SlideShare uma empresa Scribd logo
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVOCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO
BRASILEIROBRASILEIRO
 Prof.º Rodrigo PavesiProf.º Rodrigo Pavesi
BRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICABRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICA

Segundo a teoria da Deriva
Continental do cientista alemão
Alfred Wegener, os continentes
estiveram unidos no passado, e
esse grande continente foi
denominado de Pagea palavra
grega que significa “ toda terra”
e uma grande maça de água
denominada de Panthalassa. E
devido a movimentação de
placas no assoalho oceânico
essas maças de terra foram se
separando formando os
continentes que conhecemos
hoje.
BRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICABRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICA

ERAS GEOLÓGICASERAS GEOLÓGICAS

ERAS GEOLÓGICASERAS GEOLÓGICAS
Cenozoica (Terciário e Quaternário):Cenozoica (Terciário e Quaternário):
Dobramentos modernos: Alpes, Andes, Himalaia, Atlas, Rochosas
Mesozoica:Mesozoica:
Atividades vulcânicas, formação de bacias sedimentares (Terra
Roxa)
PaleozoicaPaleozoica
Intenso processo de sedimentação
Proterozoica (Pré-cambriano):Proterozoica (Pré-cambriano):
Escudos cristalinos, rochas magmáticas e metamórficas, primeiras
bacias sedimentares.
FORMAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROFORMAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO

O RELEVO É FORMADO A PARTIR DA
ATUAÇÃO DOS AGENTES
INTERNOS OU ENDÓGENOSINTERNOS OU ENDÓGENOS
E
EXTERNOS OU EXÓGENOSEXTERNOS OU EXÓGENOS
AGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOSAGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOS

A orogênese é o conjunto de processos que levam à formação
ou rejuvenescimento de montanhas ou cadeias de montanhas
produzido principalmente pelo diastrofismo (dobramentos,
falhas ou a combinação dos dois), ou seja, pela deformação
compressiva da litosfera continental.
AGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOSAGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOS

Epirogênese é um conjunto de processos que resultam no
movimento da crosta terrestre, no sentido ascendente ou
descendente. Além disso, atinge vastas áreas continentais de
forma lenta, ocasionando regressões e transgressões
marinhas.
AGENTES EXTERNOS OU EXÓGENOSAGENTES EXTERNOS OU EXÓGENOS

MODELADORES DO RELEVO
 CHUVAS,
 VENTOS,
 RIOS E O
 HOMEM
ESTRUTURA GEOLÓGICAESTRUTURA GEOLÓGICA

Serra do Mar – Dobramentos antigos sofreu um grande processo de erosão
ESTRUTURA GEOLÓGICAESTRUTURA GEOLÓGICA

Cordilheira dos Andes – Dobramentos recentes localizado próximo a placas
tectônicas
RELEVORELEVO
BRASILEIROBRASILEIRO
 Escudos Cristalinos
 Bacias Sedimentares
BRASIL – MAPA HIPSOMÉTRICOBRASIL – MAPA HIPSOMÉTRICO

O Brasil apresenta
relevos baixos, que
sofreram um longo
processo de erosão,
sendo assim seu relevo
é datado da era Pré-
Cambirana.
BRASIL – MAPA HIPSOMÉTRICOBRASIL – MAPA HIPSOMÉTRICO

ESCUDOS CRISTALINOS x BACIAS SEDIMENTARESESCUDOS CRISTALINOS x BACIAS SEDIMENTARES

BACIAS SEDIMENTARES :BACIAS SEDIMENTARES :
64 % DO BRASIL64 % DO BRASIL
ESCUDOS CRISTALINOS:ESCUDOS CRISTALINOS:
36 % DO BRASIL36 % DO BRASIL
Assim a base estrutural brasileira é cristalina, antiga, rígida eAssim a base estrutural brasileira é cristalina, antiga, rígida e
geologicamente estável.geologicamente estável.
ESCUDOS CRISTALINOSESCUDOS CRISTALINOS

Abrangem 36% da superfície total, sendo 32% composto por estrutura
arqueozoica pré-cambriano, compostos pro granito e gnaisses, e 4% de
proterozoica, geralmente associadas a jazidas minerais.
Ou seja, grandes áreas formadas por rochas magmáticas ou
metamórficas, muito resistentes,que remontam a gênese da Terra.
ESCUDOS CRISTALINOSESCUDOS CRISTALINOS

Agrupados em dois grandes blocos principais:
 Escudo das Guianas
 Escudo Brasileiro, subdividido em Sul-Amazônico, Atlântico, Araguaio-
Tocantins, Bolívio-Matogrossense e Uruguaio-Sul Rio-Grandense.
Principais jazidas minerais do Brasil:
 Serra do Espinhaço (MG)
 Maciço Urucum (MS)
 Serra dos Carajás (PA)
BACIAS SEDIMENTARESBACIAS SEDIMENTARES

Correspondem a 64% do território brasileiro e são formadas por
deposição de sedimentos que preencheram áreas mais baixas do relevo. Esses
sedimentos foram transportados pela ação dos ventos, das águas e dos rios ou
mares
A exploração econômica das bacias sedimentares está relacionada aos
minerais energéticos, como carvão, petróleo, xisto e gás.
BACIAS SEDIMENTARESBACIAS SEDIMENTARES

Podem ser agrupadas de acordo com a Era em que foram sedimentados:
PALEOZOICAS:PALEOZOICAS:
 São Franciscana
 Paranaica
MESOZOICA:
 Parnaíba
 Recôncavo Baiano
CENOZOICASCENOZOICAS
 Amazônica
 Costeira
 Pantanal
TERRA ROXATERRA ROXA

O derrame de Trapp foi um grande derramamento vulcânico de
basalto, ocorrido na era MesozóicaMesozóica, e que deu origem a um dos solos
mais férteis do Brasil (Terra Roxa), que se estendem nas porções
ocidentais de São Paulo ao Rio Grande do Sul.
DEFINIÇÕES DODEFINIÇÕES DO
RELEVORELEVO
 Planalto
 Planície
 Depressão
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO

PLANALTO: Área de altitude elevada, onde os processos erosivos superam os de
sedimentação, podendo ter uma topografia acidentada ou relativamente plana.
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO

PLANÍCIE: Região onde os processos de deposição superam os erosivos.
Geralmente as planícies se situam em baixas altitudes, mas também podem ser
encontradas em áreas planálticas; exemplo disso são as planícies fluviais.
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO

DEPRESSÃO: Áreas aonde os processos erosivos são mais intensos que os de
deposição. No Brasil, as depressões são relativas e localizadas em áreas entre
planaltos.
RELEVORELEVO

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVOCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO
BRASILEIROBRASILEIRO
 Aroldo de Azevedo
 Aziz Ab`Saber
 Jurandyr Ross
CLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDOCLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDO

É a mais antiga utilizada, dividindo o Brasil em dois planaltos e três
planícies. O principal critério para essa classificação foi a altimetria.
Planícies todas as áreas inferiores a 200 metros de altitude
Planaltos as áreas com elevações superiores a 200 metros
CLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDOCLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDO

CLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB´SÁBERCLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB´SÁBER

Os planaltos deixam de ser classificado apenas pelo critério de altitude
e passaram a ser vistos como elementos onde ocorrem processos erosivos em
maior proporção que os processos de sedimentação.
As planícies, por sua vez, recebem mais sedimentos do que são
desgastadas, em função da sua baixa altitude.
CLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB´SÁBERCLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB´SÁBER

CLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSSCLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSS

Esta classificação é a mais recente, baseada no levantamento do
Projeto Radambrasil.
Nesta classificação foram associados a modernos estudos
geomorfológicos (processos de erosão, transporte e sedimentação, cotas
altimétricas e estruturas geológicas).
CLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSSCLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSS

Nesta classificação utiliza-se critérios semelhantes a Aziz Ab´Saber
onde planalto são regiões altas que sofrem processo de erosão e planície regiões
baixas que recebem sedimentos , porém Jurandyr classifica depressão como
sendo a região intermediária entre a planície e o planalto.
CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO

Aroldo de Azevedo:
Planície 0 a 200 m
Planalto 200 m para cima
Aziz Ab´ Sáber
Planície recebe sedimentos
Planaltos sofre erosão
JURANDYR ROSS
Planície recebe sedimentos
Planaltos sofre erosão
Depressão
BONS ESTUDOS !!!BONS ESTUDOS !!!
"SE EU OUÇO EU ESQUEÇO. SE EU VEJO EU ME"SE EU OUÇO EU ESQUEÇO. SE EU VEJO EU ME
LEMBRO. SE EU FAÇO EU APRENDO."LEMBRO. SE EU FAÇO EU APRENDO."
Professor Luiz Fernando Wisniewski - GeografiaProfessor Luiz Fernando Wisniewski - Geografia
E-Mail:E-Mail:
lfw.geografia@gmail.com
Site:Site:
http://linguageografica.wordpress.com/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasilEstrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasil
Alexandre Sampaio
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
Professor
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
João José Ferreira Tojal
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Suely Takahashi
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
Celso Roberto Pitta Santos
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
Prof.Paulo/geografia
 
America latina
America latina America latina
America latina
Christie Freitas
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
Linguagem Geográfica
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
Luciano Pessanha
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
Prof. Francesco Torres
 
Estrutura geológica
Estrutura geológicaEstrutura geológica
Estrutura geológica
João José Ferreira Tojal
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
Prof. Francesco Torres
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
Prof. Francesco Torres
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
Omar Fürst
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
André Luiz Marques
 
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICAGEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
Henrique Pontes
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
Jane Mary Lima Castro
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
Bruna Ribeiro Guedes
 
8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica
Alexandre Alves
 

Mais procurados (20)

Estrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasilEstrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasil
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
 
Estrutura geológica
Estrutura geológicaEstrutura geológica
Estrutura geológica
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICAGEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
 
8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica8º ano (cap. 4). áfrica
8º ano (cap. 4). áfrica
 

Destaque

Kosovo 9 ano A Sesc 2016
Kosovo 9 ano A Sesc 2016Kosovo 9 ano A Sesc 2016
Kosovo 9 ano A Sesc 2016
Andre Caiado
 
PRÉ-SAL: GEOLOGIA E EXPLORAÇÃO
PRÉ-SAL: GEOLOGIA E EXPLORAÇÃOPRÉ-SAL: GEOLOGIA E EXPLORAÇÃO
PRÉ-SAL: GEOLOGIA E EXPLORAÇÃO
Gabriela Leal
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Ivanilson Lima
 
Recursos minerais brasil (geologia 02)
Recursos minerais  brasil (geologia 02)Recursos minerais  brasil (geologia 02)
Recursos minerais brasil (geologia 02)
Camila Brito
 
Classificações do relevo brasileiro
Classificações do relevo brasileiroClassificações do relevo brasileiro
Classificações do relevo brasileiro
flaviocosac
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
karolpoa
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
UFES
 
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
agendab
 

Destaque (8)

Kosovo 9 ano A Sesc 2016
Kosovo 9 ano A Sesc 2016Kosovo 9 ano A Sesc 2016
Kosovo 9 ano A Sesc 2016
 
PRÉ-SAL: GEOLOGIA E EXPLORAÇÃO
PRÉ-SAL: GEOLOGIA E EXPLORAÇÃOPRÉ-SAL: GEOLOGIA E EXPLORAÇÃO
PRÉ-SAL: GEOLOGIA E EXPLORAÇÃO
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Recursos minerais brasil (geologia 02)
Recursos minerais  brasil (geologia 02)Recursos minerais  brasil (geologia 02)
Recursos minerais brasil (geologia 02)
 
Classificações do relevo brasileiro
Classificações do relevo brasileiroClassificações do relevo brasileiro
Classificações do relevo brasileiro
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
 

Semelhante a Classificação do Relevo Brasileiro

Relevo brasileiro aula do terceirão
Relevo brasileiro   aula do terceirãoRelevo brasileiro   aula do terceirão
Relevo brasileiro aula do terceirão
Victor0215
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
Virgilio Nt
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Bruno-machado Bruno
 
Estrutura e relevo
Estrutura e relevoEstrutura e relevo
Estrutura e relevo
robertobraz
 
Estrutura geologica e relevo do brasil
Estrutura geologica e relevo do brasilEstrutura geologica e relevo do brasil
Estrutura geologica e relevo do brasil
Atalibas Aragão
 
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Emerson Ricardo
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Rogério Bartilotti
 
Classificação do relevo
Classificação do relevoClassificação do relevo
Classificação do relevo
Raquel Avila
 
1° ano.pptx
1° ano.pptx1° ano.pptx
1° ano.pptx
fernandasaraivadacun1
 
Estrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiroEstrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiro
dela28
 
Estrutura geológica
Estrutura geológicaEstrutura geológica
Estrutura geológica
rillaryalvesj
 
Bacias sedimentares.pptx
Bacias sedimentares.pptxBacias sedimentares.pptx
Bacias sedimentares.pptx
NoslekSmot
 
Geomorfologia Geral e do Brasil
Geomorfologia Geral e do BrasilGeomorfologia Geral e do Brasil
Geomorfologia Geral e do Brasil
Cica2010
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Carolina Corrêa
 
Estruturas geológicas no mundo e Brasil
 Estruturas geológicas no mundo e Brasil Estruturas geológicas no mundo e Brasil
Estruturas geológicas no mundo e Brasil
Geisa Andrade
 
Agentes do Relevo
Agentes do RelevoAgentes do Relevo
Agentes do Relevo
André Luiz Marques
 
Relevo Brasileiro e Litorâneo
Relevo Brasileiro e LitorâneoRelevo Brasileiro e Litorâneo
Relevo Brasileiro e Litorâneo
Ivanilson Lima
 
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da AmazôniaEstrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Portal do Vestibulando
 
Escudos cristalinos e Bacias Sedimentares
Escudos cristalinos e Bacias SedimentaresEscudos cristalinos e Bacias Sedimentares
Escudos cristalinos e Bacias Sedimentares
Universidade Estadual do Maranhão
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
danielcpacheco2
 

Semelhante a Classificação do Relevo Brasileiro (20)

Relevo brasileiro aula do terceirão
Relevo brasileiro   aula do terceirãoRelevo brasileiro   aula do terceirão
Relevo brasileiro aula do terceirão
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Estrutura e relevo
Estrutura e relevoEstrutura e relevo
Estrutura e relevo
 
Estrutura geologica e relevo do brasil
Estrutura geologica e relevo do brasilEstrutura geologica e relevo do brasil
Estrutura geologica e relevo do brasil
 
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Classificação do relevo
Classificação do relevoClassificação do relevo
Classificação do relevo
 
1° ano.pptx
1° ano.pptx1° ano.pptx
1° ano.pptx
 
Estrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiroEstrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiro
 
Estrutura geológica
Estrutura geológicaEstrutura geológica
Estrutura geológica
 
Bacias sedimentares.pptx
Bacias sedimentares.pptxBacias sedimentares.pptx
Bacias sedimentares.pptx
 
Geomorfologia Geral e do Brasil
Geomorfologia Geral e do BrasilGeomorfologia Geral e do Brasil
Geomorfologia Geral e do Brasil
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
 
Estruturas geológicas no mundo e Brasil
 Estruturas geológicas no mundo e Brasil Estruturas geológicas no mundo e Brasil
Estruturas geológicas no mundo e Brasil
 
Agentes do Relevo
Agentes do RelevoAgentes do Relevo
Agentes do Relevo
 
Relevo Brasileiro e Litorâneo
Relevo Brasileiro e LitorâneoRelevo Brasileiro e Litorâneo
Relevo Brasileiro e Litorâneo
 
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da AmazôniaEstrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
Estrutura geológica, relevo e riquezas minerais da Amazônia
 
Escudos cristalinos e Bacias Sedimentares
Escudos cristalinos e Bacias SedimentaresEscudos cristalinos e Bacias Sedimentares
Escudos cristalinos e Bacias Sedimentares
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
 

Mais de Rodrigo Pavesi

Transportes no Brasil
Transportes no BrasilTransportes no Brasil
Transportes no Brasil
Rodrigo Pavesi
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
Rodrigo Pavesi
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Rodrigo Pavesi
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Rodrigo Pavesi
 
Movimentos da Terra
Movimentos da TerraMovimentos da Terra
Movimentos da Terra
Rodrigo Pavesi
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terra
Rodrigo Pavesi
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Rodrigo Pavesi
 

Mais de Rodrigo Pavesi (7)

Transportes no Brasil
Transportes no BrasilTransportes no Brasil
Transportes no Brasil
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Movimentos da Terra
Movimentos da TerraMovimentos da Terra
Movimentos da Terra
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terra
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
 

Último

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 

Último (20)

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 

Classificação do Relevo Brasileiro

  • 1. CLASSIFICAÇÃO DO RELEVOCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROBRASILEIRO  Prof.º Rodrigo PavesiProf.º Rodrigo Pavesi
  • 2. BRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICABRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICA  Segundo a teoria da Deriva Continental do cientista alemão Alfred Wegener, os continentes estiveram unidos no passado, e esse grande continente foi denominado de Pagea palavra grega que significa “ toda terra” e uma grande maça de água denominada de Panthalassa. E devido a movimentação de placas no assoalho oceânico essas maças de terra foram se separando formando os continentes que conhecemos hoje.
  • 3. BRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICABRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICA 
  • 4. ERAS GEOLÓGICASERAS GEOLÓGICAS  ERAS GEOLÓGICASERAS GEOLÓGICAS Cenozoica (Terciário e Quaternário):Cenozoica (Terciário e Quaternário): Dobramentos modernos: Alpes, Andes, Himalaia, Atlas, Rochosas Mesozoica:Mesozoica: Atividades vulcânicas, formação de bacias sedimentares (Terra Roxa) PaleozoicaPaleozoica Intenso processo de sedimentação Proterozoica (Pré-cambriano):Proterozoica (Pré-cambriano): Escudos cristalinos, rochas magmáticas e metamórficas, primeiras bacias sedimentares.
  • 5. FORMAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROFORMAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO  O RELEVO É FORMADO A PARTIR DA ATUAÇÃO DOS AGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOSINTERNOS OU ENDÓGENOS E EXTERNOS OU EXÓGENOSEXTERNOS OU EXÓGENOS
  • 6. AGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOSAGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOS  A orogênese é o conjunto de processos que levam à formação ou rejuvenescimento de montanhas ou cadeias de montanhas produzido principalmente pelo diastrofismo (dobramentos, falhas ou a combinação dos dois), ou seja, pela deformação compressiva da litosfera continental.
  • 7. AGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOSAGENTES INTERNOS OU ENDÓGENOS  Epirogênese é um conjunto de processos que resultam no movimento da crosta terrestre, no sentido ascendente ou descendente. Além disso, atinge vastas áreas continentais de forma lenta, ocasionando regressões e transgressões marinhas.
  • 8. AGENTES EXTERNOS OU EXÓGENOSAGENTES EXTERNOS OU EXÓGENOS  MODELADORES DO RELEVO  CHUVAS,  VENTOS,  RIOS E O  HOMEM
  • 9. ESTRUTURA GEOLÓGICAESTRUTURA GEOLÓGICA  Serra do Mar – Dobramentos antigos sofreu um grande processo de erosão
  • 10. ESTRUTURA GEOLÓGICAESTRUTURA GEOLÓGICA  Cordilheira dos Andes – Dobramentos recentes localizado próximo a placas tectônicas
  • 12. BRASIL – MAPA HIPSOMÉTRICOBRASIL – MAPA HIPSOMÉTRICO  O Brasil apresenta relevos baixos, que sofreram um longo processo de erosão, sendo assim seu relevo é datado da era Pré- Cambirana.
  • 13. BRASIL – MAPA HIPSOMÉTRICOBRASIL – MAPA HIPSOMÉTRICO 
  • 14. ESCUDOS CRISTALINOS x BACIAS SEDIMENTARESESCUDOS CRISTALINOS x BACIAS SEDIMENTARES  BACIAS SEDIMENTARES :BACIAS SEDIMENTARES : 64 % DO BRASIL64 % DO BRASIL ESCUDOS CRISTALINOS:ESCUDOS CRISTALINOS: 36 % DO BRASIL36 % DO BRASIL Assim a base estrutural brasileira é cristalina, antiga, rígida eAssim a base estrutural brasileira é cristalina, antiga, rígida e geologicamente estável.geologicamente estável.
  • 15. ESCUDOS CRISTALINOSESCUDOS CRISTALINOS  Abrangem 36% da superfície total, sendo 32% composto por estrutura arqueozoica pré-cambriano, compostos pro granito e gnaisses, e 4% de proterozoica, geralmente associadas a jazidas minerais. Ou seja, grandes áreas formadas por rochas magmáticas ou metamórficas, muito resistentes,que remontam a gênese da Terra.
  • 16. ESCUDOS CRISTALINOSESCUDOS CRISTALINOS  Agrupados em dois grandes blocos principais:  Escudo das Guianas  Escudo Brasileiro, subdividido em Sul-Amazônico, Atlântico, Araguaio- Tocantins, Bolívio-Matogrossense e Uruguaio-Sul Rio-Grandense. Principais jazidas minerais do Brasil:  Serra do Espinhaço (MG)  Maciço Urucum (MS)  Serra dos Carajás (PA)
  • 17. BACIAS SEDIMENTARESBACIAS SEDIMENTARES  Correspondem a 64% do território brasileiro e são formadas por deposição de sedimentos que preencheram áreas mais baixas do relevo. Esses sedimentos foram transportados pela ação dos ventos, das águas e dos rios ou mares A exploração econômica das bacias sedimentares está relacionada aos minerais energéticos, como carvão, petróleo, xisto e gás.
  • 18. BACIAS SEDIMENTARESBACIAS SEDIMENTARES  Podem ser agrupadas de acordo com a Era em que foram sedimentados: PALEOZOICAS:PALEOZOICAS:  São Franciscana  Paranaica MESOZOICA:  Parnaíba  Recôncavo Baiano CENOZOICASCENOZOICAS  Amazônica  Costeira  Pantanal
  • 19. TERRA ROXATERRA ROXA  O derrame de Trapp foi um grande derramamento vulcânico de basalto, ocorrido na era MesozóicaMesozóica, e que deu origem a um dos solos mais férteis do Brasil (Terra Roxa), que se estendem nas porções ocidentais de São Paulo ao Rio Grande do Sul.
  • 20. DEFINIÇÕES DODEFINIÇÕES DO RELEVORELEVO  Planalto  Planície  Depressão
  • 21. CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO  PLANALTO: Área de altitude elevada, onde os processos erosivos superam os de sedimentação, podendo ter uma topografia acidentada ou relativamente plana.
  • 22. CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO  PLANÍCIE: Região onde os processos de deposição superam os erosivos. Geralmente as planícies se situam em baixas altitudes, mas também podem ser encontradas em áreas planálticas; exemplo disso são as planícies fluviais.
  • 23. CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO  DEPRESSÃO: Áreas aonde os processos erosivos são mais intensos que os de deposição. No Brasil, as depressões são relativas e localizadas em áreas entre planaltos.
  • 25. CLASSIFICAÇÃO DO RELEVOCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROBRASILEIRO  Aroldo de Azevedo  Aziz Ab`Saber  Jurandyr Ross
  • 26. CLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDOCLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDO  É a mais antiga utilizada, dividindo o Brasil em dois planaltos e três planícies. O principal critério para essa classificação foi a altimetria. Planícies todas as áreas inferiores a 200 metros de altitude Planaltos as áreas com elevações superiores a 200 metros
  • 27. CLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDOCLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDO 
  • 28. CLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB´SÁBERCLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB´SÁBER  Os planaltos deixam de ser classificado apenas pelo critério de altitude e passaram a ser vistos como elementos onde ocorrem processos erosivos em maior proporção que os processos de sedimentação. As planícies, por sua vez, recebem mais sedimentos do que são desgastadas, em função da sua baixa altitude.
  • 29. CLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB´SÁBERCLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB´SÁBER 
  • 30. CLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSSCLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSS  Esta classificação é a mais recente, baseada no levantamento do Projeto Radambrasil. Nesta classificação foram associados a modernos estudos geomorfológicos (processos de erosão, transporte e sedimentação, cotas altimétricas e estruturas geológicas).
  • 31. CLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSSCLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSS  Nesta classificação utiliza-se critérios semelhantes a Aziz Ab´Saber onde planalto são regiões altas que sofrem processo de erosão e planície regiões baixas que recebem sedimentos , porém Jurandyr classifica depressão como sendo a região intermediária entre a planície e o planalto.
  • 32. CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIROCLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO  Aroldo de Azevedo: Planície 0 a 200 m Planalto 200 m para cima Aziz Ab´ Sáber Planície recebe sedimentos Planaltos sofre erosão JURANDYR ROSS Planície recebe sedimentos Planaltos sofre erosão Depressão
  • 33. BONS ESTUDOS !!!BONS ESTUDOS !!! "SE EU OUÇO EU ESQUEÇO. SE EU VEJO EU ME"SE EU OUÇO EU ESQUEÇO. SE EU VEJO EU ME LEMBRO. SE EU FAÇO EU APRENDO."LEMBRO. SE EU FAÇO EU APRENDO."
  • 34. Professor Luiz Fernando Wisniewski - GeografiaProfessor Luiz Fernando Wisniewski - Geografia E-Mail:E-Mail: lfw.geografia@gmail.com Site:Site: http://linguageografica.wordpress.com/