SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise de sensibilidade da pré-
determinação do tamanho de frota e
dos custos de colhedoras, conjuntos
transbordo e veículos de carga para
CCT de cana crua em rebolos
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ
DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA
PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ECONOMIA E GESTÃO DE EMPRESAS
Especialização em Investimento e Gestão na Agroindústria Sucroalcooleira
Turma 2009/2011
Rafael José Rorato
Mestre em Engenharia de Transportes
Piracicaba, 28 de maio de 2011
2
Estrutura da apresentação
• Introdução
• Processo Mecanizado da CCT
• Dimensionamento Recursos Logísticos
• Custos Médios Desagregados
• Cenário Hipotético
• Análise de Sensibilidade
• Conclusões
3
Introdução
• Objetivo principal
Investigar o comportamento da
sensibilidade do pré-dimensionamento e
dos custos da operação logística agrícola
da colheita mecanizada e do transporte de
colmos
4
Introdução
• Objetivos secundários
– Criar ferramenta computacional para
custo, dimensionamento e análise
sensibilidade
– Aplicar ferramenta computacional
utilizando dados secundários
– Criar subsídios aos demais estudos na
área de mecanização agrícola para
colheita de cana-de-açúcar
5
Processo Mecanizado da CCT
• Considerações iniciais
– Liderança brasileira na produção e
exportação mundial de cana-de-açúcar
– Previsão de crescimento plantio:
• 8,5 Mi ha [2010/11] → 13,9 Mi ha [2020/21]
– Aumento da produção dos produtos
beneficiados:
• Açúcar: 30%
• Etanol: 119,8%
• Energia elétrica: 336,3%
Fonte: LORA (2008)
Intervalo entre safras:
2010/11 – 2020/21
6
Processo Mecanizado da CCT
• Considerações iniciais
– Áreas de expansão agrícola da cultura
• Oeste Paulista, Goiás, Mato Grosso e Mato
Grosso do Sul
– Cultura semi-perene:
• Cana de ano ou “cana soca” (12 meses); cana
de inverno (12 a 14 meses); cana de ano e meio
ou cana planta (18 meses)
• Número de cortes > 5
• Período safra centro-sul: Abril a Novembro
Fonte: RIPOLI (2009), SOUZA (2008), SALVI et al. (2010)
7
Processo Mecanizado da CCT
• Considerações iniciais
– Complexo produtivo cana-de-açúcar
• Sistema Agrícola
• Sistema Industrial
• Sistema Logístico de Colheita: CCT
– Subsistema de Colheita
– Subsistema de Transbordo
– Subsistema de Manutenção e Suprimento
– Subsistema de Recepção de Cana-de-Açúcar
Fonte: MUNDIN (2009), DINIZ (2000) e CARVALHO (2009)
8
Fonte: MUNDIN (2009), DINIZ (2000)
e CARVALHO (2009)
9
Processo Mecanizado da CCT
cana
crua
queimada
inteira
rebolos
com palha
sem palha
sem palha
inteira
rebolos
inteira
rebolos
Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009)
10
Processo Mecanizado da CCT
corte
manual
mecanizado
cortadora
colhedora
Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009)
11
Processo Mecanizado da CCT
carregamento
manual
mecânico
carregadora
colhedora transbordo
carregadora
colhedora
manual
carregadora
Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009)
12
Processo Mecanizado da CCT
transporte
mecânico colhedoraveículos ferroviários
manualtração animal
carregadoracarregadoraveículos rodoviários
colhedoraveículos hidroviários
manualunitários
manualCVC
Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009); BRASIL (2006; 2009)
13
Processo Mecanizado da CCT
• Considerações iniciais
– CCT e impactos no subsistema industrial
• Atividade industrial ininterrupta
• Filas
• Qualidade da matéria-prima
• Impossibilidade de estocagem
– Incentivos a mecanização devido medidas de
restrição de queima e protocolo de cooperação
ambiental
• Áreas mecanizáveis: 2014
• Áreas com declividades superiores a 12%: 2017
Fonte: PELOIA (2008), LORA (2008)
14
Processo Mecanizado da CCT
15
Processo Mecanizado da CCT
• Fatores técnicos relevantes à
Colhedoras, Transbordos e CVCs
– Colhedora:
• Operação associada a um conjunto transbordo
• Colhedora trafega sobre a entre-linha da cana
• Realiza cortes basais e apicais
• Separa parcialmente material vegetal e mineral
indesejado
• Fraciona os colmos da cana em rebolos: 15 a
40cm
Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009), ORSOLINI (2002)
16
Processo Mecanizado da CCT
• Fatores técnicos relevantes à
Colhedoras, Transbordos e CVCs
– Colhedora: escolha
• Configurações Mecânico-Geométricas
• Fonte de Potência
• Rodado
• Número de fileiras de corte
• Sistema de levante canas acamadas
• Número de discos de corte basal
• Condução interna da máquina
• Sistema de fragmentação dos rebolos
• Autopropelida ou montada
• Potência do motor
• Bitola
• Centro de gravidade
Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009), PARANHOS (1974)
• Largura dos elevadores
• Rotação do elevador final
• Sistema de limpeza
• Velocidade de deslocamento
• Estabilidade
• Manobrabilidade
• Índice de quebra
• Manutenção
• Custos
• Ergonomia
• Tipo de despontador
17
Processo Mecanizado da CCT
• Fatores técnicos relevantes à
Colhedoras, Transbordos e CVCs
– Colhedora: escolha
• Meio-Ambiente Operacional
• Declividade do terreno
• Conservação do solo
• Regularidade do solo
• Limpeza do terreno
• Manejo variental
• Canas acamadas
• Sistematização de talhões/glebas
• Estado do canavial
• Preparo do solo
• Sistema de plantio
• Espaçamento entre as linhas
• Comprimento das fileiras de plantio
• Estado dos carreadores
• Paralelismo das linhas
• Nivelamento entre o talhão carreador
• Espaçamento de acordo com bitola
• Eliminação fileiras mortas
• Minimização das manobras de
cabeceira
Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009), SALVI (2006), PELOIA (2008)
18
Processo Mecanizado da CCT
19
Processo Mecanizado da CCT
• Fatores técnicos relevantes à
Colhedoras, Transbordos e CVCs
– Transbordo
• Operação conjunta com a colhedora
• Recepção e acúmulo dos rebolos
• Transfere rebolos à unidade de transporte
Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009)
• Unidade tração + implemento agrícola
• Existência de conjunto transbordo
autopropelido (unidade tração e carga
em único chassi)
• Outras configurações veiculares
(caminhões canavieiros; implemento
agrícola acoplado veículo rodoviário)
• Bitola eixos trator e caçamba
• Potência do trator
• Distribuição do tração
• Capacidade da caçamba
• Volume da caçamba
• Número de eixos
• Basculamento lateral caçamba
• Dispositivo de conexão
20
Processo Mecanizado da CCT
21
Processo Mecanizado da CCT
• Fatores técnicos relevantes à
Colhedoras, Transbordos e CVCs
– Combinações de Veículos de Carga
• PBTC = 74t
• Comprimento 25,0~30,0m
• Veículo tração + implementos rodoviários
• Configuração com total de 9 eixos
• Nome técnico: Bitrem
• Nome comercial: Rodotrem
22
Processo Mecanizado da CCT
• Fatores técnicos relevantes à
Colhedoras, Transbordos e CVCs
– Combinações de Veículos de Carga
• Regulamentação do sistema viário
– Resoluções Contran 210/06 e 211/06: Pesos,
dimensões e AET
• Compatibilização da tecnologia de transporte e
infraestrutura: pontes, galerias
• Configuração do sistema de transmissão: 4x2,
6x2, 6x4
• Posição do motor: inferior ou frontal
Fonte: BRASIL (2006), ODA (1995), DIAS et al (2008), BAUER (2000)
23
Processo Mecanizado da CCT
• Fatores técnicos relevantes à
Colhedoras, Transbordos e CVCs:
– Combinações de Veículos de Carga
• Disposição dos eixos e suspensão:
– tandem (maior capacidade)
– não tandem (menor capacidade, menor custo
aquisição)
• Relação peso/potência e Capacidade Máxima
de Tração
– PBTC > 60t: 6 a 7 cv/t (4,4 a 5,1W/kg)
• Escolha do implemento rodoviário
Fonte: BRASIL (2011), WIDMER (1999; 2002), PEREIRA NETO (2007)
24
Dimensionamento de recursos
logísticos para a CCT
• Sistemas mecanizados para colheita
– Metodologia proposta por MILAN (2010) e
aplicada em MATOS (2007) e SALVI et al.
(2010)
– Estimativa de tempo disponível (TD)
     EgJtNduiNdfNtTD 
• TD: tempo disponível para realizar a operação de colheita, em horas
• Nt: número de dias contido no período determinado para a realização da operação
• Ndf: número de domingos e feriados, quando respeitados, existentes no período
• Ndui: número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas
• Jt: jornada de trabalho adotada, em horas
• Eg: eficiência de gerenciamento administrativo-operacional, em %
25
Dimensionamento de recursos
logísticos para a CCT
• Sistemas mecanizados para colheita
– Estimativa de ritmo operacional (RO)
– Número de conjuntos (NC)
TD
C
RO colhida

• RO: ritmo operacional, em t/h
• Ccolhida: quantidade de cana a ser colhida, em t
CPO
RO
NC 
• CPO: capacidade de produção operacional das máquinas agrícolas, em ha/h
Fonte: MILAN (2010)
26
Dimensionamento de recursos
logísticos para a CCT
• Sistemas mecanizados para colheita
– Número de conjuntos (NC)
• CCE: capacidade de campo efetiva, em ha/h
• Efc: Eficiência da colheita, em decimal
• Ve: Velocidade efetiva de trabalho (km/h)
• TCH: Toneladas de cana por hectare (t/ha)
• NL: Número de linhas de plantio
• ESP: Espaçamento entre as linhas (m)
Fonte: MILAN (2010), BASTOS (2009)
EfcCCECPO 
10
ESPNLTCHVe
CCE


27
Dimensionamento de recursos
logísticos para a CCT
• Frota rodoviária
– Número de veículos (NV)
• VNt: Viagens necessárias para a movimentação do volume de carga por mês
• VVt: Viagens que um veículo padrão é capaz de realizar no mês
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
VVt
VNt
NV 
CUBd
Q
VNt


• Q: Quantidade de carga a ser transportada, para o mês, em kg, t, L ou m³
• d: Peso específico da carga a ser transportada, em kg/m³ ou t/m³
• CUB: Capacidade de transporte de carga do veículo, em m³
• DO: Dias de operação em um mês
• TDO: Tempo diário de operação – jornada de trabalho, em horas
• TC: Tempo do ciclo de viagem – carga, descarga, deslocamento ida e volta, em horas
TC
TDO
DOVVt 
28
Custos médios desagregados
• Sistemas mecanizados: colhedora e
transbordo
– Custo fixo (Cfa)
Fonte: MILAN (2010), PELOIA (2008)
   









 
































 

100
)100(1
2
11 ESNtSt
n
CAg
jn
CalAst
n
P
i
Vf
n
Vf
ViCFa
• Vi: Valor inicial, em R$
• Vf: Valor final do maquinário no término
da vida útil, em R$
• n: Período do projeto financeiro, em anos
equivalentes
• i: Taxa de juros, em %aa
• P: Prêmio do seguro, considerando
cobertura de sinistros para o período n,
em decimal
• Ast: Custo do alojamento/oficina
(benfeitoria), em R$
• Cal: Custos luz, veículos de apoio, estoques
peças, combustível, mão-de-obra
• j: Número de subsistemas
mecânicos/transportes inseridos na CCT
• CAg: Custo dos equipamentos, operação e
mão-de-obra para a utilização de processos
de Agricultura de Precisão, em R$
• St: Salário do tratorista, em R$
• Nt: Número de tratoristas, para a jornada
diária de trabalho
• ES: Encargos sociais
29
Custos médios desagregados
• Sistemas mecanizados: colhedora e
transbordo
– Custo variável (Cva)
• Combustível (CCb)
• Reparo e manutenção (Crm)
Fonte: MILAN (2010), PELOIA (2008)
• Cc: Consumo de combustível da máquina agrícola, em L/h
• Pl: Preço do combustível, em R$/L
PlCcCCb 
n
FrVi
Crm


• Fr: Fator de reparos e manutenção, em decimal
30
Custos médios desagregados
• Sistemas mecanizados: colhedora e
transbordo
– Custo variável (Cva)
• Lubrificantes e filtros (Clb)
Fonte: ALCANTARA et al. (2008)
10007505002005010 ClbClbClbClbClbClbClb 
10
10 1010 QCC
Clb


50
)()(
50 50505050 bbaa QCCQCC
Clb


500
500 500500 QCC
Clb


200
)()(
200 200200200200 bbaa QCCQCC
Clb


31
Custos médios desagregados
Fonte: ALCANTARA et al. (2008)
750
750 750750 QCC
Clb


1000
)()()()()(
1000 1000100010001000100010001000100010001000 eeddccbbaa QCCQCCQCCQCCQCC
Clb


• Sistemas mecanizados: colhedora e
transbordo
– Custo variável (Cva)
• Lubrificantes e filtros (Clb)
32
Custos médios desagregados
Fonte: ALCANTARA et al. (2008)
Intervalo de
utilização (h)
Item
Custo do
insumo a ser
trocado (R$/L
ou R$/un.)
Quantidade
do insumo (L
ou unidade)
Componente de
custo (R$/h)
10
Lubrificação geral de partes do trator
com graxa
C10 QC10 Clb10
Lubrificação dos pontos de
lubrificação
C50a QC50a
50
Complementação do nível de óleo
lubrificante da bomba injetora
C50b QC50b
Clb50
Troca do óleo do motor e do filtro de
óleo
C200a QC200a
200
Troca do filtro de combustível C200b QC200b
Clb200
500
Troca do óleo da direção e limpeza
do filtro
C500 QC500 Clb500
750
Trocar elemento externo do filtro de
ar do motor
C750 QC750 Clb750
Troca do óleo da transmissão traseiro
e do hidráulico
C1000a QC1000a
Troca do elemento filtrante do filtro
de ar
C1000b QC1000b
Troca do óleo dos cubos das rodas
dianteiras
C1000c QC1000c
Trocar líquido de arrefecimento C1000d QC1000d
1000
Troca de óleo do eixo dianteiro
(diferencial dianteiro)
C1000e QC1000e
Clb1000
33
Custos médios desagregados
• Sistemas mecanizados: colhedora e
transbordo
– Custo por hora do sistema mecanizado
– Custo por hectare operacional do sistema
mecanizado
TDCvaCfaCSM 
CPO
CSM
COp 
• CSM: Custo sistema mecanizado para a vida útil (n) do equipamento, em R$/h
• COp: Custo operacional da máquina / conjunto trator implemento, em R$/ha
34
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo por quilômetro (R$/km)
– Custo por tonelada (R$/t)
• CVK: Custo variável mensal da CVC, em R$/km
• CFM: Custo fixo mensal da CVC, em R$/mês
• QMMTD: Quilometragem média mensal, no TD mês, para a CVC, em km
• IDI: Custos indiretos da empresa, em decimal
• CCV: Capacidade líquida de carga para a CVC, em t
• IAV: Índice de aproveitamento do veículo, em decimal
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
   IDICFMQMMCVKCOKm TD  1
IAVCCV
COKm
CTQ


35
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Fixo (CFM)
• Depreciação
• Remuneração de Capital
• V: Custo de aquisição do veículo de tração e implemento rodoviário, em R$
• R: Valor residual de revenda do veículo de tração e implemento em n anos de uso, em R$
• n: Período do projeto financeiro, em anos equivalentes
• j: Taxa de juros, em % ao ano
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
n
RV
D


)(
2
)1()(
jR
n
jnRV
RC 



36
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Fixo (CFM)
• Salário
• Licenciamento
• Sm: Salário médio mensal do motorista
• Nm: Número de motoristas, para a jornada diária de trabalho
• ES: Encargos sociais, em valor %
• SO: Seguro obrigatório, em R$
• IP: Imposto sobre propriedade de veículos automotores (IPVA), em R$
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
100
)100( ESNmSm
CS


12
IPSO
CL


37
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Fixo (CFM)
• Autorização Especial de Tráfego
• Monitoramento/Telemetria
• CEST: Custo de estudos para CVC, conforme Resolução 211/06 do CONTRAN, em R$
• CTAX: Valor da taxa para emissão da AET, em R$
• VM: Custo de aquisição dos equipamentos de monitoramento e telemetria, em R$
• Ccom: Custo de mensalidade, com manutenção e comunicação, em R$/mês
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
12
CTAXCEST
CAET


Ccom
n
VM
CMTel 
38
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Fixo (CFM)
• Seguro do Casco
• Alojamento, Oficina e Comboio de Manutenção
• ISP: Índice de perda total do veículo, por ano, em decimal
• Ast: Custo do alojamento/oficina (benfeitoria), em R$
• Cal: Custos de luz, comunicação, veículos de apoio, estoques de peças, combustível,
mão-de-obra vinculados ao alojamento
• j: Número de subsistemas mecânicos/transportes inseridos na CCT
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
VISPSC 









jn
CalAst
AOCM
1
39
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Variável (CVK)
• Pneumáticos
• Up: Custo unitário por pneu, em R$
• Qp: Quantidade de pneus da CVC padrão
• ntp: Vida útil total do pneumático, em km
• Ppc: Preço de um pneu e uma câmara, em R$
• Gre: Gastos com recapagem para um pneu, em decimal
• Gcr: Gastos com recuperação da câmara no recapeamento, em decimal
• Pre: Preço de recapagem para um pneu, em R$
• Ppn: Preço de um pneu, em R$
• Pca: Preço da câmara, em R$
• npr: Vida média do pneu recapado/recauchutado, em km
• imr: Índice médio de recapagens, em decimal
• npn: Vida média do pneu novo, em km
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
ntp
QpUp
CP


GcrGrePpcUp 
PcaeGre  Pr
PcaPpnPpc 
imrPcaGcr 
npnimrnprntp  )(
40
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Variável (CVK)
• Manutenção
• Lavagem e filtros de ár e óleo
• Vsp: Custo de aquisição do cavalo mecânico e implemento, sem pneus, em R$
• im: Índice de manutenção, em decimal
• mac: Intervalo médio de manutenções, em km
• Cla: Custo de lavagem por quilômetro, em R$/km
• Cfi: Custo de filtro de ar por quilômetro, em R$/km
• Pla: Preço de uma lavagem (mão-de-obra), em R$
• Pfi: Preço de uma troca de filtro de ar (mão-de-obra e material), em R$
• ila: Intervalo entre lavagens, em km
• ilf: Intervalo entre troca de filtro de ar, em km
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
mac
imVsp
CM


CfiClaLF 
ila
Pla
Cla 
ilf
Pfi
Cfi 
41
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Variável (CVK)
• Combustível
• Plc: Custo do litro de óleo diesel, em R$/L
• Aml: Autonomia média, em km/L
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
Aml
Plc
CC 
42
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Variável (CVK)
• Lubrificantes
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
OdifFradComTomOsdOctOcmCO 
icm
QcmPcm
Ocm


ict
QctPct
Oct

 isd
QsdPsd
Osd


itd
QdifPodif
Odif


ifr
QfrPfrad
Frad


ito
QtoPom
Tom


itoc
QtoPom
Com


43
Custos médios desagregados
• Sistemas de transportes - CVC
– Custo Variável (CVK)
• Lubrificantes
Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)
• Ocm: Custo do óleo para caixa de mudanças, em R$/km
• Oct: Custo do óleo para eixo traseiro, em R$/km
• Osd: Custo do óleo para sistema de direção, em R$/km
• Tom: Custo do óleo para motor, em R$/km
• Com: Custo de complementação do óleo para motor, em R$/km
• Frad: Custo do fluído para radiador, em R$/km
• Pi: Preço litro do insumo i (óleo/lubrificante/fluído) para cada componente j (caixa, eixo,
motor, radiador), em R$/L
• Qi: Quantidade do insumo i (óleo/lubrificante/fluído) para cada componente j (caixa, eixo,
motor, radiador), em L
• icm, ict, isd, ito, itoc, ifr e itd: Intervalo de troca dos respectivos insumos, em km
44
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Área de plantio e unidade industrial
localizadas no município de Uberaba
• Delimitadas pelas rodovias BR-040 e BR-452
• Área total: 58.000ha
• Total de glebas: 17
• Heterogeneidade dos tamanhos: 17 ~
15.000ha
• Sistema viário de 532km
• Cobertura de Acessibilidade do transbordo
ao sistema viário: 1.000m
45
Localização
46
Sistema Viário
47
Identificação
glebas
48
Acessibilidade
usina
49
Acessibilidade
transbordo
50
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dados de entrada
– Equipamentos e implementos
considerados para valor padrão
• Caminhão trator Scania G-470 A 6x4 2p
• Implemento rodoviário de carga, conjunto
rodotrem para cana picada Guerra 2 ELS 81m³
• Colhedora de cana picada John Deere 3520,
com material rodante em pneus
• Trator com bitola estendida John Deere 7815,
com 202cv
• Caçamba para transbordo Santal VT13 Tridem
51
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Tempo Disponível:
– Número total de dias úteis: 289 dias
– Número de domingos e feriados: 87 a 89 dias
(sem operação aos sábados e domingos)
– Número de dias úteis impróprios: 16 a 22 dias
[adaptado de Silva et al. (2003) e Torres et al.
(2005)]
– Eficiência operacional: 32 a 48% (Md: 41,1; DP:
5,1)
– Tempo Disponível (TD):
• Horas na safra: 1.428 a 2.085h (Md: 1802,5; DP: 218,1)
• Dias mês: 59,5 a 86,8h (Md: 75,1; DP: 9,1);
• Horas mês: 148,3 a 216,4h (Md: 187,1; DP: 22,6)
52
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Período de incidência do seguro para
operação de colheita de cana:
– Conjunto CVC: 10 meses (2 meses
unidade tratora é fretado)
– Colhedora de cana: 12 meses
– Trator do conjunto transbordo: 10 meses
(2 meses o trator é alugado)
– Caçambas: 12 meses
53
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Custo de aquisição Scania G-470 A 6x4 2p:
– R$424.826,00 (FIPE, 2011)
• Custo de aquisição de implemento Guerra 2 ELS 81m³:
– R$195.000,00 (estimativa)
• Custo de aquisição de colhedora John Deere 3520:
– R$790.000,00 (estimativa);
• Custo de aquisição de trator John Deere 7815, com bitola
estendida:
– R$260.000,00 (estimativa)
• Custo de aquisição de caçamba para transbordo Santal VT13
Tridem:
– R$92.000,00 (estimativa)
54
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Taxa de depreciação da CVC sobre o valor do bem:
– 30%
• Taxa de depreciação da colhedora e trator sobre o valor do
bem:
– Adaptado de CONSENTINO (2004)
• DPVAT (1° licenciamento):
– R$80,30 (DPVAT, 2011)
• IPVA:
– 2% sobre valor de aquisição (RORATO, 2003);
• Custo do projeto para AET assinado por um Engenheiro
Mecânico:
– R$1.000,00/veículo
n
etd 0465,0
277,63 
 td: Taxa de depreciação, em % ;
Assim, para n = 15 anos → td = 31,50%
55
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Taxa AET DER-SP:
– R$24,60 (DER-SP, 2011) (Adotado para MG)
• Taxa AET DNIT:
– R$14,04 (DNIT, 2011)
• Índice médio de recapagens / recauchutagens:
– 1,8 (VALENTE et al 1997; 2008)
• Vida média do pneumático agrícola novo - adaptado de
OLIVEIRA (2000).
– Pneus novos apresentam 3 anos de vida útil: 5.408h
• Índice de manutenção, para veículo de tração e implemento
rodoviários:
– 0,05 (VALENTE et al 1997; 2008)
56
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Autonomia média de consumo do combustível para CVC, para
operação em área agrícola:
– 1,22 Km/L (estimativa)
• Autonomia média de consumo do combustível da colhedora:
– 42,38L/h (TOMAZELA et al, 2010)
• Autonomia média de consumo transbordo [BARBOSA et al,
2005: 14L/h] [LOPES et al. (2003) e BANCHI et al. (2005): mesma
ordem de grandeza
– Consumo trator John Deere 7815 (202cv): 21,00L/h (adotado)
• Custo por litro de combustível (média valor máximo 04/2011):
– R$2,063/L (ANP, 2011)
57
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Capacidade teórica da CVC:
– 81m³ (GUERRA, 2011)
• Tara do implemento rodotrem canaviero:
– 22.160kg (GUERRA, 2011);
• Capacidade teórica do implemento do transbordo:
– 26.000kg (SANTAL, 2011)
• Tara do veículo de tração – Scania G-470 A 6x4 2p:]
– 10.242kg (SCANIA, 2011)
• Custo de construção do alojamento e oficina com 300m²:
– R$180.000,00 (PETCON, 2011)
58
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Custo de aquisição de implemento rodoviário carrega-tudo,
para transporte de colhedora:
– R$25.000,00 (MONTEVERDE CONSULTORIA, 2011)
• Custo mensal de comboio para lubrificação e manutenção de
campo:
– R$8.385,00/mês (MONTEVERDE CONSULTORIA, 2011)
• Número de sistemas mecanizados que utilizam o alojamento e
comboio de lubrificação:
– 3 un.
59
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Distância assumida entre glebas e unidade industrial
Gleba Max Mín Méd
Desvio
Padrão
Variância Range
Coeficiente de
Variação (%)
Distância
Adotada (km)
1 33,2 26,8 30,9 2,8 8,0 6,4 9,2 33,2
2 47,1 26,6 38,2 5,2 26,6 20,5 13,5 47,1
3 26,0 20,3 23,4 2,9 8,1 5,6 12,2 26,0
4 41,4 28,4 36,1 3,7 13,5 13,0 10,2 41,4
5 38,9 29,6 34,6 3,1 9,8 9,2 9,0 38,9
6 8,4 8,4 8,4 #DIV/0! #DIV/0! 0,0 #DIV/0! 8,4
7 26,6 7,2 17,3 5,4 29,6 19,4 31,5 26,6
8 28,4 16,9 22,7 4,1 16,9 11,5 18,1 28,4
9 24,4 17,7 20,7 2,4 5,6 6,7 11,4 24,4
10 17,7 12,2 14,9 3,9 15,0 5,5 25,9 17,7
11 13,1 13,1 13,1 #DIV/0! #DIV/0! 0,0 #DIV/0! 13,1
16 2,7 2,7 2,7 #DIV/0! #DIV/0! 0,0 #DIV/0! 2,7
17 39,4 17,0 25,3 6,2 38,4 22,5 24,5 39,4
60
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Custo fixo e variável para os subsistemas CCT
61
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Custo fixo e variável para os subsistemas CCT
62
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Custo fixo e variável para os subsistemas CCT
63
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dimensionamento de Frota
– Estatísticas operacionais de dados
coletados em usina em GO (BASTOS,
2009)
– Subsídio a geração de números aleatórios
para tempos e movimentos
– Conjunto transbordo considera 2
caçambas acopladas ao trator e uma de
reserva com sobra de campo
64
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
Fonte: BASTOS (2009)
65
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dimensionamento de Frota
– Rotina de cálculo: colhedora e transbordo
• (1) Área da Gleba (ha)
• (2) Taxa de produtividade (t/ha)
• (3) Volume de cana a transportar - Q (t)
• (4) Ritmo operacional - Q (t/h)
• (5) Capacidade de Campo Efetiva - CCE
– (5.1) Número de Linhas x Espaçamento
– (5.2) Velocidade Efetiva de Trabalho (km/h)
– (5.3) CCE (t/h)
66
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dimensionamento de Frota
– Rotina de cálculo: colhedora e transbordo
• (6) Capacidade de Produção Operacional – CPO
– (6.1) Eficiência da Colheita
– (6.2) CPO (t/h)
• (7) Número de Equipamentos Agrícolas
– (7.1) Calculado
– (7.2) Arredondado
– (7.3) Por gleba
» (7.3.1) Colhedoras
» (7.3.2) Tratores
» (7.3.3) Caçambas
– (7.4) Por fase
» (7.4.1) Colhedoras
» (7.4.2) Tratores
» (7.4.3) Caçambas
67
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dimensionamento de Frota
– Rotina de cálculo: CVC
• (1) Área da Gleba (ha)
• (2) Taxa de produtividade (t/ha)
• (3) Volume de cana a transportar - Q (kg)
• (4) Densidade média - d (média 522,5kg/m³)
• (5) Carga efetiva (kg)
• (6) Viagens necessárias - VNt
68
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dimensionamento de Frota
– Rotina de cálculo: CVC
• (7) Tempo de Ciclo
– (7.1) Tempo enchimento caçamba transbordo pela
colhedora (min)
– (7.2) Tempo deslocamento transbordo à CVC
» (7.2.1) Distância máxima média entre final de
talhão e carreador (m)
» (7.2.2) Velocidade média do comboio transbordo
carregado (km/h)
» (7.2.3) Tempo deslocamento (min)
– (7.3) Tempo processamento para basculamento da
carga à CVC (min)
69
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dimensionamento de Frota
– Rotina de cálculo: CVC
• (7) Tempo de Ciclo
– (7.1) Tempo enchimento caçamba transbordo pela
colhedora (min)
– (7.2) Tempo deslocamento transbordo à CVC
» (7.2.1) Distância máxima média entre final de
talhão e carreador (m)
» (7.2.2) Velocidade média do comboio transbordo
carregado (km/h)
» (7.2.3) Tempo deslocamento (min)
– (7.3) Tempo processamento para basculamento da
carga à CVC (min)
70
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dimensionamento de Frota
– Rotina de cálculo: CVC
• (7) Tempo de Ciclo
– (7.4) Tempo viagem gleba - usina
» (7.4.1) Distância gleba - usina (km)
» (7.4.2) Velocidade gleba - usina (km/h)
» (7.4.3) Tempo (min)
– (7.5) Tempo filas e processamento na balança entrada,
amostragem, descarregamento, e balança saída (min)
» (7.5.1) Tempo de engate e desengate (min)
» (7.5.2) Tempo de balança (min)
» (7.5.3) Tempo de deslocamento até amostragem (min)
» (7.5.4) Tempo de amostragem (min)
» (7.5.5) Tempo de deslocamento até hilo (min)
» (7.5.6) Tempo de tombamento (min)
» (7.5.7) Tempo (min)
71
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Dimensionamento de Frota
– Rotina de cálculo: CVC
• (7) Tempo de Ciclo
– (7.6) Tempo viagem usina - gleba (min)
» (7.6.1) Velocidade usina - gleba (km/h)
» (7.6.2) Tempo (min)
– (7.7) Tempo total (h)
72
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
Por gleba Por fase
1 2.890 26 14.002
3 1.251 9 11.964
11 2.235 18 7.478
17 5.878 62 14.392
2 2 15.079 342 342 12.405
5 2.504 25 13.512
6 565 3 6.452
9 2.826 23 13.160
10 1.520 10 10.310
12 27 0 7.309
13 28 0 7.538
14 102 0 6.833
15 73 0 5.915
16 451 2 2.404
4 6.467 80 14.946
8 7.583 67 12.723
5 7 8.606 71 71 12.536
Total: 738
3
4
Fase
Implantação
Gleba
Área da
Gleba (ha)
1151
147
Número de Veículos
63
Quilometragem
Média Mensal (km)
• Resultado dimensionamento CVC
73
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
Colhedoras Tratores Caçambas Colhedoras Tratores Caçambas
1 2.890 1 1 3
3 1.251 0 0 0
11 2.235 1 1 3
17 5.878 2 2 6
2 2 15.079 8 8 24 8 8 24
5 2.504 1 1 3
6 565 0 0 0
9 2.826 1 1 3
10 1.520 1 1 3
12 27 0 0 0
13 28 0 0 0
14 102 0 0 0
15 73 0 0 0
16 451 0 0 0
4 6.467 2 2 6
8 7.583 3 3 9
5 7 8.606 2 2 6 2 2 6
Total: 22 22 66
3
1
4
Número de Máquinas Agrícolas - por glebaFase
Implantação
Gleba
Área da
Gleba (ha)
Número de Máquinas Agrícolas - por fase
4 4 12
9
15
3
5
3
5
• Resultado dimensionamento
equipamentos agrícolas
74
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Resultado custo CVC e Colhedora
75
Aplicação metodológica para um
cenário hipotético
• Resultado custo Transbordo e Total
76
Análise de Sensibilidade
• Valores máximos e mínimos das variáveis são:
– Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas:
• Valor de entrada do modelo: 18,5 dias
• Intervalo (-50% e +50%): 9,2 a 27,7 dias
– Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas:
• Valor de entrada do modelo: 24 horas
• Intervalo (-10% e -50%): 21,6 a 12 horas
– Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora, em
minutos:
• Valor de entrada do modelo: 13,79 minutos
• Intervalo (-40% e +50%): 8,28 a 20,69 minutos
– Velocidade média do comboio transbordo carregado, em km/h:
• Valor de entrada do modelo: 5,68 km/h
• Intervalo (-50% e +50%): 2,84 a 8,52 km/h
77
Análise de Sensibilidade
• Valores máximos e mínimos das variáveis são:
– Custo do Veículo de Tração da CVC, em R$:
• Valor de entrada do modelo: R$424.826,00
• Intervalo (-50% e +50%): R$212.413,00 a R$637.239,00
– Custo de Aquisição da Colhedora, em R$:
• Valor de entrada do modelo: R$790.000,00
• Intervalo (-50% e +50%): R$395.000 a R$1.185.000,00
– Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora, em R$:
• Valor de entrada do modelo: R$4.000,00 (Tratorista colhedora:
R$2.000,00; e Motorista da CVC: R$2.000,00)
• Intervalo (-50% e +50%): R$2.000,00 a R$6.000,00
78
Análise de Sensibilidade
• Valores máximos e mínimos das variáveis são:
– Custo do Veículo de Tração da CVC, em R$:
• Valor de entrada do modelo: R$424.826,00
• Intervalo (-50% e +50%): R$212.413,00 a R$637.239,00
– Custo de Aquisição da Colhedora, em R$:
• Valor de entrada do modelo: R$790.000,00
• Intervalo (-50% e +50%): R$395.000 a R$1.185.000,00
– Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora, em R$:
• Valor de entrada do modelo: R$4.000,00 (Tratorista colhedora:
R$2.000,00; e Motorista da CVC: R$2.000,00)
• Intervalo (-50% e +50%): R$2.000,00 a R$6.000,00
79
Análise de Sensibilidade
R$ 500,00
R$ 600,00
R$ 700,00
R$ 800,00
R$ 900,00
R$ 1.000,00
-50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50
Variação %
R$/h
Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg
Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min)
Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h) Custo do Veículo de Tração da CVC
Custo de Aquisição da Colhedora Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora
80
Análise de Sensibilidade
R$ 80,00
R$ 90,00
R$ 100,00
R$ 110,00
R$ 120,00
R$ 130,00
R$ 140,00
-50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50
Variação %
R$/t
Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg
Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min)
Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h) Custo do Veículo de Tração da CVC
Custo de Aquisição da Colhedora Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora
81
Análise de Sensibilidade
R$ 6.000,00
R$ 7.000,00
R$ 8.000,00
R$ 9.000,00
R$ 10.000,00
-50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50
Variação %
R$/ha
Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg
Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min)
Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h) Custo do Veículo de Tração da CVC
Custo de Aquisição da Colhedora Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora
82
Análise de Sensibilidade22
22
22
22
22
22
23
23
23
23
23
40
32
29
26
23
22
22
41
32
29
26
23
22
0
5
10
15
20
25
30
35
40
45
-50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50
Variação %
Colhedoras
Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg
Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas
83
Análise de Sensibilidade66
66
66
66
66
66
69
69
69
69
69
120
96
87
78
69
66
66
123
96
87
78
69
66
0
20
40
60
80
100
120
140
-50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50
Variação %
CaçambaTransbordo
Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg
Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas
84
Análise de Sensibilidade22
22
22
22
22
22
23
23
23
23
23
40
32
29
26
23
22
22
41
32
29
26
23
22
0
5
10
15
20
25
30
35
40
45
-50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50
Variação %
Tratorestransbordo
Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg
Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas
85
Análise de Sensibilidade706
711
719
726
731
738
751
758
762
771
783
1466
1231
1070
930
824
738
689
1486
1235
1060
929
826
738
706
704
716
728
738
740
742
769
766
768
848
807
766
744
744
738
734
735
727
727
721
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
1600
-50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50
Variação %
CVCBitremCanavieiro
Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg
Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min)
Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h)
86
Conclusões
• Objetivos principais e secundários obtidos
• Custos R$/h, R$/t e R$/ha são afetados
por duas variáveis de gestão:
– (a) eficiência de gerenciamento
administrativo-operacional (não atribuídas às
máquinas)
– (b) tempo diário de operação – jornada de
trabalho, caso adotado operações de 1 e 2
turnos (8 e 16 horas)
87
Conclusões
• Objetivos principais e secundários obtidos
• Custos R$/h, R$/t e R$/ha são afetados
por duas variáveis de gestão:
– (a) eficiência de gerenciamento
administrativo-operacional (não atribuídas às
máquinas)
– (b) tempo diário de operação – jornada de
trabalho, caso adotado operações de 1 e 2
turnos (8 e 16 horas)
88
Obrigado pela atenção!
A matemática dos modelos é precisa, mas os modelos não o são,
sendo apenas aproximações do complexo mundo real. Sua
acurácia como uma útil aproximação a esse mundo varia
consideravelmente no tempo e no espaço. O usuário deve, assim,
aplicar os modelos como tentativa, avaliando cuidadosamente suas
limitações em cada aplicação. (MERTON, 1994 apud RICI, 2007)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Grupo Marquise: Coleta de lixo via satélite.
Grupo Marquise: Coleta de lixo via satélite.Grupo Marquise: Coleta de lixo via satélite.
Grupo Marquise: Coleta de lixo via satélite.
GrupoMarquise
 
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo PerrupatoPIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
Sinaenco - Sindicato da Arquitetura e Engenharia Consultiva
 
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Cadernos 6 e 7 gabaritos frente 1 - geografia
Cadernos 6 e 7   gabaritos frente 1 - geografiaCadernos 6 e 7   gabaritos frente 1 - geografia
Cadernos 6 e 7 gabaritos frente 1 - geografia
ristf
 
Evte logistica reversa equipamentos eletroeletrônicos MDIC
Evte logistica reversa equipamentos eletroeletrônicos MDICEvte logistica reversa equipamentos eletroeletrônicos MDIC
Evte logistica reversa equipamentos eletroeletrônicos MDIC
fpv_transilvania
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
Portal iBahia
 
GRT Brasil - Apresentação_Complexo_Mariana
GRT Brasil - Apresentação_Complexo_MarianaGRT Brasil - Apresentação_Complexo_Mariana
GRT Brasil - Apresentação_Complexo_Mariana
Rafael Brito
 
Por dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
Por dentro da Manutenção de Via - Revista FerroviáriaPor dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
Por dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
MRS Logística
 
Apresenta[1]..
Apresenta[1]..Apresenta[1]..
Apresenta[1]..
guestf68714
 
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESPApresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Ricardo Santos
 
Ferrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
Ferrovias investem em manutenção - Revista FerroviáriaFerrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
Ferrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
MRS Logística
 
Transporte
TransporteTransporte
Transporte
bboyvampiro
 
Documento: COOTTAJ-Brasil'08
Documento: COOTTAJ-Brasil'08Documento: COOTTAJ-Brasil'08
Documento: COOTTAJ-Brasil'08
Universidad Nacional de San Martin
 
Diag. energ. rotas de escobamento do etanol
Diag. energ. rotas de escobamento do etanolDiag. energ. rotas de escobamento do etanol
Diag. energ. rotas de escobamento do etanol
Mares Construtora
 
Roadmap carvao mineral_cgee_apresentacao_versao_01
Roadmap carvao mineral_cgee_apresentacao_versao_01Roadmap carvao mineral_cgee_apresentacao_versao_01
Roadmap carvao mineral_cgee_apresentacao_versao_01
auspin
 

Mais procurados (15)

Grupo Marquise: Coleta de lixo via satélite.
Grupo Marquise: Coleta de lixo via satélite.Grupo Marquise: Coleta de lixo via satélite.
Grupo Marquise: Coleta de lixo via satélite.
 
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo PerrupatoPIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
 
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
 
Cadernos 6 e 7 gabaritos frente 1 - geografia
Cadernos 6 e 7   gabaritos frente 1 - geografiaCadernos 6 e 7   gabaritos frente 1 - geografia
Cadernos 6 e 7 gabaritos frente 1 - geografia
 
Evte logistica reversa equipamentos eletroeletrônicos MDIC
Evte logistica reversa equipamentos eletroeletrônicos MDICEvte logistica reversa equipamentos eletroeletrônicos MDIC
Evte logistica reversa equipamentos eletroeletrônicos MDIC
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
 
GRT Brasil - Apresentação_Complexo_Mariana
GRT Brasil - Apresentação_Complexo_MarianaGRT Brasil - Apresentação_Complexo_Mariana
GRT Brasil - Apresentação_Complexo_Mariana
 
Por dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
Por dentro da Manutenção de Via - Revista FerroviáriaPor dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
Por dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
 
Apresenta[1]..
Apresenta[1]..Apresenta[1]..
Apresenta[1]..
 
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESPApresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
 
Ferrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
Ferrovias investem em manutenção - Revista FerroviáriaFerrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
Ferrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
 
Transporte
TransporteTransporte
Transporte
 
Documento: COOTTAJ-Brasil'08
Documento: COOTTAJ-Brasil'08Documento: COOTTAJ-Brasil'08
Documento: COOTTAJ-Brasil'08
 
Diag. energ. rotas de escobamento do etanol
Diag. energ. rotas de escobamento do etanolDiag. energ. rotas de escobamento do etanol
Diag. energ. rotas de escobamento do etanol
 
Roadmap carvao mineral_cgee_apresentacao_versao_01
Roadmap carvao mineral_cgee_apresentacao_versao_01Roadmap carvao mineral_cgee_apresentacao_versao_01
Roadmap carvao mineral_cgee_apresentacao_versao_01
 

Destaque

Eficiência da adubação da cana-de-açúcar relacionada aos ambientes de produçã...
Eficiência da adubação da cana-de-açúcar relacionada aos ambientes de produçã...Eficiência da adubação da cana-de-açúcar relacionada aos ambientes de produçã...
Eficiência da adubação da cana-de-açúcar relacionada aos ambientes de produçã...
Rural Pecuária
 
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaçaQual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Rural Pecuária
 
Aaneto palestra stab 2014
Aaneto palestra stab 2014Aaneto palestra stab 2014
Aaneto palestra stab 2014
Marcos Antonio Duarte
 
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu RodriguesRecursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
ANCP Ribeirão Preto
 
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiroPlantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
CTBE - Brazilian Bioethanol Sci&Tech Laboratory
 
Uso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
Uso e Reúso de Água na Indústria CanavieiraUso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
Uso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
CTBE - Brazilian Bioethanol Sci&Tech Laboratory
 
16 localização das bombas
16 localização das bombas16 localização das bombas
16 localização das bombas
JEFERSONPIRES2012
 
Slide colhedora de cana (1)
Slide colhedora de cana (1)Slide colhedora de cana (1)
Slide colhedora de cana (1)
Wesley Rodrigues
 
14 sistema hidráulico
14  sistema hidráulico14  sistema hidráulico
14 sistema hidráulico
JEFERSONPIRES2012
 

Destaque (9)

Eficiência da adubação da cana-de-açúcar relacionada aos ambientes de produçã...
Eficiência da adubação da cana-de-açúcar relacionada aos ambientes de produçã...Eficiência da adubação da cana-de-açúcar relacionada aos ambientes de produçã...
Eficiência da adubação da cana-de-açúcar relacionada aos ambientes de produçã...
 
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaçaQual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
Qual variedade de cana de-açúcar utilizar para a fabricação de cachaça
 
Aaneto palestra stab 2014
Aaneto palestra stab 2014Aaneto palestra stab 2014
Aaneto palestra stab 2014
 
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu RodriguesRecursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
Recursos Hídricos e Produção Sustentável no Cerrado - Lineu Rodrigues
 
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiroPlantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
Plantio da Cana-de-açúcar em Áreas Tradicionais: Nordeste brasileiro
 
Uso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
Uso e Reúso de Água na Indústria CanavieiraUso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
Uso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
 
16 localização das bombas
16 localização das bombas16 localização das bombas
16 localização das bombas
 
Slide colhedora de cana (1)
Slide colhedora de cana (1)Slide colhedora de cana (1)
Slide colhedora de cana (1)
 
14 sistema hidráulico
14  sistema hidráulico14  sistema hidráulico
14 sistema hidráulico
 

Semelhante a Análise de sensibilidade cct cana crua

SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicosSISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
Andre Dantas
 
Mobilidade de Bens e Serviços
Mobilidade de Bens e ServiçosMobilidade de Bens e Serviços
Mobilidade de Bens e Serviços
Chico Macena
 
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Palestra ADEMI - BRTs - Carta de Projetos de Transportes Rio - 04/07/2011
Palestra ADEMI - BRTs - Carta de Projetos de Transportes Rio - 04/07/2011Palestra ADEMI - BRTs - Carta de Projetos de Transportes Rio - 04/07/2011
Palestra ADEMI - BRTs - Carta de Projetos de Transportes Rio - 04/07/2011
Amar Jardim Oceânico
 
Apresentação - Germano Travassos
Apresentação - Germano TravassosApresentação - Germano Travassos
Apresentação - Germano Travassos
PrefeituraRecife
 
PNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.pptPNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.ppt
Marcos Boaventura
 
Sistemas de Transporte Inteligente - ITS
Sistemas de Transporte Inteligente - ITSSistemas de Transporte Inteligente - ITS
Sistemas de Transporte Inteligente - ITS
CPqD
 
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPLBernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Luiz de Queiroz
 
Canais de Distribuição.pdf
Canais de Distribuição.pdfCanais de Distribuição.pdf
Canais de Distribuição.pdf
ProfWellingtonAleixo
 
VRP - Vehicle Routing Problem
VRP - Vehicle Routing ProblemVRP - Vehicle Routing Problem
VRP - Vehicle Routing Problem
João Pedro Monteiro
 
Seminário Alerj - Cidades Inteligentes e SIT - Apresentacao Julio Lopes - Sec...
Seminário Alerj - Cidades Inteligentes e SIT - Apresentacao Julio Lopes - Sec...Seminário Alerj - Cidades Inteligentes e SIT - Apresentacao Julio Lopes - Sec...
Seminário Alerj - Cidades Inteligentes e SIT - Apresentacao Julio Lopes - Sec...
Amar Jardim Oceânico
 
BIM para Infraestrutura de Transportes
BIM para Infraestrutura de TransportesBIM para Infraestrutura de Transportes
BIM para Infraestrutura de Transportes
Carlos Galeano
 
Case Raízen 1
Case Raízen 1Case Raízen 1
Case Raízen 1
DecisionScience
 
LOGÍSTICA URBANA – Proposta de rede de Terminais Intermodais em Lisboa (1)
LOGÍSTICA URBANA – Proposta de rede de Terminais Intermodais em Lisboa (1)LOGÍSTICA URBANA – Proposta de rede de Terminais Intermodais em Lisboa (1)
LOGÍSTICA URBANA – Proposta de rede de Terminais Intermodais em Lisboa (1)
Rodrigo Dourado
 
PILT FDC 2018
PILT FDC 2018PILT FDC 2018
Apresentação Malha Oeste.pdf
Apresentação Malha Oeste.pdfApresentação Malha Oeste.pdf
Apresentação Malha Oeste.pdf
JooLuiz653135
 
Reunião Diretoria de Especialidade de Tecnologia de Frotas - Palestra Christi...
Reunião Diretoria de Especialidade de Tecnologia de Frotas - Palestra Christi...Reunião Diretoria de Especialidade de Tecnologia de Frotas - Palestra Christi...
Reunião Diretoria de Especialidade de Tecnologia de Frotas - Palestra Christi...
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
carregamentransp.ppt
carregamentransp.pptcarregamentransp.ppt
carregamentransp.ppt
ssuser1da1a7
 
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Amar Jardim Oceânico
 
PLANEJAMENTO A NÍVEL DE PROJETO DAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS.pdf
PLANEJAMENTO A NÍVEL DE PROJETO DAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS.pdfPLANEJAMENTO A NÍVEL DE PROJETO DAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS.pdf
PLANEJAMENTO A NÍVEL DE PROJETO DAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS.pdf
NewtonCosta14
 

Semelhante a Análise de sensibilidade cct cana crua (20)

SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicosSISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
SISTEMAS BRT: conceitos e elementos técnicos
 
Mobilidade de Bens e Serviços
Mobilidade de Bens e ServiçosMobilidade de Bens e Serviços
Mobilidade de Bens e Serviços
 
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
 
Palestra ADEMI - BRTs - Carta de Projetos de Transportes Rio - 04/07/2011
Palestra ADEMI - BRTs - Carta de Projetos de Transportes Rio - 04/07/2011Palestra ADEMI - BRTs - Carta de Projetos de Transportes Rio - 04/07/2011
Palestra ADEMI - BRTs - Carta de Projetos de Transportes Rio - 04/07/2011
 
Apresentação - Germano Travassos
Apresentação - Germano TravassosApresentação - Germano Travassos
Apresentação - Germano Travassos
 
PNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.pptPNV_3411_2017.ppt
PNV_3411_2017.ppt
 
Sistemas de Transporte Inteligente - ITS
Sistemas de Transporte Inteligente - ITSSistemas de Transporte Inteligente - ITS
Sistemas de Transporte Inteligente - ITS
 
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPLBernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
Bernardo Figueiredo, idealizador e primeiro presidente da EPL
 
Canais de Distribuição.pdf
Canais de Distribuição.pdfCanais de Distribuição.pdf
Canais de Distribuição.pdf
 
VRP - Vehicle Routing Problem
VRP - Vehicle Routing ProblemVRP - Vehicle Routing Problem
VRP - Vehicle Routing Problem
 
Seminário Alerj - Cidades Inteligentes e SIT - Apresentacao Julio Lopes - Sec...
Seminário Alerj - Cidades Inteligentes e SIT - Apresentacao Julio Lopes - Sec...Seminário Alerj - Cidades Inteligentes e SIT - Apresentacao Julio Lopes - Sec...
Seminário Alerj - Cidades Inteligentes e SIT - Apresentacao Julio Lopes - Sec...
 
BIM para Infraestrutura de Transportes
BIM para Infraestrutura de TransportesBIM para Infraestrutura de Transportes
BIM para Infraestrutura de Transportes
 
Case Raízen 1
Case Raízen 1Case Raízen 1
Case Raízen 1
 
LOGÍSTICA URBANA – Proposta de rede de Terminais Intermodais em Lisboa (1)
LOGÍSTICA URBANA – Proposta de rede de Terminais Intermodais em Lisboa (1)LOGÍSTICA URBANA – Proposta de rede de Terminais Intermodais em Lisboa (1)
LOGÍSTICA URBANA – Proposta de rede de Terminais Intermodais em Lisboa (1)
 
PILT FDC 2018
PILT FDC 2018PILT FDC 2018
PILT FDC 2018
 
Apresentação Malha Oeste.pdf
Apresentação Malha Oeste.pdfApresentação Malha Oeste.pdf
Apresentação Malha Oeste.pdf
 
Reunião Diretoria de Especialidade de Tecnologia de Frotas - Palestra Christi...
Reunião Diretoria de Especialidade de Tecnologia de Frotas - Palestra Christi...Reunião Diretoria de Especialidade de Tecnologia de Frotas - Palestra Christi...
Reunião Diretoria de Especialidade de Tecnologia de Frotas - Palestra Christi...
 
carregamentransp.ppt
carregamentransp.pptcarregamentransp.ppt
carregamentransp.ppt
 
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
 
PLANEJAMENTO A NÍVEL DE PROJETO DAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS.pdf
PLANEJAMENTO A NÍVEL DE PROJETO DAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS.pdfPLANEJAMENTO A NÍVEL DE PROJETO DAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS.pdf
PLANEJAMENTO A NÍVEL DE PROJETO DAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS.pdf
 

Mais de Rafael José Rorato

IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
Rafael José Rorato
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
Rafael José Rorato
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
Rafael José Rorato
 
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos OperacionaisAula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Rafael José Rorato
 
Aula 4 - Operação de Frotas
Aula 4 - Operação de FrotasAula 4 - Operação de Frotas
Aula 4 - Operação de Frotas
Rafael José Rorato
 
Aula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de VeículosAula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de Veículos
Rafael José Rorato
 
Aula 2 - Introdução
Aula 2 - IntroduçãoAula 2 - Introdução
Aula 2 - Introdução
Rafael José Rorato
 
Aula 1 - Introdução
Aula 1 -  IntroduçãoAula 1 -  Introdução
Aula 1 - Introdução
Rafael José Rorato
 
Aula1 - estatística básica
Aula1 -  estatística básicaAula1 -  estatística básica
Aula1 - estatística básica
Rafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 6 -
Introdução a engenharia  - aula 6 -Introdução a engenharia  - aula 6 -
Introdução a engenharia - aula 6 -
Rafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Rafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesIntrodução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Rafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arteIntrodução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Rafael José Rorato
 
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia   aula 2 - construção civilIntrodução a engenharia   aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
Rafael José Rorato
 
Introdução a engenharia - aula 1
Introdução a engenharia - aula 1Introdução a engenharia - aula 1
Introdução a engenharia - aula 1
Rafael José Rorato
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Rafael José Rorato
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Rafael José Rorato
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Rafael José Rorato
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Rafael José Rorato
 
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Rafael José Rorato
 

Mais de Rafael José Rorato (20)

IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume III (incompleta)
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume II
 
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume IIESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
IESB Logística Empresarial - Métodos Quantitativos - Volume I
 
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos OperacionaisAula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
Aula 5 - Mensuração de Custos Operacionais
 
Aula 4 - Operação de Frotas
Aula 4 - Operação de FrotasAula 4 - Operação de Frotas
Aula 4 - Operação de Frotas
 
Aula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de VeículosAula 3 - Especificação de Veículos
Aula 3 - Especificação de Veículos
 
Aula 2 - Introdução
Aula 2 - IntroduçãoAula 2 - Introdução
Aula 2 - Introdução
 
Aula 1 - Introdução
Aula 1 -  IntroduçãoAula 1 -  Introdução
Aula 1 - Introdução
 
Aula1 - estatística básica
Aula1 -  estatística básicaAula1 -  estatística básica
Aula1 - estatística básica
 
Introdução a engenharia - aula 6 -
Introdução a engenharia  - aula 6 -Introdução a engenharia  - aula 6 -
Introdução a engenharia - aula 6 -
 
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
 
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesIntrodução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
 
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arteIntrodução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
Introdução a engenharia - aula 3 - geotecnia e obras de arte
 
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia   aula 2 - construção civilIntrodução a engenharia   aula 2 - construção civil
Introdução a engenharia aula 2 - construção civil
 
Introdução a engenharia - aula 1
Introdução a engenharia - aula 1Introdução a engenharia - aula 1
Introdução a engenharia - aula 1
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 04 - pistas aeroportuárias geometria jba
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 03 - tecnologias de transporte aéreo jba
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 02 - sistema de transporte aéreo jba
 
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jbaHidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
Hidrovias, portos e aeroportos - aula 01 - apresentação jba
 
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
Defesa versao final ALTERNATIVAS DE TRANSPORTE RODO-MARÍTIMO NA DISTRIBUÇÃO D...
 

Último

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 

Último (11)

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 

Análise de sensibilidade cct cana crua

  • 1. Análise de sensibilidade da pré- determinação do tamanho de frota e dos custos de colhedoras, conjuntos transbordo e veículos de carga para CCT de cana crua em rebolos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ECONOMIA E GESTÃO DE EMPRESAS Especialização em Investimento e Gestão na Agroindústria Sucroalcooleira Turma 2009/2011 Rafael José Rorato Mestre em Engenharia de Transportes Piracicaba, 28 de maio de 2011
  • 2. 2 Estrutura da apresentação • Introdução • Processo Mecanizado da CCT • Dimensionamento Recursos Logísticos • Custos Médios Desagregados • Cenário Hipotético • Análise de Sensibilidade • Conclusões
  • 3. 3 Introdução • Objetivo principal Investigar o comportamento da sensibilidade do pré-dimensionamento e dos custos da operação logística agrícola da colheita mecanizada e do transporte de colmos
  • 4. 4 Introdução • Objetivos secundários – Criar ferramenta computacional para custo, dimensionamento e análise sensibilidade – Aplicar ferramenta computacional utilizando dados secundários – Criar subsídios aos demais estudos na área de mecanização agrícola para colheita de cana-de-açúcar
  • 5. 5 Processo Mecanizado da CCT • Considerações iniciais – Liderança brasileira na produção e exportação mundial de cana-de-açúcar – Previsão de crescimento plantio: • 8,5 Mi ha [2010/11] → 13,9 Mi ha [2020/21] – Aumento da produção dos produtos beneficiados: • Açúcar: 30% • Etanol: 119,8% • Energia elétrica: 336,3% Fonte: LORA (2008) Intervalo entre safras: 2010/11 – 2020/21
  • 6. 6 Processo Mecanizado da CCT • Considerações iniciais – Áreas de expansão agrícola da cultura • Oeste Paulista, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul – Cultura semi-perene: • Cana de ano ou “cana soca” (12 meses); cana de inverno (12 a 14 meses); cana de ano e meio ou cana planta (18 meses) • Número de cortes > 5 • Período safra centro-sul: Abril a Novembro Fonte: RIPOLI (2009), SOUZA (2008), SALVI et al. (2010)
  • 7. 7 Processo Mecanizado da CCT • Considerações iniciais – Complexo produtivo cana-de-açúcar • Sistema Agrícola • Sistema Industrial • Sistema Logístico de Colheita: CCT – Subsistema de Colheita – Subsistema de Transbordo – Subsistema de Manutenção e Suprimento – Subsistema de Recepção de Cana-de-Açúcar Fonte: MUNDIN (2009), DINIZ (2000) e CARVALHO (2009)
  • 8. 8 Fonte: MUNDIN (2009), DINIZ (2000) e CARVALHO (2009)
  • 9. 9 Processo Mecanizado da CCT cana crua queimada inteira rebolos com palha sem palha sem palha inteira rebolos inteira rebolos Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009)
  • 10. 10 Processo Mecanizado da CCT corte manual mecanizado cortadora colhedora Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009)
  • 11. 11 Processo Mecanizado da CCT carregamento manual mecânico carregadora colhedora transbordo carregadora colhedora manual carregadora Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009)
  • 12. 12 Processo Mecanizado da CCT transporte mecânico colhedoraveículos ferroviários manualtração animal carregadoracarregadoraveículos rodoviários colhedoraveículos hidroviários manualunitários manualCVC Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009); BRASIL (2006; 2009)
  • 13. 13 Processo Mecanizado da CCT • Considerações iniciais – CCT e impactos no subsistema industrial • Atividade industrial ininterrupta • Filas • Qualidade da matéria-prima • Impossibilidade de estocagem – Incentivos a mecanização devido medidas de restrição de queima e protocolo de cooperação ambiental • Áreas mecanizáveis: 2014 • Áreas com declividades superiores a 12%: 2017 Fonte: PELOIA (2008), LORA (2008)
  • 15. 15 Processo Mecanizado da CCT • Fatores técnicos relevantes à Colhedoras, Transbordos e CVCs – Colhedora: • Operação associada a um conjunto transbordo • Colhedora trafega sobre a entre-linha da cana • Realiza cortes basais e apicais • Separa parcialmente material vegetal e mineral indesejado • Fraciona os colmos da cana em rebolos: 15 a 40cm Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009), ORSOLINI (2002)
  • 16. 16 Processo Mecanizado da CCT • Fatores técnicos relevantes à Colhedoras, Transbordos e CVCs – Colhedora: escolha • Configurações Mecânico-Geométricas • Fonte de Potência • Rodado • Número de fileiras de corte • Sistema de levante canas acamadas • Número de discos de corte basal • Condução interna da máquina • Sistema de fragmentação dos rebolos • Autopropelida ou montada • Potência do motor • Bitola • Centro de gravidade Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009), PARANHOS (1974) • Largura dos elevadores • Rotação do elevador final • Sistema de limpeza • Velocidade de deslocamento • Estabilidade • Manobrabilidade • Índice de quebra • Manutenção • Custos • Ergonomia • Tipo de despontador
  • 17. 17 Processo Mecanizado da CCT • Fatores técnicos relevantes à Colhedoras, Transbordos e CVCs – Colhedora: escolha • Meio-Ambiente Operacional • Declividade do terreno • Conservação do solo • Regularidade do solo • Limpeza do terreno • Manejo variental • Canas acamadas • Sistematização de talhões/glebas • Estado do canavial • Preparo do solo • Sistema de plantio • Espaçamento entre as linhas • Comprimento das fileiras de plantio • Estado dos carreadores • Paralelismo das linhas • Nivelamento entre o talhão carreador • Espaçamento de acordo com bitola • Eliminação fileiras mortas • Minimização das manobras de cabeceira Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009), SALVI (2006), PELOIA (2008)
  • 19. 19 Processo Mecanizado da CCT • Fatores técnicos relevantes à Colhedoras, Transbordos e CVCs – Transbordo • Operação conjunta com a colhedora • Recepção e acúmulo dos rebolos • Transfere rebolos à unidade de transporte Fonte: RIPOLI e RIPOLI (2009) • Unidade tração + implemento agrícola • Existência de conjunto transbordo autopropelido (unidade tração e carga em único chassi) • Outras configurações veiculares (caminhões canavieiros; implemento agrícola acoplado veículo rodoviário) • Bitola eixos trator e caçamba • Potência do trator • Distribuição do tração • Capacidade da caçamba • Volume da caçamba • Número de eixos • Basculamento lateral caçamba • Dispositivo de conexão
  • 21. 21 Processo Mecanizado da CCT • Fatores técnicos relevantes à Colhedoras, Transbordos e CVCs – Combinações de Veículos de Carga • PBTC = 74t • Comprimento 25,0~30,0m • Veículo tração + implementos rodoviários • Configuração com total de 9 eixos • Nome técnico: Bitrem • Nome comercial: Rodotrem
  • 22. 22 Processo Mecanizado da CCT • Fatores técnicos relevantes à Colhedoras, Transbordos e CVCs – Combinações de Veículos de Carga • Regulamentação do sistema viário – Resoluções Contran 210/06 e 211/06: Pesos, dimensões e AET • Compatibilização da tecnologia de transporte e infraestrutura: pontes, galerias • Configuração do sistema de transmissão: 4x2, 6x2, 6x4 • Posição do motor: inferior ou frontal Fonte: BRASIL (2006), ODA (1995), DIAS et al (2008), BAUER (2000)
  • 23. 23 Processo Mecanizado da CCT • Fatores técnicos relevantes à Colhedoras, Transbordos e CVCs: – Combinações de Veículos de Carga • Disposição dos eixos e suspensão: – tandem (maior capacidade) – não tandem (menor capacidade, menor custo aquisição) • Relação peso/potência e Capacidade Máxima de Tração – PBTC > 60t: 6 a 7 cv/t (4,4 a 5,1W/kg) • Escolha do implemento rodoviário Fonte: BRASIL (2011), WIDMER (1999; 2002), PEREIRA NETO (2007)
  • 24. 24 Dimensionamento de recursos logísticos para a CCT • Sistemas mecanizados para colheita – Metodologia proposta por MILAN (2010) e aplicada em MATOS (2007) e SALVI et al. (2010) – Estimativa de tempo disponível (TD)      EgJtNduiNdfNtTD  • TD: tempo disponível para realizar a operação de colheita, em horas • Nt: número de dias contido no período determinado para a realização da operação • Ndf: número de domingos e feriados, quando respeitados, existentes no período • Ndui: número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas • Jt: jornada de trabalho adotada, em horas • Eg: eficiência de gerenciamento administrativo-operacional, em %
  • 25. 25 Dimensionamento de recursos logísticos para a CCT • Sistemas mecanizados para colheita – Estimativa de ritmo operacional (RO) – Número de conjuntos (NC) TD C RO colhida  • RO: ritmo operacional, em t/h • Ccolhida: quantidade de cana a ser colhida, em t CPO RO NC  • CPO: capacidade de produção operacional das máquinas agrícolas, em ha/h Fonte: MILAN (2010)
  • 26. 26 Dimensionamento de recursos logísticos para a CCT • Sistemas mecanizados para colheita – Número de conjuntos (NC) • CCE: capacidade de campo efetiva, em ha/h • Efc: Eficiência da colheita, em decimal • Ve: Velocidade efetiva de trabalho (km/h) • TCH: Toneladas de cana por hectare (t/ha) • NL: Número de linhas de plantio • ESP: Espaçamento entre as linhas (m) Fonte: MILAN (2010), BASTOS (2009) EfcCCECPO  10 ESPNLTCHVe CCE  
  • 27. 27 Dimensionamento de recursos logísticos para a CCT • Frota rodoviária – Número de veículos (NV) • VNt: Viagens necessárias para a movimentação do volume de carga por mês • VVt: Viagens que um veículo padrão é capaz de realizar no mês Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) VVt VNt NV  CUBd Q VNt   • Q: Quantidade de carga a ser transportada, para o mês, em kg, t, L ou m³ • d: Peso específico da carga a ser transportada, em kg/m³ ou t/m³ • CUB: Capacidade de transporte de carga do veículo, em m³ • DO: Dias de operação em um mês • TDO: Tempo diário de operação – jornada de trabalho, em horas • TC: Tempo do ciclo de viagem – carga, descarga, deslocamento ida e volta, em horas TC TDO DOVVt 
  • 28. 28 Custos médios desagregados • Sistemas mecanizados: colhedora e transbordo – Custo fixo (Cfa) Fonte: MILAN (2010), PELOIA (2008)                                                   100 )100(1 2 11 ESNtSt n CAg jn CalAst n P i Vf n Vf ViCFa • Vi: Valor inicial, em R$ • Vf: Valor final do maquinário no término da vida útil, em R$ • n: Período do projeto financeiro, em anos equivalentes • i: Taxa de juros, em %aa • P: Prêmio do seguro, considerando cobertura de sinistros para o período n, em decimal • Ast: Custo do alojamento/oficina (benfeitoria), em R$ • Cal: Custos luz, veículos de apoio, estoques peças, combustível, mão-de-obra • j: Número de subsistemas mecânicos/transportes inseridos na CCT • CAg: Custo dos equipamentos, operação e mão-de-obra para a utilização de processos de Agricultura de Precisão, em R$ • St: Salário do tratorista, em R$ • Nt: Número de tratoristas, para a jornada diária de trabalho • ES: Encargos sociais
  • 29. 29 Custos médios desagregados • Sistemas mecanizados: colhedora e transbordo – Custo variável (Cva) • Combustível (CCb) • Reparo e manutenção (Crm) Fonte: MILAN (2010), PELOIA (2008) • Cc: Consumo de combustível da máquina agrícola, em L/h • Pl: Preço do combustível, em R$/L PlCcCCb  n FrVi Crm   • Fr: Fator de reparos e manutenção, em decimal
  • 30. 30 Custos médios desagregados • Sistemas mecanizados: colhedora e transbordo – Custo variável (Cva) • Lubrificantes e filtros (Clb) Fonte: ALCANTARA et al. (2008) 10007505002005010 ClbClbClbClbClbClbClb  10 10 1010 QCC Clb   50 )()( 50 50505050 bbaa QCCQCC Clb   500 500 500500 QCC Clb   200 )()( 200 200200200200 bbaa QCCQCC Clb  
  • 31. 31 Custos médios desagregados Fonte: ALCANTARA et al. (2008) 750 750 750750 QCC Clb   1000 )()()()()( 1000 1000100010001000100010001000100010001000 eeddccbbaa QCCQCCQCCQCCQCC Clb   • Sistemas mecanizados: colhedora e transbordo – Custo variável (Cva) • Lubrificantes e filtros (Clb)
  • 32. 32 Custos médios desagregados Fonte: ALCANTARA et al. (2008) Intervalo de utilização (h) Item Custo do insumo a ser trocado (R$/L ou R$/un.) Quantidade do insumo (L ou unidade) Componente de custo (R$/h) 10 Lubrificação geral de partes do trator com graxa C10 QC10 Clb10 Lubrificação dos pontos de lubrificação C50a QC50a 50 Complementação do nível de óleo lubrificante da bomba injetora C50b QC50b Clb50 Troca do óleo do motor e do filtro de óleo C200a QC200a 200 Troca do filtro de combustível C200b QC200b Clb200 500 Troca do óleo da direção e limpeza do filtro C500 QC500 Clb500 750 Trocar elemento externo do filtro de ar do motor C750 QC750 Clb750 Troca do óleo da transmissão traseiro e do hidráulico C1000a QC1000a Troca do elemento filtrante do filtro de ar C1000b QC1000b Troca do óleo dos cubos das rodas dianteiras C1000c QC1000c Trocar líquido de arrefecimento C1000d QC1000d 1000 Troca de óleo do eixo dianteiro (diferencial dianteiro) C1000e QC1000e Clb1000
  • 33. 33 Custos médios desagregados • Sistemas mecanizados: colhedora e transbordo – Custo por hora do sistema mecanizado – Custo por hectare operacional do sistema mecanizado TDCvaCfaCSM  CPO CSM COp  • CSM: Custo sistema mecanizado para a vida útil (n) do equipamento, em R$/h • COp: Custo operacional da máquina / conjunto trator implemento, em R$/ha
  • 34. 34 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo por quilômetro (R$/km) – Custo por tonelada (R$/t) • CVK: Custo variável mensal da CVC, em R$/km • CFM: Custo fixo mensal da CVC, em R$/mês • QMMTD: Quilometragem média mensal, no TD mês, para a CVC, em km • IDI: Custos indiretos da empresa, em decimal • CCV: Capacidade líquida de carga para a CVC, em t • IAV: Índice de aproveitamento do veículo, em decimal Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003)    IDICFMQMMCVKCOKm TD  1 IAVCCV COKm CTQ  
  • 35. 35 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Fixo (CFM) • Depreciação • Remuneração de Capital • V: Custo de aquisição do veículo de tração e implemento rodoviário, em R$ • R: Valor residual de revenda do veículo de tração e implemento em n anos de uso, em R$ • n: Período do projeto financeiro, em anos equivalentes • j: Taxa de juros, em % ao ano Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) n RV D   )( 2 )1()( jR n jnRV RC    
  • 36. 36 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Fixo (CFM) • Salário • Licenciamento • Sm: Salário médio mensal do motorista • Nm: Número de motoristas, para a jornada diária de trabalho • ES: Encargos sociais, em valor % • SO: Seguro obrigatório, em R$ • IP: Imposto sobre propriedade de veículos automotores (IPVA), em R$ Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) 100 )100( ESNmSm CS   12 IPSO CL  
  • 37. 37 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Fixo (CFM) • Autorização Especial de Tráfego • Monitoramento/Telemetria • CEST: Custo de estudos para CVC, conforme Resolução 211/06 do CONTRAN, em R$ • CTAX: Valor da taxa para emissão da AET, em R$ • VM: Custo de aquisição dos equipamentos de monitoramento e telemetria, em R$ • Ccom: Custo de mensalidade, com manutenção e comunicação, em R$/mês Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) 12 CTAXCEST CAET   Ccom n VM CMTel 
  • 38. 38 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Fixo (CFM) • Seguro do Casco • Alojamento, Oficina e Comboio de Manutenção • ISP: Índice de perda total do veículo, por ano, em decimal • Ast: Custo do alojamento/oficina (benfeitoria), em R$ • Cal: Custos de luz, comunicação, veículos de apoio, estoques de peças, combustível, mão-de-obra vinculados ao alojamento • j: Número de subsistemas mecânicos/transportes inseridos na CCT Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) VISPSC           jn CalAst AOCM 1
  • 39. 39 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Variável (CVK) • Pneumáticos • Up: Custo unitário por pneu, em R$ • Qp: Quantidade de pneus da CVC padrão • ntp: Vida útil total do pneumático, em km • Ppc: Preço de um pneu e uma câmara, em R$ • Gre: Gastos com recapagem para um pneu, em decimal • Gcr: Gastos com recuperação da câmara no recapeamento, em decimal • Pre: Preço de recapagem para um pneu, em R$ • Ppn: Preço de um pneu, em R$ • Pca: Preço da câmara, em R$ • npr: Vida média do pneu recapado/recauchutado, em km • imr: Índice médio de recapagens, em decimal • npn: Vida média do pneu novo, em km Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) ntp QpUp CP   GcrGrePpcUp  PcaeGre  Pr PcaPpnPpc  imrPcaGcr  npnimrnprntp  )(
  • 40. 40 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Variável (CVK) • Manutenção • Lavagem e filtros de ár e óleo • Vsp: Custo de aquisição do cavalo mecânico e implemento, sem pneus, em R$ • im: Índice de manutenção, em decimal • mac: Intervalo médio de manutenções, em km • Cla: Custo de lavagem por quilômetro, em R$/km • Cfi: Custo de filtro de ar por quilômetro, em R$/km • Pla: Preço de uma lavagem (mão-de-obra), em R$ • Pfi: Preço de uma troca de filtro de ar (mão-de-obra e material), em R$ • ila: Intervalo entre lavagens, em km • ilf: Intervalo entre troca de filtro de ar, em km Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) mac imVsp CM   CfiClaLF  ila Pla Cla  ilf Pfi Cfi 
  • 41. 41 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Variável (CVK) • Combustível • Plc: Custo do litro de óleo diesel, em R$/L • Aml: Autonomia média, em km/L Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) Aml Plc CC 
  • 42. 42 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Variável (CVK) • Lubrificantes Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) OdifFradComTomOsdOctOcmCO  icm QcmPcm Ocm   ict QctPct Oct   isd QsdPsd Osd   itd QdifPodif Odif   ifr QfrPfrad Frad   ito QtoPom Tom   itoc QtoPom Com  
  • 43. 43 Custos médios desagregados • Sistemas de transportes - CVC – Custo Variável (CVK) • Lubrificantes Fonte: VALENTE et al. (1997; 2008), RORATO (2003) • Ocm: Custo do óleo para caixa de mudanças, em R$/km • Oct: Custo do óleo para eixo traseiro, em R$/km • Osd: Custo do óleo para sistema de direção, em R$/km • Tom: Custo do óleo para motor, em R$/km • Com: Custo de complementação do óleo para motor, em R$/km • Frad: Custo do fluído para radiador, em R$/km • Pi: Preço litro do insumo i (óleo/lubrificante/fluído) para cada componente j (caixa, eixo, motor, radiador), em R$/L • Qi: Quantidade do insumo i (óleo/lubrificante/fluído) para cada componente j (caixa, eixo, motor, radiador), em L • icm, ict, isd, ito, itoc, ifr e itd: Intervalo de troca dos respectivos insumos, em km
  • 44. 44 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Área de plantio e unidade industrial localizadas no município de Uberaba • Delimitadas pelas rodovias BR-040 e BR-452 • Área total: 58.000ha • Total de glebas: 17 • Heterogeneidade dos tamanhos: 17 ~ 15.000ha • Sistema viário de 532km • Cobertura de Acessibilidade do transbordo ao sistema viário: 1.000m
  • 50. 50 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dados de entrada – Equipamentos e implementos considerados para valor padrão • Caminhão trator Scania G-470 A 6x4 2p • Implemento rodoviário de carga, conjunto rodotrem para cana picada Guerra 2 ELS 81m³ • Colhedora de cana picada John Deere 3520, com material rodante em pneus • Trator com bitola estendida John Deere 7815, com 202cv • Caçamba para transbordo Santal VT13 Tridem
  • 51. 51 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Tempo Disponível: – Número total de dias úteis: 289 dias – Número de domingos e feriados: 87 a 89 dias (sem operação aos sábados e domingos) – Número de dias úteis impróprios: 16 a 22 dias [adaptado de Silva et al. (2003) e Torres et al. (2005)] – Eficiência operacional: 32 a 48% (Md: 41,1; DP: 5,1) – Tempo Disponível (TD): • Horas na safra: 1.428 a 2.085h (Md: 1802,5; DP: 218,1) • Dias mês: 59,5 a 86,8h (Md: 75,1; DP: 9,1); • Horas mês: 148,3 a 216,4h (Md: 187,1; DP: 22,6)
  • 52. 52 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Período de incidência do seguro para operação de colheita de cana: – Conjunto CVC: 10 meses (2 meses unidade tratora é fretado) – Colhedora de cana: 12 meses – Trator do conjunto transbordo: 10 meses (2 meses o trator é alugado) – Caçambas: 12 meses
  • 53. 53 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Custo de aquisição Scania G-470 A 6x4 2p: – R$424.826,00 (FIPE, 2011) • Custo de aquisição de implemento Guerra 2 ELS 81m³: – R$195.000,00 (estimativa) • Custo de aquisição de colhedora John Deere 3520: – R$790.000,00 (estimativa); • Custo de aquisição de trator John Deere 7815, com bitola estendida: – R$260.000,00 (estimativa) • Custo de aquisição de caçamba para transbordo Santal VT13 Tridem: – R$92.000,00 (estimativa)
  • 54. 54 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Taxa de depreciação da CVC sobre o valor do bem: – 30% • Taxa de depreciação da colhedora e trator sobre o valor do bem: – Adaptado de CONSENTINO (2004) • DPVAT (1° licenciamento): – R$80,30 (DPVAT, 2011) • IPVA: – 2% sobre valor de aquisição (RORATO, 2003); • Custo do projeto para AET assinado por um Engenheiro Mecânico: – R$1.000,00/veículo n etd 0465,0 277,63   td: Taxa de depreciação, em % ; Assim, para n = 15 anos → td = 31,50%
  • 55. 55 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Taxa AET DER-SP: – R$24,60 (DER-SP, 2011) (Adotado para MG) • Taxa AET DNIT: – R$14,04 (DNIT, 2011) • Índice médio de recapagens / recauchutagens: – 1,8 (VALENTE et al 1997; 2008) • Vida média do pneumático agrícola novo - adaptado de OLIVEIRA (2000). – Pneus novos apresentam 3 anos de vida útil: 5.408h • Índice de manutenção, para veículo de tração e implemento rodoviários: – 0,05 (VALENTE et al 1997; 2008)
  • 56. 56 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Autonomia média de consumo do combustível para CVC, para operação em área agrícola: – 1,22 Km/L (estimativa) • Autonomia média de consumo do combustível da colhedora: – 42,38L/h (TOMAZELA et al, 2010) • Autonomia média de consumo transbordo [BARBOSA et al, 2005: 14L/h] [LOPES et al. (2003) e BANCHI et al. (2005): mesma ordem de grandeza – Consumo trator John Deere 7815 (202cv): 21,00L/h (adotado) • Custo por litro de combustível (média valor máximo 04/2011): – R$2,063/L (ANP, 2011)
  • 57. 57 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Capacidade teórica da CVC: – 81m³ (GUERRA, 2011) • Tara do implemento rodotrem canaviero: – 22.160kg (GUERRA, 2011); • Capacidade teórica do implemento do transbordo: – 26.000kg (SANTAL, 2011) • Tara do veículo de tração – Scania G-470 A 6x4 2p:] – 10.242kg (SCANIA, 2011) • Custo de construção do alojamento e oficina com 300m²: – R$180.000,00 (PETCON, 2011)
  • 58. 58 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Custo de aquisição de implemento rodoviário carrega-tudo, para transporte de colhedora: – R$25.000,00 (MONTEVERDE CONSULTORIA, 2011) • Custo mensal de comboio para lubrificação e manutenção de campo: – R$8.385,00/mês (MONTEVERDE CONSULTORIA, 2011) • Número de sistemas mecanizados que utilizam o alojamento e comboio de lubrificação: – 3 un.
  • 59. 59 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Distância assumida entre glebas e unidade industrial Gleba Max Mín Méd Desvio Padrão Variância Range Coeficiente de Variação (%) Distância Adotada (km) 1 33,2 26,8 30,9 2,8 8,0 6,4 9,2 33,2 2 47,1 26,6 38,2 5,2 26,6 20,5 13,5 47,1 3 26,0 20,3 23,4 2,9 8,1 5,6 12,2 26,0 4 41,4 28,4 36,1 3,7 13,5 13,0 10,2 41,4 5 38,9 29,6 34,6 3,1 9,8 9,2 9,0 38,9 6 8,4 8,4 8,4 #DIV/0! #DIV/0! 0,0 #DIV/0! 8,4 7 26,6 7,2 17,3 5,4 29,6 19,4 31,5 26,6 8 28,4 16,9 22,7 4,1 16,9 11,5 18,1 28,4 9 24,4 17,7 20,7 2,4 5,6 6,7 11,4 24,4 10 17,7 12,2 14,9 3,9 15,0 5,5 25,9 17,7 11 13,1 13,1 13,1 #DIV/0! #DIV/0! 0,0 #DIV/0! 13,1 16 2,7 2,7 2,7 #DIV/0! #DIV/0! 0,0 #DIV/0! 2,7 17 39,4 17,0 25,3 6,2 38,4 22,5 24,5 39,4
  • 60. 60 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Custo fixo e variável para os subsistemas CCT
  • 61. 61 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Custo fixo e variável para os subsistemas CCT
  • 62. 62 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Custo fixo e variável para os subsistemas CCT
  • 63. 63 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dimensionamento de Frota – Estatísticas operacionais de dados coletados em usina em GO (BASTOS, 2009) – Subsídio a geração de números aleatórios para tempos e movimentos – Conjunto transbordo considera 2 caçambas acopladas ao trator e uma de reserva com sobra de campo
  • 64. 64 Aplicação metodológica para um cenário hipotético Fonte: BASTOS (2009)
  • 65. 65 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dimensionamento de Frota – Rotina de cálculo: colhedora e transbordo • (1) Área da Gleba (ha) • (2) Taxa de produtividade (t/ha) • (3) Volume de cana a transportar - Q (t) • (4) Ritmo operacional - Q (t/h) • (5) Capacidade de Campo Efetiva - CCE – (5.1) Número de Linhas x Espaçamento – (5.2) Velocidade Efetiva de Trabalho (km/h) – (5.3) CCE (t/h)
  • 66. 66 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dimensionamento de Frota – Rotina de cálculo: colhedora e transbordo • (6) Capacidade de Produção Operacional – CPO – (6.1) Eficiência da Colheita – (6.2) CPO (t/h) • (7) Número de Equipamentos Agrícolas – (7.1) Calculado – (7.2) Arredondado – (7.3) Por gleba » (7.3.1) Colhedoras » (7.3.2) Tratores » (7.3.3) Caçambas – (7.4) Por fase » (7.4.1) Colhedoras » (7.4.2) Tratores » (7.4.3) Caçambas
  • 67. 67 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dimensionamento de Frota – Rotina de cálculo: CVC • (1) Área da Gleba (ha) • (2) Taxa de produtividade (t/ha) • (3) Volume de cana a transportar - Q (kg) • (4) Densidade média - d (média 522,5kg/m³) • (5) Carga efetiva (kg) • (6) Viagens necessárias - VNt
  • 68. 68 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dimensionamento de Frota – Rotina de cálculo: CVC • (7) Tempo de Ciclo – (7.1) Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min) – (7.2) Tempo deslocamento transbordo à CVC » (7.2.1) Distância máxima média entre final de talhão e carreador (m) » (7.2.2) Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h) » (7.2.3) Tempo deslocamento (min) – (7.3) Tempo processamento para basculamento da carga à CVC (min)
  • 69. 69 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dimensionamento de Frota – Rotina de cálculo: CVC • (7) Tempo de Ciclo – (7.1) Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min) – (7.2) Tempo deslocamento transbordo à CVC » (7.2.1) Distância máxima média entre final de talhão e carreador (m) » (7.2.2) Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h) » (7.2.3) Tempo deslocamento (min) – (7.3) Tempo processamento para basculamento da carga à CVC (min)
  • 70. 70 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dimensionamento de Frota – Rotina de cálculo: CVC • (7) Tempo de Ciclo – (7.4) Tempo viagem gleba - usina » (7.4.1) Distância gleba - usina (km) » (7.4.2) Velocidade gleba - usina (km/h) » (7.4.3) Tempo (min) – (7.5) Tempo filas e processamento na balança entrada, amostragem, descarregamento, e balança saída (min) » (7.5.1) Tempo de engate e desengate (min) » (7.5.2) Tempo de balança (min) » (7.5.3) Tempo de deslocamento até amostragem (min) » (7.5.4) Tempo de amostragem (min) » (7.5.5) Tempo de deslocamento até hilo (min) » (7.5.6) Tempo de tombamento (min) » (7.5.7) Tempo (min)
  • 71. 71 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Dimensionamento de Frota – Rotina de cálculo: CVC • (7) Tempo de Ciclo – (7.6) Tempo viagem usina - gleba (min) » (7.6.1) Velocidade usina - gleba (km/h) » (7.6.2) Tempo (min) – (7.7) Tempo total (h)
  • 72. 72 Aplicação metodológica para um cenário hipotético Por gleba Por fase 1 2.890 26 14.002 3 1.251 9 11.964 11 2.235 18 7.478 17 5.878 62 14.392 2 2 15.079 342 342 12.405 5 2.504 25 13.512 6 565 3 6.452 9 2.826 23 13.160 10 1.520 10 10.310 12 27 0 7.309 13 28 0 7.538 14 102 0 6.833 15 73 0 5.915 16 451 2 2.404 4 6.467 80 14.946 8 7.583 67 12.723 5 7 8.606 71 71 12.536 Total: 738 3 4 Fase Implantação Gleba Área da Gleba (ha) 1151 147 Número de Veículos 63 Quilometragem Média Mensal (km) • Resultado dimensionamento CVC
  • 73. 73 Aplicação metodológica para um cenário hipotético Colhedoras Tratores Caçambas Colhedoras Tratores Caçambas 1 2.890 1 1 3 3 1.251 0 0 0 11 2.235 1 1 3 17 5.878 2 2 6 2 2 15.079 8 8 24 8 8 24 5 2.504 1 1 3 6 565 0 0 0 9 2.826 1 1 3 10 1.520 1 1 3 12 27 0 0 0 13 28 0 0 0 14 102 0 0 0 15 73 0 0 0 16 451 0 0 0 4 6.467 2 2 6 8 7.583 3 3 9 5 7 8.606 2 2 6 2 2 6 Total: 22 22 66 3 1 4 Número de Máquinas Agrícolas - por glebaFase Implantação Gleba Área da Gleba (ha) Número de Máquinas Agrícolas - por fase 4 4 12 9 15 3 5 3 5 • Resultado dimensionamento equipamentos agrícolas
  • 74. 74 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Resultado custo CVC e Colhedora
  • 75. 75 Aplicação metodológica para um cenário hipotético • Resultado custo Transbordo e Total
  • 76. 76 Análise de Sensibilidade • Valores máximos e mínimos das variáveis são: – Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas: • Valor de entrada do modelo: 18,5 dias • Intervalo (-50% e +50%): 9,2 a 27,7 dias – Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas: • Valor de entrada do modelo: 24 horas • Intervalo (-10% e -50%): 21,6 a 12 horas – Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora, em minutos: • Valor de entrada do modelo: 13,79 minutos • Intervalo (-40% e +50%): 8,28 a 20,69 minutos – Velocidade média do comboio transbordo carregado, em km/h: • Valor de entrada do modelo: 5,68 km/h • Intervalo (-50% e +50%): 2,84 a 8,52 km/h
  • 77. 77 Análise de Sensibilidade • Valores máximos e mínimos das variáveis são: – Custo do Veículo de Tração da CVC, em R$: • Valor de entrada do modelo: R$424.826,00 • Intervalo (-50% e +50%): R$212.413,00 a R$637.239,00 – Custo de Aquisição da Colhedora, em R$: • Valor de entrada do modelo: R$790.000,00 • Intervalo (-50% e +50%): R$395.000 a R$1.185.000,00 – Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora, em R$: • Valor de entrada do modelo: R$4.000,00 (Tratorista colhedora: R$2.000,00; e Motorista da CVC: R$2.000,00) • Intervalo (-50% e +50%): R$2.000,00 a R$6.000,00
  • 78. 78 Análise de Sensibilidade • Valores máximos e mínimos das variáveis são: – Custo do Veículo de Tração da CVC, em R$: • Valor de entrada do modelo: R$424.826,00 • Intervalo (-50% e +50%): R$212.413,00 a R$637.239,00 – Custo de Aquisição da Colhedora, em R$: • Valor de entrada do modelo: R$790.000,00 • Intervalo (-50% e +50%): R$395.000 a R$1.185.000,00 – Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora, em R$: • Valor de entrada do modelo: R$4.000,00 (Tratorista colhedora: R$2.000,00; e Motorista da CVC: R$2.000,00) • Intervalo (-50% e +50%): R$2.000,00 a R$6.000,00
  • 79. 79 Análise de Sensibilidade R$ 500,00 R$ 600,00 R$ 700,00 R$ 800,00 R$ 900,00 R$ 1.000,00 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 Variação % R$/h Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min) Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h) Custo do Veículo de Tração da CVC Custo de Aquisição da Colhedora Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora
  • 80. 80 Análise de Sensibilidade R$ 80,00 R$ 90,00 R$ 100,00 R$ 110,00 R$ 120,00 R$ 130,00 R$ 140,00 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 Variação % R$/t Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min) Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h) Custo do Veículo de Tração da CVC Custo de Aquisição da Colhedora Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora
  • 81. 81 Análise de Sensibilidade R$ 6.000,00 R$ 7.000,00 R$ 8.000,00 R$ 9.000,00 R$ 10.000,00 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 Variação % R$/ha Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min) Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h) Custo do Veículo de Tração da CVC Custo de Aquisição da Colhedora Valor do Salário dos Motoristas e Tratoristas da Colhedora
  • 82. 82 Análise de Sensibilidade22 22 22 22 22 22 23 23 23 23 23 40 32 29 26 23 22 22 41 32 29 26 23 22 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 Variação % Colhedoras Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas
  • 83. 83 Análise de Sensibilidade66 66 66 66 66 66 69 69 69 69 69 120 96 87 78 69 66 66 123 96 87 78 69 66 0 20 40 60 80 100 120 140 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 Variação % CaçambaTransbordo Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas
  • 84. 84 Análise de Sensibilidade22 22 22 22 22 22 23 23 23 23 23 40 32 29 26 23 22 22 41 32 29 26 23 22 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 Variação % Tratorestransbordo Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas
  • 85. 85 Análise de Sensibilidade706 711 719 726 731 738 751 758 762 771 783 1466 1231 1070 930 824 738 689 1486 1235 1060 929 826 738 706 704 716 728 738 740 742 769 766 768 848 807 766 744 744 738 734 735 727 727 721 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1600 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 Variação % CVCBitremCanavieiro Número de dias úteis impróprios ao trabalho das máquinas Eficiência de gerenciamento administrativo-operacional - Eg Tempo diário de operação - jornada de trabalho, em horas Tempo enchimento caçamba transbordo pela colhedora (min) Velocidade média do comboio transbordo carregado (km/h)
  • 86. 86 Conclusões • Objetivos principais e secundários obtidos • Custos R$/h, R$/t e R$/ha são afetados por duas variáveis de gestão: – (a) eficiência de gerenciamento administrativo-operacional (não atribuídas às máquinas) – (b) tempo diário de operação – jornada de trabalho, caso adotado operações de 1 e 2 turnos (8 e 16 horas)
  • 87. 87 Conclusões • Objetivos principais e secundários obtidos • Custos R$/h, R$/t e R$/ha são afetados por duas variáveis de gestão: – (a) eficiência de gerenciamento administrativo-operacional (não atribuídas às máquinas) – (b) tempo diário de operação – jornada de trabalho, caso adotado operações de 1 e 2 turnos (8 e 16 horas)
  • 88. 88 Obrigado pela atenção! A matemática dos modelos é precisa, mas os modelos não o são, sendo apenas aproximações do complexo mundo real. Sua acurácia como uma útil aproximação a esse mundo varia consideravelmente no tempo e no espaço. O usuário deve, assim, aplicar os modelos como tentativa, avaliando cuidadosamente suas limitações em cada aplicação. (MERTON, 1994 apud RICI, 2007)