SlideShare uma empresa Scribd logo
Geografia . Aula 01 Aspectos Físicos do Brasil
Que país é esse?
De onde vem tanta
contradição e
diversidade?
http://www2.jornaldotocantins.com.br/anteriores/23abr2004/colunas/antena.htm
spintravel.blogtvbrasil.com.br
http://rogeliocasado.blogspot.com
/2007/11/lanamento-do-
almanaque-brasil.html
http://etudoverdade.blogspot.com/2003/10/piau
nico.html
http://www.ese.ips.pt/abolina/webq
uests/amazonas/florestaamazonica
.html
1.1 Observe as imagens abaixo:
23º
0º
http://www.brazadv.com/brasil/zonas_climaticas.htm http://www.brazadv.com/brasil/zonas_climaticas.htm
1.2 O Sol e suas influências no Brasil
• Dimensões continentais
• Posição em relação às zonas
térmicas
• Extensão longitudinal
• Extensão latitudinal
• Maritimidade/continentalidade
• Altitude
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070811084042AAjwZGU
Zonas climáticas  climas  vegetação
1.3 As zonas climáticas determinam a vegetação?
Reduz biodiversidade, porte e densidade
Reduz biodiversidade, porte e densidade
Concentração
de calor e
umidade
http://educacao.uol.com.br/geografia/ult1701u15.jhtm
1.4 Climas no Brasil
Equatorial Úmido (Convergência dos Alísios)
Tropical (Inverno seco e verão úmido)
Tropical Semi-Árido (Tendendo a seco pela
irregularidade da ação das massas de ar)
Litorâneo Úmido (Influenciado pela Massa Tropical
Marítima)
Subtropical Úmido (Costas orientais e subtropicais,
com predomínio da Massa Tropical Marítima)
Fonte: Atlas Geográfico Escolar - Maria Elena Simielli/Mário De Biasi
Verão – Hem. Sul
Inverno – Hem. Sul
http://personal.telefonica.terra.es/web/herodoto/CLIMOGRAMA/comentaclimograma1.htm
Climograma
1.5 Vegetação no Brasil
http://www.portalbrasil.net/brasil_vegetacao.htmAdaptado do Super Prof
A diversidade, o porte e a densidade da vegetação original brasileira variam conforme a posição
do bioma em relação às linhas imaginárias. Suas características são determinadas pelo clima.
Observe as características necessárias a cada tipo de vegetação no gráfico e no mapa.
1.6 Relevo no Brasil: as formas são homogêneas?
http://www.brazadv.com/brasil/zonas_climaticas.htm
Observe, com atenção, os mapas abaixo:
1.7 Aspectos Hidrográficos
Para uma caracterização mais detalhada, selecione a
bacia de interesse na legenda.
Fonte: Anuário Estatístico do Brasil - 1992 - FIBGE
Bacia do Atlântico Sul trecho leste
Bacia do Atlântico Sul trecho norte e nordeste
Bacia do Atlântico Sul trecho sudeste
Bacia Platina
Bacia do Rio Amazonas
Bacia do Rio São Francisco
Bacia do Rio Tocantins
O Brasil é dotado de uma vasta e densa rede hidrográfica, sendo que muitos de seus rios destacam-se pela extensão,
largura e profundidade.
Em decorrência da natureza do relevo, predominam os rios de planalto que apresentam em seu leito rupturas de declive,
vales encaixados, entre outras características, que lhes conferem um alto potencial para a geração de energia elétrica.
Quanto à navegabilidade, esses rios, dado o seu perfil não regularizado, ficam um tanto prejudicados.
Dentre os grandes rios nacionais, apenas o Amazonas e o Paraguai são predominantemente de planície e largamente
utilizados para a navegação.
Os rios São Francisco e Paraná são os principais rios de planalto.
1.8 Bacia do Atlântico Sul - trecho leste
Da mesma forma que no seu trecho
norte e nordeste, a bacia do Atlântico
Sul no seu trecho leste possui diversos
cursos d'água de grande porte e
importância regional.
Podem ser citados, entre outros, os rios
Pardo, Jequitinhonha, Paraíba do Sul,
Vaza-Barris, Itapicuru, das Contas e
Paraguaçu.
Por exemplo, o rio Paraíba do Sul está
localizado entre os estados de São
Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, os
de maior significado econômico no país,
possui ao longo do seu curso diversos
aproveitamentos hidrelétricos, cidades
ribeirinhas de porte, como Campos,
Volta Redonda e São José dos Campos,
bem com indústrias importantes como a
Companhia Siderúrgica Nacional.
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0370-44672004000400009&script=sci_arttext
1.9 Bacia do Atlântico Sul - trechos norte e nordeste
Vários rios de grande porte e significado
regional podem ser citados como
componentes dessa bacia, a saber: rio
Acaraú, Jaguaribe, Piranhas, Potengi,
Capibaribe, Una, Pajeú, Turiaçu, Pindaré,
Grajaú, Itapecuru, Mearim e Parnaíba.
Em especial, o rio Parnaíba é o formador
da fronteira dos estados do Piauí e
Maranhão, por seus 970 km de extensão,
desde suas nascentes na serra da
Tabatinga até o oceano Atlântico, além de
representar uma importante hidrovia para
o transporte dos produtos agrícolas da
região.
http://www.jaguaribe-ce.com/fotosdacidade.html
2.0 Bacia do Atlântico Sul - trechos sudeste e sul
A bacia do Atlântico Sul, nos seus trechos
sudeste e sul, é composta por rios da
importância do Jacuí, Itajaí e Ribeira do
Iguape, entre outros.
Os mesmos possuem importância
regional, pela participação em atividades
como transporte hidroviário,
abastecimento d'água e geração de
energia elétrica.
http://www.eps.ufsc.br/disserta98/ely/cap3.html
2.1 Bacia Platina, ou dos rios Paraná e Uruguai
A bacia platina, ou do rio da Prata, é constituída pelas sub-
bacias dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai, drenando
áreas do Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai.O
rio Paraná possui cerca de 4.900 km de extensão, sendo o
segundo em comprimento da América do Sul.
É formado pela junção dos rios Grande e Paranaíba.
Possui como principais tributários os rios Paraguai, Tietê,
Paranapanema e Iguaçu. Representa trecho da fronteira
entre Brasil e Paraguai, onde foi implantado o
aproveitamento hidrelétrico binacional de Itaipu, com
12.700 MW, maior usina hidrelétrica em operação do
mundo.
O rio Paraguai, por sua vez, possui um comprimento total
de 2.550 km. Nasce próximo à cidade de Diamantino, no
estado de Mato Grosso, e drena áreas de importância
como o Pantanal mato-grossense.
O rio Uruguai, por fim, possui uma extensão da ordem de
1.600 km, drenando uma área em torno de 307.000 km2. O
rio Uruguai forma a fronteira entre a Argentina e Brasil e,
mais ao sul, a fronteira entre Argentina e Uruguai, sendo
navegável desde sua foz até a cidade de Salto, cerca de
305 km a montante.
www.klickeducacao.com.br
2.2 Bacia do rio Amazonas
Este rio, com uma extensão de aproximadamente
6.500 km, ou superior conforme recentes
descobertas, disputa com o rio Nilo o título de mais
extenso no planeta. Porém, em todas as possíveis
outras avaliações é, disparado, o maior.
Sua área de drenagem total, superior a 5,8 milhões
de km2, dos quais 3,9 milhões no Brasil, representa
a maior bacia hidrográfica mundial. O restante de
sua área dividi-se entre o Peru, Bolívia, Colômbia,
Equador, Guiana e Venezuela. Tal área poderia
abranger integralmente o continente europeu, a
exceção da antiga União Soviética.
O Rio Amazonas se apresenta como um rio de
planície, possuindo baixa declividade. Sua largura
média é de 4 a 5 km, chegando em alguns trechos a
mais de 50 km. Por ser atravessado pela linha do
Equador, esse rio apresenta afluentes nos dois
hemisférios do planeta. Entre seus principais
afluentes, destacam-se os rios Iça, Japurá, Negro e
Trombetas, na margem esquerda, e os rios Juruá,
Purus, Madeira, Tapajós e Xingu, na margem direita.
http://www.povosdamazonia.am.gov.br/m
http://www.naval.com.br/biblio/navios_da_esp/opinia05.htm
2.3 Bacia do rio São Francisco
A bacia do rio São Francisco, nasce em Minas Gerais, na
serra da Canastra, e atravessa os estados da Bahia,
Pernambuco, Alagoas e Sergipe.
O rio São Francisco possui uma área de drenagem
superior a 630.000 km2 e uma extensão de 3.160 km,
tendo como principais afluentes os rios Paracatu,
Carinhanha e Grande, pela margem esquerda, e os rios
Salitre, das Velhas e Verde Grande, pela margem direita.
De grande importância política, econômica e social,
principalmente para a região nordeste do país, é
navegável por cerca de 1.800 km, desde Pirapora, em
Minas Gerais, até a cachoeira de Paulo Afonso, em
função da construção de hidrelétricas com grandes lagos
e eclusas, como é o caso de Sobradinho e Itaparica.
http://www.fcth.br/afcth/hidromecanica.htm
http://www.ana.gov.br/gefsfOld/Imagens/imgs1-1C.asp
2.4 Bacia do rio Tocantins - Araguaia
A bacia do rio Tocantins – Araguaia, com uma área
superior a 800.000 km2, se constitui na maior bacia
hidrográfica inteiramente situada em território
brasileiro.
Seu principal rio formador é o Tocantins, cuja nascente
localiza-se no estado de Goiás, ao norte da cidade de
Brasília. Dentre os principais afluentes da bacia
Tocantins - Araguaia, destacam-se os rios do Sono,
Palma e Melo Alves, todos localizados na margem
direita do rio Araguaia.
O rio Tocantins desemboca no delta amazônico e
embora possua, ao longo do seu curso, vários rápidos
e cascatas, também permite alguma navegação fluvial
no seu trecho desde a cidade de Belém, capital do
estado do Pará, até a localidade de Peine, em Goiás,
por cerca de 1.900 km, em épocas de vazões altas.
O rio Araguaia nasce na serra das Araras, no estado
de Mato Grosso, possui cerca de 2.600 km e
desemboca no rio Tocantins na localidade de São
João do Araguaia, logo antes de Marabá. O rio
Araguaia é navegável cerca de 1.160 km, entre São
João do Araguaia e Beleza, porém não possui neste
trecho qualquer centro urbano de grande destaque. http://logisticaetransportes.blogspot.com/2007_03_25_archive.html
2.5 O que explica o aumento dos fenômenos naturais no
Brasil?
HOMEM X NATUREZA: quem
ganha, quem perde?
Como explicar o crescimento
dos fenômenos naturais:
 Crescimento populacional;
 Intensificação do consumo;
 Aumento das áreas destinadas à
produção de matéria-prima;
 Desequilíbrio entre os elementos
climáticos;
 Super emissão de gases na
atmosfera.
http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL157169-5598,00.html
2.6 O que fazer para melhorar a relação homem – natureza
no Brasil?
Reflita sobre as informações abaixo:
www.geografiaparatodos.com.br
2.7 O que você pode fazer para construir um país menos
poluído ?
Soluções caseiras para problemas
globais:
 Reciclagem e reaproveitamento do lixo;
 Redução do consumo de produtos que
destroem o ambiente;
 Opção por meio de transporte que utilize
“energia limpa”;
 Evitar desperdício de água;
 Cobrar atuação das autoridades nas questões
envolvendo o ambiente no que diz respeito
à(ao):
• tratamento de esgoto industrial;
• implantação de filtros nas fábricas;
• sustentabilidade na produção;
• busca de novas tecnologias. www.sustentabilidade.org.br
2.8 SUSTENTABILIDADE
Propõe-se ser um meio de configurar a civilização e a atividade humana, de tal forma
que a sociedade, seus membros e suas economias possam preencher suas
necessidades e expressar seu maior potencial no presente, e ao mesmo tempo
preservar a biodiversidade e os ecossistemas naturais, planejando e agindo de forma a
atingir pró-eficiência na manutenção indefinida desses ideais.
http://www.caminhodasaguas.ufsc.br/historico.htm
2.9 O que você tem feito para interagir de maneira positiva
com os recursos naturais no Brasil ?
http://www.latinoamerica.baxter.com/brasil/sobre_a_baxter/sustainability/index.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
André Luiz Marques
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Professor
 
A regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundialA regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundial
Uilson Pereira da Silva
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasil
guiodrumond
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
Stéfano Silveira
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
André Luiz Marques
 
O continente americano localização
O continente americano   localizaçãoO continente americano   localização
O continente americano localização
Luciano Pessanha
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
André Luiz Marques
 
Unidade 2 6º ano
Unidade 2   6º anoUnidade 2   6º ano
Unidade 2 6º ano
Christie Freitas
 
América Latina
América LatinaAmérica Latina
América Latina
FURG
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Oberlania Alves
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Teorias demográficas
Teorias demográficasTeorias demográficas
Teorias demográficas
Rodrigo Baglini
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
André Luiz Marques
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
Prof. Francesco Torres
 
Globalização e meio ambiente
Globalização e meio ambienteGlobalização e meio ambiente
Globalização e meio ambiente
Nome Sobrenome
 
Aspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americanoAspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americano
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
Celso Roberto Pitta Santos
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
Prof.Paulo/geografia
 
Ásia
ÁsiaÁsia

Mais procurados (20)

Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
 
A regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundialA regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundial
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasil
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
O continente americano localização
O continente americano   localizaçãoO continente americano   localização
O continente americano localização
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
 
Unidade 2 6º ano
Unidade 2   6º anoUnidade 2   6º ano
Unidade 2 6º ano
 
América Latina
América LatinaAmérica Latina
América Latina
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Teorias demográficas
Teorias demográficasTeorias demográficas
Teorias demográficas
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Globalização e meio ambiente
Globalização e meio ambienteGlobalização e meio ambiente
Globalização e meio ambiente
 
Aspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americanoAspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americano
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Ásia
ÁsiaÁsia
Ásia
 

Destaque

Aspectos naturais do brasil.revisao3aoppt
Aspectos naturais do brasil.revisao3aopptAspectos naturais do brasil.revisao3aoppt
Aspectos naturais do brasil.revisao3aoppt
Raquel Avila
 
3º ano E.M (mod. 24) Brasil: Aspectos naturais
3º ano E.M (mod. 24) Brasil: Aspectos naturais3º ano E.M (mod. 24) Brasil: Aspectos naturais
3º ano E.M (mod. 24) Brasil: Aspectos naturais
Alexandre Alves
 
Aspectos Gerais do Brasil
Aspectos Gerais do BrasilAspectos Gerais do Brasil
Aspectos Gerais do Brasil
alcidessf
 
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm baGeografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Nilberte
 
Brasil características gerais
Brasil características geraisBrasil características gerais
Brasil características gerais
Salageo Cristina
 
O TerritóRio Brasileiro
O TerritóRio BrasileiroO TerritóRio Brasileiro
O TerritóRio Brasileiro
guest36d66b7
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
Ione Rocha
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
Orientação pelo Sol e pelas estrelas
Orientação pelo Sol e pelas estrelasOrientação pelo Sol e pelas estrelas
Orientação pelo Sol e pelas estrelas
claudiapinto7a
 
Orientação pelo Sol e pelas estrelas
Orientação pelo Sol e pelas estrelasOrientação pelo Sol e pelas estrelas
Orientação pelo Sol e pelas estrelas
Lenora Marquesini
 
Brasil dados principais
Brasil dados principaisBrasil dados principais
Brasil dados principais
edsonluz
 
O TerritóRio Brasileiro
O TerritóRio BrasileiroO TerritóRio Brasileiro
O TerritóRio Brasileiro
leila Cardoso
 
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridadeA nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
Rosemildo Lima
 
Orientação e coordenadas geográficas
Orientação e coordenadas geográficasOrientação e coordenadas geográficas
Orientação e coordenadas geográficas
Professor
 
Slides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do BrasilSlides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do Brasil
Laisa Cabral Caetano
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
AEntrudeiranaEscola
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Nilberte Correia
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
DANUBIA ZANOTELLI
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
Luciano Pessanha
 

Destaque (19)

Aspectos naturais do brasil.revisao3aoppt
Aspectos naturais do brasil.revisao3aopptAspectos naturais do brasil.revisao3aoppt
Aspectos naturais do brasil.revisao3aoppt
 
3º ano E.M (mod. 24) Brasil: Aspectos naturais
3º ano E.M (mod. 24) Brasil: Aspectos naturais3º ano E.M (mod. 24) Brasil: Aspectos naturais
3º ano E.M (mod. 24) Brasil: Aspectos naturais
 
Aspectos Gerais do Brasil
Aspectos Gerais do BrasilAspectos Gerais do Brasil
Aspectos Gerais do Brasil
 
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm baGeografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
Geografia do brasil relevo, clima, vegetação, hidrografia e fusos horários-pm ba
 
Brasil características gerais
Brasil características geraisBrasil características gerais
Brasil características gerais
 
O TerritóRio Brasileiro
O TerritóRio BrasileiroO TerritóRio Brasileiro
O TerritóRio Brasileiro
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Orientação pelo Sol e pelas estrelas
Orientação pelo Sol e pelas estrelasOrientação pelo Sol e pelas estrelas
Orientação pelo Sol e pelas estrelas
 
Orientação pelo Sol e pelas estrelas
Orientação pelo Sol e pelas estrelasOrientação pelo Sol e pelas estrelas
Orientação pelo Sol e pelas estrelas
 
Brasil dados principais
Brasil dados principaisBrasil dados principais
Brasil dados principais
 
O TerritóRio Brasileiro
O TerritóRio BrasileiroO TerritóRio Brasileiro
O TerritóRio Brasileiro
 
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridadeA nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
 
Orientação e coordenadas geográficas
Orientação e coordenadas geográficasOrientação e coordenadas geográficas
Orientação e coordenadas geográficas
 
Slides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do BrasilSlides de Geografia do Brasil
Slides de Geografia do Brasil
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º ano
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
 

Semelhante a Aspectos fisicos do brasil

Hidrografia e hidreletricas no brasil
Hidrografia e hidreletricas no brasilHidrografia e hidreletricas no brasil
Hidrografia e hidreletricas no brasil
Salageo Cristina
 
Bacias hidrograficas
Bacias hidrograficasBacias hidrograficas
Bacias hidrograficas
ERLANDIEGO
 
Hidrografia 6ªresumo
Hidrografia 6ªresumoHidrografia 6ªresumo
Hidrografia 6ªresumo
edna2
 
Bacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileirasBacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileiras
Waender Soares
 
Bacias hidrográficas 2014
Bacias hidrográficas 2014Bacias hidrográficas 2014
Bacias hidrográficas 2014
Jr Nascimento
 
Bacias hidrográficas
Bacias hidrográficasBacias hidrográficas
Bacias hidrográficas
dennysosm
 
BACIA HIDROGRÁFICA TOCANTINS - ARAGUAIA 2° Ano B
BACIA HIDROGRÁFICA TOCANTINS - ARAGUAIA  2° Ano BBACIA HIDROGRÁFICA TOCANTINS - ARAGUAIA  2° Ano B
BACIA HIDROGRÁFICA TOCANTINS - ARAGUAIA 2° Ano B
Conceição Fontolan
 
Modulo 10 - As águas no Brasil
Modulo 10 - As águas no BrasilModulo 10 - As águas no Brasil
Modulo 10 - As águas no Brasil
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Bacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileirasBacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileiras
Carlão Otavio
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
SIMONE SCHADE
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
rafaelescola412
 
Hidrografia brasileira
Hidrografia brasileiraHidrografia brasileira
Hidrografia brasileira
dela28
 
Os Principais Rios e Bacias Mundias
Os Principais Rios e Bacias MundiasOs Principais Rios e Bacias Mundias
Os Principais Rios e Bacias Mundias
Giulia Soares
 
Os Principais Rios e Bacias Mundias
Os Principais Rios e Bacias MundiasOs Principais Rios e Bacias Mundias
Os Principais Rios e Bacias Mundias
Giulia Soares
 
Bacia do Paraná
Bacia do ParanáBacia do Paraná
Bacia do Paraná
Naira Delazari
 
Unidade 1 7ano
Unidade 1   7anoUnidade 1   7ano
Unidade 1 7ano
Christie Freitas
 
As grandes bacias hidrográficas brasileiras
As grandes bacias hidrográficas brasileirasAs grandes bacias hidrográficas brasileiras
As grandes bacias hidrográficas brasileiras
Raquel Avila
 
A Hidrografia Brasileira ( Geografia)
A Hidrografia Brasileira ( Geografia)A Hidrografia Brasileira ( Geografia)
A Hidrografia Brasileira ( Geografia)
valdeniDinamizador
 
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
MARIAAPARECIDAALVESD27
 
Perfil hídrico brasileiro
Perfil hídrico brasileiroPerfil hídrico brasileiro
Perfil hídrico brasileiro
Professora Verônica Santos
 

Semelhante a Aspectos fisicos do brasil (20)

Hidrografia e hidreletricas no brasil
Hidrografia e hidreletricas no brasilHidrografia e hidreletricas no brasil
Hidrografia e hidreletricas no brasil
 
Bacias hidrograficas
Bacias hidrograficasBacias hidrograficas
Bacias hidrograficas
 
Hidrografia 6ªresumo
Hidrografia 6ªresumoHidrografia 6ªresumo
Hidrografia 6ªresumo
 
Bacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileirasBacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileiras
 
Bacias hidrográficas 2014
Bacias hidrográficas 2014Bacias hidrográficas 2014
Bacias hidrográficas 2014
 
Bacias hidrográficas
Bacias hidrográficasBacias hidrográficas
Bacias hidrográficas
 
BACIA HIDROGRÁFICA TOCANTINS - ARAGUAIA 2° Ano B
BACIA HIDROGRÁFICA TOCANTINS - ARAGUAIA  2° Ano BBACIA HIDROGRÁFICA TOCANTINS - ARAGUAIA  2° Ano B
BACIA HIDROGRÁFICA TOCANTINS - ARAGUAIA 2° Ano B
 
Modulo 10 - As águas no Brasil
Modulo 10 - As águas no BrasilModulo 10 - As águas no Brasil
Modulo 10 - As águas no Brasil
 
Bacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileirasBacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileiras
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Hidrografia brasileira
Hidrografia brasileiraHidrografia brasileira
Hidrografia brasileira
 
Os Principais Rios e Bacias Mundias
Os Principais Rios e Bacias MundiasOs Principais Rios e Bacias Mundias
Os Principais Rios e Bacias Mundias
 
Os Principais Rios e Bacias Mundias
Os Principais Rios e Bacias MundiasOs Principais Rios e Bacias Mundias
Os Principais Rios e Bacias Mundias
 
Bacia do Paraná
Bacia do ParanáBacia do Paraná
Bacia do Paraná
 
Unidade 1 7ano
Unidade 1   7anoUnidade 1   7ano
Unidade 1 7ano
 
As grandes bacias hidrográficas brasileiras
As grandes bacias hidrográficas brasileirasAs grandes bacias hidrográficas brasileiras
As grandes bacias hidrográficas brasileiras
 
A Hidrografia Brasileira ( Geografia)
A Hidrografia Brasileira ( Geografia)A Hidrografia Brasileira ( Geografia)
A Hidrografia Brasileira ( Geografia)
 
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
 
Perfil hídrico brasileiro
Perfil hídrico brasileiroPerfil hídrico brasileiro
Perfil hídrico brasileiro
 

Mais de Maria Cledionora Tavares Tavares

Cledionora brasil
Cledionora brasilCledionora brasil
Esse 2ª ano
Esse 2ª anoEsse 2ª ano
Geologia = apf
Geologia = apfGeologia = apf
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria.
Indústria.Indústria.
Geografiatalyta
GeografiatalytaGeografiatalyta
Trab. geo
Trab. geoTrab. geo
Erro
ErroErro
Anos 60
Anos 60Anos 60
Brasil nos anos 80f
Brasil nos anos 80fBrasil nos anos 80f
Anos 90
Anos 90Anos 90
Anos 80
Anos 80Anos 80
Apresentação13
Apresentação13Apresentação13
Anos 50
Anos 50Anos 50
Anos 70 no brasil
Anos 70 no brasilAnos 70 no brasil
Europa blod 1
Europa blod 1Europa blod 1
Atualidadeuniaoblog 1
Atualidadeuniaoblog 1Atualidadeuniaoblog 1
Atualidadeuniaoblog 1
Maria Cledionora Tavares Tavares
 
9º ano
9º ano9º ano
1ª série e.m benec11
1ª série e.m benec111ª série e.m benec11
1ª série e.m benec11
Maria Cledionora Tavares Tavares
 
Nive 4 2013
Nive 4 2013Nive 4 2013

Mais de Maria Cledionora Tavares Tavares (20)

Cledionora brasil
Cledionora brasilCledionora brasil
Cledionora brasil
 
Esse 2ª ano
Esse 2ª anoEsse 2ª ano
Esse 2ª ano
 
Geologia = apf
Geologia = apfGeologia = apf
Geologia = apf
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
Indústria.
Indústria.Indústria.
Indústria.
 
Geografiatalyta
GeografiatalytaGeografiatalyta
Geografiatalyta
 
Trab. geo
Trab. geoTrab. geo
Trab. geo
 
Erro
ErroErro
Erro
 
Anos 60
Anos 60Anos 60
Anos 60
 
Brasil nos anos 80f
Brasil nos anos 80fBrasil nos anos 80f
Brasil nos anos 80f
 
Anos 90
Anos 90Anos 90
Anos 90
 
Anos 80
Anos 80Anos 80
Anos 80
 
Apresentação13
Apresentação13Apresentação13
Apresentação13
 
Anos 50
Anos 50Anos 50
Anos 50
 
Anos 70 no brasil
Anos 70 no brasilAnos 70 no brasil
Anos 70 no brasil
 
Europa blod 1
Europa blod 1Europa blod 1
Europa blod 1
 
Atualidadeuniaoblog 1
Atualidadeuniaoblog 1Atualidadeuniaoblog 1
Atualidadeuniaoblog 1
 
9º ano
9º ano9º ano
9º ano
 
1ª série e.m benec11
1ª série e.m benec111ª série e.m benec11
1ª série e.m benec11
 
Nive 4 2013
Nive 4 2013Nive 4 2013
Nive 4 2013
 

Último

PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 

Último (8)

PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 

Aspectos fisicos do brasil

  • 1. Geografia . Aula 01 Aspectos Físicos do Brasil Que país é esse? De onde vem tanta contradição e diversidade? http://www2.jornaldotocantins.com.br/anteriores/23abr2004/colunas/antena.htm spintravel.blogtvbrasil.com.br http://rogeliocasado.blogspot.com /2007/11/lanamento-do- almanaque-brasil.html http://etudoverdade.blogspot.com/2003/10/piau nico.html http://www.ese.ips.pt/abolina/webq uests/amazonas/florestaamazonica .html
  • 2. 1.1 Observe as imagens abaixo: 23º 0º http://www.brazadv.com/brasil/zonas_climaticas.htm http://www.brazadv.com/brasil/zonas_climaticas.htm
  • 3. 1.2 O Sol e suas influências no Brasil • Dimensões continentais • Posição em relação às zonas térmicas • Extensão longitudinal • Extensão latitudinal • Maritimidade/continentalidade • Altitude http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070811084042AAjwZGU Zonas climáticas  climas  vegetação
  • 4. 1.3 As zonas climáticas determinam a vegetação? Reduz biodiversidade, porte e densidade Reduz biodiversidade, porte e densidade Concentração de calor e umidade http://educacao.uol.com.br/geografia/ult1701u15.jhtm
  • 5. 1.4 Climas no Brasil Equatorial Úmido (Convergência dos Alísios) Tropical (Inverno seco e verão úmido) Tropical Semi-Árido (Tendendo a seco pela irregularidade da ação das massas de ar) Litorâneo Úmido (Influenciado pela Massa Tropical Marítima) Subtropical Úmido (Costas orientais e subtropicais, com predomínio da Massa Tropical Marítima) Fonte: Atlas Geográfico Escolar - Maria Elena Simielli/Mário De Biasi Verão – Hem. Sul Inverno – Hem. Sul http://personal.telefonica.terra.es/web/herodoto/CLIMOGRAMA/comentaclimograma1.htm Climograma
  • 6. 1.5 Vegetação no Brasil http://www.portalbrasil.net/brasil_vegetacao.htmAdaptado do Super Prof A diversidade, o porte e a densidade da vegetação original brasileira variam conforme a posição do bioma em relação às linhas imaginárias. Suas características são determinadas pelo clima. Observe as características necessárias a cada tipo de vegetação no gráfico e no mapa.
  • 7. 1.6 Relevo no Brasil: as formas são homogêneas? http://www.brazadv.com/brasil/zonas_climaticas.htm Observe, com atenção, os mapas abaixo:
  • 8. 1.7 Aspectos Hidrográficos Para uma caracterização mais detalhada, selecione a bacia de interesse na legenda. Fonte: Anuário Estatístico do Brasil - 1992 - FIBGE Bacia do Atlântico Sul trecho leste Bacia do Atlântico Sul trecho norte e nordeste Bacia do Atlântico Sul trecho sudeste Bacia Platina Bacia do Rio Amazonas Bacia do Rio São Francisco Bacia do Rio Tocantins O Brasil é dotado de uma vasta e densa rede hidrográfica, sendo que muitos de seus rios destacam-se pela extensão, largura e profundidade. Em decorrência da natureza do relevo, predominam os rios de planalto que apresentam em seu leito rupturas de declive, vales encaixados, entre outras características, que lhes conferem um alto potencial para a geração de energia elétrica. Quanto à navegabilidade, esses rios, dado o seu perfil não regularizado, ficam um tanto prejudicados. Dentre os grandes rios nacionais, apenas o Amazonas e o Paraguai são predominantemente de planície e largamente utilizados para a navegação. Os rios São Francisco e Paraná são os principais rios de planalto.
  • 9. 1.8 Bacia do Atlântico Sul - trecho leste Da mesma forma que no seu trecho norte e nordeste, a bacia do Atlântico Sul no seu trecho leste possui diversos cursos d'água de grande porte e importância regional. Podem ser citados, entre outros, os rios Pardo, Jequitinhonha, Paraíba do Sul, Vaza-Barris, Itapicuru, das Contas e Paraguaçu. Por exemplo, o rio Paraíba do Sul está localizado entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, os de maior significado econômico no país, possui ao longo do seu curso diversos aproveitamentos hidrelétricos, cidades ribeirinhas de porte, como Campos, Volta Redonda e São José dos Campos, bem com indústrias importantes como a Companhia Siderúrgica Nacional. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0370-44672004000400009&script=sci_arttext
  • 10. 1.9 Bacia do Atlântico Sul - trechos norte e nordeste Vários rios de grande porte e significado regional podem ser citados como componentes dessa bacia, a saber: rio Acaraú, Jaguaribe, Piranhas, Potengi, Capibaribe, Una, Pajeú, Turiaçu, Pindaré, Grajaú, Itapecuru, Mearim e Parnaíba. Em especial, o rio Parnaíba é o formador da fronteira dos estados do Piauí e Maranhão, por seus 970 km de extensão, desde suas nascentes na serra da Tabatinga até o oceano Atlântico, além de representar uma importante hidrovia para o transporte dos produtos agrícolas da região. http://www.jaguaribe-ce.com/fotosdacidade.html
  • 11. 2.0 Bacia do Atlântico Sul - trechos sudeste e sul A bacia do Atlântico Sul, nos seus trechos sudeste e sul, é composta por rios da importância do Jacuí, Itajaí e Ribeira do Iguape, entre outros. Os mesmos possuem importância regional, pela participação em atividades como transporte hidroviário, abastecimento d'água e geração de energia elétrica. http://www.eps.ufsc.br/disserta98/ely/cap3.html
  • 12. 2.1 Bacia Platina, ou dos rios Paraná e Uruguai A bacia platina, ou do rio da Prata, é constituída pelas sub- bacias dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai, drenando áreas do Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai.O rio Paraná possui cerca de 4.900 km de extensão, sendo o segundo em comprimento da América do Sul. É formado pela junção dos rios Grande e Paranaíba. Possui como principais tributários os rios Paraguai, Tietê, Paranapanema e Iguaçu. Representa trecho da fronteira entre Brasil e Paraguai, onde foi implantado o aproveitamento hidrelétrico binacional de Itaipu, com 12.700 MW, maior usina hidrelétrica em operação do mundo. O rio Paraguai, por sua vez, possui um comprimento total de 2.550 km. Nasce próximo à cidade de Diamantino, no estado de Mato Grosso, e drena áreas de importância como o Pantanal mato-grossense. O rio Uruguai, por fim, possui uma extensão da ordem de 1.600 km, drenando uma área em torno de 307.000 km2. O rio Uruguai forma a fronteira entre a Argentina e Brasil e, mais ao sul, a fronteira entre Argentina e Uruguai, sendo navegável desde sua foz até a cidade de Salto, cerca de 305 km a montante. www.klickeducacao.com.br
  • 13. 2.2 Bacia do rio Amazonas Este rio, com uma extensão de aproximadamente 6.500 km, ou superior conforme recentes descobertas, disputa com o rio Nilo o título de mais extenso no planeta. Porém, em todas as possíveis outras avaliações é, disparado, o maior. Sua área de drenagem total, superior a 5,8 milhões de km2, dos quais 3,9 milhões no Brasil, representa a maior bacia hidrográfica mundial. O restante de sua área dividi-se entre o Peru, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana e Venezuela. Tal área poderia abranger integralmente o continente europeu, a exceção da antiga União Soviética. O Rio Amazonas se apresenta como um rio de planície, possuindo baixa declividade. Sua largura média é de 4 a 5 km, chegando em alguns trechos a mais de 50 km. Por ser atravessado pela linha do Equador, esse rio apresenta afluentes nos dois hemisférios do planeta. Entre seus principais afluentes, destacam-se os rios Iça, Japurá, Negro e Trombetas, na margem esquerda, e os rios Juruá, Purus, Madeira, Tapajós e Xingu, na margem direita. http://www.povosdamazonia.am.gov.br/m http://www.naval.com.br/biblio/navios_da_esp/opinia05.htm
  • 14. 2.3 Bacia do rio São Francisco A bacia do rio São Francisco, nasce em Minas Gerais, na serra da Canastra, e atravessa os estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. O rio São Francisco possui uma área de drenagem superior a 630.000 km2 e uma extensão de 3.160 km, tendo como principais afluentes os rios Paracatu, Carinhanha e Grande, pela margem esquerda, e os rios Salitre, das Velhas e Verde Grande, pela margem direita. De grande importância política, econômica e social, principalmente para a região nordeste do país, é navegável por cerca de 1.800 km, desde Pirapora, em Minas Gerais, até a cachoeira de Paulo Afonso, em função da construção de hidrelétricas com grandes lagos e eclusas, como é o caso de Sobradinho e Itaparica. http://www.fcth.br/afcth/hidromecanica.htm http://www.ana.gov.br/gefsfOld/Imagens/imgs1-1C.asp
  • 15. 2.4 Bacia do rio Tocantins - Araguaia A bacia do rio Tocantins – Araguaia, com uma área superior a 800.000 km2, se constitui na maior bacia hidrográfica inteiramente situada em território brasileiro. Seu principal rio formador é o Tocantins, cuja nascente localiza-se no estado de Goiás, ao norte da cidade de Brasília. Dentre os principais afluentes da bacia Tocantins - Araguaia, destacam-se os rios do Sono, Palma e Melo Alves, todos localizados na margem direita do rio Araguaia. O rio Tocantins desemboca no delta amazônico e embora possua, ao longo do seu curso, vários rápidos e cascatas, também permite alguma navegação fluvial no seu trecho desde a cidade de Belém, capital do estado do Pará, até a localidade de Peine, em Goiás, por cerca de 1.900 km, em épocas de vazões altas. O rio Araguaia nasce na serra das Araras, no estado de Mato Grosso, possui cerca de 2.600 km e desemboca no rio Tocantins na localidade de São João do Araguaia, logo antes de Marabá. O rio Araguaia é navegável cerca de 1.160 km, entre São João do Araguaia e Beleza, porém não possui neste trecho qualquer centro urbano de grande destaque. http://logisticaetransportes.blogspot.com/2007_03_25_archive.html
  • 16. 2.5 O que explica o aumento dos fenômenos naturais no Brasil? HOMEM X NATUREZA: quem ganha, quem perde? Como explicar o crescimento dos fenômenos naturais:  Crescimento populacional;  Intensificação do consumo;  Aumento das áreas destinadas à produção de matéria-prima;  Desequilíbrio entre os elementos climáticos;  Super emissão de gases na atmosfera. http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL157169-5598,00.html
  • 17. 2.6 O que fazer para melhorar a relação homem – natureza no Brasil? Reflita sobre as informações abaixo: www.geografiaparatodos.com.br
  • 18. 2.7 O que você pode fazer para construir um país menos poluído ? Soluções caseiras para problemas globais:  Reciclagem e reaproveitamento do lixo;  Redução do consumo de produtos que destroem o ambiente;  Opção por meio de transporte que utilize “energia limpa”;  Evitar desperdício de água;  Cobrar atuação das autoridades nas questões envolvendo o ambiente no que diz respeito à(ao): • tratamento de esgoto industrial; • implantação de filtros nas fábricas; • sustentabilidade na produção; • busca de novas tecnologias. www.sustentabilidade.org.br
  • 19. 2.8 SUSTENTABILIDADE Propõe-se ser um meio de configurar a civilização e a atividade humana, de tal forma que a sociedade, seus membros e suas economias possam preencher suas necessidades e expressar seu maior potencial no presente, e ao mesmo tempo preservar a biodiversidade e os ecossistemas naturais, planejando e agindo de forma a atingir pró-eficiência na manutenção indefinida desses ideais. http://www.caminhodasaguas.ufsc.br/historico.htm
  • 20. 2.9 O que você tem feito para interagir de maneira positiva com os recursos naturais no Brasil ? http://www.latinoamerica.baxter.com/brasil/sobre_a_baxter/sustainability/index.html