SlideShare uma empresa Scribd logo
O Meio Ambiente
Trabalho realizado por:
Débora Oliveira nº6
Érica Abraços nº10
Liliana Antunes nº20
Disciplina: Geografia
Professor: João Paulo Curto
3º período
E o Desenvolvimento Sustentável
Introdução
 Este trabalho surgiu no âmbito da disciplina de Geografia A de 11º
ano.
O nosso objetivo principal é a reflexão e debate de ideias acerca do
tema. Queremos então explicar e esclarecer alguns pormenores, pelo
que seguiremos um raciocínio dividido em subtemas.
 Desenvolvimento sustentável consiste em utilizar os recursos
existentes de forma controlada de maneira a não prejudicar as
gerações futuras. Iremos abordar os subtemas de modo e explicar e
pensar nas melhores maneiras de o fazer.
 Falaremos acerca de: clima urbano, oceanos e mares
ameaçados, desflorestação, efeito de
estufa, desertificação, diminuição da biodiversidade, entre outros.
Abordaremos também acerca das opiniões de uma amostra de
pessoas na cidade de Almada.
Conceito
 O termo meio ambiente é considerado pelo pensamento geral como sinónimo de natureza, local a ser
apreciado, respeitado e preservado. Porém é necessário um ponto de vista mais profundo no termo, estabelecer a
noção no ser humano de pertencimento ao meio ambiente, no qual possui vínculos naturais para a sua
sobrevivência.
Desenvolvimento Sustentável
 Desenvolvimento sustentável refere-se a um modo de desenvolvimento capaz de responder às necessidades
do presente sem comprometer a capacidade de crescimento das gerações futuras. Visa melhorar as condições de
vida dos indivíduos, preservando simultaneamente o meio envolvente a curto, médio e, sobretudo, longo prazo. O
desenvolvimento sustentável comporta um triplo objetivo: um desenvolvimento economicamente eficaz,
socialmente equitativo e ecologicamente sustentável.
Meio Ambiente
Problemas Ambientais
Os problemas ambientais vividos no mundo de hoje são consequência direta da intervenção humana no
planeta e nos ecossistemas, causando desequilíbrios ambientais no planeta, comprometendo a vida.
Problemas ambientais que mais afetam o Planeta:
Clima Urbano
Oceanos e mares ameaçados
Desflorestação
Desertificação
Diminuição da biodiversidade
Aumento do efeito de estufa
Destruição da camada de ozono
Chuvas ácidas
Sobrexploração e poluição da agua doce
Clima Urbano
 Quase tudo que existe nas cidades tem origem artificial. O que existe de natural acaba sempre por
apresentar alterações provocadas pela interferência do Homem, como é o caso do chamado clima
urbano. Nas grandes cidades, geralmente a camada de ar mais próxima ao solo é mais aquecida do
que nas áreas rurais. A cidade é considerada uma grande modificadora do clima devido às intensas
atividades humanas, ao grande número de veículos em circulação, à presença em massa de
indústrias, prédios, asfalto nas ruas, e à diminuição de áreas verdes.
Tudo isto provoca mudanças profundas não só na atmosfera local, mas também na temperatura e
nas chuvas da região. As partículas emitidas pelos veículos automóveis e pelas indústrias produzem
o aumento da quantidade de nuvens e, consequentemente, de chuvas, pois a poeira e a fuligem
(substância proveniente da decomposição do combustível) facilitam a condensação do vapor de água
da atmosfera. A mudança nas características da atmosfera local é provocada pela substituição dos
materiais naturais pelos urbanos. Por isso, podemos observar o aumento da temperatura nas grandes
cidades, fenómeno chamado de Ilha de Calor, uma anomalia térmica que faz o ar da cidade tornar-se
mais quente que o das regiões vizinhas.
Causas e consequências
Caso de “smog” na China
 A China já conseguiu limpar o seu ar, mas especialistas afirmam que para evitar a neblina
tóxica, conhecida como 'smog', o país precisa de superar uma economia alimentada por indústrias
movidas a carvão, uma fonte altamente poluente, e o uso de automóveis.
Dias seguidos de perigosa qualidade do ar em grande parte do norte da China levaram a respostas de
emergências, como a decisão das escolas de manter as crianças em casa, o encerramento de fábricas e
a paralisação de carros do governo.
 Especialistas exigem que as autoridades tomem medidas mais duras para enfrentar as consequências
da rápida industrialização da China e dos hábitos de consumo da classe média criada pelo seu poder
económico.
O smog pode causar doenças?
Quanto mais smog for inalado, mais probabilidades existem de haver efeitos adversos para a saúde.
As pessoas sensíveis podem apresentar sintomas depois de permanecerem apenas uma ou duas
horas ao ar livre, num meio ambiente poluído. Os idosos são os que mais riscos correm,
especialmente os que sofrem de doenças dos pulmões ou do coração. Também as crianças correm
perigo, porque respiram mais rápido e passam mais tempo ao ar livre. Inclusive os adultos jovens
saudáveis respiram de forma menos eficiente durante os dias em que o ar está densamente poluído.
Quais são os sintomas causados pelo smog?
O ozono no nível do solo afeta o sistema respiratório do corpo e produz uma inflamação das vias
respiratórias que pode persistir por até 18 horas depois da exposição ao smog. Podem ocorrer
episódios de tosse e peito apertado. Também podem agravar-se as infeções do coração e pulmões, e
existe evidência de que a exposição intensifica a sensibilidade dos asmáticos e dos alérgenos. As
partículas produzidas pelo ar são suficientemente pequenas para serem respiradas tendo assim o
potencial de afetar a saúde. As partículas finíssimas podem penetrar profundamente nos pulmões e
interferir no funcionamento do sistema respiratório. Estas partículas finas estão associadas ao
aumento dos sintomas da asma, em admissões nos hospitais e também na mortalidade prematura.
Como se pode prevenir os efeitos do smog na saúde?
Evitar o exercício ao ar livre durante a tarde e no começo da noite em dias de smog, especialmente
as pessoas idosas ou que sofrem de alguma doença do coração ou pulmões. Restringir as horas que
as crianças passam ao ar livre. Evitar o exercício perto de áreas de trânsito pesado, especialmente
nas horas de ponta, para minimizar a exposição à poluição dos veículos motorizados. E, finalmente,
colaborar com as medidas para reduzir as emissões de poluentes. Existem muitas coisas que se
pode fazer para ajudar a reduzir a produção do ozono no nível do solo e outros componentes do
smog.
Oceanos e mares ameaçados
Causas e consequências
 Os mares e Oceanos cobrem dois terços da superfície do nosso planeta e têm um papel muito
importante para todo o meio ambiente. Mas infelizmente, o Homem parece não perceber isso, ou
pelo menos, não estar preocupado com o futuro. Cada vez há mais poluição nos mares e
oceanos, e devido a esse fator há um maior número de mortes e extinção de espécies marinhas.
Durante muito tempo os mares e oceanos foram considerados grandes reservatórios para a
deposição de resíduos e poluentes. Nas últimas décadas a poluição excessiva, a sobrepesca e o
tráfego de petróleo têm-se revelado sérias ameaças à água do nosso planeta.
 A crescente poluição hídrica é resultado do aumento demográfico e do desenvolvimento
acelerado de atividades económicas, as quais não são acompanhadas pela construção de
infraestruturas e de uma rede de saneamento básico equilibrada.
 Os baixos índices de tratamento dos efluentes urbanos e industriais e a utilização de fertilizantes
químicos na agricultura têm provocado graves problemas de poluição dos rios e albufeiras,
podendo ainda contaminar as águas subterrâneas.
 São inúmeras as consequências da poluição da água, quer ao nível da saúde pública, quer no
equilíbrio dos ecossistemas ou no desenvolvimento das regiões
 Um dos graves problemas da água doce é a eutrofização, causada pelo lançamento, nos rios e
lagos, de resíduos com elevados valores de fosfato, azoto e nitratos. Estes elementos provocam
o crescimento exagerados de plantas aquáticas
 Os rios, lagos e oceanos, são desde sempre depósitos de efluentes de variados tipos de lixos produzidos
pela ação antrópica. No passado, as grandes massas de água conseguiam absorver as descargas poluentes
produzidas. Porém, no último século, as descargas tornaram-se mais frequentes, intensas e perigosas sendo a
sua remoção mais difícil
 A diversificação e a intensificação das atividades humanas praticadas nas zonas costeiras têm tido fortes
impactes ambientais, contribuindo para a degradação das zonas costeiras e marinhas
 O intenso tráfico de transportes marítimos, as suas descargas ilegais e alguns acidentes –
nomeadamente com petroleiros – constituem ameaças graves para os ecossistemas aquáticos.
As enormes quantidades de petróleo derramadas no mar flutuam e alastram-se, formando
extensas manchas negras – as marés negras
 Os resíduos petrolíferos são de difícil remoção e impedem a utilização das praias pelos
veraneantes. Para além dos impactos negativos que provocam no turismo, as marés negras
destroem a fauna e a flora aquática e provocam prejuízos na atividade pesqueira.
 Outro problema grave dos oceanos é a sobreexploração dos recursos. O desenvolvimento da
tecnologia permitiu aumentar o número de capturas pondo em risco algumas espécies.
Derrame de crude do “Prestige” (costa da Galiza, Espanha)
Os efluentes e lixos degradam a qualidade da água dos
rios
Praia interdita a veraneantes
Em Portugal, em Abril de 1991, na costa alentejana, deu-se um dos piores acidentes ecológicos nas
águas portuguesas. Em 1999, deu-se a 24 de Janeiro um acidente com um navio de petróleo, O
Courage, em Aveiro, poluindo as praias aveirenses.
Acidentes ecológicos nas águas
portuguesas
Desflorestação
Causas e consequências
 O processo de Desflorestação pode-se descrever como o abate de árvores com vista a utilizar o
solo por elas ocupado para outros fins, economicamente mais rentáveis do que ter um conjunto
de seres vivos que controlam os ciclos de água, do solo e a reciclagem do ar, com produção de
oxigénio. É devido a esta forma materialista de pensar que a Desflorestação foi durante muitos
anos vista como impulsionadora do desenvolvimento da economia de um país, visto que com ela
se liquida o "capital" de uma floresta, abrindo caminho para outras formas de lucro, como a
produção de comida, matéria-prima, energia ou construção de infraestruturas.
 A Desflorestação deve ser distinguida da degradação florestal, que consiste na redução da
qualidade das florestas, que se lhe encontra associada. Juntas, têm resultados devastadores:
1. Erosão dos solos
2. Destabilização das bacias hidrográficas, resultando em secas e inundações
3. Redução da biodiversidade e, visto que as florestas desempenham um importante papel na
remoção do Dióxido de Carbono
4. Aumento do efeito de estufa
Modos de desflorestação
 A Desflorestação por abate e queima (slash & burn) representava 45% da desflorestação em
África e no sudeste Asiático em 1980. A queima destas enormes porções de floresta liberta
enormes quantidades de dióxido de carbono, o que vem aumentar enormemente o efeito de
estufa. É praticada por agricultores de pequena escala e os seus resultados após alguns anos de
cultivo, deixam os solos sem possibilidade de suportar culturas, além das ervas bravias, e os
terrenos que são pura e simplesmente abandonados.
 A Desflorestação para colheita de madeira é uma significativa fonte de desflorestação no
Sudeste Asiático e, até perto de 1990, na África Ocidental. Muitas das vezes, esta "colheita"
danifica mais madeira do que extrai. Os extratores de madeira substituem, muitas vezes, as
árvores abatidas por novas plantações, ou deixam a área para que se regenere naturalmente.
Infelizmente, a erosão e degradação dos solos ocorre enquanto a área não recupera totalmente.
O solo começa a sofrer erosões como consequência da perda do suporte fornecido pelas
árvores. Caso o processo continue, a região em causa poderá eventualmente assemelhar-se a
um deserto.
 A "libertação" dos solos para agricultura instalada, em solos inférteis, resulta apenas em
ganhos a curto prazo. Contudo, o abate bem planeado tem produzido lucros sustentáveis, como
plantações da borracha e de óleo de palma, que mantêm uma estrutura semelhante à de uma
floresta, ajudando à conservação do solo e da água, da qual é exemplo a plantação de árvores-
da-borracha em Gana, que, embora preserve a integridade do solo, reduz inevitavelmente a
biodiversidade local.
Movimento Chipko
 Foi um movimento popular que se opôs à desflorestação ordenada pelo governo
indiano e que nasceu nos contrafortes dos Himalaias, no estado de Uttar Pradesh, nos
princípios dos anos 70.
 «Chipko» em hindu significa «abraçar» e o movimento recebeu esse nome porque as
mulheres abraçavam-se às árvores para evitarem que fossem derrubadas. O
movimento encarnou uma longa história de oposição dos aldeões contra o derrube das
árvores para efeitos comerciais tanto na floresta virgem como na floresta comunal.
 O movimento Chipko preocupara-se com a atribuição justa dos direitos de
exploração da floresta, mas com o tempo, evoluiu para um movimento de carácter
ecologista e ambiental.
 Um dos slogans do movimento Chipko - « o que é que as florestas nos dão? Solos,
água e ar puro» - tornaram-se conhecidas por toda a índia e foram adotados por muitas
outras comunidades do subcontinente indiano na sua luta contra a desflorestação.
Efeito de estufa
Causas e consequências
 A atmosfera é composta por gases que têm sobre a Terra o mesmo efeito que o
vidro tem sobre uma estufa, pois evitam que o calor escape e mantêm a temperatura
amena e constante. São os chamados gases com efeito de estufa. Estes gases
contribuem para a temperatura manter a Terra quente. Parte da radiação solar vinda
do espaço entra na atmosfera até chocar com a superfície da Terra, aquecendo-a.
Ao aquecer, a Terra liberta calor na forma de raios infravermelhos de volta para o
espaço. No entanto parte destes raios são absorvidos pelos gases com efeito de
estufa e são refletidos de volta para a Terra.
 O efeito de estufa pode levar a:
-Alteração nos níveis de precipitação
-Avanço das zonas desérticas
-Degelo dos glaciares que leva à subida do nível medio das águas do mar
-Aumento do numero de doenças infecciosas
-Escassez de água potável
-Destruição de ecossistemas e consequente extinção de espécies
- Aumento das tempestades tropicais (furacões)
-Submersão de ilhas e zonas devido à subida das águas do mar
-Mudanças na direção do vento
-Diminuição da produção agrícola
Gases responsáveis pelo efeito de estufa
 Dióxido de carbono( CO2)- é originado pela combustão de combustíveis fósseis como o
petróleo, gás natural, carvão, desflorestação.
Metano- é produzido em campos de arroz, pelo gado e pelas lixeiras.
Ácido Nítrico- é produzido pela combustão da madeira e de combustíveis fosseis, pela
decomposição de fertilizantes químicos e por micróbios.
Ozono- é originado através da poluição dos solos provocada pelas fábricas, refinarias de petróleo e
também por automóveis.
Desertificação
Causas e consequências
 O termo desertificação tem sido utilizado para a perda da capacidade produtiva
dos ecossistemas causada pela atividade humana. Devido às condições ambientais e a atividades
económicas desenvolvidas numa região que podem ultrapassar a capacidade de suporte e
de sustentabilidade. Há também erosão genética da fauna e flora, extinção de espécies e proliferação
eventual de espécies exóticas.
 É um processo em que o solo de determinados lugares começa a ficar cada vez mais estéril, ou seja a
terra perde os seus nutrientes e a capacidade de fazer nascer qualquer tipo de vegetação, seja florestas
naturais ou plantações feitas pelo ser humano.
 Sem vegetação, as chuvas vão sendo mais raras, o solo vai ficando árido e sem vida, e a sobrevivência
é muito difícil. Os moradores, agricultores e pecuaristas geralmente abandonam essas terras e vão
procurar outro lugar para viver.
 A desertificação leva a:
-Redução das áreas cultivadas
-Diminuição da produtividade agropecuária das áreas afetadas;
-Redução dos recursos hídricos
-Aumento da poluição hídrica
-Aumento das cheias
-Aumento de areia nas áreas afetadas
-Destruição da fauna e da flora
-Migração das populações para os
centros urbanos
-Desagregação devido ao êxodo
rural
-Crescimento de pobreza
-Aumento de doenças devido à falta
de água potável e subnutrição
-Perda do potencial agrícola
-Perdas de receita económica
Desertificação em Portugal
 Portugal é um dos países europeus com maior risco de desertificação. Esse risco é praticamente
nulo nas regiões acima do rio Tejo, mas abaixo do mesmo esse risco torna-se evidente.
 As regiões do Alentejo e Algarve sofrem uma grande pressão hidrográfica devido à falta
de pluviosidade, prática agrícola excessiva (Alentejo), e demasiadas infraestruturas turísticas
(Algarve).
 No Alentejo, para combater a falta de pluviosidade, foi construída a barragem do Alqueva, de
modo a criar o maior lago artificial da Europa, o que permitiu a irrigação dos campos agrícolas
envolventes, sem a necessidade de utilizar fontes de água primitivas, esperando-se assim reduzir
a susceptibilidade dos solos nesta região.
 Já no Algarve, devido aos campos de golfe e outras infraestruturas turísticas como as piscinas, o
governo português implementou algumas políticas de modo a restringir o uso de água para estas
atividades.
Diminuição da biodiversidade
Causas e consequências
 Biodiversidade é a diversidade da natureza viva. Pode ser definida como a variedade e a
variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas
ocorrem. Pode também ser entendida como uma associação de vários componentes hierárquicos
como ecossistema, comunidade, espécies, populações e genes numa área definida. A
biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do
que nos climas amenos. A espécie humana depende da biodiversidade para a sua sobrevivência.
 As causas da sua diminuição são:
-Destruição e diminuição dos habitats naturais
-Existência de espécies exóticas e invasoras
-Exploração excessiva de espécies de animais e vegetais
-Caça e pesca
-Tráfico de fauna e flora silvestres
-Poluição do solo, água e atmosfera
-Ampliação desordenada das fronteiras agropecuárias dentro de áreas nativas
-Mudanças climáticas e aquecimento global
 As suas consequências são:
-Diminuição da qualidade de vida
-Suprimento de alimentos e manutenção da saúde
-Vulnerabilidade a desastres naturais
-Redução e restrição do uso de energia
-Diminuição de oferta de água potável
-Aumento de doenças e epidemias
-Instabilidade social, política e económica
Destruição da camada de ozono
Causas e consequências
 A camada de ozono é um faz azulado que se situa na estratosfera do nosso planeta, tem
importantes funções mas também desvantagens. Impede a passagem de 5% das radiações
ultravioletas que são prejudiciais ao ser humano. A camada de ozono é também uma espécie de
estufa que controla o aquecimento global do planeta Terra, chama-se a este fenómeno efeito de
estufa.
 As principais causas da destruição da camada de ozono são:
-Os automóveis
-Utilização de produtos que contenham CFC’s (Clorofluorcarbonetos)
a refrigeração
-O ar condicionado
-Espumas e solventes
-Aerossóis
-Extintores
-Tetracloreto de carbono (utilizado em laboratórios) etc.
 Apesar de a camada de ozono absorver a maior parte da radiação ultravioleta, uma pequena
porção atinge a superfície da terra. Essa pequena porção mata milhares de pessoas por ano
devido ao cancro da pele. As radiações UV afectam também osistema imunológico, diminuindo
a resistência humana a doenças como herpes e o próprio cancro, causando também problemas
oftalmológicos, como cataratas eenfraquecimento da visão.
 Os raios UV em excesso também vão afectar as plantas que necessitam deles para efectuar
a fotossíntese e as espécies marinhas que se alimentam do plâncton e este absorve cerca de
50% das emissões de dióxido de carbono do planeta. E também vai diminuir a produção
agrícola, reduzindo a oferta de alimentos.
 O aquecimento global e o degelo são outras consequências do buraco na camada de ozono.
Medidas tomadas para a diminuição
do buraco na camada de ozono
 Foram feitas revisões de políticas, atividades científicas e medidas técnicas com o objetivo de
combater, dentro dos possíveis, os resíduos dos poluentes atmosféricos que possam contribuir
para a redução da poluição atmosférica.
 O que podemos fazer?
-Sempre que possível utilizar transportes públicos ou andar de bicicleta
-Não utilizar produtos que contenham CFC’s, como os aerossóis, perfumes, frigoríficos, etc
-Utilizar sacos biodegradáveis quando for aos supermercados
-Plantar mais árvores, pois fazem com que o CO2 seja absorvido pelo ar
Curiosidade
 O dia 16 de Setembro é o Dia Internacional para Prevenção da Camada do Ozono, declarado
pela Assembleia-geral das Nações Unidas, pois no mesmo dia do ano 1995 foi assinado o
Protocolo de Montreal, sobre as substâncias que empobrecem a Camada de Ozono.
No entanto, deveríamos pensar nessa camada tão importante todos os dias.
Sobrexploração e poluição da
água doce
Causas e consequências
 O Homem com as suas experiências e com os seus comportamentos inconscientes, destrói as
propriedades da água. Desde sempre que o Homem se habituou a lançar na água os desperdícios
sólidos e líquidos, resultantes das suas inúmeras atividades:
-Substâncias químicas e adubos utilizados na agricultura
-Esgotos domésticos (detergentes, óleos de cozinha, dejectos)
-Desperdícios industriais
-Detritos agrícolas
 Consequências da poluição das águas:
-A concentração de matéria orgânica nos rios proveniente dos esgotos provoca um aumento de
decompositores que consomem o oxigénio dissolvido na água acabando por matar os respectivos animais
aquáticos
-Os pesticidas e os herbicidas são venenos, por isso, quando lançados na água, acabam por matar plantas
e os animais aquáticos
- Do mesmo modo, a poluição do mar provoca a destruição de ecossistemas marinhos e litorais, matando
ovos, larvas, peixes e mamíferos
 Como combater a poluição
-Colocação de filtros nas fábricas e nas indústrias
-Tratamento dos esgotos para evitar a contaminação de rios e mares
-Evitar deixar lixo ou material reciclável nos rios e mares
Chuvas ácidas
Causas e consequências
 As chuvas ácidas são caracterizadas pelo seu PH ácido, estas chuvas são produzidas quando o
enxofre e azoto encontrado no ar se combinam com o oxigénio formando assim o Dióxido de
Enxofre e Dióxido de Azoto. Os quais vão-se espalhar pela atmosfera e fundido-se com as
partículas de água que estão em suspensão, formando assim o Ácido Sulfúrico , Ácido Nítrico e
também Ácido Clorídrico em pequenas quantidades, assim formando as chuvas ácidas.
 As suas causas são: os gases lançados na atmosfera devido as emissões dos vulcões e
alguns processos biológicos que ocorrem nos solos, pântanos e oceanos, mas as maiores causas são
formadas pela ação humana. Estes gases são as indústrias, as centrais termoeléctricas e os veículos de
transporte.
 As suas consequências são:
-Na saúde : problemas nos olhos, nariz , garganta, brônquios, pulmões e coração.
-Na natureza: pode matar florestas , lagos, e por sua vez os seres que ali habitam
-Na vida urbana : as chuvas podem destruir alguns monumentos , estátuas e edifícios antigos.
Algumas sugestões para economizar
energia
-Transporte colectivo: diminuindo-se o número de carros e a quantidade de poluentes.
-Utilização do metro: por ser eléctrico polui menos do que carros.
-Utilizar fontes de energia menos poluentes: energia geotérmica, energia das marés, energia eólica,
energia nuclear (embora cause preocupação para as pessoas, em relação à possíveis acidentes e
para onde levar o lixo nuclear).
-Purificação dos escapes dos veículos, utilizar gasolina sem chumbo e adaptar um conversor
catalítico.
-Utilizar combustíveis com baixo teor de enxofre.
Portugal e o Ambiente
 Foram apresentados pelos INE de Portugal e de Espanha a publicação «A Península Ibérica em
Números» que compara os indicadores de ambos os países relativos a variadas áreas
socioeconómicas.
Segundo os dados divulgados, Portugal tem mantido desde 2003 as mesmas emissões de
dióxido de carbono, na ordem das seis toneladas por habitante, perto da média da UE.
 Atualmente insere-se entre os países membros da União Europeia que menos emitem gases de
efeito estufa, ao invés de Espanha que se encontra a meio da lista com 8 toneladas e meia.
 Os portugueses apresentam-se também como menos produtores de lixo comparando com
Espanha que produz entre 500 a 650kg, e Portugal que produz à volta de 250 a 500 kg de
resíduos.
Inquéritos
Caracterização da Amostra
 A amostra é constituída por 20 indivíduos, de entre os quais, 16 pertencem ao sexo feminino e os
restantes 4 ao sexo masculino, com idades compreendidas entre os 13 e 73 anos.
 Os individuos foram inquiridos no seu meio social, isto é, no seu quotidiano, sendo abordados na
rua para responder ao questionário.
De 1 a 10 classifique a qualidade dos
espaços verdes em Almada
De 1 a 10 classifique a quantidade de
espaços verdes em Almada
Conclusão
 Os inquiridos demonstram agrado na qualidade dos espaços verdes mas é mais ou menos
consensual que a existência destes é escassa.
Com que frequência utiliza os espaços
verdes?
Conclusão
 Metade da amostra (10 inquiridos) diz utilizar os espaços verdes apenas 1 vez por
semana, enquanto que outros 35% (7 inquiridos) dizem utilizar quase todos os dias ou mesmo
todos os dias.
Acha que devia ser interdita a
utilização de viaturas privadas nos
centros das cidades?
Conclusão
 A resposta foi bastante dividida pelo que é impossivel retirar qualquer conclusão.
Dá credibilidade aos estudos que
apontam para efeitos muito negativos
no clima ?
Conclusão
 As respostas foram bastante consensuais, o que nos leva a acreditar que a maioria das pessoas
acredita em tudo o que lê, não desconfiando sequer da fonte, ou se esta é credível ou não.
Alguma vez se sentiu responsável por
contribuir para a poluição?
Conclusão
 75% (15 inqueridos) da amostra afirma que a certa altura se sentiu culpada da poluição. Assim
observamos uma falsa preocupação, visto que as pessoas têm noção do problema mas não
fazem qualquer esforço para o mudar.
Como se desloca diariamente?
Conclusão
 Podemos observar que a maioria das pessoas se desloca de transportes. Existe uma certa contradição em
relação à pergunta anterior, visto que, as pessoas inquiridas afirmaram contribuir para a poluição mas ao
mesmo tempo a maioria também afirma deslocar-se de transportes públicos.
Conclusão Final
 Com este trabalho pudemos fazer observações que nos ensinaram a olhar
aquilo que se passa à nossa volta com uma visão diferente.
 Com base na discussão de ideias, e pesquisa de dados de modo a
completar o trabalho, percebemos que todos nós podemos fazer um
pouco para ajudar a “saúde” do planeta Terra. No entanto, na zona onde
nos encontramos, ainda é possível ver pessoas que vivem sem dar
importância a esse pequeno grande pormenor.
Bibliografia
 Recurso ao link:
http://www.problemas-ambientais.pt.vu/
 Recurso a Inquéritos na região de Almada.
Fim!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
laiszanatta
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Tânia Reis
 
Alterações Climáticas
Alterações ClimáticasAlterações Climáticas
Alterações Climáticas
Michele Pó
 
Trabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluiçãoTrabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluição
Be Carrazeda
 
Poluição do mar
Poluição do marPoluição do mar
Poluição do mar
14122000angelo
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
JMCDINIS
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
Diogo Mateus
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
Margarida Santos
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Luiz Henrique Ferreira
 
Poluição das Águas
Poluição das  ÁguasPoluição das  Águas
Poluição das Águas
Helena Marques
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
janeibe
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
Neuza Carvalho
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
fefemrc
 
Aquecimento Global
Aquecimento  GlobalAquecimento  Global
Aquecimento Global
Pdrs
 
Trabalho sobre o meio ambiente
Trabalho sobre o meio ambienteTrabalho sobre o meio ambiente
Trabalho sobre o meio ambiente
Dessa Reis
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
JOSELENE XAVIER
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
Marilucia Santos
 
Poluição da água
Poluição da águaPoluição da água
Poluição da água
Maria Paredes
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
Prof.Paulo/geografia
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
lucasvinicius98
 

Mais procurados (20)

Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Alterações Climáticas
Alterações ClimáticasAlterações Climáticas
Alterações Climáticas
 
Trabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluiçãoTrabalho sobre a poluição
Trabalho sobre a poluição
 
Poluição do mar
Poluição do marPoluição do mar
Poluição do mar
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Poluição das Águas
Poluição das  ÁguasPoluição das  Águas
Poluição das Águas
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
 
Aquecimento Global
Aquecimento  GlobalAquecimento  Global
Aquecimento Global
 
Trabalho sobre o meio ambiente
Trabalho sobre o meio ambienteTrabalho sobre o meio ambiente
Trabalho sobre o meio ambiente
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
 
Poluição da água
Poluição da águaPoluição da água
Poluição da água
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 

Destaque

Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
grupodeestudoicl
 
Desertificação 9º4
Desertificação 9º4Desertificação 9º4
Desertificação 9º4
Mayjö .
 
Estado Maximo e Estado Mínimo.
Estado Maximo e Estado Mínimo. Estado Maximo e Estado Mínimo.
Estado Maximo e Estado Mínimo.
veraserra
 
Oceanos
OceanosOceanos
Oceanos
Mayjö .
 
Progress e meio ambiente
Progress e meio ambienteProgress e meio ambiente
Progress e meio ambiente
Luciane tonete
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
Clayton_Gabriel
 
Desertificação em Portugal Continental
Desertificação em Portugal ContinentalDesertificação em Portugal Continental
Desertificação em Portugal Continental
Idalina Leite
 
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terraIfes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
Kéliton Ferreira
 
Evolução da terra
Evolução da terraEvolução da terra
Evolução da terra
Evandro Santos
 
Aula7 gestão política e recursos naturais
Aula7 gestão política e recursos naturaisAula7 gestão política e recursos naturais
Aula7 gestão política e recursos naturais
Terragraph
 
Atualidades - Geopolíticas da água
Atualidades - Geopolíticas da águaAtualidades - Geopolíticas da água
Atualidades - Geopolíticas da água
Elton Zanoni
 
Erosão+e+..
Erosão+e+..Erosão+e+..
Erosão+e+..
Klaudyo Danth's
 
Aula 06 água
Aula 06   águaAula 06   água
Aula 06 água
Lucas Barbosa
 
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Marco Aurélio Gondim
 
C.P. 5 - Principais problemas ambientais
C.P. 5 - Principais problemas ambientaisC.P. 5 - Principais problemas ambientais
C.P. 5 - Principais problemas ambientais
I.Braz Slideshares
 
Desflorestação
DesflorestaçãoDesflorestação
Desflorestação
cmsn17
 
A desertificação
A desertificaçãoA desertificação
A desertificação
brunopereira1
 
O espaço rural no Brasil (características) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (características) -7º ANO (2016)O espaço rural no Brasil (características) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (características) -7º ANO (2016)
Nefer19
 
Oceanos e mares
Oceanos e maresOceanos e mares
Oceanos e mares
Raúl Freitas
 

Destaque (20)

Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Desertificação 9º4
Desertificação 9º4Desertificação 9º4
Desertificação 9º4
 
10 mandamentos do meio ambiente 2
10 mandamentos do meio ambiente 210 mandamentos do meio ambiente 2
10 mandamentos do meio ambiente 2
 
Estado Maximo e Estado Mínimo.
Estado Maximo e Estado Mínimo. Estado Maximo e Estado Mínimo.
Estado Maximo e Estado Mínimo.
 
Oceanos
OceanosOceanos
Oceanos
 
Progress e meio ambiente
Progress e meio ambienteProgress e meio ambiente
Progress e meio ambiente
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Desertificação em Portugal Continental
Desertificação em Portugal ContinentalDesertificação em Portugal Continental
Desertificação em Portugal Continental
 
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terraIfes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
 
Evolução da terra
Evolução da terraEvolução da terra
Evolução da terra
 
Aula7 gestão política e recursos naturais
Aula7 gestão política e recursos naturaisAula7 gestão política e recursos naturais
Aula7 gestão política e recursos naturais
 
Atualidades - Geopolíticas da água
Atualidades - Geopolíticas da águaAtualidades - Geopolíticas da água
Atualidades - Geopolíticas da água
 
Erosão+e+..
Erosão+e+..Erosão+e+..
Erosão+e+..
 
Aula 06 água
Aula 06   águaAula 06   água
Aula 06 água
 
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
 
C.P. 5 - Principais problemas ambientais
C.P. 5 - Principais problemas ambientaisC.P. 5 - Principais problemas ambientais
C.P. 5 - Principais problemas ambientais
 
Desflorestação
DesflorestaçãoDesflorestação
Desflorestação
 
A desertificação
A desertificaçãoA desertificação
A desertificação
 
O espaço rural no Brasil (características) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (características) -7º ANO (2016)O espaço rural no Brasil (características) -7º ANO (2016)
O espaço rural no Brasil (características) -7º ANO (2016)
 
Oceanos e mares
Oceanos e maresOceanos e mares
Oceanos e mares
 

Semelhante a Ambiente

Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
elsamariana
 
A poluicao atmosferica
A poluicao atmosfericaA poluicao atmosferica
A poluicao atmosferica
fda
 
Educação Ambiental 7º ano
Educação Ambiental 7º anoEducação Ambiental 7º ano
Educação Ambiental 7º ano
Ana Nunes
 
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da ÁguaProblemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Rogério Bartilotti
 
Apresentação 12ºA e C
Apresentação 12ºA e CApresentação 12ºA e C
Apresentação 12ºA e C
zeopas
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
StephanyChaiben
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
StephanyChaiben
 
Grandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas AmbientaisGrandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas Ambientais
José Manuel Pinto Sousa
 
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambientemundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
sw4kfysgx7
 
Aquecimento Global
Aquecimento GlobalAquecimento Global
Aquecimento Global
Juliana Costa
 
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaImpacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Grupo2apcm
 
Poluição das águas
Poluição das águasPoluição das águas
Poluição das águas
geografianaserpapinto
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 anoPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Ana Tapadinhas
 
Julya
JulyaJulya
Ecologia
EcologiaEcologia
Tipos de poluição
Tipos de poluiçãoTipos de poluição
Tipos de poluição
Galo_Frito
 
A poluicao
A poluicaoA poluicao
A poluicao
isabelanastacia
 
A poluicao
A poluicaoA poluicao
A poluicao
isabelanastacia
 
mundo atual_o homem e o ambiente ufcd 6665
mundo atual_o homem e o ambiente ufcd 6665mundo atual_o homem e o ambiente ufcd 6665
mundo atual_o homem e o ambiente ufcd 6665
CristinaTavares50
 
Alterações Climáticas
Alterações ClimáticasAlterações Climáticas
Alterações Climáticas
picoalto
 

Semelhante a Ambiente (20)

Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
 
A poluicao atmosferica
A poluicao atmosfericaA poluicao atmosferica
A poluicao atmosferica
 
Educação Ambiental 7º ano
Educação Ambiental 7º anoEducação Ambiental 7º ano
Educação Ambiental 7º ano
 
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da ÁguaProblemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
Problemas Atmosféricos e Geopolítica da Água
 
Apresentação 12ºA e C
Apresentação 12ºA e CApresentação 12ºA e C
Apresentação 12ºA e C
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Grandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas AmbientaisGrandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas Ambientais
 
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambientemundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
 
Aquecimento Global
Aquecimento GlobalAquecimento Global
Aquecimento Global
 
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaImpacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
 
Poluição das águas
Poluição das águasPoluição das águas
Poluição das águas
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 anoPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
 
Julya
JulyaJulya
Julya
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Tipos de poluição
Tipos de poluiçãoTipos de poluição
Tipos de poluição
 
A poluicao
A poluicaoA poluicao
A poluicao
 
A poluicao
A poluicaoA poluicao
A poluicao
 
mundo atual_o homem e o ambiente ufcd 6665
mundo atual_o homem e o ambiente ufcd 6665mundo atual_o homem e o ambiente ufcd 6665
mundo atual_o homem e o ambiente ufcd 6665
 
Alterações Climáticas
Alterações ClimáticasAlterações Climáticas
Alterações Climáticas
 

Mais de Joao Paulo Curto

Turismo[1]
Turismo[1]Turismo[1]
Turismo[1]
Joao Paulo Curto
 
Transportes públicos em almada1
Transportes públicos em almada1Transportes públicos em almada1
Transportes públicos em almada1
Joao Paulo Curto
 
Meio ambiente em almada
Meio ambiente em almadaMeio ambiente em almada
Meio ambiente em almada
Joao Paulo Curto
 
População e urbanização
População e urbanizaçãoPopulação e urbanização
População e urbanização
Joao Paulo Curto
 
Organização administrativa
Organização administrativaOrganização administrativa
Organização administrativa
Joao Paulo Curto
 
Transportes públicos em almada
Transportes públicos em almadaTransportes públicos em almada
Transportes públicos em almada
Joao Paulo Curto
 
Atividades económicas
Atividades económicasAtividades económicas
Atividades económicas
Joao Paulo Curto
 
Transportes aéreos 12 7
Transportes aéreos 12 7Transportes aéreos 12 7
Transportes aéreos 12 7
Joao Paulo Curto
 
Transporte rodoviário 12 7
Transporte rodoviário 12 7Transporte rodoviário 12 7
Transporte rodoviário 12 7
Joao Paulo Curto
 
Transporte de eletricidade 12 7
Transporte de eletricidade 12 7Transporte de eletricidade 12 7
Transporte de eletricidade 12 7
Joao Paulo Curto
 
Transp maritimos 12-7
Transp maritimos 12-7Transp maritimos 12-7
Transp maritimos 12-7
Joao Paulo Curto
 
T ferroviario 12 7
T ferroviario 12 7T ferroviario 12 7
T ferroviario 12 7
Joao Paulo Curto
 
Sustentabilidade do turismo 11 4
Sustentabilidade do turismo 11 4Sustentabilidade do turismo 11 4
Sustentabilidade do turismo 11 4
Joao Paulo Curto
 
Produtos de qualidade 11 4
Produtos de qualidade 11 4Produtos de qualidade 11 4
Produtos de qualidade 11 4
Joao Paulo Curto
 
Modalidades de turismo ter 11 4
Modalidades de turismo ter 11 4Modalidades de turismo ter 11 4
Modalidades de turismo ter 11 4
Joao Paulo Curto
 
Desenvolvimento rural 11 4
Desenvolvimento rural 11 4Desenvolvimento rural 11 4
Desenvolvimento rural 11 4
Joao Paulo Curto
 
Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Desenvolvimento da silvicultura 11 4Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Joao Paulo Curto
 
Turismo em ter 11 4
Turismo em ter 11 4Turismo em ter 11 4
Turismo em ter 11 4
Joao Paulo Curto
 
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Joao Paulo Curto
 
Desenvolver a silvicultura 11 6
Desenvolver a silvicultura 11 6Desenvolver a silvicultura 11 6
Desenvolver a silvicultura 11 6
Joao Paulo Curto
 

Mais de Joao Paulo Curto (20)

Turismo[1]
Turismo[1]Turismo[1]
Turismo[1]
 
Transportes públicos em almada1
Transportes públicos em almada1Transportes públicos em almada1
Transportes públicos em almada1
 
Meio ambiente em almada
Meio ambiente em almadaMeio ambiente em almada
Meio ambiente em almada
 
População e urbanização
População e urbanizaçãoPopulação e urbanização
População e urbanização
 
Organização administrativa
Organização administrativaOrganização administrativa
Organização administrativa
 
Transportes públicos em almada
Transportes públicos em almadaTransportes públicos em almada
Transportes públicos em almada
 
Atividades económicas
Atividades económicasAtividades económicas
Atividades económicas
 
Transportes aéreos 12 7
Transportes aéreos 12 7Transportes aéreos 12 7
Transportes aéreos 12 7
 
Transporte rodoviário 12 7
Transporte rodoviário 12 7Transporte rodoviário 12 7
Transporte rodoviário 12 7
 
Transporte de eletricidade 12 7
Transporte de eletricidade 12 7Transporte de eletricidade 12 7
Transporte de eletricidade 12 7
 
Transp maritimos 12-7
Transp maritimos 12-7Transp maritimos 12-7
Transp maritimos 12-7
 
T ferroviario 12 7
T ferroviario 12 7T ferroviario 12 7
T ferroviario 12 7
 
Sustentabilidade do turismo 11 4
Sustentabilidade do turismo 11 4Sustentabilidade do turismo 11 4
Sustentabilidade do turismo 11 4
 
Produtos de qualidade 11 4
Produtos de qualidade 11 4Produtos de qualidade 11 4
Produtos de qualidade 11 4
 
Modalidades de turismo ter 11 4
Modalidades de turismo ter 11 4Modalidades de turismo ter 11 4
Modalidades de turismo ter 11 4
 
Desenvolvimento rural 11 4
Desenvolvimento rural 11 4Desenvolvimento rural 11 4
Desenvolvimento rural 11 4
 
Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Desenvolvimento da silvicultura 11 4Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Desenvolvimento da silvicultura 11 4
 
Turismo em ter 11 4
Turismo em ter 11 4Turismo em ter 11 4
Turismo em ter 11 4
 
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
 
Desenvolver a silvicultura 11 6
Desenvolver a silvicultura 11 6Desenvolver a silvicultura 11 6
Desenvolver a silvicultura 11 6
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Ambiente

  • 1. O Meio Ambiente Trabalho realizado por: Débora Oliveira nº6 Érica Abraços nº10 Liliana Antunes nº20 Disciplina: Geografia Professor: João Paulo Curto 3º período E o Desenvolvimento Sustentável
  • 2. Introdução  Este trabalho surgiu no âmbito da disciplina de Geografia A de 11º ano. O nosso objetivo principal é a reflexão e debate de ideias acerca do tema. Queremos então explicar e esclarecer alguns pormenores, pelo que seguiremos um raciocínio dividido em subtemas.  Desenvolvimento sustentável consiste em utilizar os recursos existentes de forma controlada de maneira a não prejudicar as gerações futuras. Iremos abordar os subtemas de modo e explicar e pensar nas melhores maneiras de o fazer.  Falaremos acerca de: clima urbano, oceanos e mares ameaçados, desflorestação, efeito de estufa, desertificação, diminuição da biodiversidade, entre outros. Abordaremos também acerca das opiniões de uma amostra de pessoas na cidade de Almada.
  • 3. Conceito  O termo meio ambiente é considerado pelo pensamento geral como sinónimo de natureza, local a ser apreciado, respeitado e preservado. Porém é necessário um ponto de vista mais profundo no termo, estabelecer a noção no ser humano de pertencimento ao meio ambiente, no qual possui vínculos naturais para a sua sobrevivência. Desenvolvimento Sustentável  Desenvolvimento sustentável refere-se a um modo de desenvolvimento capaz de responder às necessidades do presente sem comprometer a capacidade de crescimento das gerações futuras. Visa melhorar as condições de vida dos indivíduos, preservando simultaneamente o meio envolvente a curto, médio e, sobretudo, longo prazo. O desenvolvimento sustentável comporta um triplo objetivo: um desenvolvimento economicamente eficaz, socialmente equitativo e ecologicamente sustentável. Meio Ambiente
  • 4. Problemas Ambientais Os problemas ambientais vividos no mundo de hoje são consequência direta da intervenção humana no planeta e nos ecossistemas, causando desequilíbrios ambientais no planeta, comprometendo a vida. Problemas ambientais que mais afetam o Planeta: Clima Urbano Oceanos e mares ameaçados Desflorestação Desertificação Diminuição da biodiversidade Aumento do efeito de estufa Destruição da camada de ozono Chuvas ácidas Sobrexploração e poluição da agua doce
  • 6.  Quase tudo que existe nas cidades tem origem artificial. O que existe de natural acaba sempre por apresentar alterações provocadas pela interferência do Homem, como é o caso do chamado clima urbano. Nas grandes cidades, geralmente a camada de ar mais próxima ao solo é mais aquecida do que nas áreas rurais. A cidade é considerada uma grande modificadora do clima devido às intensas atividades humanas, ao grande número de veículos em circulação, à presença em massa de indústrias, prédios, asfalto nas ruas, e à diminuição de áreas verdes. Tudo isto provoca mudanças profundas não só na atmosfera local, mas também na temperatura e nas chuvas da região. As partículas emitidas pelos veículos automóveis e pelas indústrias produzem o aumento da quantidade de nuvens e, consequentemente, de chuvas, pois a poeira e a fuligem (substância proveniente da decomposição do combustível) facilitam a condensação do vapor de água da atmosfera. A mudança nas características da atmosfera local é provocada pela substituição dos materiais naturais pelos urbanos. Por isso, podemos observar o aumento da temperatura nas grandes cidades, fenómeno chamado de Ilha de Calor, uma anomalia térmica que faz o ar da cidade tornar-se mais quente que o das regiões vizinhas. Causas e consequências
  • 7. Caso de “smog” na China  A China já conseguiu limpar o seu ar, mas especialistas afirmam que para evitar a neblina tóxica, conhecida como 'smog', o país precisa de superar uma economia alimentada por indústrias movidas a carvão, uma fonte altamente poluente, e o uso de automóveis. Dias seguidos de perigosa qualidade do ar em grande parte do norte da China levaram a respostas de emergências, como a decisão das escolas de manter as crianças em casa, o encerramento de fábricas e a paralisação de carros do governo.  Especialistas exigem que as autoridades tomem medidas mais duras para enfrentar as consequências da rápida industrialização da China e dos hábitos de consumo da classe média criada pelo seu poder económico.
  • 8. O smog pode causar doenças? Quanto mais smog for inalado, mais probabilidades existem de haver efeitos adversos para a saúde. As pessoas sensíveis podem apresentar sintomas depois de permanecerem apenas uma ou duas horas ao ar livre, num meio ambiente poluído. Os idosos são os que mais riscos correm, especialmente os que sofrem de doenças dos pulmões ou do coração. Também as crianças correm perigo, porque respiram mais rápido e passam mais tempo ao ar livre. Inclusive os adultos jovens saudáveis respiram de forma menos eficiente durante os dias em que o ar está densamente poluído. Quais são os sintomas causados pelo smog? O ozono no nível do solo afeta o sistema respiratório do corpo e produz uma inflamação das vias respiratórias que pode persistir por até 18 horas depois da exposição ao smog. Podem ocorrer episódios de tosse e peito apertado. Também podem agravar-se as infeções do coração e pulmões, e existe evidência de que a exposição intensifica a sensibilidade dos asmáticos e dos alérgenos. As partículas produzidas pelo ar são suficientemente pequenas para serem respiradas tendo assim o potencial de afetar a saúde. As partículas finíssimas podem penetrar profundamente nos pulmões e interferir no funcionamento do sistema respiratório. Estas partículas finas estão associadas ao aumento dos sintomas da asma, em admissões nos hospitais e também na mortalidade prematura. Como se pode prevenir os efeitos do smog na saúde? Evitar o exercício ao ar livre durante a tarde e no começo da noite em dias de smog, especialmente as pessoas idosas ou que sofrem de alguma doença do coração ou pulmões. Restringir as horas que as crianças passam ao ar livre. Evitar o exercício perto de áreas de trânsito pesado, especialmente nas horas de ponta, para minimizar a exposição à poluição dos veículos motorizados. E, finalmente, colaborar com as medidas para reduzir as emissões de poluentes. Existem muitas coisas que se pode fazer para ajudar a reduzir a produção do ozono no nível do solo e outros componentes do smog.
  • 9. Oceanos e mares ameaçados
  • 10. Causas e consequências  Os mares e Oceanos cobrem dois terços da superfície do nosso planeta e têm um papel muito importante para todo o meio ambiente. Mas infelizmente, o Homem parece não perceber isso, ou pelo menos, não estar preocupado com o futuro. Cada vez há mais poluição nos mares e oceanos, e devido a esse fator há um maior número de mortes e extinção de espécies marinhas. Durante muito tempo os mares e oceanos foram considerados grandes reservatórios para a deposição de resíduos e poluentes. Nas últimas décadas a poluição excessiva, a sobrepesca e o tráfego de petróleo têm-se revelado sérias ameaças à água do nosso planeta.  A crescente poluição hídrica é resultado do aumento demográfico e do desenvolvimento acelerado de atividades económicas, as quais não são acompanhadas pela construção de infraestruturas e de uma rede de saneamento básico equilibrada.  Os baixos índices de tratamento dos efluentes urbanos e industriais e a utilização de fertilizantes químicos na agricultura têm provocado graves problemas de poluição dos rios e albufeiras, podendo ainda contaminar as águas subterrâneas.  São inúmeras as consequências da poluição da água, quer ao nível da saúde pública, quer no equilíbrio dos ecossistemas ou no desenvolvimento das regiões
  • 11.  Um dos graves problemas da água doce é a eutrofização, causada pelo lançamento, nos rios e lagos, de resíduos com elevados valores de fosfato, azoto e nitratos. Estes elementos provocam o crescimento exagerados de plantas aquáticas  Os rios, lagos e oceanos, são desde sempre depósitos de efluentes de variados tipos de lixos produzidos pela ação antrópica. No passado, as grandes massas de água conseguiam absorver as descargas poluentes produzidas. Porém, no último século, as descargas tornaram-se mais frequentes, intensas e perigosas sendo a sua remoção mais difícil  A diversificação e a intensificação das atividades humanas praticadas nas zonas costeiras têm tido fortes impactes ambientais, contribuindo para a degradação das zonas costeiras e marinhas
  • 12.  O intenso tráfico de transportes marítimos, as suas descargas ilegais e alguns acidentes – nomeadamente com petroleiros – constituem ameaças graves para os ecossistemas aquáticos. As enormes quantidades de petróleo derramadas no mar flutuam e alastram-se, formando extensas manchas negras – as marés negras  Os resíduos petrolíferos são de difícil remoção e impedem a utilização das praias pelos veraneantes. Para além dos impactos negativos que provocam no turismo, as marés negras destroem a fauna e a flora aquática e provocam prejuízos na atividade pesqueira.  Outro problema grave dos oceanos é a sobreexploração dos recursos. O desenvolvimento da tecnologia permitiu aumentar o número de capturas pondo em risco algumas espécies. Derrame de crude do “Prestige” (costa da Galiza, Espanha) Os efluentes e lixos degradam a qualidade da água dos rios Praia interdita a veraneantes
  • 13. Em Portugal, em Abril de 1991, na costa alentejana, deu-se um dos piores acidentes ecológicos nas águas portuguesas. Em 1999, deu-se a 24 de Janeiro um acidente com um navio de petróleo, O Courage, em Aveiro, poluindo as praias aveirenses. Acidentes ecológicos nas águas portuguesas
  • 15. Causas e consequências  O processo de Desflorestação pode-se descrever como o abate de árvores com vista a utilizar o solo por elas ocupado para outros fins, economicamente mais rentáveis do que ter um conjunto de seres vivos que controlam os ciclos de água, do solo e a reciclagem do ar, com produção de oxigénio. É devido a esta forma materialista de pensar que a Desflorestação foi durante muitos anos vista como impulsionadora do desenvolvimento da economia de um país, visto que com ela se liquida o "capital" de uma floresta, abrindo caminho para outras formas de lucro, como a produção de comida, matéria-prima, energia ou construção de infraestruturas.  A Desflorestação deve ser distinguida da degradação florestal, que consiste na redução da qualidade das florestas, que se lhe encontra associada. Juntas, têm resultados devastadores: 1. Erosão dos solos 2. Destabilização das bacias hidrográficas, resultando em secas e inundações 3. Redução da biodiversidade e, visto que as florestas desempenham um importante papel na remoção do Dióxido de Carbono 4. Aumento do efeito de estufa
  • 16. Modos de desflorestação  A Desflorestação por abate e queima (slash & burn) representava 45% da desflorestação em África e no sudeste Asiático em 1980. A queima destas enormes porções de floresta liberta enormes quantidades de dióxido de carbono, o que vem aumentar enormemente o efeito de estufa. É praticada por agricultores de pequena escala e os seus resultados após alguns anos de cultivo, deixam os solos sem possibilidade de suportar culturas, além das ervas bravias, e os terrenos que são pura e simplesmente abandonados.  A Desflorestação para colheita de madeira é uma significativa fonte de desflorestação no Sudeste Asiático e, até perto de 1990, na África Ocidental. Muitas das vezes, esta "colheita" danifica mais madeira do que extrai. Os extratores de madeira substituem, muitas vezes, as árvores abatidas por novas plantações, ou deixam a área para que se regenere naturalmente. Infelizmente, a erosão e degradação dos solos ocorre enquanto a área não recupera totalmente. O solo começa a sofrer erosões como consequência da perda do suporte fornecido pelas árvores. Caso o processo continue, a região em causa poderá eventualmente assemelhar-se a um deserto.  A "libertação" dos solos para agricultura instalada, em solos inférteis, resulta apenas em ganhos a curto prazo. Contudo, o abate bem planeado tem produzido lucros sustentáveis, como plantações da borracha e de óleo de palma, que mantêm uma estrutura semelhante à de uma floresta, ajudando à conservação do solo e da água, da qual é exemplo a plantação de árvores- da-borracha em Gana, que, embora preserve a integridade do solo, reduz inevitavelmente a biodiversidade local.
  • 17. Movimento Chipko  Foi um movimento popular que se opôs à desflorestação ordenada pelo governo indiano e que nasceu nos contrafortes dos Himalaias, no estado de Uttar Pradesh, nos princípios dos anos 70.  «Chipko» em hindu significa «abraçar» e o movimento recebeu esse nome porque as mulheres abraçavam-se às árvores para evitarem que fossem derrubadas. O movimento encarnou uma longa história de oposição dos aldeões contra o derrube das árvores para efeitos comerciais tanto na floresta virgem como na floresta comunal.  O movimento Chipko preocupara-se com a atribuição justa dos direitos de exploração da floresta, mas com o tempo, evoluiu para um movimento de carácter ecologista e ambiental.  Um dos slogans do movimento Chipko - « o que é que as florestas nos dão? Solos, água e ar puro» - tornaram-se conhecidas por toda a índia e foram adotados por muitas outras comunidades do subcontinente indiano na sua luta contra a desflorestação.
  • 19. Causas e consequências  A atmosfera é composta por gases que têm sobre a Terra o mesmo efeito que o vidro tem sobre uma estufa, pois evitam que o calor escape e mantêm a temperatura amena e constante. São os chamados gases com efeito de estufa. Estes gases contribuem para a temperatura manter a Terra quente. Parte da radiação solar vinda do espaço entra na atmosfera até chocar com a superfície da Terra, aquecendo-a. Ao aquecer, a Terra liberta calor na forma de raios infravermelhos de volta para o espaço. No entanto parte destes raios são absorvidos pelos gases com efeito de estufa e são refletidos de volta para a Terra.  O efeito de estufa pode levar a: -Alteração nos níveis de precipitação -Avanço das zonas desérticas -Degelo dos glaciares que leva à subida do nível medio das águas do mar -Aumento do numero de doenças infecciosas -Escassez de água potável -Destruição de ecossistemas e consequente extinção de espécies - Aumento das tempestades tropicais (furacões) -Submersão de ilhas e zonas devido à subida das águas do mar -Mudanças na direção do vento -Diminuição da produção agrícola
  • 20. Gases responsáveis pelo efeito de estufa  Dióxido de carbono( CO2)- é originado pela combustão de combustíveis fósseis como o petróleo, gás natural, carvão, desflorestação. Metano- é produzido em campos de arroz, pelo gado e pelas lixeiras. Ácido Nítrico- é produzido pela combustão da madeira e de combustíveis fosseis, pela decomposição de fertilizantes químicos e por micróbios. Ozono- é originado através da poluição dos solos provocada pelas fábricas, refinarias de petróleo e também por automóveis.
  • 22. Causas e consequências  O termo desertificação tem sido utilizado para a perda da capacidade produtiva dos ecossistemas causada pela atividade humana. Devido às condições ambientais e a atividades económicas desenvolvidas numa região que podem ultrapassar a capacidade de suporte e de sustentabilidade. Há também erosão genética da fauna e flora, extinção de espécies e proliferação eventual de espécies exóticas.  É um processo em que o solo de determinados lugares começa a ficar cada vez mais estéril, ou seja a terra perde os seus nutrientes e a capacidade de fazer nascer qualquer tipo de vegetação, seja florestas naturais ou plantações feitas pelo ser humano.  Sem vegetação, as chuvas vão sendo mais raras, o solo vai ficando árido e sem vida, e a sobrevivência é muito difícil. Os moradores, agricultores e pecuaristas geralmente abandonam essas terras e vão procurar outro lugar para viver.  A desertificação leva a: -Redução das áreas cultivadas -Diminuição da produtividade agropecuária das áreas afetadas; -Redução dos recursos hídricos -Aumento da poluição hídrica -Aumento das cheias -Aumento de areia nas áreas afetadas -Destruição da fauna e da flora -Migração das populações para os centros urbanos -Desagregação devido ao êxodo rural -Crescimento de pobreza -Aumento de doenças devido à falta de água potável e subnutrição -Perda do potencial agrícola -Perdas de receita económica
  • 23. Desertificação em Portugal  Portugal é um dos países europeus com maior risco de desertificação. Esse risco é praticamente nulo nas regiões acima do rio Tejo, mas abaixo do mesmo esse risco torna-se evidente.  As regiões do Alentejo e Algarve sofrem uma grande pressão hidrográfica devido à falta de pluviosidade, prática agrícola excessiva (Alentejo), e demasiadas infraestruturas turísticas (Algarve).  No Alentejo, para combater a falta de pluviosidade, foi construída a barragem do Alqueva, de modo a criar o maior lago artificial da Europa, o que permitiu a irrigação dos campos agrícolas envolventes, sem a necessidade de utilizar fontes de água primitivas, esperando-se assim reduzir a susceptibilidade dos solos nesta região.  Já no Algarve, devido aos campos de golfe e outras infraestruturas turísticas como as piscinas, o governo português implementou algumas políticas de modo a restringir o uso de água para estas atividades.
  • 25. Causas e consequências  Biodiversidade é a diversidade da natureza viva. Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode também ser entendida como uma associação de vários componentes hierárquicos como ecossistema, comunidade, espécies, populações e genes numa área definida. A biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas amenos. A espécie humana depende da biodiversidade para a sua sobrevivência.  As causas da sua diminuição são: -Destruição e diminuição dos habitats naturais -Existência de espécies exóticas e invasoras -Exploração excessiva de espécies de animais e vegetais -Caça e pesca -Tráfico de fauna e flora silvestres -Poluição do solo, água e atmosfera -Ampliação desordenada das fronteiras agropecuárias dentro de áreas nativas -Mudanças climáticas e aquecimento global  As suas consequências são: -Diminuição da qualidade de vida -Suprimento de alimentos e manutenção da saúde -Vulnerabilidade a desastres naturais -Redução e restrição do uso de energia -Diminuição de oferta de água potável -Aumento de doenças e epidemias -Instabilidade social, política e económica
  • 27. Causas e consequências  A camada de ozono é um faz azulado que se situa na estratosfera do nosso planeta, tem importantes funções mas também desvantagens. Impede a passagem de 5% das radiações ultravioletas que são prejudiciais ao ser humano. A camada de ozono é também uma espécie de estufa que controla o aquecimento global do planeta Terra, chama-se a este fenómeno efeito de estufa.  As principais causas da destruição da camada de ozono são: -Os automóveis -Utilização de produtos que contenham CFC’s (Clorofluorcarbonetos) a refrigeração -O ar condicionado -Espumas e solventes -Aerossóis -Extintores -Tetracloreto de carbono (utilizado em laboratórios) etc.  Apesar de a camada de ozono absorver a maior parte da radiação ultravioleta, uma pequena porção atinge a superfície da terra. Essa pequena porção mata milhares de pessoas por ano devido ao cancro da pele. As radiações UV afectam também osistema imunológico, diminuindo a resistência humana a doenças como herpes e o próprio cancro, causando também problemas oftalmológicos, como cataratas eenfraquecimento da visão.  Os raios UV em excesso também vão afectar as plantas que necessitam deles para efectuar a fotossíntese e as espécies marinhas que se alimentam do plâncton e este absorve cerca de 50% das emissões de dióxido de carbono do planeta. E também vai diminuir a produção agrícola, reduzindo a oferta de alimentos.  O aquecimento global e o degelo são outras consequências do buraco na camada de ozono.
  • 28. Medidas tomadas para a diminuição do buraco na camada de ozono  Foram feitas revisões de políticas, atividades científicas e medidas técnicas com o objetivo de combater, dentro dos possíveis, os resíduos dos poluentes atmosféricos que possam contribuir para a redução da poluição atmosférica.  O que podemos fazer? -Sempre que possível utilizar transportes públicos ou andar de bicicleta -Não utilizar produtos que contenham CFC’s, como os aerossóis, perfumes, frigoríficos, etc -Utilizar sacos biodegradáveis quando for aos supermercados -Plantar mais árvores, pois fazem com que o CO2 seja absorvido pelo ar
  • 29. Curiosidade  O dia 16 de Setembro é o Dia Internacional para Prevenção da Camada do Ozono, declarado pela Assembleia-geral das Nações Unidas, pois no mesmo dia do ano 1995 foi assinado o Protocolo de Montreal, sobre as substâncias que empobrecem a Camada de Ozono. No entanto, deveríamos pensar nessa camada tão importante todos os dias.
  • 31. Causas e consequências  O Homem com as suas experiências e com os seus comportamentos inconscientes, destrói as propriedades da água. Desde sempre que o Homem se habituou a lançar na água os desperdícios sólidos e líquidos, resultantes das suas inúmeras atividades: -Substâncias químicas e adubos utilizados na agricultura -Esgotos domésticos (detergentes, óleos de cozinha, dejectos) -Desperdícios industriais -Detritos agrícolas  Consequências da poluição das águas: -A concentração de matéria orgânica nos rios proveniente dos esgotos provoca um aumento de decompositores que consomem o oxigénio dissolvido na água acabando por matar os respectivos animais aquáticos -Os pesticidas e os herbicidas são venenos, por isso, quando lançados na água, acabam por matar plantas e os animais aquáticos - Do mesmo modo, a poluição do mar provoca a destruição de ecossistemas marinhos e litorais, matando ovos, larvas, peixes e mamíferos  Como combater a poluição -Colocação de filtros nas fábricas e nas indústrias -Tratamento dos esgotos para evitar a contaminação de rios e mares -Evitar deixar lixo ou material reciclável nos rios e mares
  • 33. Causas e consequências  As chuvas ácidas são caracterizadas pelo seu PH ácido, estas chuvas são produzidas quando o enxofre e azoto encontrado no ar se combinam com o oxigénio formando assim o Dióxido de Enxofre e Dióxido de Azoto. Os quais vão-se espalhar pela atmosfera e fundido-se com as partículas de água que estão em suspensão, formando assim o Ácido Sulfúrico , Ácido Nítrico e também Ácido Clorídrico em pequenas quantidades, assim formando as chuvas ácidas.  As suas causas são: os gases lançados na atmosfera devido as emissões dos vulcões e alguns processos biológicos que ocorrem nos solos, pântanos e oceanos, mas as maiores causas são formadas pela ação humana. Estes gases são as indústrias, as centrais termoeléctricas e os veículos de transporte.  As suas consequências são: -Na saúde : problemas nos olhos, nariz , garganta, brônquios, pulmões e coração. -Na natureza: pode matar florestas , lagos, e por sua vez os seres que ali habitam -Na vida urbana : as chuvas podem destruir alguns monumentos , estátuas e edifícios antigos.
  • 34. Algumas sugestões para economizar energia -Transporte colectivo: diminuindo-se o número de carros e a quantidade de poluentes. -Utilização do metro: por ser eléctrico polui menos do que carros. -Utilizar fontes de energia menos poluentes: energia geotérmica, energia das marés, energia eólica, energia nuclear (embora cause preocupação para as pessoas, em relação à possíveis acidentes e para onde levar o lixo nuclear). -Purificação dos escapes dos veículos, utilizar gasolina sem chumbo e adaptar um conversor catalítico. -Utilizar combustíveis com baixo teor de enxofre.
  • 35. Portugal e o Ambiente  Foram apresentados pelos INE de Portugal e de Espanha a publicação «A Península Ibérica em Números» que compara os indicadores de ambos os países relativos a variadas áreas socioeconómicas. Segundo os dados divulgados, Portugal tem mantido desde 2003 as mesmas emissões de dióxido de carbono, na ordem das seis toneladas por habitante, perto da média da UE.  Atualmente insere-se entre os países membros da União Europeia que menos emitem gases de efeito estufa, ao invés de Espanha que se encontra a meio da lista com 8 toneladas e meia.  Os portugueses apresentam-se também como menos produtores de lixo comparando com Espanha que produz entre 500 a 650kg, e Portugal que produz à volta de 250 a 500 kg de resíduos.
  • 37. Caracterização da Amostra  A amostra é constituída por 20 indivíduos, de entre os quais, 16 pertencem ao sexo feminino e os restantes 4 ao sexo masculino, com idades compreendidas entre os 13 e 73 anos.  Os individuos foram inquiridos no seu meio social, isto é, no seu quotidiano, sendo abordados na rua para responder ao questionário.
  • 38. De 1 a 10 classifique a qualidade dos espaços verdes em Almada
  • 39. De 1 a 10 classifique a quantidade de espaços verdes em Almada
  • 40. Conclusão  Os inquiridos demonstram agrado na qualidade dos espaços verdes mas é mais ou menos consensual que a existência destes é escassa.
  • 41. Com que frequência utiliza os espaços verdes?
  • 42. Conclusão  Metade da amostra (10 inquiridos) diz utilizar os espaços verdes apenas 1 vez por semana, enquanto que outros 35% (7 inquiridos) dizem utilizar quase todos os dias ou mesmo todos os dias.
  • 43. Acha que devia ser interdita a utilização de viaturas privadas nos centros das cidades?
  • 44. Conclusão  A resposta foi bastante dividida pelo que é impossivel retirar qualquer conclusão.
  • 45. Dá credibilidade aos estudos que apontam para efeitos muito negativos no clima ?
  • 46. Conclusão  As respostas foram bastante consensuais, o que nos leva a acreditar que a maioria das pessoas acredita em tudo o que lê, não desconfiando sequer da fonte, ou se esta é credível ou não.
  • 47. Alguma vez se sentiu responsável por contribuir para a poluição?
  • 48. Conclusão  75% (15 inqueridos) da amostra afirma que a certa altura se sentiu culpada da poluição. Assim observamos uma falsa preocupação, visto que as pessoas têm noção do problema mas não fazem qualquer esforço para o mudar.
  • 49. Como se desloca diariamente?
  • 50. Conclusão  Podemos observar que a maioria das pessoas se desloca de transportes. Existe uma certa contradição em relação à pergunta anterior, visto que, as pessoas inquiridas afirmaram contribuir para a poluição mas ao mesmo tempo a maioria também afirma deslocar-se de transportes públicos.
  • 51. Conclusão Final  Com este trabalho pudemos fazer observações que nos ensinaram a olhar aquilo que se passa à nossa volta com uma visão diferente.  Com base na discussão de ideias, e pesquisa de dados de modo a completar o trabalho, percebemos que todos nós podemos fazer um pouco para ajudar a “saúde” do planeta Terra. No entanto, na zona onde nos encontramos, ainda é possível ver pessoas que vivem sem dar importância a esse pequeno grande pormenor.
  • 52. Bibliografia  Recurso ao link: http://www.problemas-ambientais.pt.vu/  Recurso a Inquéritos na região de Almada.
  • 53. Fim!