SlideShare uma empresa Scribd logo
GEOLOGIA, RELEVO E
MINERAÇÃO NO BRASIL
Geografia – 1ª ano
Profª Esp: Eponina Alencar
Relevo
 Trata-se do conjunto das formas da crosta terrestre,
manifestando-se desde o fundo dos oceanos até as terras
emersas. Encontramos formas diversas de relevo: montanhas,
planaltos, planícies, depressões, cordilheiras, morros, serras,
inselbergs, vulcões, vales, escarpas, abismos, Cuestas, etc.
 O relevo é o resultante da ação de dois agentes:os
internos e externos.
Relevo Brasileiro
Território Brasileiro  situado sobre a plana sul-americana;
Porção ocidental  dobramentos andinos (choque de nazca, formou a
dorsal meso-oceânica)
X SAIRX SAIR
Grandes unidades geológicas:
 Escudos cristalinos - pré-cambriano;
 Bacias sedimentares – paleozoica;
 Dobramentos – andes
 Plataforma patagônica
Estruturas Cristalinas
 O relevo se origina e se
transforma sob a interferência
de dois tipos de agentes:
Como se forma o relevo?
Os agentes internos (formadores)
Os agentes externos (transformadores)
PRINCIPAIS ESTRUTURAS DE RELEVO:
 PLANALTO
 PLANÍCIE
 DEPRESSÃO
 MONTANHAS
Formas de relevo
Formas de relevo continentais
Montanhas: formadas pela ação de forças tectônicas
Jovens: formadas em épocas geológicas
recentes. Apresentam maiores altitudes.
Velhas: formadas em eras mais remotas. Tendo
sido afetadas pela erosão, apresentam altitudes
mais moderadas.
Montanhas jovens
no Parque Nacional
Los Glaciares, na região
patagônica
(Argentina, 2000)
Formas de relevo continentais
Planalto: superfícies onde predomina intenso
processo de erosão.
Situam-se entre 200 metros
e 2 mil metros de altitude.
Apresentam forma aplainada
ou morros, serras ou
elevações íngremes de topo
plano (chapadas).
Morro do Pai Inácio, na Chapada
Diamantina (Bahia, 2008)
Formas de relevo continentais
Planícies: poucas irregularidades e forma quase plana
Baixas altitudes
(até 100 metros)
Sedimentação constante devido
aos movimentos das águas do
mar, de rios, de lagos etc.
Planícies litorâneas Planícies fluviais Planícies lacustres
Depressões
Quando as depressões se encontram
abaixo do nível do mar, recebem o
nome de depressões absolutas.
• Partes mais baixas em relação às
formas de relevo que as circundam.
• Apresentam uma leve inclinação e são
também caracterizadas por um processo
de erosão, que é um aspecto
determinante na sua formação.
O mar Morto, na Ásia,
é um exemplo de
depressão absoluta.
Ele está metros
abaixo do nível do
mar.
Depressão Sertaneja /São
Francisco
As diferentes classificações do relevo brasileiro
Professor Jurandyr Ross Anos 90
Professor Aroldo de
Azevedo Anos 40/50
Professor Aziz Ab’Saber / anos 60
 Classificação feita por Aroldo de Azevedo: elaborada na déc. De
40, levou em consideração as cotas atimétricas (altitude) do relevo. Planalto:
superfície levemente ondulada com mais de 200 m de altitude. Planície: superfície
aplainada com menos de 200 m de altitude.
 Classificação feita por Aziz AB Sáber: Classificação publicada
em 1958, onde se definia: Planalto : superfície suavemente ondulada,
onde se verifica o domínio do processo erosivo(desgaste). Planície:
superfície onde o processo de sedimentação é mais atuante e
independe do nível altimétrico.
Classificação de Ross
 A mais recente classificação do relevo brasileiro é a proposta pelo professor
Jurandyr Ross, divulgada em 1989.
 Jurandyr Ross, a exemplo de Ab'Saber, também utiliza os processos geomorfológicos
para elaborar a sua classificação, porem diferente das classificações anteriores, Ross,
usa recursos mais modernos como a aerofotogrametria , (fotos aéreas, projeto
Radam Brasil) e reformulou a classificação do relevo brasileiro, elevando para 28 o
número de grandes unidades de relevo.
 Além disso, ao invés de se prender às divisões anteriores entre planaltos e
planícies, introduziu um novo conceito, o de depressão.
 Destaca três formas principais de relevo: planaltos, planícies e depressões. Define
cada macro-unidade da seguinte forma:
 PLANALTO como sendo uma superfície irregular, com altitude acima de 300 metros e
produto de erosão;
 PLANÍCIE, como uma área plana, formada pelo acúmulo recente de sedimentos;
 DEPRESSÃO, como superfície entre 100 e 500 metros de altitude, com inclinação suave,
mais plana que o planalto e formada por processo de erosão.
Mapa Relevo brasileiro
O relevo brasileiro
Características
Predominam os planaltos de baixa
altitude ( até 1200m ) e as
depressões.
O relevo brasileiro não possui
grandes altitudes . Este fato pode
ser explicado pela antiguidade de
seus terrenos (em geral, pré-
cambrianos ) que vem sofrendo o
ataque dos agentes de erosão há
milhões de anos.
Planalto, Planícies e Depressões
são as principais formas de relevo .
O Brasil não apresenta cadeias de
montanhas ou dobramentos
modernos .
As Cores variam de acordo com níveis de
altitude indo dos mais baixos ( verde) aos
mais elevados ( marrom)
Relevo Brasileiro
 64% de rochas sedimentares (podem apresentar ocorrência de
combustíveis fósseis);
 36% de escudos cristalinos (rochas metamórficas e magmáticas), onde
encontramos jazidas de minérios;
Escudos Cristalinos
 Nos escudos cristalinos encontramos reservas
minerais metálicas e não metálicas.
 Dois escudos principais: Guianas e Brasileiro.
Bacias Sedimentares
 Importantes reservas de hidrocarbonetos
(petróleo, gás natural e carvão mineral).
 Dois grandes grupos:
 Bacias de Grande Extensão: Amazônica, do
Meio Norte, do Paraná, Sanfranciscana ou do
São Francisco e a do Pantanal Matogrossense.
 Bacia de Pequena Extensão: do Recôncavo-
Tucano, as costeiras e as de compartimento de
planalto (Bacia Sedimentar de Curitiba).
Classificação de Aroldo de Azevedo
 Primeira
classificação.
 Recursos limitados.
 4 grandes planícies.
 2 grandes planaltos.
 Subdivide o planalto
brasileiro em 3 sub-
unidades.
Classificação de Aziz Ab’Saber
 Discípulo de Aroldo de
Azevedo.
 Número de planícies
permanece a mesma.
 2 grandes planaltos.
 Subdivide o planalto
brasileiro em 6 sub-
unidades.
Classificação de Jurandyr Ross
 Realizada na déc. 80.
 Resultado do Projeto
RADAM-Brasil.
 Divide o país em 28
unidades de relevo.
 Predomina planaltos
baixos e depressões.
 Planícies com áreas
pequenas e limitadas.
Relevo Brasileiro
As Reservas Minerais
X SAIRX SAIR
X SAIRX SAIR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
Rodrigo Pavesi
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
André Luiz Marques
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
João José Ferreira Tojal
 
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da ÁsiaModulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
Josi Zanette do Canto
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
Prof. Francesco Torres
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
Professor
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Roberta Sumar
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Professor
 
As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
Professor
 
Estrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasilEstrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasil
Alexandre Sampaio
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
Prof.Marcio LHP
 
O continente americano completo
O continente americano  completoO continente americano  completo
O continente americano completo
Camila Brito
 
Região sudeste slides
Região sudeste slidesRegião sudeste slides
Região sudeste slides
Ivone Rosa Sa
 
Geografia 6º ano
Geografia 6º anoGeografia 6º ano
Geografia 6º ano
fabiano soares
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
Gustavo Silva de Souza
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
Blog do Prof. Elienai
 
A Regionalização da América
A Regionalização da AméricaA Regionalização da América
A Regionalização da América
Cadernizando
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
Bruna Ribeiro Guedes
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 

Mais procurados (20)

Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
 
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da ÁsiaModulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
Modulo 05 - Aspectos naturais da Ásia
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
 
As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
 
Estrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasilEstrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasil
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
 
O continente americano completo
O continente americano  completoO continente americano  completo
O continente americano completo
 
Região sudeste slides
Região sudeste slidesRegião sudeste slides
Região sudeste slides
 
Geografia 6º ano
Geografia 6º anoGeografia 6º ano
Geografia 6º ano
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
 
A Regionalização da América
A Regionalização da AméricaA Regionalização da América
A Regionalização da América
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
 

Semelhante a Relevo brasileiro

Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Euna Machado
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
danielcpacheco2
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
O Geógrafo - Geociências
 
Relevoestruturageologica 100417095104-phpapp02
Relevoestruturageologica 100417095104-phpapp02Relevoestruturageologica 100417095104-phpapp02
Relevoestruturageologica 100417095104-phpapp02
Colegio D. Temoteo
 
Relevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologicaRelevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologica
estelakolinski
 
Relevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologicaRelevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologica
estelakolinski
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
Relevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptxRelevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptx
Salvioli1
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
karolpoa
 
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Hevan Schultz
 
Pdf geografia
Pdf geografiaPdf geografia
Pdf geografia
EMSNEWS
 
Apostila Geografia
Apostila GeografiaApostila Geografia
Apostila Geografia
Maurício Vieira
 
Relevo
RelevoRelevo
As paisagens e o relevo
As paisagens e o relevoAs paisagens e o relevo
As paisagens e o relevo
Salageo Cristina
 
Relevo continental e submarino
Relevo continental e submarinoRelevo continental e submarino
Relevo continental e submarino
profleofonseca
 
Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2
Paulo Sindeaux
 
Relevo Brasileiro e Litorâneo
Relevo Brasileiro e LitorâneoRelevo Brasileiro e Litorâneo
Relevo Brasileiro e Litorâneo
Ivanilson Lima
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológicaIfes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Kéliton Ferreira
 

Semelhante a Relevo brasileiro (20)

Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
 
Relevoestruturageologica 100417095104-phpapp02
Relevoestruturageologica 100417095104-phpapp02Relevoestruturageologica 100417095104-phpapp02
Relevoestruturageologica 100417095104-phpapp02
 
Relevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologicaRelevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologica
 
Relevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologicaRelevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologica
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Relevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptxRelevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptx
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
 
Pdf geografia
Pdf geografiaPdf geografia
Pdf geografia
 
Apostila Geografia
Apostila GeografiaApostila Geografia
Apostila Geografia
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
As paisagens e o relevo
As paisagens e o relevoAs paisagens e o relevo
As paisagens e o relevo
 
Relevo continental e submarino
Relevo continental e submarinoRelevo continental e submarino
Relevo continental e submarino
 
Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2
 
Relevo Brasileiro e Litorâneo
Relevo Brasileiro e LitorâneoRelevo Brasileiro e Litorâneo
Relevo Brasileiro e Litorâneo
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
Relevo2
 
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológicaIfes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
 

Mais de Eponina Alencar

5 aula população - 2ª ano
5 aula   população - 2ª ano5 aula   população - 2ª ano
5 aula população - 2ª ano
Eponina Alencar
 
Introdução a sociologia
Introdução a sociologiaIntrodução a sociologia
Introdução a sociologia
Eponina Alencar
 
Emgeo11003
Emgeo11003Emgeo11003
Emgeo11003
Eponina Alencar
 
Emgeo01004
Emgeo01004Emgeo01004
Emgeo01004
Eponina Alencar
 
Emgeo01003
Emgeo01003Emgeo01003
Emgeo01003
Eponina Alencar
 
Emgeo01002
Emgeo01002Emgeo01002
Emgeo01002
Eponina Alencar
 
Emgeo01001
Emgeo01001 Emgeo01001
Emgeo01001
Eponina Alencar
 
Bacias hidrogrficas do brasil
Bacias hidrogrficas do brasilBacias hidrogrficas do brasil
Bacias hidrogrficas do brasil
Eponina Alencar
 
Auladehidrografiadobrasil 110424165145-phpapp01
Auladehidrografiadobrasil 110424165145-phpapp01Auladehidrografiadobrasil 110424165145-phpapp01
Auladehidrografiadobrasil 110424165145-phpapp01
Eponina Alencar
 
Aula i bimestre 1 ano
Aula i bimestre   1 anoAula i bimestre   1 ano
Aula i bimestre 1 ano
Eponina Alencar
 
áGuas continentais e solos 3 etapa
áGuas continentais e solos   3 etapaáGuas continentais e solos   3 etapa
áGuas continentais e solos 3 etapa
Eponina Alencar
 
1 médio 2ªetapa
1 médio   2ªetapa1 médio   2ªetapa
1 médio 2ªetapa
Eponina Alencar
 
Arte na sociedade industrial
Arte na sociedade industrialArte na sociedade industrial
Arte na sociedade industrial
Eponina Alencar
 
Galeria de imagens - Estudo da arte
Galeria de imagens - Estudo da arteGaleria de imagens - Estudo da arte
Galeria de imagens - Estudo da arte
Eponina Alencar
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
Eponina Alencar
 
Arte 2 médio slide
Arte 2 médio   slideArte 2 médio   slide
Arte 2 médio slide
Eponina Alencar
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Impactos ambientais urbanos
Impactos ambientais urbanosImpactos ambientais urbanos
Impactos ambientais urbanos
Eponina Alencar
 
Ensino religioso
Ensino religiosoEnsino religioso
Ensino religioso
Eponina Alencar
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Eponina Alencar
 

Mais de Eponina Alencar (20)

5 aula população - 2ª ano
5 aula   população - 2ª ano5 aula   população - 2ª ano
5 aula população - 2ª ano
 
Introdução a sociologia
Introdução a sociologiaIntrodução a sociologia
Introdução a sociologia
 
Emgeo11003
Emgeo11003Emgeo11003
Emgeo11003
 
Emgeo01004
Emgeo01004Emgeo01004
Emgeo01004
 
Emgeo01003
Emgeo01003Emgeo01003
Emgeo01003
 
Emgeo01002
Emgeo01002Emgeo01002
Emgeo01002
 
Emgeo01001
Emgeo01001 Emgeo01001
Emgeo01001
 
Bacias hidrogrficas do brasil
Bacias hidrogrficas do brasilBacias hidrogrficas do brasil
Bacias hidrogrficas do brasil
 
Auladehidrografiadobrasil 110424165145-phpapp01
Auladehidrografiadobrasil 110424165145-phpapp01Auladehidrografiadobrasil 110424165145-phpapp01
Auladehidrografiadobrasil 110424165145-phpapp01
 
Aula i bimestre 1 ano
Aula i bimestre   1 anoAula i bimestre   1 ano
Aula i bimestre 1 ano
 
áGuas continentais e solos 3 etapa
áGuas continentais e solos   3 etapaáGuas continentais e solos   3 etapa
áGuas continentais e solos 3 etapa
 
1 médio 2ªetapa
1 médio   2ªetapa1 médio   2ªetapa
1 médio 2ªetapa
 
Arte na sociedade industrial
Arte na sociedade industrialArte na sociedade industrial
Arte na sociedade industrial
 
Galeria de imagens - Estudo da arte
Galeria de imagens - Estudo da arteGaleria de imagens - Estudo da arte
Galeria de imagens - Estudo da arte
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
 
Arte 2 médio slide
Arte 2 médio   slideArte 2 médio   slide
Arte 2 médio slide
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Impactos ambientais urbanos
Impactos ambientais urbanosImpactos ambientais urbanos
Impactos ambientais urbanos
 
Ensino religioso
Ensino religiosoEnsino religioso
Ensino religioso
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
 

Último

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 

Último (20)

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 

Relevo brasileiro

  • 1. GEOLOGIA, RELEVO E MINERAÇÃO NO BRASIL Geografia – 1ª ano Profª Esp: Eponina Alencar
  • 2. Relevo  Trata-se do conjunto das formas da crosta terrestre, manifestando-se desde o fundo dos oceanos até as terras emersas. Encontramos formas diversas de relevo: montanhas, planaltos, planícies, depressões, cordilheiras, morros, serras, inselbergs, vulcões, vales, escarpas, abismos, Cuestas, etc.  O relevo é o resultante da ação de dois agentes:os internos e externos.
  • 4. Território Brasileiro  situado sobre a plana sul-americana; Porção ocidental  dobramentos andinos (choque de nazca, formou a dorsal meso-oceânica)
  • 5. X SAIRX SAIR Grandes unidades geológicas:  Escudos cristalinos - pré-cambriano;  Bacias sedimentares – paleozoica;  Dobramentos – andes  Plataforma patagônica
  • 7.
  • 8.  O relevo se origina e se transforma sob a interferência de dois tipos de agentes: Como se forma o relevo? Os agentes internos (formadores) Os agentes externos (transformadores)
  • 9. PRINCIPAIS ESTRUTURAS DE RELEVO:  PLANALTO  PLANÍCIE  DEPRESSÃO  MONTANHAS Formas de relevo
  • 10. Formas de relevo continentais Montanhas: formadas pela ação de forças tectônicas Jovens: formadas em épocas geológicas recentes. Apresentam maiores altitudes. Velhas: formadas em eras mais remotas. Tendo sido afetadas pela erosão, apresentam altitudes mais moderadas. Montanhas jovens no Parque Nacional Los Glaciares, na região patagônica (Argentina, 2000)
  • 11. Formas de relevo continentais Planalto: superfícies onde predomina intenso processo de erosão. Situam-se entre 200 metros e 2 mil metros de altitude. Apresentam forma aplainada ou morros, serras ou elevações íngremes de topo plano (chapadas). Morro do Pai Inácio, na Chapada Diamantina (Bahia, 2008)
  • 12. Formas de relevo continentais Planícies: poucas irregularidades e forma quase plana Baixas altitudes (até 100 metros) Sedimentação constante devido aos movimentos das águas do mar, de rios, de lagos etc. Planícies litorâneas Planícies fluviais Planícies lacustres
  • 13. Depressões Quando as depressões se encontram abaixo do nível do mar, recebem o nome de depressões absolutas. • Partes mais baixas em relação às formas de relevo que as circundam. • Apresentam uma leve inclinação e são também caracterizadas por um processo de erosão, que é um aspecto determinante na sua formação. O mar Morto, na Ásia, é um exemplo de depressão absoluta. Ele está metros abaixo do nível do mar. Depressão Sertaneja /São Francisco
  • 14. As diferentes classificações do relevo brasileiro Professor Jurandyr Ross Anos 90 Professor Aroldo de Azevedo Anos 40/50 Professor Aziz Ab’Saber / anos 60
  • 15.  Classificação feita por Aroldo de Azevedo: elaborada na déc. De 40, levou em consideração as cotas atimétricas (altitude) do relevo. Planalto: superfície levemente ondulada com mais de 200 m de altitude. Planície: superfície aplainada com menos de 200 m de altitude.
  • 16.  Classificação feita por Aziz AB Sáber: Classificação publicada em 1958, onde se definia: Planalto : superfície suavemente ondulada, onde se verifica o domínio do processo erosivo(desgaste). Planície: superfície onde o processo de sedimentação é mais atuante e independe do nível altimétrico.
  • 17. Classificação de Ross  A mais recente classificação do relevo brasileiro é a proposta pelo professor Jurandyr Ross, divulgada em 1989.  Jurandyr Ross, a exemplo de Ab'Saber, também utiliza os processos geomorfológicos para elaborar a sua classificação, porem diferente das classificações anteriores, Ross, usa recursos mais modernos como a aerofotogrametria , (fotos aéreas, projeto Radam Brasil) e reformulou a classificação do relevo brasileiro, elevando para 28 o número de grandes unidades de relevo.  Além disso, ao invés de se prender às divisões anteriores entre planaltos e planícies, introduziu um novo conceito, o de depressão.  Destaca três formas principais de relevo: planaltos, planícies e depressões. Define cada macro-unidade da seguinte forma:  PLANALTO como sendo uma superfície irregular, com altitude acima de 300 metros e produto de erosão;  PLANÍCIE, como uma área plana, formada pelo acúmulo recente de sedimentos;  DEPRESSÃO, como superfície entre 100 e 500 metros de altitude, com inclinação suave, mais plana que o planalto e formada por processo de erosão.
  • 18. Mapa Relevo brasileiro O relevo brasileiro Características Predominam os planaltos de baixa altitude ( até 1200m ) e as depressões. O relevo brasileiro não possui grandes altitudes . Este fato pode ser explicado pela antiguidade de seus terrenos (em geral, pré- cambrianos ) que vem sofrendo o ataque dos agentes de erosão há milhões de anos. Planalto, Planícies e Depressões são as principais formas de relevo . O Brasil não apresenta cadeias de montanhas ou dobramentos modernos . As Cores variam de acordo com níveis de altitude indo dos mais baixos ( verde) aos mais elevados ( marrom)
  • 19. Relevo Brasileiro  64% de rochas sedimentares (podem apresentar ocorrência de combustíveis fósseis);  36% de escudos cristalinos (rochas metamórficas e magmáticas), onde encontramos jazidas de minérios;
  • 20. Escudos Cristalinos  Nos escudos cristalinos encontramos reservas minerais metálicas e não metálicas.  Dois escudos principais: Guianas e Brasileiro.
  • 21. Bacias Sedimentares  Importantes reservas de hidrocarbonetos (petróleo, gás natural e carvão mineral).  Dois grandes grupos:  Bacias de Grande Extensão: Amazônica, do Meio Norte, do Paraná, Sanfranciscana ou do São Francisco e a do Pantanal Matogrossense.  Bacia de Pequena Extensão: do Recôncavo- Tucano, as costeiras e as de compartimento de planalto (Bacia Sedimentar de Curitiba).
  • 22. Classificação de Aroldo de Azevedo  Primeira classificação.  Recursos limitados.  4 grandes planícies.  2 grandes planaltos.  Subdivide o planalto brasileiro em 3 sub- unidades.
  • 23. Classificação de Aziz Ab’Saber  Discípulo de Aroldo de Azevedo.  Número de planícies permanece a mesma.  2 grandes planaltos.  Subdivide o planalto brasileiro em 6 sub- unidades.
  • 24. Classificação de Jurandyr Ross  Realizada na déc. 80.  Resultado do Projeto RADAM-Brasil.  Divide o país em 28 unidades de relevo.  Predomina planaltos baixos e depressões.  Planícies com áreas pequenas e limitadas.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 31.