SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIARAXA
CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS.
DISCIPLINA: CONTABILIDADE INTERNACIONAL- 5° PERIODO
POR QUE HARMONIZAR
O desenvolvimento tecnológico acentuado na área de comunicações, o avanço nos meios
de transporte e o crescimento do comércio internacional fortalecem a interdependência
entre diversas nações, trazendo o fenômeno da globalização de mercados, aproximando
cada vez o mundo nas últimas décadas.
A contabilidade é a principal linguagem dos negócios, e esse processo de comunicação é
dificultado pela existência de diferenças internacionais no financial reporting.(relatórios
financeiros).
Como minimizar a questão das diferenças internacionais?
De uma forma geral, tanto em nível de empresas, entidades profissionais, clientes,
instituições de ensino, há um consenso favorável para uma harmonização de padrões
contábeis que facilite a comunicação e contribuam para reduzir as diferenças internacionais
no financial reporting, permitindo a comparabilidade das informações.
É verdade que o termo harmonização tem sido algumas vezes associado incorretamente
com “padronização” de normas contábeis. Harmonização é um processo que busca
preservar as particularidades inerentes a cada país, mas que permita reconciliar os
sistemas contábeis com outros países de modo a melhorar a troca de informações a serem
interpretadas e compreendidas, enquanto padronização é um processo de uniformização
de critérios não admitindo flexibilização.
HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL
A globalização é uma realidade a despeito das críticas quanto suas conseqüências, e os
sistemas de informações em todos os níveis estão sendo moldados ou adaptados para
serem válidos em qualquer lugar do planeta. A Internet é o exemplo mais real do que se
pode chamar de mundo globalizado, e já não existem mais fronteiras: O capital financeiro
move- se na velocidade do som (quer dizer, das linhas telefônicas) e a informação é um
produto de consumo. Neste cenário, as informações produzidas pela contabilidade são
utilizadas para a tomada de decisões sobre alocação do capital de investidores em locais
diferentes de sua origem, muitas vezes em localização geográfica oposta. Mas para que as
informações contábeis possam ser úteis para o tomador de decisão econômica, principal
objetivo da contabilidade, é preciso diminuir as diferenças regionais para tornar-se uma
linguagem universal.
Diferentes modelos contábeis adotados em cada região do mundo pode resultar em
tendências diferentes sobre a performance de uma empresa, por exemplo, que a posição
extremamente conservadora da Alemanha em contraposição à subjetividade e a
flexibilidade do modelo Britânico apoiado no “True and Fair View” faz com que o lucro
mensurado por um ou outro modelo seja diferente, quando não divergente.
True e fair view, ou “Visão Justa e Verdadeira”, é um conceito de origem anglo-saxã que
está sendo incorporado às demonstrações contábeis das empresas multinacionais.
Julga-se natural o fato de que toda demonstração contábil espelhe uma visão justa e
verdadeira das contas das empresas, senão por que ela existiria? Afinal, um relatório contábil não é
concebido para ser “maquiado” ou transmitir falsas informações.
Mas, tal conclusão não é tão óbvia assim se considerarmos que existe mais de um
organismo internacional encarregado de emitir normas contábeis para empresas que operam fora
das fronteiras nacionais. O IASC (International Accounting Standards Board) e o FASB (Financial
Accounting Standards Board) são exemplos de organizações da espécie – a primeira está sediada
na Europa, enquanto a última, nos Estados Unidos. Pergunta-se, a essa altura: se a verdade
contábil não é uma só, o que seria então uma “visão justa e verdadeira”?
O mundo todo, preocupado com o modo de viabilizar o fluxo eficiente de capitais entre
países, mobiliza-se na tentativa de encontrar soluções de consenso, através da elaboração
de padrões internacionais de contabilidade e auditoria, desenvolvidos de um lado, pelo
Comitê Internacional de Normas Contábeis (Iasc - International Accounting Standard
Commitee) e por outro a Federação Internacional de Contadores (Ifac- International
Accounting Federation Commitee ) de Nova York. Segundo MOREIRA (26/02/99:c-8), “A
necessidade de um conjunto de normas genuinamente internacionais, para apresentação
de balanços e peças contábeis, intensificou-se com as recentes crises financeiras nos
países emergentes.
Em outubro o Banco Mundial (Bird) pediu às cinco grandes firmas de contabilidade e
auditoria não colocar seu nomes em balanços publicados nas economias asiáticas, a
menos que fossem preparados com base em padrões internacional”. Ainda, informa
MOREIRA, “a norma em preparação no Iasc será examinada em maio,(...), pela
Organização Internacional de valores Mobiliários (Iosco). Se aprovada a Iosco vai estimular
as comissões de valores nacionais a esforçar-se para incluí-las nas normas domésticas.
Isto exigirá mudanças na lei tributária e na lei societária, e levará tempo".
A idéia do IASC é de que a empresa, ou investidor, que preferir limitar-se a seu país,
continue seguindo a regra local. “Mas quem quer aventurar-se no exterior passará a ter um
referencial único para examinar os balanços.”
Neste contexto, a compreensão dos modelos de contabilidade adotados em cada país
permite um melhor entendimento quanto ao potencial de alterações que cada um destes
podem aceitar e se harmonizarem num modelo unificado (ou globalizado) diminuindo os
possíveis conflitos de utilizar um padrão que possa ferir valores culturais de um
determinado grupo social.
Pode-se dizer que a prática contábil tem se moldado no tempo e no espaço (aqui com
conotação geográfica) às necessidades de seus usuários, gerando vários modelos.
Foram analisadas as propostas de FRANK(1979) e de Rui MOTA(1990) de agrupamento
dos modelos contábeis segundo os padrões culturais , tendo sido observadas algumas
diferenças entre as classificações, sobretudo naquelas sociedades onde o modelo contábil
adotado encontrava-se em uma área fronteiriça entre dois modelos.
Fortes evidências para endossar o argumento da ascendência dos fatores ambientais e
culturais sobre a prática contábil, presente em várias pesquisas elencadas neste trabalho,
entre eles GRAY(1988), FRANK(1979), HOFSTEDE(1980), MOTA(1990), foram
encontradas nas analises dos modelos contábeis: Britânico, Norte Americano, da Europa e
América Latina, Brasileiro, da Europa do Norte e da Rússia e Estados Independentes. Em
cada um dos modelos analisados, o conjunto de práticas contábeis que compõe o sistema
em uso em cada sociedade, se formou através dos fatos históricos, ou seja, das
experiências práticas de cada grupo social e, portanto, o modelo contábil foi delineado em
conseqüência do modelo cultural e social.
Pôde-se constatar que valores sociais, culturais, tanto quanto os valores contábeis, não
são estáticos. Estão constantemente interagindo com o ambiente externo, através dos
relacionamentos comerciais entre países, da instalação de empresas multinacionais, da
globalização dos mercados de capitais. Já que a contabilidade é o produto do meio,
identificar e entender e prever como os fatores culturais e ambientais afetam a prática
contábil não pode ser negligenciado quando se pretende aperfeiçoar a Teoria Contábil e
desenvolver um modelo útil e que seja aplicável mundialmente. O sistema contábil
internacional, para ser eficiente, deve ser compatível com os valores contábeis de cada
país.
HARMONIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CONTÁBEIS MUNDIAIS
Em janeiro de 2006, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Instituto dos Auditores
Independentes do Brasil (IBRACON) divulgaram o primeiro estudo sobre as principais
diferenças entre as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil e as Normas Internacionais de
Contabilidade (IFRS), resultado de um trabalho comum integrado por profissionais das
duas entidades que se empenharam em analisar esses conjuntos de normas de
contabilidade e sumariar as principais diferenças existentes.
Este estudo tomou por base as práticas contábeis adotadas no Brasil, vigentes em
dezembro de 2005, bem como as IFRSs(Normas Internacionais de Relatorios Financeiros)
divulgadas pelo International Accounting Standards Board(Comitê das Normas
Internacionais de Contabilidade- (IASB)), entidade internacional responsável pela emissão
das Normas Internacionais de Contabilidade, na última edição disponível.
Apesar de as normas contábeis estarem em permanente processo de evolução e,
conseqüentemente, existirem estudos e processos em andamento para novas alterações,
tanto as locais quanto as internacionais, a edição de 2005 das IFRSs é considerada pelo
IASB como uma plataforma estável, de forma que foi considerada apropriada pelos
profissionais envolvidos no projeto para ser uma razoável base de comparação neste
momento.
Revisão por pares - peer-review
O Peer review é o processo que consiste na avaliação do trabalho dos cientistas pelos
seus pares. Na prática funciona (em linhas gerais) da seguinte forma:
1) O manuscrito é submetido a uma revista
2) Os editores da revista analisam se tem qualidade e ou interesse para o jornal em
questão
3) Se sim, mandam o manuscrito a 2 ou mais reviewers da área , isto é, pessoas que
tenham artigos publicados no campo de investigação do trabalho em questão
Todo este processo é normalmente sigiloso e apenas têm acesso aos manuscritos os
autores(!), os editores da revista e os reviewers a quem o manuscrito foi enviado. Neste
processo, os autores desconhecem a identidade dos reviewers mas estes sabem quem
são os autores (vai no manuscrito).
Aquelas publicações e prêmios que não passaram pela revisão paritária tendem a ser
vistos com desconfiança pelos acadêmicos e profissionais de várias áreas.
Cibely Almeida
Março/2012
Mãos a obra!!!!!!
1. Relacione Harmonização com Globalização.
A globalização é uma realidade a despeito das críticas quanto suas conseqüências, e
os sistemas de informações em todos os níveis estão sendo moldados ou adaptados
para serem válidos em qualquer lugar do planeta. Para que as informações contábeis
possam ser úteis para o tomador de decisão econômica, principal objetivo da
contabilidade, é preciso diminuir as diferenças regionais para tornar-se uma
linguagem universal, portanto a harmonização é fator preponderante na globalização
2. Como minimizar a questão das diferenças internacionais?
Diminuindo a disparidade de poder nas relações econômicas entre os países.
Atuando nas conversões das demonstrações contábeis do padrão brasileiro, para o
padrão internacional, ou seja, tratando as mudanças na contabilidade de forma
harmônica.
3. Em cada um dos modelos analisados, o conjunto de práticas contábeis que compõe
o sistema em uso em cada sociedade, se formou através dos fatos históricos, ou
seja, das experiências práticas de cada grupo social e, portanto, o modelo contábil
foi delineado em conseqüência do modelo cultural e social. Justifique.
A contabilidade, considerada a linguagem dos negócios, não poderia ser um
elo de ligação (comunicação) entre os diversos países se não respeitasse a
cultura, ambiente, geografia etc, de cada pais. É através da historia que
conhecemos o passado para tomar decisões no presente e fazer projeções
para o futuro.
4. Diferentes modelos contábeis adotados em cada região do mundo pode resultar em
tendências diferentes sobre a performance de uma empresa, o que isso implica na
harmonização?
Pôde-se constatar que valores sociais, culturais, tanto quanto os valores
contábeis, não são estáticos. Estão constantemente interagindo com o
ambiente externo, através dos relacionamentos comerciais entre países, da
instalação de empresas multinacionais, da globalização dos mercados de
capitais. Já que a contabilidade é o produto do meio, identificar e entender e
prever como os fatores culturais e ambientais afetam a prática contábil não
pode ser negligenciado quando se pretende aperfeiçoar a Teoria Contábil e
desenvolver um modelo útil e que seja aplicável mundialmente. O sistema
contábil internacional, para ser eficiente, deve ser compatível com os valores
contábeis de cada país. Harmonizar sim, porem respeitando as diferenças de
cada pais.
5. True e fair view, ou “Visão Justa e Verdadeira”, é um conceito de origem anglo-saxã que
está sendo incorporado às demonstrações contábeis das empresas multinacionais. Qual o
objetivo da aplicação deste conceito?
Julga-se natural o fato de que toda demonstração contábil espelhe uma visão justa e
verdadeira das contas das empresas, senão por que ela existiria? Afinal, um relatório
contábil não é concebido para ser “maquiado” ou transmitir falsas informações
6. O Peer review é o processo que consiste na avaliação do trabalho dos cientistas
pelos seus pares., como você vê esse processo dentro da auditoria Brasileira?
Há a constatação de que os auditores independentes exercem um papel
fundamental no aprimoramento da credibilidade da informação financeira, ao
opinarem se as demonstrações contábeis preparadas pela administração da
empresa realmente representam a situação financeira atual e o desempenho
passado da empresa auditada. E se para isto é necessário o processo de Peer
review e a nossa auditoria segue os padrões internacionais, esse processo é
fundamental no Brasil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

óRgãos normatizadores e regulamentadores
óRgãos normatizadores e regulamentadoresóRgãos normatizadores e regulamentadores
óRgãos normatizadores e regulamentadores
Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará
 
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan ToledoIFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
Blogabilidade
 
Pgc nirf
Pgc   nirfPgc   nirf
Pgc nirf
brgskenneth
 
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e FiscalLei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
CRC-TO
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
Universidade Pedagogica
 
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambiqueO plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
Universidade Pedagogica
 
Livro contabilidade intermediária[1]
Livro contabilidade intermediária[1]Livro contabilidade intermediária[1]
Livro contabilidade intermediária[1]
Tatiana Tenório
 
122 495-2-pb
122 495-2-pb122 495-2-pb
122 495-2-pb
José Borges
 
Atps contabilidade basica 2014
Atps contabilidade basica 2014Atps contabilidade basica 2014
Atps contabilidade basica 2014
Detetive Felix
 
Atps contabilidade
Atps contabilidadeAtps contabilidade
Atps contabilidade
deltagrajau
 
IRFS
IRFSIRFS
Entidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Entidades Internacionais e Nacionais de ContabilidadeEntidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Entidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Dominus Auditoria
 
Importancia da contabilidade internacional
Importancia da contabilidade internacionalImportancia da contabilidade internacional
Importancia da contabilidade internacional
Universidade Pedagogica
 
6732 casos praticos
6732 casos praticos6732 casos praticos
6732 casos praticos
Andrea Poltronieri
 
Princípios contábeis por antônio lopes de sá
Princípios contábeis por antônio lopes de sáPrincípios contábeis por antônio lopes de sá
Princípios contábeis por antônio lopes de sá
Carlos Nascimento
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
Roberto Elias Nassif
 
Atividade 05 criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
Atividade 05   criação do cpc e estrutura conceitual básica da ContabilidadeAtividade 05   criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
Atividade 05 criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
Leonardo Souza de Almeida
 
Postulados, Princípios e Convenções Contábeis
Postulados, Princípios e Convenções ContábeisPostulados, Princípios e Convenções Contábeis
Postulados, Princípios e Convenções Contábeis
Wandick Rocha de Aquino
 
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambiqueO plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
Universidade Pedagogica
 
Introducao a-contabilidade
Introducao a-contabilidadeIntroducao a-contabilidade
Introducao a-contabilidade
NicoleKrisleyAlvesNo
 

Mais procurados (20)

óRgãos normatizadores e regulamentadores
óRgãos normatizadores e regulamentadoresóRgãos normatizadores e regulamentadores
óRgãos normatizadores e regulamentadores
 
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan ToledoIFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
 
Pgc nirf
Pgc   nirfPgc   nirf
Pgc nirf
 
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e FiscalLei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambiqueO plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
 
Livro contabilidade intermediária[1]
Livro contabilidade intermediária[1]Livro contabilidade intermediária[1]
Livro contabilidade intermediária[1]
 
122 495-2-pb
122 495-2-pb122 495-2-pb
122 495-2-pb
 
Atps contabilidade basica 2014
Atps contabilidade basica 2014Atps contabilidade basica 2014
Atps contabilidade basica 2014
 
Atps contabilidade
Atps contabilidadeAtps contabilidade
Atps contabilidade
 
IRFS
IRFSIRFS
IRFS
 
Entidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Entidades Internacionais e Nacionais de ContabilidadeEntidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Entidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
 
Importancia da contabilidade internacional
Importancia da contabilidade internacionalImportancia da contabilidade internacional
Importancia da contabilidade internacional
 
6732 casos praticos
6732 casos praticos6732 casos praticos
6732 casos praticos
 
Princípios contábeis por antônio lopes de sá
Princípios contábeis por antônio lopes de sáPrincípios contábeis por antônio lopes de sá
Princípios contábeis por antônio lopes de sá
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
 
Atividade 05 criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
Atividade 05   criação do cpc e estrutura conceitual básica da ContabilidadeAtividade 05   criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
Atividade 05 criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
 
Postulados, Princípios e Convenções Contábeis
Postulados, Princípios e Convenções ContábeisPostulados, Princípios e Convenções Contábeis
Postulados, Princípios e Convenções Contábeis
 
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambiqueO plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
 
Introducao a-contabilidade
Introducao a-contabilidadeIntroducao a-contabilidade
Introducao a-contabilidade
 

Destaque

Contabilidade Internacional - Respostas exercícios
Contabilidade Internacional - Respostas exercíciosContabilidade Internacional - Respostas exercícios
Contabilidade Internacional - Respostas exercícios
rmdutra
 
HISTORIA GERAL DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL
HISTORIA GERAL DA CONTABILIDADE INTERNACIONALHISTORIA GERAL DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL
HISTORIA GERAL DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL
Universidade Pedagogica
 
Harmonização contábil brasileira: principais alterações - leis 11.638 e 11.941
Harmonização contábil brasileira: principais alterações - leis 11.638 e 11.941Harmonização contábil brasileira: principais alterações - leis 11.638 e 11.941
Harmonização contábil brasileira: principais alterações - leis 11.638 e 11.941
Karla Carioca
 
Harmonização contábil
Harmonização contábilHarmonização contábil
Harmonização contábil
Silmar Gagliardi
 
Programa de ci 4º ano
Programa de ci   4º anoPrograma de ci   4º ano
Programa de ci 4º ano
KIMFUMU
 
Exercicios contabilidade exercicioscap 5
Exercicios contabilidade exercicioscap 5Exercicios contabilidade exercicioscap 5
Exercicios contabilidade exercicioscap 5
capitulocontabil
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
Verbo Educacional
 
Capitais próprios
Capitais própriosCapitais próprios
Capitais próprios
Universidade Pedagogica
 
Apontamentos ucp
Apontamentos ucpApontamentos ucp
Apontamentos ucp
carneiro62
 
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística II
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística IIVariáveis aleatórias contínuas - Estatística II
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística II
Ricardo Bruno - Universidade Federal do Pará
 
RESUMO da apostila de Contabilidade Pública
RESUMO da apostila de Contabilidade PúblicaRESUMO da apostila de Contabilidade Pública
RESUMO da apostila de Contabilidade Pública
Valmir
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 13
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 13Exercicios resolvidos contabilidade   aula 13
Exercicios resolvidos contabilidade aula 13
cathedracontabil
 
Expectativas de aprendizagem 2013
Expectativas de aprendizagem 2013Expectativas de aprendizagem 2013
Expectativas de aprendizagem 2013
Deborah Martinez Griebler
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
zeramento contabil
 
HISTÓRIAS BÍBLICAS PARA CRIANÇAS - O LIVRO DE GÊNESISDisponível em: www.porta...
HISTÓRIAS BÍBLICAS PARA CRIANÇAS - O LIVRO DE GÊNESISDisponível em: www.porta...HISTÓRIAS BÍBLICAS PARA CRIANÇAS - O LIVRO DE GÊNESISDisponível em: www.porta...
HISTÓRIAS BÍBLICAS PARA CRIANÇAS - O LIVRO DE GÊNESISDisponível em: www.porta...
leitemel
 
Cap4 - Parte 7 - Distribuição Normal
Cap4 - Parte 7 - Distribuição NormalCap4 - Parte 7 - Distribuição Normal
Cap4 - Parte 7 - Distribuição Normal
Regis Andrade
 

Destaque (16)

Contabilidade Internacional - Respostas exercícios
Contabilidade Internacional - Respostas exercíciosContabilidade Internacional - Respostas exercícios
Contabilidade Internacional - Respostas exercícios
 
HISTORIA GERAL DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL
HISTORIA GERAL DA CONTABILIDADE INTERNACIONALHISTORIA GERAL DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL
HISTORIA GERAL DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL
 
Harmonização contábil brasileira: principais alterações - leis 11.638 e 11.941
Harmonização contábil brasileira: principais alterações - leis 11.638 e 11.941Harmonização contábil brasileira: principais alterações - leis 11.638 e 11.941
Harmonização contábil brasileira: principais alterações - leis 11.638 e 11.941
 
Harmonização contábil
Harmonização contábilHarmonização contábil
Harmonização contábil
 
Programa de ci 4º ano
Programa de ci   4º anoPrograma de ci   4º ano
Programa de ci 4º ano
 
Exercicios contabilidade exercicioscap 5
Exercicios contabilidade exercicioscap 5Exercicios contabilidade exercicioscap 5
Exercicios contabilidade exercicioscap 5
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
Capitais próprios
Capitais própriosCapitais próprios
Capitais próprios
 
Apontamentos ucp
Apontamentos ucpApontamentos ucp
Apontamentos ucp
 
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística II
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística IIVariáveis aleatórias contínuas - Estatística II
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística II
 
RESUMO da apostila de Contabilidade Pública
RESUMO da apostila de Contabilidade PúblicaRESUMO da apostila de Contabilidade Pública
RESUMO da apostila de Contabilidade Pública
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 13
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 13Exercicios resolvidos contabilidade   aula 13
Exercicios resolvidos contabilidade aula 13
 
Expectativas de aprendizagem 2013
Expectativas de aprendizagem 2013Expectativas de aprendizagem 2013
Expectativas de aprendizagem 2013
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
 
HISTÓRIAS BÍBLICAS PARA CRIANÇAS - O LIVRO DE GÊNESISDisponível em: www.porta...
HISTÓRIAS BÍBLICAS PARA CRIANÇAS - O LIVRO DE GÊNESISDisponível em: www.porta...HISTÓRIAS BÍBLICAS PARA CRIANÇAS - O LIVRO DE GÊNESISDisponível em: www.porta...
HISTÓRIAS BÍBLICAS PARA CRIANÇAS - O LIVRO DE GÊNESISDisponível em: www.porta...
 
Cap4 - Parte 7 - Distribuição Normal
Cap4 - Parte 7 - Distribuição NormalCap4 - Parte 7 - Distribuição Normal
Cap4 - Parte 7 - Distribuição Normal
 

Semelhante a Harmonização contabil exercicios resolvidos

A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
Roberto Elias Nassif
 
Artigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Artigo sobre Harmonização Contábil InternacionalArtigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Artigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Euzanira Santos
 
normar IFRS2.pdf
normar IFRS2.pdfnormar IFRS2.pdf
normar IFRS2.pdf
GleiberSantana1
 
Internacionalização das normas contábeis e profissionais crcrn
Internacionalização das normas contábeis e profissionais crcrnInternacionalização das normas contábeis e profissionais crcrn
Internacionalização das normas contábeis e profissionais crcrn
Lieda Dsi
 
Apostila contab internacional
Apostila contab internacionalApostila contab internacional
Apostila contab internacional
professoradriano
 
Apostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdfApostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdf
EdigleumaThatianydeO
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
Diego Carvalho
 
20110114141934
2011011414193420110114141934
20110114141934
Faculdade de Itaituba
 
1401_Artigo Seget.pdf
1401_Artigo Seget.pdf1401_Artigo Seget.pdf
1401_Artigo Seget.pdf
PedroMagalhesMontene
 
A importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalA importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacional
Universidade Pedagogica
 
Aula 07 03 2023.pdf
Aula 07 03 2023.pdfAula 07 03 2023.pdf
Aula 07 03 2023.pdf
4aassessoriacontabil
 
TRABALHO MILTON EUZEBIO COMERCIO EXTERIOR
TRABALHO MILTON EUZEBIO  COMERCIO EXTERIORTRABALHO MILTON EUZEBIO  COMERCIO EXTERIOR
TRABALHO MILTON EUZEBIO COMERCIO EXTERIOR
hermesson2
 
Tese_Cristiano Pinto
Tese_Cristiano PintoTese_Cristiano Pinto
Tese_Cristiano Pinto
Cristiano Pinto
 
Fair value
Fair valueFair value
Análise da Nota da Organização Mundial do Comércio sobre a relação entre Taxa...
Análise da Nota da Organização Mundial do Comércio sobre a relação entre Taxa...Análise da Nota da Organização Mundial do Comércio sobre a relação entre Taxa...
Análise da Nota da Organização Mundial do Comércio sobre a relação entre Taxa...
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Normas internacionais de contabilidade para o setor público 2010
Normas internacionais de contabilidade para o setor público 2010Normas internacionais de contabilidade para o setor público 2010
Normas internacionais de contabilidade para o setor público 2010
Tarcísio Picaglia
 
Ciclos de Comércio Exterior: um estudo comparativo entre Brasil e Espírito Santo
Ciclos de Comércio Exterior: um estudo comparativo entre Brasil e Espírito SantoCiclos de Comércio Exterior: um estudo comparativo entre Brasil e Espírito Santo
Ciclos de Comércio Exterior: um estudo comparativo entre Brasil e Espírito Santo
Matheus Albergaria
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
Everton Ferreira
 

Semelhante a Harmonização contabil exercicios resolvidos (18)

A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
 
Artigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Artigo sobre Harmonização Contábil InternacionalArtigo sobre Harmonização Contábil Internacional
Artigo sobre Harmonização Contábil Internacional
 
normar IFRS2.pdf
normar IFRS2.pdfnormar IFRS2.pdf
normar IFRS2.pdf
 
Internacionalização das normas contábeis e profissionais crcrn
Internacionalização das normas contábeis e profissionais crcrnInternacionalização das normas contábeis e profissionais crcrn
Internacionalização das normas contábeis e profissionais crcrn
 
Apostila contab internacional
Apostila contab internacionalApostila contab internacional
Apostila contab internacional
 
Apostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdfApostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdf
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
20110114141934
2011011414193420110114141934
20110114141934
 
1401_Artigo Seget.pdf
1401_Artigo Seget.pdf1401_Artigo Seget.pdf
1401_Artigo Seget.pdf
 
A importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalA importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacional
 
Aula 07 03 2023.pdf
Aula 07 03 2023.pdfAula 07 03 2023.pdf
Aula 07 03 2023.pdf
 
TRABALHO MILTON EUZEBIO COMERCIO EXTERIOR
TRABALHO MILTON EUZEBIO  COMERCIO EXTERIORTRABALHO MILTON EUZEBIO  COMERCIO EXTERIOR
TRABALHO MILTON EUZEBIO COMERCIO EXTERIOR
 
Tese_Cristiano Pinto
Tese_Cristiano PintoTese_Cristiano Pinto
Tese_Cristiano Pinto
 
Fair value
Fair valueFair value
Fair value
 
Análise da Nota da Organização Mundial do Comércio sobre a relação entre Taxa...
Análise da Nota da Organização Mundial do Comércio sobre a relação entre Taxa...Análise da Nota da Organização Mundial do Comércio sobre a relação entre Taxa...
Análise da Nota da Organização Mundial do Comércio sobre a relação entre Taxa...
 
Normas internacionais de contabilidade para o setor público 2010
Normas internacionais de contabilidade para o setor público 2010Normas internacionais de contabilidade para o setor público 2010
Normas internacionais de contabilidade para o setor público 2010
 
Ciclos de Comércio Exterior: um estudo comparativo entre Brasil e Espírito Santo
Ciclos de Comércio Exterior: um estudo comparativo entre Brasil e Espírito SantoCiclos de Comércio Exterior: um estudo comparativo entre Brasil e Espírito Santo
Ciclos de Comércio Exterior: um estudo comparativo entre Brasil e Espírito Santo
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 

Harmonização contabil exercicios resolvidos

  • 1. UNIARAXA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. DISCIPLINA: CONTABILIDADE INTERNACIONAL- 5° PERIODO POR QUE HARMONIZAR O desenvolvimento tecnológico acentuado na área de comunicações, o avanço nos meios de transporte e o crescimento do comércio internacional fortalecem a interdependência entre diversas nações, trazendo o fenômeno da globalização de mercados, aproximando cada vez o mundo nas últimas décadas. A contabilidade é a principal linguagem dos negócios, e esse processo de comunicação é dificultado pela existência de diferenças internacionais no financial reporting.(relatórios financeiros). Como minimizar a questão das diferenças internacionais? De uma forma geral, tanto em nível de empresas, entidades profissionais, clientes, instituições de ensino, há um consenso favorável para uma harmonização de padrões contábeis que facilite a comunicação e contribuam para reduzir as diferenças internacionais no financial reporting, permitindo a comparabilidade das informações. É verdade que o termo harmonização tem sido algumas vezes associado incorretamente com “padronização” de normas contábeis. Harmonização é um processo que busca preservar as particularidades inerentes a cada país, mas que permita reconciliar os sistemas contábeis com outros países de modo a melhorar a troca de informações a serem interpretadas e compreendidas, enquanto padronização é um processo de uniformização de critérios não admitindo flexibilização. HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL A globalização é uma realidade a despeito das críticas quanto suas conseqüências, e os sistemas de informações em todos os níveis estão sendo moldados ou adaptados para serem válidos em qualquer lugar do planeta. A Internet é o exemplo mais real do que se pode chamar de mundo globalizado, e já não existem mais fronteiras: O capital financeiro move- se na velocidade do som (quer dizer, das linhas telefônicas) e a informação é um produto de consumo. Neste cenário, as informações produzidas pela contabilidade são utilizadas para a tomada de decisões sobre alocação do capital de investidores em locais diferentes de sua origem, muitas vezes em localização geográfica oposta. Mas para que as informações contábeis possam ser úteis para o tomador de decisão econômica, principal objetivo da contabilidade, é preciso diminuir as diferenças regionais para tornar-se uma linguagem universal. Diferentes modelos contábeis adotados em cada região do mundo pode resultar em tendências diferentes sobre a performance de uma empresa, por exemplo, que a posição extremamente conservadora da Alemanha em contraposição à subjetividade e a flexibilidade do modelo Britânico apoiado no “True and Fair View” faz com que o lucro mensurado por um ou outro modelo seja diferente, quando não divergente. True e fair view, ou “Visão Justa e Verdadeira”, é um conceito de origem anglo-saxã que está sendo incorporado às demonstrações contábeis das empresas multinacionais. Julga-se natural o fato de que toda demonstração contábil espelhe uma visão justa e verdadeira das contas das empresas, senão por que ela existiria? Afinal, um relatório contábil não é concebido para ser “maquiado” ou transmitir falsas informações. Mas, tal conclusão não é tão óbvia assim se considerarmos que existe mais de um organismo internacional encarregado de emitir normas contábeis para empresas que operam fora das fronteiras nacionais. O IASC (International Accounting Standards Board) e o FASB (Financial Accounting Standards Board) são exemplos de organizações da espécie – a primeira está sediada
  • 2. na Europa, enquanto a última, nos Estados Unidos. Pergunta-se, a essa altura: se a verdade contábil não é uma só, o que seria então uma “visão justa e verdadeira”? O mundo todo, preocupado com o modo de viabilizar o fluxo eficiente de capitais entre países, mobiliza-se na tentativa de encontrar soluções de consenso, através da elaboração de padrões internacionais de contabilidade e auditoria, desenvolvidos de um lado, pelo Comitê Internacional de Normas Contábeis (Iasc - International Accounting Standard Commitee) e por outro a Federação Internacional de Contadores (Ifac- International Accounting Federation Commitee ) de Nova York. Segundo MOREIRA (26/02/99:c-8), “A necessidade de um conjunto de normas genuinamente internacionais, para apresentação de balanços e peças contábeis, intensificou-se com as recentes crises financeiras nos países emergentes. Em outubro o Banco Mundial (Bird) pediu às cinco grandes firmas de contabilidade e auditoria não colocar seu nomes em balanços publicados nas economias asiáticas, a menos que fossem preparados com base em padrões internacional”. Ainda, informa MOREIRA, “a norma em preparação no Iasc será examinada em maio,(...), pela Organização Internacional de valores Mobiliários (Iosco). Se aprovada a Iosco vai estimular as comissões de valores nacionais a esforçar-se para incluí-las nas normas domésticas. Isto exigirá mudanças na lei tributária e na lei societária, e levará tempo". A idéia do IASC é de que a empresa, ou investidor, que preferir limitar-se a seu país, continue seguindo a regra local. “Mas quem quer aventurar-se no exterior passará a ter um referencial único para examinar os balanços.” Neste contexto, a compreensão dos modelos de contabilidade adotados em cada país permite um melhor entendimento quanto ao potencial de alterações que cada um destes podem aceitar e se harmonizarem num modelo unificado (ou globalizado) diminuindo os possíveis conflitos de utilizar um padrão que possa ferir valores culturais de um determinado grupo social. Pode-se dizer que a prática contábil tem se moldado no tempo e no espaço (aqui com conotação geográfica) às necessidades de seus usuários, gerando vários modelos. Foram analisadas as propostas de FRANK(1979) e de Rui MOTA(1990) de agrupamento dos modelos contábeis segundo os padrões culturais , tendo sido observadas algumas diferenças entre as classificações, sobretudo naquelas sociedades onde o modelo contábil adotado encontrava-se em uma área fronteiriça entre dois modelos. Fortes evidências para endossar o argumento da ascendência dos fatores ambientais e culturais sobre a prática contábil, presente em várias pesquisas elencadas neste trabalho, entre eles GRAY(1988), FRANK(1979), HOFSTEDE(1980), MOTA(1990), foram encontradas nas analises dos modelos contábeis: Britânico, Norte Americano, da Europa e América Latina, Brasileiro, da Europa do Norte e da Rússia e Estados Independentes. Em cada um dos modelos analisados, o conjunto de práticas contábeis que compõe o sistema em uso em cada sociedade, se formou através dos fatos históricos, ou seja, das experiências práticas de cada grupo social e, portanto, o modelo contábil foi delineado em conseqüência do modelo cultural e social. Pôde-se constatar que valores sociais, culturais, tanto quanto os valores contábeis, não são estáticos. Estão constantemente interagindo com o ambiente externo, através dos relacionamentos comerciais entre países, da instalação de empresas multinacionais, da globalização dos mercados de capitais. Já que a contabilidade é o produto do meio, identificar e entender e prever como os fatores culturais e ambientais afetam a prática contábil não pode ser negligenciado quando se pretende aperfeiçoar a Teoria Contábil e desenvolver um modelo útil e que seja aplicável mundialmente. O sistema contábil internacional, para ser eficiente, deve ser compatível com os valores contábeis de cada país. HARMONIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CONTÁBEIS MUNDIAIS Em janeiro de 2006, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (IBRACON) divulgaram o primeiro estudo sobre as principais
  • 3. diferenças entre as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil e as Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS), resultado de um trabalho comum integrado por profissionais das duas entidades que se empenharam em analisar esses conjuntos de normas de contabilidade e sumariar as principais diferenças existentes. Este estudo tomou por base as práticas contábeis adotadas no Brasil, vigentes em dezembro de 2005, bem como as IFRSs(Normas Internacionais de Relatorios Financeiros) divulgadas pelo International Accounting Standards Board(Comitê das Normas Internacionais de Contabilidade- (IASB)), entidade internacional responsável pela emissão das Normas Internacionais de Contabilidade, na última edição disponível. Apesar de as normas contábeis estarem em permanente processo de evolução e, conseqüentemente, existirem estudos e processos em andamento para novas alterações, tanto as locais quanto as internacionais, a edição de 2005 das IFRSs é considerada pelo IASB como uma plataforma estável, de forma que foi considerada apropriada pelos profissionais envolvidos no projeto para ser uma razoável base de comparação neste momento. Revisão por pares - peer-review O Peer review é o processo que consiste na avaliação do trabalho dos cientistas pelos seus pares. Na prática funciona (em linhas gerais) da seguinte forma: 1) O manuscrito é submetido a uma revista 2) Os editores da revista analisam se tem qualidade e ou interesse para o jornal em questão 3) Se sim, mandam o manuscrito a 2 ou mais reviewers da área , isto é, pessoas que tenham artigos publicados no campo de investigação do trabalho em questão Todo este processo é normalmente sigiloso e apenas têm acesso aos manuscritos os autores(!), os editores da revista e os reviewers a quem o manuscrito foi enviado. Neste processo, os autores desconhecem a identidade dos reviewers mas estes sabem quem são os autores (vai no manuscrito). Aquelas publicações e prêmios que não passaram pela revisão paritária tendem a ser vistos com desconfiança pelos acadêmicos e profissionais de várias áreas. Cibely Almeida Março/2012 Mãos a obra!!!!!! 1. Relacione Harmonização com Globalização. A globalização é uma realidade a despeito das críticas quanto suas conseqüências, e os sistemas de informações em todos os níveis estão sendo moldados ou adaptados para serem válidos em qualquer lugar do planeta. Para que as informações contábeis possam ser úteis para o tomador de decisão econômica, principal objetivo da contabilidade, é preciso diminuir as diferenças regionais para tornar-se uma linguagem universal, portanto a harmonização é fator preponderante na globalização 2. Como minimizar a questão das diferenças internacionais? Diminuindo a disparidade de poder nas relações econômicas entre os países.
  • 4. Atuando nas conversões das demonstrações contábeis do padrão brasileiro, para o padrão internacional, ou seja, tratando as mudanças na contabilidade de forma harmônica. 3. Em cada um dos modelos analisados, o conjunto de práticas contábeis que compõe o sistema em uso em cada sociedade, se formou através dos fatos históricos, ou seja, das experiências práticas de cada grupo social e, portanto, o modelo contábil foi delineado em conseqüência do modelo cultural e social. Justifique. A contabilidade, considerada a linguagem dos negócios, não poderia ser um elo de ligação (comunicação) entre os diversos países se não respeitasse a cultura, ambiente, geografia etc, de cada pais. É através da historia que conhecemos o passado para tomar decisões no presente e fazer projeções para o futuro. 4. Diferentes modelos contábeis adotados em cada região do mundo pode resultar em tendências diferentes sobre a performance de uma empresa, o que isso implica na harmonização? Pôde-se constatar que valores sociais, culturais, tanto quanto os valores contábeis, não são estáticos. Estão constantemente interagindo com o ambiente externo, através dos relacionamentos comerciais entre países, da instalação de empresas multinacionais, da globalização dos mercados de capitais. Já que a contabilidade é o produto do meio, identificar e entender e prever como os fatores culturais e ambientais afetam a prática contábil não pode ser negligenciado quando se pretende aperfeiçoar a Teoria Contábil e desenvolver um modelo útil e que seja aplicável mundialmente. O sistema contábil internacional, para ser eficiente, deve ser compatível com os valores contábeis de cada país. Harmonizar sim, porem respeitando as diferenças de cada pais. 5. True e fair view, ou “Visão Justa e Verdadeira”, é um conceito de origem anglo-saxã que está sendo incorporado às demonstrações contábeis das empresas multinacionais. Qual o objetivo da aplicação deste conceito? Julga-se natural o fato de que toda demonstração contábil espelhe uma visão justa e verdadeira das contas das empresas, senão por que ela existiria? Afinal, um relatório contábil não é concebido para ser “maquiado” ou transmitir falsas informações 6. O Peer review é o processo que consiste na avaliação do trabalho dos cientistas pelos seus pares., como você vê esse processo dentro da auditoria Brasileira? Há a constatação de que os auditores independentes exercem um papel fundamental no aprimoramento da credibilidade da informação financeira, ao opinarem se as demonstrações contábeis preparadas pela administração da empresa realmente representam a situação financeira atual e o desempenho passado da empresa auditada. E se para isto é necessário o processo de Peer review e a nossa auditoria segue os padrões internacionais, esse processo é fundamental no Brasil.