SlideShare uma empresa Scribd logo
ALONGAMENTO MUSCULAR: UMA<br />VERSÃO ATUALIZADA<br />Adélia Oliveira da Conceição 1<br />George Alberto da Silva Dias 2<br />* Acadêmica do 3° ano do Curso de Fisioterapia. Monitora das Disciplinas Cinesioterapia e Recursos Terapêuticos Manuais.<br />** Acadêmico do 3° ano do Curso de Fisioterapia. Monitor das Disciplinas Cinesioterapia e Recursos Terapêuticos Manuais.<br />*** Artigo realizado sob orientação da docente Mônica Cardoso da Cruz do curso de Fisioterapia na disciplina Cinésioterapia e Especialista<br />em Fisioterapia Neurofuncional.<br />RESUMO:<br />O presente artigo apresenta-se como revisão bibliográfica sobre alongamento muscular, abordando<br />seus principais conceitos, as características dos tecidos corporais envolvidos, principais<br />métodos e alguns cuidados necessários para a boa aplicação da terapia. Dessa forma o objetivo<br />do texto é desmistificar alguns aspectos sobre o assunto que possam interferir na boa pratica das<br />técnicas, favorecendo, assim, um melhor conhecimento sobre o assunto para os profissionais<br />da área da saúde, em especial aos fisioterapeutas.<br />2 Lato& Sensu, Belém, v.5, n.1, p. 6, jun, 2004.<br />INTRODUÇÃO<br />O alongamento é uma<br />manobra terapêutica utilizada<br />para aumentar o comprimento<br />(alongar) de tecidos moles que<br />estejam encurtados (KISNER,<br />1998), podendo ser definido também<br />como técnica utilizada para<br />aumentar a extensibilidade<br />músculotendinosa e do tecido<br />conjuntivo periarticular, de tal<br />modo contribuindo para aumentar<br />a flexibilidade articular<br />(HALL; BRODY, 2001).<br />A flexibilidade sofre influência<br />de três fatores principais:<br />a estrutura óssea da articulação,<br />a quantidade de tecido<br />periarticular e a extensibilidade<br />de tendões, ligamentos e tecido<br />muscular que cruzam a articulação<br />(ALLSEN, 1999). Com a<br />diminuição da extensibilidade o<br />músculo perde a capacidade de<br />se deformar, restringindo a amplitude<br />articular na direção do<br />movimento do qual é antagonista<br />(BRANDY, 2003), assim<br />como hábitos sedentários são um<br />dos maiores responsáveis pela<br />perda de flexibilidade, pois a<br />falta de uso da estrutura em arcos<br />extremos de movimento articular<br />resulta na adaptação dos<br />tecidos conjuntivos a comprimentos<br />menores com conseqüente<br />perda da extensibilidade.<br />Além disso, a redução da flexibilidade<br />sendo responsável por<br />movimentos corporais incorretos<br />contribui para o uso viciosos<br />da estrutura anatômica gerando<br />estresse mecânico e predispondo<br />a lesões cumulativas do aparelho<br />locomotor (ALLSEN,<br />1999).<br />As atividades de flexibilidade<br />são comumente recomendadas<br />como atividade pré-aquecimento<br />ou como procedimento<br />pós-aquecimento conforme é<br />recomendado pelos autores<br />(BRANDY, 2003), (HALL;<br />BRODY, 2001) e<br />(ALLSEN,1999), são utilizados<br />também para manter o funcionamento<br />normal do músculo evitando<br />lesões, melhorar o desempenho<br />de atletas e auxiliar na<br />reabilitação pós lesão. Como<br />conduta terapêutica é indicado<br />para aumentar a amplitude articular,<br />quando a causa de restrição<br />de ADM for o componente<br />musculotendineo (BRADY,<br />2003).<br />Tendo em vista estes<br />aspectos, as manobras de flexibilidade<br />articular são de grande<br />utilidade na pratica diária da fisioterapia,<br />já que constantemente<br />estes profissionais lidam com<br />pacientes que apresentam restrição<br />de amplitude articular<br />decorrentes de fatores intrínsecos<br />ou extrínsecos, por isso se<br />faz necessário o conhecimento<br />claro e objetivo deste assunto,<br />esclarecendo pontos de vista ou<br />pensamentos errôneos a respeito<br />desta técnica, que possam interferir<br />na boa prática das manobras<br />que podem ser utilizadas<br />para o ganho de flexibilidade<br />articular.<br />PROPRIEDADES DOS<br />TECIDOS MOLES<br />Os métodos de alongamento<br />empregados nas disciplinas<br />de atletismo, dança, fisioterapia<br />e ioga podem variar<br />bastante. Contudo, determinado<br />conhecimento é necessário em<br />todas essas disciplinas. Um conhecimento<br />básico do mecanismo<br />neuromuscular normal, incluindo<br />desenvolvimento motor,<br />anatomia, neurofisiologia e<br />cinesiologia, é muito útil, se não<br />essencial. Além disso, qualquer<br />que seja o método de alongamento<br />usado, o profissional da área<br />da saúde deve estar completamente<br />familiarizado com a estrutura<br />e a função da articulação<br />em questão. O profissional<br />deve saber não somente o grau<br />de limitação do movimento, mas<br />também quais tecidos são responsáveis<br />pelas limitações<br />(ALTER, 1999).<br />Os tecidos moles variam<br />em características físicas e<br />mecânicas. Tanto os tecidos<br />contráteis como os nãocontráteis<br />são extensíveis e elásticos,<br />mas os tecidos contráteis<br />também são contraíveis.<br />Contratilidade é a habilidade de<br />um músculo para encurtar e<br />desenvolver tensão ao longo de<br />sua extensão. Distensibilidade<br />(comumente conhecida como<br />extensibilidade) é a propriedade<br />do tecido muscular em aumentar<br />o comprimento em resposta<br />a uma força aplicada externamente<br />(ALTER, 1999).<br />Lato & Sensu, Belém, v. 5, n. 1, p. 136-141, jun, 2004. 3<br />Assim quanto menor a<br />distensibilidade de um tecido<br />mole, maior deve ser a força<br />que pode produzir um alongamento.<br />Um tecido de alta<br />distensibilidade não pode resistir<br />a uma força de alongamento,<br />assim como um tecido que é<br />muito rígido, e precisará de uma<br />força maior que o tecido menos<br />rígido para produzir o mesmo<br />grau de deformação. Assim,<br />os tecidos moles com maior<br />rigidez são menos suscetíveis<br />a lesões como distensões e<br />entorses (ALTER, 1999).<br />Os tecidos moles não<br />são perfeitamente elásticos.<br />Além do seu limite elástico, eles<br />não podem retornar a seu comprimento<br />original uma vez que<br />a força de alongamento é removida.<br />A diferença entre o comprimento<br />original e o novo comprimento<br />é chamada de disposição<br />permanente (alongamento<br />plástico ou deformação) e<br />correlaciona-se a uma lesão<br />tecidual menor (ALTER, 1999).<br />Os tecidos não<br />contráteis são constituídos principalmente<br />por colágeno, uma<br />proteína mais abundante nos<br />mamíferos que é um componente<br />estrutural principal do tecido<br />vivo. Nos vertebrados, por<br />exemplo, o colágeno constitui<br />um terço ou mais das proteínas<br />totais do corpo. As fibras<br />colagenosas aparecem sem cor<br />e esbranquiçadas. Elas são arranjadas<br />em feixes e, exceto sob<br />tensão, atravessam um caminho<br />caracteristicamente ondulado.<br />As fibras colágenas só são<br />capazes de um leve grau de<br />extensibilidade. Elas são, contudo<br />muito resistente ao estresse<br />de tração. Logo, são os principais<br />constituintes de estruturas,<br />como ligamentos e tendões que<br />são submetidos a uma força de<br />tração (ALTER, 1999). Portanto<br />de acordo com as modificações<br />ocorridas no tecido conjuntivo<br />derivam de tensões a ele<br />impostas, se a tensão for prolongada<br />e contínua as moléculas<br />e os feixes do tecido conjuntivo<br />se alongam (BIENFAIT,<br />1995).<br />MÉTODOS DE<br />ALONGAMENTO<br />Existem três tipos básicos<br />de alongamento, o estático,<br />o balístico e por facilitação<br />neuromuscular proprioceptiva<br />(FNP). No método de alongamento<br />estático, músculos e tecidos<br />são estirados e mantidos<br />em posição estacionária em seu<br />maior comprimento possível por<br />um período de 15 a 60 segundos<br />(HALL, BRODY, 2001). Já de<br />acordo com Brandy (2003), o<br />procedimento realizado é alongar<br />o músculo de forma lenta e<br />gradual. A baixa velocidade de<br />alongamento do músculo evita a<br />resposta neurológica do reflexo<br />do estiramento e estimula a atividade<br />dos órgãos tendinosos de<br />golgi facilitando o alongamento<br />muscular, o arco de movimento<br />de ser mantido por um tempo de<br />no mínimo 15 segundos e no<br />máximo 60 segundos, para que<br />haja adaptação das fibras ao novo<br />comprimento.Nessa posição<br />uma leve tensão deve ser percebida,<br />o alongamento progride,<br />aumentando de intensidade, à<br />medida que o paciente se adapta<br />a posição para então adquirir um<br />novo posicionamento.<br />Dentre as vantagens do<br />alongamento estático Allsen<br />(1999), descreve que contribui<br />para o alivio das dores musculares<br />e para melhora da flexibilidade,<br />já Hall e Brody (2001)<br />acrescentam que reduzem o gasto<br />de energia global, diminuem<br />a possibilidade de ultrapassar a<br />extensibilidade tecidual e diminui<br />a possibilidade de causar<br />dores musculares, Brandy<br />(2003) afirma também que ele<br />reduz a atividade dos fusos musculares<br />e aumenta consideravelmente<br />a atividade dos órgãos<br />tendinosos de golgi (OTG).<br />O alongamento Balístico,<br />o músculo é levado a se<br />contrair e relaxar de forma rápida<br />e repetida, levando a<br />deflagração de estímulos que<br />mandam o músculo contrair ao<br />invés de relaxar (reflexo de<br />estiramento), aumentando a possibilidade<br />de causar micro lesões<br />que posteriormente podem interferir<br />no bom funcionamento do<br />músculo. Apesar disso, esse tipo<br />de técnica tem eficácia para<br />melhora da flexibilidade de uma<br />população restrita (atletas), uma<br />vez que para um bom rendimento<br />em atividades dinâmicas são<br />necessárias atividades balísticas.<br />Para tanto se sugere um<br />programa de flexibilidade dinâ4<br />Lato& Sensu, Belém, v.5, n.1, p. 6, jun, 2004.<br />mico em que o individuo passa<br />por uma serie de alongamentos<br />balísticos, onde se varia a velocidade<br />(lento – rápido) e a amplitude<br />de movimento (arco<br />completo ou incompleto), sendo<br />que antes desse programa o<br />individuo passa por uma serie de<br />alongamentos estáticos até progredir<br />para as atividades balísticas<br />de baixa, média e alta velocidade<br />(BRADY, 2003).<br />Allsen (1999), concorda<br />com o autor quando ele se refere<br />à reação muscular ao alongamento<br />balístico e possibilidade<br />de lesões, mas acrescenta<br />que seus efeitos benéficos podem<br />ser potencializados quando realizados<br />como atividade pósaquecimento,<br />pois a temperatura<br />dos tecidos encontram-se<br />mais elevada, tornando-os mais<br />maleáveis e menos passiveis de<br />lesão. Acredita-se, também,<br />que o condicionamento possa<br />afrouxar as conexões de actinamiosina<br />aumentando a eficácia<br />do alongamento (HALL;<br />BRODY, 2001).<br />Um dos tópicos mais<br />controversos da ciência dos esportes<br />é o valor relativo dos programas<br />de alongamento balístico<br />versus estático para desenvolver<br />a flexibilidade. A controvérsia<br />é complicada pela falta de pesquisa<br />sobre a flexibilidade balística.<br />O alongamento balístico é<br />difícil de avaliar por causa da<br />necessidade de equipamento<br />elaborado e habilidade técnica<br />na mensuração da força que é<br />requerida para mover a articulação<br />através de sua amplitude<br />de movimento em ambas as velocidades,<br />rápida e lenta<br />(STAMFORD, 1981). Há, contudo,<br />uma quantidade considerável<br />de pesquisas indicando que<br />ambos os métodos, balístico e<br />estático, são eficazes no desenvolvimento<br />da flexibilidade<br />(CORBIN e NOBLE, 1980;<br />LOGAN e EGSTROM, 1961;<br />SADY, WORTMAN e<br />BLANKE, 1982; STAMFORD,<br />1981; WEBER e KRAUS, 1949,<br />apud ALTER, 1999).<br />O alongamento por facilitação<br />proprioceptiva<br />neuromuscular é a outra técnica<br />utilizada, que de acordo com<br />Knott e Voss, as técnicas de<br />FPN são métodos “para promover<br />ou acelerar a resposta de um<br />mecanismo neuromuscular pela<br />estimulação de<br />proprioceptores”. Com base<br />nesses conceitos de influenciar<br />a resposta muscular, podem-se<br />usar as técnicas de FPN para<br />fortalecer os músculos e aumentar<br />sua flexibilidade articular<br />(ALLSEN, 1999).<br />Uma contração breve<br />antes de um alongamento estático<br />do músculo é o ponto chave<br />para as técnicas de FPN para<br />aumentar a flexibilidade muscular.<br />A terminologia usada para<br />descrever as atividades de alongamento<br />por FPN tem variado<br />consideravelmente, incluindo o<br />uso de novos termos como: contrair-<br />relaxar, manter-relaxar,<br />manter em reversão lenta-relaxar,<br />contração do agonista, contrair—<br />relaxar com contração do<br />agonista e manter—relaxar com<br />contração do agonista. Além<br />disso, às vezes, se usa o mesmo<br />termo para diferentes técnicas<br />de alongamento por FPN, portanto<br />três técnicas de alongamento<br />por FPN vão ser definidas<br />como: manter-relaxar, contrair-<br />relaxar e manter em reversão<br />lenta-relaxar (ALLSEN,<br />1999).<br />Na técnica manter-relaxar, o<br />profissional move passivamente<br />o membro a ser alongado até<br />o final da amplitude de movimento.<br />Uma vez atingido o final<br />da amplitude de movimento, o<br />paciente aplica uma contração<br />isométrica, no músculo que se<br />quer alongar, contra resistência<br />imposta pelo profissional por 6s,<br />após a remoção da contração o<br />músculo relaxa-se e o profissional<br />aplica alongamento, mantendo-<br />o por cerca de 10 a 20s. Sem<br />abaixar o membro, pode-se repetir<br />este processo de três a cinco<br />vezes, para então retorná-lo<br />ao seu posicionamento inicial. A<br />contração isométrica do músculo<br />que está sendo alongado acarreta<br />um aumento da tensão nesse<br />músculo, o que estimula o órgão<br />tendinoso de golgi. O OTG<br />causa então um relaxamento reflexo<br />do músculo (inibição<br />autógena) antes que o músculo<br />seja movido a uma nova posição<br />de alongamento e alongado passivamente<br />(ALLSEN, 1999).<br />Uma outra técnica utilizada<br />é contrair-relaxar, em que<br />se faz o mesmo procedimento<br />da técnica anterior, assim o<br />profissional solicita ao paciente<br />para tentar executar uma conLato<br />& Sensu, Belém, v. 5, n. 1, p. 136-141, jun, 2004. 5<br />tração concêntrica do músculo<br />oposto ao músculo que está sendo<br />alongado, causando um alongamento<br />maior, ou seja, em<br />qualquer grupo muscular<br />sinérgico uma contração do<br />agonista causa um relaxamento<br />reflexo do músculo antagonista,<br />possibilitando ao músculo antagonista<br />relaxar para um alongamento<br />mais eficaz (inibição recíproca).<br />Enquanto o paciente<br />executa a contração concêntrica<br />do músculo, causando um<br />alongamento maior, o profissional<br />aproveita qualquer amplitude<br />de movimento que tenha<br />sido ganha, mantendo, assim, o<br />membro na nova posição de<br />alongamento, o profissional<br />pede ao paciente a relaxar e<br />manter a posição por 10 a 20 s.<br />Sem abaixar o membro, podese<br />repetir a técnica de três a cinco<br />vezes para retorná-la a posição<br />inicial (ALLSEN, 1999).<br />A técnica de manter em<br />reversão lenta-relaxar segue os<br />mesmos procedimentos das técnicas<br />anteriores, em que o paciente<br />aplica uma força isométrica<br />contra o profissional por 6s, contraindo<br />assim o músculo a ser<br />alongado (inibição autógena).<br />Depois da contração isométrica<br />do músculo, o profissional solicita<br />ao paciente para tentar executar<br />uma contração concêntrica<br />do músculo oposto, causando<br />um alongamento maior (inibição<br />recíproca), aproveitando qualquer<br />amplitude de movimento<br />que tenha sido ganha, mantendo<br />o membro na nova posição de<br />alongamento, o profissional solicita<br />ao paciente relaxar e manter<br />a posição por 10 a 20 s. Sem<br />retornar a posição inicial, podese<br />repetir a técnica três a cinco<br />vezes e depois retornar ao<br />posicionamento inicial. Portanto<br />as técnicas de alongamento<br />por FPN são eficazes em aumentar<br />a flexibilidade muscular,<br />a escolha da técnica depende da<br />situação apresentada pelo paciente<br />(ALLSEN, 1999).<br />EFEITOS DO<br />ALONGAMENTO<br />Os efeitos do alongamento<br />se dividem em agudos e<br />crônicos, pois os agudos ou imediatos<br />são resultado da<br />flexibilização do componente<br />elástico da unidade<br />musculotendinosa, obtidos com<br />exercícios sistemáticos de alongamento.<br />Os efeitos crônicos ou<br />a longo prazo são o acréscimo<br />no número de sarcômeros que<br />implica o aumento do comprimento<br />muscular. Estes efeitos<br />podem permanecer por determinado<br />período após a interrupção<br />dos exercícios (HALL;<br />BRODY,2001).<br />De acordo com<br />Sobierajski (2004) existem outros<br />efeitos promovidos pelos<br />exercícios de alongamento<br />como: redução de tensões<br />musculares,prevenção de lesões<br />como as distensões,<br />estiramentos (a capacidade de<br />um tecido em se moldar às tensões<br />diminui a probabilidade de<br />lesão), auxílio na recuperação<br />muscular após uma atividade física,<br />desenvolvimento de consciência<br />corporal, benefício a<br />coordenação por tornar os movimentos<br />mais soltos e fáceis e<br />a ativação da circulação.<br />As técnicas de FNP podem<br />ter melhores resultados que<br />as estáticas ou balísticas para<br />produzir efeitos agudos sobre a<br />amplitude dinâmica de movimento<br />(HALL; BRODY, 2001).<br />INDICAÇÕES DO<br />ALONGAMENTO<br />Segundo Kisner (1998)<br />as indicações do alongamento<br />são quando a amplitude de movimento<br />está limitada como resultado<br />de contraturas, adesões<br />e formações de tecido<br />cicatricial, levando ao encurtamento<br />de músculos, tecido<br />conectivo e pele; quando as limitações<br />podem levar a deformidades<br />estruturais que podem<br />ser prevenidas; quando as<br />contraturas interferem com as<br />atividades funcionais cotidianas;<br />quando existe fraqueza muscular<br />e retração nos tecidos opostos.<br />Os músculos retraídos devem<br />ser alongados antes que os<br />músculos fracos possam ser efetivamente<br />fortalecidos.<br />6 Lato& Sensu, Belém, v.5, n.1, p. 6, jun, 2004.<br />CONTRA-INDICAÇÕES<br />Existem algumas contra-<br />indicações para o uso das<br />técnicas de alongamento segundo<br />Kisner (1998) quando um bloqueio<br />ósseo limita a mobilidade<br />articular ou após uma fratura<br />recente, evidências de processos<br />inflamatórios ou infeccioso<br />agudo intra ou extra-articular e<br />sensação de dor, trauma nos tecidos<br />ou quando existem<br />contraturas ou os tecidos moles<br />encurtados estiverem promovendo<br />aumento na estabilidade articular<br />em substituição a estabilidade<br />estrutural normal ou quando<br />forem a base de habilidade<br />funcionais, principalmente em<br />pacientes com paralisia ou fraqueza<br />muscular.<br />CONSIDERAÇÕES<br />FINAIS<br />Os conhecimentos sobre<br />a biomecânica dos tecidos<br />moles são de grande valia para<br />a aplicação das técnicas de alongamento<br />muscular em vários<br />casos.<br />Apesar da variabilidade<br />de técnicas cada uma possui sua<br />particularidade, não havendo um<br />ponto comum entre elas, e podem<br />ser comparadas em relação<br />ao seu grau de eficiência .<br />segundo Hall e Brody (2001), as<br />técnicas de FNP são mais eficazes,<br />quando comparadas às<br />técnicas estáticas ou balísticas.<br />No entanto, não existem estudos<br />concretos que comprovem tal<br />eficiência.<br />Outro ponto a ser analisado<br />é o emprego do alongamento<br />balístico como forma de terapia,<br />ainda muito questionada em<br />relação a sua real eficácia durante<br />o programa de tratamento.<br />Apesar dos questionamentos<br />relacionados aos seus efeitos lesivos,<br />essa técnica pode ser perfeitamente<br />aplicável a uma população<br />específica (atletas), que<br />possuem estrutura do aparelho<br />locomotor preparado para receber<br />esse tipo de atividade. Sendo<br />assim, ao contrabalançar<br />seus efeitos gerais, os benéficos<br />são relativamente maiores que<br />os lesivos.<br />Logo, se faz necessário<br />o conhecimento real a respeito<br />das várias técnicas levando-se<br />em consideração itens como:<br />procedimentos, precauções e<br />aplicabilidade; para que assim<br />se possa obter sucesso ao tratamento<br />empregado.<br />REFERÊNCIAS:<br />ALLSEN, P. E; HARRINSON,<br />J. M; BARBARA, V. Exercício<br />e qualidade de vida: uma<br />abordagem personalizada. 6.<br />ed. São Paulo: Manole, 1999.<br />ALTER, M. J. Ciência da flexibilidade.<br />2.ed. Porto Alegre:<br />Artmed, 1999.<br />BANDY, D. W; SANDRES, B.<br />Exercícios terapêuticos: técnicas<br />para intervenção. Rio de<br />Janeiro: Guanabara Koogan,<br />2003.<br />BIENFAIT, M. Os<br />desequilíbrios estáticos. 3. ed.<br />São Paulo: Summus, 1995.<br />_________. Fisiologia da terapia<br />manual. São Paulo:<br />Summus, 1989.<br />HALL, M. C; BRODY, T. L.<br />Exercícios terapêuticos: na<br />busca da função.Rio de Janeiro:<br />Guanabara Koogan, 2001<br />KISNER, C; COLBY, L. A.<br />Exercícios terapêuticos: fundamentos<br />e técnicas. 3. ed. São<br />Paulo: Manole, 1998.<br />SOBIERAJSKI, F. Efeito do<br />alongamento. Disponível em:<br /><http//: www.corpohumano.<br />hpg. ig.com.br.> Acesso em:<br />13.abr.2004.<br />
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular
Alongamento muscular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

alongamentos
 alongamentos alongamentos
alongamentos
Junior Tusta
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
Isabela Luana
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Kabat aula pratica cintura pelvica
Kabat   aula pratica cintura pelvicaKabat   aula pratica cintura pelvica
Kabat aula pratica cintura pelvica
Natha Fisioterapia
 
Shantala
Shantala Shantala
Shantala
Stephan Mazzaro
 
01 aula biomecanica conceitos
01 aula  biomecanica conceitos01 aula  biomecanica conceitos
01 aula biomecanica conceitos
Bruno Mendes
 
Como fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxanteComo fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxante
Rosiane Bezerra
 
Cinesiologia e biomecânica do complexo articular do ombro
Cinesiologia e biomecânica do complexo articular do ombroCinesiologia e biomecânica do complexo articular do ombro
Cinesiologia e biomecânica do complexo articular do ombro
Raphael Menezes
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
Natha Fisioterapia
 
Pontos gatilho
Pontos gatilhoPontos gatilho
Pontos gatilho
Hugo Pedrosa
 
Massagem miofascial
Massagem miofascialMassagem miofascial
Massagem miofascial
Mah HS
 
Slides alongamentos
Slides alongamentosSlides alongamentos
Slides alongamentos
carolezeca
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Herbert Santana
 
Aprendizagem Motora - PST
Aprendizagem Motora - PSTAprendizagem Motora - PST
Aprendizagem Motora - PST
Leonardo Melo
 
Fisioterapia em Pediatria apresentação
Fisioterapia em Pediatria apresentaçãoFisioterapia em Pediatria apresentação
Fisioterapia em Pediatria apresentação
Rita Brahim
 
Orientações posturais
Orientações posturaisOrientações posturais
Orientações posturais
Maryanne Guimarães
 
Biomecânica - Aula 2 biomec - terminol mov e revisao
Biomecânica - Aula 2   biomec - terminol mov e revisaoBiomecânica - Aula 2   biomec - terminol mov e revisao
Biomecânica - Aula 2 biomec - terminol mov e revisao
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
Nuno Amaro
 
Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!
Joemille Leal
 
Apostila alongamentos
Apostila   alongamentosApostila   alongamentos
Apostila alongamentos
Francisco Júnior
 

Mais procurados (20)

alongamentos
 alongamentos alongamentos
alongamentos
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Kabat aula pratica cintura pelvica
Kabat   aula pratica cintura pelvicaKabat   aula pratica cintura pelvica
Kabat aula pratica cintura pelvica
 
Shantala
Shantala Shantala
Shantala
 
01 aula biomecanica conceitos
01 aula  biomecanica conceitos01 aula  biomecanica conceitos
01 aula biomecanica conceitos
 
Como fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxanteComo fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxante
 
Cinesiologia e biomecânica do complexo articular do ombro
Cinesiologia e biomecânica do complexo articular do ombroCinesiologia e biomecânica do complexo articular do ombro
Cinesiologia e biomecânica do complexo articular do ombro
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Pontos gatilho
Pontos gatilhoPontos gatilho
Pontos gatilho
 
Massagem miofascial
Massagem miofascialMassagem miofascial
Massagem miofascial
 
Slides alongamentos
Slides alongamentosSlides alongamentos
Slides alongamentos
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
 
Aprendizagem Motora - PST
Aprendizagem Motora - PSTAprendizagem Motora - PST
Aprendizagem Motora - PST
 
Fisioterapia em Pediatria apresentação
Fisioterapia em Pediatria apresentaçãoFisioterapia em Pediatria apresentação
Fisioterapia em Pediatria apresentação
 
Orientações posturais
Orientações posturaisOrientações posturais
Orientações posturais
 
Biomecânica - Aula 2 biomec - terminol mov e revisao
Biomecânica - Aula 2   biomec - terminol mov e revisaoBiomecânica - Aula 2   biomec - terminol mov e revisao
Biomecânica - Aula 2 biomec - terminol mov e revisao
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
 
Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!
 
Apostila alongamentos
Apostila   alongamentosApostila   alongamentos
Apostila alongamentos
 

Semelhante a Alongamento muscular

Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Fernando Farias
 
03
0303
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento SegmentarComparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Flexibilidade mitos e verdades
Flexibilidade   mitos e verdadesFlexibilidade   mitos e verdades
Flexibilidade mitos e verdades
juuliacarolina
 
ARTIGO V3n1a08
ARTIGO V3n1a08ARTIGO V3n1a08
ARTIGO V3n1a08
Nonamundo
 
Anatomia geral dos ossos e articulações
Anatomia geral dos ossos e articulaçõesAnatomia geral dos ossos e articulações
Anatomia geral dos ossos e articulações
Filipe Matos
 
Flexibilidade 01
Flexibilidade 01Flexibilidade 01
Flexibilidade 01
washington carlos vieira
 
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor LombarCorrelação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoesAlongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alexandra Nurhan
 
Alongamento e prev lesoes
Alongamento e prev lesoesAlongamento e prev lesoes
Alongamento e prev lesoes
juuliacarolina
 
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoesAlongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alexandra Nurhan
 
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
Rpg e Alongamento Segmentar  - teseRpg e Alongamento Segmentar  - tese
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Flexibilidade treinamento
Flexibilidade treinamentoFlexibilidade treinamento
Flexibilidade treinamento
Matheus Barbosa
 
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralCORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
Fernando Farias
 
A importância do alongamento em atividades físicas
A importância do alongamento em atividades físicasA importância do alongamento em atividades físicas
A importância do alongamento em atividades físicas
Alexandra Nurhan
 
Flexibilidade01
Flexibilidade01Flexibilidade01
Flexibilidade01
Gerson Faria
 
3° série - princípios básicos da musculação.pptx
3° série - princípios básicos da musculação.pptx3° série - princípios básicos da musculação.pptx
3° série - princípios básicos da musculação.pptx
FbioMFernandes
 
Testes neuro usculares de flexibilidadeFlexibilidade.ppt
Testes neuro usculares de flexibilidadeFlexibilidade.pptTestes neuro usculares de flexibilidadeFlexibilidade.ppt
Testes neuro usculares de flexibilidadeFlexibilidade.ppt
msfabiolira
 
AULA_FLEXIBILIDADE_NOVA.ppt
AULA_FLEXIBILIDADE_NOVA.pptAULA_FLEXIBILIDADE_NOVA.ppt
AULA_FLEXIBILIDADE_NOVA.ppt
MateusRotermundBarat
 
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesões
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesõesALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesões
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesões
Fernando Farias
 

Semelhante a Alongamento muscular (20)

Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
 
03
0303
03
 
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento SegmentarComparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
 
Flexibilidade mitos e verdades
Flexibilidade   mitos e verdadesFlexibilidade   mitos e verdades
Flexibilidade mitos e verdades
 
ARTIGO V3n1a08
ARTIGO V3n1a08ARTIGO V3n1a08
ARTIGO V3n1a08
 
Anatomia geral dos ossos e articulações
Anatomia geral dos ossos e articulaçõesAnatomia geral dos ossos e articulações
Anatomia geral dos ossos e articulações
 
Flexibilidade 01
Flexibilidade 01Flexibilidade 01
Flexibilidade 01
 
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor LombarCorrelação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
 
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoesAlongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
 
Alongamento e prev lesoes
Alongamento e prev lesoesAlongamento e prev lesoes
Alongamento e prev lesoes
 
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoesAlongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
 
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
Rpg e Alongamento Segmentar  - teseRpg e Alongamento Segmentar  - tese
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
 
Flexibilidade treinamento
Flexibilidade treinamentoFlexibilidade treinamento
Flexibilidade treinamento
 
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralCORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
 
A importância do alongamento em atividades físicas
A importância do alongamento em atividades físicasA importância do alongamento em atividades físicas
A importância do alongamento em atividades físicas
 
Flexibilidade01
Flexibilidade01Flexibilidade01
Flexibilidade01
 
3° série - princípios básicos da musculação.pptx
3° série - princípios básicos da musculação.pptx3° série - princípios básicos da musculação.pptx
3° série - princípios básicos da musculação.pptx
 
Testes neuro usculares de flexibilidadeFlexibilidade.ppt
Testes neuro usculares de flexibilidadeFlexibilidade.pptTestes neuro usculares de flexibilidadeFlexibilidade.ppt
Testes neuro usculares de flexibilidadeFlexibilidade.ppt
 
AULA_FLEXIBILIDADE_NOVA.ppt
AULA_FLEXIBILIDADE_NOVA.pptAULA_FLEXIBILIDADE_NOVA.ppt
AULA_FLEXIBILIDADE_NOVA.ppt
 
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesões
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesõesALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesões
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesões
 

Alongamento muscular

  • 1. ALONGAMENTO MUSCULAR: UMA<br />VERSÃO ATUALIZADA<br />Adélia Oliveira da Conceição 1<br />George Alberto da Silva Dias 2<br />* Acadêmica do 3° ano do Curso de Fisioterapia. Monitora das Disciplinas Cinesioterapia e Recursos Terapêuticos Manuais.<br />** Acadêmico do 3° ano do Curso de Fisioterapia. Monitor das Disciplinas Cinesioterapia e Recursos Terapêuticos Manuais.<br />*** Artigo realizado sob orientação da docente Mônica Cardoso da Cruz do curso de Fisioterapia na disciplina Cinésioterapia e Especialista<br />em Fisioterapia Neurofuncional.<br />RESUMO:<br />O presente artigo apresenta-se como revisão bibliográfica sobre alongamento muscular, abordando<br />seus principais conceitos, as características dos tecidos corporais envolvidos, principais<br />métodos e alguns cuidados necessários para a boa aplicação da terapia. Dessa forma o objetivo<br />do texto é desmistificar alguns aspectos sobre o assunto que possam interferir na boa pratica das<br />técnicas, favorecendo, assim, um melhor conhecimento sobre o assunto para os profissionais<br />da área da saúde, em especial aos fisioterapeutas.<br />2 Lato& Sensu, Belém, v.5, n.1, p. 6, jun, 2004.<br />INTRODUÇÃO<br />O alongamento é uma<br />manobra terapêutica utilizada<br />para aumentar o comprimento<br />(alongar) de tecidos moles que<br />estejam encurtados (KISNER,<br />1998), podendo ser definido também<br />como técnica utilizada para<br />aumentar a extensibilidade<br />músculotendinosa e do tecido<br />conjuntivo periarticular, de tal<br />modo contribuindo para aumentar<br />a flexibilidade articular<br />(HALL; BRODY, 2001).<br />A flexibilidade sofre influência<br />de três fatores principais:<br />a estrutura óssea da articulação,<br />a quantidade de tecido<br />periarticular e a extensibilidade<br />de tendões, ligamentos e tecido<br />muscular que cruzam a articulação<br />(ALLSEN, 1999). Com a<br />diminuição da extensibilidade o<br />músculo perde a capacidade de<br />se deformar, restringindo a amplitude<br />articular na direção do<br />movimento do qual é antagonista<br />(BRANDY, 2003), assim<br />como hábitos sedentários são um<br />dos maiores responsáveis pela<br />perda de flexibilidade, pois a<br />falta de uso da estrutura em arcos<br />extremos de movimento articular<br />resulta na adaptação dos<br />tecidos conjuntivos a comprimentos<br />menores com conseqüente<br />perda da extensibilidade.<br />Além disso, a redução da flexibilidade<br />sendo responsável por<br />movimentos corporais incorretos<br />contribui para o uso viciosos<br />da estrutura anatômica gerando<br />estresse mecânico e predispondo<br />a lesões cumulativas do aparelho<br />locomotor (ALLSEN,<br />1999).<br />As atividades de flexibilidade<br />são comumente recomendadas<br />como atividade pré-aquecimento<br />ou como procedimento<br />pós-aquecimento conforme é<br />recomendado pelos autores<br />(BRANDY, 2003), (HALL;<br />BRODY, 2001) e<br />(ALLSEN,1999), são utilizados<br />também para manter o funcionamento<br />normal do músculo evitando<br />lesões, melhorar o desempenho<br />de atletas e auxiliar na<br />reabilitação pós lesão. Como<br />conduta terapêutica é indicado<br />para aumentar a amplitude articular,<br />quando a causa de restrição<br />de ADM for o componente<br />musculotendineo (BRADY,<br />2003).<br />Tendo em vista estes<br />aspectos, as manobras de flexibilidade<br />articular são de grande<br />utilidade na pratica diária da fisioterapia,<br />já que constantemente<br />estes profissionais lidam com<br />pacientes que apresentam restrição<br />de amplitude articular<br />decorrentes de fatores intrínsecos<br />ou extrínsecos, por isso se<br />faz necessário o conhecimento<br />claro e objetivo deste assunto,<br />esclarecendo pontos de vista ou<br />pensamentos errôneos a respeito<br />desta técnica, que possam interferir<br />na boa prática das manobras<br />que podem ser utilizadas<br />para o ganho de flexibilidade<br />articular.<br />PROPRIEDADES DOS<br />TECIDOS MOLES<br />Os métodos de alongamento<br />empregados nas disciplinas<br />de atletismo, dança, fisioterapia<br />e ioga podem variar<br />bastante. Contudo, determinado<br />conhecimento é necessário em<br />todas essas disciplinas. Um conhecimento<br />básico do mecanismo<br />neuromuscular normal, incluindo<br />desenvolvimento motor,<br />anatomia, neurofisiologia e<br />cinesiologia, é muito útil, se não<br />essencial. Além disso, qualquer<br />que seja o método de alongamento<br />usado, o profissional da área<br />da saúde deve estar completamente<br />familiarizado com a estrutura<br />e a função da articulação<br />em questão. O profissional<br />deve saber não somente o grau<br />de limitação do movimento, mas<br />também quais tecidos são responsáveis<br />pelas limitações<br />(ALTER, 1999).<br />Os tecidos moles variam<br />em características físicas e<br />mecânicas. Tanto os tecidos<br />contráteis como os nãocontráteis<br />são extensíveis e elásticos,<br />mas os tecidos contráteis<br />também são contraíveis.<br />Contratilidade é a habilidade de<br />um músculo para encurtar e<br />desenvolver tensão ao longo de<br />sua extensão. Distensibilidade<br />(comumente conhecida como<br />extensibilidade) é a propriedade<br />do tecido muscular em aumentar<br />o comprimento em resposta<br />a uma força aplicada externamente<br />(ALTER, 1999).<br />Lato & Sensu, Belém, v. 5, n. 1, p. 136-141, jun, 2004. 3<br />Assim quanto menor a<br />distensibilidade de um tecido<br />mole, maior deve ser a força<br />que pode produzir um alongamento.<br />Um tecido de alta<br />distensibilidade não pode resistir<br />a uma força de alongamento,<br />assim como um tecido que é<br />muito rígido, e precisará de uma<br />força maior que o tecido menos<br />rígido para produzir o mesmo<br />grau de deformação. Assim,<br />os tecidos moles com maior<br />rigidez são menos suscetíveis<br />a lesões como distensões e<br />entorses (ALTER, 1999).<br />Os tecidos moles não<br />são perfeitamente elásticos.<br />Além do seu limite elástico, eles<br />não podem retornar a seu comprimento<br />original uma vez que<br />a força de alongamento é removida.<br />A diferença entre o comprimento<br />original e o novo comprimento<br />é chamada de disposição<br />permanente (alongamento<br />plástico ou deformação) e<br />correlaciona-se a uma lesão<br />tecidual menor (ALTER, 1999).<br />Os tecidos não<br />contráteis são constituídos principalmente<br />por colágeno, uma<br />proteína mais abundante nos<br />mamíferos que é um componente<br />estrutural principal do tecido<br />vivo. Nos vertebrados, por<br />exemplo, o colágeno constitui<br />um terço ou mais das proteínas<br />totais do corpo. As fibras<br />colagenosas aparecem sem cor<br />e esbranquiçadas. Elas são arranjadas<br />em feixes e, exceto sob<br />tensão, atravessam um caminho<br />caracteristicamente ondulado.<br />As fibras colágenas só são<br />capazes de um leve grau de<br />extensibilidade. Elas são, contudo<br />muito resistente ao estresse<br />de tração. Logo, são os principais<br />constituintes de estruturas,<br />como ligamentos e tendões que<br />são submetidos a uma força de<br />tração (ALTER, 1999). Portanto<br />de acordo com as modificações<br />ocorridas no tecido conjuntivo<br />derivam de tensões a ele<br />impostas, se a tensão for prolongada<br />e contínua as moléculas<br />e os feixes do tecido conjuntivo<br />se alongam (BIENFAIT,<br />1995).<br />MÉTODOS DE<br />ALONGAMENTO<br />Existem três tipos básicos<br />de alongamento, o estático,<br />o balístico e por facilitação<br />neuromuscular proprioceptiva<br />(FNP). No método de alongamento<br />estático, músculos e tecidos<br />são estirados e mantidos<br />em posição estacionária em seu<br />maior comprimento possível por<br />um período de 15 a 60 segundos<br />(HALL, BRODY, 2001). Já de<br />acordo com Brandy (2003), o<br />procedimento realizado é alongar<br />o músculo de forma lenta e<br />gradual. A baixa velocidade de<br />alongamento do músculo evita a<br />resposta neurológica do reflexo<br />do estiramento e estimula a atividade<br />dos órgãos tendinosos de<br />golgi facilitando o alongamento<br />muscular, o arco de movimento<br />de ser mantido por um tempo de<br />no mínimo 15 segundos e no<br />máximo 60 segundos, para que<br />haja adaptação das fibras ao novo<br />comprimento.Nessa posição<br />uma leve tensão deve ser percebida,<br />o alongamento progride,<br />aumentando de intensidade, à<br />medida que o paciente se adapta<br />a posição para então adquirir um<br />novo posicionamento.<br />Dentre as vantagens do<br />alongamento estático Allsen<br />(1999), descreve que contribui<br />para o alivio das dores musculares<br />e para melhora da flexibilidade,<br />já Hall e Brody (2001)<br />acrescentam que reduzem o gasto<br />de energia global, diminuem<br />a possibilidade de ultrapassar a<br />extensibilidade tecidual e diminui<br />a possibilidade de causar<br />dores musculares, Brandy<br />(2003) afirma também que ele<br />reduz a atividade dos fusos musculares<br />e aumenta consideravelmente<br />a atividade dos órgãos<br />tendinosos de golgi (OTG).<br />O alongamento Balístico,<br />o músculo é levado a se<br />contrair e relaxar de forma rápida<br />e repetida, levando a<br />deflagração de estímulos que<br />mandam o músculo contrair ao<br />invés de relaxar (reflexo de<br />estiramento), aumentando a possibilidade<br />de causar micro lesões<br />que posteriormente podem interferir<br />no bom funcionamento do<br />músculo. Apesar disso, esse tipo<br />de técnica tem eficácia para<br />melhora da flexibilidade de uma<br />população restrita (atletas), uma<br />vez que para um bom rendimento<br />em atividades dinâmicas são<br />necessárias atividades balísticas.<br />Para tanto se sugere um<br />programa de flexibilidade dinâ4<br />Lato& Sensu, Belém, v.5, n.1, p. 6, jun, 2004.<br />mico em que o individuo passa<br />por uma serie de alongamentos<br />balísticos, onde se varia a velocidade<br />(lento – rápido) e a amplitude<br />de movimento (arco<br />completo ou incompleto), sendo<br />que antes desse programa o<br />individuo passa por uma serie de<br />alongamentos estáticos até progredir<br />para as atividades balísticas<br />de baixa, média e alta velocidade<br />(BRADY, 2003).<br />Allsen (1999), concorda<br />com o autor quando ele se refere<br />à reação muscular ao alongamento<br />balístico e possibilidade<br />de lesões, mas acrescenta<br />que seus efeitos benéficos podem<br />ser potencializados quando realizados<br />como atividade pósaquecimento,<br />pois a temperatura<br />dos tecidos encontram-se<br />mais elevada, tornando-os mais<br />maleáveis e menos passiveis de<br />lesão. Acredita-se, também,<br />que o condicionamento possa<br />afrouxar as conexões de actinamiosina<br />aumentando a eficácia<br />do alongamento (HALL;<br />BRODY, 2001).<br />Um dos tópicos mais<br />controversos da ciência dos esportes<br />é o valor relativo dos programas<br />de alongamento balístico<br />versus estático para desenvolver<br />a flexibilidade. A controvérsia<br />é complicada pela falta de pesquisa<br />sobre a flexibilidade balística.<br />O alongamento balístico é<br />difícil de avaliar por causa da<br />necessidade de equipamento<br />elaborado e habilidade técnica<br />na mensuração da força que é<br />requerida para mover a articulação<br />através de sua amplitude<br />de movimento em ambas as velocidades,<br />rápida e lenta<br />(STAMFORD, 1981). Há, contudo,<br />uma quantidade considerável<br />de pesquisas indicando que<br />ambos os métodos, balístico e<br />estático, são eficazes no desenvolvimento<br />da flexibilidade<br />(CORBIN e NOBLE, 1980;<br />LOGAN e EGSTROM, 1961;<br />SADY, WORTMAN e<br />BLANKE, 1982; STAMFORD,<br />1981; WEBER e KRAUS, 1949,<br />apud ALTER, 1999).<br />O alongamento por facilitação<br />proprioceptiva<br />neuromuscular é a outra técnica<br />utilizada, que de acordo com<br />Knott e Voss, as técnicas de<br />FPN são métodos “para promover<br />ou acelerar a resposta de um<br />mecanismo neuromuscular pela<br />estimulação de<br />proprioceptores”. Com base<br />nesses conceitos de influenciar<br />a resposta muscular, podem-se<br />usar as técnicas de FPN para<br />fortalecer os músculos e aumentar<br />sua flexibilidade articular<br />(ALLSEN, 1999).<br />Uma contração breve<br />antes de um alongamento estático<br />do músculo é o ponto chave<br />para as técnicas de FPN para<br />aumentar a flexibilidade muscular.<br />A terminologia usada para<br />descrever as atividades de alongamento<br />por FPN tem variado<br />consideravelmente, incluindo o<br />uso de novos termos como: contrair-<br />relaxar, manter-relaxar,<br />manter em reversão lenta-relaxar,<br />contração do agonista, contrair—<br />relaxar com contração do<br />agonista e manter—relaxar com<br />contração do agonista. Além<br />disso, às vezes, se usa o mesmo<br />termo para diferentes técnicas<br />de alongamento por FPN, portanto<br />três técnicas de alongamento<br />por FPN vão ser definidas<br />como: manter-relaxar, contrair-<br />relaxar e manter em reversão<br />lenta-relaxar (ALLSEN,<br />1999).<br />Na técnica manter-relaxar, o<br />profissional move passivamente<br />o membro a ser alongado até<br />o final da amplitude de movimento.<br />Uma vez atingido o final<br />da amplitude de movimento, o<br />paciente aplica uma contração<br />isométrica, no músculo que se<br />quer alongar, contra resistência<br />imposta pelo profissional por 6s,<br />após a remoção da contração o<br />músculo relaxa-se e o profissional<br />aplica alongamento, mantendo-<br />o por cerca de 10 a 20s. Sem<br />abaixar o membro, pode-se repetir<br />este processo de três a cinco<br />vezes, para então retorná-lo<br />ao seu posicionamento inicial. A<br />contração isométrica do músculo<br />que está sendo alongado acarreta<br />um aumento da tensão nesse<br />músculo, o que estimula o órgão<br />tendinoso de golgi. O OTG<br />causa então um relaxamento reflexo<br />do músculo (inibição<br />autógena) antes que o músculo<br />seja movido a uma nova posição<br />de alongamento e alongado passivamente<br />(ALLSEN, 1999).<br />Uma outra técnica utilizada<br />é contrair-relaxar, em que<br />se faz o mesmo procedimento<br />da técnica anterior, assim o<br />profissional solicita ao paciente<br />para tentar executar uma conLato<br />& Sensu, Belém, v. 5, n. 1, p. 136-141, jun, 2004. 5<br />tração concêntrica do músculo<br />oposto ao músculo que está sendo<br />alongado, causando um alongamento<br />maior, ou seja, em<br />qualquer grupo muscular<br />sinérgico uma contração do<br />agonista causa um relaxamento<br />reflexo do músculo antagonista,<br />possibilitando ao músculo antagonista<br />relaxar para um alongamento<br />mais eficaz (inibição recíproca).<br />Enquanto o paciente<br />executa a contração concêntrica<br />do músculo, causando um<br />alongamento maior, o profissional<br />aproveita qualquer amplitude<br />de movimento que tenha<br />sido ganha, mantendo, assim, o<br />membro na nova posição de<br />alongamento, o profissional<br />pede ao paciente a relaxar e<br />manter a posição por 10 a 20 s.<br />Sem abaixar o membro, podese<br />repetir a técnica de três a cinco<br />vezes para retorná-la a posição<br />inicial (ALLSEN, 1999).<br />A técnica de manter em<br />reversão lenta-relaxar segue os<br />mesmos procedimentos das técnicas<br />anteriores, em que o paciente<br />aplica uma força isométrica<br />contra o profissional por 6s, contraindo<br />assim o músculo a ser<br />alongado (inibição autógena).<br />Depois da contração isométrica<br />do músculo, o profissional solicita<br />ao paciente para tentar executar<br />uma contração concêntrica<br />do músculo oposto, causando<br />um alongamento maior (inibição<br />recíproca), aproveitando qualquer<br />amplitude de movimento<br />que tenha sido ganha, mantendo<br />o membro na nova posição de<br />alongamento, o profissional solicita<br />ao paciente relaxar e manter<br />a posição por 10 a 20 s. Sem<br />retornar a posição inicial, podese<br />repetir a técnica três a cinco<br />vezes e depois retornar ao<br />posicionamento inicial. Portanto<br />as técnicas de alongamento<br />por FPN são eficazes em aumentar<br />a flexibilidade muscular,<br />a escolha da técnica depende da<br />situação apresentada pelo paciente<br />(ALLSEN, 1999).<br />EFEITOS DO<br />ALONGAMENTO<br />Os efeitos do alongamento<br />se dividem em agudos e<br />crônicos, pois os agudos ou imediatos<br />são resultado da<br />flexibilização do componente<br />elástico da unidade<br />musculotendinosa, obtidos com<br />exercícios sistemáticos de alongamento.<br />Os efeitos crônicos ou<br />a longo prazo são o acréscimo<br />no número de sarcômeros que<br />implica o aumento do comprimento<br />muscular. Estes efeitos<br />podem permanecer por determinado<br />período após a interrupção<br />dos exercícios (HALL;<br />BRODY,2001).<br />De acordo com<br />Sobierajski (2004) existem outros<br />efeitos promovidos pelos<br />exercícios de alongamento<br />como: redução de tensões<br />musculares,prevenção de lesões<br />como as distensões,<br />estiramentos (a capacidade de<br />um tecido em se moldar às tensões<br />diminui a probabilidade de<br />lesão), auxílio na recuperação<br />muscular após uma atividade física,<br />desenvolvimento de consciência<br />corporal, benefício a<br />coordenação por tornar os movimentos<br />mais soltos e fáceis e<br />a ativação da circulação.<br />As técnicas de FNP podem<br />ter melhores resultados que<br />as estáticas ou balísticas para<br />produzir efeitos agudos sobre a<br />amplitude dinâmica de movimento<br />(HALL; BRODY, 2001).<br />INDICAÇÕES DO<br />ALONGAMENTO<br />Segundo Kisner (1998)<br />as indicações do alongamento<br />são quando a amplitude de movimento<br />está limitada como resultado<br />de contraturas, adesões<br />e formações de tecido<br />cicatricial, levando ao encurtamento<br />de músculos, tecido<br />conectivo e pele; quando as limitações<br />podem levar a deformidades<br />estruturais que podem<br />ser prevenidas; quando as<br />contraturas interferem com as<br />atividades funcionais cotidianas;<br />quando existe fraqueza muscular<br />e retração nos tecidos opostos.<br />Os músculos retraídos devem<br />ser alongados antes que os<br />músculos fracos possam ser efetivamente<br />fortalecidos.<br />6 Lato& Sensu, Belém, v.5, n.1, p. 6, jun, 2004.<br />CONTRA-INDICAÇÕES<br />Existem algumas contra-<br />indicações para o uso das<br />técnicas de alongamento segundo<br />Kisner (1998) quando um bloqueio<br />ósseo limita a mobilidade<br />articular ou após uma fratura<br />recente, evidências de processos<br />inflamatórios ou infeccioso<br />agudo intra ou extra-articular e<br />sensação de dor, trauma nos tecidos<br />ou quando existem<br />contraturas ou os tecidos moles<br />encurtados estiverem promovendo<br />aumento na estabilidade articular<br />em substituição a estabilidade<br />estrutural normal ou quando<br />forem a base de habilidade<br />funcionais, principalmente em<br />pacientes com paralisia ou fraqueza<br />muscular.<br />CONSIDERAÇÕES<br />FINAIS<br />Os conhecimentos sobre<br />a biomecânica dos tecidos<br />moles são de grande valia para<br />a aplicação das técnicas de alongamento<br />muscular em vários<br />casos.<br />Apesar da variabilidade<br />de técnicas cada uma possui sua<br />particularidade, não havendo um<br />ponto comum entre elas, e podem<br />ser comparadas em relação<br />ao seu grau de eficiência .<br />segundo Hall e Brody (2001), as<br />técnicas de FNP são mais eficazes,<br />quando comparadas às<br />técnicas estáticas ou balísticas.<br />No entanto, não existem estudos<br />concretos que comprovem tal<br />eficiência.<br />Outro ponto a ser analisado<br />é o emprego do alongamento<br />balístico como forma de terapia,<br />ainda muito questionada em<br />relação a sua real eficácia durante<br />o programa de tratamento.<br />Apesar dos questionamentos<br />relacionados aos seus efeitos lesivos,<br />essa técnica pode ser perfeitamente<br />aplicável a uma população<br />específica (atletas), que<br />possuem estrutura do aparelho<br />locomotor preparado para receber<br />esse tipo de atividade. Sendo<br />assim, ao contrabalançar<br />seus efeitos gerais, os benéficos<br />são relativamente maiores que<br />os lesivos.<br />Logo, se faz necessário<br />o conhecimento real a respeito<br />das várias técnicas levando-se<br />em consideração itens como:<br />procedimentos, precauções e<br />aplicabilidade; para que assim<br />se possa obter sucesso ao tratamento<br />empregado.<br />REFERÊNCIAS:<br />ALLSEN, P. E; HARRINSON,<br />J. M; BARBARA, V. Exercício<br />e qualidade de vida: uma<br />abordagem personalizada. 6.<br />ed. São Paulo: Manole, 1999.<br />ALTER, M. J. Ciência da flexibilidade.<br />2.ed. Porto Alegre:<br />Artmed, 1999.<br />BANDY, D. W; SANDRES, B.<br />Exercícios terapêuticos: técnicas<br />para intervenção. Rio de<br />Janeiro: Guanabara Koogan,<br />2003.<br />BIENFAIT, M. Os<br />desequilíbrios estáticos. 3. ed.<br />São Paulo: Summus, 1995.<br />_________. Fisiologia da terapia<br />manual. São Paulo:<br />Summus, 1989.<br />HALL, M. C; BRODY, T. L.<br />Exercícios terapêuticos: na<br />busca da função.Rio de Janeiro:<br />Guanabara Koogan, 2001<br />KISNER, C; COLBY, L. A.<br />Exercícios terapêuticos: fundamentos<br />e técnicas. 3. ed. São<br />Paulo: Manole, 1998.<br />SOBIERAJSKI, F. Efeito do<br />alongamento. Disponível em:<br /><http//: www.corpohumano.<br />hpg. ig.com.br.> Acesso em:<br />13.abr.2004.<br />