SlideShare uma empresa Scribd logo
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial
Contemporânea
SEXTA EDIÇÃO
James R. Hupp, DMD, MD, JD, MBA
Founding Dean and Professor of Oral-Maxillofacial Surgery
School of Dental Medicine
Professor of Surgery
School of Medicine
East Carolina University
Greenville, North Carolina
Edward Ellis, DDS, MS
Professor and Chair
Department of Oral and Maxillofacial Surgery
Director of OMS Residency
University of Texas Health Science Center at San Antonio
San Antonio, Texas
Myron R. Tucker, DDS
Oral and Maxillofacial Surgery Educational Consultant
Charlotte, North Carolina
Isle of Palms, South Carolina
Adjunct Clinical Professor
Department of Oral and Maxillofacial Surgery
Louisiana State University
New Orleans, Louisiana
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Sumário
Instruções para acesso on-line
Capa
Folha de rosto
Copyright
Dedicatória
Revisão científica e tradução
Prefácio
Agradecimentos
Parte I: Princípios da Cirurgia
Introdução
Capítulo 1: Avaliação do Estado de Saúde Pré-operatório
História médica
Exame físico
Tratamento de pacientes com condições médicas comprometidas
Tratamento de pacientes durante e depois da gravidez

Recomendado para você

Cistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicosCistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicos

Este documento discute vários tipos de cistos encontrados na cavidade oral, incluindo cistos odontogênicos de desenvolvimento e inflamatórios, assim como cistos não odontogênicos. Ele fornece detalhes sobre as características clínicas, radiográficas e tratamento de cistos comuns como cistos dentígeros, periapicais e do ducto nasopalatino.

Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria

O documento discute procedimentos cirúrgicos realizados em pacientes odontopediátricos, incluindo técnicas de exodontia, frenectomia, remoção de dentes supranumerários, tratamento de mucoceles e rânulas, e ulectomia, enfatizando a importância do diagnóstico correto, instrumentais adequados, controle da dor e consentimento dos responsáveis.

cirurgiasurgeryodontopediatria
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...
Resumo de Periodontia - Retalho de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neum...

Slides e vídeo com um resumo de periodontia falando sobre os principais tipos de retalhos periodontais: Os retalhos de Widman, Widman Modificado, Kirkland e Neumann. Para assistir o vídeo com a aula referente a estes slides, acesse: https://youtu.be/sNVDz7mfTI8

periodontiaretalhos periodontaisodonto
Capítulo 2: Prevenção e Tratamento de Emergências Médicas
Prevenção
Preparação
Emergências médicas
Capítulo 3: Princípios da Cirurgia
Desenvolvendo um diagnóstico cirúrgico
Necessidades básicas para cirurgia
Técnica asséptica
Incisões
Planejamento do retalho
Manipulação de tecido
Hemostasia
Descontaminação e debridamento
Controle de edema
Estado geral da saúde e cicatrização de feridas do paciente
Capítulo 4: Reparo de Feridas
Causas de danos nos tecidos
Reparo de feridas
Significância cirúrgica da cicatrização das feridas
Capítulo 5: Controle de Infecções na Prática Cirúrgica
Organismos patogênicos transmissíveis
Técnicas assépticas
Parte II: Princípios da Exodontia
Introdução
Capítulo 6: Instrumentação para Cirurgia Oral Básica
Incisando o tecido
Elevando o mucoperiósteo
Afastando o tecido mole
Apreendendo o tecido mole
Controlando hemorragias
Removendo o osso
Removendo tecido mole de cavidades ósseas
Suturando o tecido mole
Mantendo a boca aberta
Aspirando
Mantendo campos cirúrgicos em posição
Irrigando
Extraindo dentes
Sistema de bandeja de instrumentos
Capítulo 7: Princípios da Exodontia de Rotina
Avaliação médica pré-cirúrgica
Controle da dor e da ansiedade
Indicações para remoção dos dentes
Contraindicações para a remoção do dente
Avaliação clínica dos dentes para remoção
Exame radiográfico do dente a ser removido
Preparação do paciente e do cirurgião-dentista
Posição da cadeira para extrações
Princípios mecânicos envolvidos na extração dentária
Princípios do uso das alavancas e do fórceps
Procedimento para extração fechada
Técnicas específicas para remoção de cada dente
Cuidados com o alvéolo pós-extração
Capítulo 8: Princípios da Exodontia Complexa
Princípios do desenho, desenvolvimento e manejo do retalho
Princípios e técnicas para extrações abertas
Múltiplas extrações
Capítulo 9: Princípios de Tratamento de Dentes Impactados
Indicações para a remoção de dentes impactados
Contraindicações para Remoção de Dentes Impactados
Sistemas de classificação para impactação de terceiros molares mandibulares
Morfologia radicular
Sistemas de classificação para impactações de terceiros molares maxilares
Remoção de outros dentes impactados
Procedimento cirúrgico
Manejo transoperatório do paciente
Capítulo 10: Controle Pós-operatório do Paciente
Controle da hemorragia pós-operatória
Controle de sequelas pós-operatórias
Acompanhamento pós-operatório
Nota Operatória
Capítulo 11: Prevenção e Tratamento das Complicações de Extrações
Prevenção de complicações
Lesões a tecidos moles
Complicações com um dente durante a extração
Lesões ao dente adjacente
Lesões a estruturas ósseas
Lesões às estruturas adjacentes
Comunicações oroantrais
Sangramento pós-operatório
Cicatrização retardada e infecção
Fratura da mandíbula
Resumo
Parte III: Cirurgia Pré-protética e de Implantes
Introdução
Capítulo 12: Cirurgia Pré-protética
Objetivos da cirurgia pré-protética
Princípios de avaliação do paciente e plano de tratamento
Recontorno dos rebordos alveolares

Recomendado para você

APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA

1. O documento apresenta um resumo sobre os principais conceitos e evolução da implantodontia, incluindo os períodos da implantodontia, histórico, osseointegração, tipos de ossos, instalação de implantes e biomateriais. 2. São descritos os principais conceitos como osseointegração, fibroseointegração, anatomia óssea, tipos de implantes, planejamento cirúrgico e prótese. 3. Também são apresentados os principais biomateriais utilizados em implantodontia e seu planejamento

implantodontia resumo odontologiaodontologiaimplantes
Exodontia simples
Exodontia simplesExodontia simples
Exodontia simples

- O documento discute os princípios e técnicas da exodontia simples, incluindo a instrumentação, anestesia local, indicações e contraindicações para extração dentária. - É apresentada uma lista detalhada de instrumentos utilizados na extração dentária, como bisturis, descoladores, afastadores, apreensores, limas de osso e alavancas. - As técnicas de anestesia local para diferentes nervos são explicadas, assim como a importância do controle da dor e ansiedade do paciente.

instrumentacaocirurgião-dentistadentistry
03 diagnóstico das inflamações pulpares e periapicais
03   diagnóstico das inflamações pulpares e periapicais03   diagnóstico das inflamações pulpares e periapicais
03 diagnóstico das inflamações pulpares e periapicais

O documento discute as causas e tipos de inflamações pulpare e periapical, incluindo inflamações agudas e crônicas. As causas podem ser de origem biológica, física ou química. Os tipos de inflamação pulpar incluem pulpite reversível, pulpite irreversível sintomática e assintomática, e pulpite hiperplásica. As alterações periapicais inflamatórias incluem periodontite apical aguda e crônica e abscesso apical agudo e crônico.

Remoção de torus
Anormalidades do tecido mole
Próteses imediatas
Preservação do rebordo alveolar
Cirurgia para sobredentadura
Procedimentos Avançados de Cirurgia Pré-protética
Capítulo 13: Tratamento com Implante Dentário: Conceitos Básicos e Técnicas
Introdução À abordagem multidisciplinar
Considerações da peri-implantação biológica e funcional
Avaliação pré-operatória e plano de tratamento
Técnicas cirúrgicas (básicas)
Preparação cirúrgica
Controle pós-operatório
Estabilidade do implante
Complicações
Componentes do implante
Opções protéticas de implante
Agradecimentos
Capítulo 14: Tratamento com Implantes: Conceitos Avançados e Casos
Complexos
Colocação imediata de implantes pós-extração
Enxerto ósseo e substitutos para enxertos
Aumento mandibular
Aumento maxilar
Distração de crista alveolar
Imagem diagnóstica e planejamento virtual de tratamento
Implantes especiais
Casos complexos
Agradecimentos
Parte IV: Infecções
Introdução
Capítulo 15: Princípios de Tratamento e Prevenção das Infecções
Odontogênicas
Microbiologia das infecções odontogênicas
História natural da progressão das infecções odontogênicas
Princípios de terapia das infecções odontogênicas
Princípios de prevenção das infecções
Princípios de profilaxia da infecção de feridas
Princípios de profilaxia da infecção metastática
Capítulo 16: Infecções Odontogênicas Complexas
Infecções dos espaços fasciais profundos
Osteomielite
Actinomicose
Candidíase
Capítulo 17: Princípios da Cirurgia Endodôntica
Drenagem de abscesso
Drenagem de abscesso
Cirurgia periapical
Cirurgia corretiva
Dentes fraturados
Cicatrização
Reavaliação
Realizar ou não uma biopsia
Acessórios
Quando considerar o encaminhamento
Capítulo 18: Tratamento do Paciente Submetido à Radioterapia ou à
Quimioterapia
Cuidados Odontológicos de Pacientes que estão sendo Submetidos à Radioterapia da
Região de Cabeça e Pescoço
Gestão odontológica dos pacientes que estão recebendo quimioterapia sistêmica para
doenças malignas
Gestão odontológica de pacientes com osteonecrose dos maxilares induzida por
bisfosfonatos (OMB)
Capítulo 19: Doenças Odontogênicas dos Seios Maxilares
Embriologia e anatomia
Exame clínico dos seios maxilares
Exame radiográfico dos seios maxilares
Infecções não odontogênicas do seio maxilar
Infecções odontogênicas dos seios maxilares
Tratamento de sinusite maxilar
Pseudocistos antrais
Complicações de cirurgias orais envolvendo os seios maxilares
Capítulo 20: Diagnóstico e Gestão das Desordens de Glândulas Salivares
Embriologia, anatomia e fisiologia
Modalidades diagnósticas
Doença obstrutiva das glândulas salivares: sialolitíase
Fenômeno de retenção e extravasamento de muco
Infecções de glândulas salivares
Lesões traumáticas às glândulas salivares
Neoplasmas das glândulas salivares
Parte V: Tratamento de Lesões Patológicas da Boca
Introdução
Capítulo 21: Princípios de Diagnóstico Diferencial e de Biopsia
Métodos de exame e de diagnóstico
Princípios gerais da biopsia
Técnicas e princípios de biopsia intraóssea (tecido duro)
Capítulo 22: Tratamento Cirúrgico das Lesões Patológicas Orais
Objetivos cirúrgicos básicos
Tratamento cirúrgico de pseudocistos e lesões císticas na maxila e na mandíbula
Princípios do tratamento cirúrgico de tumores na maxila e na mandíbula
Tumores malignos da cavidade oral
Tratamento cirúrgico de lesões benignas dos tecidos moles orais

Recomendado para você

Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removível

O documento descreve as classificações de próteses parciais removíveis (PPRs), começando com definições e terminologias. Em seguida, apresenta classificações didáticas, como dento suportadas e muco-dento suportadas. Também discute as classificações topográficas de Kennedy e Cummer, que categorizam PPRs de acordo com a localização das áreas desdentadas.

Facetas laminadas
Facetas laminadasFacetas laminadas
Facetas laminadas

O documento discute facetas laminadas, indicando que começou em 1947 com a fixação de dentes acrílicos sem preparo dentário. Posteriormente surgiram novas técnicas como condicionamento ácido e resinas compostas, permitindo o desenvolvimento de facetas laminadas de resina e porcelana. O texto também descreve os tipos de facetas, fatores de escolha, características do preparo dentário e sequência clínica.

APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA

Este documento fornece um resumo sobre prótese fixa. Ele discute conceitos, tipos, elementos constituintes e planejamento de próteses fixas. Também aborda a anamnese e exame clínico necessários para próteses fixas, incluindo a avaliação dos dentes suporte, áreas edêntulas e oclusão do paciente.

prótese fixa odontologia
Reconstrução dos ossos gnáticos após a remoção de tumores orais
Parte VI: Traumatologia Oral e Maxilofacial
Introdução
Capítulo 23: Lesões dos Tecidos Moles e Dentoalveolares
Lesões dos tecidos moles
Lesões dentoalveolares
Capítulo 24: Tratamento das Fraturas Faciais
Avaliação dos pacientes com trauma facial
Etiologia e classificação das fraturas faciais
Tratamento das fraturas faciais
Parte VII: Correção de Deformidades Dentofaciais
Introdução
Capítulo 25: Correção de Deformidades Dentofaciais
Prevalência das deformidades dentofaciais
Causas das deformidades dentofaciais
Princípios gerais do crescimento facial
Influência genética e ambiental
Avaliação dos pacientes com deformidade dentofacial
Fase de tratamento pré-cirúrgica
Fase de tratamento cirúrgica
Distração osteogênica
Cuidados perioperatórios no paciente de cirurgia ortognática
Fase de tratamento pós-cirúrgica
Resumo
Capítulo 26: Cirurgia Estética Facial
Perspectiva histórica
Envelhecimento e análise faciais
Procedimentos não cirúrgicos
Procedimentos cirúrgicos
Resumo
Capítulo 27: Tratamento de Pacientes com Fissuras Bucofaciais
Embriologia
Fatores causais
Problemas dos pacientes com fissuras
Tratamento das fissuras labial e palatina
Necessidades de tratamento odontológico de pacientes com fissuras
Capítulo 28: Reconstrução Cirúrgica dos Defeitos Mandibulares
Bases biológicas da reconstrução óssea
Tipos de enxertos
Avaliação do paciente que necessita de reconstrução
Princípios e objetivos da reconstrução mandibular
Princípios cirúrgicos dos procedimentos de enxerto ósseo maxilofacial
Parte VIII: Disfunção da Articulação Temporomandibular e
Outros Distúrbios Orofaciais
Introdução
Capítulo 29: Neuropatologia Facial
Noções básicas da neurofisiologia da dor
Classificação das dores orofaciais
Dores neuropáticas faciais
Cefaleia crônica
Outras cefaleias crônicas de interesse odontológico
Avaliação do paciente com dor orofacial
Capítulo 30: Tratamento das Desordens Temporomandibulares
Avaliação
Classificação das desordens temporomandibulares
Tratamento reversível
Modificação permanente da oclusão
Cirurgia da articulação temporomandibular
Osteogênese por distração
Parte IX: Tratamento de Paciente Hospitalizado
Introdução
Capítulo 31: Tratamento de Pacientes Hospitalizados
Gestão hospitalar
Odontologia hospitalar
Apêndices
Apêndice 1: Lista de Instrumentais e Preços de Varejo Típicos (2013)
Apêndice 2: Partes que Compõem o Relato Cirúrgico (Arquivo do Consultório)
Apêndice 3: Listas e Exemplos de Fármacos do Órgão “Administração de
Fármacos Controlados”
Apêndice 4: Exemplos de Prescrições Úteis
Apêndice 5: Consentimento para Exodontias e Anestesia
Apêndice 6: Resumo sobre Antibióticos
Índice

Recomendado para você

Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total

O documento discute próteses dentárias, especificamente próteses totais. Ele define prótese dentária e classifica os diferentes tipos de próteses de acordo com a fixação, suporte e número de dentes substituídos. Também descreve o processo de fabricação de próteses totais em 17 etapas clínicas e laboratoriais.

Selantes odontopediatria
Selantes odontopediatriaSelantes odontopediatria
Selantes odontopediatria

Este documento discute o uso de selantes dentários para prevenir cárie. Ele explica que selantes podem ser usados de forma preventiva em superfícies de alto risco ou terapeuticamente em lesões de cárie limitadas ao esmalte. O documento também descreve os materiais usados para selagem, incluindo selantes resinosos e cimentos de ionômero de vidro, e fornece detalhes sobre os protocolos clínicos para aplicação de selantes.

Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia

Este documento apresenta uma aula sobre anestesia local em odontologia ministrada pelo Prof. Dr. Carlos Neves. O documento discute os objetivos da aula, faz uma breve revisão da anatomia da cabeça e pescoço relevante para anestesia local, classifica os tipos de anestesia local, descreve as principais técnicas anestésicas e indicações, e discute as desvantagens de algumas técnicas.

odontologia
Copyright
© 2015 Elsevier Editora Ltda.
Tradução autorizada do idioma inglês da edição publicada por Mosby – um selo editorial
Elsevier Inc.
Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.
Nenhuma parte deste livro, sem autorização prévia por escrito da editora, poderá ser
reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados: eletrônicos, mecânicos,
fotográficos, gravação ou quaisquer outros.
ISBN: 978-85-352-7252-9
ISBN (versão eletrônica): 978-85-352-8102-6
Copyright© 2014 by Mosby, an affiliate ofElsevier Inc.
Copyright© 2008, 2003, 1998, 1993, 1988 by Mosby, Inc., an affiliate ofElsevier Inc
This edition ofContemporary Oral And Maxillofacial Surgery, 6th edition by
by James R. Hupp, Edward Ellis IIIand Myron R. Tucker is published by arrangementwith
Elsevier Inc.
ISBN: 978-0-323-09177-0
Capa
Mello & Mayer Design
Editoração Eletrônica
Thomson Digital
Elsevier Editora Ltda.
Conhecimento sem Fronteiras
Rua Sete de Setembro, n° 111 – 16° andar
20050-006 – Centro – Rio de Janeiro – RJ
Rua Quintana, n° 753 – 8° andar
04569-011 – Brooklin – São Paulo – SP
Serviço de Atendimento ao Cliente
0800 026 53 40
atendimento1@elsevier.com
Consulte nosso catálogo completo, os últimos lançamentos e os serviços exclusivos no site
www.elsevier.com.br
Nota
Como as novas pesquisas e a experiência ampliam o nosso conhecimento, pode haver
necessidade de alteração dos métodos de pesquisa, das práticas profissionais ou do
tratamento médico. Tanto médicos quanto pesquisadores devem sempre basear-se em sua
própria experiência e conhecimento para avaliar e empregar quaisquer informações,
métodos, substâncias ou experimentos descritos neste texto. Ao utilizar qualquer informação
ou método, devem ser criteriosos com relação a sua própria segurança ou a segurança de
outras pessoas, incluindo aquelas sobre as quais tenham responsabilidade profissional.
Com relação a qualquer fármaco ou produto farmacêutico especificado, aconselha-se o leitor
a cercar-se da mais atual informação fornecida (i) a respeito dos procedimentos descritos, ou
(ii) pelo fabricante de cada produto a ser administrado, de modo a certificar-se sobre a dose
recomendada ou a fórmula, o método e a duração da administração, e as contraindicações.
É responsabilidade do médico, com base em sua experiência pessoal e no conhecimento de
seus pacientes, determinar as posologias e o melhor tratamento para cada paciente
individualmente, e adotar todas as precauções de segurança apropriadas.
Para todos os efeitos legais, nem a Editora, nem autores, nem editores, nem tradutores, nem
revisores ou colaboradores, assumem qualquer responsabilidade por qualquer efeito danoso
e/ou malefício a pessoas ou propriedades envolvendo responsabilidade, negligência etc. de
produtos, ou advindos de qualquer uso ou emprego de quaisquer métodos, produtos,
instruções ou ideias contidos no material aqui publicado.
O Editor
CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE
SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ
C526
6. ed.
Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea / James R. Hupp … [etal.] ; tradução Maria
Aparecida A. Cavalcante … [etal.]. - 6. ed. - Rio de Janeiro : Elsevier, 2015.
il. ; 28 cm.
Tradução de: Contemporary oral and maxillofacial surgery
ISBN 978-85-352-7252-9
1. Boca - Cirurgia. 2. Maxilares - Cirurgia. 3. Face - Cirurgia. I. Hupp, James R. II.
Título.
14-17849 CDD: 617.522059
CDU: 617.31-089
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Dedicatória
Minhas contribuições para este livro são dedicadas à minha
maravilhosa família: Carmen, minha esposa, melhor amiga e o
amor da minha vida; nossos filhos, Jamie, Justin, Joelle e Jordan;
nossa nora, Natacha; e nossa preciosa neta, Peyton Marie.
James R. Hupp
Para todos os parceiros em minha prática cirúrgica e os residentes e
colegas que tornaram minha carreira cirúrgica tão plenamente
realizada.
Myron R. Tucker
Para os diversos estudantes e residentes que me permitiram
participar do plano de educação deles.
Edward Ellis, III

Recomendado para você

Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia

O documento discute a prevenção da doença periodontal. A forma mais comum é a periodontite crônica, que afeta mais de 75% dos adultos. A melhor maneira de prevenir é através de uma boa higiene oral, como escovar os dentes duas vezes ao dia e usar fio dental diariamente. Visitar o dentista a cada seis meses também é importante para diagnóstico precoce e remoção de placa e tártaro.

Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02

[1] O documento discute os métodos de isolamento do campo operatório em procedimentos odontológicos restauradores, incluindo isolamento absoluto e relativo. [2] O isolamento absoluto utiliza lençol de borracha fixado aos dentes para isolar totalmente a área, enquanto o isolamento relativo usa algodão e dispositivos para isolar parcialmente. [3] O isolamento absoluto fornece maior proteção e visibilidade, mas tem algumas limitações para certos pacientes.

Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar

Este documento resume os principais aspectos do tratamento de traumatismos buco-dento-alveolares. Descreve como esses traumas podem ocorrer, a dinâmica dos traumas, a importância do histórico clínico e exame, classificação das lesões, e os protocolos de tratamento para diferentes lesões como fraturas, deslocamentos dentários, avulsões e fraturas ósseas.

Revisão científica e tradução
Revisão científica
André Takahashi
Cirurgião-dentista pela Faculdade de Odontologia da Universidade Estadual Paulista
(UNESP)
Bacharel em Direito pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
Especialista em Gestão em Saúde pela UEPG
Mestre em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofaciais pela Faculdade de Odontologia da
Universidade de São Paulo (USP)
Doutor em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofaciais pela Pontifícia Universidade Católica
do Rio Grande do Sul (PUCRS)
Brisa dos Santos Leite
Graduada em Odontologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial no Hospital Universitário
Clementino Fraga Filho (UFRJ)
Danielle Araújo Martins
Graduada em Odontologia pela UFPA
Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial no Hospital Universitário
Clementino Fraga Filho (UFRJ)
Membro Aspirante do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial
Eduardo Hochuli Vieira
Professor Adjunto de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pela Faculdade de
Odontologia de Araraquara (UNESP)
Ítalo Honorato Alfredo Gandelmann
Professor Emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Doutor em Odontologia (Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial) pela UFRJ
Livre-docente em Cirurgia Oral da Faculdade de Odontologia da UFRJ
Gustavo Gaffree Braz
Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial
Chefe do Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Municipal
Lourenço Jorge (SMSDC-RJ)
Clínica Privada em Cirurgia Ortognática Grupo Face
Maria Aparecida A. Cavalcante
Professora Titular da Faculdade de Odontologia da UFRJ
Especialista, Mestre e Doutora em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da
Faculdade de Odontologia da UFRJ
Coordenadora do Curso de Especialização em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial
da Faculdade de Odontologia da UFRJ
Chefe do Serviço de Cirurgia Oral do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da
UFRJ (HUCFF)
Marcello Rodrigues de Oliveira Jr.
Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofaciais pela UFRJ
Mestre em Morfologia pela UFRJ
Chefe do Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofaciais do Hospital Central do
Exército (HCE)
Rosangela Varella da Silva
Mestre em Cirurgia e Traumatologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Clínica Médica da Faculdade de
Medicina da UFRJ
Wagner Hespanhol
Especialista em Patologia Bucal pela UFRJ
Especialista em Cirurgia Bucomaxilofacial pela UFRJ
Doutor em Odontologia pela UFRJ
Co-coordenador do Curso de Especialização e Residência em Cirurgia Bucomaxilofacial
do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (UFRJ)
Tradução
Débora dos Santos Tavares
Doutora em Engenharia Metalúrgica e de Materiais pela UFRJ
Mestre em Patologia Bucodental pela UFF
Graduada em Odontologia pela UFF
Debora Rodrigues Fonseca
Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pela UFRJ
Mestre em Ciências Morfológicas (Área de Atuação Anatomia) pela UFRJ
Staffdo Serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Federal do
Andaraí, RJ
Erica Barollo de Oliveira Dalben
Graduada em Odontologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Especialista em Endodontia pela ABO-RJ
Especialista em Ortodontia pela Unicastello, SP
Flor de Letras Editorial
Empresa Especializada em Revisão e Tradução Técnicas
Hugo Cesar Pinto Marques Caracas
Mestre e Doutor em Ortodontia pela UFRJ
Juliana Simões Festa de Vasconcellos
Graduada em Biomedicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
(UNIRIO)
Mestre em Farmacologia e Química Medicinal pela UFRJ
Marcia Grillo Cabral
Professora Associada de Patologia Oral da Faculdade de Odontologia UFRJ
Mestre em Patologia Bucal pela UFRJ
Doutora em Patologia Bucal pela USP
Marilia Furquim Xavier Couto
Graduada em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Mayra Cardoso
Doutora em Odontologia Restauradora, Especialidade Prótese Dentária pela UNESP (São
José dos Campos)
Miriam Yoshie Tamaoki
Graduada em Odontologia pela USP
Rafael de Lima Pedro
Doutor e Mestre em Odontologia (Odontopediatria) pela UFRJ
Rodrigo Sant’Ana Nunes
Doutorando em Ortodontia pela Faculdade São Leopoldo Mandic
Mestre em Ortodontia pela Universidade Cidade de São Paulo (UNICID-SP)
Professor Coordenador de Especialização em Ortodontia pela FAIPE
Professor Coordenador de Especialização em Ortodontia pela UCP
Professor Coordenador de Especialização em Ortodontia pela UNIG
Diretor Odonto Sant’Ana Consultoria e Ensino
Sarah Aparecida Ferreira Antero
Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial (CTBMF) e Estomatologia pela
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/UFRJ
Staffdos serviços de CTBMF do Hospital Federal de Bonsucesso e do Hospital Estadual
Getulio Vargas
Sueli Toledo Basile
Tradutora pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie e Cell-lep
Tatiana Ferreira Robaina
Doutora em Ciências pela UFRJ
Mestre em Patologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF)
Especialista em Estomatologia pela UFRJ
Cirurgiã-dentista pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
Prefácio
Como nas edições anteriores deste texto altamente conceituado, a sexta edição de Cirurgia
Oral e Maxilofacial Contemporânea pretende apresentar os princípios fundamentais de
conduta médica e cirúrgica dos problemas de cirurgia oral. Esta obra oferece detalhes
adequados sobre técnicas fundamentais de avaliação, diagnóstico e conduta médica, o que
torna possível a aplicação clínica imediata. Agrande quantidade de ilustrações tem o objetivo
de tornar as técnicas cirúrgicas facilmente compreensíveis, enquanto reforça também a
compreensão dos leitores para os aspectos técnicos e biológicos, de modo que possam ser
capazes de reagir às situações cirúrgicas vão além dos “casos clínicos contidos em
manuais”.
Aobra continua a apresentar dois objetivos principais:
• Apresentar uma descrição abrangente dos procedimentos básicos de cirurgia oral que são
realizados no consultório do clínico geral.
• Oferecer informações sobre a conduta cirúrgica complexa e avançada de pacientes que
foram encaminhados especificamente para o especialista em cirurgia oral e maxilofacial.
Se você é um estudante de odontologia, residente ou já está exercendo a prática dessa
área, a última edição do compêndio Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea é uma
excelente fonte que deve fazer parte da sua biblioteca.
O que há de novo nesta edição
O capítulo sobre implantes foi dividido em dois novos capítulos, sendo um sobre conceitos
básicos e outro sobre conceitos mais complexos:
• O Capítulo 13, Tratamento com Implantes Dentários: Conceitos Básicos e Técnicas,
apresenta o direcionamento na avaliação clínica e nas considerações protéticas e
cirúrgicas para o tratamento básico com implantes. As técnicas descritas inicialmente estão
voltadas para situações clínicas em que existam área óssea e tecidos moles adequados e
os implantes possam ser colocados em uma região bem cicatrizada, sem comprometer as
estruturas anatômicas, como o seio maxilar ou o nervo alveolar inferior.
• O Capítulo 14, Tratamento com Implantes Dentários: Conceitos Avançados e Casos
Complexos, apresenta o direcionamento para casos que requeiram colocação imediata
de implantes e aqueles em que possa ser necessário o aumento ósseo e de tecidos
moles antes da colocação dos implantes.
• O Capítulo 25, Correção de Deformidades Dentofaciais, abrange novas informações sobre
o plano de tratamento convencional e a predição de imagem, além do plano cirúrgico
computadorizado virtual em 3D.
• O Capítulo 26, Cirurgia Estética Facial, foi completamente reformulado e agora está
organizado por procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos. Os procedimentos populares

Recomendado para você

Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais

O documento discute técnicas e instrumentos utilizados em exodontia. Apresenta indicações e contraindicações para remoção dental, além de descrever manobras cirúrgicas como diérese, exérese e síntese. Detalha também instrumentos como elevadores, fórceps e suas aplicações, assim como técnicas auxiliares como odontosecção e exodontia não-alveolar.

Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013

 O documento discute os principais aspectos da anestesia local em Odontologia, incluindo: a definição e mecanismo de ação dos anestésicos locais; as técnicas de anestesia utilizadas na maxila e mandíbula; e os principais anestésicos empregados.

Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico
Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso CirúrgicoTratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico
Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico

O documento discute tratamento não cirúrgico de um fracasso cirúrgico endodôntico. Apresenta um caso clínico onde um retratamento endodôntico não cirúrgico foi realizado com sucesso após uma cirurgia apical falhada, utilizando MTA no canal lesado e obturação canalar convencional nos demais canais. Conclui que o retratamento não cirúrgico deve ser a primeira opção de tratamento em casos de fracasso, e que o conhecimento de técnicas microcirúrgicas aumenta a

envolvidos incluem preenchimentos dérmicos, Botox®, renovação celular da pele facial,
frontoplastia e procedimentos para a testa, blefaroplastia, rinoplastia, ritidectomia, além de
outras técnicas.
• O Capítulo 28, Reconstrução Cirúrgica dos Defeitos Mandibulares, inclui novas informações
sobre proteínas ósseas morfogenéticas (BMPs).
Agradecimentos
Agradeço toda a colaboração recebida da equipe de publicação da Elsevier, incluindo Kathy
Falk, Courtney Sprehe e Sara Alsup. Sou grato também à Turma de 2015 da ECU School of
Dental Medicine pelo suporte que recebi durante esse período da minha carreira profissional.
James R. Hupp
Gostaria de agradecer à Ashley Tucker pelo design da capa deste livro e por todo o
trabalho de desenhos gráficos e de arte que ela realizou para mim.
Myron R. Tucker
PARTE I
Princípios da Cirurgia
ESBOÇO
Introdução
Capítulo 1: Avaliação do Estado de Saúde Pré-operatório
Capítulo 2: Prevenção e Tratamento de Emergências Médicas
Capítulo 3: Princípios da Cirurgia
Capítulo 4: Reparo de Feridas
Capítulo 5: Controle de Infecções na Prática Cirúrgica
Introdução
Acirurgia é uma disciplina com base em princípios que se desenvolveram a partir da
pesquisa básica e séculos de tentativas e erros. Esses princípios se estendem para todas as
áreas da cirurgia, seja oral, maxilofacial, periodontal ou gastrointestinal. AParte Ifornece as
informações relativas a avaliação da saúde do paciente, gerenciamento de emergências
médicas e conceitos cirúrgicos, que formam, juntos, os fundamentos necessários para a
apresentação das técnicas cirúrgicas especializadas nos capítulos subsequentes deste livro.
Muitos pacientes têm condições médicas que afetam sua capacidade de tolerar as
cirurgias orais e maxilofaciais e a anestesia. O Capítulo 1 discute o processo de avaliação do
estado de saúde dos pacientes e descreve métodos para que os planos de tratamento
cirúrgico sejam alterados a fim de adaptá-los, de forma segura, aos pacientes com os
problemas médicos mais comuns.
Aprevenção de emergências médicas em pacientes submetidos a cirurgias orais e
maxilofaciais ou a outras formas de tratamento odontológico é sempre mais fácil do que
gerenciá-las após a sua ocorrência. O Capítulo 2 discute os meios para o reconhecimento e
gerenciamento de emergências médicas comuns no consultório odontológico e fornece
informações muito importantes sobre medidas para diminuir a probabilidade de emergências.
Acirurgia atual é guiada por um conjunto de princípios, sendo a maioria aplicável, não
importando a parte do corpo humano onde são postos em prática. O Capítulo 3 abrange os
princípios mais importantes para os profissionais que realizam cirurgias na cavidade oral e na
região maxilofacial.
Acirurgia sempre deixa uma ferida, podendo esta estar presente anteriormente ou não.
Embora seja óbvio, esse fato é com frequência esquecido pelo cirurgião-dentista
inexperiente, que pode agir como se o procedimento cirúrgico estivesse concluído, uma vez
que a última sutura tenha sido finalizada e o paciente, recebido alta. Aresponsabilidade
primária do cirurgião-dentista com o paciente continua até que a ferida esteja cicatrizada, por
isso o entendimento do processo de cicatrização de feridas é obrigatório para qualquer um
que tenha a intenção de criar feridas cirurgicamente ou tratar feridas acidentais. O Capítulo 4
apresenta os conceitos básicos do processo de cicatrização de feridas, particularmente as
relacionadas com a cirurgia oral.
O trabalho de Semmelweiss e Lister, em meados de 1800, conscientizou os profissionais
sobre a origem microbiana das infecções pós-operatórias, desse modo transformando a
cirurgia, antes considerada o último recurso, em um esforço mais previsível. O advento dos
antibióticos desenvolvidos para serem utilizados sistemicamente promoveu um avanço ainda
maior na ciência cirúrgica, permitindo que cirurgias eletivas fossem realizadas com baixo
risco. Todavia ainda existem organismos patogênicos transmissíveis e que podem causar
infecções na ferida ou doenças infecciosas sistêmicas com o rompimento da barreira epitelial
durante a cirurgia. Os exemplos mais graves são o vírus da hepatite B (HBV) e o vírus da

Recomendado para você

46 154-1-pb
46 154-1-pb46 154-1-pb
46 154-1-pb

A endocardite é uma infecção das válvulas cardíacas ou do endocárdio causada principalmente por bactérias. Alguns pacientes com condições médicas específicas, como portadores de próteses valvares ou com histórico de endocardite prévia, apresentam maior risco de desenvolver a doença durante procedimentos odontológicos invasivos. O estudo avaliou os conhecimentos de dentistas e estudantes sobre quais são esses pacientes e procedimentos de risco, além dos protocolos de profilaxia antibiótica

Manejo do paciente portador de doença renal crônica
Manejo do paciente portador de doença renal crônica Manejo do paciente portador de doença renal crônica
Manejo do paciente portador de doença renal crônica

O documento discute as considerações odontológicas no tratamento de pacientes com doença renal, incluindo insuficiência renal aguda e crônica. É importante comunicação entre o médico e dentista, e cuidados como evitar anti-inflamatórios e antibióticos desnecessários. O objetivo é esclarecer os alunos sobre como tratar esses pacientes de forma segura.

odontologiarinsmanejo
Procedimentosuniodonto
ProcedimentosuniodontoProcedimentosuniodonto
Procedimentosuniodonto

O documento descreve os planos odontológicos oferecidos pela Uniodonto Rio, incluindo coberturas, preços e contatos. Os planos N, N2 e N3 fornecem cobertura para procedimentos como exames, emergências, raio-x, prevenção, restaurações, cirurgias, próteses e ortodontia. O plano N2 oferece os mesmos serviços do N mais jaquecas acrílicas e raio-x panorâmico sem restrições. O plano N3 inclui tudo do N2 mais document

imunodeficiência humana (HIV). Além disso, atualmente surgem micro-organismos
resistentes até mesmo aos antimicrobianos mais potentes, tornando a assepsia cirúrgica
mais importante do que nunca. O Capítulo 5 descreve os meios para que os riscos de
contaminação de feridas e a propagação de organismos infecciosos entre indivíduos sejam
minimizados, o que inclui descontaminação completa dos instrumentos cirúrgicos,
desinfecção da sala na qual a cirurgia será realizada, diminuição da contagem bacteriana no
local operado e adesão dos membros da equipe cirúrgica aos princípios de controle de
infecção – em outras palavras, a adoção rigorosa das técnicas assépticas.
CAP ÍT UL O 1
Avaliação do Estado de Saúde Pré-
operatório
James R. Hupp
SUMÁRIO DO CAPÍTULO
HISTÓRIAMÉDICA
Dados Pessoais
Queixa Principal
Histórico da Queixa Principal
Histórico Médico
Revisão dos Sistemas
EXAME FÍSICO
TRATAMENTO DE PACIENTES COM CONDIÇÕES MÉDICAS COMPROMETIDAS
Problemas Cardiovasculares
Cardiopatia isquêmica
Acidente vascular cerebral (derrame)
Disritmias
Anomalias cardíacas que predispõem à endocardite infecciosa
Insuficiência cardíaca congestiva (cardiomiopatia congestiva)
Problemas Pulmonares
Asma
Doença pulmonar obstrutiva crônica
Problemas Renais
Insuficiência renal
Transplante renal e transplante de outros órgãos
Hipertensão
Disfunções Hepáticas
Disfunções Endócrinas
Diabetes melito
Insuficiência adrenal
Hipertireoidismo
Hipotireoidismo
Problemas Hematológicos
Coagulopatias hereditárias
Anticoagulação terapêutica
Distúrbios Neurológicos
Distúrbios convulsivos
Etilismo (alcoolismo)
TRATAMENTO DE PACIENTES DURANTE E DEPOIS DAGRAVIDEZ
Gravidez
Período Pós-parto
Aextensão do histórico médico, do exame físico e da avaliação laboratorial de pacientes
que necessitam de cirurgia dentoalveolar ambulatorial – sob anestesia local, sedação por
óxido nitroso ou por ambos – difere substancialmente da necessária para um paciente que
precisa de hospitalização e anestesia geral para procedimentos cirúrgicos. O médico de
cuidados primários normalmente realiza o histórico clínico periódico e o exame físico dos
pacientes; então, é impraticável e de pouca utilidade o cirurgião-dentista duplicar esse
processo. No entanto, o profissional deve descobrir a presença ou o histórico de problemas
médicos que podem afetar a prestação segura do tratamento que planeja fornecer, assim
como qualquer condição que afete especificamente a saúde das regiões oral e maxilofacial.
Os cirurgiões-dentistas são formados e treinados nas ciências biomédicas básicas e na
fisiopatologia de problemas médicos comuns, principalmente quando se trata da região
maxilofacial. Esta especialidade em assuntos médicos, tratando-se da região oral, transforma
os cirurgiões-dentistas em fontes valiosas na equipe de prestação de serviços médicos. Por
isso, os cirurgiões-dentistas carregam a responsabilidade de serem capazes de reconhecer
e lidar apropriadamente com condições patológicas orais. Para manter essa especialidade, o
cirurgião-dentista deve estar sempre informado sobre os novos avanços na medicina, estar
atento enquanto realiza procedimentos e preparado para passar uma avaliação completa,
porém sucinta da saúde bucal dos pacientes para outros profissionais da saúde.
História médica
Um histórico médico preciso é a informação mais útil que um clínico pode ter enquanto decide
se um paciente pode passar por um tratamento dentário planejado de modo seguro. O
cirurgião-dentista também deve estar preparado para prever como um problema médico
pode alterar a resposta do paciente em relação aos agentes anestésicos planejados e à
cirurgia. Se o histórico for obtido com sucesso, o exame físico e a avaliação laboratorial de um
paciente geralmente desempenham papéis secundários na avaliação pré-operatória. O
formato padrão usado para registrar resultados de históricos médicos e exames físicos está
ilustrado no Quadro 1-1. Esse formato geral tende a ser seguido, mesmo em registros
médicos eletrônicos.
Quadro 1-1 Formato Padrão para Registro de Resultados do
Histórico e do Exame Físico
1. Dados biográficos
2. Principal queixa e seu histórico
3. História médica
4. Históricos social e médico da família
5. Revisão de sistemas
6. Exame físico
7. Resultados laboratoriais e de imagenologia
Aentrevista para obter o histórico médico e o exame físico deve ser feita de acordo com
cada paciente, levando em consideração os problemas clínicos, a idade, o nível de
informação, as circunstâncias sociais, a complexidade do procedimento programado e os
métodos anestésicos previstos.
Dados Pessoais
Aprimeira informação que se deve obter de um paciente são seus dados pessoais. Esses
dados incluem nome completo, endereço residencial, idade, sexo e profissão, assim como o
nome do clínico que realizou os cuidados primários. O médico usa essas informações, junto
com suas impressões da personalidade e do nível de informação do indivíduo, para avaliar a
confiabilidade do paciente. Isso é importante, porque o valor do histórico médico fornecido
pelo paciente depende, principalmente, de sua credibilidade como um transmissor de seus
dados clínicos. Se os dados pessoais e a entrevista do paciente derem razões ao clínico
para suspeitar que o histórico médico pode não ser confiável, métodos alternativos de se
obter as informações necessárias devem ser tentados. Uma avaliação confiável deve ser feita
durante toda a entrevista médica e o exame físico, com o entrevistador procurando por
respostas ilógicas, improváveis ou inconsistentes do paciente e que podem indicar a
necessidade de comprovar as informações fornecidas.
Queixa Principal
Todo paciente deve ser solicitado a definir sua queixa principal. Isso pode ser feito através de
um formulário a ser preenchido ou a resposta do paciente deve ser transcrita, de forma
integral, no prontuário odontológico durante a entrevista inicial por um auxiliar ou pelo próprio
cirurgião-dentista. Essa declaração ajuda o médico a estabelecer prioridades durante a
obtenção do histórico e a planejar o tratamento. Além disso, ter os pacientes formulando a
queixa principal os incentiva a esclarecer, tanto para eles mesmos quanto para o médico, o
motivo pelo qual eles desejam tratamento. Ocasionalmente, o paciente pode não manifestar

Recomendado para você

Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi

O documento descreve os princípios e técnicas da cirurgia endodôntica, incluindo: 1) Os objetivos da terapia endodôntica e quando a cirurgia é indicada; 2) Os diferentes tipos de retalhos cirúrgicos e suas indicações; 3) Possíveis acidentes e complicações e seu manejo.

protese fixaresumo de cirurgiaprotese total
Proteção radiologica ebook final
Proteção radiologica ebook finalProteção radiologica ebook final
Proteção radiologica ebook final

Este documento discute as principais tecnologias médicas que envolvem o uso de radiação ionizante, incluindo os tipos de radiação, fontes, efeitos biológicos, normas de proteção e legislação. Também aborda procedimentos como tomografia computadorizada, radioterapia e medicina nuclear, além de equipamentos de proteção e a importância da saúde do trabalhador.

501 2127-1-pb
501 2127-1-pb501 2127-1-pb
501 2127-1-pb

Este documento descreve um caso clínico no qual uma paciente recebeu cirurgia periodontal para corrigir um sorriso gengival irregular e curto, seguido por restaurações estéticas de resina composta. A cirurgia de gengivectomia interna melhorou o contorno gengival e aumentou a coroa clínica dos dentes anteriores. Após a cicatrização, restaurações de resina corrigiram uma rotação dental e substituíram restaurações antigas, melhorando o alinhamento e estética do sorriso

esse motivo, consciente ou inconscientemente. Nesse caso, informações subsequentes
respondidas pelo paciente na entrevista podem revelar a verdadeira razão pela procura do
tratamento.
Histórico da Queixa Principal
O paciente deve ser solicitado a descrever o histórico da queixa atual ou doença, em
particular de sua primeira aparição, quaisquer mudanças desde essa primeira apresentação
e sua influência sobre ou por outros fatores. Por exemplo, descrições de dor devem incluir
data de início, intensidade, duração, local e radiação, assim como fatores que pioram e
amenizam a dor. Além disso, uma investigação deve ser feita sobre sintomas constitucionais
como febre, calafrios, letargia, anorexia, mal-estar e qualquer fraqueza associada à queixa
principal.
Esta parte do histórico de saúde pode ser mais simples e direta, como um histórico de dor
de dois dias e uma ocorrência de um inchaço em torno do terceiro molar irrompido. No
entanto, a principal queixa pode ser relativamente envolvida, como um longo histórico de um
local de extração dolorido que não curou em um paciente que recebeu irradiação
terapêutica. Nesse caso mais complexo, um histórico mais detalhado da queixa principal é
necessário.
Histórico Médico
Amaioria dos cirurgiões-dentistas acha os formulários de histórico de saúde (questionários)
um meio eficiente de iniciar a coleta do histórico médico, sendo obtidos de forma escrita ou
em formato eletrônico. Quando um paciente confiável completa um formulário de histórico de
saúde, o cirurgião-dentista pode usar as respostas pertinentes para conduzir a entrevista.
Auxiliares propriamente treinados podem sinalizar respostas importantes dadas pelo paciente
no formulário (p. ex., circular as alergias a medicamentos em vermelho ou sinalizá-las
eletronicamente) a fim de chamar a atenção do cirurgião-dentista para as respostas positivas.
Questionários de saúde devem ser escritos de forma clara, em uma linguagem que não
seja técnica e de maneira concisa. Para diminuir a chance de os pacientes darem respostas
incompletas ou inexatas e para cumprir as regulamentações da Lei de Portabilidade de
Seguros de Saúde e Responsabilidade (Health Insurance Portability and Accountability Act), o
formulário deve incluir uma declaração que assegure ao paciente a confidencialidade das
informações e um consentimento identificando os indivíduos aos quais ele permitiu acesso ao
prontuário odontológico, como o médico de cuidados primários e outros profissionais
envolvidos na prática. O formulário também deve incluir um espaço – por exemplo, uma linha
para ser assinada – para o paciente verificar que ele ou ela entendeu as questões e a
necessidade de ser preciso nas respostas. Vários questionários de saúde feitos para
pacientes odontológicos estão disponíveis em fontes como American Dental Association
(ADA) e livros de odontologia (Fig. 1-1). O cirurgião-dentista deve escolher um formulário já
preparado ou criar um personalizado.
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
FIGURA1-1 Exemplo de questionário de histórico de saúde útil para
a avaliação odontológica dos pacientes. (Modificação de um
formulário fornecido pela American Dental Association.)
Os itens listados no Quadro 1-2 (coletados em um formulário, via touch screen ou
verbalmente) ajudam a estabelecer um apropriado banco de dados do histórico de saúde
para os pacientes; se os dados são coletados verbalmente, a documentação escrita
subsequente dos resultados é importante.
Quadro 1-2 Base para Dados de Histórico de Saúde
1. Internações anteriores, operações, lesões traumáticas e doenças graves
2. Doenças leves recentes ou sintomas
3. Medicações usadas no momento ou recentemente e alergias (em especial, alergias a
drogas)
4. Descrição de hábitos relacionados à saúde ou vícios como o uso de álcool, tabaco e
drogas ilícitas, e a quantidade e tipo de exercício diário
5. Data e resultado do último checkup médico ou visita ao clínico
Além dessas informações básicas, é útil investigar especificamente sobre problemas
médicos comuns que tendem a alterar o tratamento odontológico do paciente. Esses
problemas incluem angina, infarto do miocárdio, sopros cardíacos, cardiopatia reumática,
distúrbios hemorrágicos (incluindo uso de anticoagulantes), asma, doença pulmonar crônica,
hepatite, doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), diabetes, uso de corticosteroide,
distúrbio convulsivo, derrame e qualquer prótese implantada como articulação artificial e
válvulas cardíacas. Os pacientes devem ser perguntados especificamente sobre alergias a
anestésicos locais, Aspirina® e penicilina. Pacientes do sexo feminino, pertencentes a uma
faixa etária apropriada, devem também ser indagadas, em cada visita, sobre a possibilidade
de estarem grávidas.
Um breve histórico familiar pode ser útil e deve considerar doenças hereditárias relevantes
como hemofilia (Quadro 1-3). O histórico médico deve ser atualizado regularmente. Muitos
cirurgiões-dentistas pedem para seus assistentes perguntarem a cada paciente nas
consultas se houve alguma mudança na saúde desde a última visita odontológica. O
cirurgião-dentista é alertado se alguma mudança ocorreu e as tem anotadas no prontuário.
Quadro 1-3 Condições Comuns de Saúde para Perguntar
Verbalmente ou em Questionário de Saúde
• Alergias a antibióticos ou anestésicos locais
• Amamentação
• Angina
• Asma
• Diabetes
• Distúrbio convulsivo
• Distúrbios hemorrágicos
• Doença no pulmão
• Doença renal
• Doença reumática do coração
• Doenças sexualmente transmissíveis
• Gravidez
• Hepatite
• Hipertensão
• Infarto do miocárdio (p. ex., ataque cardíaco)

Recomendado para você

traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf

O documento discute traumatismos buco-dento-alveolares, fornecendo detalhes sobre a dinâmica dos traumas, a importância do histórico clínico e exame, classificação e tratamento das lesões. As principais lesões discutidas incluem fraturas dentais, deslocamentos dentários, avulsão dental, fraturas do processo alveolar e lesões nos tecidos moles. O documento enfatiza a necessidade de tratamento imediato para obter o melhor prognóstico.

traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf

O documento discute traumatismos buco-dento-alveolares, fornecendo detalhes sobre a dinâmica dos traumas, a importância do histórico clínico e exame, classificação e tratamento das lesões. As principais lesões discutidas incluem fraturas dentais, deslocamentos dentários, avulsão dental e fraturas do processo alveolar, com ênfase no tratamento imediato e contenção.

E-Books 08 - Revolução do Cuidar
E-Books 08 - Revolução do CuidarE-Books 08 - Revolução do Cuidar
E-Books 08 - Revolução do Cuidar

Este documento descreve um estudo que traçou Diagnósticos de Enfermagem (DEs), metas e Prescrições de Enfermagem (PEs) para pacientes ortopédicos em um hospital no Rio de Janeiro. Os autores selecionaram cinco DEs comuns em ortopedia, incluindo conhecimento deficiente, mobilidade física prejudicada, risco de infecção e risco de quedas. Para cada DE, eles definirão metas mensuráveis e PEs correlatas para inserção no sistema eletrônico, com o objet

• Osteoporose
• Próteses implantadas
• Sopro no coração
• Tuberculose
• Uso de anticoagulantes
• Uso de corticosteroide
Revisão dos Sistemas
Arevisão médica dos sistemas é um método sequencial e detalhado de conferir os sintomas
do paciente órgão por órgão. Arevisão dos sistemas pode revelar condições de saúde que
não foram diagnosticadas. Essa revisão pode ser ampla, quando realizada por um médico
que tenha um paciente com problemas médicos complicados. No entanto, a revisão dos
sistemas conduzida pelo cirurgião-dentista antes da cirurgia bucal deve ser guiada por
respostas pertinentes obtidas por meio do histórico. Por exemplo, a revisão do sistema
cardiovascular em um paciente com histórico de doença isquêmica do coração inclui
perguntas sobre desconforto no peito (durante esforço, refeições ou momento de descanso),
palpitações desmaios e inchaço do tornozelo. Tais perguntas ajudam o cirurgião-dentista a
decidir se realizará a cirurgia ou mudará os métodos cirúrgicos e anestésicos. Se
controladores de ansiedade estiverem nos planos e forem adicionados, como sedação
intravenosa ou inalatória, os sistemas cardiovascular, respiratório e nervoso devem ser
sempre checados. Isso pode revelar problemas que não foram diagnosticados anteriormente
que podem prejudicar o sucesso de uma sedação. No papel de um especialista da saúde
bucal, espera-se que o dentista realize uma rápida checagem da cabeça, das orelhas, dos
olhos, do nariz, da boca e da garganta em cada paciente, independentemente de quais
sistemas foram revisados. Itens que devem ser verificados são definidos no Quadro 1-4.
Quadro 1-4 Revisão de Rotina das Regiões da Cabeça, do
Pescoço e Maxilofacial
• Geral: Febre, calafrios, sudorese, perda de peso, fadiga, mal-estar, perda de apetite
• Cabeça: Dor de cabeça, tontura, desmaio, insônia
• Ouvidos: Diminuição da audição, tinido (zumbido), dor
• Olhos: visão turva, visão dobrada, excesso de lágrimas, secura, dor
• Nariz e seios paranasais: rinorreia, epistaxe, problemas em respirar pelo nariz, dor,
mudança em sentir cheiro
• Área da articulação temporomandibular: Dor, ruído, limitação nos movimentos mandibulares,
travamento
• Bucal: Dor nos dentes ou sensitividade, irritação nos lábios ou na mucosa, problemas em
mastigar, problemas em falar, mau hálito, obturações soltas, irritação na garganta, ronco
alto
• Pescoço: Dificuldade em engolir, mudanças na voz, dor, rigidez
Anecessidade de checar sistemas orgânicos, além dos da região maxilofacial, depende
das circunstâncias clínicas. Os sistemas cardiovascular e respiratório geralmente requerem
avaliação antes da cirurgia oral ou da sedação (Quadro 1-5).
Quadro 1-5 Revisão dos Sistemas Cardiovascular e
Respiratório
Revisão Cardiovascular
Desconforto no peito em momentos de esforço, de repouso ou quando come; palpitações;
desmaios; edema no tornozelo; falta de ar (dispneia) durante esforço; dispneia quando se
está em posição supina (ortopneia ou dispneia paroxística noturna); hipotensão postural;
fadiga; cãibra no músculo da perna
Revisão Respiratória
Dispneia durante esforço, sibilo, tosse, produção excessiva de escarro; tosse com sangue
(hemoptise)
Exame físico
O exame físico do paciente odontológico observa atentamente a cavidade oral e, em menor
intensidade, toda região maxilofacial. Anotar os resultados do exame físico deve ser um
exercício de descrição precisa em vez de uma lista de suspeitas diagnósticas. Por exemplo,
o médico pode achar uma lesão da mucosa dentro do lábio inferior que possui 5 mm de
diâmetro, é saliente e consistente e que não dói quando palpada. Essas constatações físicas
devem ser anotadas de uma maneira descritiva similar; o cirurgião-dentista não deve ir direto
ao diagnóstico e só registrá-la como “fibroma no lábio inferior”.
Qualquer exame físico deve começar com a medição dos sinais vitais. Isto serve como um
dispositivo para detectar problemas médicos que não foram previstos e como uma base para
medições futuras. As técnicas de medição de pressão arterial e pulsação estão ilustradas nas
Figuras 1-2 e 1-3.
FIGURA1-2 A, Medição da pressão arterial sistêmica. Uma bolsa
inflável de tamanho apropriado é colocada ao redor da parte de cima
do braço para que a parte de baixo da bolsa fique de 2 a 4 cm acima
da fossa antecubital. Aartéria braquial é palpada na fossa e o
diafragma do estetoscópio é colocado acima da artéria e mantido no
lugar pelos dedos da mão esquerda. O bulbo se mantém na palma
da mão direita e a válvula é atarraxada próxima ao polegar e ao dedo
indicador da mesma mão. O bulbo é apertado repetidamente até
indicar aproximadamente 220 mmHg. O ar é possibilitado de escapar
lentamente da bolsa inflável, se a válvula for parcialmente aberta
enquanto o cirurgião-dentista ouve através do estetoscópio. Aleitura
do manômetro no momento em que é ouvido um som de um leve
sopro é a pressão arterial sistólica. Já a leitura do manômetro quando
o som da artéria desaparece é a pressão diastólica. Uma vez obtida
a leitura da pressão diastólica, a válvula é aberta para desinsuflar a
bolsa completamente. B, Apulsação e o ritmo são normalmente
avaliados usando as pontas dos dedos médio e indicador da mão
direita para palpar a artéria radial no pulso. Quando o ritmo for
determinado como regular, o número de pulsações que ocorrerem
durante 30 segundos é multiplicado por 2 para obtermos o número
de pulsos por minuto. Se uma pulsação fraca ou um ritmo irregular é
descoberto durante a palpação do pulso radial, o coração deve ser
auscultado diretamente para determinar frequência cardíaca e ritmo.
FIGURA1-3 Esfigmomanômetros de vários tamanhos para
pacientes com braços de diferentes diâmetros (variando entre
crianças e pacientes adultos obesos). O uso de uma bolsa inflável
imprópria pode prejudicar a exatidão dos resultados da pressão
arterial. Uma bolsa inflável muito pequena pode causar uma leitura
incorreta e indicar pressão alta e uma bolsa muito larga leva a leituras
enganosas de pressão baixa. Os esfigmomanômetros normalmente
são classificados de acordo com o tipo e o tamanho do paciente para
quem foram confeccionados.
Aavaliação física de várias partes do corpo geralmente envolve um ou mais dos seguintes
meios primários de avaliação: (1) inspeção, (2) palpação, (3) percussão e (4) auscultação.
Nas regiões oral e maxilofacial, a inspeção deve ser sempre realizada. O médico deve notar
a distribuição dos pelos e sua textura, a simetria facial e a proporção, os movimentos oculares
e a cor da conjuntiva, a permeabilidade nasal em cada lado, a presença ou a ausência de
lesões cutâneas ou descoloração e as massas na face e pescoço. Uma inspeção minuciosa
da cavidade oral é necessária, incluindo a orofaringe, a língua, o assoalho da boca e a
mucosa oral (Fig. 1-4).

Recomendado para você

interdisciplinaridade em odontologia.pptx
interdisciplinaridade em odontologia.pptxinterdisciplinaridade em odontologia.pptx
interdisciplinaridade em odontologia.pptx

Com certeza a atuação dos profissionais da saúde é essencial para a qualidade de vida da população. Assim, a especialização e o estudo são muito importantes. Mas como deve ser a interdisciplinaridade entre essas diversas áreas? A verdade é que a interdisciplinaridade, quando realizada da forma correta, pode fazer extrema diferença no atendimento ao paciente. A interdisciplinaridade ocorre quando profissionais da mais distintas áreas da saúde se unem, atuando em conjunto para proporcionar o bem-estar do paciente, em todos os sentidos. Como deve funcionar a interdisciplinaridade? O ideal é que não existam pré julgamentos nessa modalidade. Os profissionais devem sempre manter um contato direto, para avaliar qual a melhor conduta a ser tomada em cada caso distinto. É interessante dizer que deve haver muito respeito entre as áreas. Mas cada profissional deve opinar apenas em assuntos relacionados a sua atuação. Assim, ele intervém de acordo com o seu conhecimento e prestação de serviço. Toda e qualquer informação que venha a acrescentar, complementar ou informar algo que possa alterar os parâmetros da situação, deve ser trocada entre a equipe interdisciplinar. Assim é possível garantir o sucesso dos procedimentos. Também são minimizados os riscos de alguma atividade que possa causar determinado quadro de patologia no paciente. Além disso, é fundamental dizer que muitas anomalias não possuem uma causa unifatorial. Logo, o trabalho interdisciplinar é bastante importante para a saúde da população em geral. Interdisciplinaridade na odontologia Já conversamos sobre interdisciplinaridade de uma maneira geral. Agora iremos falar um pouco sobre a interdisciplinaridade na odontologia. No meio odontológico essa modalidade é fundamental especialmente quando falamos de motricidade orofacial. Motricidade orofacial é uma área da fonoaudiologia que visa a promoção e a manutenção da saúde das estruturas bucais e faciais. Essas estruturas são a Fonte: Simpatio em <a href="https://simpatio.com.br/interdisciplinaridade/">Interdisciplinaridade é Indispensável na Odontologia</a> Além da promoção e manutenção, essa área da fonoaudiologia também atua nos processos de diagnóstico e tratamentos de problemas que afetem o sistema estomatognático. Assim, unir profissionais da área odontológica com especialistas em motricidade orofacial pode ser o primeiro passo de um tratamento adequado. O que mostra a importância da odontologia interdisciplinar. Observando esses fatos, também é possível observar que a odontologia e fonoaudiologia possuem uma forte ligação entre si. Sabendo disso, quando algum problema odontológico possui relação com a fonoaudiologia, o dentista deverá encaminhar seu paciente para essa área da saúde. Em procedimentos cirúrgicos odontológicos que necessitam de anestesia geral, a interdisciplinaridade também tem seu valor. I

#odontologia #pneinterdisciplinaridadepacientes especiais
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptxCópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx

O documento discute anestesia para cirurgias bucomaxilofaciais e odontológicas. Aborda os tipos de procedimentos, avaliação pré-anestésica, técnicas anestésicas, intubação, monitorização, sangramento e cuidados pós-operatórios. O foco é fornecer anestesia segura de acordo com o porte cirúrgico, condições do paciente e características de cada procedimento.

anestesia bucomaxilofacial
Apostila de estágio v
Apostila de estágio vApostila de estágio v
Apostila de estágio v

O documento descreve os princípios e técnicas da cirurgia exodôntica complicada e da cirurgia parendodôntica. Detalha os diferentes tipos de retalhos cirúrgicos, possíveis acidentes e complicações, e indicações para a cirurgia parendodôntica.

periodontiaprotese totalprotese fixa
FIGURA1-4 A, Amucosa do lábio é examinada pela eversão dos
lábios superior e inferior. B, Alíngua é examinada com o paciente
projetando-a. O examinador, então, segura a língua com uma gaze e
gentilmente a movimenta para examinar as bordas laterais. O
paciente também é solicitado a levantar a língua para permitir a
visualização da superfície ventral e o assoalho da boca. C, Aglândula
submandibular é examinada pela palpação bimanual sentindo a
glândula através do assoalho da boca e da pele abaixo do assoalho
da boca.
Apalpação é importante quando examinamos o funcionamento da articulação
temporomandibular (ATM); o tamanho da glândula salivar e seu funcionamento; o tamanho
da glândula tireoide; a presença ou a ausência de linfonodos aumentados e sensíveis e o
endurecimento dos tecidos moles da cavidade oral, assim como para determinar a dor ou a
presença de flutuações nas áreas inchadas.
Os médicos geralmente usam a percussão durante o exame torácico e abdominal e os
cirurgiões-dentistas podem usá-la para testar os dentes e os seios paranasais. O cirurgião-
dentista usa a auscultação primeiramente para a avaliação da ATM, mas esta também é
usada em avaliações dos sistemas cardíaco, pulmonar e gastrointestinal (Quadro 1-6). Um
breve exame maxilofacial que todos os cirurgiões-dentistas devem ser capazes de realizar
está descrito no Quadro 1-7.
Quadro 1-6 Exame Físico antes de Cirurgia Bucal e
Maxilofacial
Inspeção
• Cabeça e rosto: Forma geral, simetria, distribuição de cabelo
• Ouvido: Reação normal a sons (examinar com otoscópio, se indicado)
• Olho: Simetria, tamanho, reatividade das pupilas, cor da esclera e da conjuntiva, movimento,
teste de visão
• Nariz: Septo, mucosa, permeabilidade
• Boca: Dentes, mucosa, faringe, lábios, tonsilas
• Pescoço: Tamanho da glândula tireoide, distensão venosa jugular
Palpação
• Articulação temporomandibular: Crepitação, sensibilidade
• Paranasal: Dor nos seios paranasais
• Boca: Glândulas salivares, assoalho da boca, lábios, músculos da mastigação
• Pescoço: Tamanho da glândula tireoide, linfonodos
Percussão
• Paranasal: Ressonância nos seios paranasais (dificuldade em avaliar)
• Boca: Dentes
Auscultação
• Articulação temporomandibular: Cliques, crepitação
• Pescoço: Sons da carótida
Quadro 1-7 Breve Exame Maxilofacial
Enquanto entrevista o paciente, o cirurgião-dentista deve examinar visualmente a forma
geral e a simetria da cabeça e do esqueleto facial, o movimento dos olhos, a cor da esclera
e da conjuntiva e a habilidade de audição. O clínico deve escutar problemas na fala, sons da
articulação temporomandibular e habilidade de respiração.
Exame de Rotina
Região da Articulação Temporomandibular
• Palpar e auscultar as articulações.
• Medir a variação de movimento da mandíbula e o padrão de abertura.
Região Nasal e Paranasal
• Fechar cada narina, individualmente, para checar patência.
• Inspecionar mucosa nasal anterior.
Boca
• Retirar todas as próteses removíveis.
• Inspecionar a cavidade oral em busca de lesões nas mucosas dental, bucal e da faringe.
Olhar as tonsilas e a úvula.
• Segurar a língua fora da boca com uma gaze seca enquanto as bordas laterais são
inspecionadas.
• Palpar a língua, os lábios, o assoalho da boca e as glândulas salivares (checar a saliva).
• Palpar o pescoço para checar o tamanho dos linfonodos e da glândula tireoide. Inspecionar
as veias jugulares.
Os resultados da avaliação médica são usados para atribuir uma classificação ao estado
físico. Existem alguns sistemas de classificação, mas, geralmente, o mais usado é o sistema
classificatório da American Society ofAnesthesiologists (ASA) (Quadro 1-8).
Quadro 1-8 American Society of Anesthesiologists (ASA)
Classificação do Estado Físico
ASAI: Paciente normal, saudável
ASAII: Paciente com doença sistêmica leve ou com um significante risco de saúde
ASAIII: Paciente com doença sistêmica grave que não é incapacitante
ASAIV: Paciente com doença sistêmica grave que oferece risco de vida constante
ASAV: Paciente moribundo que provavelmente não sobreviverá sem a operação
ASAVI: Paciente com morte cerebral declarada que está passando por remoção de órgãos
para doá-los
Uma vez determinado o uso da classificação ASAde estado físico, o cirurgião-dentista
pode decidir se o tratamento requerido pode ser realizado no consultório odontológico de
modo seguro e habitual. Se o paciente não for ASAIou um ASAIIrelativamente saudável, o
profissional possui as quatro opções seguintes: (1) Modificar os planos habituais do
tratamento com medidas de redução de ansiedade, técnicas farmacológicas de controle de
ansiedade, monitoramento mais cuidadoso do paciente durante o procedimento ou a
combinação desses métodos (é o que normalmente é necessário para ASAgrau II); (2) obter
consulta médica para orientação em preparar pacientes para passar por cirurgias bucais
ambulatoriais (por exemplo, não reclinar totalmente um paciente com insuficiência cardíaca
congestiva); (3) se recusar a tratar o paciente em ambiente ambulatorial; ou (4) encaminhar o
paciente para um cirurgião bucomaxilofacial. Modificações no sistema ASAfeitas para tornar a
classificação mais específica para a odontologia estão disponíveis, mas ainda não são muito
usadas entre os profissionais da saúde.
Tratamento de pacientes com condições médicas
comprometidas
Pacientes com complicações médicas às vezes precisam de modificações em seus
cuidados pré-operatórios quando uma cirurgia bucal é planejada. Esta seção discute
algumas considerações para as principais categorias de problemas de saúde.
Problemas Cardiovasculares
Cardiopatia isquêmica
Angina pectoris
O estreitamento das artérias do miocárdio é um dos problemas de saúde mais comuns que
os cirurgiões-dentistas encontram. Esta complicação ocorre principalmente em homens com
mais de 40 anos e também é predominante em mulheres na pós-menopausa. O processo
básico da doença é um estreitamento progressivo ou espasmo (ou ambos) de uma ou mais
artérias coronárias. Isso leva a um descompasso entre a demanda miocárdica de oxigênio e
a habilidade das artérias coronárias de abastecer o sangue arterial (que carrega oxigênio). A
demanda de oxigênio do miocárdio pode ser aumentada, por exemplo, pelo esforço ou pela
ansiedade. Aangina é um sintoma de cardiopatia isquêmica produzida quando o
abastecimento de sangue do miocárdio não é suficientemente aumentado para alcançar as
altas exigências de oxigênio que resultam de uma doença arterial coronária. O miocárdio se
torna isquêmico, produzindo pressão alta e sensação de aperto na região subesternal que
pode se propagar ao ombro e braço esquerdo e até à região mandibular. O paciente pode
reclamar de uma intensa sensação de dificuldade de respirar adequadamente.* A
estimulação da atividade vagal normalmente ocorre com náuseas, sudorese e bradicardia
resultantes do processo. O desconforto geralmente desaparece uma vez que as exigências
de trabalho do miocárdio são reduzidas e o abastecimento de oxigênio para o músculo
cardíaco é aumentado.
O cuidado de um profissional diante de um paciente com histórico de angina deve ser usar
todas as medidas preventivas disponíveis, reduzindo, desta forma, a possibilidade de que o
procedimento cirúrgico precipite um episódio de angina. As medidas preventivas começam
com a obtenção de um cauteloso histórico da angina do paciente. O mesmo deve ser
questionado sobre os acontecimentos que tendem a desencadear a angina; a frequência, a
duração e a gravidade da angina; e a resposta a medicamentos ou à diminuição das
atividades. O médico do paciente pode ser consultado sobre o estado cardíaco do paciente.
Se a angina do paciente surge somente durante um esforço de vigor mediano e responde
imediatamente ao descanso e à administração oral de nitroglicerina e se não ocorreu um
agravamento recente, os procedimentos de cirurgia bucal ambulatorial são normalmente
seguros quando realizados com as precauções apropriadas.
No entanto, se os episódios de angina ocorrem com mínimos esforços, se várias doses de
nitroglicerina são necessárias para aliviar o desconforto no peito ou se o paciente tem angina
instável (p. ex., angina presente em estado de repouso ou piora da frequência, da gravidade,
da facilidade de desencadeamento, da duração do ataque ou da previsibilidade da resposta
à medicação), a cirurgia programada deve ser postergada até uma consulta médica ser
realizada. Uma alternativa é o encaminhamento do paciente para um cirurgião
bucomaxilofacial, se uma cirurgia de emergência for necessária.
Uma vez decidido que a cirurgia bucal ambulatorial programada pode ser realizada de
modo seguro, o paciente com histórico de angina deve ser preparado para a cirurgia e sua
demanda de oxigênio do miocárdio deve ser reduzida ou impedida de aumentar. O aumento
da demanda de oxigênio durante a cirurgia bucal ambulatorial é resultado, principalmente, da
ansiedade do paciente. Um protocolo de redução de ansiedade deve, portanto, ser usado
(Quadro 1-9). Anestesia local profunda é o melhor meio de limitar a ansiedade do paciente.
Embora existam algumas controvérsias sobre o uso de anestésicos locais contendo
epinefrina em pacientes com angina, os benefícios (p. ex., anestesia prolongada e
acentuada) compensam os riscos. No entanto, se deve tomar cuidado para evitar
administração excessiva de epinefrina por meio do uso de técnicas de injeção apropriadas.
Alguns médicos também aconselham não dar mais que 4 mL de uma solução anestésica
local com uma concentração de epinefrina de 1:100.000 em uma dose total para adultos de
0,04 mg em cada período de 30 minutos.

Recomendado para você

dentes retidos.pdf
 dentes retidos.pdf dentes retidos.pdf
dentes retidos.pdf

dentes retidos aula ewmkenlk c. cc c cc cckcnlwnlcklkcnlkcnclknclkcnlcnlwnlknlncw'q'kncq'klndnclknq'lqnkkld'qndlknçqlndc'qknccqkncc'knc'lcqnçq'qçknc'ndkdknldd'ln'dqlnkdc'klnc'lcknc'lkndq'kndslkkd lcd k ck ck kdwlknww;nke;leme;me;nddknkwledmed,o,ans k ccncneinciendmodmomflmflmflffeniwonenlanalkbjasbsuj xuxu eus eulnwslalmspojwioqeyqueuieebxx x xbxbxxjbxkxbxkbakbkabsksbsbsjbjxbsjbxjjxbjsxbxjsbxjxjxbxjsbsjxbssjssjsjjsjsjsjjsjsjsjjsjjsjsjsjsjsjjsjsjjsjsjsjsjsjsjjsjsjsjsjalalllalalallalallalalalalalallalalalalallalalallalalallalalalalalalallalalalalalallalalalalalalallalallalalallalalllalllalalalededdpdepepeppdeppdpepepeppdpdpdpdpdpdppepeppdepeppddepedpdpdeppdpdppdeepdpdpeppddpdppdedpppdeppddpepdpddppdeedpeppdpdpdpedppddpepdpepdpdpdpdpdpdpeppdpdpedpdpdppdpeppdedpedddeeddedekkekekekekkkellellellelelelelellelelellelelellelleellelllkakakakakakkakakkakakakakkakakakkakakakakakakkkkakakkakakkakkakkakakakakkaakkakkakkkakkakakakakkkakakakkakakkakakakakkakakkakakkkakkakkkakakkakakkakakkkakakakakkakakakakakkkakakakkakakakakkkakkakqpqpqqpqpppqpppqpqpqpqpppqpq

#odontologia
Microorganismos SITUAÇÃO PROBLEMA CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO.pptx
Microorganismos SITUAÇÃO PROBLEMA CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO.pptxMicroorganismos SITUAÇÃO PROBLEMA CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO.pptx
Microorganismos SITUAÇÃO PROBLEMA CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO.pptx

SITUAÇÃO PROBLEMA CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO

Art graduação
Art graduaçãoArt graduação
Art graduação

O documento discute a técnica de Tratamento Restaurador Atraumático (ART), desde seus primórdios até aplicações atuais. ART é uma técnica conservadora para remoção de dentina infectada sem anestesia. Foi desenvolvida para populações carentes, mas também é usada em consultórios. O sucesso depende da remoção correta da dentina infectada e do uso de material restaurador com flúor, como cimento de ionômero de vidro.

Quadro 1-9 Protocolo Geral de Redução de Ansiedade
Antes da Cirurgia
• Agente hipnótico para estimular o sono na noite anterior à cirurgia (opcional)
• Agente sedativo para diminuir a ansiedade na manhã da cirurgia (opcional)
• Consulta matinal agendada para reduzir o tempo na sala de recepção
Durante a Cirurgia
Meios não Farmacológicos de Controle de Ansiedade
• Tranquilização verbal frequente
• Conversa para distrair o paciente
• Sem surpresas (o médico avisa o paciente antes de fazer qualquer coisa que possa causar
ansiedade)
• Sem barulhos desnecessários
• Instrumentos cirúrgicos longe do campo de visão do paciente
• Música de fundo relaxante
Meios Farmacológicos de Controle de Ansiedade
• Anestésicos locais de duração e intensidade suficientes
• Óxido nitroso
• Ansiolíticos intravenosos
Após a Cirurgia
• Instruções breves para cuidados no pós-operatório
• Informar o paciente sobre sequelas pós-cirúrgicas que são esperadas (p. ex., inchaço ou
leve gotejamento de sangue)
• Tranquilização adicional
• Analgésicos eficazes
• Informar quem o paciente pode contatar se qualquer problema aparecer
• Telefonar para a casa do paciente durante a noite após a cirurgia para conferir se há algum
problema
Antes e durante a cirurgia, os sinais vitais devem ser monitorados periodicamente. Além
disso, deve ser mantido contato verbal regular com o paciente. O uso de óxido nitroso ou
outros métodos de sedação consciente para controle de ansiedade em pacientes com
cardiopatia isquêmica devem ser considerados. Nitroglicerina pura deve estar por perto para
uso, quando necessário (Quadro 1-10).
Quadro 1-10 Tratamento de Pacientes com Histórico de Angina
de Peito
1. Consultar o médico do paciente.
2. Usar um protocolo de redução de ansiedade.
3. Ter tabletes ou sprays de nitroglicerina prontamente disponíveis. Usar pré-medicação com
nitroglicerina, se indicado.
4. Garantir anestesia local profunda antes de começar a cirurgia.
5. Considerar o uso de sedação com óxido nitroso.
6. Monitorar os sinais vitais atentamente.
7. Considerar uma possível limitação da quantidade de epinefrina usada (máximo de 0,04
mg).
8. Manter contato verbal com o paciente durante o procedimento para monitorar seu estado.
Aintrodução de cateteres com balão nas pontas em artérias coronárias estreitas com o
propósito de reestabelecer o fluxo sanguíneo adequado e o uso de stents para manter as
artérias abertas está se tornando corriqueiro. Se a angioplastia foi bem- sucedida (baseada
em testes de estresse cardíaco), a cirurgia bucal pode proceder em seguida, com as
mesmas precauções que devem ser tomadas em pacientes com angina.
Infarto agudo do miocárdio
O IAM ocorre quando a isquemia (resultante de um descompasso entre a demanda de
oxigênio e seu abastecimento) causa disfunção celular miocárdica e morte. O infarto agudo
do miocárdio normalmente acontece quando uma área estreita de uma artéria coronária
possui um coágulo que bloqueia todo ou a maior parte do fluxo sanguíneo. Aárea infartada
do miocárdio para de funcionar e, por fim, se torna necrótica e cercada, geralmente, por uma
área de isquemia miocárdica reversível que é propensa a servir como um nicho para
disritmias. Durante as primeiras horas e semanas após um IAM, se um tratamento trombolítico
foi tentado e malsucedido, a continuação do tratamento consiste em limitar as necessidades
de trabalho do miocárdio, aumentando o abastecimento de oxigênio miocárdico e suprimindo
a produção de disritmias por focos irritantes no tecido isquêmico. Além disso, se qualquer
caminho de condução primária estiver envolvido na área infartada, inserções de marca-
passo podem ser necessárias. Se o paciente sobreviver às primeiras semanas depois do
IAM, o tamanho da área necrótica variável está sendo gradualmente substituído por tecido de
cicatrização, que é incapaz de contrair ou conduzir adequadamente sinais elétricos.
O tratamento de um problema cirúrgico bucal em um paciente que tenha tido um IAM
começa com uma consulta ao seu médico. Geralmente, é recomendado que os principais
procedimentos cirúrgicos programados sejam adiados até pelo menos 6 meses após o
infarto. Este atraso é baseado em evidências estatísticas de que o risco de um novo infarto
após um IAM cai para o nível mais baixo possível por volta de 6 meses depois,
particularmente se o paciente é supervisionado por médicos adequadamente. O advento de
estratégias baseadas no tratamento trombolítico e a melhora dos cuidados para os pacientes
que sofreram IAM tornaram a espera de 6 meses para a realização do procedimento
odontológico desnecessária. Cirurgias bucais mais simples, tipicamente realizadas no
consultório dentário, podem ser concretizadas antes de 6 meses após o IAM, se for pouco
provável que o procedimento provoque uma ansiedade significativa e se o paciente teve uma
recuperação do IAM sem intercorrências. Além disso, outros procedimentos odontológicos
podem ser realizados, se o médico do paciente deixar isso claro em uma consulta.
Pacientes com um histórico de IAM devem ser cuidadosamente questionados sobre a
saúde cardiovascular. Uma tentativa de obter evidências de disritmias que não foram
diagnosticadas ou insuficiência cardíaca congestiva (ICC, cardiomiopatia hipertrófica) deve
ser feita. Pacientes que tiveram um IAM tomam Aspirina® e outros anticoagulantes para
diminuir a trombogênese coronária; detalhes sobre isso devem ser procurados, pois podem
afetar a tomada de decisões cirúrgicas.
Se já se passaram mais de 6 meses ou a liberação do médico foi obtida, a condução de
um paciente que teve um IAM é similar aos cuidados com um paciente com angina. Um
programa de redução de ansiedade deve ser usado. Oxigênio suplementar pode ser
considerado, mas é normalmente desnecessário. Aadministração de nitroglicerina profilática
deve ser feita somente se for dirigida pelo médico de cuidados primários do paciente, mas
deve haver nitroglicerina prontamente disponível. Autilização de anestésicos locais contendo
epinefrina é segura, se dados em quantidades adequadas usando uma técnica de
aspiração. Os sinais vitais devem ser monitorados durante o período transoperatório (Quadro
1-11).
Quadro 1-11 Condução de Paciente com Histórico de Infarto
do Miocárdio
1. Consultar o médico de cuidados primários do paciente.
2. Checar com o médico se será preciso tratamento odontológico invasivo antes de 6 meses,
desde o infarto do miocárdio (IM).
3. Checar se o paciente está usando anticoagulantes (incluindo Aspirina®).
4. Usar um protocolo de redução de ansiedade.
5. Ter nitroglicerina disponível; usá-la profilaticamente, se o médico aconselhar.
6. Administrar oxigênio suplementar (opcional).
7. Fornecer anestesia local profunda.
8. Considerar a administração de óxido nitroso.
9. Monitorar os sinais vitais e manter contato verbal com o paciente.
10. Considerar possível limitação no uso de epinefrina para 0,04 mg.
11. Considerar indicação a um cirurgião bucomaxilofacial.
Em geral, no que diz respeito aos principais cuidados cirúrgicos bucais, pacientes que
passaram por uma revascularização do miocárdio são tratados de uma maneira similar aos
pacientes que tiveram um IAM. Antes de uma grande cirurgia programada ser realizada, é
necessário esperar três meses. Se um grande procedimento cirúrgico é indispensável antes
dos três meses após a revascularização do miocárdio, o médico do paciente deve ser
consultado. Pacientes que realizaram revascularização do miocárdio geralmente possuem
um histórico de angina, IAM ou ambos e, por isso, devem ser cuidados como foi descrito
anteriormente. Procedimentos cirúrgicos habituais em consultórios odontológicos podem ser
realizados de modo seguro em pacientes com menos de seis meses após realizada a
cirurgia de revascularização do miocárdio, se suas recuperações forem descomplicadas e a
ansiedade for mantida em um nível mínimo.
Acidente vascular cerebral (derrame)
Pacientes que sofreram um acidente vascular cerebral (AVC) são sempre suscetíveis a mais
acidentes neurovasculares. Frequentemente, são prescritos anticoagulantes a esses
pacientes e, se forem hipertensos, eles também tomam remédios para abaixar a pressão. Se
um paciente desse tipo precisar de cirurgia, é desejável que o mesmo esteja liberado por seu
médico, assim como um adiamento até as tendências hipertensivas importantes estiverem
controladas. O estado neurológico básico do paciente deve ser avaliado e registrado no pré-
operatório. O paciente deve ser tratado por um protocolo de redução de ansiedade não
farmacológico e ter seus sinais vitais cuidadosamente monitorados durante a cirurgia. Se a
sedação farmacológica for necessária, baixas concentrações de óxido nitroso podem ser
utilizadas. Técnicas para a condução de pacientes que tomam anticoagulantes são
discutidas mais à frente neste capítulo.
Disritmias
Pacientes que são propensos ou sofrem de disritmias cardíacas geralmente possuem um
histórico de cardiopatia isquêmica que requer modificações no tratamento odontológico.
Muitos defendem que se deve limitar a administração de epinefrina à quantidade de 0,04 mg.
No entanto, além disso, esses pacientes podem estar tomando anticoagulantes ou ter um
marcapasso cardíaco permanente. Marca-passos não apresentam contraindicações à
cirurgia bucal e não há evidências que mostrem a necessidade de profilaxia antibiótica em
pacientes com marca-passos. Equipamentos elétricos como o eletrocautério e micro-ondas
não devem ser usados perto do paciente. Assim como em outros pacientes com a saúde
comprometida, os sinais vitais devem ser cuidadosamente monitorados.
Anomalias cardíacas que predispõem à endocardite infecciosa
Asuperfície interna cardíaca, ou endocárdio, pode ser predisposta a infecções quando
anomalias de sua superfície permitem que bactérias patológicas ataquem e se multipliquem.
Uma descrição completa desse processo e meios possíveis e recomendados de evitá-lo são
discutidos no Capítulo 15.
Insuficiência cardíaca congestiva (cardiomiopatia hipertrófica)
Ainsuficiência cardíaca congestiva ocorre quando um miocárdio fragilizado é incapaz de
fornecer o débito cardíaco exigido pelo corpo ou quando demandas excessivas
sobrecarregam um miocárdio normal. O coração começa a ter um maior volume diastólico
final, o que, em miocárdios normais, aumenta a contratilidade através do mecanismo de
Frank-Starling. No entanto, no momento futuro em que um miocárdio normal ou fragilizado
dilatar, o bombeamento se torna menos eficiente, levando o sangue aos leitos vasculares
pulmonar, hepático e mesentérico. Isso, eventualmente, conduz a edema pulmonar,
disfunção hepática e absorção intestinal comprometida de nutrientes. Aredução do débito
cardíaco causa fraqueza generalizada e a deficiência na eliminação renal que leva ao
excesso de fluido, o que causa a sobrecarga vascular.
Os sintomas de insuficiência cardíaca congestiva incluem ortopneia, dispneia paroxística
noturna e edema no tornozelo. Aortopneia é um transtorno respiratório que causa falta de ar
quando o paciente está posicionado em supino. Aortopneia geralmente é resultado de uma

Recomendado para você

Aor 30
Aor 30Aor 30
Aor 30

Este artigo científico avalia o conhecimento de 100 cirurgiões-dentistas em Lavras, MG sobre biossegurança na prática clínica. Os resultados mostraram que mais de 60% usam equipamentos de proteção individual rotineiramente, exceto gorros (40%). A maioria esteriliza instrumentos usando estufa (80%) ou autoclave (20%). Conclusões indicam que embora haja conscientização sobre medidas de prevenção de infecções cruzadas, ainda há falhas em proteção individual como uso de gorros, necessitando de mais treinamento em

Artigo hospital odontológico uma visão do futuro
Artigo hospital odontológico  uma visão do futuroArtigo hospital odontológico  uma visão do futuro
Artigo hospital odontológico uma visão do futuro

O documento discute a visão do futuro dos hospitais odontológicos no Brasil. Para ser considerado ideal, um hospital odontológico deve contar com alta tecnologia, equipe multidisciplinar e boa gestão para fornecer atendimento completo aos pacientes de forma integrada e em um único local.

Apostila para estud1
Apostila para estud1Apostila para estud1
Apostila para estud1

O documento apresenta informações sobre cirurgias ginecológicas, incluindo miomectomia, histerectomia e seus tipos. Também descreve cuidados pré e pós-operatórios e intervenções de enfermagem, além de detalhar diferentes tipos de curativos.

redistribuição do sangue agrupado na extremidade inferior quando o paciente assume a
posição supina (como quando dorme). Ahabilidade do coração de lidar com o aumento da
pré-carga cardíaca é oprimida e o sangue volta à circulação pulmonar, induzindo o edema
pulmonar. Pacientes com ortopneia normalmente dormem com a parte superior do corpo
apoiada em vários travesseiros.
Adispneia paroxística noturna é um sintoma de insuficiência cardíaca congestiva similar à
ortopneia. O paciente tem dificuldade respiratória uma ou duas horas depois de se deitar. O
distúrbio ocorre quando o sangue agrupado e o líquido intersticial reabsorvido pela
vasculatura das pernas são redistribuídos de modo centralizado, pressionando o coração e
produzindo edema pulmonar. Os pacientes acordam de repente pouco tempo depois de se
deitarem para dormir sentindo falta de ar e são obrigados a se sentarem para tentar
recuperar o fôlego.
O edema de extremidade inferior, que geralmente aparece como um inchaço do pé, do
tornozelo ou de ambos, é causado pelo aumento do líquido intersticial. Normalmente, o
líquido aumenta por causa de qualquer problema que eleve a pressão venosa ou reduza a
proteína sérica, permitindo que a quantidade aumentada de plasma continue nos tecidos dos
pés. O edema é detectado pressionando-se o dedo na área inchada por alguns segundos;
se uma reentrância é deixada no tecido mole depois que o dedo é removido, provavelmente
existe um edema no pé. Outros sintomas de insuficiência cardíaca congestiva incluem ganho
de peso e dispneia por esforço físico.
Pacientes com insuficiência cardíaca congestiva que estão sob cuidados de um médico,
normalmente estão seguindo dietas de baixo teor de sódio para reduzir a retenção de líquido
e recebendo diuréticos para diminuir o volume intravascular; glicosídeos cardíacos como
digoxina para melhorar a eficiência cardíaca; e, às vezes, após drogas que reduzem a carga
como nitratos, antagonistas beta-adrenérgicos ou antagonistas do canal de cálcio para
controlar a quantidade de trabalho que o coração precisa realizar. Além disso, são prescritos
anticoagulantes para pacientes com fibrilação atrial crônica causada pela cardiomiopatia
hipertrófica para prevenir a formação de trombose atrial.
Pacientes com insuficiência cardíaca congestiva que conseguem compensá-la por meio
de dietas e terapia medicamentosa podem passar por uma cirurgia bucal ambulatorial de
modo seguro. Um protocolo de redução de ansiedade e oxigênio suplementar também
ajuda. Pacientes com ortopneia não devem ser postos em posição supina durante qualquer
procedimento. Acirurgia para pacientes com cardiomiopatia hipertrófica que não consegue
ser muito bem controlada por medicamentos é melhor ser adiada até que seja possível
compensá-la ou os procedimentos possam ser realizados em ambiente hospitalar (Quadro
1-12).
Quadro 1-12 Condução de Paciente com Insuficiência
Cardíaca Congestiva (Cardiomiopatia Hipertrófica)
1. Adiar o tratamento até que o funcionamento cardíaco seja melhorado com medicamentos e
o médico do paciente achar que é possível realizar o procedimento.
2. Usar um protocolo de redução de ansiedade.
3. Considerar possível administração de oxigênio suplementar.
4. Evitar o uso da posição supina.
5. Considerar indicação a um cirurgião bucomaxilofacial.
Problemas Pulmonares
Asma
Quando um paciente possui um histórico de asma, o cirurgião-dentista deve determinar
primeiramente, através de mais perguntas, se ele realmente tem asma ou outro problema
respiratório como a rinite alérgica que não é tão significante para tratamentos odontológicos. A
asma verdadeira envolve um episódio de estreitamento de pequenas vias aéreas inflamadas,
que produzem sibilos e dispneia como resultado de estimulações químicas, infecciosas,
imunológicas ou emocionais, ou a combinação de todas. Pacientes com asma devem ser
perguntados sobre fatores precipitantes, frequência e gravidade dos ataques, medicações
usadas e a resposta a essas medicações. Agravidade dos ataques pode, normalmente, ser
avaliada pela necessidade de visitas ao pronto-socorro e internações hospitalares. Esses
pacientes devem ser questionados especificamente sobre alergia à Aspirina® por causa da
relativa alta frequência de alergia generalizada a anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) em
pessoas com asma.
Médicos prescrevem medicamentos para pacientes com asma de acordo com a
frequência, a gravidade e as causas de suas doenças. Pacientes com asma severa
precisam de broncodilatadores derivados de xantina como teofilina e corticosteroides.
Cromoglicato pode ser usado para proteger contra ataques agudos, mas não é eficiente
quando o broncoespasmo ocorre. Muitos pacientes levam aminas simpaticomiméticas, assim
como epinefrina ou metaproterenol em aerossol que podem ser autoadministrados se o sibilo
surgir.
Acondução cirúrgica bucal de um paciente com asma envolve o reconhecimento do papel
da ansiedade na iniciação do broncoespasmo e do potencial de supressão adrenal em
pacientes recebendo terapia de corticosteroide. Cirurgias orais programadas devem ser
adiadas, se a infecção do trato respiratório ou sibilo estiverem presentes. Quando a cirurgia
estiver sendo realizada, um protocolo de redução de ansiedade deve ser seguido; se o
paciente tomar esteroides, o médico de cuidados primários do paciente pode ser consultado
sobre a possível necessidade de aumento de corticosteroide durante o período
transoperatório se um maior procedimento cirúrgico estiver planejado. É seguro prescrever
óxido nitroso para pessoas com asma e este é especialmente indicado para pacientes que
têm a asma provocada pela ansiedade. O próprio inalador do paciente deve estar disponível
durante a cirurgia e drogas como epinefrina injetável e teofilina devem ser mantidas no kitde
emergência. O uso de AINEs deve ser evitado porque eles geralmente precipitam ataques de
asma em indivíduos suscetíveis (Quadro 1-13).
Quadro 1-13 Condução de Paciente com Asma
1. Adiar o tratamento odontológico até que a asma esteja bem controlada e o paciente não
tenha mais nenhum sinal de infecção no trato respiratório.
2. Usar o estetoscópio para escutar o tórax com o intuito de detectar qualquer sibilo antes de
grandes procedimentos cirúrgicos ou sedação.
3. Usar um protocolo de redução de ansiedade, incluindo óxido nitroso, mas evitar o uso de
depressores respiratórios.
4. Consultar o médico do paciente sobre o possível uso de cromoglicato de sódio no pré-
operatório.
5. Se o paciente está ou já esteve tomando corticosteroides cronicamente, prover profilaxia
para insuficiência adrenal (p. 14).
6. Manter um inalador contendo broncodilatador prontamente acessível.
7. Evitar o uso de drogas anti-inflamatórias não esteroidais (AINEs) em pacientes susceptíveis.
Doença pulmonar obstrutiva crônica
Doenças pulmonares obstrutivas e restritivas são normalmente agrupadas e denominadas
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). No passado, os termos enfisema e bronquite
eram usados para descrever manifestações clínicas de DPOC, mas foi reconhecido que a
DPOC é um espectro de problemas pulmonares patológicos. ADPOC é normalmente
causada por longa exposição a irritantes pulmonares como fumaça de tabaco que acarreta a
metaplasia do tecido das vias aéreas pulmonares. As vias aéreas ficam inflamadas e
rompidas, perdem suas propriedades elásticas e se tornam obstruídas por causa de edema
da mucosa, secreções excessivas e broncoespasmo, produzindo as manifestações clínicas
de DPOC. Pacientes com DPOC frequentemente se tornam dispneicos de forma leve ou
moderada. Eles têm tosse crônica que produz grandes quantidades de secreções grossas,
infecções frequentes do trato respiratório e peitoral em forma de barril, e eles podem franzir os
lábios para respirar e ter sibilo audível durante a respiração.
Broncodilatadores como a teofilina são normalmente prescritos para pacientes com DPOC
significante; em casos mais graves, corticosteroides são dados aos pacientes. Só em casos
crônicos mais severos o oxigênio portátil suplementar é usado.
No tratamento odontológico de pacientes com DPOC que estão recebendo
corticosteroides, o cirurgião-dentista deve considerar o uso de suplementação adicional antes
de uma grande cirurgia. Sedativos, hipnóticos e narcóticos que desfavorecem a respiração
devem ser evitados. Os pacientes podem precisar ser mantidos sentados de forma reta na
cadeira odontológica para conseguirem lidar com suas secreções pulmonares normalmente
frequentes. Finalmente, oxigênio suplementar durante a cirurgia não deve ser usado em
pacientes com grave DPOC, a menos que o médico aconselhe. Ao contrário das pessoas
saudáveis em que o nível elevado de dióxido de carbono (CO2) arterial é o maior estímulo
para a respiração, o paciente com DPOC severa se torna adaptável a níveis elevados de
CO2 arterial e vem a depender inteiramente de níveis baixos de oxigênio arterial para
estimular a respiração. Se a concentração de O2 arterial é elevada pela administração de O2
em alta concentração, a estimulação respiratória baseada no efeito da hipóxia é removida e a
taxa respiratória do paciente pode ficar criticamente lenta (Quadro 1-14).
Quadro 1-14 Condução de Paciente com Doença Pulmonar
Obstrutiva Crônica
1. Adiar o tratamento até que o funcionamento pulmonar melhore e torne o tratamento
possível.
2. Escutar o tórax bilateralmente com estetoscópio para determinar a adequação dos sons
pulmonares.
3. Usar um protocolo de redução de ansiedade, mas evitar o uso de depressores
respiratórios.
4. Se o paciente precisar de suplementação crônica de oxigênio, mantenha a taxa de fluxo
prescrita. Se o paciente não necessitar de terapia de oxigênio suplementar, consulte o
médico do paciente antes de administrar oxigênio.
5. Se o paciente receber terapia de corticosteroide cronicamente, controle o paciente para
evitar insuficiência adrenal (p. 14).
6. Evite colocar o paciente em posição supina até que você esteja confiante de que o
paciente pode aguentar ficar na posição.
7. Mantenha um inalador contendo broncodilatador por perto.
8. Monitore constantemente as frequências respiratórias e cardíacas.
9. Agendar consultas vespertinas para permitir a remoção de secreções.
Problemas Renais
Insuficiência renal
Pacientes com insuficiência renal crônica necessitam de diálises renais periódicas.
Precisam de atenções especiais durante o tratamento cirúrgico bucal. O tratamento da diálise
crônica normalmente necessita da presença de um implante de tubo plástico arteriovenoso
(p. ex., uma grande junção criada cirurgicamente entre artéria e veia), que permite um fácil
acesso vascular e administração de heparina, deixando o sangue se mover através do
equipamento da diálise sem coagular. O cirurgião-dentista nunca deve usar o implante para
acesso venoso, exceto em emergências que põem a vida em risco.
É melhor realizar a cirurgia oral programada um dia após o tratamento por diálise. Isso
permite que a heparina usada durante a diálise desapareça e que o paciente esteja em seu
melhor estado psicológico em relação ao volume intravascular e ao subproduto metabólico.
Drogas que dependem do metabolismo renal ou excreção devem ser evitadas ou usadas
em doses modificadas para prevenir a toxicidade sistêmica. Drogas removidas durante a
diálise também vão precisar de regimes especiais de doses. Drogas relativamente
nefrotóxicas como AINEs devem também ser evitadas em pacientes com rins seriamente
comprometidos.
Por causa da alta incidência de hepatite em pacientes que passam por diálise renal, os
cirurgiões-dentistas devem tomar precauções necessárias. Aaparência alterada do osso
causada por hiperparatireoidismo em pacientes com insuficiência renal também deve ser
notada. Radioluscências metabólicas não devem ser confundidas com doenças
odontológicas (Quadro 1-15).
Quadro 1-15 Condução de Paciente com Insuficiência Renal e
Paciente Recebendo Hemodiálise

Recomendado para você

Joana_Câncer_bucal_tabagismo
Joana_Câncer_bucal_tabagismoJoana_Câncer_bucal_tabagismo
Joana_Câncer_bucal_tabagismo

O documento discute o câncer bucal, seu diagnóstico precoce e prevenção. Fatores de risco incluem tabaco, álcool e HPV. Lesões como manchas e nódulos devem ser avaliadas por profissionais de saúde, que podem encaminhar para tratamento como cirurgia e radioterapia.

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX

Posicionamento de incidências do ombro para RX

Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM

Electrolitos AMIR

electrolitos amir
1. Evitar o uso de drogas que dependem de metabolismo renal ou excreção. Modificar a
dose, se tais drogas forem necessárias. Não usar tubo atrioventricular para administrar
drogas ou para coletar amostras de sangue.
2. Evitar o uso de drogas nefrotóxicas como drogas anti-inflamatórias não esteroidais (AINEs).
3. Adiar o tratamento odontológico até o dia seguinte da realização da diálise.
4. Consultar o médico do paciente sobre o uso de antibióticos profiláticos.
5. Monitorar pressão arterial e taxa cardíaca.
6. Procurar por sinais de hiperparatireoidismo secundário.
7. Considerar triagem para o vírus da hepatite B antes do tratamento odontológico. Tomar as
precauções necessárias, se não for possível detectar a hepatite.
Transplante renal e transplante de outros órgãos
O paciente que requer cirurgia após transplante renal ou outro transplante de um órgão
importante está geralmente recebendo uma variedade de drogas para preservar a função do
tecido transplantado. Esses pacientes recebem corticosteroides e podem necessitar de
corticosteroides suplementares no período transoperatório (ver discussão sobre insuficiência
adrenal adiante neste capítulo).
Amaioria desses pacientes também recebe agentes imunossupressores que podem
causar o agravamento de infecções autolimitadas. Portanto, é necessário um uso mais
agressivo de antibióticos e hospitalização antecipada para o tratamento das infecções. O
médico de cuidados primários do paciente deve ser consultado sobre a necessidade de
antibióticos profilácticos.
Aciclosporina A, uma droga imunossupressora administrada depois do transplante de
órgão, pode causar hiperplasia gengival. O cirurgião-dentista que realiza a cirurgia bucal
deve saber disso para não cometer o erro de atribuir a hiperplasia gengival inteiramente a
problemas de higiene.
Pacientes que receberam transplantes renais ocasionalmente têm problemas com
hipertensão severa. Os sinais vitais devem ser obtidos imediatamente antes de a cirurgia
bucal ser realizada nesses pacientes (Quadro 1-16), ao menos que o paciente tenha sido
orientado a ver seu médico de cuidados primários.
Quadro 1-16 Condução de Paciente com Transplante Renal*
1. Adiar o tratamento até o médico de cuidados primários do paciente ou o cirurgião-dentista
que realizou o transplante liberar o paciente para o procedimento odontológico.
2. Evitar o uso de drogas nefrotóxicas.†
3. Considerar o uso de corticosteroides suplementares.
4. Monitorar a pressão arterial.
5. Considerar a triagem para o vírus da hepatite B antes do tratamento odontológico. Tomar as
precauções necessárias, se não for possível detectar a hepatite.
6. Ficar atento à presença de ciclosporina A– hiperplasia gengival induzida. Enfatizar a
importância da higiene oral.
7. Considerar o uso de antibióticos profiláticos, particularmente em pacientes que tomam
agentes imunossupressores.
*Amaioria dessas recomendações também pode ser aplicada a pacientes com outros
órgãos transplantados.
†Em pacientes com outros órgãos transplantados, o médico deve evitar o uso de drogas
tóxicas a tais órgãos.
Hipertensão
Apressão sanguínea que é cronicamente elevada por causa desconhecida é chamada de
hipertensão essencial. Ahipertensão leve ou moderada (p. ex., pressão sistólica < 200
mmHg ou pressão diastólica < 110 mmHg) não é normalmente um problema na realização
de um tratamento cirúrgico bucal ambulatorial.
O cuidado com pacientes com hipertensão pouco controlada inclui o uso de um protocolo
de redução de ansiedade e monitoramento de sinais vitais. Anestésicos locais contendo
epinefrina devem ser usados com cautela; após a cirurgia, os pacientes devem ser
aconselhados a procurar tratamento médico para hipertensão.
Acirurgia bucal programada para pacientes com hipertensão severa (por exemplo,
pressão sistólica de ≥ 200 mmHg ou pressão diastólica de ≥ 110 mm Hg) deve ser adiada
até a pressão estar mais bem controlada. Cirurgias bucais de emergência em pacientes
severamente hipertensos devem ser realizadas em um ambiente bem controlado ou em um
hospital para que o paciente possa ser monitorado com cuidado durante o procedimento e o
controle da pressão sanguínea aguda possa ser controlado (Quadro 1-17).
Quadro 1-17 Condução de Paciente com Hipertensão
Hipertensão Leve a Moderada (Sistólica > 140 mmHg; Diastólica > 90 mmHg)
1. Recomendar que o paciente procure orientação de seu médico de cuidados primários
para terapia médica da hipertensão. Não é necessário adiar o tratamento odontológico
requerido.
2. Monitorar a pressão arterial do paciente em cada visita e em qualquer momento em que
administração do anestésico local contendo epinefrina passar de 0,04 mg durante uma
única visita.
3. Usar um protocolo de redução de ansiedade.
4. Evitar mudanças de postura repentinas em pacientes que tomam drogas que causam
vasodilatação.
5. Evitar administração de soluções intravenosas contendo sódio.
Hipertensão Severa (Sistólica > 200 mmHg; Diastólica > 110 mmHg)
1. Evitar tratamento odontológico programado até a hipertensão estar mais bem controlada.
2. Considerar indicar o paciente a um cirurgião bucomaxilofacial, se o problema for de
emergência.
Disfunções Hepáticas
O paciente com danos severos no fígado resultantes de doença infecciosa, abuso de álcool,
ou congestão biliar ou vascular precisa de atenção especial antes da realização da cirurgia
bucal. Uma alteração de dose ou evitar drogas que necessitam de metabolismo hepático
pode ser necessário.
Aprodução de vitamina K – fatores de coagulação vitamina K-dependentes (II, VII, IX, X)
podem ser reduzidos em doenças hepáticas severas; portanto, obter uma Relação
Normalizada Internacional (INR, do inglês, international normalized ratio tempo de
protrombina [TP]) ou tempo de tromboplastina parcial (TTP) pode ser útil antes da cirurgia em
pacientes com doenças hepáticas mais severas. Ahipertensão portal causada por doença
hepática pode também acarretar em hiperesplenismo – uma captura de plaquetas que causa
trombocitopenia. Detectar um tempo de sangramento prolongado ou contagem baixa de
plaquetas revela esse problema. Paciente com disfunção renal severa pode precisar de
hospitalização para cirurgia odontológica, pois sua baixa habilidade de metabolizar nitrogênio
no sangue engolido pode causar encefalopatia. Finalmente, ao menos que esteja registrado
o contrário, se deve prever que um paciente com doença hepática de origem desconhecida
carrega o vírus da hepatite (Quadro 1-18).
Quadro 1-18 Condução de Paciente com Insuficiência Hepática
1. Tentar saber a causa do problema no fígado; se a causa for hepatite B, tomar precauções
habituais.
2. Evitar drogas que exigem metabolismo hepático ou excreção; se elas forem necessárias,
modifique a dose.
3. Fazer triagem de pacientes com doenças hepáticas severas para distúrbios hemorrágicos
usando testes para determinar a contagem de plaquetas, tempo de protrombina, tempo
parcial de protrombina e tempo de hemorragia.
4. Tentar evitar situações em que o paciente possa engolir grandes quantidades de sangue.
Disfunções Endócrinas
Diabetes melito
O diabetes melito é causado pela baixa produção de insulina, pela resistência dos
receptores de insulina em dar fim aos efeitos da insulina nos órgãos ou por ambos. O
diabetes é comumente dividido em diabetes dependente de insulina (tipo I) e diabetes não
dependente de insulina (tipo II). O diabetes tipo Igeralmente tem início durante a infância ou
adolescência. O maior problema desse tipo de diabetes é a baixa produção de insulina, que
resulta em uma inabilidade do paciente de usar a glicose apropriadamente. Aglicose sérica
ultrapassa o nível ideal em que acontece a reabsorção renal de toda a glicose, causando
glicosúria. O efeito osmótico do soluto glicose resulta em poliúria, estimulando a sede e
causando polidipsia (consumo frequente de líquido) no paciente. Além disso, o metabolismo
de carboidratos é alterado, levando à quebra de gordura e à produção de corpos cetônicos.
Isso pode causar cetoacidose e, consequentemente, taquipneia concomitante com
sonolência e eventual coma.
Pessoas com diabetes tipo Idevem estabelecer um balanço em relação à ingestão
calórica, a exercícios e à dose de insulina. Qualquer diminuição na ingestão calórica regular
ou aumento de atividade, de taxa metabólica ou de dose de insulina pode levar à
hipoglicemia, e vice-versa.
Pacientes com diabetes tipo IInormalmente produzem insulina, mas em quantidades
insuficientes por causa da baixa atividade da insulina, da resistência do receptor de insulina
ou ambos. Esse tipo de diabetes tipicamente tem início na fase adulta, é exacerbada pela
obesidade e, normalmente, não precisa de terapia com insulina. Essa forma de diabetes é
tratada por controle de peso, restrições alimentares e uso de hipoglicemiantes orais. A
insulina é necessária somente se o paciente for incapaz de manter níveis aceitáveis de
glicose sérica usando as medidas terapêuticas usuais. Ahiperglicemia severa em pacientes
com diabetes tipo IIraramente produz cetoacidose, mas leva ao estado hiperosmolar com
níveis alterados de consciência.
Hiperglicemia de curto prazo e de leve a moderada, normalmente, não é um problema
significante para pessoas com diabetes. Portanto, quando um procedimento cirúrgico bucal é
planejado, é melhor pecar por excesso de hiperglicemia do que de hipoglicemia; ou seja, é
melhor evitar doses de insulina excessivas e dar fonte de glicose. Procedimentos cirúrgicos
bucais ambulatoriais devem ser realizados no começo do dia, usando um programa de
redução de ansiedade. Se a sedação intravenosa não está sendo usada, o paciente deve
ser orientado a consumir uma refeição normal e a tomar a quantidade matinal usual de
insulina regular e metade da dose de insulina com protamina neutra de Hagedorn (NPH)
(Tabela 1-1). Os sinais vitais do paciente devem ser monitorados; se sinais de hipoglicemia –
hipotensão, fome, sonolência, náusea, sudorese, taquicardia ou mudança de humor –
ocorrerem, um suprimento oral ou intravenoso de glicose deve ser administrado. Idealmente,
consultórios possuem um glicosímetro eletrônico disponível com o qual o médico ou o
paciente podem rapidamente determinar a glicose sérica com uma gota de sangue do
paciente. Esse aparelho pode evitar a necessidade de guiar o paciente a uma hiperglicemia
leve. Se o paciente for incapaz de comer temporariamente após a cirurgia, qualquer insulina
de ação lenta (normalmente a NPH) geralmente ingerida de manhã deve ser eliminada e
retomada somente depois da ingestão calórica voltar ao normal. O paciente deve ser
aconselhado a monitorar de perto a glicose sérica pelas primeiras 24 horas do pós-
operatório e ajustar a insulina de acordo com os resultados da monitoração.

Recomendado para você

Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf

.

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf

curso para operador de plataforma

alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf
alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdfalimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf
alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf

maTERIAL SOBRE FIBROMIALGIA E ALIMENTAÇÃO

Tabela 1-1
Tipos de Insulina*
NPH, neutral protamine Hagedorn.
*As fontes de insulina são suínas — R, I; bovina — R, I, L; bovina e suína — R, I, L; e DNA
recombinante — R, I, L.
Se o paciente tiver que não realizar uma refeição antes do procedimento cirúrgico, ele
deve ser avisado a não tomar nenhuma insulina matinal e só retomar a insulina uma vez que
possa ser recebido um suprimento de calorias. Nesse momento, a insulina regular deve ser
usada, com a dose baseada no monitoramento da glicose sérica e nas orientações do
médico do paciente. Uma vez que o paciente tenha retomado os padrões normais de
alimentação e atividade física, o regime usual de insulina pode ser recomeçado.
Pessoas com a diabetes bem controlada não são mais suscetíveis a infecções do que
pessoas sem diabetes, mas elas possuem maior dificuldade em controlar essas infecções.
Isso é causado pela alteração da função leucocitária ou por outros fatores que afetam a
habilidade de controle de infecção do corpo. Adificuldade em conter infecções é mais
significativa em pessoas com diabetes mal controlada. Portanto, cirurgias bucais
programadas devem ser adiadas em pacientes com diabetes mal controlada até que esse
controle seja alcançado. Entretanto, se há uma situação de emergência ou uma infecção
bucal grave em qualquer pessoa com diabetes, deve-se considerar internação hospitalar
para permitir o controle agudo da hiperglicemia e o tratamento agressivo da infecção. Muitos
médicos também acreditam que antibióticos profiláticos devem ser dados diariamente a
pacientes com diabetes que passam por qualquer procedimento cirúrgico. No entanto, essa
crença é controversa (Quadro 1-19).
Quadro 1-19 Tratamento de Pacientes com Diabetes
Diabetes Dependente de Insulina (Tipo 1)
1. Adiar a cirurgia até o diabetes estar bem controlado; consultar o médico do paciente.
2. Agendar uma consulta de manhã cedo; evitar consultas demoradas.
3. Usar um protocolo de redução de ansiedade, mas evitar técnicas de sedação profunda em
pacientes atendidos de forma ambulatorial.
4. Monitorar pulsação, respiração e pressão arterial antes, durante e após a cirurgia.
5. Manter contato verbal com o paciente durante a cirurgia.
6. Se o paciente não puder comer ou beber antes da cirurgia bucal e tiver dificuldade em se
alimentar após o procedimento, aconselhe-o a não tomar a dose habitual de insulina
regular ou NPH; comece a administração intravenosa de 5%de dextrose em gotejamento
a 150 mL por hora.
7. Se permitido, deixe o paciente tomar um café da manhã normal antes da cirurgia e a tomar
a dose habitual de insulina regular, mas só metade da dose de insulina NPH.
8. Aconselhe os pacientes a não retomarem as doses de insulina normais até estarem aptos
a retornar ao nível habitual de ingestão de calorias e às atividades físicas.
9. Consulte o médico se qualquer dúvida sobre a modificação do regime de insulina surgir.
10. Fique atento (a) a sinais de hipoglicemia.
11. Tratar infecções de forma agressiva.
Diabetes não Dependente de Insulina (Tipo 2)
1. Adiar a cirurgia até a diabetes estar bem controlada.
2. Agendar uma consulta de manhã cedo; evitar consultas longas.
3. Usar um protocolo de redução de ansiedade.
4. Monitorar pulsação, respiração e pressão arterial antes, durante e após a cirurgia.
5. Manter contato verbal com o paciente durante a cirurgia.
6. Se o paciente não puder comer ou beber antes da cirurgia bucal e tiver dificuldade em se
alimentar após o procedimento, o aconselhe a pular qualquer medicação hipoglicêmica
oral no dia do tratamento.
7. Se o paciente puder comer antes e após a cirurgia, o aconselhe a tomar um café da
manhã normal e a tomar a dose habitual do agente hipoglicêmico.
8. Fique atento (a) a sinais de hipoglicemia.
9. Tratar infecções de forma agressiva.
NPH, neutral protamine Hagedorn.
Insuficiência Adrenal
Doenças do córtex adrenal podem causar insuficiência adrenal. Os sintomas primários de
insuficiência adrenal incluem fraqueza, perda de peso, fadiga e hiperpigmentação da pele e
das mucosas. Entretanto, a causa mais comum da insuficiência adrenal é a administração
terapêutica crônica de corticosteroides (insuficiência adrenal secundária). Frequentemente,
pacientes que tomam corticosteroides possuem rostos redondos, corcunda nas costas e pele
fina e translúcida. Suas inabilidades de aumentar os níveis de corticosteroides endógenos em
resposta ao estresse psicológico podem deixá-los hipotensos, com síncope, nauseados e
febris durante uma cirurgia complexa e prolongada.
Se o paciente com supressão adrenal primária ou secundária precisa de cirurgia bucal
complexa, o médico de cuidados primários deve ser consultado sobre a necessidade
potencial de esteroides suplementares. Em geral, procedimentos simples precisam somente
do uso de um protocolo de redução de ansiedade. Por conseguinte, esteroides
suplementares não são necessários para a maioria dos procedimentos odontológicos.
Entretanto, procedimentos mais complicados como cirurgias ortognáticas em pacientes com
supressão adrenal normalmente requerem suplementação de esteroides (Quadro 1-20).
Quadro 1-20 Condução de Paciente com Supressão Adrenal
que Requer Cirurgia Bucal Complexa*
Se o paciente estiver tomando corticosteroides no momento:
1. Usar um protocolo de redução de ansiedade.
2. Monitorar pulsação e pressão arterial antes, durante e após a cirurgia.
3. Aconselhar o paciente a dobrar a dose habitual no dia anterior, no dia e no dia após a
cirurgia.
4. No segundo dia pós-cirúrgico, aconselhar o paciente a retornar à dose habitual de
esteroides.
Se o paciente não estiver tomando esteroides no momento, mas já recebeu pelo menos
20 mg de hidrocortisona (cortisol ou equivalente) por mais de duas semanas durante o ano
anterior:
1. Usar um protocolo de redução de ansiedade.
2. Monitorar pulsação e pressão arterial antes, durante e após a cirurgia.
3. Aconselhar o paciente a tomar 60 mg de hidrocortisona (ou equivalente) no dia anterior e
na manhã da cirurgia (ou o cirurgião-dentista deve administrar 60 mg de hidrocortisona ou
equivalente de modo intramuscular ou intravenoso antes da cirurgia complexa).
4. Nos dois primeiros dias pós-cirúrgicos, a dose deve ser reduzida a 40 mg e diminuída a 20
mg três dias depois da redução anterior. O médico pode parar a administração de
esteroides suplementares seis dias após a cirurgia.
*Se um procedimento cirúrgico complexo está sendo planejado, o clínico deve realmente
considerar a hospitalização do paciente. O cirurgião-dentista deve consultar o médico
do paciente se qualquer dúvida surgir a respeito da necessidade ou da dosagem de
corticosteroides suplementares.
Hipertireoidismo
O problema da glândula tireoide de primeira significância em cirurgias bucais é a
tireotoxicose, pois ela é a única doença da tireoide em que crises agudas podem ocorrer. A
tireotoxicose é resultado do excesso de triiodotironina e tiroxina circulando, o que é causado
frequentemente pela doença de Graves, bócio multinodular ou adenoma da tireoide. As
primeiras manifestações da produção excessiva de hormônios da tireoide incluem cabelos
finos e quebradiços, hiperpigmentação da pele, sudorese excessiva, taquicardia, palpitações,
perda de peso e instabilidade emocional. Os pacientes, frequentemente, no entanto, não
invariavelmente, têm exoftalmia (abaulamento ou saliência do globo ocular causado por
aumentos de gordura na órbita). Se o hipertireoidismo não for logo descoberto, o paciente
pode sofrer insuficiência cardíaca. O diagnóstico é feito pela demonstração das altas
concentrações circulantes dos hormônios da tireoide, usando técnicas laboratoriais diretas ou
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024

Curso básico de suturas para enfermeiros

suturamini cursoenfermeiro
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...

### Procedimento Operacional Padrão para Recebimento e Atendimento de Pacientes pela Recepcionista #### Introdução A recepção é crucial na experiência do paciente em clínicas médicas e odontológicas. A recepcionista garante que os pacientes se sintam bem-vindos e atendidos adequadamente. Um Procedimento Operacional Padrão (POP) ajuda a sistematizar e otimizar essas práticas. #### 1. Preparação da Recepção Antes da abertura da clínica, a recepcionista deve garantir que a área de recepção esteja limpa, organizada e pronta para receber os pacientes. Isso inclui verificar materiais de escritório, equipamentos eletrônicos e a organização da área de espera. #### 2. Recepção dos Pacientes Os pacientes devem ser recebidos de maneira cordial e profissional. A recepcionista deve cumprimentar o paciente, verificar o agendamento no sistema e informar sobre o tempo estimado de espera. #### 3. Cadastro e Atualização de Informações Para novos pacientes, é necessário realizar o cadastro completo no sistema. Para pacientes recorrentes, as informações devem ser atualizadas. Isso inclui a coleta de documentos de identificação, informações de contato, dados pessoais e histórico médico e odontológico. #### 4. Preparação para a Consulta Antes de encaminhar o paciente ao consultório, a recepcionista deve confirmar com a equipe médica que o consultório está pronto, entregar formulários necessários e informar o paciente sobre qualquer instrução específica para a consulta. #### 5. Atendimento Telefônico A recepcionista deve atender chamadas com profissionalismo, identificando-se e ajudando o interlocutor. Ela deve anotar recados, agendar consultas e responder a perguntas sobre a clínica. #### 6. Gerenciamento de Conflitos Em caso de atrasos, cancelamentos ou insatisfações, a recepcionista deve ouvir atentamente as preocupações do paciente, mostrar empatia e oferecer soluções alternativas. Manter a calma e o profissionalismo é crucial. #### 7. Manutenção da Organização e Segurança A recepcionista deve manter a área de recepção limpa e organizada, assegurar a confidencialidade dos documentos dos pacientes e seguir as normas de segurança e higiene da clínica. #### 8. Comunicação com a Equipe Uma comunicação eficaz com a equipe é fundamental. A recepcionista deve informar a equipe sobre a chegada dos pacientes, comunicar-se com outros departamentos e participar de reuniões para discutir melhorias nos processos. #### 9. Encerramento do Atendimento Após a consulta, a recepcionista deve agradecer o paciente, agendar consultas de follow-up, receber pagamentos e fornecer recibos, esclarecendo qualquer dúvida sobre valores ou procedimentos de pagamento. #### 10. Feedback e Melhoria Contínua Coletar feedback dos pacientes é essencial para a melhoria contínua dos serviços. A recepcionista deve solicitar que os pacientes preencham formulários de satisfação, anotar comentários e sugestões, e compartilhar o feedback com a gestão.

procedimento operacional padrãrecepcionista de clínicaatendimento ao paciente
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicos
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicoscuidados de enfermagem com drenos cirurgicos
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicos

cuidados de enfermagem com drenos

drenoscuidados de enfermagem
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx

Análise das Características físico químicas e microbiológicas do LCR.

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf
Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf

Recomendado para você

Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea (Peterson).pdf