SlideShare uma empresa Scribd logo
Brasil

Paisagem Natural
Hidrografia

clima, Vegetação, Hidrografia

Resumo de aula
Cristina Ramos

Este material é parte integrante de: http://salacristinageo.blogspot.com
O estudo da paisagem natural brasileira inclui os elementos ou fatos geográficos
relacionados ao relevo e a geologia, aos diferentes tipos climáticos e suas
vegetações correlacionadas e a distribuição da hidrografia em todos território
nacional.

Sabiá e Ipê amarelo, pássaro e árvore símbolos do Brasil

Embora na Natureza ou paisagem geográfica esses elementos encontram-se intrinsicamente
entrelaçados, aqui neste estudo resumo serão trabalhados separadamente em três grandes áreas
temáticas utilizando metodologia que propicia uma melhor compreensão dos assuntos abordados.
Parte I - Clima e vegetação no Brasil
Climatologia é a parte da Geografia que estuda a distribuição e a dinâmica dos
climas na superfície terrestre.
Fitogeografia ou simplesmente Vegetação é a parte da geografia que estuda a
distribuição dos diferentes tipos de coberturas vegetais naturais do planeta e
suas implicações.

Compare os mapas apresentados acima e observe a semelhança existente quanto a localização e
configuração dos espaços ocupados pelos diferentes climas ( a esquerda) e as diversas
vegetações ( a direita) brasileiras.
Um conceito largamente trabalhado em Geografia ... A vegetação natural de
um lugar é o reflexo do clima deste lugar Veja alguns exemplos....
Em regiões de climas quentes e
úmidos aparecem as Florestas
Tropicais e Equatoriais ...

No verão dos climas
polares aparece a Tundra

...

Nos climas frios e úmidos
aparecem as floresta frias ou
Taigas ...

Se o clima é quente e seco
surgem as estepes e as
vegetações desérticas...
A caatinga é a
estepe brasileira

Nos climas tropicais ( quente com períodos de chuva e de seca alternados)
aparecem as savanas. O cerrado é a savana brasileira
Outro conceito básico ligado a vegetação...
O porte e adensamento da vegetação está diretamente relacionado à quantidade e
distribuição das chuvas e a capacidade dos solos de reter e armazenar água.

Florestas

Formações arbóreas

savanas

estepes

Pradarias

Arbóreo/arbustivo/herbáceo

maior

Herbáceo

menor

Umidade

Veja a seguir alguns conceitos básicos sobre climas e massas de ar....

Desertos
Clima e Tempo não é a mesma coisa ....
Tempo é a situação momentânea da atmosfera em um lugar. Quem estuda o tempo é
o Meteorologista e o Serviço de Meteorologia divulga os boletins.
Clima é a sucessão do Tempo ou a frequência do Tempo em um lugar
Quem estuda os climas são os climatologistas, geógrafos especializados no assunto.

Para se determinar o clima de um lugar é preciso estudar o Tempo ( meteorológico) durante
muito tempo ( cronológico)

O estudo dos climas pode ser feito ..... Através do estudo de seus elementos e fatores
ou ....de forma mais moderna através da dinâmica das massas de ar

Elementos do clima ( determinam o tipo de clima ):
Temperatura, Umidade e Pressão Atmosférica
Fatores do clima ( modificam o comportamento do clima)
Latitude, Altitude, Maritimidade ou continentalidade e
correntes marinhas
Massas de ar : porções da atmosfera com características
próprias de temperatura, umidade e pressão
Vejam as Massas de ar que atuam no Brasil ...
Massa Equatorial
continental / quente e
muito úmida pouco se
movimenta

Massa Equatorial
Atlântica Quente e
úmida, provoca
chuvas no litoral
setentrional do
nordeste durante o
verão. Pode ou não
chegar ao sertão

Massa tropical
continental
Quente e seca, se forma
sobre o Paraguai e entra
pelo Brasil no período do
inverno

Massa polar atlântica/ Fria
e úmida penetra pelo sul do
país (principalmente no
inverno) causando as frentes
frias ou provocando a
formação de neve e geada

Massa Tropical
Atlântica/ Quente
e úmida provoca
chuvas em todo
litoral leste
brasileiro durante
todo o ano.
Climograma/ gráfico climático que mostra as variações de temperaturas e pluviosidades de
um lugar, ao longo do ano
Curva de temperatura

Colunas de chuva
Os tipos de Climas e vegetações no Brasil ....
Os climas brasileiros se apresentem em geral, com elevadas
temperaturas e grande quantidade de chuvas devido a sua
posição geográfica (quase totalidade em áreas tropicais) e a
presença de extenso litoral (maritimidade).
Os tipos de vegetações naturais predominantes são as
florestas e as savanas (cerrado)

Maiores detalhes do assunto nos materiais: Clima e vegetação
impactos ambientais

e Ecossistemas brasileiros e
Clima Equatorial /Floresta Equatorial da Amazônia
Clima de toda região Norte do país, do norte do Mato Grosso e do
oeste do Maranhão. Apresenta temperatura média elevada ( 25°C a
30°C) e chuvas abundantes e bem distribuídas o ano todo (acima de
2500 mm/anuais -está sob influência da mEc). Apresenta amplitude
térmica mínima, em torno de 5°C. No inverno, essa região pode sofrer
influência da mpa, que atinge a Amazônia ocidental ocasionando um
fenômeno denominado "Friagem" (queda brusca da temperatura em
poucas horas). Apresenta uma floresta heterogênea, densa e
latifoliada. A floresta amazônica (Floresta Perenifólia Higrófila
Hileiana) é a maior floresta equatorial do mundo e a segunda de maior
biodiversidade. Predominam os solos do tipo latossolos pouco
férteis e sujeitos a Lixiviação.

Latossolo lixiviado
A floresta Equatorial da Amazônia se subdivide em:

Igapó
Parte da floresta
permanentemente
inundada pelas águas
dos rios

Terra Firme

Várzea

Área inundada
durante as
grandes cheias.
Região da
seringueira e
das práticas
agrícolas

Região
sempre livre
de
inundações.
Aparecem as
madeiras
nobres e a
Castanha do
Pará

Extração de madeira e desmatamento, queimadas para abertura de pasto ou agricultura, Lixiviação
, poluição das águas e assoreamento são os principais impactos ambientais neste ecossistema
Clima Tropical Úmido/ Floresta Tropical ou Mata Atlântica
Estende-se pela faixa litorânea do Rio Grande do Norte até São Paulo. Também é
conhecido como Tropical Litorâneo. Sofre a ação direta da mTa, trazendo chuvas
o ano todo. A temperatura varia em média entre 18°C e 26°C e a amplitude térmica
é maior à medida que se avança em direção ao sul. No Nordeste a maior
concentração de chuvas ocorre no inverno e no Sudeste no verão. O índice
pluviométrico médio é de 1500 a 2000 mm/ano.

A mata atlântica (floresta perenifólia higrófila
costeira) é a vegetação característica. É o bioma
brasileiro de maior biodiversidade e também o
mais devastado. Os especialistas calculam que
restam apenas 7% da vegetação original.
Urbanização e agropecuária foram as principais
causas do desmatamento.
Lixiviação
É o processo de erosão de
solo mais frequente no
país em áreas de florestas
e savanas. Acontece pelo
uso inadequado de práticas
agrárias ( agricultura e
pecuária)
Veja a explicação técnica
abaixo:

É o processo de lavagem do solo, no sentido vertical, pelas águas das chuvas que arrastam
os nutrientes ou os fazem penetrar no subsolo. Este processo de erosão é intensificado
quando o desmatamento torna o solo mais exposto. A lixiviação retira a camada de humus
do horizonte zero e provoca a formação de uma crosta dura e ferrugem na superfície do
solo ( laterita ou canga ) a partir da concentração de hidróxido de ferro e alumínio no solo.
São frequentes nos Latossolos (solos profundos e úmidos sob as florestas)
O Latossolo lixiviado é denominado Laterita
Tropical Semiárido/ Caatinga
Clima do sertão nordestino, área também conhecido como
Polígono das Secas. Sofre pouca influência das massas úmidas
que bloqueadas pelo planalto da Borborema não alcançam o
interior da região. Apresenta elevadas temperaturas, chuvas
escassas (entre 400 e 750 mm/ano) e mal distribuídas durante o
ano. Durante o verão as massas úmidas (mEc e mEa) podem
provocar chuvas no litoral e interior da região.
Na Caatinga (estepe brasileira) aparecem plantas xerófilas que
armazenam água em seu interior, podem conter espinhos ou
apresentar caráter descíduo ( folhas que caem no período mais
seco). A vegetação é formada por três estratos: o arbóreo,( entre
8 a 12 m); o arbustivo (de 2 a 5m); e o herbáceo, abaixo de 2
metros.
Caatinga em
processo de
desertificação
por uso
inadequado do
solo
Tropical (típico ou continental) /savanas
Abrange grande parte da região central do país ( Centro-Oeste,
parte do Sudeste e Nordeste) Apresenta temperaturas
elevadas (de 18°C a 28°C), amplitude térmica de 5°C a 10°C e
duas estações pluviométricas definidas – uma chuvosa e outra
seca. A estação da chuva é o verão , quando a mEc está sobre
a região e a estação seca é no inverno por influência da mTc .
A savana brasileira é o Cerrado

Vegetação com árvores e arbustos
retorcidos no estrato superior e
gramíneas no estrato inferior.Seus
solos em geral são ácidos
necessitando correção para uso
agrícola.
Atualmente é o ecossistema mais
ameaçado a destruição com a
introdução das práticas de
monocultura comercial da soja e
criação extensiva de gado de corte
Tropical de Altitude / Mata atlântica
Ocorre principalmente nas regiões serranas do Espírito Santo, Rio de
Janeiro, São Paulo , Minas Gerais e Mato Grosso do Sul As
temperatura médias variam de 15 a 21º C. As chuvas de verão são
intensas e no inverno sofre a influência das massas de ar frias vindas
do sul Argentina, a mpa( massa polar Atlântica). Esta massa ao
penetrar no Brasil no inverno, pode provocar queda de neve, formação
de geadas e frentes frias na região sul e sudeste. A amplitude térmica
anual fica entre 7°C e10°C.
O desmatamento, a intensa
urbanização e as fortes chuvas
de verão nessas áreas serranas
tem trazido desequilíbrio das
encostas com desmoronamentos
e tragédias frequentes
Subtropical / Floresta subtropical e campos
Clima semelhante ao temperado oceânico, porém com temperaturas médias
um pouco mais elevadas. Localiza-se ao sul do trópico de capricórnio nos
estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul . Apresenta quatro
estações bem marcadas e grande amplitude térmica. Os verões são quentes,
na maior parte da região Sul e amenas nas Serras Gaúcha e Catarinense. Os
invernos são frescos (frios para os padrões brasileiros). Podem apresentar
precipitações de neve e formação de geada principalmente nas áreas
serranas, quando da passagem da mpa pela região.

Aparecem dois tipos de vegetações típicas :
Campos vegetação do tipo pradaria com
predomínio de vegetação herbácea com árvores
entremeadas. No Brasil é conhecida como
Campanha Gaúcha
No RS práticas
inadequadas geram
Arenização

Floresta subtropical com Araucária - aciculifoliada,
aberta e homogênea com predomínio de pinheiros

O desmatamento para praticas agrárias e extração
de madeira são os principais impactos ambientais
O estudo dos climas com suas variações sazonais de temperatura e pluviosidade
juntamente com os solos se tornam fundamentais para o bom desenvolvimento das
praticas agrárias . Veja alguns exemplos no país ...
A região do pantanal com seu complexo de vegetação de cerrado e cerradão é área ideal de criação
de gado de corte no país. As pastagens nativas constituem a alimentação básica dos bovinos,
pastagens essas renováveis anualmente pela alternância de cheia e secas de acordo com os
períodos de chuvas e estiagem típicas do clima tropical do centro-oeste.

O clima quente com boa pluviosidade anual
do litoral brasileiro ( tropical úmido ou
litorâneo) vem propiciando o cultivo da
cana-de-açúcar desde seu período colonial.

O café , que necessita de temperaturas mais
amenas, se adaptou com grande facilidade
às áreas mais elevadas ( serras e planaltos)
do Sudeste brasileiro de clima Tropical de
Altitude .
No sul do Brasil , o cultivo da uva e do trigo está em conformidade ao clima subtropical .
Parte II -Hidrografia do Brasil
Hidrografia é a parte da geografia que estuda as águas do planeta Terra. Estão
incluídos neste estudo as águas dos oceanos e mares, dos rios, dos lagos, das geleiras,
as das águas de subsolo.
A localização geográfica , a ação de massas tropicais úmidas, os altos índices
pluviométricos e solos favoráveis ao armazenamento de águas faz do ....

Brasil o país mais rico do mundo em água doce, com cerca de 12% do total mundial.
Aquíferos no Brasil
Aquíferos são grandes depósitos subterrâneos de água, alimentados pelas chuvas que se
infiltram no subsolo
Durante o período de chuvas, os aquíferos funcionam como
receptores de água. Parcela significativa das águas pluviais infiltramse, abastecendo os aquíferos, que, em períodos de estiagem, fazem a
manutenção do nível dos rios e lagos de forma lenta e interrupta
Quando a água infiltra-se nas camadas inferiores da crosta
,
passa por diferentes materiais, que a filtram, portanto na maioria das
vezes os aquíferos possuem água potável
Os aquíferos também sofrem contaminação, quando na sua área de
recarga são encontrados agentes poluidores, como lixões, quando são
áreas em que ocorre intenso uso de agrotóxicos ou em áreas
fortemente urbanizadas
As águas dos aquíferos são utilizadas principalmente para
abastecimento de cidades e uso agrário

O Brasil apresenta dezenas de aquíferos em seu território, sendo os mais importantes o Aquífero
Guarani e o Alter do chão com reservatórios de 45 e 86 mil quilômetros cúbicos de água
respectivamente. As águas do aquífero Guarani já estão sendo utilizadas por algumas cidades do interior
do estado de São Paulo.
O Brasil é um país pobre em lagos. Aparecem principalmente nos estados do Rio de janeiro,
Alagoas e Rio Grande do Sul. São lagoas de barragem , isto é, formadas pelo
aprisionamento de enseadas e baías por restingas que se formaram paralelas ao litoral

Antigas restingas

Lagoa de Marapendi/RJ
Lagoa Rodrigo de Freitas/RJ
Bacias hidrográficas no Brasil
Bacias hidrográficas são áreas drenadas por um rio principal e seus
afluentes. As bacias são limitadas por regiões mais elevadas
chamadas de divisores de água

Principais usos das bacias hidrográficas brasileiras :
Navegação
Abastecimento de água
Irrigação
Pesca
produção de energia
A seguir um resumo destacando as bacias mais importantes no país ...
Bacia Amazônica
É a maior bacia hidrográfica do Brasil e do
mundo com 3,8 milhões de quilômetros
quadrados ou 45% do território brasileiro
A bacia do Amazonas atende a uma
população superior a 7,6 milhões de
pessoas. Seus rios são, na maioria, a
única via de transporte e fonte de
proteína (pesca) das populações
ribeirinhas .
A agricultura familiar de subsistência
é cultivada nas áreas de várzea .

Negro

Encontro das
águas

Amazonas

Pororoca

A bacia apresenta o maior potencial de geração de energia hidroelétrica do país(100 000 MW)porém
muito pouco aproveitado. Atualmente estão em construção as usinas de Jirau e Santo Antônio no rio
Madeira e Belo Monte no rio Xingu, ambos afluentes do rio Amazonas
Bacia do Tocantins-Araguaia
É a maior bacia inteiramente brasileira drenando cerca de 9,5% do nosso
território. A região caracteriza-se pela presença de dois importantes
biomas - Floresta Amazônica ( 35%) e Cerrado ( 65% ).
Apresenta longos trechos navegáveis sendo utilizada para escoar parte
da produção de grãos (destaque para a soja) das regiões que banha. O
rio Araguaia se destaca como área de pesca. A bacia possui ainda, um
grande potencial energético (28 000 Mw). No rio Tocantins foi construída
a segunda maior hidrelétrica brasileira, Tucuruí com potencial de 8.370
Mw que atende ao projeto de mineração na serra dos Carajás no Pará .
Mina de ferro /
Serra dos Carajás

Hidrelétrica de Tucuruí
Bacia do São Francisco
Chamado carinhosamente de “velho chico “ pelos
ribeirinhos, o rio é de fundamental importância para a
economia da região pois atravessa áreas do semiárido
brasileiro favorecendo projetos de agropecuária e
irrigação. No Brasil colônia ficou conhecido como “rio dos
currais”
Por ser um rio de planalto apresenta grande potencial
hidrelétrico ( cerca de 20 000 Mw) com várias importantes
usinas instaladas ( 11 000 Mw) . Apresenta ainda longos
trechos navegáveis.

Transposição do Rio São Francisco - Projeto polêmico , e no
momento com as obras paralisadas, tem como objetivo diminuir
a seca no período de estiagem na região do semiárido através da
transferência de água do rio para abastecimento de açudes e rios
menores na região
Bacia Platina
É formada por três importantes rios Paraná, Paraguai e Uruguai que
nascem no Brasil e se unem numa única bacia desembocando no
estuário “do Plata” junto a cidade de Buenos Aires.

Esta bacia é a de maior aproveitamento energético(32 000 Mw) do país
pois além de possuir elevado potencial (60 000 MW), está localizada na
região mais industrializada e urbanizada do Brasil.
A hidrovia Tietê-Paraná, construída nesta bacia, possui importante papel
na economia da região e do Brasil, sendo responsável pelo escoamento
de grande parte da produção de soja do Sul e do Centro – Oeste
brasileiro além de transporte de madeira que abastece fábricas de papel
e celulose em Mato Grosso do Sul.

Um sistema de eclusas foi construído para
resolver o problema dos desníveis existentes

A hidrelétrica de Itaipu é a maior do Brasil e a
segunda maior do mundo em produção de
energia (14 000 Mw)
Brasil natureza
Hidroeletricidade no Brasil
O Brasil possui uma matriz de energia elétrica que
conta com a participação de cerca de 80% oriunda
de hidroeletricidade. Os climas chuvosos, o relevo
predominantemente de planaltos e solos
favoráveis ao armazenamento de água , faz desta
opção a mais viável economicamente além de
gerar energia limpa e de baixo impacto ambiental.

Como funciona uma usina Hidrelétricas ?

A força da água faz girar a turbina que conectada a um gerador, transforma a energia cinética em energia elétrica
Algumas importantes hidroelétricas no brasil...
2500

Paulo Afonso
3100

Xingó

1050

Sobradinho

Itaipu

A hidrelétrica binacional ( pertence ao Brasil e ao
Paraguai) de Itaipu construída no rio Paraná é a maior
do país e gera energia para as regiões sul e sudeste
(20% do consumo do país) e ainda vende para o
Paraguai ( 90% da energia consumida neste país) a
porção não consumida no Brasil.

Tucuruí

8 300 Mw

14 000 Mw

Ilha solteira

3400
Brasil natureza
Novos projetos na Amazônia ...

Jirau

Santo Antônio Antônio
Santo

Belo Monte
Hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau /em construção
Usinas a fio d’água no rio Madeira /Rondônia
A Usina Hidrelétrica de Santo Antônio, localizada no Rio
Madeira, será a maior hidrelétrica de turbinas bulbo no
mundo dispensando a formação de grandes reservatórios pois
trabalha com a velocidade da água e não com a altura de sua
queda.

Com uma barragem de apenas 13,90 metros de altura e um reservatório de aproximadamente 200
km2 de superfície ( pouco maior que a área inundada naturalmente nas cheias do próprio rio, que
acontecem em janeiro) a usina está prevista para gerar 3150 MW.
Brasil natureza
Vantagens e desvantagens do uso de hidrelétrica na geração de energia

Desvantagens
Vantagens
# Energia limpa e renovável
# Custo barato do kw/hora
#Tempo útil de operação muito
longo (próximo a cem anos )
# causam baixo impacto ambiental
# Podem ser aproveitadas para
desenvolver projetos
complementares de
desenvolvimento regional como
navegação, piscicultura e turismo

X

# Custo elevado da obra e
tempo longo para entrar em
operação ( projeto e
construção)
# Causam impactos ambientais
com represamento de águas e
modificações no ecossistema
local
# Vulnerável à variações
climáticas (depende do volume
de chuvas)
# Não podem ser construídas
em qualquer local e exigem
altos investimentos em linhas
de transmissão
Veja também :
Brasil Paisagem Natural Relevo e Geologia do Brasil, aula
em slides

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O continente americano completo
O continente americano  completoO continente americano  completo
O continente americano completo
Camila Brito
 
6º ano Unidade4
6º ano Unidade46º ano Unidade4
6º ano Unidade4
Christie Freitas
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 
América anglo saxônica
América anglo saxônicaAmérica anglo saxônica
América anglo saxônica
Professor
 
Eua aula 1
Eua   aula 1Eua   aula 1
Eua aula 1
Luciano Pessanha
 
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Yasmim Ribeiro
 
Introdução ao continente americano
Introdução ao continente americanoIntrodução ao continente americano
Introdução ao continente americano
Patrícia Éderson Dias
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
Prof. Francesco Torres
 
Aspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americanoAspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americano
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
Linguagem Geográfica
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
Prof. Francesco Torres
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
Christie Freitas
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
Prof.Paulo/geografia
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
Christie Freitas
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Professor
 
Estados unidos da américa
Estados unidos da américaEstados unidos da américa
Estados unidos da américa
ProfessoresColeguium
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Christie Freitas
 
Marcha para oeste
Marcha para oesteMarcha para oeste
Marcha para oeste
Fabiana Tonsis
 

Mais procurados (20)

O continente americano completo
O continente americano  completoO continente americano  completo
O continente americano completo
 
6º ano Unidade4
6º ano Unidade46º ano Unidade4
6º ano Unidade4
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
América anglo saxônica
América anglo saxônicaAmérica anglo saxônica
América anglo saxônica
 
Eua aula 1
Eua   aula 1Eua   aula 1
Eua aula 1
 
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
 
Introdução ao continente americano
Introdução ao continente americanoIntrodução ao continente americano
Introdução ao continente americano
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Aspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americanoAspectos Naturais do continente americano
Aspectos Naturais do continente americano
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
 
Estados unidos da américa
Estados unidos da américaEstados unidos da américa
Estados unidos da américa
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
Marcha para oeste
Marcha para oesteMarcha para oeste
Marcha para oeste
 

Destaque

Paisagens naturais brasileiras
Paisagens naturais brasileirasPaisagens naturais brasileiras
Paisagens naturais brasileiras
Uilson Pereira da Silva
 
Historia urbana rio de janeiro
Historia urbana rio de janeiroHistoria urbana rio de janeiro
Historia urbana rio de janeiro
Salageo Cristina
 
A história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiroA história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiro
Salageo Cristina
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
lupefen
 
Biomas
BiomasBiomas
Vegetação da zona da mata e litoral do nordeste
Vegetação da zona da mata e litoral do nordesteVegetação da zona da mata e litoral do nordeste
Vegetação da zona da mata e litoral do nordeste
Ninho Cristo
 
Ásia de Monções
Ásia de MonçõesÁsia de Monções
Ásia de Monções
Prof. João Oliveira
 
Clima tropical úmido ou litorâneo
Clima tropical úmido ou litorâneoClima tropical úmido ou litorâneo
Clima tropical úmido ou litorâneo
Mateus Barros
 
Belezas Do Nordeste 11
Belezas Do Nordeste 11Belezas Do Nordeste 11
Belezas Do Nordeste 11
Luzia Gabriele
 
Carta da paisagem brasil rev
Carta da paisagem brasil revCarta da paisagem brasil rev
Carta da paisagem brasil rev
visoart
 
Divulgando: Carta Brasileira da Paisagem-2010
Divulgando: Carta Brasileira da Paisagem-2010Divulgando: Carta Brasileira da Paisagem-2010
Divulgando: Carta Brasileira da Paisagem-2010
Barbara Prado
 
Biomas climas-mundo
Biomas climas-mundoBiomas climas-mundo
Biomas climas-mundo
marcokiko84
 
Slide trabalho de geografia
Slide   trabalho de geografiaSlide   trabalho de geografia
Slide trabalho de geografia
claricessantos
 
Massas de ar que atuam no Brasil
Massas de ar que atuam no Brasil Massas de ar que atuam no Brasil
Massas de ar que atuam no Brasil
dela28
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
espacoaberto
 
Paisagem Cultural II Leonardo Castriota
Paisagem Cultural II  Leonardo CastriotaPaisagem Cultural II  Leonardo Castriota
Paisagem Cultural II Leonardo Castriota
Kelly Freitas
 
A Sertã, ontem, hoje e os desafios do futuro - a paisagem cultural
A Sertã, ontem, hoje e os desafios do futuro  -  a paisagem culturalA Sertã, ontem, hoje e os desafios do futuro  -  a paisagem cultural
A Sertã, ontem, hoje e os desafios do futuro - a paisagem cultural
Ilda Bicacro
 
Paisagem Cultural - Leonardo Castriota
Paisagem  Cultural - Leonardo CastriotaPaisagem  Cultural - Leonardo Castriota
Paisagem Cultural - Leonardo Castriota
Kelly Freitas
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
Stéfano Silveira
 

Destaque (20)

Paisagens naturais brasileiras
Paisagens naturais brasileirasPaisagens naturais brasileiras
Paisagens naturais brasileiras
 
Historia urbana rio de janeiro
Historia urbana rio de janeiroHistoria urbana rio de janeiro
Historia urbana rio de janeiro
 
A história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiroA história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiro
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Vegetação da zona da mata e litoral do nordeste
Vegetação da zona da mata e litoral do nordesteVegetação da zona da mata e litoral do nordeste
Vegetação da zona da mata e litoral do nordeste
 
Ásia de Monções
Ásia de MonçõesÁsia de Monções
Ásia de Monções
 
Clima tropical úmido ou litorâneo
Clima tropical úmido ou litorâneoClima tropical úmido ou litorâneo
Clima tropical úmido ou litorâneo
 
Belezas Do Nordeste 11
Belezas Do Nordeste 11Belezas Do Nordeste 11
Belezas Do Nordeste 11
 
Carta da paisagem brasil rev
Carta da paisagem brasil revCarta da paisagem brasil rev
Carta da paisagem brasil rev
 
Divulgando: Carta Brasileira da Paisagem-2010
Divulgando: Carta Brasileira da Paisagem-2010Divulgando: Carta Brasileira da Paisagem-2010
Divulgando: Carta Brasileira da Paisagem-2010
 
Biomas climas-mundo
Biomas climas-mundoBiomas climas-mundo
Biomas climas-mundo
 
Slide trabalho de geografia
Slide   trabalho de geografiaSlide   trabalho de geografia
Slide trabalho de geografia
 
Massas de ar que atuam no Brasil
Massas de ar que atuam no Brasil Massas de ar que atuam no Brasil
Massas de ar que atuam no Brasil
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
 
Paisagem Cultural II Leonardo Castriota
Paisagem Cultural II  Leonardo CastriotaPaisagem Cultural II  Leonardo Castriota
Paisagem Cultural II Leonardo Castriota
 
A Sertã, ontem, hoje e os desafios do futuro - a paisagem cultural
A Sertã, ontem, hoje e os desafios do futuro  -  a paisagem culturalA Sertã, ontem, hoje e os desafios do futuro  -  a paisagem cultural
A Sertã, ontem, hoje e os desafios do futuro - a paisagem cultural
 
Paisagem cultural
Paisagem culturalPaisagem cultural
Paisagem cultural
 
Paisagem Cultural - Leonardo Castriota
Paisagem  Cultural - Leonardo CastriotaPaisagem  Cultural - Leonardo Castriota
Paisagem Cultural - Leonardo Castriota
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 

Semelhante a Brasil natureza

Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Salageo Cristina
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Márcio Júlio
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
ricardohenri
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Deto - Geografia
 
Domínio Morfoclimático Do Cerrado
Domínio Morfoclimático Do CerradoDomínio Morfoclimático Do Cerrado
Domínio Morfoclimático Do Cerrado
Sara Silva
 
Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
Carolina Lisboa
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
ceama
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
Márcio Júlio
 
Meio ambiente cerrado
Meio ambiente   cerradoMeio ambiente   cerrado
Meio ambiente cerrado
Diego Santos
 
Dominios Climatobotanicos-Brasileiros
Dominios Climatobotanicos-BrasileirosDominios Climatobotanicos-Brasileiros
Dominios Climatobotanicos-Brasileiros
Stéfano Silveira
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
Malu Anacleto
 
Rafael e maõ
Rafael e maõRafael e maõ
Rafael e maõ
inclusaodigital2011
 
Regiões do Brasil.pptx
Regiões do Brasil.pptxRegiões do Brasil.pptx
Regiões do Brasil.pptx
Grégori Augusto
 
Aula clima biomas brasil sartre frente2
Aula clima  biomas brasil sartre frente2Aula clima  biomas brasil sartre frente2
Aula clima biomas brasil sartre frente2
CADUCOCFRENTE2
 
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticosOs grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Fábio Oliveira
 
Tiposdeclima
TiposdeclimaTiposdeclima
Tiposdeclima
danielcpacheco2
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Washington sucupira
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Washington sucupira
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
Washington sucupira
 
BIOMAS BRASILEIROS.pdf
BIOMAS BRASILEIROS.pdfBIOMAS BRASILEIROS.pdf
BIOMAS BRASILEIROS.pdf
LayaraAzevedo
 

Semelhante a Brasil natureza (20)

Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
 
Domínio Morfoclimático Do Cerrado
Domínio Morfoclimático Do CerradoDomínio Morfoclimático Do Cerrado
Domínio Morfoclimático Do Cerrado
 
Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Meio ambiente cerrado
Meio ambiente   cerradoMeio ambiente   cerrado
Meio ambiente cerrado
 
Dominios Climatobotanicos-Brasileiros
Dominios Climatobotanicos-BrasileirosDominios Climatobotanicos-Brasileiros
Dominios Climatobotanicos-Brasileiros
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
 
Rafael e maõ
Rafael e maõRafael e maõ
Rafael e maõ
 
Regiões do Brasil.pptx
Regiões do Brasil.pptxRegiões do Brasil.pptx
Regiões do Brasil.pptx
 
Aula clima biomas brasil sartre frente2
Aula clima  biomas brasil sartre frente2Aula clima  biomas brasil sartre frente2
Aula clima biomas brasil sartre frente2
 
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticosOs grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
 
Tiposdeclima
TiposdeclimaTiposdeclima
Tiposdeclima
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
Biomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasilBiomas do mundo e do brasil
Biomas do mundo e do brasil
 
BIOMAS BRASILEIROS.pdf
BIOMAS BRASILEIROS.pdfBIOMAS BRASILEIROS.pdf
BIOMAS BRASILEIROS.pdf
 

Mais de Salageo Cristina

Composição étnica brasileira
Composição étnica  brasileiraComposição étnica  brasileira
Composição étnica brasileira
Salageo Cristina
 
Economia do Brasil na era da globalização
Economia do Brasil na  era da globalização   Economia do Brasil na  era da globalização
Economia do Brasil na era da globalização
Salageo Cristina
 
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com  industrialização do tipo tardiaBrasil capitalista com  industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
Salageo Cristina
 
Brasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrializaçãoBrasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrialização
Salageo Cristina
 
Aula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileiraAula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileira
Salageo Cristina
 
Estado e cidade do rio de janeiro
Estado e cidade do rio de janeiroEstado e cidade do rio de janeiro
Estado e cidade do rio de janeiro
Salageo Cristina
 
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Salageo Cristina
 
Brasil país emergente
Brasil país emergenteBrasil país emergente
Brasil país emergente
Salageo Cristina
 
Brasil país rico
Brasil país ricoBrasil país rico
Brasil país rico
Salageo Cristina
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império
Salageo Cristina
 
Brasil capilaista
Brasil capilaistaBrasil capilaista
Brasil capilaista
Salageo Cristina
 
Economia parte i
 Economia parte i Economia parte i
Economia parte i
Salageo Cristina
 
Envelhecimento da população brasileira
Envelhecimento da população  brasileira   Envelhecimento da população  brasileira
Envelhecimento da população brasileira
Salageo Cristina
 
Brasil país gigante pela própria natureza
Brasil país  gigante pela própria naturezaBrasil país  gigante pela própria natureza
Brasil país gigante pela própria natureza
Salageo Cristina
 
Espaço urbano
Espaço urbano  Espaço urbano
Espaço urbano
Salageo Cristina
 
Brasil economia sintese 2015
Brasil  economia sintese 2015Brasil  economia sintese 2015
Brasil economia sintese 2015
Salageo Cristina
 
Modais no brasil
Modais no brasilModais no brasil
Modais no brasil
Salageo Cristina
 
Petróleo no brasil
Petróleo no brasilPetróleo no brasil
Petróleo no brasil
Salageo Cristina
 
Brasil economia e população observações de texto
Brasil  economia e população  observações de textoBrasil  economia e população  observações de texto
Brasil economia e população observações de texto
Salageo Cristina
 
Regiões brasileiras 3004
Regiões brasileiras 3004Regiões brasileiras 3004
Regiões brasileiras 3004
Salageo Cristina
 

Mais de Salageo Cristina (20)

Composição étnica brasileira
Composição étnica  brasileiraComposição étnica  brasileira
Composição étnica brasileira
 
Economia do Brasil na era da globalização
Economia do Brasil na  era da globalização   Economia do Brasil na  era da globalização
Economia do Brasil na era da globalização
 
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com  industrialização do tipo tardiaBrasil capitalista com  industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
 
Brasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrializaçãoBrasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrialização
 
Aula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileiraAula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileira
 
Estado e cidade do rio de janeiro
Estado e cidade do rio de janeiroEstado e cidade do rio de janeiro
Estado e cidade do rio de janeiro
 
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
 
Brasil país emergente
Brasil país emergenteBrasil país emergente
Brasil país emergente
 
Brasil país rico
Brasil país ricoBrasil país rico
Brasil país rico
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império
 
Brasil capilaista
Brasil capilaistaBrasil capilaista
Brasil capilaista
 
Economia parte i
 Economia parte i Economia parte i
Economia parte i
 
Envelhecimento da população brasileira
Envelhecimento da população  brasileira   Envelhecimento da população  brasileira
Envelhecimento da população brasileira
 
Brasil país gigante pela própria natureza
Brasil país  gigante pela própria naturezaBrasil país  gigante pela própria natureza
Brasil país gigante pela própria natureza
 
Espaço urbano
Espaço urbano  Espaço urbano
Espaço urbano
 
Brasil economia sintese 2015
Brasil  economia sintese 2015Brasil  economia sintese 2015
Brasil economia sintese 2015
 
Modais no brasil
Modais no brasilModais no brasil
Modais no brasil
 
Petróleo no brasil
Petróleo no brasilPetróleo no brasil
Petróleo no brasil
 
Brasil economia e população observações de texto
Brasil  economia e população  observações de textoBrasil  economia e população  observações de texto
Brasil economia e população observações de texto
 
Regiões brasileiras 3004
Regiões brasileiras 3004Regiões brasileiras 3004
Regiões brasileiras 3004
 

Último

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 

Brasil natureza

  • 1. Brasil Paisagem Natural Hidrografia clima, Vegetação, Hidrografia Resumo de aula Cristina Ramos Este material é parte integrante de: http://salacristinageo.blogspot.com
  • 2. O estudo da paisagem natural brasileira inclui os elementos ou fatos geográficos relacionados ao relevo e a geologia, aos diferentes tipos climáticos e suas vegetações correlacionadas e a distribuição da hidrografia em todos território nacional. Sabiá e Ipê amarelo, pássaro e árvore símbolos do Brasil Embora na Natureza ou paisagem geográfica esses elementos encontram-se intrinsicamente entrelaçados, aqui neste estudo resumo serão trabalhados separadamente em três grandes áreas temáticas utilizando metodologia que propicia uma melhor compreensão dos assuntos abordados.
  • 3. Parte I - Clima e vegetação no Brasil Climatologia é a parte da Geografia que estuda a distribuição e a dinâmica dos climas na superfície terrestre. Fitogeografia ou simplesmente Vegetação é a parte da geografia que estuda a distribuição dos diferentes tipos de coberturas vegetais naturais do planeta e suas implicações. Compare os mapas apresentados acima e observe a semelhança existente quanto a localização e configuração dos espaços ocupados pelos diferentes climas ( a esquerda) e as diversas vegetações ( a direita) brasileiras.
  • 4. Um conceito largamente trabalhado em Geografia ... A vegetação natural de um lugar é o reflexo do clima deste lugar Veja alguns exemplos.... Em regiões de climas quentes e úmidos aparecem as Florestas Tropicais e Equatoriais ... No verão dos climas polares aparece a Tundra ... Nos climas frios e úmidos aparecem as floresta frias ou Taigas ... Se o clima é quente e seco surgem as estepes e as vegetações desérticas... A caatinga é a estepe brasileira Nos climas tropicais ( quente com períodos de chuva e de seca alternados) aparecem as savanas. O cerrado é a savana brasileira
  • 5. Outro conceito básico ligado a vegetação... O porte e adensamento da vegetação está diretamente relacionado à quantidade e distribuição das chuvas e a capacidade dos solos de reter e armazenar água. Florestas Formações arbóreas savanas estepes Pradarias Arbóreo/arbustivo/herbáceo maior Herbáceo menor Umidade Veja a seguir alguns conceitos básicos sobre climas e massas de ar.... Desertos
  • 6. Clima e Tempo não é a mesma coisa .... Tempo é a situação momentânea da atmosfera em um lugar. Quem estuda o tempo é o Meteorologista e o Serviço de Meteorologia divulga os boletins. Clima é a sucessão do Tempo ou a frequência do Tempo em um lugar Quem estuda os climas são os climatologistas, geógrafos especializados no assunto. Para se determinar o clima de um lugar é preciso estudar o Tempo ( meteorológico) durante muito tempo ( cronológico) O estudo dos climas pode ser feito ..... Através do estudo de seus elementos e fatores ou ....de forma mais moderna através da dinâmica das massas de ar Elementos do clima ( determinam o tipo de clima ): Temperatura, Umidade e Pressão Atmosférica Fatores do clima ( modificam o comportamento do clima) Latitude, Altitude, Maritimidade ou continentalidade e correntes marinhas Massas de ar : porções da atmosfera com características próprias de temperatura, umidade e pressão
  • 7. Vejam as Massas de ar que atuam no Brasil ... Massa Equatorial continental / quente e muito úmida pouco se movimenta Massa Equatorial Atlântica Quente e úmida, provoca chuvas no litoral setentrional do nordeste durante o verão. Pode ou não chegar ao sertão Massa tropical continental Quente e seca, se forma sobre o Paraguai e entra pelo Brasil no período do inverno Massa polar atlântica/ Fria e úmida penetra pelo sul do país (principalmente no inverno) causando as frentes frias ou provocando a formação de neve e geada Massa Tropical Atlântica/ Quente e úmida provoca chuvas em todo litoral leste brasileiro durante todo o ano.
  • 8. Climograma/ gráfico climático que mostra as variações de temperaturas e pluviosidades de um lugar, ao longo do ano Curva de temperatura Colunas de chuva
  • 9. Os tipos de Climas e vegetações no Brasil .... Os climas brasileiros se apresentem em geral, com elevadas temperaturas e grande quantidade de chuvas devido a sua posição geográfica (quase totalidade em áreas tropicais) e a presença de extenso litoral (maritimidade). Os tipos de vegetações naturais predominantes são as florestas e as savanas (cerrado) Maiores detalhes do assunto nos materiais: Clima e vegetação impactos ambientais e Ecossistemas brasileiros e
  • 10. Clima Equatorial /Floresta Equatorial da Amazônia Clima de toda região Norte do país, do norte do Mato Grosso e do oeste do Maranhão. Apresenta temperatura média elevada ( 25°C a 30°C) e chuvas abundantes e bem distribuídas o ano todo (acima de 2500 mm/anuais -está sob influência da mEc). Apresenta amplitude térmica mínima, em torno de 5°C. No inverno, essa região pode sofrer influência da mpa, que atinge a Amazônia ocidental ocasionando um fenômeno denominado "Friagem" (queda brusca da temperatura em poucas horas). Apresenta uma floresta heterogênea, densa e latifoliada. A floresta amazônica (Floresta Perenifólia Higrófila Hileiana) é a maior floresta equatorial do mundo e a segunda de maior biodiversidade. Predominam os solos do tipo latossolos pouco férteis e sujeitos a Lixiviação. Latossolo lixiviado
  • 11. A floresta Equatorial da Amazônia se subdivide em: Igapó Parte da floresta permanentemente inundada pelas águas dos rios Terra Firme Várzea Área inundada durante as grandes cheias. Região da seringueira e das práticas agrícolas Região sempre livre de inundações. Aparecem as madeiras nobres e a Castanha do Pará Extração de madeira e desmatamento, queimadas para abertura de pasto ou agricultura, Lixiviação , poluição das águas e assoreamento são os principais impactos ambientais neste ecossistema
  • 12. Clima Tropical Úmido/ Floresta Tropical ou Mata Atlântica Estende-se pela faixa litorânea do Rio Grande do Norte até São Paulo. Também é conhecido como Tropical Litorâneo. Sofre a ação direta da mTa, trazendo chuvas o ano todo. A temperatura varia em média entre 18°C e 26°C e a amplitude térmica é maior à medida que se avança em direção ao sul. No Nordeste a maior concentração de chuvas ocorre no inverno e no Sudeste no verão. O índice pluviométrico médio é de 1500 a 2000 mm/ano. A mata atlântica (floresta perenifólia higrófila costeira) é a vegetação característica. É o bioma brasileiro de maior biodiversidade e também o mais devastado. Os especialistas calculam que restam apenas 7% da vegetação original. Urbanização e agropecuária foram as principais causas do desmatamento.
  • 13. Lixiviação É o processo de erosão de solo mais frequente no país em áreas de florestas e savanas. Acontece pelo uso inadequado de práticas agrárias ( agricultura e pecuária) Veja a explicação técnica abaixo: É o processo de lavagem do solo, no sentido vertical, pelas águas das chuvas que arrastam os nutrientes ou os fazem penetrar no subsolo. Este processo de erosão é intensificado quando o desmatamento torna o solo mais exposto. A lixiviação retira a camada de humus do horizonte zero e provoca a formação de uma crosta dura e ferrugem na superfície do solo ( laterita ou canga ) a partir da concentração de hidróxido de ferro e alumínio no solo. São frequentes nos Latossolos (solos profundos e úmidos sob as florestas) O Latossolo lixiviado é denominado Laterita
  • 14. Tropical Semiárido/ Caatinga Clima do sertão nordestino, área também conhecido como Polígono das Secas. Sofre pouca influência das massas úmidas que bloqueadas pelo planalto da Borborema não alcançam o interior da região. Apresenta elevadas temperaturas, chuvas escassas (entre 400 e 750 mm/ano) e mal distribuídas durante o ano. Durante o verão as massas úmidas (mEc e mEa) podem provocar chuvas no litoral e interior da região. Na Caatinga (estepe brasileira) aparecem plantas xerófilas que armazenam água em seu interior, podem conter espinhos ou apresentar caráter descíduo ( folhas que caem no período mais seco). A vegetação é formada por três estratos: o arbóreo,( entre 8 a 12 m); o arbustivo (de 2 a 5m); e o herbáceo, abaixo de 2 metros. Caatinga em processo de desertificação por uso inadequado do solo
  • 15. Tropical (típico ou continental) /savanas Abrange grande parte da região central do país ( Centro-Oeste, parte do Sudeste e Nordeste) Apresenta temperaturas elevadas (de 18°C a 28°C), amplitude térmica de 5°C a 10°C e duas estações pluviométricas definidas – uma chuvosa e outra seca. A estação da chuva é o verão , quando a mEc está sobre a região e a estação seca é no inverno por influência da mTc . A savana brasileira é o Cerrado Vegetação com árvores e arbustos retorcidos no estrato superior e gramíneas no estrato inferior.Seus solos em geral são ácidos necessitando correção para uso agrícola. Atualmente é o ecossistema mais ameaçado a destruição com a introdução das práticas de monocultura comercial da soja e criação extensiva de gado de corte
  • 16. Tropical de Altitude / Mata atlântica Ocorre principalmente nas regiões serranas do Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo , Minas Gerais e Mato Grosso do Sul As temperatura médias variam de 15 a 21º C. As chuvas de verão são intensas e no inverno sofre a influência das massas de ar frias vindas do sul Argentina, a mpa( massa polar Atlântica). Esta massa ao penetrar no Brasil no inverno, pode provocar queda de neve, formação de geadas e frentes frias na região sul e sudeste. A amplitude térmica anual fica entre 7°C e10°C. O desmatamento, a intensa urbanização e as fortes chuvas de verão nessas áreas serranas tem trazido desequilíbrio das encostas com desmoronamentos e tragédias frequentes
  • 17. Subtropical / Floresta subtropical e campos Clima semelhante ao temperado oceânico, porém com temperaturas médias um pouco mais elevadas. Localiza-se ao sul do trópico de capricórnio nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul . Apresenta quatro estações bem marcadas e grande amplitude térmica. Os verões são quentes, na maior parte da região Sul e amenas nas Serras Gaúcha e Catarinense. Os invernos são frescos (frios para os padrões brasileiros). Podem apresentar precipitações de neve e formação de geada principalmente nas áreas serranas, quando da passagem da mpa pela região. Aparecem dois tipos de vegetações típicas : Campos vegetação do tipo pradaria com predomínio de vegetação herbácea com árvores entremeadas. No Brasil é conhecida como Campanha Gaúcha No RS práticas inadequadas geram Arenização Floresta subtropical com Araucária - aciculifoliada, aberta e homogênea com predomínio de pinheiros O desmatamento para praticas agrárias e extração de madeira são os principais impactos ambientais
  • 18. O estudo dos climas com suas variações sazonais de temperatura e pluviosidade juntamente com os solos se tornam fundamentais para o bom desenvolvimento das praticas agrárias . Veja alguns exemplos no país ... A região do pantanal com seu complexo de vegetação de cerrado e cerradão é área ideal de criação de gado de corte no país. As pastagens nativas constituem a alimentação básica dos bovinos, pastagens essas renováveis anualmente pela alternância de cheia e secas de acordo com os períodos de chuvas e estiagem típicas do clima tropical do centro-oeste. O clima quente com boa pluviosidade anual do litoral brasileiro ( tropical úmido ou litorâneo) vem propiciando o cultivo da cana-de-açúcar desde seu período colonial. O café , que necessita de temperaturas mais amenas, se adaptou com grande facilidade às áreas mais elevadas ( serras e planaltos) do Sudeste brasileiro de clima Tropical de Altitude . No sul do Brasil , o cultivo da uva e do trigo está em conformidade ao clima subtropical .
  • 19. Parte II -Hidrografia do Brasil Hidrografia é a parte da geografia que estuda as águas do planeta Terra. Estão incluídos neste estudo as águas dos oceanos e mares, dos rios, dos lagos, das geleiras, as das águas de subsolo. A localização geográfica , a ação de massas tropicais úmidas, os altos índices pluviométricos e solos favoráveis ao armazenamento de águas faz do .... Brasil o país mais rico do mundo em água doce, com cerca de 12% do total mundial.
  • 20. Aquíferos no Brasil Aquíferos são grandes depósitos subterrâneos de água, alimentados pelas chuvas que se infiltram no subsolo Durante o período de chuvas, os aquíferos funcionam como receptores de água. Parcela significativa das águas pluviais infiltramse, abastecendo os aquíferos, que, em períodos de estiagem, fazem a manutenção do nível dos rios e lagos de forma lenta e interrupta Quando a água infiltra-se nas camadas inferiores da crosta , passa por diferentes materiais, que a filtram, portanto na maioria das vezes os aquíferos possuem água potável Os aquíferos também sofrem contaminação, quando na sua área de recarga são encontrados agentes poluidores, como lixões, quando são áreas em que ocorre intenso uso de agrotóxicos ou em áreas fortemente urbanizadas As águas dos aquíferos são utilizadas principalmente para abastecimento de cidades e uso agrário O Brasil apresenta dezenas de aquíferos em seu território, sendo os mais importantes o Aquífero Guarani e o Alter do chão com reservatórios de 45 e 86 mil quilômetros cúbicos de água respectivamente. As águas do aquífero Guarani já estão sendo utilizadas por algumas cidades do interior do estado de São Paulo.
  • 21. O Brasil é um país pobre em lagos. Aparecem principalmente nos estados do Rio de janeiro, Alagoas e Rio Grande do Sul. São lagoas de barragem , isto é, formadas pelo aprisionamento de enseadas e baías por restingas que se formaram paralelas ao litoral Antigas restingas Lagoa de Marapendi/RJ Lagoa Rodrigo de Freitas/RJ
  • 22. Bacias hidrográficas no Brasil Bacias hidrográficas são áreas drenadas por um rio principal e seus afluentes. As bacias são limitadas por regiões mais elevadas chamadas de divisores de água Principais usos das bacias hidrográficas brasileiras : Navegação Abastecimento de água Irrigação Pesca produção de energia A seguir um resumo destacando as bacias mais importantes no país ...
  • 23. Bacia Amazônica É a maior bacia hidrográfica do Brasil e do mundo com 3,8 milhões de quilômetros quadrados ou 45% do território brasileiro A bacia do Amazonas atende a uma população superior a 7,6 milhões de pessoas. Seus rios são, na maioria, a única via de transporte e fonte de proteína (pesca) das populações ribeirinhas . A agricultura familiar de subsistência é cultivada nas áreas de várzea . Negro Encontro das águas Amazonas Pororoca A bacia apresenta o maior potencial de geração de energia hidroelétrica do país(100 000 MW)porém muito pouco aproveitado. Atualmente estão em construção as usinas de Jirau e Santo Antônio no rio Madeira e Belo Monte no rio Xingu, ambos afluentes do rio Amazonas
  • 24. Bacia do Tocantins-Araguaia É a maior bacia inteiramente brasileira drenando cerca de 9,5% do nosso território. A região caracteriza-se pela presença de dois importantes biomas - Floresta Amazônica ( 35%) e Cerrado ( 65% ). Apresenta longos trechos navegáveis sendo utilizada para escoar parte da produção de grãos (destaque para a soja) das regiões que banha. O rio Araguaia se destaca como área de pesca. A bacia possui ainda, um grande potencial energético (28 000 Mw). No rio Tocantins foi construída a segunda maior hidrelétrica brasileira, Tucuruí com potencial de 8.370 Mw que atende ao projeto de mineração na serra dos Carajás no Pará . Mina de ferro / Serra dos Carajás Hidrelétrica de Tucuruí
  • 25. Bacia do São Francisco Chamado carinhosamente de “velho chico “ pelos ribeirinhos, o rio é de fundamental importância para a economia da região pois atravessa áreas do semiárido brasileiro favorecendo projetos de agropecuária e irrigação. No Brasil colônia ficou conhecido como “rio dos currais” Por ser um rio de planalto apresenta grande potencial hidrelétrico ( cerca de 20 000 Mw) com várias importantes usinas instaladas ( 11 000 Mw) . Apresenta ainda longos trechos navegáveis. Transposição do Rio São Francisco - Projeto polêmico , e no momento com as obras paralisadas, tem como objetivo diminuir a seca no período de estiagem na região do semiárido através da transferência de água do rio para abastecimento de açudes e rios menores na região
  • 26. Bacia Platina É formada por três importantes rios Paraná, Paraguai e Uruguai que nascem no Brasil e se unem numa única bacia desembocando no estuário “do Plata” junto a cidade de Buenos Aires. Esta bacia é a de maior aproveitamento energético(32 000 Mw) do país pois além de possuir elevado potencial (60 000 MW), está localizada na região mais industrializada e urbanizada do Brasil. A hidrovia Tietê-Paraná, construída nesta bacia, possui importante papel na economia da região e do Brasil, sendo responsável pelo escoamento de grande parte da produção de soja do Sul e do Centro – Oeste brasileiro além de transporte de madeira que abastece fábricas de papel e celulose em Mato Grosso do Sul. Um sistema de eclusas foi construído para resolver o problema dos desníveis existentes A hidrelétrica de Itaipu é a maior do Brasil e a segunda maior do mundo em produção de energia (14 000 Mw)
  • 28. Hidroeletricidade no Brasil O Brasil possui uma matriz de energia elétrica que conta com a participação de cerca de 80% oriunda de hidroeletricidade. Os climas chuvosos, o relevo predominantemente de planaltos e solos favoráveis ao armazenamento de água , faz desta opção a mais viável economicamente além de gerar energia limpa e de baixo impacto ambiental. Como funciona uma usina Hidrelétricas ? A força da água faz girar a turbina que conectada a um gerador, transforma a energia cinética em energia elétrica
  • 29. Algumas importantes hidroelétricas no brasil... 2500 Paulo Afonso 3100 Xingó 1050 Sobradinho Itaipu A hidrelétrica binacional ( pertence ao Brasil e ao Paraguai) de Itaipu construída no rio Paraná é a maior do país e gera energia para as regiões sul e sudeste (20% do consumo do país) e ainda vende para o Paraguai ( 90% da energia consumida neste país) a porção não consumida no Brasil. Tucuruí 8 300 Mw 14 000 Mw Ilha solteira 3400
  • 31. Novos projetos na Amazônia ... Jirau Santo Antônio Antônio Santo Belo Monte
  • 32. Hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau /em construção Usinas a fio d’água no rio Madeira /Rondônia A Usina Hidrelétrica de Santo Antônio, localizada no Rio Madeira, será a maior hidrelétrica de turbinas bulbo no mundo dispensando a formação de grandes reservatórios pois trabalha com a velocidade da água e não com a altura de sua queda. Com uma barragem de apenas 13,90 metros de altura e um reservatório de aproximadamente 200 km2 de superfície ( pouco maior que a área inundada naturalmente nas cheias do próprio rio, que acontecem em janeiro) a usina está prevista para gerar 3150 MW.
  • 34. Vantagens e desvantagens do uso de hidrelétrica na geração de energia Desvantagens Vantagens # Energia limpa e renovável # Custo barato do kw/hora #Tempo útil de operação muito longo (próximo a cem anos ) # causam baixo impacto ambiental # Podem ser aproveitadas para desenvolver projetos complementares de desenvolvimento regional como navegação, piscicultura e turismo X # Custo elevado da obra e tempo longo para entrar em operação ( projeto e construção) # Causam impactos ambientais com represamento de águas e modificações no ecossistema local # Vulnerável à variações climáticas (depende do volume de chuvas) # Não podem ser construídas em qualquer local e exigem altos investimentos em linhas de transmissão
  • 35. Veja também : Brasil Paisagem Natural Relevo e Geologia do Brasil, aula em slides