SlideShare uma empresa Scribd logo
Bibliografia:Novo Testamento
- A descida do Espírito Santo – Os apóstolos
milagrosamente tirados da prisão
– A conversão de Saulo no caminho de Damasco –
- Quem sabe pode muito, quem ama pode mais –
Espírito José Mário - Quem são os Médiuns? – cap. 14
 Atos é o quinto livro do Novo Testamento, composto por 28 capítulos, escrito
em grego aprox. no ano 62 DC • (M.M.L.J.A)
 O livro do Atos é o terceiro Evangelho eram em princípio duas partes de uma
mesma obra escritas por Lucas. • M.M.L
 Na primeira parte ( Evangelho ) temos o relato de toda a vida de Jesus, desde
o seu nascimento até a aparição de Jesus aos discípulos na Galileia após a
crucificação. •
 Na segunda parte ( Atos dos Apóstolos ), são retomados os últimos
acontecimentos encadeando-os em uma sequência de relato até a viagem de
Paulo a Roma. Enfoque para o trabalho de Paulo através de suas viagens.
 Lucas foi o responsável pela designação de “cristão” aos seguidores da
mensagem de Jesus, que eram conhecidos como viajores, peregrinos ou
caminheiros.
 A palavra Atos denotava um gênero reconhecido no mundo antigo, que era
característico dos livros que descreviam os grandes feitos de pessoas ou de
cidades. ( grandes feitos )
 Para alguns é conhecido como o Evangelho da Mediunidade.
HISTÓRICO
Se quiséssemos resumi-lo, nele veríamos a história da fundação
dos primeiros núcleos cristãos (Igrejas) até a morte de Herodes;
o cumprimento de muitas promessas do Cristo;
• a prova da ressurreição e aparições do Divino Mestre;
• a difusão do “Espírito” no Cenáculo de Jerusalém;
• o desinteresse, a caridade dos primeiros Apóstolos,
• enfim, o que sucedeu a estes até a sua dispersão, para
pregarem o Evangelho em todos os lugares ao seu alcance.
Resumo:
“Jesus esteve durante 40 dias com
os discípulos após a sua
crucificação e até sua ascensão
dando-lhes instruções e
ordenando-lhes a observância dos
seus ensinos. “
• Firmou-lhes a Fé para que eles
pudessem levar por todo o mundo
sua mensagem.
• Falou para não se ausentarem de
Jerusalém e que permanecessem
juntos.
• Somente após ter-lhes dito tudo o
que era preciso, de lhes ter
repassado todas as instruções
necessárias é que o Mestre elevou-
se às alturas, desmaterializando-
se diante dos olhos de todos.
( Atos dos Apóstolos – Cairbar Schutel )
Ressurreição de Jesus
Quem era Lucas?
O Evangelista Lucas foi um dos
grandes discípulos de Paulo.
Nascido na *Antióquia, exercia a
medicina e afirmam ter sido um bom
artista. Daí o haverem-no escolhido
os médicos por seu Patrono. Mas o
principal de Lucas não é ter sido
médico, mas sim um grande Apóstolo
do Cristianismo nascente. Pelo seu
Evangelho e Atos, vê-se que era um
homem ilustrado, de vistas largas,
pois bem interpretava o movimento
de reforma religiosa que se operou
em seu tempo, movimento que
mereceu todo o seu auxílio prestado
à Causa Cristã com rara abnegação.
*Ali foi fundada a primeira igreja gentílica- Síria
Mateus enfatiza as profecias, pois quer transmitir aos judeus que Jesus é o
Messias prometido. ( 75/ 80 DC)
Marcos, provavelmente o mais antigo, coloca a ênfase nas ações de Jesus e
seu público pode ter sido os romanos. ( 64 DC )
Lucas, escrito para os não-judeus, os gentios, sublinha a misericórdia divina,
demonstrada através da salvação trazida por Cristo especialmente para os
excluídos. ( 80 DC)
João é muito mais teológico, tendo sido escrito para os convertidos. Foi o
último evangelho (escrito por volta do ano 100 depois de Cristo) e não repete
muitas coisas já conhecidas pelos cristãos graças aos outros evangelho(95 DC)
Os Evangelistas - A quem se destinava o Evangelho
“Espalharei meu espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão; vossos jovens terão visões, vossos velhos terão
sonhos. Naqueles dias, espalharei meu espírito sobre meus servos e servas, e eles profetizarão “ (profeta JOEL)
.
Início das lutas pela divulgação do Evangelho,
Discurso de Pedro baseado na profecia do Antigo Testamento
Os fenômenos de pentecostes estão descritos em Atos dos Apóstolos, 2.1-11.
Trata-se de um texto marcado por simbolismos: cinquenta dias depois da
ascensão do Cristo acontece o fenômeno conhecido como a descida do
Espírito Santo sobre os apóstolos, materializado na forma de línguas de fogo;
explode a mediunidade de xenoglossia (poliglota) nos apóstolos; Pedro é
envolvido pelas forças superiores e discursa sob forte inspiração; lança-se
então a pedra fundamental da primeira igreja cristã do Planeta.
Cartas vivas do evangelho
Cenáculo, no Monte Sião, em Jerusalém,
O Pentecoste – Antigo testamento
Pentecostes é uma palavra grega que significa quinquagésimo dia.
Os judeus, depois que partiram do*Egito, gastaram quarenta e nove
dias até o Monte Sinai; e no quinquagésimo dia, Moisés recebeu o
Decálogo; em memória disto, instituiu-se a festa de Pentecostes,
* Novo Testamento
1250 a.C. os hebreus saíram do Egito liderados por Moisés para voltar à Palestina.
No Cristianismo tomou
um novo sentido:
comemora a descida do
Espírito Santo, ou seja,
a recepção da
mediunidade pelos
Apóstolos no
quinquagésimo dia após
a ressurreição de
Jesus, e também o
início das lutas pela
divulgação do
Evangelho.
*O evangelho da mediunidade,
p. 19-20 Eliseu Rigonatti:.
Pentecoste
Novo testamento
A descida do espirito Santo
Recepção da mediunidade pelos Apóstolos
As antigas Escrituras não continham o qualificativo “santo” quando se falava do
Espírito. Foi só com a tradução das antigas escrituras e constituição da *Vulgata que
esse qualificativo foi acrescentado.
* Divulgação popular
Os fenômenos mediúnicos ocorridos no
dia de pentecostes foram notáveis. Os
pontos luminosos que a multidão
percebeu sobre a cabeça de cada
apóstolo nos revelam o conhecido
fenômeno mediúnico de efeitos físicos.
Na verdade, tais pontos nada mais eram
do que Espíritos que não se mostraram
visíveis de todo, mas apenas o
suficiente para serem percebidos; e
como brilhasse a parte que os discípulos
puderam ver, interpretaram-na como
línguas de fogo. A mediunidade poliglota
(xenoglossia), permitiu que os
representantes estrangeiros
entendessem, na própria língua, “as
maravilhas de Deus” Um grupo de
peregrinos, porém, ouvindo o mesmo
ensinamento espiritual que os outros
ouviram, preferiu acreditar que os
apóstolos e os discípulos de Jesus
estavam *néscios.
Fenômenos mediúnicos
* embriagados
Fenômenos ocorridos no Pentecostes
Mediunidade de efeitos físicos
Pontos luminosos
xenoglossia
Sons como
de vento
Psicofonia
Línguas de fogo
"Temos, porém, este tesouro em vasos
de barro, para que a excelência do
poder seja de Deus, e não de nós." cap.
4 vers,7
Os médiuns são como vasos de barro.
Frágeis, espiritualmente franzinos. A
mediunidade, entretanto, representa o
tesouro emprestado pela Misericórdia
Celeste em favor de suas recuperações.
A força mediúnica é capaz de sanear e
equilibrar a vida mental ante as agonias
do inconsciente em erupção, cuspindo
sua matéria enfermiça para os domínios
da consciência. Com a mediunidade, são
dotados de um espelho sagrado capaz de
refletir a grandeza das almas que lhes
nutrem e sustentam os anseios de
melhora, através da edificação do ativo
de bênçãos no exercício da caridade. Os
médiuns são Espíritos que não olham
para si mesmos há milênios.
Ermance Dufaux
Quem são os médiuns ?
Paulo o apostolo - Novo testamento
Quem são os médiuns ? Kardec - Livro dos Médiuns cap.XIV
“Toda pessoa que sente a influencia dos Espíritos em qualquer grau de
intensidade é médium. Essa faculdade é inerente ao homem.”
Médiuns de efeitos físicos, são aqueles particularmente aptos a produzir
fenômenos materiais, como os movimentos dos corpos inertes, ou ruídos, etc.
Podem dividir-se em:
médiuns facultativos
médiuns involuntários.
• Médiuns de efeitos intelectuais, os que são mais aptos a receber e a
transmitir comunicações inteligentes. Variedades especiais para os efeitos
físicos:
• Médiuns tiptólogos: através de sua influência produzem os ruídos, as
pancadas.
• Médiuns de aparições: os que podem provocar aparições fluídicas ou tangíveis
para os assistentes.
• Médiuns motores: os que produzem o movimento dos corpos inertes.
• Médiuns curadores: os que têm o poder de curar ou de aliviar o doente, pela só
imposição das mãos, ou pela prece.
• E outros ( vide item ) ( A Gênese – cap XV I – Médiuns Especiais. Item 187
O fluido cósmico universal é a matéria elementar primitiva. Os
espíritos atuam sobre o fluido espiritual / vital ( que é um dos
estados do fluido cósmico universal ) empregando o pensamento e
a vontade. Algumas vezes, essas transformações resultam de uma
intenção, doutras, são produto de um pensamento inconsciente.
( A Gênese – cap XV – Os fluidos. Item 14 )
Curas
O fluido vital se transmite de um indivíduo a outro. Aquele que o
tiver em maior porção pode dá-lo a um que o tenha de menos e em
certos casos prolongar a vida prestes a extinguir-se.
( O Livro dos Espíritos – questão 70 )
Contrário seria às leis da natureza e portanto milagroso, o fato de
volver à vida corpórea um indivíduo que se achasse realmente
morto... É pois de todo ponto provável que, houvesse sincope ou
letargia...
Dado o poder fluídico que ele possuía, nada de espantoso há em
que esse fluido vivificante, acionado por uma vontade forte, haja
reanimado os sentidos em torpor, que haja mesmo feito voltar ao
corpo o espírito prestes a abandona-lo, uma vez que o laço
perispirítico ainda não se desligou.
Pedro, estava na prisão; mas a igreja orava
com insistência a Deus por ele.
12:6 Ora quando Herodes estava para
apresentá-lo, nessa mesma noite estava
Pedro dormindo entre dois soldados,
acorrentado com duas cadeias e as
sentinelas diante da porta guardavam a
prisão.
12:7 E eis que sobreveio um anjo do Senhor,
e uma luz resplandeceu na prisão; e ele,
tocando no lado de Pedro, o despertou,
dizendo: Levanta-te depressa. E caíram-lhe
das mãos as cadeias.
12:8 Disse-lhe ainda o anjo: Cinge-te e calça
as tuas sandálias. E ele o fez. Disse-lhe
mais; Cobre-te com a tua capa e segue-me.
12:9 Pedro, saindo, o seguia, mesmo sem
compreender que era real o que se fazia por
intermédio de um anjo, julgando que era
uma visão.
12:10 Depois de terem passado a primeira e
a segunda sentinela, chegaram à porta de
ferro, que dá para a cidade, a qual se lhes
abriu por si mesma; e tendo saído, passaram
uma rua, e logo o anjo se apartou dele.
Pedro é libertado.
Pedro na prisão
Atos Cap. 12 vers. de 5 a 10
Pedro na
prisão
Percebemos mais uma vez a mediunidade de efeitos físicos intervindo para
salvar Pedro. Por meio dessa mediunidade, os espíritos podem atuar sobre a
matéria e produzir efeitos, tais como: voz direta, deslocamentos de objetos,
corporificam-se, trabalhos manuais, transporte, etc. Para isso necessitam de
um médium de efeitos físicos, o qual pode não estar ali presente e sim até
bem longe. O espírito que foi libertar Pedro se utilizou da mediunidade dos
discípulos congregados em oração, algum ou alguns dos quais possuíam este
tipo de mediunidade. ( O Evang. da Mediunidade, pág. 83-84 – Eliseu Rigonatti )
Para nós, o períspirito no seu estado normal é invisível, mas, como é formado
de substância etérea, o espírito pode em certos casos, por ato de sua
vontade, fazê-lo passar por uma modificação molecular que o torna
momentaneamente visível. É assim que se produzem as aparições, que não se
dão, do mesmo modo que os outros fenômenos, fora das leis da natureza.
( A Gênese - cap. XIV - Os fluidos, item 35 )
A mediunidade é um espelho constantemente direcionado para a vida
inconsciente, a fim de trazer ao consciente as imagens que costumam
negligenciar. Os médiuns, portanto, são criaturas que tem as portas do
inconsciente abertas continuamente, entrando e saindo desse mundo
desconhecido com maior mobilidade. A faculdade mediúnica pode ser
comparada a escafandro protetor para penetrar nesta parte da vida
mental sem maiores prejuízos, conquanto não se libertem das agonias
insubstituíveis que nascem da parcela sombria de suas
personalidades.
Quem sabe pode muito, quem ama pode mais – Espírito José Mário –
Quem são os médiuns? Cap. 14
- Seria a mediunidade uma espécie de medicação? - Exatamente!
Esse o conceito mais adequado para a faculdade mediúnica. Um
tratamento para mentes adoecidas no tempo, que permite uma
conexão mais livre com a sombria realidade das imperfeições a
serem superadas, mas também com as luzes da essência
espiritual.
- - Não seria mais seguro que reencarnassem em outras condições
provacionais e sem a faculdade mediúnica?
- - Não, Marcondes. Sob o aspecto da concessão é uma expiação.
Uma santa expiação!
- Quem a possui não se vê livre dela, por mais que deseje. É uma
imposição ao livre-arbítrio da alma, que perderam,
temporariamente, a condição de gerir os seus destinos sem
restrições. Aliás, o grande objetivo da reencarnação, para os
portadores da sensibilidade mediúnica mais ostensiva é
exatamente consolidarem qualidades eternas que lhe ensejem
condições mentais e afetivas de serem os escultores de seus
próprios caminhos. Educando-se moralmente, os médiuns
compreendem as finalidades dessa benção em suas vidas.
Quem sabe pode muito quem ama pode mais- Ermance Dufaux
Paulo as portas de Damasco
Aproximando-se de Damasco,
subitamente uma luz vinda do céu
o envolveu de claridade. Caindo
por terra, ouviu uma voz que lhe
dizia: “Saulo, Saulo, por que me
persegues?” Ele perguntou: “quem
és, Senhor?” E a resposta: “Eu sou
Jesus, a quem tu estás
perseguindo. Mas levante-te, entra
na cidade, e te dirão o que deves
fazer. Os homens que com ele
viajavam detiveram-se,
emudecidos de espanto, ouvindo a
voz mas não vendo ninguém. Saulo
ergueu-se do chão. Mas, embora
tivesse os olhos abertos, não via
nada. Conduzindo-o, então, pela
mão, fizeram-no entrar em
Damasco. Esteve três dias sem
ver, e nada comeu ou bebeu.
Atos e apostolos também trata da conversão do apóstolo Paulo (At 9)
e de suas viagens missionárias pelo Império Romano (At 13-28).
Paulo as portas de Damasco
patriaespiritablogspot.com Ascartasvivasblogspot.com
CARTAS VIVAS
Reflexões da vida além da vida
Blogs

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Elysio Laroide Lugarinho
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Fábio Paiva
 
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0hMediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
home
 
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuaisMediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Exilados de capela e transição planetária4
Exilados de capela e transição planetária4Exilados de capela e transição planetária4
Exilados de capela e transição planetária4
Roberto Camargo
 
29 psicografia
29 psicografia29 psicografia
29 psicografia
Antonio SSantos
 
Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5
Roseli Lemes
 
Paz e espada
Paz e espadaPaz e espada
Paz e espada
Livio Sousa
 
37 voz direta
37 voz direta37 voz direta
37 voz direta
Antonio SSantos
 
Jesus na casa de zaqueu
Jesus na casa de zaqueuJesus na casa de zaqueu
Jesus na casa de zaqueu
Victor Sancho
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do PensametoAula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Breno Ortiz Tavares Costa
 
Centros de Força
Centros de ForçaCentros de Força
Centros de Força
Marcelo Gomez Brito Junior
 
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espíritaMissão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Larissa Martins
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
nelmarvoc
 
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoCB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
Roseli Lemes
 
Cb 10 descrição do mundo espiritual e mediunidade
Cb 10   descrição do mundo espiritual e mediunidadeCb 10   descrição do mundo espiritual e mediunidade
Cb 10 descrição do mundo espiritual e mediunidade
Norberto Scavone Augusto
 
Ge cap 13 aula 1 de 2 os milagres sent teologico esp não faz milagres
Ge cap 13 aula 1 de 2   os milagres sent teologico esp não faz milagresGe cap 13 aula 1 de 2   os milagres sent teologico esp não faz milagres
Ge cap 13 aula 1 de 2 os milagres sent teologico esp não faz milagres
Fernando A. O. Pinto
 
Concentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e IrradiaçãoConcentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e Irradiação
Graça Maciel
 
Eae 96 - evolução animica i - até animal rev 03
Eae   96 - evolução animica i - até animal rev 03Eae   96 - evolução animica i - até animal rev 03
Eae 96 - evolução animica i - até animal rev 03
Norberto Scavone Augusto
 

Mais procurados (20)

Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
 
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0hMediunidade através dos tempos, A-2,0h
Mediunidade através dos tempos, A-2,0h
 
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuaisMediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
 
Exilados de capela e transição planetária4
Exilados de capela e transição planetária4Exilados de capela e transição planetária4
Exilados de capela e transição planetária4
 
29 psicografia
29 psicografia29 psicografia
29 psicografia
 
Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5
 
Paz e espada
Paz e espadaPaz e espada
Paz e espada
 
37 voz direta
37 voz direta37 voz direta
37 voz direta
 
Jesus na casa de zaqueu
Jesus na casa de zaqueuJesus na casa de zaqueu
Jesus na casa de zaqueu
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do PensametoAula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
 
Centros de Força
Centros de ForçaCentros de Força
Centros de Força
 
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espíritaMissão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espírita
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
 
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoCB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
 
Cb 10 descrição do mundo espiritual e mediunidade
Cb 10   descrição do mundo espiritual e mediunidadeCb 10   descrição do mundo espiritual e mediunidade
Cb 10 descrição do mundo espiritual e mediunidade
 
Ge cap 13 aula 1 de 2 os milagres sent teologico esp não faz milagres
Ge cap 13 aula 1 de 2   os milagres sent teologico esp não faz milagresGe cap 13 aula 1 de 2   os milagres sent teologico esp não faz milagres
Ge cap 13 aula 1 de 2 os milagres sent teologico esp não faz milagres
 
Concentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e IrradiaçãoConcentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e Irradiação
 
Eae 96 - evolução animica i - até animal rev 03
Eae   96 - evolução animica i - até animal rev 03Eae   96 - evolução animica i - até animal rev 03
Eae 96 - evolução animica i - até animal rev 03
 

Semelhante a Atos dos apostolos

Palestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelaçõesPalestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelações
Divulgador do Espiritismo
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
Alfredo Lopes
 
Espiritismo x evangelho
Espiritismo x evangelhoEspiritismo x evangelho
Espiritismo x evangelho
João Eduardo
 
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoRoteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Movimento da Fraternidade
 
Temas-e-Abordagens-Módulo-II-2018.pdf
Temas-e-Abordagens-Módulo-II-2018.pdfTemas-e-Abordagens-Módulo-II-2018.pdf
Temas-e-Abordagens-Módulo-II-2018.pdf
rosinhadasflores
 
( Espiritismo) # - astolfo o oliveira filho - passes e passistas
( Espiritismo)   # - astolfo o oliveira filho - passes e passistas( Espiritismo)   # - astolfo o oliveira filho - passes e passistas
( Espiritismo) # - astolfo o oliveira filho - passes e passistas
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Andre luiz mecanismos da mediunidade - chico xavier
Andre luiz   mecanismos da mediunidade - chico xavierAndre luiz   mecanismos da mediunidade - chico xavier
Andre luiz mecanismos da mediunidade - chico xavier
havatar
 
Mediunidade na Bíblia e no Espiritismo - IEE - CEM
Mediunidade na Bíblia e no Espiritismo - IEE - CEMMediunidade na Bíblia e no Espiritismo - IEE - CEM
Mediunidade na Bíblia e no Espiritismo - IEE - CEM
Wilma Badan C.G.
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Antonino Silva
 
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdfDivaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
VIEIRA RESENDE
 
ASCENÇÃO
ASCENÇÃOASCENÇÃO
ASCENÇÃO
Isaura Miike
 
PDF_12_O_fenomeno_mediunico_através_dos_tempos.pptx
PDF_12_O_fenomeno_mediunico_através_dos_tempos.pptxPDF_12_O_fenomeno_mediunico_através_dos_tempos.pptx
PDF_12_O_fenomeno_mediunico_através_dos_tempos.pptx
ssuser9b8021
 
A Ascensão
A AscensãoA Ascensão
A Ascensão
pr_afsalbergaria
 
Ascensao
AscensaoAscensao
A páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espíritaA páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espírita
Jose Pinto Cardoso
 
Teoria da mediunidade
Teoria da mediunidadeTeoria da mediunidade
Teoria da mediunidade
Ponte de Luz ASEC
 
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espíritaAg 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
Carlos Alberto Freire De Souza
 
O sentido mistico da páscoa
O sentido mistico da páscoaO sentido mistico da páscoa
O sentido mistico da páscoa
Simone Pitta
 
Reformador 2007-04
Reformador 2007-04Reformador 2007-04
Reformador 2007-04
Tarcillo Armindo Schmaedecke
 
Mofra cartilha
Mofra cartilhaMofra cartilha

Semelhante a Atos dos apostolos (20)

Palestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelaçõesPalestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelações
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Espiritismo x evangelho
Espiritismo x evangelhoEspiritismo x evangelho
Espiritismo x evangelho
 
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoRoteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
 
Temas-e-Abordagens-Módulo-II-2018.pdf
Temas-e-Abordagens-Módulo-II-2018.pdfTemas-e-Abordagens-Módulo-II-2018.pdf
Temas-e-Abordagens-Módulo-II-2018.pdf
 
( Espiritismo) # - astolfo o oliveira filho - passes e passistas
( Espiritismo)   # - astolfo o oliveira filho - passes e passistas( Espiritismo)   # - astolfo o oliveira filho - passes e passistas
( Espiritismo) # - astolfo o oliveira filho - passes e passistas
 
Andre luiz mecanismos da mediunidade - chico xavier
Andre luiz   mecanismos da mediunidade - chico xavierAndre luiz   mecanismos da mediunidade - chico xavier
Andre luiz mecanismos da mediunidade - chico xavier
 
Mediunidade na Bíblia e no Espiritismo - IEE - CEM
Mediunidade na Bíblia e no Espiritismo - IEE - CEMMediunidade na Bíblia e no Espiritismo - IEE - CEM
Mediunidade na Bíblia e no Espiritismo - IEE - CEM
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
 
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdfDivaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
 
ASCENÇÃO
ASCENÇÃOASCENÇÃO
ASCENÇÃO
 
PDF_12_O_fenomeno_mediunico_através_dos_tempos.pptx
PDF_12_O_fenomeno_mediunico_através_dos_tempos.pptxPDF_12_O_fenomeno_mediunico_através_dos_tempos.pptx
PDF_12_O_fenomeno_mediunico_através_dos_tempos.pptx
 
A Ascensão
A AscensãoA Ascensão
A Ascensão
 
Ascensao
AscensaoAscensao
Ascensao
 
A páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espíritaA páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espírita
 
Teoria da mediunidade
Teoria da mediunidadeTeoria da mediunidade
Teoria da mediunidade
 
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espíritaAg 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
 
O sentido mistico da páscoa
O sentido mistico da páscoaO sentido mistico da páscoa
O sentido mistico da páscoa
 
Reformador 2007-04
Reformador 2007-04Reformador 2007-04
Reformador 2007-04
 
Mofra cartilha
Mofra cartilhaMofra cartilha
Mofra cartilha
 

Mais de Ceile Bernardo

Aula intervencao dos espiritos no mundo fisico
Aula   intervencao dos espiritos no mundo fisicoAula   intervencao dos espiritos no mundo fisico
Aula intervencao dos espiritos no mundo fisico
Ceile Bernardo
 
Aula - Estou de luto
Aula -  Estou de lutoAula -  Estou de luto
Aula - Estou de luto
Ceile Bernardo
 
Aula a lei do amor
Aula   a  lei do amorAula   a  lei do amor
Aula a lei do amor
Ceile Bernardo
 
Aula bem aventurados os pobres de espirito
Aula   bem aventurados os pobres de espiritoAula   bem aventurados os pobres de espirito
Aula bem aventurados os pobres de espirito
Ceile Bernardo
 
Aula Perfeição Moral
Aula  Perfeição MoralAula  Perfeição Moral
Aula Perfeição Moral
Ceile Bernardo
 
Aula Lei de Conservação
Aula  Lei de ConservaçãoAula  Lei de Conservação
Aula Lei de Conservação
Ceile Bernardo
 
Aula otimismo e fé
Aula  otimismo e féAula  otimismo e fé
Aula otimismo e fé
Ceile Bernardo
 
Aula Vida Espirita
Aula Vida EspiritaAula Vida Espirita
Aula Vida Espirita
Ceile Bernardo
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
Ceile Bernardo
 
Principio Vital
Principio VitalPrincipio Vital
Principio Vital
Ceile Bernardo
 
O homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a EvoluçãoO homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a Evolução
Ceile Bernardo
 
Preconceito
Preconceito Preconceito
Preconceito
Ceile Bernardo
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Historia do espiritismo
Historia do espiritismo
Ceile Bernardo
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismoHistoria do espiritismo
Historia do espiritismo
Ceile Bernardo
 
Viajores da Eternidade
Viajores da EternidadeViajores da Eternidade
Viajores da Eternidade
Ceile Bernardo
 
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - SexualidadeCurso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
Ceile Bernardo
 
Deus video.
Deus video.Deus video.
Deus video.
Ceile Bernardo
 
Elementos gerais do universo video
Elementos gerais do universo videoElementos gerais do universo video
Elementos gerais do universo video
Ceile Bernardo
 
Fé e Obras
Fé e Obras Fé e Obras
Fé e Obras
Ceile Bernardo
 
Alegria confiança video
Alegria confiança videoAlegria confiança video
Alegria confiança video
Ceile Bernardo
 

Mais de Ceile Bernardo (20)

Aula intervencao dos espiritos no mundo fisico
Aula   intervencao dos espiritos no mundo fisicoAula   intervencao dos espiritos no mundo fisico
Aula intervencao dos espiritos no mundo fisico
 
Aula - Estou de luto
Aula -  Estou de lutoAula -  Estou de luto
Aula - Estou de luto
 
Aula a lei do amor
Aula   a  lei do amorAula   a  lei do amor
Aula a lei do amor
 
Aula bem aventurados os pobres de espirito
Aula   bem aventurados os pobres de espiritoAula   bem aventurados os pobres de espirito
Aula bem aventurados os pobres de espirito
 
Aula Perfeição Moral
Aula  Perfeição MoralAula  Perfeição Moral
Aula Perfeição Moral
 
Aula Lei de Conservação
Aula  Lei de ConservaçãoAula  Lei de Conservação
Aula Lei de Conservação
 
Aula otimismo e fé
Aula  otimismo e féAula  otimismo e fé
Aula otimismo e fé
 
Aula Vida Espirita
Aula Vida EspiritaAula Vida Espirita
Aula Vida Espirita
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
 
Principio Vital
Principio VitalPrincipio Vital
Principio Vital
 
O homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a EvoluçãoO homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a Evolução
 
Preconceito
Preconceito Preconceito
Preconceito
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismo Historia do espiritismo
Historia do espiritismo
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismoHistoria do espiritismo
Historia do espiritismo
 
Viajores da Eternidade
Viajores da EternidadeViajores da Eternidade
Viajores da Eternidade
 
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - SexualidadeCurso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
 
Deus video.
Deus video.Deus video.
Deus video.
 
Elementos gerais do universo video
Elementos gerais do universo videoElementos gerais do universo video
Elementos gerais do universo video
 
Fé e Obras
Fé e Obras Fé e Obras
Fé e Obras
 
Alegria confiança video
Alegria confiança videoAlegria confiança video
Alegria confiança video
 

Último

Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 

Último (14)

Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 

Atos dos apostolos

  • 1. Bibliografia:Novo Testamento - A descida do Espírito Santo – Os apóstolos milagrosamente tirados da prisão – A conversão de Saulo no caminho de Damasco – - Quem sabe pode muito, quem ama pode mais – Espírito José Mário - Quem são os Médiuns? – cap. 14
  • 2.  Atos é o quinto livro do Novo Testamento, composto por 28 capítulos, escrito em grego aprox. no ano 62 DC • (M.M.L.J.A)  O livro do Atos é o terceiro Evangelho eram em princípio duas partes de uma mesma obra escritas por Lucas. • M.M.L  Na primeira parte ( Evangelho ) temos o relato de toda a vida de Jesus, desde o seu nascimento até a aparição de Jesus aos discípulos na Galileia após a crucificação. •  Na segunda parte ( Atos dos Apóstolos ), são retomados os últimos acontecimentos encadeando-os em uma sequência de relato até a viagem de Paulo a Roma. Enfoque para o trabalho de Paulo através de suas viagens.  Lucas foi o responsável pela designação de “cristão” aos seguidores da mensagem de Jesus, que eram conhecidos como viajores, peregrinos ou caminheiros.  A palavra Atos denotava um gênero reconhecido no mundo antigo, que era característico dos livros que descreviam os grandes feitos de pessoas ou de cidades. ( grandes feitos )  Para alguns é conhecido como o Evangelho da Mediunidade. HISTÓRICO
  • 3. Se quiséssemos resumi-lo, nele veríamos a história da fundação dos primeiros núcleos cristãos (Igrejas) até a morte de Herodes; o cumprimento de muitas promessas do Cristo; • a prova da ressurreição e aparições do Divino Mestre; • a difusão do “Espírito” no Cenáculo de Jerusalém; • o desinteresse, a caridade dos primeiros Apóstolos, • enfim, o que sucedeu a estes até a sua dispersão, para pregarem o Evangelho em todos os lugares ao seu alcance. Resumo:
  • 4. “Jesus esteve durante 40 dias com os discípulos após a sua crucificação e até sua ascensão dando-lhes instruções e ordenando-lhes a observância dos seus ensinos. “ • Firmou-lhes a Fé para que eles pudessem levar por todo o mundo sua mensagem. • Falou para não se ausentarem de Jerusalém e que permanecessem juntos. • Somente após ter-lhes dito tudo o que era preciso, de lhes ter repassado todas as instruções necessárias é que o Mestre elevou- se às alturas, desmaterializando- se diante dos olhos de todos. ( Atos dos Apóstolos – Cairbar Schutel ) Ressurreição de Jesus
  • 5. Quem era Lucas? O Evangelista Lucas foi um dos grandes discípulos de Paulo. Nascido na *Antióquia, exercia a medicina e afirmam ter sido um bom artista. Daí o haverem-no escolhido os médicos por seu Patrono. Mas o principal de Lucas não é ter sido médico, mas sim um grande Apóstolo do Cristianismo nascente. Pelo seu Evangelho e Atos, vê-se que era um homem ilustrado, de vistas largas, pois bem interpretava o movimento de reforma religiosa que se operou em seu tempo, movimento que mereceu todo o seu auxílio prestado à Causa Cristã com rara abnegação. *Ali foi fundada a primeira igreja gentílica- Síria
  • 6. Mateus enfatiza as profecias, pois quer transmitir aos judeus que Jesus é o Messias prometido. ( 75/ 80 DC) Marcos, provavelmente o mais antigo, coloca a ênfase nas ações de Jesus e seu público pode ter sido os romanos. ( 64 DC ) Lucas, escrito para os não-judeus, os gentios, sublinha a misericórdia divina, demonstrada através da salvação trazida por Cristo especialmente para os excluídos. ( 80 DC) João é muito mais teológico, tendo sido escrito para os convertidos. Foi o último evangelho (escrito por volta do ano 100 depois de Cristo) e não repete muitas coisas já conhecidas pelos cristãos graças aos outros evangelho(95 DC) Os Evangelistas - A quem se destinava o Evangelho
  • 7. “Espalharei meu espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão; vossos jovens terão visões, vossos velhos terão sonhos. Naqueles dias, espalharei meu espírito sobre meus servos e servas, e eles profetizarão “ (profeta JOEL) . Início das lutas pela divulgação do Evangelho, Discurso de Pedro baseado na profecia do Antigo Testamento
  • 8. Os fenômenos de pentecostes estão descritos em Atos dos Apóstolos, 2.1-11. Trata-se de um texto marcado por simbolismos: cinquenta dias depois da ascensão do Cristo acontece o fenômeno conhecido como a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos, materializado na forma de línguas de fogo; explode a mediunidade de xenoglossia (poliglota) nos apóstolos; Pedro é envolvido pelas forças superiores e discursa sob forte inspiração; lança-se então a pedra fundamental da primeira igreja cristã do Planeta. Cartas vivas do evangelho Cenáculo, no Monte Sião, em Jerusalém,
  • 9. O Pentecoste – Antigo testamento Pentecostes é uma palavra grega que significa quinquagésimo dia. Os judeus, depois que partiram do*Egito, gastaram quarenta e nove dias até o Monte Sinai; e no quinquagésimo dia, Moisés recebeu o Decálogo; em memória disto, instituiu-se a festa de Pentecostes, * Novo Testamento 1250 a.C. os hebreus saíram do Egito liderados por Moisés para voltar à Palestina.
  • 10. No Cristianismo tomou um novo sentido: comemora a descida do Espírito Santo, ou seja, a recepção da mediunidade pelos Apóstolos no quinquagésimo dia após a ressurreição de Jesus, e também o início das lutas pela divulgação do Evangelho. *O evangelho da mediunidade, p. 19-20 Eliseu Rigonatti:. Pentecoste Novo testamento
  • 11. A descida do espirito Santo Recepção da mediunidade pelos Apóstolos As antigas Escrituras não continham o qualificativo “santo” quando se falava do Espírito. Foi só com a tradução das antigas escrituras e constituição da *Vulgata que esse qualificativo foi acrescentado. * Divulgação popular
  • 12. Os fenômenos mediúnicos ocorridos no dia de pentecostes foram notáveis. Os pontos luminosos que a multidão percebeu sobre a cabeça de cada apóstolo nos revelam o conhecido fenômeno mediúnico de efeitos físicos. Na verdade, tais pontos nada mais eram do que Espíritos que não se mostraram visíveis de todo, mas apenas o suficiente para serem percebidos; e como brilhasse a parte que os discípulos puderam ver, interpretaram-na como línguas de fogo. A mediunidade poliglota (xenoglossia), permitiu que os representantes estrangeiros entendessem, na própria língua, “as maravilhas de Deus” Um grupo de peregrinos, porém, ouvindo o mesmo ensinamento espiritual que os outros ouviram, preferiu acreditar que os apóstolos e os discípulos de Jesus estavam *néscios. Fenômenos mediúnicos * embriagados
  • 13. Fenômenos ocorridos no Pentecostes Mediunidade de efeitos físicos Pontos luminosos xenoglossia Sons como de vento Psicofonia Línguas de fogo
  • 14. "Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós." cap. 4 vers,7 Os médiuns são como vasos de barro. Frágeis, espiritualmente franzinos. A mediunidade, entretanto, representa o tesouro emprestado pela Misericórdia Celeste em favor de suas recuperações. A força mediúnica é capaz de sanear e equilibrar a vida mental ante as agonias do inconsciente em erupção, cuspindo sua matéria enfermiça para os domínios da consciência. Com a mediunidade, são dotados de um espelho sagrado capaz de refletir a grandeza das almas que lhes nutrem e sustentam os anseios de melhora, através da edificação do ativo de bênçãos no exercício da caridade. Os médiuns são Espíritos que não olham para si mesmos há milênios. Ermance Dufaux Quem são os médiuns ? Paulo o apostolo - Novo testamento
  • 15. Quem são os médiuns ? Kardec - Livro dos Médiuns cap.XIV “Toda pessoa que sente a influencia dos Espíritos em qualquer grau de intensidade é médium. Essa faculdade é inerente ao homem.” Médiuns de efeitos físicos, são aqueles particularmente aptos a produzir fenômenos materiais, como os movimentos dos corpos inertes, ou ruídos, etc. Podem dividir-se em: médiuns facultativos médiuns involuntários. • Médiuns de efeitos intelectuais, os que são mais aptos a receber e a transmitir comunicações inteligentes. Variedades especiais para os efeitos físicos: • Médiuns tiptólogos: através de sua influência produzem os ruídos, as pancadas. • Médiuns de aparições: os que podem provocar aparições fluídicas ou tangíveis para os assistentes. • Médiuns motores: os que produzem o movimento dos corpos inertes. • Médiuns curadores: os que têm o poder de curar ou de aliviar o doente, pela só imposição das mãos, ou pela prece. • E outros ( vide item ) ( A Gênese – cap XV I – Médiuns Especiais. Item 187
  • 16. O fluido cósmico universal é a matéria elementar primitiva. Os espíritos atuam sobre o fluido espiritual / vital ( que é um dos estados do fluido cósmico universal ) empregando o pensamento e a vontade. Algumas vezes, essas transformações resultam de uma intenção, doutras, são produto de um pensamento inconsciente. ( A Gênese – cap XV – Os fluidos. Item 14 ) Curas O fluido vital se transmite de um indivíduo a outro. Aquele que o tiver em maior porção pode dá-lo a um que o tenha de menos e em certos casos prolongar a vida prestes a extinguir-se. ( O Livro dos Espíritos – questão 70 ) Contrário seria às leis da natureza e portanto milagroso, o fato de volver à vida corpórea um indivíduo que se achasse realmente morto... É pois de todo ponto provável que, houvesse sincope ou letargia... Dado o poder fluídico que ele possuía, nada de espantoso há em que esse fluido vivificante, acionado por uma vontade forte, haja reanimado os sentidos em torpor, que haja mesmo feito voltar ao corpo o espírito prestes a abandona-lo, uma vez que o laço perispirítico ainda não se desligou.
  • 17. Pedro, estava na prisão; mas a igreja orava com insistência a Deus por ele. 12:6 Ora quando Herodes estava para apresentá-lo, nessa mesma noite estava Pedro dormindo entre dois soldados, acorrentado com duas cadeias e as sentinelas diante da porta guardavam a prisão. 12:7 E eis que sobreveio um anjo do Senhor, e uma luz resplandeceu na prisão; e ele, tocando no lado de Pedro, o despertou, dizendo: Levanta-te depressa. E caíram-lhe das mãos as cadeias. 12:8 Disse-lhe ainda o anjo: Cinge-te e calça as tuas sandálias. E ele o fez. Disse-lhe mais; Cobre-te com a tua capa e segue-me. 12:9 Pedro, saindo, o seguia, mesmo sem compreender que era real o que se fazia por intermédio de um anjo, julgando que era uma visão. 12:10 Depois de terem passado a primeira e a segunda sentinela, chegaram à porta de ferro, que dá para a cidade, a qual se lhes abriu por si mesma; e tendo saído, passaram uma rua, e logo o anjo se apartou dele. Pedro é libertado. Pedro na prisão Atos Cap. 12 vers. de 5 a 10
  • 18. Pedro na prisão Percebemos mais uma vez a mediunidade de efeitos físicos intervindo para salvar Pedro. Por meio dessa mediunidade, os espíritos podem atuar sobre a matéria e produzir efeitos, tais como: voz direta, deslocamentos de objetos, corporificam-se, trabalhos manuais, transporte, etc. Para isso necessitam de um médium de efeitos físicos, o qual pode não estar ali presente e sim até bem longe. O espírito que foi libertar Pedro se utilizou da mediunidade dos discípulos congregados em oração, algum ou alguns dos quais possuíam este tipo de mediunidade. ( O Evang. da Mediunidade, pág. 83-84 – Eliseu Rigonatti ) Para nós, o períspirito no seu estado normal é invisível, mas, como é formado de substância etérea, o espírito pode em certos casos, por ato de sua vontade, fazê-lo passar por uma modificação molecular que o torna momentaneamente visível. É assim que se produzem as aparições, que não se dão, do mesmo modo que os outros fenômenos, fora das leis da natureza. ( A Gênese - cap. XIV - Os fluidos, item 35 )
  • 19. A mediunidade é um espelho constantemente direcionado para a vida inconsciente, a fim de trazer ao consciente as imagens que costumam negligenciar. Os médiuns, portanto, são criaturas que tem as portas do inconsciente abertas continuamente, entrando e saindo desse mundo desconhecido com maior mobilidade. A faculdade mediúnica pode ser comparada a escafandro protetor para penetrar nesta parte da vida mental sem maiores prejuízos, conquanto não se libertem das agonias insubstituíveis que nascem da parcela sombria de suas personalidades. Quem sabe pode muito, quem ama pode mais – Espírito José Mário – Quem são os médiuns? Cap. 14
  • 20. - Seria a mediunidade uma espécie de medicação? - Exatamente! Esse o conceito mais adequado para a faculdade mediúnica. Um tratamento para mentes adoecidas no tempo, que permite uma conexão mais livre com a sombria realidade das imperfeições a serem superadas, mas também com as luzes da essência espiritual. - - Não seria mais seguro que reencarnassem em outras condições provacionais e sem a faculdade mediúnica? - - Não, Marcondes. Sob o aspecto da concessão é uma expiação. Uma santa expiação! - Quem a possui não se vê livre dela, por mais que deseje. É uma imposição ao livre-arbítrio da alma, que perderam, temporariamente, a condição de gerir os seus destinos sem restrições. Aliás, o grande objetivo da reencarnação, para os portadores da sensibilidade mediúnica mais ostensiva é exatamente consolidarem qualidades eternas que lhe ensejem condições mentais e afetivas de serem os escultores de seus próprios caminhos. Educando-se moralmente, os médiuns compreendem as finalidades dessa benção em suas vidas. Quem sabe pode muito quem ama pode mais- Ermance Dufaux
  • 21. Paulo as portas de Damasco Aproximando-se de Damasco, subitamente uma luz vinda do céu o envolveu de claridade. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” Ele perguntou: “quem és, Senhor?” E a resposta: “Eu sou Jesus, a quem tu estás perseguindo. Mas levante-te, entra na cidade, e te dirão o que deves fazer. Os homens que com ele viajavam detiveram-se, emudecidos de espanto, ouvindo a voz mas não vendo ninguém. Saulo ergueu-se do chão. Mas, embora tivesse os olhos abertos, não via nada. Conduzindo-o, então, pela mão, fizeram-no entrar em Damasco. Esteve três dias sem ver, e nada comeu ou bebeu. Atos e apostolos também trata da conversão do apóstolo Paulo (At 9) e de suas viagens missionárias pelo Império Romano (At 13-28). Paulo as portas de Damasco