SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Escola Superior de Economia e Gestão
Curso: Administração e Gestão de Empresas & Contabilidade e Auditoria 4º Ano1º Semestre/2015
Cadeira: Contabilidade Internacional
Trabalho de Pesquisa
Temas: Contabilidade Internacional, Normalização e Harmonização Contabilística
Autor: Sergio Alfredo Macore
Pemba, Março de 2013
Escola Superior de Economia e Gestão
Curso: Administração e Gestão de Empresas & Contabilidade e Auditoria 4º Ano1ºSemestre/2013
Cadeira: Contabilidade Internacional
Trabalho de Pesquisa
Tema: Contabilidade Internacional, Normalização e Harmonização Contabilística
1. INTRODUÇÃO
A Contabilidade Internacional surgiu com o intuito de gerar uma uniformização entre todos os países,
para que haja uma compatibilidade na informação contabilística. Ela visa estudar as normas de cada País,
para que haja assim uma uniformização quanto à importação e exportação de interesses comerciais.
O seu estudo é de grande importância, pois permite analisar as informações económicas na esfera
internacional. Sua finalidade principal é estabelecer contato entre os países, para que o mercado de cada
País possa entrar em harmonia com todos os mercados e assim, facilite a troca de informações e
mercadorias de maneira intercontinental.
A contabilidade internacional assim como a contabilidade geral, exige a presença de uma chave principal
para regular o património das empresas internacionais, que vem a ser o contador.
O sector internacional de contabilidade possui algumas funções específicas, de entre elas estão o balanço
patrimonial que é realizado, levando-se em conta tudo que é incorporado, tirado do património, inclusive
as receitas e despesas das empresas internacionais. Há ainda a demonstração de resultados, ou seja, a livre
informação a cerca da finalidade de uma determinada empresa, de como ela vem actuando no mercado de
trabalho e como é a sua relação económica com os outros países.
2. O QUE É A CONTABILIDADE INTERNACIONAL
Para entender o que é a Contabilidade Internacional, é preciso conhecer os Princípios Fundamentais da
Estrutura Conceptual da Contabilidade Internacional. Tais princípios estão definidos num texto chamado
"Framework" em inglês ("Estrutura conceptual").
O referido texto não é uma Norma Internacional de Contabilidade. Ele é uma descrição dos conceitos
básicos que devem ser respeitados na preparação e apresentação das demonstrações financeiras
internacionais.
O texto define: (i) O espírito intrínseco das normas internacionais e (ii) A filosofia geral das normas. E
tem também como objectivo ajudar a diretoria do IASB (International Accounting standards Board)
no desenvolvimento e interpretação das Normas Internacionais de Contabilidade, os usuários na
elaboração das demonstrações financeiras e, os auditores na formação de uma opinião de auditoria. Em
caso de conflito entre qualquer Norma Internacional e o "Framework", as exigências da Norma
Internacional prevalecem sobre as do "Framework".
Os principais conceitos apresentados na Estrutura conceptual são:
 Os objectivos das demonstrações financeiras: dar informações sobre a posição financeira, os
resultados, e as mudanças na posição financeira de uma entidade, que sejam úteis a um grande
número de usuários (investidores, empregados, fornecedores, clientes, instituições financeiras ou
governamentais, agências de notação e público) em suas tomadas de decisão.
 Os pressupostos básicos: regime de competência e continuidade.
 As características qualitativas das demonstrações financeiras: clareza, relevância,
confiabilidade, comparabilidade, equilíbrio entre custo e benefício na preparação das
demonstrações financeiras.
 Os elementos das demonstrações financeiras: o balanço Patrimonial, a demonstração de
resultado, a demonstração de fluxo de caixa, as notas e as divulgações incluindo informações por
segmento de negócio.
 Os critérios de reconhecimento dos activos, passivos, receitas e despesas.
 Os princípios de avaliação dos elementos das demonstrações financeiras: custo histórico, custo
corrente, valor realizável e valor presente.
3. O QUE ENTENDE POR NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA E HARMONIZAÇÃO
CONTABILÍSTICA
Segundo LAINEZ GADEA (1993), é importante distinguir estes dois termos que muito confundimos e
até mesmo parecem mero sinónimos mas que não são quando se estuda a contabilidade internacional.
3.1 Normalização Contabilística
A Normalização Contabilística entende se como o relato financeiro visto a uma nova luz, ou seja
pressupõem a total uniformização das regras contabilísticas.
Ela é importante na análise económica e financeira da empresa, tendo em conta o meio envolvente em
que, hoje, as empresas encontram-se inseridas.
As mudanças que ocorreram na economia global levou a que as empresas passassem a adotar novas
formas de elaborar o reporte financeiro como forma de acompanhar essa evolução.
A Normalização Contabilística posiciona-se num extremo de total igualdade nos procedimentos
contabilísticos, visando a padronização de princípios e normas.
Pode se definir a Normalização como um processo que trata de impor uma uniformidade nos métodos e
práticas contabilísticas de todos países que participam no processo.
3.1.1 Vantagens da Normalização Contabilística
Estar relacionado com as empresas multinacionais, já que as empresas subsidiarias passariam a trabalhar
com as normas similares as da empresa mãe o que diminui os esforços e tempo despendido pelos
contabilistas e os auditores dessa mesma empresa;
Facilidade na procura de financiamento em mercados estrangeiros e também;
Facilidade na elaboração das demonstrações consolidadas uma vez que não teria, de elaborar conforme as
normas do País da origem da empresa mãe devido as exigências do mercado de capitais e contas
individuais para casa filial;
Diminui os custos com a preparação das demonstrações financeiras; e
Auxilia as operações de tomada de decisão e a mobilização de staff de um País para outro País.
3.1.2 Desvantagens da Normalização Contabilística
Não é aceite por vários autores que até meados da década oitenta eram contra esse processo. Segundo
Rodrigues (e tal autores como Zweigert e Goldman (1995) argumenta, que as leis harmonizadoras
frequentemente são hídricas e com muitas clausulas tornando o processo de difícil alcance devido a
diversidade fiscal e legal dos diferentes países são aceites isto porque a contabilidade só conserva a sua
relevância se for sensível ao meio em que opera. Uma alteração do métodos contabilísticos pressupõe
também na alteração nos relatórios financeiros e os utilizadores dessa informação devem ter consciência
dos efeitos dessa alteração.
3.2 Harmonização Contabilística
Existem grandes diferenças nas práticas de reporting financeiro em empresas de diferentes países. Esta
situação gera complicações para aqueles que elaboram, consolidam, auditam e interpretam os relatórios
financeiros. As empresas como forma de evitar tais divergências, têm desenvolvido esforços no sentido de
harmonizar e/ou standardizar os princípios contabilísticos.
A Harmonização Contabilística, surge neste contexto, como forma de reduzir as diferenças existentes no
relato financeiro dos vários países. Nisto, existem várias iniciativas que tem sido feitas a favor da
Harmonização/Normalização Contabilística e a sua relevância no contexto internacional e nacional.
Nisto, a harmonização é um processo gradual de compatibilização de práticas contabilísticas e de
definição do seu grau de variação.
A standardização implica a imposição de um conjunto de regras mais rígido, ou seja, menos flexível.
No entanto, estas duas palavras (rígido e flexível) não têm sido mais do que dois meros termos técnicos.
A harmonização é uma palavra que tende estar associada à legislação transnacional , por seu lado a
standardização é muitas vezes associada às normas do IASC (International Accouting Standards
Committee).
3.1.2.3 Normalização Contabilística & Harmonização Contabilística
Segundo LAINEZ GADEA ( 1993), é importante distinguir estes dois termos que muito
confundimos e ate mesmo parecem mero sinónimos mas que não são quando se estuda a
contabilidade internacional.
A Normalização é um processo que trata de impor uma uniformidade nos métodos e praticas
contabilísticas de todos países que participam no processo. A Normalização Contabilística
Posiciona se num extremo de total igualdade nos procedimentos contabilísticos, visando a
padronização de princípios e normas e ela pode ser aplicada no máximo a nível nacional visto
que internacionalmente esta num patamar lento de acontecer.
A HarmonizaçãoContabilísticaimplicaumprocessode conciliaçãode diferentespontosde vista
e da diversidade de praticas existentes estabelecendo limites a seu grau de variação.
A Harmonização é um termo com significado diferente do anterior , este posiciona se num
pontointermediárioentre ototal igualdade de procedimentose ototal liberdade de trabalhar a
contabilidade.
A questão que podemos encontrar em amos os enfoques ou termos é que por um lado a
Normalização supranacional parece-nos difícil de ser alcançada ate mesmo em grupos de
integraçãoregional. E a Harmonização por ser apenas a eliminação de total de procedimentos
deve contemplar a escolha de alguns em várias alternativas para o tratamento de um mesmo
fatocontabilístico,e issoestaaindalonge de umideal que resolva definitivamente o problema
de comparabilidade de resultados.
3.2.1 Motivos, obstáculos e critérios de avaliação da harmonização
Existência de cada vez mais diversos princípios contabilísticos utilizados num ou noutro País;
Os Analistas e investidores necessitam de compreender toda a informação financeira relativamente a
empresas estrangeiras em que estejam potencialmente interessados, tornando-se fundamental
compreender que o reporting de diferentes empresas em diferentes países tem de ser fidedigno e
comparável;
Várias instituições inter-governamentais, incluindo a EU, têm todo o interesse em proteger os investidores
e suas esferas de influência;
Para as empresas multinacionais as vantagens da harmonização são muito importantes;
Uma plataforma de trabalho similar nas subsidiárias dos vários países permitiria facilitar enormemente o
esforço e o tempo despendido pelos contabilistas e os auditores dessas mesmas empresas;
Harmonização desta informação auxiliaria os processos de tomada de decisão e a mobilização de staff de
um País para outro.
Interesse das empresas internacionais de contabilidade e auditoria na harmonização de todo o reporting
financeiro, pois esses tornar-se-iam muito menos onerosos, pois muitos dos clientes destas empresas têm
pelo menos uma subsidiária estrangeira;
Eficiência nas transações internacionais. As empresas multinacionais são actualmente “obrigadas” a
efectuar dois tipos de contabilidade: são elaboradas contas consolidadas conforme as normas do País da
empresa-mãe, devido às exigências do mercado de capitais; e contas individuais para cada filial,
estabelecidas segundo as regras e legislação local e que têm um princípio essencialmente fiscal; e
A falta de uniformidade e comparabilidade das informações contabilísticas constituem indubitavelmente
também um obstáculo aos investimentos internacionais.
3.2.2 Obstáculos à harmonização
A dimensão das diferenças entre as práticas contabilísticas de diferentes países;
A falta de entidades nacionais, profissionais e reguladores no domínio da contabilidade nalguns países é
outro dos obstáculos. Quando esta situação acontece, a função do IASC (International Accounting
Standards Committee) torna-se bastante difícil e pouco objectiva;
Nacionalismo exacerbado. Nalguns países, a recusa ou o não cumprimento de determinadas normas
contabilísticas está relacionado unicamente com o manter da soberania e a não aceitação de outros valores
estrangeiros, ou então corresponde à total falta de interesse e conhecimento de novos e mais modernos
princípios contabilísticos;
A implementação de standards contabilísticos, que é o chamado efeito das consequências económicas que
daí possam advir. Este problema pode por si só vir a provocar uma impossibilidade a não ser
implementada a harmonização contabilística;
As regras contabilísticas de cada País foram evoluindo ao longo dos tempos por forma a responder às
necessidades da envolvente social, cultural e económica de cada país, mas que com a implementação de
uma harmonização seriam quebradas porque, tal como o nome indica, seriam elaborados conjuntos de
regras comuns;
A heterogeneidade das prioridades e dos objectivos contabilísticos e financeiros entre países representa
outro obstáculo à harmonização;
Custo à harmonização para as empresas. Uma alteração dos métodos contabilísticos pressupõe também
uma alteração nos relatórios financeiros da empresa e os utilizadores dessa informação têm de ter
consciência dos efeitos dessas alterações. A nível interno a empresa suporta igualmente os custos de
formação e de adaptação informática, mas de uma maneira geral esses custos serão muito mais onerosos
para pequenas empresas do que para grandes empresas, pois estas últimas têm maior facilidade em
repartir esses custos que são na sua maioria fixos.
4. CONCLUSÃO
A Contabilidade Internacional não existe, o que existe são os Princípios Fundamentais da Estrutura
Conceptual da Contabilidade Internacional. Tais princípios estão definidos num texto chamado
"Framework" em inglês ("Estrutura conceptual").
Sabendo que a contabilidade é parte integrante do seu ambiente cultural, uma normalização total a nível
internacional é considerada actualmente como impossível e até inútil. Com o objectivo de pôr em prática
um processo que visa a redução das diferenças existentes, a harmonização deve, em primeiro lugar, tentar
superar os principais obstáculos das comparações internacionais.
Motivos, obstáculos e critérios de avaliação da harmonização
As razões pelas quais são desejados internacionalmente os standards contabilísticos têm a ver com os
cada vez mais diversos princípios contabilísticos utilizados num ou noutro País.
Por estes motivos várias instituições inter-governamentais, incluindo a EU, têm todo o interesse em
proteger os investidores e suas esferas de influência. Também para as empresas multinacionais as
vantagens da harmonização são muito importantes. A existência de uma plataforma de trabalho similar
nas subsidiárias dos vários países permitiria facilitar enormemente o esforço e o tempo dispendido pelos
contabilistas e os auditores dessas mesmas empresas. Para além de outros aspectos a harmonização desta
informação auxiliaria os processos de tomada de decisão e a mobilização de staff de um País para outro.
As grandes empresas internacionais de contabilidade e auditoria são outros elementos fortemente
interessados na harmonização de todo o reporting financeiro, pois esses tornar-se-iam muito menos
onerosos, pois muitos dos clientes destas empresas têm pelo menos uma subsidiária estrangeira.
Outro argumento pelo qual se invoca a harmonização contabilística, é a procura de eficiência das
transacções internacionais. As empresas multinacionais são actualmente “obrigadas” a efectuar dois tipos
de contabilidade: são elaboradas contas consolidadas conforme as normas do País da empresa-mãe,
devido às exigências do mercado de capitais; e contas individuais para cada filial, estabelecidas segundo
as regras e legislação local e que têm um princípio essencialmente fiscal.
A falta de uniformidade e também de comparabilidade das informações contabilísticas constituem
indubitavelmente também um obstáculo aos investimentos internacionais.
Outra questão que se coloca é saber se a harmonização deve abranger todo o tipo de empresas ou deve ser
limitada a empresas cotadas em bolsa, e a sociedades de capitais.
É certo que a harmonização é estritamente necessária para empresas cotadas na bolsa, pois facilita as
transacções nos mercados de capitais internacionais. Mas fica sempre como ponto aberto em discussão se
deve ou não deve ser igual para todas as empresas.
Obstáculos à harmonização
O obstáculo fundamental à harmonização é a dimensão das diferenças entre as práticas contabilísticas de
diferentes países. Isto significa que se o reporting financeiro varia de País para País será razoável dizer
que o seu significado também. Uma das formas de se contornar este problema é a elaboração de dois
relatórios financeiros: um para consumo interno outro para consumo internacional.
A falta de entidades nacionais, profissionais e reguladores no domínio da contabilidade nalguns países é
outro dos obstáculos. Quando esta situação acontece, a função do IASC (International Accounting
Standards Committee) torna-se bastante difícil e pouco objectiva.
Outro dos problemas tem a ver com o nacionalismo exacerbado. Nalguns países, a recusa ou o não
cumprimento de determinadas normas contabilísticas está relacionado unicamente com o manter da
soberania e a não aceitação de outros valores estrangeiros, ou então corresponde à total falta de interesse e
conhecimento de novos e mais modernos princípios contabilísticos.
Temos ainda outra dificuldade ou obstáculo também relacionado com a implementação de standards
contabilísticos, que é o chamado efeito das consequências económicas que daí possam advir. Este
problema pode por si só vir a provocar uma impossibilidade a não ser implementada a harmonização
contabilística.
Para as empresas a harmonização tem um custo. Uma alteração dos métodos contabilísticos pressupõe
também uma alteração nos relatórios financeiros da empresa e os utilizadores dessa informação têm de
ter consciência dos efeitos dessas alterações. A nível interno a empresa suporta igualmente os custos de
formação e de adaptação informática, mas de uma maneira geral esses custos serão muito mais onerosos
para pequenas empresas do que para grandes empresas, pois estas últimas têm maior facilidade em
repartir esses custos que são na sua maioria fixos.
5. BIBLIOGRAFIA
Fonte: http://www.gesbanha.pt/contab/contintt.htm#ha
INFORMAÇÃO DO AUTOR
Nome: Sérgio Alfredo Macore
Facebook: Sergio Alfredo Macore ou Helldriver Rapper Rapper
Contactos: +258 846458829 ou +258 826677547
Morada: Pemba – Cabo Delgado MOZAMBIQUE
E-mail: Sergio.macore@gmail.com ou Sergio.macore@outlook.com
NOTA: Qualquer duvida que tiver, me contacte e não hesite em me contactar.
PAZ e LUCIDEZ

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidaderazonetecontabil
 
35430565 manual-de-contabilidade
35430565 manual-de-contabilidade35430565 manual-de-contabilidade
35430565 manual-de-contabilidadeEdson Jorge Mahota
 
Diapositivos bloco 4
Diapositivos bloco 4Diapositivos bloco 4
Diapositivos bloco 4André Silva
 
Caderno analitica
Caderno analiticaCaderno analitica
Caderno analiticacarneiro62
 
Organização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdfOrganização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdfAmélia Martins
 
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacionalDavid Ribeiro
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosLuís Bastos
 
Exercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e créditoExercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e créditoRaimundo Filho
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf RichardSariaZacarias
 
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicasFontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicasUniversidade Pedagogica
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaUniversidade Pedagogica
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Rafael Gonçalves
 
Noções básicas de contabilidade por altair marta
Noções básicas de contabilidade por altair martaNoções básicas de contabilidade por altair marta
Noções básicas de contabilidade por altair martaAltair Marta
 

Mais procurados (20)

Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
 
35430565 manual-de-contabilidade
35430565 manual-de-contabilidade35430565 manual-de-contabilidade
35430565 manual-de-contabilidade
 
Diapositivos bloco 4
Diapositivos bloco 4Diapositivos bloco 4
Diapositivos bloco 4
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018Cfi 2017 2018
Cfi 2017 2018
 
Noções de fiscalidade
Noções de fiscalidadeNoções de fiscalidade
Noções de fiscalidade
 
Caderno analitica
Caderno analiticaCaderno analitica
Caderno analitica
 
Organização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdfOrganização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdf
 
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
 
Introdução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de CapitaisIntrodução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de Capitais
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e Diferimentos
 
Exercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e créditoExercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e crédito
 
Contabilidade Modulo 1
Contabilidade   Modulo 1Contabilidade   Modulo 1
Contabilidade Modulo 1
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
 
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicasFontes de arrecadacao das receitas publicas
Fontes de arrecadacao das receitas publicas
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de Contabilidade
 
Noções básicas de contabilidade por altair marta
Noções básicas de contabilidade por altair martaNoções básicas de contabilidade por altair marta
Noções básicas de contabilidade por altair marta
 

Semelhante a Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística

Artigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Artigo sobre Harmonização Contábil InternacionalArtigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Artigo sobre Harmonização Contábil InternacionalEuzanira Santos
 
TRABALHO MILTON EUZEBIO COMERCIO EXTERIOR
TRABALHO MILTON EUZEBIO  COMERCIO EXTERIORTRABALHO MILTON EUZEBIO  COMERCIO EXTERIOR
TRABALHO MILTON EUZEBIO COMERCIO EXTERIORhermesson2
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...Roberto Elias Nassif
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...Roberto Elias Nassif
 
Apostila contab internacional
Apostila contab internacionalApostila contab internacional
Apostila contab internacionalprofessoradriano
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacionalDiego Carvalho
 
contabilidadeseculoXXI.ppt
contabilidadeseculoXXI.pptcontabilidadeseculoXXI.ppt
contabilidadeseculoXXI.pptssuser769ec2
 
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias EmpresasCurso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias EmpresasGrupo Treinar
 
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias EmpresasCurso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias EmpresasGrupo Treinar
 
A importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalA importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalUniversidade Pedagogica
 
Harmonização contabil exercicios resolvidos
Harmonização contabil exercicios resolvidosHarmonização contabil exercicios resolvidos
Harmonização contabil exercicios resolvidosbelyalmeida
 
Principios contabeis uma construção m4-ar
Principios contabeis   uma construção m4-arPrincipios contabeis   uma construção m4-ar
Principios contabeis uma construção m4-arsan1404
 
Apost orçam e contab púb
Apost orçam e contab púbApost orçam e contab púb
Apost orçam e contab púbJosé Filho
 
Demonstraescontbeiscombinadasem31dedezembrode2022.pdf
Demonstraescontbeiscombinadasem31dedezembrode2022.pdfDemonstraescontbeiscombinadasem31dedezembrode2022.pdf
Demonstraescontbeiscombinadasem31dedezembrode2022.pdfRenandantas16
 

Semelhante a Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística (20)

Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
Contabilidade Internacional
Contabilidade InternacionalContabilidade Internacional
Contabilidade Internacional
 
Artigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Artigo sobre Harmonização Contábil InternacionalArtigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Artigo sobre Harmonização Contábil Internacional
 
TRABALHO MILTON EUZEBIO COMERCIO EXTERIOR
TRABALHO MILTON EUZEBIO  COMERCIO EXTERIORTRABALHO MILTON EUZEBIO  COMERCIO EXTERIOR
TRABALHO MILTON EUZEBIO COMERCIO EXTERIOR
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
 
Apostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdfApostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdf
 
Apostila contab internacional
Apostila contab internacionalApostila contab internacional
Apostila contab internacional
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
contabilidadeseculoXXI.ppt
contabilidadeseculoXXI.pptcontabilidadeseculoXXI.ppt
contabilidadeseculoXXI.ppt
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias EmpresasCurso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
 
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias EmpresasCurso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Medias Empresas
 
A importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalA importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacional
 
Harmonização contabil exercicios resolvidos
Harmonização contabil exercicios resolvidosHarmonização contabil exercicios resolvidos
Harmonização contabil exercicios resolvidos
 
Principios contabeis uma construção m4-ar
Principios contabeis   uma construção m4-arPrincipios contabeis   uma construção m4-ar
Principios contabeis uma construção m4-ar
 
Apost orçam e contab púb
Apost orçam e contab púbApost orçam e contab púb
Apost orçam e contab púb
 
Demonstraescontbeiscombinadasem31dedezembrode2022.pdf
Demonstraescontbeiscombinadasem31dedezembrode2022.pdfDemonstraescontbeiscombinadasem31dedezembrode2022.pdf
Demonstraescontbeiscombinadasem31dedezembrode2022.pdf
 
122 495-2-pb
122 495-2-pb122 495-2-pb
122 495-2-pb
 
72.pdf
72.pdf72.pdf
72.pdf
 

Mais de Universidade Pedagogica

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Universidade Pedagogica
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Universidade Pedagogica
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Universidade Pedagogica
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxUniversidade Pedagogica
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxUniversidade Pedagogica
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxUniversidade Pedagogica
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdfUniversidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfUniversidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfUniversidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxUniversidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docxUniversidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxUniversidade Pedagogica
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoUniversidade Pedagogica
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Universidade Pedagogica
 

Mais de Universidade Pedagogica (20)

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
 

Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística

  • 1. Escola Superior de Economia e Gestão Curso: Administração e Gestão de Empresas & Contabilidade e Auditoria 4º Ano1º Semestre/2015 Cadeira: Contabilidade Internacional Trabalho de Pesquisa Temas: Contabilidade Internacional, Normalização e Harmonização Contabilística Autor: Sergio Alfredo Macore Pemba, Março de 2013
  • 2. Escola Superior de Economia e Gestão Curso: Administração e Gestão de Empresas & Contabilidade e Auditoria 4º Ano1ºSemestre/2013 Cadeira: Contabilidade Internacional Trabalho de Pesquisa Tema: Contabilidade Internacional, Normalização e Harmonização Contabilística
  • 3. 1. INTRODUÇÃO A Contabilidade Internacional surgiu com o intuito de gerar uma uniformização entre todos os países, para que haja uma compatibilidade na informação contabilística. Ela visa estudar as normas de cada País, para que haja assim uma uniformização quanto à importação e exportação de interesses comerciais. O seu estudo é de grande importância, pois permite analisar as informações económicas na esfera internacional. Sua finalidade principal é estabelecer contato entre os países, para que o mercado de cada País possa entrar em harmonia com todos os mercados e assim, facilite a troca de informações e mercadorias de maneira intercontinental. A contabilidade internacional assim como a contabilidade geral, exige a presença de uma chave principal para regular o património das empresas internacionais, que vem a ser o contador. O sector internacional de contabilidade possui algumas funções específicas, de entre elas estão o balanço patrimonial que é realizado, levando-se em conta tudo que é incorporado, tirado do património, inclusive as receitas e despesas das empresas internacionais. Há ainda a demonstração de resultados, ou seja, a livre informação a cerca da finalidade de uma determinada empresa, de como ela vem actuando no mercado de trabalho e como é a sua relação económica com os outros países. 2. O QUE É A CONTABILIDADE INTERNACIONAL Para entender o que é a Contabilidade Internacional, é preciso conhecer os Princípios Fundamentais da Estrutura Conceptual da Contabilidade Internacional. Tais princípios estão definidos num texto chamado "Framework" em inglês ("Estrutura conceptual"). O referido texto não é uma Norma Internacional de Contabilidade. Ele é uma descrição dos conceitos básicos que devem ser respeitados na preparação e apresentação das demonstrações financeiras internacionais. O texto define: (i) O espírito intrínseco das normas internacionais e (ii) A filosofia geral das normas. E tem também como objectivo ajudar a diretoria do IASB (International Accounting standards Board) no desenvolvimento e interpretação das Normas Internacionais de Contabilidade, os usuários na elaboração das demonstrações financeiras e, os auditores na formação de uma opinião de auditoria. Em caso de conflito entre qualquer Norma Internacional e o "Framework", as exigências da Norma Internacional prevalecem sobre as do "Framework".
  • 4. Os principais conceitos apresentados na Estrutura conceptual são:  Os objectivos das demonstrações financeiras: dar informações sobre a posição financeira, os resultados, e as mudanças na posição financeira de uma entidade, que sejam úteis a um grande número de usuários (investidores, empregados, fornecedores, clientes, instituições financeiras ou governamentais, agências de notação e público) em suas tomadas de decisão.  Os pressupostos básicos: regime de competência e continuidade.  As características qualitativas das demonstrações financeiras: clareza, relevância, confiabilidade, comparabilidade, equilíbrio entre custo e benefício na preparação das demonstrações financeiras.  Os elementos das demonstrações financeiras: o balanço Patrimonial, a demonstração de resultado, a demonstração de fluxo de caixa, as notas e as divulgações incluindo informações por segmento de negócio.  Os critérios de reconhecimento dos activos, passivos, receitas e despesas.  Os princípios de avaliação dos elementos das demonstrações financeiras: custo histórico, custo corrente, valor realizável e valor presente. 3. O QUE ENTENDE POR NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA E HARMONIZAÇÃO CONTABILÍSTICA Segundo LAINEZ GADEA (1993), é importante distinguir estes dois termos que muito confundimos e até mesmo parecem mero sinónimos mas que não são quando se estuda a contabilidade internacional. 3.1 Normalização Contabilística A Normalização Contabilística entende se como o relato financeiro visto a uma nova luz, ou seja pressupõem a total uniformização das regras contabilísticas. Ela é importante na análise económica e financeira da empresa, tendo em conta o meio envolvente em que, hoje, as empresas encontram-se inseridas. As mudanças que ocorreram na economia global levou a que as empresas passassem a adotar novas formas de elaborar o reporte financeiro como forma de acompanhar essa evolução. A Normalização Contabilística posiciona-se num extremo de total igualdade nos procedimentos contabilísticos, visando a padronização de princípios e normas. Pode se definir a Normalização como um processo que trata de impor uma uniformidade nos métodos e práticas contabilísticas de todos países que participam no processo.
  • 5. 3.1.1 Vantagens da Normalização Contabilística Estar relacionado com as empresas multinacionais, já que as empresas subsidiarias passariam a trabalhar com as normas similares as da empresa mãe o que diminui os esforços e tempo despendido pelos contabilistas e os auditores dessa mesma empresa; Facilidade na procura de financiamento em mercados estrangeiros e também; Facilidade na elaboração das demonstrações consolidadas uma vez que não teria, de elaborar conforme as normas do País da origem da empresa mãe devido as exigências do mercado de capitais e contas individuais para casa filial; Diminui os custos com a preparação das demonstrações financeiras; e Auxilia as operações de tomada de decisão e a mobilização de staff de um País para outro País. 3.1.2 Desvantagens da Normalização Contabilística Não é aceite por vários autores que até meados da década oitenta eram contra esse processo. Segundo Rodrigues (e tal autores como Zweigert e Goldman (1995) argumenta, que as leis harmonizadoras frequentemente são hídricas e com muitas clausulas tornando o processo de difícil alcance devido a diversidade fiscal e legal dos diferentes países são aceites isto porque a contabilidade só conserva a sua relevância se for sensível ao meio em que opera. Uma alteração do métodos contabilísticos pressupõe também na alteração nos relatórios financeiros e os utilizadores dessa informação devem ter consciência dos efeitos dessa alteração. 3.2 Harmonização Contabilística Existem grandes diferenças nas práticas de reporting financeiro em empresas de diferentes países. Esta situação gera complicações para aqueles que elaboram, consolidam, auditam e interpretam os relatórios financeiros. As empresas como forma de evitar tais divergências, têm desenvolvido esforços no sentido de harmonizar e/ou standardizar os princípios contabilísticos. A Harmonização Contabilística, surge neste contexto, como forma de reduzir as diferenças existentes no relato financeiro dos vários países. Nisto, existem várias iniciativas que tem sido feitas a favor da Harmonização/Normalização Contabilística e a sua relevância no contexto internacional e nacional. Nisto, a harmonização é um processo gradual de compatibilização de práticas contabilísticas e de definição do seu grau de variação.
  • 6. A standardização implica a imposição de um conjunto de regras mais rígido, ou seja, menos flexível. No entanto, estas duas palavras (rígido e flexível) não têm sido mais do que dois meros termos técnicos. A harmonização é uma palavra que tende estar associada à legislação transnacional , por seu lado a standardização é muitas vezes associada às normas do IASC (International Accouting Standards Committee). 3.1.2.3 Normalização Contabilística & Harmonização Contabilística Segundo LAINEZ GADEA ( 1993), é importante distinguir estes dois termos que muito confundimos e ate mesmo parecem mero sinónimos mas que não são quando se estuda a contabilidade internacional. A Normalização é um processo que trata de impor uma uniformidade nos métodos e praticas contabilísticas de todos países que participam no processo. A Normalização Contabilística Posiciona se num extremo de total igualdade nos procedimentos contabilísticos, visando a padronização de princípios e normas e ela pode ser aplicada no máximo a nível nacional visto que internacionalmente esta num patamar lento de acontecer. A HarmonizaçãoContabilísticaimplicaumprocessode conciliaçãode diferentespontosde vista e da diversidade de praticas existentes estabelecendo limites a seu grau de variação. A Harmonização é um termo com significado diferente do anterior , este posiciona se num pontointermediárioentre ototal igualdade de procedimentose ototal liberdade de trabalhar a contabilidade. A questão que podemos encontrar em amos os enfoques ou termos é que por um lado a Normalização supranacional parece-nos difícil de ser alcançada ate mesmo em grupos de integraçãoregional. E a Harmonização por ser apenas a eliminação de total de procedimentos deve contemplar a escolha de alguns em várias alternativas para o tratamento de um mesmo fatocontabilístico,e issoestaaindalonge de umideal que resolva definitivamente o problema de comparabilidade de resultados.
  • 7. 3.2.1 Motivos, obstáculos e critérios de avaliação da harmonização Existência de cada vez mais diversos princípios contabilísticos utilizados num ou noutro País; Os Analistas e investidores necessitam de compreender toda a informação financeira relativamente a empresas estrangeiras em que estejam potencialmente interessados, tornando-se fundamental compreender que o reporting de diferentes empresas em diferentes países tem de ser fidedigno e comparável; Várias instituições inter-governamentais, incluindo a EU, têm todo o interesse em proteger os investidores e suas esferas de influência; Para as empresas multinacionais as vantagens da harmonização são muito importantes; Uma plataforma de trabalho similar nas subsidiárias dos vários países permitiria facilitar enormemente o esforço e o tempo despendido pelos contabilistas e os auditores dessas mesmas empresas; Harmonização desta informação auxiliaria os processos de tomada de decisão e a mobilização de staff de um País para outro. Interesse das empresas internacionais de contabilidade e auditoria na harmonização de todo o reporting financeiro, pois esses tornar-se-iam muito menos onerosos, pois muitos dos clientes destas empresas têm pelo menos uma subsidiária estrangeira; Eficiência nas transações internacionais. As empresas multinacionais são actualmente “obrigadas” a efectuar dois tipos de contabilidade: são elaboradas contas consolidadas conforme as normas do País da empresa-mãe, devido às exigências do mercado de capitais; e contas individuais para cada filial, estabelecidas segundo as regras e legislação local e que têm um princípio essencialmente fiscal; e A falta de uniformidade e comparabilidade das informações contabilísticas constituem indubitavelmente também um obstáculo aos investimentos internacionais. 3.2.2 Obstáculos à harmonização A dimensão das diferenças entre as práticas contabilísticas de diferentes países;
  • 8. A falta de entidades nacionais, profissionais e reguladores no domínio da contabilidade nalguns países é outro dos obstáculos. Quando esta situação acontece, a função do IASC (International Accounting Standards Committee) torna-se bastante difícil e pouco objectiva; Nacionalismo exacerbado. Nalguns países, a recusa ou o não cumprimento de determinadas normas contabilísticas está relacionado unicamente com o manter da soberania e a não aceitação de outros valores estrangeiros, ou então corresponde à total falta de interesse e conhecimento de novos e mais modernos princípios contabilísticos; A implementação de standards contabilísticos, que é o chamado efeito das consequências económicas que daí possam advir. Este problema pode por si só vir a provocar uma impossibilidade a não ser implementada a harmonização contabilística; As regras contabilísticas de cada País foram evoluindo ao longo dos tempos por forma a responder às necessidades da envolvente social, cultural e económica de cada país, mas que com a implementação de uma harmonização seriam quebradas porque, tal como o nome indica, seriam elaborados conjuntos de regras comuns; A heterogeneidade das prioridades e dos objectivos contabilísticos e financeiros entre países representa outro obstáculo à harmonização; Custo à harmonização para as empresas. Uma alteração dos métodos contabilísticos pressupõe também uma alteração nos relatórios financeiros da empresa e os utilizadores dessa informação têm de ter consciência dos efeitos dessas alterações. A nível interno a empresa suporta igualmente os custos de formação e de adaptação informática, mas de uma maneira geral esses custos serão muito mais onerosos para pequenas empresas do que para grandes empresas, pois estas últimas têm maior facilidade em repartir esses custos que são na sua maioria fixos.
  • 9. 4. CONCLUSÃO A Contabilidade Internacional não existe, o que existe são os Princípios Fundamentais da Estrutura Conceptual da Contabilidade Internacional. Tais princípios estão definidos num texto chamado "Framework" em inglês ("Estrutura conceptual"). Sabendo que a contabilidade é parte integrante do seu ambiente cultural, uma normalização total a nível internacional é considerada actualmente como impossível e até inútil. Com o objectivo de pôr em prática um processo que visa a redução das diferenças existentes, a harmonização deve, em primeiro lugar, tentar superar os principais obstáculos das comparações internacionais. Motivos, obstáculos e critérios de avaliação da harmonização As razões pelas quais são desejados internacionalmente os standards contabilísticos têm a ver com os cada vez mais diversos princípios contabilísticos utilizados num ou noutro País. Por estes motivos várias instituições inter-governamentais, incluindo a EU, têm todo o interesse em proteger os investidores e suas esferas de influência. Também para as empresas multinacionais as vantagens da harmonização são muito importantes. A existência de uma plataforma de trabalho similar nas subsidiárias dos vários países permitiria facilitar enormemente o esforço e o tempo dispendido pelos contabilistas e os auditores dessas mesmas empresas. Para além de outros aspectos a harmonização desta informação auxiliaria os processos de tomada de decisão e a mobilização de staff de um País para outro. As grandes empresas internacionais de contabilidade e auditoria são outros elementos fortemente interessados na harmonização de todo o reporting financeiro, pois esses tornar-se-iam muito menos onerosos, pois muitos dos clientes destas empresas têm pelo menos uma subsidiária estrangeira. Outro argumento pelo qual se invoca a harmonização contabilística, é a procura de eficiência das transacções internacionais. As empresas multinacionais são actualmente “obrigadas” a efectuar dois tipos de contabilidade: são elaboradas contas consolidadas conforme as normas do País da empresa-mãe, devido às exigências do mercado de capitais; e contas individuais para cada filial, estabelecidas segundo as regras e legislação local e que têm um princípio essencialmente fiscal. A falta de uniformidade e também de comparabilidade das informações contabilísticas constituem indubitavelmente também um obstáculo aos investimentos internacionais.
  • 10. Outra questão que se coloca é saber se a harmonização deve abranger todo o tipo de empresas ou deve ser limitada a empresas cotadas em bolsa, e a sociedades de capitais. É certo que a harmonização é estritamente necessária para empresas cotadas na bolsa, pois facilita as transacções nos mercados de capitais internacionais. Mas fica sempre como ponto aberto em discussão se deve ou não deve ser igual para todas as empresas. Obstáculos à harmonização O obstáculo fundamental à harmonização é a dimensão das diferenças entre as práticas contabilísticas de diferentes países. Isto significa que se o reporting financeiro varia de País para País será razoável dizer que o seu significado também. Uma das formas de se contornar este problema é a elaboração de dois relatórios financeiros: um para consumo interno outro para consumo internacional. A falta de entidades nacionais, profissionais e reguladores no domínio da contabilidade nalguns países é outro dos obstáculos. Quando esta situação acontece, a função do IASC (International Accounting Standards Committee) torna-se bastante difícil e pouco objectiva. Outro dos problemas tem a ver com o nacionalismo exacerbado. Nalguns países, a recusa ou o não cumprimento de determinadas normas contabilísticas está relacionado unicamente com o manter da soberania e a não aceitação de outros valores estrangeiros, ou então corresponde à total falta de interesse e conhecimento de novos e mais modernos princípios contabilísticos. Temos ainda outra dificuldade ou obstáculo também relacionado com a implementação de standards contabilísticos, que é o chamado efeito das consequências económicas que daí possam advir. Este problema pode por si só vir a provocar uma impossibilidade a não ser implementada a harmonização contabilística. Para as empresas a harmonização tem um custo. Uma alteração dos métodos contabilísticos pressupõe também uma alteração nos relatórios financeiros da empresa e os utilizadores dessa informação têm de ter consciência dos efeitos dessas alterações. A nível interno a empresa suporta igualmente os custos de formação e de adaptação informática, mas de uma maneira geral esses custos serão muito mais onerosos para pequenas empresas do que para grandes empresas, pois estas últimas têm maior facilidade em repartir esses custos que são na sua maioria fixos.
  • 11. 5. BIBLIOGRAFIA Fonte: http://www.gesbanha.pt/contab/contintt.htm#ha INFORMAÇÃO DO AUTOR Nome: Sérgio Alfredo Macore Facebook: Sergio Alfredo Macore ou Helldriver Rapper Rapper Contactos: +258 846458829 ou +258 826677547 Morada: Pemba – Cabo Delgado MOZAMBIQUE E-mail: Sergio.macore@gmail.com ou Sergio.macore@outlook.com NOTA: Qualquer duvida que tiver, me contacte e não hesite em me contactar. PAZ e LUCIDEZ