SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 21
Protozoários parasitas
Os protozoários são seres unicelulares, eucariontes e podem ser
parasitas ou de vida livre. As células dos protozoários executam todas
as funções vitais que nos grupos animais são executadas pelos
diferentes sistemas (locomoção, digestão, excreção, respiração e
reprodução). Existem protozoários flagelados que vivem no intestino dos
cupins, que digerem a celulose, principal alimento desse animais, a
relação estabelecida entre protozoário e o cupim é denominada de
mutualismo, porém muitas espécies de protozoários são causadores de
patogenias no homem.
Classificação dos protozoários.
De acordo com o tipo de locomoção os protozoários são
classificados em:
1) Rizópodes: locomoção por pseudópodes.
2) Flagelados: locomoção por flagelos.
3) Ciliados: locomoção por cílios
4) Esporozoários: ausência de organelas de locomoção.
Doenças causadas por protozoários:
Doença de Chagas
Esta doença é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, que é
transmitido para o homem através das fezes do barbeiro. O barbeiro,
inseto da ordem Hemíptera, é hematófogo e tem hábitos noturnos. As
principais espécies transmissoras são Triatoma infestans, Rhodnius
prolixus e Panstrongylus megistus.
Ciclo vital do Trypanosoma cruzi
O barbeiro é infectado pelo Trypanosoma cruzi ao sugar o sangue
dos animais silvestres: tatu, morcego, macaco, cotia, gambá. Estes
animais são reservatórios do inseto. O parasita multiplica-se por
divisões binárias, formando, no final do intestino, a forma flagelada
infectante.
O barbeiro, ao picar uma pessoa, defeca e elimina, nas fezes, a
forma infectada do parasita. Pelo orifício da picada ou pelas lesões
provocadas pela coceira, os parasitas penetram no corpo do hospedeiro
(homem), invadem principalmente o miocardio, multiplicam-se, caem na
circulação sangüínea e atingem vários órgãos. O ciclo repete-se
Doença Agente etiológico (causador)
“ Úlcera de Bauru”
ou Leishmaniose
cutâneo - mucosa
Leishmania brasiliensis
Doença de Chagas Trypanosoma cruzi
Doença do sono ou
encefalite
Trypanosoma gambíensis
Tricomoníase Tripanosoma vagínalis
continuamente, afetando principalmente o coração, o sistema nervoso e
o sistema digestório.
A fase crônica da doença é caracterizada pela cardiomegalia
(aumento do coração), megaesôfago (dilatação do esôfago) taquicardia.
As principais medidas profiláticas
• Melhoria das condições de moradia;
• Combate ao vetor (Barbeiro);
• Uso de telas em janelas e de mosquiteiras sobre as camas;
• Controle da qualidade do sangue usado em transfusões.
Malária
A malária, ou maleita, ou impaludismo, é uma doença causada pelo
protozoário do gênero Plasmodium. O agente transmissor do parasita é
o mosquito-prego, inseto do gênero Anopheles.
A característica principal da malária é o acesso malárico: febre alta
(às vezes, superior a 40º
C), calafrios, dor de cabeça, delírios e vômito.
O acesso repete-se, continuamente, em períodos específicos de cada
espécie do Plasmodium.
Ciclo vital do (Plasmodium vivac)
Quando a fêmea do Anópheles suga um indivíduo doente, recebe as
formas de gametócitos, presentes no sangue. No tubo digestivo do
mosquito, os gametócitos diferenciam-se em gametas, ocorrendo a
fecundação, originando o ovo, que se instala na parede do intestino.
Cada ovo origina muitos plasmódios (esporozóitos) que se alojam nas
glândulas salivares.
Ao picar um novo indivíduo, a fêmea inocula os esporozóitos
presentes na saliva, na corrente sangüínea do hospedeiro. Os
esporozóitos são levados para os hepatócitos (células do fígado),
dividindo-se e transformando-se em merozóitos retornam a corrente
sangüínea e penetram nas hemácias, ocorre a reprodução,e há liberação
Principais espécies
de Plasmodium
Características da patogenia
Plasmodium vivax Febre terçã benigna
Acesso a cada 3 dias
Plasmodium falciparum Febre terçã maligna
Acesso a cada 3 dias
Plasmodium malariae Febre terçã maligna
Acesso a cada 4 dias
Plasmodium ovale Apresenta ciclo de 48 horas
(inexistente no Brasil)
dos merozoítos, que irão invadir novas hemácias, repetindo o processo
anterior.
O rompimento das hemácias libera também toxinas no plasma
sangüíneo, surgindo o acesso malárico.
A malária causa anemia, enfraquecimento geral, graves lesões no
fígado, baço e medula óssea, além de estado de prostração.
A febre terçã maligna provoca lesões cerebrais graves, com fortes
dores de cabeça, ditúrbios sensoriais e motores, convulsões e morte.
Importante:
As principais medidas profiláticas:
• Combate ao parasita, no organismo humano;
• Destruíção do agente transmissor (mosquito);
• Uso de mosquiteiros sobre as camas e telas em janelas;
• Combate a criadouros dos mosquitos.
Hospedeiro intermediário
do Plasmodium
Hospedeiro definitivo do
Plasmodium

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Helmintos (1)
Helmintos (1)Helmintos (1)
Helmintos (1)
Manoel Carlos
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
emanuel
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Jorge Figueirêdo
 
Helmintoses
HelmintosesHelmintoses
Helmintoses
Vanessa Cunha
 
Helmintos - Enfermegem
Helmintos - EnfermegemHelmintos - Enfermegem
Helmintos - Enfermegem
João Paulo Viana
 
PARASITOLOGIA
PARASITOLOGIA PARASITOLOGIA
PARASITOLOGIA
Marilia Souto
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
Débora Neves
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
CristinaBrandao
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
EdnaMMA
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
Ana Paula A. Piacentini
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
Marcel Vieira
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
Isabella Silva
 
ProtozoáRios DoençAs
ProtozoáRios DoençAsProtozoáRios DoençAs
ProtozoáRios DoençAs
guest8fc71c
 
Phylum apicomplexa
Phylum apicomplexaPhylum apicomplexa
Helmintos
HelmintosHelmintos
Helmintos
farmaciausc
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
Iuri Fretta Wiggers
 
Protozoários i
Protozoários iProtozoários i
Protozoários i
zeramento contabil
 

Mais procurados (20)

Helmintos (1)
Helmintos (1)Helmintos (1)
Helmintos (1)
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Helmintoses
HelmintosesHelmintoses
Helmintoses
 
Helmintos - Enfermegem
Helmintos - EnfermegemHelmintos - Enfermegem
Helmintos - Enfermegem
 
PARASITOLOGIA
PARASITOLOGIA PARASITOLOGIA
PARASITOLOGIA
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
ProtozoáRios DoençAs
ProtozoáRios DoençAsProtozoáRios DoençAs
ProtozoáRios DoençAs
 
Phylum apicomplexa
Phylum apicomplexaPhylum apicomplexa
Phylum apicomplexa
 
Helmintos
HelmintosHelmintos
Helmintos
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Protozoários i
Protozoários iProtozoários i
Protozoários i
 

Semelhante a Aula 21 protozoários parasitas

2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
Rodrigo
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
Rodrigo
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
Marta810319
 
Proto
ProtoProto
Proto
Jandii
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
Ronaldo Reis Rêgo
 
Aula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.pptAula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.ppt
AlexAnjos11
 
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre EsquistossomoseAula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Jaqueline Almeida
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Turma Olímpica
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Protozooses – II
Protozooses – IIProtozooses – II
Protozooses – II
Vanessa Cunha
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Isabella Silva
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
Ernesto Silva
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
Shirley Afonso
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
2º bim (2) classificação dos seres vivos
2º bim (2)   classificação dos seres vivos2º bim (2)   classificação dos seres vivos
2º bim (2) classificação dos seres vivos
santhdalcin
 
Análisesok.pdf
Análisesok.pdfAnálisesok.pdf
Análisesok.pdf
MayaraGomes216833
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
familiaestagio
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
Leandro Mota
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Bianca Borges
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Semelhante a Aula 21 protozoários parasitas (20)

2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Proto
ProtoProto
Proto
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
 
Aula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.pptAula Protozooses.ppt
Aula Protozooses.ppt
 
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre EsquistossomoseAula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Protozooses – II
Protozooses – IIProtozooses – II
Protozooses – II
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
2º bim (2) classificação dos seres vivos
2º bim (2)   classificação dos seres vivos2º bim (2)   classificação dos seres vivos
2º bim (2) classificação dos seres vivos
 
Análisesok.pdf
Análisesok.pdfAnálisesok.pdf
Análisesok.pdf
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 

Aula 21 protozoários parasitas

  • 1. Aula 21 Protozoários parasitas Os protozoários são seres unicelulares, eucariontes e podem ser parasitas ou de vida livre. As células dos protozoários executam todas as funções vitais que nos grupos animais são executadas pelos diferentes sistemas (locomoção, digestão, excreção, respiração e reprodução). Existem protozoários flagelados que vivem no intestino dos cupins, que digerem a celulose, principal alimento desse animais, a relação estabelecida entre protozoário e o cupim é denominada de mutualismo, porém muitas espécies de protozoários são causadores de patogenias no homem. Classificação dos protozoários. De acordo com o tipo de locomoção os protozoários são classificados em: 1) Rizópodes: locomoção por pseudópodes.
  • 2. 2) Flagelados: locomoção por flagelos. 3) Ciliados: locomoção por cílios 4) Esporozoários: ausência de organelas de locomoção.
  • 3. Doenças causadas por protozoários: Doença de Chagas Esta doença é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, que é transmitido para o homem através das fezes do barbeiro. O barbeiro, inseto da ordem Hemíptera, é hematófogo e tem hábitos noturnos. As principais espécies transmissoras são Triatoma infestans, Rhodnius prolixus e Panstrongylus megistus. Ciclo vital do Trypanosoma cruzi O barbeiro é infectado pelo Trypanosoma cruzi ao sugar o sangue dos animais silvestres: tatu, morcego, macaco, cotia, gambá. Estes animais são reservatórios do inseto. O parasita multiplica-se por divisões binárias, formando, no final do intestino, a forma flagelada infectante. O barbeiro, ao picar uma pessoa, defeca e elimina, nas fezes, a forma infectada do parasita. Pelo orifício da picada ou pelas lesões provocadas pela coceira, os parasitas penetram no corpo do hospedeiro (homem), invadem principalmente o miocardio, multiplicam-se, caem na circulação sangüínea e atingem vários órgãos. O ciclo repete-se Doença Agente etiológico (causador) “ Úlcera de Bauru” ou Leishmaniose cutâneo - mucosa Leishmania brasiliensis Doença de Chagas Trypanosoma cruzi Doença do sono ou encefalite Trypanosoma gambíensis Tricomoníase Tripanosoma vagínalis
  • 4. continuamente, afetando principalmente o coração, o sistema nervoso e o sistema digestório. A fase crônica da doença é caracterizada pela cardiomegalia (aumento do coração), megaesôfago (dilatação do esôfago) taquicardia. As principais medidas profiláticas • Melhoria das condições de moradia; • Combate ao vetor (Barbeiro); • Uso de telas em janelas e de mosquiteiras sobre as camas; • Controle da qualidade do sangue usado em transfusões.
  • 5. Malária A malária, ou maleita, ou impaludismo, é uma doença causada pelo protozoário do gênero Plasmodium. O agente transmissor do parasita é o mosquito-prego, inseto do gênero Anopheles. A característica principal da malária é o acesso malárico: febre alta (às vezes, superior a 40º C), calafrios, dor de cabeça, delírios e vômito. O acesso repete-se, continuamente, em períodos específicos de cada espécie do Plasmodium. Ciclo vital do (Plasmodium vivac) Quando a fêmea do Anópheles suga um indivíduo doente, recebe as formas de gametócitos, presentes no sangue. No tubo digestivo do mosquito, os gametócitos diferenciam-se em gametas, ocorrendo a fecundação, originando o ovo, que se instala na parede do intestino. Cada ovo origina muitos plasmódios (esporozóitos) que se alojam nas glândulas salivares. Ao picar um novo indivíduo, a fêmea inocula os esporozóitos presentes na saliva, na corrente sangüínea do hospedeiro. Os esporozóitos são levados para os hepatócitos (células do fígado), dividindo-se e transformando-se em merozóitos retornam a corrente sangüínea e penetram nas hemácias, ocorre a reprodução,e há liberação Principais espécies de Plasmodium Características da patogenia Plasmodium vivax Febre terçã benigna Acesso a cada 3 dias Plasmodium falciparum Febre terçã maligna Acesso a cada 3 dias Plasmodium malariae Febre terçã maligna Acesso a cada 4 dias Plasmodium ovale Apresenta ciclo de 48 horas (inexistente no Brasil)
  • 6. dos merozoítos, que irão invadir novas hemácias, repetindo o processo anterior. O rompimento das hemácias libera também toxinas no plasma sangüíneo, surgindo o acesso malárico. A malária causa anemia, enfraquecimento geral, graves lesões no fígado, baço e medula óssea, além de estado de prostração. A febre terçã maligna provoca lesões cerebrais graves, com fortes dores de cabeça, ditúrbios sensoriais e motores, convulsões e morte.
  • 7. Importante: As principais medidas profiláticas: • Combate ao parasita, no organismo humano; • Destruíção do agente transmissor (mosquito); • Uso de mosquiteiros sobre as camas e telas em janelas; • Combate a criadouros dos mosquitos. Hospedeiro intermediário do Plasmodium Hospedeiro definitivo do Plasmodium