SlideShare uma empresa Scribd logo
Cadernos de Linguagem e Sociedade, 3 (1) 1997
Althusser, Louis. Aparelhos ideológicos de estado. Rio de
Janeiro: Graal,1992,128 páss.
RESENHADO POR: IDERVAL MIRANDA
Presumivelmente escrito logo após as manifestações estudantis de maio de
1968, este texto teve repercussão em quase todas as esferas das ciências humanas,
notadamente na Lingüística e, em especial, na Análise de Discurso. Seu autor, Louis
Althusser, na época, chegara a ocupar um posto no Bureau Político do Partido Co-
munista Francês. No livro, ele procura responder, em essência, "por que as socie-
dades em geral, e as sociedades capitalistas contemporâneas em particular, man-
têm-se, apesar das divisões e desigualdades que as caracterizam?"1
Para essa questão tão ampla, Althusser sugere como pontos para discussão o
seguinte:
1. Toda formação social é resultado de um modo de produção dominante.
2. Para existir, ao mesmo tempo que produz, e para produzir, uma dada for-
mação social deve reproduzir as suas condições de produção.
3. Essa formação social deve, portanto, reproduzir os meios de produção, as
forças produtivas e as relações de produção existentes.
4. A reprodução das forças produtivas e das relações de produção exige dos
elementos envolvidos nesse processo uma submissão à ideologia da classe domi-
nante dessa formação social.
5. Essa submissão decorre da utilização do poder de Estado pela classe
dominante; seja pela violência, notadamente através do Aparelho Repressivo do
Estado (governo, serviço civil, polícia, tribunais, prisões, forças armadas, etc.) ;
seja pela ideologia, principalmente através dos Aparelhos Ideológicos de Estado
(igrejas, escolas, família, sistema legal, sistema político, sindicatos, sistema dos
meios de comunicação de massas, atividades culturais como os esportes e as artes).
Há, nessa síntese esquemática, uma tentativa de fazer compreender as dife-
rentes atividades dos estados modernos e os conflitos por eles criados, exclusiva-
mente, em termos de análises de classes sociais. Onde a relação sociedade civil vs.
Thompson, Ideologia e cultura moderna, p. 117.
140
Iderval Miranda
Estado é entendida como sendo simples conformação dos seus atores à imutabilidade
de um sistema ideologicamente estruturado por uma classe dominante, de forma a
serem garantidas a sua reprodução e preservação.
A aceitação desses pressupostos não é pacífica. O entendimento da existên-
cia de "um conjunto central de valores e crenças amplamente partilhados e firme-
mente aceitos pelos indivíduos nas sociedades industriais modernas"2
, mediados
pelos mecanismos do estado, leva-nos a descartar o dissenso, a não-satisfação, o
ceticismo e o cinismo sempre presentes na relação indivíduos vs. valores e crenças
sociais; além do que, "no curso de suas vidas cotidianas, as pessoas, especificamen-
te, movimentam-se através de uma multiplicidade de contextos sociais e estão sujei-
tas a pressões e processos sociais conflitivos."3
Um indivíduo, em conseqüência,
nunca é, simplesmente, uma ameba automaticamente moldada por uma ideologia
dominante. Tais fatos mostram que é preciso pensar-se em um enfoque mais
satisfatório do fenômeno da ideologia, de modo a precisar "as maneiras como as
pessoas localizadas diferencialmente na ordem social respondem e dão sentido a
formas simbólicas específicas, e como essas formas simbólicas, quando analisadas
em relação aos contextos em que elas são produzidas, recebidas e compreendidas,
servem (ou não servem) para estabelecer ou sustentar relações de dominação."4
Para mais, torna-se "fundamental reconhecer que existem relações de po-
der sistematicamente assimétricas que estão baseadas em fatores diferentes dos
de classe - como, por exemplo, fatores de sexo, idade, origem étnica - e parece
essencial ampliar o marco referencial para a análise da ideologia para dar conta
desses fatores. A teoria geral da reprodução social organizada pelo estado e legi-
timada pela ideologia, à medida que dá ênfase principal às relações de classe,
tende a sobrevalorizar a importância da classe na análise da ideologia e a margi-
nalizar outros tipos de dominação, tais como as formas simbólicas que servem
para garanti-las."5
Além disso, a redução das diferentes atividades dos estados modernos a ques-
tões de classes sociais internas é uma simplificação forçada, dado que, por essa via,
não são levadas em conta as relações, hoje altamente desenvolvidas, diversificadas
e imbricadas, com outros estados-nação.
E ainda, a simples colocação dos meios de comunicação de massa como um
dos Aparelhos Ideológicos do Estado não faz justiça a essas instituições, visto que,
nas sociedades modernas, esses meios são constitutivos do próprio fórum "dentro
2
Ibid., p. 119.
3
Ibid., p. 121.
4
Ibid., p. 123.
5
Ibid., p. 127.
141
Cadernos de Linguagem e Sociedade, 3 (I) 1997
do qual e, até certo ponto, com respeito ao qual, os indivíduos agem e reagem ao
exercer o poder e ao responder ao exercício de poder de outros. "6
Na parte final do livro, Althusser apresenta uma contribuição muito produ-
tiva para a teorização e operacionalização do binômio linguagem/ideologia, quan-
do são discutidas as suas teses sobre ideologia, explicitadas a partir destes pontos
principais:
1. A ideologia representa a relação imaginária dos indivíduos com suas con-
dições reais de existência.
2. A ideologia tem uma existência material.
3. Apenas do ponto de vista das classes, isto é, da luta de classes, pode-se dar
conta das ideologias existentes numa formação social.
A aproximação da linguagem com a ideologia é feita através das seguintes
relações:
1. A representação da relação imaginária dos indivíduos com suas condições
reais de existência pela ideologia é mediada pela linguagem.
2. A ideologia, com uma existência material, passa a ser entendida como
vivida na experiência cotidiana. Essa experiência é traduzida em práticas discursivas
e não-discursivas, fazendo com que a linguagem dê forma à existência material da
ideologia, de onde se deduz que a ideologia tem uma existência material por meio
da linguagem e esta tem uma existência ideológica.
4. A linguagem (o signo), então, como já asseverava Bakhtin se torna "a
arena onde se desenvolve a luta de classes"7
, e dizendo mais ousadamente, a arena
de todas as lutas sociais.
Esses pressupostos alteraram de forma significativa a estreita visão da lin-
guagem como fato unicamente lingüístico, colocando, notadamente, os estudos do
texto na amplitude da análise do discurso, onde as formações ideológicas são
determinantes para o entendimento das práticas discursivas. E isso foi e continua a
ser uma grande revolução.
Referências Bibliográficas
Bakhtin, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995.
Thompson, J. B. Ideologia e cultura moderna. Petrópolis: Vozes, 1995.
0
Ibid, p. 128.
Bakhtin, Marxismo e filosofia da linguagem, p. 46.
142

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os clássicos da sociologia
Os clássicos da sociologiaOs clássicos da sociologia
Os clássicos da sociologia
Carmem Rocha
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
Marcela Marangon Ribeiro
 
Pensadores da sociologia
Pensadores da sociologiaPensadores da sociologia
Pensadores da sociologia
sociologiacarlota1c
 
O Processo de Construção do Saber Sociológico
O Processo de Construção do Saber SociológicoO Processo de Construção do Saber Sociológico
O Processo de Construção do Saber Sociológico
SociologoDeMarte
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
professorleo1989
 
Sociologia uma ciência da modernidade
Sociologia uma ciência da modernidadeSociologia uma ciência da modernidade
Sociologia uma ciência da modernidade
Jaqueline Lira
 
Ideologia althusser poulantzas
Ideologia althusser poulantzasIdeologia althusser poulantzas
Ideologia althusser poulantzas
Itamar Silva
 
o pensamento sociológico de max weber
o pensamento sociológico de max webero pensamento sociológico de max weber
o pensamento sociológico de max weber
Wesley Handerson
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
Luciano Carvalho
 
Teóricos da sociologia. as perspectívas sociológicas clássicas
Teóricos da sociologia. as perspectívas sociológicas clássicasTeóricos da sociologia. as perspectívas sociológicas clássicas
Teóricos da sociologia. as perspectívas sociológicas clássicas
Otávio Miécio Santos Sampaio
 
Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1
Douglas Gregorio
 
Quem foram karl marx,max weber e emile durkheim
Quem foram karl marx,max weber e emile durkheimQuem foram karl marx,max weber e emile durkheim
Quem foram karl marx,max weber e emile durkheim
sociologiacarlota1c
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
Selma Lima
 
Max Weber
Max WeberMax Weber
Max Weber
guest1ce0422
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Émile Durkheim
Émile DurkheimÉmile Durkheim
Émile Durkheim
e neto
 
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologiaSociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
Carson Souza
 
Sociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibularSociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibular
Edenilson Morais
 
Quadro resumo dos autores clássicos em sociologia
Quadro resumo dos autores clássicos em sociologiaQuadro resumo dos autores clássicos em sociologia
Quadro resumo dos autores clássicos em sociologia
Rudi Lemos
 

Mais procurados (19)

Os clássicos da sociologia
Os clássicos da sociologiaOs clássicos da sociologia
Os clássicos da sociologia
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
 
Pensadores da sociologia
Pensadores da sociologiaPensadores da sociologia
Pensadores da sociologia
 
O Processo de Construção do Saber Sociológico
O Processo de Construção do Saber SociológicoO Processo de Construção do Saber Sociológico
O Processo de Construção do Saber Sociológico
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
 
Sociologia uma ciência da modernidade
Sociologia uma ciência da modernidadeSociologia uma ciência da modernidade
Sociologia uma ciência da modernidade
 
Ideologia althusser poulantzas
Ideologia althusser poulantzasIdeologia althusser poulantzas
Ideologia althusser poulantzas
 
o pensamento sociológico de max weber
o pensamento sociológico de max webero pensamento sociológico de max weber
o pensamento sociológico de max weber
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
Teóricos da sociologia. as perspectívas sociológicas clássicas
Teóricos da sociologia. as perspectívas sociológicas clássicasTeóricos da sociologia. as perspectívas sociológicas clássicas
Teóricos da sociologia. as perspectívas sociológicas clássicas
 
Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1
 
Quem foram karl marx,max weber e emile durkheim
Quem foram karl marx,max weber e emile durkheimQuem foram karl marx,max weber e emile durkheim
Quem foram karl marx,max weber e emile durkheim
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Max Weber
Max WeberMax Weber
Max Weber
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
 
Émile Durkheim
Émile DurkheimÉmile Durkheim
Émile Durkheim
 
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologiaSociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
 
Sociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibularSociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibular
 
Quadro resumo dos autores clássicos em sociologia
Quadro resumo dos autores clássicos em sociologiaQuadro resumo dos autores clássicos em sociologia
Quadro resumo dos autores clássicos em sociologia
 

Semelhante a Althusser resenha

2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
LilianeBA
 
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIARevisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Carlos Benjoino Bidu
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
gabriela_eiras
 
Identidade coletivas e conflitos sociais.pptx
Identidade coletivas e conflitos sociais.pptxIdentidade coletivas e conflitos sociais.pptx
Identidade coletivas e conflitos sociais.pptx
JOOLUIZDASILVALOPES
 
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
51 t
51 t51 t
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
pibidsociais
 
Sociologia (1) do ensino medio
Sociologia (1) do ensino medioSociologia (1) do ensino medio
Sociologia (1) do ensino medio
Andrea Parlen
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
guest6a86aa
 
Sociologia iv
Sociologia ivSociologia iv
Sociologia iv
andrea almeida
 
Conhecimentos específicos sociologia 1 fase
Conhecimentos específicos sociologia 1 faseConhecimentos específicos sociologia 1 fase
Conhecimentos específicos sociologia 1 fase
pascoalnaib
 
Thinking about civilizations
Thinking about civilizationsThinking about civilizations
Thinking about civilizations
Rafael Pinto
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Apostila sociologia
Apostila sociologiaApostila sociologia
Apostila sociologia
Allan Almeida de Araújo
 
Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)
Allan Almeida de Araújo
 
Boletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeauBoletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeau
FARLEY DE OLIVEIRA
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Ricardo Esturilho
 
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Matheus Alves
 
Introdução à sociologia
Introdução à sociologiaIntrodução à sociologia
Introdução à sociologia
Alexandre Von Réstio
 
Mam 251
Mam 251 Mam 251
Mam 251
Carmem Rocha
 

Semelhante a Althusser resenha (20)

2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
 
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIARevisão Conceitual de SOCIOLOGIA
Revisão Conceitual de SOCIOLOGIA
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
 
Identidade coletivas e conflitos sociais.pptx
Identidade coletivas e conflitos sociais.pptxIdentidade coletivas e conflitos sociais.pptx
Identidade coletivas e conflitos sociais.pptx
 
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Prof.Altair Aguilar.
 
51 t
51 t51 t
51 t
 
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
 
Sociologia (1) do ensino medio
Sociologia (1) do ensino medioSociologia (1) do ensino medio
Sociologia (1) do ensino medio
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Sociologia iv
Sociologia ivSociologia iv
Sociologia iv
 
Conhecimentos específicos sociologia 1 fase
Conhecimentos específicos sociologia 1 faseConhecimentos específicos sociologia 1 fase
Conhecimentos específicos sociologia 1 fase
 
Thinking about civilizations
Thinking about civilizationsThinking about civilizations
Thinking about civilizations
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
 
Apostila sociologia
Apostila sociologiaApostila sociologia
Apostila sociologia
 
Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)
 
Boletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeauBoletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeau
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
 
Introdução à sociologia
Introdução à sociologiaIntrodução à sociologia
Introdução à sociologia
 
Mam 251
Mam 251 Mam 251
Mam 251
 

Althusser resenha

  • 1. Cadernos de Linguagem e Sociedade, 3 (1) 1997 Althusser, Louis. Aparelhos ideológicos de estado. Rio de Janeiro: Graal,1992,128 páss. RESENHADO POR: IDERVAL MIRANDA Presumivelmente escrito logo após as manifestações estudantis de maio de 1968, este texto teve repercussão em quase todas as esferas das ciências humanas, notadamente na Lingüística e, em especial, na Análise de Discurso. Seu autor, Louis Althusser, na época, chegara a ocupar um posto no Bureau Político do Partido Co- munista Francês. No livro, ele procura responder, em essência, "por que as socie- dades em geral, e as sociedades capitalistas contemporâneas em particular, man- têm-se, apesar das divisões e desigualdades que as caracterizam?"1 Para essa questão tão ampla, Althusser sugere como pontos para discussão o seguinte: 1. Toda formação social é resultado de um modo de produção dominante. 2. Para existir, ao mesmo tempo que produz, e para produzir, uma dada for- mação social deve reproduzir as suas condições de produção. 3. Essa formação social deve, portanto, reproduzir os meios de produção, as forças produtivas e as relações de produção existentes. 4. A reprodução das forças produtivas e das relações de produção exige dos elementos envolvidos nesse processo uma submissão à ideologia da classe domi- nante dessa formação social. 5. Essa submissão decorre da utilização do poder de Estado pela classe dominante; seja pela violência, notadamente através do Aparelho Repressivo do Estado (governo, serviço civil, polícia, tribunais, prisões, forças armadas, etc.) ; seja pela ideologia, principalmente através dos Aparelhos Ideológicos de Estado (igrejas, escolas, família, sistema legal, sistema político, sindicatos, sistema dos meios de comunicação de massas, atividades culturais como os esportes e as artes). Há, nessa síntese esquemática, uma tentativa de fazer compreender as dife- rentes atividades dos estados modernos e os conflitos por eles criados, exclusiva- mente, em termos de análises de classes sociais. Onde a relação sociedade civil vs. Thompson, Ideologia e cultura moderna, p. 117. 140
  • 2. Iderval Miranda Estado é entendida como sendo simples conformação dos seus atores à imutabilidade de um sistema ideologicamente estruturado por uma classe dominante, de forma a serem garantidas a sua reprodução e preservação. A aceitação desses pressupostos não é pacífica. O entendimento da existên- cia de "um conjunto central de valores e crenças amplamente partilhados e firme- mente aceitos pelos indivíduos nas sociedades industriais modernas"2 , mediados pelos mecanismos do estado, leva-nos a descartar o dissenso, a não-satisfação, o ceticismo e o cinismo sempre presentes na relação indivíduos vs. valores e crenças sociais; além do que, "no curso de suas vidas cotidianas, as pessoas, especificamen- te, movimentam-se através de uma multiplicidade de contextos sociais e estão sujei- tas a pressões e processos sociais conflitivos."3 Um indivíduo, em conseqüência, nunca é, simplesmente, uma ameba automaticamente moldada por uma ideologia dominante. Tais fatos mostram que é preciso pensar-se em um enfoque mais satisfatório do fenômeno da ideologia, de modo a precisar "as maneiras como as pessoas localizadas diferencialmente na ordem social respondem e dão sentido a formas simbólicas específicas, e como essas formas simbólicas, quando analisadas em relação aos contextos em que elas são produzidas, recebidas e compreendidas, servem (ou não servem) para estabelecer ou sustentar relações de dominação."4 Para mais, torna-se "fundamental reconhecer que existem relações de po- der sistematicamente assimétricas que estão baseadas em fatores diferentes dos de classe - como, por exemplo, fatores de sexo, idade, origem étnica - e parece essencial ampliar o marco referencial para a análise da ideologia para dar conta desses fatores. A teoria geral da reprodução social organizada pelo estado e legi- timada pela ideologia, à medida que dá ênfase principal às relações de classe, tende a sobrevalorizar a importância da classe na análise da ideologia e a margi- nalizar outros tipos de dominação, tais como as formas simbólicas que servem para garanti-las."5 Além disso, a redução das diferentes atividades dos estados modernos a ques- tões de classes sociais internas é uma simplificação forçada, dado que, por essa via, não são levadas em conta as relações, hoje altamente desenvolvidas, diversificadas e imbricadas, com outros estados-nação. E ainda, a simples colocação dos meios de comunicação de massa como um dos Aparelhos Ideológicos do Estado não faz justiça a essas instituições, visto que, nas sociedades modernas, esses meios são constitutivos do próprio fórum "dentro 2 Ibid., p. 119. 3 Ibid., p. 121. 4 Ibid., p. 123. 5 Ibid., p. 127. 141
  • 3. Cadernos de Linguagem e Sociedade, 3 (I) 1997 do qual e, até certo ponto, com respeito ao qual, os indivíduos agem e reagem ao exercer o poder e ao responder ao exercício de poder de outros. "6 Na parte final do livro, Althusser apresenta uma contribuição muito produ- tiva para a teorização e operacionalização do binômio linguagem/ideologia, quan- do são discutidas as suas teses sobre ideologia, explicitadas a partir destes pontos principais: 1. A ideologia representa a relação imaginária dos indivíduos com suas con- dições reais de existência. 2. A ideologia tem uma existência material. 3. Apenas do ponto de vista das classes, isto é, da luta de classes, pode-se dar conta das ideologias existentes numa formação social. A aproximação da linguagem com a ideologia é feita através das seguintes relações: 1. A representação da relação imaginária dos indivíduos com suas condições reais de existência pela ideologia é mediada pela linguagem. 2. A ideologia, com uma existência material, passa a ser entendida como vivida na experiência cotidiana. Essa experiência é traduzida em práticas discursivas e não-discursivas, fazendo com que a linguagem dê forma à existência material da ideologia, de onde se deduz que a ideologia tem uma existência material por meio da linguagem e esta tem uma existência ideológica. 4. A linguagem (o signo), então, como já asseverava Bakhtin se torna "a arena onde se desenvolve a luta de classes"7 , e dizendo mais ousadamente, a arena de todas as lutas sociais. Esses pressupostos alteraram de forma significativa a estreita visão da lin- guagem como fato unicamente lingüístico, colocando, notadamente, os estudos do texto na amplitude da análise do discurso, onde as formações ideológicas são determinantes para o entendimento das práticas discursivas. E isso foi e continua a ser uma grande revolução. Referências Bibliográficas Bakhtin, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995. Thompson, J. B. Ideologia e cultura moderna. Petrópolis: Vozes, 1995. 0 Ibid, p. 128. Bakhtin, Marxismo e filosofia da linguagem, p. 46. 142