SlideShare uma empresa Scribd logo
vovó e vovô contaram Autora: Susete Aparecida Rodrigues Mendes
EDITORAÇÃO Suse Mendes TEXTOS Suse Mendes ILUSTRAÇÃO Monique Gabriele Aguiari
Este livro é dedicado  ao meu filho uís Felipe
Filho, foi por você e para você que voltei a ser como criança. Procurei reviver minha infância, procurando compreender-te. Descobrindo a criança que eu fui, descobri a verdadeira alegria de viver um dia por vez e cada minuto deste dia como se fosse o último. Por isso sei que nenhuma técnica, além do meu amor há de preparar-te melhor para a vida. O meu amor eu te entrego totalmente, e sei que este te proporcionará grandes conquistas e muitas alegrias. Te amo muito! Sua mãe  Suse Mendes Dedicatória
ÍNDICE Era uma vez...........................................................06 A Cuca e o Bicho-papão.......................................07 Iara ,a mulher peixe..............................................10 O Boto....................................................................13 A moça que virou Mula-sem-cabeça...................16 Lobisomem. apaixonado......................................19 Terminando............................................................24 Sobre a autora........................................................25 Sobre a Ilustradora................................................26
As histórias que vou contar, todo mundo diz que já conhece, mas, acontece, que ninguém teve avós que contassem histórias tão legais e inesquecíveis quanto os meus. Sendo assim, preste muita atenção.
A Cuca  e o  Bicho-papão
A CUCA Quando eu e meus irmãos éramos crianças, minha avó Maria, sempre contava histórias pra gente dormir. As histórias, que mais gostávamos e que mais tínhamos medo era da Cuca e do Bicho-papão. A Cuca é um bicho feioso, bem enrugado, verde e fedido e tem cara de jacaré. Quando as crianças não querem dormir e ficam fazendo bagunça, falando palavrões, ela vem pegá-las e as leva dentro de um saco de pano bem grande, para um lugar bem longe, que só ela conhece. Minha avó sempre contava a história de uma amiga dela  do tempo que ela era criança. Ela se chamava Maria Salete, era uma menina linda, mas muito teimosa e desobediente. A mãe dela sempre, a colocava de castigo, mas não adiantava, virava e mexia ela estava aprontando. Cuspia nas pessoas quando passavam na rua, falava palavrões e quando chegava hora de dormir , ficava bagunçando com seu irmão mais novo. Até que numa noite de lua cheia no dia 22 de agosto, (dia do aniversário do saci-pererê), foi raptada pela Cuca e nunca mais  voltou... O que a Cuca faz com as crianças???? Isso é um mistério, que ninguém conseguiu desvendar até hoje.
A CUCA Quando eu e meus irmãos éramos crianças, minha avó Maria, sempre contava histórias pra gente dormir. As histórias, que mais gostávamos e que mais tínhamos medo era da Cuca e do Bicho-papão. A Cuca é um bicho feioso, bem enrugado, verde e fedido e tem cara de jacaré. Quando as crianças não querem dormir e ficam fazendo bagunça, falando palavrões, ela vem pegá-las e as leva dentro de um saco de pano bem grande, para um lugar bem longe, que só ela conhece. Minha avó sempre contava a história de uma amiga dela  do tempo que ela era criança. Ela se chamava Maria Salete, era uma menina linda, mas muito teimosa e desobediente. A mãe dela sempre, a colocava de castigo, mas não adiantava, virava e mexia ela estava aprontando. Cuspia nas pessoas quando passavam na rua, falava palavrões e quando chegava hora de dormir , ficava bagunçando com seu irmão mais novo. Até que numa noite de lua cheia no dia 22 de agosto, (dia do aniversário do saci-pererê), foi raptada pela Cuca e nunca mais  voltou... O que a Cuca faz com as crianças???? Isso é um mistério, que ninguém conseguiu desvendar até hoje. O Bicho-papão O Bicho-papão é primo da Cuca, tão feioso quanto ela, ele tem um olho só. Os dois sempre usam a mesma tática, carregam um saco grande e o arrasta pela noite afora, procurando crianças desobedientes e bagunceiras que não querem dormir. Um dia um menino chamado Huguinho, desobedeceu a mãe e saiu para soltar pipa no campinho que ficava, bem longe de casa. Ficou brincando o dia todo e nem percebeu que tinha ficado noite. Quando percebeu ficou desesperado e resolveu cortar caminho pela trilha do matagal, contudo, ficou muito tarde e ele estava muito cansado. Viu uma casinha abandonada, ali perto e resolveu descansar lá, até o dia amanhacer. O Huguinho voltou pra casa? Onde ele foi parar? Sei lá, só sei que a Cuca e o Bicho-papão dividem o mesmo lugar para prenderem suas vítimas. Acho melhor a criançada tomar cuidado e, parar, de desobedecer, porque esta dupla não está para brincadeira.
IARA a mulher peixe
Agora, quem contava história boa mesmo e de arrepiar era o vovô Zé Domingos.  Ele e seu amigo João costumavam pescar uma vez por semana. Numa sexta-feira, saiu de Pioneiros , pacata cidadezinha do Interior de São Paulo, no final da tarde para mais uma pescaria, neste dia o seu amigo não quiz ir, pois, era sexta-feira treze e de lua cheia. Na verdade, João tinha medo da história que o povo da cidade contava e lembrou meu avô, mas ele não acreditava nestas besteiras e foi sozinho mesmo.Nesta cidadezinha corria um boato que no Rio... Onde pescavam havia uma moça bonita que cantava muito bem e todo pescador que cruzava com ela nunca mais voltava.
Vovô, foi para a pescaria pensando naquelas  tontices e ria sozinho. Chegou no local da pescaria, fez uma fogueirinha, abriu sua sacola , sentou-se à beira do rio e jogou a vara para pescar. Estava ali, bem distraído, quando ouviu alguém cantando, olhou para a direção de onde vinha o som e avistou em cima de uma pedra no meio do rio uma moça linda penteando seu cabelos com um pente de pura prata , olhando-se no espelho. Hipnotizado pela beleza e encantadora voz da moça,resolveu chegar mais perto, quando percebeu ,que ela não tinha pernas, no lugar delas havia uma longa cauda de peixe. Lembrou-se, então do alerta que seu amigo João lhe fizera:”Se você ouvir um belo canto à beira do rio, cuidado!!!Pode ser o canto da mulher peixe.Foi quando escorregou e caiu. Plaft! Acordou e saiu correndo , ficou com tanto medo que fez xixi nas calças.Nunca mais saiu pra pescar! Se não fosse aquele escorregão, ele não ficaria vivo pra contar esta história!!
O BOTO COR-DE-ROSA
Vocês podem até dizer que é conversa de pescador, mas eu nunca duvidei do vovô, e sei também, que todo mundo que mora lá pelas bandas de Pioneiros, confirma esta história. Teve um bailão na casa do amigo do vovô, o João, lembra? Era uma festança danada de boa, aniversário da filha mais nova dele, afilhada do vovô. Noite de lua cheia, todo mundo na maior alegria, dançando e cantando. De repente chegou lá um moço que ninguém conhecia, muito bonito de terno branco, perfumado e sedutor. As mocinhas se derreteram todas com o olhar profundo e apaixonado do rapaz, que segundo vovô era excelente dançarino. Dança aqui, dança ali. Lá pelas altas horas da madrugada, marcou encontro com a filha do João, à beira do rio.
Após seduzir a moça, o misterioso rapaz desapareceu nas águas do rio, deixando a coitadinha completamente apaixonada. Quando ele mergulhou no rio, transformou-se em um boto cor-de-rosa. Quem  viu? O vovô é claro, ele era muito desconfiado, e por isso ficou de olho naquele rapaz do começo ao fim. Na verdade, ele já sabia, que naquela noite, iria acontecer uma boa história,
A moça que virou Mula-sem-cabeça
Esta história quem contou foi minha tia. Tia Nenzinha, carola até as tampas, não perdia uma missa.Ela  tinha uma amiga muito assanhada, que se apaixonou pelo padre da cidade e ele apaixonou-se por ela também.  Os dois resolveram namorar, foi uma tragédia na cidade. Por que? Vocês já devem ter ouvido falar que moça que namora padre vira mula-sem-cabeça,né??
Pois é, numa sexta-feira de lua cheia, viram sair da casa da tal moça uma figura horrível, uma mula-sem-cabeça, no lugar da cabeça existia um fogo ardente. A mula saiu corrrendo pelas ruas relinchando tão alto que todo mundo ouvia mesmo a longa distância. Quem ouviu, disse que o relincho lembrava um gemido humano. No dia seguinte, encontraram a moça, lá no meio do canavial, perdida, chorando sem parar. E todas as sexta-feira era a mesma coisa.
APAIXONADO Lobisomen
Minha avó contou uma história de um rapaz que era apaixonado pela minha tia Nenzinha. Segundo ela o rapaz era feio, amarelo e muito magro, o sétimo filho de um casal que morava na fazenda vizinha, chamava-se Demerval. Um dia teve um baile no clube da cidade, como a fazenda ficava longe , os jovens se reuniam em grupos e iam caminhando pela estrada até chegar lá.
O baile foi numa sexta-feira de lua cheia, era lua bonita de doer, clareava tudo . No grupo de jovens que minha tia ia ao baile estava também o tal de Demerval, e assim todos foram caminhando pela estrada de terra iluminada pela lua cheia. Chegando lá dançaram e se divertiram muito, quando era quase meia-noite, resolveram ir embora pra casa, mas quando procuraram o Demerval, nada de encontrá-lo.
Perguntaram para um e para outro, até que alguém disse que tinha visto o Demerval sair correndo em direção da estrada, parecia estar passando mal. Todos preocupados, saíram correndo na mesma direção, atrás do Demerval, até que chegaram próximo a encruzilhada totalmente escura, iluminada apenas pela lua cheia e viram algo se arrastando pelo chão,
uivando feito lobo. Todo mundo saiu correndo com medo daquele bicho, conhecido na região como lobisomem. Minha tia, muito curiosa, ficou escondida atrás de uma moita e viu quando ele comeu um leitãozinho que estava perdido por ali e depois saiu correndo em direção ao cemitério. A curiosa, seguiu o bicho e quando chegou lá, procurou um espinho bem grande e pah! espetou o bum bum dele.Quebrou o encanto. Ele voltou a ser o Demerval e nunca mais virou lobisomem; pelo menos enquanto minha tia estiver viva, é claro!
Eu sei, que não contei nenhuma novidade para vocês, mas aqueles, que pensavam que estas histórias não passavam de lendas, dessas que as pessoas mais velhas contam para os mais novos na hora de dormir... Se enganaram, né?! Agora está provado que é verdade! Estas histórias incríveis ,realmente foram vividas pelos  meus avós , e quando nos contaram, foi só para ter certeza de que nós contaríamos para as outras pessoas do mesmo jeitinho que aconteceu. E foi assim que eu resolvi escrever as histórias contadas pela minha família pois, tenho esperança que meu filho e todos vocês contem também para seus filhos e garantam   que a  força da vida e a lembrança do passado jamais sejam esquecidas. Terminando...
Sobre a autora Susete Aparecida Rodrigues Mendes, professora graduada em Ciências Sociais e Pedagogia. Nasceu na cidade de Ribeirão Preto, interior do Estado de São Paulo,em dezembro de 1963. Cresceu ouvindo histórias contadas pelos avós, pais e tias. Desde criança, acreditou em papai noel, bicho-papão, fada dos dentes, lobisomem, e outros seres estranhos, encantadores e assustadores.
Sobre a ilustradora Monique Aguiari, é artesã, residente em Jundiaí, cidade do interior do Estado de São Paulo. A ilustração deste livro, foi sua primeira experiência. Sempre achou que histórias infantis deveriam ser coloridas, assim como é nossa infância. Depois de ter confeccionado algumas peças  em E.V.A( marcadores de livros, porta-retratos, lembrancinhas),foi convidada para ilustrar estes textos  e gostou muito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A menina do mar
A menina do marA menina do mar
A menina do mar
Albertina Pereira
 
A menina do mar
A menina do mar A menina do mar
A menina do mar
Odete Almeida
 
A truta Mocha - 1ª Parte
A truta Mocha - 1ª ParteA truta Mocha - 1ª Parte
A truta Mocha - 1ª Parte
hcbmelo
 
S. martinho 1
S. martinho 1S. martinho 1
S. martinho 1
sandra subtil
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
Susana Sobrenome
 
Músicas De Outono
Músicas De OutonoMúsicas De Outono
Músicas De Outono
joananaveribeiro
 
Carnaval letras pernambuco
Carnaval letras pernambucoCarnaval letras pernambuco
Carnaval letras pernambuco
Nome Sobrenome
 
A menina da mar
A menina da marA menina da mar
A menina da mar
cristina123425
 
Lenda de s.martinho
Lenda de s.martinhoLenda de s.martinho
Lenda de s.martinho
Hugo Carvalho
 
Primeiro livro de poesia.pdf
Primeiro livro de poesia.pdfPrimeiro livro de poesia.pdf
Primeiro livro de poesia.pdf
Ana Matias
 
Magusto atividades
Magusto   atividadesMagusto   atividades
Magusto atividades
José Correia
 
A Menina do Mar - Joana Gomes
A Menina do Mar - Joana GomesA Menina do Mar - Joana Gomes
A Menina do Mar - Joana Gomes
Be Alvito
 
A Menina Do Mar
A Menina Do MarA Menina Do Mar
A Menina Do Mar
guest27dd184
 
Menina do mar power point1publicar
Menina do mar power point1publicarMenina do mar power point1publicar
Menina do mar power point1publicar
IsabelPereira2010
 
Menina do mar
Menina do marMenina do mar
Raul Brandão
Raul BrandãoRaul Brandão
Raul Brandão
Maria Pereira
 
A HISTÓRIA DA "MENINA DO MAR"
A HISTÓRIA DA "MENINA DO MAR"A HISTÓRIA DA "MENINA DO MAR"
A HISTÓRIA DA "MENINA DO MAR"
João Pedro Amado
 
Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.
Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.
Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.
Fábio Fontana de Souza
 
Anabela Mimoso
Anabela Mimoso  Anabela Mimoso
Anabela Mimoso
becreebsr
 
O negrinho do pastoreio
O negrinho do pastoreioO negrinho do pastoreio
O negrinho do pastoreio
Monique Carvalho
 

Mais procurados (20)

A menina do mar
A menina do marA menina do mar
A menina do mar
 
A menina do mar
A menina do mar A menina do mar
A menina do mar
 
A truta Mocha - 1ª Parte
A truta Mocha - 1ª ParteA truta Mocha - 1ª Parte
A truta Mocha - 1ª Parte
 
S. martinho 1
S. martinho 1S. martinho 1
S. martinho 1
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
 
Músicas De Outono
Músicas De OutonoMúsicas De Outono
Músicas De Outono
 
Carnaval letras pernambuco
Carnaval letras pernambucoCarnaval letras pernambuco
Carnaval letras pernambuco
 
A menina da mar
A menina da marA menina da mar
A menina da mar
 
Lenda de s.martinho
Lenda de s.martinhoLenda de s.martinho
Lenda de s.martinho
 
Primeiro livro de poesia.pdf
Primeiro livro de poesia.pdfPrimeiro livro de poesia.pdf
Primeiro livro de poesia.pdf
 
Magusto atividades
Magusto   atividadesMagusto   atividades
Magusto atividades
 
A Menina do Mar - Joana Gomes
A Menina do Mar - Joana GomesA Menina do Mar - Joana Gomes
A Menina do Mar - Joana Gomes
 
A Menina Do Mar
A Menina Do MarA Menina Do Mar
A Menina Do Mar
 
Menina do mar power point1publicar
Menina do mar power point1publicarMenina do mar power point1publicar
Menina do mar power point1publicar
 
Menina do mar
Menina do marMenina do mar
Menina do mar
 
Raul Brandão
Raul BrandãoRaul Brandão
Raul Brandão
 
A HISTÓRIA DA "MENINA DO MAR"
A HISTÓRIA DA "MENINA DO MAR"A HISTÓRIA DA "MENINA DO MAR"
A HISTÓRIA DA "MENINA DO MAR"
 
Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.
Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.
Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.
 
Anabela Mimoso
Anabela Mimoso  Anabela Mimoso
Anabela Mimoso
 
O negrinho do pastoreio
O negrinho do pastoreioO negrinho do pastoreio
O negrinho do pastoreio
 

Destaque

A minha família 1
A minha família 1A minha família 1
A minha família 1
elialopes
 
FOLCLORE:LENDA DO BOTO
FOLCLORE:LENDA DO BOTOFOLCLORE:LENDA DO BOTO
FOLCLORE:LENDA DO BOTO
Ana Lucia
 
Palestra família
Palestra famíliaPalestra família
Palestra família
pmgv5
 
Minha família é colorida
Minha família é colorida  Minha família é colorida
Minha família é colorida
Adriana Pereira
 
A lenda do Boto Cor de Rosa e o Curupira
A lenda do Boto Cor de Rosa e o CurupiraA lenda do Boto Cor de Rosa e o Curupira
A lenda do Boto Cor de Rosa e o Curupira
Nute JPA
 
Navegar com segurança - Crianças, internet e pedofilia
Navegar com segurança - Crianças, internet e pedofiliaNavegar com segurança - Crianças, internet e pedofilia
Navegar com segurança - Crianças, internet e pedofilia
FUNDACÃO FÓRMULA CULTURAL
 
Perigos da internet educação infantil
Perigos da internet educação infantilPerigos da internet educação infantil
Perigos da internet educação infantil
Adson Figueiredo
 
Perigos da publicidade infantil
Perigos da publicidade infantilPerigos da publicidade infantil
Perigos da publicidade infantil
anfersilos
 
Entra Na Minha Casa
Entra Na Minha CasaEntra Na Minha Casa
Entra Na Minha Casa
guest9c8a99c
 
A nossa família na minha escolinha
A nossa família na minha escolinhaA nossa família na minha escolinha
A nossa família na minha escolinha
Sara Marques
 
Internet – segurança e perigos
Internet – segurança e perigosInternet – segurança e perigos
Internet – segurança e perigos
catiaemaria
 
Miúdos Seguros Na Net
Miúdos Seguros Na NetMiúdos Seguros Na Net
Miúdos Seguros Na Net
lipa
 
Segurança na Internet para adolescentes
Segurança na Internet para adolescentesSegurança na Internet para adolescentes
Segurança na Internet para adolescentes
guest147ee4
 
Perigos da internet
Perigos da internetPerigos da internet
Perigos da internet
Cristy Tofaleanu
 
Perigos da Internet
Perigos da InternetPerigos da Internet
Perigos da Internet
bryner97
 
Publicidade Infantil
Publicidade InfantilPublicidade Infantil
Publicidade Infantil
Ludmylla Silva
 
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino VieiraEstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
catiasgs
 
Mula sem cabeça
Mula sem cabeçaMula sem cabeça
Mula sem cabeça
Dulcilene Figueiredo
 
Boto cor de rosa
Boto cor de rosaBoto cor de rosa
Boto cor de rosa
Dulcilene Figueiredo
 
Histórias de minha avó
Histórias de minha avóHistórias de minha avó
Histórias de minha avó
Ismael Rosa
 

Destaque (20)

A minha família 1
A minha família 1A minha família 1
A minha família 1
 
FOLCLORE:LENDA DO BOTO
FOLCLORE:LENDA DO BOTOFOLCLORE:LENDA DO BOTO
FOLCLORE:LENDA DO BOTO
 
Palestra família
Palestra famíliaPalestra família
Palestra família
 
Minha família é colorida
Minha família é colorida  Minha família é colorida
Minha família é colorida
 
A lenda do Boto Cor de Rosa e o Curupira
A lenda do Boto Cor de Rosa e o CurupiraA lenda do Boto Cor de Rosa e o Curupira
A lenda do Boto Cor de Rosa e o Curupira
 
Navegar com segurança - Crianças, internet e pedofilia
Navegar com segurança - Crianças, internet e pedofiliaNavegar com segurança - Crianças, internet e pedofilia
Navegar com segurança - Crianças, internet e pedofilia
 
Perigos da internet educação infantil
Perigos da internet educação infantilPerigos da internet educação infantil
Perigos da internet educação infantil
 
Perigos da publicidade infantil
Perigos da publicidade infantilPerigos da publicidade infantil
Perigos da publicidade infantil
 
Entra Na Minha Casa
Entra Na Minha CasaEntra Na Minha Casa
Entra Na Minha Casa
 
A nossa família na minha escolinha
A nossa família na minha escolinhaA nossa família na minha escolinha
A nossa família na minha escolinha
 
Internet – segurança e perigos
Internet – segurança e perigosInternet – segurança e perigos
Internet – segurança e perigos
 
Miúdos Seguros Na Net
Miúdos Seguros Na NetMiúdos Seguros Na Net
Miúdos Seguros Na Net
 
Segurança na Internet para adolescentes
Segurança na Internet para adolescentesSegurança na Internet para adolescentes
Segurança na Internet para adolescentes
 
Perigos da internet
Perigos da internetPerigos da internet
Perigos da internet
 
Perigos da Internet
Perigos da InternetPerigos da Internet
Perigos da Internet
 
Publicidade Infantil
Publicidade InfantilPublicidade Infantil
Publicidade Infantil
 
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino VieiraEstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
 
Mula sem cabeça
Mula sem cabeçaMula sem cabeça
Mula sem cabeça
 
Boto cor de rosa
Boto cor de rosaBoto cor de rosa
Boto cor de rosa
 
Histórias de minha avó
Histórias de minha avóHistórias de minha avó
Histórias de minha avó
 

Semelhante a Livro digital folclore professora suse mendes

Lendas e causos
Lendas e causosLendas e causos
Lendas e causos
Josiane Carlos
 
Histórias em família
Histórias em famíliaHistórias em família
Histórias em família
Marcia Neves
 
Lendas e causos
Lendas e causosLendas e causos
Lendas e causos
Josiane Carlos
 
Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]
sallesz
 
Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1
Mario_Cesar
 
Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1
Mario_Cesar
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
Leandro Ferreira
 
Massacre em labeta cap.1
Massacre em labeta cap.1Massacre em labeta cap.1
Massacre em labeta cap.1
Mario_Cesar
 
Texto livre
Texto livreTexto livre
Texto livre
ana_grave
 
Mario de Andrade e Vestida de Preto
Mario de Andrade e Vestida de PretoMario de Andrade e Vestida de Preto
Mario de Andrade e Vestida de Preto
Dani Bertollo
 
Mascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º AMascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º A
profigor
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Taty Ny
 
Mundo fabuloso
Mundo fabulosoMundo fabuloso
Mundo fabuloso
CrisBiagio
 
As Tristezas e as Alegrias de Lisa - Vovó Mima Badan
As Tristezas e as Alegrias de Lisa - Vovó Mima BadanAs Tristezas e as Alegrias de Lisa - Vovó Mima Badan
As Tristezas e as Alegrias de Lisa - Vovó Mima Badan
Vovó Mima Badan
 
H I S TÓ R I A S Q U E A 5ª B C O N T A V E R SÃ O A N T E R I O R D...
H I S TÓ R I A S  Q U E  A 5ª  B  C O N T A    V E R SÃ O  A N T E R I O R  D...H I S TÓ R I A S  Q U E  A 5ª  B  C O N T A    V E R SÃ O  A N T E R I O R  D...
H I S TÓ R I A S Q U E A 5ª B C O N T A V E R SÃ O A N T E R I O R D...
enir.ester
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
cristiane gouvea
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
Adriana Mello
 
Livro final
Livro finalLivro final
Livro final
IsabelPereira2010
 
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Juliana Cosenza Camara
 
Livro das Histórias Populares
Livro das Histórias PopularesLivro das Histórias Populares
Livro das Histórias Populares
Denilton Santos
 

Semelhante a Livro digital folclore professora suse mendes (20)

Lendas e causos
Lendas e causosLendas e causos
Lendas e causos
 
Histórias em família
Histórias em famíliaHistórias em família
Histórias em família
 
Lendas e causos
Lendas e causosLendas e causos
Lendas e causos
 
Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]Nx zero e chapeuzinho[1]
Nx zero e chapeuzinho[1]
 
Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1
 
Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1Massacre em labeta cap 1
Massacre em labeta cap 1
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
 
Massacre em labeta cap.1
Massacre em labeta cap.1Massacre em labeta cap.1
Massacre em labeta cap.1
 
Texto livre
Texto livreTexto livre
Texto livre
 
Mario de Andrade e Vestida de Preto
Mario de Andrade e Vestida de PretoMario de Andrade e Vestida de Preto
Mario de Andrade e Vestida de Preto
 
Mascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º AMascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º A
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Mundo fabuloso
Mundo fabulosoMundo fabuloso
Mundo fabuloso
 
As Tristezas e as Alegrias de Lisa - Vovó Mima Badan
As Tristezas e as Alegrias de Lisa - Vovó Mima BadanAs Tristezas e as Alegrias de Lisa - Vovó Mima Badan
As Tristezas e as Alegrias de Lisa - Vovó Mima Badan
 
H I S TÓ R I A S Q U E A 5ª B C O N T A V E R SÃ O A N T E R I O R D...
H I S TÓ R I A S  Q U E  A 5ª  B  C O N T A    V E R SÃ O  A N T E R I O R  D...H I S TÓ R I A S  Q U E  A 5ª  B  C O N T A    V E R SÃ O  A N T E R I O R  D...
H I S TÓ R I A S Q U E A 5ª B C O N T A V E R SÃ O A N T E R I O R D...
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
 
Livro final
Livro finalLivro final
Livro final
 
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
 
Livro das Histórias Populares
Livro das Histórias PopularesLivro das Histórias Populares
Livro das Histórias Populares
 

Mais de Susete Rodrigues Mendes

Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
Susete Rodrigues Mendes
 
Um foguetão de sucata ii2011
Um foguetão de sucata ii2011Um foguetão de sucata ii2011
Um foguetão de sucata ii2011
Susete Rodrigues Mendes
 
Recordação turma 1 serie fundamental
Recordação turma 1 serie fundamentalRecordação turma 1 serie fundamental
Recordação turma 1 serie fundamental
Susete Rodrigues Mendes
 
Projetosemanadacrianaçacolegiobrasil
ProjetosemanadacrianaçacolegiobrasilProjetosemanadacrianaçacolegiobrasil
Projetosemanadacrianaçacolegiobrasil
Susete Rodrigues Mendes
 
Projeto cultural colegiobrasil 2006 completo
Projeto cultural colegiobrasil 2006 completoProjeto cultural colegiobrasil 2006 completo
Projeto cultural colegiobrasil 2006 completo
Susete Rodrigues Mendes
 
Colegio brasil semeando virtudes
Colegio brasil semeando virtudesColegio brasil semeando virtudes
Colegio brasil semeando virtudes
Susete Rodrigues Mendes
 
Colégio brasil festa típica
Colégio brasil festa típicaColégio brasil festa típica
Colégio brasil festa típica
Susete Rodrigues Mendes
 
Recordação turma pre 2006
Recordação turma pre 2006Recordação turma pre 2006
Recordação turma pre 2006
Susete Rodrigues Mendes
 
Recordação turma jardim
Recordação turma jardimRecordação turma jardim
Recordação turma jardim
Susete Rodrigues Mendes
 
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmaresProducaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Susete Rodrigues Mendes
 
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmaresProducaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Susete Rodrigues Mendes
 

Mais de Susete Rodrigues Mendes (11)

Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
 
Um foguetão de sucata ii2011
Um foguetão de sucata ii2011Um foguetão de sucata ii2011
Um foguetão de sucata ii2011
 
Recordação turma 1 serie fundamental
Recordação turma 1 serie fundamentalRecordação turma 1 serie fundamental
Recordação turma 1 serie fundamental
 
Projetosemanadacrianaçacolegiobrasil
ProjetosemanadacrianaçacolegiobrasilProjetosemanadacrianaçacolegiobrasil
Projetosemanadacrianaçacolegiobrasil
 
Projeto cultural colegiobrasil 2006 completo
Projeto cultural colegiobrasil 2006 completoProjeto cultural colegiobrasil 2006 completo
Projeto cultural colegiobrasil 2006 completo
 
Colegio brasil semeando virtudes
Colegio brasil semeando virtudesColegio brasil semeando virtudes
Colegio brasil semeando virtudes
 
Colégio brasil festa típica
Colégio brasil festa típicaColégio brasil festa típica
Colégio brasil festa típica
 
Recordação turma pre 2006
Recordação turma pre 2006Recordação turma pre 2006
Recordação turma pre 2006
 
Recordação turma jardim
Recordação turma jardimRecordação turma jardim
Recordação turma jardim
 
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmaresProducaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmares
 
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmaresProducaoalunos tem saci_na_vila_palmares
Producaoalunos tem saci_na_vila_palmares
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 

Livro digital folclore professora suse mendes

  • 1. vovó e vovô contaram Autora: Susete Aparecida Rodrigues Mendes
  • 2. EDITORAÇÃO Suse Mendes TEXTOS Suse Mendes ILUSTRAÇÃO Monique Gabriele Aguiari
  • 3. Este livro é dedicado ao meu filho uís Felipe
  • 4. Filho, foi por você e para você que voltei a ser como criança. Procurei reviver minha infância, procurando compreender-te. Descobrindo a criança que eu fui, descobri a verdadeira alegria de viver um dia por vez e cada minuto deste dia como se fosse o último. Por isso sei que nenhuma técnica, além do meu amor há de preparar-te melhor para a vida. O meu amor eu te entrego totalmente, e sei que este te proporcionará grandes conquistas e muitas alegrias. Te amo muito! Sua mãe Suse Mendes Dedicatória
  • 5. ÍNDICE Era uma vez...........................................................06 A Cuca e o Bicho-papão.......................................07 Iara ,a mulher peixe..............................................10 O Boto....................................................................13 A moça que virou Mula-sem-cabeça...................16 Lobisomem. apaixonado......................................19 Terminando............................................................24 Sobre a autora........................................................25 Sobre a Ilustradora................................................26
  • 6. As histórias que vou contar, todo mundo diz que já conhece, mas, acontece, que ninguém teve avós que contassem histórias tão legais e inesquecíveis quanto os meus. Sendo assim, preste muita atenção.
  • 7. A Cuca e o Bicho-papão
  • 8. A CUCA Quando eu e meus irmãos éramos crianças, minha avó Maria, sempre contava histórias pra gente dormir. As histórias, que mais gostávamos e que mais tínhamos medo era da Cuca e do Bicho-papão. A Cuca é um bicho feioso, bem enrugado, verde e fedido e tem cara de jacaré. Quando as crianças não querem dormir e ficam fazendo bagunça, falando palavrões, ela vem pegá-las e as leva dentro de um saco de pano bem grande, para um lugar bem longe, que só ela conhece. Minha avó sempre contava a história de uma amiga dela do tempo que ela era criança. Ela se chamava Maria Salete, era uma menina linda, mas muito teimosa e desobediente. A mãe dela sempre, a colocava de castigo, mas não adiantava, virava e mexia ela estava aprontando. Cuspia nas pessoas quando passavam na rua, falava palavrões e quando chegava hora de dormir , ficava bagunçando com seu irmão mais novo. Até que numa noite de lua cheia no dia 22 de agosto, (dia do aniversário do saci-pererê), foi raptada pela Cuca e nunca mais voltou... O que a Cuca faz com as crianças???? Isso é um mistério, que ninguém conseguiu desvendar até hoje.
  • 9. A CUCA Quando eu e meus irmãos éramos crianças, minha avó Maria, sempre contava histórias pra gente dormir. As histórias, que mais gostávamos e que mais tínhamos medo era da Cuca e do Bicho-papão. A Cuca é um bicho feioso, bem enrugado, verde e fedido e tem cara de jacaré. Quando as crianças não querem dormir e ficam fazendo bagunça, falando palavrões, ela vem pegá-las e as leva dentro de um saco de pano bem grande, para um lugar bem longe, que só ela conhece. Minha avó sempre contava a história de uma amiga dela do tempo que ela era criança. Ela se chamava Maria Salete, era uma menina linda, mas muito teimosa e desobediente. A mãe dela sempre, a colocava de castigo, mas não adiantava, virava e mexia ela estava aprontando. Cuspia nas pessoas quando passavam na rua, falava palavrões e quando chegava hora de dormir , ficava bagunçando com seu irmão mais novo. Até que numa noite de lua cheia no dia 22 de agosto, (dia do aniversário do saci-pererê), foi raptada pela Cuca e nunca mais voltou... O que a Cuca faz com as crianças???? Isso é um mistério, que ninguém conseguiu desvendar até hoje. O Bicho-papão O Bicho-papão é primo da Cuca, tão feioso quanto ela, ele tem um olho só. Os dois sempre usam a mesma tática, carregam um saco grande e o arrasta pela noite afora, procurando crianças desobedientes e bagunceiras que não querem dormir. Um dia um menino chamado Huguinho, desobedeceu a mãe e saiu para soltar pipa no campinho que ficava, bem longe de casa. Ficou brincando o dia todo e nem percebeu que tinha ficado noite. Quando percebeu ficou desesperado e resolveu cortar caminho pela trilha do matagal, contudo, ficou muito tarde e ele estava muito cansado. Viu uma casinha abandonada, ali perto e resolveu descansar lá, até o dia amanhacer. O Huguinho voltou pra casa? Onde ele foi parar? Sei lá, só sei que a Cuca e o Bicho-papão dividem o mesmo lugar para prenderem suas vítimas. Acho melhor a criançada tomar cuidado e, parar, de desobedecer, porque esta dupla não está para brincadeira.
  • 10. IARA a mulher peixe
  • 11. Agora, quem contava história boa mesmo e de arrepiar era o vovô Zé Domingos. Ele e seu amigo João costumavam pescar uma vez por semana. Numa sexta-feira, saiu de Pioneiros , pacata cidadezinha do Interior de São Paulo, no final da tarde para mais uma pescaria, neste dia o seu amigo não quiz ir, pois, era sexta-feira treze e de lua cheia. Na verdade, João tinha medo da história que o povo da cidade contava e lembrou meu avô, mas ele não acreditava nestas besteiras e foi sozinho mesmo.Nesta cidadezinha corria um boato que no Rio... Onde pescavam havia uma moça bonita que cantava muito bem e todo pescador que cruzava com ela nunca mais voltava.
  • 12. Vovô, foi para a pescaria pensando naquelas tontices e ria sozinho. Chegou no local da pescaria, fez uma fogueirinha, abriu sua sacola , sentou-se à beira do rio e jogou a vara para pescar. Estava ali, bem distraído, quando ouviu alguém cantando, olhou para a direção de onde vinha o som e avistou em cima de uma pedra no meio do rio uma moça linda penteando seu cabelos com um pente de pura prata , olhando-se no espelho. Hipnotizado pela beleza e encantadora voz da moça,resolveu chegar mais perto, quando percebeu ,que ela não tinha pernas, no lugar delas havia uma longa cauda de peixe. Lembrou-se, então do alerta que seu amigo João lhe fizera:”Se você ouvir um belo canto à beira do rio, cuidado!!!Pode ser o canto da mulher peixe.Foi quando escorregou e caiu. Plaft! Acordou e saiu correndo , ficou com tanto medo que fez xixi nas calças.Nunca mais saiu pra pescar! Se não fosse aquele escorregão, ele não ficaria vivo pra contar esta história!!
  • 14. Vocês podem até dizer que é conversa de pescador, mas eu nunca duvidei do vovô, e sei também, que todo mundo que mora lá pelas bandas de Pioneiros, confirma esta história. Teve um bailão na casa do amigo do vovô, o João, lembra? Era uma festança danada de boa, aniversário da filha mais nova dele, afilhada do vovô. Noite de lua cheia, todo mundo na maior alegria, dançando e cantando. De repente chegou lá um moço que ninguém conhecia, muito bonito de terno branco, perfumado e sedutor. As mocinhas se derreteram todas com o olhar profundo e apaixonado do rapaz, que segundo vovô era excelente dançarino. Dança aqui, dança ali. Lá pelas altas horas da madrugada, marcou encontro com a filha do João, à beira do rio.
  • 15. Após seduzir a moça, o misterioso rapaz desapareceu nas águas do rio, deixando a coitadinha completamente apaixonada. Quando ele mergulhou no rio, transformou-se em um boto cor-de-rosa. Quem viu? O vovô é claro, ele era muito desconfiado, e por isso ficou de olho naquele rapaz do começo ao fim. Na verdade, ele já sabia, que naquela noite, iria acontecer uma boa história,
  • 16. A moça que virou Mula-sem-cabeça
  • 17. Esta história quem contou foi minha tia. Tia Nenzinha, carola até as tampas, não perdia uma missa.Ela tinha uma amiga muito assanhada, que se apaixonou pelo padre da cidade e ele apaixonou-se por ela também. Os dois resolveram namorar, foi uma tragédia na cidade. Por que? Vocês já devem ter ouvido falar que moça que namora padre vira mula-sem-cabeça,né??
  • 18. Pois é, numa sexta-feira de lua cheia, viram sair da casa da tal moça uma figura horrível, uma mula-sem-cabeça, no lugar da cabeça existia um fogo ardente. A mula saiu corrrendo pelas ruas relinchando tão alto que todo mundo ouvia mesmo a longa distância. Quem ouviu, disse que o relincho lembrava um gemido humano. No dia seguinte, encontraram a moça, lá no meio do canavial, perdida, chorando sem parar. E todas as sexta-feira era a mesma coisa.
  • 20. Minha avó contou uma história de um rapaz que era apaixonado pela minha tia Nenzinha. Segundo ela o rapaz era feio, amarelo e muito magro, o sétimo filho de um casal que morava na fazenda vizinha, chamava-se Demerval. Um dia teve um baile no clube da cidade, como a fazenda ficava longe , os jovens se reuniam em grupos e iam caminhando pela estrada até chegar lá.
  • 21. O baile foi numa sexta-feira de lua cheia, era lua bonita de doer, clareava tudo . No grupo de jovens que minha tia ia ao baile estava também o tal de Demerval, e assim todos foram caminhando pela estrada de terra iluminada pela lua cheia. Chegando lá dançaram e se divertiram muito, quando era quase meia-noite, resolveram ir embora pra casa, mas quando procuraram o Demerval, nada de encontrá-lo.
  • 22. Perguntaram para um e para outro, até que alguém disse que tinha visto o Demerval sair correndo em direção da estrada, parecia estar passando mal. Todos preocupados, saíram correndo na mesma direção, atrás do Demerval, até que chegaram próximo a encruzilhada totalmente escura, iluminada apenas pela lua cheia e viram algo se arrastando pelo chão,
  • 23. uivando feito lobo. Todo mundo saiu correndo com medo daquele bicho, conhecido na região como lobisomem. Minha tia, muito curiosa, ficou escondida atrás de uma moita e viu quando ele comeu um leitãozinho que estava perdido por ali e depois saiu correndo em direção ao cemitério. A curiosa, seguiu o bicho e quando chegou lá, procurou um espinho bem grande e pah! espetou o bum bum dele.Quebrou o encanto. Ele voltou a ser o Demerval e nunca mais virou lobisomem; pelo menos enquanto minha tia estiver viva, é claro!
  • 24. Eu sei, que não contei nenhuma novidade para vocês, mas aqueles, que pensavam que estas histórias não passavam de lendas, dessas que as pessoas mais velhas contam para os mais novos na hora de dormir... Se enganaram, né?! Agora está provado que é verdade! Estas histórias incríveis ,realmente foram vividas pelos meus avós , e quando nos contaram, foi só para ter certeza de que nós contaríamos para as outras pessoas do mesmo jeitinho que aconteceu. E foi assim que eu resolvi escrever as histórias contadas pela minha família pois, tenho esperança que meu filho e todos vocês contem também para seus filhos e garantam que a força da vida e a lembrança do passado jamais sejam esquecidas. Terminando...
  • 25. Sobre a autora Susete Aparecida Rodrigues Mendes, professora graduada em Ciências Sociais e Pedagogia. Nasceu na cidade de Ribeirão Preto, interior do Estado de São Paulo,em dezembro de 1963. Cresceu ouvindo histórias contadas pelos avós, pais e tias. Desde criança, acreditou em papai noel, bicho-papão, fada dos dentes, lobisomem, e outros seres estranhos, encantadores e assustadores.
  • 26. Sobre a ilustradora Monique Aguiari, é artesã, residente em Jundiaí, cidade do interior do Estado de São Paulo. A ilustração deste livro, foi sua primeira experiência. Sempre achou que histórias infantis deveriam ser coloridas, assim como é nossa infância. Depois de ter confeccionado algumas peças em E.V.A( marcadores de livros, porta-retratos, lembrancinhas),foi convidada para ilustrar estes textos e gostou muito.