SlideShare uma empresa Scribd logo
ALTERAÇÕES DO AMBIENTE GLOBAL ALTERAÇÕES NA ATMOSFERA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA A ATMOSFERA PERMITE A VIDA NO PLANETA TERRA PORQUE: Protege a Terra da entrada de corpos estranhos; Permite o equilíbrio térmico; Filtra grande parte dos raios solares nocivos à vida; Possui o oxigénio necessário à vida. Na actualidade a intensa actividade humana tem modificado a composição da atmosfera. CAUSAS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA: Produção de energia; Actividade industrial; Desflorestação; Agricultura; Transportes; Actividades domésticas. PRINCIPAIS POLUENTES ATMOSFÉRICOS: Alguns dos principais poluentes atmosféricos são substâncias que se encontram naturalmente na atmosfera. Monóxido de Carbono (CO) e Óxidos de Azoto (NOx)- resultam da combustão incompleta de combustíveis, podem originar problemas cardiovasculares, pulmonares e cefaleias; Ozono (O3)- pode originar irritação dos olhos, cefaleias, tosse e crises de asma; Dióxido de Enxofre (SO2)- contribui para a formação de chuvas ácidas e no ser humano origina irritação dos olhos e das vias respiratórias. CONSEQUÊNCIAS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Degradação da qualidade do ar; Danos nos ecossistemas e na saúde humana; Chuvas ácidas; Enfraquecimento da camada de ozono; Aquecimento global/alterações climáticas. CHUVAS ÁCIDAS Substâncias tóxicas como o óxido de enxofre e os óxidos de azoto ao combinarem-se com o vapor de água formam ácidos tornando a chuva mais ácida. CONSEQUÊNCIAS DAS CHUVAS ÁCIDAS: Acidificam as águas dos rios e dos lagos; Destroem as florestas, afectando o habitat de milhares de espécies animais e vegetais; Contaminam os solos e destroem as culturas; Corroem os monumentos. ENFRAQUECIMENTO DA CAMADA DE OZONO O ozono é um gás que se concentra na estratosfera formando uma camada que filtra os raios ultravioletas. A principal causa da diminuição do ozono estratosférico são os CFC (Clorofluorocarbonetos). O CFC quando lançado na atmosfera e por acção dos raios solares decompõe-se em cloro, flúor e carbono. O cloro reage com o ozono rompendo as ligações formando oxigénio (O2) e monóxido de cloro (ClO). FONTES DE CFC: Extintores; Frigoríficos; Ar condicionado; Sprays. CONSEQUÊNCIAS DO ENFRAQUECIMENTO DA CAMADA DE OZONO: Queimaduras e cancro da pele; Cataratas nos olhos; Enfraquecimento do sistema imunitário; Destruição de culturas agrícolas; Destruição da vida marinha. “MICROCLIMA” URBANO As cidades têm características morfológicas que lhes conferem um clima diferente das áreas envolventes: A circulação automóvel liberta monóxido de carbono; As grandes superfícies de cimento e asfalto absorvem o calor; Os edifícios altos dificultam a circulação do ar; Concentração de poluentes. Maior retenção de calor que faz com que a temperatura das cidades seja superior à das áreas envolventes. Por vezes, em vez dos poluentes dispersarem ficam presos na cidade. Esta situação ocorre no Inverno quando o ar à superfície é mais frio que em altitude. Chama-se a este fenómeno Inversão Térmica. Quando esta situação ocorre com tempo húmido pode dar origem ao Smog  um nevoeiro espesso e amarelado. AQUECIMENTO GLOBAL A Terra mantém um equilíbrio térmico, a energia recebida é devolvida ao espaço. Na atmosfera existem vários gases, entre os quais os que provocam o efeito de estufa (Dióxido de carbono, metano, ozono…). Estes gases absorvem a energia solar, permitindo a sua passagem mas impedindo a libertação do calor. -4800602047875O efeito de estufa é um fenómeno natural essencial à vida da Terra. As actividades humanas libertam grandes quantidades de gases de efeito de estufa o que provoca um sobreaquecimento do nosso planeta. CONSEQUÊNCIAS DO EFEITO DE ESTUFA NO NOSSO PAÍS: Maior frequência de fenómenos extremos (ondas de calor e precipitações elevadas num curto espaço de tempo); Aumento dos incêndios florestais; Aumento dos períodos de seca (principalmente no Alentejo); Migração para Norte das culturas mediterrâneas; Subida do nível das águas (aumento da erosão costeira e contaminação dos recursos hídricos); Alterações nas correntes marítimas e ecossistemas. ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS As alterações climáticas são o reflexo do aquecimento global e têm como consequências: A diminuição das calotes polares; A subida do nível médio das águas do mar; O agravamento das catástrofes naturais; O acréscimo do risco de incêndio; A diminuição da Biodiversidade; A perda de produção agrícola; O acréscimo dos riscos para a saúde humana; O aumento do stress hídrico. FORMAS DE ATENUAR A POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Algumas medidas para minimizar a poluição atmosférica: Ampliar a superfície florestal; Reduzir a emissão de gases de efeito de estufa (protocolo de Quioto); Obrigar as fábricas a utilizar filtros nas chaminés; Instituir-se o princípio do poluidor pagador (multas); Massificar o uso de energias não poluentes; Uso de transporte público. ALTERAÇÕES NA BIOSFERA DESFLORESTAÇÃO FUNÇÕES DA FLORESTA Contribuem para a manutenção da diversidade biológica; Purificam o ar; Regularizam o clima e atenuam os efeitos das alterações climáticas; Protegem o solo da erosão; Retêm a água da chuva e facilitam a sua infiltração no subsolo; São uma fonte de riqueza; CAUSAS DA DESFLORESTAÇÃO Abate de árvores; Crescimento urbano; Agricultura e pecuária; Incêndios florestais; Chuvas ácidas CONSEQUÊNCIAS DA DESFLORESTAÇÃO Aumento da erosão; Diminuição da percentagem de humidade atmosférica; Aumenta o risco de inundações; Desaparecimento de ecossistemas e habitats; FORMAS DE PRESERVAR AS FLORESTAS Promover a reflorestação; Reabilitar as áreas florestais degradadas; Prevenir os incêndios; Sensibilizar a população para a preservação das florestas; Incentivar a limpeza das florestas; Criar áreas protegidas; Promover a reciclagem e a reutilização de materiais. DEGRADAÇÃO DOS SOLOS/DESERTIFICAÇÃO A desertificação é um processo de degradação progressiva do solo em zonas áridas e semiáridas. CAUSAS DA DESERTIFICAÇÃO Desflorestação; Pastoreio excessivo; Exploração dos solos; Alterações climáticas. CONSEQUÊNCIAS DA DESERTIFICAÇÃO Destruição da fauna e flora; Diminuição da disponibilidade de água; Fragilidade dos solos (infertilidade); Redução da produção agrícola e pecuária. FORMAS DE ATENUAR A DESERTIFICAÇÃO Reflorestação; Cultivo agrícola em socalcos; Adequação das culturas ao solo; Adopção de métodos tradicionais (pousio, utilização de estrume…) PERDA DE BIODIVERSIDADE A biodiversidade traduz-se no número de diferentes espécies de vida e na diversidade genética de cada espécie. CAUSAS DA PERDA DE BIODIVERSIDADE Alterações climáticas; Poluição; Destruição de habitats; Tráfico ilegal de espécies vivas; Caça; Contrabando de partes de animais (peles, marfim…). FORMAS DE PRESERVAR A BIODIVERSIDADE Criar áreas protegidas; Legislar para impedir a utilização de animais para determinados fins; Permitir a caça apenas em reservas específicas; Sensibilizar as pessoas para a preservação de espécies; Promover a aquicultura de modo a preservar espécies piscícolas. ALTERAÇÕES NA HIDROSFERA A disponibilidade de água é um factor importante para a economia das regiões e para a qualidade de vida das populações: Higiene; Alimentação; Agricultura; Indústria; Produção de energia; Pecuária. GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS; Apesar de ser um recurso renovável a água não é inesgotável. O consumo excessivo contribuiu para o surgimento de situações de escassez. A partilha deste recurso por vários países pode originar conflitos internacionais; O consumo de água num lugar condiciona a sua disponibilidade noutro; A má gestão coloca em perigo a sua disponibilidade, abastecimento e qualidade; O desvio ou retenção da água dos rios ou lagos para irrigação ou produção de energia pode prejudicar o ambiente; A sobreexploração da água doce subterrânea nas regiões costeiras pode originar a sua salinização (intrusão salina).  ABASTECIMENTO DE ÁGUA Até chegar às nossas casas, a água percorre um longo percurso. CAPTAÇÃO E TRATAMENTO: -3810insideTRATAMENTO (ETA) POLUIÇÃO HÍDRICA CAUSAS DA POLUIÇÃO HÍDRICA: Pecuária; Agricultura; Indústria; Chuva ácida; Estações de serviço; Transportes aquáticos; Efluentes urbanos; Lixeiras; Marés negras. CONSEQUÊNCIAS DA POLUIÇÃO HÍDRICA Eutrofização (crescimento exagerado de plantas aquáticas) nos lagos e cursos de água doce; Destruição da fauna e flora; Prejuízos na actividade pesqueira; Diminuição da qualidade da água. FORMAS DE PRESERVAR OS RECURSOS HÍDRICOS Tratamento dos efluentes; Dessalinização; Poupar água (tomar duche em vez de banho de imersão, fechar as torneiras, usar autoclismos de baixa capacidade, utilizar as máquinas de lavar roupa e louça com toda a sua capacidade…) POLUIÇÃO SONORA O ruído é um problema ambiental grave que afecta principalmente as populações das grandes cidades e junto de actividades económicas que provocam ruído intenso. Os efeitos da exposição ao ruído podem não ser imediatos, mas influenciam a saúde e bem-estar.  Níveis de ruído e efeitos no ser humano. ALGUMAS CONSEQUÊNCIAS NO SER HUMANO: Insónias; Fadiga intelectual; Perturbações visuais; Enfraquecimento da capacidade auditiva; Alteração da tensão arterial; Perturbações gástricas; Doenças respiratórias; Stress. RESÍDUOS Resíduos são todos os materiais inúteis provenientes das actividades humanas e animais. Quanto à sua origem e perigosidade os resíduos classificam-se em: Resíduos sólidos urbanos (lixo doméstico ou outros resíduos com características semelhantes); Resíduos agrícolas (resíduos provenientes de exploração agrícola e/ou pecuária); Resíduos industriais (resíduos provenientes da actividade industrial e distribuição de electricidade, gás e água); Resíduos hospitalares (resíduos provenientes de unidades de saúde);  TRATAMENTO E REDUÇÃO DOS RESÍDUOS Política dos 3 R (reduzir, reutilizar e reciclar); Compostagem; Aterros sanitários; Incineração; Lixeiras a céu aberto.
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]
Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Perturbacoes no equilibrio_dos_ecosistemas
Perturbacoes no equilibrio_dos_ecosistemasPerturbacoes no equilibrio_dos_ecosistemas
Perturbacoes no equilibrio_dos_ecosistemas
Pelo Siro
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
Uilson Pereira da Silva
 
Impactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasImpactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequências
Charlles Moreira
 
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais UrbanosModulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemiImpacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
rosimeiresorano
 
Desequilíbrio ambiental
Desequilíbrio ambientalDesequilíbrio ambiental
Desequilíbrio ambiental
Werner Mendoza Blanco
 
Poluicao agua solo
Poluicao agua soloPoluicao agua solo
Poluicao agua solo
Pelo Siro
 
Impactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasilImpactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasil
metodologia2011
 
As principais questões ambientais que o mundo enfrenta
As principais questões ambientais que o mundo enfrentaAs principais questões ambientais que o mundo enfrenta
As principais questões ambientais que o mundo enfrenta
kukunimade
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
UFMS
 
Slides Prob. Ambientais
Slides Prob. AmbientaisSlides Prob. Ambientais
Slides Prob. Ambientais
rosanepigozzo
 
Questões ambientais globais
Questões ambientais globaisQuestões ambientais globais
Questões ambientais globais
Edenilson Morais
 
Catastrofes Naturais
Catastrofes NaturaisCatastrofes Naturais
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Fatima Freitas
 
Desequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientaisDesequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientais
Stefanie Fernandes
 
6 impacto ambiental
6 impacto ambiental6 impacto ambiental
6 impacto ambiental
Guilherme Di Bernardi Corrêa
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Ian Costansi
 
Fisica Nosso Mundo
Fisica Nosso MundoFisica Nosso Mundo
Fisica Nosso Mundo
Carlos Castro
 

Mais procurados (20)

Perturbacoes no equilibrio_dos_ecosistemas
Perturbacoes no equilibrio_dos_ecosistemasPerturbacoes no equilibrio_dos_ecosistemas
Perturbacoes no equilibrio_dos_ecosistemas
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
 
Impactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasImpactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequências
 
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais UrbanosModulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
 
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemiImpacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
 
Desequilíbrio ambiental
Desequilíbrio ambientalDesequilíbrio ambiental
Desequilíbrio ambiental
 
Poluicao agua solo
Poluicao agua soloPoluicao agua solo
Poluicao agua solo
 
Impactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasilImpactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasil
 
As principais questões ambientais que o mundo enfrenta
As principais questões ambientais que o mundo enfrentaAs principais questões ambientais que o mundo enfrenta
As principais questões ambientais que o mundo enfrenta
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Slides Prob. Ambientais
Slides Prob. AmbientaisSlides Prob. Ambientais
Slides Prob. Ambientais
 
Questões ambientais globais
Questões ambientais globaisQuestões ambientais globais
Questões ambientais globais
 
Catastrofes Naturais
Catastrofes NaturaisCatastrofes Naturais
Catastrofes Naturais
 
Palestra sobre impactos ambientais urbanos
Palestra sobre impactos ambientais urbanosPalestra sobre impactos ambientais urbanos
Palestra sobre impactos ambientais urbanos
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Desequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientaisDesequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientais
 
6 impacto ambiental
6 impacto ambiental6 impacto ambiental
6 impacto ambiental
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Fisica Nosso Mundo
Fisica Nosso MundoFisica Nosso Mundo
Fisica Nosso Mundo
 

Semelhante a Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]

Grandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas AmbientaisGrandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas Ambientais
lidia76
 
9º ano (cap. 2) Recursos naturais e problemas ambientais
9º ano (cap. 2) Recursos naturais e problemas ambientais9º ano (cap. 2) Recursos naturais e problemas ambientais
9º ano (cap. 2) Recursos naturais e problemas ambientais
Alexandre Alves
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
António Garrido
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
ruiricardobg
 
Apres Sinergia Ambiental Bioloja
Apres Sinergia Ambiental BiolojaApres Sinergia Ambiental Bioloja
Apres Sinergia Ambiental Bioloja
Diego Yamazaki Bolano
 
BIO07 - Degradação e Poluição Ambiental.pptx
BIO07 - Degradação e Poluição Ambiental.pptxBIO07 - Degradação e Poluição Ambiental.pptx
BIO07 - Degradação e Poluição Ambiental.pptx
ValdemirSiqueiradaSi
 
Grandes problemas ambientais
Grandes problemas ambientaisGrandes problemas ambientais
Grandes problemas ambientais
Lúcia Barbosa
 
A questao ambiental
A questao ambientalA questao ambiental
A questao ambiental
rdbtava
 
Problemas Ambientais
Problemas AmbientaisProblemas Ambientais
Problemas Ambientais
Emília Cabral
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 anoPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Ana Tapadinhas
 
A poluicao atmosferica
A poluicao atmosfericaA poluicao atmosferica
A poluicao atmosferica
fda
 
Joana gomes, nº17, 9º4
Joana gomes, nº17, 9º4Joana gomes, nº17, 9º4
Joana gomes, nº17, 9º4
Mayjö .
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
Leonardo Vieira Hastenreiter
 
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
ProfMario De Mori
 
Ciências mudanças climaticas1
Ciências   mudanças climaticas1Ciências   mudanças climaticas1
Ciências mudanças climaticas1
daniellylethicia
 
Impactes
 Impactes Impactes
Impactes
Sara Carmo
 
A atmosfera como fonte de recursos úteis aos
A atmosfera como fonte de recursos úteis aosA atmosfera como fonte de recursos úteis aos
A atmosfera como fonte de recursos úteis aos
Sandy Mirella
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Alterações Climáticas
Alterações ClimáticasAlterações Climáticas
Alterações Climáticas
picoalto
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
Gisele A. Barbosa
 

Semelhante a Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1] (20)

Grandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas AmbientaisGrandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas Ambientais
 
9º ano (cap. 2) Recursos naturais e problemas ambientais
9º ano (cap. 2) Recursos naturais e problemas ambientais9º ano (cap. 2) Recursos naturais e problemas ambientais
9º ano (cap. 2) Recursos naturais e problemas ambientais
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
 
Apres Sinergia Ambiental Bioloja
Apres Sinergia Ambiental BiolojaApres Sinergia Ambiental Bioloja
Apres Sinergia Ambiental Bioloja
 
BIO07 - Degradação e Poluição Ambiental.pptx
BIO07 - Degradação e Poluição Ambiental.pptxBIO07 - Degradação e Poluição Ambiental.pptx
BIO07 - Degradação e Poluição Ambiental.pptx
 
Grandes problemas ambientais
Grandes problemas ambientaisGrandes problemas ambientais
Grandes problemas ambientais
 
A questao ambiental
A questao ambientalA questao ambiental
A questao ambiental
 
Problemas Ambientais
Problemas AmbientaisProblemas Ambientais
Problemas Ambientais
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 anoPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
 
A poluicao atmosferica
A poluicao atmosfericaA poluicao atmosferica
A poluicao atmosferica
 
Joana gomes, nº17, 9º4
Joana gomes, nº17, 9º4Joana gomes, nº17, 9º4
Joana gomes, nº17, 9º4
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
CURSO DE ATUALIDADES AULA 1 - PARTE 2
 
Ciências mudanças climaticas1
Ciências   mudanças climaticas1Ciências   mudanças climaticas1
Ciências mudanças climaticas1
 
Impactes
 Impactes Impactes
Impactes
 
A atmosfera como fonte de recursos úteis aos
A atmosfera como fonte de recursos úteis aosA atmosfera como fonte de recursos úteis aos
A atmosfera como fonte de recursos úteis aos
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Alterações Climáticas
Alterações ClimáticasAlterações Climáticas
Alterações Climáticas
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
 

Último

Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 

Alteraã‡ã•Es Do Ambiente Global[1]

  • 1. ALTERAÇÕES DO AMBIENTE GLOBAL ALTERAÇÕES NA ATMOSFERA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA A ATMOSFERA PERMITE A VIDA NO PLANETA TERRA PORQUE: Protege a Terra da entrada de corpos estranhos; Permite o equilíbrio térmico; Filtra grande parte dos raios solares nocivos à vida; Possui o oxigénio necessário à vida. Na actualidade a intensa actividade humana tem modificado a composição da atmosfera. CAUSAS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA: Produção de energia; Actividade industrial; Desflorestação; Agricultura; Transportes; Actividades domésticas. PRINCIPAIS POLUENTES ATMOSFÉRICOS: Alguns dos principais poluentes atmosféricos são substâncias que se encontram naturalmente na atmosfera. Monóxido de Carbono (CO) e Óxidos de Azoto (NOx)- resultam da combustão incompleta de combustíveis, podem originar problemas cardiovasculares, pulmonares e cefaleias; Ozono (O3)- pode originar irritação dos olhos, cefaleias, tosse e crises de asma; Dióxido de Enxofre (SO2)- contribui para a formação de chuvas ácidas e no ser humano origina irritação dos olhos e das vias respiratórias. CONSEQUÊNCIAS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Degradação da qualidade do ar; Danos nos ecossistemas e na saúde humana; Chuvas ácidas; Enfraquecimento da camada de ozono; Aquecimento global/alterações climáticas. CHUVAS ÁCIDAS Substâncias tóxicas como o óxido de enxofre e os óxidos de azoto ao combinarem-se com o vapor de água formam ácidos tornando a chuva mais ácida. CONSEQUÊNCIAS DAS CHUVAS ÁCIDAS: Acidificam as águas dos rios e dos lagos; Destroem as florestas, afectando o habitat de milhares de espécies animais e vegetais; Contaminam os solos e destroem as culturas; Corroem os monumentos. ENFRAQUECIMENTO DA CAMADA DE OZONO O ozono é um gás que se concentra na estratosfera formando uma camada que filtra os raios ultravioletas. A principal causa da diminuição do ozono estratosférico são os CFC (Clorofluorocarbonetos). O CFC quando lançado na atmosfera e por acção dos raios solares decompõe-se em cloro, flúor e carbono. O cloro reage com o ozono rompendo as ligações formando oxigénio (O2) e monóxido de cloro (ClO). FONTES DE CFC: Extintores; Frigoríficos; Ar condicionado; Sprays. CONSEQUÊNCIAS DO ENFRAQUECIMENTO DA CAMADA DE OZONO: Queimaduras e cancro da pele; Cataratas nos olhos; Enfraquecimento do sistema imunitário; Destruição de culturas agrícolas; Destruição da vida marinha. “MICROCLIMA” URBANO As cidades têm características morfológicas que lhes conferem um clima diferente das áreas envolventes: A circulação automóvel liberta monóxido de carbono; As grandes superfícies de cimento e asfalto absorvem o calor; Os edifícios altos dificultam a circulação do ar; Concentração de poluentes. Maior retenção de calor que faz com que a temperatura das cidades seja superior à das áreas envolventes. Por vezes, em vez dos poluentes dispersarem ficam presos na cidade. Esta situação ocorre no Inverno quando o ar à superfície é mais frio que em altitude. Chama-se a este fenómeno Inversão Térmica. Quando esta situação ocorre com tempo húmido pode dar origem ao Smog um nevoeiro espesso e amarelado. AQUECIMENTO GLOBAL A Terra mantém um equilíbrio térmico, a energia recebida é devolvida ao espaço. Na atmosfera existem vários gases, entre os quais os que provocam o efeito de estufa (Dióxido de carbono, metano, ozono…). Estes gases absorvem a energia solar, permitindo a sua passagem mas impedindo a libertação do calor. -4800602047875O efeito de estufa é um fenómeno natural essencial à vida da Terra. As actividades humanas libertam grandes quantidades de gases de efeito de estufa o que provoca um sobreaquecimento do nosso planeta. CONSEQUÊNCIAS DO EFEITO DE ESTUFA NO NOSSO PAÍS: Maior frequência de fenómenos extremos (ondas de calor e precipitações elevadas num curto espaço de tempo); Aumento dos incêndios florestais; Aumento dos períodos de seca (principalmente no Alentejo); Migração para Norte das culturas mediterrâneas; Subida do nível das águas (aumento da erosão costeira e contaminação dos recursos hídricos); Alterações nas correntes marítimas e ecossistemas. ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS As alterações climáticas são o reflexo do aquecimento global e têm como consequências: A diminuição das calotes polares; A subida do nível médio das águas do mar; O agravamento das catástrofes naturais; O acréscimo do risco de incêndio; A diminuição da Biodiversidade; A perda de produção agrícola; O acréscimo dos riscos para a saúde humana; O aumento do stress hídrico. FORMAS DE ATENUAR A POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Algumas medidas para minimizar a poluição atmosférica: Ampliar a superfície florestal; Reduzir a emissão de gases de efeito de estufa (protocolo de Quioto); Obrigar as fábricas a utilizar filtros nas chaminés; Instituir-se o princípio do poluidor pagador (multas); Massificar o uso de energias não poluentes; Uso de transporte público. ALTERAÇÕES NA BIOSFERA DESFLORESTAÇÃO FUNÇÕES DA FLORESTA Contribuem para a manutenção da diversidade biológica; Purificam o ar; Regularizam o clima e atenuam os efeitos das alterações climáticas; Protegem o solo da erosão; Retêm a água da chuva e facilitam a sua infiltração no subsolo; São uma fonte de riqueza; CAUSAS DA DESFLORESTAÇÃO Abate de árvores; Crescimento urbano; Agricultura e pecuária; Incêndios florestais; Chuvas ácidas CONSEQUÊNCIAS DA DESFLORESTAÇÃO Aumento da erosão; Diminuição da percentagem de humidade atmosférica; Aumenta o risco de inundações; Desaparecimento de ecossistemas e habitats; FORMAS DE PRESERVAR AS FLORESTAS Promover a reflorestação; Reabilitar as áreas florestais degradadas; Prevenir os incêndios; Sensibilizar a população para a preservação das florestas; Incentivar a limpeza das florestas; Criar áreas protegidas; Promover a reciclagem e a reutilização de materiais. DEGRADAÇÃO DOS SOLOS/DESERTIFICAÇÃO A desertificação é um processo de degradação progressiva do solo em zonas áridas e semiáridas. CAUSAS DA DESERTIFICAÇÃO Desflorestação; Pastoreio excessivo; Exploração dos solos; Alterações climáticas. CONSEQUÊNCIAS DA DESERTIFICAÇÃO Destruição da fauna e flora; Diminuição da disponibilidade de água; Fragilidade dos solos (infertilidade); Redução da produção agrícola e pecuária. FORMAS DE ATENUAR A DESERTIFICAÇÃO Reflorestação; Cultivo agrícola em socalcos; Adequação das culturas ao solo; Adopção de métodos tradicionais (pousio, utilização de estrume…) PERDA DE BIODIVERSIDADE A biodiversidade traduz-se no número de diferentes espécies de vida e na diversidade genética de cada espécie. CAUSAS DA PERDA DE BIODIVERSIDADE Alterações climáticas; Poluição; Destruição de habitats; Tráfico ilegal de espécies vivas; Caça; Contrabando de partes de animais (peles, marfim…). FORMAS DE PRESERVAR A BIODIVERSIDADE Criar áreas protegidas; Legislar para impedir a utilização de animais para determinados fins; Permitir a caça apenas em reservas específicas; Sensibilizar as pessoas para a preservação de espécies; Promover a aquicultura de modo a preservar espécies piscícolas. ALTERAÇÕES NA HIDROSFERA A disponibilidade de água é um factor importante para a economia das regiões e para a qualidade de vida das populações: Higiene; Alimentação; Agricultura; Indústria; Produção de energia; Pecuária. GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS; Apesar de ser um recurso renovável a água não é inesgotável. O consumo excessivo contribuiu para o surgimento de situações de escassez. A partilha deste recurso por vários países pode originar conflitos internacionais; O consumo de água num lugar condiciona a sua disponibilidade noutro; A má gestão coloca em perigo a sua disponibilidade, abastecimento e qualidade; O desvio ou retenção da água dos rios ou lagos para irrigação ou produção de energia pode prejudicar o ambiente; A sobreexploração da água doce subterrânea nas regiões costeiras pode originar a sua salinização (intrusão salina). ABASTECIMENTO DE ÁGUA Até chegar às nossas casas, a água percorre um longo percurso. CAPTAÇÃO E TRATAMENTO: -3810insideTRATAMENTO (ETA) POLUIÇÃO HÍDRICA CAUSAS DA POLUIÇÃO HÍDRICA: Pecuária; Agricultura; Indústria; Chuva ácida; Estações de serviço; Transportes aquáticos; Efluentes urbanos; Lixeiras; Marés negras. CONSEQUÊNCIAS DA POLUIÇÃO HÍDRICA Eutrofização (crescimento exagerado de plantas aquáticas) nos lagos e cursos de água doce; Destruição da fauna e flora; Prejuízos na actividade pesqueira; Diminuição da qualidade da água. FORMAS DE PRESERVAR OS RECURSOS HÍDRICOS Tratamento dos efluentes; Dessalinização; Poupar água (tomar duche em vez de banho de imersão, fechar as torneiras, usar autoclismos de baixa capacidade, utilizar as máquinas de lavar roupa e louça com toda a sua capacidade…) POLUIÇÃO SONORA O ruído é um problema ambiental grave que afecta principalmente as populações das grandes cidades e junto de actividades económicas que provocam ruído intenso. Os efeitos da exposição ao ruído podem não ser imediatos, mas influenciam a saúde e bem-estar. Níveis de ruído e efeitos no ser humano. ALGUMAS CONSEQUÊNCIAS NO SER HUMANO: Insónias; Fadiga intelectual; Perturbações visuais; Enfraquecimento da capacidade auditiva; Alteração da tensão arterial; Perturbações gástricas; Doenças respiratórias; Stress. RESÍDUOS Resíduos são todos os materiais inúteis provenientes das actividades humanas e animais. Quanto à sua origem e perigosidade os resíduos classificam-se em: Resíduos sólidos urbanos (lixo doméstico ou outros resíduos com características semelhantes); Resíduos agrícolas (resíduos provenientes de exploração agrícola e/ou pecuária); Resíduos industriais (resíduos provenientes da actividade industrial e distribuição de electricidade, gás e água); Resíduos hospitalares (resíduos provenientes de unidades de saúde); TRATAMENTO E REDUÇÃO DOS RESÍDUOS Política dos 3 R (reduzir, reutilizar e reciclar); Compostagem; Aterros sanitários; Incineração; Lixeiras a céu aberto.