SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 168
Baixar para ler offline
o
Índice 
Introdução.....................................................................................................................5 
O que é bom profissional?......................................................................................5 
O que é Desenhar?................................................................................................6 
Formas de Coordenação........................................................................................7 
Coordenação Múltipla.............................................................................................7 
Coordenação Direcionada......................................................................................8 
1ª Etapa..................................................................................................................8 
2ª Etapa..................................................................................................................9 
Coordenação Especifica.......................................................................................10 
1ª Etapa................................................................................................................10 
2ª Etapa................................................................................................................11 
Exercitando o lado direito do cérebro...................................................................11 
Desenho modificado de contornos.......................................................................12 
Desenho só com o lado direito.............................................................................12 
Feminino......................................................................................................................12 
Proporção do corpo humano no desenho de moda..............................................12 
Cabeça.................................................................................................................13 
Olhos....................................................................................................................13 
Bocas....................................................................................................................14 
Narizes..................................................................................................................14 
Corpo....................................................................................................................15 
Mãos.....................................................................................................................17 
Braços...................................................................................................................19 
Pés........................................................................................................................21 
Pernas..................................................................................................................22 
Rosto....................................................................................................................24 
Rosto ¾ - Proporção e colocação dos órgãos......................................................25 
Rosto perfil – Proporção e colocação dos órgãos................................................26 
Luz e sombra........................................................................................................27 
Luz e sombra do cabelo nos rotos........................................................................31 
Aplicação de luz e sombra....................................................................................32 
Chapéus...............................................................................................................34 
Descrição técnica.................................................................................................35 
Esquema da Descrição Técnica...........................................................................35 
Comprimentos......................................................................................................36 
2
Articulações..........................................................................................................36 
Movimento............................................................................................................37 
Movimento Feminino............................................................................................38 
Traje Esporte........................................................................................................38 
Traje Esporte Praia...............................................................................................39 
Traje Esporte Chic................................................................................................40 
Traje Esporte Chic................................................................................................41 
Traje Clássico Jovem...........................................................................................42 
Traje Clássico.......................................................................................................43 
Traje Clássico Não Rígido....................................................................................44 
Traje Social Habilé................................................................................................45 
Traje Social Rigor.................................................................................................47 
Traje Social Rigor.................................................................................................48 
Saias.....................................................................................................................49 
Micro saia.............................................................................................................50 
Mini - Saia.............................................................................................................51 
Saia - Chanel ou Secretária..................................................................................52 
Midi – Saia ou Mimolet ou Evangélica..................................................................53 
Maxi – Saia...........................................................................................................54 
Longo....................................................................................................................55 
Saias............................................................................................................................56 
Calças..........................................................................................................................63 
Tipo Básicos.........................................................................................................64 
Golas............................................................................................................................73 
Decotes........................................................................................................................81 
Mangas........................................................................................................................86 
Punhos.........................................................................................................................91 
Cavas...........................................................................................................................92 
Pences.........................................................................................................................94 
Blusas..........................................................................................................................95 
Vestidos.....................................................................................................................113 
Texturas.....................................................................................................................122 
Masculino..................................................................................................................124 
Movimento de Mãos e Braços............................................................................125 
Pés......................................................................................................................126 
Rosto..................................................................................................................127 
Rosto Frente: Proporções e colocação dos órgãos............................................127 
3
Rosto ¾ - Proporção e colocação dos órgãos....................................................128 
Rosto Perfil: Proporção e colocação dos órgãos................................................129 
Chapéus.............................................................................................................130 
Caracterização....................................................................................................131 
Paletó Clássico...................................................................................................132 
Paletó Jaquetão..................................................................................................133 
Smoking e Summer (Branco)..............................................................................134 
Fraque................................................................................................................135 
Camisa Básicas..................................................................................................136 
Pólo.....................................................................................................................136 
Bermudas e Shorts.............................................................................................137 
Calças.................................................................................................................138 
Jaquetão.............................................................................................................139 
Trench Coat........................................................................................................140 
Infantil........................................................................................................................141 
Rosto..................................................................................................................142 
Rosto Frente.......................................................................................................142 
Rosto 3/ 4...........................................................................................................143 
Rosto Perfil.........................................................................................................144 
Chapéus.............................................................................................................145 
Pés......................................................................................................................146 
Movimento Infantil...............................................................................................147 
Feminino 6/7 anos – Traje Esporte Verão..........................................................147 
Movimento Infantil Masculino 6/7 Anos – Traje Esporte.....................................154 
Caracterização....................................................................................................160 
Aviamentos.........................................................................................................160 
Classificação dos Aviamentos............................................................................161 
Bolsos........................................................................................................................162 
Tecidos......................................................................................................................163 
Tecidos – Tipos..................................................................................................163 
Combinações......................................................................................................163 
Qualidade dos Tecidos.......................................................................................164 
Tecidos – Cor e sua Influência...........................................................................164 
Fabricação do Tecido.........................................................................................165 
Matérias-Primas Têxteis.....................................................................................165 
Classificação.......................................................................................................167 
4
Introdução 
O que é bom profissional? 
É a pessoa que em primeiro lugar faz o que gosta se apaixona pelo seu trabalho, se dedica se interessa e principalmente está sempre em busca de conhecimentos. Este é o profissional de sucesso. 
Para chegar a ser um profissional em qualquer área de atuação é preciso conhecer e dominar a técnica, ter a teoria segmentada no seu dia a dia, a partir daí aliar a todo esse conhecimento seu toque pessoal, sua criatividade, sua flexibilidade. Aí sim, se tem o profissional completo 
Por todos esses motivos o curso de Estilista de Moda compreende três estágios: 
1º Desenho de Moda 
O programa do curso leva o aluno ao domínio da anatomia, proporção e movimento da figura humana de moda. Estimula com técnicas apropriadas o aperfeiçoamento dos traços, o efeito perfeito da sombra e luz, técnicas de cores, descrição técnica, efeitos gráficos dos tecidos e a classificação dos mesmos. 
2º Figurinismo 
O aluno obtém orientação técnica para criar seu próprio estilo e agilizar seu desenho. Alem do conhecimento de modelagem, várias técnicas de cores, desenvolvimento de criação de figurino de acordo com o tipo físico, produção de moda, criação de figurinos de época, desenvolvimento no conhecimento de tecidos, aviamentos e acessórios. 
3º Estilismo 
Leva o aluno a direcionar sua criatividade ao público alvo, estudo detalhado sobre os Bureaux de Stylle, ficha técnica, criação sobre molde básico, elaboração e montagem de coleção e orientações sobre o funcionamento da indústria de confecção. 
5
6 
O que é Desenhar? 
É um processo tão interessante quanto curioso, pois está intimamente ligado ao processo de enxergar, separá-los seria difícil. 
A capacidade e o progresso do desenho vão depender do progresso na forma de ver, ou seja, ver como um artista vê. 
Uma vez perguntaram a Henri Matisse se ao comer um tomate ele o olhava como um artista, Matisse respondeu: “- Não, quando como um tomate, olho-o como qualquer pessoa olharia, mas quando pinto um tomate, vejo-o de maneira diferente.” 
Optar por não fazer um curso de desenho pelo fato de não saber desenhar é como decidir que não se deve freqüentar uma aula de francês pelo fato de não saber francês! 
A capacidade de desenhar é algo que pode ser aprendido, ao contrario do que geralmente se pensa. A habilidade manual não é um dos fatores fundamentais no desenho, e sim aprender a ver, ou aprender a processar as informações visuais daquela maneira especial, utilizada pelos artistas. 
As coordenações e os exercícios desta apostila vão em primeiro lugar abrir acesso conscientemente ao lado direito do seu cérebro, a fim de experimentar uma modalidade de percepção diferente, exercitando o lado criativo e intuitivo, podendo assim ver de maneira diferente, como o artista vê. 
Os dois Lados do nosso cérebro 
ESQUERDO 
Intelecto 
Convergente 
Digital 
Secundário 
Abstrato 
Dirigido 
Lógico 
Racional 
Sequencional 
Analítico 
Objetivo 
Sucessivo 
DIREITO 
Holístico 
Divergente 
Analógico 
Primário 
Concreto 
Livre 
Imaginativo 
Não racional 
Intuitivo 
Múltiplo 
Subjetivo 
Sintético
Todo ato criativo requer uma nova visão de percepção, livre dos dogmas tradicionais, uma pessoa criativa é aquela capaz de processar sob novas formas as informações de que dispõe. Por exemplo, o escritor precisa de palavras; o musico precisa de notas; o desenhista precisa de percepções visuais e conhecimento das técnicas de sua arte, para esse desenvolvimento são necessários vários exercícios, que o estudante de desenho de moda encontrará nesta apostila. 
Formas de Coordenação 
1. 
Coordenação Múltipla 
2. 
Coordenação Direcionada 
3. 
Coordenação Especifica 
Coordenação Múltipla 
Utilize dos lápis 6B, um em cada mão, comece a traçar com os olhos fechados e acompanhando o ritmo da música, em uma folha que deve estar presa à mesa. 
7
Coordenação Direcionada 
1ª Etapa 
Trace em uma fola de papel usando o lápis 6B as figuras A, B, C e D. 
Comece do início dos traços ao término dos mesmos, sem tirar o lápis do papel. 
Faça os traços tanto da maneira convencional como da inversa. 
8
2ª Etapa 
Trace em uma folha de papel com mão firme num traço definido. Usando o lápis 6B as figuras A, B, C e D. 
9
Coordenação Especifica 
1ª Etapa 
Memorize uma ou mais formas. Em seguida, pegue o lápis 6B e com o traçado firme passe-as para o papel. 
10
2ª Etapa 
Proceda da mesma maneira que na 1ª etapa 
Exercitando o lado direito do cérebro 
Desenho de menos contornos 
Coloque-se em posição para desenhar, de maneira que sua mão esteja pronta para iniciar. 
Vire o rosto na direção oposta, observando sua outra mão. 
Sem olhar seu traçado, comece a desenhar SOMENTE AQUILO QUE VÊ, e não o que já esta pré concebido em seu cérebro. 
Desenhe com a mesma lentidão que seus olhos observem o contorno da sua mão, procure registrar com o lápis tudo o que vê simultaneamente. 
* Os contornos podem ser externos ou internos. 11
Desenho modificado de contornos 
O desenho modificado de contornos é semelhante ao desenho de meros contornos, exceto que você se permite olhar o desenho unicamente para observar relações de tamanhos, comprimento, ângulos, fiscalizar a direção de uma linha e a proporção entre as formas da sua mão. 
Coloque a mão que vai desenhar em uma posição mais complexa, dedos entrelaçados, cruzados ou que preferir, não faça uma posição simples, pois o lado direito do cérebro aparentemente prefere complexidade. 
Não mude a posição de sua mão uma vez que tenha começado a desenhar. Olhe fixamente a mão antes de começar a coordenação. 
Desenho só com o lado direito 
Nesse exercício deixe o lado do seu cérebro comandar plenamente seus traços. 
Concentre no desenho toda a atenção, pois ele esta de cabeça para baixo, copie exatamente como está e observe os espaços nas proporções corretas, de acordo com o tamanho da sua folha. 
Cada vez que realizar esse exercício, procure perceber conscientemente a transição do lado esquerdo para o lado direito, a fim de familiarizar-se com a sensação que esse tipo de exercício provoca. 
Feminino 
Proporção do corpo humano no desenho de moda 
Desenhar é muito parecido com aprender a dirigir um carro, primeiro você aprende as operações separadamente, acelerar, frear, sinalizar, observar os carros à sua frente, atrás e dos lados. Ao dirigir pela primeira vez você deve que juntar esses conhecimentos, coordenando aptidões separadas para formar um todo integrado, a primeira vez foi difícil, mas gradativamente as dificuldades foram minorando até sumirem. O mesmo ocorre no desenho, desenhar exige coordenação com varias estratégias, para tomar o ato de desenhar tão automático quando frear, acelerar e sinalizar. 
12
Cabeça 
A cabeça é o que comanda as proporções do desenho, por esse motivo ela tem que estar correta, ou seja, sua largura deve estar na proporção com a altura. Para essa proporção siga o esquema: 
Construa um quadrado com a medida da altura da cabeça e divida verticalmente por cinco partes iguais, e horizontais por três partes iguais. Monte o esquema da cabeça dentro desse quadrado obtendo a largura da mesma. 
Olhos 
Para reproduzir a expressão de um olhar através da cor e da forma, é preciso estabelecer a perfeita harmonia dos tons cinza, com a aplicação habilidosa do preto. Faça círculos com traços bem finos que demonstrem ser reflexos de luz sobre o globo ocular. 
Os olhos femininos devem sempre passar a impressão de estarem maquiados. 13
Bocas 
Os lábios femininos ao contrario dos masculinos são sempre representados com uma definição de contorno bastante acentuada. Os dentes devem ser apenas insinuados, com sombras e poucos traços. 
Narizes 
A representação do nariz feminino é feito com poucos traços. 
14
Corpo 
Use a cabeça de três centímetros para da à proporção correta da figura de moda. 
Totalizando assim oito cabeças e meia para a figura de moda. 
15
Esta é a figura de moda já com proporções correta de oito cabeças e meia. 
Coloque um papel em cima e contorne com o lápis 6B. 
Não use borracha, trabalhe com traços formes e observe a anatomia, gravando as proporções. 16
Mãos 
Contorne sua mão e observe as proporções da mesma. 
*Espaço para o contorno das mãos. 
17
Exemplo de mãos em várias posições. 
18
Braços 
Procure em revistas, fotos de braços, observe a anatomia, depois desenhe-os nas proporções da cabeça de três centímetros. 
19
Exemplo de braços em varias posições. 
20
Pés 
Modelos diversos de pés e calçados. 
*Pesquise em fotos de revistas vários pés femininos 
21
Pernas 
Para construirmos um movimento, utilizamos algumas linhas como ponto de referencia. 
As pernas representam a metade de um movimento. 
Vamos então utilizar linhas para nos auxiliar na elaboração das mesmas. 
22
Exemplo de pernas. 
*Procure em revistas fotos de pernas, observe a anatomia, depois desenhe-as nas proporções da cabeça de três centímetros 
23
Rosto 
Rosto Frente - Proporção e colocação dos órgãos, usando a cabeça de três centímetros. 
24
Rosto ¾ - Proporção e colocação dos órgãos. 25
Rosto perfil – Proporção e colocação dos órgãos. 26
Luz e sombra 
Para dar uma aparência tridimensional ao desenho recorremos ao sombreado, que baseia-se na percepção de mudanças de tonalidades de luz sombra, essas mudanças tonais são chamadas valores, a escala completa de valores vai do puro negro ao puro branco, com milhares e milhares de pequenas graduações de cinza. 
No desenho a lápis, a luz mais clara é o branco do papel, a sombra mais escura é aquela onde as linhas se agrupam para formar o tom mais sombrio permitido pelo grafite do lápis. 
A luz que incide sobre um objeto, nos revela a forma do objeto. 
Através de valores tonais de luzes e sombras, percebemos formas tridimensionais. 
Exemplos de objetos com sombra. 
27
Faça exercícios de escala de cinzas usando vários tipos de lápis, HB, 2B, 4B e 6B. 
28
Exercício de luz e sombra no corpo humano. 
29
30
Luz e sombra do cabelo nos rotos 
31
Aplicação de luz e sombra 
32
Exemplo 1: o cós da saia envolve a cintura do movimento, a barra tem o seu contorno de acordo com as posições das pernas. 
* Sempre que for vestir um movimento, observe que o mesmo é tridimensional e a roupa o envolve. 
Exemplo 2: as golas e os colarinhos envolvem o pescoço. 
33
Chapéus 
34
Descrição técnica 
A descrição técnica da indicação precisa sobre o modelo, complementando o desenho. 
Esquema da Descrição Técnica 
1 Tecido – indicação do tecido usado 
2 Forma – nomenclatura do modelo 
3 Decote ou gola – nomenclatura 
4 Ombros – nomenclatura de acordo com a modelagem 
5 Cavas – nomenclatura de acordo com a modelagem 
6 Mangas – nomenclatura da manga 
7 Abertura – forma de transpasse e abotoamento 
8 Detalhes 
9 Comprimento 
10 Cós 
35
Comprimentos 
Articulações 
As Articulações permitem os movimentos 36
Movimento 37
Movimento Feminino 
Traje Esporte 38
Traje Esporte Praia 
39
Traje Esporte Chic 40
Traje Esporte Chic 41
Traje Clássico Jovem 42
Traje Clássico 43
Traje Clássico Não Rígido 44
Traje Social Habilé 45
Traje Social Rigor (Noiva) 46
Traje Social Rigor 47
Traje Social Rigor 48
Saias 
Comprimento de Saias 
Os comprimentos de saias variam conforme a moda e a estação do ano. 
A saia é uma peça de roupa que cobre o corpo da mulher da cintura para baixo e pode ser usada como blusas e blazers. 
O comprimento da saia e sua roda podem variar conforme os tipos básicos. Os tecidos variam de acordo com a estação do ano, com as ocasiões e com as tendências da moda. 
49
Micro saia 
Lançada nos anos 60, obteve grande sucesso pois coincidiu com a revolução feminina que transformou a vida das mulheres. 
50
Mini - Saia 
Esse tipo antecedeu a micro e imperou durante toda a década de 60 e 70. Seu comprimento é considerado um clássico. 
51
Saia - Chanel ou Secretária 
Estabeleceu-se pelo uso, que comprimento Chanel de uma saia é cobrindo o joelho. As variações, quatro dedos acima ou abaixo do esquema. Coco Chanel, a grande costureira francesa, teve seu nome dada a esta saia por ter sido sempre fiel ao comprimento estabelecido com normal. 
52
Midi – Saia ou Mimolet ou Evangélica 
Comprimento na batata da perna. O comprimento deste tipo de saia, desde a década de 30 até o fina da década de 50, apresenta muitas variações. Não PE muito usual, pois a tendência deste comprimento é aumentar a panturrilha e diminuir a altura de quem a usa. 
53
Maxi – Saia 
Deixa o tornozelo à mostra. 
54
Longo 
Usada em grandes ocasiões. Não aparecem os sapatos de quem usa. 
Observações: Todos esses comprimentos são variáveis e osciláveis, conforme a moda. 
Quanto ao modelo, a saia pode ter um sem números de variações, dentro dos padrões estabelecidos e básico dependendo da moda, da criação e da imaginação dos figurinistas. 
As principais são: simples, de prega, de macho, de pala, envelope, nesgada, com abertura na frente. (vide ilustrações a seguir). 
55
Saias 
Tipos Básicos 
Reta 
Justa, ou Afunilada, ou lápis 
56
Evasê 
Godê 
57
Prega Faca ou Prega Colegial 
Prega Macho 
58
Envelope 
Nesgada 
59
Pala 
Saia com Nesga de Encaixe 
60
Saia Drapeada 
Saia Plissada 61
Saia – Sobre – Saia 
Saia Baiana 
62
Saia de Pontas ou Assimétrica 
Calças 
Evolução 
As principais calças compridas para mulher apareceram da década de 10 a 20. 
Nos anos 50, o estilo da calça comprida era ajustada e de tecido aderente, como helanca. Seu uso era restrito às montarias, piqueniques e viagens. 
A partir dos anos 70, quando surgiram as pantalonas, a mulher ampliou o uso da calça comprida para todas as ocasiões sociais ou esportivas. Hoje, a mulher usa tipo de calça comprida arrojados e sofisticados, de acordo com a tendência da moda. 
Caracterização 
Peça avulsa do vestuário masculino e feminino, que pode ser usada com blusa e blazers. 
Os tecidos variam de acordo com as estações, as ocasiões e as tendências da moda. 
63
Tipo Básicos 
Reta 
Também conhecida como calça unissex, pois pode ser usada indistintamente pelo homem e pela mulher. 
Segue o estilo tradicional, o padrão clássico de calças comprida, possui pences na frente e costas. 
64
Calça Baggy 
É uma calça mais folgada, que não marca muito as linhas do corpo e tem cintura alta. Possui pernas largas e afunila na barra. 
Calça Cigarrete 
É uma calça bem justa, que modela as linhas do corpo e geralmente possui aberturas laterais nas pernas. Foi lançada nas décadas de 40 e 50. 65
Calça Knickers 
Pode ser justa ou folgada. Seu cumprimento é logo abaixo do joelho, arrematando com elástico ou cós com abotoamento. 
Calça Legging 
Modela bem o corpo e é confeccionada, geralmente, em malha. Faz o estilo de roupa própria para ginástica. 
66
Calça Sarouel 
Seu estilo é oriental, mais extravagante. É drapeada transpassada e amarrada. Foi lançada nos anos 80, possui o gancho bem baixo. 
Calça Tipo Pantalonas 
Foi muito usada por volta de 1965. É o tipo de calça larga a partir do quadril. 
67
Calça Fuseaux 
É um tipo de calça de um tecido que adere ao corpo; como malha, lycra, helanca, etc. Possui alça de elástico ou da própria malha que se encaixa sobre o pé. 
Saia – Calça 
Seu comprimento é de saia normal, ou Chanel, com pernas amplas, seja franzida, com pregas, godês, etc. 
68
Bloomer 
Short estilo fofoca, com franzido ou pregas, arrematando com punho nas pernas. 
Short e Bermudão 
Tipos usados nos anos 80, sendo de comprimentos variados, de acordo com a moda. 
69
Calça Montaria ou Culote 
É folgada da cintura até o joelho ajustando na canela. 
Calça Pijama 
Larga, com rolotês na cintura. 70
Calça Ciclista 
Modela as pernas e seu comprimento é acima dos joelhos. 
Calça Capri 
Calças com comprimento na canela. 71
Calça Saint-Tropez 
Calça com cós baixo, atual anos 90. 
Calça Boca de Sino 
Calça ajustada até os joelhos e abrindo com volume na barra. 
72
Calça Five Pockets ou Jeans Básico 
Possui bolsos, é tradicional e existem varias variações de lavagem e diversos complementos. 
Golas 
Caracterização 
Gola é uma peça que faz parte da blusa e sua finalidade é enfeitar, adaptando- se ao tipo de decotes desejado. 
Existem vários tipos básicos de golas que podem variar de acordo com a tendência da moda. 
As golas se dividem em 3 tipos 
1 Postiça – cortada separadamente e montada 
2 Inteira – cortada junto com a peça. 
3 Mista – feita por emendas conjugadas. 
As golas variam quanto ao caimento. 
Deitadas: as golas maiores 
Levantadas: as golas esportivas 
Em Pé: as golas altas 
73
O que determina define o caimento da gola é o decote da base; quanto mais reta, mas em pé é a gola; quanto mais pronunciada for a curvatura mais será pausada. 
A forma total é definida pela base do desenho. Pode ser em bico, arredondada, com recortes, sobreposições, etc. 
Tipos Básicos 
Gola colarinho ou gola Camisa 
Gola Militar, Gola Chinesa, Gola Mao, Gola Padre 
74
Gola Esporte 
Gola Smoking 
75
Gola Italiana 
Gola Bebê 
Gola Jabô 76
Gola Chanel 
Gola Xale 77
Gola Fru-Fru 
Gola Jaquetão 
Gola Role 78
Gola Funil 
Gola Xale 
Gola Capuz 
79
Gola Marinheiro 
Gola Pólo 
80
Decotes 
Tipos Básicos 
Decote Quadrado 
Decote Coração 
Decote V 
81
Decote U 
Decote Redondo 
Decote Foureau 
82
Decote Ombro Nu 
Decote Frente Única 
Decote Olímpico 
83
Decote Drapeado 
Decote Canoa Bateau 
Decote Careca 
84
Decote Tira em Forma 
Decote Assimétrico 
85
Mangas 
As mangas podem ser classificadas em: 
1 Mangas com cava: variando de acordo com o caimento no ombro, a forma a amplitude da cava. 
2 Mangas sem cava: variando de acordo com a forma e a amplitude. 
3 Mangas mistas: mangas sem recortes de cava, montadas em meia cava cuja costas pertencem a um tipo e a frente a outro tipo. 
Definida a forma geral, os modelos e nomenclaturas variam de acordo com a criação. 
Manga Japonesa 
Manga Godê 86
Manga Morcego 
Manga Cava no Lugar 
Manga Cava Americana 87
Manga Presunto 
Manga Puff 
Manga Raglã 88
Manga Sino 
Manga Alfaiate ou 2 Folhas 
Manga Volante 
89
Manga Império ou Julieta 
Manga Tulipa 
Manga Drapeada 
90
Punhos 
91
Cavas 
Cava Ombro Caído 
Cava no Ombro 
Cava Ombro Baixo 
Cava Americana 
92
Cava Clássica 
Cava Estreita 
Cava Ampla 
93
Pences 
As pences modelam o busto, a silhueta, trabalham o caimento do tecido. 
Usadas em cintura, quadril, saia, calça, frente e costas. 
A pence permite emendas na peça e no molde. 
94
Blusas 
Caracterização 
A blusa é uma peça avulsa do vestuário, que pode ser usada como complemento de saias, calças, shorts, e bermudas. 
Os tecidos utilizados para sua confecção variam conforme o modelo, a ocasião e as tendências da moda. 
Jaqueta 
É um tipo de casaco, de comprimento na altura da cintura e arrematado com cós, podendo ser anatômico, fechada por zíper ou botões. É feita de tecido plano, malha, couro ou jeans. 
95
Camisa Básica 
Peça básica do guarda roupa feminino. Aparece em varias versões e estilos. Ex: Manga longa, curta, barra, quadrada, arredondada, etc. 
96
Blazer Clássico 
É um tipo de casaco na altura dos quadris, com gola e mangas. O abotoamento é de 3 botões. 
97
Top, Espartilho ou Corpete 
Tomara que caia: normalmente ajustado ao corpo seu comprimento é na altura da cintura, possui barbatanas nas costas. Usado no passado par afinar a cintura e levantar o busto. 
98
Blazer Jaquetão 
Possui abotoamento duplo, transpassado. Só pode ser usado abotoado. 
99
Spencer 
É um tipo de casaco de comprimento na cintura, geralmente com gola e mangas longas. É bem ajustado no corpo. 
100
Colete Básico 
É um tipo de casaco geralmente sem gola e sem mangas, de comprimento na cintura. É usado normalmente, sobre blusas ou camisas, abotoado na frente ou aberto. 
101
Bolero 
É um casaco de comprimento acima da cintura geralmente sem gola e geralmente com mangas. 
102
Cardigã 
Tipo de casaco na altura dos quadris, geralmente sem gola, podendo ser com ou sem mangas, confeccionado em tricô, linha ou bouclê. 
103
Blusa Cigana 
É uma blusa sem gola, de decote bateau, com mangas fofas. Essa blusa é presa nos ombros por elásticos. Pode ser larga ou ajustada no corpo. 
104
Pelerine 
É um tipo de capa, usado como complemento de roupas mais finas geralmente sem gola e confeccionada em tecidos leves. 
105
Capa 
Uma peça de vestuário que se usa como complemento; a altura pode variar, geralmente tem gola e é usada no inverno. 
106
Bustiê 
Espécie de soutien usado geralmente no verão, sozinho ou com uma camisa por cima. 
Camisa Regata 
Camiseta sem manga. 
107
Camiseta ou T-Shirt 
Possui forma de “T”, é clássica e universal. Usada também como divulgação de marcas e idéias. 
108
Blusa Básica 
Geralmente em malha, ajustada ao corpo, possui um grande número de variações. 
109
Camisete 
Camisa mais curta e ajustada. Possui pences. 
110
Casaco 7/8 
Casaco com comprimento quase nos joelhos. As vezes possui na altura da cintura. 
111
Manteau 
Casacão em lã pesada, comprimento pero dos tornozelos. 112
Vestidos 
Vestido Justo Afunilado 
É básico e clássico, possui numeras variações. Às vezes tem fenda, depende do tecido ou malha com o qual foi confeccionado. 
113
Vestido Tubo ou Reto 
A diferença entre este e o básico é que o tubo desce reto até a barra. 
114
Vestido Evasê 
Justo até o quadril, abrindo até a barra. 
115
Vestido Império ou Diretório 
Possui decote e é recortado sob o busto com franzido. 
Muito usado por gestantes. 
116
Vestido Cintura no Lugar 
Possui recorte na altura da cintura. 
117
Vestido Cintura Baixa ou Melindrosa 
Recorte abaixo da cintura. 
118
Vestido Blusado 
Possui recorte na cintura, rolotês ou elástico. 
119
Vestido Chemisier ou Vestido Camisa 
Possui abotoamento frontal e cinto. 
120
Vestido Godê ou Trapézio 
Cortado em godê. Não marca as formas do corpo. 
121
Texturas 
122
123
Masculino 
Contorno da Anatomia Masculina 124
Movimento de Mãos e Braços 
125
Pés 
126
Rosto 
Rosto Frente: Proporções e colocação dos órgãos 127
Rosto ¾ - Proporção e colocação dos órgãos. 128
Rosto Perfil: Proporção e colocação dos órgãos. 129
Chapéus 130
Caracterização 
A moda masculina deixou a rigidez dos tempos antigos para tornar-se descontraída, deixando o homem mais livre. 
Os ternos de tecido liso, mesclados, ou com discreto aspecto de relevo na textura, acompanham o caimento macio e natural dos novos tempos. 
Conforme a moda, o paletó pode ter ombros, mais ou menos armados. Apresentam uma abertura traseira para maior conforto. As calças são largas e retas. 
Existem seguintes tipos de paletó: 
1. 
Com abotoamento simples (2 botões). 
2. 
Transpassados, estilo jaquetão (4 botões). 
As camisas também acompanham as oscilações da moda, com variações de gola, punhos e abotoamento. 
No traje esporte, o homem usa bermudas, bermudão, calças amplas, jaquetas, shorts, camisetas, regatas, jeans. 
No traje social e rigor, aparecem os ternos, blazers, smokings e spencers. 
O homem elegante sempre combina os sapatos sociais com as meias (que devem ser finas tipo Lupo). Já os tênis e mocassins esportivos devem ser usados com eia tipo soquete (grossa). 
As cores dos ternos são sempre as básicas (preto, marinho, cinza), mas s cores modernas podem ser usadas, desde que combinem com o restante do traje e com a personalidade de quem usa. 
As gravatas usuais são as lisas e as com listras finas e de cashemire, confeccionadas em seda. 
131
Paletó Clássico 
É um traje social, quando usando com uma calça confeccionada com o mesmo tecido, fazendo o conjunto chamado terno. 
É um traje esporte, quando constitui peça avulsa, de tecido diferente da calça; atualmente, é chamado de blazer. 
132
Paletó Jaquetão 
É um tipo de paletó transpassado, abotoado com quatro botões. Pode ser social ou esportivo, dependendo do tecido. 
133
Smoking e Summer (Branco) 
Smoking é um tipo de traje a rigor confeccionado em tecido de seda pesada e a gola, geralmente, é com tecido trabalhado ou acetinado. 
Summer é um paletó estilo Smoking, porém com tecido mais leve e cor branca, usado geralmente no verão. 134
Fraque 
Tipo de traje a rigor para ocasiões solenes. 
135
Camisa Básicas 
Pólo 
136
Bermudas e Shorts 
137
Calças 
138
Jaquetão 
139
Trench Coat 
140
Infantil 
141
Rosto 
Rosto Frente 142
Rosto 3/ 4 
143
Rosto Perfil 
144
Chapéus 145
Pés 
146
Movimento Infantil 
Feminino 6/7 anos – Traje Esporte Verão 
147
6/7 Anos – Traje Esporte Verão 
148
6/7 Anos – Traje Esporte Verão 
149
6/7 Anos - Traje Inverno 
150
6/7 Anos - Traje Social 
151
6/7 Anos - Traje Social 
152
6/7 Anos - Traje Social 
153
Movimento Infantil Masculino 6/7 Anos – Traje Esporte 
154
6/7 Anos – Traje Esporte 
155
6/7 Anos – Traje Social 
156
6/7 Anos – Traje Social 
157
6/7 Anos – Traje Social 
158
6/7 Anos – Traje Social 
159
Caracterização 
O guarda roupa mirim deve ser composto basicamente de peças simples, para permitir muitas combinações. Além disto, deve oferecer às crianças livre escolha para se vestir, respeitando sua individualidade. 
Prefira roupas de boa qualidade, cômodas, confortáveis e de acordo com o clima. 
No guarda roupa mirim, usam-se também acessórios, que têm finalidade de dar vida à peça básica e personalizá-la. 
Temos que pensar que criança não é adulto e não deve ser vestida como tal. Então, deixe-a escolher e ser feliz. 
Aviamentos 
Aviamentos são materiais utilizados para a confecção de uma roupa alem do tecido base. 
Nas grandes empresas a compra de materiais é responsabilidade de um setor especifico (setor de compras) e é coordenado por um profissional ou uma equipe que negocia preços, datas de entrega e prazos de pagamentos junto a fornecedores. Esse profissional nem sempre é familiarizado com a nomenclatura utilizada pelos estilistas para aviamentos (ex: “rabo de rato”, para elástico fino cilíndrico). Por isso, para evitar confusões no momento da compra, é preciso que o aviamento esteja identificado e catalogado, com uma identificação interna da empresa. Essa codificação é organizada pela engenharia de produtos, através de um catalogo onde é anexada uma amostra do aviamento, seu catalogo, seu código interno e sua descrição pormenorizada, especificando inclusive as cores em que o mesmo pode ser adquirido. 
Exemplo: 
Descrição: fita de Cetim 8 mm 
Referencia: CETOS 
Fornecedor: Fitas Progresso 
Cores: 001- Branco; 999-Preto; 
316-Vermelho; 740-Verde 
Metragem por peça: 10 m 
As grandes empresas chegam a organizar várias vias do catálogo de amostra de aviamentos, permanecendo uma com o setor de compras, outra com o setor de engenharia de produto (responsável pelas atualizações de todos os catálogos) e outra com o setor de desenvolvimento de produtos. 
160
Um catálogo também se faz necessário pra o setor de almoxarifado ou recebimento de materiais, para conferir se o aviamento que está sendo entregue corresponde ao que foi solicitado. 
Em empresas menores um único catálogo circula pelos três setores, pois não poucas vezes, é a mesma pessoa que exerce as três funções (empresária estilista, compradora). Existe ainda situação em que o setor de compras recebe apenas uma listagem com códigos e a descrição, mas sem a amostra do aviamento. 
É responsabilidade do design de moda, obter as amostras em números suficiente para que todos os setores que utilizam catálogos de aviamentos possam mantê-los atualizados. Algumas empresas adotam políticas especificas para a aquisição de aviamentos. Uma delas: o fornecedor deve oferecer sem custo para a empresa, os aviamentos a serem utilizados na pilotagem e mostruário. A empresa só efetuará compra do aviamento caso surjam pedidos dos modelos nos quais ele foi utilizado. 
Todos os aviamentos devem ser listados na ficha técnica do produto, com o respectivo consumo por peça. Através da ficha técnica, o PCP (Planejamento e Controle de Produção) poderá transmitir ao setor de compras a quantidade a ser comprada de cada aviamento e sem que data o pedido entrará em produção (para programar data de entrega do aviamento em tempo). 
Classificação dos Aviamentos 
Os aviamentos podem ser classificados quanto á sua função e quanto sua visibilidade na roupa. Quanto à função os aviamentos podem ser componentes ou decorativos, quanto à visibilidade podem ser aparentes ou não aparentes. 
FUNÇÃO 
VISIBILIDADE 
Componentes 
Decorativo 
Aparente 
Não Aparente 
Aviamentos utilizados na confecção da peça, sem o qual a mesma não pode existir. Ex: linha, zíperes, botões funcionais, etiquetas de composição, de tamanho, de CNPJ, de instruções de conservação 
Aviamento utilizado apenas como adorno, mas sem característica funcional. Ex: franja patches (aplicações bordadas), etiquetas decorativas, puxadores de zíper decorativo. 
Aviamentos que são visíveis após a peça confeccionada. Ex: botões zíper, bordados, etiquetas de tamanho ou composição. 
Aviamentos que ficam no interior da peça. Ex: entretelas e elásticos. 
161
Bolsos 
162
Tecidos 
* Tipo * Cor e sua influência * Combinações de cores 
Tecidos – Tipos 
Os tecidos dividem-se de acordo com sua textura em 2 grupos: leves e pesados. 
Os tecidos leves pode ser transparentes, opacos, de bom caimento e armados. Os pesados são armados e de bom caimento. 
Fazem parte do primeiro grupo: organza, musselines, organdi, gaze, voil de seda, voil de algodão, crepe georgette, palha de chiffon, chilon, lingerie de nylon, lingerie de seda pura, cambraia pele de ovo, bandagem, filó, point d espirit, malha fria, crepe de seda, chints, viscose, challes, devorê, popeline, tule. 
Fazem parte do segundo grupo: brim, jenas, gabardine, chantung Dior, tussor de seda, crepe peau d’ ange, lã, veludos, camurças, crepe madame, jérsei, malhas, linho, sarja, brim acetinado, cirê, chamalote (moiré), plush, brocado, jacar, fustão, colegial, fustão piquê, lycra, lamê, malha lurex, cetim duchese, cetim charmeuse, anaruga, (crepom), crepe indiano, cetim de algodão, laise de algodão, panamá, praiana. 
De acordo com a matéria prima de que são confeccionados, os tecidos dividem-se: naturais, sintéticos e compostos 
Os tecidos naturais são de origem vegetal ou animal. Ex: algodão, linho, seda. 
Os tecidos compostos – maioria na atualidade - apresentam fibras artificiais mescladas, em maior ou menor proporção, às fibras naturais. 
Combinações 
Para haver uma boa combinação de tecidos é sempre bom jogar o mesmo tipo. Ex: seda com seda, algodão com algodão. 
Você pode fazer misturas loucas, mas, em pequenos detalhes, bem estudados e combinados, verificando peso, caimento, etc. 
Detalhes – Brilho e fosco: cetim de seda é um tecido de brilho, deve ser jogado com uma seda fosca. 
Peso – O tecido tem peso, cada um diferente do outro. As misturas deve ser bem estudadas neste sentido, para haver um bom caimento e uma boa combinação de detalhes. Não se deve jogar uma saia muito pesada com uma blusa muito leve 163
(vestido), pois o peso daquela repuxaria esta. Ex: saia de jérsei ou veludo presa em blusa de musseline. 
Um tecido inferior, tipo algodão, todo rebordado em pedrarias, brilhantes, pesaria pelo excesso e mau gosto. Um vestido leve, com pouco pano e forro pesado, pesa, por não combinar. 
Qualidade dos Tecidos 
I. 
Musseline de seda, organza, crepes de seda voil de seda, tule: são usados para modelos toalete com muita roda. Aproveitando a leveza, pode jogar vários metros, para dar idéia esvoaçante. Dão idéia. 
II. 
Crepe madame, linho, jérsei, malha: são tecidos pesados, de bom caimento muito usado para pessoas mais adultas. 
III. 
Voil de algodão, linho popeline, viscose, garbadine: são próprios para a moda jovem pois rejuvenescem e para a moda esportiva. 
IV. 
Veludos, plush e lã: tecidos a serem combinados com os tipos de modelos a serem confeccionados. 
Tecidos – Cor e sua Influência 
Preto - emagrece, entristece, requinta. 
Branco – engorda ilumina. 
Verde – empalidece, pede loura ou ruiva, alem de muita maquilagem. 
Azul (claro) – core de verão, enfeita, suavizando, refresca. 
Rosa – cor de verão; enfeita, alegrando. 
Vermelho – é uma cor especial para ser usada conforme a hora e pessoa. Em alguns, da um ar alegre e requintado. Em outra vulgariza a personalidade. 
Bege – vai bem com todos os tons, mas pede pele rosada. 
Café – encarde, pede pele clara. 
Cinza – entristece. 
Vinho e Roxo – são cores de ocasião, pede pele clara e gente animada. 
Tecidos – Combinações de Cores 
Roxo – limão, vede água, rosa salmão, bege, branco, cinza, vermelho, laranja, lilás. 
Preto – todas as cores, menos marinho e café. 
164
Vermelho – branco marinho, azulão, turquesa, verde, café, bege, preto, cinza. Para combinar com o amarelo, tem eu passar pelo laranja. 
Verde (escuro) – lilás, branco, bege, café, preto, laranja, vinho, rosa. 
Amarelo (ouro) – branco, café, bege, marinho, azulão, verde, cinza e roxo. 
Rosa (shocking) – branco, azul marinho, vinho, verde, cinza, roxo. 
Turquesa – laranja, vermelho, limão, café, marinho, branco. 
Rosa salmão – café, vinho, cinza, verde. 
Verde água – marinho, verde bandeira, café, roxo, bege. 
Rosa fuccia – rosa claro, lilás, marinho, branco, bege, cinza, verde petróleo. 
Ocre – café, rosa, laranja, verde água, verde limão, verde musgo, amarelo claro, preto, bege. 
Bege – com todas as cores. 
Atividade Complementar 
Desenhe em uma folha, 3 saias e 3 blusas coloridas, combinando cores. 
Fabricação do Tecido 
O processo de fabricação do tecido abrange quatro grandes etapas: 
Matérias-Primas Têxteis 
Definição: Todo aquele material que submetido a um processo adequado de elaboração é suscetível de ser fiado. Constitui a matéria-prima para a indústria têxtil. 
Propriedades que devem ser consideradas nas fibras 
 
Finura 
 
Comprimento 
 
Resistência à torção 
 
Elasticidade 
 
Flexibilidade 
 
Absorção de umidade 
 
Coloração 
 
Suavidade 
 
Brilho 
165
As propriedades das fibras são transmitidas ao fio e, consequentemente, ao tecido. 
Algodão 
Largamente conhecido pelas suas variada aplicações, é de grande valor industrial. É a matéria-prima de maior e mais importante aplicação na fabricação de tecidos. 
O algodão é uma pluma que envolve as sementes contida no capulho de uma planta da família da malváceas e a pluma com outra que corresponde aos padrões oficiais, se utilizando, para tanto, a visão e o tato. 
Os principais algodões brasileiros e suas respectivas regiões do cultivo são: 
Algodão Seridó – Melhor qualidade, é uma planta perene e suas fibras se apresentam com um comprimento de 34 mm para mais. São apropriadas para fios finos, bem como para misturas com fibras químicas. É cultivado na região nordeste do país. 
Algodão Sertão – Também cultivado na região nordeste, é uma planta perene que produz fibras de cores branco e creme (semelhante à cor do Seridó), de comprimento de 32/34 mm, apropriadas para fios finos. 
Algodão Meridional – Cultivado na região centro-sul do país (principalmente nos estados: São Paulo, Paraná, Minas, Goiás, Mato Grosso), é uma planta e suas fibras se apresentam com comprimento de 30/32 mm, de cores branco, creme, cinza. 
Por ser um algodão pouco sedoso e de comprimento e resistência inferiores, às dos algodões Seridó e Sertão, é utilizado para a produção de fios chamados cardados. 
Propriedades 
 
É uma fibra forte e resistente. As roupas suportam muito bem às frquentes lavagens. 
 
É de fácil tingimento. 
 
Absorve e elimina com facilidade a umidade, permitindo a transpiração do corpo com normalidade. 
 
Tem boa resistência à abrasão. 
 
É uma fibra fresca e se lhe pode introduzir propriedades térmicas (flanelagem). 
 
É empregada em mescla com outras fibras a fim de incorporar suas qualidades à mista. 
166
Classificação 
A classificação da Qualidade do Algodão é feita quando este já está descaroçado na Beneficiadora. 
Esta classificação é por números (1, 2, 3, 4, 5, 6,7). 
Quanto mais alto o número, pior a qualidade. 
O padrão de qualidade leva em conta o comprimento da fibra, a resistência, a tonalidade, as impurezas, etc. 
Poliéster 
Fibra sintética obtida pela polimerização de matéria-prima oriunda do petróleo. A fibra Poliéster possui excelentes características anti-rugas e por esta propriedade a sua baixa absorção de umidade, é ideal para prensas de secura rápida sem necessidade de passadaria. 
Mescladas com algodão ou outras fibras, translada as suas propriedades ao tecido, principalmente quando a porcentagem de poliéster empregada é igual ou superior. 
Fios 
Fio Fiado 
Fio de fibras descontinuas. 
Processo de Fiação 
Cardado 
Penteado 
O fio cardado é geralmente utilizado em tecidos pra roupas, colchas, lençóis, toalhas, etc. 
O fio penteado é utilizado em tecidos finos para camisas, malhas, meias, etc. 
Fio Cru: Fio sem nenhum tratamento após sair da fiação. 
Fio Tinto: Fio obtido da matéria-prima já tingida, ou fio tingido depois da fiação. 
Fio Singelo: Fio de um só cabo. 
Fio Retorcido: Formado pelo retorcimento de dois ou mais fios singelos. 
Fio Misto: Composto de duas ou mais fibras, ou seja, de matérias-primas diferentes. 
Fio End: Fio enrijecido adequado para ÍNDIGO, normalmente fabricado com Algodão tipo 6. 
Fio Filamento: Fio Contínuo obtido por processo químico. 
167
168 
O filamento pode ser empregado diretamente no tecido ou pode ser cortado e FIADO com outra fibra. 
Fio Fiado versus Filamento: 
Algumas vantagens do tecido feito com fio fiado poliéster / algodão: 
 
O tecido é menos quente, permite melhor a ventilação. 
 
O tecido absorve a transpiração do corpo, sendo, portanto, mais higiênico. 
 
O tecido fica leve e ao mesmo tempo reduz o contato direto da fibra química com o corpo. 
 
O tecido se mantém mais apoiado sobre o corpo, não sendo escorregadio, como ocorre com o filamento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenho técnico/desenho de moda
Desenho técnico/desenho de modaDesenho técnico/desenho de moda
Desenho técnico/desenho de modaGraça Bohrer
 
Design de superfície suportese processosdeprodução
Design de superfície suportese processosdeproduçãoDesign de superfície suportese processosdeprodução
Design de superfície suportese processosdeproduçãoVenise Melo
 
PESQUISA DE MODA
PESQUISA DE MODAPESQUISA DE MODA
PESQUISA DE MODAOdair Tuono
 
Planejamento de Coleção
Planejamento de ColeçãoPlanejamento de Coleção
Planejamento de ColeçãoAna
 
Monografia 2017 o impacto da liderança no desempenho das organizações
Monografia 2017  o impacto da liderança no desempenho das organizaçõesMonografia 2017  o impacto da liderança no desempenho das organizações
Monografia 2017 o impacto da liderança no desempenho das organizaçõesUniversidade Pedagogica
 
Processos produtivos da ind_da_moda
Processos produtivos da ind_da_modaProcessos produtivos da ind_da_moda
Processos produtivos da ind_da_modaNilzeth Gusmao
 
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...Francisco Gómez Castro
 
História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00Valdir Soares
 
Estudo de caso - Marca - Nike
Estudo de caso  - Marca - NikeEstudo de caso  - Marca - Nike
Estudo de caso - Marca - NikeJuliani Pavan
 
ENCONTROS ENTRE A ARTE E A MODA.
ENCONTROS ENTRE A ARTE E A MODA.ENCONTROS ENTRE A ARTE E A MODA.
ENCONTROS ENTRE A ARTE E A MODA.Odair Tuono
 
Gestão em Design - Conceitos - 01
Gestão em Design - Conceitos - 01Gestão em Design - Conceitos - 01
Gestão em Design - Conceitos - 01Prof.Valdir Soares
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagemmartha
 
Apostila de desenho parte 01
Apostila de desenho parte 01Apostila de desenho parte 01
Apostila de desenho parte 01possofazermoda
 

Mais procurados (20)

Moulage exercício criativo
Moulage   exercício criativoMoulage   exercício criativo
Moulage exercício criativo
 
Desenho técnico/desenho de moda
Desenho técnico/desenho de modaDesenho técnico/desenho de moda
Desenho técnico/desenho de moda
 
Design de superfície suportese processosdeprodução
Design de superfície suportese processosdeproduçãoDesign de superfície suportese processosdeprodução
Design de superfície suportese processosdeprodução
 
Arte indígena
Arte indígenaArte indígena
Arte indígena
 
PESQUISA DE MODA
PESQUISA DE MODAPESQUISA DE MODA
PESQUISA DE MODA
 
Planejamento de Coleção
Planejamento de ColeçãoPlanejamento de Coleção
Planejamento de Coleção
 
Monografia 2017 o impacto da liderança no desempenho das organizações
Monografia 2017  o impacto da liderança no desempenho das organizaçõesMonografia 2017  o impacto da liderança no desempenho das organizações
Monografia 2017 o impacto da liderança no desempenho das organizações
 
Processos produtivos da ind_da_moda
Processos produtivos da ind_da_modaProcessos produtivos da ind_da_moda
Processos produtivos da ind_da_moda
 
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
 
MERCADO DE MODA
MERCADO DE MODAMERCADO DE MODA
MERCADO DE MODA
 
História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00
 
Estudo de caso - Marca - Nike
Estudo de caso  - Marca - NikeEstudo de caso  - Marca - Nike
Estudo de caso - Marca - Nike
 
ENCONTROS ENTRE A ARTE E A MODA.
ENCONTROS ENTRE A ARTE E A MODA.ENCONTROS ENTRE A ARTE E A MODA.
ENCONTROS ENTRE A ARTE E A MODA.
 
Aula EE - composicao
Aula EE - composicaoAula EE - composicao
Aula EE - composicao
 
O ponto e o pontilhismo
O ponto e o pontilhismoO ponto e o pontilhismo
O ponto e o pontilhismo
 
Ba vidro final
Ba vidro finalBa vidro final
Ba vidro final
 
Desenho-tecnico-basico
Desenho-tecnico-basicoDesenho-tecnico-basico
Desenho-tecnico-basico
 
Gestão em Design - Conceitos - 01
Gestão em Design - Conceitos - 01Gestão em Design - Conceitos - 01
Gestão em Design - Conceitos - 01
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagem
 
Apostila de desenho parte 01
Apostila de desenho parte 01Apostila de desenho parte 01
Apostila de desenho parte 01
 

Semelhante a Desenho tecnico moda (desenho)

Guia do usuário da indexação do family search (setembro de 2010)
Guia do usuário da indexação do family search (setembro de 2010)Guia do usuário da indexação do family search (setembro de 2010)
Guia do usuário da indexação do family search (setembro de 2010)chfceilandia
 
Livro osfundamentosdafilosofia-gilbertocotrin-130519203144-phpapp01
Livro   osfundamentosdafilosofia-gilbertocotrin-130519203144-phpapp01Livro   osfundamentosdafilosofia-gilbertocotrin-130519203144-phpapp01
Livro osfundamentosdafilosofia-gilbertocotrin-130519203144-phpapp01Marcio Bulgarelli
 
Manual Funpar
Manual FunparManual Funpar
Manual Funpardmazbnet
 
Sumário
SumárioSumário
SumárioELBRBA
 
Georges Politzer
Georges PolitzerGeorges Politzer
Georges PolitzerSoproLeve
 
Os fundamentos da filosofia gilberto cotrin
Os fundamentos da filosofia   gilberto cotrinOs fundamentos da filosofia   gilberto cotrin
Os fundamentos da filosofia gilberto cotrinandre barbosa
 
Manual do Usuário para Loja Virtual Magento
Manual do Usuário para Loja Virtual MagentoManual do Usuário para Loja Virtual Magento
Manual do Usuário para Loja Virtual MagentoMKTON1
 
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo FederalManual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo FederalVincere Comunicação
 
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo FederalManual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo FederalBlog Mídia8!
 
Adwords passo-a-passo
Adwords passo-a-passoAdwords passo-a-passo
Adwords passo-a-passoWilliam Silva
 
Livro Branding O Manual Para Voce Criar Gerenciar E Avaliar Marcas
Livro Branding O Manual Para Voce Criar Gerenciar E  Avaliar MarcasLivro Branding O Manual Para Voce Criar Gerenciar E  Avaliar Marcas
Livro Branding O Manual Para Voce Criar Gerenciar E Avaliar MarcasIsrael Degasperi
 

Semelhante a Desenho tecnico moda (desenho) (20)

Guia do usuário da indexação do family search (setembro de 2010)
Guia do usuário da indexação do family search (setembro de 2010)Guia do usuário da indexação do family search (setembro de 2010)
Guia do usuário da indexação do family search (setembro de 2010)
 
Livro osfundamentosdafilosofia-gilbertocotrin-130519203144-phpapp01
Livro   osfundamentosdafilosofia-gilbertocotrin-130519203144-phpapp01Livro   osfundamentosdafilosofia-gilbertocotrin-130519203144-phpapp01
Livro osfundamentosdafilosofia-gilbertocotrin-130519203144-phpapp01
 
ajuda
ajudaajuda
ajuda
 
Saber Sobre o Saber Treinar - Índice 2013
Saber Sobre o Saber Treinar - Índice 2013Saber Sobre o Saber Treinar - Índice 2013
Saber Sobre o Saber Treinar - Índice 2013
 
Manual funpar
Manual funparManual funpar
Manual funpar
 
Manual Funpar
Manual FunparManual Funpar
Manual Funpar
 
Sumário
SumárioSumário
Sumário
 
Politzer (1)
Politzer (1)Politzer (1)
Politzer (1)
 
Georges Politzer
Georges PolitzerGeorges Politzer
Georges Politzer
 
Os fundamentos da filosofia gilberto cotrin
Os fundamentos da filosofia   gilberto cotrinOs fundamentos da filosofia   gilberto cotrin
Os fundamentos da filosofia gilberto cotrin
 
O Guia de SEO em 2015
O Guia de SEO em 2015O Guia de SEO em 2015
O Guia de SEO em 2015
 
Manual do Usuário para Loja Virtual Magento
Manual do Usuário para Loja Virtual MagentoManual do Usuário para Loja Virtual Magento
Manual do Usuário para Loja Virtual Magento
 
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo FederalManual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
 
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo FederalManual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
Manual de orientação para atuação em redes sociais - Governo Federal
 
Manualdo empreendedor
Manualdo empreendedorManualdo empreendedor
Manualdo empreendedor
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Adwords passo-a-passo
Adwords passo-a-passoAdwords passo-a-passo
Adwords passo-a-passo
 
Cpa 10
Cpa 10Cpa 10
Cpa 10
 
Livro Branding O Manual Para Voce Criar Gerenciar E Avaliar Marcas
Livro Branding O Manual Para Voce Criar Gerenciar E  Avaliar MarcasLivro Branding O Manual Para Voce Criar Gerenciar E  Avaliar Marcas
Livro Branding O Manual Para Voce Criar Gerenciar E Avaliar Marcas
 

Desenho tecnico moda (desenho)

  • 1. o
  • 2. Índice Introdução.....................................................................................................................5 O que é bom profissional?......................................................................................5 O que é Desenhar?................................................................................................6 Formas de Coordenação........................................................................................7 Coordenação Múltipla.............................................................................................7 Coordenação Direcionada......................................................................................8 1ª Etapa..................................................................................................................8 2ª Etapa..................................................................................................................9 Coordenação Especifica.......................................................................................10 1ª Etapa................................................................................................................10 2ª Etapa................................................................................................................11 Exercitando o lado direito do cérebro...................................................................11 Desenho modificado de contornos.......................................................................12 Desenho só com o lado direito.............................................................................12 Feminino......................................................................................................................12 Proporção do corpo humano no desenho de moda..............................................12 Cabeça.................................................................................................................13 Olhos....................................................................................................................13 Bocas....................................................................................................................14 Narizes..................................................................................................................14 Corpo....................................................................................................................15 Mãos.....................................................................................................................17 Braços...................................................................................................................19 Pés........................................................................................................................21 Pernas..................................................................................................................22 Rosto....................................................................................................................24 Rosto ¾ - Proporção e colocação dos órgãos......................................................25 Rosto perfil – Proporção e colocação dos órgãos................................................26 Luz e sombra........................................................................................................27 Luz e sombra do cabelo nos rotos........................................................................31 Aplicação de luz e sombra....................................................................................32 Chapéus...............................................................................................................34 Descrição técnica.................................................................................................35 Esquema da Descrição Técnica...........................................................................35 Comprimentos......................................................................................................36 2
  • 3. Articulações..........................................................................................................36 Movimento............................................................................................................37 Movimento Feminino............................................................................................38 Traje Esporte........................................................................................................38 Traje Esporte Praia...............................................................................................39 Traje Esporte Chic................................................................................................40 Traje Esporte Chic................................................................................................41 Traje Clássico Jovem...........................................................................................42 Traje Clássico.......................................................................................................43 Traje Clássico Não Rígido....................................................................................44 Traje Social Habilé................................................................................................45 Traje Social Rigor.................................................................................................47 Traje Social Rigor.................................................................................................48 Saias.....................................................................................................................49 Micro saia.............................................................................................................50 Mini - Saia.............................................................................................................51 Saia - Chanel ou Secretária..................................................................................52 Midi – Saia ou Mimolet ou Evangélica..................................................................53 Maxi – Saia...........................................................................................................54 Longo....................................................................................................................55 Saias............................................................................................................................56 Calças..........................................................................................................................63 Tipo Básicos.........................................................................................................64 Golas............................................................................................................................73 Decotes........................................................................................................................81 Mangas........................................................................................................................86 Punhos.........................................................................................................................91 Cavas...........................................................................................................................92 Pences.........................................................................................................................94 Blusas..........................................................................................................................95 Vestidos.....................................................................................................................113 Texturas.....................................................................................................................122 Masculino..................................................................................................................124 Movimento de Mãos e Braços............................................................................125 Pés......................................................................................................................126 Rosto..................................................................................................................127 Rosto Frente: Proporções e colocação dos órgãos............................................127 3
  • 4. Rosto ¾ - Proporção e colocação dos órgãos....................................................128 Rosto Perfil: Proporção e colocação dos órgãos................................................129 Chapéus.............................................................................................................130 Caracterização....................................................................................................131 Paletó Clássico...................................................................................................132 Paletó Jaquetão..................................................................................................133 Smoking e Summer (Branco)..............................................................................134 Fraque................................................................................................................135 Camisa Básicas..................................................................................................136 Pólo.....................................................................................................................136 Bermudas e Shorts.............................................................................................137 Calças.................................................................................................................138 Jaquetão.............................................................................................................139 Trench Coat........................................................................................................140 Infantil........................................................................................................................141 Rosto..................................................................................................................142 Rosto Frente.......................................................................................................142 Rosto 3/ 4...........................................................................................................143 Rosto Perfil.........................................................................................................144 Chapéus.............................................................................................................145 Pés......................................................................................................................146 Movimento Infantil...............................................................................................147 Feminino 6/7 anos – Traje Esporte Verão..........................................................147 Movimento Infantil Masculino 6/7 Anos – Traje Esporte.....................................154 Caracterização....................................................................................................160 Aviamentos.........................................................................................................160 Classificação dos Aviamentos............................................................................161 Bolsos........................................................................................................................162 Tecidos......................................................................................................................163 Tecidos – Tipos..................................................................................................163 Combinações......................................................................................................163 Qualidade dos Tecidos.......................................................................................164 Tecidos – Cor e sua Influência...........................................................................164 Fabricação do Tecido.........................................................................................165 Matérias-Primas Têxteis.....................................................................................165 Classificação.......................................................................................................167 4
  • 5. Introdução O que é bom profissional? É a pessoa que em primeiro lugar faz o que gosta se apaixona pelo seu trabalho, se dedica se interessa e principalmente está sempre em busca de conhecimentos. Este é o profissional de sucesso. Para chegar a ser um profissional em qualquer área de atuação é preciso conhecer e dominar a técnica, ter a teoria segmentada no seu dia a dia, a partir daí aliar a todo esse conhecimento seu toque pessoal, sua criatividade, sua flexibilidade. Aí sim, se tem o profissional completo Por todos esses motivos o curso de Estilista de Moda compreende três estágios: 1º Desenho de Moda O programa do curso leva o aluno ao domínio da anatomia, proporção e movimento da figura humana de moda. Estimula com técnicas apropriadas o aperfeiçoamento dos traços, o efeito perfeito da sombra e luz, técnicas de cores, descrição técnica, efeitos gráficos dos tecidos e a classificação dos mesmos. 2º Figurinismo O aluno obtém orientação técnica para criar seu próprio estilo e agilizar seu desenho. Alem do conhecimento de modelagem, várias técnicas de cores, desenvolvimento de criação de figurino de acordo com o tipo físico, produção de moda, criação de figurinos de época, desenvolvimento no conhecimento de tecidos, aviamentos e acessórios. 3º Estilismo Leva o aluno a direcionar sua criatividade ao público alvo, estudo detalhado sobre os Bureaux de Stylle, ficha técnica, criação sobre molde básico, elaboração e montagem de coleção e orientações sobre o funcionamento da indústria de confecção. 5
  • 6. 6 O que é Desenhar? É um processo tão interessante quanto curioso, pois está intimamente ligado ao processo de enxergar, separá-los seria difícil. A capacidade e o progresso do desenho vão depender do progresso na forma de ver, ou seja, ver como um artista vê. Uma vez perguntaram a Henri Matisse se ao comer um tomate ele o olhava como um artista, Matisse respondeu: “- Não, quando como um tomate, olho-o como qualquer pessoa olharia, mas quando pinto um tomate, vejo-o de maneira diferente.” Optar por não fazer um curso de desenho pelo fato de não saber desenhar é como decidir que não se deve freqüentar uma aula de francês pelo fato de não saber francês! A capacidade de desenhar é algo que pode ser aprendido, ao contrario do que geralmente se pensa. A habilidade manual não é um dos fatores fundamentais no desenho, e sim aprender a ver, ou aprender a processar as informações visuais daquela maneira especial, utilizada pelos artistas. As coordenações e os exercícios desta apostila vão em primeiro lugar abrir acesso conscientemente ao lado direito do seu cérebro, a fim de experimentar uma modalidade de percepção diferente, exercitando o lado criativo e intuitivo, podendo assim ver de maneira diferente, como o artista vê. Os dois Lados do nosso cérebro ESQUERDO Intelecto Convergente Digital Secundário Abstrato Dirigido Lógico Racional Sequencional Analítico Objetivo Sucessivo DIREITO Holístico Divergente Analógico Primário Concreto Livre Imaginativo Não racional Intuitivo Múltiplo Subjetivo Sintético
  • 7. Todo ato criativo requer uma nova visão de percepção, livre dos dogmas tradicionais, uma pessoa criativa é aquela capaz de processar sob novas formas as informações de que dispõe. Por exemplo, o escritor precisa de palavras; o musico precisa de notas; o desenhista precisa de percepções visuais e conhecimento das técnicas de sua arte, para esse desenvolvimento são necessários vários exercícios, que o estudante de desenho de moda encontrará nesta apostila. Formas de Coordenação 1. Coordenação Múltipla 2. Coordenação Direcionada 3. Coordenação Especifica Coordenação Múltipla Utilize dos lápis 6B, um em cada mão, comece a traçar com os olhos fechados e acompanhando o ritmo da música, em uma folha que deve estar presa à mesa. 7
  • 8. Coordenação Direcionada 1ª Etapa Trace em uma fola de papel usando o lápis 6B as figuras A, B, C e D. Comece do início dos traços ao término dos mesmos, sem tirar o lápis do papel. Faça os traços tanto da maneira convencional como da inversa. 8
  • 9. 2ª Etapa Trace em uma folha de papel com mão firme num traço definido. Usando o lápis 6B as figuras A, B, C e D. 9
  • 10. Coordenação Especifica 1ª Etapa Memorize uma ou mais formas. Em seguida, pegue o lápis 6B e com o traçado firme passe-as para o papel. 10
  • 11. 2ª Etapa Proceda da mesma maneira que na 1ª etapa Exercitando o lado direito do cérebro Desenho de menos contornos Coloque-se em posição para desenhar, de maneira que sua mão esteja pronta para iniciar. Vire o rosto na direção oposta, observando sua outra mão. Sem olhar seu traçado, comece a desenhar SOMENTE AQUILO QUE VÊ, e não o que já esta pré concebido em seu cérebro. Desenhe com a mesma lentidão que seus olhos observem o contorno da sua mão, procure registrar com o lápis tudo o que vê simultaneamente. * Os contornos podem ser externos ou internos. 11
  • 12. Desenho modificado de contornos O desenho modificado de contornos é semelhante ao desenho de meros contornos, exceto que você se permite olhar o desenho unicamente para observar relações de tamanhos, comprimento, ângulos, fiscalizar a direção de uma linha e a proporção entre as formas da sua mão. Coloque a mão que vai desenhar em uma posição mais complexa, dedos entrelaçados, cruzados ou que preferir, não faça uma posição simples, pois o lado direito do cérebro aparentemente prefere complexidade. Não mude a posição de sua mão uma vez que tenha começado a desenhar. Olhe fixamente a mão antes de começar a coordenação. Desenho só com o lado direito Nesse exercício deixe o lado do seu cérebro comandar plenamente seus traços. Concentre no desenho toda a atenção, pois ele esta de cabeça para baixo, copie exatamente como está e observe os espaços nas proporções corretas, de acordo com o tamanho da sua folha. Cada vez que realizar esse exercício, procure perceber conscientemente a transição do lado esquerdo para o lado direito, a fim de familiarizar-se com a sensação que esse tipo de exercício provoca. Feminino Proporção do corpo humano no desenho de moda Desenhar é muito parecido com aprender a dirigir um carro, primeiro você aprende as operações separadamente, acelerar, frear, sinalizar, observar os carros à sua frente, atrás e dos lados. Ao dirigir pela primeira vez você deve que juntar esses conhecimentos, coordenando aptidões separadas para formar um todo integrado, a primeira vez foi difícil, mas gradativamente as dificuldades foram minorando até sumirem. O mesmo ocorre no desenho, desenhar exige coordenação com varias estratégias, para tomar o ato de desenhar tão automático quando frear, acelerar e sinalizar. 12
  • 13. Cabeça A cabeça é o que comanda as proporções do desenho, por esse motivo ela tem que estar correta, ou seja, sua largura deve estar na proporção com a altura. Para essa proporção siga o esquema: Construa um quadrado com a medida da altura da cabeça e divida verticalmente por cinco partes iguais, e horizontais por três partes iguais. Monte o esquema da cabeça dentro desse quadrado obtendo a largura da mesma. Olhos Para reproduzir a expressão de um olhar através da cor e da forma, é preciso estabelecer a perfeita harmonia dos tons cinza, com a aplicação habilidosa do preto. Faça círculos com traços bem finos que demonstrem ser reflexos de luz sobre o globo ocular. Os olhos femininos devem sempre passar a impressão de estarem maquiados. 13
  • 14. Bocas Os lábios femininos ao contrario dos masculinos são sempre representados com uma definição de contorno bastante acentuada. Os dentes devem ser apenas insinuados, com sombras e poucos traços. Narizes A representação do nariz feminino é feito com poucos traços. 14
  • 15. Corpo Use a cabeça de três centímetros para da à proporção correta da figura de moda. Totalizando assim oito cabeças e meia para a figura de moda. 15
  • 16. Esta é a figura de moda já com proporções correta de oito cabeças e meia. Coloque um papel em cima e contorne com o lápis 6B. Não use borracha, trabalhe com traços formes e observe a anatomia, gravando as proporções. 16
  • 17. Mãos Contorne sua mão e observe as proporções da mesma. *Espaço para o contorno das mãos. 17
  • 18. Exemplo de mãos em várias posições. 18
  • 19. Braços Procure em revistas, fotos de braços, observe a anatomia, depois desenhe-os nas proporções da cabeça de três centímetros. 19
  • 20. Exemplo de braços em varias posições. 20
  • 21. Pés Modelos diversos de pés e calçados. *Pesquise em fotos de revistas vários pés femininos 21
  • 22. Pernas Para construirmos um movimento, utilizamos algumas linhas como ponto de referencia. As pernas representam a metade de um movimento. Vamos então utilizar linhas para nos auxiliar na elaboração das mesmas. 22
  • 23. Exemplo de pernas. *Procure em revistas fotos de pernas, observe a anatomia, depois desenhe-as nas proporções da cabeça de três centímetros 23
  • 24. Rosto Rosto Frente - Proporção e colocação dos órgãos, usando a cabeça de três centímetros. 24
  • 25. Rosto ¾ - Proporção e colocação dos órgãos. 25
  • 26. Rosto perfil – Proporção e colocação dos órgãos. 26
  • 27. Luz e sombra Para dar uma aparência tridimensional ao desenho recorremos ao sombreado, que baseia-se na percepção de mudanças de tonalidades de luz sombra, essas mudanças tonais são chamadas valores, a escala completa de valores vai do puro negro ao puro branco, com milhares e milhares de pequenas graduações de cinza. No desenho a lápis, a luz mais clara é o branco do papel, a sombra mais escura é aquela onde as linhas se agrupam para formar o tom mais sombrio permitido pelo grafite do lápis. A luz que incide sobre um objeto, nos revela a forma do objeto. Através de valores tonais de luzes e sombras, percebemos formas tridimensionais. Exemplos de objetos com sombra. 27
  • 28. Faça exercícios de escala de cinzas usando vários tipos de lápis, HB, 2B, 4B e 6B. 28
  • 29. Exercício de luz e sombra no corpo humano. 29
  • 30. 30
  • 31. Luz e sombra do cabelo nos rotos 31
  • 32. Aplicação de luz e sombra 32
  • 33. Exemplo 1: o cós da saia envolve a cintura do movimento, a barra tem o seu contorno de acordo com as posições das pernas. * Sempre que for vestir um movimento, observe que o mesmo é tridimensional e a roupa o envolve. Exemplo 2: as golas e os colarinhos envolvem o pescoço. 33
  • 35. Descrição técnica A descrição técnica da indicação precisa sobre o modelo, complementando o desenho. Esquema da Descrição Técnica 1 Tecido – indicação do tecido usado 2 Forma – nomenclatura do modelo 3 Decote ou gola – nomenclatura 4 Ombros – nomenclatura de acordo com a modelagem 5 Cavas – nomenclatura de acordo com a modelagem 6 Mangas – nomenclatura da manga 7 Abertura – forma de transpasse e abotoamento 8 Detalhes 9 Comprimento 10 Cós 35
  • 36. Comprimentos Articulações As Articulações permitem os movimentos 36
  • 44. Traje Clássico Não Rígido 44
  • 46. Traje Social Rigor (Noiva) 46
  • 49. Saias Comprimento de Saias Os comprimentos de saias variam conforme a moda e a estação do ano. A saia é uma peça de roupa que cobre o corpo da mulher da cintura para baixo e pode ser usada como blusas e blazers. O comprimento da saia e sua roda podem variar conforme os tipos básicos. Os tecidos variam de acordo com a estação do ano, com as ocasiões e com as tendências da moda. 49
  • 50. Micro saia Lançada nos anos 60, obteve grande sucesso pois coincidiu com a revolução feminina que transformou a vida das mulheres. 50
  • 51. Mini - Saia Esse tipo antecedeu a micro e imperou durante toda a década de 60 e 70. Seu comprimento é considerado um clássico. 51
  • 52. Saia - Chanel ou Secretária Estabeleceu-se pelo uso, que comprimento Chanel de uma saia é cobrindo o joelho. As variações, quatro dedos acima ou abaixo do esquema. Coco Chanel, a grande costureira francesa, teve seu nome dada a esta saia por ter sido sempre fiel ao comprimento estabelecido com normal. 52
  • 53. Midi – Saia ou Mimolet ou Evangélica Comprimento na batata da perna. O comprimento deste tipo de saia, desde a década de 30 até o fina da década de 50, apresenta muitas variações. Não PE muito usual, pois a tendência deste comprimento é aumentar a panturrilha e diminuir a altura de quem a usa. 53
  • 54. Maxi – Saia Deixa o tornozelo à mostra. 54
  • 55. Longo Usada em grandes ocasiões. Não aparecem os sapatos de quem usa. Observações: Todos esses comprimentos são variáveis e osciláveis, conforme a moda. Quanto ao modelo, a saia pode ter um sem números de variações, dentro dos padrões estabelecidos e básico dependendo da moda, da criação e da imaginação dos figurinistas. As principais são: simples, de prega, de macho, de pala, envelope, nesgada, com abertura na frente. (vide ilustrações a seguir). 55
  • 56. Saias Tipos Básicos Reta Justa, ou Afunilada, ou lápis 56
  • 58. Prega Faca ou Prega Colegial Prega Macho 58
  • 60. Pala Saia com Nesga de Encaixe 60
  • 61. Saia Drapeada Saia Plissada 61
  • 62. Saia – Sobre – Saia Saia Baiana 62
  • 63. Saia de Pontas ou Assimétrica Calças Evolução As principais calças compridas para mulher apareceram da década de 10 a 20. Nos anos 50, o estilo da calça comprida era ajustada e de tecido aderente, como helanca. Seu uso era restrito às montarias, piqueniques e viagens. A partir dos anos 70, quando surgiram as pantalonas, a mulher ampliou o uso da calça comprida para todas as ocasiões sociais ou esportivas. Hoje, a mulher usa tipo de calça comprida arrojados e sofisticados, de acordo com a tendência da moda. Caracterização Peça avulsa do vestuário masculino e feminino, que pode ser usada com blusa e blazers. Os tecidos variam de acordo com as estações, as ocasiões e as tendências da moda. 63
  • 64. Tipo Básicos Reta Também conhecida como calça unissex, pois pode ser usada indistintamente pelo homem e pela mulher. Segue o estilo tradicional, o padrão clássico de calças comprida, possui pences na frente e costas. 64
  • 65. Calça Baggy É uma calça mais folgada, que não marca muito as linhas do corpo e tem cintura alta. Possui pernas largas e afunila na barra. Calça Cigarrete É uma calça bem justa, que modela as linhas do corpo e geralmente possui aberturas laterais nas pernas. Foi lançada nas décadas de 40 e 50. 65
  • 66. Calça Knickers Pode ser justa ou folgada. Seu cumprimento é logo abaixo do joelho, arrematando com elástico ou cós com abotoamento. Calça Legging Modela bem o corpo e é confeccionada, geralmente, em malha. Faz o estilo de roupa própria para ginástica. 66
  • 67. Calça Sarouel Seu estilo é oriental, mais extravagante. É drapeada transpassada e amarrada. Foi lançada nos anos 80, possui o gancho bem baixo. Calça Tipo Pantalonas Foi muito usada por volta de 1965. É o tipo de calça larga a partir do quadril. 67
  • 68. Calça Fuseaux É um tipo de calça de um tecido que adere ao corpo; como malha, lycra, helanca, etc. Possui alça de elástico ou da própria malha que se encaixa sobre o pé. Saia – Calça Seu comprimento é de saia normal, ou Chanel, com pernas amplas, seja franzida, com pregas, godês, etc. 68
  • 69. Bloomer Short estilo fofoca, com franzido ou pregas, arrematando com punho nas pernas. Short e Bermudão Tipos usados nos anos 80, sendo de comprimentos variados, de acordo com a moda. 69
  • 70. Calça Montaria ou Culote É folgada da cintura até o joelho ajustando na canela. Calça Pijama Larga, com rolotês na cintura. 70
  • 71. Calça Ciclista Modela as pernas e seu comprimento é acima dos joelhos. Calça Capri Calças com comprimento na canela. 71
  • 72. Calça Saint-Tropez Calça com cós baixo, atual anos 90. Calça Boca de Sino Calça ajustada até os joelhos e abrindo com volume na barra. 72
  • 73. Calça Five Pockets ou Jeans Básico Possui bolsos, é tradicional e existem varias variações de lavagem e diversos complementos. Golas Caracterização Gola é uma peça que faz parte da blusa e sua finalidade é enfeitar, adaptando- se ao tipo de decotes desejado. Existem vários tipos básicos de golas que podem variar de acordo com a tendência da moda. As golas se dividem em 3 tipos 1 Postiça – cortada separadamente e montada 2 Inteira – cortada junto com a peça. 3 Mista – feita por emendas conjugadas. As golas variam quanto ao caimento. Deitadas: as golas maiores Levantadas: as golas esportivas Em Pé: as golas altas 73
  • 74. O que determina define o caimento da gola é o decote da base; quanto mais reta, mas em pé é a gola; quanto mais pronunciada for a curvatura mais será pausada. A forma total é definida pela base do desenho. Pode ser em bico, arredondada, com recortes, sobreposições, etc. Tipos Básicos Gola colarinho ou gola Camisa Gola Militar, Gola Chinesa, Gola Mao, Gola Padre 74
  • 75. Gola Esporte Gola Smoking 75
  • 76. Gola Italiana Gola Bebê Gola Jabô 76
  • 77. Gola Chanel Gola Xale 77
  • 78. Gola Fru-Fru Gola Jaquetão Gola Role 78
  • 79. Gola Funil Gola Xale Gola Capuz 79
  • 81. Decotes Tipos Básicos Decote Quadrado Decote Coração Decote V 81
  • 82. Decote U Decote Redondo Decote Foureau 82
  • 83. Decote Ombro Nu Decote Frente Única Decote Olímpico 83
  • 84. Decote Drapeado Decote Canoa Bateau Decote Careca 84
  • 85. Decote Tira em Forma Decote Assimétrico 85
  • 86. Mangas As mangas podem ser classificadas em: 1 Mangas com cava: variando de acordo com o caimento no ombro, a forma a amplitude da cava. 2 Mangas sem cava: variando de acordo com a forma e a amplitude. 3 Mangas mistas: mangas sem recortes de cava, montadas em meia cava cuja costas pertencem a um tipo e a frente a outro tipo. Definida a forma geral, os modelos e nomenclaturas variam de acordo com a criação. Manga Japonesa Manga Godê 86
  • 87. Manga Morcego Manga Cava no Lugar Manga Cava Americana 87
  • 88. Manga Presunto Manga Puff Manga Raglã 88
  • 89. Manga Sino Manga Alfaiate ou 2 Folhas Manga Volante 89
  • 90. Manga Império ou Julieta Manga Tulipa Manga Drapeada 90
  • 92. Cavas Cava Ombro Caído Cava no Ombro Cava Ombro Baixo Cava Americana 92
  • 93. Cava Clássica Cava Estreita Cava Ampla 93
  • 94. Pences As pences modelam o busto, a silhueta, trabalham o caimento do tecido. Usadas em cintura, quadril, saia, calça, frente e costas. A pence permite emendas na peça e no molde. 94
  • 95. Blusas Caracterização A blusa é uma peça avulsa do vestuário, que pode ser usada como complemento de saias, calças, shorts, e bermudas. Os tecidos utilizados para sua confecção variam conforme o modelo, a ocasião e as tendências da moda. Jaqueta É um tipo de casaco, de comprimento na altura da cintura e arrematado com cós, podendo ser anatômico, fechada por zíper ou botões. É feita de tecido plano, malha, couro ou jeans. 95
  • 96. Camisa Básica Peça básica do guarda roupa feminino. Aparece em varias versões e estilos. Ex: Manga longa, curta, barra, quadrada, arredondada, etc. 96
  • 97. Blazer Clássico É um tipo de casaco na altura dos quadris, com gola e mangas. O abotoamento é de 3 botões. 97
  • 98. Top, Espartilho ou Corpete Tomara que caia: normalmente ajustado ao corpo seu comprimento é na altura da cintura, possui barbatanas nas costas. Usado no passado par afinar a cintura e levantar o busto. 98
  • 99. Blazer Jaquetão Possui abotoamento duplo, transpassado. Só pode ser usado abotoado. 99
  • 100. Spencer É um tipo de casaco de comprimento na cintura, geralmente com gola e mangas longas. É bem ajustado no corpo. 100
  • 101. Colete Básico É um tipo de casaco geralmente sem gola e sem mangas, de comprimento na cintura. É usado normalmente, sobre blusas ou camisas, abotoado na frente ou aberto. 101
  • 102. Bolero É um casaco de comprimento acima da cintura geralmente sem gola e geralmente com mangas. 102
  • 103. Cardigã Tipo de casaco na altura dos quadris, geralmente sem gola, podendo ser com ou sem mangas, confeccionado em tricô, linha ou bouclê. 103
  • 104. Blusa Cigana É uma blusa sem gola, de decote bateau, com mangas fofas. Essa blusa é presa nos ombros por elásticos. Pode ser larga ou ajustada no corpo. 104
  • 105. Pelerine É um tipo de capa, usado como complemento de roupas mais finas geralmente sem gola e confeccionada em tecidos leves. 105
  • 106. Capa Uma peça de vestuário que se usa como complemento; a altura pode variar, geralmente tem gola e é usada no inverno. 106
  • 107. Bustiê Espécie de soutien usado geralmente no verão, sozinho ou com uma camisa por cima. Camisa Regata Camiseta sem manga. 107
  • 108. Camiseta ou T-Shirt Possui forma de “T”, é clássica e universal. Usada também como divulgação de marcas e idéias. 108
  • 109. Blusa Básica Geralmente em malha, ajustada ao corpo, possui um grande número de variações. 109
  • 110. Camisete Camisa mais curta e ajustada. Possui pences. 110
  • 111. Casaco 7/8 Casaco com comprimento quase nos joelhos. As vezes possui na altura da cintura. 111
  • 112. Manteau Casacão em lã pesada, comprimento pero dos tornozelos. 112
  • 113. Vestidos Vestido Justo Afunilado É básico e clássico, possui numeras variações. Às vezes tem fenda, depende do tecido ou malha com o qual foi confeccionado. 113
  • 114. Vestido Tubo ou Reto A diferença entre este e o básico é que o tubo desce reto até a barra. 114
  • 115. Vestido Evasê Justo até o quadril, abrindo até a barra. 115
  • 116. Vestido Império ou Diretório Possui decote e é recortado sob o busto com franzido. Muito usado por gestantes. 116
  • 117. Vestido Cintura no Lugar Possui recorte na altura da cintura. 117
  • 118. Vestido Cintura Baixa ou Melindrosa Recorte abaixo da cintura. 118
  • 119. Vestido Blusado Possui recorte na cintura, rolotês ou elástico. 119
  • 120. Vestido Chemisier ou Vestido Camisa Possui abotoamento frontal e cinto. 120
  • 121. Vestido Godê ou Trapézio Cortado em godê. Não marca as formas do corpo. 121
  • 123. 123
  • 124. Masculino Contorno da Anatomia Masculina 124
  • 125. Movimento de Mãos e Braços 125
  • 127. Rosto Rosto Frente: Proporções e colocação dos órgãos 127
  • 128. Rosto ¾ - Proporção e colocação dos órgãos. 128
  • 129. Rosto Perfil: Proporção e colocação dos órgãos. 129
  • 131. Caracterização A moda masculina deixou a rigidez dos tempos antigos para tornar-se descontraída, deixando o homem mais livre. Os ternos de tecido liso, mesclados, ou com discreto aspecto de relevo na textura, acompanham o caimento macio e natural dos novos tempos. Conforme a moda, o paletó pode ter ombros, mais ou menos armados. Apresentam uma abertura traseira para maior conforto. As calças são largas e retas. Existem seguintes tipos de paletó: 1. Com abotoamento simples (2 botões). 2. Transpassados, estilo jaquetão (4 botões). As camisas também acompanham as oscilações da moda, com variações de gola, punhos e abotoamento. No traje esporte, o homem usa bermudas, bermudão, calças amplas, jaquetas, shorts, camisetas, regatas, jeans. No traje social e rigor, aparecem os ternos, blazers, smokings e spencers. O homem elegante sempre combina os sapatos sociais com as meias (que devem ser finas tipo Lupo). Já os tênis e mocassins esportivos devem ser usados com eia tipo soquete (grossa). As cores dos ternos são sempre as básicas (preto, marinho, cinza), mas s cores modernas podem ser usadas, desde que combinem com o restante do traje e com a personalidade de quem usa. As gravatas usuais são as lisas e as com listras finas e de cashemire, confeccionadas em seda. 131
  • 132. Paletó Clássico É um traje social, quando usando com uma calça confeccionada com o mesmo tecido, fazendo o conjunto chamado terno. É um traje esporte, quando constitui peça avulsa, de tecido diferente da calça; atualmente, é chamado de blazer. 132
  • 133. Paletó Jaquetão É um tipo de paletó transpassado, abotoado com quatro botões. Pode ser social ou esportivo, dependendo do tecido. 133
  • 134. Smoking e Summer (Branco) Smoking é um tipo de traje a rigor confeccionado em tecido de seda pesada e a gola, geralmente, é com tecido trabalhado ou acetinado. Summer é um paletó estilo Smoking, porém com tecido mais leve e cor branca, usado geralmente no verão. 134
  • 135. Fraque Tipo de traje a rigor para ocasiões solenes. 135
  • 143. Rosto 3/ 4 143
  • 147. Movimento Infantil Feminino 6/7 anos – Traje Esporte Verão 147
  • 148. 6/7 Anos – Traje Esporte Verão 148
  • 149. 6/7 Anos – Traje Esporte Verão 149
  • 150. 6/7 Anos - Traje Inverno 150
  • 151. 6/7 Anos - Traje Social 151
  • 152. 6/7 Anos - Traje Social 152
  • 153. 6/7 Anos - Traje Social 153
  • 154. Movimento Infantil Masculino 6/7 Anos – Traje Esporte 154
  • 155. 6/7 Anos – Traje Esporte 155
  • 156. 6/7 Anos – Traje Social 156
  • 157. 6/7 Anos – Traje Social 157
  • 158. 6/7 Anos – Traje Social 158
  • 159. 6/7 Anos – Traje Social 159
  • 160. Caracterização O guarda roupa mirim deve ser composto basicamente de peças simples, para permitir muitas combinações. Além disto, deve oferecer às crianças livre escolha para se vestir, respeitando sua individualidade. Prefira roupas de boa qualidade, cômodas, confortáveis e de acordo com o clima. No guarda roupa mirim, usam-se também acessórios, que têm finalidade de dar vida à peça básica e personalizá-la. Temos que pensar que criança não é adulto e não deve ser vestida como tal. Então, deixe-a escolher e ser feliz. Aviamentos Aviamentos são materiais utilizados para a confecção de uma roupa alem do tecido base. Nas grandes empresas a compra de materiais é responsabilidade de um setor especifico (setor de compras) e é coordenado por um profissional ou uma equipe que negocia preços, datas de entrega e prazos de pagamentos junto a fornecedores. Esse profissional nem sempre é familiarizado com a nomenclatura utilizada pelos estilistas para aviamentos (ex: “rabo de rato”, para elástico fino cilíndrico). Por isso, para evitar confusões no momento da compra, é preciso que o aviamento esteja identificado e catalogado, com uma identificação interna da empresa. Essa codificação é organizada pela engenharia de produtos, através de um catalogo onde é anexada uma amostra do aviamento, seu catalogo, seu código interno e sua descrição pormenorizada, especificando inclusive as cores em que o mesmo pode ser adquirido. Exemplo: Descrição: fita de Cetim 8 mm Referencia: CETOS Fornecedor: Fitas Progresso Cores: 001- Branco; 999-Preto; 316-Vermelho; 740-Verde Metragem por peça: 10 m As grandes empresas chegam a organizar várias vias do catálogo de amostra de aviamentos, permanecendo uma com o setor de compras, outra com o setor de engenharia de produto (responsável pelas atualizações de todos os catálogos) e outra com o setor de desenvolvimento de produtos. 160
  • 161. Um catálogo também se faz necessário pra o setor de almoxarifado ou recebimento de materiais, para conferir se o aviamento que está sendo entregue corresponde ao que foi solicitado. Em empresas menores um único catálogo circula pelos três setores, pois não poucas vezes, é a mesma pessoa que exerce as três funções (empresária estilista, compradora). Existe ainda situação em que o setor de compras recebe apenas uma listagem com códigos e a descrição, mas sem a amostra do aviamento. É responsabilidade do design de moda, obter as amostras em números suficiente para que todos os setores que utilizam catálogos de aviamentos possam mantê-los atualizados. Algumas empresas adotam políticas especificas para a aquisição de aviamentos. Uma delas: o fornecedor deve oferecer sem custo para a empresa, os aviamentos a serem utilizados na pilotagem e mostruário. A empresa só efetuará compra do aviamento caso surjam pedidos dos modelos nos quais ele foi utilizado. Todos os aviamentos devem ser listados na ficha técnica do produto, com o respectivo consumo por peça. Através da ficha técnica, o PCP (Planejamento e Controle de Produção) poderá transmitir ao setor de compras a quantidade a ser comprada de cada aviamento e sem que data o pedido entrará em produção (para programar data de entrega do aviamento em tempo). Classificação dos Aviamentos Os aviamentos podem ser classificados quanto á sua função e quanto sua visibilidade na roupa. Quanto à função os aviamentos podem ser componentes ou decorativos, quanto à visibilidade podem ser aparentes ou não aparentes. FUNÇÃO VISIBILIDADE Componentes Decorativo Aparente Não Aparente Aviamentos utilizados na confecção da peça, sem o qual a mesma não pode existir. Ex: linha, zíperes, botões funcionais, etiquetas de composição, de tamanho, de CNPJ, de instruções de conservação Aviamento utilizado apenas como adorno, mas sem característica funcional. Ex: franja patches (aplicações bordadas), etiquetas decorativas, puxadores de zíper decorativo. Aviamentos que são visíveis após a peça confeccionada. Ex: botões zíper, bordados, etiquetas de tamanho ou composição. Aviamentos que ficam no interior da peça. Ex: entretelas e elásticos. 161
  • 163. Tecidos * Tipo * Cor e sua influência * Combinações de cores Tecidos – Tipos Os tecidos dividem-se de acordo com sua textura em 2 grupos: leves e pesados. Os tecidos leves pode ser transparentes, opacos, de bom caimento e armados. Os pesados são armados e de bom caimento. Fazem parte do primeiro grupo: organza, musselines, organdi, gaze, voil de seda, voil de algodão, crepe georgette, palha de chiffon, chilon, lingerie de nylon, lingerie de seda pura, cambraia pele de ovo, bandagem, filó, point d espirit, malha fria, crepe de seda, chints, viscose, challes, devorê, popeline, tule. Fazem parte do segundo grupo: brim, jenas, gabardine, chantung Dior, tussor de seda, crepe peau d’ ange, lã, veludos, camurças, crepe madame, jérsei, malhas, linho, sarja, brim acetinado, cirê, chamalote (moiré), plush, brocado, jacar, fustão, colegial, fustão piquê, lycra, lamê, malha lurex, cetim duchese, cetim charmeuse, anaruga, (crepom), crepe indiano, cetim de algodão, laise de algodão, panamá, praiana. De acordo com a matéria prima de que são confeccionados, os tecidos dividem-se: naturais, sintéticos e compostos Os tecidos naturais são de origem vegetal ou animal. Ex: algodão, linho, seda. Os tecidos compostos – maioria na atualidade - apresentam fibras artificiais mescladas, em maior ou menor proporção, às fibras naturais. Combinações Para haver uma boa combinação de tecidos é sempre bom jogar o mesmo tipo. Ex: seda com seda, algodão com algodão. Você pode fazer misturas loucas, mas, em pequenos detalhes, bem estudados e combinados, verificando peso, caimento, etc. Detalhes – Brilho e fosco: cetim de seda é um tecido de brilho, deve ser jogado com uma seda fosca. Peso – O tecido tem peso, cada um diferente do outro. As misturas deve ser bem estudadas neste sentido, para haver um bom caimento e uma boa combinação de detalhes. Não se deve jogar uma saia muito pesada com uma blusa muito leve 163
  • 164. (vestido), pois o peso daquela repuxaria esta. Ex: saia de jérsei ou veludo presa em blusa de musseline. Um tecido inferior, tipo algodão, todo rebordado em pedrarias, brilhantes, pesaria pelo excesso e mau gosto. Um vestido leve, com pouco pano e forro pesado, pesa, por não combinar. Qualidade dos Tecidos I. Musseline de seda, organza, crepes de seda voil de seda, tule: são usados para modelos toalete com muita roda. Aproveitando a leveza, pode jogar vários metros, para dar idéia esvoaçante. Dão idéia. II. Crepe madame, linho, jérsei, malha: são tecidos pesados, de bom caimento muito usado para pessoas mais adultas. III. Voil de algodão, linho popeline, viscose, garbadine: são próprios para a moda jovem pois rejuvenescem e para a moda esportiva. IV. Veludos, plush e lã: tecidos a serem combinados com os tipos de modelos a serem confeccionados. Tecidos – Cor e sua Influência Preto - emagrece, entristece, requinta. Branco – engorda ilumina. Verde – empalidece, pede loura ou ruiva, alem de muita maquilagem. Azul (claro) – core de verão, enfeita, suavizando, refresca. Rosa – cor de verão; enfeita, alegrando. Vermelho – é uma cor especial para ser usada conforme a hora e pessoa. Em alguns, da um ar alegre e requintado. Em outra vulgariza a personalidade. Bege – vai bem com todos os tons, mas pede pele rosada. Café – encarde, pede pele clara. Cinza – entristece. Vinho e Roxo – são cores de ocasião, pede pele clara e gente animada. Tecidos – Combinações de Cores Roxo – limão, vede água, rosa salmão, bege, branco, cinza, vermelho, laranja, lilás. Preto – todas as cores, menos marinho e café. 164
  • 165. Vermelho – branco marinho, azulão, turquesa, verde, café, bege, preto, cinza. Para combinar com o amarelo, tem eu passar pelo laranja. Verde (escuro) – lilás, branco, bege, café, preto, laranja, vinho, rosa. Amarelo (ouro) – branco, café, bege, marinho, azulão, verde, cinza e roxo. Rosa (shocking) – branco, azul marinho, vinho, verde, cinza, roxo. Turquesa – laranja, vermelho, limão, café, marinho, branco. Rosa salmão – café, vinho, cinza, verde. Verde água – marinho, verde bandeira, café, roxo, bege. Rosa fuccia – rosa claro, lilás, marinho, branco, bege, cinza, verde petróleo. Ocre – café, rosa, laranja, verde água, verde limão, verde musgo, amarelo claro, preto, bege. Bege – com todas as cores. Atividade Complementar Desenhe em uma folha, 3 saias e 3 blusas coloridas, combinando cores. Fabricação do Tecido O processo de fabricação do tecido abrange quatro grandes etapas: Matérias-Primas Têxteis Definição: Todo aquele material que submetido a um processo adequado de elaboração é suscetível de ser fiado. Constitui a matéria-prima para a indústria têxtil. Propriedades que devem ser consideradas nas fibras  Finura  Comprimento  Resistência à torção  Elasticidade  Flexibilidade  Absorção de umidade  Coloração  Suavidade  Brilho 165
  • 166. As propriedades das fibras são transmitidas ao fio e, consequentemente, ao tecido. Algodão Largamente conhecido pelas suas variada aplicações, é de grande valor industrial. É a matéria-prima de maior e mais importante aplicação na fabricação de tecidos. O algodão é uma pluma que envolve as sementes contida no capulho de uma planta da família da malváceas e a pluma com outra que corresponde aos padrões oficiais, se utilizando, para tanto, a visão e o tato. Os principais algodões brasileiros e suas respectivas regiões do cultivo são: Algodão Seridó – Melhor qualidade, é uma planta perene e suas fibras se apresentam com um comprimento de 34 mm para mais. São apropriadas para fios finos, bem como para misturas com fibras químicas. É cultivado na região nordeste do país. Algodão Sertão – Também cultivado na região nordeste, é uma planta perene que produz fibras de cores branco e creme (semelhante à cor do Seridó), de comprimento de 32/34 mm, apropriadas para fios finos. Algodão Meridional – Cultivado na região centro-sul do país (principalmente nos estados: São Paulo, Paraná, Minas, Goiás, Mato Grosso), é uma planta e suas fibras se apresentam com comprimento de 30/32 mm, de cores branco, creme, cinza. Por ser um algodão pouco sedoso e de comprimento e resistência inferiores, às dos algodões Seridó e Sertão, é utilizado para a produção de fios chamados cardados. Propriedades  É uma fibra forte e resistente. As roupas suportam muito bem às frquentes lavagens.  É de fácil tingimento.  Absorve e elimina com facilidade a umidade, permitindo a transpiração do corpo com normalidade.  Tem boa resistência à abrasão.  É uma fibra fresca e se lhe pode introduzir propriedades térmicas (flanelagem).  É empregada em mescla com outras fibras a fim de incorporar suas qualidades à mista. 166
  • 167. Classificação A classificação da Qualidade do Algodão é feita quando este já está descaroçado na Beneficiadora. Esta classificação é por números (1, 2, 3, 4, 5, 6,7). Quanto mais alto o número, pior a qualidade. O padrão de qualidade leva em conta o comprimento da fibra, a resistência, a tonalidade, as impurezas, etc. Poliéster Fibra sintética obtida pela polimerização de matéria-prima oriunda do petróleo. A fibra Poliéster possui excelentes características anti-rugas e por esta propriedade a sua baixa absorção de umidade, é ideal para prensas de secura rápida sem necessidade de passadaria. Mescladas com algodão ou outras fibras, translada as suas propriedades ao tecido, principalmente quando a porcentagem de poliéster empregada é igual ou superior. Fios Fio Fiado Fio de fibras descontinuas. Processo de Fiação Cardado Penteado O fio cardado é geralmente utilizado em tecidos pra roupas, colchas, lençóis, toalhas, etc. O fio penteado é utilizado em tecidos finos para camisas, malhas, meias, etc. Fio Cru: Fio sem nenhum tratamento após sair da fiação. Fio Tinto: Fio obtido da matéria-prima já tingida, ou fio tingido depois da fiação. Fio Singelo: Fio de um só cabo. Fio Retorcido: Formado pelo retorcimento de dois ou mais fios singelos. Fio Misto: Composto de duas ou mais fibras, ou seja, de matérias-primas diferentes. Fio End: Fio enrijecido adequado para ÍNDIGO, normalmente fabricado com Algodão tipo 6. Fio Filamento: Fio Contínuo obtido por processo químico. 167
  • 168. 168 O filamento pode ser empregado diretamente no tecido ou pode ser cortado e FIADO com outra fibra. Fio Fiado versus Filamento: Algumas vantagens do tecido feito com fio fiado poliéster / algodão:  O tecido é menos quente, permite melhor a ventilação.  O tecido absorve a transpiração do corpo, sendo, portanto, mais higiênico.  O tecido fica leve e ao mesmo tempo reduz o contato direto da fibra química com o corpo.  O tecido se mantém mais apoiado sobre o corpo, não sendo escorregadio, como ocorre com o filamento.