem mesmo assim o lobo se convenceu. Estava a velha a atravessar a
última clareira da floresta quando ele lhe salta de novo ao caminho, gritando:
Gorda ou magra, tanto faz,
se velha não tenho, tu me bastarás!
E com um salto preparava-se para lhe cair em cima quando a cabaça, com
a velha dentro, veio a rolar, a rolar, a rolar pela ladeira abaixo, sempre mais
depressa, entrando de rompante pela casa dentro, deixando o lobo a perder
de vista.
Logo a velha para fora da cabaça pulou, a porta trancou e de alegria
bailou. E quando, meses depois, outro dos seus filhos lhe bateu à porta para
lhe anunciar o nascimento de mais outro neto, ainda ela cantava:
Não vi velha nem velhinha
não vi velha nem velhão
corre, corre, cabacinha
corre, corre, cabação.
Biblioteca Escolar
2017/2018
Corre, Corre, Cabacinha Alice Vieira (escritora)
Núcleo de Iniciação
Nome:
________________________________________________________
Era uma vez uma velha muito velha, mãe de muitos filhos e avó de muitos
netos. Vivia numa casa escondida na floresta, me sabia como ninguém fazer
pão de ló, arroz-doce, coscorões e papas de farinha com mel. De vez em
quando, um dos seus muitos filhos batia-lhe à porta e dizia-lhe:
Nós te fizemos leva pão de ló
outra vez avó para o batizado
nós te fizemos que é no fim do mês.
avó outra vez:
Então a velha passava trinta dias e trinta noites junto do fogão a fazer pão-
de-ló, arroz-doce, coscorões e papas de farinha com mel e no dia aprazado
metia tudo dentro de uma cesta, agarrava-se ao cajado - que os anos já
pesavam -, atravessava a floresta e ia até à aldeia, para o batizado de mais
um neto.
Um dia um dos filhos bateu-lhe à porta e disse:
Nós te fizemos Só que desta vez
outra vez avó vais levar também
nós te fizemos padrinho a preceito:
avó outra vez: já corremos tudo
leva pão de ló já tudo corremos
para o batizado padrinho de jeito
que é no fim do mês. é que nós não temos.
A velha ficou aflita: vivia sozinha e não conhecia ninguém que pudesse
servir de padrinho ao neto acabado de nascer. Mas no dia aprazado pegou no
cajado e pôs-se ao caminho, a cesta bem carregadinha com as iguarias do
costume. Ainda mal acabara de passar a primeira clareira da floresta quando o
lobo lhe salta ao caminho, gritando:
Velha, velhinha como-te inteirinha
velha, velhão com cesta e bordão!
Tremendo, tremendo, tremendo de medo, a velha respondeu:
Eu estou tão magrinha, de mel e farinha
nem terei sabor! poderás então
Deixa-me ir à festa, comer-me inteirinha
voltarei melhor, com cesta e bordão!
com a barriga cheia
O lobo pensou uma, pensou duas, pensou três vezes, e lá deixou a velha
seguir o seu caminho, não sem antes a ter feito jurar que, assim que o Sol
desaparecesse nas montanhas, ela voltaria do batizado para ele a comer e
matar finalmente a fome.
Tão assustada ia a velha pelo caminho fora que nem reparou num
vendedor de cabaças que dela se aproximava, perguntando
Onde vais, velhinha que foi que te pôs
assim tão curvada assim assustada?
Tremendo, tremendo, tremendo de medo, a velha respondeu:
Vou ao batizado vou cheia de medo
de mais um netinho, e não acho padrinho.
E logo ali lhe contou o que se tinha passado e o que prometera ao lobo. O
velho conversou uns minutos com as suas cabaças, e depois ofereceu-se para
padrinho, dizendo-lhe que não pensasse mais no assunto, que tudo se
resolveria:
Comei e bebei que em chegando a hora
bebei e comei, eu vos salvarei!
Batizado foi o neto, e a tarde se passou em danças e folias, com muito pão-
de-ló, arroz-doce, coscorões e papas de farinha com mel. E, de vez em
quando, a velha murmurava:
Compadre, dizei:
em chegando a hora
como escaparei?
Mas o velho bailava, bailava, e só respondia:
Comei e bebei que em chegando a hora
bebei e comei, eu vos salvarei!
Quando o Sol desapareceu nas montanhas, o velho, foi então buscar uma
das suas cabaças, a maior de todas, a mais redondinha e amarela, e disse à
velha que se metesse lá dentro e fosse a rolar pelo caminho fora até casa,
sem nunca parar. E assim a velha foi rolando, rolando, rolando, por caminhos
e ladeiras, atalhos e clareiras, quando de repente o lobo lhe saltou ao
caminho, perguntando:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
Ana Alho
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Marisol Santos
 
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai NatalNinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
daliatrigo
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
Mara Pinto
 
Ficheiro de lingua port-histórias através de imagens
Ficheiro de lingua port-histórias através de imagensFicheiro de lingua port-histórias através de imagens
Ficheiro de lingua port-histórias através de imagens
Ana Paula Santos
 

Mais procurados (20)

Corre, corre, cabacinha atividades
Corre, corre, cabacinha   atividadesCorre, corre, cabacinha   atividades
Corre, corre, cabacinha atividades
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
 
O menino e a lua corre corre cabacinha - ficha fonologica
O menino e a lua   corre corre cabacinha - ficha fonologicaO menino e a lua   corre corre cabacinha - ficha fonologica
O menino e a lua corre corre cabacinha - ficha fonologica
 
Uma Vaca De Estimação
Uma Vaca De EstimaçãoUma Vaca De Estimação
Uma Vaca De Estimação
 
Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
 
Leitura alice.vieira cabacinha.rola.velha.lobo_ficha.fonologica
Leitura alice.vieira cabacinha.rola.velha.lobo_ficha.fonologicaLeitura alice.vieira cabacinha.rola.velha.lobo_ficha.fonologica
Leitura alice.vieira cabacinha.rola.velha.lobo_ficha.fonologica
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai NatalNinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
 
A ovelha
A ovelhaA ovelha
A ovelha
 
A Galinha Dos Ovos Misteriosos Ficha
A Galinha Dos Ovos Misteriosos FichaA Galinha Dos Ovos Misteriosos Ficha
A Galinha Dos Ovos Misteriosos Ficha
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
 
Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais Lengalengas
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonado O sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
O senhor do seu nariz
O senhor do seu narizO senhor do seu nariz
O senhor do seu nariz
 
Ficheiro de lingua port-histórias através de imagens
Ficheiro de lingua port-histórias através de imagensFicheiro de lingua port-histórias através de imagens
Ficheiro de lingua port-histórias através de imagens
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
 
Magusto atividades
Magusto   atividadesMagusto   atividades
Magusto atividades
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
 

Semelhante a Corre, corre, cabacinha de Alice Vieira texto completo

Corre, corre, cabacinha
Corre, corre, cabacinhaCorre, corre, cabacinha
Corre, corre, cabacinha
profigor
 
Projeto Chapeuzinho Vermelho
Projeto Chapeuzinho VermelhoProjeto Chapeuzinho Vermelho
Projeto Chapeuzinho Vermelho
Cirlei Santos
 
Maria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendesMaria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendes
zemeira
 
Velhinha Animais Amigos Ambiente
Velhinha Animais Amigos AmbienteVelhinha Animais Amigos Ambiente
Velhinha Animais Amigos Ambiente
averm
 
Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]
sallesz
 
Maria castanha(história)
Maria castanha(história)Maria castanha(história)
Maria castanha(história)
labeques
 

Semelhante a Corre, corre, cabacinha de Alice Vieira texto completo (20)

Corre, corre, cabacinha
Corre, corre, cabacinhaCorre, corre, cabacinha
Corre, corre, cabacinha
 
História corre, corre, cabacinha
História   corre, corre, cabacinhaHistória   corre, corre, cabacinha
História corre, corre, cabacinha
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
 
Historia corre, corre cabacinha
Historia corre, corre cabacinhaHistoria corre, corre cabacinha
Historia corre, corre cabacinha
 
A velha e os lobos
A velha e os lobosA velha e os lobos
A velha e os lobos
 
Mundo fabuloso
Mundo fabulosoMundo fabuloso
Mundo fabuloso
 
Chapeuzinho Vermelho
Chapeuzinho VermelhoChapeuzinho Vermelho
Chapeuzinho Vermelho
 
Projeto Chapeuzinho Vermelho
Projeto Chapeuzinho VermelhoProjeto Chapeuzinho Vermelho
Projeto Chapeuzinho Vermelho
 
História
HistóriaHistória
História
 
Cabacinha
CabacinhaCabacinha
Cabacinha
 
Maria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendesMaria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendes
 
A velhinha e os animais amigos do ambiente
A velhinha e os animais amigos do ambienteA velhinha e os animais amigos do ambiente
A velhinha e os animais amigos do ambiente
 
A menina do capuchinho vermelho no século xxi
A menina do capuchinho vermelho no século xxiA menina do capuchinho vermelho no século xxi
A menina do capuchinho vermelho no século xxi
 
2 contos populares portugueses
2 contos populares portugueses2 contos populares portugueses
2 contos populares portugueses
 
Velhinha Animais Amigos Ambiente
Velhinha Animais Amigos AmbienteVelhinha Animais Amigos Ambiente
Velhinha Animais Amigos Ambiente
 
Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]
 
Contos Tradicionais
Contos TradicionaisContos Tradicionais
Contos Tradicionais
 
Livro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendesLivro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendes
 
Slaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escolaSlaides contos infantis na pré escola
Slaides contos infantis na pré escola
 
Maria castanha(história)
Maria castanha(história)Maria castanha(história)
Maria castanha(história)
 

Mais de BibliotecadaEscoladaPonte

Mais de BibliotecadaEscoladaPonte (20)

Estafeta de leitura de Natal
Estafeta de leitura de NatalEstafeta de leitura de Natal
Estafeta de leitura de Natal
 
O mar na poesia
O mar na poesiaO mar na poesia
O mar na poesia
 
O mar para adivinhar
O mar para adivinharO mar para adivinhar
O mar para adivinhar
 
100 livros para Apprender Mar
100 livros para Apprender Mar100 livros para Apprender Mar
100 livros para Apprender Mar
 
Senhora Mundo
Senhora MundoSenhora Mundo
Senhora Mundo
 
Torneio Jogo Glow Hochey
Torneio Jogo Glow HocheyTorneio Jogo Glow Hochey
Torneio Jogo Glow Hochey
 
Micronarrativas com títulos de Afonso Cruz
Micronarrativas com títulos de Afonso CruzMicronarrativas com títulos de Afonso Cruz
Micronarrativas com títulos de Afonso Cruz
 
Programa da Quinzena da Leitura 2019 da Escola da Ponte
Programa da Quinzena da Leitura 2019 da Escola da PontePrograma da Quinzena da Leitura 2019 da Escola da Ponte
Programa da Quinzena da Leitura 2019 da Escola da Ponte
 
Torneio Jogo Subway Surfers
Torneio Jogo Subway SurfersTorneio Jogo Subway Surfers
Torneio Jogo Subway Surfers
 
Animais cuquedo
Animais   cuquedoAnimais   cuquedo
Animais cuquedo
 
Coelhinho origami
Coelhinho origamiCoelhinho origami
Coelhinho origami
 
Histórias Ajudaris’18 pintadas de verde lima
Histórias Ajudaris’18 pintadas de verde limaHistórias Ajudaris’18 pintadas de verde lima
Histórias Ajudaris’18 pintadas de verde lima
 
Uma Aventura Literária 2018 - Grupo Vulcão
Uma Aventura Literária 2018 - Grupo VulcãoUma Aventura Literária 2018 - Grupo Vulcão
Uma Aventura Literária 2018 - Grupo Vulcão
 
Escritor do mês procura ilustrador(a)
Escritor do mês procura ilustrador(a)Escritor do mês procura ilustrador(a)
Escritor do mês procura ilustrador(a)
 
Histórias de Natal
Histórias de NatalHistórias de Natal
Histórias de Natal
 
Poemas de Natal
Poemas de NatalPoemas de Natal
Poemas de Natal
 
Decorações de Natal - DIY
Decorações de Natal - DIYDecorações de Natal - DIY
Decorações de Natal - DIY
 
Postais de Natal
Postais de NatalPostais de Natal
Postais de Natal
 
Papel e envelopes de natal
Papel e envelopes de natalPapel e envelopes de natal
Papel e envelopes de natal
 
Marcadores de livros de Natal
Marcadores de livros de NatalMarcadores de livros de Natal
Marcadores de livros de Natal
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 

Corre, corre, cabacinha de Alice Vieira texto completo

  • 1. Ó cabaça, cabacinha não viste no teu caminho amarela, redondinha, uma velha mirradinha? Tremendo, tremendo, tremendo de medo, a velha respondeu: Não vi velha nem velhinha corre, corre, cabacinha não vi velha nem velhão corre, corre, cabação. E lá continuou rolando, rolando, rolando sem parar, por caminhos e ladeiras, atalhos e clareiras. Mas o lobo não desistia à primeira. Ia a velha já a atravessar a segunda clareira da floresta quando ele lhe saltou de novo ao caminho, dizendo: Lembro-me agora que a velha não viste velha anafada devia vir mais gordinha: ó cabaça, cabacinha? Tremendo, tremendo, tremendo de medo, a velha respondeu: Não vi velha nem velhinha corre, corre, cabacinha não vi velha nem velhão corre, corre, cabação. Nem mesmo assim o lobo se convenceu. Estava a velha a atravessar a última clareira da floresta quando ele lhe salta de novo ao caminho, gritando: Gorda ou magra, tanto faz, se velha não tenho, tu me bastarás! E com um salto preparava-se para lhe cair em cima quando a cabaça, com a velha dentro, veio a rolar, a rolar, a rolar pela ladeira abaixo, sempre mais depressa, entrando de rompante pela casa dentro, deixando o lobo a perder de vista. Logo a velha para fora da cabaça pulou, a porta trancou e de alegria bailou. E quando, meses depois, outro dos seus filhos lhe bateu à porta para lhe anunciar o nascimento de mais outro neto, ainda ela cantava: Não vi velha nem velhinha não vi velha nem velhão corre, corre, cabacinha corre, corre, cabação. Biblioteca Escolar 2017/2018 Corre, Corre, Cabacinha Alice Vieira (escritora) Núcleo de Iniciação Nome: ________________________________________________________
  • 2. Era uma vez uma velha muito velha, mãe de muitos filhos e avó de muitos netos. Vivia numa casa escondida na floresta, me sabia como ninguém fazer pão de ló, arroz-doce, coscorões e papas de farinha com mel. De vez em quando, um dos seus muitos filhos batia-lhe à porta e dizia-lhe: Nós te fizemos leva pão de ló outra vez avó para o batizado nós te fizemos que é no fim do mês. avó outra vez: Então a velha passava trinta dias e trinta noites junto do fogão a fazer pão- de-ló, arroz-doce, coscorões e papas de farinha com mel e no dia aprazado metia tudo dentro de uma cesta, agarrava-se ao cajado - que os anos já pesavam -, atravessava a floresta e ia até à aldeia, para o batizado de mais um neto. Um dia um dos filhos bateu-lhe à porta e disse: Nós te fizemos Só que desta vez outra vez avó vais levar também nós te fizemos padrinho a preceito: avó outra vez: já corremos tudo leva pão de ló já tudo corremos para o batizado padrinho de jeito que é no fim do mês. é que nós não temos. A velha ficou aflita: vivia sozinha e não conhecia ninguém que pudesse servir de padrinho ao neto acabado de nascer. Mas no dia aprazado pegou no cajado e pôs-se ao caminho, a cesta bem carregadinha com as iguarias do costume. Ainda mal acabara de passar a primeira clareira da floresta quando o lobo lhe salta ao caminho, gritando: Velha, velhinha como-te inteirinha velha, velhão com cesta e bordão! Tremendo, tremendo, tremendo de medo, a velha respondeu: Eu estou tão magrinha, de mel e farinha nem terei sabor! poderás então Deixa-me ir à festa, comer-me inteirinha voltarei melhor, com cesta e bordão! com a barriga cheia O lobo pensou uma, pensou duas, pensou três vezes, e lá deixou a velha seguir o seu caminho, não sem antes a ter feito jurar que, assim que o Sol desaparecesse nas montanhas, ela voltaria do batizado para ele a comer e matar finalmente a fome. Tão assustada ia a velha pelo caminho fora que nem reparou num vendedor de cabaças que dela se aproximava, perguntando Onde vais, velhinha que foi que te pôs assim tão curvada assim assustada? Tremendo, tremendo, tremendo de medo, a velha respondeu: Vou ao batizado vou cheia de medo de mais um netinho, e não acho padrinho. E logo ali lhe contou o que se tinha passado e o que prometera ao lobo. O velho conversou uns minutos com as suas cabaças, e depois ofereceu-se para padrinho, dizendo-lhe que não pensasse mais no assunto, que tudo se resolveria: Comei e bebei que em chegando a hora bebei e comei, eu vos salvarei! Batizado foi o neto, e a tarde se passou em danças e folias, com muito pão- de-ló, arroz-doce, coscorões e papas de farinha com mel. E, de vez em quando, a velha murmurava: Compadre, dizei: em chegando a hora como escaparei? Mas o velho bailava, bailava, e só respondia: Comei e bebei que em chegando a hora bebei e comei, eu vos salvarei! Quando o Sol desapareceu nas montanhas, o velho, foi então buscar uma das suas cabaças, a maior de todas, a mais redondinha e amarela, e disse à velha que se metesse lá dentro e fosse a rolar pelo caminho fora até casa, sem nunca parar. E assim a velha foi rolando, rolando, rolando, por caminhos e ladeiras, atalhos e clareiras, quando de repente o lobo lhe saltou ao caminho, perguntando: