SlideShare uma empresa Scribd logo
Quem são os leigos?
Todos os cristãos que:
∙ foram batizados no Povo de Deus
∙ são ramos enxertados em Cristo
∙ participam da tríplice missão de Cristo
∙ exercem sua missão na Igreja e no mundo,
  a partir de dentro, como o fermento
∙ não são membros ordenados
∙ não fizeram os votos religiosos
∙ são todos chamados à santidade.
Identificados com Jesus Cristo

O Espírito do Senhor está sobre mim:
por isso me ungiu e me enviou
a anunciar a Boa Nova aos pobres,
para proclamar a libertação dos cativos,
e aos cegos o recobrar da vista,
para mandar em liberdade os oprimidos
e proclamar um ano de graça do Senhor
                               (Lc.4,18-19)
Como Jesus Cristo...



   • Sacerdotes
   • Profetas
   • Reis
Os povos da América Latina
vivem hoje uma realidade marcada
por grandes mudanças
que afetam profundamente suas vidas.
Como discípulos de Jesus Cristo,
sentimo-nos desafiados
a discernir os ‘sinais dos tempos’ (DAp,n.33)
Bento 16 no Discurso em Aparecida:


...percebe-se um certo
enfraquecimento da vida cristã
no conjunto da sociedade
e da própria pertença à Igreja Católica
                                     (DAp 100,b)
1.    Agudo relativismo > oscila entre as possibilidades
2.    Fundamentalismo # pluralidade, caráter histórico
3.    Laicismo militante
4.    Irracionalidade dos meios de comunicação
5.    Amoralismo generalizado
6.    Desrespeito diante do povo
7.    Propostas de felicidade # bem comum
8.    Individualismo # atitudes de solidariedade
9.    Pobres considerados como descartáveis
10.   Falta de consciência cidadã
11.   Negação e ameaça da vida
12.   Práticas religiosas sentimentais, de momentos
13.   Manipulação do Evangelho
Diante de mudanças profundas…

∙   Nem sempre é fácil compreender a realidade
∙   Necessidade de visão evangélica crítica
∙   Desafio para discernir
∙   Escolher ação evangelizadora específica
∙   Buscar aspectos centrais da fé
∙   Novo ardor, novos métodos, novas expressões!
Constatamos que em nossa Igreja
existem numerosos católicos
que expressam sua fé e sua pertença
de forma esporádica...
Convidamos esses
a aprofundarem sua fé
e participarem mais plenamente
na vida da Igreja (DAp n.160).
São muitos os cristãos que:
não participam na Eucaristia dominical
nem recebem com regularidade
os sacramentos,
nem se inserem ativamente
na comunidade eclesial.
Temos alta porcentagem de católicos
sem a consciência de sua missão
de ser sal e fermento no mundo,
com identidade cristã fraca e vulnerável.
                                (DAp n.286)
Enfrentam-se dificuldades
para assumir a sustentação econômica
das estruturas pastorais.
Falta solidariedade
na comunhão de bens
no interior das igrejas locais
e entre elas (DAp n.100, e)
O seguimento é fruto
de uma fascinação
que responde ao desejo
de realização humana,
ao desejo de vida plena.
O discípulo é alguém
apaixonado por Cristo,
a quem reconhece como o mestre
que conduz e acompanha (DAp n.277)
Bento 16: na missa de entronização:




Não há nada mais belo do que ser alcançado,
surpreendido pelo Evangelho, por Cristo.
Não há nada mais belo do que conhecê-lo
e comunicar aos outros a amizade com Ele.
Ser discípulo é…

∙   Colocar os passos sobre as suas pegadas
∙   Conviver com Ele
∙   Formar parte da sua comunidade
∙   Ouvir e ver acontecer o Reino de Deus
∙   Aprender uma ‘vida nova’
∙   Abrir caminho de vida e esperança para todos
∙   Mover a vida pelo amor e serviço aos demais
Não há discipulado sem comunhão.
Diante da tentação,
muito presente na cultura atual,
de ser cristão sem Igreja e das
novas buscas espirituais individualistas,
afirmamos que a fé em Jesus Cristo
nos chegou através
da comunidade eclesial (DAp. n.156)
A vida em comunidade
é essencial à vocação cristã.
O discipulado e a missão sempre
supõem a pertença a uma comunidade.
Deus não nos quis salvar isoladamente,
mas formando um Povo.
Este é um aspecto que distingue
a experiência da vocação cristã
de um simples sentimento
religioso individual (DAp. n.164)
Elã missionário

Discipulado e missão são como
os dois lados de uma mesma moeda:
quando o discípulo está
enamorado de Cristo,
não pode deixar de anunciar ao mundo
que só ele nos salva (At. 4,12).
A Igreja no Brasil se empenhará
em ser uma Igreja
 1. em estado permanente de missão,
 2. casa da iniciação à vida cristã,
 3. fonte da animação bíblica de toda a vida,
 4. comunidade de comunidades,
 5. a serviço da vida em todas as suas instâncias
Ações a realizar…
1.   Urgente saída em todas as direções…
2.   Despertar cada batizado para a missão
3.   Esquecer o que ficou para trás…
4.   Procurar os pouco vinculados com a Igreja
5.   Provocar forte comoção missionária
6.   Anunciar J.Cristo # concorrência religiosa
7.   Através do testemunho pessoal
8.   Pastoral: de conservação a missionária
Afinal… o que queremos fazer?

A Igreja Católica é chamada para ser, no mundo,
testemunha do amor do Pai
que quer fazer da humanidade
uma única família em seu Filho (Deus é Amor, 19).

Por isso, a evangelização, o anúncio, o testemunho…
se fazem por atração, não por proselitismo.
Ajudar os fiéis a viverem sua fé,
com alegria e coerência.
O grande serviço da Igreja hoje:

Este é o grande serviço que a Igreja,
discípula missionária de Jesus Cristo,
é chamada a prestar neste momento da história.
Em atitude de diálogo,
cabe-lhe anunciar e reanunciar
a pessoa e a mensagem de seu Mestre,
conclamando à comunhão
todos os seres humanos,
para a busca da cultura da vida,
a caminho do Reino definitivo (DGAE,36)
A fé nos ensina que Deus vive
na cidade, em meio a suas alegrias,
desejos e esperanças,
como também em meio
a suas dores e sofrimentos.
As sombras que marcam
o cotidiano das cidades:
violência, pobreza, individualismo
e exclusão, não nos podem impedir
que busquemos e contemplemos
o Deus da vida também
nos ambientes urbanos (DAp. n.514)
As cidades são lugares
de liberdade e oportunidade (DAp. n.514)
Podemos realizar
com alegria e coragem
a evangelização da cidade atual (DAp. n.513)
Devemos empregar
esforço e criatividade
na evangelização de empresários,
políticos e formadores de opinião
no mundo do trabalho,
dirigentes sindicais,
cooperativos e comunitários (DAp. n.492)
Não se começa a ser cristão
por uma decisão ética
ou uma grande idéia,
mas através do encontro
com um acontecimento,
com uma Pessoa,
que dá um novo horizonte à vida
e, com isso, uma orientação decisiva
                          (DAp. n.243)
Ações a realizar…

1. Descobrir o amor de Deus pela mediação de outros
2. Considerar tempo e lugar para apresentar Cristo

3. Meios antigos de anúncio já não contam mais

4. Atendimento personalizado

5. Não pressupor o anúncio, mas explicitá-lo

6. Formação não só doutrinal, mas para a vida

7. Iniciação cristã > encontro pessoal com Cristo

8. Não se esgota na preparação dos sacramentos

9. Não se reduz a cursos > celebrações, serviços…

10.Processo permanente, com estruturas adequadas
Ações a realizar…
1. Difundir a Bíblia, sobretudo entre os pobres
2. Contato com a Palavra de Deus # momentâneo

3. Indispensável contato profundo com a Palavra

4. Introduzir novas gerações na Palavra de Deus

5. Problemas requerem firmeza na fé < Palavra

6. Escutar a voz de Cristo em meio a tantas vozes…

7. Acolhimento da Palavra no seio da Igreja

8. Experiência da Leitura Orante da Bíblia

9. Formar agentes do contato apaixonado com a SE

10.Fortalecer equipes de animação bíblica da pastoral

11.Formação contínua dos Ministros da Palavra
A Igreja ‘nos dá uma família,
a família universal de Deus’.
A fé nos liberta do isolamento do eu,
porque nos conduz à comunhão’
                          (DAp. n.156)
Ações a realizar…

1.   Necessidade de viver a fé em comunidade
2.   Diálogo: caminho da boa convivência e comunhão
3.   Reagir ao individualismo típico de nossa época
4.   A própria comunidade precisa ser ela mesma anúncio
5.   Tipos: territoriais, ambientais, afetivas, virtuais…
6.   Paróquias: mais comunidades vivas e dinâmicas
7.   Articuladas entre si, na partilha de fé e missão
8.   Implica: profundidade, afetividade,
     interesses comuns, estabilidade e solidariedade
Defesa da vida
... só o Senhor
é o autor e o dono da vida,
e o ser humano,
sua imagem vivente,
é sempre sagrado,
desde sua concepção,
em todas as etapas da existência,
até sua morte natural
e depois da morte (DAp. n.388).
A nova época que, pela graça deste mesmo Deus,
haverá de surgir, precisa ser marcada
pelo amor e pela valorização da vida,
em todas as suas dimensões.
A omissão diante de tal desafio será cobrada
por Deus e pela história futura (DGAE, 66)
O discípulo missionário…
não se cala igualmente diante da vida
sem alimentação, casa, terra, trabalho, educação,
saúde, lazer, liberdade, esperança e fé.
O discípulo missionário deve ser, já nesta vida,
parceiro da vida e vida em plenitude (DGAE, 68).
Ações a realizar…

1.   A missão dos discípulos é o serviço à vida plena
2.   Maior compromisso com a cultura da vida
3.   Práticas para desabrochar e florescer a vida
4.   Começar pelo respeito à dignidade humana
5.   Igreja é servidora do Deus da Vida
6.   Abrir o coração para todas as ameaças à vida
7.   Testemunhar a fé pela cultura da vida
8.   Atenção a diversos grupos de pessoas
Família
A família é um dos tesouros
mais importantes
dos povos latino-americanos
e é patrimônio da humanidade inteira...
somos chamados a trabalhar
para que a família assuma
seu ser e sua missão
no âmbito da sociedade e da Igreja
                          (DAp. n.432)
... a ‘opção preferencial pelos pobres
está implícita na fé cristológica
naquele Deus que se fez pobre por nós,
para nos enriquecer com sua pobreza’
                           (DAp. n.392)
[Então] os cristãos,
como discípulos missionários,
são chamados a contemplar,
nos rostos sofredores de nossos irmãos,
o rosto de Cristo que nos chama
a servi-lo neles (DAp. n.393)
Só a proximidade que nos faz amigos
nos permite apreciar profundamente
os valores dos pobres de hoje,
seus legítimos desejos
e seu modo próprio de viver a fé.
A opção pelos pobres deve conduzir-nos
à amizade com os pobres (DAp. n.398)
Dedicar tempo aos pobres,
prestar a eles amável atenção,
escutá-los com interesse,
acompanhá-los nos momentos difíceis,
escolhê-los para compartilhar horas,
semanas ou anos de nossa vida,
e procurando, a partir deles,
a transformação de sua situação
                         (DAp. n.397)
O Dia do Senhor!

Sem uma participação ativa
na celebração eucarística dominical
e nas festas de preceito, não existir
um discípulo missionário maduro.
Por causa disso, é importante promover
a ‘pastoral do domingo’ e dar a ela
‘prioridade nos programas pastorais’,
para novo impulso na evangelização
do povo de Deus
no continente latino-americano (DAp. n.252).
GRANDE DECISÃO:


Do cenáculo de Aparecida
nos dispomos a empreender
uma nova etapa de nosso caminhar pastoral
declarando-nos em missão permanente.
Com o fogo do Espírito vamos inflamar
de amor o nosso continente
                        (Mensagem Final, n .4)
Assumimos o compromisso
de uma grande missão
em todo o Continente...
Necessitamos desenvolver
a dimensão missionária da vida de Cristo.
A Igreja necessita de forte comoção
que a impeça de se instalar
na comodidade, no estancamento
e na indiferença, à margem do sofrimento
dos pobres do Continente (DAp. n.362).
Queremos abraçar todo o continente
para transmitir-lhes
o amor de Deus e nosso.
Desejamos que este abraço
alcance também o mundo inteiro
                        (Mensagem n.5)
Esta firme decisão missionária
deve impregnar
todas as estruturas eclesiais
e todos os planos pastorais de dioceses,
paróquias, comunidades religiosas,
movimentos e de qualquer
instituição da Igreja (DAp. n.365)
Nenhuma comunidade deve isentar-se
de entrar decididamente,
com todas as forças,
nos processos constantes
de renovação missionária
e de abandonar
as ultrapassadas estruturas
que já não favoreçam
a transmissão da fé (DAp. n.365).
CONVOCAÇÃO

Convocamos todos os nossos irmãos e irmãs
para que, unidos, com entusiasmo,
realizemos a GRANDE MISSÃO CONTINENTAL.
Será um novo Pentecostes
que nos impulsione a ir, de modo especial,
em busca dos católicos afastados
e dos que pouco ou nada conhecem de J.Cristo
para que formemos com alegria
a comunidade de amor do nosso Pai Deus.
∙ Que ninguém fique de braços cruzados!
∙ Ser missionário
  é ser anunciador de Jesus Cristo:
   ∙ com criatividade e audácia
   ∙ não só com a palavra,
   ∙ mas principalmente com a nossa própria vida,
   ∙ em todos os lugares onde o Evangelho não foi
     suficientemente anunciado ou acolhido.
Necessitamos que cada comunidade cristã
se transforme num poderoso
centro de irradiação da vida em Cristo.
Esperamos um novo Pentecostes
que nos livre do cansaço, da desilusão,
da acomodação ao ambiente;
esperamos uma vinda do Espírito
que renove nossa alegria
e nossa esperança (n.362)
Como faremos isso?

 ∙   Com o vigor do Espírito Santo
 ∙   Formar comunidade, que já é parte do anúncio
 ∙   Tornar visível nossa solidariedade
 ∙   Promover diálogo com todos os atores sociais
 ∙   Ser integradores de forças para mundo justo
 ∙   Partilhar a mesa da vida, aberta, inclusiva…
 ∙   Defender os mais fracos, especialmente…
 ∙   Contribuir para haver condições de vida digna
Ações a realizar…


1.   Missões populares… Pastoral da visitação…
2.   Visitas sistemáticas: locais de trabalho,
      ∙ moradias de estudantes, favelas, cortiços,
      ∙ alojamentos de trabalhadores, albergues,
      ∙ instituições de saúde, assentamentos, prisões,
      ∙ moradores de rua…
3.   Testemunhar uma Igreja Samaritana!
Eu, o Senhor, te chamei para a justiça
e te tomei pela mão.
Eu te formei e te encarreguei
de seres a aliança do meu povo
e a luz das nações,
para abrires os olhos aos cegos,
tirares do cárcere os prisioneiros…
Não tenhas medo, eu estou contigo!
És muito precioso para mim,
e mesmo que seja alto o teu preço,
é a ti que eu quero! (Is.42 e 43)
Co-responsabilidade…

Em virtude
da comum dignidade batismal,
o fiel leigo é co-responsável,
juntamente com os ministros ordenados
e com os religiosos e as religiosas,
da missão da Igreja (ChFL, 15).
A evangelização do Continente,
dizia-nos o papa João Paulo II,
não pode realizar-se hoje
sem a colaboração dos fiéis leigos (DAp n.213).

Sua missão própria e específica
se realiza no mundo, de tal modo que,
com seu testemunho e sua atividade,
contribuam para a transformação das realidades
e para a criação de estruturas justas,
segundo os critérios do Evangelho (DAp n.210).
Onde atuar?

O campo próprio da sua atividade evangelizadora
é o mesmo mundo vasto e complicado
da política, da realidade social e da economia,
como também o da cultura,
das ciências e das artes, da vida internacional,
dos meios de comunicação…
Quanto mais leigos houver
impregnados do Evangelho… (EN,70)
Cinco aspectos fundamentais
              na formação

1.   O encontro com J.Cristo: origem
2.   A conversão: forma de pensar e viver
3.   O discipulado: amadurecimento…
4.   A comunhão: vida em comunidade
5.   A missão: necessidade de compartilhar
                             (DAp. n.278)
O discípulo e missionário de Cristo
que se empenha nos âmbitos
da política, da economia
e nos centros de decisões
sofre a influência de uma cultura
frequentemente dominada
pelo materialismo,
pelos interesses egoístas
e por uma concepção do homem
contrária à visão cristã (DAp. n.506).
Por isso é imprescindível
que o discípulo se fundamente
no seguimento do Senhor...
para construir ao redor dele
um consenso moral
sobre os valores fundamentais
que tornam possível
a construção de uma sociedade justa
                                (n.506)
A própria natureza do Cristianismo
consiste, portanto, em reconhecer
a presença de Jesus Cristo e segui-lo.
Essa foi a maravilhosa experiência
daqueles primeiros discípulos
que, encontrando Jesus,
ficaram fascinados e cheios de assombro
frente à excepcionalidade de quem lhes falava,
diante da maneira como os tratava,
coincidindo com a fome e sede de vida
que havia em seus corações (DAp n.244).
Conhecer Jesus Cristo
é o melhor presente
que qualquer pessoa pode receber;
tê-lo encontrado foi o melhor
que ocorreu em nossas vidas,
e fazê-lo conhecido
com nossa palavra e obras
é nossa alegria (DAP. n.29).
A nossa maior alegria
é ser seus discípulos!
Ser cristão não é uma
 carga, mas um dom!
               (DAp., n.28)
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo MoraisSINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo Morais
Paulo David
 
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
José Vieira Dos Santos
 
Quem é Esse Jesus
Quem é Esse JesusQuem é Esse Jesus
Quem é Esse Jesus
Sergio Cabral
 
A função de discipulado da igreja
A função de discipulado da igrejaA função de discipulado da igreja
A função de discipulado da igreja
Pr. Carlos Magno Ramos
 
Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Informativo"Lá Vem o Trem  das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010Informativo"Lá Vem o Trem  das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Bernadetecebs .
 
Paróquia comunidade de comunidades
Paróquia comunidade de comunidadesParóquia comunidade de comunidades
Paróquia comunidade de comunidades
Bernadetecebs .
 
DGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberDGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleber
Kleber Silva
 
Grupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e VidaGrupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e Vida
Grupo Adv Jovem
 
15907327 -aprenda-como-evangelizar
15907327 -aprenda-como-evangelizar15907327 -aprenda-como-evangelizar
15907327 -aprenda-como-evangelizar
Antonio Ferreira
 
Celebração catequistas ago 2010 formato livro
Celebração catequistas ago 2010 formato livroCelebração catequistas ago 2010 formato livro
Celebração catequistas ago 2010 formato livro
Bernadetecebs .
 
Campanha da Fraternidade 2015
Campanha da Fraternidade 2015Campanha da Fraternidade 2015
Campanha da Fraternidade 2015
José Vieira Dos Santos
 
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
Luís Miguel Rodrigues
 
Conversão Pastoral Missionária
Conversão Pastoral MissionáriaConversão Pastoral Missionária
Conversão Pastoral Missionária
Bernadetecebs .
 
Missão é sair
Missão é sairMissão é sair
Missão é sair
Bernadetecebs .
 
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...
Pastor Paulo Francisco
 
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Jossadan Ventura
 
Finalidade da catequese no DNC cj
Finalidade da catequese no DNC cjFinalidade da catequese no DNC cj
Finalidade da catequese no DNC cj
Catequista Josivaldo
 
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Catequese   iniciacao a vida cristã iiCatequese   iniciacao a vida cristã ii
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Henrique Fernandes de Souza
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
Bernadetecebs .
 

Mais procurados (20)

SINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo MoraisSINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo Morais
 
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
Diretrizes da Igreja no Brasil 2019 a 2023
 
Quem é Esse Jesus
Quem é Esse JesusQuem é Esse Jesus
Quem é Esse Jesus
 
A função de discipulado da igreja
A função de discipulado da igrejaA função de discipulado da igreja
A função de discipulado da igreja
 
Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Informativo"Lá Vem o Trem  das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010Informativo"Lá Vem o Trem  das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010
 
Paróquia comunidade de comunidades
Paróquia comunidade de comunidadesParóquia comunidade de comunidades
Paróquia comunidade de comunidades
 
DGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberDGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleber
 
Grupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e VidaGrupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e Vida
 
15907327 -aprenda-como-evangelizar
15907327 -aprenda-como-evangelizar15907327 -aprenda-como-evangelizar
15907327 -aprenda-como-evangelizar
 
Celebração catequistas ago 2010 formato livro
Celebração catequistas ago 2010 formato livroCelebração catequistas ago 2010 formato livro
Celebração catequistas ago 2010 formato livro
 
Campanha da Fraternidade 2015
Campanha da Fraternidade 2015Campanha da Fraternidade 2015
Campanha da Fraternidade 2015
 
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
 
Conversão Pastoral Missionária
Conversão Pastoral MissionáriaConversão Pastoral Missionária
Conversão Pastoral Missionária
 
Missão é sair
Missão é sairMissão é sair
Missão é sair
 
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...
 
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
 
Finalidade da catequese no DNC cj
Finalidade da catequese no DNC cjFinalidade da catequese no DNC cj
Finalidade da catequese no DNC cj
 
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Catequese   iniciacao a vida cristã iiCatequese   iniciacao a vida cristã ii
Catequese iniciacao a vida cristã ii
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
 
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
 

Semelhante a K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11

Dimensões da pastoral
Dimensões da pastoralDimensões da pastoral
Dimensões da pastoral
João Pereira
 
Dgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoralDgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoral
Kleber Silva
 
nossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanentenossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanente
freivalentimpesente
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
leandroandrade607647
 
jornal Novos Horizontes agosto de 2013
jornal Novos Horizontes agosto de 2013jornal Novos Horizontes agosto de 2013
jornal Novos Horizontes agosto de 2013
Pascom Paroquia Nssc
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
boasnovassena
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
Rodrigo Catini Flaibam
 
Assembleia
AssembleiaAssembleia
Assembleia
KleytonRezende2
 
Diretrizes evangelização Arquidiocese de Manaus
Diretrizes evangelização Arquidiocese de ManausDiretrizes evangelização Arquidiocese de Manaus
Diretrizes evangelização Arquidiocese de Manaus
Paróquia Nossa Senhora das Mercês
 
Apresentacao-DOC-105_Dom (8).pptx
Apresentacao-DOC-105_Dom (8).pptxApresentacao-DOC-105_Dom (8).pptx
Apresentacao-DOC-105_Dom (8).pptx
LeilaCardoso20
 
Documento de Aparecida
Documento de AparecidaDocumento de Aparecida
Documento de Aparecida
Missão Fonte Avivamento
 
Caminho para o encantamento missionário
Caminho para o encantamento missionárioCaminho para o encantamento missionário
Caminho para o encantamento missionário
Paróquia Nossa Senhora das Mercês
 
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Lada vitorino
 
Ano Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptxAno Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptx
DELSOCORREIA
 
redentoristando-pedro.blogspot.com
redentoristando-pedro.blogspot.comredentoristando-pedro.blogspot.com
redentoristando-pedro.blogspot.com
pmgv5
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
pmgv5
 
Definitivo missão
Definitivo   missãoDefinitivo   missão
Definitivo missão
pmgv5
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
pmgv5
 
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
6º Encontro ano da fé   documento de aparecida6º Encontro ano da fé   documento de aparecida
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
Comunidade Católica NS Candelária Indaiatuba
 
Uma nova paroquia
Uma nova paroquiaUma nova paroquia
Uma nova paroquia
Pe Gil Medeiros
 

Semelhante a K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11 (20)

Dimensões da pastoral
Dimensões da pastoralDimensões da pastoral
Dimensões da pastoral
 
Dgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoralDgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoral
 
nossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanentenossa igreja em estado de missão permanente
nossa igreja em estado de missão permanente
 
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsdsdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
sdsdsdsddsdsdsdsdssdsdsdsdsddsdsdsdsdsdsd
 
jornal Novos Horizontes agosto de 2013
jornal Novos Horizontes agosto de 2013jornal Novos Horizontes agosto de 2013
jornal Novos Horizontes agosto de 2013
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
 
Assembleia
AssembleiaAssembleia
Assembleia
 
Diretrizes evangelização Arquidiocese de Manaus
Diretrizes evangelização Arquidiocese de ManausDiretrizes evangelização Arquidiocese de Manaus
Diretrizes evangelização Arquidiocese de Manaus
 
Apresentacao-DOC-105_Dom (8).pptx
Apresentacao-DOC-105_Dom (8).pptxApresentacao-DOC-105_Dom (8).pptx
Apresentacao-DOC-105_Dom (8).pptx
 
Documento de Aparecida
Documento de AparecidaDocumento de Aparecida
Documento de Aparecida
 
Caminho para o encantamento missionário
Caminho para o encantamento missionárioCaminho para o encantamento missionário
Caminho para o encantamento missionário
 
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
 
Ano Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptxAno Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptx
 
redentoristando-pedro.blogspot.com
redentoristando-pedro.blogspot.comredentoristando-pedro.blogspot.com
redentoristando-pedro.blogspot.com
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
 
Definitivo missão
Definitivo   missãoDefinitivo   missão
Definitivo missão
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
 
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
6º Encontro ano da fé   documento de aparecida6º Encontro ano da fé   documento de aparecida
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
 
Uma nova paroquia
Uma nova paroquiaUma nova paroquia
Uma nova paroquia
 

Último

Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 

Último (16)

Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 

K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11

  • 1.
  • 2. Quem são os leigos? Todos os cristãos que: ∙ foram batizados no Povo de Deus ∙ são ramos enxertados em Cristo ∙ participam da tríplice missão de Cristo ∙ exercem sua missão na Igreja e no mundo, a partir de dentro, como o fermento ∙ não são membros ordenados ∙ não fizeram os votos religiosos ∙ são todos chamados à santidade.
  • 3. Identificados com Jesus Cristo O Espírito do Senhor está sobre mim: por isso me ungiu e me enviou a anunciar a Boa Nova aos pobres, para proclamar a libertação dos cativos, e aos cegos o recobrar da vista, para mandar em liberdade os oprimidos e proclamar um ano de graça do Senhor (Lc.4,18-19)
  • 4. Como Jesus Cristo... • Sacerdotes • Profetas • Reis
  • 5.
  • 6. Os povos da América Latina vivem hoje uma realidade marcada por grandes mudanças que afetam profundamente suas vidas. Como discípulos de Jesus Cristo, sentimo-nos desafiados a discernir os ‘sinais dos tempos’ (DAp,n.33)
  • 7. Bento 16 no Discurso em Aparecida: ...percebe-se um certo enfraquecimento da vida cristã no conjunto da sociedade e da própria pertença à Igreja Católica (DAp 100,b)
  • 8. 1. Agudo relativismo > oscila entre as possibilidades 2. Fundamentalismo # pluralidade, caráter histórico 3. Laicismo militante 4. Irracionalidade dos meios de comunicação 5. Amoralismo generalizado 6. Desrespeito diante do povo 7. Propostas de felicidade # bem comum 8. Individualismo # atitudes de solidariedade 9. Pobres considerados como descartáveis 10. Falta de consciência cidadã 11. Negação e ameaça da vida 12. Práticas religiosas sentimentais, de momentos 13. Manipulação do Evangelho
  • 9. Diante de mudanças profundas… ∙ Nem sempre é fácil compreender a realidade ∙ Necessidade de visão evangélica crítica ∙ Desafio para discernir ∙ Escolher ação evangelizadora específica ∙ Buscar aspectos centrais da fé ∙ Novo ardor, novos métodos, novas expressões!
  • 10.
  • 11. Constatamos que em nossa Igreja existem numerosos católicos que expressam sua fé e sua pertença de forma esporádica... Convidamos esses a aprofundarem sua fé e participarem mais plenamente na vida da Igreja (DAp n.160).
  • 12. São muitos os cristãos que: não participam na Eucaristia dominical nem recebem com regularidade os sacramentos, nem se inserem ativamente na comunidade eclesial. Temos alta porcentagem de católicos sem a consciência de sua missão de ser sal e fermento no mundo, com identidade cristã fraca e vulnerável. (DAp n.286)
  • 13. Enfrentam-se dificuldades para assumir a sustentação econômica das estruturas pastorais. Falta solidariedade na comunhão de bens no interior das igrejas locais e entre elas (DAp n.100, e)
  • 14.
  • 15. O seguimento é fruto de uma fascinação que responde ao desejo de realização humana, ao desejo de vida plena. O discípulo é alguém apaixonado por Cristo, a quem reconhece como o mestre que conduz e acompanha (DAp n.277)
  • 16. Bento 16: na missa de entronização: Não há nada mais belo do que ser alcançado, surpreendido pelo Evangelho, por Cristo. Não há nada mais belo do que conhecê-lo e comunicar aos outros a amizade com Ele.
  • 17. Ser discípulo é… ∙ Colocar os passos sobre as suas pegadas ∙ Conviver com Ele ∙ Formar parte da sua comunidade ∙ Ouvir e ver acontecer o Reino de Deus ∙ Aprender uma ‘vida nova’ ∙ Abrir caminho de vida e esperança para todos ∙ Mover a vida pelo amor e serviço aos demais
  • 18. Não há discipulado sem comunhão. Diante da tentação, muito presente na cultura atual, de ser cristão sem Igreja e das novas buscas espirituais individualistas, afirmamos que a fé em Jesus Cristo nos chegou através da comunidade eclesial (DAp. n.156)
  • 19. A vida em comunidade é essencial à vocação cristã. O discipulado e a missão sempre supõem a pertença a uma comunidade. Deus não nos quis salvar isoladamente, mas formando um Povo. Este é um aspecto que distingue a experiência da vocação cristã de um simples sentimento religioso individual (DAp. n.164)
  • 20. Elã missionário Discipulado e missão são como os dois lados de uma mesma moeda: quando o discípulo está enamorado de Cristo, não pode deixar de anunciar ao mundo que só ele nos salva (At. 4,12).
  • 21.
  • 22. A Igreja no Brasil se empenhará em ser uma Igreja 1. em estado permanente de missão, 2. casa da iniciação à vida cristã, 3. fonte da animação bíblica de toda a vida, 4. comunidade de comunidades, 5. a serviço da vida em todas as suas instâncias
  • 23.
  • 24. Ações a realizar… 1. Urgente saída em todas as direções… 2. Despertar cada batizado para a missão 3. Esquecer o que ficou para trás… 4. Procurar os pouco vinculados com a Igreja 5. Provocar forte comoção missionária 6. Anunciar J.Cristo # concorrência religiosa 7. Através do testemunho pessoal 8. Pastoral: de conservação a missionária
  • 25. Afinal… o que queremos fazer? A Igreja Católica é chamada para ser, no mundo, testemunha do amor do Pai que quer fazer da humanidade uma única família em seu Filho (Deus é Amor, 19). Por isso, a evangelização, o anúncio, o testemunho… se fazem por atração, não por proselitismo. Ajudar os fiéis a viverem sua fé, com alegria e coerência.
  • 26. O grande serviço da Igreja hoje: Este é o grande serviço que a Igreja, discípula missionária de Jesus Cristo, é chamada a prestar neste momento da história. Em atitude de diálogo, cabe-lhe anunciar e reanunciar a pessoa e a mensagem de seu Mestre, conclamando à comunhão todos os seres humanos, para a busca da cultura da vida, a caminho do Reino definitivo (DGAE,36)
  • 27. A fé nos ensina que Deus vive na cidade, em meio a suas alegrias, desejos e esperanças, como também em meio a suas dores e sofrimentos. As sombras que marcam o cotidiano das cidades: violência, pobreza, individualismo e exclusão, não nos podem impedir que busquemos e contemplemos o Deus da vida também nos ambientes urbanos (DAp. n.514)
  • 28. As cidades são lugares de liberdade e oportunidade (DAp. n.514) Podemos realizar com alegria e coragem a evangelização da cidade atual (DAp. n.513) Devemos empregar esforço e criatividade na evangelização de empresários, políticos e formadores de opinião no mundo do trabalho, dirigentes sindicais, cooperativos e comunitários (DAp. n.492)
  • 29.
  • 30. Não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande idéia, mas através do encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá um novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva (DAp. n.243)
  • 31. Ações a realizar… 1. Descobrir o amor de Deus pela mediação de outros 2. Considerar tempo e lugar para apresentar Cristo 3. Meios antigos de anúncio já não contam mais 4. Atendimento personalizado 5. Não pressupor o anúncio, mas explicitá-lo 6. Formação não só doutrinal, mas para a vida 7. Iniciação cristã > encontro pessoal com Cristo 8. Não se esgota na preparação dos sacramentos 9. Não se reduz a cursos > celebrações, serviços… 10.Processo permanente, com estruturas adequadas
  • 32.
  • 33. Ações a realizar… 1. Difundir a Bíblia, sobretudo entre os pobres 2. Contato com a Palavra de Deus # momentâneo 3. Indispensável contato profundo com a Palavra 4. Introduzir novas gerações na Palavra de Deus 5. Problemas requerem firmeza na fé < Palavra 6. Escutar a voz de Cristo em meio a tantas vozes… 7. Acolhimento da Palavra no seio da Igreja 8. Experiência da Leitura Orante da Bíblia 9. Formar agentes do contato apaixonado com a SE 10.Fortalecer equipes de animação bíblica da pastoral 11.Formação contínua dos Ministros da Palavra
  • 34.
  • 35. A Igreja ‘nos dá uma família, a família universal de Deus’. A fé nos liberta do isolamento do eu, porque nos conduz à comunhão’ (DAp. n.156)
  • 36. Ações a realizar… 1. Necessidade de viver a fé em comunidade 2. Diálogo: caminho da boa convivência e comunhão 3. Reagir ao individualismo típico de nossa época 4. A própria comunidade precisa ser ela mesma anúncio 5. Tipos: territoriais, ambientais, afetivas, virtuais… 6. Paróquias: mais comunidades vivas e dinâmicas 7. Articuladas entre si, na partilha de fé e missão 8. Implica: profundidade, afetividade, interesses comuns, estabilidade e solidariedade
  • 37.
  • 38. Defesa da vida ... só o Senhor é o autor e o dono da vida, e o ser humano, sua imagem vivente, é sempre sagrado, desde sua concepção, em todas as etapas da existência, até sua morte natural e depois da morte (DAp. n.388).
  • 39. A nova época que, pela graça deste mesmo Deus, haverá de surgir, precisa ser marcada pelo amor e pela valorização da vida, em todas as suas dimensões. A omissão diante de tal desafio será cobrada por Deus e pela história futura (DGAE, 66)
  • 40. O discípulo missionário… não se cala igualmente diante da vida sem alimentação, casa, terra, trabalho, educação, saúde, lazer, liberdade, esperança e fé. O discípulo missionário deve ser, já nesta vida, parceiro da vida e vida em plenitude (DGAE, 68).
  • 41. Ações a realizar… 1. A missão dos discípulos é o serviço à vida plena 2. Maior compromisso com a cultura da vida 3. Práticas para desabrochar e florescer a vida 4. Começar pelo respeito à dignidade humana 5. Igreja é servidora do Deus da Vida 6. Abrir o coração para todas as ameaças à vida 7. Testemunhar a fé pela cultura da vida 8. Atenção a diversos grupos de pessoas
  • 42. Família A família é um dos tesouros mais importantes dos povos latino-americanos e é patrimônio da humanidade inteira... somos chamados a trabalhar para que a família assuma seu ser e sua missão no âmbito da sociedade e da Igreja (DAp. n.432)
  • 43. ... a ‘opção preferencial pelos pobres está implícita na fé cristológica naquele Deus que se fez pobre por nós, para nos enriquecer com sua pobreza’ (DAp. n.392) [Então] os cristãos, como discípulos missionários, são chamados a contemplar, nos rostos sofredores de nossos irmãos, o rosto de Cristo que nos chama a servi-lo neles (DAp. n.393)
  • 44. Só a proximidade que nos faz amigos nos permite apreciar profundamente os valores dos pobres de hoje, seus legítimos desejos e seu modo próprio de viver a fé. A opção pelos pobres deve conduzir-nos à amizade com os pobres (DAp. n.398)
  • 45. Dedicar tempo aos pobres, prestar a eles amável atenção, escutá-los com interesse, acompanhá-los nos momentos difíceis, escolhê-los para compartilhar horas, semanas ou anos de nossa vida, e procurando, a partir deles, a transformação de sua situação (DAp. n.397)
  • 46. O Dia do Senhor! Sem uma participação ativa na celebração eucarística dominical e nas festas de preceito, não existir um discípulo missionário maduro. Por causa disso, é importante promover a ‘pastoral do domingo’ e dar a ela ‘prioridade nos programas pastorais’, para novo impulso na evangelização do povo de Deus no continente latino-americano (DAp. n.252).
  • 47. GRANDE DECISÃO: Do cenáculo de Aparecida nos dispomos a empreender uma nova etapa de nosso caminhar pastoral declarando-nos em missão permanente. Com o fogo do Espírito vamos inflamar de amor o nosso continente (Mensagem Final, n .4)
  • 48. Assumimos o compromisso de uma grande missão em todo o Continente... Necessitamos desenvolver a dimensão missionária da vida de Cristo. A Igreja necessita de forte comoção que a impeça de se instalar na comodidade, no estancamento e na indiferença, à margem do sofrimento dos pobres do Continente (DAp. n.362).
  • 49. Queremos abraçar todo o continente para transmitir-lhes o amor de Deus e nosso. Desejamos que este abraço alcance também o mundo inteiro (Mensagem n.5)
  • 50. Esta firme decisão missionária deve impregnar todas as estruturas eclesiais e todos os planos pastorais de dioceses, paróquias, comunidades religiosas, movimentos e de qualquer instituição da Igreja (DAp. n.365)
  • 51. Nenhuma comunidade deve isentar-se de entrar decididamente, com todas as forças, nos processos constantes de renovação missionária e de abandonar as ultrapassadas estruturas que já não favoreçam a transmissão da fé (DAp. n.365).
  • 52. CONVOCAÇÃO Convocamos todos os nossos irmãos e irmãs para que, unidos, com entusiasmo, realizemos a GRANDE MISSÃO CONTINENTAL. Será um novo Pentecostes que nos impulsione a ir, de modo especial, em busca dos católicos afastados e dos que pouco ou nada conhecem de J.Cristo para que formemos com alegria a comunidade de amor do nosso Pai Deus.
  • 53. ∙ Que ninguém fique de braços cruzados! ∙ Ser missionário é ser anunciador de Jesus Cristo: ∙ com criatividade e audácia ∙ não só com a palavra, ∙ mas principalmente com a nossa própria vida, ∙ em todos os lugares onde o Evangelho não foi suficientemente anunciado ou acolhido.
  • 54. Necessitamos que cada comunidade cristã se transforme num poderoso centro de irradiação da vida em Cristo. Esperamos um novo Pentecostes que nos livre do cansaço, da desilusão, da acomodação ao ambiente; esperamos uma vinda do Espírito que renove nossa alegria e nossa esperança (n.362)
  • 55. Como faremos isso? ∙ Com o vigor do Espírito Santo ∙ Formar comunidade, que já é parte do anúncio ∙ Tornar visível nossa solidariedade ∙ Promover diálogo com todos os atores sociais ∙ Ser integradores de forças para mundo justo ∙ Partilhar a mesa da vida, aberta, inclusiva… ∙ Defender os mais fracos, especialmente… ∙ Contribuir para haver condições de vida digna
  • 56. Ações a realizar… 1. Missões populares… Pastoral da visitação… 2. Visitas sistemáticas: locais de trabalho, ∙ moradias de estudantes, favelas, cortiços, ∙ alojamentos de trabalhadores, albergues, ∙ instituições de saúde, assentamentos, prisões, ∙ moradores de rua… 3. Testemunhar uma Igreja Samaritana!
  • 57.
  • 58. Eu, o Senhor, te chamei para a justiça e te tomei pela mão. Eu te formei e te encarreguei de seres a aliança do meu povo e a luz das nações, para abrires os olhos aos cegos, tirares do cárcere os prisioneiros… Não tenhas medo, eu estou contigo! És muito precioso para mim, e mesmo que seja alto o teu preço, é a ti que eu quero! (Is.42 e 43)
  • 59. Co-responsabilidade… Em virtude da comum dignidade batismal, o fiel leigo é co-responsável, juntamente com os ministros ordenados e com os religiosos e as religiosas, da missão da Igreja (ChFL, 15).
  • 60. A evangelização do Continente, dizia-nos o papa João Paulo II, não pode realizar-se hoje sem a colaboração dos fiéis leigos (DAp n.213). Sua missão própria e específica se realiza no mundo, de tal modo que, com seu testemunho e sua atividade, contribuam para a transformação das realidades e para a criação de estruturas justas, segundo os critérios do Evangelho (DAp n.210).
  • 61. Onde atuar? O campo próprio da sua atividade evangelizadora é o mesmo mundo vasto e complicado da política, da realidade social e da economia, como também o da cultura, das ciências e das artes, da vida internacional, dos meios de comunicação… Quanto mais leigos houver impregnados do Evangelho… (EN,70)
  • 62. Cinco aspectos fundamentais na formação 1. O encontro com J.Cristo: origem 2. A conversão: forma de pensar e viver 3. O discipulado: amadurecimento… 4. A comunhão: vida em comunidade 5. A missão: necessidade de compartilhar (DAp. n.278)
  • 63. O discípulo e missionário de Cristo que se empenha nos âmbitos da política, da economia e nos centros de decisões sofre a influência de uma cultura frequentemente dominada pelo materialismo, pelos interesses egoístas e por uma concepção do homem contrária à visão cristã (DAp. n.506).
  • 64. Por isso é imprescindível que o discípulo se fundamente no seguimento do Senhor... para construir ao redor dele um consenso moral sobre os valores fundamentais que tornam possível a construção de uma sociedade justa (n.506)
  • 65.
  • 66. A própria natureza do Cristianismo consiste, portanto, em reconhecer a presença de Jesus Cristo e segui-lo. Essa foi a maravilhosa experiência daqueles primeiros discípulos que, encontrando Jesus, ficaram fascinados e cheios de assombro frente à excepcionalidade de quem lhes falava, diante da maneira como os tratava, coincidindo com a fome e sede de vida que havia em seus corações (DAp n.244).
  • 67. Conhecer Jesus Cristo é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria (DAP. n.29).
  • 68. A nossa maior alegria é ser seus discípulos!
  • 69. Ser cristão não é uma carga, mas um dom! (DAp., n.28)