SlideShare uma empresa Scribd logo
Alunos: Diego Soares, Erick Marinho, Lucas Filipe, Renato Feliciano e Verônica Fidélis
Professor Rosenildo Vicente
S e im
• Demostrar o desenvolvimento industrial no Brasil e
os principais aspectos e impactos causados pelo
mesmo território
• Conhecer o desenvolvimento industrial brasileiro e
os seus pólos
• Entender a concentração industrial no sudeste e sua
expansão para outras regiões
• Destacar os impactos sociais e ambientais que
acontece com a implantação industrial
A Segunda Etapa da Revolução Industrial
Ocorreu no período de 1860 a 1900, ao contrário da primeira fase, países como Alemanha,
França, Rússia e Itália também se industrializaram. O emprego do aço, a utilização da energia
elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a invenção do motor a explosão, da
locomotiva a vapor e o desenvolvimento de produtos químicos foram as principais inovações
desse período.
A Terceira Etapa da Revolução Industrial
Alguns historiadores têm considerado os avanços tecnológicos do século XX e XXI como a
terceira etapa da Revolução Industrial. O computador, o fax, a engenharia genética, o celular
seriam algumas das inovações dessa época.
A Primeira etapa da Revolução Industrial
Entre 1760 a 1860, a Revolução Industrial ficou limitada,
primeiramente, à Inglaterra. Houve o aparecimento de
indústrias de tecidos de algodão, com o uso do tear
mecânico. Nessa época o aprimoramento das máquinas a
vapor contribuiu para a continuação da Revolução.
Há tempos, as indústrias
vêm conquistando o seu espaço
no Brasil, tornando-se um dos
elementos mais básicos de uma
determinada região. Trazendo
consigo, sempre uma
característica marcante, a
MUDANÇA, seja ela qual for, tanto
na cultura como na economia ou
até mesmo no espaço que ela
ocupa e no impacto que ela
causará em seu ambiente.
O
A distribuição espacial da indústria brasileira, com
acentuada concentração em São Paulo, foi determinada
pelo processo histórico, já que no momento do início da
efetiva industrialização, o estado tinha, devido à
cafeicultura, os principais fatores para instalação das
indústrias a saber: capital, mercado consumidor, mão-de-
obra e transportes.
Além disso, a atuação estatal através de diversos
planos governamentais, como o Plano de Metas, acentuou
esta concentração no Sudeste, destacando novamente São
Paulo.
A CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO SUDESTE
O Plano de Metas foi um
importante programa de industrialização e
modernização levado a cabo na presidência
de Juscelino Kubitschek, na forma de
um "ambicioso conjunto de objetivos
setoriais", que "daria continuidade ao
processo de substituição de importações que
se vinha desenrolando nos dois decênios
anteriores"
Juscelino Kubitschek
1956 - 1961
Subdividido em setores, o Plano de Metas
de Juscelino Kubitschek era marcado por
investimentos em estradas, em siderúrgicas, em
usinas hidrelétricas, na marinha mercante e pela
construção de Brasília e baseava-se em “30 metas”,
divididas em: Setores da energia (1 a 5), Setores do
transporte (6 a 12), Setores da alimentação (13 a
18), Setor da indústria de base (19 a 29), Setor da
educação (30).
O processo de
industrialização, entretanto, não
atingiu toda a região Sudeste, o que
produziu espaços geográficos
diferenciados e grandes
desigualdades dentro da própria
região. A cidade de São Paulo, o
ABCD (Santo André, São Bernardo do
Campo, São Caetano e Diadema) e
centros próximos, como Campinas,
Jundiaí e São José dos Campos
possuem uma superconcentração
industrial, elaborando espaços
geográficos integrados à região
metropolitana de São Paulo.
A CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO SUDESTE
AS ATIVIDADES ECONÔMICAS E INDUSTRIAIS NAS 05 REGIÕES DO BRASIL
• COMO A IMPLANTAÇAO DE UMA INDÚSTRIA PODE
ALTERAR NA CULTURA E NAS RELAÇÕES DE
TRABALHO NA REGIÃO EM QUE FOI IMPLANTADA
A zona franca de Manaus
• A RELAÇÃO DOS MEIOS DE TRANSPORTE E
COMUNICAÇÃO, E DO COMÉRCIO COM A
INDUSTRIALIZAÇÃO DE UMA DETERMINADA
REGIÃO
OS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA INDÚSTRIA
Referências
www.espacoindustrial.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estalinismoshort
EstalinismoshortEstalinismoshort
Estalinismoshort
CludiaBelluschiCosta
 
A industrialização clássica
A  industrialização clássica A  industrialização clássica
A industrialização clássica
AnnellyezyAparecida1
 
Apresentação O Estalinismo
Apresentação O EstalinismoApresentação O Estalinismo
Apresentação O Estalinismo
Laboratório de História
 
A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrial
Herminio Banze
 
Geografia: Espaço Industrial
Geografia: Espaço IndustrialGeografia: Espaço Industrial
Geografia: Espaço Industrial
Irla Bonfim
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileira Industrialização brasileira
Industrialização brasileira
League of Legends Society
 

Mais procurados (6)

Estalinismoshort
EstalinismoshortEstalinismoshort
Estalinismoshort
 
A industrialização clássica
A  industrialização clássica A  industrialização clássica
A industrialização clássica
 
Apresentação O Estalinismo
Apresentação O EstalinismoApresentação O Estalinismo
Apresentação O Estalinismo
 
A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrial
 
Geografia: Espaço Industrial
Geografia: Espaço IndustrialGeografia: Espaço Industrial
Geografia: Espaço Industrial
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileira Industrialização brasileira
Industrialização brasileira
 

Semelhante a Industrialização

Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
Euna Machado
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
hsjval
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
fernandesrafael
 
O espaço industrial e o processo de urbanização
O espaço industrial e o processo de urbanizaçãoO espaço industrial e o processo de urbanização
O espaço industrial e o processo de urbanização
Camila Brito
 
A industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerraA industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerra
Suely Takahashi
 
A industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerraA industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerra
Suely Takahashi
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
Bruna Azevedo
 
Textos para 2a ensino medio
Textos para 2a ensino medioTextos para 2a ensino medio
Textos para 2a ensino medio
Mario Souza
 
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptxEns_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
PedroEnrico4
 
A industrialização brasileira pós 2ª guerra
A industrialização brasileira pós 2ª guerraA industrialização brasileira pós 2ª guerra
A industrialização brasileira pós 2ª guerra
karolpoa
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
Ninho Cristo
 
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritadaAtividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Elisângela Martins Rodrigues
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
eunamahcado
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
CADUCOC1
 
A industrialização brasileira II
A industrialização brasileira IIA industrialização brasileira II
A industrialização brasileira II
AnnellyezyAparecida1
 
Brasil industrialização
Brasil industrializaçãoBrasil industrialização
Brasil industrialização
Colégio Nova Geração COC
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
flornomandacaru
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
Artur Lara
 
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médioO Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
ProfWellingtonAleixo
 

Semelhante a Industrialização (20)

Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
O espaço industrial e o processo de urbanização
O espaço industrial e o processo de urbanizaçãoO espaço industrial e o processo de urbanização
O espaço industrial e o processo de urbanização
 
A industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerraA industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerra
 
A industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerraA industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerra
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
 
Textos para 2a ensino medio
Textos para 2a ensino medioTextos para 2a ensino medio
Textos para 2a ensino medio
 
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptxEns_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
 
A industrialização brasileira pós 2ª guerra
A industrialização brasileira pós 2ª guerraA industrialização brasileira pós 2ª guerra
A industrialização brasileira pós 2ª guerra
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
 
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritadaAtividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
 
A industrialização brasileira II
A industrialização brasileira IIA industrialização brasileira II
A industrialização brasileira II
 
Brasil industrialização
Brasil industrializaçãoBrasil industrialização
Brasil industrialização
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
 
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médioO Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
 

Mais de Renato Feliciano

Atual prática da avaliação educacional escolar
Atual prática da avaliação educacional escolarAtual prática da avaliação educacional escolar
Atual prática da avaliação educacional escolar
Renato Feliciano
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
Renato Feliciano
 
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Renato Feliciano
 
Brasil: Potencialidade e dificuldade
Brasil: Potencialidade e dificuldade Brasil: Potencialidade e dificuldade
Brasil: Potencialidade e dificuldade
Renato Feliciano
 
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
Renato Feliciano
 
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Renato Feliciano
 
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Renato Feliciano
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Renato Feliciano
 

Mais de Renato Feliciano (9)

Atual prática da avaliação educacional escolar
Atual prática da avaliação educacional escolarAtual prática da avaliação educacional escolar
Atual prática da avaliação educacional escolar
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
 
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
Indústria e Desenvolvimento (Polos Industriais)
 
Brasil: Potencialidade e dificuldade
Brasil: Potencialidade e dificuldade Brasil: Potencialidade e dificuldade
Brasil: Potencialidade e dificuldade
 
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
 
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
Prática docentes vivenciadas no PIBID e sua infalência na formação de novos P...
 
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
Implicação pedagógica de uma visita técnica a uma Estação de Tratamento de Es...
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
CEI
CEICEI
CEI
 

Último

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 

Último (20)

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 

Industrialização

  • 1.
  • 2. Alunos: Diego Soares, Erick Marinho, Lucas Filipe, Renato Feliciano e Verônica Fidélis Professor Rosenildo Vicente
  • 3. S e im • Demostrar o desenvolvimento industrial no Brasil e os principais aspectos e impactos causados pelo mesmo território • Conhecer o desenvolvimento industrial brasileiro e os seus pólos • Entender a concentração industrial no sudeste e sua expansão para outras regiões • Destacar os impactos sociais e ambientais que acontece com a implantação industrial
  • 4. A Segunda Etapa da Revolução Industrial Ocorreu no período de 1860 a 1900, ao contrário da primeira fase, países como Alemanha, França, Rússia e Itália também se industrializaram. O emprego do aço, a utilização da energia elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a invenção do motor a explosão, da locomotiva a vapor e o desenvolvimento de produtos químicos foram as principais inovações desse período. A Terceira Etapa da Revolução Industrial Alguns historiadores têm considerado os avanços tecnológicos do século XX e XXI como a terceira etapa da Revolução Industrial. O computador, o fax, a engenharia genética, o celular seriam algumas das inovações dessa época. A Primeira etapa da Revolução Industrial Entre 1760 a 1860, a Revolução Industrial ficou limitada, primeiramente, à Inglaterra. Houve o aparecimento de indústrias de tecidos de algodão, com o uso do tear mecânico. Nessa época o aprimoramento das máquinas a vapor contribuiu para a continuação da Revolução.
  • 5. Há tempos, as indústrias vêm conquistando o seu espaço no Brasil, tornando-se um dos elementos mais básicos de uma determinada região. Trazendo consigo, sempre uma característica marcante, a MUDANÇA, seja ela qual for, tanto na cultura como na economia ou até mesmo no espaço que ela ocupa e no impacto que ela causará em seu ambiente.
  • 6. O A distribuição espacial da indústria brasileira, com acentuada concentração em São Paulo, foi determinada pelo processo histórico, já que no momento do início da efetiva industrialização, o estado tinha, devido à cafeicultura, os principais fatores para instalação das indústrias a saber: capital, mercado consumidor, mão-de- obra e transportes. Além disso, a atuação estatal através de diversos planos governamentais, como o Plano de Metas, acentuou esta concentração no Sudeste, destacando novamente São Paulo. A CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO SUDESTE
  • 7. O Plano de Metas foi um importante programa de industrialização e modernização levado a cabo na presidência de Juscelino Kubitschek, na forma de um "ambicioso conjunto de objetivos setoriais", que "daria continuidade ao processo de substituição de importações que se vinha desenrolando nos dois decênios anteriores" Juscelino Kubitschek 1956 - 1961 Subdividido em setores, o Plano de Metas de Juscelino Kubitschek era marcado por investimentos em estradas, em siderúrgicas, em usinas hidrelétricas, na marinha mercante e pela construção de Brasília e baseava-se em “30 metas”, divididas em: Setores da energia (1 a 5), Setores do transporte (6 a 12), Setores da alimentação (13 a 18), Setor da indústria de base (19 a 29), Setor da educação (30).
  • 8. O processo de industrialização, entretanto, não atingiu toda a região Sudeste, o que produziu espaços geográficos diferenciados e grandes desigualdades dentro da própria região. A cidade de São Paulo, o ABCD (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano e Diadema) e centros próximos, como Campinas, Jundiaí e São José dos Campos possuem uma superconcentração industrial, elaborando espaços geográficos integrados à região metropolitana de São Paulo. A CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO SUDESTE
  • 9. AS ATIVIDADES ECONÔMICAS E INDUSTRIAIS NAS 05 REGIÕES DO BRASIL
  • 10. • COMO A IMPLANTAÇAO DE UMA INDÚSTRIA PODE ALTERAR NA CULTURA E NAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA REGIÃO EM QUE FOI IMPLANTADA
  • 11. A zona franca de Manaus
  • 12. • A RELAÇÃO DOS MEIOS DE TRANSPORTE E COMUNICAÇÃO, E DO COMÉRCIO COM A INDUSTRIALIZAÇÃO DE UMA DETERMINADA REGIÃO
  • 13. OS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA INDÚSTRIA