1
Leandro Cassol Tomasi, Mirella Marques e Paola Campagnolo Brutti
ESTOQUE DE CARBONO EM FLORESTAS PLANTADAS
São Gabriel
2...
2
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO............................................................................................. 3
2. ...
3
1. INTRODUÇÃO
Segundo um relatório divulgado pela Agência Internacional de Energia
(AIE) a emissão de CO2 na atmosfera c...
4
2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
O carbono é elemento fundamental na constituição das moléculas
orgânicas, e compõe quatro dos p...
5
Nas florestas há intenso acúmulo de biomassa morta sobre o solo,
constituindo a serapilheira ou liteira. A serapilheira ...
6
3. ESTOCAGEM DO CARBONO
Segundo a SNIF, o carbono pode ser estocado em diversos
compartimentos da biomassa nas florestas...
7
4. ESTOCAGEM DE CARBONO EM FLORESTAS PLANTADAS
Sabe-se que as árvores têm a capacidade de absorção e fixação de
carbono ...
8
A importância de plantações de florestas, ou do uso de reflorestamentos
no Brasil, está ligado a uma finalidade, sendo e...
9
Tabela 1 - Estimativa de carbono fixado pelas florestas plantadas do
gênero Eucalyptus
Fonte: FBDS Fundação Brasileira p...
10
De acordo com BAESSO et al,. (2001), quando analisado o estoque de
carbono nas raízes, pode-se observar um aumento ao d...
11
4.2Estocagem de Carbono em Florestas de Pinus
A plantação florestal com espécies de Pinus é a segunda mais extensa
no B...
12
Tabela 2 - Estimativa de carbono fixado pelas florestas plantadas do
gênero Pinus
Fonte: FBDS Fundação Brasileira para ...
13
Tabela 3 - Carbono por hectare nos diferentes compartimentos das árvores de
Pinus nos anos de 1993 e 2000.
Fonte: BALBI...
14
5. ESTOCAGEM DE CARBONO NO SOLO
De acordo com Braga (2012), o carbono é importante no solo, pois
melhora a estrutura fí...
15
Zinn et al. 2002 apud BARROS 2010 encontraram diferenças
significativas no estoque de C do solo (0-60 cm de profundidad...
16
6. CONCLUSÃO
A estocagem de carbono via plantios florestais vem sendo analisado
como um importante agente compensatório...
17
7. REFERÊNCIAS
1. ABRIL. Existem espécies de plantas que tiram mais CO2 da
atmosfera?. Disponível em:
<http://planetasu...
18
<http://www.ambiente.sp.gov.br/proclima/files/2014/05/122.pdf> Acesso
em: 17 de julho de 2014.
9. GATTO et al. Estoques...
19
16. SOUZA, M. A.; VIEIRA, S. A. Quantificação de Carbono Estocadoem
Reflorestamento Heterogêneo de Mata Ciliar aos 8 an...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estoque de Carbono em Florestas Plantadas

770 visualizações

Publicada em

Revisão bibliográfica baseada em artigos, teses e dissertações, sobre estoque de carbono em florestas plantadas

Publicada em: Dados e análise
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
770
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estoque de Carbono em Florestas Plantadas

  1. 1. 1 Leandro Cassol Tomasi, Mirella Marques e Paola Campagnolo Brutti ESTOQUE DE CARBONO EM FLORESTAS PLANTADAS São Gabriel 2014
  2. 2. 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO............................................................................................. 3 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ........................................................................ 4 3. ESTOCAGEM DO CARBONO .................................................................... 6 3.1 Carbono na biomassa viva acima do solo............................................. 6 3.2 Carbono na biomassa viva abaixo do solo............................................ 6 3.3 Carbono na biomassa morta................................................................. 6 3.4 Carbono na serapilheira........................................................................ 6 4. ESTOCAGEM DE CARBONO EM FLORESTAS PLANTADAS .................. 7 4.1 Estocagem de Carbono em Florestas de Eucalyptus ........................... 8 4.2 Estocagem de Carbono em Florestas de Pinus.................................. 11 5. ESTOCAGEM DE CARBONO NO SOLO.................................................. 14 6. CONCLUSÃO............................................................................................ 16 7. REFERÊNCIAS ......................................................................................... 17
  3. 3. 3 1. INTRODUÇÃO Segundo um relatório divulgado pela Agência Internacional de Energia (AIE) a emissão de CO2 na atmosfera chegou a 31,6 Gt em 2011, sendo que 45% das emissões correspondem à queima de carvão, seguido da queima de óleo (35%) e de gás natural (20%). Os dois maiores consumidores de CO2 do planeta são o oceano através de algas e a vegetação terrestre com grande destaque para a vegetação arbórea, enfoque deste trabalho. Sendo assim e em virtude das mudanças climáticas globais pela emissão de poluentes tóxicos, em especial o CO2, o setor florestal vem sendo analisado como um importante agente mitigatório ao aumento da concentração de CO2 na atmosfera, haja vista a capacidade da vegetação de suprimir boa parte destes gases em função do natural processo de respiração vegetal (fotossíntese), onde através das folhas captura o gás, que é estocado em seu corpo vegetal com maior porcentagem na matéria lenhosa. O potencial de absorção e liberação de CO2 está diretamente ligado aos fatores como: o clima, a temperatura e a luminosidade, além da própria espécie. Desta forma na primavera e no verão tendo climas mais quentes favorecem a produção vegetal e consequentemente havendo um aumento na absorção de CO2, o já ocorrendo de forma contrária no outono e no inverno. Sendo assim, o Brasil em especial por ser um país de clima tropical e possuir grande extensão territorial, se torna favorável às plantações florestais para que estas apresentem elevado nível de crescimento vegetal e por consequência grande absorção de CO2. Nesse sentido, o presente estudo tem por objetivo analisar o potencial de estoque de carbono existente em florestas plantadas, como de Eucalyptus e Pinus, através de dados extraídos de trabalhos já realizados.
  4. 4. 4 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O carbono é elemento fundamental na constituição das moléculas orgânicas, e compõe quatro dos principais gases de efeito estufa, o metano (CH4), o dióxido de carbono (CO2), o hidrofluorcarbonos (HFCs) e os perfluorcarbonos (PFCs), e são essenciais á vida, por ser um elemento “mestre” nos ciclos globais, chamados biogeoquímicos. Portanto, o ciclo do carbono mostra a relação entre a vida, a atmosfera, os oceanos, rochas e florestas (MOREIRA e SCHWARTZMAN, 2000 apud SOUZA; VIEIRA 2011). Segundo Nogueira (2013), o estudo da distribuição e do estoque de carbono em sistemas florestais, é importante por indicar a qualidade ambiental de ecossistemas. Além disso, existe recente demanda por pesquisas em ciclagem e alocação de carbono em ecossistemas florestais. No balanço global de carbono na atmosfera de nosso planeta cerca de 8 bilhões de toneladas de carbono são emitidas anualmente na forma de CO2 pela queima de combustíveis fósseis e mudanças no uso da terra. Somente 3,2 bilhões permanecem na atmosfera, provocando o aumento do efeito estufa, o restante é reabsorvido pelos oceanos e pela biota terrestre. É cada vez maior o interesse pela fixação de carbono em florestas plantadas, principalmente devido as suas elevadas taxas de crescimento e consequente capacidade de remover dióxido de carbono da atmosfera (BAESSO et al,, 2010). As florestas são importantes para o equilíbrio global, pois armazenam em suas árvores e no solo mais carbono do que o existente atualmente na atmosfera (HOUGHTON, 1994, apud BOINA, 2008), por exemplo: uma floresta jovem, que esteja crescendo de forma acelerada, sequestra maiores volumes de carbono quando comparada à floresta madura. Já a floresta madura atua como um reservatório, estocando carbono, mesmo que não esteja passando por um crescimento líquido. Assim, uma floresta jovem estoca menos carbono quando comparada à uma floresta madura, mas sequestra mais carbono da atmosfera ao longo do tempo. Já uma floresta madura, apesar de não capturar “novo carbono” continua a estocar grandes volumes de carbono em sua biomassa ao longo do tempo (SEDJO, 2001).
  5. 5. 5 Nas florestas há intenso acúmulo de biomassa morta sobre o solo, constituindo a serapilheira ou liteira. A serapilheira é constituída por folhas, galhos e miscelânea (estruturas reprodutivas das plantas, tais como flores e frutos, ou ainda partes não facilmente identificáveis) que caem sobre o solo oriundo da vegetação. Esta é lentamente alterada por fragmentação e degradação física ou química, processos em que participam os microorganismos e demais componentes da fauna edáfica. A serapilheira se constitui em importante reservatório de Carbono. Existem diversos condicionantes que podem influenciar na produção de serapilheira, tais como: clima, fertilidade do solo, composição de espécies da comunidade, estrutura e estádio sucessional da floresta, bem como perturbações antropogênicas no seu entorno (VIDAL et al. 2007 apud Ruthner 2010). Diante disso, se as florestas forem cortadas, a maior parte do carbono guardado nas árvores será liberada para a atmosfera rapidamente por meio de queimadas, ou mais lentamente, via decomposição (HOUGHTON, 1994, apud BOINA, 2008).
  6. 6. 6 3. ESTOCAGEM DO CARBONO Segundo a SNIF, o carbono pode ser estocado em diversos compartimentos da biomassa nas florestas, como: 3.1Carbono na biomassa viva acima do solo: inclui folhas, sementes, copa, galhos, tocos e troncos. 3.2 Carbono na biomassa viva abaixo do solo: inclui raízes vivas, excluindo-se aquelas pequenas, onde seu diâmetro é menor que dois milímetros, pois essas não são distinguidas da matéria orgânica do solo ou serapilheira. 3.3Carbono na biomassa morta: é toda a biomassa lenhosa morta, que não faz parte da serapilheira, ou seja, é aquilo que já está caído no solo, como as raízes mortas e galhos com um diâmetro superior a 10 centímetros. 3.4Carbono na serapilheira: é toda a biomassa morta com diâmetro inferior ao diâmetro mínimo exigido pelo Brasil para medir madeira morta, em vários estágios de decomposição por cima do solo mineral ou orgânico.
  7. 7. 7 4. ESTOCAGEM DE CARBONO EM FLORESTAS PLANTADAS Sabe-se que as árvores têm a capacidade de absorção e fixação de carbono em função da espécie, da taxa de crescimento, da longevidade, do sítio, do clima e do período de rotação, entre outros (AREVALDO et al., 2002). De acordo com Leles 1995 apud Souza; Vieira 2011, a fixação de carbono, durante cada ciclo de crescimento da plantação florestal, é representado pelo aumento em biomassa, a matéria seca de um vegetal que constitui a biomassa, é formada especialmente por esqueletos de carbono e o restante por nutrientes minerais. É de consenso científico mundial que as florestas são importantes para o equilíbrio de carbono global, pois as árvores armazenam no seu caule, folhas e no solo mais carbono do que existe atualmente na atmosfera (FERNANDES et al., 2007), sendo que o carbono encontra-se em maior concentração em uma árvore a partir do caule (madeira), seguido de galhos e em menor expressão nas folhas. A estimativa do carbono nas florestas pode ser aferida pela metodologia de determinação em laboratório ou por uma metodologia mais rápida, resultado do produto da biomassa seca por um fator de concentração de carbono presente nesta massa seca (WINK, 2009). Para se ter uma estimativa da quantidade de carbono fixado em áreas plantadas, precisamos saber a quantidade de áreas ocupadas por florestas que está diretamente ligado a levantamentos dessas áreas. No Brasil é difícil estimar a quantidade de florestas plantadas, devido à ausência de dados precisos, mas segundo Araújo (2012), as florestas plantadas de eucalipto e pinus, após um período de crescimento reduzido devido a crise financeira mundial de 2008/2009, inicia um novo ciclo virtuoso de expansão, que prevê, para os próximos 10 anos, uma adição de novas áreas de plantio à média de 500 mil hectares/ano (aproximadamente 8% sobre o total de 6,5 milhões de há em 2010)
  8. 8. 8 A importância de plantações de florestas, ou do uso de reflorestamentos no Brasil, está ligado a uma finalidade, sendo essa, a certeza de que as florestas são um recurso natural renovável, que capturam CO2 e liberam O2, sendo que as florestas de eucalipto capturam em média de 9,2 Mg ha-1 ano-1 de carbono e as de pinus em torno de 7 Mg ha-1 ano-1 (SBS, 2006 apud WINK 2009). 4.1Estocagem de Carbono em Florestas de Eucalyptus As plantações florestais com espécies do gênero Eucalyptus são as mais extensas no Brasil, com 3,4 milhões de hectares, correspondendo a 60,7 % da área total reflorestada do País (SBS, 2006). Preconiza-se que plantações florestais de eucalipto, quando bem estabelecidas, podem fixar entre 100 e 400 t ha-1 de CO2 durante a fase de crescimento (ECOAR, 2003). Podemos analisar separadamente, para cada parte da árvore, a quantidade de carbono fixado em uma floresta de Eucalyptus, conforme tabela 1, com dados referentes aos anos de 1990, 1991, 1992, 1993 e 1994. Segundo FBDS (2006), a diferença entre os valores totais de 1990 e 1994, iguais a 40,70 milhões de toneladas de carbono, é o valor da mudança de estoque de carbono fixado no período. A estimativa mostra também que essa floresta esteve em processo de aumento de fixação de carbono no período analisado, indicando que as florestas plantadas de eucaliptos, para uso industrial, fixaram mais carbono do que foi colhido na forma de madeira. Como observado na tabela 1, o gênero Eucalyptus apresentou no tronco, os maiores valores de carbono fixado, sendo em torno de 65%. Enquanto o resto da biomassa viva, composta pela copa e raiz foi de cerca de 35% dos valores estimados para o carbono fixado.
  9. 9. 9 Tabela 1 - Estimativa de carbono fixado pelas florestas plantadas do gênero Eucalyptus Fonte: FBDS Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável, 2006. Já na figura 1, com dados referentes ao ano de 2010 e simulações de estocagem de carbono até o ano de 2100, podemos observar que os valores referentes ao carbono estocado nas folhas diminuem, ocorrendo contrariamente quando observado os valores relacionados ao estoque de carbono no tronco (madeira) e raízes. O estoque de carbono nas folhas decresce ao decorrer da idade das plantas, pois no início do crescimento as plantas investem mais na fotossíntese e ao longo dos anos começam a investir menos em folhas e mais em sustentação, sendo os grandes sorvedouros as raízes e troncos. O menor estoque de carbono nas folhas nas projeções de 2041-2070 e 2071-2100 em relação a 2011-2040, provavelmente deve-se a mudança no clima, ou seja, decréscimo na precipitação e aumento na temperatura, mais acentuados no final do século (BAESSO et al., 2001).
  10. 10. 10 De acordo com BAESSO et al,. (2001), quando analisado o estoque de carbono nas raízes, pode-se observar um aumento ao decorrer da idade da planta, tendendo a se estabilizar a partir do quinto ano de idade e apresenta um pequeno decréscimo no sétimo ano, isso pode ser devido a necessidade de busca por mais água, fazendo com que a planta invista em mais raízes profundas. De modo contrário ao estoque de carbono nas folhas, o estoque de carbono no tronco, aumenta ao decorrer da idade das plantas, como pode ser visualizado. Segundo BAESSO et al., (2001), quando analisado o carbono total, observa-se um aumento do início do cultivo em relação ao final do ciclo de 7 anos, mas quando observada projeção de 2071-2100 o estoque de carbono sempre foi menor do que o acumulo atual. Mesmo com o aumento do estoque de carbono nas raízes e folhas, o menor estoque no tronco, fez com que o estoque total de carbono decrescesse nesse período. Fonte: BAESSO et al. (2001). Figura 1 - Estoque de carbono em clones de eucaliptos para o clima atual e projeções futuras
  11. 11. 11 4.2Estocagem de Carbono em Florestas de Pinus A plantação florestal com espécies de Pinus é a segunda mais extensa no Brasil, com cerca de 1,8 milhões de hectares de áreas reflorestadas, totalizando uma porcentagem de aproximadamente 25%. Segundo trabalhos, as estimativas de estoque de carbono na biomassa viva (tronco, copa e raízes), foram analisadas separadamente, como podem ser observadas na Tabela 2. Estimativas do carbono fixado pelas florestas de Pinus descrito pela FBDS (2006), apresenta a diferença entre os valores totais de 1990 e 1994, iguais a 3,04 milhões de toneladas de carbono, é o valor da mudança de estoque de carbono fixado no período. A estimativa mostra também que essa floresta esteve em processo de aumento de fixação de carbono para o período analisado, indicando que as florestas plantadas de Pinus para uso industrial fixaram mais carbono do que foi colhido na forma de madeira. Tendo como base ainda a Tabela 2, verifica-se que o tronco apresentou os maiores valores de carbono fixado, totalizando 63% aproximadamente, enquanto a parte referente a copa e raízes contribuiu com cerca de 37% do total dos valores estimados.
  12. 12. 12 Tabela 2 - Estimativa de carbono fixado pelas florestas plantadas do gênero Pinus Fonte: FBDS Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável, 2006. Na Tabela 3, segundo Balbinot et al (2007) o fuste também foi o que representou o maior percentual de carbono, com tendência a aumentar à medida que a árvore cresce, tendo um total de 71 Mg.C.ha-1, representando cerca de 71% do todo carbono fixado. Outro resultado marcante é a importância das raízes no total do carbono fixado, chegando a representar no caso das plantações com menos de 5 anos, 35% do carbono fixado, 21% para plantações entre 5 e 15 anos e 13% naquelas com mais de 15 anos. Esses resultados de carbono encontrados nas raízes de plantações florestais mostram que não se pode prescindir da quantificação do carbono presente no sistema radicial, principalmente se o objetivo for apresentar estimativas corretas sobre a capacidade das florestas de fixar carbono atmosférico e, conseqüentemente, gerar créditos comercializáveis (BALBINOT et al 2007).
  13. 13. 13 Tabela 3 - Carbono por hectare nos diferentes compartimentos das árvores de Pinus nos anos de 1993 e 2000. Fonte: BALBINOT et al 2007)
  14. 14. 14 5. ESTOCAGEM DE CARBONO NO SOLO De acordo com Braga (2012), o carbono é importante no solo, pois melhora a estrutura física desse, pela melhor agregação, maior porosidade, melhor infiltração e armazenamento de água. Nestas condições, as plantas têm a possibilidade de produzir sistemas radiculares abundantes, com raízes profundas, o que lhes confere a vantagem de buscar nutrientes e água, através das camadas mais profundas do solo. Com isto, as plantas resistem melhor aos veranicos e absorvem os nutrientes contidos nestas camadas. O potencial de fixação e estocagem de C no solo sofre influência das condições climáticas locais, do relevo, da drenagem e do tipo de manejo de solo adotado, entre outras variáveis que ditam as taxas de aumento do C orgânico do solo (Lal, 2005; Falloon et al., 2007; Smith, 2008 apud GATTO 2010). Quando relacionamos o carbono no solo em plantações florestais, pode ser observado que, segundo BINKLEY et al., 2004 apud PEGORARO et al., 2011 ganhos de C no solo, derivados do eucalipto, concentram-se na camada de 0-0,30 m. Já Madeira et al. 2002 apud GATTO 2010, ao avaliarem as mudanças no estoque de C em plantações de Eucalyptus globulus com 14 anos de idade, verificaram aumento no C estocado no solo nas áreas que receberam fertilização e irrigação, especialmente na camada de 0–20 cm de profundidade. Os autores atribuíram esse acréscimo à maior produção de raízes finas, o que corrobora resultados. Por sua vez, Turner & Lambert 2000 apud GATTO 2010, em plantações de Eucalyptus grandis com idades de 0 a 35 anos, na Austrália, verificaram decréscimo do C orgânico do solo tanto na camada superficial (0–10 cm) quanto em profundidade (0–50 cm). Segundo esses autores, essa tendência ocorreria até o completo estabelecimento da floresta, afirmando ser fundamental a adoção de técnicas de manejo que possibilitem maximizar o acúmulo de C no solo.
  15. 15. 15 Zinn et al. 2002 apud BARROS 2010 encontraram diferenças significativas no estoque de C do solo (0-60 cm de profundidade) em plantações de Eucalyptus grandis na região de Cerrado do Estado de Minas Gerais, em decorrência da textura e da classe de solo. Em áreas de Latossolos, com 36% de argila, o estoque de C foi 44% maior que nas áreas de Cambissolos, com 17% de argila.
  16. 16. 16 6. CONCLUSÃO A estocagem de carbono via plantios florestais vem sendo analisado como um importante agente compensatório às emissões de poluentes atmosféricos em especial o CO2. As florestas plantadas são potentes consumidores e reservatórios de CO2, onde através de processos naturais capturam o dióxido de carbono, armazenam em suas estruturas vegetais o carbono e liberam oxigênio. Segundo trabalhos, observou-se que a estocagem de carbono nas espécies de Eucalyptus e Pinus é igualmente maior no tronco seguido de raízes e por fim na copa. O gênero Eucalyptus contribuiu com uma taxa muito mais elevada de carbono fixado em relação ao gênero Pinus devendo-se ao fato de haver mais plantações de Eucalyptos do que de Pinus no Brasil. Em relação ao estoque de carbono no solo os fatores fertilização e irrigação, técnicas de manejo e o percentual de argila no solo influenciaram a quantidade de estocagem de carbono do solo.
  17. 17. 17 7. REFERÊNCIAS 1. ABRIL. Existem espécies de plantas que tiram mais CO2 da atmosfera?. Disponível em: <http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/conteudo_26422 2.shtml>. Acesso em: 19 de julho de 2014. 2. BAESSO et al. Balanço de Carbono em Floresta de Eucalipto. Disponível em: <http://cbmet2010.web437.uni5.net/anais/artigos/393_92666.pdf>. Acesso em: 18 de julho de 2014 3. BALBINOT et al. Estoque de Carbono em Plantações de Pinus spp. em Diferentes Idades no Sul do Estado do Paraná. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/floresta/article/viewFile/11626/8160> Acesso em: 16 de julho de 2014. 4. BALBINOT et al. Estoque de Carbono em Plantações de Pinus spp. em Diferentes Idades no Sul Do Estado do Paraná. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/floresta/article/viewFile/11626/8160> . Acesso em: 30 de julho de 2014. 5. BRAGA, G. N. M. Importância do Estoque de Carbono no Solo. Disponível em: <http://agronomiacomgismonti.blogspot.com.br/2012/04/importancia-do- estoque-de-carbono-no.html>, Acesso em: 24 de julho de 2014. 6. CARDOSO et al. Estoques de Carbono e Nitrogênio em Solo sob Florestas Nativas e Pastagens no Bioma Pantanal. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pab/v45n9/a13v45n9.pdf>. Acesso em: 20 de julho de 2014. 7. EMBRAPA. Metodologia para Estimar o Estoque de Carbono em Diferentes Sistemas de Uso da Terra. Disponível em: <http://www.reciclecarbono.com.br/biblio/metod_embrapa.pdf>. Acesso em: 19 de julho de 2014. 8. FBDS. Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. Emissões e Remoções de Dióxido de Carbono por Mudanças nos Estoques de Florestas Plantadas. Disponível em:
  18. 18. 18 <http://www.ambiente.sp.gov.br/proclima/files/2014/05/122.pdf> Acesso em: 17 de julho de 2014. 9. GATTO et al. Estoques de Carbono no Solo e na Biomassa em Plantações de Eucalipto. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbcs/v34n4/07.pdf>. Acesso em: 25 de julho de 2014. 10. GLOBO. Pesquisa Mostra que Quanto mais Velha a Árvore, mais ela Absorve C02. Disponivel em: <http://g1.globo.com/natureza/noticia/2014/01/pesquisa-mostra-que- quanto-mais-velha-arvore-mais-ela-absorve-co2.html>. Acesso em: 18 de julho de 2014. 11.NOGUEIRA, M. de O. G. Estoque de Carbono na Biomassa Radicular no Solo em Ecossistema Florestal em Processo de Recuperação. Disponível em: <http://repositorio.ufla.br/bitstream/1/1146/2/DISSERTA%C3%87%C3%8 3O_Estoque%20de%20carbono%20na%20biomassa....pdf>. Acesso em: 18 de julho de 2014. 12.PAINEL FLORESTAL. Expansão das Florestas Plantadas no Brasil. Disponível em: <http://www.painelflorestal.com.br/blogs/expansao-das- florestas-plantadas-no-brasil>. Acesso em: 19 de julho de 2014. 13.RUTHNER, R. R. Estimativa Carbono Armazenado em um Fragmento de Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas e Submontana do Vale do Itajaí, SC. Disponível em: <http://www.bc.furb.br/docs/DS/2010/347627_1_1.pdf>. Acesso em: 26 de julho de 2014. 14. RUTHNER, R. R.; SEVEGNANI, L. Teores de Carbono Armazenado no Solo e na Serapilheira sob Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas e Submontana do Vale do Itajai, SC. Disponível em: <http://semanaacademica.org.br/system/files/artigos/artigo_2_0.pdf>. Acesso em: 26 de julho de 2014. 15.SNIF. Sistema Nacional de Informações Florestais. Estoque das Florestas. Disponível em: <http://www.florestal.gov.br/snif/recursos- florestais/estoque-das-florestas>. Acesso em: 20 de julho de 2014.
  19. 19. 19 16. SOUZA, M. A.; VIEIRA, S. A. Quantificação de Carbono Estocadoem Reflorestamento Heterogêneo de Mata Ciliar aos 8 anos de idade em domínio de Mata Atlântica no Estado de São Paulo. Disponível em: <http://www.institutoproterra.org.br/attach/upload/artigocarbono2011.pdf >. Acesso em: 25 de julho de 2014. 17. VEJA. Emissão Mundial de Gás Carbônico bate Recorde Histórico. Disponível em: <http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/novo-recorde-de- emissao-global-de-co2>. Acesso em: 21 de julho de 2014. 18. WINK, C. Estoque de Carbono em Plantações de Eucalyptus sp. Implantados em Campo Nativo. Disponível em: <http://www.fisicadosolo.ccr.ufsm.quoos.com.br/downloads/Charlote_Wi nk_Dissertacao.pdf>. Acesso em: 19 de julho de 2014

×