SlideShare uma empresa Scribd logo
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
O TRABALHADOR ESPÍRITA
NO CENTRO ESPÍRITA
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
1ª PARTE
CONCEITOS BÁSICOS
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
- Os que crêem, admiram e praticam.
 I - O QUE É SER ESPÍRITA
Classificação dos Adeptos:
- Os que acreditam;
- Os que acreditam e admiram a moral espírita;
Allan Kardec
(“O Livro dos Espíritos” - Conclusão - item VII)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
REFLEXÃO
Professar é a mesma coisa que praticar?
PROFESSAR:
Reconhecer publicamente, declarar-se
adepto,
dizer de si mesmo, fazer propaganda da
idé ia.
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua
transformação moral e pelos esforços que
emprega para domar suas inclinações más.”
Allan Kardec
(“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – cap. XVII)
“A única forma de ser espírita é começar pelo
começo: estudar O Livro dos Espíritos”.
Divaldo Pereira Franco
(“Diálogo com Dirigentes e Trabalhadores Espíritas” – p.72)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
"(...) Se vós vos dizeis espíritas, sede-o pois;
olvidai o mal que se vos pôde fazer e não
penseis senão uma coisa: o bem que podeis
realizar. (...)".
(“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – cap. X, item 14)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“Somente o Espiritismo, bem entendido e bem
compreendido, pode (...) tornar-se, conforme disseram
os Espíritos, a grande alavanca da transformação da
Humanidade.”
Allan Kardec
(“Obras Póstumas” - Projeto - 1868)
 II - ESTUDO DO ESPIRITISMO
“Um dos maiores obstáculos capazes de retardar a
propagação da Doutrina seria a falta de unidade.”
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“O estudo fiel e dedicado dos Evangelhos, portanto, e
também da Doutrina dos Espíritos, é indispensável
àquele que deseje prestar a sua colaboração. (...) São
aquisições difíceis, que requerem perseverança e muito
amor, humildade e raciocínio isento de personalismos e
conveniências. (...) Teremos que nos renovar para a
Doutrina: aprimorar nossa moral, educar a mente e o
coração, mas jamais deturpá-la com as nossas opiniões
pessoais, sempre prejudicadas.”
Yvonne do Amaral Pereira
(“A Luz do Consolador” – p. 49)
 II - ESTUDO DO ESPIRITISMO
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 III - O QUE É O ESPIRITISMO
“O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza,
origem e destino dos Espíritos, bem como de suas
relações com o mundo corporal.”
Allan Kardec
(O que é o Espiritismo – Preâmbulo)
“É o conjunto de princípios e leis, revelados pelos
Espíritos Superiores, contidos nas obras de Allan Kardec
que constituem a Codificação Espírita: O Livro dos
Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o
Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese.”
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Revela, ainda, o que somos, de onde viemos, para onde
vamos, qual o objetivo da nossa existência e qual a
razão da dor e do sofrimento.
 IV - O QUE O ESPIRITISMO REVELA
Revela conceitos novos e mais aprofundados a
respeito de Deus, do Universo, dos Homens, dos
Espíritos e das Leis que regem a vida.
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
• “(...) [O Espiritismo] vem cumprir, nos tempos preditos, o
que o Cristo anunciou e preparar a realização das coisas
futuras. Ele é, pois, obra do Cristo, que (ele mesmo) preside,
conforme igualmente o anunciou, à regeneração que se
opera e prepara o reino de Deus na Terra.”
Allan Kardec
(“O Evangelho Segundo o Espiritismo” - I -7)
 IV - O QUE O ESPIRITISMO REVELA
•“Numa palavra, o que caracteriza a revelação espírita é o
ser divina a sua origem e da iniciativa dos Espíritos, sendo a
sua elaboração fruto do trabalho do homem.”
Allan Kardec
(“A Gênese” - I -13)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“Trabalho, Solidariedade e Tolerância”
_____
• _____
O estudo das obras de Allan Kardec é fundamental
para o correto conhecimento da Doutrina Espírita.
LEMAS IMORTAIS DO ESPIRITISMO
“Nascer, morrer, renascer ainda e
progredir sempre, tal é a lei.”
“Fé inabalável só o é a que pode encarar
frente a frente a razão, em todas
as épocas da Humanidade.”
“Fora da Caridade não há salvação.”
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
2ª PARTE
CENTRO ESPÍRITA:
A ESCOLA DAS ALMAS
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Movimento Espírita é o conjunto das atividades que
têm por objetivo estudar, divulgar e praticar a
Doutrina Espírita, contida nas obras básicas de Allan
Kardec, colocando-a ao alcance e a serviço de toda a
Humanidade.
 I - MOVIMENTO ESPÍRITA
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
III - As Entidades Especializadas, que desenvolvem atividades
espíritas específicas, tais como as de assistência e
promoção social e as de divulgação doutrinária;
 II - INSTITUIÇÕES ESPÍRITAS
I - Os Grupos, Centros ou Sociedades Espíritas, que
desenvolvem atividades gerais de estudo, difusão e
prática da Doutrina Espírita e que podem ser de pequeno,
médio ou grande porte;
II - As Entidades Federativas, que desenvolvem as atividades
de união das Instituições Espíritas e de unificação do
Movimento Espírita;
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
• São núcleos de estudo, de fraternidade, de oração e de
trabalho, praticados dentro dos princípios espíritas;
• São escolas de formação espiritual e moral, que trabalham à
luz da Doutrina Espírita;
• São postos de atendimento fraternal para todos os que os
procuram com o propósito de obter orientação,
esclarecimento, ajuda ou consolação;
• São oficinas de trabalho que proporcionam aos seus
freqüentadores oportunidades de exercitarem o próprio
aprimoramento íntimo pela prática do Evangelho em suas
atividades;
 III - O QUE É UM CENTRO ESPÍRITA
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“Um Centro Espírita é uma escola onde podemos
aprender e ensinar, plantar o bem e recolher-lhe as
graças, aprimorar-nos e aperfeiçoar os outros, na
senda eterna.”
Emmanuel -
(Psicografia de F. C. Xavier - O Centro Espírita –
“Reformador” jan./1951)
 III - O QUE É UM CENTRO ESPÍRITA
“Ensinar, mas fazer; crer, mas estudar; aconselhar,
mas exemplificar; reunir, mas alimentar.”
Bezerra de Menezes -
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Os Grupos, Centros ou Sociedades Espíritas têm por
objetivo promover o estudo, a difusão e a prática da
Doutrina Espírita, atendendo às pessoas:
• que buscam esclarecimento, orientação e amparo para seus
problemas espirituais, morais e materiais;
 
• que querem conhecer e estudar a Doutrina Espírita;
• que querem trabalhar, colaborar e servir em qualquer área
de ação que a prática espírita oferece.
 IV - QUAL O SEU OBJETIVO
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
3ª PARTE
PRÉ-REQUISITOS
DO TRABALHADOR ESPÍRITA
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Voluntário “é o cidadão que, motivado pelos
valores de participação e solidariedade, doa seu
tempo, trabalho e talento, de maneira
espontânea e não remunerada, para causas de
interesse social e comunitário”.
(Programa Voluntários do Conselho da Comunidade Solidária - 1997)
 I - VOLUNTARIADO
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
• Todos podem ser voluntários.
• Voluntariado é uma relação humana, rica e solidária.
• Trabalho voluntário é uma via de mão dupla.
• Voluntariado é: ação, escolha e compromisso
• Voluntariado é uma ação duradoura e com qualidade.
• Voluntariado é uma ferramenta de inclusão social.
 I - VOLUNTARIADO
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 II - PEDAGOGIA ESPÍRITA
Somos seres interexistenciais - temos uma dimensão espiritual.
A vida é um aprendizado permanente, rumo à perfeição.
O objetivo da existência é o desabrochar
dos gérmens divinos da alma.
O processo de educação é sempre um
processo de auto-educação.
A função do Educador é despertar o impulso de auto-educação do
educando. Essa relação pedagógica, de ajudar o progresso do
outro, sem imposição pode se dar em qualquer relação, entre dois
seres humanos.
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
• Toda a prática espírita é gratuita, realizada com simplicidade e
sem nenhum culto exterior.
• O Espiritismo não impõe os seus princípios. Respeita todas as
religiões e doutrinas, valoriza todos os esforços para a prática do
bem e trabalha pela confraternização e pela paz entre todos os
povos e entre todos os homens
• Prática mediúnica espírita só é aquela que é exercida
com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro
da moral cristã.
 III - PRÁTICA ESPÍRITA
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
RECOMENDAÇÕES SOBRE O PERFILRECOMENDAÇÕES SOBRE O PERFIL
IDEAL DO TRABALHADOR ESPÍRITAIDEAL DO TRABALHADOR ESPÍRITA
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“Dou-vos um mandamento novo: que vos
ameis uns aos outros. Como eu vos amei,
amai-vos também uns aos outros. Nisto
reconhecerão todos que sois meus
discípulos se tiverdes amor uns pelos
outros.”
(“A Bíblia de Jerusalém” – Jo 13, 34-35)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“Espíritas: amai-vos, eis o primeiro
ensinamento, instrui-vos, eis o segundo.”
“No Cristianismo encontram-se todas as
verdades; são de origem humana os erros
que nele se enraizaram. “
O Espírito da Verdade
(“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – Cap. VI)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“(...) Tomai, pois, por divisa estas duas
palavras: devotamento e abnegação, e
sereis fortes, porque elas resumem todos
os deveres que a caridade e a humildade
vos impõem. (...)”
(“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – Cap. VI, item 8)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
DEVOTAMENTO
1. Ato ou efeito de devotar-se, de abnegar. 2
Dedicação.
ABNEGAÇÃO
1. Ato de abnegar. 2 Abandono; altruísmo;
desprendimento. 3. Desprezo ou sacrifício dos próprios
interesses para atender ou satisfazer as necessidades
alheias.
(“Michaelis: Moderno Dicionário da Língua Portuguesa)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
4ª PARTE
DIFICULDADES NA CASA
ESPÍRITA: COMO RESOLVER?
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Jogar uns contra os outros
 I - ESTRATÉGIA DOS PLANOS INFERIORES:
PROCEDIMENTOS DE DEFESA
Incutir o desânimo, o desalento e o descrédito
Demonstrar que são mais fortes
Exagerar nossas fraquezas
Blefar para confundir
Distorcer a verdade
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Não supor uma falsa superioridade de nossa parte
Orar e vigiar
Bom senso e perspicácia
Não subestimá-los
Lembrar que todo amparo provém do Alto
 I - ESTRATÉGIA DOS PLANOS INFERIORES:
PROCEDIMENTOS DE DEFESA
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Usar da maledicência com o intuito de gerar perturbações
Cultivar o hábito dos comentários desencorajadores
Fixar-se nos ângulos inseguros da obra
sem enxergar as realizações já feitas
Preocupar-se excessivamente com
direitos e esquecer dos deveres
Atentar para os defeitos de todos, exceto os seus próprios
 II - COMO DESTRUIR UM CENTRO ESPÍRITA
Semear a dúvida e a discórdia quando o êxito está próximo
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Cuidar da cura do corpo em detrimento da cura da alma
Acreditar em tudo que vem da parte dos Espíritos
Introduzir prática estranhas a título de novidade,
desprezando a fidelidade à Doutrina Espírita
Centralizar cargos e tarefas na
mãos de indivíduos ou grupos
Idolatrar a figura de médiuns ou dirigentes espíritas
 II - COMO DESTRUIR UM CENTRO ESPÍRITA
Descuidar da criança e do jovem,
esquecendo do futuro da Casa Espírita
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“O Espiritismo será o que o fizerem os
homens. (...) Ao contacto da Humanidade as
mais altas verdades à vezes se desnaturam e
obscurecem. Podem constituir-se uma fonte
de abusos. A gota de chuva, conforme o
lugar onde cai, continua sendo pérola ou se
transforma em lodo.”
Léon Denis
(No Invisível - Introdução)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
798. O Espiritismo se tornará crença comum, ou ficará
sendo partilhado, como crença, apenas por algumas
pessoas?
“Certamente que se tornará crença geral e marcará nova
era na história da humanidade, porque está na natureza
e chegou o tempo em que ocupará lugar entre os
conhecimentos humanos. Terá, no entanto, que
sustentar grandes lutas, mais contra o interesse do que
contra a convicção, porquanto não há como dissimular a
existência de pessoas interessadas em combatê-lo, umas
por amor-próprio, outras por causas inteiramente
materiais. Porém, como virão a ficar insulados, seus
contraditores se sentirão forçados a pensar como os
demais, sob pena de se tornarem ridículos.”
(O Livro dos Espíritos - Parte 3ª - Cap. VIII)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
“O Espiritismo (...) é hoje o Grande Desconhecido dos que o
aprovam e o louvam e dos que o atacam e criticam.”
J. Herculano Pires
(“Curso Dinâmico de Espiritismo” – Introdução)
VALOR DO CENTRO ESPÍRITA
“Se os espíritas soubessem o que é o Centro Espírita, quais
são realmente a sua função e a sua significação, o Espiritismo
seria hoje o mais importante movimento cultural e espiritual
da Terra.”
J. Herculano Pires
(“O Centro Espírita” – Introdução)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
REFLEXÃO
O Espiritismo é o grande desconhecido
porque o Centro Espírita não atende às
suas finalidades, ou o Centro Espírita
não atende às suas finalidades porque o
Espiritismo é o grande desconhecido?
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
REFLEXÃO
“... a verdadeira fortaleza de uma Casa
Espírita, sob o ponto de vista da sua
função na Terra, não está nos alicerces
de concreto e sim no estudo e vivência do
aspecto doutrinário...”
Espírito Nora
(“Aconteceu na Casa Espírita” – médium Emanuel Cristiano)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
ESPIRITIZAR QUALIFICAR
HUMANIZAR
DESAFIOS PARA O CENTRO
ESPÍRITA NO TERCEIRO MILÊNIO
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
ESPIRITIZAR
Possibilitar que o freqüentador introjete o Espiritismo em
seu mundo íntimo, e que gradualmente seja integrado na
vivência da pessoa.
QUALIFICAR
Significa aprimorar-se, tanto no que se refere ao
conhecimento espírita como na transformação moral.
HUMANIZAR
Desenvolvimento do sentimento da solidariedade. Caridade
em seu amplo significado, como ação dinâmica e
transformadora.
DESAFIOS PARA O CENTRO
ESPÍRITA NO TERCEIRO MILÊNIO
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 I - PERGUNTAS E RESPOSTAS
Qual a principal atividade
de uma Casa Espírita?
Aquela que é feita com amor.
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 I - PERGUNTAS E RESPOSTAS
É possível conciliar a necessidade de criticar e
avaliar as tarefas sem ferir a caridade cristã?
“Não vos conclamamos à inércia, ao parasitismo, à
aceitação tácita, sem a discussão ou o exame das
informações. Convidamo-vos à verdadeira dinâmica do
amor.”
(“Unificação paulatina, união imediata, trabalho constante...”
Psicofonia de Divaldo P. Franco - Reformador - Fev./1976)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 I - PERGUNTAS E RESPOSTAS
Como superar o melindre que tantas
dissensões têm provocado na seara espírita?
“Que os médiuns são pessoas de sensibilidade mais
aguçada, sabemos todos. (...) É imperioso, contudo,
distinguir entre sensibilidade e melindre. O médium
responsável e interessado em dar o melhor de si
mesmo à tarefa que abraçou não apenas aceita a
crítica construtiva e leal, como a procura, desejoso de
aperfeiçoar seu desempenho mediúnico.”
Hermínio Miranda
(“Diversidade dos Carismas”)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 I - PERGUNTAS E RESPOSTAS
Como combater o personalismo que tem disseminado a idéia
de falsa superioridade entre os irmãos de crença espírita?
“Sabeis que os príncipes das nações as dominam, e
que os grandes as tratam com império. Assim não
deve ser entre vós; ao contrário, aquele que quiser
tomar-se o maior seja o vosso servo; e aquele que
quiser ser o primeiro entre vós seja vosso escravo; do
mesmo modo que o Filho do homem não veio para ser
servido, mas para servir e dar a vida pela redenção de
muitos.”
Jesus – (Mateus: XX – 20 a 28 / ESE: VII – 4)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 I - PERGUNTAS E RESPOSTAS
O que fazer para superar a divergência
de opinião na Casa Espírita?
Senhor Jesus! (...) Faze-nos observar, por
misericórdia, que Deus não nos cria pelo sistema de
produção em massa e que por isto mesmo cada qual
de nós enxerga a vida e os processos de evolução de
maneira diferente.” – Emmanuel.
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 I - PERGUNTAS E RESPOSTAS
Como evitar as deturpações doutrinárias que
disseminam o desentendimento entre
as criaturas sobre o Espiritismo?
“Allan Kardec, nos estudos, nas cogitações, nas
atividades, nas obras, a fim de que nossa fé não se
faça hipnose, pela qual o domínio da sombra se
estabelece sobre as mentes mais fracas,
acorrentando-as a séculos de ilusão e sofrimento.” –
Bezerra de Menezes
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 I - PERGUNTAS E RESPOSTAS
A união entre as Casas Espíritas é importante
para o desenvolvimento de seus trabalhos?
“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes
do que cem que não se entendam.”
(“Obras Póstumas” - Constituição do Espiritismo)
“Solidários, seremos união. Separados uns dos outros, seremos
pontos de vista. Juntos, alcançaremos a realização de nossos
propósitos. Distanciados entre nós, continuaremos à procura do
trabalho com que já nos encontramos honrados pela Divina
Providência.”
(Bezerra de Menezes - Psicografia de F. C. Xavier -
Mensagem de União - “Unificação” nov.-dez./1980.)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
 I - PERGUNTAS E RESPOSTAS
Como identificar a tarefa que me cabe diante do
Evangelho de Jesus e da Doutrina Espírita?
“Em cada templo, o mais forte deve ser escudo para o
mais fraco, o mais esclarecido, a luz para o menos
esclarecido, e sempre e sempre seja o sofredor o mais
protegido e o mais auxiliado, como entre os que menos
sofram seja o maior aquele que se fizer o servidor de
todos, conforme a observação do Mentor Divino.” -
Bezerra de Menezes
(“Unificação” - Psic. F. C. Xavier –
Reformador - dez/1975.)
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
DIRETRIZES DE TRABALHODIRETRIZES DE TRABALHO
DE PAULO DE TARSODE PAULO DE TARSO
NA TAREFA CRISTÃNA TAREFA CRISTÃ
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Que fazer para adquirir a compreensão
perfeita dos desígnios do Cristo?
AMA!
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Mas, como proceder de modo a enriquecermos
na virtude divina? Jesus aconselha o amor aos
próprios inimigos. Entretanto, considerava quão
difícil devia ser semelhante realização. Penoso
testemunhar dedicação, sem o real
entendimento dos outros. Como fazer para que
a alma alcançasse tão elevada expressão de
esforço com Jesus Cristo?
TRABALHA!
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Que providências adotar contra o
desânimo destruidor?
ESPERA!
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
Como conciliar as grandiosas lições do
Evangelho com a indiferença dos homens?
PERDOA!
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
““Aproxima-se os tempos em que se cumprirão as coisasAproxima-se os tempos em que se cumprirão as coisas
anunciadas para a transformação da humanidade. (...) Ditosos osanunciadas para a transformação da humanidade. (...) Ditosos os
que hajam dito a seus irmãos: "Trabalhemos juntos e unamos osque hajam dito a seus irmãos: "Trabalhemos juntos e unamos os
nossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontrenossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontre
acabada a obra", porquanto o Senhor lhes dirá: "Vinde a mim, vósacabada a obra", porquanto o Senhor lhes dirá: "Vinde a mim, vós
que sois bons servidores, vós que soubestes impor silêncio aosque sois bons servidores, vós que soubestes impor silêncio aos
vossos ciúmes e às vossas discórdias, a fim de que daí não viessevossos ciúmes e às vossas discórdias, a fim de que daí não viesse
dano para a obra!" Mas, ai daqueles que, por efeito das suasdano para a obra!" Mas, ai daqueles que, por efeito das suas
dissensões, houverem retardado a hora da colheita, pois adissensões, houverem retardado a hora da colheita, pois a
tempestade virá e eles serão levados no turbilhão!tempestade virá e eles serão levados no turbilhão!
O Espírito de VerdadeO Espírito de Verdade.
Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita
FONTES BIBLIOGRÁFICAS
Obras básicas de Allan Kardec
Apostila “Preparação de Trabalhadores para as Atividades Espíritas” – FEB
Manual “Orientação ao Centro Espírita” - FEB
Apostila “O Tarefeiro Espírita” – Casa de Glacus
Apostila “Trabalho Voluntário na Casa Espírita” – Alkíndar de Oliveira
Dimensões Espirituais do Centro Espírita – Suely Caldas Schubert
Aconteceu na Casa Espírita – Espírito Nora (médium Emanuel Cristiano)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mulheres e o espiritismo
Mulheres e o espiritismoMulheres e o espiritismo
Mulheres e o espiritismo
Lar Irmã Zarabatana
 
Caridade
Caridade  Caridade
Caridade
umecamaqua
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismoLivro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Anderson Zilli
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Antonino Silva
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Bons Espíritas
Bons EspíritasBons Espíritas
Bons Espíritas
Izabel Cristina Fonseca
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Divulgador do Espiritismo
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
Denise Aguiar
 
Bezerra de-menezes
Bezerra de-menezesBezerra de-menezes
Bezerra de-menezes
Euzebio Raimundo da Silva
 
Surgimento do espiritismo
Surgimento do espiritismoSurgimento do espiritismo
Surgimento do espiritismo
Graça Maciel
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
grupodepaisceb
 
O valor do acolhimento na casa espírita
O valor do acolhimento na casa espíritaO valor do acolhimento na casa espírita
O valor do acolhimento na casa espírita
Helio Cruz
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Slide perispírito
Slide  perispíritoSlide  perispírito
Slide perispírito
bonattinho
 
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do EspíritoConflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
igmateus
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
jcevadro
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
Roseli Lemes
 

Mais procurados (20)

Mulheres e o espiritismo
Mulheres e o espiritismoMulheres e o espiritismo
Mulheres e o espiritismo
 
Caridade
Caridade  Caridade
Caridade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismoLivro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
Livro dos Espíritos - Introdução ao estudo do espiritismo
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
 
Bons Espíritas
Bons EspíritasBons Espíritas
Bons Espíritas
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
 
Bezerra de-menezes
Bezerra de-menezesBezerra de-menezes
Bezerra de-menezes
 
Surgimento do espiritismo
Surgimento do espiritismoSurgimento do espiritismo
Surgimento do espiritismo
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
 
O valor do acolhimento na casa espírita
O valor do acolhimento na casa espíritaO valor do acolhimento na casa espírita
O valor do acolhimento na casa espírita
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
Slide perispírito
Slide  perispíritoSlide  perispírito
Slide perispírito
 
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do EspíritoConflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
 

Semelhante a Trabalhador espírita

A Ação Educativa da Casa Espírita
A Ação Educativa da Casa EspíritaA Ação Educativa da Casa Espírita
A Ação Educativa da Casa Espírita
igmateus
 
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
O centro espírita os médiuns e a prática cópia
O centro espírita os médiuns e a prática   cópiaO centro espírita os médiuns e a prática   cópia
O centro espírita os médiuns e a prática cópia
Leonardo Pereira
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
Eduardo Manoel Araujo
 
Ere capa
Ere capaEre capa
1 O que é Espiritismo
1   O que é Espiritismo1   O que é Espiritismo
1 O que é Espiritismo
CEJG
 
Mediunidade aula 00 inaugural
Mediunidade   aula 00 inauguralMediunidade   aula 00 inaugural
Mediunidade aula 00 inaugural
Augusto Luvisotto
 
principios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismoprincipios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismo
cleomarjunior
 
Allan kardec-centro-espirita
Allan kardec-centro-espiritaAllan kardec-centro-espirita
Allan kardec-centro-espirita
feijaosc
 
Aula 02 2013 - o que é espiritismo
Aula 02 2013 - o que é espiritismoAula 02 2013 - o que é espiritismo
Aula 02 2013 - o que é espiritismo
contatodoutrina2013
 
Historia esde
Historia esdeHistoria esde
Historia esde
Escola da Vida
 
O espiritismo o que é_31mai2014
O espiritismo o que é_31mai2014O espiritismo o que é_31mai2014
O espiritismo o que é_31mai2014
grupodepaisceb
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
PatiSousa1
 
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDOESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
Denise Aguiar
 
Espiritismo e a casa esp+ìrita ii agosto 2010
Espiritismo e a casa esp+ìrita ii  agosto 2010Espiritismo e a casa esp+ìrita ii  agosto 2010
Espiritismo e a casa esp+ìrita ii agosto 2010
Alessandru2
 
Humanizar , Espiritiza Qualificar
Humanizar , Espiritiza QualificarHumanizar , Espiritiza Qualificar
Humanizar , Espiritiza Qualificar
Rodrigo Martins Dos Santos
 
Aspecto TríPlice Da Doutrina EspíRita
Aspecto TríPlice Da Doutrina EspíRitaAspecto TríPlice Da Doutrina EspíRita
Aspecto TríPlice Da Doutrina EspíRita
Sergio Menezes
 
O centro espírita na era de regeneração
O centro espírita na era de regeneraçãoO centro espírita na era de regeneração
O centro espírita na era de regeneração
umecamaqua
 

Semelhante a Trabalhador espírita (20)

A Ação Educativa da Casa Espírita
A Ação Educativa da Casa EspíritaA Ação Educativa da Casa Espírita
A Ação Educativa da Casa Espírita
 
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
 
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
 
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo( Espiritismo)   # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
( Espiritismo) # - a e nosso lar - curso basico de espiritismo
 
O centro espírita os médiuns e a prática cópia
O centro espírita os médiuns e a prática   cópiaO centro espírita os médiuns e a prática   cópia
O centro espírita os médiuns e a prática cópia
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
 
Ere capa
Ere capaEre capa
Ere capa
 
1 O que é Espiritismo
1   O que é Espiritismo1   O que é Espiritismo
1 O que é Espiritismo
 
Mediunidade aula 00 inaugural
Mediunidade   aula 00 inauguralMediunidade   aula 00 inaugural
Mediunidade aula 00 inaugural
 
principios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismoprincipios basicos do espiritismo
principios basicos do espiritismo
 
Allan kardec-centro-espirita
Allan kardec-centro-espiritaAllan kardec-centro-espirita
Allan kardec-centro-espirita
 
Aula 02 2013 - o que é espiritismo
Aula 02 2013 - o que é espiritismoAula 02 2013 - o que é espiritismo
Aula 02 2013 - o que é espiritismo
 
Historia esde
Historia esdeHistoria esde
Historia esde
 
O espiritismo o que é_31mai2014
O espiritismo o que é_31mai2014O espiritismo o que é_31mai2014
O espiritismo o que é_31mai2014
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
 
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDOESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
 
Espiritismo e a casa esp+ìrita ii agosto 2010
Espiritismo e a casa esp+ìrita ii  agosto 2010Espiritismo e a casa esp+ìrita ii  agosto 2010
Espiritismo e a casa esp+ìrita ii agosto 2010
 
Humanizar , Espiritiza Qualificar
Humanizar , Espiritiza QualificarHumanizar , Espiritiza Qualificar
Humanizar , Espiritiza Qualificar
 
Aspecto TríPlice Da Doutrina EspíRita
Aspecto TríPlice Da Doutrina EspíRitaAspecto TríPlice Da Doutrina EspíRita
Aspecto TríPlice Da Doutrina EspíRita
 
O centro espírita na era de regeneração
O centro espírita na era de regeneraçãoO centro espírita na era de regeneração
O centro espírita na era de regeneração
 

Mais de Norberto Tomasini Jr

Fundamentos Doutrina EspírtaGABI.pptx
Fundamentos Doutrina EspírtaGABI.pptxFundamentos Doutrina EspírtaGABI.pptx
Fundamentos Doutrina EspírtaGABI.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Niver_SEB_ Extinção.pptx
Niver_SEB_ Extinção.pptxNiver_SEB_ Extinção.pptx
Niver_SEB_ Extinção.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Flagelos Coletivos.pptx
Flagelos Coletivos.pptxFlagelos Coletivos.pptx
Flagelos Coletivos.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Fotografia do pensamento.pptx
Fotografia do pensamento.pptxFotografia do pensamento.pptx
Fotografia do pensamento.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptxTrajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Natureza de Jesus.pptx
Natureza de Jesus.pptxNatureza de Jesus.pptx
Natureza de Jesus.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Transição Planetaria.pptx
Transição Planetaria.pptxTransição Planetaria.pptx
Transição Planetaria.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Consciencia.pptx
Consciencia.pptxConsciencia.pptx
Consciencia.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
LivreArbitrio.pptx
LivreArbitrio.pptxLivreArbitrio.pptx
LivreArbitrio.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potxLider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Norberto Tomasini Jr
 
Conflito_Gerações.pptx
Conflito_Gerações.pptxConflito_Gerações.pptx
Conflito_Gerações.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Provas Cientificas Reencarnação.pptx
Provas Cientificas Reencarnação.pptxProvas Cientificas Reencarnação.pptx
Provas Cientificas Reencarnação.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Pensamento e Vontade 2.pptx
Pensamento e Vontade 2.pptxPensamento e Vontade 2.pptx
Pensamento e Vontade 2.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Moral e Tecnologia.pptx
Moral e Tecnologia.pptxMoral e Tecnologia.pptx
Moral e Tecnologia.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
Jornada 2008 apocalipse e os problemas humanos
Jornada 2008   apocalipse e os problemas humanosJornada 2008   apocalipse e os problemas humanos
Jornada 2008 apocalipse e os problemas humanos
Norberto Tomasini Jr
 
Reencarnacao aepe
Reencarnacao   aepeReencarnacao   aepe
Reencarnacao aepe
Norberto Tomasini Jr
 
O passe-na-historia - Fluidoterapia
O passe-na-historia - FluidoterapiaO passe-na-historia - Fluidoterapia
O passe-na-historia - Fluidoterapia
Norberto Tomasini Jr
 
O grande enigma
O grande enigmaO grande enigma
O grande enigma
Norberto Tomasini Jr
 
Espiritismo sociedade e a nova geração
Espiritismo sociedade e a nova geraçãoEspiritismo sociedade e a nova geração
Espiritismo sociedade e a nova geração
Norberto Tomasini Jr
 
Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
Norberto Tomasini Jr
 

Mais de Norberto Tomasini Jr (20)

Fundamentos Doutrina EspírtaGABI.pptx
Fundamentos Doutrina EspírtaGABI.pptxFundamentos Doutrina EspírtaGABI.pptx
Fundamentos Doutrina EspírtaGABI.pptx
 
Niver_SEB_ Extinção.pptx
Niver_SEB_ Extinção.pptxNiver_SEB_ Extinção.pptx
Niver_SEB_ Extinção.pptx
 
Flagelos Coletivos.pptx
Flagelos Coletivos.pptxFlagelos Coletivos.pptx
Flagelos Coletivos.pptx
 
Fotografia do pensamento.pptx
Fotografia do pensamento.pptxFotografia do pensamento.pptx
Fotografia do pensamento.pptx
 
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptxTrajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
 
Natureza de Jesus.pptx
Natureza de Jesus.pptxNatureza de Jesus.pptx
Natureza de Jesus.pptx
 
Transição Planetaria.pptx
Transição Planetaria.pptxTransição Planetaria.pptx
Transição Planetaria.pptx
 
Consciencia.pptx
Consciencia.pptxConsciencia.pptx
Consciencia.pptx
 
LivreArbitrio.pptx
LivreArbitrio.pptxLivreArbitrio.pptx
LivreArbitrio.pptx
 
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potxLider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
 
Conflito_Gerações.pptx
Conflito_Gerações.pptxConflito_Gerações.pptx
Conflito_Gerações.pptx
 
Provas Cientificas Reencarnação.pptx
Provas Cientificas Reencarnação.pptxProvas Cientificas Reencarnação.pptx
Provas Cientificas Reencarnação.pptx
 
Pensamento e Vontade 2.pptx
Pensamento e Vontade 2.pptxPensamento e Vontade 2.pptx
Pensamento e Vontade 2.pptx
 
Moral e Tecnologia.pptx
Moral e Tecnologia.pptxMoral e Tecnologia.pptx
Moral e Tecnologia.pptx
 
Jornada 2008 apocalipse e os problemas humanos
Jornada 2008   apocalipse e os problemas humanosJornada 2008   apocalipse e os problemas humanos
Jornada 2008 apocalipse e os problemas humanos
 
Reencarnacao aepe
Reencarnacao   aepeReencarnacao   aepe
Reencarnacao aepe
 
O passe-na-historia - Fluidoterapia
O passe-na-historia - FluidoterapiaO passe-na-historia - Fluidoterapia
O passe-na-historia - Fluidoterapia
 
O grande enigma
O grande enigmaO grande enigma
O grande enigma
 
Espiritismo sociedade e a nova geração
Espiritismo sociedade e a nova geraçãoEspiritismo sociedade e a nova geração
Espiritismo sociedade e a nova geração
 
Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
 

Trabalhador espírita

  • 1. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita O TRABALHADOR ESPÍRITA NO CENTRO ESPÍRITA
  • 2. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita 1ª PARTE CONCEITOS BÁSICOS
  • 3. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita - Os que crêem, admiram e praticam.  I - O QUE É SER ESPÍRITA Classificação dos Adeptos: - Os que acreditam; - Os que acreditam e admiram a moral espírita; Allan Kardec (“O Livro dos Espíritos” - Conclusão - item VII)
  • 4. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita REFLEXÃO Professar é a mesma coisa que praticar? PROFESSAR: Reconhecer publicamente, declarar-se adepto, dizer de si mesmo, fazer propaganda da idé ia.
  • 5. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más.” Allan Kardec (“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – cap. XVII) “A única forma de ser espírita é começar pelo começo: estudar O Livro dos Espíritos”. Divaldo Pereira Franco (“Diálogo com Dirigentes e Trabalhadores Espíritas” – p.72)
  • 6. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita "(...) Se vós vos dizeis espíritas, sede-o pois; olvidai o mal que se vos pôde fazer e não penseis senão uma coisa: o bem que podeis realizar. (...)". (“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – cap. X, item 14)
  • 7. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “Somente o Espiritismo, bem entendido e bem compreendido, pode (...) tornar-se, conforme disseram os Espíritos, a grande alavanca da transformação da Humanidade.” Allan Kardec (“Obras Póstumas” - Projeto - 1868)  II - ESTUDO DO ESPIRITISMO “Um dos maiores obstáculos capazes de retardar a propagação da Doutrina seria a falta de unidade.”
  • 8. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “O estudo fiel e dedicado dos Evangelhos, portanto, e também da Doutrina dos Espíritos, é indispensável àquele que deseje prestar a sua colaboração. (...) São aquisições difíceis, que requerem perseverança e muito amor, humildade e raciocínio isento de personalismos e conveniências. (...) Teremos que nos renovar para a Doutrina: aprimorar nossa moral, educar a mente e o coração, mas jamais deturpá-la com as nossas opiniões pessoais, sempre prejudicadas.” Yvonne do Amaral Pereira (“A Luz do Consolador” – p. 49)  II - ESTUDO DO ESPIRITISMO
  • 9. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  III - O QUE É O ESPIRITISMO “O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal.” Allan Kardec (O que é o Espiritismo – Preâmbulo) “É o conjunto de princípios e leis, revelados pelos Espíritos Superiores, contidos nas obras de Allan Kardec que constituem a Codificação Espírita: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese.”
  • 10. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Revela, ainda, o que somos, de onde viemos, para onde vamos, qual o objetivo da nossa existência e qual a razão da dor e do sofrimento.  IV - O QUE O ESPIRITISMO REVELA Revela conceitos novos e mais aprofundados a respeito de Deus, do Universo, dos Homens, dos Espíritos e das Leis que regem a vida.
  • 11. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita • “(...) [O Espiritismo] vem cumprir, nos tempos preditos, o que o Cristo anunciou e preparar a realização das coisas futuras. Ele é, pois, obra do Cristo, que (ele mesmo) preside, conforme igualmente o anunciou, à regeneração que se opera e prepara o reino de Deus na Terra.” Allan Kardec (“O Evangelho Segundo o Espiritismo” - I -7)  IV - O QUE O ESPIRITISMO REVELA •“Numa palavra, o que caracteriza a revelação espírita é o ser divina a sua origem e da iniciativa dos Espíritos, sendo a sua elaboração fruto do trabalho do homem.” Allan Kardec (“A Gênese” - I -13)
  • 12. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “Trabalho, Solidariedade e Tolerância” _____ • _____ O estudo das obras de Allan Kardec é fundamental para o correto conhecimento da Doutrina Espírita. LEMAS IMORTAIS DO ESPIRITISMO “Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei.” “Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.” “Fora da Caridade não há salvação.”
  • 13. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita 2ª PARTE CENTRO ESPÍRITA: A ESCOLA DAS ALMAS
  • 14. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Movimento Espírita é o conjunto das atividades que têm por objetivo estudar, divulgar e praticar a Doutrina Espírita, contida nas obras básicas de Allan Kardec, colocando-a ao alcance e a serviço de toda a Humanidade.  I - MOVIMENTO ESPÍRITA
  • 15. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita III - As Entidades Especializadas, que desenvolvem atividades espíritas específicas, tais como as de assistência e promoção social e as de divulgação doutrinária;  II - INSTITUIÇÕES ESPÍRITAS I - Os Grupos, Centros ou Sociedades Espíritas, que desenvolvem atividades gerais de estudo, difusão e prática da Doutrina Espírita e que podem ser de pequeno, médio ou grande porte; II - As Entidades Federativas, que desenvolvem as atividades de união das Instituições Espíritas e de unificação do Movimento Espírita;
  • 16. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita • São núcleos de estudo, de fraternidade, de oração e de trabalho, praticados dentro dos princípios espíritas; • São escolas de formação espiritual e moral, que trabalham à luz da Doutrina Espírita; • São postos de atendimento fraternal para todos os que os procuram com o propósito de obter orientação, esclarecimento, ajuda ou consolação; • São oficinas de trabalho que proporcionam aos seus freqüentadores oportunidades de exercitarem o próprio aprimoramento íntimo pela prática do Evangelho em suas atividades;  III - O QUE É UM CENTRO ESPÍRITA
  • 17. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “Um Centro Espírita é uma escola onde podemos aprender e ensinar, plantar o bem e recolher-lhe as graças, aprimorar-nos e aperfeiçoar os outros, na senda eterna.” Emmanuel - (Psicografia de F. C. Xavier - O Centro Espírita – “Reformador” jan./1951)  III - O QUE É UM CENTRO ESPÍRITA “Ensinar, mas fazer; crer, mas estudar; aconselhar, mas exemplificar; reunir, mas alimentar.” Bezerra de Menezes -
  • 18. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Os Grupos, Centros ou Sociedades Espíritas têm por objetivo promover o estudo, a difusão e a prática da Doutrina Espírita, atendendo às pessoas: • que buscam esclarecimento, orientação e amparo para seus problemas espirituais, morais e materiais;   • que querem conhecer e estudar a Doutrina Espírita; • que querem trabalhar, colaborar e servir em qualquer área de ação que a prática espírita oferece.  IV - QUAL O SEU OBJETIVO
  • 19. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita 3ª PARTE PRÉ-REQUISITOS DO TRABALHADOR ESPÍRITA
  • 20. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Voluntário “é o cidadão que, motivado pelos valores de participação e solidariedade, doa seu tempo, trabalho e talento, de maneira espontânea e não remunerada, para causas de interesse social e comunitário”. (Programa Voluntários do Conselho da Comunidade Solidária - 1997)  I - VOLUNTARIADO
  • 21. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita • Todos podem ser voluntários. • Voluntariado é uma relação humana, rica e solidária. • Trabalho voluntário é uma via de mão dupla. • Voluntariado é: ação, escolha e compromisso • Voluntariado é uma ação duradoura e com qualidade. • Voluntariado é uma ferramenta de inclusão social.  I - VOLUNTARIADO
  • 22. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  II - PEDAGOGIA ESPÍRITA Somos seres interexistenciais - temos uma dimensão espiritual. A vida é um aprendizado permanente, rumo à perfeição. O objetivo da existência é o desabrochar dos gérmens divinos da alma. O processo de educação é sempre um processo de auto-educação. A função do Educador é despertar o impulso de auto-educação do educando. Essa relação pedagógica, de ajudar o progresso do outro, sem imposição pode se dar em qualquer relação, entre dois seres humanos.
  • 23. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita • Toda a prática espírita é gratuita, realizada com simplicidade e sem nenhum culto exterior. • O Espiritismo não impõe os seus princípios. Respeita todas as religiões e doutrinas, valoriza todos os esforços para a prática do bem e trabalha pela confraternização e pela paz entre todos os povos e entre todos os homens • Prática mediúnica espírita só é aquela que é exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã.  III - PRÁTICA ESPÍRITA
  • 24. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita RECOMENDAÇÕES SOBRE O PERFILRECOMENDAÇÕES SOBRE O PERFIL IDEAL DO TRABALHADOR ESPÍRITAIDEAL DO TRABALHADOR ESPÍRITA
  • 25. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros. Como eu vos amei, amai-vos também uns aos outros. Nisto reconhecerão todos que sois meus discípulos se tiverdes amor uns pelos outros.” (“A Bíblia de Jerusalém” – Jo 13, 34-35)
  • 26. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “Espíritas: amai-vos, eis o primeiro ensinamento, instrui-vos, eis o segundo.” “No Cristianismo encontram-se todas as verdades; são de origem humana os erros que nele se enraizaram. “ O Espírito da Verdade (“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – Cap. VI)
  • 27. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “(...) Tomai, pois, por divisa estas duas palavras: devotamento e abnegação, e sereis fortes, porque elas resumem todos os deveres que a caridade e a humildade vos impõem. (...)” (“O Evangelho Segundo o Espiritismo” – Cap. VI, item 8)
  • 28. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita DEVOTAMENTO 1. Ato ou efeito de devotar-se, de abnegar. 2 Dedicação. ABNEGAÇÃO 1. Ato de abnegar. 2 Abandono; altruísmo; desprendimento. 3. Desprezo ou sacrifício dos próprios interesses para atender ou satisfazer as necessidades alheias. (“Michaelis: Moderno Dicionário da Língua Portuguesa)
  • 29. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita 4ª PARTE DIFICULDADES NA CASA ESPÍRITA: COMO RESOLVER?
  • 30. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Jogar uns contra os outros  I - ESTRATÉGIA DOS PLANOS INFERIORES: PROCEDIMENTOS DE DEFESA Incutir o desânimo, o desalento e o descrédito Demonstrar que são mais fortes Exagerar nossas fraquezas Blefar para confundir Distorcer a verdade
  • 31. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Não supor uma falsa superioridade de nossa parte Orar e vigiar Bom senso e perspicácia Não subestimá-los Lembrar que todo amparo provém do Alto  I - ESTRATÉGIA DOS PLANOS INFERIORES: PROCEDIMENTOS DE DEFESA
  • 32. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Usar da maledicência com o intuito de gerar perturbações Cultivar o hábito dos comentários desencorajadores Fixar-se nos ângulos inseguros da obra sem enxergar as realizações já feitas Preocupar-se excessivamente com direitos e esquecer dos deveres Atentar para os defeitos de todos, exceto os seus próprios  II - COMO DESTRUIR UM CENTRO ESPÍRITA Semear a dúvida e a discórdia quando o êxito está próximo
  • 33. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Cuidar da cura do corpo em detrimento da cura da alma Acreditar em tudo que vem da parte dos Espíritos Introduzir prática estranhas a título de novidade, desprezando a fidelidade à Doutrina Espírita Centralizar cargos e tarefas na mãos de indivíduos ou grupos Idolatrar a figura de médiuns ou dirigentes espíritas  II - COMO DESTRUIR UM CENTRO ESPÍRITA Descuidar da criança e do jovem, esquecendo do futuro da Casa Espírita
  • 34. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “O Espiritismo será o que o fizerem os homens. (...) Ao contacto da Humanidade as mais altas verdades à vezes se desnaturam e obscurecem. Podem constituir-se uma fonte de abusos. A gota de chuva, conforme o lugar onde cai, continua sendo pérola ou se transforma em lodo.” Léon Denis (No Invisível - Introdução)
  • 35. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita 798. O Espiritismo se tornará crença comum, ou ficará sendo partilhado, como crença, apenas por algumas pessoas? “Certamente que se tornará crença geral e marcará nova era na história da humanidade, porque está na natureza e chegou o tempo em que ocupará lugar entre os conhecimentos humanos. Terá, no entanto, que sustentar grandes lutas, mais contra o interesse do que contra a convicção, porquanto não há como dissimular a existência de pessoas interessadas em combatê-lo, umas por amor-próprio, outras por causas inteiramente materiais. Porém, como virão a ficar insulados, seus contraditores se sentirão forçados a pensar como os demais, sob pena de se tornarem ridículos.” (O Livro dos Espíritos - Parte 3ª - Cap. VIII)
  • 36. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita “O Espiritismo (...) é hoje o Grande Desconhecido dos que o aprovam e o louvam e dos que o atacam e criticam.” J. Herculano Pires (“Curso Dinâmico de Espiritismo” – Introdução) VALOR DO CENTRO ESPÍRITA “Se os espíritas soubessem o que é o Centro Espírita, quais são realmente a sua função e a sua significação, o Espiritismo seria hoje o mais importante movimento cultural e espiritual da Terra.” J. Herculano Pires (“O Centro Espírita” – Introdução)
  • 37. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita REFLEXÃO O Espiritismo é o grande desconhecido porque o Centro Espírita não atende às suas finalidades, ou o Centro Espírita não atende às suas finalidades porque o Espiritismo é o grande desconhecido?
  • 38. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita REFLEXÃO “... a verdadeira fortaleza de uma Casa Espírita, sob o ponto de vista da sua função na Terra, não está nos alicerces de concreto e sim no estudo e vivência do aspecto doutrinário...” Espírito Nora (“Aconteceu na Casa Espírita” – médium Emanuel Cristiano)
  • 39. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita ESPIRITIZAR QUALIFICAR HUMANIZAR DESAFIOS PARA O CENTRO ESPÍRITA NO TERCEIRO MILÊNIO
  • 40. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita ESPIRITIZAR Possibilitar que o freqüentador introjete o Espiritismo em seu mundo íntimo, e que gradualmente seja integrado na vivência da pessoa. QUALIFICAR Significa aprimorar-se, tanto no que se refere ao conhecimento espírita como na transformação moral. HUMANIZAR Desenvolvimento do sentimento da solidariedade. Caridade em seu amplo significado, como ação dinâmica e transformadora. DESAFIOS PARA O CENTRO ESPÍRITA NO TERCEIRO MILÊNIO
  • 41. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  I - PERGUNTAS E RESPOSTAS Qual a principal atividade de uma Casa Espírita? Aquela que é feita com amor.
  • 42. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  I - PERGUNTAS E RESPOSTAS É possível conciliar a necessidade de criticar e avaliar as tarefas sem ferir a caridade cristã? “Não vos conclamamos à inércia, ao parasitismo, à aceitação tácita, sem a discussão ou o exame das informações. Convidamo-vos à verdadeira dinâmica do amor.” (“Unificação paulatina, união imediata, trabalho constante...” Psicofonia de Divaldo P. Franco - Reformador - Fev./1976)
  • 43. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  I - PERGUNTAS E RESPOSTAS Como superar o melindre que tantas dissensões têm provocado na seara espírita? “Que os médiuns são pessoas de sensibilidade mais aguçada, sabemos todos. (...) É imperioso, contudo, distinguir entre sensibilidade e melindre. O médium responsável e interessado em dar o melhor de si mesmo à tarefa que abraçou não apenas aceita a crítica construtiva e leal, como a procura, desejoso de aperfeiçoar seu desempenho mediúnico.” Hermínio Miranda (“Diversidade dos Carismas”)
  • 44. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  I - PERGUNTAS E RESPOSTAS Como combater o personalismo que tem disseminado a idéia de falsa superioridade entre os irmãos de crença espírita? “Sabeis que os príncipes das nações as dominam, e que os grandes as tratam com império. Assim não deve ser entre vós; ao contrário, aquele que quiser tomar-se o maior seja o vosso servo; e aquele que quiser ser o primeiro entre vós seja vosso escravo; do mesmo modo que o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida pela redenção de muitos.” Jesus – (Mateus: XX – 20 a 28 / ESE: VII – 4)
  • 45. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  I - PERGUNTAS E RESPOSTAS O que fazer para superar a divergência de opinião na Casa Espírita? Senhor Jesus! (...) Faze-nos observar, por misericórdia, que Deus não nos cria pelo sistema de produção em massa e que por isto mesmo cada qual de nós enxerga a vida e os processos de evolução de maneira diferente.” – Emmanuel.
  • 46. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  I - PERGUNTAS E RESPOSTAS Como evitar as deturpações doutrinárias que disseminam o desentendimento entre as criaturas sobre o Espiritismo? “Allan Kardec, nos estudos, nas cogitações, nas atividades, nas obras, a fim de que nossa fé não se faça hipnose, pela qual o domínio da sombra se estabelece sobre as mentes mais fracas, acorrentando-as a séculos de ilusão e sofrimento.” – Bezerra de Menezes
  • 47. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  I - PERGUNTAS E RESPOSTAS A união entre as Casas Espíritas é importante para o desenvolvimento de seus trabalhos? “Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.” (“Obras Póstumas” - Constituição do Espiritismo) “Solidários, seremos união. Separados uns dos outros, seremos pontos de vista. Juntos, alcançaremos a realização de nossos propósitos. Distanciados entre nós, continuaremos à procura do trabalho com que já nos encontramos honrados pela Divina Providência.” (Bezerra de Menezes - Psicografia de F. C. Xavier - Mensagem de União - “Unificação” nov.-dez./1980.)
  • 48. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita  I - PERGUNTAS E RESPOSTAS Como identificar a tarefa que me cabe diante do Evangelho de Jesus e da Doutrina Espírita? “Em cada templo, o mais forte deve ser escudo para o mais fraco, o mais esclarecido, a luz para o menos esclarecido, e sempre e sempre seja o sofredor o mais protegido e o mais auxiliado, como entre os que menos sofram seja o maior aquele que se fizer o servidor de todos, conforme a observação do Mentor Divino.” - Bezerra de Menezes (“Unificação” - Psic. F. C. Xavier – Reformador - dez/1975.)
  • 49. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita DIRETRIZES DE TRABALHODIRETRIZES DE TRABALHO DE PAULO DE TARSODE PAULO DE TARSO NA TAREFA CRISTÃNA TAREFA CRISTÃ
  • 50. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Que fazer para adquirir a compreensão perfeita dos desígnios do Cristo? AMA!
  • 51. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Mas, como proceder de modo a enriquecermos na virtude divina? Jesus aconselha o amor aos próprios inimigos. Entretanto, considerava quão difícil devia ser semelhante realização. Penoso testemunhar dedicação, sem o real entendimento dos outros. Como fazer para que a alma alcançasse tão elevada expressão de esforço com Jesus Cristo? TRABALHA!
  • 52. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Que providências adotar contra o desânimo destruidor? ESPERA!
  • 53. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita Como conciliar as grandiosas lições do Evangelho com a indiferença dos homens? PERDOA!
  • 54. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita ““Aproxima-se os tempos em que se cumprirão as coisasAproxima-se os tempos em que se cumprirão as coisas anunciadas para a transformação da humanidade. (...) Ditosos osanunciadas para a transformação da humanidade. (...) Ditosos os que hajam dito a seus irmãos: "Trabalhemos juntos e unamos osque hajam dito a seus irmãos: "Trabalhemos juntos e unamos os nossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontrenossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontre acabada a obra", porquanto o Senhor lhes dirá: "Vinde a mim, vósacabada a obra", porquanto o Senhor lhes dirá: "Vinde a mim, vós que sois bons servidores, vós que soubestes impor silêncio aosque sois bons servidores, vós que soubestes impor silêncio aos vossos ciúmes e às vossas discórdias, a fim de que daí não viessevossos ciúmes e às vossas discórdias, a fim de que daí não viesse dano para a obra!" Mas, ai daqueles que, por efeito das suasdano para a obra!" Mas, ai daqueles que, por efeito das suas dissensões, houverem retardado a hora da colheita, pois adissensões, houverem retardado a hora da colheita, pois a tempestade virá e eles serão levados no turbilhão!tempestade virá e eles serão levados no turbilhão! O Espírito de VerdadeO Espírito de Verdade.
  • 55. Conselho Espírita InternacionalSeminário: O Trabalhador Espírita FONTES BIBLIOGRÁFICAS Obras básicas de Allan Kardec Apostila “Preparação de Trabalhadores para as Atividades Espíritas” – FEB Manual “Orientação ao Centro Espírita” - FEB Apostila “O Tarefeiro Espírita” – Casa de Glacus Apostila “Trabalho Voluntário na Casa Espírita” – Alkíndar de Oliveira Dimensões Espirituais do Centro Espírita – Suely Caldas Schubert Aconteceu na Casa Espírita – Espírito Nora (médium Emanuel Cristiano)