SlideShare uma empresa Scribd logo
1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
INSTITUTO DE BIOLOGIA
CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ENGENHARIA AGRONÔMICA
DISCIPLINA DE MORFOLOGIA VEGETAL

APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL

Material

editado

pelos

graduandos Cláudia Cristina Alves
Lima,

Laíce

José

da

Welerson Santos Castro

2006

Silva

e
2

RAIZ

Introdução:
A raiz é o órgão da planta que geralmente cresce
dentro do solo fixando a planta, bem como,
absorvendo a água e os sais minerais em solução.
As raízes podem ainda, realizar funções especiais,
tais como armazenamento de reservas nutritivas e
aeração, divergindo dos tipos mais comuns.
As raízes são caracterizadas como órgãos
cilíndricos, subterrâneos e aclorofilados que
apresentam geotropismo positivo e fototropismo
negativo.
Suas
ramificações
originam-se
internamente (endógenas) e estão distribuídas
irregularmente em toda a sua extensão.
Externamente, a raiz distingue-se do caule por
não apresentar nós e internós, nem gemas laterais
ou folhas, salvo poucas exceções como, por
exemplo, as raízes gemíferas (raízes subterrâneas
superficiais que apresentam gemas, capazes de
regenerar a parte aérea).
Origem:
No interior da semente há uma planta em
miniatura – o embrião – que consiste do eixo
hipocótilo-radicular. Este eixo possui na sua porção
superior, um ou mais cotilédones mais a plúmula, o
primórdio do sistema caulinar, e na porção inferior
está a radícula, o primórdio do sistema radicular, já
revestida pela coifa, que é um tecido de proteção.
Os primórdios do sistema caulinar e radicular
podem se apresentar apenas como um conjunto de
células meristemáticas indiferenciadas ou já podem
formar um sistema caulinar embrionário (caule e
folhas em miniatura) e uma raiz embrionária
(radícula).
Após a germinação da semente a radícula se
distende por alongamento e divisão de suas células,
formando a raiz primária.
Morfologia externa:
As raízes, primárias e laterais, adventícias ou
não, têm as mesmas características e a mesma
conformação geral, e nelas podemos observar as
mesmas regiões a partir de sua extremidade livre
(fig. 1), ou seja: coifa, zona lisa ou de crescimento,
zona pilífera, zona suberosa ou de ramificação.

Coifa
A coifa, também denominada caliptra, é um tecido
que reveste o ápice vegetativo da raiz, protegendo o
meristema apical. Suas células são vivas e estão em
contínua divisão. As células mais velhas, situadas na
periferia, vão morrendo e se destacando, sendo
continuamente substituídas por células novas recém
formadas.
As espécies aquáticas, geralmente, apresentam
coifas bem desenvolvidas para proteger o meristema
apical do ataque de microorganismos, abundantes no
meio aquático. Exemplo vitória-régia (Victoria amazonica
- Nymphaeaceae).

Figura 1 – Morfologia externa
Zona lisa ou Zona de crescimento
Nesta região, imediatamente acima do ápice
meristemático, as células recém formadas estão se
alongando rapidamente, promovendo assim, o
crescimento longitudinal da raiz. Não há pêlos
absorventes nessa zona.
Zona pilífera ou Zona dos pêlos absorventes
Esta região é caracterizada pela presença dos pêlos
absorventes, também denominados pêlos radiciais ou
radiculares. Esses pêlos são prolongamentos das
células epidérmicas e têm como função absorver a água
e os minerais necessários à vida da planta, aumentando,
em muitas vezes, a superfície de absorção das raízes.
Os pêlos radiculares têm duração limitada e à
medida que novos pêlos vão sendo formados, os mais
antigos vão sendo eliminados. No entanto, nem todas as
3
espécies apresentam pêlos absorventes como, por
exemplo, o aguapé (Eichhornia crassipes Pontederiaceae).
Zona suberosa ou de ramificação
Esta é a região mais velha da raiz, localizada
logo acima da zona pilífera, e que pode ser
facilmente reconhecida pelo seu aspecto escurecido
e rugoso. Após a queda dos pêlos absorventes mais
velhos, as células epidérmicas e das camadas
subjacentes, suberinizam suas paredes, formando
um envoltório protetor para a raiz.
Nessa região são formadas as raízes laterais, e
por isto, ela é também denominada zona de
ramificação.
Observação: O colo ou coleto é a região de
transição entre raiz e caule. Nos cortes histológicos
essa região pode ser facilmente identificada, devido
às modificações observadas na distribuição do
xilema e floema que, na raiz primária, estão
distribuídos de maneira alternada e, no caule
primário, reunidos em feixes.

ainda está presente). As raízes adventícias formam-se a
partir de outros órgãos, principalmente a partir do caule.
O sistema radicular fasciculado é então, um sistema
formado por muitos meristemas e não apenas pelo
meristema presente na radícula do embrião, e ocorre em
monocotiledôneas.

Figura 2 – Sistema pivotante ou axial

A raiz e o meio:
As raízes podem ser classificadas, segundo o
meio em que se encontram, em: terrestres, aquáticas
e aéreas.
Terrestres ou subterrâneas
Raízes que se desenvolvem nas plantas que
crescem em solos firmes. Entre essas raízes
podemos observar dois tipos fundamentais de
sistemas radiculares:
Sistema pivotante ou axial: apresenta uma raiz
principal, maior e mais desenvolvida, que penetra
perpendicularmente no solo e forma muitas raízes
secundárias, cada vez mais finas, que crescem em
direção oblíqua (fig. 2). Nesse sistema todas as
raízes são formadas a partir de um único meristema,
ou seja, a partir do meristema presente na radícula
do embrião, e ocorre em gimnospermas e
dicotiledôneas.
Sistema radicular fasciculado ou em cabeleira:
formado por inúmeras raízes adventícias, uma vez
que, a raiz primária não tem um desenvolvimento
acentuado (fig. 3), ou logo se degenera. Essas novas
raízes crescem rapidamente, tornando impraticável a
distinção entre elas e a raiz primária (quando ela

Figura 3 – Sistema radicular fasciculado
Aquáticas
Raízes que se formam em plantas aquáticas e
destacam-se pela abundância em aerênquima, um
tecido com um grande volume de espaços internos, que
auxiliam a planta na flutuação e na respiração.
As plantas aquáticas podem ser classificadas em:
Lodosas: plantas aquáticas que possuem as raízes
fixas no substrato, nos pântanos e no fundo de rios e
lagos. Exemplo: vitória-régia (Victoria amazônica Nymphaeaceae).
Natantes: plantas aquáticas que flutuam livremente na
água (fig. 4). Exemplo: aguapé (Eichhornia crassipes,
Pontederiaceae).
4

Figura. 4 – Raiz aquática
Aéreas
Raízes que se desenvolvem parcialmente ou
totalmente em contato com a atmosfera,
apresentando as mais diversas adaptações
estruturais e funcionais. As raízes aéreas são
comuns entre as plantas epífitas e são todas
consideradas adventícias quanto à origem.
Tipos especiais de sistemas radiculares:
Quando as raízes desenvolvem diferentes
funções, além da fixação e absorção, elas
geralmente apresentam características morfológicas
especiais. Dentre elas, podemos destacar:
Raízes subterrâneas
Tuberosas: desenvolvem-se como estruturas de
reserva, tornando-se intumescida, apresentando ou
não crescimento anômalo em espessura (fig. 5). O
acúmulo de substâncias de reserva pode ocorrer na
raiz principal, como em cenoura (Daucus carota,
Apiaceae), ou nas raízes laterais, como em batata
doce (Ipomoea batatas, Convolvulaceae). As raízes
de reserva são comuns em plantas que crescem em
regiões secas ou que apresentam invernos
rigorosos, reservando água e alimento para a planta
por longos períodos.

Contráteis: possuem a capacidade de contrair-se e, ao
fazerem esta contração, aprofundam-se no solo,
puxando para baixo as partes da planta onde estão
inseridas. Tais raízes são
reconhecidas por
apresentarem a superfície enrugada transversalmente.
Em geral, as raízes primárias são contráteis, o que
permite o aprofundamento de sementes que chegam
naturalmente ao solo (sem interferência primária). Ao
permitirem o aprofundamento de cormos, bulbos e
rizomas no solo, estão protegendo as gemas vegetativas
de inúmeras adversidades, como o fogo ou a seca, que
ocorre na superfície. Exemplos: ginseng (Panax ginseng,
Araliaceae) e lírio (Lilium sp. - Liliaceae).
Raízes aéreas
Suporte: apresentam um sistema radicular bem
desenvolvido, formando outras raízes adventícias acima
do solo denominadas de raízes suporte. Essas raízes
formam-se especialmente naquelas plantas nas quais
haveria perda de estabilidade, seja pelo fato do
substrato não oferecer apoio suficiente como plantas
que crescem no solo encharcado do mangue (fig. 6)
como, por exemplo, pandano (Pandanus sp. Pandanaceae), ou ainda pelo fato da planta ser
relativamente alta para sua reduzida base de apoio
como, por exemplo, o milho (Zea mays - Poaceae). Além
da função de auxiliar no equilíbrio do indivíduo, as raízes
suporte também têm papel na fixação e absorção de
nutrientes.

Figura. 6 – Raiz suporte

Figura. 5 – Raiz tuberosa

Tabulares: denominadas por lembrarem o aspecto de
tábuas ou pranchas verticais, dispostas radialmente em
torno da base do caule, e servem para aumentar a base
de apoio de plantas de grande porte, auxiliando no
equilíbrio e na sustentação do tronco, além de
5
aumentarem a superfície de aeração. Essas raízes
tabulares são variações das raízes suporte e
encontradas em algumas grandes árvores das
florestas tropicais úmidas como, por exemplo,
figueiras (Ficus sp., Moraceae) e chichá (Sterculia
chicha - Sterculiaceae).
Escora: quando a copa da árvore alcança grande
desenvolvimento, numerosas raízes adventícias
começam a formar-se a partir dos ramos laterais e,
ao atingirem o chão, penetram no solo, ramificam-se
e começam a apresentar um crescimento em
espessura tão acentuado de sua parte aérea que
logo se confundem com o caule. Essas raízes
também assumem a função de caule, isto é, passam
a auxiliar na condução da água e sais minerais do
solo até a copa. Exemplo: as raízes escora formamse em algumas figueiras (Ficus bengalensis,
Moraceae).
Cintura ou estrangulante: uma variação de raiz
escora é o que se vê nas figueiras mata-pau (Ficus
sp. - Moraceae) que iniciam sua vida como epífitas.
O indivíduo jovem forma inúmeras raízes adventícias
que envolvem o tronco da planta hospedeira, como
um denso sistema radicular. Essas raízes crescem
em direção ao solo e, ao atingi-lo, ramificam-se e
começam a crescer em espessura, especialmente
nas partes aéreas. Durante os primeiros anos a
hospedeira e a epífita convivem bem, mas ao
mesmo tempo em que as raízes da epífita vão se
espessando, o caule da planta hospedeira também
começa a espessar-se, até o momento em que este
crescimento começa a ser dificultado. O mata-pau
pode continuar o espessamento em suas superfícies
livres, mas a planta hospedeira é impedida de
desenvolver-se, e acaba morrendo, daí o nome
raízes cintura ou estrangulante. Embora essas raízes
sejam chamadas de raízes estrangulante, este termo
é inadequado, pois essas raízes não estrangulam
(processo ativo) o caule da hospedeira, mas
simplesmente impedem o seu crescimento em
espessura (processo passivo). No entanto, se a
hospedeira do mata-pau for uma palmeira, ambas
podem conviver por muitos anos, isto porque as
palmeiras geralmente apresentam apenas um
pequeno crescimento em espessura do seu caule ao
longo dos anos.
Grampiformes ou aderentes: permitem a fixação
do vegetal em lugares íngremes como muros e

pedras. Essas raízes formam-se voltadas para o
substrato, geralmente em grupos, na face sombreada do
caule. Nas raízes grampiformes ou aderentes a função
de absorção de água e sais é realizada quase que
completamente pelas outras raízes da planta que se
fixam no solo. Essas raízes podem ser encontradas em
hera (Hedera helix - Araliaceae) e hera-miúda (Ficus
repens - Moraceae).
Pneumatóforos: são raízes que emitem ramificações
verticais ascendentes, de geotropismo negativo, que
crescem para fora do solo encharcado dos mangues e
pântanos como, por exemplo, (Rhizophora mangle Rhizophoraceae). Essas raízes apresentam estruturas
de aeração, semelhantes às lenticelas do caule,
denominadas pneumatódios, que auxiliam a planta na
obtenção do oxigênio atmosférico, tão escasso no solo
encharcado.
Sugadoras ou haustórios: as plantas parasitas
necessitam retirar água ou seu alimento de um
hospedeiro, com prejuízos para o mesmo. Para isto,
apresentam um tipo especial de raiz denominada raiz
sugadora ou haustório. No ponto de contato do caule da
planta parasita com o hospedeiro forma-se, inicialmente,
uma raiz adventícia discóide, semelhante a uma ventosa
denominada apressório. Algumas células do centro do
apressório penetram na casca do hospedeiro, formando
os haustórios, que se ramificam e crescem até atingir os
tecidos vasculares do hospedeiro. Existem dois tipos de
parasitismo:
Holoparasitismo: quando a planta parasita é
desprovida de clorofila, pelo menos em quantidades
mínimas necessárias para a sua manutenção. Neste
caso, a planta parasita precisa retirar do hospedeiro a
água e todos os nutrientes necessários à sua
sobrevivência como, por exemplo, o cipó-chumbo
(Cuscuta racemosa - Convolvulaceae).
Hemiparasitismo: quando a planta parasita depende
parcialmente do hospedeiro, retirando apenas água e
sais minerais, pois realiza a sua fotossíntese pelas
folhas e ramos jovens clorofilados. Exemplo: erva-depassarinho (Struthanthus flexicaulis - Loranthaceae).
Algumas raízes mantêm relações simbiônticas com
outros seres vivos. De acordo com a associação
simbiótica entre fungos e bactérias nas raízes são
reconhecidas:
6
Micorrizas: relação simbiótica entre certas raízes e
os fungos, sendo comum em várias plantas,
principalmente em espécies de florestas úmidas ou
em orquídeas. As micorrizas desempenham um
papel extremamente importante aumentando a
absorção de fósforo e outros minerais essenciais às
plantas. Podem ser ectotróficas ou ectomicorrizas,
quando as hifas do fungo envolvem externamente a
raiz, ficando apenas entre as células epidérmicas e
corticais, sem penetrá-las, ou endotróficas ou
endomicorrizas, quando as hifas do fungo
efetivamente penetram as células corticais da raiz,
através de suas paredes. As orquídeas e muitas
espécies saprófitas apresentam micorrizas em suas
raízes.
Nódulos radiculares: aparecem nas raízes de
muitas plantas da família Leguminosae ou
Fabaceae, como conseqüência da infestação por
bactérias fixadoras de N2 atmosférico (fig. 7). Essas
bactérias penetram na raiz por meio dos pêlos
radiculares, passam até as células corticais,
multiplicam-se e estimulam tais células a se
dividirem, formando assim o nódulo. As bactérias
são responsáveis pelo processo de fixação do
nitrogênio, isto é, transformam o N2 (gás) disponível
no solo para NH4+ (nitrato), que é a forma em que o
nitrogênio é utilizável pelas plantas. Trata-se, enfim,
de uma associação simbiótica de grande importância
adaptativa para as plantas que a apresentam, pois
lhe permite obter nitrogênio (via atividade bacteriana)
em solos pobres neste nutriente essencial.

Figura. 7 – Nódulos radiculares
Velame: algumas das adaptações morfológicas mais
notáveis das epífitas envolvem a diferenciação de
raízes especiais com a função de acumular a água
da umidade atmosférica ou da superfície do
hospedeiro. Nas orquídeas (Orchidaceae) pode
existir um tecido armazenador de água no caule
(pseudobulbos), nas folhas, ou nas raízes que são

dotadas de uma epiderme pluriestratificada denominada
velame. As células do velame são mortas e altamente
higroscópicas, mas experimentos realizados colocandose fósforo radioativo em solução, na superfície dessas
raízes demonstraram que a entrada de água no velame
é um processo puramente passivo. Portanto, o termo
raiz absorvente usado para este tipo de raiz é totalmente
inadequado.
Ausência de raiz em plantas vasculares: o conceito
de epifitismo
Algumas plantas podem não apresentar raízes, como
por exemplo, quase todos os representantes da família
Bromeliaceae. Estas plantas têm como forma de vida o
epifitismo. Uma epífita é uma planta autótrofa e autosuficiente que vive sobre algum substrato, em geral
outra planta. Neste caso, não prejudica sua hospedeira,
pois dela nada retira (inquilinismo).
Nas Bromeliaceae epifíticas, freqüentemente o
sistema radicular é reduzido à função fixadora (raízes
grampiformes) ou as raízes podem estar completamente
ausentes como em barba-de-velho (Tillandsia usneoides
- Bromeliaceae). Nessas bromélias, a absorção de água
e sais é feita por meio de tricomas especiais da
epiderme das folhas e do caule, que são escamas
absorventes. Nessas escamas, as células centrais e do
pé são vivas, mas as células periféricas são mortas e
seu arranjo com paredes desigualmente espessadas
possibilitam alta capacidade higroscópica.
As principais famílias com espécies epifíticas são
Gesneriaceae, Cactaceae, Rubiaceae, Asclepiadaceae,
Solanaceae, Bromeliaceae e Orchidaceae. Nestas duas
últimas famílias as espécies são quase todas epifíticas,
e a maior parte das angiospermas epifíticas da região
Neotropical pertencem a essas duas famílias.
Ecologicamente, epífita é uma planta perene que não
produz nem mantém caules maciços e ramos lenhosos.
As epífitas têm de sobreviver com um substrato
externamente pobre em nutrientes e dependem da água
da chuva ou da neblina e do pequeno acúmulo de
matéria orgânica trazida por animais e de um suprimento
de água bastante errático (embora a planta possa
encharcar durante as chuvas, vive como num deserto
quando está ventando).

Modificações radiculares
Algumas espécies apresentam raízes onde as
modificações são mais acentuadas para atender a
funções especiais:
7

Gavinhas: as raízes transformam-se em estruturas
de fixação semelhantes a uma mola. Enrolam-se ao
tocar em um suporte porque são sensíveis ao
estímulo do contato. Exemplo: (Vanilla sp. Orchidaceae).
Espinhos: em algumas buritiranas (Arecaceae) as
raízes podem transformar-se em espinhos. Vale a
pena lembrar que o espinho é uma estrutura
complexa, um órgão modificado (raiz, caule ou folha)
e que, portanto, apresenta tecido de revestimento,
sustentação e até mesmo vascularização própria,
enquanto o acúleo das roseiras é apenas uma
formação epidérmica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Camila Rossi
 
Plantas: Raiz
Plantas: RaizPlantas: Raiz
Plantas: Raiz
00367p
 
Bio tqf orgveg
Bio tqf orgvegBio tqf orgveg
Bio tqf orgveg
arvoredenoz
 
Orgaos vegetais
Orgaos vegetaisOrgaos vegetais
Orgaos vegetais
jonathacioly
 
Anatofisiologia vegetal
Anatofisiologia vegetalAnatofisiologia vegetal
Anatofisiologia vegetal
le_firmino
 
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos EduardoOrganologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
 
Raiz
RaizRaiz
Morfologia externas das angiospermas
Morfologia externas das angiospermasMorfologia externas das angiospermas
Morfologia externas das angiospermas
Janaina Giacomossi
 
Morfologia e anatomia de caule e raíz
Morfologia e anatomia de caule e raízMorfologia e anatomia de caule e raíz
Morfologia e anatomia de caule e raíz
letyap
 
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
adrianapaulon
 
3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal
Marcus Magarinho
 
Biologia - Fisiologia das Angiospermas
Biologia - Fisiologia das AngiospermasBiologia - Fisiologia das Angiospermas
Biologia - Fisiologia das Angiospermas
José Henrique Soares Paiva
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
alinesantana1422
 
Raízes e sementes
Raízes e sementesRaízes e sementes
Raízes e sementes
Airton Dos Santos
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
Priscila Belintani
 
2 caule e folhas
2 caule e folhas2 caule e folhas
2 caule e folhas
Cristóvão Lopes
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
rafaelmoysessegundof
 
Raiz, Caule e Folha
Raiz, Caule e FolhaRaiz, Caule e Folha
Raiz, Caule e Folha
Rosa Pereira
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
Fatima Comiotto
 
Raiz
RaizRaiz

Mais procurados (20)

Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
 
Plantas: Raiz
Plantas: RaizPlantas: Raiz
Plantas: Raiz
 
Bio tqf orgveg
Bio tqf orgvegBio tqf orgveg
Bio tqf orgveg
 
Orgaos vegetais
Orgaos vegetaisOrgaos vegetais
Orgaos vegetais
 
Anatofisiologia vegetal
Anatofisiologia vegetalAnatofisiologia vegetal
Anatofisiologia vegetal
 
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos EduardoOrganologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Morfologia externas das angiospermas
Morfologia externas das angiospermasMorfologia externas das angiospermas
Morfologia externas das angiospermas
 
Morfologia e anatomia de caule e raíz
Morfologia e anatomia de caule e raízMorfologia e anatomia de caule e raíz
Morfologia e anatomia de caule e raíz
 
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
 
3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal
 
Biologia - Fisiologia das Angiospermas
Biologia - Fisiologia das AngiospermasBiologia - Fisiologia das Angiospermas
Biologia - Fisiologia das Angiospermas
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Raízes e sementes
Raízes e sementesRaízes e sementes
Raízes e sementes
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
 
2 caule e folhas
2 caule e folhas2 caule e folhas
2 caule e folhas
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Raiz, Caule e Folha
Raiz, Caule e FolhaRaiz, Caule e Folha
Raiz, Caule e Folha
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 

Destaque

FUNDAMENTOS DE BIOQUIMICA
FUNDAMENTOS DE  BIOQUIMICAFUNDAMENTOS DE  BIOQUIMICA
FUNDAMENTOS DE BIOQUIMICA
Gregorio Leal da Silva
 
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
Gregorio Leal da Silva
 
Imunologia
Imunologia Imunologia
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - EmbrapaConceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Gregorio Leal da Silva
 
apostila de embriologia
apostila de embriologiaapostila de embriologia
apostila de embriologia
Gregorio Leal da Silva
 
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
Gregorio Leal da Silva
 
Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia
Gregorio Leal da Silva
 
Exercícios sobre Divisão Celular
Exercícios sobre Divisão Celular Exercícios sobre Divisão Celular
Exercícios sobre Divisão Celular
Gregorio Leal da Silva
 
Ornitologia Básica
Ornitologia Básica Ornitologia Básica
Ornitologia Básica
Gregorio Leal da Silva
 
APOSTILA ZOOLOGIA DOS VERTEBRADOS
APOSTILA ZOOLOGIA DOS  VERTEBRADOSAPOSTILA ZOOLOGIA DOS  VERTEBRADOS
APOSTILA ZOOLOGIA DOS VERTEBRADOS
Gregorio Leal da Silva
 
ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS
Gregorio Leal da Silva
 
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética MolecularMecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
Gregorio Leal da Silva
 
學生製作~大學這四年
學生製作~大學這四年學生製作~大學這四年
學生製作~大學這四年
Lia Mung
 
SMALL // MEDIUM BUSINESS + NON-PROFIT > portfolio // Linda C. Modica
SMALL // MEDIUM BUSINESS + NON-PROFIT > portfolio // Linda C. ModicaSMALL // MEDIUM BUSINESS + NON-PROFIT > portfolio // Linda C. Modica
SMALL // MEDIUM BUSINESS + NON-PROFIT > portfolio // Linda C. Modica
Linda Modica
 
publised book cover
publised book coverpublised book cover
publised book cover
ike Tandoh
 
Moments of a day...
Moments of a day...Moments of a day...
Moments of a day...
Anna Vasileiadi-Dardalis
 
Encontros de Vinhos 2014
Encontros de Vinhos 2014Encontros de Vinhos 2014
Encontros de Vinhos 2014
Daniel Perches
 

Destaque (19)

FUNDAMENTOS DE BIOQUIMICA
FUNDAMENTOS DE  BIOQUIMICAFUNDAMENTOS DE  BIOQUIMICA
FUNDAMENTOS DE BIOQUIMICA
 
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
 
Imunologia
Imunologia Imunologia
Imunologia
 
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - EmbrapaConceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
 
apostila de embriologia
apostila de embriologiaapostila de embriologia
apostila de embriologia
 
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
 
Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia
 
Exercícios sobre Divisão Celular
Exercícios sobre Divisão Celular Exercícios sobre Divisão Celular
Exercícios sobre Divisão Celular
 
Ornitologia Básica
Ornitologia Básica Ornitologia Básica
Ornitologia Básica
 
APOSTILA ZOOLOGIA DOS VERTEBRADOS
APOSTILA ZOOLOGIA DOS  VERTEBRADOSAPOSTILA ZOOLOGIA DOS  VERTEBRADOS
APOSTILA ZOOLOGIA DOS VERTEBRADOS
 
ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS
 
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética MolecularMecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
 
學生製作~大學這四年
學生製作~大學這四年學生製作~大學這四年
學生製作~大學這四年
 
SMALL // MEDIUM BUSINESS + NON-PROFIT > portfolio // Linda C. Modica
SMALL // MEDIUM BUSINESS + NON-PROFIT > portfolio // Linda C. ModicaSMALL // MEDIUM BUSINESS + NON-PROFIT > portfolio // Linda C. Modica
SMALL // MEDIUM BUSINESS + NON-PROFIT > portfolio // Linda C. Modica
 
publised book cover
publised book coverpublised book cover
publised book cover
 
Moments of a day...
Moments of a day...Moments of a day...
Moments of a day...
 
σταυροφορίες
σταυροφορίεςσταυροφορίες
σταυροφορίες
 
Doc2
Doc2Doc2
Doc2
 
Encontros de Vinhos 2014
Encontros de Vinhos 2014Encontros de Vinhos 2014
Encontros de Vinhos 2014
 

Semelhante a APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL

1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz
rrodrigues57
 
Livro identificacao-botanica
Livro identificacao-botanicaLivro identificacao-botanica
Livro identificacao-botanica
Marcos Galvão
 
Apresentação2 trabalho
Apresentação2 trabalhoApresentação2 trabalho
Apresentação2 trabalho
gabrielcaitano
 
Apresentação2 trabalho
Apresentação2 trabalhoApresentação2 trabalho
Apresentação2 trabalho
gabrielcaitno
 
1234886853 raiz
1234886853 raiz1234886853 raiz
1234886853 raiz
Pelo Siro
 
Trabalho sobre raízes
Trabalho sobre raízesTrabalho sobre raízes
Trabalho sobre raízes
juninhowwave
 
Mateus, michel e adriele 6ª m1
Mateus, michel e adriele  6ª m1Mateus, michel e adriele  6ª m1
Mateus, michel e adriele 6ª m1
juninhowwave
 
aula de biologia
aula de biologia aula de biologia
aula de biologia
andre77532
 
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
VERONICA47548
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
Roberto Bagatini
 
Miguel
MiguelMiguel
Miguel
rukka
 
As plantas
As plantasAs plantas
As plantas
HizqeelMajoka
 
óRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetaisóRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetais
aulasdoaris
 
óRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetaisóRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetais
aulasdoaris
 
Morfologia vegetal_RAIZ.ppt
Morfologia vegetal_RAIZ.pptMorfologia vegetal_RAIZ.ppt
Morfologia vegetal_RAIZ.ppt
Mafalda Gomes
 
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptxMorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
ManuelAlbertoBizeque
 
Aula 7 - RAIZ.pdf
Aula 7 - RAIZ.pdfAula 7 - RAIZ.pdf
Aula 7 - RAIZ.pdf
SimoneBragaTerra
 
MorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.pptMorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.ppt
Sabrina Nascimento
 
Plantas.pptx
Plantas.pptxPlantas.pptx
Plantas.pptx
marcosfelipetb
 
Partes da planta
Partes da plantaPartes da planta
Partes da planta
E E JOÃO PINHEIRO
 

Semelhante a APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL (20)

1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz
 
Livro identificacao-botanica
Livro identificacao-botanicaLivro identificacao-botanica
Livro identificacao-botanica
 
Apresentação2 trabalho
Apresentação2 trabalhoApresentação2 trabalho
Apresentação2 trabalho
 
Apresentação2 trabalho
Apresentação2 trabalhoApresentação2 trabalho
Apresentação2 trabalho
 
1234886853 raiz
1234886853 raiz1234886853 raiz
1234886853 raiz
 
Trabalho sobre raízes
Trabalho sobre raízesTrabalho sobre raízes
Trabalho sobre raízes
 
Mateus, michel e adriele 6ª m1
Mateus, michel e adriele  6ª m1Mateus, michel e adriele  6ª m1
Mateus, michel e adriele 6ª m1
 
aula de biologia
aula de biologia aula de biologia
aula de biologia
 
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
 
Miguel
MiguelMiguel
Miguel
 
As plantas
As plantasAs plantas
As plantas
 
óRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetaisóRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetais
 
óRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetaisóRgãos e tecidos vegetais
óRgãos e tecidos vegetais
 
Morfologia vegetal_RAIZ.ppt
Morfologia vegetal_RAIZ.pptMorfologia vegetal_RAIZ.ppt
Morfologia vegetal_RAIZ.ppt
 
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptxMorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
 
Aula 7 - RAIZ.pdf
Aula 7 - RAIZ.pdfAula 7 - RAIZ.pdf
Aula 7 - RAIZ.pdf
 
MorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.pptMorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.ppt
 
Plantas.pptx
Plantas.pptxPlantas.pptx
Plantas.pptx
 
Partes da planta
Partes da plantaPartes da planta
Partes da planta
 

Mais de Gregorio Leal da Silva

Bioinformática Apostila de Introdução
 Bioinformática Apostila de Introdução Bioinformática Apostila de Introdução
Bioinformática Apostila de Introdução
Gregorio Leal da Silva
 
Noções de Paleontologia
Noções de PaleontologiaNoções de Paleontologia
Noções de Paleontologia
Gregorio Leal da Silva
 
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
Gregorio Leal da Silva
 
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
Gregorio Leal da Silva
 
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
Gregorio Leal da Silva
 
Poligrafo1
Poligrafo1Poligrafo1
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
Gregorio Leal da Silva
 
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Gregorio Leal da Silva
 
Meio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educaçãoMeio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educação
Gregorio Leal da Silva
 

Mais de Gregorio Leal da Silva (9)

Bioinformática Apostila de Introdução
 Bioinformática Apostila de Introdução Bioinformática Apostila de Introdução
Bioinformática Apostila de Introdução
 
Noções de Paleontologia
Noções de PaleontologiaNoções de Paleontologia
Noções de Paleontologia
 
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
 
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
 
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
 
Poligrafo1
Poligrafo1Poligrafo1
Poligrafo1
 
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
 
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
 
Meio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educaçãoMeio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educação
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 

APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL

  • 1. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E ENGENHARIA AGRONÔMICA DISCIPLINA DE MORFOLOGIA VEGETAL APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL Material editado pelos graduandos Cláudia Cristina Alves Lima, Laíce José da Welerson Santos Castro 2006 Silva e
  • 2. 2 RAIZ Introdução: A raiz é o órgão da planta que geralmente cresce dentro do solo fixando a planta, bem como, absorvendo a água e os sais minerais em solução. As raízes podem ainda, realizar funções especiais, tais como armazenamento de reservas nutritivas e aeração, divergindo dos tipos mais comuns. As raízes são caracterizadas como órgãos cilíndricos, subterrâneos e aclorofilados que apresentam geotropismo positivo e fototropismo negativo. Suas ramificações originam-se internamente (endógenas) e estão distribuídas irregularmente em toda a sua extensão. Externamente, a raiz distingue-se do caule por não apresentar nós e internós, nem gemas laterais ou folhas, salvo poucas exceções como, por exemplo, as raízes gemíferas (raízes subterrâneas superficiais que apresentam gemas, capazes de regenerar a parte aérea). Origem: No interior da semente há uma planta em miniatura – o embrião – que consiste do eixo hipocótilo-radicular. Este eixo possui na sua porção superior, um ou mais cotilédones mais a plúmula, o primórdio do sistema caulinar, e na porção inferior está a radícula, o primórdio do sistema radicular, já revestida pela coifa, que é um tecido de proteção. Os primórdios do sistema caulinar e radicular podem se apresentar apenas como um conjunto de células meristemáticas indiferenciadas ou já podem formar um sistema caulinar embrionário (caule e folhas em miniatura) e uma raiz embrionária (radícula). Após a germinação da semente a radícula se distende por alongamento e divisão de suas células, formando a raiz primária. Morfologia externa: As raízes, primárias e laterais, adventícias ou não, têm as mesmas características e a mesma conformação geral, e nelas podemos observar as mesmas regiões a partir de sua extremidade livre (fig. 1), ou seja: coifa, zona lisa ou de crescimento, zona pilífera, zona suberosa ou de ramificação. Coifa A coifa, também denominada caliptra, é um tecido que reveste o ápice vegetativo da raiz, protegendo o meristema apical. Suas células são vivas e estão em contínua divisão. As células mais velhas, situadas na periferia, vão morrendo e se destacando, sendo continuamente substituídas por células novas recém formadas. As espécies aquáticas, geralmente, apresentam coifas bem desenvolvidas para proteger o meristema apical do ataque de microorganismos, abundantes no meio aquático. Exemplo vitória-régia (Victoria amazonica - Nymphaeaceae). Figura 1 – Morfologia externa Zona lisa ou Zona de crescimento Nesta região, imediatamente acima do ápice meristemático, as células recém formadas estão se alongando rapidamente, promovendo assim, o crescimento longitudinal da raiz. Não há pêlos absorventes nessa zona. Zona pilífera ou Zona dos pêlos absorventes Esta região é caracterizada pela presença dos pêlos absorventes, também denominados pêlos radiciais ou radiculares. Esses pêlos são prolongamentos das células epidérmicas e têm como função absorver a água e os minerais necessários à vida da planta, aumentando, em muitas vezes, a superfície de absorção das raízes. Os pêlos radiculares têm duração limitada e à medida que novos pêlos vão sendo formados, os mais antigos vão sendo eliminados. No entanto, nem todas as
  • 3. 3 espécies apresentam pêlos absorventes como, por exemplo, o aguapé (Eichhornia crassipes Pontederiaceae). Zona suberosa ou de ramificação Esta é a região mais velha da raiz, localizada logo acima da zona pilífera, e que pode ser facilmente reconhecida pelo seu aspecto escurecido e rugoso. Após a queda dos pêlos absorventes mais velhos, as células epidérmicas e das camadas subjacentes, suberinizam suas paredes, formando um envoltório protetor para a raiz. Nessa região são formadas as raízes laterais, e por isto, ela é também denominada zona de ramificação. Observação: O colo ou coleto é a região de transição entre raiz e caule. Nos cortes histológicos essa região pode ser facilmente identificada, devido às modificações observadas na distribuição do xilema e floema que, na raiz primária, estão distribuídos de maneira alternada e, no caule primário, reunidos em feixes. ainda está presente). As raízes adventícias formam-se a partir de outros órgãos, principalmente a partir do caule. O sistema radicular fasciculado é então, um sistema formado por muitos meristemas e não apenas pelo meristema presente na radícula do embrião, e ocorre em monocotiledôneas. Figura 2 – Sistema pivotante ou axial A raiz e o meio: As raízes podem ser classificadas, segundo o meio em que se encontram, em: terrestres, aquáticas e aéreas. Terrestres ou subterrâneas Raízes que se desenvolvem nas plantas que crescem em solos firmes. Entre essas raízes podemos observar dois tipos fundamentais de sistemas radiculares: Sistema pivotante ou axial: apresenta uma raiz principal, maior e mais desenvolvida, que penetra perpendicularmente no solo e forma muitas raízes secundárias, cada vez mais finas, que crescem em direção oblíqua (fig. 2). Nesse sistema todas as raízes são formadas a partir de um único meristema, ou seja, a partir do meristema presente na radícula do embrião, e ocorre em gimnospermas e dicotiledôneas. Sistema radicular fasciculado ou em cabeleira: formado por inúmeras raízes adventícias, uma vez que, a raiz primária não tem um desenvolvimento acentuado (fig. 3), ou logo se degenera. Essas novas raízes crescem rapidamente, tornando impraticável a distinção entre elas e a raiz primária (quando ela Figura 3 – Sistema radicular fasciculado Aquáticas Raízes que se formam em plantas aquáticas e destacam-se pela abundância em aerênquima, um tecido com um grande volume de espaços internos, que auxiliam a planta na flutuação e na respiração. As plantas aquáticas podem ser classificadas em: Lodosas: plantas aquáticas que possuem as raízes fixas no substrato, nos pântanos e no fundo de rios e lagos. Exemplo: vitória-régia (Victoria amazônica Nymphaeaceae). Natantes: plantas aquáticas que flutuam livremente na água (fig. 4). Exemplo: aguapé (Eichhornia crassipes, Pontederiaceae).
  • 4. 4 Figura. 4 – Raiz aquática Aéreas Raízes que se desenvolvem parcialmente ou totalmente em contato com a atmosfera, apresentando as mais diversas adaptações estruturais e funcionais. As raízes aéreas são comuns entre as plantas epífitas e são todas consideradas adventícias quanto à origem. Tipos especiais de sistemas radiculares: Quando as raízes desenvolvem diferentes funções, além da fixação e absorção, elas geralmente apresentam características morfológicas especiais. Dentre elas, podemos destacar: Raízes subterrâneas Tuberosas: desenvolvem-se como estruturas de reserva, tornando-se intumescida, apresentando ou não crescimento anômalo em espessura (fig. 5). O acúmulo de substâncias de reserva pode ocorrer na raiz principal, como em cenoura (Daucus carota, Apiaceae), ou nas raízes laterais, como em batata doce (Ipomoea batatas, Convolvulaceae). As raízes de reserva são comuns em plantas que crescem em regiões secas ou que apresentam invernos rigorosos, reservando água e alimento para a planta por longos períodos. Contráteis: possuem a capacidade de contrair-se e, ao fazerem esta contração, aprofundam-se no solo, puxando para baixo as partes da planta onde estão inseridas. Tais raízes são reconhecidas por apresentarem a superfície enrugada transversalmente. Em geral, as raízes primárias são contráteis, o que permite o aprofundamento de sementes que chegam naturalmente ao solo (sem interferência primária). Ao permitirem o aprofundamento de cormos, bulbos e rizomas no solo, estão protegendo as gemas vegetativas de inúmeras adversidades, como o fogo ou a seca, que ocorre na superfície. Exemplos: ginseng (Panax ginseng, Araliaceae) e lírio (Lilium sp. - Liliaceae). Raízes aéreas Suporte: apresentam um sistema radicular bem desenvolvido, formando outras raízes adventícias acima do solo denominadas de raízes suporte. Essas raízes formam-se especialmente naquelas plantas nas quais haveria perda de estabilidade, seja pelo fato do substrato não oferecer apoio suficiente como plantas que crescem no solo encharcado do mangue (fig. 6) como, por exemplo, pandano (Pandanus sp. Pandanaceae), ou ainda pelo fato da planta ser relativamente alta para sua reduzida base de apoio como, por exemplo, o milho (Zea mays - Poaceae). Além da função de auxiliar no equilíbrio do indivíduo, as raízes suporte também têm papel na fixação e absorção de nutrientes. Figura. 6 – Raiz suporte Figura. 5 – Raiz tuberosa Tabulares: denominadas por lembrarem o aspecto de tábuas ou pranchas verticais, dispostas radialmente em torno da base do caule, e servem para aumentar a base de apoio de plantas de grande porte, auxiliando no equilíbrio e na sustentação do tronco, além de
  • 5. 5 aumentarem a superfície de aeração. Essas raízes tabulares são variações das raízes suporte e encontradas em algumas grandes árvores das florestas tropicais úmidas como, por exemplo, figueiras (Ficus sp., Moraceae) e chichá (Sterculia chicha - Sterculiaceae). Escora: quando a copa da árvore alcança grande desenvolvimento, numerosas raízes adventícias começam a formar-se a partir dos ramos laterais e, ao atingirem o chão, penetram no solo, ramificam-se e começam a apresentar um crescimento em espessura tão acentuado de sua parte aérea que logo se confundem com o caule. Essas raízes também assumem a função de caule, isto é, passam a auxiliar na condução da água e sais minerais do solo até a copa. Exemplo: as raízes escora formamse em algumas figueiras (Ficus bengalensis, Moraceae). Cintura ou estrangulante: uma variação de raiz escora é o que se vê nas figueiras mata-pau (Ficus sp. - Moraceae) que iniciam sua vida como epífitas. O indivíduo jovem forma inúmeras raízes adventícias que envolvem o tronco da planta hospedeira, como um denso sistema radicular. Essas raízes crescem em direção ao solo e, ao atingi-lo, ramificam-se e começam a crescer em espessura, especialmente nas partes aéreas. Durante os primeiros anos a hospedeira e a epífita convivem bem, mas ao mesmo tempo em que as raízes da epífita vão se espessando, o caule da planta hospedeira também começa a espessar-se, até o momento em que este crescimento começa a ser dificultado. O mata-pau pode continuar o espessamento em suas superfícies livres, mas a planta hospedeira é impedida de desenvolver-se, e acaba morrendo, daí o nome raízes cintura ou estrangulante. Embora essas raízes sejam chamadas de raízes estrangulante, este termo é inadequado, pois essas raízes não estrangulam (processo ativo) o caule da hospedeira, mas simplesmente impedem o seu crescimento em espessura (processo passivo). No entanto, se a hospedeira do mata-pau for uma palmeira, ambas podem conviver por muitos anos, isto porque as palmeiras geralmente apresentam apenas um pequeno crescimento em espessura do seu caule ao longo dos anos. Grampiformes ou aderentes: permitem a fixação do vegetal em lugares íngremes como muros e pedras. Essas raízes formam-se voltadas para o substrato, geralmente em grupos, na face sombreada do caule. Nas raízes grampiformes ou aderentes a função de absorção de água e sais é realizada quase que completamente pelas outras raízes da planta que se fixam no solo. Essas raízes podem ser encontradas em hera (Hedera helix - Araliaceae) e hera-miúda (Ficus repens - Moraceae). Pneumatóforos: são raízes que emitem ramificações verticais ascendentes, de geotropismo negativo, que crescem para fora do solo encharcado dos mangues e pântanos como, por exemplo, (Rhizophora mangle Rhizophoraceae). Essas raízes apresentam estruturas de aeração, semelhantes às lenticelas do caule, denominadas pneumatódios, que auxiliam a planta na obtenção do oxigênio atmosférico, tão escasso no solo encharcado. Sugadoras ou haustórios: as plantas parasitas necessitam retirar água ou seu alimento de um hospedeiro, com prejuízos para o mesmo. Para isto, apresentam um tipo especial de raiz denominada raiz sugadora ou haustório. No ponto de contato do caule da planta parasita com o hospedeiro forma-se, inicialmente, uma raiz adventícia discóide, semelhante a uma ventosa denominada apressório. Algumas células do centro do apressório penetram na casca do hospedeiro, formando os haustórios, que se ramificam e crescem até atingir os tecidos vasculares do hospedeiro. Existem dois tipos de parasitismo: Holoparasitismo: quando a planta parasita é desprovida de clorofila, pelo menos em quantidades mínimas necessárias para a sua manutenção. Neste caso, a planta parasita precisa retirar do hospedeiro a água e todos os nutrientes necessários à sua sobrevivência como, por exemplo, o cipó-chumbo (Cuscuta racemosa - Convolvulaceae). Hemiparasitismo: quando a planta parasita depende parcialmente do hospedeiro, retirando apenas água e sais minerais, pois realiza a sua fotossíntese pelas folhas e ramos jovens clorofilados. Exemplo: erva-depassarinho (Struthanthus flexicaulis - Loranthaceae). Algumas raízes mantêm relações simbiônticas com outros seres vivos. De acordo com a associação simbiótica entre fungos e bactérias nas raízes são reconhecidas:
  • 6. 6 Micorrizas: relação simbiótica entre certas raízes e os fungos, sendo comum em várias plantas, principalmente em espécies de florestas úmidas ou em orquídeas. As micorrizas desempenham um papel extremamente importante aumentando a absorção de fósforo e outros minerais essenciais às plantas. Podem ser ectotróficas ou ectomicorrizas, quando as hifas do fungo envolvem externamente a raiz, ficando apenas entre as células epidérmicas e corticais, sem penetrá-las, ou endotróficas ou endomicorrizas, quando as hifas do fungo efetivamente penetram as células corticais da raiz, através de suas paredes. As orquídeas e muitas espécies saprófitas apresentam micorrizas em suas raízes. Nódulos radiculares: aparecem nas raízes de muitas plantas da família Leguminosae ou Fabaceae, como conseqüência da infestação por bactérias fixadoras de N2 atmosférico (fig. 7). Essas bactérias penetram na raiz por meio dos pêlos radiculares, passam até as células corticais, multiplicam-se e estimulam tais células a se dividirem, formando assim o nódulo. As bactérias são responsáveis pelo processo de fixação do nitrogênio, isto é, transformam o N2 (gás) disponível no solo para NH4+ (nitrato), que é a forma em que o nitrogênio é utilizável pelas plantas. Trata-se, enfim, de uma associação simbiótica de grande importância adaptativa para as plantas que a apresentam, pois lhe permite obter nitrogênio (via atividade bacteriana) em solos pobres neste nutriente essencial. Figura. 7 – Nódulos radiculares Velame: algumas das adaptações morfológicas mais notáveis das epífitas envolvem a diferenciação de raízes especiais com a função de acumular a água da umidade atmosférica ou da superfície do hospedeiro. Nas orquídeas (Orchidaceae) pode existir um tecido armazenador de água no caule (pseudobulbos), nas folhas, ou nas raízes que são dotadas de uma epiderme pluriestratificada denominada velame. As células do velame são mortas e altamente higroscópicas, mas experimentos realizados colocandose fósforo radioativo em solução, na superfície dessas raízes demonstraram que a entrada de água no velame é um processo puramente passivo. Portanto, o termo raiz absorvente usado para este tipo de raiz é totalmente inadequado. Ausência de raiz em plantas vasculares: o conceito de epifitismo Algumas plantas podem não apresentar raízes, como por exemplo, quase todos os representantes da família Bromeliaceae. Estas plantas têm como forma de vida o epifitismo. Uma epífita é uma planta autótrofa e autosuficiente que vive sobre algum substrato, em geral outra planta. Neste caso, não prejudica sua hospedeira, pois dela nada retira (inquilinismo). Nas Bromeliaceae epifíticas, freqüentemente o sistema radicular é reduzido à função fixadora (raízes grampiformes) ou as raízes podem estar completamente ausentes como em barba-de-velho (Tillandsia usneoides - Bromeliaceae). Nessas bromélias, a absorção de água e sais é feita por meio de tricomas especiais da epiderme das folhas e do caule, que são escamas absorventes. Nessas escamas, as células centrais e do pé são vivas, mas as células periféricas são mortas e seu arranjo com paredes desigualmente espessadas possibilitam alta capacidade higroscópica. As principais famílias com espécies epifíticas são Gesneriaceae, Cactaceae, Rubiaceae, Asclepiadaceae, Solanaceae, Bromeliaceae e Orchidaceae. Nestas duas últimas famílias as espécies são quase todas epifíticas, e a maior parte das angiospermas epifíticas da região Neotropical pertencem a essas duas famílias. Ecologicamente, epífita é uma planta perene que não produz nem mantém caules maciços e ramos lenhosos. As epífitas têm de sobreviver com um substrato externamente pobre em nutrientes e dependem da água da chuva ou da neblina e do pequeno acúmulo de matéria orgânica trazida por animais e de um suprimento de água bastante errático (embora a planta possa encharcar durante as chuvas, vive como num deserto quando está ventando). Modificações radiculares Algumas espécies apresentam raízes onde as modificações são mais acentuadas para atender a funções especiais:
  • 7. 7 Gavinhas: as raízes transformam-se em estruturas de fixação semelhantes a uma mola. Enrolam-se ao tocar em um suporte porque são sensíveis ao estímulo do contato. Exemplo: (Vanilla sp. Orchidaceae). Espinhos: em algumas buritiranas (Arecaceae) as raízes podem transformar-se em espinhos. Vale a pena lembrar que o espinho é uma estrutura complexa, um órgão modificado (raiz, caule ou folha) e que, portanto, apresenta tecido de revestimento, sustentação e até mesmo vascularização própria, enquanto o acúleo das roseiras é apenas uma formação epidérmica.