SlideShare uma empresa Scribd logo
1
UNIVERSIDADE PEDAGOGICADE MOÇAMBIQUE
Os Constituintes Imediatos da Frase em Português
Autor: Sérgio Alfredo Macore
Celular: +258 846458829 / 826677547
Email: Sérgio.macore@gmail.com
Pemba – Cabo Delgado
Pemba, Maio 2021
3
ÍNDICE
1.Introdução .................................................................................................................................... 4
1.1.Objectivos.............................................................................................................................. 4
1.1.1.Objectivos Gerais............................................................................................................ 4
1.1.2.Objectivos Específicos.................................................................................................... 4
2.Metodologia ................................................................................................................................. 4
3.Delimitação do Tema................................................................................................................... 5
4.Referencial teórico ....................................................................................................................... 5
4.1.Tipos de frases....................................................................................................................... 5
4.1.1.Frases declarativas .......................................................................................................... 6
4.1.2.Frases interrogativas: Seus tipos..................................................................................... 6
4.1.2.1.Características da estrutura interrogativa..................................................................... 6
4.1.3.Frases imperativas .......................................................................................................... 7
5.Os constituintes Imediatos da frase.............................................................................................. 7
5.1.Sujeitos nulos e consequências sintácticas.......................................................................... 11
5.2.Sujeitos nulos expletivos..................................................................................................... 12
5.3. Sujeito nulo “indeterminado” ou de referência arbitrária .................................................. 12
Conclusão...................................................................................................................................... 14
Bibliografias.................................................................................................................................. 15
4
1.Introdução
O presente trabalho aborda sobre ‘’Os Constituintes Imediatos da Frase em Português’’
concretamente têm em vista a abordagem dos fundamentos básicos e relevantes da cadeira, no
que tange a intenção da fala como elemento essencial no estabelecimento da comunicação, pois
os tipos de frases traduzem a atitude do enunciador a respeito daquilo que enuncia perante o seu
interlocutor. Antes de mais nada é apresentado o conceito da frase como também o da frase
simples, que constitui o objecto de estudo da Sintaxe, sendo nesta área em que o nosso tema está
enquadrado e que a mesma interpenetra-se com a Semântica e Pragmática, dado que a Semântica
deve ser vista como instrumental em relação à Pragmática, e Sintaxe como instrumental em
relação à Semântica, contudo a Pragmática é vista como componente que comanda os estudos
sobre os aspectos sintácticos e semânticos.
Com a vista a materialização deste o trabalho apresenta os tipos de frases acompanhando sempre
a intenção da fala e os seus constituintes imediatos bem como as suas funções. Em seguida
apresento a minha reflexão sobre a frase de uma forma geral concretamente nos países de
PALOP em relação ao Português, assim como as conclusões a que chegamos depois das leituras
efectuado trabalho.
1.1.Objectivos
1.1.1.Objectivos Gerais
 Compreender a função dos constituintes imediatos de uma frase em Português.
1.1.2.Objectivos Específicos
 Identificar os tipos de frases e seus constituintes imediatos de uma frase em Português;
 Identificar as funções dos tipos de frase durante a comunicação;
 Distinguir os tipos de frases.
2.Metodologia
Para a elaboração do trabalho e como forma de dar maior sustentabilidade científica recorreu-se
à consultas bibliográficas de vários autores que abordam sobre o assunto, bem como na análise
de construção frásica no Português nos países de PALOP.
5
3.Delimitação do Tema
A frase é uma construção indispensável para a comunicação entre os seres humanos. Ela
apresenta-se em tipos diferentes consoante a intenção dos interlocutores ou de contexto em que
se encontra. Entretanto, há casos em que os falantes do Português fazem o uso inadequado dos
diversos tipos de frase na comunicação e em certos casos constroem frases distanciadas da norma
europeia. Por isso, o trabalho abordará “Os constituintes imediatos de uma frase em Português”.
4.Referencial teórico
Antes de discutir a questão principal desta abordagem, para facilitar a compreensão do tema,
impõe-se-nos explorar alguns conceitos básicos e indispensáveis para a compreensão do trabalho
na base de alguns teorizadores com os quais iremos operar. São eles os conceitos de frase e frase
simples.
Frase “é uma unidade sequencial autónoma - ordenação de palavras e morfemas delimitada no
início por uma maiúscula e no fim por um sinal de pontuação forte ou uma entoação descendente
ou ascendente – e uma unidade de sentido” (Figueiredo, 2004).
Segundo Gomes et all (1991:260), frase é “uma sequência organizada de palavras que constitui
uma unidade de sentido e assim permite a comunicação entre destinador e destinatário.”
Na óptica de Cunha & Cintra (2005:119), frase “é um enunciado de sentido completo, a unidade
mínima de comunicação.”
Para Cunha & Cintra (2005:119) a frase é sempre acompanhada de uma melodia, de uma
entoação. Nas frases organizadas com verbo, a entoação caracteriza o fim do enunciado,
geralmente seguido de forte pausa.
4.1.Tipos de frases
Os tipos de frases traduzem a atitude do enunciador a respeito daquilo que enuncia e a respeito
do destinatário.
Vários autores versam sobre o assunto, mas cada um apresentando a sua visão, sendo que uns
consideram quatro tipos (declarativo, interrogativo, exclamativo e imperativo), Mateus et all
(2003:435-436) afirmam que existem cinco tipos de frases que são:
6
4.1.1.Frases declarativas
Trata-se de frases com certas propriedades gramaticais, que podem exprimir qualquer tipo de
acto ilocutório.
(7) A amiga da Maria viu o filme.
Na construção acima está patente o acto ilocutório assertivo podendo exprimir uma acção
verdadeira ou falsa. Na mesma, sendo do tipo declarativo vamos encontrar os constituinte
imediatos da frase: sintagma nominal e sintagma verbal.
4.1.2.Frases interrogativas: Seus tipos
Na perspectiva de Mateus et all (2003:460), as frases interrogativas – são as que têm certas
propriedades gramaticais, que exprimem actos directivos de pedido (de acção ou de informação).
Segundo Fonseca et all (1998;12), interrogação refere-se apenas ao aspecto formal de um
enunciado, enquanto o conceito pergunta revela do âmbito pragmático. A interrogação é uma
entidade gramatical e a pergunta é uma entidade ilocutória.
4.1.2.1.Características da estrutura interrogativa
 Presença de determinados marcadores morfo-sintácticos,
 Existência de um pronome a ou advérbio interrogativo no início da frase, o qual,
constituindo uma variável que precisa de ser instanciada, é tipicamente interrogativo;
 A inversão do sujeito que ocorre frequentemente em francês, por exemplo, mas também
em Inglês e Português.
(8) Não queres tu tomar banho agora?
Em português há algumas construções sintácticas que estão sempre associadas à estrutura
interrogativa “será que…” é uma estrutura que nunca ocorre em frases assertivas nem
imperativas. “E não é que…” e “porventura …” também surge apenas nas frases interrogativas.
(9.a) Será que ele vem?
(9.b) E não é que tu tinhas razão?
(9.c) Porventura alguém sabe que eu estou aqui?
7
4.1.3.Frases imperativas
Trata-se de frases com certas propriedades gramaticais que exprimem actos directivos de ordem,
podendo exibir também valores diversos: pedido, exortação, conselho e instrução.
De um ponto de vista pragmático são consideradas imperativas, todas as frases que expressam
um acto ilocutório directivo, ou seja, aquelas com que, através do seu enunciado, o locutor visa
obter num futuro imediato a execução de uma determinada acção ou actividade por parte do
ouvinte, ou de alguém a quem o ouvinte transmita o acto directivo.
(19) Cala-te!
Consoante o contexto situacional ou linguístico em que se insira, a frase pode ser interpretada
como uma ordem ou um pedido.
5.Os constituintes Imediatos da frase
A análise em constituintes imediatos permite identificar a hierarquia dos elementos e as suas
relações de dependência que um elemento ou um grupo de elementos mantêm com um outro
elemento ou grupo de elementos, até se chegar ao grupo de extensão máxima que é a frase,
(Figueiredo, 2004:134).
O mesmo autor (2004:134) considera os seguintes constituintes imediatos:
Sintagma nominal tem como núcleo um nome com a função do sujeito da frase que pode
representar o Agente da acção expressa pelo verbo, o Paciente da acção, o Beneficiário e
Instrumento. Se a frase tiver um verbo transitivo o SN pode ser complemento directo, predicativo
do sujeito, o predicativo do complemento directo e o aposto. Um sintagma nominal é composto
de um nome e, eventualmente, dos elementos que o acompanham, tais como os complementos
do nome, os determinantes e os adjectivos.
10
(40.a) Lisboa agrada-me.
(40.b) A menina inteligente passou de classe.
O sintagma verbal tem como centro o verbo, que ocupa o lugar central da frase e em relação ao
qual se determinam as funções dos outros sintagmas. Ele tem a função de predicado da frase.
O verbo põe em relação o enunciado com a realidade extralinguística por meio das marcas
morfológicas de pessoa, tempo, modo e aspecto, supondo-se ainda a presença dos seus
respectivos complementos (do verbo, directo, directo e indirecto e circunstancial).
O sintagma verbal pode ser constituído por um só elemento, o verbo ou por vários elementos
associados ao verbo.
(41) O homem telefonou.
Sintagma preposicional (SP) – é introduzido por uma preposição e tem a função do completo
do verbo e da frase o que denomina-se por complemento circunstancial.
O SP pode apresentar as seguintes dependências: directamente da frase, directamente de um
verbo preposicional, de um verbo transitivo (directo e indirecto), de um adjectivo, pode
introduzir um atributo, pode introduzir um atributo do complemento directo (nome predicativo),
pode introduzir um atributo do complemento circunstancial, cuja preposição indica o carácter da
relação.
(42.a) Os pássaros cantam no jardim.
(43.b) Ele veio por causa de ti.
Sintagma adverbial (SADV) – tem como núcleo um advérbio com a função de complemento do
verbo, da frase e complemento da enunciação.
(44) Ela comportou-se bem.
Segundo Mateus et al (2003:436) nas frases básicas do português considera-se a existência de
dois constituintes imediatos: o sintagma nominal (SN) e o sintagma verbal (SV).
A identificação do sujeito permite igualmente identificar o SN constituinte imediato de frase.
(45) A amiga da Maria viu o filme.
11
 A pronominalização e a substituição permitem perceber que a sequência constituída por
amiga da Maria é um SN.
(46.a) Ela viu o filme.
(46.b) A rapariga viu o filme.
 A deslocação (na passiva, na deslocação a direita):
(47.a) O filme foi visto pela amiga da Maria.
(47.b) Foi a amiga da Maria que viu o filme.
 Os procedimentos acima aplicados a parte das sequências em causa dariam resultados
agramaticais ou com interpretações não pretendidas.
(48.a) *O filme foi visto da Maria pela amiga.
(48.b) Foi a amiga que viu o filme da Maria.
A identificação do sintagma verbal é possível através de um conjunto de testes:
 Formulação de uma interrogativa de instanciação em que ocorra o sintagma nominal,
sujeito da frase em questão e um substituto anafórico do predicado; o sintagma verbal
constitui a resposta não redundante a essa pergunta. Com predicadores não estativos
agentivos, o substituto anafórico do predicado é fazer; com predicadores não estativos
não agentivos, o substituto anafórico do predicado é geralmente acontecer.
5.1.Sujeitos nulos e consequências sintácticas
A existência de uma flexão verbal rica permite em Português sujeitos nulos ou subentendidos. Os
morfemas flexionais são tão variados que, na grande maioria dos casos, permitem recuperar o
sujeito, mesmo quando este está ausente; a única excepção acontece com certas formas verbais
de 1ª/3ª pessoas que podem ser idênticas, como no imperfeito do indicativo.
(53.a) Comprei um livro.
(53.b) Cantava muito naquele varão.
12
O sujeito subentendido é um sujeito pronominal não realizado e que precisa de ser legitimado
por flexão e identificado pelos traços de pessoa e de número da concordância.
A questão dos sujeitos nulos não é apenas um problema de natureza morfológica, mas a sintaxe
de Português e o confronto com outras línguas que não tem esta propriedade permitem chegar à
conclusão de que certos fenómenos sintácticos, aparentemente não relacionados, decorrem desta
propriedade.
5.2.Sujeitos nulos expletivos
Ocorrem em frases com verbos que não seleccionam um argumento externo, que não seja
necessário ocupar a posição do sujeito com um pronome “suporte”, um “sujeito expletivo”
lexicalmente realizado, o que acontece com os sujeitos “impessoais”, como chover, haver,
parecer, acontecer.
(54.a) Choveu imenso este Outono.
(55.b) Há cachorros quentes.
Há um mecanismo de concordância, os verbos estão na terceira pessoa de singular, por outro
lado, é possível encontrar, na oralidade ou no registo escrito com traços de oralidade, sujeitos
expletivos em frases apresentativas quer com verbos existenciais quer com verbos predicativos.
5.3. Sujeito nulo “indeterminado” ou de referência arbitrária
Corresponde ao argumento externo do verbo dizer, sendo identificado pela concordância verbal
como terceira pessoa do plural, que tem em português duas interpretações: designação de um
conjunto contextualmente definido (eles, elas) ou de expressão do chamado sujeito
indeterminado ou de referencia arbitraria (“alguém”).
A interpretação do sujeito nulo como “indeterminado” ou de referência arbitrária com o verbo na
terceira pessoa do plural é uma especificidade das línguas como português e está completamente
ausente em línguas que não são de sujeito nulo.
(57) Dizem que vai haver eleições.
Pronome se impessoal - é usado para exprimir o sujeito indeterminado ou de referência
“arbitrária”.
13
(58.a) Diz-se que vai haver eleições.
(58.b) Não se diz que vai haver eleições.
A principal característica deste pronome impessoal é a de lhe ser associada a relação temática
que o verbo atribui ao seu argumento externo (se representa o agente de dizer), por outro lado a
agramaticalidade. O se impessoal é também designado se nominativo, pós mostra que o pronome
absorve a informação de caso nominativo que a flexão legitima. Caso esse que no exemplo
abaixo seria duplamente realizado: por se e por ele. Este fenómeno só ocorre em línguas do
sujeito nulo.
(59) *Ele diz-se que.
14
Conclusão
Chegando o fim deste trabalho, conclui-se que a frase sendo uma palavra ou um conjunto de
palavras com sentido completo e com a finalidade de transmitir uma ideia, estabelecendo assim a
comunicação, deve iniciar com letra maiúscula e terminar por um sinal de pontuação
característico do tipo de frase na escrita e na fala, o início e o fim da frase deve apresentar uma
entoação característica da mesma. Quanto aos constituintes das frases simples e suas funções
sintácticas, vimos que uma frase simples domina imediatamente o sintagma nominal e o
sintagma verbal, sendo este último podendo agregar outros sintagmas dependendo da intenção do
enunciado; respeitando a concordância entre todos os elementos da frase quanto ao número e
pessoa. O Português comparativamente com as outras línguas apresenta a interpretação do
sujeito nulo como “indeterminado” ou de referência arbitrária o que está completamente ausente
em línguas que não são de sujeito nulo. Existem algumas semelhanças nas interrogativas Q
destas duas variedades do Português (Moçambicano e Europeus): os falantes do PM têm
preferência por interrogativas com movimento Q para posição inicial, como no PE, e ainda por
interrogativas com movimento-Q, mas sem inversão sujeito-verbo e interrogativas com o
«COMP duplamente preenchido», apesar destas semelhanças, no PM ocorrem interrogativas com
o constituinte Q numa posição intermédia. No PE a inversão sujeito-verbo é obrigatório
contrariamente ao que acontece no PM.
E nas exclamativas, verifica-se alteração ao padrão básico de ordem de palavras. Com efeito, o
verbo precede obrigatoriamente o sujeito. As frases optativas exprimem o desejo do locutor.
15
Bibliografias
CUNHA Celso & CINTRA Lindley. Nova Gramática de Português Contemporâneo. 18ª Ed.
Edições João Sá da Costa, 2005;
DUARTE, Inês. Língua Portuguesa: Instrumentos de Análise, Universidade Aberta, Lisboa,
2000;
FARIA et all. Introdução à Linguística Geral e Português. 2ª Ed. Editorial Caminho, 1996;
FIGUERIREDO, Maria Olívia. Da palavra ao Texto. 6ª Ed. Asa Edições, Lisboa, 2004;
FONSECA et all. A Organização e o funcionamento dos discursos: Estudos sobre o Português.
Tomo II. Porto Editora, 1998;
RIBEIRO et all. Gramática Moderna da Língua Portuguesa. Escolar Editora, 2010;
RODRIGUES et all. A Organização e Funcionamento dos discursos. Estudo sobre o Português.
Tomo II, Porto Editora, 1998.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
Carla Souto
 
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa. Exemplos com músicas brasileiras
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa.  Exemplos com músicas brasileirasFunções da Linguagem - Língua Portuguesa.  Exemplos com músicas brasileiras
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa. Exemplos com músicas brasileiras
Douglas Vieira
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidade Fatores de textualidade
Fatores de textualidade
Angela Loureiro Mendez
 
Português Termos Essenciais Da OraçãO
Português Termos Essenciais Da OraçãOPortuguês Termos Essenciais Da OraçãO
Português Termos Essenciais Da OraçãO
guesta4fb1a
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
Fábio Guimarães
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
Vanda Sousa
 
Verbos classificacao
Verbos classificacaoVerbos classificacao
Verbos classificacao
whybells
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
Cláudia Heloísa
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
Rita Pereira
 
Oracoes Coordenadas
Oracoes CoordenadasOracoes Coordenadas
Oracoes Coordenadas
guest7174ad
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
Cláudia Heloísa
 
Tipos e Formas de frases
Tipos e Formas de frasesTipos e Formas de frases
Tipos e Formas de frases
Joao Papelo
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Orações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasOrações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativas
Margarida Tomaz
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
nelsonalves70
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
Marcelo Cordeiro Souza
 
15 coesao referencial
15 coesao referencial15 coesao referencial
15 coesao referencial
Jóyce Carlos
 
Tipos de argumentação
Tipos de argumentaçãoTipos de argumentação
Tipos de argumentação
Ana Lúcia Moura Neves
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
Ana Castro
 

Mais procurados (20)

AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa. Exemplos com músicas brasileiras
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa.  Exemplos com músicas brasileirasFunções da Linguagem - Língua Portuguesa.  Exemplos com músicas brasileiras
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa. Exemplos com músicas brasileiras
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidade Fatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Português Termos Essenciais Da OraçãO
Português Termos Essenciais Da OraçãOPortuguês Termos Essenciais Da OraçãO
Português Termos Essenciais Da OraçãO
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
 
Verbos classificacao
Verbos classificacaoVerbos classificacao
Verbos classificacao
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 
Oracoes Coordenadas
Oracoes CoordenadasOracoes Coordenadas
Oracoes Coordenadas
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
 
Tipos e Formas de frases
Tipos e Formas de frasesTipos e Formas de frases
Tipos e Formas de frases
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Orações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasOrações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativas
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
15 coesao referencial
15 coesao referencial15 coesao referencial
15 coesao referencial
 
Tipos de argumentação
Tipos de argumentaçãoTipos de argumentação
Tipos de argumentação
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 

Semelhante a Constituintes imediatos de uma frase

Sintaxe definição e objeto
Sintaxe   definição e objetoSintaxe   definição e objeto
Sintaxe definição e objeto
Sérgio de Castro
 
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
ELIVELSON MAIA
 
Sujeito analise linguistica
Sujeito analise linguisticaSujeito analise linguistica
Sujeito analise linguistica
Monica Cardoso
 
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdfDisciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
aderitoabdula
 
Termos Essenciais Sujeito
Termos Essenciais SujeitoTermos Essenciais Sujeito
Termos Essenciais Sujeito
Sérgio de Castro
 
Produção de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textosProdução de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textos
Sérgio Assis
 
Resenha a linguagem em uso
Resenha  a linguagem em usoResenha  a linguagem em uso
Resenha a linguagem em uso
Edneide Lima
 
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptxA Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
AdriellyWannessa
 
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.pptA construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
Caroline Assis
 
3592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
3592 texto do artigo-8204-1-10-201009193592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
3592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
AnaSimes583336
 
Curso de Português para Concurso TJ AM
Curso de Português para Concurso TJ AMCurso de Português para Concurso TJ AM
Curso de Português para Concurso TJ AM
Estratégia Concursos
 
Resumo
Resumo Resumo
Resumo estudo
Resumo estudoResumo estudo
Resumo estudo
Patricia Cardozo
 
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
Francis Paula
 
ideias principais das secudnarias.pdf
ideias principais das secudnarias.pdfideias principais das secudnarias.pdf
ideias principais das secudnarias.pdf
KarlianaArruda1
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
Universidade Pedagogica
 
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptxAula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
fcodacruz
 
A INTERLINGUA DE CRIANCAS FALANTES DE INGLES COMO SEGUNDA LINGUA.ppt
A INTERLINGUA DE CRIANCAS FALANTES DE INGLES COMO SEGUNDA LINGUA.pptA INTERLINGUA DE CRIANCAS FALANTES DE INGLES COMO SEGUNDA LINGUA.ppt
A INTERLINGUA DE CRIANCAS FALANTES DE INGLES COMO SEGUNDA LINGUA.ppt
RodneidosSantos
 
Texto base semantica-final_2_dez_2008
Texto base semantica-final_2_dez_2008Texto base semantica-final_2_dez_2008
Texto base semantica-final_2_dez_2008
Maria Thereza Santos
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
AlexandreFerrari26
 

Semelhante a Constituintes imediatos de uma frase (20)

Sintaxe definição e objeto
Sintaxe   definição e objetoSintaxe   definição e objeto
Sintaxe definição e objeto
 
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
 
Sujeito analise linguistica
Sujeito analise linguisticaSujeito analise linguistica
Sujeito analise linguistica
 
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdfDisciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
 
Termos Essenciais Sujeito
Termos Essenciais SujeitoTermos Essenciais Sujeito
Termos Essenciais Sujeito
 
Produção de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textosProdução de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textos
 
Resenha a linguagem em uso
Resenha  a linguagem em usoResenha  a linguagem em uso
Resenha a linguagem em uso
 
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptxA Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
 
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.pptA construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
A construção dos sentidos - Denotação e Conotação.ppt
 
3592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
3592 texto do artigo-8204-1-10-201009193592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
3592 texto do artigo-8204-1-10-20100919
 
Curso de Português para Concurso TJ AM
Curso de Português para Concurso TJ AMCurso de Português para Concurso TJ AM
Curso de Português para Concurso TJ AM
 
Resumo
Resumo Resumo
Resumo
 
Resumo estudo
Resumo estudoResumo estudo
Resumo estudo
 
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
 
ideias principais das secudnarias.pdf
ideias principais das secudnarias.pdfideias principais das secudnarias.pdf
ideias principais das secudnarias.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
 
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptxAula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
 
A INTERLINGUA DE CRIANCAS FALANTES DE INGLES COMO SEGUNDA LINGUA.ppt
A INTERLINGUA DE CRIANCAS FALANTES DE INGLES COMO SEGUNDA LINGUA.pptA INTERLINGUA DE CRIANCAS FALANTES DE INGLES COMO SEGUNDA LINGUA.ppt
A INTERLINGUA DE CRIANCAS FALANTES DE INGLES COMO SEGUNDA LINGUA.ppt
 
Texto base semantica-final_2_dez_2008
Texto base semantica-final_2_dez_2008Texto base semantica-final_2_dez_2008
Texto base semantica-final_2_dez_2008
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
 

Mais de Universidade Pedagogica

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Universidade Pedagogica
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
Universidade Pedagogica
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Universidade Pedagogica
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Universidade Pedagogica
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Universidade Pedagogica
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Universidade Pedagogica
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Universidade Pedagogica
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Universidade Pedagogica
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
Universidade Pedagogica
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
Universidade Pedagogica
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Universidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Universidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
Universidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Universidade Pedagogica
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Universidade Pedagogica
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Universidade Pedagogica
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
Universidade Pedagogica
 
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Universidade Pedagogica
 

Mais de Universidade Pedagogica (20)

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
 
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
Porque é que a ignorância, a paixão, o medo, e a força podem influenciar a co...
 

Constituintes imediatos de uma frase

  • 1. 1 UNIVERSIDADE PEDAGOGICADE MOÇAMBIQUE Os Constituintes Imediatos da Frase em Português Autor: Sérgio Alfredo Macore Celular: +258 846458829 / 826677547 Email: Sérgio.macore@gmail.com Pemba – Cabo Delgado Pemba, Maio 2021
  • 2. 3 ÍNDICE 1.Introdução .................................................................................................................................... 4 1.1.Objectivos.............................................................................................................................. 4 1.1.1.Objectivos Gerais............................................................................................................ 4 1.1.2.Objectivos Específicos.................................................................................................... 4 2.Metodologia ................................................................................................................................. 4 3.Delimitação do Tema................................................................................................................... 5 4.Referencial teórico ....................................................................................................................... 5 4.1.Tipos de frases....................................................................................................................... 5 4.1.1.Frases declarativas .......................................................................................................... 6 4.1.2.Frases interrogativas: Seus tipos..................................................................................... 6 4.1.2.1.Características da estrutura interrogativa..................................................................... 6 4.1.3.Frases imperativas .......................................................................................................... 7 5.Os constituintes Imediatos da frase.............................................................................................. 7 5.1.Sujeitos nulos e consequências sintácticas.......................................................................... 11 5.2.Sujeitos nulos expletivos..................................................................................................... 12 5.3. Sujeito nulo “indeterminado” ou de referência arbitrária .................................................. 12 Conclusão...................................................................................................................................... 14 Bibliografias.................................................................................................................................. 15
  • 3. 4 1.Introdução O presente trabalho aborda sobre ‘’Os Constituintes Imediatos da Frase em Português’’ concretamente têm em vista a abordagem dos fundamentos básicos e relevantes da cadeira, no que tange a intenção da fala como elemento essencial no estabelecimento da comunicação, pois os tipos de frases traduzem a atitude do enunciador a respeito daquilo que enuncia perante o seu interlocutor. Antes de mais nada é apresentado o conceito da frase como também o da frase simples, que constitui o objecto de estudo da Sintaxe, sendo nesta área em que o nosso tema está enquadrado e que a mesma interpenetra-se com a Semântica e Pragmática, dado que a Semântica deve ser vista como instrumental em relação à Pragmática, e Sintaxe como instrumental em relação à Semântica, contudo a Pragmática é vista como componente que comanda os estudos sobre os aspectos sintácticos e semânticos. Com a vista a materialização deste o trabalho apresenta os tipos de frases acompanhando sempre a intenção da fala e os seus constituintes imediatos bem como as suas funções. Em seguida apresento a minha reflexão sobre a frase de uma forma geral concretamente nos países de PALOP em relação ao Português, assim como as conclusões a que chegamos depois das leituras efectuado trabalho. 1.1.Objectivos 1.1.1.Objectivos Gerais  Compreender a função dos constituintes imediatos de uma frase em Português. 1.1.2.Objectivos Específicos  Identificar os tipos de frases e seus constituintes imediatos de uma frase em Português;  Identificar as funções dos tipos de frase durante a comunicação;  Distinguir os tipos de frases. 2.Metodologia Para a elaboração do trabalho e como forma de dar maior sustentabilidade científica recorreu-se à consultas bibliográficas de vários autores que abordam sobre o assunto, bem como na análise de construção frásica no Português nos países de PALOP.
  • 4. 5 3.Delimitação do Tema A frase é uma construção indispensável para a comunicação entre os seres humanos. Ela apresenta-se em tipos diferentes consoante a intenção dos interlocutores ou de contexto em que se encontra. Entretanto, há casos em que os falantes do Português fazem o uso inadequado dos diversos tipos de frase na comunicação e em certos casos constroem frases distanciadas da norma europeia. Por isso, o trabalho abordará “Os constituintes imediatos de uma frase em Português”. 4.Referencial teórico Antes de discutir a questão principal desta abordagem, para facilitar a compreensão do tema, impõe-se-nos explorar alguns conceitos básicos e indispensáveis para a compreensão do trabalho na base de alguns teorizadores com os quais iremos operar. São eles os conceitos de frase e frase simples. Frase “é uma unidade sequencial autónoma - ordenação de palavras e morfemas delimitada no início por uma maiúscula e no fim por um sinal de pontuação forte ou uma entoação descendente ou ascendente – e uma unidade de sentido” (Figueiredo, 2004). Segundo Gomes et all (1991:260), frase é “uma sequência organizada de palavras que constitui uma unidade de sentido e assim permite a comunicação entre destinador e destinatário.” Na óptica de Cunha & Cintra (2005:119), frase “é um enunciado de sentido completo, a unidade mínima de comunicação.” Para Cunha & Cintra (2005:119) a frase é sempre acompanhada de uma melodia, de uma entoação. Nas frases organizadas com verbo, a entoação caracteriza o fim do enunciado, geralmente seguido de forte pausa. 4.1.Tipos de frases Os tipos de frases traduzem a atitude do enunciador a respeito daquilo que enuncia e a respeito do destinatário. Vários autores versam sobre o assunto, mas cada um apresentando a sua visão, sendo que uns consideram quatro tipos (declarativo, interrogativo, exclamativo e imperativo), Mateus et all (2003:435-436) afirmam que existem cinco tipos de frases que são:
  • 5. 6 4.1.1.Frases declarativas Trata-se de frases com certas propriedades gramaticais, que podem exprimir qualquer tipo de acto ilocutório. (7) A amiga da Maria viu o filme. Na construção acima está patente o acto ilocutório assertivo podendo exprimir uma acção verdadeira ou falsa. Na mesma, sendo do tipo declarativo vamos encontrar os constituinte imediatos da frase: sintagma nominal e sintagma verbal. 4.1.2.Frases interrogativas: Seus tipos Na perspectiva de Mateus et all (2003:460), as frases interrogativas – são as que têm certas propriedades gramaticais, que exprimem actos directivos de pedido (de acção ou de informação). Segundo Fonseca et all (1998;12), interrogação refere-se apenas ao aspecto formal de um enunciado, enquanto o conceito pergunta revela do âmbito pragmático. A interrogação é uma entidade gramatical e a pergunta é uma entidade ilocutória. 4.1.2.1.Características da estrutura interrogativa  Presença de determinados marcadores morfo-sintácticos,  Existência de um pronome a ou advérbio interrogativo no início da frase, o qual, constituindo uma variável que precisa de ser instanciada, é tipicamente interrogativo;  A inversão do sujeito que ocorre frequentemente em francês, por exemplo, mas também em Inglês e Português. (8) Não queres tu tomar banho agora? Em português há algumas construções sintácticas que estão sempre associadas à estrutura interrogativa “será que…” é uma estrutura que nunca ocorre em frases assertivas nem imperativas. “E não é que…” e “porventura …” também surge apenas nas frases interrogativas. (9.a) Será que ele vem? (9.b) E não é que tu tinhas razão? (9.c) Porventura alguém sabe que eu estou aqui?
  • 6. 7 4.1.3.Frases imperativas Trata-se de frases com certas propriedades gramaticais que exprimem actos directivos de ordem, podendo exibir também valores diversos: pedido, exortação, conselho e instrução. De um ponto de vista pragmático são consideradas imperativas, todas as frases que expressam um acto ilocutório directivo, ou seja, aquelas com que, através do seu enunciado, o locutor visa obter num futuro imediato a execução de uma determinada acção ou actividade por parte do ouvinte, ou de alguém a quem o ouvinte transmita o acto directivo. (19) Cala-te! Consoante o contexto situacional ou linguístico em que se insira, a frase pode ser interpretada como uma ordem ou um pedido. 5.Os constituintes Imediatos da frase A análise em constituintes imediatos permite identificar a hierarquia dos elementos e as suas relações de dependência que um elemento ou um grupo de elementos mantêm com um outro elemento ou grupo de elementos, até se chegar ao grupo de extensão máxima que é a frase, (Figueiredo, 2004:134). O mesmo autor (2004:134) considera os seguintes constituintes imediatos: Sintagma nominal tem como núcleo um nome com a função do sujeito da frase que pode representar o Agente da acção expressa pelo verbo, o Paciente da acção, o Beneficiário e Instrumento. Se a frase tiver um verbo transitivo o SN pode ser complemento directo, predicativo do sujeito, o predicativo do complemento directo e o aposto. Um sintagma nominal é composto de um nome e, eventualmente, dos elementos que o acompanham, tais como os complementos do nome, os determinantes e os adjectivos.
  • 7. 10 (40.a) Lisboa agrada-me. (40.b) A menina inteligente passou de classe. O sintagma verbal tem como centro o verbo, que ocupa o lugar central da frase e em relação ao qual se determinam as funções dos outros sintagmas. Ele tem a função de predicado da frase. O verbo põe em relação o enunciado com a realidade extralinguística por meio das marcas morfológicas de pessoa, tempo, modo e aspecto, supondo-se ainda a presença dos seus respectivos complementos (do verbo, directo, directo e indirecto e circunstancial). O sintagma verbal pode ser constituído por um só elemento, o verbo ou por vários elementos associados ao verbo. (41) O homem telefonou. Sintagma preposicional (SP) – é introduzido por uma preposição e tem a função do completo do verbo e da frase o que denomina-se por complemento circunstancial. O SP pode apresentar as seguintes dependências: directamente da frase, directamente de um verbo preposicional, de um verbo transitivo (directo e indirecto), de um adjectivo, pode introduzir um atributo, pode introduzir um atributo do complemento directo (nome predicativo), pode introduzir um atributo do complemento circunstancial, cuja preposição indica o carácter da relação. (42.a) Os pássaros cantam no jardim. (43.b) Ele veio por causa de ti. Sintagma adverbial (SADV) – tem como núcleo um advérbio com a função de complemento do verbo, da frase e complemento da enunciação. (44) Ela comportou-se bem. Segundo Mateus et al (2003:436) nas frases básicas do português considera-se a existência de dois constituintes imediatos: o sintagma nominal (SN) e o sintagma verbal (SV). A identificação do sujeito permite igualmente identificar o SN constituinte imediato de frase. (45) A amiga da Maria viu o filme.
  • 8. 11  A pronominalização e a substituição permitem perceber que a sequência constituída por amiga da Maria é um SN. (46.a) Ela viu o filme. (46.b) A rapariga viu o filme.  A deslocação (na passiva, na deslocação a direita): (47.a) O filme foi visto pela amiga da Maria. (47.b) Foi a amiga da Maria que viu o filme.  Os procedimentos acima aplicados a parte das sequências em causa dariam resultados agramaticais ou com interpretações não pretendidas. (48.a) *O filme foi visto da Maria pela amiga. (48.b) Foi a amiga que viu o filme da Maria. A identificação do sintagma verbal é possível através de um conjunto de testes:  Formulação de uma interrogativa de instanciação em que ocorra o sintagma nominal, sujeito da frase em questão e um substituto anafórico do predicado; o sintagma verbal constitui a resposta não redundante a essa pergunta. Com predicadores não estativos agentivos, o substituto anafórico do predicado é fazer; com predicadores não estativos não agentivos, o substituto anafórico do predicado é geralmente acontecer. 5.1.Sujeitos nulos e consequências sintácticas A existência de uma flexão verbal rica permite em Português sujeitos nulos ou subentendidos. Os morfemas flexionais são tão variados que, na grande maioria dos casos, permitem recuperar o sujeito, mesmo quando este está ausente; a única excepção acontece com certas formas verbais de 1ª/3ª pessoas que podem ser idênticas, como no imperfeito do indicativo. (53.a) Comprei um livro. (53.b) Cantava muito naquele varão.
  • 9. 12 O sujeito subentendido é um sujeito pronominal não realizado e que precisa de ser legitimado por flexão e identificado pelos traços de pessoa e de número da concordância. A questão dos sujeitos nulos não é apenas um problema de natureza morfológica, mas a sintaxe de Português e o confronto com outras línguas que não tem esta propriedade permitem chegar à conclusão de que certos fenómenos sintácticos, aparentemente não relacionados, decorrem desta propriedade. 5.2.Sujeitos nulos expletivos Ocorrem em frases com verbos que não seleccionam um argumento externo, que não seja necessário ocupar a posição do sujeito com um pronome “suporte”, um “sujeito expletivo” lexicalmente realizado, o que acontece com os sujeitos “impessoais”, como chover, haver, parecer, acontecer. (54.a) Choveu imenso este Outono. (55.b) Há cachorros quentes. Há um mecanismo de concordância, os verbos estão na terceira pessoa de singular, por outro lado, é possível encontrar, na oralidade ou no registo escrito com traços de oralidade, sujeitos expletivos em frases apresentativas quer com verbos existenciais quer com verbos predicativos. 5.3. Sujeito nulo “indeterminado” ou de referência arbitrária Corresponde ao argumento externo do verbo dizer, sendo identificado pela concordância verbal como terceira pessoa do plural, que tem em português duas interpretações: designação de um conjunto contextualmente definido (eles, elas) ou de expressão do chamado sujeito indeterminado ou de referencia arbitraria (“alguém”). A interpretação do sujeito nulo como “indeterminado” ou de referência arbitrária com o verbo na terceira pessoa do plural é uma especificidade das línguas como português e está completamente ausente em línguas que não são de sujeito nulo. (57) Dizem que vai haver eleições. Pronome se impessoal - é usado para exprimir o sujeito indeterminado ou de referência “arbitrária”.
  • 10. 13 (58.a) Diz-se que vai haver eleições. (58.b) Não se diz que vai haver eleições. A principal característica deste pronome impessoal é a de lhe ser associada a relação temática que o verbo atribui ao seu argumento externo (se representa o agente de dizer), por outro lado a agramaticalidade. O se impessoal é também designado se nominativo, pós mostra que o pronome absorve a informação de caso nominativo que a flexão legitima. Caso esse que no exemplo abaixo seria duplamente realizado: por se e por ele. Este fenómeno só ocorre em línguas do sujeito nulo. (59) *Ele diz-se que.
  • 11. 14 Conclusão Chegando o fim deste trabalho, conclui-se que a frase sendo uma palavra ou um conjunto de palavras com sentido completo e com a finalidade de transmitir uma ideia, estabelecendo assim a comunicação, deve iniciar com letra maiúscula e terminar por um sinal de pontuação característico do tipo de frase na escrita e na fala, o início e o fim da frase deve apresentar uma entoação característica da mesma. Quanto aos constituintes das frases simples e suas funções sintácticas, vimos que uma frase simples domina imediatamente o sintagma nominal e o sintagma verbal, sendo este último podendo agregar outros sintagmas dependendo da intenção do enunciado; respeitando a concordância entre todos os elementos da frase quanto ao número e pessoa. O Português comparativamente com as outras línguas apresenta a interpretação do sujeito nulo como “indeterminado” ou de referência arbitrária o que está completamente ausente em línguas que não são de sujeito nulo. Existem algumas semelhanças nas interrogativas Q destas duas variedades do Português (Moçambicano e Europeus): os falantes do PM têm preferência por interrogativas com movimento Q para posição inicial, como no PE, e ainda por interrogativas com movimento-Q, mas sem inversão sujeito-verbo e interrogativas com o «COMP duplamente preenchido», apesar destas semelhanças, no PM ocorrem interrogativas com o constituinte Q numa posição intermédia. No PE a inversão sujeito-verbo é obrigatório contrariamente ao que acontece no PM. E nas exclamativas, verifica-se alteração ao padrão básico de ordem de palavras. Com efeito, o verbo precede obrigatoriamente o sujeito. As frases optativas exprimem o desejo do locutor.
  • 12. 15 Bibliografias CUNHA Celso & CINTRA Lindley. Nova Gramática de Português Contemporâneo. 18ª Ed. Edições João Sá da Costa, 2005; DUARTE, Inês. Língua Portuguesa: Instrumentos de Análise, Universidade Aberta, Lisboa, 2000; FARIA et all. Introdução à Linguística Geral e Português. 2ª Ed. Editorial Caminho, 1996; FIGUERIREDO, Maria Olívia. Da palavra ao Texto. 6ª Ed. Asa Edições, Lisboa, 2004; FONSECA et all. A Organização e o funcionamento dos discursos: Estudos sobre o Português. Tomo II. Porto Editora, 1998; RIBEIRO et all. Gramática Moderna da Língua Portuguesa. Escolar Editora, 2010; RODRIGUES et all. A Organização e Funcionamento dos discursos. Estudo sobre o Português. Tomo II, Porto Editora, 1998.