SlideShare uma empresa Scribd logo
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
           XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009



                Ciberativismo: mídias digitais e o ativismo ambiental na rede1

                                        Alan Mascarenhas2
                                        Ana Paula Azevedo3
                                          Olga Tavares4
                          Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB


RESUMO

O caráter transformador do homem aliado à insatisfação frente às desigualdades e outras
dificuldades de ordem social refletem um histórico de lutas e mobilizações em busca de
interferências no status quo. Diante disso, destacamos a relação desses movimentos
sociais com a comunicação, haja vista que os processos comunicacionais mediam as
relações em sociedade através de suas linguagens. Em tempos de realidade virtual, com
o advento da internet, e o turbilhão de possibilidades que apresenta, propomos um
estudo dos movimentos de ativismo social no ciberespaço – Ciberativismo - através do
aplicativo Amazônia.vc presente no site de relacionamentos Orkut.

PALAVRAS-CHAVE: ativismo social; ciberativismo; comunicação; cibercultua; meio
ambiente.

O Ativismo na Mídia


           Com freqüência ouvimos na academia e na própria mídia discussões sobre o
poder que as mídias exercem sobre o comportamento social. Remete ao período
monárquico absolutista a constatação, mesmo que insipiente, de tal força da influência
social dos meios de comunicação presentes na imposição do silêncio e na proibição de
livros, em detrimento da liberdade de expressão. Nesse sentido, ao longo da história
política mundial podemos constatar inúmeros momentos onde a mídia foi utilizada
como ferramenta de “manipulação” da opinião pública, como no Brasil, por exemplo,
tivemos na era Vargas a criação da Voz do Brasil, tradicional programa radiofônico de
notícias sobre o governo, que não por acaso existe até hoje praticamente com o mesmo
perfil editorial.
           Esta força foi crescendo e se refinando, conforme evoluíram os suportes
midiáticos como afirmam Ferreira e Vizer:

1
  Trabalho apresentado na Divisão Temática Multimídia, da Intercom Júnior – Jornada de Iniciação Científica em
Comunicação, evento componente do XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação
2
    Estudante de Graduação 7º. semestre do Curso de Radialismo da UFPB, email: alanmangabeira@gmail.com
3
    Estudante de Graduação 7º. semestre do Curso de Radialismo da UFPB, email: azevedo.ap@hotmail.com
4
    Orientadora do trabalho. Professora-adjunto do CCTA, PPGC e PPGCI/ UFPB, email: olgatavares@cchla.ufpb.br


                                                                                                                 1
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
        XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

                            A influência social, cultural e psicológica da comunicação midiatizada
                            cresceu em forma permanente e acelerada com o surgimento dos
                            meios de comunicação audiovisuais, paralelamente aos processos de
                            massificação dos públicos telespectadores em escala global.
                            (FERREIRA e VIZER, 2007, p. 26).


        Entretanto, não se trata mais de pensar numa força direitista unilateral ou
exclusiva dos detentores da produção midiática dos grandes meios de comunicação
como as emissoras de Rádio, TV e de impressos, porque em outros tempos e espaços a
mídia havia sendo, também, utilizada como ferramenta de contestação e transformação
da ordem vigente.
        Desde a Revolução Francesa com a panfletagem e os discursos orais de
fundamentação iluminista, que visavam à passagem de um regime político a outro,
resultado, sobretudo, do acesso massificado à leitura, a história retrata como a mídia
pode atuar não somente na manutenção de uma ordem, mas também na ruptura do
status quo.
        No decorrer do tempo, muita coisa mudou tanto na esfera tecnológica da
comunicação, bem como no âmbito das necessidades sociais, nas suas lutas e na forma
de lutar, em especial, na maneira de utilização da mídia por ativistas de movimentos
sociais, como o movimento ambiental. Estima-se que os movimentos ambientais
tiveram origem no final do século XIX, na Europa Ocidental, com a formação de grupos
voluntários para proteger a vida selvagem e a preservar áreas naturais, fazendo surgir,
então, a primeira “onda de ação ambiental” (TAVOLARO, 2001, p.18). Mas foi no século
XX, a partir da década de 60, que a “segunda onda” fez surgir novas organizações
ambientalistas, uma crescente consciência pública, mas, também, problemas industriais
como energia nuclear, lixo tóxico e afins (DALTON, 1994, apud TAVOLARO, 2001,
p.19), o que passou a despertar a mobilização ambiental.
        A seu turno, a revolução digital trouxe, entre outras coisas, a multiplicação dos
meios de produção e disseminação da comunicação proporcionando o acesso, que não é
total, mas crescente da internet nos diversos recantos do planeta. Concomitantemente,
os movimentos sociais tomaram novos formatos, como afirmam Ferreira e Vizer (2007,
p.36) “o ativismo social já não deve ser forçosamente organizado, nem requerer ‘atos de fé’
nem formalidades (...)”.
        Sob essa perspectiva, pensar todas as possibilidades que a internet oferece ao
reunir imagem, texto, áudio e vídeo, interligados numa rede de alcance mundial é uma
justa e frequente preocupação do meio acadêmico contemporâneo de diferentes campos

                                                                                                           2
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
       XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

de estudo, tais como a sociologia e a comunicação tamanha sua relevância e
complexidade. Propomos, neste trabalho, uma reflexão do uso da internet como
ferramenta de ativismo – o ciberativismo – numa perspectiva ambiental, através do
aplicativo Amazônia.vc presente no site de relacionamentos Orkut.

Do papel ao virtual: Paradigmas que norteiam o ciberativismo


       O Ciberativismo é uma atividade completamente nova, que se inspirou no
ativismo, cujas práticas nos veículos tradicionais deram lugar aos novos suportes
digitais e eletrônicos "para divulgar causas, fazer reivindicações e organizar mobilizações"
(VASCONCELOS, 2008).
       Neste artigo, iremos estudar o ativismo feito através da internet, considerado
ciberativismo; e, também, tentaremos refletir acerca de quais ações o circundam,
fazendo um recorte sobre o ciberativismo através do aplicativo Amazonia.vc,
desenvolvido para o Orkut. Todavia, é de extrema importância que alguns conceitos
básicos e seus contextos históricos sejam esclarecidos para que a análise do aplicativo
possa ser compreendia.
       Em 1932, momento de plena expansão da Comunicação de Massa e de pesquisas
sobre essa nova forma de difundir cultura, o dramaturgo Bertold Brencht, o mesmo que
levou o teatro a níveis onde o público poderia interferir na peça, criando a estética do
teatro didático, se tornou o pioneiro no que se refere aos pensamentos sobre a
interatividade - termo que norteia os avanços na área da informática e que interfere em
nosso objeto de estudo, o Amazônia.vc, como veremos mais adiante.
       Brecht imaginou um modelo de programa radiofônico onde o ouvinte fosse
dotado da opção de se tornar ativo na produção, ou seja, de interferir no que estivesse
sendo transmitido pela rádio de forma participativa, crítica e direta do público, segundo
Arlindo Machado, em “Hipermídia: O labirinto como metáfora” (1997). A partir dos
pensamentos mais ousados de Brecht, vemos a necessidade de "interativizar" o
relacionamento homem e máquina, relacionamento já notado no aplicativo Amazônia.vc
       Houve um grande caminho entre a comunicação unilateral, norteada pelo
Esquema de Laswell, onde tal receptor apenas recebe a informação, sem interferir nela,
e a situação comunicacional atual. Quando Brecht refletia sobre a relação "homem-
máquina", esta ainda estava, para maioria dos meios, estabelecida de forma quente,
como discorre Marshall McLuhan (1969).


                                                                                                          3
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
        XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

        Para o filósofo canadense, meios quentes não dispõem de lacunas a serem
preenchidas pelo receptor. McLuhan pensava então o rádio como um desses meios
quentes. O que não significa que tal meio, assim como outros, não poderia se tornar um
meio de comunicação que sofresse interferências do receptor.
        A informática foi criada pensando na relação entre o homem e a máquina,
consequentemente, atuando sobre a forma de emitir e receber informação. A evolução
da informática atinge um patamar importante nesse sentido com o surgimento da
internet.
        O inicio prático da internet partiu da comunicação entre bases militares na
década de 60. De uma época onde apenas 100 sites existiam na rede - o que podemos
comparar com um pequeno vilarejo - chegamos a uma rede composta por cidades
virtuais, dando origem a um mundo que abandonou o paralelismo e se adequou como
extensão do mundo físico. Para o pesquisador André Lemos, cidades virtuais podem ser
chamadas de cibercidades e vistas da seguinte maneira:

                           A cidade e as cibercidades devem ser vistas como formas espaço-
                           temporal que se constroem pelo movimento: transporte e comunicação.
                           No processo de virtualização das cidades, deve acontecer, para que as
                           cibercidades possam ser assim chamadas, formas de transporte e
                           comunicação, onde os percursos de pessoas pelo espaço informativo a
                           partir de trocas comunicacionais possa se inserir em trocas de
                           informação entre elas. Cidade e circuitos eletrônicos mantêm assim
                           uma analogia que vai além da mera metáfora: ambas fazem circular
                           (transporte) informação pelos mapeamentos de objetos e instrumentos,
                           provocando situações de comunicação. (LEMOS,2000, p.4)

        André Lemos faz a analogia entre os circuitos eletrônicos e visualiza todos os
elementos principais de uma cidade palpável, como a que moramos. Nas cibercidades,
as ruas, avenidas, campos e praças, por exemplo, são apenas um simulacro. Para Lemos
(2000, p.5), elas devem "reivindicar ser uma 'narrativa' da cidade e não sua transposição literal
ou espacial". É dentro do universo virtual e com suas trocas de dados que surgem as
comunidades virtuais de usuários, que com uma linha de pensamento em comum
desenvolvem ações virtuais, podendo transcender o mundo das virtualidades, como
podemos observar nas ações ciberativistas.
        Os encontros e as trocas de informação entre pessoas têm a possibilidade de
ocorrer em qualquer ponto de uma cidade física, que pode também possibilitar a troca
de informações entre objetos e pessoas, desde que esses objetos sejam signos que
possam interferir, ou dialogar, com algum pensamento do individuo que decodificou a


                                                                                                           4
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
        XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

informação em código proposta no signo em questão, como é reforçado por Lúcia
Santaella (1996, p.60): “refletir, o signo, necessariamente e sem escapatória possível também
retrata essa realidade, isto é, ao refletir o signo transforma, transfigura e até certo ponto e numa
certa medida, deforma aquilo que reflete”. No mundo virtual, como afirma Lemos (2000, p.
4), a troca passa a ser de bytes e não mais de objetos, além de se tornar uma ação muito
mais tangível ao intelecto humano em detrimento da troca material. No sistema virtual
de trocas, não deixa de haver uma possessão, mesmo não tendo objetos físicos, afinal
tudo que recebemos através da internet também tem uma imagem. No mundo não-
virtual precisamos pegar os objetos (o documento em papel de uma petição ou um DVD
com aulas virtuais, por exemplo) com nossas mãos, mas no que diz respeito ao mundo
virtual, precisamos de uma extensão do nosso corpo para que isso aconteça, como situa
Mcluhan, em "Os Meios de Comunicação Como Extensão do Homem" (1969). No caso
do computador, o mouse é a extensão virtual de nossas mãos.
        Mas atualmente, com o avanço tecnológico, algumas extensões, como o mouse,
já estão sendo comprimidas. Nesse caso que tratamos, o mouse se torna desnecessário
com as telas de toque (Touchscreen). Tal fator interfere positivamente na relação entre
os usuários da rede que compartilham a ação ciberativista. É como estar muito mais
próximo de um usuário que junto com outro que programou uma ação ativista através de
uma comunidade virtual. Com a extensão reduzida, as informações são trocadas de
forma mais eficaz.
        Quanto à interação e à interatividade que introduzimos no tópico, fatores
decisivos em aplicativos semelhantes ao Amazônia.vc, é importante frisar a forma
imatura que o marketing se apropriou dos termos para vender seus produtos, incluindo
aplicativos para sites de relacionamento, para televisões, entre outros. Edna Brennand e
Guido Lemos afirmam que as possibilidades dadas por uma televisão que permita o
controle da sua programação com avanço e retrocesso de imagem, por exemplo, "ainda
não satisfaz a necessidade intrínseca que os sujeitos cognitivos possuem de transgredir e
redirecionar os fluxos comunicacionais" (BRENNAND e LEMOS, 2007, p.78). Ou seja,
podemos pensar em interatividade como algo que nos permite sair da fórmula pré-
estabelecida de caminhos, ou pelo menos que essa forma supra a necessidade de atender
à demanda de caminhos que o usuário possa optar, transformando a situação. Para
Enzensberger (1979, p.25), a interatividade é pensada em um processo que possa ter um
feedback constante entre emissor e receptor, invertendo tais papéis, inicialmente
estáticos.


                                                                                                           5
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
       XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

       Já a interação é tida como uma relação, referindo-se a um tipo de ação que
envolve vários sujeitos no sentido de criar um vínculo entre eles (VITADINI, 1995 apud
MIELNICZUG, 2001, p.173). Sem tal interação se tornaria impossível a existência de
movimentos ativistas, quanto mais ciberativistas, que passam a contar com a
interatividade pertinente à internet. Sobre essa ligação entre internet, ativismo e
interatividade, Dênis Morais comenta:

                          A Internet oferece novas ferramentas de intervenção, como as
                          campanhas virtuais, o correio eletrônico, grupos de discussão, fóruns,
                          salas de conversação, boletins, manifestos online, murais, anéis de sites
                          e árvores de links. É uma arena complementar de mobilização e
                          politização, somando-se a assembléias, passeatas, atos públicos e
                          panfletos. (MORAIS, 2001, p.3)


As Mídias Digitais como Suporte para o Ativismo Social


       Muitos teóricos alertam para possíveis problemas sociais oriundos da
incorporação da internet ao cotidiano da população como, por exemplo, dificuldades de
relacionamento provocado por seu uso exacerbado numa geração que cresceu “imersa”
no mundo virtual.
       Mas o espaço oferecido virtualmente não deve ser concebido como um espaço à
parte do considerado “real”, porque o conteúdo que compõe o texto em rede está em
constante diálogo com a realidade sócio-histórica. O homem que habita o ciberespaço
está preenchendo-o com informações e questões que dizem respeito ao contexto social
de que participa e é produto. Conforme Lèvy (1999, p.17), “o termo [ciberespaço]
especifica não apenas a infra-estrutura material da comunicação digital, mas também o universo
oceânico de informações que ela abriga, assim como os seres humanos que navegam e
alimentam esse universo”. Por outro lado, a internet surge como uma opção
descentralizada de comunicação, oferecendo um fluxo de informações distribuídas de
forma horizontal e é antes de tudo uma realidade já instalada, ou seja, não se trata de um
processo passível de inversão. A questão é muito mais de pensarmos as novas práticas
que este meio introduz ao contexto social para melhor compreendemos essas
possibilidades e suas implicações.
       Castells nos fala da sociedade regida sob o paradigma tecnológico da
informação, a sociedade em rede:




                                                                                                          6
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
       XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

                           (...) o paradigma da tecnologia da informação não evolui para seu
                           fechamento como sistema, mas rumo a abertura como rede de acessos
                           múltiplos. É forte e impositivo na sua materialidade, mas adaptável e
                           aberto em seu desenvolvimento histórico. Abrangência, complexidade
                           e disposição em forma de rede são seus principais atributos.
                           (CASTELLS, 2007, p.113).

       Essa abertura quanto ao seu desenvolvimento histórico da rede na internet - que
“é a rede que liga a maior parte das redes” (CASTELLS,2007, p.431), propiciou ao
ativismo grandes avanços, pois, se a grande mídia (TV, rádio, jornal impresso) obedece
a um formato que não dá livre acesso às minorias sociais, “a criação de novos softwares
cada vez mais sofisticados e o barateamento de equipamentos fez com que aumentasse o
número de pessoas com acesso à rede, abrindo ainda mais o mercado da informação e do
conhecimento” (LÉVY, p. 44, 1999).
       Tomando ambientalismo como um conjunto de pensamentos e ações coletivas
que defendem o reajuste das relações entre o homem e o meio ambiente, percebemos a
profunda e difícil “missão” deste movimento, já que propõe uma profunda modificação
cultural que mexe com delicadas questões como a economia global ao contrariar
interesses de empresários. Neste sentido, a internet dispõe, no meio virtual, do espaço
de contestação e luta negado por anos nos formatos de outras tecnologias a grupos que
lutam por uma causa social como o dos negros, homossexuais, ambientalistas etc.
       Sites, blogs, fóruns e tantas outras ferramentas que compõem o ciberespaço
passaram a compor a parte principal da publicidade de ONGs, associações e ativistas de
movimentos como o movimento ambiental. Junto com as ferramentas citadas do
ciberespaço que contribuem para o ciberativismo ambiental, está o site que hospeda o
Amazônia.vc - o Orkut.
       Castells propõe uma relação intensa entre as questões que formam o movimento
ambiental e a estrutura social moldada pela centralidade assumida pela tecnologia e
informação, a saber:

                           Proponho a hipótese de que existe uma relação direta entre os temas
                           abordados pelo movimento ambientalista e as principais dimensões da
                           nova estrutura social, a sociedade em rede, (...): ciência e tecnologia
                           como os principais meios e fins da economia e da sociedade; a
                           transformação do espaço; a transformação do tempo; e a dominação
                           da identidade cultural por fluxos globais abstratos de riqueza, poder e
                           informações construindo virtualidades reais pelas redes da mídia.
                           (CASTELLS, 2006, p. 154)




                                                                                                          7
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
       XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

       O aplicativo em estudo possui a particularidade de não estar associado a uma
organização não-governamental ou instituição de proteção ambiental, mas ser produzido
por uma grande emissora de comunicação do Brasil, a Rede Globo. O que demonstra,
no mínimo, a penetração do tema no seio da sociedade e levanta questionamentos: o que
move a ação ativista de uma empresa de comunicação, antes de tudo movida pelo lucro
como manda o sistema capitalista? Ambientalismo, hoje em dia, deixou de ser “coisa de
ambientalista” e virou acessório de moda para as pessoas jurídicas e físicas?


O Orkut como suporte para o Amazônia.vc


       O Orkut se define como uma comunidade on-line e pode ser considerado rede
social ou site de relacionamento, sendo criado em Janeiro de 2004, por Orkut
Büyükkokten, engenheiro do Google, que deu nome à comunidade. Esta se estrutura em
um banco de dados comportando perfis de usuários que podem manter uma interação
entre si através dos perfis e das comunidades existentes no site.
       Tais comunidades podem ser criadas por qualquer usuário que deseje exprimir
um pensamento, definindo então qual tipo de comunidade ela será: Arte e
Entretenimento, História e Ciências e outras categorias selecionadas pelo Orkut.
       Dentro do perfil, os usuários têm a possibilidade de trocar informações através
da área de recados ou scraps e, caso ele esteja cadastrado através de um e-mail do
Google (atual empresa dona do Orkut) ele poderá se comunicar em um serviço de
mensagem instantânea com os usuários adicionados no serviço por ele.
       Apesar de ter no Brasil a maior quantidade de usuários, o Orkut, no dia 16 de
abril de 2008, começou a testar na Índia a inclusão de aplicativos que poderiam ser
adicionados ao perfil de cada usuário. Cada aplicativo é desenvolvido de forma
independente e, seguindo os passos da empresa de informática Apple em recepção de
idéias, os aplicativos desenvolvidos são recebidos pela Google para análise.
   Cada aplicativo usa a tecnologia Google OpenSocial, que é composta das linguagens
de construção na internet mais básicas: HTML e JavaScrip. O OpenSocial não funciona
como uma rede com estrutura própria, ela é um conjunto de três APIs (Interface de
Programação de Aplicativos) que permitem, segundo informações da Google, que os
programadores tenham acesso às informações do site, tais como informações de Perfil
(dados de prováveis usuários), informação de Amigos (gráfico social) e dados sobre as



                                                                                                          8
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
       XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

atividades (o que o usuário faz na rede). De forma que aplicativos, chamados de "apps",
como o Amazônia.vc sejam baseados no público que atingirá.
   O Amazônia.vc é um aplicativo desenvolvido através dessa tecnologia Opensource
pela equipe do programa de televisão Fantástico, da Rede Globo, em parceria com o
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que contribui com a atualização de
dados, como as áreas de queimadas e desflorestamento.
   A proposta do aplicativo é fazer com que os usuários do Orkut, que são, segundo a
companhia, 49% brasileiros e 54,54% de um total de mais de 25 milhões de usuários
ativos que tem entre 18 e 25 anos, possam controlar e protestar contra a devastação da
floresta amazônica, sem sair de casa. Floresta essa que já teve, ao decorrer da história,
730 km² destruídos pela ação do homem, um espaço que levaria cerca de 10 horas para
se percorrer de caminhão e que equivale a dezessete estados do tamanho do Rio de
Janeiro.
   Data da década de 70 o início da vigilância da Amazônia, mas na época tal ação
acontecia para que os militares se certificassem de que a mata estava realmente sendo
derrubada. Ato que representava, para eles, o progresso do país, que se materializou no
projeto da construção da Transamazônica, cujo marco zero fica em Cabedelo, na
Paraíba. “O modelo do desenvolvimento implantado durante os governos militares aparece
entre os meios científicos como o grande responsável pelo processo de desmatamento que se
desencadeou ao longo das últimas três décadas na Amazônia.” (LUFT, 2005, p.69).
   Schirley Luft (2005, p.70-74) discorre sobre os “desajustes socioambientais” na
Amazônia, nessas últimas décadas em razão de uma política mais predatória e
destruidora do que preservacionista deste bem natural, deste patrimônio da
biodiversidade mundial, que é a Floresta Tropical.
   O aplicativo Amazônia.vc é uma ramificação ativista do portal Globo Amazônia
(www.globoamazonia.com). Apesar de o site conter notícias sobre o desmatamento e
apresentar um mapa que indica a situação da floresta de acordo com dados do Inpe, é
através do aplicativo no Orkut que o ciberativismo acontece efetivamente.
   Na página inicial dentro do aplicativo no Orkut, encontramos em destaque um mapa
da América do Sul, com foco nas regiões da floresta. Nele, podemos encontrar grupos
de queimadas (identificado por um ícone com desenho de uma chama com um sinal de
"+"), queimadas isoladas (apenas o ícone da chama), áreas de desmatamento (ícone com
madeiras cortadas e empilhadas), grupos de desmatamento (desenho vetorial das
madeiras empilhadas e o sinal de "+") e casos que foram noticiados (caixa de diálogo


                                                                                                          9
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
       XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

com um sinal de "+" para grupo de notícias, ou com um botão de play, identificando
notícia com vídeo e ainda a caixa de dialogo simples, com mais caixas dentro, para uma
única notícia) além de mostrar quais locais já foram protegidos inserindo uma imagem
verde de "positivo" em cima das madeiras ou do fogo. A figura 001 mostra os ícones
inseridos no mapa e suas legendas:




               Figura 001 - Mapa do Amazônia.vc
               Acesso em 19 de Junho de 2009 e disponível em
               <http://www.Orkut.com.br/Main#Application.aspx?uid=107712692826252
               90202&appId=617265 775021&rl=ls >


   Além do mapa, é apresentado um espaço com dados do desmatamento no mês
(atualizados de acordo com a divulgação do Inpe), quantos focos de queimadas foram
identificados no dia e os grupos de notícias. O aplicativo também divulga notícias sobre
o desmatamento, sendo que na parte superior da tela, em destaque, entra uma notícia
postada através do perfil no Twitter (site de rede social) do Globo Amazônia, e na parte
inferior com notícias provenientes da agência de notícias do site do Globo Amazônia.
Há um ranking, ainda na página inicial, que mostra qual estado tem maior número de
protestos, ou seja, mais focos de destruição da floresta. O ranking nos leva, assim como
o menu superior do site, à página de protestos que fica dentro do aplicativo, com um
ranking mais detalhado, contendo: um ranking que mostra a posição do usuário entre os




                                                                                                          10
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
        XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

amigos que protestam, o seu último protesto, uma lista de protesto por estados e a
quantidade total de protestos.
    Dentro do Orkut, fora do aplicativo, é possível saber quais amigos usam o mesmo
aplicativo que o usuário.


Amazônia.vc: Um aplicativo ciberativista?
       O aplicativo Amazônia.vc está em fase de teste (Beta) e faz parte do projeto
Globo Amazônia e está à disposição no portal de mesmo nome, como mencionado
anteriormente. Na primeira sessão, intitulada Monitoramento, o mapa apresenta os
pontos de queimada e desmatamento, seguindo a ilustração icônica detalhada no tópico
anterior, além da sequência das últimas notícias sobre meio ambiente, enfatizando
aquelas que abordam a Amazônia.
       Destacamos a guia monitoramento como o ponto chave deste software porque é
a partir dela que se desencadearão todas as atividades do usuário permitidas pela
interatividade do aplicativo, sendo elas as ações de ciberativismo as quais, neste caso,
consistem na realização de protestos, possibilitados                     através da segunda guia do
aplicativo, a guia Protestos. Tais ações se dão a partir da indignação referente ao perigo
de extinção do ecossistema amazônico, sensibilizadas na primeira etapa do aplicativo,
dentro da primeira guia.
        O que é alcançado pelos olhos é mais passível de sensibilizar, a dinâmica do
aplicativo funciona de modo que o indivíduo tenha no seu cotidiano possibilidade de
fiscalizar diariamente, através de imagens captadas via satélite, um patrimônio natural
de importância tão elevada quanto a floresta amazônica.
       A disponibilização dessas imagens para o público atua também como uma
pressão indireta nas autoridades responsáveis pelo combate à destruição da floresta
amazônica. Casos já foram autuados pelo Ibama graças ao monitoramento do aplicativo
aqui referido, como por exemplo: “Alertado pelo mapa Amazônia.vc, o Ibama (Instituto
Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) , do Amapá,
fiscaliza          queimada”,                em            22/4/2009,               disponível             em
<http://amapa.bobnews.com.br/noticias/alertado-pelo-mapa-amazoniavc-ibama-do-
amapa-fiscaliza-queimada-199.html>.
       Na guia protestos acontece uma espécie de “competição” entre os internautas
que atuam no Amazônia.vc, pois o ranking de usuários que mais postaram protestos
funciona como um elemento de incentivo à participação. Além da natural preocupação

                                                                                                           11
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
        XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

em proteger a Amazônia, figurar no ranking acaba se tornando um atrativo a mais para o
internauta.
        Não devemos olvidar que o aplicativo funciona via Orkut que carrega um
estigma de algo “superficial” voltado para “banalidades” adolescentes. Mas antes de
qualquer coisa é um site de relacionamentos, e nesse sentido o aplicativo termina por
criar uma outra rede dentro do Orkut – a rede dos integrantes do amazônia.vc. que se
entrelaça com a do site hospedeiro proporcionando uma relação de grupo, com a criação
de uma identidade dos elementos que compõem a rede do amazônia.vc. Tal interação
proporciona uma vertente importante ao ciberativismo: a ligação entre as pessoas
ativistas, que precisam formar um grupo que os conecte fora da ação ativista em si.
Dentro da rede, por mais que exista um ranking, essa possível ligação entre os usuários
permite uma comunicação de forma horizontal entre eles, não criando uma hierarquia
entre o criador de um protesto e seus seguidores. A rede e a troca de informação e todas
as ações que a circundam acontecem nas ruas das cibercidades.
        Em grandes centros urbanos, onde a ação ativista se apresenta com mais
dificuldade devido à não-disposição de tempo dos integrantes de movimento, a rede
dentro do ciberativismo vem contribuir com a questão temporal. A compactação de
algumas extensões do homem com relação ao computador, como explicamos, encurta a
quantidade de tempo gasta para se fazer algo na internet, como denunciar as queimadas
e em seguida já discutir com o seu grupo de amigos as ações tomadas e os fatos
apresentados nas notícias.
        A interação se alia à interatividade, como de costume, dentro do aplicativo, ao
passo que o Orkut permite a troca de mensagem entre os usuários da rede, tendo ele
assim um espaço em branco para discutir suas ações e estender, de forma ao seu critério,
através dos recados (scraps), na extensão da rede. Entrando no gerenciamento do
aplicativo, clicando no ícone em forma de ferramenta, o Orkut proporciona a
visualização de todos os participantes do aplicativo, permitindo que esses fortaleçam a
rede. Para alguns, nesse caso, o aplicativo pode se tornar apenas um dos pontos de
encontros, na cibercidade ou no mundo físico, para os ativistas, levando a rede do
virtual ao físico.
        E nessa nova rede, o status maior é o daquele mais ativo no aplicativo, o que
mais posta e está entre os melhores colocados no ranking.


Considerações Finais

                                                                                                           12
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
       XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009



       Na sociedade atual percebemos uma tendência de aceitação da visão ecológica.
As preocupações com o meio ambiente que moveram os ativistas de movimentos
ambientais pelo mundo, de certa forma, acabaram por “contaminar” toda a sociedade. A
crescente abordagem na mídia desses problemas, embora em sua maioria de forma
superficial, colaborou para a construção dessa “simpatia” com a ecologia.
       O amazonia.vc está voltado para a conscientização em torno da crescente
destruição da Amazônia. Pensando nos altos índices existentes de destruição da floresta,
o projeto consiste numa tentativa de levar o cidadão comum a acompanhar a devastação
e participar efetivamente emitindo sua indignação sobre este crime ambiental; por isso,
é de certo modo, um convite ao ativismo.
       Mas não podemos perder de vista todo o interesse comercial embutido desde a
construção do aplicativo, que acaba funcionando como um objeto de divulgação da rede
Globo, colaborando no marketing da empresa, pois é inegável que, na nossa sociedade,
é um ponto positivo ter sua marca associada a alguma causa ambiental.
       O ciberativismo começou demasiadamente tímido, recebendo a descrença de
organizações      não-governamentais,           de     pautas       jornalísticas,      da     internet   e,
consequentemente, até do meio ambiente. Os usuários mais alternativos e os
comunicadores são costumeiramente os que mais buscam novos fatos na rede e, quando
os últimos não se interessam por esse fato, então os que buscam a cultura "perdida",
fora do mainstream, ficam atentos a ela e fazem uso do que essa cultura lhes oferece,
chamando a atenção da mídia, como um ciclo - do qual o ciberativismo não escapou.
       De ações para chamar atenção para situações de pouca relevância, o ativismo
online hoje mobiliza o mundo virtual a favor do mundo físico e, seja por um marketing
"verde" ou boas intenções, o amazônia.vc conseguiu convergir em uma compassada
interação as velhas e as novas mídias, os cidadãos comuns e as autoridades re-ativando,
quem estiver ao alcance, e rejuvenescendo a luta virtual pela Amazônia.




                                                                                                          13
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
       XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009

REFERÊNCIAS

BARROS, Gêisa O. e OLIVEIRA, Rodrigo B. Representatividade do candomblé da Bahia
em comunidades no Orkut. Anais. Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da
Comunicação. Natal: Intercom, 2008.


BRAUN, Daniela. Ciberativismo: clique aqui para salvar o mundo. Disponível em <
http://idgnow.uol.com.br/10anos/2007/09/05/idgnoticia.2007-09-04.2544438984/ >. Acesso em
maio de 2008.


BRENNAND, Edna e LEMOS, Guido. TV digital interativa: reflexões, sistemas e padrões.
São Paudo: Ed: Mackenzie; 2007.


CAPRA, Fritjof. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 2006b.


CASTELLS, Manuel. A era da intercomunicação. Le Monde Diplomatique/ Brasil. Edições
mensais – agosto, 2006. Disponível: < http://diplo.uol.com.br/2006-08,a1379>. Acesso em maio
de 2009.


FERREIRA, Jairo e VIZER, Eduardo (orgs.), Mídia e movimentos sociais: Linguagem e
coletivos em ação. Coleção Comunicação. São Paulo: Paulus, 2007.


GOOGLE. OpenSocial - Google Code. Disponível em <http://code.google.com/intl/pt-
BR/apis/opensocial/ >. Acesso em 25 maio 2009.


INFOESCOLA.COM. Teatro Interativo. Disponível em
< http://www.infoescola.com/artes/teatro-interativo/ > Acesso em 13 jun. 2009


LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora34, 2005.


LEMOS, André. Cibercidades. Disponível em:
< http://unpan1.un.org/intradoc/groups/public/documents/ICIEPA/UNPAN005410.pdf > , 2000.
Acesso em 27 maio 2009.


LUFT, Schirley. Jornalismo, meio ambiente e Amazônia. São Paulo: FAPESP/Annablume,
2005.

MACHADO, Arlindo. Hipermídia: O labirinto como metáfora. In: RODRIGUES, Diana
(org.). A Arte do Século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: Fundação Editora da
UNESP, 1997.

MACHADO, Jorge Alberto S. Ativismo em rede e conexões identitárias: novas perspectivas
para os movimentos sociais. Disponível em:
< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-
45222007000200012&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 24 de maio de 2009.

                                                                                                          14
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
        XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009




MCLUHAN, Marshall. Os Meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo:
Cultrix, 1969.


MORAIS, Regis de. Educação, mídia e meio ambiente. São Paulo: Editora Alínea, 2004.


ROCHA, Ronaldo Gazal. Ecoideologias associadas aos movimentos ambientais:
contribuições para o campo da educação ambiental. Educar, Curitiba, n. 27, p. 55-73, 2006.
Editora UFPR. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/%0D/er/n27/a05n27.pdf >. Acesso:
16 maio 2009.


SANTAELLA, Lúcia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do póshumano.
Revista Famecos, nº22. Porto Alegre, 2003. Disponível em:
< http://www.pucrs.br/famecos/pos/revfamecos/22/a03v1n22.pdf >. Acesso em 05 maio 2007.


_________________ Cultura das Mídias. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1996.


SEBEOK, Thomas A. Comunicação. In RECTOR, M. E NEIVA, E. (orgs.). Comunicação na
era pós-moderna. Petrópolis/RJ: Vozes, 1995.

TAVOLARO, Sérgio B. de F. Movimento ambientalista e modernidade: sociabilidade, risco
e moral. São Paulo: Annablume, 2001.


TRES, Lairton. A resistência como práxis dos movimentos ambientalistas e ecológicos.
Disponível em: < http://www.uepg.br/praxiseducativa/v1n1Artigo_6.pdf >. Acesso em 15
marco 2009.


VASCONCELOS, Yuri. O que é ciberativismo? Disponível em
< http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/conteudo_281598.shtml >, 2008.Acesso:
13 de jun. de 2009.


TERRA. Educaterra: História - Cultura e Pensamento - Voltarie, símbolo do Iluminismo.
Disponível em < http://educaterra.terra.com.br/voltaire/cultura/iluminismo2.htm >. Acesso em
10 jun. de 2009.




                                                                                                           15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Marcuschi generos-textuais_emergentes_no_....
Marcuschi  generos-textuais_emergentes_no_....Marcuschi  generos-textuais_emergentes_no_....
Marcuschi generos-textuais_emergentes_no_....
Elaine Maciel
 
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
Talita Baena
 
O futuro da internet Cap. 3
O futuro da internet Cap. 3O futuro da internet Cap. 3
O futuro da internet Cap. 3
Rosemary Santos
 
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Giovana S. Carlos
 
O Ciberativismo sob a ótica midiática
O Ciberativismo sob a ótica midiáticaO Ciberativismo sob a ótica midiática
O Ciberativismo sob a ótica midiática
Miguel Pincerno
 
Em direção a uma ciberdemocracia planetária
Em direção a uma ciberdemocracia planetáriaEm direção a uma ciberdemocracia planetária
Em direção a uma ciberdemocracia planetária
Jose Mendes
 
Afrodite no Ciberespaço. A era das Convergências. E-book
Afrodite no Ciberespaço. A era das Convergências. E-bookAfrodite no Ciberespaço. A era das Convergências. E-book
Afrodite no Ciberespaço. A era das Convergências. E-book
claudiocpaiva
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
Elizeu Nascimento Silva
 
As Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
As Novas Tecnologias O Individuo E A SociedadeAs Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
As Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
claudia amaral
 
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...
Emerson Campos
 
A Cibercultura no Cotidiano
A Cibercultura no CotidianoA Cibercultura no Cotidiano
A Cibercultura no Cotidiano
Liscagnolato
 
O meme e o mestre: o conhecimento coletivo nas redes sociais
O meme e o mestre: o conhecimento coletivo nas redes sociais O meme e o mestre: o conhecimento coletivo nas redes sociais
O meme e o mestre: o conhecimento coletivo nas redes sociais
Bárbara Caparroz Sobral
 
Textos teoria da comunicação i
Textos   teoria da comunicação iTextos   teoria da comunicação i
Textos teoria da comunicação i
ediqueli
 
Cibercultura - Pierre LÉvy - Decupando e comentando o livro
Cibercultura -   Pierre LÉvy - Decupando e comentando o livroCibercultura -   Pierre LÉvy - Decupando e comentando o livro
Cibercultura - Pierre LÉvy - Decupando e comentando o livro
Carlos Nepomuceno (Nepô)
 
Escola de toronto [grupo 3 unip 2010]
Escola de toronto [grupo 3 unip 2010]Escola de toronto [grupo 3 unip 2010]
Escola de toronto [grupo 3 unip 2010]
Unip e Uniplan
 
Midia Alternativa P Alem Da Contra InformaçãO
Midia Alternativa P Alem Da  Contra InformaçãOMidia Alternativa P Alem Da  Contra InformaçãO
Midia Alternativa P Alem Da Contra InformaçãO
Allan Diniz
 
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Anna adrianapcst ok
Anna adrianapcst okAnna adrianapcst ok
Anna adrianapcst ok
Yasmin Estrela
 
A dinâmica dos meios de comunicação de massa
A dinâmica dos meios de comunicação de massaA dinâmica dos meios de comunicação de massa
A dinâmica dos meios de comunicação de massa
marluiz31
 
Comunicação instantânea: uma nova prática sociocultural no contexto organizac...
Comunicação instantânea: uma nova prática sociocultural no contexto organizac...Comunicação instantânea: uma nova prática sociocultural no contexto organizac...
Comunicação instantânea: uma nova prática sociocultural no contexto organizac...
Blog Mídia8!
 

Mais procurados (20)

Marcuschi generos-textuais_emergentes_no_....
Marcuschi  generos-textuais_emergentes_no_....Marcuschi  generos-textuais_emergentes_no_....
Marcuschi generos-textuais_emergentes_no_....
 
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
 
O futuro da internet Cap. 3
O futuro da internet Cap. 3O futuro da internet Cap. 3
O futuro da internet Cap. 3
 
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
 
O Ciberativismo sob a ótica midiática
O Ciberativismo sob a ótica midiáticaO Ciberativismo sob a ótica midiática
O Ciberativismo sob a ótica midiática
 
Em direção a uma ciberdemocracia planetária
Em direção a uma ciberdemocracia planetáriaEm direção a uma ciberdemocracia planetária
Em direção a uma ciberdemocracia planetária
 
Afrodite no Ciberespaço. A era das Convergências. E-book
Afrodite no Ciberespaço. A era das Convergências. E-bookAfrodite no Ciberespaço. A era das Convergências. E-book
Afrodite no Ciberespaço. A era das Convergências. E-book
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
 
As Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
As Novas Tecnologias O Individuo E A SociedadeAs Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
As Novas Tecnologias O Individuo E A Sociedade
 
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...
 
A Cibercultura no Cotidiano
A Cibercultura no CotidianoA Cibercultura no Cotidiano
A Cibercultura no Cotidiano
 
O meme e o mestre: o conhecimento coletivo nas redes sociais
O meme e o mestre: o conhecimento coletivo nas redes sociais O meme e o mestre: o conhecimento coletivo nas redes sociais
O meme e o mestre: o conhecimento coletivo nas redes sociais
 
Textos teoria da comunicação i
Textos   teoria da comunicação iTextos   teoria da comunicação i
Textos teoria da comunicação i
 
Cibercultura - Pierre LÉvy - Decupando e comentando o livro
Cibercultura -   Pierre LÉvy - Decupando e comentando o livroCibercultura -   Pierre LÉvy - Decupando e comentando o livro
Cibercultura - Pierre LÉvy - Decupando e comentando o livro
 
Escola de toronto [grupo 3 unip 2010]
Escola de toronto [grupo 3 unip 2010]Escola de toronto [grupo 3 unip 2010]
Escola de toronto [grupo 3 unip 2010]
 
Midia Alternativa P Alem Da Contra InformaçãO
Midia Alternativa P Alem Da  Contra InformaçãOMidia Alternativa P Alem Da  Contra InformaçãO
Midia Alternativa P Alem Da Contra InformaçãO
 
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
 
Anna adrianapcst ok
Anna adrianapcst okAnna adrianapcst ok
Anna adrianapcst ok
 
A dinâmica dos meios de comunicação de massa
A dinâmica dos meios de comunicação de massaA dinâmica dos meios de comunicação de massa
A dinâmica dos meios de comunicação de massa
 
Comunicação instantânea: uma nova prática sociocultural no contexto organizac...
Comunicação instantânea: uma nova prática sociocultural no contexto organizac...Comunicação instantânea: uma nova prática sociocultural no contexto organizac...
Comunicação instantânea: uma nova prática sociocultural no contexto organizac...
 

Destaque

Guide to Understanding Portfolios
Guide to Understanding PortfoliosGuide to Understanding Portfolios
Guide to Understanding Portfolios
Vleporerox
 
Maslow creativity in sa people
Maslow creativity in sa peopleMaslow creativity in sa people
Maslow creativity in sa people
Ching Nemis
 
Hilicom home & garage storage solutions
Hilicom home & garage storage solutionsHilicom home & garage storage solutions
Hilicom home & garage storage solutions
hilicom
 
Muhu
MuhuMuhu
Muhu
tinnu8
 
Alberto Goachet - CADE Universitario
Alberto Goachet - CADE UniversitarioAlberto Goachet - CADE Universitario
Alberto Goachet - CADE Universitario
IPAE
 
Aprendiendo economía con los simpson tp
Aprendiendo economía con los simpson tp Aprendiendo economía con los simpson tp
Aprendiendo economía con los simpson tp
valentinalangone
 
Nizana ass
Nizana assNizana ass
Nizana ass
shobifk
 
Invisible Communities
Invisible CommunitiesInvisible Communities
Invisible Communities
Dave Mee
 
Si hard
Si hardSi hard
TP Aprendiendo economia con los simpsons
TP Aprendiendo economia con los simpsonsTP Aprendiendo economia con los simpsons
TP Aprendiendo economia con los simpsons
GuillermoMandile
 
An Overview of Web Innovations in China
An Overview of Web Innovations in ChinaAn Overview of Web Innovations in China
An Overview of Web Innovations in China
Tangos Chan
 
Kiezen of Delen Goeree Overflakkee, volledig rapport
Kiezen of Delen Goeree Overflakkee, volledig rapportKiezen of Delen Goeree Overflakkee, volledig rapport
Kiezen of Delen Goeree Overflakkee, volledig rapport
Willem van der Velden
 
Legacy scholarship application
Legacy scholarship applicationLegacy scholarship application
Legacy scholarship application
isuturfclub
 
Leão(izis)
Leão(izis)Leão(izis)
Leão(izis)
Maracy Guimaraes
 
Us Enhf
Us EnhfUs Enhf
Open Access Journals in Africa
Open Access Journals in AfricaOpen Access Journals in Africa
Open Access Journals in Africa
SciELO - Scientific Electronic Library Online
 
Pitié mon Dieu
Pitié mon DieuPitié mon Dieu
Pitié mon Dieu
Ungava Louise
 
Civil War part one
Civil War part oneCivil War part one
Civil War part one
capjjj
 

Destaque (20)

Guide to Understanding Portfolios
Guide to Understanding PortfoliosGuide to Understanding Portfolios
Guide to Understanding Portfolios
 
Maslow creativity in sa people
Maslow creativity in sa peopleMaslow creativity in sa people
Maslow creativity in sa people
 
Hilicom home & garage storage solutions
Hilicom home & garage storage solutionsHilicom home & garage storage solutions
Hilicom home & garage storage solutions
 
Muhu
MuhuMuhu
Muhu
 
Alberto Goachet - CADE Universitario
Alberto Goachet - CADE UniversitarioAlberto Goachet - CADE Universitario
Alberto Goachet - CADE Universitario
 
Share facebook
Share facebookShare facebook
Share facebook
 
Aprendiendo economía con los simpson tp
Aprendiendo economía con los simpson tp Aprendiendo economía con los simpson tp
Aprendiendo economía con los simpson tp
 
Nizana ass
Nizana assNizana ass
Nizana ass
 
Invisible Communities
Invisible CommunitiesInvisible Communities
Invisible Communities
 
Si hard
Si hardSi hard
Si hard
 
TP Aprendiendo economia con los simpsons
TP Aprendiendo economia con los simpsonsTP Aprendiendo economia con los simpsons
TP Aprendiendo economia con los simpsons
 
An Overview of Web Innovations in China
An Overview of Web Innovations in ChinaAn Overview of Web Innovations in China
An Overview of Web Innovations in China
 
Kiezen of Delen Goeree Overflakkee, volledig rapport
Kiezen of Delen Goeree Overflakkee, volledig rapportKiezen of Delen Goeree Overflakkee, volledig rapport
Kiezen of Delen Goeree Overflakkee, volledig rapport
 
Legacy scholarship application
Legacy scholarship applicationLegacy scholarship application
Legacy scholarship application
 
Leão(izis)
Leão(izis)Leão(izis)
Leão(izis)
 
Us Enhf
Us EnhfUs Enhf
Us Enhf
 
Open Access Journals in Africa
Open Access Journals in AfricaOpen Access Journals in Africa
Open Access Journals in Africa
 
Pitié mon Dieu
Pitié mon DieuPitié mon Dieu
Pitié mon Dieu
 
Civil War part one
Civil War part oneCivil War part one
Civil War part one
 
4 rose screenhits
4 rose screenhits4 rose screenhits
4 rose screenhits
 

Semelhante a Cibervias

Ultrasegmentada, convergente e múltipla a publicidade nas novas mídias
Ultrasegmentada, convergente e múltipla   a publicidade nas novas mídiasUltrasegmentada, convergente e múltipla   a publicidade nas novas mídias
Ultrasegmentada, convergente e múltipla a publicidade nas novas mídias
Janise Rafaela
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Em tempos de cibercultura
Em tempos de ciberculturaEm tempos de cibercultura
Em tempos de cibercultura
Renata Castro
 
A Teoria do Agendamento na Atuação da Imprensa Sergipana_Artigo
A Teoria do Agendamento na Atuação da Imprensa Sergipana_ArtigoA Teoria do Agendamento na Atuação da Imprensa Sergipana_Artigo
A Teoria do Agendamento na Atuação da Imprensa Sergipana_Artigo
Janete Cahet
 
Kischinhevsky - 2012 - Rádio social_ mapeando novas práticas interacionais so...
Kischinhevsky - 2012 - Rádio social_ mapeando novas práticas interacionais so...Kischinhevsky - 2012 - Rádio social_ mapeando novas práticas interacionais so...
Kischinhevsky - 2012 - Rádio social_ mapeando novas práticas interacionais so...
lorenailiacm
 
Sociologia civ aula 2
Sociologia civ   aula 2Sociologia civ   aula 2
Sociologia civ aula 2
DiedNuenf
 
Sociologia civ 2
Sociologia civ   2Sociologia civ   2
Sociologia civ 2
DiedNuenf
 
Internet, democracia e mercado
Internet, democracia e mercadoInternet, democracia e mercado
Internet, democracia e mercado
Gabriela da Fonseca
 
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículosAs mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
Flávia Lopes
 
A Utilização das Mídias Digitais nas Manifestações Ocorridas no Brasil em 201...
A Utilização das Mídias Digitais nas Manifestações Ocorridas no Brasil em 201...A Utilização das Mídias Digitais nas Manifestações Ocorridas no Brasil em 201...
A Utilização das Mídias Digitais nas Manifestações Ocorridas no Brasil em 201...
Marina Amâncio
 
Webjornalismo participativo e a produção aberta de notícias
Webjornalismo participativo e a produção aberta de notíciasWebjornalismo participativo e a produção aberta de notícias
Webjornalismo participativo e a produção aberta de notícias
Alex Primo
 
Hermes introdução - hermes e a complexidade da comunicação 13.05.2011
Hermes   introdução - hermes e a complexidade da comunicação 13.05.2011Hermes   introdução - hermes e a complexidade da comunicação 13.05.2011
Hermes introdução - hermes e a complexidade da comunicação 13.05.2011
claudiocpaiva
 
Peixoto venancio verdade-intercomsud2015
Peixoto venancio verdade-intercomsud2015Peixoto venancio verdade-intercomsud2015
Peixoto venancio verdade-intercomsud2015
Mário Peixoto
 
1300 2015 imprensa moçambicana-capa_lr (1)
1300 2015 imprensa moçambicana-capa_lr (1)1300 2015 imprensa moçambicana-capa_lr (1)
1300 2015 imprensa moçambicana-capa_lr (1)
Sérgio dos Céus Nelson
 
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de MassasA interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
MontaniniRC
 
Programa TEORIA DA COMUNICAÇÃO II 2011.2
Programa TEORIA DA COMUNICAÇÃO II 2011.2Programa TEORIA DA COMUNICAÇÃO II 2011.2
Programa TEORIA DA COMUNICAÇÃO II 2011.2
claudiocpaiva
 
O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?
Aline Corso
 
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Tarcízio Silva
 
Artigo Científico - Redes Sociais
Artigo Científico - Redes SociaisArtigo Científico - Redes Sociais
Artigo Científico - Redes Sociais
Karina Perussi
 
Clc5 e dr4 cultura e redes sociais
Clc5  e dr4 cultura e redes sociaisClc5  e dr4 cultura e redes sociais
Clc5 e dr4 cultura e redes sociais
Belmira Lourenço
 

Semelhante a Cibervias (20)

Ultrasegmentada, convergente e múltipla a publicidade nas novas mídias
Ultrasegmentada, convergente e múltipla   a publicidade nas novas mídiasUltrasegmentada, convergente e múltipla   a publicidade nas novas mídias
Ultrasegmentada, convergente e múltipla a publicidade nas novas mídias
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
 
Em tempos de cibercultura
Em tempos de ciberculturaEm tempos de cibercultura
Em tempos de cibercultura
 
A Teoria do Agendamento na Atuação da Imprensa Sergipana_Artigo
A Teoria do Agendamento na Atuação da Imprensa Sergipana_ArtigoA Teoria do Agendamento na Atuação da Imprensa Sergipana_Artigo
A Teoria do Agendamento na Atuação da Imprensa Sergipana_Artigo
 
Kischinhevsky - 2012 - Rádio social_ mapeando novas práticas interacionais so...
Kischinhevsky - 2012 - Rádio social_ mapeando novas práticas interacionais so...Kischinhevsky - 2012 - Rádio social_ mapeando novas práticas interacionais so...
Kischinhevsky - 2012 - Rádio social_ mapeando novas práticas interacionais so...
 
Sociologia civ aula 2
Sociologia civ   aula 2Sociologia civ   aula 2
Sociologia civ aula 2
 
Sociologia civ 2
Sociologia civ   2Sociologia civ   2
Sociologia civ 2
 
Internet, democracia e mercado
Internet, democracia e mercadoInternet, democracia e mercado
Internet, democracia e mercado
 
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículosAs mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
 
A Utilização das Mídias Digitais nas Manifestações Ocorridas no Brasil em 201...
A Utilização das Mídias Digitais nas Manifestações Ocorridas no Brasil em 201...A Utilização das Mídias Digitais nas Manifestações Ocorridas no Brasil em 201...
A Utilização das Mídias Digitais nas Manifestações Ocorridas no Brasil em 201...
 
Webjornalismo participativo e a produção aberta de notícias
Webjornalismo participativo e a produção aberta de notíciasWebjornalismo participativo e a produção aberta de notícias
Webjornalismo participativo e a produção aberta de notícias
 
Hermes introdução - hermes e a complexidade da comunicação 13.05.2011
Hermes   introdução - hermes e a complexidade da comunicação 13.05.2011Hermes   introdução - hermes e a complexidade da comunicação 13.05.2011
Hermes introdução - hermes e a complexidade da comunicação 13.05.2011
 
Peixoto venancio verdade-intercomsud2015
Peixoto venancio verdade-intercomsud2015Peixoto venancio verdade-intercomsud2015
Peixoto venancio verdade-intercomsud2015
 
1300 2015 imprensa moçambicana-capa_lr (1)
1300 2015 imprensa moçambicana-capa_lr (1)1300 2015 imprensa moçambicana-capa_lr (1)
1300 2015 imprensa moçambicana-capa_lr (1)
 
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de MassasA interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
 
Programa TEORIA DA COMUNICAÇÃO II 2011.2
Programa TEORIA DA COMUNICAÇÃO II 2011.2Programa TEORIA DA COMUNICAÇÃO II 2011.2
Programa TEORIA DA COMUNICAÇÃO II 2011.2
 
O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?
 
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
 
Artigo Científico - Redes Sociais
Artigo Científico - Redes SociaisArtigo Científico - Redes Sociais
Artigo Científico - Redes Sociais
 
Clc5 e dr4 cultura e redes sociais
Clc5  e dr4 cultura e redes sociaisClc5  e dr4 cultura e redes sociais
Clc5 e dr4 cultura e redes sociais
 

Mais de Maracy Guimaraes

Pesquisa em comunicação maria immaconolata
Pesquisa em comunicação   maria immaconolataPesquisa em comunicação   maria immaconolata
Pesquisa em comunicação maria immaconolata
Maracy Guimaraes
 
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto DamataO ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
Maracy Guimaraes
 
Batesonetalii acaminhodeumateoriadaesquizofrenia
Batesonetalii acaminhodeumateoriadaesquizofreniaBatesonetalii acaminhodeumateoriadaesquizofrenia
Batesonetalii acaminhodeumateoriadaesquizofrenia
Maracy Guimaraes
 
A historia-das-revistas-no-brasil
A historia-das-revistas-no-brasilA historia-das-revistas-no-brasil
A historia-das-revistas-no-brasil
Maracy Guimaraes
 
Manualde jornalismoinvestigativo
Manualde jornalismoinvestigativoManualde jornalismoinvestigativo
Manualde jornalismoinvestigativo
Maracy Guimaraes
 
Sociedade Frankenstein
Sociedade FrankensteinSociedade Frankenstein
Sociedade Frankenstein
Maracy Guimaraes
 
Hospício
HospícioHospício
Hospício
Maracy Guimaraes
 
Bota pra Fora 2013.2
Bota pra Fora 2013.2Bota pra Fora 2013.2
Bota pra Fora 2013.2
Maracy Guimaraes
 
Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do póshumano Santaella, Lucia
Da cultura das  mídias à  cibercultura: o  advento do póshumano Santaella, LuciaDa cultura das  mídias à  cibercultura: o  advento do póshumano Santaella, Lucia
Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do póshumano Santaella, Lucia
Maracy Guimaraes
 
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
Maracy Guimaraes
 
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
Maracy Guimaraes
 
Foto novela oficial1
Foto novela oficial1Foto novela oficial1
Foto novela oficial1
Maracy Guimaraes
 
Historiasdoprimeirodia
HistoriasdoprimeirodiaHistoriasdoprimeirodia
Historiasdoprimeirodia
Maracy Guimaraes
 
Haveravidaapós internet
Haveravidaapós internetHaveravidaapós internet
Haveravidaapós internet
Maracy Guimaraes
 
Brincadeira
BrincadeiraBrincadeira
Brincadeira
Maracy Guimaraes
 
CIRANDA: A Infância na História dos Moradores da Serra da Misericordia e Arre...
CIRANDA: A Infância na História dos Moradores da Serra da Misericordia e Arre...CIRANDA: A Infância na História dos Moradores da Serra da Misericordia e Arre...
CIRANDA: A Infância na História dos Moradores da Serra da Misericordia e Arre...
Maracy Guimaraes
 
Cirand al
Cirand alCirand al
Cirand al
Maracy Guimaraes
 
Leão(izis)
Leão(izis)Leão(izis)
Leão(izis)
Maracy Guimaraes
 
Leão turmac611n
Leão turmac611nLeão turmac611n
Leão turmac611n
Maracy Guimaraes
 

Mais de Maracy Guimaraes (20)

Pesquisa em comunicação maria immaconolata
Pesquisa em comunicação   maria immaconolataPesquisa em comunicação   maria immaconolata
Pesquisa em comunicação maria immaconolata
 
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto DamataO ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
O ofício de etnólogo ou como ter anthropological blues, Roberto Damata
 
Batesonetalii acaminhodeumateoriadaesquizofrenia
Batesonetalii acaminhodeumateoriadaesquizofreniaBatesonetalii acaminhodeumateoriadaesquizofrenia
Batesonetalii acaminhodeumateoriadaesquizofrenia
 
A historia-das-revistas-no-brasil
A historia-das-revistas-no-brasilA historia-das-revistas-no-brasil
A historia-das-revistas-no-brasil
 
Manualde jornalismoinvestigativo
Manualde jornalismoinvestigativoManualde jornalismoinvestigativo
Manualde jornalismoinvestigativo
 
Sociedade Frankenstein
Sociedade FrankensteinSociedade Frankenstein
Sociedade Frankenstein
 
Hospício
HospícioHospício
Hospício
 
Bota pra Fora 2013.2
Bota pra Fora 2013.2Bota pra Fora 2013.2
Bota pra Fora 2013.2
 
Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do póshumano Santaella, Lucia
Da cultura das  mídias à  cibercultura: o  advento do póshumano Santaella, LuciaDa cultura das  mídias à  cibercultura: o  advento do póshumano Santaella, Lucia
Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do póshumano Santaella, Lucia
 
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
 
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
58091850 a-opiniao-publica-nao-existe-pierre-bourdieu
 
Foto novela oficial1
Foto novela oficial1Foto novela oficial1
Foto novela oficial1
 
Historiasdoprimeirodia
HistoriasdoprimeirodiaHistoriasdoprimeirodia
Historiasdoprimeirodia
 
Haveravidaapós internet
Haveravidaapós internetHaveravidaapós internet
Haveravidaapós internet
 
Brincadeira
BrincadeiraBrincadeira
Brincadeira
 
CIRANDA: A Infância na História dos Moradores da Serra da Misericordia e Arre...
CIRANDA: A Infância na História dos Moradores da Serra da Misericordia e Arre...CIRANDA: A Infância na História dos Moradores da Serra da Misericordia e Arre...
CIRANDA: A Infância na História dos Moradores da Serra da Misericordia e Arre...
 
Cirand al
Cirand alCirand al
Cirand al
 
Leão(izis)
Leão(izis)Leão(izis)
Leão(izis)
 
Contribuição carla
Contribuição carlaContribuição carla
Contribuição carla
 
Leão turmac611n
Leão turmac611nLeão turmac611n
Leão turmac611n
 

Cibervias

  • 1. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 Ciberativismo: mídias digitais e o ativismo ambiental na rede1 Alan Mascarenhas2 Ana Paula Azevedo3 Olga Tavares4 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB RESUMO O caráter transformador do homem aliado à insatisfação frente às desigualdades e outras dificuldades de ordem social refletem um histórico de lutas e mobilizações em busca de interferências no status quo. Diante disso, destacamos a relação desses movimentos sociais com a comunicação, haja vista que os processos comunicacionais mediam as relações em sociedade através de suas linguagens. Em tempos de realidade virtual, com o advento da internet, e o turbilhão de possibilidades que apresenta, propomos um estudo dos movimentos de ativismo social no ciberespaço – Ciberativismo - através do aplicativo Amazônia.vc presente no site de relacionamentos Orkut. PALAVRAS-CHAVE: ativismo social; ciberativismo; comunicação; cibercultua; meio ambiente. O Ativismo na Mídia Com freqüência ouvimos na academia e na própria mídia discussões sobre o poder que as mídias exercem sobre o comportamento social. Remete ao período monárquico absolutista a constatação, mesmo que insipiente, de tal força da influência social dos meios de comunicação presentes na imposição do silêncio e na proibição de livros, em detrimento da liberdade de expressão. Nesse sentido, ao longo da história política mundial podemos constatar inúmeros momentos onde a mídia foi utilizada como ferramenta de “manipulação” da opinião pública, como no Brasil, por exemplo, tivemos na era Vargas a criação da Voz do Brasil, tradicional programa radiofônico de notícias sobre o governo, que não por acaso existe até hoje praticamente com o mesmo perfil editorial. Esta força foi crescendo e se refinando, conforme evoluíram os suportes midiáticos como afirmam Ferreira e Vizer: 1 Trabalho apresentado na Divisão Temática Multimídia, da Intercom Júnior – Jornada de Iniciação Científica em Comunicação, evento componente do XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação 2 Estudante de Graduação 7º. semestre do Curso de Radialismo da UFPB, email: alanmangabeira@gmail.com 3 Estudante de Graduação 7º. semestre do Curso de Radialismo da UFPB, email: azevedo.ap@hotmail.com 4 Orientadora do trabalho. Professora-adjunto do CCTA, PPGC e PPGCI/ UFPB, email: olgatavares@cchla.ufpb.br 1
  • 2. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 A influência social, cultural e psicológica da comunicação midiatizada cresceu em forma permanente e acelerada com o surgimento dos meios de comunicação audiovisuais, paralelamente aos processos de massificação dos públicos telespectadores em escala global. (FERREIRA e VIZER, 2007, p. 26). Entretanto, não se trata mais de pensar numa força direitista unilateral ou exclusiva dos detentores da produção midiática dos grandes meios de comunicação como as emissoras de Rádio, TV e de impressos, porque em outros tempos e espaços a mídia havia sendo, também, utilizada como ferramenta de contestação e transformação da ordem vigente. Desde a Revolução Francesa com a panfletagem e os discursos orais de fundamentação iluminista, que visavam à passagem de um regime político a outro, resultado, sobretudo, do acesso massificado à leitura, a história retrata como a mídia pode atuar não somente na manutenção de uma ordem, mas também na ruptura do status quo. No decorrer do tempo, muita coisa mudou tanto na esfera tecnológica da comunicação, bem como no âmbito das necessidades sociais, nas suas lutas e na forma de lutar, em especial, na maneira de utilização da mídia por ativistas de movimentos sociais, como o movimento ambiental. Estima-se que os movimentos ambientais tiveram origem no final do século XIX, na Europa Ocidental, com a formação de grupos voluntários para proteger a vida selvagem e a preservar áreas naturais, fazendo surgir, então, a primeira “onda de ação ambiental” (TAVOLARO, 2001, p.18). Mas foi no século XX, a partir da década de 60, que a “segunda onda” fez surgir novas organizações ambientalistas, uma crescente consciência pública, mas, também, problemas industriais como energia nuclear, lixo tóxico e afins (DALTON, 1994, apud TAVOLARO, 2001, p.19), o que passou a despertar a mobilização ambiental. A seu turno, a revolução digital trouxe, entre outras coisas, a multiplicação dos meios de produção e disseminação da comunicação proporcionando o acesso, que não é total, mas crescente da internet nos diversos recantos do planeta. Concomitantemente, os movimentos sociais tomaram novos formatos, como afirmam Ferreira e Vizer (2007, p.36) “o ativismo social já não deve ser forçosamente organizado, nem requerer ‘atos de fé’ nem formalidades (...)”. Sob essa perspectiva, pensar todas as possibilidades que a internet oferece ao reunir imagem, texto, áudio e vídeo, interligados numa rede de alcance mundial é uma justa e frequente preocupação do meio acadêmico contemporâneo de diferentes campos 2
  • 3. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 de estudo, tais como a sociologia e a comunicação tamanha sua relevância e complexidade. Propomos, neste trabalho, uma reflexão do uso da internet como ferramenta de ativismo – o ciberativismo – numa perspectiva ambiental, através do aplicativo Amazônia.vc presente no site de relacionamentos Orkut. Do papel ao virtual: Paradigmas que norteiam o ciberativismo O Ciberativismo é uma atividade completamente nova, que se inspirou no ativismo, cujas práticas nos veículos tradicionais deram lugar aos novos suportes digitais e eletrônicos "para divulgar causas, fazer reivindicações e organizar mobilizações" (VASCONCELOS, 2008). Neste artigo, iremos estudar o ativismo feito através da internet, considerado ciberativismo; e, também, tentaremos refletir acerca de quais ações o circundam, fazendo um recorte sobre o ciberativismo através do aplicativo Amazonia.vc, desenvolvido para o Orkut. Todavia, é de extrema importância que alguns conceitos básicos e seus contextos históricos sejam esclarecidos para que a análise do aplicativo possa ser compreendia. Em 1932, momento de plena expansão da Comunicação de Massa e de pesquisas sobre essa nova forma de difundir cultura, o dramaturgo Bertold Brencht, o mesmo que levou o teatro a níveis onde o público poderia interferir na peça, criando a estética do teatro didático, se tornou o pioneiro no que se refere aos pensamentos sobre a interatividade - termo que norteia os avanços na área da informática e que interfere em nosso objeto de estudo, o Amazônia.vc, como veremos mais adiante. Brecht imaginou um modelo de programa radiofônico onde o ouvinte fosse dotado da opção de se tornar ativo na produção, ou seja, de interferir no que estivesse sendo transmitido pela rádio de forma participativa, crítica e direta do público, segundo Arlindo Machado, em “Hipermídia: O labirinto como metáfora” (1997). A partir dos pensamentos mais ousados de Brecht, vemos a necessidade de "interativizar" o relacionamento homem e máquina, relacionamento já notado no aplicativo Amazônia.vc Houve um grande caminho entre a comunicação unilateral, norteada pelo Esquema de Laswell, onde tal receptor apenas recebe a informação, sem interferir nela, e a situação comunicacional atual. Quando Brecht refletia sobre a relação "homem- máquina", esta ainda estava, para maioria dos meios, estabelecida de forma quente, como discorre Marshall McLuhan (1969). 3
  • 4. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 Para o filósofo canadense, meios quentes não dispõem de lacunas a serem preenchidas pelo receptor. McLuhan pensava então o rádio como um desses meios quentes. O que não significa que tal meio, assim como outros, não poderia se tornar um meio de comunicação que sofresse interferências do receptor. A informática foi criada pensando na relação entre o homem e a máquina, consequentemente, atuando sobre a forma de emitir e receber informação. A evolução da informática atinge um patamar importante nesse sentido com o surgimento da internet. O inicio prático da internet partiu da comunicação entre bases militares na década de 60. De uma época onde apenas 100 sites existiam na rede - o que podemos comparar com um pequeno vilarejo - chegamos a uma rede composta por cidades virtuais, dando origem a um mundo que abandonou o paralelismo e se adequou como extensão do mundo físico. Para o pesquisador André Lemos, cidades virtuais podem ser chamadas de cibercidades e vistas da seguinte maneira: A cidade e as cibercidades devem ser vistas como formas espaço- temporal que se constroem pelo movimento: transporte e comunicação. No processo de virtualização das cidades, deve acontecer, para que as cibercidades possam ser assim chamadas, formas de transporte e comunicação, onde os percursos de pessoas pelo espaço informativo a partir de trocas comunicacionais possa se inserir em trocas de informação entre elas. Cidade e circuitos eletrônicos mantêm assim uma analogia que vai além da mera metáfora: ambas fazem circular (transporte) informação pelos mapeamentos de objetos e instrumentos, provocando situações de comunicação. (LEMOS,2000, p.4) André Lemos faz a analogia entre os circuitos eletrônicos e visualiza todos os elementos principais de uma cidade palpável, como a que moramos. Nas cibercidades, as ruas, avenidas, campos e praças, por exemplo, são apenas um simulacro. Para Lemos (2000, p.5), elas devem "reivindicar ser uma 'narrativa' da cidade e não sua transposição literal ou espacial". É dentro do universo virtual e com suas trocas de dados que surgem as comunidades virtuais de usuários, que com uma linha de pensamento em comum desenvolvem ações virtuais, podendo transcender o mundo das virtualidades, como podemos observar nas ações ciberativistas. Os encontros e as trocas de informação entre pessoas têm a possibilidade de ocorrer em qualquer ponto de uma cidade física, que pode também possibilitar a troca de informações entre objetos e pessoas, desde que esses objetos sejam signos que possam interferir, ou dialogar, com algum pensamento do individuo que decodificou a 4
  • 5. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 informação em código proposta no signo em questão, como é reforçado por Lúcia Santaella (1996, p.60): “refletir, o signo, necessariamente e sem escapatória possível também retrata essa realidade, isto é, ao refletir o signo transforma, transfigura e até certo ponto e numa certa medida, deforma aquilo que reflete”. No mundo virtual, como afirma Lemos (2000, p. 4), a troca passa a ser de bytes e não mais de objetos, além de se tornar uma ação muito mais tangível ao intelecto humano em detrimento da troca material. No sistema virtual de trocas, não deixa de haver uma possessão, mesmo não tendo objetos físicos, afinal tudo que recebemos através da internet também tem uma imagem. No mundo não- virtual precisamos pegar os objetos (o documento em papel de uma petição ou um DVD com aulas virtuais, por exemplo) com nossas mãos, mas no que diz respeito ao mundo virtual, precisamos de uma extensão do nosso corpo para que isso aconteça, como situa Mcluhan, em "Os Meios de Comunicação Como Extensão do Homem" (1969). No caso do computador, o mouse é a extensão virtual de nossas mãos. Mas atualmente, com o avanço tecnológico, algumas extensões, como o mouse, já estão sendo comprimidas. Nesse caso que tratamos, o mouse se torna desnecessário com as telas de toque (Touchscreen). Tal fator interfere positivamente na relação entre os usuários da rede que compartilham a ação ciberativista. É como estar muito mais próximo de um usuário que junto com outro que programou uma ação ativista através de uma comunidade virtual. Com a extensão reduzida, as informações são trocadas de forma mais eficaz. Quanto à interação e à interatividade que introduzimos no tópico, fatores decisivos em aplicativos semelhantes ao Amazônia.vc, é importante frisar a forma imatura que o marketing se apropriou dos termos para vender seus produtos, incluindo aplicativos para sites de relacionamento, para televisões, entre outros. Edna Brennand e Guido Lemos afirmam que as possibilidades dadas por uma televisão que permita o controle da sua programação com avanço e retrocesso de imagem, por exemplo, "ainda não satisfaz a necessidade intrínseca que os sujeitos cognitivos possuem de transgredir e redirecionar os fluxos comunicacionais" (BRENNAND e LEMOS, 2007, p.78). Ou seja, podemos pensar em interatividade como algo que nos permite sair da fórmula pré- estabelecida de caminhos, ou pelo menos que essa forma supra a necessidade de atender à demanda de caminhos que o usuário possa optar, transformando a situação. Para Enzensberger (1979, p.25), a interatividade é pensada em um processo que possa ter um feedback constante entre emissor e receptor, invertendo tais papéis, inicialmente estáticos. 5
  • 6. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 Já a interação é tida como uma relação, referindo-se a um tipo de ação que envolve vários sujeitos no sentido de criar um vínculo entre eles (VITADINI, 1995 apud MIELNICZUG, 2001, p.173). Sem tal interação se tornaria impossível a existência de movimentos ativistas, quanto mais ciberativistas, que passam a contar com a interatividade pertinente à internet. Sobre essa ligação entre internet, ativismo e interatividade, Dênis Morais comenta: A Internet oferece novas ferramentas de intervenção, como as campanhas virtuais, o correio eletrônico, grupos de discussão, fóruns, salas de conversação, boletins, manifestos online, murais, anéis de sites e árvores de links. É uma arena complementar de mobilização e politização, somando-se a assembléias, passeatas, atos públicos e panfletos. (MORAIS, 2001, p.3) As Mídias Digitais como Suporte para o Ativismo Social Muitos teóricos alertam para possíveis problemas sociais oriundos da incorporação da internet ao cotidiano da população como, por exemplo, dificuldades de relacionamento provocado por seu uso exacerbado numa geração que cresceu “imersa” no mundo virtual. Mas o espaço oferecido virtualmente não deve ser concebido como um espaço à parte do considerado “real”, porque o conteúdo que compõe o texto em rede está em constante diálogo com a realidade sócio-histórica. O homem que habita o ciberespaço está preenchendo-o com informações e questões que dizem respeito ao contexto social de que participa e é produto. Conforme Lèvy (1999, p.17), “o termo [ciberespaço] especifica não apenas a infra-estrutura material da comunicação digital, mas também o universo oceânico de informações que ela abriga, assim como os seres humanos que navegam e alimentam esse universo”. Por outro lado, a internet surge como uma opção descentralizada de comunicação, oferecendo um fluxo de informações distribuídas de forma horizontal e é antes de tudo uma realidade já instalada, ou seja, não se trata de um processo passível de inversão. A questão é muito mais de pensarmos as novas práticas que este meio introduz ao contexto social para melhor compreendemos essas possibilidades e suas implicações. Castells nos fala da sociedade regida sob o paradigma tecnológico da informação, a sociedade em rede: 6
  • 7. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 (...) o paradigma da tecnologia da informação não evolui para seu fechamento como sistema, mas rumo a abertura como rede de acessos múltiplos. É forte e impositivo na sua materialidade, mas adaptável e aberto em seu desenvolvimento histórico. Abrangência, complexidade e disposição em forma de rede são seus principais atributos. (CASTELLS, 2007, p.113). Essa abertura quanto ao seu desenvolvimento histórico da rede na internet - que “é a rede que liga a maior parte das redes” (CASTELLS,2007, p.431), propiciou ao ativismo grandes avanços, pois, se a grande mídia (TV, rádio, jornal impresso) obedece a um formato que não dá livre acesso às minorias sociais, “a criação de novos softwares cada vez mais sofisticados e o barateamento de equipamentos fez com que aumentasse o número de pessoas com acesso à rede, abrindo ainda mais o mercado da informação e do conhecimento” (LÉVY, p. 44, 1999). Tomando ambientalismo como um conjunto de pensamentos e ações coletivas que defendem o reajuste das relações entre o homem e o meio ambiente, percebemos a profunda e difícil “missão” deste movimento, já que propõe uma profunda modificação cultural que mexe com delicadas questões como a economia global ao contrariar interesses de empresários. Neste sentido, a internet dispõe, no meio virtual, do espaço de contestação e luta negado por anos nos formatos de outras tecnologias a grupos que lutam por uma causa social como o dos negros, homossexuais, ambientalistas etc. Sites, blogs, fóruns e tantas outras ferramentas que compõem o ciberespaço passaram a compor a parte principal da publicidade de ONGs, associações e ativistas de movimentos como o movimento ambiental. Junto com as ferramentas citadas do ciberespaço que contribuem para o ciberativismo ambiental, está o site que hospeda o Amazônia.vc - o Orkut. Castells propõe uma relação intensa entre as questões que formam o movimento ambiental e a estrutura social moldada pela centralidade assumida pela tecnologia e informação, a saber: Proponho a hipótese de que existe uma relação direta entre os temas abordados pelo movimento ambientalista e as principais dimensões da nova estrutura social, a sociedade em rede, (...): ciência e tecnologia como os principais meios e fins da economia e da sociedade; a transformação do espaço; a transformação do tempo; e a dominação da identidade cultural por fluxos globais abstratos de riqueza, poder e informações construindo virtualidades reais pelas redes da mídia. (CASTELLS, 2006, p. 154) 7
  • 8. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 O aplicativo em estudo possui a particularidade de não estar associado a uma organização não-governamental ou instituição de proteção ambiental, mas ser produzido por uma grande emissora de comunicação do Brasil, a Rede Globo. O que demonstra, no mínimo, a penetração do tema no seio da sociedade e levanta questionamentos: o que move a ação ativista de uma empresa de comunicação, antes de tudo movida pelo lucro como manda o sistema capitalista? Ambientalismo, hoje em dia, deixou de ser “coisa de ambientalista” e virou acessório de moda para as pessoas jurídicas e físicas? O Orkut como suporte para o Amazônia.vc O Orkut se define como uma comunidade on-line e pode ser considerado rede social ou site de relacionamento, sendo criado em Janeiro de 2004, por Orkut Büyükkokten, engenheiro do Google, que deu nome à comunidade. Esta se estrutura em um banco de dados comportando perfis de usuários que podem manter uma interação entre si através dos perfis e das comunidades existentes no site. Tais comunidades podem ser criadas por qualquer usuário que deseje exprimir um pensamento, definindo então qual tipo de comunidade ela será: Arte e Entretenimento, História e Ciências e outras categorias selecionadas pelo Orkut. Dentro do perfil, os usuários têm a possibilidade de trocar informações através da área de recados ou scraps e, caso ele esteja cadastrado através de um e-mail do Google (atual empresa dona do Orkut) ele poderá se comunicar em um serviço de mensagem instantânea com os usuários adicionados no serviço por ele. Apesar de ter no Brasil a maior quantidade de usuários, o Orkut, no dia 16 de abril de 2008, começou a testar na Índia a inclusão de aplicativos que poderiam ser adicionados ao perfil de cada usuário. Cada aplicativo é desenvolvido de forma independente e, seguindo os passos da empresa de informática Apple em recepção de idéias, os aplicativos desenvolvidos são recebidos pela Google para análise. Cada aplicativo usa a tecnologia Google OpenSocial, que é composta das linguagens de construção na internet mais básicas: HTML e JavaScrip. O OpenSocial não funciona como uma rede com estrutura própria, ela é um conjunto de três APIs (Interface de Programação de Aplicativos) que permitem, segundo informações da Google, que os programadores tenham acesso às informações do site, tais como informações de Perfil (dados de prováveis usuários), informação de Amigos (gráfico social) e dados sobre as 8
  • 9. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 atividades (o que o usuário faz na rede). De forma que aplicativos, chamados de "apps", como o Amazônia.vc sejam baseados no público que atingirá. O Amazônia.vc é um aplicativo desenvolvido através dessa tecnologia Opensource pela equipe do programa de televisão Fantástico, da Rede Globo, em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que contribui com a atualização de dados, como as áreas de queimadas e desflorestamento. A proposta do aplicativo é fazer com que os usuários do Orkut, que são, segundo a companhia, 49% brasileiros e 54,54% de um total de mais de 25 milhões de usuários ativos que tem entre 18 e 25 anos, possam controlar e protestar contra a devastação da floresta amazônica, sem sair de casa. Floresta essa que já teve, ao decorrer da história, 730 km² destruídos pela ação do homem, um espaço que levaria cerca de 10 horas para se percorrer de caminhão e que equivale a dezessete estados do tamanho do Rio de Janeiro. Data da década de 70 o início da vigilância da Amazônia, mas na época tal ação acontecia para que os militares se certificassem de que a mata estava realmente sendo derrubada. Ato que representava, para eles, o progresso do país, que se materializou no projeto da construção da Transamazônica, cujo marco zero fica em Cabedelo, na Paraíba. “O modelo do desenvolvimento implantado durante os governos militares aparece entre os meios científicos como o grande responsável pelo processo de desmatamento que se desencadeou ao longo das últimas três décadas na Amazônia.” (LUFT, 2005, p.69). Schirley Luft (2005, p.70-74) discorre sobre os “desajustes socioambientais” na Amazônia, nessas últimas décadas em razão de uma política mais predatória e destruidora do que preservacionista deste bem natural, deste patrimônio da biodiversidade mundial, que é a Floresta Tropical. O aplicativo Amazônia.vc é uma ramificação ativista do portal Globo Amazônia (www.globoamazonia.com). Apesar de o site conter notícias sobre o desmatamento e apresentar um mapa que indica a situação da floresta de acordo com dados do Inpe, é através do aplicativo no Orkut que o ciberativismo acontece efetivamente. Na página inicial dentro do aplicativo no Orkut, encontramos em destaque um mapa da América do Sul, com foco nas regiões da floresta. Nele, podemos encontrar grupos de queimadas (identificado por um ícone com desenho de uma chama com um sinal de "+"), queimadas isoladas (apenas o ícone da chama), áreas de desmatamento (ícone com madeiras cortadas e empilhadas), grupos de desmatamento (desenho vetorial das madeiras empilhadas e o sinal de "+") e casos que foram noticiados (caixa de diálogo 9
  • 10. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 com um sinal de "+" para grupo de notícias, ou com um botão de play, identificando notícia com vídeo e ainda a caixa de dialogo simples, com mais caixas dentro, para uma única notícia) além de mostrar quais locais já foram protegidos inserindo uma imagem verde de "positivo" em cima das madeiras ou do fogo. A figura 001 mostra os ícones inseridos no mapa e suas legendas: Figura 001 - Mapa do Amazônia.vc Acesso em 19 de Junho de 2009 e disponível em <http://www.Orkut.com.br/Main#Application.aspx?uid=107712692826252 90202&appId=617265 775021&rl=ls > Além do mapa, é apresentado um espaço com dados do desmatamento no mês (atualizados de acordo com a divulgação do Inpe), quantos focos de queimadas foram identificados no dia e os grupos de notícias. O aplicativo também divulga notícias sobre o desmatamento, sendo que na parte superior da tela, em destaque, entra uma notícia postada através do perfil no Twitter (site de rede social) do Globo Amazônia, e na parte inferior com notícias provenientes da agência de notícias do site do Globo Amazônia. Há um ranking, ainda na página inicial, que mostra qual estado tem maior número de protestos, ou seja, mais focos de destruição da floresta. O ranking nos leva, assim como o menu superior do site, à página de protestos que fica dentro do aplicativo, com um ranking mais detalhado, contendo: um ranking que mostra a posição do usuário entre os 10
  • 11. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 amigos que protestam, o seu último protesto, uma lista de protesto por estados e a quantidade total de protestos. Dentro do Orkut, fora do aplicativo, é possível saber quais amigos usam o mesmo aplicativo que o usuário. Amazônia.vc: Um aplicativo ciberativista? O aplicativo Amazônia.vc está em fase de teste (Beta) e faz parte do projeto Globo Amazônia e está à disposição no portal de mesmo nome, como mencionado anteriormente. Na primeira sessão, intitulada Monitoramento, o mapa apresenta os pontos de queimada e desmatamento, seguindo a ilustração icônica detalhada no tópico anterior, além da sequência das últimas notícias sobre meio ambiente, enfatizando aquelas que abordam a Amazônia. Destacamos a guia monitoramento como o ponto chave deste software porque é a partir dela que se desencadearão todas as atividades do usuário permitidas pela interatividade do aplicativo, sendo elas as ações de ciberativismo as quais, neste caso, consistem na realização de protestos, possibilitados através da segunda guia do aplicativo, a guia Protestos. Tais ações se dão a partir da indignação referente ao perigo de extinção do ecossistema amazônico, sensibilizadas na primeira etapa do aplicativo, dentro da primeira guia. O que é alcançado pelos olhos é mais passível de sensibilizar, a dinâmica do aplicativo funciona de modo que o indivíduo tenha no seu cotidiano possibilidade de fiscalizar diariamente, através de imagens captadas via satélite, um patrimônio natural de importância tão elevada quanto a floresta amazônica. A disponibilização dessas imagens para o público atua também como uma pressão indireta nas autoridades responsáveis pelo combate à destruição da floresta amazônica. Casos já foram autuados pelo Ibama graças ao monitoramento do aplicativo aqui referido, como por exemplo: “Alertado pelo mapa Amazônia.vc, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) , do Amapá, fiscaliza queimada”, em 22/4/2009, disponível em <http://amapa.bobnews.com.br/noticias/alertado-pelo-mapa-amazoniavc-ibama-do- amapa-fiscaliza-queimada-199.html>. Na guia protestos acontece uma espécie de “competição” entre os internautas que atuam no Amazônia.vc, pois o ranking de usuários que mais postaram protestos funciona como um elemento de incentivo à participação. Além da natural preocupação 11
  • 12. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 em proteger a Amazônia, figurar no ranking acaba se tornando um atrativo a mais para o internauta. Não devemos olvidar que o aplicativo funciona via Orkut que carrega um estigma de algo “superficial” voltado para “banalidades” adolescentes. Mas antes de qualquer coisa é um site de relacionamentos, e nesse sentido o aplicativo termina por criar uma outra rede dentro do Orkut – a rede dos integrantes do amazônia.vc. que se entrelaça com a do site hospedeiro proporcionando uma relação de grupo, com a criação de uma identidade dos elementos que compõem a rede do amazônia.vc. Tal interação proporciona uma vertente importante ao ciberativismo: a ligação entre as pessoas ativistas, que precisam formar um grupo que os conecte fora da ação ativista em si. Dentro da rede, por mais que exista um ranking, essa possível ligação entre os usuários permite uma comunicação de forma horizontal entre eles, não criando uma hierarquia entre o criador de um protesto e seus seguidores. A rede e a troca de informação e todas as ações que a circundam acontecem nas ruas das cibercidades. Em grandes centros urbanos, onde a ação ativista se apresenta com mais dificuldade devido à não-disposição de tempo dos integrantes de movimento, a rede dentro do ciberativismo vem contribuir com a questão temporal. A compactação de algumas extensões do homem com relação ao computador, como explicamos, encurta a quantidade de tempo gasta para se fazer algo na internet, como denunciar as queimadas e em seguida já discutir com o seu grupo de amigos as ações tomadas e os fatos apresentados nas notícias. A interação se alia à interatividade, como de costume, dentro do aplicativo, ao passo que o Orkut permite a troca de mensagem entre os usuários da rede, tendo ele assim um espaço em branco para discutir suas ações e estender, de forma ao seu critério, através dos recados (scraps), na extensão da rede. Entrando no gerenciamento do aplicativo, clicando no ícone em forma de ferramenta, o Orkut proporciona a visualização de todos os participantes do aplicativo, permitindo que esses fortaleçam a rede. Para alguns, nesse caso, o aplicativo pode se tornar apenas um dos pontos de encontros, na cibercidade ou no mundo físico, para os ativistas, levando a rede do virtual ao físico. E nessa nova rede, o status maior é o daquele mais ativo no aplicativo, o que mais posta e está entre os melhores colocados no ranking. Considerações Finais 12
  • 13. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 Na sociedade atual percebemos uma tendência de aceitação da visão ecológica. As preocupações com o meio ambiente que moveram os ativistas de movimentos ambientais pelo mundo, de certa forma, acabaram por “contaminar” toda a sociedade. A crescente abordagem na mídia desses problemas, embora em sua maioria de forma superficial, colaborou para a construção dessa “simpatia” com a ecologia. O amazonia.vc está voltado para a conscientização em torno da crescente destruição da Amazônia. Pensando nos altos índices existentes de destruição da floresta, o projeto consiste numa tentativa de levar o cidadão comum a acompanhar a devastação e participar efetivamente emitindo sua indignação sobre este crime ambiental; por isso, é de certo modo, um convite ao ativismo. Mas não podemos perder de vista todo o interesse comercial embutido desde a construção do aplicativo, que acaba funcionando como um objeto de divulgação da rede Globo, colaborando no marketing da empresa, pois é inegável que, na nossa sociedade, é um ponto positivo ter sua marca associada a alguma causa ambiental. O ciberativismo começou demasiadamente tímido, recebendo a descrença de organizações não-governamentais, de pautas jornalísticas, da internet e, consequentemente, até do meio ambiente. Os usuários mais alternativos e os comunicadores são costumeiramente os que mais buscam novos fatos na rede e, quando os últimos não se interessam por esse fato, então os que buscam a cultura "perdida", fora do mainstream, ficam atentos a ela e fazem uso do que essa cultura lhes oferece, chamando a atenção da mídia, como um ciclo - do qual o ciberativismo não escapou. De ações para chamar atenção para situações de pouca relevância, o ativismo online hoje mobiliza o mundo virtual a favor do mundo físico e, seja por um marketing "verde" ou boas intenções, o amazônia.vc conseguiu convergir em uma compassada interação as velhas e as novas mídias, os cidadãos comuns e as autoridades re-ativando, quem estiver ao alcance, e rejuvenescendo a luta virtual pela Amazônia. 13
  • 14. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 REFERÊNCIAS BARROS, Gêisa O. e OLIVEIRA, Rodrigo B. Representatividade do candomblé da Bahia em comunidades no Orkut. Anais. Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Natal: Intercom, 2008. BRAUN, Daniela. Ciberativismo: clique aqui para salvar o mundo. Disponível em < http://idgnow.uol.com.br/10anos/2007/09/05/idgnoticia.2007-09-04.2544438984/ >. Acesso em maio de 2008. BRENNAND, Edna e LEMOS, Guido. TV digital interativa: reflexões, sistemas e padrões. São Paudo: Ed: Mackenzie; 2007. CAPRA, Fritjof. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 2006b. CASTELLS, Manuel. A era da intercomunicação. Le Monde Diplomatique/ Brasil. Edições mensais – agosto, 2006. Disponível: < http://diplo.uol.com.br/2006-08,a1379>. Acesso em maio de 2009. FERREIRA, Jairo e VIZER, Eduardo (orgs.), Mídia e movimentos sociais: Linguagem e coletivos em ação. Coleção Comunicação. São Paulo: Paulus, 2007. GOOGLE. OpenSocial - Google Code. Disponível em <http://code.google.com/intl/pt- BR/apis/opensocial/ >. Acesso em 25 maio 2009. INFOESCOLA.COM. Teatro Interativo. Disponível em < http://www.infoescola.com/artes/teatro-interativo/ > Acesso em 13 jun. 2009 LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora34, 2005. LEMOS, André. Cibercidades. Disponível em: < http://unpan1.un.org/intradoc/groups/public/documents/ICIEPA/UNPAN005410.pdf > , 2000. Acesso em 27 maio 2009. LUFT, Schirley. Jornalismo, meio ambiente e Amazônia. São Paulo: FAPESP/Annablume, 2005. MACHADO, Arlindo. Hipermídia: O labirinto como metáfora. In: RODRIGUES, Diana (org.). A Arte do Século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997. MACHADO, Jorge Alberto S. Ativismo em rede e conexões identitárias: novas perspectivas para os movimentos sociais. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517- 45222007000200012&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 24 de maio de 2009. 14
  • 15. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009 MCLUHAN, Marshall. Os Meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1969. MORAIS, Regis de. Educação, mídia e meio ambiente. São Paulo: Editora Alínea, 2004. ROCHA, Ronaldo Gazal. Ecoideologias associadas aos movimentos ambientais: contribuições para o campo da educação ambiental. Educar, Curitiba, n. 27, p. 55-73, 2006. Editora UFPR. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/%0D/er/n27/a05n27.pdf >. Acesso: 16 maio 2009. SANTAELLA, Lúcia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do póshumano. Revista Famecos, nº22. Porto Alegre, 2003. Disponível em: < http://www.pucrs.br/famecos/pos/revfamecos/22/a03v1n22.pdf >. Acesso em 05 maio 2007. _________________ Cultura das Mídias. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1996. SEBEOK, Thomas A. Comunicação. In RECTOR, M. E NEIVA, E. (orgs.). Comunicação na era pós-moderna. Petrópolis/RJ: Vozes, 1995. TAVOLARO, Sérgio B. de F. Movimento ambientalista e modernidade: sociabilidade, risco e moral. São Paulo: Annablume, 2001. TRES, Lairton. A resistência como práxis dos movimentos ambientalistas e ecológicos. Disponível em: < http://www.uepg.br/praxiseducativa/v1n1Artigo_6.pdf >. Acesso em 15 marco 2009. VASCONCELOS, Yuri. O que é ciberativismo? Disponível em < http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/conteudo_281598.shtml >, 2008.Acesso: 13 de jun. de 2009. TERRA. Educaterra: História - Cultura e Pensamento - Voltarie, símbolo do Iluminismo. Disponível em < http://educaterra.terra.com.br/voltaire/cultura/iluminismo2.htm >. Acesso em 10 jun. de 2009. 15